CUSTO DE PRODUÇÃO DA CACHAÇA ORGÂNICA Giaretta & Giaretta Cachaça Natural Ltda. ME Lins - SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CUSTO DE PRODUÇÃO DA CACHAÇA ORGÂNICA Giaretta & Giaretta Cachaça Natural Ltda. ME Lins - SP"

Transcrição

1 UNISALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Ciências Contábeis Leandro Sansão da Silva Lenita Kuhll Navarro de Moraes Cintra Liliane de Cácia Kiil Tatiane Tomikawa Queiroz Buranello CUSTO DE PRODUÇÃO DA CACHAÇA ORGÂNICA Giaretta & Giaretta Cachaça Natural Ltda. ME Lins - SP LINS 2007 SP

2 1 LEANDRO SANSÃO DA SILVA LENITA KUHLL NAVARRO DE MORAES CINTRA LILIANE DE CÁCIA KIIL TATIANE TOMIKAWA QUEIROZ BURANELLO CUSTO DE PRODUÇÃO DA CACHAÇA ORGÂNICA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora do Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, curso de Ciências Contábeis sob a orientação do Prof. M. Sc. Ricardo Yoshio Horita e M. Sc. Heloisa Helena Rovery da Silva. LINS SP 2007

3 2 LEANDRO SANSÃO DA SILVA LENITA KUHLL NAVARRO DE MORAES CINTRA LILIANE DE CÁCIA KIIL TATIANE TOMIKAWA QUEIROZ BURANELLO CUSTO DE PRODUÇÃO DA CACHAÇA ORGÂNICA Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para obtenção do título de Bacharel em Ciências Contábeis. Aprovada em: / / Banca Examinadora: Prof. Orientador: Ricardo Yoshio Horita Titulação: Mestre em Ciência da Computação pela Universidade Federal de São Carlos Assinatura: 1º Prof(a): Titulação: Assinatura: 2º Prof(a): Titulação: Assinatura:

4 3 A DEUS, Gos taria d e encon trar palavras ad equ ad as que expres s as s em tod o s en tim en to que tenho pela s u a infinita m is ericórd ia, bond ad e em cons ervar em m im s eu fôlego d e vid a e m e s us ten tar com o hum an o idealizador de meus sonhos. Ded ico, por tud o que a m im tem feito e, com s atis fação, es s e pequeno es paço para m os trar o qu an to s ou grato a ti pela força e perseverança que tem m e auxiliad o nes s a jorn ad a, chegan d o ao fin al d e u m a etap a com a certez a d e que m e cond uz iu no cam inho certo para que pud es s e no d ia d e hoje d iz er: Obrigad o S enhor, por qu an to a s u a von tad e realiz ou-se em m in h a vid a... AOS MEU PAIS, PEDRO E MAURÍCIA, Ded ico a vocês que com gran d e excelência, d eram início ao s urgim en to d e u m a lind a his tória que s e res u m e em am iz ad e e com pan heiris m o. Por terem m e ens in ad o a acred itar em viver e bus car a realiz ação d e m eus s onhos, pela ed ucação e apoio, m e ajud an d o a s egu ir e s uperar tod as as m inh as expectativas. Maiorm en te, s ou agrad ecid o pelo am paro e pelos cons elhos que nunca faltaram. S e n ão houver fru tos, valeu a beleza das flores; Se não houver flores, valeu a sombra das folhas; Se não houver folhas, valeu a in tenção d a s em en te (Henfil) LEANDRO SANSÃO DA SILVA

5 4 A DEUS, OBRIGADA, S ENHOR, por m ais es ta conqu is ta. Em cad a m om en to pu d e s en tir Tua pres ença, s obretu d o nos m om en tos d ifíceis. Foi em Ti que bus quei conforto e acim a d e tu d o es peran ça e otim is m o. Com Tu a proteção s ei que pos s o m u ito m ais. TERESA E CRISTOVAM, A vocês, que n a s im plicid ad e d e ges tos, palavras e exem plos m e ens in aram a viver com d ign id ad e e ten tar s er cad a vez m elhor. S ei que em s eu s pens am en tos e orações es tou tod os os d ias. Agrad eço a Deus pela felicidade de tê-los como pais. Amo vocês. RENATO, Com panheiro, am or, am igo. S em pre pres en te em tod as as horas. O m aior incen tivad or nes ta jorn ad a. Alguém que acred ita e torce por tu d o o que m e propon ho a faz er. Meu orgulho por você é im ens o. Peço a proteção d e Deus para que pos s am os con tin u ar juntos nes ta cam in h ad a d a vid a. Obrigada. ISABELA, Pres en te m aravilhos o que Deus m e con ced eu. Am oros a, querid a, parceira e am iga pra chorar ou para m orrer d e rir. Com palavras é d ifícil expressar o m eu am or por você, que é m aior que tud o. S im ples m en te obrigad a por existir. É por você tudo o que faço e sonho. LENITA KUHLL NAVARRO DE MORAES CINTRA

6 5 A DEUS, Agrad eço a vid a e a força que m e d es te para conclus ão d e m ais u m a etapa, tam bém à fam ília e aos am igos m aravilh os os que colocas tes em m eu cam inho, que m u ito m e incen tivaram e d eram força para alcançar este objetivo. ANTÔNIO KIIL (In Memorian), Ao m eu pai, pela ed ucação que m e d eu, pelos m om en tos feliz es que ju n tos pas s am os e apes ar d o pouco tem po cons eguiu m os trar-m e os m elhores cam inhos. Ond e ele es tiver pos s a orgulh ar-s e d e m im. Mu itas saudades. JULIA SIVIERO KIIL, À m in h a m ãe, rain h a d o lar, s em pre d ed icad a à fam ília e exem plo para nós, que m e fez s egu ir qu an d o eu queria parar, m e fez levan tar qu and o eu es tava no ch ão e s em pre m os tra o lad o bom e bonito d a vid a. Te am o m u ito. Obrigad a! JOSELENE, Pes s oa cativa, lind a, irm ã e am iga, por tod as as vez es que apoiou e ajudou-m e n as horas que eu m ais precis ei, s oube ouvir e acons elh ar-me, d á valor a fam ília, m ora no m eu coração. Irm ãs pelo d es tin o... am igas por opção! JOSÉ CARLOS, Pes s oa qu erid a, com quem eu s em pre pos s o con tar, pela vid a que jun tos vivem os, pelas alegrias e d ificuld ad es que jun tos pas s am os, pela filh a lind a que tivem os. Qu an d o es tive aus en te, s oube s er pai e m ãe, pelo apoio, aju d a e incen tivo em tod o d ecorrer d es te trabalho. JÚLIA, Minh a princes inh a, por en tend er m in h a au s ên cia qu an d o d evia es tar perto. Lind a, in teligen te, pes s oa ilu m in ad a, que trouxe m u ita alegria e encheu m inh a vid a d e es peran ça, você é tu d o pra m im. Te am o d o tam an ho d o céu. LILIANE DE CÁCIA KIIL

7 6 A DEUS, Agrad eço por m e m os trar que s ou protegid a, guiad a e ilu m in ad a pela s u a presença divina no mais íntimo do meu ser. LETÍCIA E CAROLINA, Ded ico às pes s oinh as m ais es peciais n a m inh a vid a, fon te ines gotável d e forças e esperanças, razão do meu viver. Amo vocês mais do que tudo! LENITA E LILIANE, Am igos s ão an jos qu e levan tam nos s os pés qu an d o nos s as próprias as as se esquecem como voar. Por isso amigas, muito obrigada! A PESSOAS ESPECIAIS, A realiz ação d es te trabalho con tou com o apoio e o es tím ulo d e m u itas pes s oas : profes s ores, am igos, colegas e fam iliares. Cad a u m, ao s eu m od o, contribu iu para que eu pud es s e encon trar a força neces s ária para enfren tar as d ificuld ad es d e u m trabalho com o es te. Por is s o, aqu i vai m eu s incero agrad ecim en to a tod os, s eja pela ajud a con s tan te ou por u m a palavra d e am iz ad e! TATIANE TOMIKAWA QUEIROZ BURANELLO

8 7 AGRADECIMENTOS A DEUS, Por d ar-nos o d om d a vid a e a capacid ad e d e es tarm os aqu i h oje pod end o agrad ecê-lo. Obrigad o S enhor, pela pres ença cons tan te em nos s as vid as, por ter perm itid o que nos s o cam in ho s e cruz as s e com o cam inho d e tan tas pes s oas im portan tes. Foram tan tos os m om en tos d e s atis fação e alegrias que as d ificuld ad es encon trad as an teriorm en te parecem tão in s ignifican tes. Agrad ecem os por nos d ar força e pod erm os concluir m ais u m a etapa d e nos s as vid as. À EMPRESA, No com eço d eparam o-nos com s itu ações que vieram nos afligir e desanimar n a bus ca d e u m a organ iz ação que nos d aria a oportunid ad e para dar início à sistemática do trabalho de conclusão de curso. Aos irm ãos Giaretta, Bened ito e S érgio, agrad ecem os por acred itar em nos s o talen to e ter nos d ad o total confiança, d is pon ibilid ad e d e tem po e d e inform ações para a realiz ação e organ iz ação d o trabalho, fornecend o a cad a tópico u m a m arca d e s im plicid ad e, d ed icação e es forço que nos m otivou a explorar m ais o as s unto e d es envolver a pes quis a. Nos s o m u ito obrigado. AOS PROFESSORES, Obrigad o por nos aju d arem a d es cobrir u m m u nd o d e possibilidades, lançando-nos d es afios a cad a d ia, por faz er-nos enfrentar aqu ilo que ach ávam os im pos s ível e por nos afirm ar s em pre que éram os capazes.

9 8 ESPECIALMENTE À HELOISA HELENA E RICARDO HORITA, Quando n ão tivem os o ânim o neces s ário, vocês, com poucas palavras, nos fizeram seguir... Qu an d o não ach am os s aíd a, vocês nos m os traram oportu nid ad es... Nos s os s inceros agrad ecim en tos por faz erem parte d es te d es afio e nos convid arem a voar em s u a s abed oria, m es m o s abend o que es te voar d epend eria d as as as d e cad a u m d e nós. AOS COLEGAS, S e pud és s em os d eixar algu m pres en te a vocês, d eixaríam os aces o o s en tim en to d e am or à vid a d os s eres hu m an os e a cons ciência d e aprend er tud o o que nos é en s in ad o pelo tem po afora. Lem braríam os os erros que foram com etid os com o s in ais para n ão m ais s e repetirem. E, qu an d o tud o m ais faltas s e, d eixaríam os u m s egred o: o d e bus car no in terior d e s i m es m o a res pos ta para encon trar a s aíd a.

10 9 RESUMO Mundialmente o mercado orgânico ganha cada vez mais importância. Devido às várias mudanças que atualmente vem ocorrendo com o meio ambiente e a constante preocupação do ser humano com a saúde, os produtos orgânicos tornam-se cada vez mais atrativos. A empresa Giaretta & Giaretta Cachaça Natural produz uma cachaça de qualidade diferenciada e sua opção pelo processo orgânico e artesanal busca agregar valor ao produto. Houve necessidade de um processo de reestruturação da empresa para adequação às normas e técnicas do produto orgânico exigidas pelos órgãos regulamentadores e certificadores. Seguindo novas tendências e exigências dos mercados nacional e internacional e buscando sofisticação, a empresa tem constante preocupação com a apresentação de seus produtos, destacando-se por suas embalagens e assim satisfazendo o mais variado público apreciador da cachaça brasileira. A cachaça orgânica produzida pela empresa é denominada Arte Brasil. A contabilidade de custos é ferramenta fundamental para toda e qualquer empresa melhor desempenhar seu papel e cumprir seus objetivos, tornando-se mais competitiva e garantindo sua continuidade. A contabilidade de custos torna-se imprescindível para que a empresa colete dados que facilitem o estabelecimento de padrões, orçamentos e previsões confiáveis. Quanto maior a harmonia entre as necessidades dos gestores e as informações fornecidas, melhores decisões poderão ser tomadas. O custeio variável consiste fundamentalmente em considerar como custo de produção apenas os custos variáveis incorridos e sua principal vantagem é priorizar o aspecto gerencial, sem distorções ocasionadas pelos rateios de custos fixos aos produtos. Partindo da apuração do custeio variável, torna-se possível demonstrar a margem de contribuição de cada produto, permitindo à empresa identificar quais produtos são mais lucrativos, viabilizando ao empresário uma melhor tomada de decisão. Palavras-chave: Cachaça orgânica. Custos de produção. Margem de contribuição. Contabilidade de custos.

11 10 ABSTRACT Worldwide the organic market gains each time more importance. Due to the various changes that currently come occurring with the environment and the constant concern of the human being with the health, the organic products are becoming more and more attractive. The company Natural Drip Giaretta & Giaretta produces one drip of quality differentiated and its option by organic process of reorganization of the productive sector of the company to adequacy to the norms and techniques of the organic products demanded by the prescribed agencies and certifiers. Following the new trends and requirements of the national and international market and searching sophistication, the company has constant concern with the presentation of its products, being distinguished for its packings and thus satisfying the most varied public appreciater of drips Brazilian. The organic drip produced by the company is called Brazil Art. On the other hand, the cost s accounting is fundamental tool to the managers best performance is role and fulfill its objectives; becoming more competitive and garanteeing continuity of the company. In such the cost s accounting becomes essential to that the company has information that facilitate the taking of decisions. How much major the harmony among the necessities of the managers ant the gotten information, better decisions could be taken. The changeable expenditure consists basically in to prioritize the managemental aspect, minimizing the disortions caused by divisions of fixed costs to the products. Leaving of the verification of the changeable expenditure ones becomes possible to get the edge of contribution of each product, being allowed the company to identify which products are more lucrative, offering to the entreperneur one better vision to the decision taking. Keyword:Organic drip; Production s cost; Contribution s edge; Cost s accounting

12 11 LISTA DE QUADROS Quadro 1: Demonstração de resultado gerencial Quadro 2: Custos com plantio da cana Quadro 3: Gastos gerais de fabricação Quadro 4: Custos com manutenção Quadro 5: Custos com mão-de-obra Quadro 6: Custos com depreciação Quadro 7: Despesas administrativas Quadro 8: Custo unitário por litro da cachaça prata Quadro 9: Destinação da produção para envelhecimento Quadro 10: Custo do envelhecimento Quadro 11: Custo variável por litro da cachaça ouro Quadro 12: Embalagem de porcelana Quadro 13: Embalagem paraíba Quadro 14: Embalagem cilíndrica Quadro 15: Embalagem quadrada Quadro 16: Embalagem de bolso Quadro 17: Custo unitário total da embalagem de porcelana Quadro 18: Custo unitário total da embalagem de porcelana na caixa em ecocouro Quadro 19: Custo unitário total da embalagem de porcelana na caixa de madeira Quadro 20: Custo unitário total da embalagem de porcelana no saco de veludo Quadro 21: Custo unitário total da embalagem paraíba Quadro 22: Custo unitário total da embalagem cilíndrica Quadro 23: Custo unitário total da embalagem quadrada Quadro 24: Custo unitário total da embalagem de bolso Quadro 25: Margem de contribuição das embalagens porcelana Quadro 26: Margem de contribuição da embalagem paraíba Quadro 27: Margem de contribuição da embalagem cilíndrica Quadro 28: Margem de contribuição da embalagem quadrada... 61

13 12 Quadro 29: Margem de contribuição da embalagem de bolso Quadro 30: Custo fixo Quadro 31: Cálculo do lucro anual Quadro 32: Simulação de redução no preço de venda LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABC: Método de Custeio Baseado em Atividades ABCEL: Associação Beneficente, Cultural e Esportiva de Lins ABRABE: Associação Brasileira de Bebidas CETESB: Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental DAR: Deutsche Akkreditierungsrat IBD: Instituto Biodinâmico IFOAM: Federação Internacional de Movimentos de Agricultura Orgânica JAS: Japan Agriculture Standard MAPA: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MC: Margem de Contribuição ME: Microempresa SEBRAE: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SELIC: Sistema Especial de Liquidação e Custódia SIV: Serviço de Inspeção Vegetal S/N: sem número USDA: United States Department of Agriculture VPL: Valor Presente Líquido

14 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I A EMPRESA GIARETTA & GIARETTA CACHAÇA NATURAL LTDA. ME HISTÓRICO Objetivos e valores Estrutura física e organizacional Agricultura orgânica Diferenças entre produção convencional e produção orgânica Vantagens do produto orgânico Perspectivas da agricultura no mercado internacional Cachaça Legislação brasileira de bebidas Mercado nacional e internacional O produto da empresa: cachaça orgânica Matéria-prima do plantio à colheita Processo produtivo Moagem Decantação Padronização Fermentação natural Destilação Envelhecimento Embalagem Certificação CAPÍTULO II CUSTO DE PRODUÇÃO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO... 35

15 14 2 A CONTABILIDADE DE CUSTOS A importância da contabilidade de custos Objetivos da contabilidade de custos Custos Gasto Custo Despesa Perda Classificação dos custos Custos diretos Custos indiretos Custos fixos e custos variáveis Custeio por absorção Custeio baseado em atividades Custeio variável Margem de contribuição Lucro CAPÍTULO III A APURAÇÃO DO CUSTO DE PRODUÇÃO E MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DA CACHAÇA ORGÂNICA A IMPORTÂNCIA DA APURAÇÃO DE CUSTOS Apuração do custo de produção Custos com plantio da cana-de-açúcar Gastos gerais de fabricação Custos com manutenção Custos com mão-de-obra Custos com depreciação Despesas administrativas Custo variável unitário da cachaça prata Envelhecimento Embalagem Custos variáveis por embalagem... 58

16 Margem de contribuição Custo fixo Apuração do lucro anual Considerações finais sobre o custo de produção e margem de contribuição PROPOSTA DE INTERVENÇÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS... 84

17 16 INTRODUÇÃO Atualmente as empresas encontram-se cada vez mais competitivas no mercado, e para garantir permanência e crescimento sustentável buscam agregar valor aos seus produtos. Seguindo a nova realidade mundial em preservar o meio ambiente, a agricultura orgânica emerge como alternativa para tentar equilibrar os exageros, contrapondo-se à agricultura convencional, priorizando a qualidade, promovendo a saúde da terra e, conseqüentemente, do ser humano, que produz e consome os produtos. A empresa Giaretta & Giaretta Cachaça Natural Ltda. ME, consciente da necessidade de buscar uma posição de destaque no mercado nacional e internacional inova com a produção artesanal da cachaça orgânica. Esta possui qualidade diferenciada, atinge preços expressivamente maiores, por meio de investimento em qualidade e embalagem. Por outro lado, a contabilidade de custos tem por finalidade determinar o custo das operações da empresa e, quando bem estruturada, reduz a possibilidade de a empresa não só comercializar seus produtos a preço de venda abaixo do real, como também estabelecer um preço acima ao do mercado, deixando de ser competitiva. Pelo fato de a empresa não ter um controle efetivo de seus custos, objetiva-se neste trabalho, a identificação dos mesmos, bem como a determinação da margem de contribuição de cada produto, contribuindo com o empresário para o melhor gerenciamento de seu negócio, e conseqüentemente, direcioná-lo na tomada de decisão. Diante do exposto, somando-se a pesquisa exploratória realizada, questiona-se: A apuração do custo de produção é um importante instrumento para a tomada de decisão? Surge, então, a seguinte hipótese: a apuração do custo de produção da cachaça orgânica contribui para o crescimento sustentável, auxiliando os gestores a determinar o preço de venda do produto e sua margem de contribuição. Para demonstrar a veracidade da questão levantada, foi realizada uma pesquisa de campo na empresa Giaretta & Giaretta Cachaça Natural Ltda.-ME,

18 17 no período de fevereiro a outubro de 2007, onde objetivou-se determinar os custos que envolvem o processo de produção da cachaça orgânica, descrever o processo produtivo da cachaça orgânica em relação à cachaça tradicional, analisar o custo de produção e determinar a margem de contribuição de cada produto. Os métodos de pesquisa utilizados foram: Método de observação sistemática, através do qual foram observadas e acompanhadas as etapas do processo de produção da cachaça orgânica para levantamento dos custos e da margem de contribuição. Método histórico, através do qual foram observados e analisados os dados e evolução da história da empresa e da cachaça. As técnicas aplicadas foram as seguintes: Roteiro de Observação Sistemática (Apêndice A); Roteiro do Método Histórico da empresa e da cachaça (Apêndice B); Roteiro de entrevista para o Sócio-Proprietário da empresa (Apêndice C); Roteiro de entrevista para o Profissional Contábil (Apêndice D). O presente trabalho é constituído de três capítulos: Capítulo I Aborda assuntos relativos à empresa, tais como: objetivos e valores e a estrutura física e organizacional. Descreve a agricultura orgânica, a cachaça e o processo para a produção da cachaça orgânica. Capítulo II Refere-se à contabilidade de custos, suas classificações e à margem de contribuição. Capítulo III Demonstra a apuração do custo de produção e da margem de contribuição unitária de cada produto. Finalizando, apresentam-se a Proposta de Intervenção e a Conclusão.

19 18 CAPÍTULO I A EMPRESA GIARETTA & GIARETTA CACHAÇA NATURAL LTDA. - ME 1 HISTÓRICO O sonho dos irmãos Benedito Igino Giaretta e Sérgio Domingos Giaretta em montar um alambique para destilar cachaça surgiu há mais de vinte anos, porém, a busca pela estabilidade profissional veio adiar este projeto, pois estavam em início de carreira na área odontológica. Na época, Benedito estabeleceu-se na cidade de Itatiba/SP e Sérgio na cidade de Botucatu/SP, ambos buscando especialização na área em que atuam até hoje. Em 2004, os irmãos amadureceram a idéia, buscaram informações e resolveram iniciar o negócio. A partir de um barracão simples e da aquisição de equipamentos básicos, com o auxílio do Senhor Waldemar Navarro de Moraes, alambiqueiro da cidade de Sabino, iniciou-se a produção da cachaça. Muitas pessoas vinham até a propriedade conhecer e adquirir a bebida, que começou a ser conhecida na região. Em 2005, foram convidados pelos membros da Associação Beneficente, Cultural e Esportiva de Lins (ABCEL) a participar de uma feira regional na cidade de Lins, quando houve a necessidade do desenvolvimento de embalagem e rótulo para a apresentação do produto. Com embalagem plástica e rótulo bem simples, a cachaça foi denominada Cachaça Giaretta. A boa aceitação nesse evento serviu de incentivo para a família dedicar-se ainda mais ao negócio, buscando auxílio junto ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), que muito contribuiu com informações e dicas importantes. Os irmãos Giaretta continuaram a participar de eventos e feiras nacionais e internacionais, começando a vislumbrar novas oportunidades,

20 19 surgindo assim, a idéia da produção da cachaça orgânica e a possibilidade de atingir o mercado externo. Nesse momento, iniciou-se todo o processo de reestruturação física da empresa, para adequação às normas e técnicas do produto orgânico. Conforme exigências de órgãos regulamentadores e certificadores, a empresa precisou construir fossas assépticas, sala climatizada para fermentação, sala para armazenamento dos tonéis de envelhecimento. Instalou também caixa d água com capacidade para litros e tanque para o armazenamento do vinhoto, para que o destino final dos resíduos fosse perfeitamente realizado. Além disso, fez-se necessária a eliminação de algumas vegetações ao redor da área de produção e utilização de água deionizada na produção da cachaça. Procurando aprimorar ainda mais a qualidade da bebida, os irmãos foram buscar um renomado alambiqueiro no estado de Minas Gerais, que trouxe seu conhecimento e contribuiu para a diminuição da acidez, melhorando a qualidade da bebida. Além das caixas de inox, para armazenamento da cachaça branca, denominada cachaça prata, a empresa adquiriu tonéis nas madeiras amburana, amendoim, carvalho e jequitibá-rosa, para envelhecimento e apuração da cor e sabor, denominada cachaça ouro. Com a finalidade de garantir a segurança da marca, foi registrada a patente do produto com a nova denominação: cachaça Arte Brasil. Para valorização do produto tanto no mercado interno quanto no mercado externo, a empresa começou a investir na pesquisa e desenvolvimento de novos designers de embalagens e rótulos, tornando o produto requintado. Preservando a tradição do processo de fermentação natural, os irmãos Giaretta obtiveram uma bebida especial, de aroma e sabor muito apreciados entre os especialistas nesta arte genuinamente brasileira. 1.1 Objetivos e valores

21 20 O objetivo da empresa Giaretta & Giaretta Cachaça Natural Ltda.-ME é a exportação. Ela produz uma cachaça de qualidade diferenciada. Sua opção pelo processo de produção orgânico e artesanal busca agregar valor ao produto, atingindo um público de renda mais elevada no mercado interno, satisfazendo as exigências do mercado externo. Diante da nova realidade mundial em preservar o meio ambiente, a empresa destaca-se pela preocupação com a ética, a cidadania e a saúde dos envolvidos, a auto-sustentação, a eliminação da dependência de insumo não renovável e a preservação do meio ambiente, através da melhor utilização dos recursos naturais. 1.2 Estrutura física e organizacional A empresa Giaretta & Giaretta Cachaça Natural Ltda.-ME está localizada na estrada Guapiranga/Tangará, KM 4,5, s/n, bairro Córrego Santa Branca, município de Lins, estado de São Paulo. A estrutura física da empresa abrange uma área de plantação de canade-açúcar equivalente a oito hectares de terra. A área construída de 254,14 m 2 compreende um barracão para o processo produtivo, com engenho para a moagem da cana, caixas de decantação para a filtragem da garapa, caixa de inox, sala climatizada com quatro dornas de fermentação em plástico polietileno, forno e destilador. Possui também uma sala para armazenamento dos tonéis para envelhecimento da cachaça, sala para envasamento com uma máquina lacradora, uma rotuladora e sala para estocagem do produto acabado para venda. A empresa possui, além dos dois sócios, quatro colaboradores no setor de produção e um químico responsável. O Escritório Contábil Real, localizado na Avenida Sete de Setembro, nº 825, na cidade de Sabino/SP, é responsável pela contabilidade da empresa. Futuramente a sede comercial da empresa será na Rua Tenente João Francisco, nº 480, 1º andar, Vila dos Lavradores, na cidade de Botucatu/SP.

22 Agricultura orgânica Devido às mudanças climáticas bruscas, enchentes, furacões, alertas sobre a escassez de água no futuro e iminentes desastres ecológicos, várias empresas têm apresentado iniciativas para tentar reduzir o impacto ambiental negativo resultante dos processos produtivos. A agricultura orgânica emerge como alternativa para tentar equilibrar os exageros da agricultura química ou convencional. O processo de mudança do manejo convencional para o orgânico é chamado conversão de sistemas. Conforme a Lei nº , de 23 de dezembro de 2003, em seu artigo 1º, considera-se sistema orgânico de produção agropecuária todo aquele em que se adotam técnicas específicas, mediante a otimização do uso dos recursos naturais e socioeconômicos disponíveis e o respeito à integridade cultural das comunidades rurais. Tem por objetivo a sustentabilidade econômica e ecológica, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energia não-renovável, empregando sempre que possível, métodos culturais, biológicos e mecânicos, em contraposição ao uso de materiais sintéticos, a eliminação do uso de organismos geneticamente modificados e radiações ionizantes, em qualquer fase do processo de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização, e a proteção do meio ambiente. A produção orgânica envolve o conceito de produção social e ecologicamente correta, onde vários resíduos são reintegrados, como esterco animal, restos e folhas. Os microorganismos, além de transformar a matéria orgânica em alimento para as plantas, tornam a terra porosa, solta e permeável à água e ao ar. Ao invés de mero suporte para a planta, o solo será sua fonte de nutrição. Na agricultura orgânica, a sanidade da planta é conseguida através da adubação orgânica, diversificação e rotação de culturas. Conforme Araújo (2005), aumentar a área plantada em trezentos por cento em dois anos foi a façanha conquistada pela agricultura orgânica. O Brasil ocupa o segundo lugar em número de propriedades dedicadas ao cultivo orgânico, gerando uma renda de 300 milhões de reais por ano, com quase todos os tipos de alimentos.

23 22 Os segmentos orgânicos têm se mostrado cada vez mais rentável. Nem mesmo o preço, em média 30% mais caro, parece atrapalhar o negócio. Para implantar uma produção orgânica há um aumento nos custos relativos à mão-de-obra, porém, compensado com a eliminação dos custos com defensivos e fertilizantes Diferenças entre produção convencional e produção orgânica A prioridade da agricultura convencional é a quantidade produzida, em detrimento da qualidade. Para maior produtividade, aplicam-se às plantas produtos químicos e tóxicos, muitos destes cancerígenos. São usados inseticidas para matar insetos, fungicidas para combater fungos, herbicidas para acabar com o mato. Estes produtos químicos acumulam-se na cadeia alimentar, matam predadores naturais, afetam o equilíbrio da biovida do solo, dos rios, dos lençóis freáticos, enfim, reduzem a biodiversidade, depredando os ecossistemas, tendo como principal objetivo o lucro. Os adubos químicos e fertilizantes são usados para o aumento da produção. São altamente solúveis em água e desequilibram a estrutura do solo e a nutrição das plantas. Com todos esses procedimentos, o solo torna-se empobrecido e obtêmse alimentos com menos vitalidade e mais susceptíveis às pragas e doenças, tanto no campo quanto no transporte e armazenamento. A agricultura orgânica vem contrapor-se à agricultura convencional, priorizando a qualidade, promovendo a saúde da terra e, conseqüentemente, do ser humano, que produz e consome os produtos. São usadas técnicas naturais de combate às pragas e a fertilização do solo é feita com práticas e processos que não agridem a natureza, tais como: adubo orgânico, sem processamento químico, compreendendo os estercos animais, as palhas, os materiais fermentados, a serragem e adubos verdes. Pássaros e animais são preservados por não se alimentarem com sementes tratadas com agrotóxicos e não há mortes de peixes por contaminação da água. A biodiversidade das plantas e animais é enriquecida e

A CACHAÇA ORGÂNICA E ARTESANAL E SUAS PERSPECTIVAS NOS MERCADOS NACIONAL E INTERNACIONAL

A CACHAÇA ORGÂNICA E ARTESANAL E SUAS PERSPECTIVAS NOS MERCADOS NACIONAL E INTERNACIONAL A CACHAÇA ORGÂNICA E ARTESANAL E SUAS PERSPECTIVAS NOS MERCADOS NACIONAL E INTERNACIONAL Leandro Sansão da Silva, Unisalesiano de Lins, e-mail: leandro.sansao@bertin.com.br Lenita Kuhll Navarro de Moraes

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO

PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO PRODUÇÃO DA AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Idealizadores: Elias Alves de Souza Neusa Esperândio Santos Suporte e material: Lucas Marllon R. da Silva O CULTIVO ORGÂNICO Vamos conhecer e compreender

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES

ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES ANÁLISE DO PONTO DE EQUILÍBRIO E INVESTIMENTO DE UMA FÁBRICA DE CASCÕES DE SORVETES Cristina Raquel Reckziegel (FAHOR) cr000900@fahor.com.br Gezebel Marcela Bencke (FAHOR) gb000888@fahor.com.br Catia Raquel

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 362, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

Tradicional cachaça ganha status e vira produto de exportação

Tradicional cachaça ganha status e vira produto de exportação TRANSFORMAÇÃO Tradicional cachaça ganha status e vira produto de exportação Produto de grande tradição em Goiás, a cachaça de alambique vai aos poucos saindo da informalidade para ganhar status de agronegócio

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS

DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS DIVERGÊNCIA QUANTO O TEOR ALCOÓLICO ROTULADO EM CACHAÇAS COMERCIAIS WLADYMYR JEFFERSON BACALHAU DE SOUZA 1 ; NORMANDO MENDES RIBEIRO FILHO 2 ; RAISSA CRISTINA SANTOS 4 ; KATILAYNE VIEIRA DE ALMEIDA 1 ;

Leia mais

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br CICLO DOS ALIMENTOS Ter uma alimentação saudável é fundamental para a saúde. Na feira, padaria ou no supermercado, devemos escolher os melhores legumes e frutas, pães frescos, leite e outros produtos de

Leia mais

VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI

VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI empreendendo com VOCÊ QUER ABRIR UMA MICROCERVEJARIA? COMECE POR AQUI ÍNDICE O MERCADO MUNDIAL 03 A SUA MARCA 05 ENTENDA A PRODUÇÃO 07 DISTRIBUIÇÃO 11 TERCEIRIZAÇÃO 13 INVESTIMENTO 14 EXIGÊNCIAS LEGAIS

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

Portaria Nº 65, DE 23 DE ABRIL DE 2008. Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 11

Portaria Nº 65, DE 23 DE ABRIL DE 2008. Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 11 Portaria Nº 65, DE 23 DE ABRIL DE 2008 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 11 Ementa: Submete à Consulta Pública, pelo prazo de 60 (sessenta) dias a contar

Leia mais

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE. Prof(a): Erika Liz

FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE. Prof(a): Erika Liz FERMENTAÇÃO ALCOÓLICA AGUARDENTE Prof(a): Erika Liz Outubro - 2010 HISTÓRICO A cana-de-açúcar era conhecida e apreciada desde as mais antigas civilizações. Alexandre, o Grande, foi levada para a Pérsia,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Ciências Econômicas e Gerencias Curso de Ciências Contábeis Controladoria em Agronegócios ANÁLISE COMPARATIVA DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO E DO

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos

Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Resumo Aula-tema 07: Gestão de Custos Vimos até então que a gestão contábil e a gestão financeira são de extrema importância para decisões gerenciais, pois possibilitam ao pequeno gestor compreender as

Leia mais

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito

o mapa da mina de crédito Figura 1 - Passos para decisão de tomada de crédito crédito rural: o mapa da mina Por: Felipe Prince Silva, Ms. Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente UNICAMP. Economista Agrosecurity Gestão de Agro-Ativos LTDA e Agrometrika Informática e Serviços

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2008. Portaria Nº 64, DE 23 DE ABRIL DE 2008 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 24/04/2008, Seção 1, Página 9 Ementa: Submete à Consulta Pública, pelo prazo de 60 (sessenta) dias a contar

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES UMA VISÃO GERENCIAL E FINANCEIRA Diego Leal Silva Santos RESUMO Nos dias atuais têm surgido vários trabalhos que versam sobre custos, tais como, artigos, livros, monografias,

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura:

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS. Nome: RA: Turma: Assinatura: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE CUSTOS Nome: RA: Turma: Assinatura: EXERCÍCIO 1 Classifique os itens abaixo em: Custos, Despesas ou Investimentos a) Compra de Matéria Prima b) Mão de

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e

1,20 Fungicidas Transporte Interno 0,80 Colheita Mecanizada 1,20 Subtotal Mão de Obra Limpeza de máq. e CUSTOS DE PRODUÇÃO O objetivo é dar suporte para o uso dos coeficientes técnicos e outros subsídios necessários para o cálculo do custo e para a análise financeira da produção de sementes. Os custos podem

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula

FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula FORMAÇÃO DE PREÇO 3ª aula Formação de Preços Fatores Determinantes: Influência do macroambiente Análise da concorrência Comportamento de compra do consumidor Ciclo de vida do produto Segmentação do mercado

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS OFICINA EMPRESARIAL COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS - ATENDIMENTO COLETIVO - 01 Como tudo começou... Manuais da série Como elaborar Atividade 02 Por que as empresas fecham? Causas das dificuldades e

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES

RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES RELATÓRIO SOBRE INDICADORES DE RESULTADOS - ORIENTAÇÕES PARA PEQUENOS AGRICULTORES APLICÁVEL A PARTIR DA COLHEITA DE 2014 Visão Geral Este documento explica como usar os modelos fornecidos pela BCI, para

Leia mais

Como reconhecer uma boa cachaça

Como reconhecer uma boa cachaça Demóstenes Romano Como reconhecer uma boa cachaça Como reconhecer uma boa cachaça? Para começo de conversa, a que é boa mesmo, diferente da maioria encontrada no mercado, tem aroma agradável, não desce

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco

PLANO DE NEGÓCIO. Roteiro Financeiro. Prof. Fábio Fusco PLANO DE NEGÓCIO Roteiro Financeiro Prof. Fábio Fusco ANÁLISE FINANCEIRA INVESTIMENTO INICIAL O investimento inicial expressa o montante de capital necessário para que a empresa possa ser criada e comece

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS NA AUTARQUIA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA COORDENADORIA REGIONAL DE BAMBUÍ-MG DO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA

GESTÃO DE CUSTOS NA AUTARQUIA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA COORDENADORIA REGIONAL DE BAMBUÍ-MG DO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA GESTÃO DE CUSTOS NA AUTARQUIA PÚBLICA: UM ESTUDO DE CASO NA COORDENADORIA REGIONAL DE BAMBUÍ-MG DO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA Uellington CORRÊA; Érik DOMINIK * CEFET Bambuí; CEFET Bambuí RESUMO

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.404, DE 2004 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 89, de 2000 (nº 3.512, de 1997, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO EVENTO REGIONAL VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing Jun/13 APRESENTAÇÃO Sustentabilidade é um projeto que visa conscientizar a população a preservar o meio ambiente, buscando

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498

NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE. Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 NUTRIÇÃO E SUSTENTABILIDADE Luciana Dias de Oliveira CRN2 4498 O que é SUSTENTABILIDADE? Como aliar SUSTENTABILIDADE e NUTRIÇÃO? O que é sustentabilidade? Constituição Federal Art. 225. Todos têm o direito

Leia mais

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural

Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Investimentos Florestais: A Alternativa Natural Atualmente, o mercado financeiro é caracterizado por altos níveis de volatilidade e incerteza- o que não

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA.

UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA. 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 UMA EXPERIÊNCIA DE SUCESSO PARA O AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL - PROGRAMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DA CACHAÇA. Cláudio Jorge Martins de Souza (Independente) Resumo Em

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto:

Nos dias atuais podemos seguramente afirmar que a RB Alimentos criou sua imagem pura e simples dentro do seguinte contexto: Desde sua fundação, aliada aos princípios e entendimentos ecológicos de seus proprietários, fruto do envolvimento com agricultura e agropecuária e no cumprimento das Leis Ambientais, a RB Alimentos tem

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE -

BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - BANCO DE QUESTÕES - CONTABILIDADE DE CUSTOS PARTE I (25 QUESTÕES) PESQUISA: EXAME DE SUFICIÊNCIA ENADE - 1. Uma empresa produziu, no mesmo período, 100 unidades de um produto A, 200 unidades de um produto

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO HORTALIÇAS E VEGETAIS PROCESSADOS 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Análise de Custos 2014

Análise de Custos 2014 Análise de Custos 2014 Marcelo Stefaniak Aveline Análise de Custos 2014 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Apresentação da Disciplina EMENTA Esta disciplina trata da definição de custos, da análise de custos e

Leia mais

Riscos de contaminação e impacto ambiental

Riscos de contaminação e impacto ambiental Um informativo do Centro Estadual de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde, da EMATER, do Centro de Informações Toxicológicas da Fundação Estadual de Produção e Pesquisa em Saúde, da Secretaria

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas

Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM. FIB - Faculdades. Administração de Empresas Realizado por: Crist..., Mar... MODELAGEM FIB - Faculdades Administração de Empresas 2009 MODELAGEM ESTUDO DE CASO: Trabalho solicitado pelo Prof.: Trabalho realizado para a disciplina de FIB - Faculdades

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

"Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira -

Economia Verde: Serviços Ambientais - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - "Economia Verde: Serviços Ambientais" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura Brasileira - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Hoje, você agricultor familiar do Grupo B, tem oportunidades. Apresentação

Hoje, você agricultor familiar do Grupo B, tem oportunidades. Apresentação Apresentação Hoje, você agricultor familiar do Grupo B, tem oportunidades de acesso ao crédito orientado e acompanhado do Agroamigo do Banco do Nordeste. O Agroamigo foi criado para lhe atender de forma

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

DICAS PRÁTICAS PARA O CONSUMO CONSCIENTE

DICAS PRÁTICAS PARA O CONSUMO CONSCIENTE DICAS PRÁTICAS PARA O CONSUMO CONSCIENTE VOTE COM O SEU DINHEIRO Investigue quais marcas e lojas buscam reduzir as emissões de carbono, tratam dignamente seus fornecedores e são socioambientalmente responsáveis.

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS

Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS Município de Reguengos de Monsaraz MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS NAS HORTAS URBANAS 0 1. O que são as Boas Práticas Agrícolas? Os consumidores estão cada vez mais preocupados em obter alimentos saudáveis,

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável

O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável O Método de Custeio por Absorção e o Método de Custeio Variável por Carlos Alexandre Sá Existem três métodos de apuração dos Custos das Vendas 1 : o método de custeio por absorção, o método de custeio

Leia mais

DISCUSSÃO DA INFLUÊNCIA DOS TEORES DE COBRE NAS CACHAÇAS ARTESANAIS PARA A SAÚDE HUMANA E PARA A CACHAÇA PROPRIAMENTE DITA

DISCUSSÃO DA INFLUÊNCIA DOS TEORES DE COBRE NAS CACHAÇAS ARTESANAIS PARA A SAÚDE HUMANA E PARA A CACHAÇA PROPRIAMENTE DITA DISCUSSÃO DA INFLUÊNCIA DOS TEORES DE COBRE NAS CACHAÇAS ARTESANAIS PARA A SAÚDE HUMANA E PARA A CACHAÇA PROPRIAMENTE DITA Milena Barbosa da Conceição - milenabarbosa.uni@gmail.com Ana Carolina Zanotti

Leia mais

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço

PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA. OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço PROJETO NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS NA MATA ATLÂNTICA OFICINA Gestão do Negócio, Qualidade do Produto e Serviço, Formatação de Preço Realização: Programa Mercado Mata Atlântica RBMA Instituto Amigos da Reserva

Leia mais

Normas para Produção Orgânica Agropecuária. Organicos-mt@agricultura.gov.br Jean Keile Bif / CPOrg-MT SEPDAG/SFA/MT

Normas para Produção Orgânica Agropecuária. Organicos-mt@agricultura.gov.br Jean Keile Bif / CPOrg-MT SEPDAG/SFA/MT Normas para Produção Orgânica Agropecuária Organicos-mt@agricultura.gov.br Jean Keile Bif / CPOrg-MT SEPDAG/SFA/MT Sistema orgânico de produção agropecuária Todo aquele em que se adotam técnicas específicas,

Leia mais

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial

Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Utilização da Margem de Contribuição: Um enfoque gerencial Manoel Salésio Mattos (UNesc) salesio@unescnet.br Joselito Mariotto (UNESC) joselito@unescnet.br Wilson Antunes Amorim (UNESC) wilson@unescnet.br

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

CMV Custo de Mercadoria Vendida

CMV Custo de Mercadoria Vendida CMV Custo de Mercadoria Vendida Guia para Food Service Restaurante & Pizzarias Apresentação Para manter sempre os parceiros alinhados com as informações do mercado, a PMG criou este guia falando um pouco

Leia mais

RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO

RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO QUALIDADE DE Somos a primeira em no seguimento de pre limpeza, higienização aparelhos de ar-condi a remoção. Sim, nossa ra possibilita a realiz

Leia mais

COMO VOCÊ PODE AGIR EM CASA, NA CIDADE E NO MUNDO MUDANDO HÁBITOS E PADRÕES DE CONSUMO

COMO VOCÊ PODE AGIR EM CASA, NA CIDADE E NO MUNDO MUDANDO HÁBITOS E PADRÕES DE CONSUMO COMO VOCÊ PODE AGIR EM CASA, NA CIDADE E NO MUNDO MUDANDO HÁBITOS E PADRÕES DE CONSUMO O QUE É CONSUMO SUSTENTÁVEL O Consumo sustentável ou Consumo responsável é um comportamento que incorpora o fato de

Leia mais

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo

P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br. Artigo P ortal da Classe Contábil w w w.classecontabil.com.br Artigo 31/10 A utilização da contabilidade de custos na formação do preço de venda INTRODUÇÃ O Atualmente a Contabilidade de Custos é vista sob dois

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais