Relatório Final da Acção de Formação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Final da Acção de Formação"

Transcrição

1 Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro de Formação da Batalha Formando: Maria Gorete Duarte Gaudêncio Almeida Mendes; Grupo 510, Ciências Físico-Naturais 3º Ciclo e Grupo 230, Ciências da Natureza 2º Ciclo Formador: Dr. Ricardo Pimentel Duração da acção de formação: 25 horas presenciais e 25 horas de trabalho autónomo. 1. Justificação da participação na acção: A minha participação na acção prendeu-se essencialmente com a determinação em modificar, de forma mais concertada, as minhas práticas lectivas. O desenvolvimento tecnológico trouxe mudanças na Sociedade. A evolução da Internet alterou bastante os hábitos dos nossos alunos. Estes novos meios de comunicação exercem uma poderosa atracção nos nossos alunos, desviando muitas vezes a atenção dos professores. Esta concorrência coloca novos desafios aos professores. É fundamental que se torne a escola, um local também atractivo, onde os alunos tenham ao seu dispor, não apenas dentro da sala de aula como fora dela, um ambiente idêntico ao que os rodeia. Está fora de questão que o computador é um recurso muito importante para o processo ensino-aprendizagem. As mais recentes pesquisas no domínio da cognição apontam para o facto de que a motivação é o motor da aprendizagem. Os nossos alunos aprendem melhor quando retiram prazer do próprio processo de aprendizagem. Quantos de nós já não sentimos na pele que preparámos uma aula Relatório final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências de Gorete Mendes 1

2 excelente, que o tema abordado é de extremo interesse, que solicitamos a participação activa dos nossos alunos e, muitos deles não reagiram aos nossos estímulos. Estou cada vez mais crente que mais que um mero mediador entre o conhecimento e os alunos, o professor deverá saber como utilizar as TIC e como integrá-las no currículo. Devemos caminhar para uma metodologia diferenciada e diversificada, adaptada aos diferentes contextos de aprendizagem e ao perfil de cada aluno, valorizando os processos e a sua evolução. Encontrando-me em exercício de funções há vinte anos e, não tendo qualquer formação nas novas tecnologias na minha licenciatura tenho-me socorrido destas formações em que tenho participado, com muito empenho e dedicação. Considero que a minha principal função como docente é motivar os meus alunos e tornar as aprendizagens verdadeiramente eficazes e duradouras. 2. Consecução dos objectivos: Considero que os objectivos propostos para esta Acção de Formação foram concretizados e alcançados com bastante êxito. A nível profissional desenvolvi competências a nível das novas tecnologias; descobri/compreendi e desenvolvi capacidades para realização de actividades/projectos, com base em TIC web 2.0 Esta acção permitiu-me explorar materiais e recursos TIC em contexto da minha didáctica disciplinar, sobre a temática da acção de modo a poder contribuir para a Educação Ambiental, promovendo nos nossos alunos a responsabilização dos seus actos e a sensibilização/ intervenção na Sociedade. A minha participação na acção conduziume a muitos momentos de reflexão sobre a importância em inovarmos as nossas práticas. Estou cada vez mais consciente que temos que estar preparados para enfrentar os desafios da nova geração da Internet. Relatório final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências de Gorete Mendes 2

3 3. Adequação da metodologia: A metodologia usada na formação foi ajustada ao tipo de formação pretendido. É Aprendendo fazendo que realmente aprendemos. É através das tentativas, com os erros, com os desesperos, com a persistência, que vamos evoluindo. Não tinha sentido outra metodologia, quando todos sabemos a importância da construção do saber para que a aquisição de competências seja eficaz. Parece-me que estamos cansados das acções de formação meramente teóricas e pouco enriquecedoras. As quatro fases da realização da acção foram cumpridas na íntegra e de forma organizada. De registar a total disponibilidade revelada pelo Formador, no sentido de superar as nossas dificuldades, quer nas sessões presenciais, quer no trabalho autónomo, nas plataformas da formação. Eram praticamente instantâneas as respostas às nossas angústias. Reforço também as ferramentas de apoio que nos foi sempre fornecendo. Deixo aqui o meu apreço à atitude de encorajamento e valorização do nosso trabalho, manifestados sistematicamente pelo Ricardo. 4. Duração da acção e cronograma: Relativamente às 25 horas presenciais poderiam ter sido suficientes se não tivessem acontecido os entraves muito frequentes com a ligação à Internet. Estas falhas foram no entanto sendo superadas com o apoio constante do Ricardo, no blog da formação. Valeu-me também a partilha, principalmente com a colega Cristina. Quanto às horas destinadas ao trabalho autónomo, considero-as francamente insuficientes. No que concerne ao cronograma, não foi o melhor. O início da formação coincidiu com uma fase de extremo cansaço e o seu términus, num período de grande agitação nas escolas. Na minha opinião, uma acção de formação deste género deveria começar no início do ano lectivo, seguindo-se o tempo de aplicação, no terreno, com os nossos alunos e finalmente, a avaliação dos resultados. Sei no entanto que o que refiro poderá ser uma utopia. Relatório final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências de Gorete Mendes 3

4 5. Participação e envolvimento: Relativamente às sessões presenciais, considero que participei com muito empenho e dedicação nas temáticas da acção, de forma a compreender e poder depois aplicar. Contribui positivamente para a organização do trabalho e para um bom ambiente de trabalho. Partilhei práticas e materiais, mais evidente nas pesquisas online sobre os recursos didácticos que efectuei, relativamente à temática da acção. No que diz respeito ao trabalho autónomo, ressalvo que foram muitas, muitas horas de trabalho. De forma alguma as vinte e cinco horas previstas. Contudo, quando estamos perante situações novas, é necessário muito tempo para nos adaptarmos. São avanços e recuos constantes. São angústias e alegrias por termos conseguido. Mas lá está! É Aprender fazendo que efectivamente aprendemos. No que concerne à participação nas plataformas da formação, cumpri com todas as tarefas que foram propostas. Contribui com a partilha da ferramenta de audiovisual Truveo. Sempre que senti dificuldades, utilizei a caixa de comunicação do blog da formação. Relativamente aos debates fui um pouco mais privativa, embora navegasse quase diariamente pelo blog. Esta situação prendeu-se talvez com a minha forma de ser, um pouco pacata. 6. Produtos Finais: Começo por referir a minha Wiki: Embora considere que é o desabrochar de algo que tem muito a crescer, pareceme que consegui atingir as minhas expectativas. Com muitos percalços pelo caminho, lá a fui construindo. Tentei que fosse organizada, com elementos significativos e enquadrados no contexto da acção, interactiva, apelando sempre à intervenção dos alunos, atractiva e sem muita informação, efectuando hiperligações, quando necessário. Destaco: - A página destinada à proposta da realização dos trabalhos de pesquisa, com indicações muito precisas e sugestões de sites pertinentes, para todos os grupos de trabalho (tenho a intenção legendar cada um dos sites); - A página destinada às dúvidas dos alunos. Espaço de extrema importância essencialmente, por duas razões: tentar solucionar os défices, no momento certo Relatório final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências de Gorete Mendes 4

5 (muitas vezes os alunos não registam as duas dificuldades e, na aula, acabam por passar despercebidas). Por outro lado, muitos alunos, os mais tímidos, não gostam de se expor na sala de aula. Acrescento ainda que nos poderá fornecer -nos, uma visão mais clara dos diferentes ritmos de aprendizagem; - A calendarização das actividades propostas também é muito importante. Evita que andemos sistematicamente a avisar os alunos sobre os prazos a respeitar, obrigando-os a se responsabilizarem; - A página destinada às curiosidades e notícias importantes leva a uma partilha de informações e a um enriquecimento de todos; - Ao colocar as matrizes das fichas de avaliação estou de imediato a evitar mais fotocópias e em consequência, a preservação do ambiente. Na minha Wiki tive a preocupação em utilizar todas as ferramentas de audiovisual solicitadas, tais como: o Slideshare, o Isuu, o Youtube. Usei ainda o Google Calendar e o Truveo, para a plataforma da formação. Explorei outras ferramentas, no sentido de as poder aplicar. No entanto, muito há ainda a fazer com reflexão prévia e disponibilidade de tempo. Gostaria de ter utilizado o Overstream e de ter acrescentado ainda alguns pormenores à minha Wiki, neste momento. No entanto tive uma semana extremamente ocupada, o que me impediu de o fazer. Relativamente ao nosso blog: considero que está bastante atractivo, como pode ser visualizado. Dinamizei-o com bastante entusiasmo. Considero que concretizei os objectivos da acção e da modalidade de formação, preocupei-me com a qualidade da execução e fui pertinente face aos contextos a que se destinam. Estou satisfeita com o trabalho que desenvolvi. Estou certa que esta formação irá trazer mudanças na minha prática lectiva. Não tenho dúvidas que as ferramentas Web 2.0 têm enormes potencialidades de utilização no processo ensino/aprendizagem, quer na organização das próprias disciplinas e apoio aos alunos, quer na utilização por parte destes na gestão dos seus trabalhos individuais ou em grupo, organizando o trabalho colaborativo e o estudo. A motivação dos alunos será naturalmente diferente com a aplicação destas ferramentas. Relatório final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências de Gorete Mendes 5

6 Relativamente ao Blog tenho a certeza que o irei aplicar desde já, com a minha Direcção de turma. Será uma plataforma de comunicação muito importante para apresentação das várias etapas dos projectos realizados pelos alunos, na Área Projecto em interdisciplinaridade com as diferentes disciplinas. Poderá também criarse um jornal de turma online. Com a Wiki da disciplina, embora a considere de extrema importância pelas razões já apontadas, sinto constrangimentos em relação à sua aplicabilidade neste momento. Grande parte dos nossos alunos é economicamente desfavorecida, não possuindo computador. Os da escola, que se encontram directamente disponíveis aos alunos para trabalho extra-aulas, são muito poucos. Temos um Centro de Recursos e uma sala, devidamente equipados mas, destinados às aulas de TIC, Área Projecto ou a outras disciplinas, quando disponíveis. Sendo assim, os alunos têm poucas oportunidades de utilizar os computadores para trabalho autónomo. Poderá sempre pensar-se no contributo da Área Projecto. No entanto, esta alternativa é bastante limitativa, uma vez que aquele contributo terá que ser partilhado pelas diversas disciplinas. Não gostaria de aumentar a desigualdade de oportunidades entre os alunos. Estou no entanto confiante que o Programa e - Escolas facilitará a aquisição de computadores pelos nossos alunos, com a vantagem da Internet. Para terminar, manifesto o meu agradecimento a todos os colegas, pela sua simpatia e espírito de cooperação, factores que tornaram o ambiente de trabalho muito agradável, permitindo-nos ultrapassar com facilidade algumas adversidades relativas às condições de trabalho. E ao Ricardo, um apreço muito especial pelo seu trabalho, disponibilidade e por nos ter despertado de forma tão evidente para a importância destas ferramentas na mudança das nossas práticas docentes. Relatório final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências de Gorete Mendes 6

Acção n.º 42 A Gestão e resolução de conflitos/promover ambientes de aprendizagem e cidadania

Acção n.º 42 A Gestão e resolução de conflitos/promover ambientes de aprendizagem e cidadania Acção n.º 42 A Gestão e resolução de conflitos/promover ambientes de aprendizagem e cidadania Modalidade: Oficina de Formação; Destinatários: Docentes dos grupos 110, 200, 210, 220, 230, 240, 250, 260,

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A letivo: 2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Francês, 3º Ciclo, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos três as do Ciclo, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 5/2010. Plataformas de Gestão de Aprendizagem (LMS) Modalidade: Curso de Formação

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 5/2010. Plataformas de Gestão de Aprendizagem (LMS) Modalidade: Curso de Formação Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 5/2010 Plataformas de Gestão de Aprendizagem (LMS) Modalidade: Curso de Formação

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 4/2010. Gestão Integrada da Biblioteca Escolar do Agrupamento. Modalidade: Curso de Formação

Relatório Final de Avaliação. Acção n.º 4/2010. Gestão Integrada da Biblioteca Escolar do Agrupamento. Modalidade: Curso de Formação Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Acção n.º 4/2010 Gestão Integrada da Biblioteca Escolar do Agrupamento Modalidade: Curso

Leia mais

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória

Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas. Plano de acção Nota introdutória Biblioteca de Escola Secundária/3ºC de Vendas Novas Plano de acção 2009-2013 Nota introdutória O plano de acção é um documento orientador onde se conceptualizam e descrevem as metas a atingir num período

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO A lectivo:2016/2017 O trabalho desenvolvido na disciplina de Inglês,, visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos cinco as dos dois Ciclos, competências de comunicação s domínios da oralidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO CENTRO SOCIAL DE SANTA CRUZ DO DOURO NIF FICHA DE AVALIAÇÃO DO PESSOAL A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período em avaliação 1. MISSÃO DA

Leia mais

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas Era uma vez um processo de investigação Agora vão a www.pensamentocritico.com e clicam em Respostas!!! AVALIAÇÃO FORMATIVA E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA

Leia mais

ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS SOBRE O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS DOCENTES 2010/2011. O edifício da escola convida ao ensino aprendizagem

ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS SOBRE O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS DOCENTES 2010/2011. O edifício da escola convida ao ensino aprendizagem ANÁLISE DOS QUESTIONÁRIOS SOBRE O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS DOCENTES 2010/2011 A equipa do GAP elaborou um questionário com o objectivo de averiguar o Grau de Satisfação do pessoal docente. Este questionário

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário ao Pessoal Não Docente O pessoal dos serviços de administração e gestão da escola e o pessoal auxiliar de acção educativa e guardas-nocturnos

Leia mais

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015)

Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/ Data de fim: 30/06/2015) Oficina de Formação A Utilização do Microsoft Excel na Atividade Docente (Data de início: 29/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO Este Inquérito destina-se aos Professores do Ensino Regular, do 1º Ciclo, que leccionam turmas com alunos portadores de NEE`s. Pretende-se recolher informação que permita elaborar

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 28/2010

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 28/2010 Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Ação n.º 28/2010 Competências Digitais (Nível 1) Curso C Agrupamento de Escolas Duarte

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa

Currículo. Identificação de Aprendizagens Essenciais. 25/10/ Lisboa Currículo Identificação de Aprendizagens Essenciais 25/10/2016 - Lisboa Enquadramento 12 anos da escolaridade obrigatória Características dos documentos curriculares Resultados do inquérito nacional aos

Leia mais

CURSO: COMUNICAÇÃO E TUTORIA PEDAGÓGICA

CURSO: COMUNICAÇÃO E TUTORIA PEDAGÓGICA CURSO: COMUNICAÇÃO E TUTORIA PEDAGÓGICA RESUMO Neste curso de comunicação e tutoria pedagógica serão abordados temas relacionados com a identidade digital, as ferramentas de comunicação web e os processos

Leia mais

Utilização do Moodle em situações de formação de professores não presencial. Partilha de prática da formação Prezi Outra forma de apresentações

Utilização do Moodle em situações de formação de professores não presencial. Partilha de prática da formação Prezi Outra forma de apresentações Utilização do Moodle em situações de formação de professores não presencial Partilha de prática da formação Prezi Outra forma de apresentações Formação a distância? Porquê? Permite a articulação em termos

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O GRUPO PROFISSIONAL DO PESSOAL AUXILIAR Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2012/13 Quadro de síntese 2º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber / 0 Saber Fazer 70% "0 Ser / Saber Ser" 25% Língua Portuguesa Inglês "0 Ser / 5% /Saber Ser" " O Saber /

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Departamento Curricular do 1º Ciclo Ano Letivo 2015/2016 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO PARA O 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Avaliação das Atitudes/Comportamentos

Leia mais

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA

MOVIMENTO DA ESCOLA MODERNA e-mail: mem@mail.telepac.pt Índice ordinal (2005-2011) (2005) Niza, S. (2005). Editorial. Escola Moderna, 23 (5), 3-4. Mata Pereira, M. (2005). O Currículo por Competências: A construção de um instrumento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA "PIO DÉCIMO" S/C LTDA FACULDADE PIO DÉCIMO. Relatório horário Disciplina por Curso

ASSOCIAÇÃO DE ENSINO E CULTURA PIO DÉCIMO S/C LTDA FACULDADE PIO DÉCIMO. Relatório horário Disciplina por Curso Curso: LICENCIATURA LETRAS / 18:00-18:45 LL120015 - SOCIOLOGIA DA EDUCAÇAO - 18:45-19:35 LL120009 - TEXTUAL - 19:35-20:25 LL120009 - TEXTUAL - 20:25-21:15 LL120011 - A II 21:15-22:00 LL120011 - A II II

Leia mais

P S I C O L O G I A B 1 2 º A N O

P S I C O L O G I A B 1 2 º A N O DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS GRUPO 10º B FILOSOFIA P S I C O L O G I A B 1 2 º A N O D I S POSITIVO DE AV AL I AÇ Ã O (Versão de 2010-2011) Psicologia B Avaliação / Pág. 1 de 8 1. MATRIZES

Leia mais

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 24/2010

Relatório Final de Avaliação. Ação n.º 24/2010 Centro de Formação de Escolas dos Concelhos de Benavente, Coruche e Salvaterra de Magos Relatório Final de Avaliação Ação n.º 24/2010 Competências Digitais (Nível 1) Curso C Agrupamento de Escolas de Coruche

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

Gostaríamos que respondessem de forma reflectida e sincera, a fim de acedermos a um conhecimento fundamentado sobre as questões em análise.

Gostaríamos que respondessem de forma reflectida e sincera, a fim de acedermos a um conhecimento fundamentado sobre as questões em análise. Questionário de Inquérito Colegas, A experiência profissional e a investigação educacional têm revelado que a supervisão organizacional das escolas é um factor que concorre decisivamente para a melhoria

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS DADOS DOS QUESTIONÁRIOS DA IGEC A - TRABALHADORES DOCENTES RELATÓRIO IGEC - TRABALHADORES DOCENTES I 1. O ensino nesta escola é exigente 17,3 19,6 58,3 2. A escola é aberta ao

Leia mais

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano

3º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 7º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

Plano Anual de Formação do Núcleo de Estágio de Matemática da Escola E/B 2,3 Dr. Francisco Sanches

Plano Anual de Formação do Núcleo de Estágio de Matemática da Escola E/B 2,3 Dr. Francisco Sanches Pl Anual de Formação do Núcleo de Estágio de Matemática da Escola E/B 2,3 Dr. Francisco Sanches Elementos do Núcleo: Olívia Silva (n.º 38553) olivia.silva@hotmail.com Responsável do Núcleo Margarida Vieira

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO ANO LETIVO 2014 /15. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2014/15

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º CICLO ANO LETIVO 2014 /15. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2014/15 Quadro de síntese 2º Ciclo Domínios da Avaliação Ponderação 0 Saber / 0 Saber Fazer 70% Português Inglês "0 Ser / Saber Ser" 25% "0 Ser / 5% /Saber Ser" " O Saber

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERICEIRA EB 2,3 António Bento Franco. Professoras Unidade de Ensino Estruturado (UEE) e professor de EF de apoio à

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ERICEIRA EB 2,3 António Bento Franco. Professoras Unidade de Ensino Estruturado (UEE) e professor de EF de apoio à 1 - Professores responsáveis Professoras Unidade de Ensino Estruturado (UEE) e professor de EF de apoio à UEE. 2- Introdução Os alunos que frequentam a UEE, na sua generalidade desenvolvem um Currículo

Leia mais

Grau I. Perfil Profissional. Grau I

Grau I. Perfil Profissional. Grau I Perfil Profissional O corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador de desporto. No âmbito das suas atribuições profissionais, compete ao Treinador de a orientação, sob supervisão,

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ANO LETIVO 2014 / 2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS Na avaliação dos alunos intervêm todos os professores envolvidos,

Leia mais

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico

1º Ciclo. Competências Gerais do Ensino Básico 1º Ciclo Ao longo do 1º ciclo do Ensino Básico, todos os alunos devem desenvolver as competências gerais do Ensino Básico. Competências Gerais do Ensino Básico 1. Mobilizar saberes culturais, científicos

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO

PLANO DE FORMAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MIGUEL TORGA AMADORA PLANO DE FORMAÇÃO O plano de formação que a seguir se apresenta dá cumprimento ao despacho nº 18038/2008 de 4 de Julho, e o Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA. CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - Tipo 3 - Ano Letivo 2014/2015

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA. CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - Tipo 3 - Ano Letivo 2014/2015 ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA 1º CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO - Tipo 3 - Ano Letivo 2014/2015 1 I - AVALIAÇÃO: Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora Planificação CEF 1º Ano

Leia mais

Disciplina: ECONOMIA 1/7 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO CONTEÚDOS. Módulo 1 - A Economia e o Problema Económico

Disciplina: ECONOMIA 1/7 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER. Nº horas ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO CONTEÚDOS. Módulo 1 - A Economia e o Problema Económico Módulo 1 - A Economia e o Problema Económico 1. A Economia no contexto das ciências sociais 2. O objecto de estudo da Economia 2.1. O problema económico e a necessidade de efectuar escolhas 2.2. O custo

Leia mais

O que significa ser um estudante do ISPTEC? 02/03/2015

O que significa ser um estudante do ISPTEC? 02/03/2015 O que significa ser um estudante do ISPTEC? 02/03/2015 Índice Ø Bem vindo ao ISPTEC Ø Perfil do Estudante Ø Actividades de Apoio ao Estudante Ø A importância da Autonomia Ø Método de Estudo Ø Objectivos

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Colaboradores CRIT - 2010 Grau de Satisfação para Colaboradores sobre a Satisfação Global Nº de inquéritos recebidos 90 P1. Imagem global da organização. 0 2

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos

Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Critérios Gerais de Avaliação 1º, 2º e 3º ciclos Ano letivo 2013-2014 INTRODUÇÃO - Avaliação (Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho) - A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador

Leia mais

5 Maneiras Top Para Ganhar Dinheiro com Marketing Digital

5 Maneiras Top Para Ganhar Dinheiro com Marketing Digital 5 Maneiras Top Para Ganhar Dinheiro com Marketing Digital Introdução Este ebook foi criado com intenção de ajudar todos que estão iniciando no marketing digital, é 100% gratuito e não pode ser vendido

Leia mais

Auditoria DISC. Juan Prueba

Auditoria DISC. Juan Prueba Auditoria DISC Juan Prueba 26/03/2016 1 Introdução à metodologia D.I.S.C. Este relatório baseia-se na metodologia D.I.S.C. e o seu objectivo é o de ajudar aos processos de progressão e selecção. D.I.S.C.

Leia mais

CENFORMAZ. Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere. (2.ª Proposta de Trabalho 3.ª e 4.ª Sessões: 21 de Novembro e 5 de Dezembro)

CENFORMAZ. Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere. (2.ª Proposta de Trabalho 3.ª e 4.ª Sessões: 21 de Novembro e 5 de Dezembro) CENFORMAZ Centro de Formação da Associação de Escolas do Mar ao Zêzere (2.ª Proposta de Trabalho 3.ª e 4.ª Sessões: 21 de Novembro e 5 de Dezembro) Formandos: Carla Franco Nuno Santos Raquel Ferreira Ricardo

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica The Art browser Manual e Guia de exploração do The Art Browser para utilização em contexto

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA. Síntese do

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA. Síntese do ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Síntese do RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO: AVALIAÇÃO: OPINIÃO DA COMUNIDADE EDUCATIVA E ENTIDADES EMPREGADORAS O presente documento-síntese é composto pelo Índice

Leia mais

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011 Relatório Final de Actividade Ano Lectivo 2010/2011 A) DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNAÇÃO: (+)APOIAR_PAT RESPONSÁVEIS: MARTHA FERNANDES E LICÍNIO PEREIRA LOCAL: ESCOLA EB 2,3 DIOGO CÃO DINAMIZADORES:

Leia mais

Escola EB1/PE da Nazaré

Escola EB1/PE da Nazaré Escola EB1/PE da Nazaré Projeto Clube da Matemática Atividade de Enriquecimento Curricular Docentes: Adelaide Dória Carla Sofia Oliveira Ano lectivo 2011/2012 A escola pode e deve proporcionar aos alunos

Leia mais

Qual o tempo médio de um utilizador comum para aceder a um serviço público através da Web?

Qual o tempo médio de um utilizador comum para aceder a um serviço público através da Web? Qual o tempo médio de um utilizador comum para aceder a um serviço público através da Web? Projecto FEUP Equipa: G_I423 Ana Catarina Dias, ei147@fe.up.pt Daniel António Varum, ei14@fe.up.pt Duarte Alexandre

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANELAS. Quadro de Valor e Excelência

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANELAS. Quadro de Valor e Excelência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CANELAS Regulamento Distinção de Comportamentos de Mérito Os alunos que, na concretização do seu percurso educativo e formativo, enquanto Estudantes e Cidadãos, revelem comportamentos

Leia mais

ebook Estratégia Imobiliária Online

ebook Estratégia Imobiliária Online ebook Estratégia Imobiliária Online Estratégia Imobiliária Online Introdução Numa altura em que o digital já não é o futuro, o sucesso de uma imobiliária depende, cada vez mais, do que fazemos - ou não

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3ºciclo Geografia 7ºano Metas de Aprendizagem Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Domínio I A TERRA : Estudos

Leia mais

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015

Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 Psicologia do Desenvolvimento e da Aprendizagem CURSO DE EDUCAÇÃO SOCIAL Ano Lectivo 2014/2015 QUESTÕES PARA O TRABALHO DE REFLEXÃO INDIVIDUAL NOTA PRÉVIA: POR FAVOR LEIA COM ATENÇÃO Esta listagem as questões

Leia mais

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de

Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Universidade dos Açores Campus de angra do Heroísmo Ano Letivo: 2013/2014 Disciplina: Aplicações da Matemática Docente: Ricardo Teixeira 3º Ano de Licenciatura em Educação Básica - 1º Semestre O jogo é

Leia mais

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento

Introdução. 2. O domínio da Língua Portuguesa, ferramenta essencial de acesso ao conhecimento Agrupamento de Escolas de Torre de Dona Chama Biblioteca Escolar/Área de Projecto Novas leituras, outros horizontes Ano Lectivo 2010/2011 ÍNDICE Introdução 3 1. A Escola novos desafios 3 2. O domínio da

Leia mais

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento

Quadros de Valor, Mérito e Excelência. Regulamento Quadros de Valor, Mérito e Excelência Regulamento Os quadros de valor e de Excelência são criados no âmbito do Agrupamento de Escolas de Campo Maior, como incentivo ao sucesso escolar e educativo, visando

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E E-LEARNING NA UNIVERSIDADE ABERTA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E E-LEARNING NA UNIVERSIDADE ABERTA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E E-LEARNING NA UNIVERSIDADE ABERTA António Quintas-Mendes - Laboratório de Educação a Distância e E-Learning 9ETIC EXPERIÊNCIAS NO REINO UNIDO E NA PENÍNSULA IBÉRICA 27 de Outubro

Leia mais

MIPL Materiais Interactivos para Português L2 na Web PROJECTO A Menina do Mar

MIPL Materiais Interactivos para Português L2 na Web PROJECTO A Menina do Mar PROJECTO A Menina do Mar Deolinda Natalina Barbosa Quintas Página 1 Índice Introdução... 3 Objectivos... 4 Destinatários... 4 Metodologia... 5 Estratégias e recursos utilizados... 7 Conclusão... 10 Deolinda

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO:

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO: LINHAS DE ACTUAÇÃO: OBJECTIVOS: Incentivar a criação das associações de pais e EE, do ensino não superior; Intervir e defender os interesses dos educandos, fomentando a colaboração entre pais, alunos e

Leia mais

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009

Implementação do Projecto Competências TIC. Fevereiro de 2009 Implementação do Projecto Competências TIC Fevereiro de 2009 Objectivos Desenvolvimento e valorização profissional dos agentes educativos, em ordem à utilização das TIC Reconhecimento de competências já

Leia mais

Fernando Luís de Sousa Correia (Correia, F.)

Fernando Luís de Sousa Correia (Correia, F.) Fernando Luís de Sousa Correia (Correia, F.) Atividades pedagógicas anteriores mais relevantes para a apreciação das capacidades nesse domínio, quando aplicável Universidade da Madeira 2016 A minha experiência

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

Inquérito por Questionário Professores

Inquérito por Questionário Professores INSTRUÇÕES Inquérito por Questionário Professores Este questionário destina-se a recolher informação para um projecto de investigação sobre Gestão Cooperada do Currículo como mecanismo de desenvolvimento

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

1.ª Parte do Workshop "Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais"

1.ª Parte do Workshop Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais 1.ª Parte do Workshop "Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais" O workshop decorreu no dia 11 de Abril de 2007 com horário compreendido entre as 10-13h e as 14-17h na sala de formação do Monte - ACE

Leia mais

I Competências / Domínios a avaliar

I Competências / Domínios a avaliar O trabalho desenvolvido na disciplina de Português 2º ciclo visa propiciar, estimular e desenvolver, ao longo dos dois as do ciclo, metas linguísticas s domínios do oral e do escrito, competências de leitura

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 2ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Código 171591 Designação Agrupamento de Escolas do Algueirão Data da intervenção Início 18.01.2017

Leia mais

PROGRAMA DE ATIVIDADES

PROGRAMA DE ATIVIDADES PROGRAMA DE ATIVIDADES com amor e sexualidade. Ano letivo 2013-2014 Alunos ANO TEMA PÚBLICO- ALVO COMPETÊNCIAS DATAS DURAÇÃO 1 º ano gostar de ti I Alunos do 1º ano Estabelece a ligação entre pensar e

Leia mais

5. COMENTÁRIOS FINAIS

5. COMENTÁRIOS FINAIS 1 5. COMENTÁRIOS FINAIS 2 3 A inserção das artes no Sistema Educativo Português, nas últimas três décadas e sob o ponto de vista das políticas públicas, pode ser caracterizada por uma situação paradoxal.

Leia mais

ACÇÃO 5 A Avaliação do Desempenho Docente e Supervisão Pedagógica

ACÇÃO 5 A Avaliação do Desempenho Docente e Supervisão Pedagógica ACÇÃO 5 A Avaliação do Desempenho Docente e Supervisão Pedagógica Nem tudo o que pode ser medido conta; Nem tudo o que conta pode ser medido. Albert Einstein Objectivos 1. Proporcionar a aquisição de conceitos

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa Critérios de Avaliação do Ensino Básico - º Ciclo Língua Portuguesa DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO NA CLASSIFICAÇÃO TIPOLOGIA DOS INSTRUMENTOS DE FINAL AVALIAÇÃO POR PERÍODO Teste(s) de compreensão oral

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento Ciências Sociais e Humanas Grupos: 200; 400; 410; 420; 430; 530 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Português- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

Relatório da ação de formação

Relatório da ação de formação Relatório da ação de formação A utilização do Microsoft Excel na atividade docente Modalidade: Oficina de Formação 30 Horas Data de início: 26/01/2016 - Data de fim: 05/04/2016 Local: Escola Secundária

Leia mais

Plano Estratégico do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Plano Estratégico do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais 1. Introdução O Plano Estratégico é um instrumento de gestão orientado para a produção de decisões e de acções que guiam o que uma organização quer alcançar a partir da formulação do que é. A elaboração

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 1.º Matemática PROGRAMA-A ANO: 10º ANO LECTIVO : 2008 /2009 p.

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISCIPLINAR: 1.º Matemática PROGRAMA-A ANO: 10º ANO LECTIVO : 2008 /2009 p. ANO: 10º ANO LECTIVO : 2008 /2009 p.1/9 CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER Nº. AULAS ESTRATÉGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO Módulo Inicial Geometria e Números Reais. - Função afim, Equações e inequações do 1º.

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

TAREFA 1 (INTERAÇÃO) - FICHA 1A

TAREFA 1 (INTERAÇÃO) - FICHA 1A TAREFA 1 (INTERAÇÃO) - FICHA 1A Tempo de preparação: 1 minuto Tempo de intervenção conjunta: de 4 a 5 minutos PESSOA CANDIDATA A FIM DE SEMANA Mora com o seu colega e no próximo fim de semana vão receber

Leia mais

Nada disto. Sintomas característicos:

Nada disto. Sintomas característicos: Nada disto. Sabemos hoje que a Perturbação de Hiperactividade com Défice da Atenção tem uma base essencialmente neuropsicológica. Assim, compreendemos que o comportamento destas crianças resulta das suas

Leia mais

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI

Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Projecto Curricular de Escola Ano Lectivo 2009/2010 ANEXO VI Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Dr. Horácio Bento de Gouveia Ano Lectivo 20 /20 PLANO DE RECUPERAÇÃO Despacho Normativo nº50/2005 Aluno: Nº

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades ANO LECTIVO 2011 / 2012 Índice Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Procedimentos adoptados -----------------------------------------------------------------------

Leia mais

O que foi ontem uma utopia, pode ser hoje e amanhã uma realidade e, quando o for, deve-se sonhar novas utopias. João Miranda

O que foi ontem uma utopia, pode ser hoje e amanhã uma realidade e, quando o for, deve-se sonhar novas utopias. João Miranda O que foi ontem uma utopia, pode ser hoje e amanhã uma realidade e, quando o for, deve-se sonhar novas utopias João Miranda Perspectivamos uma escola onde se cultive a paixão de ensinar e o verdadeiro

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Ponderação dos domínios por disciplina

Ponderação dos domínios por disciplina Critérios de Avaliação - 1º ciclo Domínio Instrumentos de avaliação Peso % Cognitivo Trabalhos individuais e de grupo 15% Participação e intervenção 15% Fichas de avaliação 50 % Socioafetivo Registos 20%

Leia mais

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO. COMO FAZER O HACCP FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore PREPARAÇÃO E PLANEAMENTO ETAPA 1 INTRODUÇÃO ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MESTRADO EM ENGENHARIA ALIMENTAR SEGURANÇA ALIMENTAR INTRODUÇÃO Sistema de controlo simples e lógico COMO FAZER O FUNCIONAR REALMENTE NA PRÁTICA* Sara Mortimore Ana Santos,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASTRO VERDE Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASTRO VERDE Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1 1º Período Projecto Curricular de Turma 8º A e 8º B Planificação - Educação Física (2010/2011) - 1 - Melhora a aptidão física elevando as capacidades motoras de modo harmonioso e adequado às suas necessidades

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Conhecer materiais riscadores e respetivos suportes físicos. Dominar materiais básicos de desenho técnico. Dominar a aquisição de conhecimento prático. Compreender a geometria enquanto elemento de organização

Leia mais

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo

Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo Objeto de avaliação Conhecimentos e Capacidades Específicos Critérios específicos de avaliação HISTÓRIA 3.º ciclo Ano letivo 2016-2017 Itens/Parâmetros Compreensão histórica (Temporalidade Espacialidade

Leia mais

CIDADANIA E MUNDO ATUAL

CIDADANIA E MUNDO ATUAL CIDADANIA E MUNDO ATUAL COMPETÊNCIAS (1) TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania A língua materna enquanto dimensão transversal Utilização das novas tecnologias de informação Competências Transversais

Leia mais

A procura social da educação

A procura social da educação Alice Mendonça / Universidade da Madeira A procura social da educação Aumento da população escolarizada : massificação escolar. Aumento da esperança de vida escolar; Valorização dos diplomas; Necessidade

Leia mais

ESCOLA REGIONAL DR. JOSÉ DINIS DA FONSECA INQUÉRITOS REALIZADOS À COMUNIDADE ESCOLAR- 2014/2015

ESCOLA REGIONAL DR. JOSÉ DINIS DA FONSECA INQUÉRITOS REALIZADOS À COMUNIDADE ESCOLAR- 2014/2015 ESCOLA REGIONAL DR. JOSÉ DINIS DA FONSECA INQUÉRITOS REALIZADOS À COMUNIDADE ESCOLAR- 2014/2015 INQUÉRITO AO PESSOAL DOCENTE SIM NÃO Conheço o fluxo do ensino-aprendizagem e de avaliação Contribuo para

Leia mais