Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco"

Transcrição

1 Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TV Analógica e Digital O sistema de TV em preto-e-branco Prof. Márcio Lima Site: marcio.lima.poli.br

2 Radiodifusão de Televisão Entende-se por difusão o envio em todas as direções. Antena Tubo da camera Amplificador De Vídeo Transmisor Do sinal De Imagem PV Varredura e Sincronismo Microfone Amplificador De Áudio Transmissor Do sinal De Som Figura 01 Diagrama de blocos de um sistema de televisão - Transmissor 2

3 Radiodifusão de Televisão Entende-se por difusão o envio em todas as direções. Antena Amplificador De Vídeo Tubo de Imagem Circuito de Som e Imagem Varredura e Sincronismo Amplificador De Áudio Alto-falante Figura 01 Diagrama de blocos de um sistema de televisão - Receptor 3

4 Olho Humano Os Cones são as células do olho humano que tem a capacidade de reconhecer as cores. Já os bastonetes, outro tipo de célula do olho humano, tem a capacidade de reconhecer a luminosidade. 4

5 Olho Humano 5

6 A TV em preto-e-branco só foi possível graças à curva de luminosidade relativa do olho humano (Figura 3). A resposta visual humana está restrita a uma pequena faixa do espectro das radiações eletromagnéticas. Figura 3 Curva de luminosidade relativa do olho humano. 6

7 Esta faixa do espectro está situada entre 380 e 770 nm, dependendo do observador. Assim sendo, na câmera da TV em preto-e-branco, um feixe elétrico enxerga a imagem conforme essa curva e cria um sinal conhecido pelo nome de luminância. No receptor, o sinal luminância superposto a um feixe eletrônico faz com que sejam reproduzidas, em uma tela luminescente, as sensações de escuro e claro que foram captadas pela câmera. Figura 4 Curva de luminosidade relativa do olho humano. 7

8 Olho Humano 8

9 As primeiras transmissões de TV basearam-se no antigo cinema em preto-e-branco. No padrão norte-americano, também adotado no Brasil, a relação de aspecto da imagem (largura/altura) é 4:3, usam-se 525 linhas por quadro e são transmitidos 30 quadros por segundo. Cada quadro é constituído por linhas intercaladas de dois campos consecutivos, ou seja, existem 60 campos por segundo. 9

10 10

11 11

12 Quase todas as TVs em uso atualmente contam com um aparelho conhecido como tubo de raio catódico, ou CRT, para exibir suas imagens. LCDs e telas de plasma também são usadas, e cada vez mais são encontradas no lares, sendo possível, também, fazer uma tela de televisão com milhares de lâmpadas comuns de 60 watts. Fósforo: é um material que, quando exposto à radiação, emite luz visível. A radiação deve ser de luz ultravioleta ou um feixe de elétrons. Qualquer cor fluorescente é, na realidade, fósforo - as cores fluorescentes absorvem a luz ultravioleta invisível e emitem luz visível em uma cor característica. Essa tela é revestida de fósforo e brilha quando atingida pelo feixe. 12

13 13

14 A imagem na TV é resultado da varredura de uma série de linhas horizontais, uma sobre a outra, como mostra a Figura 4. Figura 5 Informação no sinal de vídeo para uma linha de varredura.. Linhas por quadro: o número de linhas em uma imagem deve ser grande, para que se tenha um grande número de elementos de imagem e, portanto, maiores detalhes. Entretanto, outros fatores limitam a escolha e foi fixado em 525 linhas para um quadro, no sistema de TV preto e branco. Este é um número ideal para a largura de 6MHz de um canal de radiodifusão de televisão. Quadros por segundo: O movimento vertical é necessário para que haja a separação entre as linhas horizontais. O tempo para a varredura completa de um quadro de 525 linhas é 1/30s. Logo, as imagens são repetidas com a freqüência de 30 quadros por segundo. 14

15 A Figura 2 mostra o princípio da varredura intercalada. Figura 6 O princípio da varredura intercalada. No primeiro campo, admitindo-se que no início o feixe eletrônico está na parte inferior à direita da tela. O tempo correspondente a essas 20 linhas é conhecido como Retorno do Primeiro Campo. A seguir, inicia-se a varredura efetiva do primeiro campo: o feixe traça linhas desde a linha 21 até a metade da linha 263, quando se atinge o centro da borda inferir da tela e se inicia o retorno do segundo campo, que também corresponde a 20 linhas. 15

16 Assim, na metade da linha 283, o feixe está no centro da borda superior da tela e inicia-se a varredura efetiva do segundo campo, de tal modo que no fim da linha 525 o feixe volte ao canto inferior à direita da tela. Como se pode observar, a informação completa de um quadro é obtida pelo intercalamento das linhas de dois campos. Figura 6 O princípio da varredura intercalada. 16

17 Freqüência de Varredura: A freqüência de varredura vertical é de 60Hz, ou seja, com essa freqüência o feixe de elétrons completa seu ciclo de movimento vertical, desde cima até embaixo e retorna para cima. Assim, o tempo para varredura vertical é de 1/60s. Figura 7 Informação no sinal de vídeo para uma linha de varredura.. O número de linhas horizontais varridas em um campo vertical é metade das 525 linhas, ou seja temos 262,5 x 60 = linhas/s. Assim, o circuito de deflexão horizontal dos tubos de imagem e de câmera operam a Hz. 17

18 Como foi visto, conclui-se que a imagem de televisão é o resultado de dois sistemas de deflexão: Resumo Fonte: Deflexão vertical É o movimento do feixe de cima para baixo, com posterior retorno para cima. Como este movimento corresponde a um campo, conclui-se que a freqüência de deflexão vertical é f V = 60Hz. Assim sendo, o período da deflexão vertical é T V = 16,67ms, sendo que o tempo correspondente ao retorno (20 linhas) é de 1,27ms. Deflexão horizontal É o movimento do feixe da esquerda para a direita, com posterior retorno para a esquerda. Como um quadro possui 525 linhas e tem-se 30 quadros por segundo, conclui-se que a freqüência de deflexão horizontal é f H = 525 x 30 = 15750Hz. Assim sendo, o período da deflexão horizontal é T H = 63,5μs. A norma prevê 16% de T H para o tempo de retorno horizontal, ou seja: 10,16μs. 18

19 Resumo Fonte: Dependendo se o sistema de deflexão é eletrostático ou eletromagnético, pode-se associar ao movimento de varredura uma forma de onda dente de serra de tensão ou de corrente. As figuras 3a e 3b mostram os dentes de serra correspondentes, respectivamente, à deflexão horizontal e à deflexão vertical. Figura 8 Deflexão horizontal e vertivcal. 19

20 Resumo Quando um canal de televisão quer transmitir um sinal para sua TV ou quando seu videocassete quer exibir o filme da fita em sua TV, o sinal precisa se compor com os dispositivos eletrônicos que controlam os feixes para que a TV possa pintar precisamente a imagem que o canal de TV ou o videocassete envia. Depois, o canal de TV ou o videocassete envia um sinal bem conhecido para a TV que contém três partes diferentes: Informação de intensidade para o feixeo pintar cada linha; Sinais de resolução horizontal para informar à TV quando movimentar o feixe de volta para o final de cada linha; Sinais de resolução vertical 60 vezes por segundo para mover o feixe do canto inferior direito para o esquerdo superior. 20

21 Um sinal que contém esses três componentes - informação de intensidade, resolução vertical e resolução horizontal - é chamado de sinal de composição de vídeo. Uma linha de um sinal de composição de vídeo comum é parecida com isto: Um pulso de resolução vertical é similar ao pulso horizontal, mas dura de 400 a 500 microssegundos. O pulso de resolução vertical é serrilhado com pulsos de resolução horizontal para manter o circuito de resolução horizontal na TV sincronizado. Figura 5 Informação no sinal de vídeo para uma linha de varredura.. 21

22 Os sinais de resolução horizontal são pulsos de 5 microssegundos (abreviado como "μs" na figura) a zero volt. A eletrônica dentro da TV pode detectar esses pulsos e usá-los para disparar a resolução horizontal do feixe. O sinal real para a linha é uma onda que varia entre 0,5 volts e 2,0 volts, com 0,5 volts representando o preto e 2 volts representando o branco. Este sinal controla o circuito de intensidade para um feixe de elétron. Em uma TV preto e branco, esse sinal pode ocupar cerca de 3,5 MegaHertz (MHz) da largura de banda, ao passo que em um aparelho colorido o limite é de cerca de 3,0 MHz. 22

23 Qualidade de Imagem Supondo que a imagem reproduzida foi sincronizada para permanecer estável, ela também deve apresentar alto brilho, forte contraste, detalhes nítidos e proporções corretas de largura e altura, sendo requisitos para aparelhos monocromáticos e a cores. A imagem em cores deve apresentar corres fortes, ou saturação, como as tonalidades ou matrizes de cores. Brilho: é a intensidade média ou geral de iluminação na imagem reproduzida. Contraste: é a diferença de intercedida entre as partes pretas e bancas na imagem reproduzida. O sinal de vídeo é que determina o controle da imagem. 23

24 Qualidade de Imagem Detalhe: a qualidade dos detalhes, também chamada resolução ou definição, depende do número de elementos de imagem que podem ser reproduzidos. Os sistemas comerciais apresentam no máximo 150 mil elementos de imagem (TV A). Todos os sistemas reprodutores de imagem possuem limitações. O menor detalhe capaz de ser reproduzido por um determinado sistema é denominado elemento de imagem, ou pixel (picture element). A resolução de um sistema é especificada pelo número de pixels que ele reproduz. Por exemplo, o antigo cinema de 16mm, do qual se originou a TV em preto-e-branco, possui uma resolução de 125 mil pixels. 24

25 Qualidade de Imagem 25

26 Característica impressionante do cérebro humano em relação à televisão se você dividir a imagem parada em uma coleção de pequenos pontos coloridos, o cérebro vai reagrupar os pontos em uma imagem significativa Se você ficar de 3 a 4,5 metros de distância de seu monitor, entretanto, seu cérebro será capaz de reunir os pontos na imagem e você verá claramente que é a carinha do bebê. Ficando à distância, os pontos ficam pequenos o suficiente para que seu cérebro possa integrá-los, formando uma imagem reconhecível. 26

27 Característica impressionante do cérebro humano em relação à televisão Se você divide uma cena em movimento em uma seqüência de imagens paradas e mostra a imagem parada em uma rápida sucessão, o cérebro vai reagrupar as imagens paradas em uma única cena em movimento. Juntando habilmente 15 ou mais diferentes quadros por segundo, o cérebro os integra em uma cena em movimento. 27

28 Qualidade de Imagem No caso da televisão, o menor detalhe capaz de ser reproduzido na vertical seria correspondente à espessura de uma linha. Fator de Kell, que estabelece o número efetivo de linhas na vertical, o seu valor é K = 0,65. Exemplo: Um quadro de televisão possui efetivamente 485 linhas, pois 40 são perdidas durante o retorno dos dois campos. Então, o número efetivo de pixels na vertical é conseguido pela equação 0,65 x 485 = 315. Admitindo-se pixel quadrado, conclui-se que o número total de pixels na horizontal seria 315 x (4/3) = 420. Finalmente, pode-se concluir que a resolução da televisão é 315 x 420 = pixels, ou seja, é praticamente idêntica à resolução do antigo cinema de 16mm. 28

29 Qualidade de Imagem Nível de Cor: A informação de cor é, na realidade, superposta à imagem monocromática, em quantidades determinadas pela amplitude do sinal de crominância de 3,58MHz, como será visto. Figura 9 Resoluções disponíveis comercialmente. 29

30 Os canais de TV do padrão M A faixa de freqüência alocada a uma estação para transmissão é chamada de canal. Cada estação (nos sistemas NTSC ou PAL-M) possui um canal de 6MHz alocado em uma das seguintes bandas: 1. Canais baixos de VHF (2 a 6), de 54 a 88 MHz 2. Canais altos de VHF (7 a 13). De 174 a 216 MHz 3. Canais de UHF (14 a 83), de 470 a 890 MHz 30

31 Os canais de TV do padrão M No padrão M, estabeleceu-se para cada canal de transmissão uma banda de 6MHz. A Tabela 1 mostra a distribuição dos canais aéreos e a respectiva nomenclatura nas faixas de VHF e UHF. 31

32 Os canais de TV do padrão M O sinal de vídeo modula em AM (amplitude modulada) uma portadora de vídeo (f PV ) localizada a 1,25MHz do início do canal. A modulação é do tipo AM-VSB ( vestigial side band ou banda lateral vestigial): a banda lateral superior é completa e transmite-se apenas 0,75MHz da banda lateral inferior A informação de vídeo ocupa uma largura de faixa de 4,2MHz. Para uma modulação AM DSB seria inviável pois a banda modulada seria de 8,4MHz. Uma transmissão em AM SSB seria inviável na construção filtros que produzem distorções nas fases de baixas frequências. 0,75 LSB P v 3,58 4,0 USB 4,5 SC P a 0: ínicio do canal 1,25: portadora de vídeo 4,83: sub-portadora de croma 5,75: portadora de áudio 6: fim do canal A transmissão em AM VSB consiste em transmitir a banda superior (USB) por completa e um vestígio da banda inferior (LSB) de aproximadamente 0,75MHz. 0 0,5 1,25 4,83 5,75 6 MHz Figura 10 Distribuição de freqüências em um canal do padrão M 32

33 Os canais de TV do padrão M P v P a 0,75 3,58 4,5 SC 4,0 LSB USB 0 0,5 1,25 4,83 5,75 6 MHz Figura 10 Distribuição de freqüências em um canal do padrão M Para a transmissão do sinal de áudio, utiliza-se uma portadora (f PS ) localizada 4,5MHz acima da portadora de vídeo. O sinal de áudio modula a portadora de som em FM (freqüência modulada) com desvio de freqüência de 25kHz. Note-se que, no receptor de TV, a informação de áudio é obtida através de uma interportadora de som de 4,5MHz gerada pela diferença entre f PV e f PS. 33

34 Os canais de TV do padrão M 10 db Ma máx = 87,5 % ou 18dB 10 db 55,25 MHz Portadora de Video 4,5 MHz 59,75 MHz Portadora de Audio Figura 12 Portadoras De Áudio E Vídeo Em Canal De TV Sem Modulação 4,5 MHz 3,58 MHz 55,25 MHz Portadora de Vídeo AM - Ma 87,5% ou 18dB 58,83 MHz Sub-portadora de croma 59,75 MHz Portadora de Audio FM - 25KHz desvio Figura 13 Portadoras De Áudio E Vídeo Em Canal De TV Com Modulação 34

35 Figura 13 Aspecto da portadora de vídeo (f PV ) modulada pelo sinal de vídeo. 35

36 PA Características PV Principais PV PA Os canais de TV PV-4,5MHZ do padrão PA+4,5MHZ M PV-9MHZ PV-13,5MHZ PA PA+9MHZ PA+13,5MHZ PV-9MHZ PV-13,5MHZ PV PV-4,5MHZ PA+4,5MHZ PA+9MHZ PA+13,5MHZ PV PA ESTÁGIO DE EXCITAÇÃO ESTÁGIO DE POTÊNCIA FILTRO DE SAÍDA SAÍDA DE RF PARA ANTENA VHF / UHF (SINTONIA - BANDA) (SINTONIA - BANDA) PA PV (SINTONIA - CANAL) OL - FI FILTRO PASSA BANDA (SINTONIA - CANAL) FI OL FI + OL OL - FI RF MISTURADOR OL 41,25 45,75 FI FI FI MODULADOR AV / FI V A ENTRADA DE VIDEO 1Vpp / 75Ω ENTRADA DE AUDIO 0dBM / 600Ω BALANCEADO OSCILADOR LOCAL (SINTONIA - CANAL) PA: PORTADORA DE ÁUDIO (ex. CH02: 59,75MHz) PV: PORTADORA DE VÍDEO (ex. CH02: 55,25MHz) FI: FREQUÊNCIA INTERMEDIÁRIA OL: FREQUÊNCIA DE OSCILADOR LOCAL (ex. CH02: 101MHz) Figura 14 Transmissor de TV Básico 36

37 PV PA Os canais de TV do padrão M PV PA Figura 15 Receptor de TV Básico AMPLIFICADOR DE RF (VHF / UHF) FILTRO PASSA BANDA (SINTONIA - CANAL) PV PA AMPLIFICADOR DE RF (VHF / UHF) ENTRADA DE RF DA ANTENA VHF / UHF RF MISTURADOR OL S RF OL RF + OL OL - RF FILTRO PASSA BANDA (SINTONIA - FI) 41,25 45,75 DEMODULADOR FI / AV FI V A SAÍDA DE VIDEO SAÍDA DE AUDIO FI OL - RF OSCILADOR LOCAL (SINTONIA - CANAL) PA: PORTADORA DE ÁUDIO (ex. CH02: 59,75MHz) PV: PORTADORA DE VÍDEO (ex. CH02: 55,25MHz) FI: FREQUÊNCIA INTERMEDIÁRIA OL: FREQUÊNCIA DE OSCILADOR LOCAL (ex. CH02: 101MHz) 37

38 Curiosidade: 38

39 Curiosidade: Imagem 1 Imagem 2 Imagem 3 39

TEMPO PARA UMA LINHA HORIZONTAL o tempo para varrer cada linha horizontal é H = 1/15.750s em microssegundos: tempo H= =63,5 s

TEMPO PARA UMA LINHA HORIZONTAL o tempo para varrer cada linha horizontal é H = 1/15.750s em microssegundos: tempo H= =63,5 s STV 20 AGO 2008 1 TEMPO PARA UMA LINHA HORIZONTAL o tempo para varrer cada linha horizontal é H = 1/15.750s em microssegundos: tempo H= 1000000 15750 =63,5 s o sinal de vídeo para elementos de imagem em

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TV Analógica e Digital O sistema de TV em cores Prof. Márcio Lima E-mail:marcio.lima@poli.br 15.04.20014 Características Principais A TV em cores

Leia mais

A IMAGEM DE TELEVISÃO

A IMAGEM DE TELEVISÃO STV 18 AGO 2008 1 A IMAGEM DE TELEVISÃO a televisão, basicamente, reproduz imagens estáticas a seqüência dessas imagens, em rápida sucessão, nos dá a sensação de movimento cada uma das imagens, ou quadro,

Leia mais

STV 22 SET Um caminho é para o sinal de luminância Y, e o outro é para o sinal C de 3,58 MHz

STV 22 SET Um caminho é para o sinal de luminância Y, e o outro é para o sinal C de 3,58 MHz STV 22 SET 2008 1 MODULAÇÃO DE CROMINÂNCIA NO SISTEMA NTSC os sinais I e Q são transmitidos como as faixas laterais de um sinal de subportadora de 3,58 MHz, que, por sua vez, modula a onda portadora principal

Leia mais

Questões sobre TV bibliografia: GROB B. Televisão e Sistemas de Vídeo, McGraw Hill, BRA, 1989

Questões sobre TV bibliografia: GROB B. Televisão e Sistemas de Vídeo, McGraw Hill, BRA, 1989 STV 24 SET 2008 ex 1 Questões sobre TV bibliografia: GROB B. Televisão e Sistemas de Vídeo, McGraw Hill, BRA, 1989 1. Preencha as lacunas: 1. Os quadros são repetidos à freqüência de por segundo. 2. O

Leia mais

TE060 Princípios de Comunicação

TE060 Princípios de Comunicação TE060 Princípios de Comunicação Sistemas de TV Analógicos 13 de dezembro de 2012 Acuidade Visual Acuidade visual: Medida como o ângulo sustentado pelo menor detalhe visível da cena. Acuidade Visual Acuidade

Leia mais

STV 29 SET SINAL I esta tensão de vídeo é produzida na matriz do transmissor como a seguinte combinação de vermelho, verde e azul:

STV 29 SET SINAL I esta tensão de vídeo é produzida na matriz do transmissor como a seguinte combinação de vermelho, verde e azul: STV 29 SET 2008 1 LARGURA DE FAIXA DO SINAL Y este sinal é transmitido com a largura de faixa da freqüência de vídeo completa de 0-4 MHz, como na transmissão monocromática contudo, a maioria dos receptores

Leia mais

63,5µs, chega-se a 21, ou seja,

63,5µs, chega-se a 21, ou seja, STV 10 SET 2008 1 TEMPO DE APAGAMENTO VERTICAL os pulsos de apagamento vertical levam a amplitude do sinal de vídeo para o nível de preto de maneira que o feixe de varredura esteja apagado durante os retraços

Leia mais

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz

STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz STV 15 SET 2008 1 FREQÜÊNCIAS DE VÍDEO ASSOCIADAS COM A VARREDURA HORIZONTAL no padrão xadrez da figura acima, o sinal de onda quadrada no topo representa as variações do sinal da câmera do sinal composto

Leia mais

na figura abaixo nota-se que a subida da onda dente de serra corresponde à deflexão horizontal para a direita

na figura abaixo nota-se que a subida da onda dente de serra corresponde à deflexão horizontal para a direita STV 1 SET 2008 1 VARREDURA E SINCRONISMO a área retangular da tela de um tubo de imagem, varrida pelo feixe de elétrons que é defletido horizontal e verticalmente, é chamada de quadro a figura abaixo mostra

Leia mais

ELE 1090 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES QUINTA EXPERIÊNCIA ROTEIRO EXPERIMENTAL CIRCUITOS SSB / COM 3 PARTE 1

ELE 1090 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES QUINTA EXPERIÊNCIA ROTEIRO EXPERIMENTAL CIRCUITOS SSB / COM 3 PARTE 1 ELE 1090 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÕES QUINTA EXPERIÊNCIA ROTEIRO EXPERIMENTAL CIRCUITOS SSB / COM 3 PARTE 1 OBJETIVOS: Examinar o circuito de anel balanceado como misturador e detector de AM. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

O sistema visual humano e noções de colorimetria

O sistema visual humano e noções de colorimetria STV 3 MAR 2010 1 O sistema visual humano e noções de colorimetria Considera se que a cor consista em um atributo dos objetos, assim como a textura e a forma, entre outros. Depende basicamente de: 1. Características

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

Evolução dos monitores. Os monitores evoluíram mais devagar que os outros aparelhos eletrônicos.

Evolução dos monitores. Os monitores evoluíram mais devagar que os outros aparelhos eletrônicos. Monitores Evolução dos monitores Os monitores evoluíram mais devagar que os outros aparelhos eletrônicos. Conexões Uma parte muito importante dos monitores é a sua ligação entre o computador e o monitor.

Leia mais

Radiodifusão de TV. PTC2547 Princípios de Televisão Digital. Guido Stolfi EPUSP 10/2016. Ref.: NAB Engineering Handbook Guido Stolfi - PTC / 60

Radiodifusão de TV. PTC2547 Princípios de Televisão Digital. Guido Stolfi EPUSP 10/2016. Ref.: NAB Engineering Handbook Guido Stolfi - PTC / 60 Radiodifusão de TV PTC2547 Princípios de Televisão Digital Guido Stolfi EPUSP 10/2016 Ref.: NAB Engineering Handbook Guido Stolfi - PTC2547-1 / 60 Tópicos Abordados Características Relevantes dos Receptores

Leia mais

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome:

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: 3. DIMENSIONAMENTO Esta secção visa preparar os alunos para as experiências que irão realizar no laboratório. Todos os grupos terão de no início da sessão de laboratório

Leia mais

b) o valor da corrente na antena quando a onda portadora for modulada a 10%.

b) o valor da corrente na antena quando a onda portadora for modulada a 10%. Exercícios de Telecomunicações Modulações 1 Modulações analógicas em amplitude (AM) 1 Uma onda portadora representada por v(t) p 7 = 10Cos(2π 10 t),volt, é modulada em amplitude por um sinal modulador

Leia mais

Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - 1AM

Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - 1AM Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - AM 18 de fevereiro de 2014 Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - 1AM Conteúdo 1 Introdução 2 Modulação AM DSB 3 Modulação AM DSB-SC

Leia mais

Cores em Imagens e Vídeo

Cores em Imagens e Vídeo Aula 05 Cores em Imagens e Vídeo Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal Rural do Semiárido Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Ciência das Cores A cor é fundamentada

Leia mais

1. (Fuvest 2012) A figura abaixo representa imagens instantâneas de duas cordas flexíveis idênticas, C

1. (Fuvest 2012) A figura abaixo representa imagens instantâneas de duas cordas flexíveis idênticas, C 1. (Fuvest 2012) A figura abaixo representa imagens instantâneas de duas cordas flexíveis idênticas, C 1 e C 2, tracionadas por forças diferentes, nas quais se propagam ondas. Durante uma aula, estudantes

Leia mais

as figuras abaixo, mostram a configuração quando se deseja transmitir uma cor A

as figuras abaixo, mostram a configuração quando se deseja transmitir uma cor A STV 13 OUT 2008 1 FUNDAMENTOS DO SISTEMA PAL após a implantação do sistema NTSC, a te1evisão em cores nos EUA ganhou grande impulso, mas, ao mesmo tempo começaram a aparecer algumas dificuldades. uma vez

Leia mais

Sinais padrões de teste. Profº Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues

Sinais padrões de teste. Profº Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues Sinais padrões de teste Profº Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues 1 Introdução Desde o inicio das transmissões de TV, imagens e sinais específicos de teste tem sido desenvolvidos afim de fixar padrões

Leia mais

Guias de Telecomunicações

Guias de Telecomunicações Guias de Telecomunicações Wander Rodrigues CEFET MG 2005 Sumário Apresentação do Laboratório de Telecomunicações... 04 Circuitos ressonantes... 31 Circuitos osciladores de onda senoidal oscilador Hartley...

Leia mais

Como funciona a lâmpada fluorescente

Como funciona a lâmpada fluorescente A TELA DE PLASMA A grande inovação desse tipo de aparelho está na forma como são ativados os pixels, os pequenos pontos luminosos que formam a imagem na tela. Na televisão tradicional, isso é feito por

Leia mais

Video Analógico. Pedro Alípio Telemédia

Video Analógico. Pedro Alípio Telemédia Video Analógico Pedro Alípio Telemédia 1 Medias Dinâmicos Medias Dinâmicos Também designados por Temporais ou Contínuos As dependências temporais entre os elementos que constituem a informação fazem parte

Leia mais

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS

PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Fundamentos da cor A visão da cor É a capacidade de um organismo ou máquina de distinguir objetos baseando-se nos comprimentos de onda (ou freqüências) da luz sendo refletida,

Leia mais

ADIÇÃO DE MISTURAS DE CORES

ADIÇÃO DE MISTURAS DE CORES STV 17 SET 2008 1 CONCEITOS BÁSICOS DA TV EM CORES uma imagem colorida é uma imagem monocromática mas com cores adicionadas às partes principais da cena a informação de cor exigida está no sinal de crominância

Leia mais

Colorimetria e TV a Cores

Colorimetria e TV a Cores Colorimetria e TV a Cores PTC2547 Princípios de Televisão Digital Guido Stolfi EPUSP - 2016 EPUSP - Guido Stolfi 1 / 78 Tópicos Abordados Oponentes cromáticas Modelo da Percepção Cromática Processos de

Leia mais

Comunicações de Rádio

Comunicações de Rádio Comunicações de Radio EFA Comunicações de Rádio AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO HOSPITAL EFA SOCIEDADE, TECNOLOGIA E CIÊNCIA HELENA OLIVEIRA Página 1 Índice Comunicações de Rádio... 1 Introdução...

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto Prova /02

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto Prova /02 Prova 2-2010/02 Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste em 6 questões discursivas. A prova terá a duração de 2h30. A prova pode ser feita a lápis ou caneta. Não é permitida consulta a notas de aula,

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

CONECTORES DE VÍDEO. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM) Escola Técnica Estadual República FAETEC Rio de Janeiro - RJ MM - ETER - FAETEC

CONECTORES DE VÍDEO. Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM) Escola Técnica Estadual República FAETEC Rio de Janeiro - RJ MM - ETER - FAETEC CONECTORES DE VÍDEO Montagem e Manutenção de Microcomputadores (MMM) Escola Técnica Estadual República FAETEC Rio de Janeiro - RJ CONECTORES DE VÍDEO Existem vários tipos de conectores de vídeo que você

Leia mais

FILTRO PASSA BANDA PARA A FAIXA DE 6 METROS

FILTRO PASSA BANDA PARA A FAIXA DE 6 METROS FILTRO PASSA ANDA PARA A FAIXA DE 6 METROS PU2XEA por Lúcio A. Magalhães Filho 1. INTRODUÇÃO A necessidade de se usar um filtro para a banda de 6 metros ficou evidente quando percebi que certos transceptores

Leia mais

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL Sistema de TV Digital 1 INTRODUÇÃO 1.1 Histórico Em julho de 1941, a Comissão Federal de Comunicações Norte-Americana, Federal Communications Commission (FCC), autorizou o

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

PORTARIA N 038, DE 23 DE JANEIRO DE 1974 (D.O.U. DE 07/02/74)

PORTARIA N 038, DE 23 DE JANEIRO DE 1974 (D.O.U. DE 07/02/74) PORTARIA N 038, DE 23 DE JANEIRO DE 1974 (D.O.U. DE 07/02/74) O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso de suas atribuições e tendo em vista o que consta do Processo n 448/74, R E S O L V E : I - Aprovar

Leia mais

Guias de Telecomunicações

Guias de Telecomunicações Guias de Telecomunicações Wander Rodrigues CEFET MG 2005 Sumário Apresentação do Laboratório de Telecomunicações... 04 Circuitos ressonantes... 28 Circuitos osciladores de onda senoidal oscilador Hartley...

Leia mais

Osciloscópios Analógico e Digital e Gerador de Sinais

Osciloscópios Analógico e Digital e Gerador de Sinais Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Osciloscópios Analógico e Digital e Gerador de Sinais

Leia mais

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar.

ATENÇÃO: A partir da amostra da aula, terá uma idéia de onde o treinamento de eletroeletrônica poderá lhe levar. ATENÇÃO: O material a seguir é parte de uma das aulas da apostila de MÓDULO 3 que por sua vez, faz parte do CURSO de ELETRO ANALÓGICA -DIGITAL que vai do MÓDULO 1 ao 4. A partir da amostra da aula, terá

Leia mais

Sinais padrões de teste. Profº Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues

Sinais padrões de teste. Profº Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues Sinais padrões de teste Profº Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues 1 Pulso seno-quadrado. 2 Teste com sinais seno-quadrado Esta forma de onda costuma acompanhar o sinal janela, aparecendo então como

Leia mais

04 - ( )Através da utilização de um modulador balanceado e uma rede defasadora de π/2 é possível obter um modulador de PM faixa estreita.

04 - ( )Através da utilização de um modulador balanceado e uma rede defasadora de π/2 é possível obter um modulador de PM faixa estreita. MODULAÇÃO EM FREQÜÊNCIA 1 QUESTIONÁRIO DA UNIDADE IV ASSUNTO: Modulação em Freqüência. Nome: N o : Turma: Para cada período abaixo mencionado, analise seu conteúdo e marque " F " para uma situação FALSA

Leia mais

Existem várias formas de modulação e demodulação. Nesta página, algumas das mais comuns para a demodulação e alguns circuitos também comuns.

Existem várias formas de modulação e demodulação. Nesta página, algumas das mais comuns para a demodulação e alguns circuitos também comuns. Introdução O processo básico das telecomunicações consiste em adicionar o sinal das informações que se deseja transmitir ao sinal de transmissão (portadora), ou seja, uma modulação. No receptor, deve ocorrer

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV www.thevear.com.br www.teleco.com.br A recepção de sinais TV em prédios de apartamentos é feita através de antenas coletivas colocadas no topo do edifício

Leia mais

Trabalho de Modulação de Frequência. Guia de procedimento

Trabalho de Modulação de Frequência. Guia de procedimento Trabalho de Modulação de Frequência Guia de procedimento Turma : Grupo : Data: / /2003 Nomes: Este guia contem o conjunto de experiências, observações e medidas a efectuar durante as aulas práticas laboratoriais.

Leia mais

Identificação do Valor Nominal do Resistor

Identificação do Valor Nominal do Resistor Conteúdo complementar 1: Identificação do Valor Nominal do Resistor Os resistores são identificados por um código de cores ou por um carimbo de identificação impresso no seu corpo. O código de cores consiste

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica. Prof. Clóvis Antônio Petry.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica. Prof. Clóvis Antônio Petry. Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica Osciloscópios Analógicos e Digitais Prof. Clóvis Antônio Petry. Florianópolis, setembro de 2007. Nesta

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 - MODULAÇÃO EM AMPLITUDE

EXPERIÊNCIA 6 - MODULAÇÃO EM AMPLITUDE EXPERIÊNCIA 6 - MODULAÇÃO EM AMPLITUDE 1 Na modulação em amplitude (AM) o sinal de informação em banda básica varia a amplitude da portadora de alta freqüência. Na modulação em amplitude a freqüência da

Leia mais

6 Setup de Medidas e Procedimentos

6 Setup de Medidas e Procedimentos 6 Setup de Medidas e Procedimentos Neste capitulo, serão mostradas as especificações dos equipamentos utilizados para a montagem da sonda em freqüência do canal UWB. Assim como os procedimentos para que

Leia mais

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary

Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Organização de Computadores Dispositivos de saída, principais tecnologias (Monitor/Impressora) Professor: Francisco Ary Introdução O dispositivo de saída mais utilizado por um computador é o dispositivo

Leia mais

Amostragem Espacial / Temporal : Varredura

Amostragem Espacial / Temporal : Varredura Amostragem Espacial / Temporal : Varredura PTC2457 Princípios de TV Digital EPUSP 2017 Guido Stolfi EPUSP - Guido Stolfi 1 / 122 Tópicos Abordados Amostragem temporal Amostragem Espacial Aplicações da

Leia mais

Formação e Representação de Imagens

Formação e Representação de Imagens Formação e Representação de Imagens 35M34 Sala 3E1 Bruno Motta de Carvalho DIMAp Sala 15 Ramal 227 1 O Olho Humano 2 Sistema Visual Humano Sistema visual humano é constituído dos olhos, nervos óticos e

Leia mais

ANALISADOR DE ESPECTROS

ANALISADOR DE ESPECTROS Sistemas de Medida em Radiofrequência ANALISADOR DE ESPECTROS Prof. Francisco Alegria Outubro de 2003 Analisador de Espectros Visualização e análise de um sinal no domínio da frequência. Determinação do

Leia mais

Sistemas de localização aérea via rádio

Sistemas de localização aérea via rádio Sistemas de localização aérea via rádio Armando Barbosa Sérgio Valente Índice Tráfego Aéreo em Portugal Sistemas de Rádio - Ajuda - Sistema VOR - Sistema ILS 1/30 1 Controlo do Tráfego Aéreo Infra-estruturas:

Leia mais

vam =Vp sen (2 π fp t) + (M / 2) Vp cos (2 π (fp - fm) t ) - (M / 2) Vp cos (2 π (fp+fm) t) portadora raia lateral inferior raia lateral superior

vam =Vp sen (2 π fp t) + (M / 2) Vp cos (2 π (fp - fm) t ) - (M / 2) Vp cos (2 π (fp+fm) t) portadora raia lateral inferior raia lateral superior Modulação AM 20 Definições: Modulação : variação de um parâmetro de uma onda portadora senoidal, de maneira linearmente proporcional ao valor instantâneo do sinal modulante ou informação. Portadora : Onda

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Ciência da Computação Processamento Digital de Imagens Prof. Sergio Ribeiro Tópicos Introdução Espectro Eletromagnético Aquisição e Digitalização de Imagens Efeitos da Digitalização Digitalização Sensoriamento

Leia mais

SISTEMAS DE VÍDEO. Instrutor : Claudio Younis

SISTEMAS DE VÍDEO. Instrutor : Claudio Younis SISTEMAS DE VÍDEO Instrutor : Claudio Younis VÍDEO Sequência de imagens exibidas em uma determinada velocidade de modo que nosso sistema visual (olho, retina, nervo óptico e cerébro) reconstrua o movimento

Leia mais

Demoduladores de amplitude (AM, DSB, SSB e ASK)

Demoduladores de amplitude (AM, DSB, SSB e ASK) Demoduladores de amplitude (AM, DSB, SSB e ASK) Objetivo dos Demoduladores: Obter (recuperar) o sinal modulante (informação) contido na portadora modulada, que após o misturador, normalmente foi convertida

Leia mais

SISTEMA COLETIVO NA-01 (PLL micro-controlado)

SISTEMA COLETIVO NA-01 (PLL micro-controlado) MANUAL NA-01 SISTEMA COLETIVO NA-01 (PLL micro-controlado) ESPECIFICAÇÕES RF Canais de Saída ÁGEIS DENTRO DA FAIXA ESPECIFICADA FAIXAS Canais baixos... 2 a 6 Canais hiper... 37 a 70 Canais médios... 14

Leia mais

Prof. Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues

Prof. Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues Prof. Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues As características do vídeo analógico são: Limitações no armazenamento, processamento e transmissão; Dificuldade na localização de imagens específicas; Dificuldade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE TELECOMUNICAÇÕES 1 MULTIPLEXAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE TELECOMUNICAÇÕES 1 MULTIPLEXAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE TELECOMUNICAÇÕES 1 MULTIPLEXAÇÃO A multiplexação é uma operação que consiste em agrupar

Leia mais

CIRCUITOS DOS RADIOS AM/FM

CIRCUITOS DOS RADIOS AM/FM 1 CIRCUITOS DOS RADIOS AM/FM A função de um rádio é receber os sinais das emissoras na sua antena, selecionar um deles, amplificar e reproduzir no alto falante (ou alto falantes). Nesta parte mostrarei

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 Índice 1. Transmissão de Sinais Digitais...3 1.1 Modulação... 3 1.2 Banda passante... 4 1.3 Taxa de transmissão (BIT RATE)... 5 2 1. TRANSMISSÃO DE SINAIS

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N 284, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2001

ANEXO À RESOLUÇÃO N 284, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2001 ANEXO À RESOLUÇÃO N 284, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2001 REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS E DO SERVIÇO DE RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO 1. 1. OBJETIVO E CAMPO DE

Leia mais

2.1 Interferência do Sistema Digital no Sistema PAL-M

2.1 Interferência do Sistema Digital no Sistema PAL-M 2.1 Interferência do Sistema Digital no Sistema PAL-M 2.1.1 Objetivo Este método de medida tem por objetivo avaliar a degradação produzida em um sinal analógico PAL-M interferido por um sinal digital modulado

Leia mais

Questão 2: Dado o sinal mostrado na Figura 1, visto na tela de um osciloscópio, analise as afirmativas abaixo: 1 μs 1ms

Questão 2: Dado o sinal mostrado na Figura 1, visto na tela de um osciloscópio, analise as afirmativas abaixo: 1 μs 1ms Questão 1: Dado o sinal f ( t) = 2.cos(10 π t) + 5.cos(50 π t), considere as afirmações abaixo: I - f(t) é um sinal com simetria par. II - O sinal f(t) possui apenas as frequências 5Hz e 25Hz. III - O

Leia mais

Introdução a Modulação

Introdução a Modulação Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Introdução a Modulação Fontes: Prof. Deise Monquelate Arndt Princípios de Sistemas de Telecomunicações,

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

UNIDADE II Aula 1 Modulação parte 1. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE II Aula 1 Modulação parte 1. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE II Aula 1 Modulação parte 1 Fonte: Rodrigo Semente Os sinais de informação nem sempre podem ser transmitidos diretamente no meio em que irão se propagar. Isso se deve ao fato de sua faixa de freqüência

Leia mais

Monitores. Tipos de conexões:

Monitores. Tipos de conexões: Monitores 1-Conexões O primeiro passo para que as informações de um computador irem para uma tela. O processo todo começa quando um sinal de vídeo é enviado para o aparelho. Ele chega até ele por meio

Leia mais

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial LISTA de exercícios da disciplina SEL413 Telecomunicações. A lista não está completa e mais exercícios serão adicionados no decorrer do semestre. Consulte o site do docente para verificar quais são os

Leia mais

Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo.

Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo. METROLOGIA TV A CORES Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo. Martin Luther King Imagem retirada de marinverso.blogspot.com acesso em 02/02/2014

Leia mais

2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital

2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital 2.2 Interferência do Sistema PAL-M no Sistema Digital 2.2.1 Objetivo Este método de medida tem por objetivo avaliar a degradação produzida em um sinal digital modulado nos padrões ATSC, DVB-T ou ISDB-T

Leia mais

Filtro é todo quadripolo cujo sinal de saída depende da frequência do sinal de entrada. Fonte: Sedra & Smith, Microeletrônica, 5ª Edição

Filtro é todo quadripolo cujo sinal de saída depende da frequência do sinal de entrada. Fonte: Sedra & Smith, Microeletrônica, 5ª Edição Filtros Eletrônicos Definição Formal Filtro é todo quadripolo cujo sinal de saída depende da frequência do sinal de entrada. Fonte: Sedra & Smith, Microeletrônica, 5ª Edição Em outras palavras, os filtros

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TV Analógica e Digital Codificação de Fonte Prof. Márcio Lima E-mail:marcio.lima@poli.br 12.06.2014 Introdução A principal função de um sistema

Leia mais

Introdução a Modulação

Introdução a Modulação Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Introdução a Modulação Fontes: Prof. Deise Monquelate Arndt Princípios de Sistemas de Telecomunicações,

Leia mais

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA

PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA PROF.: PAULO GOMES MATÉRIA: STR1 MOURA LACERDA TEORIA Princípios básicos de transmissão a. Sinais de radiofreqüência (RF) Possuem freqüências acima de 100 KHz e são usados pelas emissoras para transportar

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-07 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

Modulação e Codificação

Modulação e Codificação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação Engenharia de Telecomunicações e Informática Modulação e Codificação Ano Lectivo 2001/2002 2º

Leia mais

Nome: N o : Turma:

Nome: N o : Turma: MULTIPLEXAÇÃO E SINAL TELEGRÁFICO 1 QUESTIONÁRIO DA UNIDADE VI ASSUNTO: Multiplexação e Sinal Telegráfico Nome: ------------------------------------------------------------------------ N o : ------- Turma:

Leia mais

Prof. Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues

Prof. Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues Prof. Cláudio Henrique Albuquerque Rodrigues As estações terão direito a um outro canal de 6 MHz, permitindo uma transição para a tecnologia digital sem haver interrupção da transmissão de sinais analógicos.

Leia mais

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária II.1. Introdução Como as distâncias dos enlaces via satélite são muito grandes, faz-se necessário

Leia mais

Telecomunicações. Prof. MSc André Y. Kusumoto

Telecomunicações. Prof. MSc André Y. Kusumoto Telecomunicações Prof. MSc André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Ondas Eletromagnéticas A antena de uma estação transmissora de rádio irradia sinais na forma de ondas eletromagnéticas. Como é

Leia mais

1 Análise Espectral: Ondas Sonoras.

1 Análise Espectral: Ondas Sonoras. PROGRAMA DE TELECOMUNICAÇÕES: 1 Análise Espectral: Ondas Sonoras. Ondas Eletromagnéticas. Ondas Eletromagnéticas Física Por Prof. Alberto Ricardo Präss alberto@fisica.net Publicidade INTRODUÇÃO É importante

Leia mais

Kit de Antenas - XT 401 -

Kit de Antenas - XT 401 - T e c n o l o g i a Kit de Antenas - XT 401 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Kit de Antenas - XT 401-1 - Introdução As aplicações wireless (sem fio)

Leia mais

Teoria para Laboratório 1º Bimestre

Teoria para Laboratório 1º Bimestre Teoria para Laboratório 1º Bimestre Prof.ª Irene 1 MODULAÇÃO As modulações utilizadas para a transmissão de informações são múltiplas. Em radiofreqüência, as mais coerentes são modulação em amplitude,

Leia mais

TV Monitor Serie M50D M2250D M2350D M2550D. Monitor TV LED LCD

TV Monitor Serie M50D M2250D M2350D M2550D. Monitor TV LED LCD TV Monitor Serie M2250D M2350D M2550D Monitor TV LED LCD Outubro 2011 Introdução de Produto: Conceito TV e Monitor em um único produto: Multifuncional Características Publico Alvo Usuários que valorizam

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

DÚVIDAS E SUGESTÕES PARA PROJETO BÁSICO Parte 2

DÚVIDAS E SUGESTÕES PARA PROJETO BÁSICO Parte 2 DÚVIDAS E SUGESTÕES PARA PROJETO BÁSICO Parte 2 1) 4.3. CABO DE EXTENSÃO DE 15 METROS DO SISTEMA DE AUDIOCONFERÊNCIA : Eliminar o item 4.3 da especificação, já que o cabo solicitado é exclusivo de um fabricante.

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Apresentação... 1 Introdução... 1

Apresentação... 1 Introdução... 1 Apresentação O objetivo principal deste texto é servir como material básico para uma disciplina introdutória sobre sistemas de comunicações em um curso de Engenharia Elétrica. Ele tem abrangência limitada,

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS USP KELEN CRISTIANE TEIXEIRA VIVALDINI AULA 3 PWM MATERIAL COMPLEMENTAR

ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS USP KELEN CRISTIANE TEIXEIRA VIVALDINI AULA 3 PWM MATERIAL COMPLEMENTAR ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS USP KELEN CRISTIANE TEIXEIRA VIVALDINI AULA 3 PWM MATERIAL COMPLEMENTAR SÃO CARLOS 2009 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Representação de duas formas de onda tipo PWM...5

Leia mais

Tópicos. Mídia Áudio Características

Tópicos. Mídia Áudio Características Tópicos Introdução Representação de Informação Multimídia Digitalização Mídias Texto, Imagem, Áudio e Vídeo Compressão, Padrões de Compressão Comunicação Multimídia Protocolos de Rede, Redes Locais Redes

Leia mais

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução.

Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência. Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade. Resolução. Parâmetros importantes de um Analisador de Espectros: Faixa de frequência Exatidão (frequência e amplitude) Sensibilidade Resolução Distorção Faixa dinâmica Faixa de frequência: Determina as frequências

Leia mais

Unidade II - Modulação em Amplitude

Unidade II - Modulação em Amplitude Unidade II - Modulação em Amplitude 1. Modulação em amplitude é definida como um sistema de modulação no qual a amplitude do sinal portadora é feita proporcional aos valores instantâneos de amplitude da

Leia mais

Estação de Trabalho para utilização de Softwares. Computador Positivo Premium DR7560

Estação de Trabalho para utilização de Softwares. Computador Positivo Premium DR7560 Estação de Trabalho para utilização de Softwares Computador Positivo Premium DR7560 R$: 1.999,00 Processador Intel Core i3-4160 Dual Core 3.6 GHz Cache 3 MB Memória RAM 4 GB Sistema operacional Windows

Leia mais

Comunicações Digitais

Comunicações Digitais 1 - Introdução Enlace de um Sistema de Comunicação fonte mensagem transdutor Transmissor Modulador canal ruído receptor transdutor destino mensagem (estimada) sinal de entrada sinal com distorção sinal

Leia mais

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12

Representação de cores. Computação Gráfica Cores. O que é luz. Distribuição espectral da iluminação 11/12/12 Representação de cores Computação Gráfica Cores Renato Ferreira Tratados de maneira geral como triplas RGB Um parâmetro alpha opcional Quase todas operações separadas por componente Mas usualmente tratadas

Leia mais

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6 Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento Modulação ASK (Amplitude Shift Keying) O sinal ASK pode ser produzido empregando-se os mesmos teoremas da modulação

Leia mais

Tópicos. Princípios de Digitalização Sinal Analógico

Tópicos. Princípios de Digitalização Sinal Analógico Tópicos Introdução Representação de Informação Multimídia Digitalização Mídias Texto, Imagem, Áudio e Vídeo Compressão, Padrões de Compressão Comunicação Multimídia Protocolos de Rede, Redes Locais Redes

Leia mais