Secretaria Regional de Educação Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação Direcção de Serviços de Formação e Adaptações Tecnológicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria Regional de Educação Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação Direcção de Serviços de Formação e Adaptações Tecnológicas"

Transcrição

1 RELATÓRIOANUAL DEACTIVIDADES 2006 DIVISÃO DE APOIO À E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

2 ÍNDICE I. Nota Introdutória... 3 II. Acção Global Desenvolvida.. 4 II.I Avaliação das Acções de Formação 21 II.II Avaliação pelos Formadores 26 II.III Avaliação do Nível de Transferência dos Conhecimentos Adquiridos para Situações Laborais Impacto no Local de Trabalho. 28 III. Avaliação Final 29 2

3 I. NOTA INTRODUTÓRIA A tem como missão promover a formação de acordo com as necessidades diagnosticadas e incentivar a investigação científica na área da Educação Especial. Tendo em conta a sua missão e as suas atribuições, a DAFIC traça um plano de formação a ser desenvolvido ao longo do ano, tentando abarcar o maior número possível de categorias profissionais afectas à DREER de forma a satisfazer as necessidades de formação apresentadas por cada serviço. Este relatório surge como um acto de reflexão e de análise sobre a aplicação do plano de formação. Nele procura-se avaliar a sua eficácia, a sua taxa de realização junto dos formandos, analisando pontos fortes e pontos fracos a partir das opiniões recolhidas. Em primeiro lugar descrevemos de forma sucinta a acção global desenvolvida pela DAFIC. Posteriormente apresentamos quadros síntese da formação contínua organizada por esta Divisão, por outros serviços da DREER e, ainda, por entidades externas que solicitaram a colaboração, nomeadamente para a emissão de registos de presença e/ou de certificados, para formalizar o pedido de validação à DRE e/ou para a cedência da sala de formação. Por último damos a conhecer a avaliação das acções de formação, quer pelos formandos quer pelos formadores, através da apresentação e discussão dos resultados obtidos nos questionários aplicados. RECURSOS HUMANOS A equipa da DAFIC durante o ano de 2006 foi constituída por cinco técnicos de diversas áreas profissionais e ainda por uma auxiliar administrativa em formação, como se pode constatar no quadro seguinte: Área Profissional Glória Gonçalves Chefe de Divisão Ana Isabel Gomes Técnica Superior de Investigação Social Aplicada Fabiana Abreu Sofia Silva Técnicas Superiores de Educação Lídia Barros Técnica Profissional de Educação Especial 1 Elisabete Sá Auxiliar Administrativa Estagiária 1 No exercício de outras funções. 3

4 II. ACÇÃO GLOBAL DESENVOLVIDA No ano de 2006 a (DAFIC) promoveu 18 formações de carácter contínuo, distribuídas pelas três áreas de formação apresentadas na tabela seguinte: ÁREA DE CIÊNCIAS DA ESPECIALIDADE N.º DE FORMANDOS Ms Excel - Iniciação 10 Ms Excel - Avançado 12 Ms PowerPoint - Iniciação 12 Ms PowerPoint - Avançado 8 Internet e Correio Electrónico I 12 2 Internet e Correio Electrónico II 16 3 Artes Decorativas TOTAL 85 ÁREA DAS CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Prevenção, Habilitação e Inclusão de Pessoas Portadoras de Deficiência 18 Sexualidade das Pessoas Portadoras de Deficiência 18 Necessidades Educativas Especiais de Carácter Permanente 19 Crianças com Precocidade Excepcional a Nível do Desenvolvimento Global: Processos de Avaliação Psicológica, Aconselhamento e Práticas Educativas Gestão de Projectos - Organização e Coordenação de Actividades de Enriquecimento Curricular Dislexia: da Teoria à Intervenção 3 Braille e Tecnologias de Apoio para Deficientes Visuais 4 16 TOTAL 266 ÁREA DE PESSOAL E DEONTOLÓGICA SIADAP - Avaliação de Desempenho 63 Relações Interpessoais Atendimento e Imagem Profissional 13 5 Técnicas de Secretariado I 16 TOTAL 107 NÚMERO TOTAL DE FORMANDOS Dos 12 formandos apenas 11 participaram no processo de avaliação da formação. 3 Dos 16 formandos apenas participaram no processo de avaliação da formação. 4 Esta formação não foi avaliada. 5 Dos 13 formandos apenas 11 participaram no processo de avaliação da formação. 4

5 Para além destas, a DAFIC deu início à Oficina de Formação: Necessidades Educativas de Carácter Prolongado Problemas de Visão, para 26 formandos (que dada a carga horária de 85 horas apenas será finalizada no decurso de 2007) e promoveu a Supervisão das Salas TEACCH do Colégio Esperança e da EB1/PE da Ajuda (etapa decorrente da acção de formação dinamizada no ano anterior, denominada Perturbações do Espectro do Autismo Implementação da Sala TEACCH). No decurso do mês de Março de 2006 concluiu-se o Curso de Especialização em Educação Especial da responsabilidade da ESE Lisboa/ Instituto Politécnico em parceria com a DREER que abrangeu 25 formandos, com a apresentação e defesa do projecto de investigação e inovação pedagógica por 20 deles (sendo que os restantes 5 concluíram no ano anterior). Concomitantemente, deu-se continuidade à coordenação/supervisão da segunda turma do Curso de Especialização e iniciou-se em Setembro o III Curso com a designação de Formação Especializada em Educação Especial - Ramo: Problemas de Aprendizagem e Comportamento, composta por 29 formandos dos níveis de ensino: Educação de Infância, 1.º, 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico e Ensino Secundário. Paralelamente, esta Divisão organizou acções de formação, abaixo discriminadas, inerentes aos Projectos de Investigação-Acção de Intervenção Precoce e Diferenciação Pedagógica que se estenderam ao longo do mês de Setembro, perfazendo 72 horas, dirigidas a educadores de infância, docentes do ensino regular e equipas multiprofissionais dos serviços da DREER: 1. Escola Contemporânea (12 horas); 2. Dificuldades de Aprendizagem Específicas e Distúrbio de Défice de Atenção / Hiperactividade em Crianças (9 horas); 3. Avaliação da Criança em Intervenção Precoce (9 horas); 4. Deficiência Mental (6 horas) 5. Problemas Emocionais e de Comportamento (6 horas); 6. Problemas de Comunicação / Linguagem (9 horas); 7. Desenvolvimento Típico e Atípico (6 horas); 8. Perturbações do Espectro do Autismo (6 horas); 9. Trabalho com a Família (9 horas). 5

6 Em suma, e conforme ilustra a tabela seguinte, perfez-se um total de horas de formação, as quais abrangeram formandos (incluindo as formações dinamizadas pela DAFIC, os Cursos de Especialização, as acções inerentes aos Projectos de Investigação-Acção e, ainda, as acções de formação organizadas por outros serviços da DREER ou entidades externas com a colaboração desta Divisão). Há que atender ao facto de que este número não corresponde ao número exacto dos formandos, já que alguns deles participaram em mais do que uma acção de formação. Total Acções de Formação Contínua dinamizadas pela DAFIC 18 Nº de de Formação 401 Nº de abrangidos 458 Cursos de Especialização (II e III) 2 Nº de de Formação Nº de abrangidos 56 Acções de Formação inerentes aos Projectos de Investigação - Acção 9 Nº de de Formação 72 Nº de abrangidos 160 Colaboração em Acções de Formação Contínua organizadas por outros serviços da DREER e por entidades externas 34 Nº de de Formação 226 Nº de abrangidos 703 Total do Nº de de Formação Total do Nº de abrangidos Ainda no âmbito da análise dos números relativos à oferta de formação, apraz acrescentar que os formandos pertencem não só ao quadro da Direcção Regional de Educação Especial e Reabilitação, mas também ao de outras Direcções Regionais afectas à Secretaria Regional de Educação e à Secretaria Regional dos Assuntos Sociais. Quanto à sua distribuição por categoria profissional, e com base na próxima tabela apresentada, denota-se uma maior incidência dos docentes especializados (94), seguidos dos Dirigentes (85) e Técnicos Profissionais de Educação Especial (63). 6

7 Categorias Profissionais Frequências Administrativo 29 Ajudante da Acção Sócio-Educativa 36 Audiologista 2 Dietista 5 Docente do Ensino Regular 33 Docente Especializado 94 Educador de Infância 4 Engenheiro de Informática 1 Fisioterapeuta 3 Psicólogo 48 Sociólogo 3 Técnico de Informática 1 Técnico Profissional de Educação Especial 63 Técnico Superior de Educação 12 Técnico Superior de Educação Especial e Reabilitação Técnico Superior de Investigação Social Aplicada 3 Técnico Superior de Serviço Social 2 Terapeuta da Fala 9 Terapeuta Ocupacional 5 Outros 90 Outros Frequências - Bacharel em Gestão de Empresas 1 - Dirigente 85 - Enfermeiro 1 - Técnico Superior de Política Social 1 - Técnico Superior em Línguas e Literaturas 1 - Utentes da DREER 1 No que concerne à taxa de realização do plano de formação apresentado para 2006 foi de 73,57%, como se pode verificar pela tabela que se segue. 7

8 Percentagem atribuída Taxa de Concretização Acções de Formação Contínua 60% 38,57% Projectos de Intervenção Precoce e Diferenciação Pedagógica Cursos de Especialização em Educação Especial 25% 20% % % Total 100% 73,57% Importa ainda salientar que, tendo em conta que realizámos 18 das 28 acções previstas, a taxa global de concretização da Formação Contínua foi de 64,29%. Para além disso, realizámos duas acções de formação não planeadas, nomeadamente a formação Supervisão das Salas TEACCH e Crianças com Precocidade Excepcional a nível de Desenvolvimento Global: Processos de Avaliação Psicológica, Aconselhamento e Práticas Educativas na sequência, respectivamente relacionadas com a supervisão da implementação das salas TEACCH na RAM e com o Projecto Regional de Sobredotação. Seguem-se, então, as tabelas das acções de formação contínua dinamizadas pela DAFIC e da colaboração em acções organizadas por outros serviços da DREER e por entidades externas. 8

9 ACÇÕES DE CONTÍNUA DINAMIZADAS PELA DAFIC DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMADOR(ES) DESTINATÁRIOS FINALIDADE(S) DA ACÇÃO DATA FORMANDOS HORAS VOLUME DE HORAS DE Prevenção, Habilitação e Inclusão de Pessoas Portadoras de Deficiência Cecília Berta Pereira Técnicos Profissionais de Educação Especial e Ajudantes de Acção Sócio-Educativa Habilitar os profissionais com mecanismos que conduzam à construção de práticas eficazes que permitam a qualidade de vida das pessoas portadoras de deficiência. 6, 7 e 13 de Janeiro Relações Interpessoais Líria Fernandes Técnicos Profissionais de Educação Especial e Ajudantes de Acção Sócio-Educativa Compreender os princípios da relação humana, das dinâmicas comportamentais, do conhecimento do Eu, da motivação e da comunicação como factores determinantes no âmbito das relações interpessoais. 14, 20 e 21 de Janeiro SIADAP - Avaliação de Desempenho José Fernando Orvalho, Chefes de Divisão e Chefes de Secção Enquadrar o SIADAP na Reforma da Administração Pública, clarificando as suas especificidades e as componentes ao nível da avaliação do desempenho. 16 a 18 de Janeiro 63 (divididos em 2 grupos) 48 (24 por grupo)

10 DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMADOR(ES) DESTINATÁRIOS FINALIDADE(S) DA ACÇÃO DATA FORMANDOS HORAS VOLUME DE HORAS DE Sexualidade nas Pessoas Portadoras de Deficiência Maria Gabriela Fernandes Técnicos Profissionais de Educação Especial e Ajudantes de Acção Sócio-Educativa Dotar os formandos de competências para promover o crescimento saudável na área da sexualidade das pessoas com NEE. 21 de Janeiro e 10 e 11 de Fevereiro Supervisão das Salas TEACCH Teresa São Miguel Técnicos e Docentes Supervisionar o funcionamento das Salas TEACCH da RAM (Sala do Colégio Esperança e da Escola da Ajuda). 2 e 3 de Fevereiro NEE de Carácter Permanente Cecília Berta Pereira Técnicos Profissionais de Educação Especial e Ajudantes de Acção Sócio-Educativa Reconhecer as especificidades das Necessidades Educativas Especiais de carácter permanente e compreender a importância da planificação, programação e avaliação em Educação Especial na promoção do sucesso. 3, 4, 17 e 18 de Fevereiro Atendimento e Imagem Profissional Sofia Gonçalves Pessoal Administrativo Apetrechar os formandos de conhecimentos que permitam compreender o processo administrativo e cuidar correctamente da sua imagem profissional. 20 a 23 e 27 a 29 de Março

11 DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMADOR(ES) DESTINATÁRIOS FINALIDADE(S) DA ACÇÃO DATA FORMANDOS HORAS VOLUME DE HORAS DE Técnicas de Secretariado I Sofia Gonçalves Pessoal Administrativo Dotar os formandos de conhecimentos necessários subjacentes a um bom desempenho profissional. 3 a 12, 17 a 20, 26 e 27 de Abril Microsoft PowerPoint - Iniciação Luís Araújo e Directores Técnicos Contextualizar a utilização de ferramentas de produção e apresentação utilizando o PowerPoint e adquirir competências e autonomia para a criação de conteúdos e apresentações. 26 de Abril a 3 de Maio Microsoft Excel Iniciação Sandra Pais e Coordenadores de CAP Conhecer os conceitos fundamentais do Excel e utilizar as suas potencialidades. 26 de Abril a 3 de Maio 10 0 Microsoft Excel Avançado Susana Silva Conhecer e aprofundar os conceitos fundamentais do Excel e utilizar as suas potencialidades. 8 a 12 de Maio Microsoft PowerPoint - Avançado Cristina Estêvão Contextualizar a utilização de ferramentas de produção e apresentação utilizando o PowerPoint, adquirir competências e autonomia para a criação de conteúdos e apresentações e avaliar as potencialidades deste recurso. 8 a 12 de Maio

12 DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMADOR(ES) DESTINATÁRIOS FINALIDADE(S) DA ACÇÃO DATA FORMANDOS HORAS VOLUME DE HORAS DE Internet e Correio Electrónico I Rogério Queirós Conhecer os conceitos fundamentais que envolvem a Internet e utilizar os diferentes recursos que disponibiliza. 17 a 26 de Maio Crianças com Precocidade Excepcional a nível de Desenvolvimento Global: Processos de Avaliação Psicológica, Aconselhamento e Práticas Educativas Marcelino Pereira Psicólogos e Docentes Especializados Reconhecer a sobredotação como um conceito plural. 1 e 2 de Junho Artes Decorativas Ana Maria Jardim Técnicos Profissionais de Educação Especial e Ajudantes de Acção Sócio-Educativa Proporcionar a experimentação de técnicas de decoração (falsa aguarela e pintura em tecido e em vitral), explorando a criatividade e promovendo a reutilização de materiais. 2, 6, 8, 9, 13, e 16 de Novembro

13 DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMADOR(ES) DESTINATÁRIOS FINALIDADE(S) DA ACÇÃO DATA FORMANDOS HORAS VOLUME DE HORAS DE Necessidades Educativas de Carácter Prolongado Problemas de Visão 6 Teresa Vieira e Docentes Especializados Dotar os formandos de técnicas que possibilitem a construção de práticas conducentes à qualidade de vida das pessoas portadoras de problemas de visão. 6 e 7 de Novembro Internet e Correio Electrónico II Sandra Proença e Docentes Especializados Conhecer os conceitos fundamentais que envolvem a Internet e utilizar os diferentes recursos que disponibiliza. 6 a 10 de Novembro Gestão de Projectos Organização e Coordenação de Actividades de Enriquecimento Curricular Pedro Ramalho e Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica Fundamentar o complexo processo de gestão de um projecto e caracterizar as tarefas que lhe são inerentes. 14 a 23 de Novembro Braille e Tecnologias de Apoio para Deficientes Visuais Alexandre Ovídio Técnicos de Informática, Técnicos Profissionais de Educação Especial e Docentes Especializados. Familiarizar os participantes com as tecnologias de apoio para deficientes visuais: Braille (sistema de comunicação táctil), Pac-Mate (PDA acessível com voz e linha braille) e Tiger Pró (impressora gráfica Braille). 27 a 30 de Novembro Esta acção correspondeu ao Módulo 1 da Oficina de Formação que será finalizada no decurso de

14 DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMADOR(ES) DESTINATÁRIOS FINALIDADE(S) DA ACÇÃO DATA FORMANDOS HORAS VOLUME DE HORAS DE Dislexia: Da Teoria à Intervenção Paula Teles Docentes do Ensino Regular, Docentes Especializados,, Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica e outros. - Abordar os conceitos básicos da dislexia, de modo a permitir aos professores identificar sinais de risco precoces e as dificuldades na aprendizagem da leitura e da escrita, numa fase inicial da aprendizagem; - Dar a conhecer materiais elaborados com base nas recentes descobertas científicas a fim de se implementarem programas educativos que facilitem uma intervenção com sucesso. 4 e 5 de Dezembro Totais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO SERVIÇO TÉCNICO DE EDUCAÇÃO DEFICIENTES INTELECTUAIS

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO SERVIÇO TÉCNICO DE EDUCAÇÃO DEFICIENTES INTELECTUAIS I NOTA INTRODUTÓRIA: PLANO DE ACTIVIDADES 1. Caracterização do Ambiente Interno: MISSÃO: Garantir a formação e integração escolar, familiar e social das crianças e jovens com deficiência intelectual e

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática.

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática. ANEXO III 217 QUADRO N. º 4 - Formação recebida no domínio da intervenção educativa com crianças portadoras de NEE SUB-CATEGORIA INDICADORES UNIDADES DE REGISTO SUJEITOS F.U.R. % Disciplinas do Curso Uma

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Projeto Unidades de Ensino Estruturado

Projeto Unidades de Ensino Estruturado Projeto Unidades de Ensino Estruturado 1- Fundamentação/Contextualização/Justificação O agrupamento de escolas Eng. Fernando Pinto de Oliveira antigo agrupamento de Leça da Palmeira Santa Cruz do Bispo

Leia mais

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009

ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II 4.º ANO - ANO LECTIVO 2008/2009 1 INSTITUTO PIAGET Campus Universitário de Viseu ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE JEAN PIAGET/VISEU (Decreto n.º 33/2002, de 3 de Outubro) ESTÁGIO DE INTEGRAÇÃO À VIDA PROFISSIONAL II (SERVIÇOS HOSPITALARES) 4.º

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Melgaço

Agrupamento de Escolas de Melgaço Cod. 345921 ESCOLA E.B. 2, 3/S DE MELGAÇO SEDE DE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Direcção Regional de Educação do Norte Agrupamento de Escolas de Melgaço Educação Especial Decreto Lei 3/2008 Decreto

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA

Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Portfolio FORMAÇÃO CONTÍNUA Elaboramos soluções de formação customizadas de acordo com as necessidades específicas dos clientes. Os nossos clientes são as empresas, organizações e instituições que pretendem

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus

Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento do 2.º Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Educação Especial: Domínio Cognitivo e Motor Artigo 1.º Objectivos Os objectivos dos cursos de Mestrado (2.º ciclo), da Escola Superior

Leia mais

e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72

e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72 e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72 > Avaliação na Formação 73 > Psicologia e Comportamento Criminoso 74

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA I + II/RELATÓRIO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM ENSINO DE ARTES VISUAIS

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

Id: 41550 (37 years)

Id: 41550 (37 years) Foto não disponível Id: 41550 (37 years) DADOS PESSOAIS: Gênero: Masculino Data de nascimento: 20/08/1978 País: Mozambique, Região: Maputo, Cidade: Maputo Ver CV completo Grave o CV TRABALHO DESEJADO:

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

CET PSICOGERONTOLOGIA

CET PSICOGERONTOLOGIA CET PSICOGERONTOLOGIA DESIGNAÇÃO DO CURSO: PERFIL: O técnico especialista em Psicogerontologia é o profissional que, de forma autónoma ou sob orientação/integrado numa equipa seja um profissional capaz

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO-2010

PLANO DE FORMAÇÃO-2010 PLANO DE FORMAÇÃO-2010 - Associação Vicentina- Formação Modular Certificada (Destinatários: Activos com o 9ºano) Inglês- Iniciação e Aperfeiçoamento TIC s (Iniciação e Aperfeiçoamento) Português para Estrangeiros

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio

Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Manual de Candidatura ao Programa das Actividades de Enriquecimento Curricular no 1.º CEB Despacho N.º 14 460/2008, de 26 de Maio Direcção de Serviços de Apoio Pedagógico e Organização Escolar Ficha Técnica

Leia mais

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar:

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar: s previstos no art. 56.º do Estatuto da Carreira Docente que relevam para a aplicação da alínea c) do n.º 1 do art. 14.º do Decreto-Lei n.º35/2003, de 27 de Fevereiro, na redacção dada pelo Decreto-Lei

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

GERAÇÕES FORMAÇÃO. Gerações Formação Av. Fontes Pereira de Melo, nº 3 9º Esq. Tel. 21 358 39 10 Fax. 21 358 39 29 Email: formacao@geracoes.

GERAÇÕES FORMAÇÃO. Gerações Formação Av. Fontes Pereira de Melo, nº 3 9º Esq. Tel. 21 358 39 10 Fax. 21 358 39 29 Email: formacao@geracoes. GERAÇÕES FORMAÇÃO Gerações Formação Av. Fontes Pereira de Melo, nº 3 9º Esq. Tel. 21 358 39 10 Fax. 21 358 39 29 Email: formacao@geracoes.net 1050-115 Lisboa A Gerações Formação dispõe de uma oferta variada

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE INFORMAÇÃO PESSOAL EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Filipa Torres Santos Queiroz Morada Rua Alexandre Herculano nº29 2025-307 Amiais de Baixo Telefone 93 813 65 42 Correio electrónico Filipa_queiroz83@hotmailcom

Leia mais

10 anos no papel de mãe

10 anos no papel de mãe 10 anos no papel de mãe autodeterminação proteção legal ativação de direitos aceitação respeito inclusão Qualidade de vida 1 o estudo ( ) também não é de somenos traçar um diagnóstico que permita a uma

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

4590 208 Paços de Ferreira

4590 208 Paços de Ferreira C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome DIAS, DANIELLA ALEXANDRA AMARAL SOUSA Morada RUA DA ALDEIA, N.º 108, Figueiró, 4590 208 Paços de Ferreira Telefone 933290482 Fax Correio electrónico

Leia mais

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, JUNHO 05 RELATÓRIO COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES INTERPESSOAIS NO LOCAL DE TRABALHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA

FUNDAÇÃO MINERVA CULTURA ENSINO E INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NOTA EXPLICATIVA NOTA EXPLICATIVA DA AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS NO ÂMBITO DO 1º CICLO DE ESTUDOS DO CURSO DE LICENCIATURA/MESTRADO INTEGRADO EM ARQUITECTURA, CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM CIÊNCIAS DA ARQUITECTURA.

Leia mais

rita.matos@portugalmail.com BI nº 11367602 Contribuinte nº 214217183

rita.matos@portugalmail.com BI nº 11367602 Contribuinte nº 214217183 1 DADOS PESSOAIS Nome Ana Rita da Eira Matos Naturalidade Braga Data de nascimento 19 / 05 / 1978 Nacionalidade Portuguesa Estado Civil Solteira Morada Rua Dr. José Vilaça, Apt. 31, nº49, 6ºandar, 4705-094

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial

SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial SER+ no mundo da escola: projecto de promoção do clima psicossocial Marisa Carvalho (Psicóloga escolar, Agrupamento de Escolas de Toutosa) Maria Céu Taveira (Professora Auxiliar, Universidade do Minho)

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Telefone(s) Correio(s) electrónico(s) Nacionalidade Maria Isabel Farinha dos Santos Rua Adelaide Félix nº r/c dto

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo

GUIA DO FORMANDO. Ética e Deontologia Profissional do Psicólogo GUIA DO FORMANDO Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso... Autor... Metodologia Pedagógica... Avaliação e Certificação...

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

Psicologia Clínica e da Saúde

Psicologia Clínica e da Saúde Psicologia Clínica e da Saúde Pós-graduação e Mestrado Descrição geral PCS-001/002 Conteúdo 1 Enquadramento...3 2 Objectivos e perfis...3 2.1 Objectivos...3 2.2 Perfil de entrada...4 2.3 Perfil de saída...4

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015

PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2014/2015 PLANO DE ATIVIDADES 2 ÍNDICE CARATERIZAÇÃO DO CENTRO DE REURSOS PARA A INCLUSÃO.. 3 FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE RECUSOS PARA A INCLUSÃO 3 CARATERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

Fundação LIGA. Instituição academicamente adscrita à. Universidade Fernando Pessoa

Fundação LIGA. Instituição academicamente adscrita à. Universidade Fernando Pessoa Pós-Graduação Consultoria em Acessibilidades Fundação LIGA Instituição academicamente adscrita à Universidade Fernando Pessoa Objectivos A presente pós-graduação tem como objectivo a identificação das

Leia mais

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1]

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] PLANO TIC 2009-2010 O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] ESCOLA EB1/PE Visconde Cacongo URL: http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pevcacongo Email: eb1pevcacongo@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS I A Comissão Directiva do POPH informa que decorre entre os dias 30 de Janeiro e 3 de Março de 2008 o período para apresentação de candidaturas ao Programa Operacional

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais)

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais) FACULDADE DE LETRAS Universidade de Lisboa REGULAMENTO DO APOIO AO ESTUDANTE COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PREÂMBULO A existência de estudantes

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DE 2008 I NOTA INTRODUTÓRIA:

PLANO DE ACTIVIDADES DE 2008 I NOTA INTRODUTÓRIA: PLANO DE ACTIVIDADES DE 2008 I NOTA INTRODUTÓRIA: 1. Caracterização do Ambiente Interno: Missão: Fomentar a Formação e Integração Profissional de pessoas com deficiência ou outras necessidades educativas

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS DO ALENTEJO

INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS DO ALENTEJO XI Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia Coruña, 7, 8 e 9 de Setembro de 2011 INTERAÇÃOESCOLA, FAMÍLIA E COMUNIDADE NAS PRÁTICAS DE AUTOAVALIAÇÃO DAS ESCOLAS: UM ESTUDO EM ESCOLAS

Leia mais