GESTÃO DE PESSOAS: O DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇAS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JULIO DE MESQUITA FILHO" UNESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE PESSOAS: O DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇAS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JULIO DE MESQUITA FILHO" UNESP"

Transcrição

1 Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 GESTÃO DE PESSOAS: O DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇAS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JULIO DE MESQUITA FILHO" UNESP Emília Maria Gaspar Tóvolli

2 Painel 19/069 Gerenciando o futuro das organizações GESTÃO DE PESSOAS: O DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇAS NA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JULIO DE MESQUITA FILHO" UNESP Emília Maria Gaspar Tóvolli RESUMO A Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP está presente em 23 cidades do Estado de São Paulo com 34 Unidades. Sua configuração multicampi exige soluções para um modelo de gestão, cujo maior desafio é manter o equilíbrio entre as instâncias administrativas locais e central. A gestão de pessoas na universidade constitui um desafio permanente, especialmente pelas características da administração pública, onde predominam relações estáveis e duradouras. A manutenção de um plano de Cargos e Salários atraente, Plano de Carreiras e um sistema de Gestão do Desempenho foram desde cedo desafios que se configurariam como permanentes. O programa permanente de desenvolvimento do corpo técnico-administrativo criado em 2005, que possui entre suas prioridades o desenvolvimento de lideranças está, aos poucos, modificando sua cultura organizacional, fortalecendo a gestão do desempenho e a prática do planejamento como uma potente ferramenta de gestão. Neste trabalho pretende-se apresentar o desenvolvimento desse programa desde sua concepção, dificuldades encontradas e perspectivas para o futuro.

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO UNESP: CRIAÇÃO E ORGANIZAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS Plano de cargos, salários e carreira na Unesp Gestão do desempenho Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo METODOLOGIA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 25

4 3 1 INTRODUÇÃO A gestão de pessoas entendida como um conjunto de práticas e políticas destinadas a gerir e orientar o comportamento humano com vistas à consecução dos objetivos organizacionais ainda pode ser considerada recente na administração pública. Os antigos departamentos de pessoal, voltados apenas para o cumprimento da legislação trabalhista e para os controles ainda existem, muitas vezes, com outras denominações. Entretanto, muito se avançou na construção e implantação de políticas institucionais capazes de assegurar maior eficiência e a consecução da missão institucional. Na Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Unesp, os avanços nesse sentido aconteceram de forma mais incisiva a partir de 1998 com a implantação de um novo Plano de Cargos, Salários e Carreira e a partir de 1999, quando foi aplicado o sistema de gestão do desempenho, desenvolvido internamente na própria universidade, o Acompanhamento do Desenvolvimento Profissional (ADP). Ao ser implantado, o ADP desafiaria os então Chefes de Seção de Pessoal, a extrapolar as atividades burocráticas de administração de recursos humanos para atuar na complexa atribuição de orientar o processo de gestão do desempenho. Introduziria assim, na rotina desses servidores atribuições voltadas ao desenvolvimento das pessoas, o que levou inclusive a uma alteração de denominação das áreas de recursos humanos da universidade, de Seção de Administração de Recursos Humanos para Seção Técnica de Desenvolvimento e Administração de Recursos Humanos. Em paralelo, verificou-se o início de um processo de formação e qualificação das chefias que culminaria com a criação, no ano de 2005, de um Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo, mais abrangente, que manteria, no entanto, entre suas prioridades a formação e desenvolvimento de gestores.

5 4 2 UNESP: CRIAÇÃO E ORGANIZAÇÃO A Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP está presente em 23 cidades do Estado de São Paulo com 34 unidades universitárias, alunos, 122 cursos de graduação, 213 cursos de pós-graduação, servidores técnicos e administrativos e professores. Criada em 1976 por meio da congregação de institutos e faculdades instalados no interior do estado de São Paulo, constitui uma autarquia de regime especial com autonomia didático-científica, administrativa, disciplinar e de gestão financeira e patrimonial. É regida pelos princípios de liberdade de pensamento e de expressão de criação e de transmissão do saber e da cultura, tendo entre seus principais objetivos criar e transmitir o saber por meio de ensino público, gratuito e de qualidade. Em sua organização tem como uma das principais diretrizes a cooperação entre as Unidades Universitárias, responsáveis pelos estudos e atividades necessárias a cada curso, projeto ou programa.. Sua configuração multicampus vem exigindo desde sua concepção, um modelo equilibrado de gestão, cujo maior desafio é manter o equilíbrio entre as instâncias administrativas de cada uma das Unidades Universitárias e a central, situada na Reitoria em São Paulo. Esta, tendo sob sua responsabilidade a elaboração das políticas institucionais e estabelecimento de diretrizes, tem nos órgãos colegiados centrais a base de um processo decisório democrático e transparente. Na composição dos órgãos colegiados centrais e também locais, setenta por cento dos assentos é ocupado pelo corpo docente, quinze por cento pelo corpo técnico-administrativo e quinze por cento pelos alunos, todos eleitos por seus pares. Em 2009 a Unesp deu um passo estratégico importante em termos institucionais ao elaborar seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), após um longo processo de discussões e reflexões internas aprofundadas sobre sua responsabilidade perante a sociedade, metas e visão de futuro. Sua missão:

6 5 exercer sua função social por meio do ensino, da pesquisa e da extensão universitária, com espírito crítico e livre, orientados por princípios éticos e humanísticos. Promover a formação profissional compromissada com a qualidade de vida, a inovação tecnológica, a sociedade siustentável, a equidade social, os direitos humanos e a participação democrática. Gerar, difundir e fomentar o conhecimento, contribuindo para a superação de desiguldades e para o exercício pleno da cidadania. Desde então, todas as ações são pautadas pelas diretrizes ali estabelecidas com vistas a concretização plena da missão da universidade, inclusive no que se refere à política de recursos humanos e, especificamente, à qualificação continuada e progressiva do corpo técnico-administrativo. A gestão universitária na Unesp se dá por meio de uma estrutura administrativa que prevê, no que se refere a gestão de pessoas, uma Seção Técnica de Administração e Desenvolvimento de Recursos Humanos (STDARH) para cada unidade universitária e um responsável por essa atividade nos Campi Experimentais. A Coordenadoria de Recursos Humanos (CRH), lotada na Reitoria da Unesp, em São Paulo e vinculada hierárquicamente à Pró-Reitoria de Administração, é o órgão que possui entre suas atribuições a elaboração e coordenação de políticas de gestão de pessoas e orientação das STDARHs. Para tanto, a CRH conta com um quadro que atua na sede, em São Paulo, e um grupo de Assistente Regionais que auxiliam os profissionais de recursos humanos das Unidades na gestão dos programas de formação e desenvolvimento do corpo técnico-administrativo locais. 3 GESTÃO DE PESSOAS A gestão de pessoas na universidade constitui um desafio permanente, especialmente pelas características da administração pública, onde predominam relações estáveis e duradouras. Gestão do desempenho, plano de carreira, motivação para o trabalho não são temas simples nesse ambiente, consideradas as amarras burocrático-legais como também a cultura organizacional.

7 6 A administração pública obedece entre outros, ao princípio da legalidade, ou seja, pode fazer apenas o que está previsto em lei, inversamente ao setor privado, que pode fazer tudo o que a lei não proíbe. A contratação é um exemplo claro: no setor privado é feita segundo critérios estabelecidos pelo empregador enquanto na administração pública deve atender também a preceitos constitucionais como a realização de concurso público, a fim de assegurar a todos os cidadãos o direito de concorrer de forma igualitária a um cargo público. Em decorrência da obrigatoriedade do concurso público tem-se alguns desdobramentos como por exemplo, algumas limitações no que se refere a plano de carreiras. Não é possível promover a ascensão interna de servidores públicos, a não ser em casos bastante delimitados em que se verifique mesma natureza de atividades com graus de complexidade diferentes. A estabilidade no emprego, assegurada ao servidor público estatutário após três anos de vínculo, é outra situação que torna significativamente complexa a gestão do desempenho, principalmente, por gerar, em muitos casos, uma cultura organizacional desfavorável a avaliação efetiva. Assim, se por um lado a legislação cumpre sua função ao assegurar concretamente ao cidadão seus direitos, por outro, desafia o gestor de pessoas a criar formas inovadoras de atrair, reter e motivar pessoas competentes em seus quadros e assim, melhorar contínuamente a qualidade dos serviços prestados. Essa é uma necessidade que se impõe a todas as organizações. O mundo globalizado favorece a movimentação dos profissionais bem qualificados de forma que atrair e, principalmente reter bons profissionais constitui uma das grandes dificuldades atuais, o que também se verifica no setor público, conforme afirma Di Giácomo: [...] é preciso levar em conta, que as pessoas melhor qualificadas e com boa formação profissional, como os jovens servidores, por exemplo, podem não estar dispostos a esperar 15 ou 20 anos para chegar ao topo da carreira. Portanto, não basta apenas atrair, treinar e desenvolver os talentos, mas acima de tudo, matê-los na universidade, sinalizando com a possibilidade concreta de ascensão e oportunidades na carreira. (Di Giácomo, 2006, p.140). Tem-se assim uma necessidade imperiosa e prioritária, de formar e desenvolver contínuamente os gestores responsáveis por desenvolver políticas de gestão de pessoas adequadas à realidade atual da administração pública.

8 7 Na Unesp as principais ações nesse sentido tiveram início com a implantação do Plano de Cargos, Salários e Sistema Retribuitório em 1998 e o Sistema ADP em Plano de cargos, salários e carreira na Unesp Carreira são as sequências de posições ocupadas e de trabalhos realizados durante a vida de uma pessoa. A carreira envolve uma série de estágios e a ocorrência de transições que refletem necessidades, motivos e aspirações individuais e expectativas e imposições da organização e da sociedade. Da perspectiva do indivíduo, engloba o entendimento e a avaliação de sua experiência profissional, enquanto da perspectiva da organização engloba políticas, procedimentos e decisões ligadas a espaços ocupacionais, níveis organizacionais, compensação e movimento de pessoas. Essas perspectivas são conciliadas pela carreira dentro de um contexto de constante ajuste, desenvolvimento e mudança. (London e Stumph in Dutra, 2002, p. 100). O Plano de Cargos, Salários e Carreira criado em 1998 para o corpo técnico e administrativo da Unesp reorganizou o sistema retribuitório e introduziu a promoção com base no mérito. Conforme Pontes (2011) para que a organização ofereça a seus colaboradores um ambiente motivador que favoreça a integração e a eficiência, é necessário um plano adequado de gestão de pessoas, do qual o plano de cargos e salários constitui a base. Por meio dele se organiza a hierarquia dos cargos, que são analisados, descritos, classificados em grupos ocupacionais e por fim avaliados a partir de requisitos e fatores como: nível de escolaridade, experiência prévia, grau de responsabilidade por erros e por equipamentos, número de supervisionados, esforço físico e mental, entre outros. A avaliação dos cargos resulta em escalas salariais, que no caso da Unesp, foi dividida em dois tipos: Funções Efetivas e Funcões em Confiança. Os perfis ocupacionais de 119 funções efetivas e 29 funções de confiança foram elaborados ou revistos e atualizados. Foram estabelecidos também os institutos de evolução funcional: Promoção, Progressão e Acesso.

9 8 A Promoção constituiu em uma forma de movimentação horizontal (graus) a partir de critérios relacionados ao desempenho, mais tarde verificado pelo Sistema ADP. A Progressão, regulamentada porém nunca implementada de fato, previa ascensão vertical, com base nos graus de complexidade das atividades desenvolvidas. O acesso, um instituto, que atualmente não está mais vigente, permitia a passagem para funções imediatamente superiores, obedecidas as trajetórias estabelecidas. Em 2008 o Plano de Carreiras foi reestruturado, porém a estrutura das escalas salariais foi mantida. A Promoção foi revista e passou a comportar além da ascensão horizontal por desempenho, a promoção vertical por escolaridade formal. No primeiro caso, além de critérios de desempenho pelo processo de Acompanhamento do Desempenho Profissional (ADP), passaram a ser consideradas as qualificações obtidas num determinado período treinamentos, cursos de atualização profissional, palestras, entre outros. E para a ascensão vertical, foi estabelecido um critério que incentiva o servidor a buscar outros níveis de escolaridade formal, ou seja, a cada nível de escolaridade obtido, acima daquele exigido pela função exercida, é concedida uma promoção, que corresponde a 5% do seu vencimento. Os perfis ocupacionais foram revistos de forma a tornar mais sintética e abrangente a descrição, evitando se assim os desvios de função ou rigidez excessiva no entendimento dos llimites da atuação. Em 2011 e 2012 novas adequações foram feitas, com objetivo principal de promover o equilíbrio externo em relação às outras universidades estaduais paulistas Universidade de São Paulo e Universidade Estadual de Campinas, que integram o Cruesp Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo. Com os agrupamentos das funções levados a efeito por meio da Resolução Unesp 42/2012 o número total foi reduzido para 80.funções efetivas e 33 funções de confiança.

10 9 Os institutos denominados Promoção e Mobilidade Funcional, foram mantidos bem como o Sistema ADP que subsidia os institutos em seus critérios. Este, implantado em 1999, como todo processo de avaliação de desempenho, continuou a exigir ações permanentes para assegurar avaliações efetivas, o que está relacionado principalmente ao exercício da liderança. 3.2 Gestão do desempenho Avaliação de desempenho é um tema complexo nas organizações, tanto para o avaliador com também para o avaliado. Além de envolver, em geral, algum grau de subjetividade decorrente de caracterísitcas pessoais como percepção, nível de exigência, capacidade analítica, recebe enquanto processo, influências das circunstâncias do ambiente e do clima organizacional. Na administração pública, onde as relações são estáveis e duradouras torna-se bastante comum o paternalismo e o relacionamento que extrapola o ambiente de trabalho. Assim, a escolha da ferramenta adequada constitui fator estratégico, mas não suficiente, é preciso preparar as pessoas para o processo, especialmente os gestores que coordenam equipes de trabalho. O homem é fundamentalmente um ser prático. E para fazer coisas, transformar a realidade ele planeja, estabelece finalidades, define projetos e os executa. Ao verificar o resultado ou produto de sua intervenção na natureza ou na sociedade, ele avalia. Neste sentido a avaliação é um processo abrangente da existência humana. Ao verificar a eficácia do produto ou o resultado da ação, o homem busca captar os avanços, os recuos, as resistências e as dificuldades da realidade para uma balança de acertos e erros definir as possibilidades de tomar novas decisões sobre o que fazer para corrigir, melhorar ou superar as dificuldades. ( Chaves, 2006, p. 122). O sistema denominado Acompanhamento do Desenvolvimento Profissional (ADP), que está vigente desde 1999 na Unesp, foi desenvolvido internamente por seus técnicos com ferramenta que visa favorecer ao mesmo tempo, o desenvolvimento institucional e pessoal, de cada servidor.

11 10 Trata-se de um processo participativo, relizado anualmente, que num prazo de doze meses percorre três etapas: Planejamento, Acompanhamento e Análise do Desempenho. Em todas as fases servidor e responsável pela área discutem abertamente e definem não apenas o que deve ser feito, mas também como, em que condições e prazos. Fatores e indicadores de desempenho disponibilizados pelo sistema e escolhidos no Planejamento por ambos, de comum acordo, estabelecem padrões de comportamento esperados como comunicação, flexibilidade, iniciativa, entre outros. O processo dura um ano, ao final do qual, na etapa de Análise de Desempenho é atribuída uma pontuação, que será utilizada para concorrer a Promoção, a cada três anos. Em 2003, um grupo de trabalho constituído para aperfeiçoamento do ADP, identificou vários obstáculos e propôs soluções, muitas delas relacionadas ao papel do responsável, como a dificuldade para planejar as atividades e estabelecer metas. Pontuações excessivamente altas também foram identificadas, dando indicativos de paternalismo nas relações entre responsável e servidor. Dessa forma, a implantação do sistema ADP forneceu indicativos importantes relacionados a performance dos gestores, utilizados nas ações relacionadas a treinamento e desenvolvimento e na elaboração do programa permanente de desenvolvimento dos servidores que viria ser criado em Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo Os princípios que norteiam o Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo, conforme constou do documento quando de sua divulgação, consideram a Unesp um projeto coletivo em desenvolvimento contínuo a partir da interação e do desenvolvimento profissional e pessoal das categorias docente, discente e técnico-administrativa, em busca da excelência no ensino, pesquisa e extensão de serviços à comunidade. Nesses termos, o desenvolvimento profissional amplo, e não apenas técnico, do corpo técnico-administrativo está posto como parte fundamental para a eficácia da gestão universitária como também, dada a caracterísitca multicampi da universidade, a parceria e compromisso mútuo entre a Administração Central e as Unidades Universitárias.

12 11 É razoável assumir, que um programa de educação continuada de seus quadros, representa uma ação estratégica indispensável à gestão universitária eficaz e de resultados, o que permite às instituições melhorarem significativamente os seus indicadores de qualidade e desempenho, a partir de sua missão e de seus valores compartilhados. (Di Giácomo, 2006, p.140) No ano de criação o Programa Permanente recebeu um pequeno aporte de recursos orçamentários e contou com a colaboração dos professores e técnicos especializados da própria universidade para ministrar os cursos, atendendo apenas servidores. Nos anos seguintes o programa cresceu, recebeu mais recursos, diversificou os temas, passando a contar com consultores externos especializados e em 2010 foi regulamentado por meio da Portaria Unesp n o 245/2010. Anualmente é elaborado um programa com base, principalmente, nos indicativos do ADP, mas também em atendimento a demandas específicas verificadas durante o ano solicitações dos servidores, dos responsáveis pelas áreas ou decorrentes da implantação de uma nova atividade, mudanças na legislação, entre outros. Podem ser centralizados ou locais, de acordo com as necessidades e especificidades de cada Unidade Universitária e conforme as condições institucionais. Sob responsabilidade da CRH, os programas centralizados são realizados em ambiente externo a universidade, a fim de promover a integração dos servidores qua atuam nos diferentes campi da Unesp, em diferentes cidades, que, em alguns casos distam mais de 800 Km. Dessa forma se evita também a ausência ou interrupções durante os cursos, seja por motivos pessoais ou de trabalho. O programa está organizado em quatro frentes, com objetivos específicos. A Formação de Gestores visa o desenvolvimento do profissional como gestor de pessoas e o equacionamento de problemas encontrados no desempenho de seu papel. Sua base temática é comportamental mas pode oferecer também cursos técnicos de instrumentalização para o trabalho. O desenvolvimento dos profissionais de recursos humanos tem como objetivo a formação para atuação estratégica nas unidades. Os programas para atualização técnica contemplam o aprimoramento das atividades técnicas de acordo com a área.

13 12 Por fim, os programas específicos, são destinados à formação de categorias de servidores, que eventualmente podem ser das bibliotecas, Motoristas, servidores que atendem o público, enfim, categorias que tenham atividades comuns. Em nível local, os programas estão sob responsabilidade dos profissionais de recursos humanos das unidades, com o assessoramento técnico de um profissional da CRH, contratado específicamente para essa atividade, e atua regionalmente, em cinco ou seis Unidades. Para os programas centralizados o recurso orçamentário-financeiro é disponibilizado anualmente, conforme o PDI da Universidade. Nas Unidades é utilizada a verba de custeio local, que consiste em repasse orçamentário da Reitoria e receita da própria unidade Em 2005 foram treinados servidores. Tabela 1: Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp Cursos oferecidos em 2005 ÁREA/POPULAÇÃO CURSO CARGA HORÁRIA Reitor, Vice-Reitor, Assessores Chefes e Diretores de Unidade Abertura do Programa Permanente 6 horas Diretores de Áreas e de Serviço Planejamento Supervisores de Seção e de Setor Planejamento Diretores de Áreas e de Serviço Gestão de Desempenho Supervisores de Seção e de Setor Área de Recursos Humanos Área de Recursos Humanos Área de Recursos Humanos Gestão de Desempenho Caracterização das Demandas Treinamento Acompanhamento Desenvolvimento Profissional (ADP) Concurso Público e Aposentadoria Fonte: Arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos. Elaboração própria.

14 13 Em 2006 o número de servidores contemplados no Programa Central foi 1.296, em temas com enfoque comportamental como Gestão do Desempenho, que envolveu, inclusive o alto escalão da universidade Reitor e Pró-Reitores, Gestão do Atendimento, oferecido nesse ano inicialmente aos gestores e no ano seguinte oferecido aos técnicos que atendem ao público, como também cursos mais específicos como informática, inglês, cerimonial. Tabela 2: Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp Cursos oferecidos em 2006 ÁREA/POPULAÇÃO CURSO CARGA HORÁRIA Servidores da Área de Recursos Humanos Reitor, Vice-Reitor, Assessores e Diretores de Unidades Profissionais das Áreas de Recursos Humanos Cálculos e pagamentos dos benefícios previdenciários no Serviço Público Processo de Responsabilização e Gestão do Desempenho Reestruturação do Plano de Carreira, Referendo do ADP e ADP on line Supervisores de Seções e Setores Gestão de Processos Supervisores das Seções com atividades ligadas ao atendimento ao público interno e externo, do Campus de Bauru (AG, FAAC, FC e FE), Jaboticabal e São José do Rio Preto. Supervisores das Seções de Comunicações Servidores das Áreas Acadêmicas com atividades ligadas ao Cerimonial Supervisores das Seções de Contabilidade Diretor Técnico Acadêmico e Supervisores de Seção de Graduação Gestão do Atendimento Protocolo, Arquivo e Organização Documental* Cerimonial e Organização de Eventos* Contabilidade Pública* Encontro para Formação Continuada dos Servidores da Área Acadêmica 12 horas 6 horas 8 horas 24horas 24 horas 12 horas 12 horas 12 horas 12 horas Servidores da Reitoria Excell Módulo I (3 turmas) 24 horas Servidores da Reitoria Excell Módulo II (1 turma) 40 horas Servidores da Reitoria Power Point (2 turmas) 20 horas Servidores da Reitoria Access módulo I (1 turma) 40 horas Servidores da Reitoria Inglês Básico 20 horas

15 14 Servidores da Reitoria Elaboração de Textos 20 horas Servidores da Reitoria Palestra: Ergonomia 3 horas Servidores da Reitoria Palestra: Gerúndio e Gerundismo 3 horas Servidores da Reitoria Palestra: Ética na Adm. Pública 3 horas Fonte: Arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos. Elaboração própria. Em 2007 participaram do Programa Central servidores em temas bem diversificados como Registro de Preços, Gestão de processos, técnicas para copeiros, vigilância. Tabela 3:Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp Cursos oferecidos em 2007 POPULAÇÃO ALVO CURSO CARGA HORÁRIA Servidores da Área de RH Supervisores de áreas ligadas ao atendimento Servidores da área de Folha de Pagamento Recadastramento de servidores ativos Gestão do Atendimento SEFIP 8.3 e GRRF 8 8 Responsáveis pelo Almoxarifado e Patrimônio Gestão de Almoxarifado e Patrimonio do setor Público Servidores em geral Supervisores da Área de Materiais Programa Nacional de Educação Fiscal Registro de Preços 8 Servidores da Seção de Zeladoria Técnicas do trabalho de Copeiro 8 Supervisores da Área de Comunicações Secretários Servidores dos Campi Experimentais Tabelas de temporalidade Técnicas Secretarias na Administração Pública Licitações e Contratos Administrativos/Licitação passo a passo e as implicações da LC 123/06 12 Servidores da Área de RH Melhores Práticas de RH

16 15 Servidores e Supervisores da Área de Vigilância Servidores em geral Motoristas Treinamento para Agentes de Vigilância e Recepção* Planejamento do orçamento doméstico Transporte coletivo de passageiros Fonte: Arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos. Elaboração própria. 2 No ano de 2008 o número de participantes aumentou para 3.7. e o tema principal foi o atendimento ao público que envolveu mais de servidores em curso ministrado pela Fundação do Desenvolvimento Administrativo- Fundap. Tabela 4: Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp Cursos oferecidos em 2008 ÁREA/POPULAÇÃO CURSO CARGA HORÁRIA Secretários / Campus de Jaboticabal Agente de vigilância e Recepção e Supervisores / Universidade Prof. Área de Recursos Humanos Área de Materiais Técnicas Secretariais na Administração Pública Re-qualificação Profissional Programa de Acompanhamento de Estágio Probatório Formação/Capacitação de Pregoeiros / Pregão Presencial 12 horas 12 horas 20 horas Diretor Técnico Administrativo/Área de Reestruturação do Plano de Carreira Recursos Humanos Servidores do Câmpus de Melhoria da Qualidade do Jaboticabal Atendimento Técnicos de Laboratório Proteção Radiológica 50 horas Diretor de Serviço de Atividades Auxiliares e Gerenciamento de Frotas no Serviço Supervisor da Área de Público Transporte Área de Recursos Humanos Gestão Estratégica de Recursos Humanos Área de Transporte Melhoria da Qualidade de Vida dos Motoristas Servidores da Universidade Melhoria da Qualidade do Atendimento ao Cidadão

17 Área de Recursos Humanos Área de Recursos Humanos Reunião sobre Concurso Público de Docente II Melhores Práticas de Recursos Humanos Fonte: Arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos. Elaboração própria. 12 horas Em 2009 participaram servidores do Programa Central. Teve início nesse ano o programa de formação e desenvolvimento de lideranças desenvolvido por um consultor externo em conjunto com os técnicos da CRH e diretores de áreas das Unidades que se reuniram para discutir o programa, a cultura organizacional, dificuldades, limitações e expectativas. Tabela 5: Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp Cursos oferecidos em 2009 ÁREA/POPULAÇÃO CURSO CARGA HORÁRIA Área de Recursos Humanos Gestão de Pessoal CLT Área de Conservação e Manutenção Área de Transporte / Supervisores Supervisor Centro de Convivência Infantil Área de Recursos Humanos Biblioteca Àrea de Recursos Humanos e Área de Informática Área de Recursos Humanos Seção Técnica de Saúde Secretários / Reitoria / IA / IFT Serviços Gerais Alavancando resultados através da postura estratégica Melhoria da Qualidade de Vida dos Motoristas Formação Permanente dos servidores dos Centros de Convivência Infantil Reestruturação do Plano de Careira e Implantação do Sistema de RH I Encontro de Assistentes de Serviços de Documentação, Informação e Pesquisa Capacitação para implantação do Sistema de RH Regularização das Licenças para Tratamento de Saúde publicadas pela Unesp Comunicação em foco Performance para a otimização e assertividade na atuação profissional 8 horas 14 horas 7 horas 8 horas

18 17 Supervisor Centro de Convivência Infantil Seção Técnica de Saúde Diretores de Áreas Assessores Administrativos I, II,III e Secretários da Universidade Diretor Técnico Administrativo / Área de Recursos Humanos e Seção Técnica de Saúde Formação Permanente dos servidores dos Centros de Convivência Infantil Abordagem Diagnóstica em Psiquiatria: Síndromes Psiquiátricas mais frequentes na prática clínica e sua identificação Liderança e Gestão de Pessoas Performance, Pessoas e Resultados (PPR) Comunicação em foco Performance para a otimização e assertividade na atuação profissional Saúde e Segurança do Trabalhador 24 horas 12 horas 6 horas 8 horas 21 horas Diretor de Serviço de Atividades Auxiliares e Supervisor da Área de Transporte Diretor Técnico Administrativo / Área de Recursos Humanos Melhores Práticas de Transporte III Melhores Práticas de Recursos Humanos 12 horas 14 horas Fonte: Arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos. Elaboração própria. Em 2010 foram treinados servidores. Tabela 6: Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp Cursos oferecidos em 2010 AREA / POPULAÇÃO CURSO CARGA HORÁRIA Diretores de Área da Universidade Diretor de Biblioteca, Supervisores da STATI e STRAUD e bibliotecários Liderança e Gestão de Pessoas Performance, Pessoas e Resultados (PPR) II Reunião de Bibliotecários da rede de Bibliotecas da Unesp Área de Recursos Humanos Gestão de Pessoal (CLT)

19 18 Seção Técnica de Saúde Comunicação em Foco Performance para a otimização e assertividade na atuação profissional Profissionais da CRH O Jogo das Competências CARH e profissionais da ARH Instituto da Promoção DTAd e profissionais da ARH Profissionais da Seção Técnica de Saúde e ARH Planejamento anual de treinamento Procedimentos Administrativos em Perícia Médica e Saúde do Trabalhador 18 horas 152 horas Diretores Técnicos Acadêmicos e Supervisor da Área de Graduação Projeto Político Pedagógico (PPP), dos cursos de Graduação Diretores de Área da Universidade Follow Up Liderança e Gestão de Pessoas 8 horas Profissionais da ARH Folha de Pagamento 8 horas Servidores que atendem Auditores do Tribunal de Contas Contadores e Gestores Servidores das Unidades Complemantares Assistentes de Serviços de Documentação, Informação e Perquisa Vice-Diretores e Vice- Coordenadores Seção Técnica de Saúde e Área de RH Profissionais dos Restaurantes Universitários Diretores da Divisão Técnica Acadêmica e Supervisores da Seção Técnica Acadêmica Servidores da Fazenda de Ilha Solteira Prestação de contas anual de autarquias I Forum de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Normas de adiantamento II Encontro de Assistentes de Serviços de Documentação, Informação e Perquisa Liderança e Gestão de Pessoas Performance, Pessoas e resultados (PPR) I Encontro Previdenciário entre INSS e UNESP Boas Práticas na Manipulação dos Alimentos Fórum da Área Acadêmica: A Pesquisa no Contexto da Universidade e Divulgação da Proposta do Novo Manual de Convênios Diagnóstico do Cotidiano 10 horas 4 horas 8 horas 12 horas 8 horas

20 19 Diretores de Área da Universidade Reforço ao Follow Up do Programa de Liderança e Gestão de Pessoas Visão 2011 Gestores da Universidade Melhores Práticas de Gestão 18 horas Servidores da Seção Técnica de Materiais Fiscalização Competente de Contratos de Obras e Serviços Terceirizados Servidores dos Centros de Convivência Infantil Projeto de Formação Permanente Vice-Diretores e Vice- Follow Up Liderança e Gestão Coordenadores de Pessoas Uso do Sistema Orçamentário, Servidores da Área Administrativa Financeiro e Contábil (SISOFC) 8 horas Motoristas Atualização de Motoristas 12 horas Fonte: Arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos. Elaboração própria. O curso Liderança e Gestão de Pessoas Performance, Pessoas e Resultados (PPR), iniciado em 2009 foi oferecido a diretores de áreas administrativas, acadêmicas, informática, atividades auxiliares e bibliotecas, grupo considerado estratégico pela posição hierárquica de elo entre a direção geral da unidade e as demais equipes de trabalho. O programa utilizou metodologia participativa, material didático especialmente elaborado para esse fim e textos de apoio para leituras posteriores. Os objetivos estabelecidos abrangeram: assegurar a consecução de resultados significativos para a universidade; contribuir para a valorização de competências relacionadas a visão estratégica da Unesp, gestão de mudanças e planejamento; desenvolvimento de um ambiente motivador e de respeito; analisar e debater valores, crenças e convicções sobre como os profissionais percebem as pessoas na situação de trabalho e suas repercussões sobre motivação, negociação, delegação, processo decisório, feedback, mudança e inovação; elaboração de um plano de trabalho.

21 20 A participação dos gestores nesse programa foi próxima de 100%. O plano de ação elaborado durante o curso, obteve repercussão nas unidades, inclusive entre os professores, que não integram a população-alvo do Programa Permanente. Tais professores, intelectuais, cientistas das diversas áreas de conhecimento, ao serem eleitos para funções que extrapolam a atividade acadêmica como a direção da Unidade, defrontam-se com o desafio da gestão universitária e o exercício da liderança. Em 2011 os vice-diretores das 34 unidades universitárias solicitaram a participação no programa, no que foram seguidos pelos diretores e também pelo alto escalão dda universidade: reitor, pró-reitores e assessores diretos. A todos eles foi oferecido um programa adaptado especialmente, considerando-se as características do grupo e denominado Alinhamento Estratégico em Liderança e Gestão de Pessoas. Conforme Grillo(2001) é importante o envolvimento dos dirigentes universitários em tais processos: As instituições de ensino superior, também precisam preparar os seus dirigentes, a fim de que possam desempenhar, com eficiência e eficácia, as diversas chefias docentes e administrativas que compõem a estrutura universitária. Neste caso, as peculiaridades da instituição exigem cuidados especiais na organização dos cursos de aperfeiçomento para chefia, tendo em vista a existência de cargos de direção privativos de docentes e cargos de direção que podem ser ocupados não só pelo pessoal técnico-administrativo como também pelos próprios docentes. Tal situação reforça a necessidade de se enfatizar a preparação desses dirigentes, principalmente no que se concerne aos conhecimentos relativos à liderança de grupos, uma vez que a conviência de docentes, técnicos e administradores, sem uma chefia competente, pode gerar conflitos de difícil solução.(grillo, 2001, p. 102) Em 2011 foram contemplados no Programa Permanente servidores

22 21 Tabela 7: Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp Cursos oferecidos em 2011 Administrativa/Motoristas Administrativa Atualização em transporte coletivo e de emergência III Reunião dos Bibliotecários da Rede de Bibliotecas 20 Administração Superior Alinhamento Estratégico 8 Administrativa Educação Previdência 8 Administrativa e Contabilidade e Finanças da Reitoria Administrativa, Acadêmica, Informática, Biblioteca e Serviços e At. Auxiliares Administrativa Alinhamento Estratégico e Liderança de Pessoas Gestão de Desempenho diagnóstico Aposentadoria e suas modalidades 4 Administrativa, Acadêmica e Comunicações Políticas de Gestão Documental Administrativa IV Convenção dos Profissionais de RH da Unesp Workshop Desenvolvimento do Papel Profissional A ARH também trabalha pela excelência na Educação Administrativa, Acadêmica, Informática, Biblioteca e Serviços e At. Auxiliares Liderança e Gestão de Pessoas Administrativa Equiparação Salarial 8 Docência, Pesquisa e Laboratórios Capacitação em Normalização Técnica 24 Serviços e At. Auxiliares Segurança Patrimonial 12 Serviços e At. Auxiliares Segurança Patrimonial e Liderança Coach Administrativa Pregão Presencial 24 Serviços e At. Auxiliares Treinamento Comportamental Motoristas Administrativos 12

23 22 Serviços e At. Auxiliares Administrativa Treinamento Comportamental Motoristas Administrativos Supervisores III Reunião dos ASDIPs da Rede de Bibliotecas Administrativa Reunião Novo Plano de Carreira 8 Informática Engenharia e Serviços e At. Auxiliares Alinhamento Estratégico das Atividades Desenvolvidas pelo STIs/AI/CSTI Eficiência Energética em Edificações da Unesp 12 8 Centro de Convivência Infantil Projeto de Formação Permanente 24 Administrativa, Acadêmica, Informática, Biblioteca e Serviços e At. Auxiliares Administrativa Administrativa Administrativa Administrativa/ Contabilidade e Finanças Contabilidade e Finanças/Materiais/RH/DTAd O Líder no papel de desenvolver a equipe Gestão de Desempenho Manual de Boas Práticas na Manipulação dos Alimentos RUs Vivências e Aplicações de Boas Práticas nos RUs da Unesp Encontros dos Profissionais da USP, UNICAMP e UNESP Novas Normas Brasileiras de Contabilidade Aplciada ao Setor Público Novo Ciclo de Aprimoramento da Prestação de Contas para a UNESP Administrativa Alinhamento Estratégico ARH 20 Vice-Diretores de Unidades Liderança e Gestão de Pessoas Diretores de Unidades Liderança e Gestão de Pessoas Administrativa, Acadêmica, Informática, Biblioteca e Serviços e At. Auxiliares Administrativa Programa de Qualificação Profissional Reitoria e Unidades Complementares 26 o Congresso Brasileiro de Treinamento e Desenvolvimento 30 Fonte: Arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos. Elaboração própria.

24 23 A continuidade do programa de formação de lideranças chegou a todos os supervisores, mais de 400 em toda a Unesp. A temática adotada em continuidade para esse programa foi a gestão do desempenho. Com utilização da mesma metodologia de 2010 para elaboração do programa de forma participativa, foi aplicado inicialmente aos diretores de área e supervisores e em 2012 estendido a todos os sesrvidores da universidade de forma regionalizada. Esta foi uma demanda dos supervisores que ao se aprofundarem na complexidade envolvida no processo de avaliação do desempenho, solicitaram que o curso fosse estendido a todos. 4 METODOLOGIA A pesquisa documental foi realizada nos arquivos da Coordenadoria de Recursos Humanos da Reitoria da Unesp no período de janeiro a abril de Foram analisados ofícios circulares, portarias, resoluções, relatórios e dados estatísticos referentes à avaliação de reação dos servidores treinados. No sítio da Coordenadoria está disponível grande parte dos documentos utilizados. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS A Unesp possui em sua estrutura administrativa mais de 600.pessoas formalmente investidas de autoridade para gerenciar equipes e coordenadar o desenvolvimento de atividades nas diversas áreas. São supervisores, diretores ou ocupantes de funções de denominações diversas que possuem tais atribuições. A indicação dessas pessoas acontece, em geral, pela experiência adquirida e conhecimentos acumulados durante anos de atuação em determinada área, que em tese, favoreceriam a consecução dos objetivos institucionais. Os requisitos comportamentais, entretanto, não são desenvolvidos concomitantemente ao desenvolvimento técnico e operacional. Gerir equipes, administrar conflitos, criar um clima organizacional favorável e motivador,

25 24 dar feedback de forma adequada, administrar processos de mudanças constituem competências fundamentais para o exercício desse papel, que podem ser desenvolvidas. O Programa Permanente de Desenvolvimento do Corpo Técnico e Administrativo da Unesp ao estabelecer entre suas prioridades a formação de gestores está atuando de forma incisiva nessa questão. O conteúdo programático dos cursos oferece aos gestores oportunidades de autoconhecimento e importante processo de reflexão a respeito do papel desses profissionais na consecução da missão da Unesp. O envolvimento dos dirigentes da universidade no programa de desenvolvimento de lideranças é um indicativo importante de resultados dos planos de ação, da receptividade dos gestores em relação ao programa e de interferência na cultura organizacional. A dificuldade que se apresenta atualmente como maior desafio é a mensuração de resultados concretos do programa, considerando a complexidade envolvida no que se refere a questões comportamentais. Assim, além da continuidade do programa, tem-se atualmente como uma das metas para os profissionais da CRH, encontar formas de mensurar resultados, dado que a manutenção do orçamento destinado anualmente no Plano de Desenvolvimento Institucional está condicionada a resultados efetivos.

26 25 REFERÊNCIAS CHAVES, Adriana J. F. in Tóvolli et al (Org.). Gestão universitária. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, DI GIACOMO, Waldemar Álvaro, in Tóvolli et al (Org.). Gestão universitária. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, GRILLO, Antonio Niccoló. Gestão de pessoas: princípios que mudam a administração universitária. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, PONTES, Benedito Rodrigues. Administração de cargos e Salários: carreira e remuneração. São Paulo: LTR Editora, UNESP. Resolução Unesp n o 37, de 18 de junho de 1998, publicada no Diário Oficial do Estado de 20 de junho de Disponível em: <http://unesp.br/crh/noticias.php?secao=140&pag=5>. Acesso em: 19 jan Resolução Unesp n o 70, de 27 de novembro de 2008, republicada no Diário Oficial do Estado de 28 de fevereiro de Disponível em: <http://unesp.br/crh/noticias.php?secao=140&pag=2>. Acesso em: 19 jan Manual de acompanhamento do desenvolvimento profissional (2003). Disponível em: <http://unesp.br/crh/mostra_arq_multi.php?arquivo=64>. Acesso em: 8 mar Portaria Unesp n o 245, de 11 de junho de 2010 publicada no Diário Oficial do Estado de 12 de junho de Estabelece diretrizes para Qualificação e Desenvolvimento do Servidor Técnico e Administrativo da Unesp. Disponível em: <http://unesp.br/crh/noticias.php?secao=137>. Acesso em: 11 fev Resolução Unesp nº 32 de 28 de julho de 2011, republicada no Diário Oficial do Estado de 13 de março de Dispõe sobre o Plano de Carreira e Sistema Retribuitório para os servidores técnicos e administrativos regidos pelos regimes jurídico autárquico e CLT, das classes que especifica, da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" UNESP, revoga disposições em contrário e dá providências correlatas. Disponível em: <http://unesp.br/crh/mostra_arq_multi.php?arquivo=8144>. Acesso em: 15 mar Plano de Desenvolvimento Institucional. Disponível em: <http://unesp.br/ape/pdi/execucao/index.php>. Acesso em: 9 jan Resolução Unesp n o 42, de 21 de março de 2012, republicada no Diário Oficial do Estado de 26 de abril de Altera e inclui dispositivos da Resolução Unesp n o 32, de 28 de julho de Disponível em: <http://unesp.br/crh/mostra_arq_multi.php?arquivo=8952>. Acesso em: 28 abr

27 26 AUTORIA Emília Maria Gaspar Tóvolli Coordenadora de Recursos Humanos Reitoria da Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho São Paulo. Endereço eletrônico:

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Secretaria de Gestão

Secretaria de Gestão Secretaria de Gestão A Prefeitura Municipal de Salvador enfrentou alguns desafios no início da gestão Foram identificados muitos problemas relacionados aos principais aspectos para uma gestão profissional

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE ESTUDOS: O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA FAAC

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira nas Organizações Públicas Brasileiras A estruturação ou revisão de um PCCR se insere em um contexto de crescente demanda por efetividade das ações

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DAS FINALIDADES PORTARIA INSTITUCIONAL Nº 08 A Direção Geral da Faculdades SPEI, no uso das suas atribuições, ouvido o Conselho Superior e aprovado pela Mantenedora, conforme Regimento Interno, RESOLVE: Estabelecer o

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR DIRETORIA DE GESTÃO INSTITUCIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO PARA 2007

COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR DIRETORIA DE GESTÃO INSTITUCIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO PARA 2007 COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR DIRETORIA DE GESTÃO INSTITUCIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE RECURSOS HUMANOS PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO PARA 2007 OBJETIVO O Plano Anual de Capacitação da CNEN-PACC/2007

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE

EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 015/07-CONSU/UNIFAP de 28 de agosto de 2007. EMENTA: APROVA A PROPOSTA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br

O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas. Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br O modelo OS do Espírito Santo e a gestão e controle das organizações qualificadas Flávio Alcoforado f.alcoforado@uol.com.br ORGANIZAÇÃO SOCIAL Modelo: Pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público

PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público PESQUISA APLICADA EM COOPERAÇÃO universidades e escolas institucionais de Ministério Público José Roberto Porto de Andrade Júnior joserobertopajr@hotmail.com joseporto@mpsp.mp.br Assessor da Diretoria

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00%

Câmpus FLORIANÓPOLIS. 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade 0 0,00% Diagnóstico Planejamento PDI 2014-2018 Período de respostas: 05/09/13 a 18/09/13 Questionários Respondidos 52 Docentes 30 57,69% Técnicos-Administrativos 12 23,08% Discentes (alunos) 10 19,23% Comunidade

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

EMENTA: Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Amapá.

EMENTA: Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Amapá. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 032/08-CONSU/UNIFAP de 17 de dezembro de 2008. EMENTA: Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Prefeitura Municipal de Rio Branco RBPREV Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Equipe do RBPREV Raquel de Araújo Nogueira Diretora-Presidente Maria Gecilda Araújo Ribeiro Diretora de Previdência

Leia mais

Este conteúdo é de inteira responsabilidade do palestrante

Este conteúdo é de inteira responsabilidade do palestrante Discutir o ensino de gerenciamento em enfermagem, nos remete a encadear reflexões acerca de vários aspectos referentes a um panorama mais amplo e complexo compreender as determinações sociais e os nexos

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO

PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO PROCESSO SELETIVO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS PARA ATUAÇÃO COMO INSTRUTORES NOS CURSOS GESTÃO DA ESTRATÉGIA COM O USO DO BSC E MÓDULO 2 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORGANIZACIONAL (PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGIMENTO INTERNO CENTRO DE PESQUISA CLÍNICA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Artigo 1º - O Centro de Pesquisas Clínicas (CPC)

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL

PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO Período: 2014/2015 1 CONTEXTO INSTITUCIONAL De 1999 até o ano de 2011 o Instituto Adventista de Ensino do Nordeste (IAENE) congregava em seu espaço geográfico cinco instituições de ensino

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional;

I - Técnico de Apoio Fazendário e Financeiro, integrando a categoria funcional de Profissional de Apoio Operacional; (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL DECRETO Nº 10.609,

Leia mais

PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA

PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA PROPOSTA DE ESTRUTURA DO NOVO PLANO DE CARREIRA, SALÁRIOS E EMPREGOS PÚBLICOS DO CENTRO PAULA SOUZA agosto/ 2011 1 S U M Á R I O I INTRODUÇÃO...03 II PREMISSAS E DIRETRIZES...04 III EMPREGOS PÚBLICOS PERMANENTES

Leia mais

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE)

Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) Proposta de regulamentação do regime de dedicação exclusiva (DE) [Segunda versão, 11.08.2009, a partir de construção evolutiva trabalhada com a Comissão de Autonomia da Andifes, sujeita à apreciação do

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 81-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Administração Pública, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO. O VICE-REITOR,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS PLANO DE CAPACITAÇÃO 2013

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS PLANO DE CAPACITAÇÃO 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS Coordenação de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE TALENTOS PLANO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br

Al. dos Pamaris, 308 Moema São Paulo / SP - CEP: 04086-020 Fone: 11 5535-1397 Fax: 11 5531-5988 www.humus.com.br PALESTRAS E CURSOS IN COMPANY PARA O ENSINO SUPERIOR ACADÊMICOS A Coordenação de Curso e sua Relevância no Processo de Competitividade e Excelência da IES Acessibilidade: requisito legal no processo de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens.

PÚBLICO ALVO: Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. 6. Gestão Empresarial 6.1 Inovando para crescer: turismo nos novos tempos INSTRUTOR(A): Carlos Silvério Todos os profissionais da área de agenciamento de viagens. Proporcionar uma reflexão sobre o panorama

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais