Relatório Projeto Florais para o Vale

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório Projeto Florais para o Vale"

Transcrição

1 Relatório Projeto Florais para o Vale

2 1 INTRODUÇÃO 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral 2.2 Objetivos Específicos 3 METODOLOGIA 3.1 Etapas do Trabalho Emergencial Moradias Provisórias 3.2 Fórmulas Usadas Fase Emergencial Moradias Provisórias 4 RESULTADOS 5 CONCLUSÃO

3 1 INTRODUÇÃO A tragédia que abalou Blumenau em novembro de 2008, quando houve inundações, deslizamentos, quedas de barreiras e mortes de animais e pessoas, fragilizou a população, física e emocionalmente. Na tentativa de ajudar, um grupo de Terapeutas Florais colocou-se à disposição da comunidade. A proposta era atuar junto aos atingidos, atendendo-os com a Terapia Floral, a exemplo do que foi feito no atentado de 11 de setembro, nos Estados Unidos e no tsunami de 2004, na Indonésia. O objetivo era dar suporte aos desabrigados e cuidadores, criando condições de estabilização emocional com o auxílio da Terapia Floral. A princípio, uma das Terapeutas Florais, individualmente, prestou ajuda a um abrigo que ainda estava sendo organizado, localizado na Universidade regional de Blumenau (FURB). A Terapeuta considera que sua iniciativa se deve ao Cerato, uma essência que vinha usando há poucos dias em função de estar participando de um Curso de Formação em Florais. Recebeu permissão do responsável do Corpo de Bombeiros de Blumenau para realizar atendimentos. O clima era de caos e a resposta foi surpreendente: Sim, mas primeiro eu. Dispunha apenas de alguns frascos de Five Flower Formula e, após explicar às pessoas o que estava oferecendo, administrava as quatro gotas oralmente. Repetiu o mesmo procedimento no dia seguinte. As pessoas estavam em choque e nem todas aceitavam; outras ficaram desconfiadas, mas acabavam aceitando. Depois de dois dias neste abrigo, administrando exclusivamente Five Flower Formula, passou a usar também os sprays de Proteção e Purificação do Alasca. Após esses dois dias esta terapeuta procurou o abrigo central junto à Igreja Matriz. O coordenador, o médico Luciano Kowalsky, teve atitude semelhante ao bombeiro, dizendo: Qualquer coisa que ajude é bem-vinda. Os frascos de Five Flower Formula não eram suficientes para a distribuição entre os abrigados. Na falta destes, foi repetido o procedimento descrito acima. Havia muitas crianças e bebês agitados e que vinham dormindo mal. A maioria das mães relutava em aceitar o Floral via oral, porém permitiram o uso dos sprays de Proteção e Purificação e, surpreendentemente, já como uma observação de resultado da Terapia Floral, notou-se que bebês adormeciam no colo das mães, logo após a aplicação. Passados esses primeiros dias, reunimos vários terapeutas da cidade com a intenção de oferecer um trabalho mais estruturado e que pudesse atender a um número maior de pessoas. O primeiro passo foi apresentar um projeto ao órgão responsável pelo atendimento aos desabrigados SEMASCRI - Secretaria Municipal de Assistência Social, da Criança e do Adolescente. A Diretora deste órgão, Sra. Karin Zadrozny Gouvêa da Costa,

4 autorizou o início do trabalho do grupo junto aos desabrigados, através de contatos com as Assistentes Sociais. O trabalho começou nos primeiros dias de dezembro.

5 2 OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Dar suporte aos desabrigados das enchentes e deslizamentos de Blumenau e aos seus cuidadores, criando condições de estabilização emocional com o auxílio da Terapia Floral. 2.1 Objetivos Específicos - Amenizar a tensão (estresse) física e emocional, promovendo o bem-estar emocional. - Amenizar os traumas causados pela enchente e deslizamentos. - Restabelecer o convívio social. - Restabelecer a força de vontade, a vitalidade e a confiança no futuro. - Prevenir o aparecimento da síndrome do pânico e depressão. - Estimular o retorno às atividades normais ou pregressas. - Aumentar a vontade de viver. - Restabelecer padrões de sono. - Promover a paciência perante a situação de crise. - Minimizar conflitos.

6 3 METODOLOGIA 3.1 Etapas do Trabalho O trabalho consistiu de duas etapas distintas: 1- Emergencial 1 a 19 de dezembro de 2008; 12 a 22 de janeiro de 2009 Esta primeira etapa durou até o final de janeiro de 2009, com interrupção no período entre Natal e Ano Novo. 2- Moradias provisórias de março a novembro de Em janeiro e fevereiro, os desabrigados foram transferidos para as moradias provisórias em galpões industriais adaptados para alojar as famílias por um período mais longo, enquanto suas novas moradias não ficassem prontas. Estas etapas do trabalho serão observadas no relatório a seguir Emergencial Os sete abrigos que mais necessitavam de ajuda foram indicados pela SEMASCRI. A metodologia de trabalho consistiu em reunir nos abrigos grupos de pessoas que tivessem interesse em receber cuidados através da Terapia Floral. Criou-se breves palestras com informações básicas sobre a Terapia Floral, visando oferecer o trabalho aos desabrigados e cuidadores. A ideia era conversar sobre seus problemas emocionais e oferecer as essências. As pessoas que estavam vivendo nos abrigos mostravam sinais de intenso desgaste emocional, mas várias tinham uma postura de desconfiança, mencionando aspectos religiosos para não tomar os Florais. Sempre ficou claro nas palestras que o trabalho era voluntário, independente da Prefeitura, e que os desabrigados não tinham a obrigação de aceitar as Essências. Uma observação interessante foram as reações às palestras: um grupo maior prontamente aceitou usar as essências e as pessoas esperavam sua vez de ser atendidos, enquanto um grupo menor manifestava desconfiança. À medida que as pessoas do primeiro grupo eram atendidas, os que haviam resistido também se aproximavam, esperando sua vez de ser atendidos. Em geral, atendia-se famílias inteiras e muitas mães de família pediam fórmulas para os membros da família que não estavam no abrigo naquele momento. Outro fato interessante é que os cuidadores Assistentes Sociais, Psicólogos, pessoal da cozinha e de apoio também mostravam muito interesse e sempre pediam fórmulas. Estas pessoas estavam trabalhando no limite das suas forças, e naquele momento necessitavam de tanto suporte quanto os desabrigados.

7 Oito Terapeutas participaram desta etapa: Anete B. E. Effting, Elsbeth Willecke, Hannelore Lemke, Karin Diana Stoltz, Márcia Beatriz Ferrão Inocêncio, Neusa T. Jacomelli, Silvana Hilgenberg, Vera Lúcia Souza e Silva. O apoio organizacional foi responsabilidade do Anahata Centro de Desenvolvimento Humano por meio de Roseleine Junqueira Bohmann. Telma Buarque, consultora e professora credenciada pela FES, atuou como mentora do projeto. O atendimento foi feito por duplas de Terapeutas e, dependendo do tamanho do abrigo, mais de uma dupla era necessária. O Terapeuta identificava a necessidade imediata da pessoa e entregava um frasco de uma das fórmulas compostas da Holanda - Terra, Love, Protection e Rainbow. Antes de cada visita a um dos abrigos, o grupo preparava vários frascos de cada uma dessas fórmulas para serem distribuídas no momento do atendimento. Os atendimentos duravam entre dez e quinze minutos e eram organizados em qualquer espaço disponível: mesas com bancos no refeitório, em geral. A previsão de recursos materiais necessários foi, para cada grupo de 500 pessoas: 15 litros de água mineral; 5 litros de bebida alcoólica para conservação (conhaque); 500 vidros de 30 ml com tampa conta-gotas; 14 frascos de estoque de Essências Florais; fichas de cadastro; canetas e crachás de identificação para os terapeutas. Os recursos materiais foram todos obtidos por meio de doações de particulares. Os vidros de estoque das essências da Holanda foram doados pela Essências Florais, de São Paulo, importador e distribuidor de vários sistemas de essências vibracionais. O Projeto não representou custo para a Prefeitura Municipal de Blumenau Moradias Provisórias Depois do término da etapa emergencial, identificou-se a necessidade de continuar os atendimentos de Terapia Floral nas moradias provisórias, para onde as pessoas desabrigadas foram relocadas. Neste segundo momento, além de sintomas emocionais, manifestaram-se também conflitos de convivência, dificuldades em respeitar o bem comum e os limites necessários a uma convivência harmoniosa num espaço mais restrito do que uma residência individual. Neste sentido, a Terapia Floral contribuiu significativamente, ao ajudar cada indivíduo a sentir-se mais estável emocionalmente. Havia seis moradias provisórias implementadas na cidade naquele momento, num total aproximado de 343 famílias. Inicialmente, pretendia-se aplicar um Projeto

8 Piloto nas moradias Itoupava Seca e Itoupava Norte (bairros de Blumenau), com o objetivo de identificar as dificuldades dos moradores e cuidadores, que estavam sob forte estresse emocional. O trabalho do Projeto Piloto seria, posteriormente, estendido para as outras moradias, conforme necessidade apontada pela SEMASCRI, dentro da disponibilidade do grupo de voluntários. A previsão para o atendimento com Terapia Floral, para este grupo piloto de 40 famílias no abrigo situado nos bairros Itoupava Seca e Itoupava Norte, por 3 meses, foi de: 15 litros de água mineral; 5 litros de bebida alcoólica para conservação (conhaque); 500 vidros de 30 ml com tampa conta-gotas; frascos de estoque de Essências Florais da Flower Essence Society e Alasca; fichas de registro de consulta; fichas de agendamento; material de expediente; caixas plásticas para o transporte dos frascos de florais preparados; caixas de isopor para o armazenamento dos frascos de florais no abrigo. Os frascos de estoque das essências da Flower Essence Socitey e do Alasca foram doados pela Terapeuta Helena Mantau. O Projeto não representou custo para a Prefeitura Municipal de Blumenau. Os terapeutas envolvidos na Fase Emergencial continuaram disponíveis como voluntários para a fase nas Moradias provisórias e mais dois Terapeutas juntaram-se ao grupo, totalizando dez: Anete B. E. Effting, Elsbeth Willecke, Hannelore Lemke, Karin Diana Stoltz, Márcia Beatriz Ferrão Inocêncio, Marina Stein, Neusa T. Jacomelli, Silvana Hilgenberg, Solange Wink, Vera Lúcia Souza e Silva Durante os atendimentos da fase emergencial, identificou-se que os desabrigados apresentam necessidades emocionais de caráter individual, sendo necessária uma nova forma de intervenção com os Florais nesta etapa. Ao Kit de emergência com as fórmulas da Holanda usado até então foram acrescentadas fórmulas individualizadas elaboradas com essências da Flower Essence Society e do Alasca. A equipe de terapeutas começou os atendimentos nas moradias provisórias Itoupava Seca e Itoupava Norte, uma vez por mês, considerando que um frasco de floral dura aproximadamente este período. Foi feita uma escala de trabalho incluindo dez Terapeutas voluntários, em parceria com a Assistente social responsável pela moradia em questão, que auxiliava no levantamento das necessidades mais urgentes, na definição do espaço físico dos atendimentos e aprovava as datas e horários. Também ficou combinado que o agendamento das consultas ficaria a cargo dela, que selecionaria os indivíduos com maior necessidade de atenção. Cada pessoa era atendida em consultas individuais com duração média de 10 a 15 minutos. Com base nas informações recebidas, o Terapeuta elaborava uma fórmula

9 usando as essências da FES e do Alasca, ou usava uma das fórmulas da Holanda, que ainda estavam disponíveis. Nesta etapa, a pessoa recebia o Floral depois de um ou dois dias, pois as fórmulas individualizadas eram preparadas no Anahata Centro de Desenvolvimento Humano, segundo as prescrições dos Terapeutas que haviam atendido nos abrigos. As fórmulas preparadas eram levadas até o abrigo, acondicionadas em caixas de isopor. A distribuição ficava a cargo do cuidador responsável por cada abrigo. A segunda fase de trabalho nos abrigos estendeu-se até dezembro de Fórmulas Usadas Fase Emergencial Como anteriormente mencionado, usou-se as fórmulas compostas dos Florais da Holanda. As fórmulas da Holanda foram usadas por ser o que havia disponível em quantidade suficiente naquele momento. Não houve tempo de selecionar quais essências a usar, muito menos fazer encomendas, especialmente por se tratar de um período de fim de ano. Entretanto, estas essências demonstraram ser absolutamente adequadas e pertinentes às necessidades da população naquele primeiro momento de emergência. Segue uma explicação breve sobre cada Fórmula: - Terra Fórmula de Primeiros Socorros Terra é uma fórmula de primeiros socorros para as mais variadas necessidades. Age limpando bloqueios e depois no processo de recuperação. Traz paz e tranqüilidade em situações de tensão; abre o plexo solar e dá força em situações difíceis. - Love Amor Uma combinação para despertar o Amor por si mesmo, pelos outros e pela Terra. Atua fortalecendo primeiro sua conexão com a Terra, depois abrindo o seu coração para o cuidado e o Amor pelo seu próprio Ser. Como consequência deste processo, você está pronto para dar Amor aos outros, sem negar as suas próprias necessidades. Para poder dar Amor com alegria, a partir da fonte do seu próprio Ser. Um poderoso catalisador que conecta você com a sua Luz mais elevada e com seu Anjo de Amor.

10 - Rainbow Criatividade, Desenvolvimento Rainbow (Arco-Íris) é uma ponte entre céu e terra. Uma combinação de florais para desenvolvimento pessoal e criatividade. Rainbow favorece crescimento, desenvolvimento e conexão renovada com aqueles que nos cercam. Traz expansão e impulsiona os começos, estimulando novas atividades; abre todos os chakras, ajuda a romper os bloqueios que impedem nosso crescimento. - Protection Para trazer Proteção. Acalma e leva você para o centro mais profundo do seu Ser quando a tensão é causada pela influência do mundo externo. Envolve e protege criando um manto de luz. Restaura e ajuda você a se sentir bem e confortável no seu corpo. Esta combinação traz a consciência de que você pode estar absorvendo energias e emoções dos outros. Recupera completamente sua força pessoal e capacidade de auto proteção. Ao retornar aos abrigos após os feriados de Natal e final de Ano, ainda na Fase Emergencial, obtivemos muitas informações positivas das pessoas que haviam tomado as fórmulas: Terra ajudou muito as pessoas que relatavam trauma por terem visto ou ouvido suas casas serem arrancadas pelos deslizamentos de terra; Love foi especialmente benéfico para pessoas que haviam perdido entes queridos e estavam devastadas emocionalmente; Protection foi um best-seller entre as crianças, cujas mães relatavam consistentemente melhoras no padrão de sono. Rainbow foi mais usado num segundo momento, em que as pessoas precisaram encontrar forças e motivação para reconstruir suas vidas Moradias Provisórias As essências mais usadas na composição das fórmulas, em ordem decrescente, foram as seguintes: Star of Bethlehem, Lavender, White Chestnut, Agrimony, Beech, Impatiens, Angelica, Chamomile, Gorse, Holly, Red Chestnut, Clematis, Gentian, Mustard, Yarrow, Cherry Plum, Willow, Mimulus, Oak, Blackberry, Olive, Rock Water. As Fórmulas da Holanda continuaram a ser usadas, mas em proporção menor. Protection foi a mais usada, seguida de Terra e Love.

11 3.3 Atendimentos Efetuados Emergencial Nesta primeira fase, foram atendidas 428 pessoas assim distribuídas: 42 cuidadores, 161 crianças, 225 adultos. Deste total, 58 pessoas voltaram para atendimentos de retorno Moradias provisórias Durante este período, foram atendidas 134 pessoas: 60 crianças, 46 mulheres, 28 homens. O total de atendimentos feitos foi de 196, pois várias pessoas foram atendidas mais de uma vez.

12 4 RESULTADOS 4.1Emergencial Para atender as circunstâncias de caráter emergencial, os atendimentos com Florais poderiam ter um efeito mais abrangente se começado antes. Isto, no entanto, não foi possível devido à necessidade de estruturação do mesmo, pois a Prefeitura não permitia o acesso aos abrigos de pessoas não-autorizadas. Todos os Terapeutas sentiram que a iniciativa foi válida e satisfatória, com base nos relatos das pessoas atendidas nos abrigos que retornaram para um segundo atendimento. Algumas pessoas não tomaram os Florais, o que frustrou alguns voluntários. Daqueles usuários que efetuaram o retorno e que tomaram florais, os relatos foram positivos. As pessoas não retornaram por vários motivos: por já terem saído do abrigo; por não estarem no abrigo no momento do atendimento; por não terem tomado o floral; por terem tomado o floral e não terem percebido melhora, entre outros. Dentro das circunstâncias, o efeito do uso de Florais foi rápido e positivo. As pessoas que efetivamente tomaram as fórmulas relataram melhoras significativas, o que também podia ser observado na sua atitude. Especialmente interessantes foram os relatos dos cuidadores, que estavam sob extrema pressão e que sentiram uma nova disposição e força para continuar o trabalho. O projeto teve apoio por parte dos coordenadores dos abrigos. Nosso trabalho foi solicitado em um abrigo que não havia originalmente sido incluído na relação daqueles em que iríamos trabalhar, pois as Assistentes Sociais comentaram em reunião como o ambiente do abrigo havia mudado após a nossa intervenção. A percepção do grupo de Terapeutas é de que, apesar de algumas pessoas não haverem observado uma diferença significativa em si próprias, o ambiente no abrigo sofria modificações, o que acabava beneficiando o grupo como um todo. Além das perdas pessoais de cada um, a vida nos abrigos não era fácil, pois as pessoas tinham que compartilhar tudo, não havendo espaço privado, o que trazia inúmeros conflitos de toda ordem. Com o deslocamento dos abrigados para as moradias provisórias, concluímos que a Etapa Emergencial teve seu objetivo cumprido: o de dar suporte emocional para o momento de choque inicial.

13 4.2 Moradias Provisórias Um grande desafio na segunda etapa do projeto foi manter o vínculo com os cuidadores dos abrigos. A rotatividade dessas pessoas, em geral Assistentes Sociais, era grande. Procuramos estabelecer com os cuidadores um vínculo de parceria, explicando como era feito o trabalho e de que forma os Florais atuavam. Todos demonstraram sempre grande interesse, mas em função da grande rotatividade, quando retornávamos, era preciso recomeçar o trabalho com o próximo cuidador, pois o anterior não mencionava que havia um projeto de Florais em andamento. Este fator prejudicou o andamento do trabalho nos abrigos. O início do trabalho nas Moradias Provisórias foi difícil, pois apesar de termos sempre combinado data e hora previamente com o cuidador responsável, em geral não havia espaço físico preparado para atendermos, nem cadeiras e mesas, e os funcionários aparentavam pouca disposição em participar do Projeto. O grupo discutiu a questão e entendeu que havia tantas questões de ordem prática a ser administradas nas Moradias Provisórias, que não poderíamos esperar pelas coisas prontas, nem mesmo as mesas no lugar onde iríamos atender, porque as necessidades básicas ainda não estavam sendo supridas adequadamente e os funcionários estavam sobrecarregados. Decidimos nos colocar assertivamente ao chegar na Moradia Provisória, solicitar o material necessário, e esperar que os benefícios do trabalho aparecessem, levando a uma maior colaboração. Havia questões de ordem prática, por exemplo: não era possível deixar as mesas e cadeiras de um dia para o outro, porque os moradores simplesmente levavam tudo. Quando, apesar de todos os contratempos de ordem organizacional, os Terapeutas faziam os atendimentos, reportavam interações muito positivas, tanto com os moradores, quanto com os cuidadores. Muitos abrigados retornavam no mês seguinte para continuar o tratamento com os Florais. Em geral, relatavam melhoras. A rotatividade de abrigados era grande, o que se refletia nos vários casos de pessoas que eram atendidas uma única vez. Dois grandes desafios se apresentavam nesta situação: o primeiro era a convivência num espaço comum, sem privacidade, o que gerava muitos conflitos de relacionamento e roubos. O segundo era o trauma sofrido na catástrofe, aliado à incerteza com relação ao futuro. O clima na Moradia Provisória era de bastante tensão e animosidade entre os moradores. Dentro do possível, os Terapeutas procuraram dar suporte em relação a essas questões.

14 5 CONCLUSÃO De modo geral, consideramos que o Projeto Florais para o Vale contribuiu com o propósito de dar suporte aos desabrigados das enchentes e deslizamentos de Blumenau e aos seus cuidadores, criando condições de estabilização emocional com o auxílio da Terapia Floral. As dificuldades e sucessos relatados acima podem servir como fonte de informação para futuros projetos com a mesma finalidade. Dentro das possibilidades do momento, o grupo de Terapeutas Florais considera-se satisfeito com os resultados atingidos.

15 Referências Informações sobre as fórmulas da Holanda folheto explicativo publicado pela Essências Florais

16 Anexos 1- Fichas de Atendimento Fase Emergencial PROJETO FLORAIS PARA O VALE Registro de Atendimento Abrigo/ Bairro Data Atendimento: / / Terapeuta: Nome: Sexo Data de Nascimento: / / Fone de contato:

17 2- Ficha de Agendamento Fase Moradias Provisórias Moradia provisória: Data: Projeto Florais para o Vale Ficha de agendamento Obs.: Agendar consultas com intervalos de 20 minutos. Horário Terapeuta Morador

18 3- Fichas de Atendimento e Retorno Fase Moradias Provisórias PROJETO FLORAIS PARA O VALE Registro de Atendimento Moradia provisória Data atendimento: / / Assistente social Telefone Terapeuta Nome: Data de Nascimento: / / Fone: Sexo Estado civil Filhos Doenças Medicação Tratamentos Queixa presente Fórmula do dia Atendimento nº Data atendimento: / / Queixa presente atualizada Medicação Tratamentos Fórmula do dia

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ

O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ O BOTICÁRIO - FRANQUIA DE SÃO GONÇALO - RJ RESPEITO AO MEIO AMBIENTE: Programa de Incentivo ao Plantio de Mudas e Manutenção de Vias Públicas e Escolas Municipais Para a franquia O Boticário de São Gonçalo

Leia mais

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO

FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO FALANDO ABERTAMENTE SOBRE SUICÍDIO MOMENTO DE DERRUBAR TABUS As razões podem ser bem diferentes, porém muito mais gente do que se imagina já teve uma intenção em comum. Segundo estudo realizado pela Unicamp,

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE

GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE GUIA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES PARA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE Este documento é uma tradução do crioulo haitiano e alguns termos foram adaptados para facilitar sua relevância para um público mais

Leia mais

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet

Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Alterações/Desenvolvimento - Sistema OnixNet / TrucksNet Comercial Cadastros o (202) Cadastro de Vendedores Flag Enviar Previsão: Flag Enviar Previsão: Foi inserido um novo flag no cadastro de vendedores.

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

Monitoramento Pessoal

Monitoramento Pessoal Monitoramento Pessoal um novo nicho de mercado para empresas de alarmes e segurança Produzido por: 1 Sumário 1 2 3 4 5 6 Apresentação O que é monitoramento pessoal Ferramentas para monitoramento Público-alvo

Leia mais

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO?

COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? COMO SE TORNAR UM VOLUNTÁRIO? Apresentação Ir para a escola, passar um tempo com a família e amigos, acompanhar as últimas novidades do mundo virtual, fazer um curso de inglês e praticar um esporte são

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Exercício de cidadania

Exercício de cidadania 1 2 Exercício de cidadania Na década de 1980, tivemos no Brasil as primeiras experiências de Conselhos Comunitários de Segurança, sendo o Paraná precursor na constituição de CONSEGs e Mobilização Social.

Leia mais

Só você pode responder a esta pergunta.

Só você pode responder a esta pergunta. Sou um adicto? Tradução de literatura aprovada pela Irmandade de NA. Copyright 1991 by Narcotics Anonymous World Services, Inc. Todos os direitos reservados. Só você pode responder a esta pergunta. Isto

Leia mais

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA

Insígnia Mundial do Meio Ambiente IMMA Ficha Técnica no. 5.2 Atividade Principal no. 5.2 PREPARAÇÃO PARA UM DESASTRE Objetivo da : 5 Os escoteiros estão trabalhando para um mundo onde as pessoas estejam preparadas para responder aos perigos

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros

Relatório do 3 Encontro de Empreendedores. de Cultura Afrobrasileiros Relatório do 3 Encontro de Empreendedores de Cultura Afrobrasileiros São Paulo, 23 de julho de 2011 1 Introdução: Este relatório é produto do 3 Encontro de artistas e empreendedores negros, que discutem

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES Este relatório visa identificar os principais resultados do Dia de Cooperar Dia C, desenvolvido pelas cooperativas mineiras. Ele deve ser preenchido de forma sistematizada

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROJETO SOBRE HIGIENE EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL Trabalho de aproveitamento apresentado à disciplina Estágio Supervisionado I do Curso de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes

Manual do Voluntário. O Projeto Correspondentes Manual do Voluntário O Projeto Correspondentes A ação proposta pelo projeto Correspondentes é a troca regular de correspondências entre voluntários e crianças ou adolescentes que residem em abrigos ou

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORGANIZAÇÃO EU PENSO NO FUTURO ABRIL/2011

RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORGANIZAÇÃO EU PENSO NO FUTURO ABRIL/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES ORGANIZAÇÃO EU PENSO NO FUTURO ABRIL/2011 INÍCIO DAS AULAS DO 9º ANO No dia 16 de Abril, foi dado início as atividades educacionais do 9º ano com a realização de uma aula inaugural

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL

PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DADOS DA ORGANIZAÇÃO: Nome: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB, mantenedora da Casa Lar do Cego Idoso Endereço: Rua Braille

Leia mais

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO

Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO Tudo sobre TELEMEDICINA O GUIA COMPLETO O QUE É TELEMEDICINA? Os recursos relacionados à Telemedicina são cada vez mais utilizados por hospitais e clínicas médicas. Afinal, quem não quer ter acesso a diversos

Leia mais

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís

Foto: Jan de Jong. Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica. Construindo. Sonia Irene Cárdenas Solís autonomia, território e paz Agricultora Ismenia trabalhando em sua propriedade agroecológica Foto: Jan de Jong Construindo autonomia, território e paz Sonia Irene Cárdenas Solís 15 Agriculturas v. 12 -

Leia mais

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil...

Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Chegar até as UBS nem sempre foi fácil... Encontramos diversidade nas estruturas, modo de organização e escopo das ações de APS... O registro de campo como instrumento de pesquisa percepção dos entrevistadores

Leia mais

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3.

1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. 1 1. Avaliação de impacto de programas sociais: por que, para que e quando fazer? (Cap. 1 do livro) 2. Estatística e Planilhas Eletrônicas 3. Modelo de Resultados Potenciais e Aleatorização (Cap. 2 e 3

Leia mais

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos,

Introdução. Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no. seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, Guia de Backup Introdução Pense em toda a informação pessoal que você tem armazenada no seu computador, informação irrecuperável como fotos, documentos, apresentações, entre outras. Imagine que quando

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

Como vai a vida no Brasil?

Como vai a vida no Brasil? Como vai a vida no Brasil? Junho de 2014 A Iniciativa para uma Vida Melhor da OCDE, lançada em 2011, analisa os quesitos mais importantes para determinar a qualidade de vida das pessoas. A iniciativa

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

Realização: FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS FEDERAÇÃO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Núcleos de Defesa Civil (NUDECs): estruturação, atribuições e funcionamento Regina Panceri Gerente Capacitação, Pesquisa e Projetos SDC 3 O que é, o que é????? O que

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros

abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Avaliação do Serviço o de abastecimento de água e imagem da COPASA Montes Claros Pesquisa realizada entre 24 e 28 de Abril de 2010 Informações Metodológicas Tipo de pesquisa: Survey, utiliza-se de questionário

Leia mais

Novidades da Versão 3.0.0.30

Novidades da Versão 3.0.0.30 Novidades da Versão 3.0.0.30 Alteração Equipamento Unidade Instalação Inserida informação Telemetria na Tela de Alteração de Equipamento Unidade de Instalação (326). A informação Roaming Internacional

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL!

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Um guia para usar o Método de Ovulação AMAMENTAÇÃO Billings durante QUE a amamentação COISA NATURAL DE SE FAZER! Julyanne White, SRN AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Amamentação

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Padrão exclusivo para sua empresa. nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar

Padrão exclusivo para sua empresa. nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar especial gestão Padrão exclusivo para sua empresa nsanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes. A frase consagrada de Albert Einstein não poderia ser mais clara: quer

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

1) Socorro e Desastre Itaóca

1) Socorro e Desastre Itaóca 1) Socorro e Desastre Itaóca A Cruz Vermelha Brasileira Filial do Estado de São Paulo deslocou um grupo de voluntários para prestar ajuda aos moradores da cidade de Itaóca, localizada no interior do estado,

Leia mais

Lidando com a Mudança

Lidando com a Mudança Lidando com a Mudança... e o que sentem os colaboradores? Uma das maiores dificuldades nos processos de mudança é conseguir que os funcionários abracem a causa. É bom que se saiba logo de cara que alguns

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil

SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil ID 1676 SAÚDE DA FAMÍLIA E VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UM DESAFIO PARA A SAÚDE PUBLICA DE UM MUNICIPIO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Brasil Dutra, Laís; Eugênio, Flávia; Camargo, Aline; Ferreira

Leia mais

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças

HÁ LIMITES PARA O CRESCIMENTO DO SETOR IMOBILIÁRIO? Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Aplicando Inteligência Emocional na Gestão de Mudanças Choques Econômicos dos últimos anos Filhos do Downsizing Geração X Foco na carreira e no seu processo de desenvolvimento profissional. Síndrome de

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - FUMCAD

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - FUMCAD Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - FUMCAD O Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD) aprovou três projetos do Instituto Saúde e Sustentabilidade para serem

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

Casa Saudável. Kit. 1 horta familiar permacultural para produção orgânica. 1 banheiro seco (compostável)

Casa Saudável. Kit. 1 horta familiar permacultural para produção orgânica. 1 banheiro seco (compostável) Casa Saudável Kit 1 banheiro seco (compostável) 1 caixa reservatório (cisterna) de 16 mil litros para captar água da chuva 1 horta familiar permacultural para produção orgânica Pequenas reformas e requalificação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é:

O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: O trabalho voluntário é uma atitude, e esta, numa visão transdisciplinar é: a capacidade individual ou social para manter uma orientação constante, imutável, qualquer que seja a complexidade de uma situação

Leia mais

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH A CONVENÇÃO SOBRE OS ASPECTOS CIVIS DO SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL Autoridade Central Administrativa Federal/SDH Considerações Gerais A Convenção foi concluída em Haia,

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA

PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA PROPOSTA DE SERVIÇOS EM PSICOLOGIA CLÍNICA A importância do bem-estar psicológico dos funcionários é uma descoberta recente do meio corporativo. Com este benefício dentro da empresa, o colaborador pode

Leia mais

MORADIA ESTUDANTIL INFORMES DA PRAE N.º 002/2013

MORADIA ESTUDANTIL INFORMES DA PRAE N.º 002/2013 MORADIA ESTUDANTIL INFORMES DA PRAE N.º 002/2013 RELATÓRIO DA REUNIÃO REALIZADA DIA 12.04. 2013 ENTRE O CONSELHO DA MORADIA ESTUDANTIL E REPRESENTANTES DA UFSC FLORIANÓPOLIS, 30 DE ABRIL DE 2013 1 APRESENTAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

SOCORRO! ONDE ESTÃO OS RELATÓRIOS? MARIANA DE SOUZA marianadesouza@hotmail.com Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUC-PR Curitiba PR, Brasil

SOCORRO! ONDE ESTÃO OS RELATÓRIOS? MARIANA DE SOUZA marianadesouza@hotmail.com Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUC-PR Curitiba PR, Brasil Volume 3 Número 1 Jan/Jun 2013 Doc. 2 Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN 2179-135X SOCORRO! ONDE ESTÃO OS RELATÓRIOS? MARIANA DE SOUZA marianadesouza@hotmail.com Pontifícia Universidade

Leia mais

Nº 3 - Nov/14 TRABALHO COMUNITÁRIO

Nº 3 - Nov/14 TRABALHO COMUNITÁRIO ! Nº 3 - Nov/14 o ã ç n e t a A T S PRE TRABALHO COMUNITÁRIO Apresentação Esta nova edição da Coleção Presta Atenção! apresenta pontos importantes para a implantação de projetos e programas de base comunitária.

Leia mais

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo

Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família. Líder em soluções de TI para governo Case 5 Diagnóstico sobre a percepção das mulheres na empresa no tema Conciliação entre Trabalho e Família Líder em soluções de TI para governo MOTIVAÇÃO A ação constou do Plano de Ação da 5ª Edição do

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA 140 TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA Lucas Moreira Professor Almiro Ferreira RESUMO Através deste trabalho será desenvolvido o conceito de responsabilidade social, onde para

Leia mais

Reciclando e Sensibilizando

Reciclando e Sensibilizando Reciclando e Sensibilizando Mostra Local de: Pato Branco Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Escola Municipal Bairro Planalto Cidade:

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização GEBALIS,EM, S.A. Diretor(a) Sergio Lopes Cintra Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa Número de Efetivos 200 NIF 503541567

Leia mais

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROPOSTA PARA CASAS DE APOIO PARA ADULTOS QUE VIVEM COM HIV/AIDS - ESTADO DE SANTA CATARINA

Leia mais

Copyright 2010 Direitos Reservados http://www.karinklemm.com.br Página 1

Copyright 2010 Direitos Reservados http://www.karinklemm.com.br Página 1 Terapia Floral Karin Klemm Copyright 2010 Direitos Reservados http://www.karinklemm.com.br Página 1 Índice HISTÓRICO DOS FLORAIS DE BACH 3 COMO UTILIZAR OS FLORAIS DE BACH 4 AÇÃO FLORAL 4 DESCOBRINDO O

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA Nome: Juliana Malacarne de Pinho No. USP 7166759 Curso ECA: Jornalismo Dados do Intercâmbio Universidade: Universidade NOVA de Lisboa Curso: Comunicação Social Período:

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

PROJETO ELO PARA A CIDADANIA

PROJETO ELO PARA A CIDADANIA PROJETO ELO PARA A CIDADANIA I - IDENTFICAÇÃO Entidade Executora: Ordem dos Advogados do Brasil OAB Subseção de Pirassununga, a Secretaria Municipal da Promoção Social, a Secretaria Municipal de Educação,

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE GRUPO TERAPÊUTICO SOBRE RECICLAGEM DE MATERIAL DESCARTÁVEL NO CAPS CAMINHAR COMO ESTRATÉGIA EDUCATIVA EM SAÚDE MENTAL

DESENVOLVIMENTO DE GRUPO TERAPÊUTICO SOBRE RECICLAGEM DE MATERIAL DESCARTÁVEL NO CAPS CAMINHAR COMO ESTRATÉGIA EDUCATIVA EM SAÚDE MENTAL DESENVOLVIMENTO DE GRUPO TERAPÊUTICO SOBRE RECICLAGEM DE MATERIAL DESCARTÁVEL NO CAPS CAMINHAR COMO ESTRATÉGIA EDUCATIVA EM SAÚDE MENTAL BRAGA¹, João Euclides Fernandes FERNANDES², Mariana Camila Vieira

Leia mais

FirstStrike DESENVOLVENDO UMA CAMPANHA PIONEIRA EM SUA COMUNIDADE

FirstStrike DESENVOLVENDO UMA CAMPANHA PIONEIRA EM SUA COMUNIDADE Humane Society International FirstStrike DESENVOLVENDO UMA CAMPANHA PIONEIRA EM SUA COMUNIDADE PASSO I: COLETA DE DADOS LEIS 1. Identifique as leis de seu país que proibem a violência contra crianças,

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

Resultado da Pesquisa sobre as Condições de Trabalho dos Estrangeiros na Província de Shizuoka (Sumário) Set./2008

Resultado da Pesquisa sobre as Condições de Trabalho dos Estrangeiros na Província de Shizuoka (Sumário) Set./2008 Resultado da Pesquisa sobre as Condições de Trabalho dos Estrangeiros na Província de Shizuoka (Sumário) Set./2008 Em 2007, a Universidade de Arte e Cultura de Shizuoka, a pedido do Governo Provincial,

Leia mais