JBS Kit de Iniciação para a Cristalização Proteica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JBS Kit de Iniciação para a Cristalização Proteica"

Transcrição

1 Cat. No. CS-401PT Quantidade 1 Kit forem geometricamente favoráveis, ocorre a cristalização da proteína. Somente para uso in vitro Garantia válida para 12 meses Conservar a 4 C Introdução e Teoria da Cristalização Atualmente existem dois métodos principais para a determinação da estrutura tridimensional de proteínas: Espectroscopia de Ressonância Magnética Nuclear (RMN) e cristalografia de raios-x. RMN possibilita a determinação da estrutura atômica de proteínas com um limite de peso molecular em torno de Da (25 kda, o equivalente a aproximadamente 220 amino ácidos), enquanto que o método de raios-x é mais apropriado para a determinação de estruturas proteicas maiores ou de complexos macromoleculares. Os estudos pioneiros das estruturas cristalográficas da mioglobina (1950) e hemoglobina (1955) foram premiados com o Premio Nobel de Química em Esse reconhecimento demonstra não somente a importância da cristalografia de raios-x, mas também aponta a emergente biologia estrutural como um campo essencial para a ciência no geral. O primeiro passo na determinação de uma estrutura cristalográfica, e frequentemente o mais difícil, é o crescimento de cristais proteicos de tamanhos suficientemente grandes para a realização do experimento. Um cristal é um arranjo periódico tridimensional de blocos, que no nosso caso, são moléculas proteicas, dispostos de maneira regular. Como é possível a obtenção de cristais partindo de uma molécula tão complexa como moléculas proteicas? A fim de se alcançar a forma cristalina partindo de uma solução proteica, a solubilidade das moléculas deve ser diminuída. Por via de regra, a redução da solubilidade leva à formação de um precipitado proteico amorfo. No entanto, se condições apropriadas forem selecionadas de tal maneira que se formem regiões complementares na superfície de moléculas adjacentes, interações específicas podem acontecer entre essas moléculas. Se essas interações Fig. 1: Diagrama esquemático de fases de uma mistura proteína-precipitante O processo de cristalização é caracterizado por dois passos: (1) nucleação e (2) crescimento do cristal. Ambos os passos podem acontecer na zona supersaturada do diagrama de fases, se as condições corretas forem selecionadas (ver Fig.1). De acordo com a Fig.1, há necessidade da formação de uma solução supersaturada de proteína-precipitante, o que ocorre quando moléculas se mantêm dissolvidas em solução numa concentração maior do que a solubilidade em condições normais. Infelizmente é necessário um nível maior de supersaturação para a nucleação do que para o crescimento do cristal, o que dificulta o controle individual desses parâmetros. A área de nucleação também é chamada de zona lábil, enquanto que a área de crescimento do cristal é conhecida como zona metaestável. A nucleação requere que a solução proteica esteja localizada na zona lábil, que é também onde o crescimento rápido de cristais ocorre. Portanto, mantendo-se a solução proteica por muito tempo nessa zona acarretará no crescimento rápido de muitos núcleos cristalinos e a produção excessiva de cristais pequenos. Já que é interessante a obtenção de cristais suficientemente grandes (c.a. 0,5 mm de largura), deve-se evitar a formação de muitos núcleos. Isso significa que a mistura proteínaprecipitante deve alcançar a zona de nucleação lentamente para que os núcleos em formação tenham tempo para crescer. Page 1 of 7 Last update: April 7, 2015

2 A transição de uma solução estável para uma solução supersaturada acontece quando se varia a proporção proteína-precipitante de acordo com o diagrama de fase. Para tanto, aumenta-se a concentração de proteína ou do precipitante (eixos vertical e horizontal na Fig. 1). Os processos físicos que geram essa mudança na concentração são diálise ou difusão, ambos caracterizados pelo transporte de matéria de um meio para o outro. O método de difusão por vapor tem se mostrado muito adequado para a cristalização de proteínas. Esse tipo de experimento, também chamado pelo método de gota pendurada, está ilustrado na Figura 2. A solução proteína-precipitante se encontra em uma gota suspendida na parte inferior de uma lamínula. O tamanho da gota pode variar de 0,5 a 20 µl. A solução do poço (ca. 1 ml), que se encontra no recipiente debaixo da gota, contém uma alta concentração de precipitante, e portanto, uma pressão de vapor inferior à solução proteica. Durante o decorrer do experimento, vapor de água originário da gota se difunde para a solução precipitante do poço. Dessa maneira, a concentração proteínaprecipitante na gota aumenta e, em condições apropriadas, a cristalização da proteína ocorrerá em dias ou semanas. Esse sistema de gota pendurada sobre uma solução precipitante no poço permite que o equilíbrio termodinâmico seja alcançado lentamente com o passar do tempo. Quais Materiais são Utilizados como Precipitante? Em princípio qualquer material de tenha influencia sobre a solubilidade da proteína pode ser utilizado como precipitante, contanto que não desnature a proteína em elevadas concentrações. É possível caracterizar os diferentes precipitantes mais utilizados em cristalização de acordo com os efeitos que exercem sobre a solução proteica. Os precipitantes comumente usados são sais, polímeros orgânicos, álcoois e eventualmente água pura. Sais como (NH 4) 2SO 4, NaCl, LiCl, KH 2PO 4, etc., mudam a forca iônica da solução. A Figura 3 a variação da solubilidade de proteínas em função da forca iônica do meio. Fig. 3: Dependência da solubilidade (S) em função da forca iônica (I) Fig. 2: Experimento de cristalização por difusão de vapor pelo método da gota pendurada A área à esquerda do máximo da solubilidade é denominada de salting-in, em que a solubilidade aumenta devido ao aumento da constante dielétrica do solvente. A área à direita é denominada de salting-out, onde a solubilidade decresce devido à competição das cargas do precipitante com as cargas de superfície da proteína por moléculas de água do meio, diminuindo assim o estado de hidratação geral da proteína. Precipitantes orgânicos como etanol, metanol, propanol, MPD (2-metil-2,4-pentanediol) ou Page 2 of 7 Last update: April 7, 2015

3 acetonitrila, reduzem a solubilidade da proteína por diminuírem a constante dielétrica do solvente. Polímeros orgânicos funcionam da mesma maneira, como os PEGSs (polietilenoglicois), que podem ser encontrados nos diversos pesos moleculares (de 400 a Da). Outro parâmetro importante que influencia a solubilidade das proteínas é o valor do ph da solução. Geralmente, a solubilidade proteica é mais baixa no seu ponto isoelétrico (IEP), já que nesse ponto sua carga total é zero. Devido à grande variedade de parâmetros que podem influenciar a cristalização, e como geralmente se dispõe de uma pequena quantidade de amostra proteica, fica praticamente impossível testar todas as combinações dos parâmetros existentes. Portanto, é extremamente necessário se planejar uma estratégia que permita a obtenção dos resultados desejados de uma maneira rápida e sem se fazer uso de muito material. Características dos Cristais Proteicos Em princípio, os cristais proteicos são formados da mesma maneira que os cristais de pequenas moléculas ou cristais de sal, seguindo as mesmas regras de empacotamento molecular e simetria. No entanto, existem diferenças fundamentais que abrangem desde propriedades mecânicas e óticas até composição. Cristais proteicos são delicados e geralmente contem de 30% a 70% de água, a maior parte de forma desordenada dentro do cristal. A integridade do cristal é mantida devido às interações entre as moléculas proteicas enquanto que o espaço entre essas moléculas é preenchido por água ou moléculas do tampão. Consequentemente, as moléculas de proteína se encontram dentro do cristal em um meio praticamente natural, ou seja, aquoso. Dessa maneira, sua estrutura nativa (arranjo conformacional que confere sua função ou atividade) é conservada, o que pode ser facilmente demonstrado através da realização de ensaios enzimáticos em sua forma cristalina. Em alguns casos, a forma cristalina reflete até mesmo sua forma natural de reserva, como no caso da insulina. Kit de Iniciação para a Cristalização da JBS O Kit de Iniciação para a Cristalização da Jena Bioscience oferece todo o material necessário para analisar a nucleação e crescimento de cristais, partindo-se de uma proteína exemplo (lisozima da clara de ovo) e usando-se o método de difusão de vapor em gota pendurada. Para tanto, variações graduais de ph em função de concentrações crescentes do precipitante (NaCl) foram desenhadas a fim de se visualizar diretamente os efeitos dessas duas variáveis em termos de nucleação, morfologia e tamanho final do cristal. Além disso, no kit também está incluído todo o material para a cristalização da lisozima pelo método em batch, onde a solução de cristalização é misturada diretamente com a proteína sem se aplicar difusão de vapor para se equilibrar a concentração das soluções. Composição do Kit: 1. 2 placas de cristalização 24-well SuperClear TM para o método em gota pendurada 2. 1 seringa com 5 ml de graxa de silicone para a selagem dos poços da placa lamínulas para cristalização 4. 1 lamina ml de solução precipitante NaCl, 20% (m/v) 6. 4x 3 ml de tampão de 2 acetato de sódio nos phs de 4,0, 4,4, 4,8 e 5,2 cada um 7. de solução de lisozima em água (20 mg/ml) 8. 1 ml de solução de cristalização para a cristalização pelo método em batch (30% (m/v) de PEG 5000-MME, 1 M de NaCl, 50 mm de acetato de sódio em um ph de 4,4) Materiais Necessários nao Inclusos neste Kit: 1. Pipetas Eppendorf ou similares, com capacidade de pipetagem de 1 a 2. Ponteiras de tamanhos correspondente 3. Água destilada ou deionizada 4. Uma pinca 5. Local de armazenamento com temperatura controlada (20 22 C) 6. Um microscópio com poder de ampliacao de x para a observacao dos cristais Page 3 of 7 Last update: April 7, 2015

4 Protocolo de Realização do Experimento Segundo o Método de Gota Pendurada No experimento em gota pendurada (Fig. 2), a lisozima é cristalizada equilibrando-se a solução de cristalização do poço (selado com a graxa de silicone) com a gota de proteína diluída em uma gota de solução de cristalização. Para tanto, utiliza-se como solução precipitante o sistema acetato de sódio/nacl, possibilitando a visualização da dependência cristalização no valor do ph e concentração de acetato de sódio/nacl. O experimento se realiza em um valor de ph entre 4,0 a 5,2 em combinação com uma concentração de NaCl entre 4% a 9%. O Experimento: 1. Selagem da placa de cristalização: aplicar a graxa de silicone sobre a superfície circular de cada poço utilizando a seringa do kit. A aplicação deve ser homogênea e evitar a formação de bolhas ou o espalhamento da graxa sobre a placa. 2. Pipetar em cada poço a solução de cristalização de acordo com o esquema da Figura 4: o volume total em cada poço é de 1 ml, sendo a concentração final do tampão, depois da adicao da solução precipitante e de água, de. Atenção: antes de começar a pipetar, certifiquese de que a placa está corretamente orientada através da linha (A-D) e da coluna (1-6) no canto superior esquerdo. 3. Pipetagem da gota para a cristalização: pipetar 1 µl de solução proteica mais 1 µl de solução do poço sobre uma lamínula circular. Pipetar cada linha (A-D) separadamente. Primeiro pipete a gota de solução proteica no centro da lamínula e depois adicione a gota de solução do poço. Para tanto, a ponta da ponteira é cuidadosamente colocada sobre a superfície da gota de proteína e a solução precipitante é dispensada sem a formação de bolhas. A ponteira deve ser trocada antes de pipetar a próxima gota para que não haja contaminação cruzada. 4. Selagem dos poços: com a ajuda de uma pinça, cada lamínula é invertida e colocada gentilmente sobre seu poço correspondente (Fig. 2). Pressione levemente o centro da lamínula com os dedos (ou qualquer outro objeto macio) para que o poço seja selado hermeticamente pela graxa de silicone. Conservar as placas preparadas em um lugar de temperatura constante (20-22 C). Para a observação das gotas no microscópio é recomendável a remoção da tampa da placa. Ao ajustar a objetiva do microscópio, tomar cuidado para não haver contato com a graxa. Procure observar toda a profundidade da gota proteica através do microscópio. Luz polarizada pode também ser usada para a diferenciação entre precipitado amorfo e material cristalino, já que cristais são capazes de transmitir a luz polarizada. A Figura 5 mostra o aspecto das gotas no microscópio (aumento de 40x) depois de 20 horas. O esquema de numeração das coordenadas (A-D, 1-6) é correspondente ao da placa preparada. Pode-se observar claramente que o número de cristais aumenta com o aumento da concentração de NaCl. A concentração ótima para o crescimento de cristais de qualidade é alcançada na concentração de NaCl logo abaixo da máxima, de acordo com o diagrama de fases mostrado na Fig. 1 (para maiores informações, veja a relação entre nucleação e crescimento do cristal na introdução deste manual). Pode-se notar também a nucleação diminui com o aumento do valor de ph, o que significa uma diminuição no número de cristais em ph mais elevados. Protocolo de Realização do Experimento Segundo o Método Batch Para o experimento pelo método batch, a gota proteica também é misturada com a gota de solução de cristalização na lamínula, porém, a composição dessa solução precipitante foi otimizada de tal maneira que a cristalização da proteína tem início imediato. Depois de aproximadamente 20 minutos, cristais pequenos já podem ser vistos no microscópio, e crescem rapidamente nos próximos minutos. Nesse tipo de experimento em específico, os cristais crescem Page 4 of 7 Last update: April 7, 2015

5 mais rapidamente em comparação com o experimento anterior pelo método em gota pendurada. O Experimento: 1. Pipetar a solução de cristalização para a cristalização pelo método em batch em uma lamínula. 2. Pipetar 2 µl da solução proteica sobre a gota de solução precipitante. Agora observe a gota no microscópio. A razão entre o volume de solução de cristalização/proteína também pode ser alterada a fim de se observar diferenças na velocidade de crescimento de cristais e no número total de cristais formados. Agradecimentos Estamos agradecidos ao Dr. Manfred Weiss como autor da ideia original e por sua assistência na elaboração deste kit. Grande parte deste manual foi baseada nas instruções experimentais do Dr. Weiss. Direitos Autorais Todas as figuras incluídas neste manual são e se mantêm propriedade registrada do Dr. Manfred S. Weiss. É proibida a reprodução total ou parcial deste manual sem a autorização expressa e por escrito da Jena Bioscience GmbH. Page 5 of 7 Last update: April 7, 2015

6 Concentração final 20 % NaCl 4 % 5 % 6 % 7 % 8 % 9 % ph 4,0 2 Acetato de Sódio ph 4,4 ph 4,8 ph 5,2 20 % de NaCl 2 de Acetato de Sódio Água Destilada Fig. 4: Esquema de pipetagem segundo o método de gota pendurada Page 6 of 7 Last update: April 7, 2015

7 A B C D Fig. 5: Aparência das gotas de cristalização segundo o método de gota pendurada depois de 20 horas (ampliação de 40x) Page 7 of 7 Last update: April 7, 2015

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X

DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X DETERMINAÇÃO DA ESTRUTURA TRIDIMENSIONAL DE PROTEÍNAS POR DIFRAÇÃO DE RAIOS-X Disciplina: Engenharia de Proteínas Ma. Flávia Campos Freitas Vieira NÍVEIS ESTRUTURAIS DAS PROTEÍNAS Fonte: Lehninger, 2010.

Leia mais

Bioquímica. Purificação de proteínas

Bioquímica. Purificação de proteínas Bioquímica Purificação de proteínas Estratégia geral - Liberação da proteína do material biológico - Podem ser separados por fracionamento celular - Pode-se separar proteínas por características: Solubilidade

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES

Departamento de Química Inorgânica 2. SOLUÇÕES 2. SOLUÇÕES I. INTRODUÇÃO Soluções são misturas homogêneas de dois ou mais componentes, sendo que estes estão misturados uniformemente em nível molecular. Em nosso cotidiano temos diversos exemplos de

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Separação de Misturas

Separação de Misturas 1. Introdução Separação de Misturas As misturas são comuns em nosso dia a dia. Como exemplo temos: as bebidas, os combustíveis, e a própria terra em que pisamos. Poucos materiais são encontrados puros.

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 43 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL 3. 1 METODOLOGIAS DE ANÁLISES 3.1.1 Método de Quantificação de Surfactantes (MBAS) em Águas 3.1.2 Princípio e aplicabilidade Os surfactantes aniônicos SLS (Lauril Sulfato

Leia mais

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral

Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP. CURSO: Agronomia. DISCIPLINA: Química Geral Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal FCAV - UNESP CURSO: Agronomia DISCIPLINA: Química Geral ASSUNTO: Soluções e Unidades de Concentração 1 1. TIPOS MAIS COMUNS DE SOLUÇÃO Solução

Leia mais

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos

Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos SOLUÇÕES Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não houver formação de nova(s) espécie(s), teremos uma MISTURA Quando na mistura tiver apenas

Leia mais

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período

QUÍMICA Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 1ª período QUÍMICA Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão 74471 Química Estrutural 34 Química Química Inorgânica para Ciências Farmacêuticas OU 68 68977 Ciências Farmacêuticas 2008

Leia mais

TURMA DE MEDICINA - QUÍMICA

TURMA DE MEDICINA - QUÍMICA Prof. Borges / Lessa TURMA DE MEDICINA - QUÍMICA AULA 06 DILUIÇÃO DE SOLUÇÕES Diluir significa adicionar solvente a uma solução que já existe. Este método faz com que o volume de solução aumente e a concentração

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios

SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios SEI Ensina - MILITAR Química SEPARAÇÃO DE MISTURAS Exercícios 1.A água potável é um recurso natural considerado escasso em diversas regiões do nosso planeta. Mesmo em locais onde a água é relativamente

Leia mais

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS

ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS ESTRUTURA DAS PROTEÍNAS Aminoácidos ligam-se por ligações peptídicas = reação de condensação entre: OH do grupo carboxila de um aminoácido H do grupo amina do outro aminoácido ( liberação de uma molécula

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS

Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral Laboratório de Citogenética Animal - LACA TÉCNICAS DE CITOGENÉTICA DE INSETOS Obtenção das Preparações Citológicas MEIOSE (Sem a utilização

Leia mais

Géis de Entrada e Separação

Géis de Entrada e Separação (1) Géis de Entrada e Separação ESCOLHA DO GEL Depende do tamanho da proteína que se quer detectar: Tamanho da Proteína Gel 4 40 kda 20% 12 45 kda 15% 10 70 kda 12% 15 100 kda 10% 25 200 kda 8% PREPARO

Leia mais

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução

LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I. 1. Introdução LÍQUIDOS: DETERMINAÇÃO DA VISCOSIDADE I 1. Introdução No estado líquido as moléculas estão mais próximas uma das outras e entre elas existem forças atrativas. Para um líquido fluir suas moléculas devem

Leia mais

Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes

Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES. Eliana Midori Sussuchi Samísia Maria Fernandes Machado Valéria Regina de Souza Moraes Aula 19 PROPRIEDADES DAS SOLUÇÕES META Apresentar os fatores que influenciam no processo de dissolução. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: reconhecer um processo de dissolução; identificar

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

Sólidos, líquidos e gases

Sólidos, líquidos e gases Mudanças de fase Sólidos, líquidos e gases Estado sólido Neste estado, os átomos da substâncias se encontram muito próximos uns dos outros e ligados por forças eletromagnéticas relativamente grandes. Eles

Leia mais

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA

ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA ESTRUTURAS CRISTALINAS - TEORIA Introdução Sólidos são compostos que apresentam uma alta regularidade estrutural. Com exceção dos sólidos amorfos, nos quais essa regularidade só existe em um curto espaço,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES

DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA FISIOLOGIA ANIMAL II AULA 4 PERMEABILIDADE DAS MEMBRANAS CELULARES CAETANA CARVALHO, PAULO SANTOS 2006 1 INTRODUÇÃO As

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA DE QUÍMICA TEMAS 1. Estrutura da matéria 1.1 Elementos, átomos e iões 1.2

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl]

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] TRABALHO 3 ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] 1. OBJECTIVO Estudo da cinética da reacção de hidrólise ácida do composto Trans-[Co(en) 2 Cl 2 ]Cl. Determinação

Leia mais

Fase Identifica um estado uniforme de

Fase Identifica um estado uniforme de DIAGRAMAS DE FASES Definições Fase Identifica um estado uniforme de matéria, não só no que se refere à composição química, mas também no que se refere ao estado físico. Número de fases numa mistura P 1

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO

CONTEÚDOS OBJETIVOS PERÍODO ESCOLA BÁSICA2,3 EUGÉNIO DOS SANTOS 2013 2014 página 1 ESCOLA BÁSICA DO 2.º E 3.º CICLOS EUGÉNIO DOS SANTOS PLANIFICAÇÃO E METAS DE APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 8.º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A

PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A PADRÃO DE RESPOSTA - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Num recipiente de 3,0 L de capacidade, as seguintes pressões parciais foram medidas: N 2 = 0,500 atm; H 2 = 0,400 atm;

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo

Síntese do acetato de n-butilo ou etanoato de n-butilo Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO PL 3.4 Identificação e síntese de substâncias com aromas e sabores especiais Síntese do acetato de

Leia mais

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA

FOSFATO DISSÓDICO DE DEXAMETASONA FSFAT DISSÓDIC DE DEXAMETASNA Dexamethasoni natrii phosphas H H H P Na Na F H C 22 H 28 FNa 2 8 P 516,41 02821 Fosfato dissódico de 9-fluoro-11β,17 diidroxi-16α-metil-3, 20- dioxopregna- 1,4 dieno-21-il

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES BINÁRIO. META Estudar o Diagrama de Fases de uma solução binária formada por líquidos parcialmente miscíveis.

DIAGRAMA DE FASES BINÁRIO. META Estudar o Diagrama de Fases de uma solução binária formada por líquidos parcialmente miscíveis. DIAGRAMA DE FASES BINÁRIO Aula 8 META Estudar o Diagrama de Fases de uma solução binária formada por líquidos parcialmente miscíveis. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: neste experimento, nos

Leia mais

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor VESTIB LAR Gabarito Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Muitos álcoois, como o butanol (C 4 H 10 O), têm importância comercial como solventes e matériasprimas na produção industrial

Leia mais

LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS

LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS LABORATÓRIOS ESCOLARES ESPAÇOS FLEXÍVEIS PARA APRENDER CIÊNCIAS Escola Secundária D. Maria II Professora de Física e Química A Responsável pelos Laboratórios de Física e Química A Maria Lucinda Moreira

Leia mais

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares

Química. Resolução das atividades complementares. Q50 Forças intermoleculares Resolução das atividades complementares 4 Química Q50 Forças intermoleculares p. 15 1 (Unifor-CE) Considerando a natureza das ligações químicas intermoleculares existentes nas substâncias: Etanol C 2 H

Leia mais

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo:

3.2 Equilíbrio de Fases Vapor - Líquida - Sólida numa Substância Pura Consideremos como sistema a água contida no conjunto êmbolo - cilindro abaixo: - Resumo do Capítulo 0 de Termodinâmica: Capítulo - PROPRIEDADES DE UMA SUBSTÂNCIA PURA Nós consideramos, no capítulo anterior, três propriedades familiares de uma substância: volume específico, pressão

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF)

- CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) - CROMATOGRAFIA EM CAMADA FINA (CCF) Técnica de identificação e separação de compostos orgânicos Aplicações: - Identificação de componentes de uma mistura - Acompanhamento da evolução de uma reação - Análise

Leia mais

Propriedades Físicas das Soluções

Propriedades Físicas das Soluções Propriedades Físicas das Soluções Solução (def): é uma mistura homogénea de duas ou mais substâncias. Solvente: componente da solução do mesmo estado físico, por exemplo água numa solução aquosa Soluto:

Leia mais

APROFUNDAMENTO DE QUIMICA ORGÂNICA LISTA 04 09/10/2014. Assunto: Estudo das Funções Orgânicas

APROFUNDAMENTO DE QUIMICA ORGÂNICA LISTA 04 09/10/2014. Assunto: Estudo das Funções Orgânicas APROFUNDAMENTO DE QUIMICA ORGÂNICA LISTA 04 09/10/2014 Assunto: Estudo das Funções Orgânicas 01-( Medicina Jundiaí 2014 ) Considere as fórmulas estruturais de substâncias utilizadas como antibióticos:

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 39 2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 2.1 Introdução Apresenta-se neste capítulo uma breve análise dos princípios básicos do

Leia mais

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão.

A) Escreva a equação que representa a semi-reação de redução e seu respectivo potencial padrão. QUÍMICA QUESTÃ 01 Aparelhos eletrônicos sem fio, tais como máquinas fotográficas digitais e telefones celulares, utilizam, como fonte de energia, baterias recarregáveis. Um tipo comum de bateria recarregável

Leia mais

Propriedades coligativas I

Propriedades coligativas I Propriedades coligativas I 01. (Ufrn) Um béquer de vidro, com meio litro de capacidade, em condições normais de temperatura e pressão, contém 300 ml de água líquida e 100 g de gelo em cubos. Adicionando-se,

Leia mais

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA 4.1. INTRODUÇÃO Em geral, todos os metais, grande parte dos cerâmicos e certos polímeros cristalizam-se quando se solidificam. Os átomos se arranjam em uma estrutura tridimensional

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

Química C Extensivo V. 2

Química C Extensivo V. 2 Química C Extensivo V. 2 Exercícios 01) E 02) E Situação 1. Sistema heterogêneo solução saturada com corpo de fundo; 20 C = 46,5/100 g H 2 Na situação 1 há 80 g de soluto em 100 g de água a 20 C. excesso

Leia mais

Aulas 13 e 14. Soluções

Aulas 13 e 14. Soluções Aulas 13 e 14 Soluções Definição Solução é a denominação ao sistema em que uma substância está distribuída, ou disseminada, numa segunda substância sob forma de pequenas partículas. Exemplos Dissolvendo-se

Leia mais

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação...

Mudanças de estado da água: fusão, solidificação, evaporação, ebulição, condensação... PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Mudanças de estado

Leia mais

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula COLÉGIO SANTA CLARA Disciplina:Ciências Ficha nº: Data: / / Trimestre Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula Como produzir um relatório de aula prática Durante a aula prática, você deve anotar cuidadosamente

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Maria da Conceição Paiva, Guimarães Outubro 2006 Maria da Conceição Paiva 1 ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLÍMEROS Estereoquímica de polímeros Massas moleculares Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

A matéria possuem 7 estados físicos...

A matéria possuem 7 estados físicos... A matéria possuem 7 estados físicos... 1 Estado: SÓLIDO. 2 Estado: LIQUIDO. 3 Estado: GASOSO. 4 Estado: PLASMA. 5 Estado: O Condensado de Bose-Einstein. 6 Estado: Gás Fermiônico. 7 Estado: Superfluido

Leia mais

Características e os efeitos das propriedades coligativas

Características e os efeitos das propriedades coligativas Características e os efeitos das propriedades coligativas O estudo das propriedades coligativas é um dos conteúdos mais importantes a serem estudados, pois facilita a compreensão de fenômenos químicos

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

Transições de Fase de Substâncias Simples

Transições de Fase de Substâncias Simples Transições de Fase de Substâncias Simples Como exemplo de transição de fase, vamos discutir a liquefação de uma amostra de gás por um processo de redução de volume a temperatura constante. Consideremos,

Leia mais

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL

PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DOS MATERIAIS QUÍMICA GERAL PROPRIEDADES DA MATÉRIA CONCEITOS BÁSICOS MATÉRIA: tudo o que tem massa e ocupa lugar no espaço. CORPO/OBJETO: porção limitada da matéria. MASSA: quantidade matéria,

Leia mais

PREPARO DE SOLUÇÕES. Classificação das soluções com relação à quantidade de soluto dissolvido

PREPARO DE SOLUÇÕES. Classificação das soluções com relação à quantidade de soluto dissolvido PREPARO DE SOLUÇÕES Uma solução, no sentido amplo, é uma dispersão homogênea de duas ou mais substâncias moleculares ou iônicas. No âmbito mais restrito, as dispersões que apresentam as partículas do disperso

Leia mais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais

Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais IQ-UFG Curso Experimental de Química Geral e Inorgânica Técnicas de Medidas e Tratamento de Dados Experimentais Prof. Dr. Anselmo Introdução A interpretação e análise dos resultados são feitas a partir

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br

COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 2 ª ETAPA 2015 PERÍODO DA ETAPA: 01/09/2015 á 04/12/2015 TURMA: 9º Ano EF II DISCIPLINA: CIÊNCIAS / QUÍMICA 1- S QUE SERÃO TRABALHADOS DURANTE A ETAPA : Interações elétricas e

Leia mais

Simular um modelo molecular para os estados físicos de diferentes substâncias em função da pressão e temperatura

Simular um modelo molecular para os estados físicos de diferentes substâncias em função da pressão e temperatura Tutorial Estados da Matéria Elaborado por Daniela Martins Buccini Equipe: Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Título: Título alternativo: Tipo do recurso: Objetivo: Descrição do recurso: Observação:

Leia mais

Cristalização de Macromoléculas Biológicas

Cristalização de Macromoléculas Biológicas Cristalização de Macromoléculas Biológicas Laboratório de Sistemas Biomoleculares Departamento de Física IBILCE-UNESP Aspectos Gerais A cristalografia de raios X revela as posições tridimensionais da maioria

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

O interesse da Química é analisar as...

O interesse da Química é analisar as... O interesse da Química é analisar as... PROPRIEDADES CONSTITUINTES SUBSTÂNCIAS E MATERIAIS TRANSFORMAÇÕES ESTADOS FÍSICOS DOS MATERIAIS Os materiais podem se apresentar na natureza em 3 estados físicos

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR. Ar úmido CONCEITO DE AR SECO, AR ÚMIDO E AR SATURADO METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I UMIDADE DO AR COMET Professor: Ar úmido A água está presente em certo grau em toda atmosfera em três estados: sólido, líquido e gasoso. O estado gasoso, ou vapor de água atmosférico

Leia mais

ALTERNATIVAS para a AUTOMATIZAÇÃO de um COZIMENTO de AÇÚCAR

ALTERNATIVAS para a AUTOMATIZAÇÃO de um COZIMENTO de AÇÚCAR ALTERNATIVAS para a AUTOMATIZAÇÃO de um COZIMENTO de AÇÚCAR Eduardo Munhoz Cozimento de Açúcar É o processo de cristalização do açúcar por evaporação de água dentro de una vaso de pressão desenhado para

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica. CQ049 FQ Eletroquímica. prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr. CQ049 FQ Eletroquímica prof. Dr. Marcio Vidotti LEAP Laboratório de Eletroquímica e Polímeros mvidotti@ufpr.br 1 a estrutura I-S (água) ion central moléculas de água orientadas interações ion - dipolo

Leia mais

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS

Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID/UNICAMP Experimento 2: CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DE ALGUNS MATERIAIS Professores responsáveis: Prof. Dr. Adriana Vitorino Rossi Prof. Márcia Zanchetta

Leia mais

Solubilidade. Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira

Solubilidade. Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira Ricardo Queiroz Aucélio Letícia Regina de Souza Teixeira Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode

Leia mais

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides

Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides Exercícios de Propriedades Coligativas e Coloides 1. Considere o gráfico da pressão máxima de vapor em função da temperatura para um solvente puro e para uma solução desse solvente contendo um soluto molecular

Leia mais

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria

Determinação de bases voláteis totais em pescados por acidimetria Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de bases voláteis totais em pescados, indicando o seu grau de conservação. 2 Fundamentos As bases voláteis totais (N-BVT) compreendem

Leia mais

GABARITO DO GUIA DE ESTUDO 3 POLARIZAÇÃO

GABARITO DO GUIA DE ESTUDO 3 POLARIZAÇÃO GABARTO DO GUA DE ESTUDO POLARZAÇÃO GE.) Placas polarizadoras. GE..) Um vendedor alega que os óculos de sol que ele deseja lhe vender possuem lentes com filtro polaróide; porém, você suspeita que as lentes

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Msc.Anna Carolina A. Ribeiro PROPRIEDADES DA MATÉRIA RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011 Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização Prof a Lilian Silva 2011 INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução

Leia mais

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr.

Biologia Estrutural. Simetria. Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. wfdaj.sites.uol.com.br. 2006 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. Biologia Estrutural Simetria Prof. Dr. Walter Filgueira de Azevedo Jr. Resumo Características dos Cristais Características dos Cristais de Proteínas Elementos de Simetria Rede, Retículo e Empacotamento

Leia mais

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo:

Existem diversos tipos de transporte que podem ocorrer através da membrana plasmática. Vejamos abaixo: MEMBRANA PLASMÁTICA E TRANSPORTES MEMBRANA PLASMÁTICA A membrana plasmática é constituída de uma camada dupla de lipídeos. Nesta camada, existem moléculas de proteínas encaixadas. Essas moléculas de proteínas

Leia mais