Escolha de Cisternas para Captação de Água de Chuva no Sertão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escolha de Cisternas para Captação de Água de Chuva no Sertão"

Transcrição

1 Escolha de Cisternas para Captação de Água de Chuva no Sertão Introdução por Terry Thomas1 Esta Conferência coincide com o início de um grande programa para a colheita da água de chuva de telhados residenciais na região Semi-Árida Brasileira (SAB) o Programa de Um Milhão de Cisternas (P1MC). Este programa se baseia em experiências extensivas brasileiras de técnicas de captação de água de chuva experiências que culminaram na 9ª Conferência Internacional de Sistemas de Captação de Chuva, realizada em Petrolina-PE, em O Sertão é uma região de precipitação pluviométrica cuja incerteza é imposta por um nível considerado baixo. Assim, nesta região, a falta de água periódica tem sido há muito tempo um assunto de importância pessoal, econômica e política. Água superficial é reduzida e sem confiabilidade. Condições geológicas não são favoráveis ao desenvolvimento de recursos hídricos subterrâneos. Assim, o transporte periódico de água potável com carros pipas tem sido uma característica da região. A captação de água de chuva é uma técnica para fornecimento de água com potencial para resolver os problemas com abastecimento de água no Sertão e, consequentemente, uma tecnologia-chave. Infelizmente, embora a captação de água de chuva seja mais fácil de se por em prática do que as alternativas principais, ela não pode oferecer 100% de segurança hídrica, porque necessitaria da instalação de cisternas enormes, com capacidade de, talvez, 50 m 3 por residência. Este trabalho trata da seleção de cisternas para armazenamento de água de chuva, com respeito à capacidade e desenho, no contexto do SAB. O custo da construção de cisternas varia entre 50 % e 85 % de um sistema de captação de água de chuva. Então, a escolha certa influencia diretamente na viabilidade financeira de tais sistemas. Análise do benefício que uma família receberia com a instalação de um sistema doméstico de captação de água de chuva Um sistema de captação de água de chuva fornece água em quantidade que depende do clima, da área de captação do telhado, do tamanho da cisterna e dos hábitos de consumo de água daquela cisterna. Uma medida do benefício num ano é a quantidade d água consumida - volume, V. Uma outra medida é a confiabilidade, W, da água a fração dos dias no ano em que as necessidades hídricas da família são atingidas. Geralmente, uma estratégia de uso que maximiza volume é diferente de uma que maximiza confiabilidade: volume e confiabilidade estão, até certo ponto, em conflito um com o outro. Então, é desejável tentar definir uma medida do valor, B, d água, que leve em conta tanto o volume como a confiabilidade. Uma maneira de certo modo arbitrária é definir dois fatores de peso F e G para volume e confiabilidade, respectivamente, definindo o benefício anual como B = F V + G W. Uma alternativa mais real é atribuir valores diferentes para água conforme as épocas do ano. Então, um litro no verão = estação seca poderia ter o valor igual a quatro litros no inverno = estação chuvosa. Claro, esta maneira exige que definamos as estações, por exemplo, chamando de estação seca qualquer dia seguindo pelo menos um mês com chuva insignificante. Se for realista, uma valorização tão alta de água no verão deveria conduzir os consumidores a seguir uma estratégia para aumentar a oferta no verão por meio do sacrifício parcial de consumo no inverno. Uma versão extrema daquela estratégia seria não gastar água da cisterna durante o inverno, para, assim, maximizar a quantidade que sobra para o verão. Uma terceira alternativa é a que parece refletir bem a realidade no Sertão. Ela atribui valor, por exemplo, aos primeiros 4 litros per capita por dia (lcd) muito alto; aos próximos 4 litros não tão alto; aos próximos 4 litros como valor padrão e a quaisquer litros além de 12 por dia, um valor baixo. Tal valorização seria refletida por uma estratégia de uso que variasse a quantidade retirada de uma cisterna conforme o volume restando na cisterna. Vamos usar como exemplo uma casa com uma área de telhado de 50 m2 na região de Petrolina, onde a chuva média é de, aproximadamente, 500 mm por ano. Ainda com uma cisterna enorme, só daria para se captar, aproximadamente, 60 litros por dia; então, vamos tratar como oferta d água nominal. Poderíamos gerenciar e valorizar a oferta da seguinte maneira: penalizando a não confiabilidade (cisterna vazia) com um custo significante.

2 Tabela 1: Estratégia de manejo e valorização usada para modelamento de desempenho Conteúdo Cisterna da Retirada (litros por dia) Valorização litros padronizados Benefício total em litros padronizados Vazia 0-50 Opção de multa Menos de 25% cheia 20 5 x % cheia x % cheia x Mais de 75% cheia x Seca um período de estiagem severa é uma preocupação concreta no Sertão. É, provavelmente, impossível que um sistema de captação de água de chuva doméstico possa garantir água no mês mais seco do ano mais seco e algum tipo de reserva back-up seria necessário. O cenário pior é que um seca grande castigue a região inteira ao mesmo tempo, requerendo uma frota grande de carros pipas para ficar em estado de alerta. Um cenário mais ameno é que uma seca grande é mais localizada, não atingindo todos os estados ou municípios ao mesmo tempo e, assim, permitindo uma frota menor de carros pipas de reserva. Em termos de modelamento (para prever desempenho) temos a escolha de um único cálculo médio de muitos anos, ou vários cálculos dos anos mais chuvosos, médios, e mais secos na última década. Para simplicidade, as previsões neste trabalho são médias anuais baseadas nas precipitações nos últimos 10 anos. Escolhendo a dimensão das cisternas Podemos dimensionar a cisterna para dar um desempenho específico ou para maximizar a relação benefício - custo. Um exemplo do primeiro é um sistema que pode fornecer uma média de 60 litros por dia (pode significar 60 litros todos os dias, ou 90 litros per capita por 2/3 dos dias ou muitas outras combinações). Tanto as organizações não governamentais (ONGs) como os governos gostam da idéia de atingir um desempenho específico, mas isto sempre acompanha uma filosofia de racionalização onde nem todos os beneficiários potenciais podem receber estes sistemas. A maximização da relação benefício custo tem um objetivo diferente, especificamente na identificação de qual dimensão de cisterna corresponde ao benefício máximo total quando um valor x de dinheiro é investido. No contexto doméstico de captação de água de chuva, dimensionar sistemas para fornecer um desempenho específico quase sempre tem como resultado a instalação de uma quantidade de sistemas menor do que se fossem dimensionados para maximizar o benefício total. Qual a estratégia a ser utilizada é sempre uma decisão política, compartilhada entre as famílias e quem está promovendo a tecnologia. Também, depende da fração de subsídio do custo total um subsídio alto sugere um orçamento mais ou menos fixo que favorece o uso de maximização de benefícios (por exemplo, construir cisternas menores). Uma fração com subsídio baixo significa que o total dos recursos aumenta com o número de famílias; isto favorece o uso de desenho com desempenho específico (cisternas maiores). Infelizmente, sistemas domésticos de captação de água de chuva não favorecem um investimento em etapas, onde sistemas inicialmente construídos para um desempenho específico baixo (cisternas pequenas) são aumentados posteriormente com o aumento da capacidade. Há várias razões pelas quais os resultados no investimento adicional são mais baixos do que no investimento inicial. Todavia, é mais econômico instalar uma cisterna de tamanho padrão do que duas cisternas de metade deste tamanho. Normalmente, para cada aumento de 1 % no volume, o aumento no custo da cisterna é só de 0,65%, devido à economia de escala de construção. Vamos agora fazer um cálculo específico, que seja representativo, para que possamos colocar o benefício (média dos últimos 10 anos de litros padrão, já definido, por família por dia) contra o tamanho da cisterna. Vamos supor que a família gaste a água com prudência conforme a estratégia descrita na Tabela 1. A Figura 1 mostra o efeito de variação do tamanho da cisterna de 420 litros (7 dias de escoamento médio) até litros (225 dias). O gráfico mostra cinco medidas de desempenho modulado. Estas são: O Volume de água fornecido durante 10 anos como fração da correnteza do telhado durante aquele tempo; A Confiabilidade, definida como fração dos dias em que a cisterna não está vazia; O Valor ou benefício da água captada, expresso como uma fração do valor ideal (que corresponde a 60 litros por dia todos os dias dos 10 anos). Valor 1 é calculado sem aplicação de uma multa quando a Nota

3 cisterna fique vazia. Valor 2 é calculado usando uma multa significante como uma maneira de punir a falta de confiabilidade. Uma relação (Valor 1:Custo) para comparar investimentos diferentes. Embora o cálculo tenha sido feito para um certo local, tamanho de telhado e estratégia de manejo, ainda mostra as escolhas que têm que ser feitas em qualquer lugar no Sertão. Particularmente, mostra que um aumento no tamanho da cisterna melhora o desempenho (Volume, Confiabilidade, Valor) mas causa um aumento ainda maior no custo da cisterna. Então, a cisterna menor ( 7 dias ) mostra a melhor relação Valor: Custo. Assim, para um certo orçamento total, um programa para instalar muitas cisternas menores (420 litros) daria quatro vezes mais benefício do que um Programa para instalar menos cisternas grandes ( litros). Se aplicarmos a multa pela falta de oferta (cisterna vazia), a cisterna pequena tem um desempenho pior, enquanto nas cisternas maiores tem pouco efeito. Temos que decidir qual critério utilizar dos cinco apresentados e qual desenho do modelo. No clima do Sertão, é necessário uma cisterna muita grande por exemplo, litros para obter um desempenho razoável. Observe-se que no modelamento temos colocado o nível mais baixo de consumo de água como somente 20 litros por dia. Um nível maior é só sustentável com um telhado maior do que os 50 m 2 usados nos cálculos. Se os valores de tamanho de cisterna e demanda nominal permanecem fixos, um aumento de 1 % no tamanho do telhado geraria um aumento de 0,5 % em água captada e um aumento menor em confiabilidade. Ao contrário, se a demanda nominal for aumentada em 1 % (para 60,6 litros por dia neste caso) mas o tamanho do telhado e da cisterna permanecerem fixos, o resultado de volume aumentará, mas confiabilidade cairá (ambos em 0,5 %). Então, o proprietário da cisterna pode negociar volume contra segurança com uma mudança na estratégia de manejo da cisterna. Figura 1 : Desempenho x Tamanho da cisterna (Petrolina, telhado 60 m2, ) Desempenho 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0, Tamanho da cisterna em litros Volume Reliability Value 1 Value 1:Cost Value 2

4 Escolhendo o tipo de cisterna Supondo que durabilidade e segurança fossem satisfatórias, normalmente escolheríamos um tipo de cisterna principalmente com base no custo mínimo. Todavia, existem outros critérios que devemos contemplar, além do que custo mínimo depende do contexto do programa. Os outros tipos de critérios são segurança do modelo, preferência do usuário, sustentabilidade e geração de emprego. Em qualquer programa grande, é prudente assegurar-se contra uma falha geral do programa (devido a alguma falha no modelo escolhido) com o emprego de mais de um modelo. Isto é certamente verídico durante as primeiras etapas de um programa. Um desenhista que afirme antes do teste em larga escala que tal configuração é superior a todas as outras é excessivamente otimista e tolo. A próxima etapa é a escolha pelo usuário. Usuários são diferentes em suas necessidades e suas circunstâncias, mas, também, são as pessoas com a melhor informação sobre estes assuntos. Muitos programas ao longo dos últimos 30 anos têm imposto uma única tecnologia subsidiada em cima dos usuários. Em quase todos os casos sendo em agricultura, água, saneamento, saúde tais programas têm um desempenho baixo ou terminaram antes do tempo sendo um fracasso. Os desenhistas de programas ignoram as preferências dos usuários por seu próprio risco. A chance de escolha e a educação dos usuários sobre como poderão exercitar tal escolha em nível de família ou comunidade, chegaram, com toda razão, a se tornar um dos pré-requisitos para projetos de desenvolvimento obterem êxito. A palavra Sustentabilidade tem muitos sentidos, variando de equidade entre gerações, ser acessível ou poder de multiplicidade. Quase nenhum programa de intervenção permanece por décadas. Então, a forma mais segura de sucesso é ter introduzido alguma inovação que continua e se multiplica após o fim do período de intervenção. (O programa da jarra de água de chuva na Tailândia é um bom exemplo). Este estado desejável requer produção, seleção de modelo e manutenção para serem absorvidos pelos processos da comunidade receptora, se estes processos foram no nível das famílias, do comércio ou governamental. Podemos associar sustentabilidade simplesmente como viabilidade econômica (os benefícios são maiores do que os custos), embora exista uma longa lista de outros critérios que são objetos de discussão por economistas e tecnologistas apropriados. Sem dúvida, alguns são importantes para o Sertão. Geração de emprego é um assunto central em comunidades carentes. Tecnologias novas como Captação de Água de Chuva Doméstica (CACD), que custam dinheiro, têm que ser pagas, sendo a maior parte de seu valor adicional gerada dentro da própria comunidade (com pedreiros locais) ou através da ajuda na produção de alguma outra parte da economia local (por exemplo, economizando tempo). Este requisito, muitas vezes, está em conflito com os interesses dos promotores da tecnologia. Finalmente, podemos notar que cada agente de promoção tem interesses que vão além do fornecimento de água. Organizações Não Governamentais (ONGs), muitas vezes, usam o fornecimento de água como carro chefe para objetivos como mobilização da comunidade ou valorização das mulheres. Políticos, obviamente, precisam de votos, etc. Estes interesses são normais, mas o sucesso de qualquer programa de intervenção será aumentado, se estes interesses forem reconhecidos por ambas as partes, os promotores e os usuários. A maneira como a acessibilidade da tecnologia depende das circunstâncias do programa é, ao mesmo tempo, óbvia e sutil. É óbvia com respeito aos custos dos componentes como mão-de-obra e transporte. A cisterna mais barata (escolhida entre vários modelos) numa área urbana será diferente daquela numa área rural afastada, onde a relação de custos de material contra custos de mão-de-obra é mais alta. O custo de permanecer no local por vários dias enquanto o concreto endurece é mais barato para um prático local do que para o supervisor de construção vindo da cidade. Os méritos de produção em quantidade tipo fábrica depende das circunstâncias do programa. Na teoria, produção assim oferece vantagens de dois tipos: escala e controle de qualidade (o resultado sendo economia substancial em materiais). Na prática, o custo de transportar um produto do tamanho de uma cisterna para um local rural pode ser maior do que qualquer economia no custo de construção. Por exemplo, na Austrália tanques enormes para captação de água de chuva são transportados ou montados no local por máquinas complicadas tipo carretas. Na Tailândia e Camboja, muitas vezes, empregam-se vários jarros de água (cada um de litros) em paralelo, porque este é o maior tamanho que pode ser transportado facilmente das fábricas de jarros de cidades próximas. Ao contrário, na África e Sri Lanka, quase todos os tanques / cisternas são construídos no

5 local. Há um interesse crescente na produção em massa de componentes transportáveis, como placas, ou na zona urbana ou numa localidade onde muitas sistemas de captação de água de chuva estão em construção ao mesmo tempo. Comparação de custos para prováveis tipos de tanques Foi feito um exercício para comparar tanques de diferentes partes do mundo e calcular o custo para, assim, ajudar aqueles envolvidos no emprego de Sistemas de Captação de Água de Chuva a fazer uma escolha informada. Tais escolhas são complicadas pelo fato de que custos de material, mão-de-obra, renda per capita, moedas e câmbios variam de um local para outro. O custo de armazenamento por litro cai à medida que o tamanho do tanque aumenta. Para levar em conta esta variabilidade, houve um esforço para normalizar os números. Calculou-se o custo de 8 tipos de tanques para cada um dos três países: Uganda, Sri Lanka e Brasil, usandose notas de material dos desenhos e custo de material de cada país no ano 2000/2001. Apenas os dados do Brasil são mostrados aqui. Todos os custos foram convertidos para uma equivalência de 5 m 3, usando-se sensibilidade para o tamanho de 0,6. Os tanques em consideração são de 4 países em 3 continentes. Os países são Quênia e Uganda (África), Sri Lanka (Ásia) e Brasil (América do Sul). Os tanques são listados na Tabela 2 e os custos finais estão na Figura 2. Tabela 2: Tanques usados no exercício de custo Nome do Tanque Tamanho do tanque Fonte de informação 1 Tanque PBG litros (tamanho variável) 2 Tanque de Ferro cimento 3 Jarro pequeno de tijolo DTU Technical Release e litros Eric Nissen-Peterson, ASAL, Kenya (Nissen- Petersen & Lee, 1990) 750 litros DTU Technical Release 07 (Rees & Whitehead, 2000a) 4 Tanque de lona litros ACORD, Uganda e DTU página do internet 5 Ferrocimento Tanque Pumpkin 6 Tanque de Alvenaria, subterrânea litros Lanka RWH Forum e CWSSP Relatórios, Sri Lanka (Hapugoda, 1995) litros Lanka RWH Forum e CWSSP Relatórios, Sri Lanka (Hapugoda, 1995) 7 Cisterna de placas e litros Johann Gnadlinger, IRCSA. Data de Juazeiro, Bahia, 1998 (Gnadlinger, 1999) 8 Cisterna de cal e tijolo e litros Johann Gnadlinger, IRCSA. Data de Juazeiro, Bahia, 1998 (Gnadlinger, 1999)

6 Figura 2 : Custos totais por tanque de litros usando custos de materiais e mão-de-obra brasileiros. (Custo de material é mostrado com barra escura; mão-de-obra com barra clara. Câmbio é UK 1 = R Brasil 4 ) Tarpaulin Tank Cement Plate Cistern Brick Lime Cistern Partially Below Ground Tank Brick Tank Below Ground Brick Tank Pumpkin Tank Ferrocement tank Como pode ser visto, o custo de construção dos tanques difere por um valor considerável: O tanque de ferro-cimento tradicional foi o pior, devido, provavelmente, ao desenho do Quênia ser velho e conservador; desenhos atuais brasileiros deveriam ser mais baratos; O tanque Pumpkin, também de concreto, parece fornecer economia pela sua forma mais otimizada, desenho mais recente e moldura (forma) que pode ser reutilizada; O tanque parcialmente subterrâneo fornece boa economia, com redução de uso de material e custos de mãode-obra similares aos de outros tanques; Os tanques de tijolos mostram alguma economia em materiais, mas o custo um pouco maior com mão-deobra favorece países onde a mão-de-obra for barata; O tanque mais barato é o de lona, devido ao uso extensivo de materiais locais de graça para a sua estrutura, sua construção rápida e a maneira que emprega o chão como estrutura principal; A cisterna de placas é, também, uma opção econômica, especialmente em países com cimento barato, como o Brasil. Sua construção única, usando seções controladas de concreto montado no local resulta na redução considerável da espessura da parede. Outras variações neste tema incluem tanques cilíndricos montados a partir de seções pré-fabricadas de altura completa, e tanques esféricos montados a partir de placas pentagonais. Na situação onde a mão-de-obra seja fornecida pela família ou comunidade beneficiada, basta comparar apenas os custos de materiais que para cada tipo de tanque, são maiores do que os custos de mão-de-obra nos países em vias de desenvolvimento. Conclusões Em qualquer grande programa de captação de água de chuva, a seleção de modelos de tanques é uma tarefa importante do ponto de vista técnico e econômico. Não é prudente padronizar um único modelo e tamanho, porque as vantagens aparentes de custos são menores do que a flexibilidade, os riscos são menores e o compromisso do consumidor que alguma escolha permita. Sucesso num programa doméstico de captação de água de chuva deve ser medido não apenas pelo seu impacto imediato, mas, também, por como ele estabelece uma capacidade a longo prazo para construir e manter sistemas acessíveis. O Sertão é caracterizado por precipitação tão baixa e variável que áreas de captação de telhados e cisternas terão que ser grandes se a maior parte das necessidades de água tiverem que ser atendidas pela água do telhado. Ainda, um sistema de captação de água de chuva utilizando um telhado de 50 m 2 e uma cisterna de litros, necessitará de uma outra fonte de água. Já possuindo a cisterna talvez facilite esta outra fonte. Ainda mais, num ano seco, com precipitação de apenas 300 mm, é necessário limitar a oferta diária de água para menos de 0,7 litro por metro quadrado de telhado. Na prática, o limite econômico é de, mais ou menos, 0,5 litro/m 2.

7 O dimensionamento de tanques requer que o critério de desempenho seja decidido. As duas principais aproximações são ou maximizar o benefício de um investimento total ou definir um nível de desempenho e tamanho de tanque para combinar com o investimento. Usar o primeiro critério tem como resultado a seleção de tanques bem menores do que o uso do segundo critério. Existem muitos modelos de tanques disponíveis, dos quais vários tipos já estão bem difundidos no Nordeste do Brasil. Os dois modelos que indicam maior promessa para custo baixo são o buraco revestido com lona e o tanque de superfície com segmentos pré- fabricados. (*)Esse trabalho foi traduzido por Elizabeth Szilassy

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA.

CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A VIABILIDADE TÉCNICA E SOCIAL DA CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA EM CISTERNAS RURAIS NA REGIÃO SEMI-ÁRIDA BRASILEIRA. Felipe Tenório Jalfim. Coordenador do Programa de Apoio

Leia mais

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. O USO DE CISTERNAS PARA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO, UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Rômulo Henrique Teixeira do Egito (1); Arturo Dias da Cruz (2); Karla Vanessa Cunha (3); Arilde Franco

Leia mais

J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS

J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS J2CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS Nilton de Brito Cavalcanti 1 ; Luiza Teixeira de Lima Brito 2 RESUMO - No semi-árido do Nordeste brasileiro, a cisterna tem sido uma das principais formas

Leia mais

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO MONITORAMENTO E SIMULAÇÃO DO BALANÇO HÍDRICO EM CISTERNAS RURAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO Dennyele Alves Gama¹; Marília Silva Dantas¹; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega¹ & Carlos de Oliveira Galvão¹ RESUMO Os

Leia mais

Usando Formas de Metal: Tecnologia para a Construção de Cisternas Redondas para Captação d água da Chuva

Usando Formas de Metal: Tecnologia para a Construção de Cisternas Redondas para Captação d água da Chuva Usando Formas de Metal: Tecnologia para a Construção de Cisternas Redondas para Captação d água da Chuva Elizabeth Szilassy Agência dos Correios 55.140-000 Tacaimbó PE Brasil E-mail: tacaimbo@netstage.com.br

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA

SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA SISTEMA INTEGRADO FAMILIAR DE CAPTAÇÃO, MANEJO E GERENCIAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA Fernando Deodato de Sousa; José Dias Campos e José Rêgo Neto cepfs@uol.com.br Centro de Educação Popular e Formação Sindical

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA ISSN 1984-9354 ESTUDO DA VIABILIDADE DO APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL NO ESTADO DE RONDÔNIA Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Natália Sanchez Molina (UNESC) Rafael Germano Pires (UNESC) Débora Pereira

Leia mais

CISTERNA DE PLACAS CALÇADÃO : UMA ALTERNATIVA PARA A CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA DE ESCOAMENTO NO NÍVEL DO SOLO

CISTERNA DE PLACAS CALÇADÃO : UMA ALTERNATIVA PARA A CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA DE ESCOAMENTO NO NÍVEL DO SOLO CISTERNA DE PLACAS CALÇADÃO : UMA ALTERNATIVA PARA A CAPTAÇÃO E ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA DE ESCOAMENTO NO NÍVEL DO SOLO Felipe Tenório Jalfim 1 ; Mário Farias Júnior 1 ; Yazna Retamal Bustamante

Leia mais

Fabrizio Cesaretti (Agrônomo), Coordenador do Progetto Mondialità Cooperazione Italiana- ADAPTE E-mail: fabrizio@zeus.openline.com.

Fabrizio Cesaretti (Agrônomo), Coordenador do Progetto Mondialità Cooperazione Italiana- ADAPTE E-mail: fabrizio@zeus.openline.com. FABRIZIO CESARETTI PROGETTO MONDIALITÀ - COOPERAZIONE ITALIANA Rua S.M. Almeida, s/n 58170-000 Barra de Santa Rosa PB BRASIL Tel. 083-376.1115 e-mail: fabrizio@mail.openline.com.br Formas de Credito Alternativo

Leia mais

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS Laura Rita Rui laurarui@cpovo.net Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca

Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Painel 2 - Um desafio histórico no Nordeste: escassez de água ou de soluções? Água de Chuva: alternativa para conviver com a seca Cícero Onofre de Andrade Neto O acesso a água potável é apenas um dos problemas

Leia mais

Apresentação Técnica de Diferentes Tipos de Cisternas, Construídas em Comunidades Rurais do Semi-árido Brasileiro

Apresentação Técnica de Diferentes Tipos de Cisternas, Construídas em Comunidades Rurais do Semi-árido Brasileiro Apresentação Técnica de Diferentes Tipos de Cisternas, Construídas em Comunidades Rurais do Semi-árido Brasileiro João Gnadlinger IRPAA, C. P. 21 48900-000 Juazeiro - BA, Brasil E-mail: ircsa@netcap.com.br

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 1 Introdução ao aproveitamento de água de chuva Carlos de Oliveira Galvão Universidade Federal de Campina

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 Luiza Teixeira de Lima Brito 2 Aderaldo de Souza Silva 3 RESUMO Técnicas de captação e armazenamento de água de

Leia mais

EQUIPE TÉCNICA. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade - IABS. Luis Tadeu Assad Diretor Presidente

EQUIPE TÉCNICA. Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade - IABS. Luis Tadeu Assad Diretor Presidente EQUIPE TÉCNICA Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade - IABS Luis Tadeu Assad Diretor Presidente Carla Gualdani Coordenadora Técnica Filipe Robatini Consultor Técnico Imagens e conteúdo:

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009. Construção de cisternas Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 3: Construção de cisternas Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal de Campina Grande Financiadores:

Leia mais

EM BUSCA DE ÁGUA NO SERTÃO DO NORDESTE

EM BUSCA DE ÁGUA NO SERTÃO DO NORDESTE EM BUSCA DE ÁGUA NO SERTÃO DO NORDESTE Nilton de Brito Cavalcanti, Luiza Teixeira de Lima Brito, Geraldo Milanez de Resende. Pesquisadores da Embrapa Semi-Árido. C. Postal 23, 56302-970 Petrolina-PE. E-mail:

Leia mais

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas

Durante séculos, em diversos locais ao redor do planeta, as pessoas Manejo Sustentável da água Conteúdo deste documento: I. Introdução à captação e armazenamento de água da chuva II. Vantagens da utilização de água da chuva III. Considerações sobre a qualidade da água

Leia mais

CISTERNAS DE PLACAS Eng.º Civil Marcos Carnaúba AL CONFEA - Registro Nacional 180160565-3 e-mail:marcarnauba@gmail.com

CISTERNAS DE PLACAS Eng.º Civil Marcos Carnaúba AL CONFEA - Registro Nacional 180160565-3 e-mail:marcarnauba@gmail.com CISTERNAS DE PLACAS Eng.º Civil Marcos Carnaúba AL CONFEA - Registro Nacional 180160565-3 e-mail:marcarnauba@gmail.com VERSÃO ORIGINAL MAIO 2008 ATUALIZADA EM MAIO 2012 1-Descrição sumária do projeto.

Leia mais

TECNOLOGIAS DE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA O SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

TECNOLOGIAS DE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA O SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO TECNOLOGIAS DE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA O SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO JOHANN GNADLINGER ABCMAC / IRPAA LUIZ RAFAEL PALMIER UFMG ELIZABETH SZILASSY AMAS LUIZA TEIXEIRA BRITO EMBRAPA Semiarido Resumo:

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA. Cisterna Junho/2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Cisterna Junho/2013 Sendo a água doce um recurso natural escasso, as diversas questões a ela relacionadas são hoje motivo de preocupação em todo o mundo. Dentre

Leia mais

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA

CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA INTEGRADA AO TRABALHO DA PASTORAL DA CRIANÇA Maria de Fátima Lima, Coordenadora da Pastoral da Criança na Diocese de Patos, Gilberto Nunes de Sousa, Central das Associações do

Leia mais

CISTERNA DE PLACAS PRÉ-MOLDADAS

CISTERNA DE PLACAS PRÉ-MOLDADAS CISTERNA DE PLACAS PRÉ-MOLDADAS José Afonso Bezerra Matias, Técnico de Campo do Programa de Aplicação de Tecnologia Apropriada às Comunidades PATAC., José Dias Campos, Centro de Educação Popular e Formação

Leia mais

Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti

Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti Experiência Brasileira sobre Captação, Armazenamento, Gestão e Qualidade da Água de Chuva para Consumo Humano em Comunidades Rurais do Haiti Elisabete de Oliveira Costa Santos 1 Dário Nunes dos Santos²

Leia mais

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso.

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso. USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Marcio Koetz 1, Rodrigo Couto Santos 2, Normandes Matos da Silva 3, Christian Dias Cabacinha 4, Wendy Carniello Ferreira 5 1 Professor

Leia mais

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009

Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 8 de maio de 2009 Tema 2 Projeto de sistemas de aproveitamento de água de chuva Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega Universidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS

CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS CAPÍTULO 3 - ANÁLISE DE ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS III.1 - GENERALIDADES Após a classificação dos projetos tecnicamente corretos é imprescindível que a escolha considere aspectos econômicos. E é a engenharia

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Abastecimento de Água Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES COBERTURAS. Nilton de Brito Cavalcanti 1

EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES COBERTURAS. Nilton de Brito Cavalcanti 1 You are free: to copy, distribute and transmit the work; to adapt the work. You must attribute the work in the manner specified by the author or licensor EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

Casas Estufas Sustentáveis através da Captação de Água da Chuva Experiência Chinesa e Indiana

Casas Estufas Sustentáveis através da Captação de Água da Chuva Experiência Chinesa e Indiana CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Casas Estufas Sustentáveis através da

Leia mais

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral de Acesso à Água Carolina Bernardes Água e Segurança

Leia mais

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros

Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde. Iara Jassira Costa Barros Questão da água em comunidades rurais da ilha de Santiago-Cabo Verde Iara Jassira Costa Barros Introdução Localização geográfica: 500km da costa ocidental da África Clima: Tropical seco, 2 estações seca

Leia mais

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Projeto para construção de cisternas, Mobilização e Capacitação de famílias parceria

Leia mais

Potenciais conflitos na Implantação de sistema de abastecimento de água e banheiros em uma comunidade rural do Ceará, Brasil

Potenciais conflitos na Implantação de sistema de abastecimento de água e banheiros em uma comunidade rural do Ceará, Brasil Potenciais conflitos na Implantação de sistema de abastecimento de água e banheiros em uma comunidade rural do Ceará, Brasil Léo Heller, Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil 29 de julho de 2014,

Leia mais

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Introdução O desconto é um dos mais importantes, e também dos mais difíceis, conceitos em economia. Através das taxas de juro, as questões do desconto atravessam

Leia mais

UMA NOVA TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE CISTERNAS USANDO COMO ESTRUTURA BÁSICAS TELA GALVANIZADA DE ALAMBRADO. Harald Schistek 1 hskjua@superig.com.

UMA NOVA TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE CISTERNAS USANDO COMO ESTRUTURA BÁSICAS TELA GALVANIZADA DE ALAMBRADO. Harald Schistek 1 hskjua@superig.com. CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 UMA NOVA TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE CISTERNAS

Leia mais

Abastecimento Hídrico de Residências Rurais: Parceria Estado e Sociedade Civil no Semiárido da Bahia

Abastecimento Hídrico de Residências Rurais: Parceria Estado e Sociedade Civil no Semiárido da Bahia Abastecimento Hídrico de Residências Rurais: Parceria Estado e Sociedade Civil no Semiárido da Bahia Water supply Rural Residence: Partnership State and Civil Society in the Semiarid Bahia CARMO, Élcio

Leia mais

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS Caren Rayane Ribeiro da Silva (1); David Domingos Soares da Silva (2) (1) FPB FACULDADE INTENACIONAL DA

Leia mais

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades.

Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. professor Serão distribuídos: Para os professores: Cinco módulos temáticos e um caderno de atividades. Para os alunos: um caderno de atividades. Também serão produzidos, dentro de sala de aula, cartazes

Leia mais

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL USO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL COMO APOIO PARA O DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS PARA ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Resumo. Introdução. Telhados Verdes

Resumo. Introdução. Telhados Verdes - 1 - Telhados de Cobertura Verde e Manejo de Águas Pluviais Dr. Walter Kolb Instituto Estadual de Viticultura e Horticultura do Estado de Bavéria, Departamento de Paisagismo Endereço para correspondência:

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 1. 293050/2013 Município: UF: Prefeito: Serrinha BA Orçamento total da Prefeitura: R$ 58.680,00 Qtd. Emp. Form.ME, EPP. EI: Estimativa de Emp. Informais:

Leia mais

Viabilidade técnica e econômica da captação de

Viabilidade técnica e econômica da captação de GESTÃO INTEGRADA DA ÁGUA DE CHUVA NO SETOR URBANO Viabilidade técnica e econômica da captação de água de chuva no meio urbano Luciano Zanella aproveitamento de água de chuva simples facilmente aplicável

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação.

Palavras-Chave: Barragem subterrânea; Participação. Título do Trabalho: Barragem Subterrânea: uma alternativa de convivência com o semi-árido e a participação das comunidades rurais do sertão pernambucano. Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI

DISCIPLINA: SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO PROFESSOR: CÁSSIO FERNANDO SIMIONI ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

Leia mais

UMA NOVA TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE CISTERNAS USANDO COMO ESTRUTURA BÁSICAS TELA GALVANIZADA DE ALAMBRADO

UMA NOVA TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE CISTERNAS USANDO COMO ESTRUTURA BÁSICAS TELA GALVANIZADA DE ALAMBRADO UMA NOVA TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE CISTERNAS USANDO COMO ESTRUTURA BÁSICAS TELA GALVANIZADA DE ALAMBRADO Harald Schistek 1 hskjua@superig.com.br RESUMO Para o sucesso da captação de água da chuva para

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75.

CGP. diâmetro interno = 0,30m; parte submersa do sépto = 0,20m; capacidade de retenção = 18 litros; diâmetro nominal da tubulação de saída DN 75. Memorial de cálculo Projeto: Residência Renato Cortez Assunto: Saneamento ecológico a/c Renato Cortez 1. caixa de gordura De acordo com a NBR 8160, para a coleta de apenas uma cozinha, pode-ser uma caixa

Leia mais

VIABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE POÇOS ARTESIANOS MOVIDOS À ENERGIA SOLAR EM COMUNIDADE RURAL DO RIO GRANDE DO NORTE

VIABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE POÇOS ARTESIANOS MOVIDOS À ENERGIA SOLAR EM COMUNIDADE RURAL DO RIO GRANDE DO NORTE VIABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE POÇOS ARTESIANOS MOVIDOS À ENERGIA SOLAR EM COMUNIDADE RURAL DO RIO GRANDE DO NORTE Alan Martins de Oliveira (*), Amanda Suianny Fernandes Rocha, Jacqueline Cunha de Vasconcelos

Leia mais

iwalk Descubra a versatilidade de um tapete rolante ThyssenKrupp Elevator

iwalk Descubra a versatilidade de um tapete rolante ThyssenKrupp Elevator Descubra a versatilidade de um tapete rolante ThyssenKrupp Elevator O iwalk é um inovador tapete rolante criado após uma rigorosa investigação sobre o comportamento e as necessidades dos utilizadores.

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS EM ÁREAS URBANAS Profª. Simone Rosa da Silva 2015 Torres empresariais : Isaac newton e Alfred Nobel Const.: Rio Ave Aspectos

Leia mais

Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI

Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI Projeto Fecundação: construção e desconstrução de saberes na captação de água de água da chuva em Coronel José Dias - PI Maria Sueli Rodrigues de Sousa Conjunto Morada Nova I, Quadra 03, Bloco 05, apartamento

Leia mais

Previsão de El Niño - Carta N o. 8

Previsão de El Niño - Carta N o. 8 IRPAA - Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada Setor de Clima e Água Caixa Postal 21, 48900-000 Juazeiro-BA Tel: (074)811-6481 Fax: (074)811-5385 E-mail: irpaa@netcap.com.br Previsão de

Leia mais

PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO.

PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO. PERCEPÇÃO DA IMPORTANCIA DA SEGURANÇA SANITÁRIA NA QUALIDADE DE ÁGUA DE CISTERNAS NO PERIODO DE ESTIAGEM EM UM ASSENTAMENTO RURAL NO SERTÃO PARAIBANO. Erica Bento SARMENTO¹ Luiz Fernando de Oliveira COELHO²

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade:

I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: I. INFORMAÇÕES GERAIS Município: Distrito: Localidade: Data do Relatório: (dd:mm:aa) Entrevistador (a) N O. QUEST.: II. CARACTERÍTICAS DOS MORADORES DO DOMICÍLIO Nome do chefe da família: SEXO: 1. M 2.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA NAS EDIFICAÇÕES INDUSTRIAIS Margolaine Giacchini (UEPG) margolaine@pop.com.br Alceu Gomes de Andrade Filho (UEPG) Resumo Os recursos hídricos estão ameaçados pela degradação

Leia mais

ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS. Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2

ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS. Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2 ÁGUA DA CHUVA PARA CONSUMO HUMANO: MELHORIAS E DESAFIOS Gilberto Ferreira da Silva Neto 1 & Maura Maria Pezzato 2 Resumo: Ao longo dos anos o semiárido brasileiro vem convivendo com dificuldades no âmbito

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Impressões e lições da Oficina Internacional

Impressões e lições da Oficina Internacional Impressões e lições da Oficina Internacional de Captação e Manejo de Água de Chuva em Landzou, China, de 16 de julho 2004 a 31 de agosto de 2004 João Gnadlinger, Juazeiro, Bahia IRPAA - ABCMAC e-mail:

Leia mais

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro

ED 2059/09. 9 fevereiro 2009 Original: inglês. A crise econômica mundial e o setor cafeeiro ED 2059/09 9 fevereiro 2009 Original: inglês P A crise econômica mundial e o setor cafeeiro Com seus cumprimentos, o Diretor-Executivo apresenta uma avaliação preliminar dos efeitos da crise econômica

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA

SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA SUA ALTERNATIVA PARA TER NEGÓCIO PRÓPRIO CASAS POPULARES SÉRIE MICROEMPRESAS FORMAS, PLANTAS E INSTRUÇÕES PARA CONSTRUIR UMA CASA POR DIA REVOLUCIONÁRIO E SIMPLES SISTEMA DE CONSTRUÇÃO 1 Um negócio bem

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

ANUAL 1200. Mesmo no período chuvoso, há grande dificuldade para ter acesso à água, pois, o. solo pedregoso do semiárido nordestino não consegue

ANUAL 1200. Mesmo no período chuvoso, há grande dificuldade para ter acesso à água, pois, o. solo pedregoso do semiárido nordestino não consegue Este manual é parte do Programa de Tecnologias Sustentáveis do Projeto No Clima da Caatinga patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental na linha Florestas e Clima e realizado

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água

As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Sede Monárquica Água e Esgoto As primeiras concessões para saneamento e abastecimento de água Em 12 de agosto de 1834, o Rio de Janeiro foi designado município neutro, por ato adicional à Constituição

Leia mais

1. Apresentação. Sumário Executivo

1. Apresentação. Sumário Executivo Sumário Executivo Avaliação Ambiental da Performance do Programa Cisternas do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) em Parceria com a ASA: Índice de Sustentabilidade Ambiental ISA.

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1.

Os projetos de habitação de interesse social adotados nesta pesquisa encontram-se caracterizados na tabela 1. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS DIRETOS E DA VIABILIDADE ECONÔMICA PARA UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL E EQUIPAMENTOS SANITÁRIOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA: ESTUDO DE CASO PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB Paulo Ricardo Dantas (1); Ana Paula Fonseca e Silva (1); Andreza Maiara Silva Bezerra (2); Elisângela

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO

BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO BARRAGEM SUBTERRÂNEA: UMA ALTERNATIVA DE CAPTAÇÃO E BARRAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA NO SEMI-ÁRIDO José Dias Campos, José Rego Neto, Otávio Bezerra Sampaio, Claudia Sonda Centro de Educação Popular e Formação

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais