LEI MUNICIPAL N.º 4.061/2007 PLANO DE CARGOS E CARREIRAS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI MUNICIPAL N.º 4.061/2007 PLANO DE CARGOS E CARREIRAS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABIRA"

Transcrição

1 LEI MUNICIPAL N.º 4.06/2007 PLANO DE CARGOS E CARREIRAS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABIRA SUMÁRIO CAPÍTULO I...3 DA ESTRUTURA DO QUADRO DE PESSOAL...3 CAPÍTULO II...3 DO PROVIMENTO DOS CARGOS...3 CAPÍTULO III...4 DA PROGRESSÃO...4 CAPÍTULO IV...5 DA PROMOÇÃO...5 CAPÍTULO V...5 DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO...5 CAPÍTULO VI...6 DA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL...6 CAPÍTULO VII...6 DA REMUNERAÇÃO...6 CAPÍTULO VIII...7 DA LOTAÇÃO...7 CAPÍTULO IX...7 DA MANUTENÇÃO DO QUADRO...7 CAPÍTULO X...7 DA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL...7 CAPÍTULO XI...8 DOS CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO...8 CAPÍTULO XII...9 DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS SEÇÃO I...9 DAS NORMAS GERAIS DE ENQUADRAMENTO DOS SERVIDORES NA PARTE PERMANENTE DO QUADRO DE PESSOAL...9 SEÇÃO II...0 DAS NORMAS GERAIS DE ENQUADRAMENTO DOS SERVIDORES NA PARTE ESPECIAL DO QUADRO DE PESSOAL.0 ANEXO II...2 HIERARQUIZAÇÃO DAS CLASSES DA PARTE PERMANENTE DO QUADRO DE PESSOAL, POR NÍVEIS DE VENCIMENTOS...2 ANEXO III... 3 ANEXO VIII...5 CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO SÍMBOLO, DENOMINAÇÃO, FORMA DE RECRUTAMENTO, QUANTITATIVO E VALORES DE VENCIMENTOS...5 ANEXO IX...7 DESCRIÇÕES DAS CLASSES DE CARGOS DA PARTE PERMANENTE DO QUADRO DE PESSOAL, POR GRUPOS OCUPACIONAIS...7 GRUPO TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR... 7 ADMINISTRADOR...7 ADVOGADO...7 ANALISTA DE MEIO AMBIENTE...8 ANALISTA DE SISTEMAS...9 ARQUITETO...20 ASSISTENTE SOCIAL...2 ASSISTENTE SOCIAL PARA SAÚDE...22 AUDITOR FISCAL DE MEIO AMBIENTE...23 AUDITOR FISCAL DE OBRAS...24 AUDITOR FISCAL DE POSTURAS E SERVIÇOS CONCEDIDOS...26 AUDITOR FISCAL DE TRIBUTOS...27 AUDITOR FISCAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA...28 BIBLIOTECONOMISTA...29 CIRURGIÃO-DENTISTA...30 COMUNICADOR SOCIAL...3 CONTADOR...32 ECONOMISTA...33 ENFERMEIRO...33 ENGENHEIRO AGRIMENSOR...34

2 ENGENHEIRO AGRÔNOMO...35 ENGENHEIRO CIVIL...36 ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO...37 FARMACÊUTICO-BIOQUÍMICO...38 FISIOTERAPEUTA...38 FONOAUDIÓLOGO...39 MÉDICO AUDITOR...40 MÉDICO...4 MÉDICO DO TRABALHO...42 MÉDICO VETERINÁRIO...43 NUTRICIONISTA...44 PEDAGOGO...45 PSICÓLOGO CLÍNICO...46 PSICÓLOGO ORGANIZACIONAL...48 TERAPEUTA OCUPACIONAL...49 TURISMÓLOGO...50 GRUPO DE NÍVEL MÉDIO, TÉCNICO E FISCALIZAÇÃO... 5 AGENTE DE COMPRAS...5 Agente MUNICIPAL de trânsito...52 ASSISTENTE TÉCNICO ADMINISTRATIVO I...53 ASSISTENTE TÉCNICO ADMINISTRATIVO II...56 ASSISTENTE TÉCNICO ADMINISTRATIVO III...59 ASSISTENTE TÉCNICO DE INFORMÁTICA...6 ASSISTENTE TÉCNICO DE TRÁFEGO E TRANSPORTES...62 DESENHISTA TÉCNICO...62 FISCAL...63 MONITOR DE ATIVIDADES RECREATIVAS...66 MONITOR DE INTERNATO...66 PROGRAMADOR DE SISTEMAS...67 TÉCNICO EM AGRIMENSURA...67 TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA...68 TÉCNICO DE CONTABILIDADE...69 TÉCNICO DE CONTROLE DE MEIO AMBIENTE...70 TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES...7 TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA...7 TÉCNICO DE ENFERMAGEM...72 TÉCNICO EM HIGIENE DENTAL...73 TÉCNICO EM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS...73 TÉCNICO EM RADIOLOGIA...74 TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO...74 TOPÓGRAFO...75 GRUPO DE NÍVEL FUNDAMENTAL ATENDENTE DE CONSULTÓRIO DENTÁRIO...76 AUXILIAR DE ENFERMAGEM...76 AUXILIAR DE ENFERMAGEM DO TRABALHO...77 GRUPO DE APOIO OPERACIONAL ARTÍFICE DE OBRAS E SERVIÇOS I...78 ARTÍFICE DE OBRAS E SERVIÇOS II...80 AUXILIAR DE SERVIÇOS DE APOIO ADMINISTRATIVO...83 AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS...85 AUXILIAR DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO...86 AUXILIAR DE SERVIÇOS DE PORTARIA E VIGILÂNCIA...87 COVEIRO...88 COZINHEIRO...89 ELETRICISTA DE AUTOS...89 MECÂNICO DE MÁQUINAS PESADAS...90 MECÂNICO DE VEÍCULOS E MÁQUINAS...90 MOTORISTA...9 OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS...92 PADEIRO...92

3 LEI N.º 4.06, DE 04 DE MAIO DE Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Carreiras dos Servidores Públicos da Prefeitura Municipal de Itabira, estabelece normas de enquadramento, institui novas tabelas de vencimentos e dá outras providências. A Câmara Municipal de Itabira, por seus Vereadores, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono e promulgo a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA ESTRUTURA DO QUADRO DE PESSOAL Art. º. O Plano de Cargos e Carreiras dos Servidores Públicos da Prefeitura Municipal de Itabira obedece ao Regime Jurídico Estatutário e estrutura-se em um Quadro de Pessoal composto por: Art. º. O conteúdo dos Anexos I, II, IV e V da Lei Municipal n.º 4.06, de 04 de maio de 2007, que Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Carreiras dos Servidores Públicos da Prefeitura Municipal de Itabira, estabelece normas de enquadramento, institui novas tabelas de vencimentos e dá outras providências., passa a ser o constante dos Anexos I, II, III e IV da presente Lei.(Alterado pela lei nº4.89/2008) I Parte Permanente, com os respectivos grupos e classes de cargos, conforme estabelecido no Anexo I desta Lei; II Parte Especial, com os empregos e cargos em extinção, conforme estabelecido no Anexo V desta Lei. º Os cargos de provimento em comissão, que também integram o quadro de pessoal, estão definidos no Anexo VIII desta Lei. 2º As normas estabelecidas no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira são aplicáveis aos ocupantes dos cargos de provimento em comissão e dos cargos efetivos das partes Permanente e Especial do Quadro de Pessoal. Art. 2º. Para os efeitos desta Lei, são adotadas as seguintes definições: I quadro de pessoal: integrado pelas partes Permanente, com o conjunto de cargos de carreira, cargos isolados e cargos de provimento em comissão existentes e Especial, composto pelos cargos e funções públicas em extinção na Prefeitura Municipal de Itabira; II cargo público: o conjunto de atribuições, deveres e responsabilidades cometido ao servidor público, criado por Lei, com denominação própria, em número certo e com vencimento específico a ser pago pelos cofres públicos; III servidor público: toda pessoa física legalmente investida em cargo de provimento efetivo ou de provimento em comissão; IV classe de cargos: o agrupamento de cargos da mesma natureza funcional e grau de responsabilidade, com atribuições semelhantes, mesmo nível de vencimento, mesma denominação e substancialmente idênticos quanto ao grau de dificuldade e responsabilidade, conforme descrições constantes no Anexo IX desta Lei; V carreira: a série de classes semelhantes quanto ao grau de escolaridade exigido para o exercício e quanto à natureza do trabalho, hierarquizadas segundo o grau de complexidade e responsabilidade de suas atribuições e com quantitativo definido de cargos em cada classe, conforme o estabelecido no Anexo III desta Lei; VI classe isolada: a classe de cargos que não constitui carreira; VII grupo: o conjunto de classes isoladas ou de carreiras com afinidades entre si quanto à natureza do trabalho ou ao grau de conhecimento exigido para seu desempenho; VIII nível de vencimento: o símbolo atribuído ao conjunto de classes equivalentes quanto ao grau de dificuldade, responsabilidade ou escolaridade, visando determinar a faixa de vencimentos a ele correspondente; IX faixa de vencimentos: a escala de graus de vencimentos atribuídos a um determinado nível; X grau de vencimento: a letra que identifica o vencimento atribuído ao servidor dentro da faixa de vencimentos da classe que ocupa; XI interstício: o lapso de tempo estabelecido como o mínimo necessário para que o servidor se habilite à progressão ou à promoção; XII progressão: a passagem do servidor de seu grau de vencimento para outro, imediatamente superior, dentro da faixa de vencimentos da classe a que pertence, devendo processar-se de acordo com as normas estabelecidas no Capítulo III desta Lei; XIII promoção: a passagem do servidor para a classe imediatamente superior àquela a que pertence, dentro da mesma carreira, observadas as normas estabelecidas no Capítulo IV desta Lei; XIV cargo de provimento em comissão: o cargo de confiança de livre nomeação e exoneração, previsto no Anexo VIII desta Lei, criado para remunerar cargos de direção, chefia e assessoramento superior, a ser preenchido através de escolha do Prefeito, obedecido o percentual definido nesta Lei; XV efetivo exercício: o tempo considerado como de atividade do servidor no Serviço Público Municipal de Itabira, observado o disposto no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais. Art. 3º. As classes de cargos da Parte Permanente do Quadro de Pessoal, com os respectivos quantitativos, níveis de vencimento e carga horária semanal, estão distribuídas por grupos constantes do Anexo I desta Lei. º As classes de cargos de que trata o caput deste artigo integram os seguintes grupos: I Grupo de Apoio Operacional; II Grupo de Nível Fundamental; III Grupo de Nível Médio, Técnico e Fiscalização; IV Grupo Técnico de Nível Superior. 2º As atribuições e requisitos para preenchimento dos cargos de que trata o caput deste artigo estão discriminados no Anexo IX desta Lei. 3º Fica vedado conferir ao servidor atribuições diversas das do seu cargo, exceto quando no exercício de cargos de direção, chefia ou assessoramento ou participação em comissões de trabalho constituídas por Lei ou por decreto do Chefe do Poder Executivo. 4º O Grupo Magistério, integrado por cargos e carreiras próprios, fica regido pelo Estatuto e Plano de Carreiras do Magistério Público Municipal de Itabira. CAPÍTULO II DO PROVIMENTO DOS CARGOS Art. 4º. Os cargos classificam-se em de provimento efetivo e de provimento em comissão. Art. 5º. Os cargos de provimento efetivo serão providos:

4 I pelo enquadramento dos atuais servidores, conforme as normas estabelecidas no Capítulo XII desta Lei; II por nomeação, precedida de concurso público, nos termos do inciso II do art. 37 da Constituição Federal, tratando-se de cargo inicial de carreira ou de cargo isolado; III por promoção, quando se tratar de provimento de classe de cargos intermediária ou final de carreira, observada a existência de vaga e a aprovação em processo seletivo interno; IV pelas demais formas previstas no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. Art. 6º. Para provimento dos cargos da Parte Permanente do Quadro de Pessoal, serão rigorosamente observados os requisitos básicos e específicos estabelecidos para cada classe, constantes do Anexo IX desta Lei, sob pena de ser o ato correspondente nulo de pleno direito, além de acarretar responsabilidade a quem lhe der causa. º Os requisitos básicos para provimento de cargo público na Prefeitura Municipal de Itabira são os definidos no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. 2º Lei municipal específica definirá os critérios para admissão de estrangeiros no serviço público municipal de Itabira, observada a legislação federal que rege a matéria. Art. 7º. O provimento dos cargos integrantes da Parte Permanente do Quadro de Pessoal será autorizado pelo Prefeito Municipal de Itabira, mediante solicitação das chefias interessadas, desde que haja vaga e dotação orçamentária para atender às despesas. º Da solicitação de provimento deverão constar: I denominação e nível de vencimento da classe; II quantitativo de cargos a serem providos; III prazo desejável para provimento; IV justificativa para a solicitação de provimento. 2º O provimento referido no caput deste artigo far-se-à sempre no inicial da classe e somente se verificará após o cumprimento do preceito constitucional que o condiciona à realização de concurso público, observados a ordem de classificação e o prazo de validade do concurso. Art. 8º. Na realização do concurso público, serão aplicadas provas escritas, que poderão ser complementadas por provas práticas, conforme as características do cargo a ser provido. º Em função da natureza e das características do cargo a ser provido, o processo seletivo poderá ser realizado em duas fases: I primeira fase: provas ou provas e títulos; II segunda fase: aprovação em curso ou treinamento a ser oferecido pela Prefeitura Municipal de Itabira. 2º Quando o processo seletivo for realizado em duas fases, estas deverão ser expressamente definidas no edital do concurso. 3º Durante a realização do curso ou treinamento a que se refere o º do inciso II deste artigo, o candidato receberá uma bolsa-auxílio, no valor equivalente a 40% (quarenta por cento) do vencimento previsto para o grau Inicial, do nível correspondente à classe para a qual se habilitou, a ser regulamentada por ato próprio do Prefeito Municipal. 4º O candidato aprovado somente fará jus à bolsa-auxílio enquanto perdurar o curso. 5º O candidato somente será nomeado caso tenha sido aprovado e classificado na segunda fase do processo seletivo à qual se refere o º do inciso II deste artigo. Art. 9º. O concurso público terá validade de até dois anos, podendo esta ser prorrogada, uma única vez, por igual período. Art. 0. O prazo de validade do concurso, as condições de sua realização e os requisitos para inscrição dos candidatos serão fixados em edital que será divulgado de modo a atender ao princípio da publicidade, previsto na Constituição Federal. Art.. Enquanto houver candidato aprovado em concurso com prazo de validade ainda não expirado, não se nomeará, para o mesmo cargo, candidato aprovado em concurso realizado em data posterior. Parágrafo único. A aprovação em concurso público não gera direito à nomeação, a qual se dará a exclusivo critério da Prefeitura Municipal de Itabira, dentro do prazo de validade do concurso e na forma da Lei. Art. 2. Fica assegurado às pessoas portadoras de deficiência o direito de inscrição em concurso público para os cargos integrantes da Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura de Itabira, observado o percentual estabelecido no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais. º Ao servidor admitido na forma estabelecida no caput deste artigo não será concedido benefício ou vantagem em razão da necessidade especial existente à época da nomeação. 2º Para cumprimento do disposto no º deste artigo, considera-se direito, vantagem ou benefício aqueles pagos a título pecuniário ou a qualquer outro título, inclusive redução de jornada de trabalho. 3º O disposto neste artigo não se aplica aos cargos para os quais a Lei exija aptidão plena. Art. 3. Compete ao Prefeito Municipal expedir os atos de provimento dos cargos da Prefeitura Municipal de Itabira. Art. 4. Após a nomeação, para provimento originário de cargo, o servidor será submetido, pelo menos uma vez ao ano, a avaliação de desempenho, segundo critérios definidos pela Prefeitura Municipal de Itabira. Parágrafo único. Ao final de três anos, será o servidor, se aprovado no estágio probatório e confirmado no cargo, considerado estável. Art. 5. Os cargos da Parte Permanente do Quadro de Pessoal que vierem a vagar, bem como os que forem criados por esta Lei, somente poderão ser providos na forma prevista neste Capítulo ou conforme disposto no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. Parágrafo único. Excetua-se da proibição contida no caput deste artigo a nomeação para cargos em comissão e a contratação por tempo determinado, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público municipal, nos termos do inciso IX do art. 37 da Constituição Federal. CAPÍTULO III DA PROGRESSÃO Art. 6. De acordo com o disposto nesta Lei, entende-se por progressão a passagem do servidor efetivo de seu grau de vencimento para outro, imediatamente superior, dentro da faixa de vencimentos da classe a que pertence, observadas as normas

5 estabelecidas neste Capítulo e em regulamento específico. Art. 7. Para fazer jus à progressão, o servidor deverá, cumulativamente: I ter cumprido o interstício mínimo de três anos de efetivo exercício no grau de vencimento em que se encontre; II ter obtido, pelo menos, o grau mínimo na média de suas três últimas avaliações anuais de desempenho, apuradas pela Comissão de Desenvolvimento Funcional a que se refere o Capítulo VI desta Lei. º Os demais critérios referentes à concessão da progressão serão previstos em regulamento específico. 2º O regulamento a que se refere o parágrafo anterior deverá conter os fatores de avaliação que serão adotados para aferir o merecimento do servidor e os resultados objetivos que devem ser obtidos nas ações de capacitação promovidas pela Prefeitura Municipal de Itabira, entre outros fatores a serem estabelecidos pela Comissão de Desenvolvimento Funcional. 3º Para obter o grau mínimo indicado no inciso II deste artigo, o servidor deverá obter, pelo menos, 70% (setenta por cento) do total de pontos na média de suas três últimas avaliações anuais de desempenho. Art. 8. Caso não alcance o grau mínimo na média das três últimas avaliações anuais de desempenho, o servidor permanecerá no grau de vencimento em que se encontra, até que se efetue nova avaliação de desempenho e alcance os pontos que lhe permitam concorrer à progressão. Art. 9. O processo de apuração da avaliação de desempenho dos servidores que fazem jus à progressão dar-se-á uma vez por ano, em mês a ser fixado na regulamentação específica. Art. 20. Os efeitos financeiros decorrentes das progressões previstas neste Capítulo vigorarão a partir do primeiro dia do mês de janeiro do ano subseqüente à sua apuração, e devem ter sido previstos na Lei Orçamentária, não gerando efeito retroativo. Art. 2. Somente poderá concorrer à progressão o servidor que estiver no efetivo exercício de seu cargo, na forma prevista nesta Lei e no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. Parágrafo único. O servidor efetivo ocupante de cargo em comissão concorrerá à progressão, na forma estabelecida neste Capítulo, desde que suas atribuições guardem estreita relação com as de seu cargo efetivo. CAPÍTULO IV DA PROMOÇÃO Art. 22. De acordo com o disposto nesta Lei, entende-se por promoção a passagem do servidor para a classe imediatamente superior àquela a que pertence, dentro da mesma carreira. º A promoção processar-se-á na forma definida nesta Lei, quando for de interesse do trabalho, e dependerá, sempre, de existência de vaga e do limite do percentual de despesa com pessoal, estabelecido na Lei de Responsabilidade Fiscal. 2º As linhas de promoção estão representadas, graficamente, no Anexo III desta Lei. Art. 23. Farão jus ao instituto da promoção os servidores que ocuparem os cargos que se constituam em carreiras. Parágrafo único. Para concorrer à promoção, o servidor deverá, cumulativamente: I cumprir o interstício mínimo indicado para a classe correspondente, na forma prevista no Anexo IX desta Lei, que nunca será inferior a três anos; II ter obtido, pelo menos, 70% (setenta por cento) na média de suas três últimas avaliações anuais de desempenho funcional, de acordo com os critérios estabelecidos nesta Lei. Art. 24. A promoção ocorrerá mediante seleção competitiva interna em que se apure a capacidade funcional do servidor para o desempenho das atribuições da classe a que concorra. º A comprovação da capacidade funcional mencionada no caput deste artigo far-se-á através de teste de habilidades e conhecimentos teórico, prático ou prático-teórico, sob a responsabilidade da Comissão de Desenvolvimento Funcional. 2º A classificação dos candidatos à promoção basear-se-á nos resultados obtidos nos testes de habilidades e conhecimentos, referidos no º deste artigo. 3º A concessão da promoção obedecerá rigorosamente à ordem de classificação dos servidores nos testes de habilidades e conhecimentos realizados. Art. 25. Terá preferência para promoção, em caso de empate na classificação, o servidor que houver obtido o melhor resultado na avaliação de desempenho e, permanecendo o empate, o que contar maior tempo de Serviço Público Municipal em Itabira. Art. 26. Somente poderá concorrer à promoção o servidor que estiver no efetivo exercício de seu cargo, na forma prevista nesta Lei e no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. Parágrafo único. O servidor efetivo ocupante de cargo em comissão concorrerá à promoção, na forma estabelecida neste Capítulo, desde que as atribuições do cargo guardem estreita relação com as atribuições de seu cargo efetivo. Art. 27. Os efeitos financeiros decorrentes das promoções previstas neste Capítulo vigorarão a partir do dia subseqüente ao da nomeação do servidor para o novo cargo da carreira. CAPÍTULO V DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Art. 28. A avaliação de desempenho será apurada, anualmente, em mês a ser definido em regulamento específico, em instrumento de avaliação de desempenho elaborado pelo Departamento de Recursos Humanos, através da Seção de Desenvolvimento de Recursos Humanos, e analisado pela Comissão de Desenvolvimento Funcional a que se refere o art. 29 desta Lei. º A época de realização da avaliação de desempenho de que trata o caput deste artigo deve anteceder a elaboração do projeto de Lei do orçamento anual, de forma que os recursos necessários à aplicação dos institutos da progressão e da promoção sejam assegurados no instrumento legal próprio. 2º O instrumento a que se refere o caput deste artigo deverá ser preenchido tanto pela chefia imediata quanto pelo servidor e enviado à Comissão de Desenvolvimento Funcional para apuração. 3º Havendo, entre a avaliação realizada pela chefia e a auto-avaliação realizada pelo servidor, divergência substancial em relação ao resultado, a Comissão de Desenvolvimento Funcional deverá solicitar, à chefia, nova avaliação.

6 4º Considera-se divergência substancial aquela que ultrapassar o limite de 0% (dez por cento) do total de pontos da avaliação. 5º Ratificada, pela chefia, a primeira avaliação, caberá à Comissão pronunciar-se a favor de uma delas. 6º Não sendo substancial a divergência entre os resultados apurados, prevalecerá o apresentado pela chefia imediata. 7º O órgão responsável pela gestão de pessoas deverá enviar, em data a ser fixada em regulamento próprio, às chefias os dados e informações necessários à avaliação do desempenho de seus subordinados. 8º O Prefeito Municipal de Itabira editará, no prazo de noventa dias a contar da aprovação desta Lei, a revisão do Regulamento de Avaliação de Desempenho dos servidores. CAPÍTULO VI DA COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL Art. 29. Fica criada a Comissão de Desenvolvimento Funcional constituída por sete membros efetivos e dois suplentes, designados pelo Prefeito Municipal de Itabira, com as seguintes atribuições: I proceder à apuração do desempenho dos servidores em estágio probatório, mediante os resultados apresentados, nos termos do 4º do art. 4 da Constituição Federal e do Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira; II avaliar, periodicamente, os resultados do desempenho dos servidores para efeito da aplicação dos institutos da progressão e da promoção; III determinar a aplicação de provas, testes e outros instrumentos seletivos destinados a selecionar servidores ocupantes de cargos que se constituem em carreiras para a promoção; IV emitir parecer sobre a pertinência dos cursos de qualificação tendo em vista a participação em programas e cursos de capacitação profissional. º A Comissão de Desenvolvimento Funcional será designada pelo Prefeito Municipal e integrada por: I Secretário Municipal de Administração, membro nato, que a presidirá; II titular do Departamento de Recursos Humanos da Secretaria Municipal de Administração, membro nato; III um representante da Procuradoria Jurídica do Município, servidor estável; IV dois representantes dos servidores municipais; V um representante da Secretaria Municipal de Auditoria Interna e Controladoria, servidor estável; VI um representante da Seção de Desenvolvimento de Recursos Humanos, servidor estável; VII dois suplentes, sendo um de livre escolha do Prefeito Municipal e o outro designado na forma definida no 2º deste artigo. 2º Os servidores entregarão ao Secretário Municipal de Administração uma lista contendo cinco nomes de representantes eleitos, entre servidores efetivos, cabendo ao Prefeito Municipal de Itabira a designação de dois deles para integrar a Comissão como titulares e um como suplente. 3º O presidente da Comissão de Desenvolvimento Funcional somente exercerá o voto em caso de empate. 4º Na eventual ausência do Secretário Municipal de Administração, a presidência da Comissão será exercida por servidor por ele indicado. 5º O membro da comissão candidato à progressão abster-se-á de opinar nas questões relacionadas direta ou indiretamente aos seus interesses pessoais, ocorrendo o mesmo quando se tratar de parentes até o segundo grau, inclusive. 6º Quando um dos membros da comissão, ou seu parente até segundo grau, inclusive, for candidato habilitado à promoção será substituído pelo suplente, enquanto perdurar o processo seletivo. Art. 30. A alternância dos membros não natos da Comissão de Desenvolvimento Funcional dar-se-á a cada três anos, permitida sua recondução por igual período, observados, para tal, os critérios fixados em regulamentação específica e o disposto neste Capítulo. Parágrafo único. Na hipótese de impedimento de qualquer membro da comissão, proceder-se-á à sua substituição, de acordo com o estabelecido neste Capítulo. Art. 3. Os membros designados para a Comissão de Desenvolvimento Funcional deverão providenciar sua regulamentação e normas de funcionamento e submetê-las à aprovação do Prefeito Municipal. Parágrafo único. A Comissão de Desenvolvimento Funcional atuará com o suporte técnico e administrativo da Secretaria Municipal de Administração, da Prefeitura Municipal de Itabira. CAPÍTULO VII DA REMUNERAÇÃO Art. 32. Remuneração é o vencimento do cargo acrescido das vantagens pecuniárias, permanentes ou temporárias, estabelecidas em Lei. Art. 33. Vencimento é a retribuição pecuniária pelo exercício de cargo público, com valor fixado em Lei, nunca inferior a um salário mínimo, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada a sua vinculação ou equiparação, para qualquer fim, conforme o disposto no inciso XIII do art. 37 da Constituição Federal. Art. 34. A remuneração dos ocupantes de cargos da Prefeitura Municipal de Itabira e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o estabelecido na Constituição Federal e no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. Art. 35. As classes de cargos de provimento efetivo da Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal de Itabira estão hierarquizadas por níveis de vencimento no Anexo II desta Lei. º A cada nível de vencimento corresponde uma faixa de vencimentos, composta por onze graus de vencimentos, sendo o Inicial destinado aos servidores em estágio probatório, e os demais designados, alfabeticamente, de A a J, conforme Tabela de Vencimentos, constante do Anexo VI desta Lei. 2º Os aumentos gerais dos vencimentos respeitarão, preferencialmente, a política de remuneração definida nesta Lei, bem como seu escalonamento e respectivos distanciamentos percentuais entre os níveis e graus. Art. 36. A revisão geral dos vencimentos estabelecidos para os cargos de provimento efetivo, bem como para os cargos de provimento em comissão, deverá ser efetuada anualmente, por Lei específica, sempre na mesma data e sem distinção de índices,

7 conforme o disposto no inciso X do art. 37 da Constituição Federal. Art. 37. A revisão geral de proventos e pensões dar-se-á de acordo com o disposto no 8º do art. 40 da Constituição Federal. Art. 38. O Poder Executivo publicará, anualmente, os valores da remuneração dos cargos públicos da Prefeitura Municipal de Itabira, conforme dispõe o 6 o do art. 39 da Constituição Federal. CAPÍTULO VIII DA LOTAÇÃO Art. 39. A lotação representa a força de trabalho, em seus aspectos qualitativos e quantitativos, necessária ao desempenho das atividades gerais e específicas da Prefeitura Municipal de Itabira. Art. 40. O Secretário Municipal de Administração estudará, anualmente, com os demais órgãos da Prefeitura Municipal de Itabira, a lotação de todas as unidades em face dos programas de trabalho a executar. Parágrafo único. Partindo das conclusões do referido estudo, o Secretário Municipal de Administração apresentará ao Prefeito Municipal de Itabira proposta de lotação geral da Prefeitura Municipal, da qual deverão constar: I a lotação atual, relacionando as classes de cargos com os respectivos quantitativos existentes em cada unidade organizacional; II a lotação proposta, relacionando as classes de cargos com os respectivos quantitativos efetivamente necessários ao pleno funcionamento de cada unidade organizacional; III o relatório indicando e justificando o provimento ou a extinção de cargos vagos existentes, bem como a criação de novas classes de cargos indispensáveis ao serviço, se for o caso; IV as conclusões do estudo deverão ser realizadas em data que permita que as modificações sugeridas sejam previstas no projeto de Lei do orçamento anual. Art. 4. A lotação do servidor nos órgãos ou unidades administrativas que integram a Prefeitura Municipal de Itabira será estabelecida por ato próprio do Prefeito Municipal. º A lotação do servidor atenderá sempre ao interesse da Prefeitura Municipal de Itabira. 2º Nenhum ato que defina o local de exercício do servidor terá efeito de vinculação permanente dele com o órgão ou unidade em que for lotado. Art. 42. O afastamento de servidor do órgão em que estiver lotado, para ter exercício em outro, somente se verificará mediante prévia autorização do Prefeito Municipal de Itabira, para fim determinado. º Atendido sempre o interesse do serviço, o Prefeito Municipal de Itabira poderá alterar a lotação do servidor, ex officio ou a pedido, desde que não haja desvio de função ou alteração de seu vencimento. 2º A cessão do servidor para atuar em órgão que não pertença ao Poder Executivo Municipal será objeto de autorização específica do Prefeito Municipal, na forma que dispõe o Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. CAPÍTULO IX DA MANUTENÇÃO DO QUADRO Art. 43. Novas classes de cargos poderão ser incorporadas à Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal de Itabira, observadas as disposições deste Capítulo. Art. 44. As secretarias e os órgãos de igual nível hierárquico poderão, quando da realização do estudo anual de sua lotação, propor a criação de novas classes de cargos, sempre que necessário. º Da proposta de criação de novas classes de cargos deverão constar: I denominação das classes que se deseja criar; II descrição das respectivas atribuições e requisitos para provimento; III justificativa pormenorizada de sua criação; IV quantitativo dos cargos da classe a ser criada; V nível de vencimento das classes a serem criadas. 2º O nível de vencimento das classes deve ser definido considerando-se os seguintes fatores: I grau de instrução requerido para o desempenho da classe; II experiência exigida para o provimento da classe, quando for o caso; III grau de complexidade e responsabilidade das atribuições descritas para a classe. 3º A definição do nível de vencimento deverá resultar da análise comparativa dos fatores das classes a serem criadas com os fatores das classes já existentes na Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal de Itabira. Art. 45. Cabe ao titular da Secretaria Municipal de Administração analisar a proposta e verificar: I se há dotação orçamentária para a criação da nova classe; II se suas atribuições estão implícitas ou explícitas nas descrições das classes já existentes. º Aprovada, a proposta será enviada ao Prefeito Municipal que, se estiver de acordo, a encaminhará, em forma de projeto de Lei, à Câmara Municipal. 2º Caso o parecer conclua pela inobservância do disposto nos incisos I e II deste artigo, o Secretário Municipal de Administração encaminhará ao Prefeito Municipal justificativa do indeferimento. Art. 46. Aprovada a criação das novas classes, deverão ser essas incorporadas à Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal de Itabira. Parágrafo único. As novas classes, às quais se refere o caput deste artigo, serão providas na forma estabelecida no Capítulo II desta Lei. CAPÍTULO X DA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL Art. 47. Fica instituída como atividade permanente na Prefeitura Municipal de Itabira a capacitação de seus servidores, tendo como objetivos: I criar e desenvolver hábitos, valores e comportamentos adequados ao digno exercício da função pública; II capacitar o servidor para o desempenho de suas atribuições específicas, orientando-o no sentido de obter os resultados desejados pela Administração; III estimular o desenvolvimento funcional, criando condições propícias ao constante aperfeiçoamento dos servidores. Parágrafo único. As ações de capacitação dos servidores do Quadro de Pessoal da Prefeitura serão consolidadas no Programa de Capacitação Profissional. Art. 48. Serão dois os tipos de capacitação:

8 I de integração: tendo como finalidade integrar o servidor no ambiente de trabalho, através de informações sobre a organização e o funcionamento da Prefeitura Municipal e da transmissão de técnicas e conhecimentos, bem como procedimentos, atendimento ao público e relações humanas; II de adaptação: com a finalidade de preparar o servidor para o exercício de novas funções, quando a tecnologia absorver ou tornar obsoletas aquelas que vinha exercendo até o momento ou por motivo de readaptação, conforme previsto no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. Art. 49. O Secretário Municipal de Administração, em colaboração com as demais secretarias municipais e órgãos equivalentes, definirá, anualmente, as ações do Programa de Capacitação Profissional a serem implementadas no período e coordenará a execução de programas de treinamento. Parágrafo único. As ações referidas no caput deste artigo serão definidas a tempo de se prever, no projeto de Lei Orçamentária Anual, os recursos indispensáveis à sua implementação. Art. 50. O Programa de Capacitação Profissional deverá conter, no mínimo: I diagnóstico das carências e deficiências de treinamento nos diversos órgãos da Prefeitura e identificação das ações a serem desenvolvidas; II seleção dos cursos a serem oferecidos ao pessoal submetido à segunda fase do processo seletivo estabelecido no inciso II do o do art. 8 desta Lei; III estabelecimento de metas a serem alcançadas, definindo o quantitativo de pessoal a ser treinado e os cursos a serem realizados ou patrocinados pela Prefeitura; IV detalhamento dos cursos a serem oferecidos com definição dos conteúdos, programas, datas de início e término, horários de realização, e requisitos mínimos exigidos do servidor; V definição de critérios para seleção de servidores para participação no Programa; VI escolha dos métodos a serem utilizados para apuração do aproveitamento dos servidores nos cursos e treinamentos realizados. º O Departamento de Recursos Humanos ou órgão equivalente será responsável pela elaboração e execução do Programa de Capacitação Profissional. 2º O Programa de Capacitação Profissional deverá ser amplamente divulgado na Prefeitura, de forma a permitir que todos os servidores tenham a oportunidade de se inscreverem nos cursos oferecidos. 3º O Programa de Capacitação Profissional será submetido à apreciação da Comissão de Desenvolvimento Funcional, que se pronunciará sobre o que estabelecem os incisos V e VI deste artigo. Art. 5. A capacitação prevista no art. 48 desta Lei terá sempre caráter objetivo e prático e será ministrada, direta ou indiretamente, pela Prefeitura Municipal de Itabira, por meio dos seguintes mecanismos: I utilização de monitores locais; II encaminhamento de servidores para cursos realizados por instituições especializadas, sediadas ou não no Município; III contratação de especialistas ou instituições especializadas, observada a legislação pertinente. Art. 52. As chefias de todos os níveis hierárquicos participarão dos programas de treinamento. º Competirá à chefia a que se refere o caput deste artigo: I identificar e analisar, no âmbito de cada órgão ou unidade que lhe for subordinada, as necessidades de treinamento, estabelecendo programas prioritários e propondo medidas necessárias ao atendimento das carências identificadas e à execução dos programas propostos; II facilitar a participação de seus subordinados nos programas de capacitação e tomar as medidas necessárias para que os afastamentos, quando ocorrerem, não causem prejuízos ao funcionamento regular do órgão ou da unidade administrativa; III desempenhar, quando couber, dentro dos programas aprovados, atividades de instrutor; IV participar dos programas de treinamento relacionados às suas atribuições. 2º Independente dos programas previstos, cada chefia desenvolverá, com seus subordinados, atividades de treinamento em serviço, em consonância com o programa de capacitação estabelecido pela Administração, através dos seguintes instrumentos: I reuniões para estudo e discussão de assuntos de serviço; II divulgação de normas legais e aspectos técnicos relativos ao trabalho e orientação quanto ao seu cumprimento e à sua execução; III discussão dos programas de trabalho do órgão ou unidade que chefia e de sua contribuição para o sistema administrativo; IV utilização de rodízio e de outros métodos de capacitação em serviço, adequados a cada caso. Art. 53. Os resultados obtidos pelos servidores nos cursos de capacitação organizados ou credenciados pela Prefeitura Municipal serão considerados como fator de avaliação de desempenho, observadas as seguintes condições: I que sejam dadas iguais possibilidades de participação a todos servidores; II que os critérios de avaliação de rendimento e de pontuação dos servidores, nos cursos referidos no caput deste artigo, sejam amplamente divulgados; III que seja dada oportunidade de recurso ao servidor em relação aos resultados da avaliação e da pontuação que lhes forem atribuídos por sua participação nos referidos cursos. CAPÍTULO XI DOS CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO Art. 54. De acordo com o disposto nesta Lei, entende-se por cargo de provimento em comissão o cargo de confiança de livre nomeação e exoneração pelo Prefeito Municipal, sendo que a sua ocupação implica em disponibilidade integral para o exercício. º Do quantitativo de cargos em comissão será reservado percentual correspondente àqueles que deverão ser ocupados exclusivamente por servidores integrantes do Quadro de Pessoal da Prefeitura. 2º O percentual a que se refere o º deste artigo está definido na forma de recrutamento para os cargos em comissão, estabelecida no Anexo VIII desta Lei. 3º Poderá ocorrer uma variação de 0% (dez por cento) na forma de recrutamento para os cargos em comissão, desde que haja compensação em outro cargo, no máximo um nível inferior. Art. 55. O servidor efetivo da Prefeitura Municipal de Itabira, quando ocupar cargo de provimento em comissão, deverá optar: I pela remuneração de seu cargo efetivo; II pela remuneração do cargo em comissão.

9 º Optando pela remuneração de seu cargo efetivo, o servidor terá direito à percepção de 30% (trinta por cento) do valor do cargo em comissão por ele ocupado. 2º Não será facultado ao servidor, em qualquer hipótese, acumular o vencimento do cargo efetivo com o valor integral do cargo em comissão. 3º O vencimento dos cargos em comissão integrantes do nível 36 será reajustado nas mesmas datas e índices previstos para os cargos de Secretário Municipal. Art. 56. Extinto qualquer órgão da estrutura administrativa, automaticamente extinguir-se-á o cargo comissionado correspondente à sua direção ou à sua chefia. Art. 57. Fica vedado conceder gratificações para exercício de atribuições inerentes ao exercício do cargo. CAPÍTULO XII DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS SEÇÃO I DAS NORMAS GERAIS DE ENQUADRAMENTO DOS SERVIDORES NA PARTE PERMANENTE DO QUADRO DE PESSOAL Art. 58. Os servidores ocupantes dos cargos de provimento efetivo da Prefeitura de Itabira serão enquadrados nos cargos previstos no Anexo I, cujas atribuições sejam da mesma natureza e do mesmo grau de dificuldade e responsabilidade e exijam o mesmo grau de escolaridade dos cargos que estiverem ocupando na data de publicação desta Lei, observadas as disposições deste Capítulo. º O Quadro de Correspondência de Classes, constante do Anexo IV desta Lei, estabelece a equivalência entre os cargos existentes anteriormente à vigência desta Lei e aqueles que passaram a compor a Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura. 2º No processo de enquadramento dos servidores serão considerados os seguintes fatores: I nomenclatura e atribuições do cargo para o qual o servidor foi admitido, investido ou outra forma de provimento prevista em Lei; II grau de escolaridade exigido para o exercício do cargo que o servidor ocupava, anteriormente à vigência desta Lei; III habilitação legal para o exercício de profissão regulamentada; IV tempo de efetivo exercício do servidor no cargo que ocupava, anteriormente à vigência desta Lei; V atribuições realmente exercidas pelo servidor, no caso de cargos que integram carreiras, conforme censo dos servidores, realizado no ano de º O servidor ocupante de cargo de provimento efetivo que esteja executando atribuições diferentes daquelas estabelecidas para o cargo ao qual prestou concurso deverá retornar ao exercício das atribuições do cargo original. Art. 59. O Prefeito Municipal designará Comissão de Enquadramento constituída por cinco membros titulares e dois suplentes, presidida pelo Secretário Municipal de Administração, da qual farão parte, também, um representante da Procuradoria Jurídica, o titular do Departamento de Recursos Humanos e dois representantes dos servidores. º O presidente da comissão somente opinará quando houver necessidade de desempate. 2º Os servidores submeterão ao Prefeito Municipal lista tríplice para que designe dois servidores para atuarem como membros titulares da Comissão de Enquadramento e um, como membro suplente. Art. 60. Caberá à Comissão de Enquadramento: I elaborar e submeter à aprovação do Prefeito Municipal as normas complementares de enquadramento; II analisar e emitir parecer nos processos individuais de enquadramento; III elaborar as propostas dos atos coletivos de enquadramento e encaminhá-las à aprovação do Prefeito; IV analisar e emitir parecer sobre os recursos administrativos interpostos por servidores ao seu enquadramento. º Para cumprir o disposto nos incisos de I a IV deste artigo, a comissão se valerá dos assentamentos funcionais dos servidores, de informações colhidas junto às chefias dos órgãos onde estejam lotados e do censo dos servidores, aplicado no ano de º Nos processos individuais de enquadramento na Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal de Itabira, os servidores deverão apresentar a documentação solicitada pela comissão, inclusive comprovantes de escolaridade e de habilitação legal para exercício de profissão regulamentada, de acordo com o requisito do cargo em que deverão ser enquadrados. Art. 6. O primeiro enquadramento do servidor na faixa de vencimentos correspondente ao nível da classe que vier a ocupar, a ser realizado a partir da publicação desta Lei, observará o seu tempo de efetivo exercício no cargo que ocupa, de acordo com as seguintes diretrizes: I de zero a três anos: grau inicial; II de três anos e um dia a seis anos: grau A; III de seis anos e um dia a nove anos: grau B; IV de nove anos e um dia a doze anos: grau C; V de doze anos e um dia a quinze anos: grau D; VI de quinze anos e um dia a dezoito anos: grau E; VII de dezoito anos e um dia a vinte e um anos: grau F; VIII de vinte e um anos e um dia a vinte e quatro anos: grau G; IX de vinte e quatro anos e um dia a vinte e sete anos: grau H; X de vinte e sete anos e um dia a trinta anos: grau I; XI mais de trinta anos: grau J. º Do enquadramento, na forma do disposto nos incisos de I a XI deste artigo, não poderá resultar redução de vencimentos. 2º O servidor que já perceba vencimento superior ao estabelecido para o grau em que tenha sido posicionado, passará a ocupar o grau imediatamente superior, que lhe preserve a irredutibilidade de vencimentos. 3º O servidor que for posicionado no grau J e que já perceba vencimento superior ao estabelecido para o grau passará a receber a diferença entre o valor atual do vencimento e o previsto para o nível e o grau em que for enquadrado a título de vantagem pessoal, sobre a qual incidirão direitos, vantagens e todos os reajustes gerais que venham a ser concedidos pela Prefeitura aos seus servidores. 4º Nenhum servidor será enquadrado com base em cargo que ocupa a título de substituição. 5º Os servidores que ainda se encontram no grau de vencimento Inicial, correspondente ao estágio

10 probatório, e que tenham sido enquadrados na forma estabelecida neste Capítulo, somente terão seus vencimentos revistos, nos termos do º deste artigo, quando da aquisição de sua estabilidade no cargo. Art. 62. Os atos coletivos de enquadramento serão baixados por decreto, de acordo com o disposto neste Capítulo, dentro de noventa dias, a contar da data de publicação desta Lei. Art. 63. O servidor que entender que seu enquadramento tenha sido feito em desacordo com as normas desta Lei poderá dirigir ao Prefeito Municipal petição devidamente fundamentada e protocolada, no prazo de dez dias úteis, a contar da data de publicação das listas nominais de enquadramento, solicitando revisão do ato que o enquadrou. º O Prefeito, ouvida a Comissão de Enquadramento, deverá decidir sobre o assunto nos dez dias úteis que se sucederem à data de recebimento da petição, ao fim dos quais será dada ao servidor ciência do despacho. 2º Sendo o pedido deferido, a decisão do Prefeito deverá ser publicada, em ato próprio, no prazo máximo de dez dias úteis a contar do término do prazo fixado no º deste artigo. 3º Em caso de indeferimento do pedido, o responsável pelo órgão de Recursos Humanos dará ao servidor conhecimento dos motivos do indeferimento. SEÇÃO II DAS NORMAS GERAIS DE ENQUADRAMENTO DOS SERVIDORES NA PARTE ESPECIAL DO QUADRO DE PESSOAL Art. 64. A Parte Especial do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal de Itabira fica integrada por: I servidores em empregos e em função pública; II servidores ocupantes de cargos que não mais integram a estrutura de classes da Parte Permanente do Quadro de Pessoal; III servidores que, embora ocupantes de cargos que venham a pertencer nos termos desta Lei à Parte Permanente do Quadro de Pessoal, não apresentem a comprovação de escolaridade ou de habilitação legal requerida para o exercício do cargo ou de profissão regulamentada. º Não se aplica aos servidores da Parte Especial do Quadro de Pessoal a Tabela de Vencimentos constante do Anexo VI desta Lei. 2º Será concedida, em caráter excepcional e com vigência a partir da publicação da primeira relação de enquadramento de servidores no novo Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos, a aplicação de uma progressão de vencimento correspondente a 5% (cinco por cento) de acréscimo sobre o vencimento do servidor da Parte Especial, independentemente de realização da avaliação de desempenho. Art. 65. Os ocupantes dos cargos da Parte Especial farão jus à progressão, observados os critérios estabelecidos no Capítulo III, bem como estarão incluídos no Programa de Capacitação Profissional, na forma do Capítulo X desta Lei. º A cada três anos, o servidor pertencente à Parte Especial do Quadro de Pessoal perceberá, a título de progressão, um acréscimo de 5% (cinco por cento) calculado sobre o seu vencimento-base, desde que aprovado em sua avaliação de desempenho. 2º A progressão dos servidores do Quadro Especial fica limitada ao valor correspondente ao maior vencimento pago para a classe do Quadro Permanente cujo requisito de escolaridade seja idêntico ao exigido para o cargo que o servidor mencionado no º deste artigo ocupa. 3º A relação de cargos, empregos e funções públicas da Parte Especial, com respectivos quantitativos e carga horária semanal, está definida no Anexo V desta Lei. 4º A relação de cargos prevista no Anexo V poderá ser acrescida de novos cargos, conforme previsto do inciso III do art. 64 desta Lei. Art. 66. O servidor ocupante de cargo cujo requisito para exercício exija habilitação legal e registro em órgão ou Conselho de Classe, e que não apresentou a respectiva documentação, terá um prazo de cento e oitenta dias, a partir da data de publicação desta Lei, para entregar a documentação ao órgão responsável pelos assentamentos funcionais dos servidores públicos da Prefeitura. º Até a apresentação da habilitação legal e do registro no órgão ou conselho de que trata o caput deste artigo, o servidor integrará a Parte Especial do Quadro de Pessoal, observadas as disposições dos parágrafos dos arts. 65 e 66 desta Lei. 2º O servidor de que trata o caput deste artigo poderá ser enquadrado na Parte Permanente, mediante requerimento, do qual conste a habilitação legal e o registro no respectivo órgão ou Conselho de Classe, à Comissão de Enquadramento, observadas as disposições dos 3º e 4º deste artigo. 3º A Comissão de Enquadramento emitirá parecer e encaminhará o requerimento à apreciação do Prefeito Municipal que fará publicar o resultado de sua decisão. 4º Se do novo enquadramento resultar diferença no valor da remuneração do servidor, esta somente será devida a partir da publicação a que se refere o 3º deste artigo. Art. 67. As funções públicas e os cargos vagos existentes na Parte Permanente do Quadro de Pessoal da Prefeitura Municipal, antes da data de vigência desta Lei, e os que forem vagando em razão do enquadramento previsto neste Capítulo, ficarão automaticamente extintos. Art. 68. Os ocupantes dos cargos de Técnico de Obras e Serviços que por falta de comprovação de escolaridade ou de habilitação legal para o exercício de profissão regulamentada venham a integrar a Parte Especial do Quadro de Pessoal terão a nomenclatura de seus cargos originais alterada para Assistente de Obras e Serviços. CAPÍTULO XIII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 69. Os critérios para apostilamento de cargo em comissão, por servidor integrante das Partes Permanente e Especial do Quadro de Pessoal, estão previstos no Estatuto dos Servidores Públicos Municipais de Itabira. º Se o cargo comissionado que deu origem ao apostilamento do servidor tiver sido objeto de extinção, transformação ou reestruturação, será utilizado, como base de cálculo, o valor do vencimento atribuído ao cargo em comissão que possuir as atribuições mais semelhantes às do cargo não mais existente. 2º Para determinar o cargo em comissão que servirá de base para o cálculo, será realizada análise jurídica e administrativa que levará em conta as competências, amplitude de supervisão, coordenação ou chefia e seu posicionamento na hierarquia estrutural dos cargos em comissão.

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL BOMBINHAS-SC LEI COMPLEMENTAR Nº 034, de 13 de dezembro de 2005. Institui o Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos do Pessoal do Poder Legislativo do Município de Bombinhas e dá outras providências.. Júlio César Ribeiro,

Leia mais

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003

LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Publicada D.O.E. Em 23.12.2003 LEI Nº 8.966 DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003 Reestrutura o Plano de Carreira do Ministério Público do Estado da Bahia, instituído pela Lei nº 5.979, de 23 de setembro de 1990,

Leia mais

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar

http://www.legislabahia.ba.gov.br/verdoc.php?id=65585&voltar=voltar Page 1 of 11 Voltar Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." LEI Nº 11.374 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Ver também: Decreto 14.488 de 23 de maio de 2013 - Regulamenta

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANAÃ DOS CARAJÁS

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CANAÃ DOS CARAJÁS LEI Nº 625/2014. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores Públicos da Prefeitura Municipal de Canaã dos Carajás PA, estabelece normas gerais de enquadramento e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES imprensa FESSERGS Novo esboço de Plano de Carreira do Quadro-Geral(para substituir no MURAL) July 19, 2012 2:32 PM Projeto de Lei nº00/2012 Poder Executivo Reorganiza o Quadro

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

Medida Provisória nº de de 2008

Medida Provisória nº de de 2008 Medida Provisória nº de de 008 Dispõe sobre a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Controle Interno e de Apoio Técnico ao Controle Interno no âmbito das Instituições Federais vinculadas

Leia mais

Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015

Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO MUNICÍPIO DE PATY DO ALFERES CÂMARA MUNICIPAL DE PATY DO ALFERES APROVADO 23/09/2015 - SO Presidente Lei nº 2203 de 30 de SETEMBRO de 2015 Dá nova

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 LEI COMPLEMENTAR NÚMERO 015, de 10 de novembro de 2011. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Profissionais da Educação Básica do Município de Sabará, estabelece normas de enquadramento,

Leia mais

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas do Município de Vitória da Conquista, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

LEI Nº 13.574, DE 12 DE MAIO DE 2003. (Projeto de Lei nº 611/02, da Vereadora Claudete Alves - PT)

LEI Nº 13.574, DE 12 DE MAIO DE 2003. (Projeto de Lei nº 611/02, da Vereadora Claudete Alves - PT) LEI Nº 13.574, DE 12 DE MAIO DE 2003 (Projeto de Lei nº 611/02, da Vereadora Claudete Alves - PT) Dispõe sobre a transformação e inclusão no Quadro do Magistério Municipal, do Quadro dos Profissionais

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº Disciplina a admissão de pessoal por prazo determinado no âmbito do Magistério Público Estadual, para atender à necessidade temporária de excepcional interesse público, sob regime administrativo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ 1 LEI Nº 2.879, DE 03 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Salários dos Servidores do Município de Arapongas, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAPONGAS, ESTADO

Leia mais

LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006.

LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006. LEI Nº 74, DE 30 MAIO DE 2006. O Prefeito Municipal de Tijucas do Sul, Estado do Paraná: A Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte Lei: Reorganiza o quadro de pessoal da administração direta

Leia mais

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009

LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 LEI Nº 11.375 DE 05 DE FEVEREIRO DE 2009 Reestrutura as carreiras de Analista Universitário e Técnico Universitário, integrantes do Grupo Ocupacional Técnico- Específico, criado pela Lei nº 8.889, de 01

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado ESTRUTURA REMUNERATÓRIA BÁSICA PCS dos servidores comissionados PCS dos servidores efetivos (quadro geral) PCS dos servidores do magistério SERVIDORES

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL LEI Nº 5.106, DE 3 DE MAIO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N º 38/2011

LEI COMPLEMENTAR N º 38/2011 LEI COMPLEMENTAR N º 38/2011 ALTERA O ESTATUTO E PLANO DE CARREIRA E DE REMUNERAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE FORTUNA DE MINAS, INSTITUÍDO PELA LEI COMPLEMENTAR N.º 27/2004. A Câmara Municipal

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS

LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS OBJETIVOS ESTADO DO CEARÁ Prefeitura Municipal de Farias Brito LEI COMPLEMENTAR Nº 005, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1992 Dispõe sobre o plano de cargos, salários e carreira dos servidores da Prefeitura Municipal de Farias

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.871, DE 20 DE MAIO DE 2004. Conversão da MPv nº 155, de 2003 Texto compilado Dispõe sobre a criação de carreiras e organização

Leia mais

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5

SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 CADERNO 1 5 SEGUNDA-FEIRA, 08 DE SETEMBRO DE 2014 L E I N 8.037, DE 5 DE SETEMBRO DE 2014 Institui o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração dos Servidores do Tribunal de Contas do Estado do Pará e dá outras providências.

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I DA CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DA SEFAZ Seção I Dos Princípios Básicos LEI N. 2.265, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Estabelece nova estrutura de carreira para os servidores públicos estaduais da Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

DECRETO Nº 1.745, DE 12 DE AGOSTO DE 2009.

DECRETO Nº 1.745, DE 12 DE AGOSTO DE 2009. DECRETO Nº 1.745, DE 12 DE AGOSTO DE 2009. Dispõe sobre os critérios de avaliação de desempenho do servidor público municipal efetivo e estável, para fins das promoções horizontais e verticais, bem como

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

Lei 585/2013 ESTATUTO E PLANO DE CARGOS, CARREI- RAS E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚ- BLICO MUNICIPAL DE CARAPEBUS

Lei 585/2013 ESTATUTO E PLANO DE CARGOS, CARREI- RAS E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚ- BLICO MUNICIPAL DE CARAPEBUS Lei 585/2013 ESTATUTO E PLANO DE CARGOS, CARREI- RAS E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚ- BLICO MUNICIPAL DE CARAPEBUS 1 SUMÁRIO TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 03 CAPÍTULO I - DO REGIME JURÍDICO 03 CAPÍTULO

Leia mais

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS

PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS PLANOS DE CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES MUNICIPAIS LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL N. 27/99 De 12 de Novembro de 1999 Aprova o Plano de Cargos dos Servidores do Poder Executivo Municipal e contém providências

Leia mais

CAPÍTULO I DA ESTRUTURA DO QUADRO DE PESSOAL

CAPÍTULO I DA ESTRUTURA DO QUADRO DE PESSOAL L E I Nº1.127/2014 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURAÇÃO DO PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA CÂMARA MUNICIPAL DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE-ES, ESTABELECE NORMAS GERAIS DE ENQUADRAMENTO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº 39409 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e

DECRETO Nº 39409 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2014. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, e DECRETO Nº 39409 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2014 Regulamenta o Processo de Seleção para Promoção na Carreira dos Servidores da Área Operacional Atividade Fim da Guarda Municipal do Rio de Janeiro GM-RIO. O PREFEITO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE

PREFEITURA MUNICIPAL DE BRUSQUE LEI COMPLEMENTAR nº 146, DE 31 DE AGOSTO DE 2009 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público Municipal de Brusque. O PREFEITO MUNICIPAL DE BRUSQUE Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono

Leia mais

Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL

Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Elaborado por RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Página 2 de 14 1 INTRODUÇÃO O Plano de Cargos e Salários do CONSELHO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE MINAS GERAIS CRA-MG, cuja última versão data de maio/2014,

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.704, DE 26 DE JANEIRO DE 2006 Estabelece pisos salariais para os novos cargos criados nesta lei, concede reajuste salarial aos servidores públicos civis, militares, ativos, inativos e pensionistas

Leia mais

LEI N. 2.531/2012 L E I CAPÍTULO I DA ESTRUTURA DO QUADRO DE PESSOAL

LEI N. 2.531/2012 L E I CAPÍTULO I DA ESTRUTURA DO QUADRO DE PESSOAL LEI N. 2.531/2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos Servidores da Administração Direta, de suas Autarquias e Fundações Municipais e estabelece normas gerais de

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 2º - A avaliação de desempenho tem por objetivos:

D E C R E T A CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 2º - A avaliação de desempenho tem por objetivos: DECRETO Nº 13.191 DE 16 DE AGOSTO DE 2011 Regulamenta a Avaliação de Desempenho e a concessão de variação da Gratificação de Incentivo ao Desempenho - GID para os servidores efetivos, empregados públicos,

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI N INSTITUI O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES ESTATUTÁRIOS DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOÃO PAULO TAVARES PAPA, Prefeito Municipal de Santos, faço saber

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI 3.981/91 DE 7 DE JANEIRO DE 1991 Dispõe sobre o Grupo Ocupacional Fisco e dá outras providencias. O Prefeito Municipal de Natal, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE VÁRZEA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO Fixa o reajuste geral dos servidores públicos municipais, altera as alíquotas de contribuição dos servidores para o auxílio transporte, reorganiza as jornadas de trabalho previstas para médicos e dentistas

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00.

LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. LEI N 7.350, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2000 D.O. 13.12.00. Autor: Poder Executivo Cria a carreira de Gestor Governamental e os respectivos cargos na Administração Pública Estadual e dá outras providências.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece normas e procedimentos para lotação, movimentação e remanejamento interno de

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece normas e procedimentos para lotação, movimentação e remanejamento interno de INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece normas e procedimentos para lotação, movimentação e remanejamento interno de servidores da Agência de Fiscalização do Distrito Federal

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003. (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março

Leia mais

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais;

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2198/2001 INSTITUI O PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRAÇU PDV A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

quarta-feira, 19 de março de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (52) 17-

quarta-feira, 19 de março de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (52) 17- quarta-feira, 19 de março de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (52) 17- Resolução SE-12, de 18-3-2014 - Dispõe sobre a situação funcional dos servidores da Secretaria da Educação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais LEI 15304 2004 Data: 11/08/2004 REESTRUTURA A CARREIRA DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL E INSTITUI A CARREIRA DE AUDITOR INTERNO DO PODER EXECUTO. Reestrutura a carreira de

Leia mais

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 Regulamenta a Lei nº 4.119, de agosto de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Psicólogo. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o art.87, item

Leia mais

DECRETO Nº 1040, DE 28 DE ABRIL DE 2015

DECRETO Nº 1040, DE 28 DE ABRIL DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 1040, DE 28 DE ABRIL DE 2015 Regulamenta as Atividades de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoal e o Adicional de Incentivo à Profissionalização. O PREFEITO DE GOIÂNIA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 5, DE 3 DE AGOSTO DE 2010 (*) Fixa as Diretrizes Nacionais para os Planos de Carreira e Remuneração dos Funcionários

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.697-C DE 2009 Dispõe sobre as carreiras dos servidores do Ministério Público da União e as carreiras dos servidores do Conselho Nacional do Ministério Público; fixa valores

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 265, DE 26 DE JUNHO DE 2014

LEI COMPLEMENTAR Nº 265, DE 26 DE JUNHO DE 2014 LEI COMPLEMENTAR Nº 265, DE 26 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a Reorganização do plano de carreiras do SANTAFÉPREV Instituto Municipal de Previdência Social e dá outras providências correlatas. Armando

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

Diretoria de Gestão de Pessoas

Diretoria de Gestão de Pessoas Apresentamos o Plano de Cargos, Carreiras e Salários da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH, criada pela Lei n. 12.550, de 15 de dezembro de 2011. A referência para instruir o presente plano

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de janeiro de 1991, e dá outras providências.

EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de janeiro de 1991, e dá outras providências. LEI NÚMERO: 00035/01 TIPO: LEI COMPLEMENTAR AUTOR: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL DATA: 12/7/2001 EMENTA: Dispõe sobre a reestruturação do Grupo Ocupacional Fisco de que trata a Lei nº 3.981/91, de 07 de

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009.

LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. Pág. 1 de 6 LEI N 501, DE 02 DE JULHO DE 2009. CRIA COMISSÃO DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPA E A COMISSÃO GERAL DE HIGIENE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO CIPAG, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS

Plano de Empregos, Carreiras e Salários - PECS Ata de aprovação de alteração 395ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da CODATA Realizada em 10 de fevereiro de 2011 Resolução do Conselho de Administração nº 01/2011 - PECS MARÇO/2005 JULHO/2012

Leia mais

LEI Nº 3.115 I - GRUPO DE APOIO ADMINISTRATIVO:

LEI Nº 3.115 I - GRUPO DE APOIO ADMINISTRATIVO: LEI Nº 3.115 Dispõe sobre a organização do Quadro de Pessoal Contratado da Prefeitura; estabelece novo plano de pagamento e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE PELOTAS, Estado do Rio Grande

Leia mais

DESENVOLVIMENTO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CONSELHO DELIBERATIVO. Deliberação CEETEPS - 2, de 28-1-2009

DESENVOLVIMENTO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CONSELHO DELIBERATIVO. Deliberação CEETEPS - 2, de 28-1-2009 D.O.E de 29/01/2009, Seção I, Pág. 35/36 DESENVOLVIMENTO CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CONSELHO DELIBERATIVO Deliberação CEETEPS - 2, de 28-1-2009 Dispõe sobre a contratação por tempo

Leia mais

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar.

Parágrafo único. Aplica-se aos titulares dos órgãos referidos no caput deste artigo o disposto no art. 2º, 2º, desta Lei Complementar. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 518, DE 26 DE JUNHO DE 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento da Assessoria Jurídica Estadual, estrutura a Carreira e o Grupo Ocupacional dos titulares

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 001 de 02 de fevereiro de 2012 EMENTA: Estabelece critérios e procedimentos, no âmbito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.169, DE 23 DE AGOSTO DE 2011 Disciplina o afastamento de servidores docentes e técnico-administrativos

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 8.690, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2003 Institui o Plano de Carreira dos Servidores da Área de Atividades de Administração Geral da Prefeitura de Belo Horizonte, estabelece a respectiva Tabela de Vencimentos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909

Prefeitura Municipal de Sabará Rua Dom Pedro II, 200 CEP: 34505-000 Sabará MG Fones: (31) 3672-7672 - (31) 3674-2909 PROJETO DE LEI Nº 023, de 05 de maio de 2015 Dispõe sobre o processo de ingresso à direção das Instituições de Ensino do Municipio, estabelece a estrutura de cargos e salários dos Diretores e Vice Diretores

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1512/2009 SÚMULA: Cria o Conselho Municipal da Educação. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA GERAL DE RECURSOS HUMANOS EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO PÚBLICO- PESQUISADOR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA GERAL DE RECURSOS HUMANOS EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO PÚBLICO- PESQUISADOR UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS DIRETORIA GERAL DE RECURSOS HUMANOS EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO PÚBLICO- PESQUISADOR 1. A Diretoria Geral de Recursos Humanos, através da Diretoria de Administração

Leia mais

III. Servidor público é toda pessoa física legalmente investida em cargo público, de provimento efetivo ou em comissão;

III. Servidor público é toda pessoa física legalmente investida em cargo público, de provimento efetivo ou em comissão; ANTEPROJETO DE LEI Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos da Prefeitura Municipal de Petrolina, estabelece normas gerais de enquadramento, institui tabela de vencimentos

Leia mais

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI 1 NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Normatiza o Estágio Probatório de Docentes no âmbito da Universidade Federal de Itajubá. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

REITORIA. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012.

REITORIA. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012. Minuta RESOLUÇÃO UNESP Nº DE DE DE 2012. Altera e inclui dispositivos da Resolução Unesp nº 32, de 28 de julho de 2011. O VICE-REITOR NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro

CAPÍTULO I DA CARREIRA Seção I Disposições iniciais. Seção II Do quadro LEI COMPLEMENTAR Nº 442, de 13 de maio de 2009 Procedência Governamental Natureza PLC/0006.2/2009 DO. 18.604 de 14/05/2009 *Alterada pela LC 534/11 *Ver Lei LC 534/11 (art. 72) *Regulamentada pelo Dec.

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências CAPÍTULO I DA CARREIRA Art. 1. Carreira Assistência à Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais