Anote aqui seu gabarito e destaque no pontilhado.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anote aqui seu gabarito e destaque no pontilhado."

Transcrição

1 PROVA H

2 Aote aqui seu gabarito e destaque o potilhado

3 PROVA H LEGISLAÇÃO DE TRIBUTOS MUNICIPAIS 01. Em se tratado de imóvel em costrução, o cotribuite faz jus, os termos da lei, a: A) uma redução das alíquotas em 50%, devedo o órgão fazedário resposável pelo laçameto aplicá-la de ofício B) subsidiariedade o pagameto do IPTU, ão sofredo aplicação de pealidade por descumprimeto de obrigação acessória C) determiação do logradouro que cofira ao imóvel maior valorização, o caso de imóvel costruído em terreo com duas ou mais fretes D) cessão da resposabilidade tributária, a hipótese de desapropriação com desapossameto provisório, a partir do registro do madado de trasmissão E) desoeração da obrigação de realizar o cadastro imobiliário, mas apresetado à Prefeitura o documeto pertiete à veda do referido imóvel o prazo legal 02. Numa partilha, o côjuge varão fica com a itegralidade do bem imóvel situado em Belo Horizote, que vale R$ ,00, permutado-o com outro bem situado em Juiz de Fora, o valor de R$ ,00, que fica com o côjuge mulher. O patrimôio total do casal mota a R$ ,00. É correta a pretesão do Muicípio de Belo Horizote de pleitear a icidêcia do ITBI a seguite codição: A) o mometo da celebração do egócio jurídico B) sobre a difereça de valores etre os imóveis C) o mometo da imissão provisória a posse do imóvel D) sobre a base de cálculo arbitrada pelo Fisco Muicipal para efeito de IPTU E) com base as alíquotas míima e máxima previstas pela Costituição da República 03. A imuidade recíproca está caracterizada a seguite alterativa: A) abrage os templos de qualquer culto quato ao prédio ode se pratica o culto, ão se estededo aos seus aexos, sob pea de cofigurar espécie de subveção vedada pela Costituição da República B) absorve a iseção, que costitui limitação fiscal decorrete da falta de defiição do fato gerador, podedo ter por fudameto razões de coveiêcia ou justiça e por origem o direito positivo C) alcaça o beefício fiscal dado pela Costituição da República aos jorais, embora costitua, a verdade, privilégio odioso, porquato ão se fuda a garatia da liberdade de expressão D) protege o patrimôio, a reda e os serviços da Uião, dos Estados e dos Muicípios, sedo extesiva às autarquias e às fudações istituídas e matidas pelo Poder Público E) ão abrage as taxas, podedo, cotudo, o ete tributate estipular, em legislação específica, beefício fiscal aos demais etes políticos a hipótese de reciprocidade de tratameto 04. O Muicípio de Belo Horizote, por meio de seus agetes fazedários, promoveu diligêcias o setido de autuar os cartórios de otas existetes a cidade pelo ão recolhimeto do ISSQN sobre os serviços cartorários por eles praticados. A base de cálculo para as referidas autuações deve ser: A) a tributação por valores fixos B) o regime especial difereciado C) a imuidade dos serviços cartorários D) a receita bruta auferida pelos cartórios E) a ausêcia de faturameto pela ão icidêcia 05. Se uma empresa de veda de móveis oferece a motagem desses móveis mediate o pagameto de uma quatia a mais, cosidera-se a operação como: A) leasig fiaceiro, por evolver obrigação de dar e ão de fazer, com icidêcia do ISSQN B) coceito ecoômico de serviço, para efeito da icidêcia do ISSQN, os termos da matriz costitucioal C) mista, com icidêcia do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), por ser a atividade prepoderate D) descoto cocedido pela empresa forecedora do serviço, salvo quado o pagameto do serviço for efetuado mediate forecimeto de mercadoria E) cotraprestação pelos serviços prestados, com icidêcia do ISSQN sobre toda a operação e ão sobre a remueração em espécie estabelecida o cotrato 06. O Estado de Mias Gerais istitui programa por meio do qual pretede estimular os muicípios mieiros a proceder à correta disposição dos resíduos sólidos urbaos. Para tato, celebra covêio, ao qual devem aderir os muicípios, por itermédio do qual será cocedida verba de fudo estadual específico para o meio ambiete, desde que o ete muicipal aderete passe a destiar os resíduos sólidos a aterro saitário regularmete istalado e istitua, o prazo de até cico aos, taxa que objetive o custeio do serviço. A taxa assim istituída tem a seguite característica: A) depede de previsão legal B) distigue taxa e preço público C) icide sobre serviço público essecial D) cofigura os requisitos da utilização efetiva, especificidade e divisibilidade da prestação E) atrela o repasse de verba de fudo estadual destiado ao meio ambiete à istituição de tributos por parte do ete muicipal 07. A cotribuição para custeio da ilumiação pública é uma espécie de cotribuição da seguite espécie: A) social B) especial C) parafiscal D) de melhoria E) prevideciária PREFEITURA 3

4 PROVA H Com relação à repartição das receitas tributárias, pode-se afirmar que pertece aos Muicípios: A) parte do produto da arrecadação com o IPVA pertecete à Uião B) parcela do produto da arrecadação com o ICMS gerado o Muicípio C) parte do IPTU arrecadado sobre imóveis localizados os territórios do Estado D) imposto sobre a reda recolhido a fote pelos seus servidores estatutários E) recurso alusivo às receitas repartidas em programa federal de beefícios fiscais 09. Agetes do Fisco Muicipal promoveram ação fiscal em determiada empresa, a qual apreederam documetos fiscais do cotribuite. O procedimeto é legal, visto que: A) o cotribuite é obrigado a exibir os documetos fiscais B) o juiz competete ratificará a ação imediatamete depois C) os agetes malferiram o direito do cotribuite ao sigilo fiscal D) os agetes fazedários estavam muidos de madado judicial E) a legislação do ete tributate ão cotém disposição legal limitativa do direito de apreesão 10. Itegra o sistema tributário, o Muicípio de Belo Horizote, a Taxa de: A) Fiscalização e Fucioameto das Sociedades B) Fiscalização de Egehos de Publicidade C) Fixação de Cartazes em Via Pública D) Trasporte Público E) Autuação Fiscal 11. Os créditos da Fazeda Pública de Belo Horizote objeto de parcelameto apresetam a seguite codição: A) alcaçam sem descoto os créditos iscritos em dívida ativa B) ão atigem o preço público que ão se cofude com o crédito tributário C) atigem os créditos ajuizados ates da data de fixação do leilão do imóvel dado em garatia D) abragem os hoorários advocatícios em úmero de parcelas meores do que as do valor pricipal E) ficam sujeitos a atualização moetária aual, com base o IPCA-E, acumulada os últimos 12 meses imediatamete ateriores e a juros de 1% ao mês 12. Não é vedada a divulgação, por parte da Fazeda Pública ou de seus servidores, de iformação obtida em razão do ofício sobre a situação ecoômica ou fiaceira do sujeito passivo, a seguite hipótese: A) requisição de terceiro iteressado B) débito iscrito em dívida ativa C) requisição formal do Miistério Público D) parcelameto de débito ão iscrito em dívida ativa E) proibição existete em covêios de cooperação federais 13. O ISSQN será cosiderado devido quado o estabelecimeto prestador ou, a sua falta, o domicílio do prestador localizarse o Muicípio a seguite hipótese: A) reforma de edifício B) serviço de diversão C) istalação de adaime D) cessão de direito de uso E) realização de cogresso 14. A icidêcia do ISSQN depede de: A) deomiação do serviço prestado B) existêcia de estabelecimeto fixo C) previsão legal específica do etre tributate D) resultado fiaceiro obtido o exercício da atividade E) cumprimeto de exigêcia admiistrativa, relativa ao exercício da atividade, sem prejuízo das comiações cabíveis 15. Pode costituir sociedade uiprofissioal aquela que apresete a seguite característica: A) atividade diversa da habilitação profissioal dos sócios B) sócios com habilitações profissioais diferetes C) terceirização da atividade fim D) sócio pessoa jurídica E) atureza familiar MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO RACIOCÍNIO LÓGICO 16. Cosidere verdadeiras as seguites afirmações: Ester ão torcer pelo Palmeiras é codição ecessária e suficiete para Carolia torcer pelo Cruzeiro. Beatriz torce pelo Botafogo ou Alice torce pelo Atlético. Ou Daiele torce pelo Flamego ou Ester torce pelo Palmeiras. Se Beatriz torce pelo Botafogo, etão Carolia ão torce pelo Cruzeiro. Com certeza, Daiele torce pelo Flamego. Portato, pode-se ecessariamete cocluir que: A) Beatriz torcer pelo Botafogo é codição ecessária para Alice torcer pelo Atlético e Carolia torcer pelo Cruzeiro. B) Se Ester ão torce pelo Palmeiras, etão Alice ão torce pelo Atlético. C) Daiele ão torce pelo Flamego ou Beatriz torce pelo Botafogo. D) Ou Carolia torce pelo Cruzeiro ou Alice ão torce pelo Atlético. E) Beatriz torce pelo Botafogo e Carolia torce pelo Cruzeiro. 4 PREFEITURA

5 PROVA H Observe os seguites argumetos: Argumeto I Premissa 1: A B Premissa 2: B Coclusão: A Argumeto II Premissa 1: Q P Premissa 2: R P Premissa 3: Q S Premissa 4: T S Coclusão: R T Argumeto III Premissa 1: H ( G V E) Premissa 2: G D Premissa 3: ( E D ) Coclusão: H V V E Pode-se afirmar corretamete que os argumetos I, II e III são cosiderados, respectivamete, como: A) válido, iválido e válido. B) iválido, válido e iválido. C) válido, iválido e iválido. D) iválido, válido e válido. E) válido, válido e válido. 18. Cosidere os cojutos A, B e C e a tabela a seguir: Cojuto Número de elemetos A 100 B 80 C 60 A I B 35 B I C 28 A U B U C 157 Desta forma, o úmero de elemetos do cojuto [(A I C) - B] é igual a: A) 45 B) 41 C) 35 D) 28 E) Leia a seguite proposição: Se ocorrer de Maria ser sesata ou de João ser amoroso, etão ocorre harmoia o lar. Uma proposição logicamete equivalete à expressa acima é: A) Se ocorre harmoia o lar, etão ocorre de Maria ser sesata e de João ser amoroso. B) Se ocorre harmoia o lar, etão ocorre de Maria ão ser sesata ou de João ão ser amoroso. C) Se ão ocorre harmoia o lar, etão ocorre de Maria ão ser sesata e de João ão ser amoroso. D) Se ão ocorre harmoia o lar, etão ocorre de Maria ser sesata e de João ão ser amoroso. E) Se ão ocorre harmoia o lar, etão ocorre de Maria ão ser sesata e de João ser amoroso. MATEMÁTICA FINANCEIRA (tabelas para resolução - págia 9) 20. Maria possui dois títulos para serem resgatados, um o valor de R$30.000,00, a vecer em 4 meses, e outro o de R$70.000,00, a vecer em 5 meses. Sem codições de resgatálos as datas previstas, Maria propõe que sejam substituídos por um úico título, com vecimeto em 6 meses. Supodo-se que a Taxa de Descoto Comercial Simples utilizada a operação é de 5% ao mês, etão o valor omial do ovo título será igual a: A) R$ ,00 B) R$ ,00 C) R$ ,00 D) R$ ,00 E) R$ , Uma empresa adquiriu, o iício do mês, um empréstimo bacário à taxa de juros de 2% ao mês, a ser pago em 36 prestações mesais fixas de R$ ,00, com base o sistema fracês. Sabedo-se que a primeira prestação vece o fial do mês, o valor referete aos juros a serem pagos a 25ª prestação, desprezado-se os cetavos, é igual a: A) R$ 5.170,00 B) R$ 5.220,00 C) R$ 5.560,00 D) R$ 5.710,00 E) R$ 5.890, Alfredo fez um fiaciameto um baco para pagar em 30 prestações semestrais iguais o valor de R$ ,00 cada uma. Imediatamete após o pagameto da 15ª prestação, devido a dificuldades fiaceiras, Alfredo cosegue com o baco uma redução da taxa de juros de 12% para 10% ao semestre, e um aumeto o prazo restate das prestações, de 15 para 18 semestres. O valor mais próximo da ova prestação do fiaciameto correspode a: A) R$ ,00 B) R$ ,00 C) R$ ,00 D) R$ ,00 E) R$ ,00 PREFEITURA 5

6 PROVA H Uma empresa realizou a projeção dos fluxos de caixa de um determiado projeto, coforme a tabela abaixo: Período Fluxo (em R$) ? Sabedo-se que a Taxa Itera de Retoro para esse projeto é de 3%, o valor do 2º fluxo será referete a: A) R$ ,00 B) R$ ,00 C) R$ ,00 D) R$ ,00 E) R$ ,00 ESTATÍSTICA 24. Cosidere o modelo de regressão Y i = α + ß X i + u i, este erro com desvio padrão K. Em caso de heterocedasticidade, um modo de corrigir este modelo é realizar a seguite operação para ambos os membros da equação: A) multiplicar por K 2 B) multiplicar por K C) dividir por K D) subtrair K 2 E) somar K Um auditor fiscal e um auditor técico da Prefeitura de Belo Horizote desejam determiar o tamaho de amostra para estudo da proporção de cotribuites, etre deles, que ficam iadimpletes todo mês. Se os fucioários admitem haver um erro amostral de 2%, com ível de cofiaça de 95%, o tamaho dessa amostra é, aproximadamete, igual a: A) 1200 B) 1937 C) 2401 D) 2563 E) 2645 DIREITO TRIBUTÁRIO 26. O Estado de Mias Gerais istituiu, por lei, o ao de 2000, alteração os critérios de repartição da receita do ICMS, objetivado privilegiar os muicípios que apresetassem melhor ídice de preservação do meio ambiete, cosiderado os critérios de Uidades de Coservação e de Saeameto Ambietal. O Poder Executivo Estadual, ao regulametar a referida lei, já em 2001, modificou o percetual que cada um daqueles critérios represetaria, com o que o Muicípio de Belo Horizote sofreria um descréscimo a sua participação. A referida alteração, por meio de regulameto do Poder Executivo, é icostitucioal por: A) existir delegação legal B) ser imperiosa a promulgação de lei C) ser imperioso o respeito ao pricípio da aualidade D) prevalecer, esse caso, a fialidade extrafiscal do tributo E) prevalecer, costitucioalmete, a fialidade extrafiscal os impostos de importação, de exportação, de produtos idustrializados e de operações fiaceiras 27. O imposto sobre serviços de qualquer atureza icide sobre: A) a prestação de serviços para o exterior. B) o cotribuite represetado como tomador do serviço C) o serviço depedete da deomiação dada pela lei para efeito de icidêcia D) o serviço proveiete do exterior do país ou cuja prestação se teha iiciado o exterior E) o valor dos depósitos bacários relativos a operações de crédito realizadas por istituições fiaceiras 28. O empréstimo compulsório é classificado como: A) um imposto B) uma espécie de tributo C) uma exação sui geeris D) uma espécie de cofisco E) um cotrato de empréstimo de direito público 29. Projeto de lei complemetar ecamihado pelo Prefeito à Câmara de Vereadores de Belo Horizote, istituido o plao diretor da cidade, prevedo iseção de IPTU para os imóveis localizados as regiões atigidas pelo Projeto de Revitalização Cetro Vivo, ão poderá ser aprovado, dada a seguite codição: A) a iiciativa é do Chefe do Poder Executivo B) a iseção poderia ter sido istituída por meio de decreto autôomo, à vista dos motivos esejadores do beefício C) essa espécie de beefício fiscal, os termos da Costituição da República, deve ser objeto de lei específica D) a Costituição da República admite a cocessão de tal beefício a hipótese de adequado aproveitameto do solo urbao ão edificado por parte do seu proprietário E) o motivo da cocessão do beefício está em cosoâcia com a competêcia costitucioal outorgada aos Muicípios para a execução da política de desevolvimeto urbao 30. A Costituição da República ão permite à Uião cobrar cotribuição relativa a: A) iterveção o domíio ecoômico B) receita de cocursos de progósticos C) faturameto das empresas D) ilumiação pública E) lucro das empresas 31. Costitui competêcia comum da Uião, dos Estados, dos Muicípios e do Distrito Federal istituir: A) impostos extraordiários a imiêcia ou em caso de guerra extera B) imposto de competêcia privativa de outro ete federativo C) cotribuições prevideciárias dos servidores públicos D) impostos ão previstos o eleco costitucioal E) impostos muicipais dos Territórios 32. O ão exercício da competêcia a que tem direito o ete tributate dá esejo à seguite forma de desoeração tributária: A) iseção B) aistia C) imuidade D) alíquota zero E) ão icidêcia 6 PREFEITURA

7 PROVA H A deúcia espotâea ão gera os beefícios legalmete previstos a hipótese de: A) tributos sujeitos à homologação regularmete declarados, mas pagos a destempo B) atigimeto das multas fiscais, mas ão das moratórias C) lei específica promulgada pelo ete tributate D) parcelameto da dívida pelo cotribuite E) pagameto da dívida à vista 34. A repetição do idébito gera a seguite situação: A) devolução com juros compesatórios, além dos moratórios, a hipótese de comprovada má-fé do ete tributate B) devolução do pricipal com correção moetária desde o pagameto idevido e juros de mora C) icidêcia da correção moetária desde o trâsito em julgado da decisão codeatória D) icidêcia dos juros a partir da citação a ação judicial E) cálculo dos juros com base a taxa SELIC 35. O Estado de Mias Gerais estipula, por lei, icetivo fiscal por meio do qual admite-se a postergação do recolhimeto do ICMS a empresas istaladas o seu território, o que acarreta o adiameto do repasse, aos Muicípios, da parcela desse imposto. Cotudo, ão se pode admitir o codicioameto por parte do Estado, ete resposável pelos repasses aos Muicípios, em ateção ao seguite fator: A) circustâcia de ascer o ICMS, por expressa determiação da Costituição da República, com dois etes tributates B) expectativa de direito dos Muicípios aos aludidos repasses, ão lhes cabedo iterferir a autoomia do ete estadual C) impossibilidade de igerêcia dos Muicípios sobre a competêcia costitucioalmete acometida aos Estados D) codicioameto do direito dos Muicípios ao efetivo igresso do tributo o erário estadual E) efetividade da autoomia política cocedida pelo costituite aos etes federados 36. A cobraça do Super Simples, os termos istituídos pela Lei Complemetar º 123, de , caberá: A) à Uião B) aos Muicípios C) à Procuradoria da Fazeda Nacioal D) ao Fórum Permaete das Microempresas e Empresas de Pequeo Porte E) às empresas as categorias de microempresa e empresa de pequeo porte 37. O adquirete é resposável pelo IPTU relativo ao imóvel adquirido se: A) ão costar do título a prova de sua quitação B) a aquisição se origiar de arrematação em hasta pública C) o adquirete for sucessor de imóvel pertecete ao de cujus D) a pessoa jurídica de direito privado adquirete resultar de fusão E) o sócio remaescete permaecer o mesmo local, com exploração de atividade similar à da pessoa jurídica de direito privado extita 38. A Fazeda Muicipal, ates da seteça a ação de execução fiscal, verificou que o cotribuite havia quitado parcialmete o crédito e, objetivado iformar tal circustâcia ao juízo, produziu ova certidão de dívida ativa (CDA) e requereu-lhe a jutada e o imediato prosseguimeto da ação. O juiz deferiu a jutada e determiou a reabertura do prazo para embargos do executado. Nessa situação, o juiz ão agiu de maeira válida, pois: A) ão há prazo a lei específica para expedição da certidão egativa B) deveria ter determiado o prosseguimeto do feito com a pehora de bes do devedor C) compromete a liquidez do crédito tributário iscrito em dívida ativa a fluêcia dos juros D) ão se ecotra o âmbito do poder discricioário do Chefe do Poder Executivo a medida relativa a pagameto parcial E) ão seria possível à Fazeda Pública a divulgação de créditos iscritos em dívida ativa, sob pea de ferir o pricípio de proteção ao sigilo fiscal 39. Em 2000, Caio celebra com Tício um cotrato de doação, por meio do qual se comprometeu a etregar a Tício um apartameto, desde que este cotraísse matrimôio, o que fialmete se dá em Ocorre que, em 2001, sobreveio uma ova lei estadual que istituiu o imposto sobre doação, à alíquota de 4% sobre o valor do imóvel doado. Sobre o egócio jurídico celebrado icidirá o seguite imposto: A) existete ates da etrada em vigor da ova lei B) referete à orma meramete iterpretativa C) com a alíquota aterior à sua vigêcia D) relativo à trasmissão iter vivos E) istituído pela ova lei 40. No âmbito da execução fiscal, ão pode o juiz decretar a prescrição itercorrete do crédito tributário a codição idicada a seguite alterativa: A) sem ouvir previamete a Fazeda Pública B) o prazo previsto pela regra geral do Código Civil C) de forma a atigir os chamados laçametos por homologação D) o caso da suspesão da prescrição prevista pela Lei de Execuções Fiscais E) a hipótese de cofissão da dívida, com adesão ao programa de parcelameto oferecido pela Fazeda PREFEITURA 7

8 PROVA H ÉTICA DO SERVIDOR PÚBLICO 41. Receber para si, de forma direta, ates de assumir fução pública, mas em sua razão, vatagem idevida, cofigura o seguite tipo de crime: A) advocacia admiistrativa B) corrupção passiva C) estelioato D) cocussão E) peculato 42. Retardar, idevidamete, prática de ato de ofício, para satisfazer iteresse ou setimeto pessoal, correspode aos seguites tipos de crime e de pea, respectivamete: A) peculato reclusão B) estelioato - reclusão C) cocussão deteção D) corrupção ativa reclusão E) prevaricação deteção 43. Se o fucioário público cocorre para que seja subtraído bem público, em proveito alheio, valedo-se de facilidade que lhe proporcioa a qualidade de fucioário, fica sujeito à seguite pea, além da multa: A) reclusão de dois a oito aos B) deteção de dois a oito aos C) reclusão de dois a doze aos D) deteção de dois a doze aos E) reclusão de quatro a doze aos 44. Se o fucioário exige tributo que sabe idevido pratica crime puido com reclusão pelo período, em aos, correspodete a: A) 2 a 10 B) 2 a 12 C) 3 a 8 D) 3 a 12 E) 4 a Praticado o crime de tráfico de ifluêcia, se o agete alega que a vatagem também é destiada ao fucioário, a pea é aumetada de: A) metade B) um terço C) um quarto D) um quito E) dois terços 47. Reialdo, servidor de hospital público federal, atuado o cotrole de bes, a mudaça da direção do referido ete retira do pátio uma Kombi velha, cedida pelo Miistério da Saúde, e a leva para a oficia de seu viziho a fim de cosertála e utilizá-la em atividade ecoômica própria. Depois de 50 dias procurado o automóvel, a direção do hospital chega à coclusão, após sidicâcia ivestigativa, de que Reialdo retirou o veículo do pátio. Pela descrição, Reialdo praticou o crime de: A) peculato B) cocussão C) prevaricação D) corrupção ativa E) corrupção passiva 48. Se uma pessoa usurpa o exercício de fução pública, auferido vatagem, pratica crime apeado, além da multa, com: A) deteção de um a três aos B) reclusão de dois a cico aos C) deteção de um a quatro aos D) deteção de três meses a dois aos E) reclusão de três meses a quatro aos 49. Quado os autores dos crimes praticados cotra a Admiistração Pública em geral forem ocupates de cargos em comissão de órgão da admiistração direta, a pea será aumetada a proporção de: A) 3/5 B) 2/5 C) 2/3 D) 1/3 E) 1/2 50. Pedro, servidor de temperameto difícil, o horário de seu expediete, acaba praticado violêcia por iterpretar de forma ofesiva, equivocadamete, uma istrução de seu chefe. Diate disso, Pedro está sujeito, além da pea correspodete à violêcia, à deteção pelo período de seis meses a: A) ove meses B) um ao C) dois aos D) três aos E) quatro aos 46. O médico do muicípio de Belo Horizote que abadoa o platão hospitalar o serviço público, causado grave prejuízo, fica sujeito, além da multa, à pea de: A) reclusão de um a três aos B) reclusão de dois a oito aos C) reclusão de quatro a doze aos D) deteção de quize dias a um mês E) deteção de três meses a um ao 8 PREFEITURA

9 PROVA H TABELAS PARA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA TABELA I FATOR DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL i 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 9% 10% 12% 15% 18% 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , TABELA II i 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 9% 10% 12% 15% 18% 1 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , TABELA III a = ( 1 + i ) FATOR DE VALOR ATUAL DE UMA SÉRIE DE PAGAMENTOS FATOR DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL DE UMA SÉRIE DE PAGAMENTOS i 1% 2% 3% 4% 5% 6% 7% 8% 9% 10% 12% 15% 18% 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , a i (1 + i) 1 = i.(1 + i) S i ( 1 + i) 1 = i PREFEITURA 9

10 PROVA H PROVA DISSERTATIVA Pouca ou ehuma vez se realiza com a ambição coisa que ão prejudique terceiros. (Miguel de Cervates) Há riqueza bastate o mudo para as ecessidades do homem, mas ão para a sua ambição. (Mahatma Gadhi) Mas a ambição do homem é tão grade que, para satisfazer uma votade presete, ão pesa o mal que daí a algum tempo pode resultar dela. (Nicolau Maquiavel) A ambição uiversal dos homes é viver colhedo o que uca plataram. (Adam Smith) A pobreza carece de muitas coisas - a ambição carece de todas. (Jea de La Bruyère) Ambição é tudo o que você pretede fazer a vida. São seus objetivos, seus sohos, suas resoluções. As pessoas costumam ter como ambição gahar muito diheiro, casar com uma moça ou um moço boito ou viajar pelo mudo afora. A mais pobre das ambições é querer gahar muito diheiro, porque diheiro por si só ão é objetivo: é um meio para alcaçar sua verdadeira ambição, como viajar pelo mudo. No fim da viagem você estará de volta à estaca zero quato ao diheiro, mas terá cumprido sua ambição. Não há ada de errado em ser ambicioso a vida, muito meos em ter grades ambições. As pessoas mais ambiciosas que coheço ão são os potocom que querem fazer um IPO (sigla de oferta pública iicial de ações) em Nova York. São os líderes de etidades beeficetes do Brasil, que querem acabar com a pobreza do mudo ou elimiar a corrupção do Brasil. Esses, sim, são projetos ambiciosos. Já ética são os limites impostos a busca de sua ambição. É tudo que ão se quer fazer a luta para coseguir realizar seus objetivos. Como ão roubar, metir ou pisar os outros para atigir sua ambição. O problema do mudo é que ormalmete decidimos ossa ambição ates de ossa ética, quado o certo seria o cotrário. Por quê? Depededo da ambição, tora-se difícil impor uma ética que frustrará ossos objetivos. Quado percebemos que ão coseguiremos alcaçar ossos objetivos, a tedêcia é reduzir o rigor ético, e ão reduzir a ambição. A ambição ão pode atecedê-la, é ela que tem de preceder à sua ambição. (Sthefe Kats. Publicado a Revista Veja edição 1684 ao 34 o 3 de 24 de jaeiro de 2001) A ambição é tema de debates filosóficos e de peças teatrais desde tempos imemoriais, passado por gregos, romaos e egípcios e mereceu tratameto especial de Shakespeare, que em várias peças tem a ambição dos seus persoages a mola propulsora de toda a trama e até mesmo a Bíblia Sagrada. Ambição tem a mesma raiz da palavra ambiete ão por acaso. As duas vem de ambire, que sigifica mover-se livremete. Traduzida literalmete e, pricipalmete, se usada corretamete, a palavra ambição sigifica criar seu próprio camiho a vida. É simplesmete você saber o que quer para sua vida, e tetar chegar lá. As pessoas ambiciosas são as que fazem o mudo girar. São as que apresetam projetos, abrem empresas, soham e colocam em ação. Efim, assumem riscos. Preferem a tristeza da derrota à vergoha de ão ter lutado. ( fevereiro/ Raúl Cadeloro) Após a leitura ateta da coletâea, reflita sobre a questão proposta a seguir e produza uma dissertação-argumetativa, com o míimo 30 (trita) lihas e o máximo de 45 (quareta e cico) lihas, a qual defeda seu poto de vista. Atribua a seu texto um título coerete e criativo. Ambição: boa ou má? 10 PREFEITURA

11 PROVA H RASCUNHO DA QUESTÃO DISSERTATIVA PREFEITURA 11

12 ATENÇÃO O cadero de questões cotém 50 (ciqueta) questões de múltipla escolha, cada uma com 5 (cico) alterativas (A,B,C,D,E), orgaizadas da seguite forma: de 01 a 15 - Legislação dos Tributos Muicipais; de 16 a 25 - Matemática e Raciocíio Lógico; de 26 a 40 - Direito Tributário e de 41 a 50 - Ética do Servidor a Admiistração Pública; 1 (uma) questão discursiva e uma folha para rascuho. INSTRUÇÕES 1. A duração da prova é de 4 (quatro) horas, cosiderado, iclusive, a trascrição da resposta da questão discursiva para o Cartão de Respostas e a marcação do Cartão de Respostas. Faça-a com traqüilidade, mas cotrole o seu tempo. 2. Ao ser dado o sial de iício da prova verifique se a prova é para o cargo para o qual cocorre, cofira, também, a umeração das questões e a pagiação. Qualquer irregularidade, comuique ao fiscal de sala. 3. Verifique, o Cartão de Respostas, se seu ome, úmero de iscrição, idetidade e data de ascimeto estão corretos. Caso cotrário, comuique ao fiscal de sala. 4. O Cadero de Questões poderá ser utilizado para aotações, mas somete o texto trascrito o Cartão de Respostas e as respostas assialadas o Cartão de Respostas serão objeto de correção. 5. Leia atetamete cada questão e assiale o Cartão de Respostas a alterativa que respode corretamete a cada uma delas. 6. Observe as seguites recomedações relativas ao Cartão de Respostas: ão haverá substituição por erro do cadidato; ão deixar de assiar o campo próprio; ão pode ser dobrado, amassado, rasurado, machado ou coter qualquer registro fora dos locais destiados às respostas; a maeira correta de marcação das respostas é cobrir, fortemete, com esferográfica de tita azul ou preta, o espaço correspodete à letra a ser assialada; outras formas de marcação diferetes da que foi determiada acima implicarão a rejeição do Cartão de Respostas; será atribuída potuação zero à questão que cotiver mais de uma ou ehuma resposta assialada, ou que cotiver emeda ou rasura. 7. O fiscal ão está autorizado a alterar quaisquer dessas istruções. 8. Você só poderá retirar-se da sala após 60 miutos do iício da prova. 9. Quaisquer aotações só serão permitidas se feitas o cadero de questões. 10. Você poderá aotar suas respostas em área específica do Cadero de Questões, destacá-la e levar cosigo. 11. Os três últimos cadidatos deverão permaecer a sala até que o último cadidato etregue o Cartão de Respostas. 12. Ao termiar a prova, etregue ao fiscal de sala, obrigatoriamete, o Cadero de Questões e o Cartão de Respostas. Não esqueça seu documeto de idetidade. Boa Prova!

Anote aqui seu gabarito e destaque no pontilhado.

Anote aqui seu gabarito e destaque no pontilhado. PROVA G Aote aqui seu gabarito e destaque o potilhado. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

Anote aqui seu gabarito e destaque no pontilhado.

Anote aqui seu gabarito e destaque no pontilhado. PROVA G Aote aqui seu gabarito e destaque o potilhado. 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

Dispensa e Redução de Contribuições

Dispensa e Redução de Contribuições Dispesa Temporária do Pagameto de Cotribuições Dec - Lei º 89/95, de 6 de Maio Dec - Lei º 34/96, de 18 de Abril Dec - Lei º 51/99, de 20 de Fevereiro Lei º 103/99, de 26 de Julho Taxa Cotributiva Dec

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO

OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO OS TRABALHOS DO SR. RICHARD PRICE * E O SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO UM RESUMO Esta matéria comprova a afirmação do autor Thales Mello de Carvalho - Matemática Comercial e Fiaceira - falecido em 1961,

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013

ANDRÉ REIS MATEMÁTICA. 1ª Edição NOV 2013 ANDRÉ REIS MATEMÁTICA TEORIA 6 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS GABARITADAS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Adré Reis Orgaização e Diagramação: Mariae dos Reis ª Edição NOV 0

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante

AMORTIZAÇÃO 31/10/2015. Módulo VII Sistemas de Amortização. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Constante Módulo VII Sistemas de Amortização Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO SAC Sistema de Amortização Costate AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO é o pagameto do capital emprestado, realizado por

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Uiversidade Comuitária da Região de Chapecó Sistemas de Iformação $$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ MATEMÁTICA FINANCEIRA (MATERIAL DE APOIO E EXERCÍCIOS) $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

Dependência funcional

Dependência funcional Depedêcia fucioal Agélica Toffao Seidel Calazas E-mail: agelica_toffao@yahoo.com.br Normalização Ocorre quado um atributo ou cojuto de atributos depede fucioalmete de outro atributo. Por exemplo: a etidade,

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares Matemática Fiaceira para Gestão de Negócios Júlio Cezar dos Satos Patrício Cosiderações Prelimiares O objeto do presete estudo, que ão tem a pretesão de esgotar o assuto, é oferecer base aos empresários

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

5. A nota final será a soma dos pontos (negativos e positivos) de todas as questões

5. A nota final será a soma dos pontos (negativos e positivos) de todas as questões DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA - UFMG PROVA DE ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE SELEÇÃO - MESTRADO/ UFMG - 2013/2014 Istruções: 1. Cada questão respodida corretamete vale 1 (um) poto. 2. Cada questão respodida

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006

Revisão 01-2011. Exercícios Lista 01 21/02/2011. Questão 01 UFRJ - 2006 Aluo(a): Professor: Chiquiho Revisão 0-20 Exercícios Lista 0 2/02/20 Questão 0 UFRJ - 2006 Dois estados produzem trigo e soja. Os gráficos abaixo represetam a produção relativa de grãos de cada um desses

Leia mais

REGISTRA AS RECEITAS E OUTROS VALORES ARRECADADOS PELA REDE DE AGENCIAS BANCARIAS DO BRADESCO A CONTA UNICA DO TESOURO NACIONAL.

REGISTRA AS RECEITAS E OUTROS VALORES ARRECADADOS PELA REDE DE AGENCIAS BANCARIAS DO BRADESCO A CONTA UNICA DO TESOURO NACIONAL. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - Administração Pública do Estado do Pará (Versão 1.2, 16/08/13) OTA: Plano de Contas baseado no 'Plano de Contas Aplicado ao Setor Público - Modelo IPC 00 (Março

Leia mais

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO

TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO TAXA DE JUROS DE LONGO PRAZO Ídice 1. Regulametação e Vigêcia...pág.2 2. Metodologia de Cálculo da TJLP...pág.2 3. Aplicabilidade da TJLP...pág.3 4. Metodologia de Cálculo dos Cotratos do BNDES atrelados

Leia mais

Notas de aula de Matemática Financeira

Notas de aula de Matemática Financeira Notas de aula de Matemática Fiaceira Professores: Gelso Augusto SUMÁRIO 1. Sistema de capitalização simples...3 1.1 Itrodução:...3 1.2 Coceitos Iiciais....3 1.3 Juros Simples...5 1.3.1 Motate simples...5

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w

Influência do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimentos na determinação de L n,w Ifluêcia do ruído aéreo gerado pela percussão de pavimetos a determiação de,w iogo M. R. Mateus CONTRAruído Acústica e Cotrolo de Ruído, Al. If.. Pedro, Nº 74-1º C, 3030 396 Coimbra Tel.: 239 403 666;

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Prova Específica para o Curso de Administração e Ciências Contábeis

Prova Específica para o Curso de Administração e Ciências Contábeis Prova Específica para o Curso de Admiistração e Ciêcias Cotábeis 06 de dezembro de 011 INSTRUÇÕES 1. Verifique se este cadero cotém 30 questões.. Ao costatar qualquer irregularidade com relação ao total

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ONDAS DE CHOQUE 06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbo Cataratas Foz do Iguaçu - PR REF: Exposição Paralela Motadora Oficial: Stads Solutios STTC Evetos e Turismo Telefoe: (45)

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE D TEORIA E 146 QUESTÕES POR TÓPICOS. 1ª Edição JUN 2013 CONCURSO PÚBLICO 01 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL UFMS MATEMÁTICA PARA TODOS OS CARGOS DA CLASSE "D" TEORIA E 16 QUESTÕES POR TÓPICOS Coordeação e Orgaização: Mariae dos Reis 1ª Edição

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES)

MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) MATEMÁTICA FINANCEIRA BÁSICA (SEM COMPLICAÇÕES) APOIO AO MICRO E PEQUENO EMPRESÁRIO Nehuma empresa é pequea quado os dirigetes são grades e o segredo para ser grade é se istruir sempre! PROJETO INTEGRALMENTE

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização

MATEMÁTICA FINANCEIRA. Capitalização MATEMÁTICA FINANCEIRA Capitalização Seu estudo é desevolvido, basicamete, através do seguite raciocíio: ao logo do tempo existem etradas de diheiro (RECEITAS) e saídas de diheiro (DESEMBOLSOS) os caixas

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais