Criação de ACE Agrupamento Complementar de Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criação de ACE Agrupamento Complementar de Empresas"

Transcrição

1 Criação de ACE Agrupamento Complementar de Empresas Actuação e Estratégia Julho de 2010

2 Uma nova forma de ensino que inspirou mudanças sociais, económicas e culturais. O que começou por um computador portátil nas mãos de um aluno iniciou em tempo recorde um fenómeno tecnológico partilhado por pais, professores e empresas. Este novo conceito de ensino ganhou dimensão e deu a conhecer novas oportunidades em diversos sectores da sociedade. Os sucessos são reconhecidos internacionalmente. 2

3 Índice 1. Enquadramento do ACE 2. Segmentos de Actuação e Empresas 3. Modelo de Governação 4. Macro Processos (Venda e Concretização) 5. Estratégia de Actuação e Mercados Anexos: Plataforma Colaborativa 3

4 1. Enquadramento do ACE A introdução das tecnologias no sistemas de ensino nacional no âmbito do Plano Tecnológico, além dos impactos educativos e sociais, permitiu o nascimento de uma indústria portuguesa de tecnologias de suporte ao ensino que agora tem a oportunidade de se internacionalizar de forma conjunta. O Governo português identificando o atraso do país na área tecnológica e social, relativamente aos países lideres a nível europeu, nomeadamente na construção da economia digital e da sociedade do conhecimento, lançou em 2005, um grande programa de modernização da economia e sociedade que se designou por Plano Tecnológico. O programa e-escolas, implementado a partir de 2007, é a peça fundamental desse plano. Enquadramento do ACE Para além de ter permitido revolucionar a escola portuguesa, tornando o ensino mais atractivo e dando aos estudantes mais opções de estudo, permitiu também uma difusão do computador por muitas famílias até á altura info-excluídas, tendo um grande impacto na formação de uma sociedade mais conhecedora. Tão importante como o impacto na sociedade foi o impacto na economia, o programa e- escolas fez nascer uma industria portuguesa de tecnologias de suporte ao ensino, que vai, com a experiencia do mercado português, ter á sua disposição o mercado global, de tamanho muito superior ao nacional. Portugal tem assim uma grande oportunidade de internacionalização no sector das tecnologias do ensino. A criação de um ACE Agrupamento Complementar de Empresas, envolvendo mais de 40 empresas tecnológicas de produtos e serviços, permitirá conceber e oferecer um produto e visão da escola integrada, que constitui uma oferta única que colocará este agrupamento numa posição privilegiada no mercado global. 4

5 Índice 1. Enquadramento do ACE 2. Segmentos de Actuação e Empresas 3. Modelo de Governação 4. Macro Processos (Venda e Concretização) 5. Estratégia de Actuação e Mercados Anexos: Plataforma Colaborativa 5

6 2. Segmentos de Actuação e Empresas As empresas portuguesas que compõem o ACE abrangem um conjunto de áreas de actuação ligadas às tecnologias da educação, permitindo a oferta de uma solução completa e integrada que potencia a criação de um ecossistema de aprendizagem das competências do século XXI. xxxx Segmentos de Actuação 6. ESTRATÉGIA, COMUNICAÇÃO E GESTÃO GLOBAL Planos de utilização das TIC Program Management Logística Global Sistema de Ensino 1. COMPUTADORES Computadores para os Alunos Computadores para Professores e Gestores esc. Software de Produção Software Aplicacional SEGMENTOS DE ACTUAÇÃO 2. SALA DE AULA Quadros e Mesas Interactivas Armários e Carregadores de Bateria Unidades de Impressão Mobiliário Escolar Integrado 5. OUTROS EQUIP. E ACTIVIDADES Software de Gestão e Controlo Instalação e Suporte Técnico Eficiência Energética Call Center 4. CONTEÚDOS E FORMAÇÃO Conteúdos Escolares Conteúdos Didácticos Formação 3. INFRA-ESTRUTURA Conectividade Redes Locais Servidores e Terminais 6

7 Segmentos de Actuação e Empresas As empresas parte do ACE dividem-se pelos 6 segmentos de actuação, podendo oferecer serviços em mais do que 1. É de sublinhar a importância da construção de uma oferta global integrada e coerente. Empresas por Segmento 1. COMPUTADORES Inforlândia JP Sá Couto 6. ESTRATÉGIA, COMUNICAÇÃO E GESTÃO GLOBAL Caixa Mágica VisualForma Prológica YDreams BetterSoft ISA 2. SALA DE AULA JP Sá Couto Prológica Critical Links (Microsoft) (Intel) Nautilus Edigma Bi-Bright OniTelecom Novabase SEGMENTOS DE ACTUAÇÃO Bi-Bright Famasete Somitel Leadership BC Brandia I.Zone YDreams Ubiwhere 5. OUTROS EQUIP. E ACTIVIDADES Lusoeduc PT Inovação Micro I/O Microfil Critical Links Viatel OniTelecom Conhecer Mais TI WSBP CBE BetterSoft Softlimits Novabase VisualForma CME Globaltronic Viatecla ISA DST Somitel Mobbit Prólogica 4. CONTEÚDOS E FORMAÇÃO Porto Editora Leya Leadership Dueto Famasete Conhecer Mais T.I. Cnotinfor 3. INFRA-ESTRUTURA Inforlândia Somitel Globaleda Cabelte Critical Links Televes PT Inovação VisualForma CME JP Sá Couto CBE OniTelecom Viatel Efapel DST (Alcatel) (Cisco) (NSN) Take the Wind Mobbit Viatecla i.zone Brandia Central Novabase PT Inovação Edigma Impresa Ydreams EduBox 7

8 Índice 1. Enquadramento do ACE 2. Segmentos de Actuação e Empresas 3. Modelo de Governação 4. Macro Processos (Venda e Concretização) 5. Estratégia de Actuação e Mercados Anexos: Plataforma Colaborativa 8

9 Empresas do ACE e.xample 3. Modelo de Governação O Modelo de Governação do ACE é constituído por uma estrutura de governação, responsável pelas decisões de índole estratégica e pelo primeiro nível da actividade comercial internacional, e pela estrutura operacional, parte flexível, que operacionaliza as necessidades dos mercados. Modelo de Governação A Estrutura de Governação do ACE será constituído por um órgão executivo, o Conselho de Administração, eleito em Assembleia Geral pela totalidade das agrupadas, e por dois órgãos de cariz consultivo, o Conselho de Estratégia, no qual estarão presentes todas as agrupadas, e o Conselho Consultivo para a Expansão Internacional, nomeado pelo C.A. A Estrutura Operacional será tendencialmente flexível, sendo gerida por um Director Operacional e compostas pelas equipas comercial e de suporte e, consoante os projectos ganhos, por Program Management Offices, que ficaram incumbidos da gestão operacional dos projectos após a adjudicação. A comunicação eficiente e bidireccional com as empresas do ACE será uma prioridade sendo garantida através de uma plataforma colaborativa e do trabalho da gestão operacional. Conselho de Administração Estrutura de Governação Director Operacional Conselho de Estratégia Conselho Consultivo de Suporte Program Management Office(s) Estrutura Operacional Plataforma Colaborativa Estrutura flexível, de cariz temporário 9

10 Modelo de Governação A estrutura de governação do ACE é constituída pelo Conselho de Administração e por dois Conselhos Consultivos, um onde estarão representadas todas as empresas do ACE e outro considerando personalidades internacionais de relevo no sector. Estrutura de Governação: Descrição e Actividades (1/2) O Conselho de Administração é o órgão do ACE responsável pela gestão estratégica, acompanhamento e supervisão global das actividades. Unidade Descrição Principais Actividades Conselho de Administração Estrutura incumbida da gestão estratégica e da monitorização da actividade global do ACE. O Conselho de Administração é o órgão incumbido da representação do ACE, da actividade comercial internacional de índole estratégica, de fazer a ponte com a diplomacia económica e da macro gestão dos processos de financiamento, com apoios nacionais e/ou internacionais. Elaboração do relatório de gestão e do orçamento e previsões financeiras (a aprovar pela Assembleia Geral) Definição da politica de gestão e das orientações gerais Aprovação do plano de operações e do orçamento anual de investimentos Nomeação do Conselho Consultivo para a Expansão Internac. Representação internacional e junto da diplomacia internacional Análise, definição e prioritização dos mercados e/ou países a abranger na actuação do ACE Actividade comercial internacional de índole estratégica Gestão e Contratação de Pessoal e Serviços de alto valor Macro Gestão dos processos de financiamento Gestão das Actividades de Comunicação Acompanhamento da logística global das operações do ACE Coordenação técnica, jurídica e administrativa do ACE Não exaustivo 10

11 Modelo de Governação Continuação. Estrutura de Governação: Descrição e Actividades (2/2) O Conselho de Estratégia e o Conselho Consultivo para Expansão Internacional são os órgãos consultivos da estrutura de governação. Unidade Descrição Principais Actividades Conselho de Estratégia Órgão consultivo ao qual compete debater e propor ao Conselho de Administração questões e soluções estratégicas relativas ao conhecimento e à educação. Participação na definição da Estratégia Global do ACE Acompanhamento e partilha de novas soluções nos domínios do conhecimento e da educação Definição das evoluções necessárias ao aumento da eficiência do ACE Conselho Consultivo para a Expansão Internacional Órgão consultivo ao qual compete apoiar a divulgação internacional do ACE e a análise e absorção de melhores práticas. Divulgação internacional do ACE Análise de melhores práticas internacionais e do papel do ACE Debate de oportunidades de expansão internacional 11

12 Modelo de Governação Continuação. Estrutura de Governação: Constituição e Dimensionamento As empresas do ACE estão todas elas representadas no Conselho de Estratégia, já o Conselho Consultivo será nomeado pelo Conselho de Administração devendo ser composto por um conjunto de entidades internacionais de referência. Unidade Constituição e Dimensionamento Titulares Funcionamento/Resp Conselho de Administração O Conselho de Administração (CA) é eleito em Assembleia Geral por todas as agrupadas na sequência de apresentação de lista(s)-proposta de titulares individuais. O CA tem um máximo de 12 (doze) membros, agrupados da seguinte forma: Presidente 2 (dois) Vice-Presidentes Até 9 (nove) Administradores A eleger em Assembleia Geral Reuniões Mensais (e sempre que se justifiquem convocadas de acordo com os estatutos) Plano Estratégico, Gestão e Controlo Conselho de Estratégia No Conselho de Estratégia estão presentes todas as empresas do ACE. O número máximo de membros é igual ao número total de agrupadas. Todos os membros do ACE Reuniões Trimestrais (ou quando convocadas) Conselho Consultivo para a Expansão Internacional O Conselho Consultivo para a Expansão Internacional é nomeado a convite do Conselho de Administração, sendo composto por um número de titulares não superior a 9 (nove). Empresas multinacionais de referência no sector (a nomear pelo CA) Reuniões Trimestrais ou quando convocadas 12

13 Modelo de Governação A estrutura operacional do ACE engloba o Director Operacional, as equipa comercial e de suporte e, estruturas flexíveis, o(s) Program Management Office(s). Estrutura Operacional: Descrição e Actividades (1/2) A estrutura operacional do ACE conta com um Director Operacional, a equipa comercial, a equipa de suporte e com estruturas flexíveis, Program Management Offices, a constituir consoante os projectos/programas adjudicados. Unidade Descrição Principais Actividades Director Operacional Elemento responsável pela gestão operacional das actividades do ACE. O Director Operacional ficará encarregue da coordenação operacional das s e de Suporte e pela monitorização das estruturas de PMO. Elaboração do Plano de Operações e de Investimentos Apoio à elaboração do relatório de gestão e do orçamento e previsões financeiras Coordenação das equipas operacionais do ACE e reporte Afectação das equipas comerciais e acompanhamento da sua actividade e resultados Constituição das equipas de Program Management Office e acompanhamento da sua actuação Órgão responsável pelas actividades comerciais do ACE, desde a análise dos mercados pré abordagem, passando pela abordagem comercial ao mesmos e pela concretização dos negócios. Análise do catálogo de produtos Análise dos mercados e do seu potencial Abordagem comercial aos mercados (clientes), dentro do plano, apresentando a oferta global e integrada do ACE Levantamento de requisitos específicos para cada mercado Elaboração de simulações comerciais e de propostas Dinamização da plataforma colaborativa (disponibilização info) Não exaustivo 13

14 Modelo de Governação Continuação. Estrutura Operacional: Descrição e Actividades (2/2) A de Suporte ficará encarregue de todas as actividades de apoio à actuação do ACE. Já as estruturas de PMO serão criadas de acordo com os projectos adjudicados ficando directamente responsáveis pela sua gestão. Unidade Descrição Principais Actividades de Suporte Estrutura responsável pelas actividades de suporte ao funcionamento do ACE. Será responsável pelas actividade de apoio ao funcionamento do ACE a garantir internamente. A definir posteriormente Program Management Office (PMO) Estrutura(s) flexível (eis) a criar para a gestão do(s) projecto(s) (programas) adjudicados. Estas estruturas serão responsáveis pelo acompanhamento e monitorização dos projectos e pela gestão do relacionamento operacional com o cliente no decorrer do mesmo. Planeamento detalhado do projecto/programa Mobilização das equipas internas (ACE) Gestão do relacionamento entre as empresas do ACE (fornecedoras) e o cliente Definição de indicadores de execução e impacto específicos Acompanhamento e monitorização do projecto e indicadores Proposta de medidas correctivas ou de melhoria (se aplicável) Elaboração de reports regulares e finais do projecto/programa Não exaustivo 14

15 Modelo de Governação Continuação. Estrutura Operacional: Constituição e Dimensionamento A estrutura operacional é coordenada pelo Director Operacional e conta com equipas fixas (comercial e de suporte) e flexíveis (estruturas de PMO). Unidade Constituição e Dimensionamento Titulares/ Funções de Suporte A é constituída por um conjunto de elementos afectos directamente afectos à actividade comercial do ACE. Esta equipa apresenta dois tipologias de funções: Responsáveis Comerciais (Seniores) Técnicos Comerciais A de Suporte será adaptada às necessidades operacionais do consórcio, será leve e cingir-se-á às actividades correntes de suporte que sejam necessárias garantir internamente. Responsável elemento responsável pela abordagem aos mercados, levantamento de requisitos, negociação, proposta, reporte e coordenação do(s) Técnico(s); Técnico elemento responsável pela análise e suporte à abordagem comercial e negociação e pela elaboração de propostas. A definir posteriormente Program Management Office (PMO) A constituição e a tipologia de funções dos elementos do Program Management Office serão variáveis atendendo à dimensão financeira e temporal do Projecto/ Programa, à sua abrangência e nível de dificuldade. Existe uma equipa de elementos multifuncionais Em casos específicos recurso a equipas externas especializadas, em mercados específicos. 15

16 Índice 1. Enquadramento do ACE 2. Segmentos de Actuação e Empresas 3. Modelo de Governação 4. Macro Processos 5. Estratégia de Actuação e Mercados Anexos: Plataforma Colaborativa 16

17 4. Macro Processos (Venda e Concretização) Os processos de Venda e de Concretização da Venda são a base para a actuação funcional do ACE. E.Xample 01 Processo de Venda Genérico (Abordagem, Simulação, Negociação e Comunicação) Análise da estratégia do ACE Conselho de Administração Definição dos mercados prioritários 1 Conselho de Administração 2 Definição da forma e equipa para abordagem ao mercado 3 Recolha de informação sobre o mercado (junto do AICEP, MNE..) 4 Análise e definição de oferta para o mercado Conselho de Administração Apresentação comercial 5 Conselho de Administração 6 Levantamento de pré-requisitos e transmissão à 1 Plataforma Conselho de 7 8 Empresas Colaborativa Administração Colocação dos Envio de de Resposta via Análise da Validação da Colocação da requisitos na notificação plataforma informação e Primeira Proposta Primeira 1 plataforma e automático às (validação e/ou 2 definição da Primeira simulação (Pré- empresas para actualização ficha e margem de Proposta na Proposta e margem Proposta) validação condições de produto) negociação Plataforma Empresas com Produtos Seleccionados 2 Cons. Adm.+ Equip. Com. 13 Apresentação da proposta e negociação Cons. Adm.+ Equip. Com. 14 Definição dos requisitos finais 15 Simulação financeira e emissão de report Conselho de Administração 16 Análise da simulação e do report e decisão 17 Proposta Final? Sim 18 Elaboração de Proposta Final e colocação na plataforma E.xample_02 Envio de Proposta 3 Venda? Final ao cliente Sim Comunicação da venda na plataforma Concretização da Venda 22 Não Não Comunicação da não venda na plataforma FIM Legenda: Governação Operação 17

18 Macro Processos (Venda e Concretização) O funcionamento operacional é suportado numa plataforma de suporte à venda e comunicação. E.Xample 02 Processo de Venda Específico (Oportunidade detectada por uma das empresas do ACE) Empresa do ACE identifica oportunidade Cons.Adm.+ Empresa* Plataforma 4 Empresas 5 Empresa* Comunicação da Colocação dos Envio de de Resposta via Definição das áreas requisitos na notificação plataforma oportunidade de actuação da plataforma e automático às (validação e/ou identificada e dos empresa* e das não simulação (Pré- empresas (produtos actualização ficha pré-requisitos abrangidas Proposta) não abrangidos) de produto) 6 Análise da informação e definição da Primeira Proposta e margem 1 Cons.Adm.+ Empresa* 7 8 Equip. Com. + Empresa* 9 Equip. Com. + Empresa* Validação da Colocação da Apresentação da Simulação Análise da Primeira Proposta Primeira Definição dos 1 proposta e financeira e simulação e do 2 e margem de Proposta na requisitos finais negociação emissão de report report e decisão negociação Plataforma Cons.Adm.+ Empresa* Proposta Final? Sim Equip. Com. + Empresa* 14 Elaboração de Proposta Final e colocação na plataforma 15 Envio de Proposta Final ao cliente 16 Venda? Sim 17 Comunicação da venda na plataforma E.xample_02 Concretização da Venda 18 Não Comunicação da não venda na plataforma FIM Nota: Empresa* - Empresa que detectou a oportunidade Legenda: Governação Operação 18

19 Macro Processos (Venda e Concretização) Continuação. E.Xample 03 Processo de Concretização da Venda (PMO, Planeamento, Acompanhamento, Avaliação) E.xample_01 Venda Genérica E.xample_02 Venda detectada por uma das empresas Conselho de Administração 1 Análise da necessidade de parcerias locais Cons. Adm. + D. Operacional 2 Definição da estrutura de PMO e comunicação (plataforma) PMO + Empresas 3 Confirmação dos prazos e da disponibilidade das empresas (*) Inclui a definição de factores críticos de sucesso e de pontos de controlo PMO Análise e planeamento detalhado do projecto * 4 Cons. Adm..+ PMO 5 Apresentação do planeamento detalhado ao cliente 6 Proposta de ajustamento? Sim 1 Não 1 PMO + PMO 7 8 PMO 9 PMO 10 Empresas 11 Empresas Análise da proposta do cliente e ajustamento Reunião de mobilização e definição da logística global Disponibilização do planeamento e das condições logísticas na plat. Reunião de arranque de projecto no cliente Prestação dos serviços conforme cronograma PMO 12 Ponto de situação com as empresas e o cliente 2 2 Cons. Adm..+ PMO 13 Reunião Mensal de Ponto de Situação e disponibilização do report (plataforma) 14 Atraso ou acontecimento não previsto? Sim PMO 15 Proposta de medidas correctivas e novo planeamento (se aplicável) Conselho de Administração 16 Aprovação de medidas correctivas e do novo planeamento PMO 17 Disponibilização na plataforma das actualizações ao planeamento PMO 18 Aferição e divulgação dos indicadores de impacto do proj. 3 Não 3 PMO 19 Elaboração de inquérito de satisfação final ao cliente PMO 20 Elaboração do relatório final do projecto (impactos e lições aprendidas) Cons. Adm. + D. Operacional Aprovação do relatório final 21 D. Operacional 22 Disponibilização do relatório final na plataforma Cons. Adm. + D. Operacional 23 Avaliação do desempenho da estrutura de PMO FIM Legenda: Governação Operação 19

20 Índice 1. Enquadramento do ACE 2. Segmentos de Actuação e Empresas 3. Modelo de Governação 4. Macro Processos 5. Estratégia de Actuação e Mercados Anexos: Plataforma Colaborativa 20

21 5. Estratégia de Actuação e Mercados O ACE e.xample tem por missão tornar Portugal numa referência nas TIC ao serviço da educação, garantindo uma crescente presença internacional e criando um elevado volume de negócios. Visão, Missão e Objectivos Estratégicos do ACE Missão Portugal, país de referência nas Tecnologia da Informação e do Conhecimento ao serviço da educação. Visão Oferecer uma solução tecnológica e funcional integrada que permita alavancar o sistema de ensino, capacitando-o para o novo paradigma da educação no século XXI e criando um novo conceito de escola, enquanto local de eleição dos mais jovens onde estes se sentem motivados e desafiados a aprender e a desenvolver as suas competências. Os objectivos centrais do ACE são: 1. Promover mundialmente a oferta de soluções tecnológicas e funcionais integradas 2. Criar um player de referência e elevado prestígio internacional Objectivos Estratégicos 3. Fomentar a partilha de conhecimento e o investimento em I&D dentro do ACE e nos países em que o mesmo intervenha 4. Potenciar sinergias comerciais e de marketing dentro do ACE e junto dos parceiros internacionais 21

22 Estratégia de Actuação e Mercados O Plano Estratégico e Operacional deverá ser mais do que um documento, deverá consubstanciar um conjunto de orientações e acções voltadas para a efectivação da actuação do ACE. Plano Estratégico e Operacional Macro Etapas 1. Diagnóstico do Mercado Mundial Relevante Análise dos mercados internacionais relevantes para a actuação do ACE e diagnóstico, consolidando inputs do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) e do AICEP. Estabelecimento de metodologia de colaboração (englobando p.ex. plataforma de comunicação e partilha de informação). 2. Análise da presença das empresas do ACE nos mercados mundiais Levantamento da presença das agrupadas do ACE nos mercados mundiais (projectos e/ou instalações), principais segmentos e áreas de actuação nos mesmos e informação relevante que as mesmas possuam sobre os mercados, sistema de ensino e tecnologias. 3. Definição da estratégia e mercados, tendo em conta guidelines de actuação Com base no diagnóstico e na análise da presença internacional das agrupadas e tendo como ponto de partida um conjunto de guidelines de actuação, definição da estratégia do ACE e dos mercados de actuação prioritária (para pronto arranque da acção comercial nos mesmos). 4. Alinhamento da estratégia do ACE com a diplomacia internacional Reuniões de trabalho com a diplomacia internacional para comunicar a estratégia do ACE e os seus mercados de actuação prioritária e para alinhamento de uma estratégia de actuação conjunta e definição de metodologia de colaboração (p.ex. plataforma de comunicação e partilha de informação). 5. Definição da forma de actuação interna e externa do ACE e afectação de equipas Definição dos procedimentos de actuação interna do ACE (articulação com as agrupadas) e de actuação externa (articulação com os mercados) e afectação de equipas. 22

23 Plataforma Colaborativa do E.xample A definição das guidelines de actuação é critica, dado estas serem o principal ponto de partida para a definição da estratégia e dos mercados prioritários (etapa 3). Não Exaustivo 3.Definição da estratégia e mercados, tendo em conta guidelines de actuação Com base no diagnóstico e na análise da presença internacional das agrupadas e tendo como ponto de partida um conjunto de guidelines de actuação, definição da estratégia do ACE e dos mercados de actuação prioritária (para pronto arranque da acção comercial nos mesmos). Guidelines de actuação As guidelines de actuação deverão ser os princípios orientadores da definição da estratégia e, acima de tudo, da prioritização dos mercados. Abaixo, apresenta-se um conjunto, não exaustivo, de guidelines a ter em conta: o Privilegiar países de língua oficial portuguesa, dadas as similaridades dos sistemas de ensino e a potencial adequação dos conteúdos e software desenvolvido em português o Atender às linhas de crédito existentes entre Portugal e os Potenciais Países de Destino, bem como à existência de fundos de cooperação internacional o Abordar em primeira instância países que já desenvolveram Plano Tecnológico da Educação, pois potencialmente encontram-se num estagio de desenvolvimento mais avançado o Privilegiar a relação já estabelecida com a UIT alavancando-a para o desenvolvimento de um projecto comercial 23

24 Índice 1. Enquadramento do ACE 2. Segmentos de Actuação e Empresas 3. Modelo de Governação 4. Macro Processos 5. Estratégia de Actuação e Mercados Anexos: Plataforma Colaborativa 24

25 Anexo: Plataforma Colaborativa do E.xample A Plataforma Colaborativa do E.xample será um dos elementos essenciais para a comunicação e para a operação do ACE, garantindo uma relação transparente e eficiente entre todos os stakeholders. Plataforma Colaborativa - Homepage e.xample AGRUPAMENTO DE EMPRESAS PORTUGUESAS DE TICE NO SECTOR DA EDUCAÇÃO INÍCIO AS TICE NA EDUCAÇÃO O E.XAMPLE 1 SOLUÇÃO INTEGRADA 2 NOVO PARADIGMA DO SISTEMA DE ENSINO COMPETÊNCIAS DO SÉC. XXI CASE STUDIES E PAPERS DE REFERÊNCIA Zona de Alertas Legenda: 1 O E.XAMPLE Visão, Missão e Objectivos Enquadramento Segmentos de Actuação Membros e Parceiros Presença Internacional Documentação e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample E.xample e.xample e.xample E.Xample e.xample e.xample Notícias/ Eventos e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample E.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample E.xample e.xample Ver mais Login User Password Registe-se 3 Zona de Destaques 2 SOLUÇÕES INTEGRADAS Segmentos e Áreas de Actuação (Catálogo) Produtos por Segmento (ficha detalhada) MENU SIMILIAR AO AS TICE NA EDUCAÇÃO (DUPLA BARRA) 3 ZONA DE DESTAQUES Vídeo Catálogo disponível para visualização e download Outros SOBRE O SITE NEWSLETTER QUESTÕES FREQUENTES CONTACTE-NOS SUGESTÕES 25

26 Plataforma Colaborativa do E.xample A Plataforma Colaborativa do E.xample terá uma área de acesso aberto (site do ACE - homepage) e uma área de acesso restrito para as empresas do ACE, de Governação e s Operacionais. Plataforma Colaborativa - Homepage Abaixo apresenta-se de forma detalhada a estrutura da área de acesso aberto (site do ACE) Nível 1 Nível 2 Nível 3 Tipo de Campo As TIC na Educação Novo Paradigma do Sistema Ensino Texto + imagem Competências Séc. XXI Texto + imagem Case Studies e Papers de referência Texto + anexos O E.xample Visão, Missão e Objectivos Texto + imagem Enquadramento Texto Segmentos de Actuação Texto + imagem Membros e Parceiros Texto + imagem (logos) Presença Internacional Texto + imagem Documentação Texto + anexos Solução Integrada Visão (Segmentos e Áreas) Texto + imagem + links Produtos por Segmento Ficha de Produto Texto + imagem + anexos Zona de Alertas Texto + imagem Zona de Destaques Vídeo, Catálogo PDF, etc. Zona de Login Zona de Notícias/ Eventos Noticias e/ou Eventos Texto + Imagem 26

27 Plataforma Colaborativa do E.xample A área de acesso restrito (colaborativa) tem informação destinada às agrupadas e às equipas do ACE, sendo o ponto de comunicação por excelência. Apresenta informação direccionada. Plataforma Colaborativa Área de Acesso Restrito (1/4) e.xample AGRUPAMENTO DE EMPRESAS PORTUGUESAS DE TICE NO SECTOR DA EDUCAÇÃO INÍCIO AS TICE NA EDUCAÇÃO O E.XAMPLE SOLUÇÕES INTEGRADAS Nome/ Empresa do Colaborador 1 Alertas/ Notificações 2 E.XAMPLE EMPRESAS PARCEIROS PRODUTOS DOCUMENTOS AGENDA! Notícias e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample Ver mais e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample Ver mais ÁREA COLABORATIVA OPERAÇÃO PROPOSTAS PROJECTOS FÓRUM A Área de Acesso Restrito, área colaborativa conta com 4 zonas distintas de conteúdos: E.XAMPLE informação de base sobre os membros, produtos e documentos do ACE OPERAÇÃO zona de partilha de informação por excelência. As equipas operacionais do ACE partilharão informação com as empresas através do menu propostas (comercial) e do menu projectos (PMO) Alertas/ Notificações zona onde as empresas terão informação a si direccionada, como seja possibilidade de participar numa proposta Noticias Zona com noticias externas e internas ao ACE. SOBRE O SITE NEWSLETTER QUESTÕES FREQUENTES CONTACTE-NOS SUGESTÕES 27

28 Plataforma Colaborativa do E.xample Representação dos submenus da Plataforma Colaborativa. Plataforma Colaborativa Área de Acesso Restrito (2/4) e.xample AGRUPAMENTO DE EMPRESAS PORTUGUESAS DE TICE NO SECTOR DA EDUCAÇÃO INÍCIO AS TICE NA EDUCAÇÃO O E.XAMPLE SOLUÇÕES INTEGRADAS Nome/ Empresa do Colaborador 1 Alertas/ Notificações 2 E.XAMPLE EMPRESAS PARCEIROS PRODUTOS Por Segmento Listagem DOCUMENTOS AGENDA! Notícias e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample Ver mais e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample e.xample Ver mais ÁREA COLABORATIVA OPERAÇÃO PROPOSTAS Em Curso Histórico Nova PROJECTOS Em Curso Histórico FÓRUM Os menus laterais, E.XAMPLE e OPERAÇÃO, terão os seguintes submenus: E.XAMPLE > Produtos: Por segmento Listagem OPERAÇÃO > Propostas: Em Curso Histórico Nova OPERAÇÃO > Projectos: Em Curso Histórico SOBRE O SITE NEWSLETTER QUESTÕES FREQUENTES CONTACTE-NOS SUGESTÕES 28

29 Plataforma Colaborativa do E.xample Continuação. Plataforma Colaborativa Área Acesso Restrito (3/4) A área de acesso restrito apresenta um conjunto de conteúdos destinados às agrupadas e às equipas do ACE pretendendo ser o veículo para a comunicação entre os membros e as equipas do ACE. É através desta área colaborativa que as empresas serão notificadas para apresentação de propostas, bem como poderão ter acesso a toda a informação respeitante a produtos, propostas e projectos. No menu do lado esquerdo, E.XAMPLE está concentrada toda a informação respeitante à constituição do consórcio (empresas e parceiros), aos seus produtos e principais acontecimentos (agenda). Legenda: 1 E.XAMPLE Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Empresas Listagem Empresas Ficha da Empresa Parceiros Listagem Parceiros Ficha por Parceiro Produtos Por Segmento Segmentos + Áreas Listagem Produtos Ficha de Produto Listagem Listagem Produtos Ficha de Produto Agenda Listagem com links para as fichas individuais (Ficha da Empresa; Ficha do Parceiro) Representação Gráfica dos Segmentos e Áreas de actuação com links para a sua localização na Listagem Produtos Listagem por segmento de actuação e área de actuação com links para as fichas individuais (Ficha de Produto) 29

30 Plataforma Colaborativa do E.xample Os projectos resultam de propostas adjudicadas, cabendo a gestão das propostas à área comercial. Após a passagem a projecto, a gestão fica sob alçada dos PMO. Plataforma Colaborativa Área Acesso Restrito (4/4) No menu do lado direito, OPERAÇÃO é apresentada a informação relativa à gestão operacional do ACE E.xample, isto é, toda a informação relativa a propostas e projectos. Neste menu existe ainda um Fórum onde as empresas poderão partilhar informação, colocar dúvidas, debater tópicos, deixar sugestões, etc. Legenda: 2 OPERAÇÃO Nível 1 Nível 2 Nível 3 Nível 4 Nível 5 Propostas Em Curso Listagem de Propostas Ficha de Proposta Histórico Listagem de Propostas Ficha de Proposta Nova Ficha de Proposta Projectos Em Curso Listagem de Projectos Ficha de Projecto Histórico Listagem de Projectos Ficha de Projecto Fórum Listagem de propostas segmentada em Propostas Em Curso e Em Decisão com links para as fichas individuais (Ficha de Proposta) Listagem de propostas segmentada em Proposta Adjudicadas e Não Adjudicadas com link para as fichas individuais (Ficha de Projecto e Ficha de Propostas, respectivamente) Menu para introdução de novas propostas a preencher pela Área Listagem de projectos em Curso (Em Curso) e Listagem de Projectos Concluídos (Histórico) com links para as fichas individuais (Ficha de Projecto) 30

31 Plataforma Colaborativa do E.xample A Ficha de Empresa, é o local onde as empresas devem disponibilizar a informação mais relevante sobre o seu objecto social, segmentos de actuação no ACE e mais valias que aportam. Ficha de Empresa Para cada empresa será preenchida online, na plataforma do ACE e.xample, uma ficha de empresa onde consta: o Nome da Empresa o NIF o Área de Negócio o Contactos (telefone, , fax) o Segmentos e Áreas de Actuação em que os seus produto se inserem (automático após preenchimento das fichas de produto) com link para os respectivos produtos o Mais Valias que a empresa acredita aportar ao ACE o Considerações da Empresa sobre a sua participação no ACE o Países em que a empresa se encontra (com projectos efectivos) e países que privilegia o Apresentação Corporativa e logótipo vectorial (ANEXOS) 31

32 Plataforma Colaborativa do E.xample A Ficha de Parceiro serve para disponibilizar a todas as empresas do ACE informação sobre os actuais parceiros e o âmbito de cada uma das parcerias estabelecidas. Ficha de Parceiro Para cada parceiro será preenchida online, na plataforma do ACE e.xample, uma ficha do parceiro onde consta: o Nome do Parceiro o Área de Negócio o Pessoa de Contacto (telefone, , fax) o Âmbito da parceria o Segmentos e Áreas de Actuação em que os seus produto se inserem (automático após preenchimento das fichas de produto) com link para os respectivos produtos o Documentos relativos ao estabelecimento da Parceria 32

33 Plataforma Colaborativa do E.xample A Ficha de Produto, a preencher na plataforma colaborativa, é um elemento de suporte a todas as actividades comerciais a desenvolver pelo ACE. Ficha de Produto Para cada produto será preenchida online, na plataforma do ACE e.xample, uma ficha de produto onde consta: o Segmento e Área de Actuação em que o produto se insere (dentro dos definidos no macro catálogo) o Empresa produtora e/ou comercializadora o Características técnicas do produto, funcionalidades e vantagens do produto para o cliente o Imagem do produto (Se aplicável) o Valor de base (unitário) o Desconto de Quantidade (Se aplicável) o Condições logísticas para o fornecimento/ prestação do serviço (prazo de entrega, quantidade máxima, entre outras) o Mais documentação sobre o produto (ANEXOS) 33

34 Plataforma Colaborativa do E.xample A Ficha de Proposta, é o primeiro elemento a preencher após a primeira abordagem comercial, sendo a partir desta que será estabelecida a comunicação operacional com as empresas. Ficha de Proposta Para cada proposta será preenchida online, pela na plataforma do ACE e.xample, uma ficha de proposta onde consta: o Cliente o Status da Proposta (Elaboração Validação Negociação Decisão Adjudicada/ Não Adjudicada) o Versão da Proposta (Pré-Proposta Primeira Proposta Proposta Final) NOTA: Após passar para Proposta Final deverá ser automaticamente guardada cópia da Primeira Proposta o Produtos a adquirir (opção de selecção dentro dos segmentos e respectivas áreas de actuação, com indicação da(s) empresa(s) que disponibilizam o produto) e respectiva quantidade o Valor de base produto (unitário) e valor global produto (unitário * quantidade * (1 - taxa desconto)) o Check box para indicar se produto efectivamente pretendido ou produto a integrar na oferta alargada o Valor global da proposta ( valor global produto) com e sem produtos a integrar na oferta o Condições logísticas para o fornecimento/ prestação do serviço (prazo de entrega, opções de transporte, entre outras) o Considerações/ observações o Documentação relativa à proposta (ANEXOS) 34

35 Plataforma Colaborativa do E.xample Após adjudicação a Ficha de Proposta dá origem à Ficha de Projecto. Esta, é o local por excelência de comunicação entre o PMO e o consórcio. Ficha de Projecto Para cada projecto será preenchida e actualizada online, pela PMO na plataforma do ACE e.xample, uma ficha de projecto onde consta: o Cliente o PMO (Nome; Contactos e tlm) o Status do Projecto (Arranque Elaboração Conclusão) o Nº meses decorridos face ao total do projecto o Cronograma do Projecto (Planeamento Detalhado: Etapas, Datas, Pontos de Controlo, Empresas) o Condições logísticas para o fornecimento/ prestação do serviço (prazo de entrega, opções de transporte, entre outras) o Considerações/ observações o Relatórios de Projecto Reports Mensais, Relatório com Indicadores de Impacto e Relatório Final (ANEXOS) o Proposta que deu origem ao projecto (ANEXOS) o Outra Documentação de Projecto (ANEXOS) 35

36 Criação de ACE Agrupamento Complementar de Empresas Actuação e Estratégia Julho de 2010

Criação de ACE Agrupamento Complementar de Empresas

Criação de ACE Agrupamento Complementar de Empresas Criação de ACE Agrupamento Complementar de Empresas Relatório de Empresas Participantes Junho de 2010 Uma nova forma de ensino que inspirou mudanças sociais, económicas e culturais. O que começou por um

Leia mais

Agrupamento de Empresas Portuguesas de TIC na Área da Educação. - Apresentação do ACE - Junho de 2010

Agrupamento de Empresas Portuguesas de TIC na Área da Educação. - Apresentação do ACE - Junho de 2010 - Apresentação do ACE - Junho de 2010 Uma nova forma de ensino que inspirou mudanças sociais, económicas e culturais. O que começou por um computador portátil nas mãos de um aluno iniciou em tempo recorde

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

SMARTCALL. Apresentação

SMARTCALL. Apresentação SOBRE A SMARTCALL SMARTCALL Apresentação A SmartCall desenvolve serviços inovadores direccionados para a dinamização do relacionamento das empresas com os seus clientes e a criação de novas oportunidades

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO

PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Governo da República de Moçambique Ministério da Educação PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO Índice 1. Motivação do Plano Tecnológico da Educação (PTE) 2. Trabalhos Desenvolvidos 3. Linhas de Orientação e Pilares

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas

Apresentação da Solução. Divisão Área Saúde. Solução: Gestão de Camas Apresentação da Solução Solução: Gestão de Camas Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros, 82-A, 1500-060

Leia mais

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM:

O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: O ESTADO PORTUGUÊS EM CONJUNTO COM: Decidiu apoiar as PME através deste programa, que permite: Modernizar a sua infraestrutura de comunicações Fazer crescer o seu negócio Incorporar competências essenciais

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação

Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação Comissão Interministerial para a Sociedade da Informação ANEXO AO CADERNO DE ENCARGOS MÉTODO DE AVALIAÇÃO DOS WEB SITES DA ADMINISTRAÇÃO DIRECTA E INDIRECTA DO ESTADO Documento disponível em www.si.mct.pt

Leia mais

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO

OBJETIVO GERAL DA FUNÇÃO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO EM MOÇAMBIQUE FUNÇÃO: Técnico de Capacitação Institucional (TCI) LOCALIZAÇÃO: Moçambique, Província de Nampula DURAÇÃO: 17 meses (datas prováveis: 1 de agosto de 2015 a 31 de dezembro

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS)

FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS) FUNÇÃO: Coordenador do Departamento de Comunicação (C_DCOM) e do Departamento de Educação para o Desenvolvimento e Advocacia Social (C_DEDAS) LOCALIZAÇÃO: Sede - Lisboa Duração do Contrato: 1 ano, eventualmente

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

Apresentação de Solução

Apresentação de Solução Apresentação de Solução Solução: Gestão de Altas Hospitalares Unidade de negócio da C3im: a) Consultoria e desenvolvimento de de Projectos b) Unidade de Desenvolvimento Área da Saúde Rua dos Arneiros,

Leia mais

Plataforma de. Sessões de Esclarecimento. Electrónica BizGov Porto, 30 de Abril de 2009

Plataforma de. Sessões de Esclarecimento. Electrónica BizGov Porto, 30 de Abril de 2009 Plataforma de Sessões de Esclarecimento Contratação Pública "Contratação Electrónica Electrónica BizGov Porto, 30 de Abril de 2009 Agenda 1 Introdução 2 Plataforma de Contratação Pública Electrónica BizGov

Leia mais

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL

Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Guia de Participação na MISSÃO PARA O CRESCIMENTO PORTUGAL Encontro Internacional de Negócios Lisboa, 29 de Novembro de 2013 INTRODUÇÃO As PME portuguesas têm vindo a atravessar bastantes dificuldades

Leia mais

Guia de Reinscrição Passo a Passo

Guia de Reinscrição Passo a Passo Guia de Reinscrição Passo a Passo para Certified e Gold Certified Partners Bem Vindo ao seu Guia de Reinscrição Passo a Passo no Microsoft Partner Program Este guia foi concebido para ajudá-lo a seguir

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária

Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Abril de 2008 Bashen Agro Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária 1 Bashen Agro Um projecto Consultoria e sistemas de gestão AgroPecuária Parceria FZ AGROGESTÃO Consultoria em Meio Rural, Lda Av.

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP SENDYS - Copyright 2007 SENDYS é uma marca proprietária da Readsystem, Lda. 2 Universo

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Manual básico do Utilizador Software de Facturação e Gestão Comercial On-line Level 7 Basic, Light & Premium Este Software é fornecido com um número de

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

50 the International Paris Air Show

50 the International Paris Air Show Cluster Aeroespacial Nacional Pavilhão de Portugal 50 the International Paris Air Show Paris - Le Bourget 17 a 23 de Junho de 2013 www.salon-du-bourget.fr ENQUADRAMENTO e OBJECTIVO Na continuidade das

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Secretaria-Geral do MAOT

Secretaria-Geral do MAOT Secretaria-Geral do MAOT Paula Vieira 8 Outubro 2010 SIAP 2010 1 IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTRANET SIAP 2010 2 AGENDA Objectivos do projecto Arranque do projecto Implementação do projecto Resultados: - Conteúdos

Leia mais

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal

Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Acta Constituinte Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal ( Resolução do Conselho de Ministros, 197/97 de 17 de Novembro, com as alterações introduzidas pela Declaração de Rectificação nº10-0/98

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS

CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS CENTRAL DE COMPRAS PORTUGAL MAIS APRESENTAÇÃO PARCEIROS: Introdução Preparámos-lhe esta apresentação porque acreditamos que são importantes para si e para a sua Entidade os seguintes princípios: OPORTUNIDADE

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Plano de Marketing Operacional

Plano de Marketing Operacional Plano de Marketing Operacional CONTEÚDO 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação... iii 2. Plano de comunicação... viii 3. Controlo e revisão... xvi ii 1. Oportunidade do projecto APCMC +Inovação A

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias.

Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. GoldMine QuickStart Implemente a sua solução de Gestão de Marketing, Vendas e Serviço de Clientes, em menos de 7 dias. O GoldMine é uma ferramenta de gestão da relação com os clientes (CRM-Costumer Relationship

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

RESUMO ACÇÕES DPCE. Resumo

RESUMO ACÇÕES DPCE. Resumo RESUMO ACÇÕES DPCE Resumo RESUMO ACÇÕES DPCE 2 DPCE Resumo Novembro 20 Grau de Implementação Projectos Oficina Empresarial # Projectos em Curso Grau de Implementação Mês Gestão de Clientes e Contactos

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

Manual de utilizador CRM

Manual de utilizador CRM Manual de utilizador CRM Formulário de Login Personalizado de acordo com a sua empresa mantendo a sua imagem corporativa. Utilizador: Admin Password: 123 1 Formulário Principal Este formulário está dividido

Leia mais

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique

DESCRIÇÃO DO TRABALHO. Directora Nacional, WWF Moçambique DESCRIÇÃO DO TRABALHO Título de posição: Responde a: Supervisiona: Localização: Gestor de Comunicação Directora Nacional, WWF Moçambique Todo pessoal de comunicações Maputo, Moçambique Data: 19 de Agosto

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal

75% 15 a 18 de Maio 2015 Praça da Independência - Maputo Moçambique Pavilhão de Portugal aposta no Sistema Educativo Formação e Criação de Novas Infra-Estruturas UMA OPORTUNIDADE PARA O SEU SECTOR CO-FINANCIADO 75% 1ª PARTICIPAÇÃO PORTUGUESA DA FILEIRA DA EDUCAÇÃO AIP - Feiras, Congressos

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA. Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado A IMPORTÂNCIA DO JOOMLA NA GESTÃO DA INFORMAÇÃO PEDAGÓGICA Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado O Plano Tecnológico da Educação (PTE), aprovado pela Resolução de

Leia mais

Europass-Curriculum Vitae

Europass-Curriculum Vitae Europass-Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Correio(s) electrónico(s) Miguel Pedro Mendes d Araújo Morada(s) Rua António Gustavo Moreira, n.º 35 Hab. 2.5 4400-660 Vila

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas

Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Guia das Funções Mais Procuradas Page Personnel 2015 Advocacia e TI estão entre as mais procuradas e melhor pagas Lisboa, 16 de Junho de 2015 - A Page Personnel, empresa de recrutamento de quadros intermédios

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

AS MAIS RECENTES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS, AGORA ACESSÍVEIS A TODAS AS EMPRESAS

AS MAIS RECENTES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS, AGORA ACESSÍVEIS A TODAS AS EMPRESAS MAIS PRODUTIVIDADE E COMPETITIVIDADE AS MAIS RECENTES SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS, AGORA ACESSÍVEIS A TODAS AS EMPRESAS Oquesepretende? A iniciativa PME Digital visa contribuir para estimular a atividade económica

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais