Treinamento Metodologias de Projeção do PLD. São Paulo junho de 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Treinamento Metodologias de Projeção do PLD. São Paulo junho de 2016"

Transcrição

1 Treinamento Metodologias de Projeção do PLD São Paulo junho de 6

2 Agenda Processo de Cálculo do CMO/PLD Metodologias de Projeção de CMO/PLD Principais Premissas para um Estudo de Projeção Projeção de PLD da CCEE Disponibilização dos Decks e Resultados

3 Agenda Processo de Cálculo do CMO/PLD Metodologias de Projeção de CMO/PLD Principais Premissas para um Estudo de Projeção Projeção de PLD da CCEE Disponibilização dos Decks e Resultados

4 Processo de Cálculo do CMO/PLD Papel principal: valoração das exposições positivas e negativas (Mercado de Diferenças) dos montantes liquidados no Mercado de Curto Prazo MCP. O PLD é, portanto, fator preponderante na precificação de Contratos Bilaterais de curto e longo prazos do Ambiente de Contratação Livre ACL. Outros usos do PLD são: Encargos, Ressarcimentos, Consolidação de Resultados, Garantias Financeiras, Energia de Reserva, Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits, Reajuste de Receita de Venda e Penalidades de Energia. O cálculo do PLD: Feito com base no Custo Marginal de Operação CMO, limitado por um preço mínimo e um preço máximo estabelecidos anualmente pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL;

5 Processo de Cálculo do CMO/PLD O CMO é obtido dos modelos computacionais que otimizam a operação do sistema resolvendo o problema de despacho hidrotérmico: NEWAVE: modelo de médio prazo, com representação agregada das usinas em subsistemas, horizonte de 5 anos e discretização mensal; resulta em um conjunto de funções de custos futuro mensais e séries simuladas; DECOMP: modelo de curto prazo, com representação individualizada das usinas hidrelétricas, horizonte de meses e discretização semanal; resulta em uma política de operação determinística para o primeiro mês, para o qual temos o CMO (que pela aplicação dos limites regulatórios deriva o PLD).

6 Processo de Cálculo do CMO/PLD No processo de cálculo do PLD oficial, o modelo NEWAVE é executado mensalmente na primeira semana operativa, construindo a função de custo futuro que será consultada pelos casos semanais do modelo DECOMP ª semana operativa Funções de Custo Futuro NEWAVE m DECOMP m, RV CMO/PLD sem ª semana operativa DECOMP m, RV CMO/PLD sem Mês m ª semana operativa DECOMP m, RV CMO/PLD sem

7 Processo de Cálculo do CMO/PLD Características do PLD: Alta volatilidade: PLD - Sudeste/Centro-Oeste (Patamar de Carga Média) // /6/ // 8// /6/ // 8// /6/ // 9// /6/ // 8//5 /6/5 //5 8//6 /6/6 //6 8//7 /6/7 //7 9//8 /6/8 //8 8//9 /6/9 //9 8// /6/ // 8// /6/ // 9// /6/ // 8// /6/ // 8// /6/ R$/MWH Peso elevado de variáveis incertas em sua formação: % 6% 7% 8% 9% 96% 98% % 8% 6% % % % % 7% % % % % % % % % % % 7% % 9% 8% 6% % % acoplamento M+ previsão de carga energia natural afluente expansão níveis dos reservatórios outros previsão de vazões níveis dos reservatórios dados das UHEs previsão de carga dados das UTEs limites de intercâmbio outros NEWAVE DECOMP

8 Agenda Processo de Cálculo do CMO/PLD Metodologias de Projeção de CMO/PLD Principais Premissas para um Estudo de Projeção Projeção de PLD da CCEE Disponibilização dos Decks e Resultados

9 Metodologias de Projeção de CMO/PLD Conhecendo: O processo de cálculo do PLD As características do PLD As variáveis de influência do PLD Como antecipar seu comportamento futuro? Como prever seu valor? Quais são seus valores possíveis?

10 Metodologias de Projeção de CMO/PLD Baseadas nos modelos oficiais: Execução única do NEWAVE Resultados obtidos a partir do NWLISTOP ou NEWDESP Execução encadeada do NEWAVE Resultados obtidos a partir do NWLISTOP ou NEWDESP Execução única do NEWAVE e encadeada do DECOMP Resultados obtidos a partir do DECOMP Execução encadeada do NEWAVE e do DECOMP Resultados obtidos a partir do DECOMP Redes neurais e heurísticas As metodologias de projeção exigem premissas sobre as variáveis de formação do PLD: energia natural afluente/previsão de vazões, evolução da carga, expansão das usinas do sistema, etc.

11 Agenda Processo de Cálculo do CMO/PLD Metodologias de Projeção de CMO/PLD Principais Premissas para um Estudo de Projeção Projeção de PLD da CCEE Disponibilização dos Decks e Resultados

12 Principais Premissas para um Estudo de Projeção Carga/Consumo Vazões e/ou Energia Natural Afluente Atributos de Usinas Hidrelétricas: restrições de operação, disponibilidade, manutenção, expansão, etc. Atributos de Usinas Termelétricas: inflexibilidade, disponibilidade, custo de geração, manutenção, expansão, etc. Geração de Usinas Não Simuladas Individualmente Limites de Intercâmbio Operações especiais: curva guia de operação de Tucuruí, operação de praias do Tocantins Mecanismos de Segurança do Operador: despacho térmico por Segurança Energética

13 Principais Premissas para um Estudo de Projeção Entrada de dados: Informação NEWAVE DECOMP Carga Limites de Intercâmbio Níveis de Armazenamento Manutenção de Usinas Hidrelétricas Manutenção de Usinas Termelétricas Custo de Geração das Usinas Termelétricas Inflexibilidade de Usinas Termelétricas Previsão de Vazões e/ou Energia Natural Afluente - ENA Geração de Usinas Não Simuladas Individualmente Arquivo sistema.dat, campo Mercado de Energia Arquivo sistema.dat, campo Limites de Intercâmbio ; arquivos agrint.dat, campos de agrupamento de intercâmbio Arquivo confhd.dat, por usina, ou no arquivo dger.dat, por reservatório equivalente de energia - (índices IF e IP, localizados no arquivo de cadastro hidr.dat e modificáveis via modif.dat ) Arquivo manutt.dat (índices IF e IP, localizados no arquivo de cadastro term.dat e modificáveis via expt.dat ) Arquivo clast.dat Arquivo term.dat e modificável via expt.dat Arquivo eafpast.dat para ENA, vazpast.dat para vazões (passado) Arquivo sistema.dat, campos geração de pequenas usinas Arquivo dadger.rv#, bloco DP Arquivo dadger.rv#, blocos IA (limites de intercâmbio) e RE (agrupamentos de intercâmbio) Arquivo dadger.rv#, bloco UH Arquivo dadger.rv#, bloco MP Arquivo dadger.rv# (ou dadgnl.rv# ), bloco MT (não utilizado atualmente) ou via bloco CT (ou TG ), inserindo diretamente a disponibilidade Arquivo dadger.rv# (ou dadgnl.rv# ), no bloco CT (ou TG ) Arquivo dadger.rv# (ou dadgnl.rv# ), no bloco CT (ou TG ) ENA passada pelo arquivo dadger.rv# no bloco EA e ES e vazões futuras por meio do arquivo prevs.rv# (GEVAZP) Arquivo dadger.rv# no bloco PQ Todas as informações necessárias constam nos manuais de usuário dos modelos!!!

14 Principais Premissas para um Estudo de Projeção Obtenção das saídas: Informação NEWAVE DECOMP Custos Marginais de Operação - CMO Intercâmbio Níveis de Armazenamento Geração de Usinas Termelétricas Geração de Usinas Hidrelétricas Energia Natural Afluente - ENA Balanço Hidráulico (Vazão Afluente, Vazão Turbinada, Vazão Vertida, etc.) Arquivos cmarg###.out, obtidos a partir do NWLISTOP, por mês, série e patamar Arquivos int######.out, obtidos a partir do NWLISTOP, por mês, série e patamar Arquivos earmf###.out, obtidos a partir do NWLISTOP, por mês, série e patamar Arquivos gttot###.out, obtidos a partir do NWLISTOP, por mês, série e patamar Arquivos ghtot###.out, obtidos a partir do NWLISTOP, por mês, série e patamar Arquivos eafb###.out, obtidos a partir do NWLISTOP, mês e série Arquivo cmdeco.rv#, por semana e patamar Arquivo sumario.rv#, campo FLUXO NOS INTERCAMBIOS Arquivo sumario.rv#, campo VOLUME UTIL DOS RESERVATORIOS e ENERGIA ARMAZENADA Arquivo sumario.rv#, campo GERACAO TERMICA, por semana e patamar Arquivo sumario.rv#, campo GERACAO HIDRAULICA, por semana e patamar Arquivo energia.rv#, campo Relatorio dos Dados de Energia Natural Afluente para Acoplamento c/ Longo Prazo por REE - Arquivo relato.rv#, campo RELATORIO DO BALANCO HIDRAULICO Todas as informações necessárias constam nos manuais de usuário dos modelos!!!

15 Agenda Processo de Cálculo do CMO/PLD Metodologias de Projeção de CMO/PLD Principais Premissas para um Estudo de Projeção Projeção de PLD da CCEE Disponibilização dos Decks e Resultados

16 Projeção de PLD da CCEE Metodologias de Projeção de ENA: Decomposição de Hilbert Transformação Logarítmica Pior Série de ENA do SIN Pior Série do Período Seco + Pior Série do Período Úmido Metodologia de Simulação: Simulação Encadeada NEWAVE e DECOMP

17 Projeção da ENA: Projeção do log da ENA por RNAs Transformação Logarítmica: É feita a projeção do logaritmo da ENA por RNAs Transformação Logarítmica do sinal da ENA ENA (projeção) RNAs ENA Recuperação do sinal Projeção do log(ena) por RNAs

18 Projeção da ENA: Pior Série de ENA do SIN Para o SIN, é feita a avaliação da Pior Série com base no histórico desde 9: Para o Período Seco (Maio a Novembro): Para o Período Úmido (Dezembro a Abril): MWméd mai jun jul ago set out nov dez jan fev mar abr A projeção da Pior Série de ENA do SIN serão as séries resultantes concatenadas

19 Simulação Encadeada NEWAVE e DECOMP Com o objetivo de melhor emular o procedimento de cálculo do PLD, para cada mês que se deseja projetar o PLD são processados um NEWAVE e dois DECOMPs (um de operação, com premissas de geração térmica por segurança energética, e um de preço) de forma sequencial, encadeando o processo para todo o horizonte de projeção. Mês m NEWAVE m DECOMP preco, m CMO/PLD m FCF m DECOMP oper, m OPER m P.Oper. m Mês m+ NEWAVE m+ FCF m+ DECOMP preco, m+ DECOMP oper, m+ OPER m+! CMO/PLD m+ P.Oper. m+ Mês m+ DECOMP preco, m+ NEWAVE m+ CMO/PLD m+ FCF m+ DECOMP oper, m+ P.Oper. m São processados vários NEWAVE e DECOMP que consultam várias Funções de Custo Futuro atualizadas! OPER: Níveis de Reservatório das UHEs, Despacho Antecipado GNL e Vazões com Tempo de Viagem

20 Premissas Projeção do PLD:Projeção de ENA por Redes Neurais (log da ENA): Simulação Encadeada NEWAVE e DECOMP Despacho Térmico por Segurança Energética: Apenas Ordem de Mérito a partir de Maio de 6 Sensibilidade :Projeção de ENA por Redes Neurais (log da ENA): Simulação Encadeada NEWAVE e DECOMP Despacho Térmico por Segurança Energética: UTEscom CVU de até R$ /MWhem todo o horizonte Sensibilidade :Obtenção de percentis P % e P 5% Simulação Paralela de NEWAVEs sem tendência hidrológica Despacho Térmico por Segurança Energética: Apenas Ordem de Mérito a partir de Maio de 6 Sensibilidade :Pior Série de ENA para o SIN (Período Seco: Maio a Novembro de 9, Período Úmido: Dezembro de 97 a Abril de 97) Simulação Encadeada NEWAVE e DECOMP Despacho Térmico por Segurança Energética: UTEscom CVU de até R$ /MWhem todo o horizonte

21 Projeção do PLD SE/CO Projeção do PLD 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) 5 Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 57, 6, jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

22 Projeção do PLD SE/CO Sensibilidade : Projeção do PLD com Segurança Energética 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) 5 Projeção do PLD 57, 6,55 Proj. Seg. Energ.,57,5 R$/MWh jan/6 8 fev/6 7 mar/6 9 abr/6 mai/6 5 jun/6 6 jul/6 ago/6 8 set/6 out/6 8 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

23 Projeção do PLD SE/CO Sensibilidade : NW sem tendência hidrológica (P % e P 5% ) 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) 5 Projeção do PLD 57, 6,55 Proj. Seg. Energ.,57,5 P%,8,6 P5% 8,78 5, jan/6 fev/6 mar/6 8 abr/6 mai/6 jun/6 7 9 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

24 Projeção do PLD SE/CO Sensibilidade : Pior Série de ENA do SIN Proj. PLD, Mérito (PLD) Pior Série, SegEnerg R$/MWh (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) 5 5 Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 57, 6,55 Proj. Seg. Energ.,57,5 5 P%,8, jan/6 fev/6 mar/6 8 abr/6 mai/6 jun/6 7 9 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh P5% 8,78 5,8 Pior Série Histórica 87, 7, * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

25 Projeção do PLD S Projeção do PLD 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) 5 5 Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 57, 6, jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

26 Projeção do PLD S Sensibilidade : Projeção do PLD com Segurança Energética 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) 6 Média 7 (R$/MWh) 5 Projeção do PLD 57, 6,55 Proj. Seg. Energ.,56,5 R$/MWh jan/6 8 fev/6 7 mar/6 9 abr/6 mai/6 5 jun/6 6 jul/6 ago/6 8 set/6 out/6 8 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

27 Projeção do PLD S Sensibilidade : NW sem tendência hidrológica (P % e P 5% ) 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) 7 Média 7 (R$/MWh) 5 Projeção do PLD 57, 6,55 Proj. Seg. Energ.,56,5 P%,7, P5% 8,5 7, jan/6 fev/6 mar/6 8 abr/6 mai/6 jun/6 7 9 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

28 Projeção do PLD S Sensibilidade : Pior Série de ENA do SIN Proj. PLD, Mérito (PLD) Pior Série, SegEnerg R$/MWh (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 57, 6,55 Proj. Seg. Energ.,56,5 5 P%,7, P5% 8,5 7, Pior Série Histórica 87, 7, R$/MWh jan/6 8 fev/6 8 mar/6 abr/6 7 9 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

29 Projeção do PLD NE Projeção do PLD 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) 9 5 Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 7, 6, jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

30 Projeção do PLD NE Sensibilidade : Projeção do PLD com Segurança Energética 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) 5 Projeção do PLD 7, 6,5 Proj. Seg. Energ.,,5 R$/MWh jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 5 jun/6 6 jul/6 ago/6 8 set/6 out/6 8 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

31 Projeção do PLD NE Sensibilidade : NW sem tendência hidrológica (P % e P 5% ) 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 7, 6,5 Proj. Seg. Energ.,, jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 R$/MWh mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 P% 85,76 86,88 P5% 9,5,7 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

32 Projeção do PLD NE Sensibilidade : Pior Série de ENA do SIN Proj. PLD, Mérito (PLD) Pior Série, SegEnerg R$/MWh (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) 5 5 Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 7, 6,5 Proj. Seg. Energ.,, jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 R$/MWh fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 P% 85,76 86,88 P5% 9,5,7 Pior Série Histórica 6,7 68,6 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

33 Projeção do PLD N Projeção do PLD 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) 5 Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 59,77, jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

34 Projeção do PLD N Sensibilidade : Projeção do PLD com Segurança Energética 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) 5 Projeção do PLD 59,77,5 Proj. Seg. Energ.,89,5 R$/MWh jan/6 8 fev/6 9 7 mar/6 9 9 abr/6 7 7 mai/6 5 5 jun/6 6 6 jul/6 ago/6 8 set/6 out/6 8 8 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

35 Projeção do PLD N Sensibilidade : NW sem tendência hidrológica (P % e P 5% ) 5 5 Proj. PLD, Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) 5 Média 7 (R$/MWh) 5 Projeção do PLD 59,77,5 Proj. Seg. Energ.,89,5 P% 7,7 57,55 P5% 79,5, jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/ jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 R$/MWh * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

36 Projeção do PLD N Sensibilidade : Pior Série de ENA do SIN Proj. PLD, Mérito (PLD) Pior Série, SegEnerg R$/MWh (PLD) Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh + Mérito (PLD) P P5 Realizado(PLD/CMO) Série Média 6 (R$/MWh) Média 7 (R$/MWh) Projeção do PLD 59,77,5 Proj. Seg. Energ.,89,5 5 P% 7,7 57, jan/ fev/6 7 mar/6 87 abr/6 9 mai/6 7 jun/6 57 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 R$/MWh fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 P5% 79,5, Pior Série Histórica 89,78 58,8 * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

37 Tabela Resumo da Projeção do PLD SE/CO mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 Projeção do PLD Projeção do PLD P% P5% Pior Série do Histórico S mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 Projeção do PLD Projeção do PLD P% P5% Pior Série do Histórico NE mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 Projeção do PLD Projeção do PLD P% P5% Pior Série do Histórico N mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 Projeção do PLD Projeção do PLD P% P5% Pior Série do Histórico * Foram considerados: -6: PLD MAX = R$,56/MWh, PLD MIN = R$,5/MWh -7: PLD MAX = R$ 5,5/MWh(CVU reajustado da UTE Mário Lago), PLD MIN = R$,5/MWh

38 Projeção de Energia Natural Afluente Projeção da ENA por Redes Neurais (log da ENA). MLT Projeção RNA Realizado 8 8% 89% 88% 7% 87% 8% % 8% 8% 87% 79% 7% 8% 95% 59% 9% 85% 6% 68% 85% 86% 9% 76% 67% 99% % 55% 9% 5% 7% 76% 76% 8% 8% 9% 58% 78% 87% % 9% 9% % jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed

39 Projeção de Energia Natural Afluente Sensibilidade : Pior Série de ENA. MLT Projeção RNA Pior Série Realizado 9 69% 65% 65% 65% 6% 5% 69% 8% 89% 88% 7% 87% 8% 79% 7% 9% 79% % 58% 68% 7% 59% 9% 85% 6% 76% 67% 99% % 55% 9% 5% 68% 8% 9% 58% 78% 87% % 9% 9% % jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed Período Seco: Maio a Novembro de 9, Período Úmido: Dezembro de 97 a Abril de 97

40 Projeção de Energia Natural Afluente Projeção da ENA por Redes Neurais (log da ENA) 5% 96% 96% 88% 87% 8% 8%8% 6%56%7% 8% % 97% 86% 77% 67% 6% % 9% 9% 69% 56% 5% 89% 7% % % 5% 8% 57% 9% 7%5% 79% 7% 8% 75% % %7% 5% Projeção de ENA -N jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed 8% 7% % 5% 6% 58% 6% 65% 7% 6% 65% 6% 9% 7%57% 6% 5% 5% 5% % 9% 6% 8%% % 6% 56% 6% 6% 5% % % % 6% % 8% 5% 5% 5% 5% 78% 9% Projeção de ENA -NE 7% 59% 57% % 6% 9% % 6% 5%7% 87% % % % % 6% 79% % 5% 8% % 7% % 88% % 66% % 8% 8% 78% 77% 8% 6% 5% 8% 6% 7% % % % 8% 7% jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed Projeção de ENA -S jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 95% 9% 8% 67% MWmed 65% 57% 8% 95% 9% 9% 69% 86% 5% 68%85% 9% 8% % 7% 99% 8% 9% % 97% 5% 9. 7% 8% 85% 87% 95% 95% 9%98%9% 87% 98% 8. 8% 8% 8% 88% 95% 95% Projeção de ENA -SE/CO jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed MLT Projeção RNA Realizado

41 Projeção de Energia Natural Afluente Sensibilidade : Pior Série de ENA 9% 6% 8% % 77% 89% 7% 6% 9% %5% 6% 5% 96% 96% 88% 87% 8% 8%8% 6%56%7% 97% 86% 77% 67% 6% % 9% 9% 69% 7% 9% 56% 5% % %7% 8% % 5% Projeção de ENA -N jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed 8% 7% % 5% 6% 58% 6% 65% 7% 6% 65% 6% 9% 7%57% 6% 5% 5% 5% % 9% 6% 8%% % 6% 75% 76% 78% 8% 99% 9% 55% 8% % 6% % 75% 76% 88% 78% 9% Projeção de ENA -NE 8% % 7% % 88% % 66% % 8% 77% 8% 5% 5% 9% 5% % %9% 8% 67% 9% 77% 8% 7% 59% 57% % 6% 9% % 6% 5%7% 87% % % % % 6% 79% % 5% jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed Projeção de ENA -S jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 75% 68% 7% 6% 68% 6% 57%6%57% % 5% 56% 75% 68% 95% 9% 8% 67% MWmed 65% 57% 8% 95% 9% 9% 69% 86% 5% 68%85% 9% 8% % 7% 99% 8% 9% % 97% 5% 9. 7% 87% 98% Projeção de ENA -SE/CO jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 MWmed MLT Projeção RNA Pior Série Realizado Período Seco: Maio a Novembro de 9, Período Úmido: Dezembro de 97 a Abril de 97

42 Projeção de Energia Armazenada Projeção do PLD 57% 7% 7% % % 8% 6% 55% 6% 6% 6% 6% 55% 9% % % % % 8% % % % % % 5% 9% % % % % %9%5% 75% 8% 77% 75% 7% 7% 67% 6% 8% % 6% % 9% 8% 9% % 5% 56% 55% 6% % 7% %7% 5% 5% 7% % % 5%5% 56% 57% % 9% 8% 7% 6% 5% % % % % % jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/5 mar/5 % da EARMmax mai/5 jul/5 set/5 nov/5 jan/6 mar/6 mai/6 jul/6 set/6 nov/6 jan/7 mar/7 mai/7 Proj. PLD, Mérito Realizado

43 Sensibilidade : Projeção do PLD com Geração Térmica por Segurança Energética 57% 7% 7% % % 8% 6% 55% 6% 6% 6% 6% 55% 9% % % % % 8% % % % % % 5% 9% % % % % %9%5% 75% 8% 77% 75% 7% 7% 67% 6% 8% % 6% % 9% 8% 9% % 5% 56% 55% 55% 5% 5% 6% % 7% 5% 8%%5%57% 6% 6% 6% % 9% 8% 7% 6% 5% % % % % % jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/5 mar/5 % da EARMmax mai/5 jul/5 set/5 nov/5 jan/6 mar/6 mai/6 jul/6 set/6 nov/6 jan/7 mar/7 mai/7 Projeção de Energia Armazenada Proj. PLD, Mérito Realizado

44 Projeção de Energia Armazenada Sensibilidade : Pior Série de ENA % Proj. PLD, Mérito Pior Série, SegEnerg R$/MWh Realizado 9% % % % 7% 6% 9% % 9% 7% 57% 7% 7% % % 8% 6% 55% 6% 6% 6% 6% 55% 9% % % % % 8% % % % % % 5% 9% % % % % %9%5% 6% 8% % 6% % 9% 8% 9% % 5% 56% 55% 55% 5% 9% % 9% 75% 8% 77% 75% 7% 7% 67% 8% 7% 6% 5% % % % % % jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/ mar/ mai/ jul/ set/ nov/ jan/5 mar/5 mai/5 jul/5 set/5 nov/5 jan/6 mar/6 mai/6 jul/6 set/6 nov/6 jan/7 mar/7 mai/7 % da EARMmax

45 Projeção de Energia Armazenada Projeção do PLD 5 6% 8% 86% 9% 9% 9% 85% 65% % % 8% % 6% 8% 56% 8% 8% 78% 76% 6% % 5% % 6% 6%% % % 5% 5% % % % 56% 69% 7% 69% 58% % 9% 8% 56% 67% 68% 68% 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -N % 9% 8% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax % % % % % 7% % 7% % 6% % 8% 6% 8% % 7% 7% 5% % 9% 5% 9% 6% 5% 7%% % % % % % 7% % % 9% % 7%5% 9% % 5% % 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -NE 58% 7% 6% % 55% 95% 9% 7% 75% 8% 66% 57% 6% 5% % 6% 6% 6% 95% 78% 7% 97% 97% 96% 9% 95% 96% 8% 7% 6% 7% 7% 6% 5% % 6%7% 8% 69% 57% 66% 69% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax % 9% 8% 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -S % 9% 8% 7% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax 5% 8% % % 8% 7% 9% %5% 57% 57% 56% 5% 8% % 7% % 9% % 7% %5% 55% 57% 58% % 6% 9% 7% 6% % % 5% 9% 6% 9% 7% % 7% % 6% 6% 6% 5% % % da EARMmax % % % % Projeção de EArm -SE/CO Proj. PLD, Mérito Realizado

46 Projeção de Energia Armazenada Sensibilidade : Projeção do PLD com Geração Térmica por Segurança Energética 6 6% 8% 86% 9% 9% 9% 85% 65% % % 8% % 6% 8% 56% 8% 8% 78% 76% 6% % 5% % 6% 6%% % 9% 8% % % 5% 5% 7% 56% 69% 7% 69% 57% % % 55% 66% 68% 68% 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -N % 9% 8% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax % % % % % 7% % 7% % 6% % 8% 6% 8% % 7% 7% 5% % 9% 5% 9% 6% 5% 7%% % % % % % 7% % % 9% % 8%6% % % 5% % 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -NE 58% 7% 6% % 55% 8% 6% 95% 9% 7% 75% 57% 66% 5% 6% % 6% 6% 78% 7% 95% 97% 97% 96% 9% 95% 96% 8% 85% 9% 98% 98% 9% 98% 9% 99% 98% 9% 98% 9% 9% 96% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax % 9% 8% 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -S % jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax 5% 8% % % 8% 7% 9% %5% 57% 57% 57% 5% 5% 7% % 6% % 8% 5% 5%59% 6% 65% 65% % 6% 9% 7% 6% % % 5% 9% 6% 9% 7% % 7% % 6% 6% 9% 8% 7% 6% 5% % % da EARMmax % % % % Projeção de EArm -SE/CO Proj. PLD, Mérito Proj. PLD, SegEnerg R$/MWh Realizado

47 Projeção de Energia Armazenada Sensibilidade : Pior Série de ENA 7 6% 8% 86% 9% 9% 9% 85% 65% % % 8% % 6% 8% 56% 8% 8% 78% 76% 6% % 5% % 6% 6%% % 9% 8% 56% 69% 7% 7% 58% 5% % % 9% % 8%6%7% 66% 67% 66% 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -N % 9% 8% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax % 9% 5% 9% 6% 5% 7%% % % 6% 6% 5% % % % 9% 9% % 5% 5% 5% 57% 57% % % % % 7% % 7% % % 6% % 8% 6% 8% % 7% 7% 5% 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -NE 75% 6% 6% 6% 56% 5% 9% 67% 58% 7% 6% % 55% 95% 9% 7% 75% 8% 66% 57% 6% 5% % 6% 6% 6% 95% 78% 7% 97% 97% 99% 99% 98% 96% 96% 96% 9% 95% 96% 8% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax % 9% 8% 7% 6% 5% % % % % % Projeção de EArm -S % 9% 8% 7% jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 jan/ abr/ jul/ out/ jan/5 abr/5 jul/5 out/5 jan/6 abr/6 jul/6 out/6 jan/7 abr/7 % da EARMmax 5% 8% % % 8% 7% 9% %5% 57% 57% 57% 55% 5% 5% % 5% % 9% 9% 7% 9% 8% 7% % % 6% 9% 7% 6% % % 5% 9% 6% 9% 7% % 7% % 6% 6% 6% 5% % % da EARMmax % % % % Projeção de EArm -SE/CO Proj. PLD, Mérito Pior Série, SegEnerg R$/MWh Realizado

48 Balanço Operativo 8 Projeção do PLD,,,5,5,,,,,,6 5, 5,,9 5, 5,,,,,5,6,5,5,,8,, 9,8 9, 9,5 9,,6, 9,7 8, 8,5 7,7,,6, 9,6 5,,9,, 8, 5,9 7, 7,5 9,,,7,,7 7,9 8, 6,6,,,5,5, 5,,8 5,,9,7,8,8,8,7 9,9 6,,,6 6, 6, 6,5 7, 5,6 55,6 5, 5, 8, 6, 6,7 66,5 6, 6,6 59,9 58,5 58,7 59, 6,5 6, 6, 6,6 65, 6,9 6, 6,6 59, 58,5 58, 59, 6, 6,9 6, 6,8 6, 6,6 6, 6,8 6,9 59, 58, 59,5 6, 6,5 6, 6, 65, 66,8 65, 6, 6, 6, jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 GWmed GT Biomassa Eólica PCH GH Consumo

49 9 Sensibilidade : Projeção do PLD com Geração Térmica por Segurança Energética,,,5,5,,,,,,6 5, 5,,9 5, 5,,,,,5,6,5,5,,8,, 9,8 9, 9,5 9,,6, 9,7 8, 8,5 7,7,,6, 9,6 5,,9,, 8, 5,9 7, 7,5 9,,,7,,7 7,9 8, 6,6 8, 8, 8, 8,9 8,9 8,9 9, 5, 5,,7,7,7,6,7 6,,,,,5,, 6,7 5, 55,6 5, 5, 8, 6, 6,7 66,5 6, 6,6 59,9 58,5 58,7 59, 6,5 6, 6, 6,6 65, 6,9 6, 6,6 59, 58,5 58, 59, 6, 6,9 6, 6,8 6, 6,6 6, 6,8 6,9 59, 58, 59,5 6, 6,5 6, 6, 65, 66,8 65, 6, 6, 6, jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 GWmed GT Biomassa Eólica PCH GH Consumo Balanço Operativo

50 5 Sensibilidade : Pior Série de ENA,,,5,5,,,,,,6 5, 5,,9 5, 5,,,,,5,6,5,5,,8,, 9,8 9, 9,5 9,,6, 9,7 8, 8,5 7,7,,6, 9,6 5,,9,, 8, 5,9 7, 7,5 9,,,7,,7 7,9 8, 6,6 8, 8, 8, 8,9 8,9 8,9 9, 9, 9, 9, 9, 9, 9, 9, 6,,,,,5,,, 9, 5, 9,8 7,,7,7 6,7 66,5 6, 6,6 59,9 58,5 58,7 59, 6,5 6, 6, 6,6 65, 6,9 6, 6,6 59, 58,5 58, 59, 6, 6,9 6, 6,8 6, 6,6 6, 6,8 6,9 59, 58, 59,5 6, 6,5 6, 6, 65, 66,8 65, 6, 6, 6, jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 GWmed GT Biomassa Eólica PCH GH Consumo Balanço Operativo

51 Garantia Física Sazonalizada MRE (6) GF Sazo InfoMercado -perdas(mwmédio) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 #REF! Sudeste #REF! Sul #REF! Nordeste #REF! Norte SIN UHEs - Expansão Submercado jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 (MWmédio) Santo Antônio (expansão) Sudeste ,7, 7,8 6, 6, Belo Monte Norte , 59, 59, 59, 59, 59, 59,.86,6.86,6 Belo Monte Complementar Norte , 7, 7, 8, 8,,5,5 Teles Pires Sudeste , 6, 6, 6, 6, Perfil MRE jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 SIN (preliminar) 6% % 5% % 97% 98% 96% 95% 97% 96% 95% 9% Expansão -Perfil MRE (MWmédio) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 Sudeste,,,,,,,, 76, 58,55 567,89 557,5 Sul,,,,,,,,,,,, Nordeste,,,,,,,,,,,, Norte,,, 6,7 598, 68,5 66, 658,9 67, 66,59.9,.66,58 SIN,,, 6,7 598, 68,5 66,.9,.8,5.,.858,9.8,8 GF Sazo Total (MWmédio) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 Sudeste Sul Nordeste Norte SIN Estimativa de perdas globais considera o histórico dos últimos meses

52 Garantia Física do MRE para fins de Repactuação do Risco Hidrológico (6) GF FLAT InfoPLD -perdas(mwmédio) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 #REF! Sudeste #REF! Sul #REF! Nordeste #REF! Norte SIN UHEs - Expansão Submercado jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 (MWmédio) Santo Antônio (expansão) Sudeste ,7, 7,8 6, 6, Belo Monte Norte , 59, 59, 59, 59, 59, 59,.86,6.86,6 Belo Monte Complementar Norte , 7, 7, 8, 8,,5,5 Teles Pires Sudeste , 6, 6, 6, 6, Expansão (MWmédio) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 Sudeste,,,,,,,, 66, 55, 569,5 569,5 Sul,,,,,,,,,,,, Nordeste,,,,,,,,,,,, Norte,,, 59, 59, 69, 665,6 665,6 7,7 7,7.,., SIN,,, 59, 59, 69, 665,6.97,6.68,.6,8.9,6.9,6 GF FLAT Total (MWmédio) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 Sudeste Sul Nordeste Norte SIN De acordo com a Resolução Normativa ANEEL nº 68 de de dezembro de 5, o montante do risco hidrológico a ser transferido aos consumidores utiliza como base a quantidade mensal de garantia física sazonalizadade forma uniforme ( flat ). Estimativa de perdas globais considera o histórico dos últimos meses

53 jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 MWmed 96,5% dez/6 Mínimo Secundária Ajuste do MRE GH MRE (% perdas e 85% nos finais de semana) GF Sazo /5/6 % jan/ 96,% fev/ 98,% mar/ 9,8% abr/ 98,7% mai/ 9,% jun/ 88,9% jul/ 86,% ago/ 8,9% set/ 86,% out/ 87,7% nov/ 87,7% dez/ 87,8% jan/5 8,6% fev/5 78,6% mar/5 78,% abr/5 8,5% mai/5 8,% jun/5 79,% jul/5 85,7% ago/5 8,9% set/5 87,% out/5 9,% nov/5 9,% dez/5 9,9% jan/6 78,5% fev/6 9,7% mar/6 9,% abr/6 9,8% mai/6,% jun/6 9,% jul/6 9,% ago/6 9,5% set/6 9,% out/6 9,8% nov/6 9,% dez/6 Projeção do MRE Projeção do PLD 5 Fator de Ajuste do MRE Realizado Referência 9% 7% 5% GH / GF Média : 9,7% Média 5: 8,% Média 6: 9,9% Premissas: Geração Térmica por Ordem de Mérito a partir de Maio de 6; Considera Modulação da Carga e Geração Hidráulica nos Finais de Semana

54 6.7 Projeção do MRE Sensibilidade : Projeção do PLD com Geração Térmica por Segurança Energética jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 MWmed 95,8% dez/6 Mínimo Secundária Ajuste do MRE GH MRE (% perdas e 85% nos finais de semana) GF Sazo /5/6 % jan/ 96,% fev/ 98,% mar/ 9,8% abr/ 98,7% mai/ 9,% jun/ 88,9% jul/ 86,% ago/ 8,9% set/ 86,% out/ 87,7% nov/ 87,7% dez/ 87,8% jan/5 8,6% fev/5 78,6% mar/5 78,% abr/5 8,5% mai/5 8,% jun/5 79,% jul/5 85,7% ago/5 8,9% set/5 87,% out/5 9,% nov/5 9,% dez/5 9,9% jan/6 78,5% fev/6 9,7% mar/6 9,% abr/6 9,8% mai/6,% jun/6 8,6% jul/6 8,% ago/6 8,7% set/6 8,% out/6 85,% nov/6 8,9% dez/6 Fator de Ajuste do MRE Realizado Referência 9% 7% 5% GH / GF Média : 9,7% Média 5: 8,% Média 6: 87,9% Premissas: Geração Térmica por Segurança Energética de UTEscom CVU de até R$ /MWhaté Novembro de 6, Despacho por Ordem de Mérito de Dezembro de 6 em diante; Considera Modulação da Carga e Geração Hidráulica nos Finais de Semana

55 Projeção do MRE Sensibilidade : Pior Série de ENA jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 MWmed 8,9% 88,% nov/6 dez/6 Mínimo Secundária Ajuste do MRE GH MRE (% perdas e 85% nos finais de semana) GF Sazo /5/6 % jan/ 96,% fev/ 98,% mar/ 9,8% abr/ 98,7% mai/ 9,% jun/ 88,9% jul/ 86,% ago/ 8,9% set/ 86,% out/ 87,7% nov/ 87,7% dez/ 87,8% jan/5 8,6% fev/5 78,6% mar/5 78,% abr/5 8,5% mai/5 8,% jun/5 79,% jul/5 85,7% ago/5 8,9% set/5 87,% out/5 9,% nov/5 9,% dez/5 9,9% jan/6 78,5% fev/6 9,7% mar/6 9,% abr/6 9,8% mai/6,% jun/6 8,6% jul/6 8,% ago/6 8,6% set/6 8,% out/6 85,% nov/6 dez/6 Fator de Ajuste do MRE Realizado Referência 9% 7% 5% GH / GF Média : 9,7% Média 5: 8,% Média 6: 87,% Premissas: Geração Térmica por Segurança Energética de UTEscom CVU de até R$ /MWhem todo o horizonte; Considera Modulação da Carga e Geração Hidráulica nos Finais de Semana

56 7.9 Projeção do MRE para fins de Repactuação do Risco Hidrológico Projeção do PLD jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 MWmed 9,7% dez/6 Mínimo Secundária Ajuste do MRE GH MRE (% perdas e 85% nos finais de semana) GF Sazo /5 e Flat 6 % jan/ 96,% fev/ 98,% mar/ 9,8% abr/ 98,7% mai/ 9,% jun/ 88,9% jul/ 86,% ago/ 8,9% set/ 86,% out/ 87,7% nov/ 87,7% dez/ 87,8% jan/5 8,6% fev/5 78,6% mar/5 78,% abr/5 8,5% mai/5 8,% jun/5 79,% jul/5 85,7% ago/5 8,9% set/5 87,% out/5 9,% nov/5 9,% dez/5 9,9% jan/6 9,7% fev/6,% mar/6,% abr/6 96,8% mai/6,5% jun/6 9,% jul/6 88,% ago/6 88,% set/6 9,7% out/6 9,6% nov/6 9,5% dez/6 Fator de Ajuste do MRE Realizado Referência 9% 7% 5% GH / GF Média : 9,7% Média 5: 8,% Média 6: 9,9% Premissas: Geração Térmica por Ordem de Mérito a partir de Maio de 6; Considera Modulação da Carga e Geração Hidráulica nos Finais de Semana

57 6.7 Projeção do MRE para fins de Repactuação do Risco Hidrológico Sensibilidade : Projeção do PLD com Geração Térmica por Segurança Energética jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 MWmed 9,% dez/6 Mínimo Secundária Ajuste do MRE GH MRE (% perdas e 85% nos finais de semana) GF Sazo /5 e Flat 6 % jan/ 96,% fev/ 98,% mar/ 9,8% abr/ 98,7% mai/ 9,% jun/ 88,9% jul/ 86,% ago/ 8,9% set/ 86,% out/ 87,7% nov/ 87,7% dez/ 87,8% jan/5 8,6% fev/5 78,6% mar/5 78,% abr/5 8,5% mai/5 8,% jun/5 79,% jul/5 85,7% ago/5 8,9% set/5 87,% out/5 9,% nov/5 9,% dez/5 9,9% jan/6 9,7% fev/6,% mar/6,% abr/6 96,8% mai/6,5% jun/6 8,5% jul/6 8,% ago/6 79,5% set/6 8,9% out/6 8,% nov/6 8,% dez/6 Fator de Ajuste do MRE Realizado Referência 9% 7% 5% GH / GF Média : 9,7% Média 5: 8,% Média 6: 87,9% Premissas: Geração Térmica por Segurança Energética de UTEscom CVU de até R$ /MWhaté Novembro de 6, Despacho por Ordem de Mérito de Dezembro de 6 em diante; Considera Modulação da Carga e Geração Hidráulica nos Finais de Semana

58 Projeção do MRE para fins de Repactuação do Risco Hidrológico Sensibilidade : Pior Série de ENA jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 MWmed 8,% 8,8% nov/6 dez/6 Mínimo Secundária Ajuste do MRE GH MRE (% perdas e 85% nos finais de semana) GF Sazo /5 e Flat 6 % jan/ 96,% fev/ 98,% mar/ 9,8% abr/ 98,7% mai/ 9,% jun/ 88,9% jul/ 86,% ago/ 8,9% set/ 86,% out/ 87,7% nov/ 87,7% dez/ 87,8% jan/5 8,6% fev/5 78,6% mar/5 78,% abr/5 8,5% mai/5 8,% jun/5 79,% jul/5 85,7% ago/5 8,9% set/5 87,% out/5 9,% nov/5 9,% dez/5 9,9% jan/6 9,7% fev/6,% mar/6,% abr/6 96,8% mai/6,5% jun/6 8,5% jul/6 8,% ago/6 79,5% set/6 8,8% out/6 8,% nov/6 dez/6 Fator de Ajuste do MRE Realizado Referência 9% 7% 5% GH / GF Média : 9,7% Média 5: 8,% Média 6: 87,% Premissas: Geração Térmica por Segurança Energética de UTEscom CVU de até R$ /MWhem todo o horizonte; Considera Modulação da Carga e Geração Hidráulica nos Finais de Semana

59 Projeção de ESS e Custos devido ao descolamento entre CMO e PLD Projeção do PLD. ESS - Restrições Operativas (Constrained-on, Constrained-off e Serviços Ancilares, pago por todos os Agentes de Consumo líquido de geração local) ESS - Segurança Energética (UTEs com CVU > CMO, pago por todos os Agentes de acordo com a CNPE /) ESS 59.5 R$ MM jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 ESS : R$.76 MM ESS 5: R$ 5.65 MM ESS 6: R$.5 MM R$ MM jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 Custo de descolamento entre CMO e PLD (UTEs com PLD < CVU CMO, pago por todos os Agentes de Consumo líquido de geração) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 Custo 5: R$.99 MM Custo 6: R$ 6 MM Conforme Resolução Normativa nº 659 de de abril de 5, a Geração das UTEsde Manaus com CVU maior que PLD estão alocadas como Restrição Operativa.

60 Projeção de ESS e Custos devido ao descolamento entre CMO e PLD Sensibilidade : Projeção do PLD com Geração Térmica por Segurança Energética. ESS - Restrições Operativas (Constrained-on, Constrained-off e Serviços Ancilares, pago por todos os Agentes de Consumo líquido de geração local) ESS - Segurança Energética (UTEs com CVU > CMO, pago por todos os Agentes de acordo com a CNPE /) ESS 6.5 R$ MM jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 ESS : R$.76 MM ESS 5: R$ 5.65 MM ESS 6: R$.79 MM R$ MM jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 Custo de descolamento entre CMO e PLD (UTEs com PLD < CVU CMO, pago por todos os Agentes de Consumo líquido de geração) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 Custo 5: R$.99 MM Custo 6: R$ 6 MM Conforme Resolução Normativa nº 659 de de abril de 5, a Geração das UTEsde Manaus com CVU maior que PLD estão alocadas como Restrição Operativa.

61 Projeção de ESS e Custos devido ao descolamento entre CMO e PLD Sensibilidade : Pior Série de ENA..5 ESS - Restrições Operativas (Constrained-on, Constrained-off e Serviços Ancilares, pago por todos os Agentes de Consumo líquido de geração local) ESS - Segurança Energética (UTEs com CVU > CMO, pago por todos os Agentes de acordo com a CNPE /) ESS R$ MM jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 ESS : R$.76 MM ESS 5: R$ 5.65 MM ESS 6: R$.6 MM R$ MM jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/5 fev/5 mar/5 abr/5 mai/5 jun/5 jul/5 ago/5 set/5 out/5 nov/5 dez/5 Custo de descolamento entre CMO e PLD (UTEs com PLD < CVU CMO, pago por todos os Agentes de Consumo líquido de geração) jan/6 fev/6 mar/6 abr/6 mai/6 jun/6 jul/6 ago/6 set/6 out/6 nov/6 dez/6 jan/7 fev/7 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 Custo 5: R$.99 MM Custo 6: R$ 6 MM Conforme Resolução Normativa nº 659 de de abril de 5, a Geração das UTEsde Manaus com CVU maior que PLD estão alocadas como Restrição Operativa.

62 Agenda Processo de Cálculo do CMO/PLD Metodologias de Projeção de CMO/PLD Principais Premissas para um Estudo de Projeção Projeção de PLD da CCEE Disponibilização dos Decks e Resultados

63 Disponibilização dos Decks e Resultados COMUNICADO/5(demarçode5): Apartirdemarçode5ficarãodisponíveisnositedaCCEEosdadosdeentradaeassaídasdos modelos Newave e Decomp utilizados para os estudos de projeção do Preço de Liquidação das Diferenças PLD; Os arquivos serão disponibilizados na Biblioteca Virtual do site da CCEE e poderão ser acessados pelo caminho: Home>Oquefazemos>Preços>Deckdepreços

64 Disponibilização dos Decks e Resultados Relação dos meses de estudo e pastas com os arquivos de entrada dos modelos: Mês de estudo Newave Decomp - Operação Decomp - Preço 6 mai/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ jun/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ jul/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ ago/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ set/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ out/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_5 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_5 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_5 nov/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_6 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_6 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_6 dez/6 5_mai6_RV_logENA_n_m_7 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_7 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_7 jan/7 5_mai6_RV_logENA_n_m_8 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_8 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_8 fev/7 5_mai6_RV_logENA_n_m_9 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_9 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_9 mar/7 abr/7 mai/7 jun/7 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ 5_mai6_RV_logENA_n_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_oper_m_ 5_mai6_RV_logENA_d_preco_m_ Nomenclatura adotada: 5_mai6_RV : Nome do estudo RV de Maio de 6; logena : Projeção de ENA a partir do log da ENA por REE; n : Newave; d_oper : Decomp de operação; d_preco : Decomp de preço.

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de abril

Análise PLD 4ª semana operativa de abril 1,16 37,61 13, 19,3 8,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,8 9,4 166,69 63,6 94,1 3,66 3,4 37,73 49,4 7,93 61,3 83,43 11,8 149,,1 166, 1,19 11,44 18,43 16,4 87, 39,73 46,1 36,68 3,66 331,1 689, www.ccee.org.br

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro A 125,16 395,73 37,61 13,25 19,03 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 70,28 29,42,69 263,06 689,25 287,20 94,28 35,66 30,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,02,21,05,19 121,44,64 www.ccee.org.br Nº

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto a 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 689,25 287,2 35,66 3,42 37,73,42 75,93 61,32 83,43 117,58 www.ccee.org.br Nº 253 1ª semana de agosto/216 8 1 8 O

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de maio

Análise PLD 3ª semana operativa de maio 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 35,66 3,42 37,73 49,42 86,45 8,39 74,51 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de março

Análise PLD 3ª semana operativa de março 12,16 37,61 13,2 19,3 28,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 287,2 94,1 3,66 3,42 37,73 49,42 7,93 61,32 83,43 11,8 149,2 2,21 166, 122,19 121,44 128,43 184,49 18,6 238, 39,73 689,2 www.ccee.org.br

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 135,43 166,69 145,9 263,7 24,8 227,4 212,32 22,87 149,49 134,33 11,1 14,15 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 221 4ª semana de embro/15

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 2ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8,9,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 395,73,48,48,48,48 387,24,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 223 2ª semana de janeiro/16

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2008 Resolução Normativa ANEEL n 293/2007 Resolução Normativa CNPE n 8/2007 Resolução Normativa ANEEL n 306/2008

Leia mais

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Roberto Castro Conselheiro de Administração 24/08/2017

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

PMO de Dezembro Semana Operativa de 25/11/2017 a 01/12/2017

PMO de Dezembro Semana Operativa de 25/11/2017 a 01/12/2017 1. APRESENTAÇÃO Nas três primeiras semanas de novembro ocorreram totais significativos de precipitação na bacia do rio Iguaçu e no trecho incremental à UHE Itaipu. Em seguida, a configuração de um episódio

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 09/09/2017 a 15/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 09/09/2017 a 15/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 02 a 08/09/2017 ocorreu chuva fraca na bacia do rio Jacuí. Para a semana de 09 a 15/09/2017 há previsão de chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu e Paranapanema.

Leia mais

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5 % Armazenamento JUNHO RV0 1.1 ARMAZENAMENTO HISTÓRICO DO SISTEMA INTEGRADO NACIONAL 20 56,8 55,7 54,8,2 42,3 42,9 38,5,4 42,6 42,0 43,0,0 34,9 37,0 38,1,3 34,4 35,7 29,0 30,1 32,3 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro Semana Operativa de 21/01/2017 a 27/01/2017 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 14 a 20/01/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 02/09/2017 a 08/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 02/09/2017 a 08/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/08 a 01/09/2017 ocorreu precipitação de fraca intensidade na bacia do rio Jacuí e chuvisco em pontos isolados da bacia do rio Uruguai. Para a semana de 02 a 08/09/2017 prevê-se,

Leia mais

PMO de Outubro Semana Operativa de 07/10/2017 a 13/10/2017

PMO de Outubro Semana Operativa de 07/10/2017 a 13/10/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana operativa de 30/09 a 06/10/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu, Paranapanema, Tietê, Grande, Paranaíba, na calha principal do Paraná, no alto

Leia mais

PMO de Dezembro Semana Operativa de 09/12/2017 a 15/12/2017

PMO de Dezembro Semana Operativa de 09/12/2017 a 15/12/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 02 a 08/12/2017 ocorreu chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu, Paranapanema e Tietê, e precipitação de intensidade fraca a moderada nas bacias dos rios Grande,

Leia mais

PMO de Novembro Semana Operativa de 18/11/2017 a 24/11/2017

PMO de Novembro Semana Operativa de 18/11/2017 a 24/11/2017 1. APRESENTAÇÃO Para o início da semana de 18 a 24/11/2017 há previsão de precipitação nas bacias hidrográficas dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste e no alto São Francisco. A bacia do rio Tocantins

Leia mais

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017 1. APRESENTAÇÃO Na primeira quinzena de outubro ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste. Na quarta semana do mês ocorreram totais elevados de precipitação nas

Leia mais

PMO de Dezembro Semana Operativa de 02/12/2017 a 08/12/2017

PMO de Dezembro Semana Operativa de 02/12/2017 a 08/12/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 25/11 a 01/12/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu, Paranapanema, Tietê, Grande e Paranaíba e no alto São Francisco. A bacia do rio Tocantins

Leia mais

PMO de Dezembro Semana Operativa de 23/12/2017 a 29/12/2017

PMO de Dezembro Semana Operativa de 23/12/2017 a 29/12/2017 1. APRESENTAÇÃO Em função da implementação, a partir do PMO de Janeiro/2018, de evoluções metodológicas nos modelos de otimização utilizados na elaboração do PMO, neste Sumário Executivo, adicionalmente

Leia mais

PMO de Outubro Semana Operativa de 21/10/2017 a 27/10/2017

PMO de Outubro Semana Operativa de 21/10/2017 a 27/10/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 14 a 20/10/2017 ocorreu chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai e Iguaçu. No final da semana ocorreu chuva fraca a moderada na bacia do rio Jacuí e precipitação

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 16/09/2017 a 22/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 16/09/2017 a 22/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 09 a 15/09/2017 a atuação de duas frentes frias na região Sul, uma no início da semana e a outra no final, ocasionou apenas chuva fraca isolada nas bacias dos rios Jacuí e

Leia mais

PMO de Dezembro Semana Operativa de 16/12/2017 a 22/12/2017

PMO de Dezembro Semana Operativa de 16/12/2017 a 22/12/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 09 a 15/12/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos rios Grande, Paranaíba, São Francisco e Tocantins. Para o início da semana de 16 a 22/12/2017 há previsão de pancadas de

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 25/02 a 03/03/2017,

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Gustavo Arfux Agenda Principais aspectos da comercialização de energia no mercado livre A cadeia de modelos matemáticos de planejamento e operação Formação

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2017 Semana Operativa de 08/04/2017 a 14/04/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2017 Semana Operativa de 08/04/2017 a 14/04/2017 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2017 Semana Operativa de 08/04/2017 a 14/04/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 08 a 14/04/2017, a previsão indica, chuva fraca a

Leia mais

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março Semana Operativa de 05/03/2016 11/03/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 27/02 a 04/03 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias da região Sul

Leia mais

JULHO RV0 1ª Semana

JULHO RV0 1ª Semana JULHO 2015 RV0 1ª Semana Sumário INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES INICIAIS... 3 1 - Nível dos reservatórios... 3 2 - Expansão da oferta hidrotérmica (MW)... 4 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES HIDROMETEREOLÓGICAS... 5 1

Leia mais

Nº 54 Fevereiro/

Nº 54 Fevereiro/ www.ccee.org.br Nº 54 Fevereiro/212 8 1 8 O Info Mercado é uma publicação mensal que traz os principais resultados das operações contabilizadas no âmbito da CCEE. Esta edição refere-se aos dados da contabilização

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 11/03/2017 a 17/03/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 11/03/2017 a 17/03/2017 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 11/03/2017 a 17/03/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 1. APRESENTAÇÃO Findo o primeiro bimestre do período chuvoso nas regiões Norte, Nordeste

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 02 a 08/01/2015, ocorreu chuva fraca nas bacias

Leia mais

DECOMP. Exercícios Práticos

DECOMP. Exercícios Práticos Treinamento nos Modelos Newave/Decomp DECOMP Exercícios Práticos Maio de 2016 Contextualização Planejamento da Operação Energética MÉDIO PRAZO horizonte: 5 anos discretização: mensal NEWAVE CURTO PRAZO

Leia mais

Nº 003 Março/ Nº de usinas

Nº 003 Março/ Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE Felipe Barroso AGENDA CARACTERÍSTICAS DO MERCADO LIVRE ESPECIAL MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS APETITE AO RISCO EXPECTATIVA DE PREÇOS

Leia mais

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas

3º Ciclo Revisões Tarifárias Periódicas 8 02 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 4ª Semana de Fevereiro de 203 Fevereiro (6.02.203 a 22.02.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 87,88 93,57 Pesada 27,60 27,60

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2017 Semana Operativa de 07 a 13/01/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2017 Semana Operativa de 07 a 13/01/2017 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2017 Semana Operativa de 07 a 13/01/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 31/12/2016

Leia mais

Café da Manhã JP Morgan Ricardo Cyrino 27 de julho de 2017

Café da Manhã JP Morgan Ricardo Cyrino 27 de julho de 2017 Café da Manhã JP Morgan Ricardo Cyrino 27 de julho de 2017 Agenda Hidrologia e Regulação Estratégia de Crescimento & Nova Plataforma Comercial Atualizações Setoriais 2 Hidrologia e Regulação 3 Desempenho

Leia mais

Objetivo de projetar o PLD: atender a expectativa quanto a uma visão de futuro para o

Objetivo de projetar o PLD: atender a expectativa quanto a uma visão de futuro para o Projeção do PLD Contexto A ANEEL procurou a CCEE solicitando um trabalho conjunto para o desenvolvimento de uma metodologia de projeção de PLD (14 meses a frente) para aplicação no reajuste tarifário das

Leia mais

Resolução CNPE nº 03/2013

Resolução CNPE nº 03/2013 Resolução CNPE nº 03/2013 Agenda 1) Resolução CNPE nº 03 2) Cálculo do PLD F exemplo ilustrativo (simplificado) 3) Cálculo do PLD 1 e PLD F - primeira semana operativa de abril de 2013 A Resolução CNPE

Leia mais

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo:

O PLD da 5ª semana de Novembro foi republicado devido a um erro de entrada de dado no Modelo: 02 2 3 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD - ª Semana de Dezembro de 203 Dezembro (30..203 a 06.2.203) PLD médio PLD médio 2 R$/MWh Sudeste Sul Nordeste Norte Sudeste 309,49 309,33 Pesada 33,8

Leia mais

Preços no mercado de energia elétrica brasileiro

Preços no mercado de energia elétrica brasileiro Preços no mercado de energia elétrica brasileiro Função, Formação e Evolução Dilcemar P. Mendes ANEEL São Paulo SP, 02 de junho de 2008 Roteiro I. Introdução II. A Função dos Preços de Curto Prazo II.

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica

O Mercado Livre de Energia Elétrica O Mercado Livre de Energia Elétrica Conjuntura atual do setor elétrico, seus impactos na indústria e perspectivas futuras. Campetro Energy Novembro de 2015 Sumário 1. Institucional Grupo Votorantim e Votorantim

Leia mais

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5

42,6 42,0 43,0 40,0 40,3 29,0 30,1 23,4 28,7 27,7 19,5 29,4 23,1 20,5 ET RV1 % Armazenamento ET RV1 1.1 ARMAZENAMENTO HITÓRICO DO ITEMA INTEGRADO NACIONAL 60 40 20 56,8 55,7 54,8 53,5 50,2 48,0 42,3 44,5 42,9 38,5 40,4 42,6 42,0 43,0 40,0 34,9 37,0 38,1 40,3 34,4 35,7 29,0

Leia mais

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc

REVISÃO 1 NT 156/2003. P:\Meus documentos\nota Técnica\NT REVISÃO 1.doc REVISÃO 1 2003/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. NT 156/2003 REVISÃO 1 P:\Meus documentos\nota Técnica\NT 156-2004 REVISÃO 1.doc !"# $%!#&'(# #$)*+,-+-)#-$&.',-+

Leia mais

FIESP. Workshop Infraestrutura Mercado Livre de Energia Painel 2: Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre

FIESP. Workshop Infraestrutura Mercado Livre de Energia Painel 2: Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre FIESP Workshop Infraestrutura Mercado Livre de Energia Painel 2: Perspectivas de Oferta e Preço da Energia para o Mercado Livre Agosto/2017 Quem somos A Ampere Consultoria foi constituída em 2013 e é formada

Leia mais

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel Operação do SIN PEA3496 Prof. Marco Saidel SIN: Sistema Interligado Nacional Sistema hidrotérmico de grande porte Predominância de usinas hidrelétricas Regiões (subsistemas): Sul, Sudeste/Centro-Oeste,

Leia mais

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015

A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial /03/2015 A CCEE e a operacionalização do mercado de energia elétrica em 2015 Canal Energia Agenda Setorial 2015 19/03/2015 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração A CCEE e destaques

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 5 04 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas

Nº 008 Agosto/ Nº de usinas Nº de usinas www.cceorg.br Nº 008 Agosto/2014 0 10 00 08 Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014

INFORMATIVO MENSAL MAR.2014 INFORMATIVO MENSAL.214 Preço de Liquidação das Diferenças 9, 8, 7, 6, 5, 4, 3, 2, PLD Médio /214 PLD TETO 822,83 7 6 5 4 3 2 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 1,, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 7/ NORTE SEMANA 2 8/

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Semana Operativa de 29/10/2016 a 04/11/2016 1. APRESENTAÇÃO Nas segunda, terceira e quarta semanas do mês de outubro ocorreram totais elevados

Leia mais

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%.

1. SUMÁRIO EXECUTIVO. O Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) encerrou janeiro/2015 com um fator de ajuste de 80,6%. O InfoMercado mensal apresenta os dados da prévia de medição de fevereiro/15 e os principais resultados da contabilização das operações do mercado de energia elétrica em janeiro/15. Este boletim traz um

Leia mais

RELATÓRIO SEMANAL SEMANA DE 21 a 27 outubro 2017

RELATÓRIO SEMANAL SEMANA DE 21 a 27 outubro 2017 RELATÓRIO SEMANAL SEMANA DE 21 a 27 outubro 217 Custo Marginal da Operação CMO X PREÇO TÉRMICA R$1.2 R$1. R$8 R$ 86,45 R$6 R$4 R$2 R$ * O CMO (Custo Marginal da Operação), o seu valor nada mais é que a

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Para a semana de 23 a 29/08/2014, a previsão é de chuva fraca à moderada nas bacias dos rios Uruguai e Jacuí, e chuva fraca

Leia mais

3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA

3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA 35 3 RISCOS DE CONTRATAÇÃO DE PCHS E USINAS BIOMASSA Neste capítulo serão detalhados os riscos que as PCHs e Usinas a Biomassa de Cana de Açúcar estão sujeitas

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA UTN ANGRA 3 PARA O ATENDIMENTO DO SIN

IMPORTÂNCIA DA UTN ANGRA 3 PARA O ATENDIMENTO DO SIN ONS NT-0020/2017 IMPORTÂNCIA DA UTN ANGRA 3 PARA O ATENDIMENTO DO SIN FEVEREIRO DE 2017 Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 - Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21)

Leia mais

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro

Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro 15 de Agosto de 2016 Boletim de conjuntura do setor elétrico brasileiro A energia elétrica é insumo essencial à indústria, podendo representar até 40% dos custos de produção em setores eletrointensivos.

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 25 03 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2.

Leia mais

Ambiente Institucional

Ambiente Institucional Ministério de Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Encontro Técnico GT São Marcos Setor Elétrico Suprimento e Armazenamento de Energia: O Desafio Goiânia, Agosto de 2016. 1 Ambiente Institucional

Leia mais

Balanço Energético. Versão 1.0

Balanço Energético. Versão 1.0 ÍNDICE BALANÇO ENERGÉTICO 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento do Cálculo do 10 2.1. Cálculo do 10 2 Controle de Alterações Revisão Motivo da Revisão Instrumento

Leia mais

O Sinal de Preço e. a Competitividade da Indústria

O Sinal de Preço e. a Competitividade da Indústria O Sinal de Preço e a Competitividade da Indústria Eduardo Spalding Painel: Análise do Comportamento dos Preços da Energia no Cenário de Escassez Fórum APINE 28.02.2008 Sinal de Preço o e Competitividade

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016 % EARmáx Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Abril 2016 Semana Operativa de 26/03/2016 a 01/04/2016 1. APRESENTAÇÃO Durante o mês

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 24 06 5 6 06 5 Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas.

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 10 a 16 de agosto, conforme a previsão, a atuação de duas frentes frias e de áreas de instabilidade voltou a ocasionar precipitação

Leia mais

Submódulo Diretrizes e critérios para estudos energéticos

Submódulo Diretrizes e critérios para estudos energéticos Submódulo 23.4 Diretrizes e critérios para estudos energéticos Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 1.0 1.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

5 Simulação do PLD médio anual

5 Simulação do PLD médio anual 5 Simulação do PLD médio anual Como a energia elétrica tem a característica de não ser armazenável, o balanço produção-consumo deve ser feito instantaneamente, de forma que pode haver diferenças entre

Leia mais

Preço spot de eletricidade: teoria e evidências do Brasil

Preço spot de eletricidade: teoria e evidências do Brasil Seminário de Pesquisa IE/UFRJ Preço spot de eletricidade: teoria e evidências do Brasil Nivalde J. de Castro Roberto Brandão André Leite Sumário Mercados de energia elétrica Modelos de mercado Formação

Leia mais

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração

11 de abril de Paulo Born Conselho de Administração Operações do Mercado de Energia Evolução e Perspectiva Seminário FIEPE 11 de abril de 2013 Paulo Born Conselho de Administração Agenda Visão Geral do Mercado de Energia Governança e Ambientes de Comercialização

Leia mais

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE

Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Painel 3 - INTEGRAÇÃO NO MERCOSUL Seminário Internacional de Integração Elétrica da América do Sul 7 de agosto de 2012 Antônio Carlos Fraga Machado Conselheiro de Administração - CCEE Sistema Interligado

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Somente no final da semana de 17 a 23 de agosto, uma frente fria conseguiu atingir a região Sul do país, ocasionando chuva fraca/moderada

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro. 15 de agosto de 2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil A atuação da CCEE como operadora do mercado brasileiro 15 de agosto de 2012 Luiz Eduardo Barata Ferreira Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE

CCEE Situação Atual e Evoluções. Workshop Andrade&Canellas de agosto de Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE CCEE Situação Atual e Evoluções Workshop Andrade&Canellas 2012 17 de agosto de 2012 Paulo Born Conselheiro de Administração - CCEE Responsabilidades da CCEE - Evolução 27) RRV usinas em atraso 28) Gestão

Leia mais

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira V Seminário de Geração e Desenvolvimento Sustentável Fundación MAPFRE Prof. Nivalde José de Castro Prof. Sidnei

Leia mais

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017

Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético. Maio de 2017 Superando as Barreiras Regulatórias para Comercialização de Eletricidade pelas Usinas do Setor Sucroenergético Maio de 2017 Instabilidade do preço-teto nos leilões O preço teto para a fonte biomassa tem

Leia mais

CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA

CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA Daiane Mara Barbosa Baseado em: Déficit de Energia Elétrica: histórico, avaliação e proposta de uma nova metodologia por Paulo Gerson Cayres Loureiro. CUSTO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SITEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SITEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1. XXX.YY 22 a 25 Novembro de 29 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SITEMAS ELÉTRICOS - GOP ANÁLISE

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 05 a 11/07/2014, ocorreu chuva fraca nas bacias hidrográficas dessas regiões, com exceção da bacia do rio Paranaíba, onde não

Leia mais