ESCOLA DE EQUITAÇÃO DO EXÉRCITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE EQUITAÇÃO DO EXÉRCITO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DE DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO ESCOLA DE EQUITAÇÃO DO EXÉRCITO DESPORTO: A PREPARAÇÃO FÍSICA DO CAVALEIRO POR JOSÉ MOACIR COSTA JUNIOR 1º TEN RIO DE JANEIRO 2003

2 JOSÉ MOACIR COSTA JUNIOR 1º TEN DESPORTO: A PREPARAÇÃO FÍSICA DO CAVALEIRO Relatório final do Curso de Instrutor de Equitação da Escola de Equitação do Exército RIO DE JANEIRO 2003

3 AGRADECIMENTOS À Deus, ser de infinita grandeza, por ter iluminado minha trajetória, sem deixar desanimar frente as dificuldades. Aos que amo: esposa, pais, irmã e amigos, pelo apoio, dedicação e compreensão. Eles foram meus alicerces de bases firmes, com os quais conto em todos os momentos. Aos meus instrutores, pelos conhecimentos que adquiri. E finalmente, a todos aqueles que se fizeram presentes nesta caminhada, auxiliando a transpor os obstáculos e conquistar meus objetivos. ii

4 SUMÁRIO RESUMO... LISTA DE TABELAS... vii vi CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO Delimitação da Área de Estudo Problemática Objetivo Geral Objetivos Específicos... 4 CAPÍTULO II - PARTES DO CORPO HUMANO ACIONADAS DURANTE A EQUITAÇÃO Cabeça e pescoço Tronco Membros superiores Punhos e mãos Quadril Coxas Joelhos Pernas Tornozelos e pés CAPÍTULO III - OS PRINCIPAIS EXERCÍCIOS iii

5 3.1. Alongamento Flexão e extensão do pescoço à direita e à esquerda e para a frente e para trás Rotação do pescoço à direita e à esquerda Circundação do pescoço da direita para esquerda e esquerda para direita Circundação dos membros superiores para frente e para trás Braços, ombros e região dorsal Região lateral do tronco Rotação do tronco Espáduas Regiões lombar e posterior da coxa Músculos adutores das coxas Região posterior das pernas e tornozelos Musculação Esquema seqüencial Aquecimento Desenvolvimento pela frente Abdominal supra-umbilical Extensão e flexão das pernas Rosca direta Dorsal Abdução da coxa Tira-prosa Abdominal infra-umbilical Flexão e extensão da cabeça Rosca inversa Bom dia Relaxamento Exercícios aeróbicos Caminhada Corrida Pedalar Natação CAPÍTULO IV - LESÕES MAIS COMUNS ENTRE OS PRATICANTES DE ESPORTES EQUESTRES Lombalgia Pubalgia Bursite da pata de ganso Distensão dos músculos adutores do Quadril Lesões causadas por tombos CAPÍTULO V - METODOLOGIA Tema Local de Atuação iv

6 5.1.3 População Alvo Pesquisa Bibliográfica Questionário Questionário 1 Principais lesões causadas pela prática de esportes eqüestres Questionário 2 Atividades físicas realizadas por atletas de esportes eqüestres CAPÍTULO VI - CONCLUSÃO GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS v

7 LISTA DE TABELAS TABELA 1 FAIXA DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA DE ESFORÇO vi

8 RESUMO Percebi, através deste projeto, que, de maneira geral, a preparação física dos praticantes de esportes eqüestres vem sendo feita de maneira satisfatória, embora não seja dado muita importância ao assunto. É muito importante lembrar que nós, cavaleiros militares, já possuímos um excelente preparo físico, fruto das exigências da carreira militar e da prática regular do treinamento físico militar. Este projeto tem como objetivo principal, demonstrar os efeitos benéficos proporcionados pela preparação física, na prevenção, tratamento e cura de lesões. Foram abordados neste trabalho os principais exercícios de alongamento, musculação e exercícios aeróbicos para o cavaleiro, além de algumas lesões causadas pela prática inadequada, e sem orientação, do esporte eqüestre. vii

9 1 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Desde os tempos mais remotos o homem procurou de maneira incansável a superação de seus limites, em especial os atletas, na busca incessante do alto desempenho. O presente trabalho não tem por objetivo esgotar o assunto, mas sim chamar a atenção de todos, cavaleiros e amazonas, para a importância de um condicionamento físico mínimo, afim de evitar lesões e acidentes durante a prática da equitação e proporcionar saúde e uma maior longevidade para o atleta dentro do esporte. Os pressupostos teóricos são os seguintes: C A inatividade física leva a um quadro geral de hipocinesia e a um aumento proporcional de moléstias como cardiopatias, diabetes, lombalgia e osteosporose... ; Jorge Augusto Rego...Equitação é arte, mas também exercício. Como tal, requer preparação adequada, para que o conjunto cavalo-cavaleiro atinja o desempenho ideal... Ao realizar a pesquisa constatei que muito pouco se fala sobre a preparação física do cavaleiro, existem poucas fontes de consulta especializadas sobre o assunto, demonstrando mais uma vez que o esporte eqüestre tem espaço para evoluir em vários fatores, entre eles o condicionamento físico dos cavaleiros. 1

10 2 De maneira geral, o esporte vem se valendo cada vez mais da tecnologia e da ciência para que possa evoluir e alcançar melhores resultados. Para isso os atletas, técnicos e profissionais das mais diversas atividades ligadas ao esporte devem procurar serem perfeccionistas e exigentes. Nos esportes eqüestres tudo isso aumenta de importância uma vez que não estamos falando em um atleta, mas sim em dois, um conjunto onde ambos, cavaleiro e cavalo, devem estar em perfeitas condições de competir. A falta de preparo do conjunto pode ocasionar acidentes e lesões dos mais diversos tipos, que podem afastar o atleta de sua atividade, causando por vezes seqüelas irreversíveis. Sendo o exposto acima teremos como objetivos a serem alcançados: Identificar quais são as partes do corpo humano que são empregadas durante a prática dos esportes eqüestres; Identificar os principais exercícios de alongamento; Identificar os exercícios de musculação; Identificar os exercícios aeróbicos; Identificar as lesões causadas pela falta de preparo físico do cavaleiro durante a prática de esportes eqüestres. 1.1 Delimitação da Área de Estudo 2

11 3 Este projeto utilizou-se das pesquisas bibliográficas e da experiência prática de profissionais que trabalham com esportes eqüestres, envolvendo a Escola de Equitação do Exército e o Regimento Escola de Cavalaria. 1.2 Problemática Face ao esforço físico dispendido pelos cavaleiros e amazonas durante a prática dos diversos esportes eqüestres, daremos importância e estudaremos o preparo físico do atleta com a finalidade de saber quais são os músculos empregados, quais os exercícios físicos a serem realizados e qual seria uma proposta de plano de treinamento para os praticantes de esportes eqüestres. 1.3 Objetivo Geral Demonstrar os efeitos benéficos proporcionados por um bom preparo físico de um atleta que pratica esportes eqüestres, como método de prevenção, tratamento e cura de possíveis lesões que afetam o cavaleiro Objetivos Específicos 3

12 4 - Identificar quais são as partes do corpo humano que são empregadas durante a prática dos esportes eqüestres; - Identificar os principais exercícios de alongamento; - Identificar os exercícios de musculação; - Identificar os exercícios aeróbicos; - Identificar as lesões causadas pela falta de preparo físico do cavaleiro durante a prática de esportes eqüestres; 4

13 39 CAPÍTULO II PARTES DO CORPO HUMANO ACIONADAS DURANTE A EQUITAÇÃO A equitação é uma atividade esportiva que exige uma significativa variação do trabalho muscular do cavaleiro, pois em cada modalidade, tipo de prova e a cada instante da ação, no ato de montar, ocorre determinada solicitação motora. Quando praticamos a arte eqüestre, comprovamos que uma boa posição do cavaleiro é muito importante no desempenho do conjunto, uma vez que a posição precede a ação. Um cavaleiro que não possui um bom condicionamento físico certamente não vai conseguir manter uma boa posição à cavalo, isso porque ele terá um desgaste prematuro. Assim, a fim de abranger de forma mais completa o assunto, e na intenção de compreender como ocorrem as diversas formas de expressão motora da anatomia humana, analisaremos neste capítulo os esforços realizados pelo corpo do cavaleiro, considerando os seguintes segmentos corporais: 1) cabeça e pescoço, 2) tronco, 3) membros superiores, 4) punhos e mãos, 5) quadril, 6) coxas, 7) pernas, 8) joelhos e 9) tornozelos e pés. 39

14 Cabeça e pescoço A cabeça deve-se manter sempre aprumada executando, ocasionalmente, leves rotações. A posição correta, altiva e voltada para frente, resulta da contração isométrica da musculatura local, isto é, contração muscular sem movimentação de segmento. É importante ressaltar que é neste segmento que se situa a região cervical da coluna vertebral, que, além de possuir grande mobilidade, contribui para a orientação espacial. Entre os músculos que atuam no local, os principais são o trapézio e o esternocleidomastóideo Tronco O tronco tem duas funções essenciais: envolve e protege os órgãos internos e atua como base para o movimento dos membros e postura da cabeça. A posição ereta é assegurada pela armação dinâmica da coluna, representada pelos músculos abdominais e dorsais. Como é sabido, a configuração da coluna vertebral não é retilínea, apresentando como curvaturas características a lordose cervical, de convexidade dirigida para trás; a cifose dorsal, de convexidade voltada para diante; a lordose lombar e a cifose sacra. A lordose serve para amortecer os movimentos, a cervical, os da cabeça, enquanto a lombar, os do tronco; a cifose funciona de forma compensatória para esse amortecimento. Dependendo da modalidade eqüestre, o tronco assume diversas posições, todavia duas são básicas: postura ereta ou em flexão e extensão. Na primeira ( postura ereta ), que predomina no 40

15 41 adestramento, há uma contração estática de seus grupos musculares, ocorrendo um trabalho isométrico ( contração muscular sem movimentação de segmento ) que abrange também a musculatura do pescoço. A segunda posição, em flexão e extensão assumida exemplarmente por ocasião de um salto ou de uma partida de pólo ( onde ocorre ainda a rotação lateral do tronco ) é mais fatigante, embora perdure por frações de segundos. Além disso, há um trabalho de alongamento e encurtamento da musculatura posterior, anterior e lateral do tronco, numa região onde está inserida grande parte da coluna vertebral Membros superiores Na equitação acadêmica, estes segmentos assumem uma posição flexionada, em torno de 90, na articulação do cotovelo (trabalho muscular estático). Enquanto no salto (transposição de obstáculos) e em outra modalidades, os membros superiores executam também a extensão (trabalho muscular dinâmico). Estão incluídas nesta região a cintura escapular, a articulação do ombro, bem como a do cotovelo. A cintura escapular fixa a articulação do ombro ao tronco, promovendo a ligação entre este e o braço. A articulação do ombro é a articulação de maior mobilidade do corpo humano. 41

16 42 A articulação do cotovelo estabelece a ligação móvel entre o braço e o antebraço. Os principais músculos flexores desta região são o bíceps braquial e o braquial. O principal músculo extensor é o tríceps braquial Punhos e mãos Situada na extremidade do membro superior, a mão é uma ferramenta muito aperfeiçoada, tendo como característica principal a função de apreensão, pela ação de colaboração entre o polegar e os demais dedos, formando uma espécie de pinça. Na prática eqüestre, há um trabalho muscular específico tanto para a fixação do punho, como para apreensão das rédeas ( trabalho isométrico ). Os músculos flexores e extensores do carpo são os principais grupos musculares localizados nesta segmento Quadril O quadril é de vital importância, em todas as modalidades eqüestres, uma vez que é nessa região lombar da coluna vertebral além do músculo iliopsoas, um dos mais importantes dessa região. Além disso, é onde deve ser absorvido todo e qualquer movimento desnecessário, bem como os impactos originados pelo contato entre o cavalo e o cavaleiro. 42

17 43 A solicitação motora, principalmente com relação à flexibilidade e ao equilíbrio, é muito grande, já que, ao estar posicionado sempre em flexão, confere maior estabilidade à posição clássica do cavaleiro Coxas As coxas permanecem estáticas, tendo sua parte medial ( interna ) pousada sobre a sela. Há um trabalho proeminentemente isométrico dos músculos adutores ( daí advém a forma arqueada dos membros inferiores do cavaleiro, comumente chamado de pernas de cowboy ). A função estática desse grupo muscular consiste em equilibrar o peso do tronco com relação à inclinação da bacia. Os principais músculos desta região são o quadríceps crural, os adutores, o bíceps crural e os abdutores Joelhos A articulação dos joelhos confere apoio firme à unidade funcional formada pela coxa e pela perna. Além disso, deve ter boa mobilidade, para executar movimentos de amplitude moderada, em flexão e extensão, trabalhando sem nenhum apoio, quer seja no cavalo ou na sela. Para a flexão desta região, os músculos posteriores da coxa, especialmente o bíceps crural, exercem função primordial. 43

18 Pernas Este segmento é de vital importância para a fixidez do cavaleiro, na impulsão, nas mudanças de direção e nas andaduras do cavalo. O trabalho desenvolvido pelos músculos dessa região é predominantemente estático ( isométrico ), com contrações alternadas ao pressionar os flancos do animal. Os principais músculos são os gastrocnêmios e os tibiais Tornozelos e pés A articulação dos tornozelos, à semelhança dos joelhos, deve ser flexível para que o pé do cavaleiro se posicione de modo correto, ou seja, em flexão dorsal, e possa executar leves movimentos de extensão, flexão e rotação, de acordo com a necessidade de comandar o cavalo, além de contribuir para a absorção dos impactos. A flexão dorsal do pé é facultada pela posição do joelho, uma vez que há menor tensão do músculo posterior da perna ( gastrocnêmio ). Os principais músculos que promovem a posição correta dos tornozelos e pés na equitação acadêmica são o tibial anterior e os extensores dos dedos. 44

19 45 CAPÍTULO III OS PRINCIPAIS EXERCÍCIOS Independente dos objetivos que o cavaleiro tem por meta, é importante saber que o cavalo deve ser condicionado diariamente, assim como o cavaleiro atleta ( ou pelo menos boa disposição física ) exercícios diários realizados constantemente, em média de uma hora, faz parte do plano de trabalho com uma seqüência sistemática. quando. É muito difícil um cavaleiro encontrar progresso neste binômio, se exercitado só de vez em Os resultados colhidos em pesquisas científicas realizadas nos EUA sobre o comportamento fisiológico durante a prática da equitação registraram, em percurso de salto de obstáculos, a considerável freqüência de 190 batimentos cardíacos por minuto. Trata-se de um quociente de risco, considerando-se os limites da freqüência cardíaca em repouso, em torno de 60 batimentos por minuto e da freqüência cardíaca máxima ( FCM ), traduzida pela seguinte fórmula: FCM =

20 46 idade ( A freqüência cardíaca máxima é igual ao resultado do referencial 220 subtraído da idade do atleta ). A freqüência durante a execução do exercício, ou imediatamente após, constituindo-se em uma medida de controle da intensidade de esforço. Não deve haver demora nessa medida porque a freqüência cardíaca cai rapidamente após o esforço. A Faixa da Freqüência Cardíaca de Esforço que se busca atingir durante o treinamento aeróbico deve estar entre 70% e 90% da Freqüência Cardíaca Máxima, de acordo com seu nível de condicionamento, conforme a tabela abaixo: Idade Faixa de trabalho ( BPM ) Idade Faixa de trabalho ( BPM ) a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a

21 a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a a 141 Tabela 01: Freqüência Cardíaca de Esforço, tabela obtida no C Manual de Campanha Treinamento Físico Militar. Da mesma forma, os níveis de consumo de oxigênio e de gasto calórico também são elevados, para darem conta do esforço cardíaco. Além disso, há várias exigências motoras como coordenação, flexibilidade, resistência muscular geral e equilíbrio dinâmico que requerem do cavaleiro, qualquer que seja a modalidade praticada, um preparo físico e técnico adequado, tanto a 47

22 48 pé como a cavalo, para a consecução de um desempenho eficiente e do rendimento ideal. Toda modalidade desportiva deve ser precedida por uma série de exercícios preparatórios, conhecidos como aquecimento, cuja finalidade é predispor fisiológica e mentalmente o desportista para a atividade principal. No entanto, muitas são as teorias sobre o modo, a duração e os tipos de exercícios a serem realizados. Todavia, com base em pesquisas e na própria execução prática, é possível reconhecer a validade e a importância dos exercícios de alongamento em qualquer trabalho físico, não só antes deste, como aquecimento, mas também após, como relaxamento. Adotados esses procedimentos, obtêm-se basicamente: - Melhor elasticidade muscular; - Relaxamento muscular; - Maior mobilidade articular; - Prevenção contra lesões de várias naturezas; - Aumento da capacidade mecânica do sistema osteomuscular; - Adequação do esforço ao gesto esportivo específico; - Desenvolvimento da agilidade. 48

23 Alongamento Como toda atividade física, o alongamento exige procedimentos criteriosos na sua execução. Inicialmente, é indispensável ignorar o conceito ainda difundido que a manifestação da dor é que demonstra a eficácia do exercício. Tal consideração não tem justificativa, pois esse sinal sensitivo está indicando, na verdade, a forma incorreta na execução, assim como está alertando para possíveis traumatismos decorrentes. A seguir, é preciso entender e assimilar que o corpo, ao se alongar, estará soltando-se e relaxando; consequentemente, a musculatura e a freqüência respiratória deverão estar descontraídas, bastando que se inspire e expire lenta e regularmente. Outro fator importante é o respeito à individualidade biológica, a diferenciação da capacidade de cada indivíduo deve ser respeitada quando da execução do exercício, para obtenção de efeitos fisiológicos adequados e para evitar-se danos à saúde do praticante. Este princípio é fundamental para o bom desenvolvimento dos demais princípios. Por último, além do alongamento se destinar à preparação e à adequação do organismo à prática eqüestre, tem a vantagem de o cavaleiro poder executar a série de exercícios já adequadamente trajado para a modalidade esportiva ( culote, botas, etc ). 49

24 Flexão e extensão do pescoço à direita, à esquerda, para a frente e para trás Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, ou mãos na cintura, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Fletir o pescoço para a frente e para trás, a partir do plano frontal, flexionando em seguida para a direita e para a esquerda, orientando-se pelo plano saginal, não levantar os ombros, olhos abertos, executar 08 a 12 vezes para cada lado Rotação do pescoço à direita e à esquerda Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, ou mãos na cintura, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Olhar atentamente para a direita e para a esquerda, não levantar os ombros, executar 08 a 12 vezes para cada lado. 50

25 Circundação do pescoço da direita para esquerda e esquerda para direita Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, ou mãos na cintura, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Rodar a cabeça, fazendo círculos, dando voltas completas da direita para a esquerda e vice-versa, executar 08 a 12 vezes de cada lado Circundação dos membros superiores para frente e para trás Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Fazer círculos paralelos ao corpo, com os braços estendidos e as mãos relaxadas, alternar o sentido, executar de 08 a 12 vezes em cada sentido. 51

26 Braços, ombros e região dorsal Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Estender os braços para cima, entrelaçar os dedos acima da cabeça, palmas das mãos voltadas para cima, empurrar os braços para trás e para o alto, sentindo alongar toda a região descrita, permanecer por 10 a 15 segundos na posição Região lateral do tronco Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, ou mãos na cintura, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Braços estendidos acima da cabeça, agarrar com a mão o pulso contrário, fletir lateralmente o tronco, de maneira suave, puxando o braço por cima da cabeça, descrevendo um arco, sentir a região lateral do tronco se alongar, permanecer por 10 a 15 segundos na posição fletida, em cada lado. 52

27 Rotação do tronco Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, ou mãos na cintura, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Braços flexionados, mãos na altura do peito ou da cintura, girar para a direita e esquerda, alternadamente, manter o quadril encaixado, executar de 08 a 12 vezes para cada lado Espáduas Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, ou mãos na cintura, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Flexionar o tronco para frente, braços estendidos à frente, apoiando as mãos em uma parede, em um cavalete, mãos afastadas, na largura dos ombros, com os joelhos levemente dobrados, abaixar o tronco, sentir a região trabalhada, alternar as distâncias entre as mãos e a altura do apoio, para variar a área a ser atingida, permanecer por 10 a 15 segundos na posição. 53

28 Regiões lombar e posterior da coxa Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Flexionar levemente os joelhos e o tronco à frente até segurar os tornozelos, se possível, encostar o peito nas coxas, estender a perna progressivamente, permanecer por 10 a 15 segundos na posição, repetir, aumentando o afastamento lateral das pernas, sentindo suave alongamento das virilhas Músculos adutores das coxas Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, ou mãos na cintura, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Grande afastamento lateral das pernas, flexionar um perna e, ao mesmo tempo, estender a outra, executar 10 a 15 segundos em cada lado. 54

29 Região posterior das pernas e tornozelos Postura básica: Em pé, cabeça na posição natural, tronco ereto, braços soltos ao longo do corpo, pernas afastadas na largura dos ombros e ponta dos pés para a frente. Execução: Apoiar-se com ambas as mãos em uma parede ou qualquer outro suporte, afastar os pés da área de apoio cerca de 1 metro, tendo as pernas estendidas e o corpo inclinado para a frente, avançar uma das pernas, dobrada, em direção à área de apoio, com a ponta dos pés para a frente, manter o pé oposto em total contato com o solo, sem elevar o calcanhar, ao mesmo tempo, levar o quadril à frente, alternar a perna, permanecer por 10 a 15 segundos na posição Musculação Entende-se por musculação os circuitos de exercícios com pesos, para o fortalecimento de grupo musculares generalizados ou específicos. Em nosso caso, temos como objetivo desenvolver endurance ( resistência ) muscular localizada. O treinamento em circuito pode ainda incluir exercícios para desenvolver resistência aeróbica geral, por meio de bicicletas ergométricas, pular corda, corrida, etc. A rotina a ser apresentada tem por finalidade utilitária, de aplicação desportiva, uma vez que será empregada como meio auxiliar de treinamento para o desenvolvimento muscular, direcionado aos gestos desportivos praticados pelo cavaleiro. 55

30 56 Convém salientar que o treinamento deve ser precedido por uma avaliação médica (checkup), aferição antropométrica, análise postural e registro de dados. Além disso, devem-se considerar o horário e dias da semana, estabelecidos de comum acordo entre treinador e atleta, o material disponível, o número de exercícios por sessão e a seqüência anatômica dos exercícios. Por se tratar de um programa com objetivos específicos, apresentar-se-á, a seguir, um esquema seqüencial que facilitará seu entendimento e sua aplicação. Através desses exercícios vamos tornar os músculos capazes de produzir mais força, aumento das amplitudes articulares, em conseqüência do treinamento de flexibilidade, acarretando maior extensibilidade dos músculos, dos tendões, dos ligamentos e o fortalecimento dos ossos e tendões, capacitando o organismo a suportar maiores esforços com menor possibilidade de ruptura destes tecidos Esquema seqüencial - Ordem alternada por segmentos corporais. Por exemplo, braços, abdominais, coxas. - Classificação básica quanto à divisão da série e ao número de repetições. Série única com delimitação de 12 a 20 repetições por exercício. - Realização de testes de carga máxima por segmento corporal. Destina-se a determinar a quilagem de trabalho em cada exercício, em função da valência física a ser trabalhada, que no caso é a resistência muscular. Varia de 30% a 50% do máximo alcançado nos testes. 56

31 57 - Execução dos exercícios de forma simples. A movimentação no exercício deve ser feita dentro da amplitude normal da articulação. - Ritmo da execução. O ritmo recomendado na execução dos exercícios, no trabalho de resistência, deve ser determinado por uma velocidade média de 18 a 30 segundos, combinados com a variação do número de repetições por exercício ( 12 a 20 repetições ). - Respiração. A respiração é de fundamental valor no trabalho de musculação, e a forma recomendada para esta série é a continuada ou livre, isto é, quando o atleta inspira e expira livremente, durante a realização do exercício. - Descanso. Para o descanso e a recuperação, entre a execução de um exercício e o seguinte, recomenda-se um intervalo de 1 a 2 minutos. - Reavaliações programadas. Devem ser estabelecidas para o acompanhamento da progressão Aquecimento Bicicleta ergométrica por 15 minutos, ou a aplicação da rotina de alongamento proposta anteriormente neste capítulo. 57

32 Desenvolvimento pela frente Execução: Em pé, afastamento médio dos pés, pegada na barra, com a distância entre as mãos pouco maior do que a dos ombros, barra apoiada nas clavículas, executar a extensão dos cotovelos, elevando o aparelho acima da cabeça, voltar para a posição inicial Abdominal supra-umbilical Execução: Deitar em colchonete ou prancha em decúbito dorsal, pernas flexionadas a 90, pés fixos e braços cruzados no peito, executar flexão e extensão do tronco Extensão e flexão das pernas Execução: Posicionar-se no aparelho ( leg press ), executar os movimentos de extensão e flexão das pernas. 58

33 Rosca direta Execução: Em pé, médio afastamento lateral dos pés, pegada em supinação na distância média, braços ao longo do corpo, executar a flexão dos cotovelos, voltar a posição inicial Dorsal Execução: Deitar no colchonete em decúbito ventral, tronco e pernas estendidas, mãos apoiadas na nuca ou braços estendidos, executar a flexão da região dorsal do tronco Abdução da coxa Execução: Posicionar-se no aparelho ( puxador ), executar a abdução da coxa, voltar à posição inicial, alternar os membros. 59

34 Tira-prosa Execução: Em pé, braços estendidos à frente do tronco, pegada em pronação no aparelho, executar flexões e extensões do punho até que o peso, ao subir, atinja a barrinha, podem-se executar os mesmos movimentos para a descida do peso Abdominal infra-umbilical Execução: Deitar no colchonete ou prancha em decúbito dorsal, braços estendidos ao lado do corpo, flexionar os joelhos em torno de 90, executar pequena elevação do quadril e voltar, sem que este toque o colchonete Flexão e extensão da cabeça Execução: Posicionar-se no aparelho ( capacete, puxador, etc ), executar flexões e extensões da cabeça. 60

35 Rosca inversa Execução: Em pé, afastamento médio dos pés, pegada do aparelho em pronação, braços ao longo do corpo, executar a flexão dos cotovelos, voltar à posição inicial Bom dia Execução: Em pé, médio afastamento lateral dos pés, barra apoiada nas escápulas, executar a flexão do tronco, ereto, à frente, voltar em seguida à posição de base Relaxamento Executar a rotina de alongamento descrita anteriormente. 61

36 Exercícios aeróbicos A equitação é uma atividade aeróbica ou anaeróbica? Exercícios aeróbicos são aqueles em que ocorre presença do oxigênio como combustível do atleta isto é, exercícios com duração superior a 3 minutos e de intensidade moderada. Costuma-se dizer que, nesses casos, o atleta respira durante a execução do trabalho físico. Além do oxigênio, as gorduras também podem ser utilizadas como fonte energética nos exercícios aeróbicos. Esses exercícios podem ser localizados ou generalizados ( em função dos segmentos corporais empregados ), estáticos ou dinâmicos ( quando relacionados à movimentação desses segmentos ), além da subdivisão quanto a duração: Curta ( de 3 a 10 min ), média ( de 10 a 30 min ) e longa ( superior a 30 min ). Como exemplos dessa subdivisão citamos os percursos de cross country, de curta duração, citamos as reprises de adestramento, de média duração, e as provas de enduro eqüestre, de longa duração, nesta última modalidade o cavaleiro tem que ter uma boa preparação atlética uma vez que em terrenos difíceis o cavaleiro desmonta e corre ao lado do seu cavalo. Exercícios anaeróbicos são intensos, de curta duração e requerem energia imediata para sua execução. Essa fonte são compostos energéticos de alta disponibilidade contidos nos músculos. Dizse costumeiramente que o atleta está em decúbito de oxigênio durante a prática de tais exercícios. Também exercícios anaeróbicos merecem classificação quanto à sua duração. Os de curta duram até 20 seg; os de média de 20 a 60 seg e os de longa de 60 a 120 seg. 62

37 63 Como exemplo de exercícios de curta duração temos as apresentações dos peões de rodeio; os percursos de desempate nas provas de salto exemplificariam os de duração média e quanto aos de longa podemos citar as provas de salto em geral. Existem, ainda, os exercícios anaeróbicos-aeróbicos, constituídos pelas combinações de ambos os sistemas, em determinados instantes da prática desportiva. As partidas de pólo e algumas provas de hipismo rural enquadram-se nessa classificação. Para suprir satisfatoriamente a musculatura exercitada o atleta precisa estar com o sistema cardiorrespiratório adequadamente condicionado. Selecionamos algumas modalidades de exercícios aeróbicos especificamente destinados não só ao condicionamento físico mas também a proporcionar benefícios psicológicos para o cavaleiro. Além disto, e mais importante, os indivíduos mais aptos fisicamente têm maiores níveis de auto-confiança e motivação. Estudos comprovam que uma atividade física controlada pode melhorar o rendimento intelectual e a concentração nas atividades rotineiras Caminhada Trata-se de uma das melhores maneiras de iniciar nos exercícios aeróbicos as pessoas de baixa aptidão física, as idosas, e aquelas em fase pós-parto ou em período de convalescença. 63

38 64 As principais vantagens da caminhada são o baixo custo financeiro, não requerer instalações especiais, não produzir traumatismos musculares ou ósseos e favorecer a alternância de intensidade/duração Corrida Atividade que desenvolve excelente capacidade cardiorrespiratória, própria para quem já consegue caminhar 5 Km em 45 minutos sem apresentar fadiga. Tem todas as vantagens da caminhada mas exige calçado adequado, atenção às lesões ou micro-lesões esportivas, tais como cãibras, distensões e tendinites Pedalar Para esta atividade pode-se usar a bicicleta estacionária ( ergométrica ) ou a convencional. A primeira possibilita calcular o trabalho e as calorias dispendidas, assim como ajustar a intensidade do exercício. A segunda, além das vantagens cardiorrespiratórias, é uma excelente oportunidade de lazer. Pedalar provoca menor incidência de lesões se comparada à corrida, mas exige maiores recursos financeiros e local apropriado ou pelo menos seguro. 64

39 Natação É excelente para todas as idades, para convalescentes e desenvolve, do ponto de vista técnico, a coordenação motora e a resistência. Solicita praticamente todos os grupos musculares e é plenamente praticável durante quase todas as estações do ano, em função do nosso clima. Todos esses exercícios produzem efeitos no sistema cardipulmonar, como por exemplo: - Aumento das cavidades e da espessura do músculo cardíaco com conseqüente lançamento no organismo de maior quantidade de sangue após cada contração ( volume de ejeção ). - Diminuição da freqüência cardíaca, permitindo ao coração trabalhar menos, porém, mantendo a mesma eficiência, devido ao aumento do volume de ejeção. - Aumento da capacidade de transporte de oxigênio pela hemoglobina, desempenhando função importante na utilização do oxigênio pelos músculos. - Diminuição da pressão arterial devido à menor resistência dos vasos à passagem do sangue. - Aumento da capacidade de consumir oxigênio tomando o músculo mais resistente à fadiga. 65

40 66 CAPÍTULO IV LESÕES MAIS COMUNS ENTRE OS PRATICANTES DE ESPORTES EQUESTRES As lesões que ocorrem com freqüência nos adeptos aos esporte são: lombalgia, pubalgia, bursite da pata de ganso, distensão de adutores do quadril. O tratamento preventivo dessas patologias é fundamental, pois após a instalação de uma dessas lesões podem levar ao afastamento do cavaleiro para um tratamento correto para que não provoque a cronicidade da lesão. O tratamento, seja ele preventivo ou não, deve ser realizado sob supervisão e comando de um fisioterapeuta. 66

41 Lombalgia Ocorre pelo aumento da lordose fisiológica, impacto repetitivo sobre a região lombar durante o galope, a cavalgada provocando dor na região da coluna lombar. O problema acentua-se durante a longa permanência na posição sentada associada também a inclinação anterior do tronco. O tratamento seria alongamento dos músculos paravertebrais, ísquiostibiais e iliopsoas. Associado ao fortalecimento dos músculos abdominais e quadrícepes. Esses músculos são responsáveis pelo reequilíbrio lombo pélvico Pubalgia É dor na sínfise púbica de causa inflamatória ou traumática (advém de queda sentado que ocorre na modalidade de salto ou deslocamento lateral rápido que ocorre no jogo de pólo). Está relacionado com esforços anormais na sínfese causados por movimentos repetitivos. A sínfise púbica sofre ação dos músculos abdominais, coluna vertebral, isquiostibiais, iliopsoas, reto femural e adutores do quadril. E o tratamento seria na fase aguda repouso e crioterapia. Após esta fase ocorre o alongamento e fortalecimento dos músculos previamente citados exceto os abdominais que devem ser apenas fortalecidos. 67

42 68 Sinais e sintomas: dor à mobilização impedindo a abdução associada à flexão ou movimentos combinados do quadril. Ocorre dor na abdução passiva e adução resistida. Pode ser uma dor difusa que irradia para o abdômem, inserção dos adutores ( uma ou em ambas ) articulação do quadril, coxa, região inguinal e região suprapúbica. As dores nos músculos adutores, abdominais, pelviotrocanterianos, quadrados lombares e retos da coxa se justificam pelo desalinhamento da sínfese púbica causada pelo encurtamento dos isquiotibiais. Ele faz com que esses músculos trabalhem em posição de encurtamento favorecendo suas lesões. Os sintomas são de início gradual e melhoram com o repouso, piorando com exercícios de alta intensidade e movimentos como levantar e sentar, trotar, subir escadas, tossir, espirrar, chutar, saltar e promover adução resistida. A sínfise púbica é submetida a trações musculares em diferentes direções, a região púbica é uma verdadeira encruzilhada muscular onde agem vários grupos musculares como o abdômen, músculos da coluna vertebral, isquitibiais e flexores do quadril, entre eles o Ilípsoas, Reto femural e adutores do quadril. Devido ao grande número de trações em direção e intensidade diferentes, a sínfise púbica altera o seu aspecto normal, provocando alterações nos tendões dos músculos que agem sobre a articulação e alterações degenerativas na articulação púbica. A pubalgia pode ter uma instalação traumática e também a mais comum cuja instalação devido a lesões repetitivas é chamada de pubalgia crônica. 68

43 Bursite da pata de ganso O pé anserino ou pata de ganso é uma formação anatômica representada pela inserção distal dos tendões dos músculos sartório, grácil e semitendíneo. Entre esses tendões e o ligamento colateral tibial há uma bolsa serosa ( bolsa anserina ), cuja patologia tem interesse clínico, pois pode ser confundida com desarranjos internos do joelho. Neste trabalho objetivou-se estudar a morfologia da bolsa anserina e do pé anserino e as relações topográficas entre essas estruturas. Procurou-se, também, realizar estudos morfométricos, visando orientar, "in vivo", para o diagnóstico da bursite da pata de ganso. Foram dissecados 24 joelhos de indivíduos adultos, conservados em solução de formol a 10%. Para os estudos morfométricos foi utilizado um paquímetro Mitutoyo de precisão 0,05mm. Observou-se que os tendões do pé anserino se dispõem em 2 estratos, sendo o mais superficial representado pelo tendão do músculo sartório e o profundo, pelos tendões dos músculos grácil e semitendíneo. Entre os tendões e o ligamento colateral tibial situa-se a bolsa anserina, de forma irregular, que pode ser classificada em 3 tipos: Tipo A ( bolsa não septada com cavidade única); Tipo B ( bolsa septada totalmente com duas cavidades que não se comunicam ) e Tipo C ( septada parcialmente com comunicação entre as cavidades ). As freqüências das bolsas tipo A, B e C foram, respectivamente: 87,5%, 8,33% e 4,17%. No interior da bolsa foram encontrados divertículos cujo número variou de 1 a 4. Com relação à topografia, observou-se que a maior parte do teto da bolsa é formada pelos tendões dos músculos grácil e semitendíneo, sendo pequeno o contato entre a bolsa e o tendão do sartório. 69

44 70 Os estudos morfométricos mostraram que a bolsa anserina apresenta, por dimensões médias, 3,9cm em seu maior comprimento súpero-inferior e 2,4cm no maior comprimento ântero-posterior. Os limites mais anterior e mais inferior da bolsa distam dos limites correspondentes da tuberosidade da tíbia 1,7cm e 0,9cm, respectivamente. O limite mais superior da bolsa pode ser localizado, em média, 0,86cm acima ou 1,1cm abaixo do limite superior dessa saliência óssea. Entre os tendões dos músculos Sartório, Gracil, Semitendinoso e o ligamento colateral tibial existe uma bolsa serosa denominada de bolsa anserina que no caso dos cavaleiros pode estar inflamada pela posição próxima do joelho à sela. O tratamento seria alongamento e fortalecimento desses músculos. Sinais e sintomas: dor durante os exercícios, edema e dor a palpação abaixo da patela, passada a fase aguda, deve ser realizado apenas crioterapia local Distensão dos músculos adutores do Quadril Ocorre pela ruptura de miofibrilas provocando dor em região interna de coxa que pode ocorrer por alongamento excessivo e rápido dessa musculatura, sobrecarga e traumas repetitivos. É uma patologia complicada de se tratar e se não for dado atenção especial e um tratamento correto poderá se tornar crônica. O cavaleiro mantém adução de coxa todo o tempo em que está em cima do cavalo, por isso precisa ter essa musculatura forte e alongada para suportar o excesso de exercício. Inicialmente o tratamento seria analgesia com a crioterapia ( gelo local ) e repouso. Passada a fase aguda é iniciado o alongamento e o fortalecimento muscular Lesões causadas por tombos 70

45 71 A forma como caímos ao solo e a estrutura física do pescoço e da espinal medula são a razão das lesões infligidas à zona do pescoço. A cabeça e o pescoço podem comparar-se a uma bola presa a um cadeado. Se o cavalo tropeça ou faz um refugo, o cavaleiro é projetado para diante com a cabeça em primeiro lugar. As probabilidades são que a cabeça atinja o solo em primeiro lugar, transmitindo a força do impacto ao longo do crânio e para o pescoço, podendo infleti-lo para além do que ele pode suportar. O pescoço, ou coluna cervical faz parte da longa e flexível coluna vertebral que sai da cabeça ao coxis. O pescoço tem sete vértebras que formam um túnel contínuo que protege a espinal medula que o cobre. Os impulsos nervosos são enviados para o cérebro através da espinal medula. Quando o pescoço é lesionado, os nervos que formam a espinal medula podem rasgar-se, esticar ou serem severamente comprimidos. Isto pode interromper a passagem dos impulsos nervosos e, no pior dos casos, ocasionar a perda permanente do sinal. Estudos realizados demonstraram que os nervos lesionados se deterioram nas primeiras vinte e quatro horas a seguir à lesão, aumentando a área afetada. Se este processo puder ser interrompido ou travado, a paralisia resultante pode ser muito reduzida. Neste momento, estão a ser fundados laboratórios para estudar um tratamento para isto. 71

46 72 Uma vez que se acredita que as fibras nervosas sobreviventes existem durante o resto da vida do doente, é possível que o tratamento de lesões antigas e os casos agudos possam em breve vir a ter outro prognóstico. O futuro reside na regeneração da espinal medula. Isto permitirá o novo crescimento de células nervosas para substituírem a zona lesionada, como retorno da ação e da sensação. CAPÍTULO V METODOLOGIA Para a realização desse projeto, foi utilizado a seguinte metodologia: Escolha do tema a ser pesquisado, local de atuação e população alvo Tema 72

47 73 A preparação física do cavaleiro Local de Atuação Escola de Equitação do Exército. Esta Organização Militar de ensino, está situada no município do Rio de Janeiro-RJ População Alvo Cavaleiros e Amazonas, civis e militares. 73

48 Pesquisa Bibliográfica Utilizamos dessa fonte de pesquisa, para busca de conhecimentos acerca do tema escolhido. Procuramos na bibliografia, dados que nos fornecessem exercícios específicos para as exigências dos esportes eqüestres, como por exemplo alongamentos, musculação e exercícios aeróbicos, procuramos também dados sobre lesões causadas pelo esporte Questionários A aplicação e análise de 2 (dois) questionários, relacionados a seguir, teve por objetivo coletar dados que nos dessem subsídios para a aplicação desse projeto Questionário 1 Principais lesões causadas pela prática de esportes eqüestres 74

49 75 Foi aplicado um questionário à fisioterapeutas que teve por fim, verificar quais são as lesões, suas causas, modo de prevenção e tratamento Questionário 2 Atividades físicas realizadas por atletas de esportes eqüestres Foi aplicado um questionário à cavaleiros e amazonas que teve por fim, verificar, além das atividades eqüestres, que tipos de exercícios físicos são realizados, com que freqüência, com ou sem orientação. CAPÍTULO VI CONCLUSÃO 75

50 76 Ao término deste trabalho, atingi meu objetivo maior. Ao informar as pessoas sobre como fazer uma correta preparação física para suportar os esforços físicos que os esportes eqüestres exigem, estaremos prevenindo possíveis lesões e proporcionando aos atletas uma maior longevidade no esporte. Através de métodos e técnicas de preparação física, já descritos anteriormente, repassamos esse conhecimento ao nosso público alvo, que no início de minhas atividades, apresentavam conhecimentos satisfatórios sobre o assunto. Quanto aos exercícios físicos, percebemos que eles variam em intensidade e volume respeitando a individualidade biológica de cada atleta e o tipo de esporte praticado. A pesquisa bibliográfica forneceu uma diversidade de exercícios físicos que acrescentam muito à saúde do atleta, tanto para manter a forma física como para prevenir vários tipos de lesões. Muitos dos exercícios propostos neste trabalho são executados por nós cavaleiros militares durante a prática do treinamento físico militar. No Capítulo IV, ao descrever os tipos de lesões mais comuns aos atletas, destacamos a importância de se prevenir tais lesões, uma vez que causam prejuízos a saúde dos atletas e trazem uma interrupção nos treinamento e competições. O Brasil possui atletas de destaque mundial em diversos esportes. Nos esportes eqüestres não poderia ser diferente. Desta forma é possível usufruir desses exercícios físicos proporcionando saúde aos atletas. Ao direcionar esta pesquisa para militares da Escola de Equitação do Exército e do Regimento Escola de Cavalaria, contribuímos com a valorização dos profissionais do Exército Brasileiro. 76

51 77 Através da análise do questionário aplicado à fisioterapeutas, verificamos que as possíveis lesões podem ser evitadas e uma vez que ocorram requerem cuidados especiais. Quanto aos questionários aplicados aos cavaleiros e amazonas, comprovamos que a grande maioria deles, faz exercícios físicos regularmente, seja realizando seu esporte eqüestre seja em atividades físicas diversas, como por exemplo, para nós o treinamento físico militar ( TFM ). Concluímos também sobre a necessidade da realização de novas pesquisas, referentes à preparação física dos cavaleiros, uma vez que a produção literária encontrada sobre o assunto foi muito pequena. 77

52 44 GLOSSÁRIO Abdução: Movimento de afastamento de um segmento corporal, com relação a determinado plano ou eixo anatômico. partes. Antropometria: Processo ou técnica de mensuração do corpo humano ou de suas várias Cardiopatia: Designação genérica das afecções do coração. Circundação: Rotação em torno de um centro ou eixo. Endurance: Aptidão motora desenvolvida por processos aeróbicos e anaeróbicos, visando preparar o organismo a subsistir ao cansaço. O mesmo que resistência. Leg press: Aparelho de musculação destinado ao trabalho dos membros inferiores; traduzindo livremente: pressão de pernas. 44

53 45 Plano saginal: Superfície anatômica que divide o corpo humano em duas partes iguais, direita e esquerda. Pronação: Movimento de mão, que roda de fora para dentro, ficando o polegar junto ao corpo e a palma da mão voltada para baixo. 45

54 46 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Alexandre Nery Furlani; Maria J. Salete Viotto (O); Marcelo Rodrigues da Cunha; Maíra A. Stefanini (CO); Lúcia Helena Batista [ et al ]. ESTUDO MORFOLÓGICO DA BOLSA ANSERINA E SUAS RELAÇÕES TOPOGRÁFICAS COM OS TENDÕES DO PÉ ANSERINO.. (Departamento de Morfologia e Patologia/UFSCar) C Manual de Campanha Treinamento Físico Militar, 3ª Edição Carolyn Kisner e Lynn Allen Colby Exercício Terapêuticos Fundamentos e Técnicas editora manole 2 a - edição FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da língua portuguesa. Coordenação Marina Baird Ferreira, Margarida dos Anjos; equipe Elza Tavares Ferriera [et al]. 3.ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

55 47 Maiza Ritomy Ide, Fátima Aparecida Caromano Pubalgia: Causa e possibilidades terapêuticas da revista Fisioterapia Brasil vol.3, n 6 pg RÊGO, Jorge Augusto. A preparação física do cavaleiro. Rio de Janeiro: Editora Affonso e Reichmann Editores Associados,

56 48 ANEXOS 48

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS

PADRONIZAÇÃO DE EXERCÍCIOS LOMBAR EXTENSÃO DE TRONCO- Em decúbito ventral apoiado no banco romano ou no solo, pernas estendidas, mãos atrás da cabeça ou com os braços entrelaçados na frente do peito. Realizar uma flexão de tronco

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos.

Relaxar a musculatura dos braços. Entrelace os dedos de ambas as mãos com suas palmas para cima e levante os braços por 10 segundos. por Christian Haensell A flexibilidade do corpo e das juntas é controlada por vários fatores: estrutura óssea, massa muscular, tendões, ligamentos, e patologias (deformações, artroses, artrites, acidentes,

Leia mais

LESÕES OSTEOMUSCULARES

LESÕES OSTEOMUSCULARES LESÕES OSTEOMUSCULARES E aí galera do hand mades é com muito orgulho que eu estou escrevendo este texto a respeito de um assunto muito importante e que muitas vezes está fora do conhecimento de vocês Músicos.

Leia mais

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS

MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS 1 MUSCULAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS Prof. Dr. Valdir J. Barbanti Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo A musculação refere-se à forma de exercícios que envolvem

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma

Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma Projeto Verão O Iate é sua Academia Seja dentro ou fora da Academia, nosso Clube oferece espaços para manter a saúde em dia e o corpo em forma por rachel rosa fotos: felipe barreira Com a chegada do final

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira

Plano de Exercícios Para Segunda-Feira Plano de Exercícios Para Segunda-Feira ALONGAMENTO DA MUSCULATURA LATERAL DO PESCOÇO - Inclinar a cabeça ao máximo para a esquerda, alongando a mão direita para o solo - Alongar 20 segundos, em seguida

Leia mais

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO

ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO ABDOMINAIS: UMA ABORDAGEM PRÁTICA DO EXERCÍCIO RESISTIDO Éder Cristiano Cambraia 1 Eduardo de Oliveira Melo 2 1 Aluno do Curso de Pós Graduação em Fisiologia do Exercício. edercambraiac@hotmail.com 2 Professor

Leia mais

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com

CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS. Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com CURSO DE MUSCULAÇÃO E CARDIOFITNESS Lucimére Bohn lucimerebohn@gmail.com Estrutura do Curso Bases Morfofisiológicas - 25 hs Princípios fisiológicos aplicados à musculação e ao cardiofitness Aspectos biomecânicos

Leia mais

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos.

A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. A influência da prática da capoeira na postura dos capoeiristas: aspectos biomecânicos e fisiológicos. Autores: Ft Mariana Machado Signoreti Profa. Msc. Evelyn Cristina Parolina A capoeira é uma manifestação

Leia mais

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos Sugestões de atividades Unidade 6 Locomoção ossos e músculos 8 CIÊNCIAS 1 Esqueleto humano 1. Observe a ilustração do esqueleto humano. Dê exemplos dos seguintes tipos de ossos que existem no corpo humano

Leia mais

Teste de Flexibilidade

Teste de Flexibilidade Teste de Flexibilidade Introdução O teste de Fleximetria foi aprimorado pelo ICP à partir do teste do Flexômetro de LEIGHTON deve ser aplicado com a intenção de se coletar informações sobre o funcinamento

Leia mais

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo

O treino invisível para aumento do rendimento desportivo O treino invisível para aumento do rendimento desportivo Carlos Sales, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Luís Pinho, Fisioterapeuta Federação Portuguesa de Ciclismo Ricardo Vidal, Fisioterapeuta

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING

CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING CURSO DE FORMAÇÃO ISO-STRETCHING O Curso de Formação em Iso Stretching é ministrado pelo fundador da técnica, o osteopata e fisioterapeuta francês Bernard Redondo. O método Iso Stretching foi desenvolvido

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem desportiva

Conteúdo do curso de massagem desportiva Conteúdo do curso de massagem desportiva Massagem desportiva Vamos fazer uma massagem desportiva na pratica. A massagem desportiva pode denotar dois tipos diferentes de tratamento. Pode ser utilizada como

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A?

3/26/2009 EX E E X R E C R ÍCI C OS S E E PO P ST S U T RA R OS EX ER EX CÍ C CI C OS REAL EA MEN M T EN E MO M DIFI F CAM A M A A PO P STUR U A? EXERCÍCIOS E POSTURA OS EXERCÍCIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? 1 Um vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora, um desvio postural pode ser corrigido com exercícios

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES

11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES 11 EXERCÍCIOS PARA PREVENIR LESÕES O futsal, como outras modalidades, está associado a certos riscos de lesões por parte dos jogadores. No entanto, estudos científicos comprovaram que a incidência de lesões

Leia mais

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza

Quick Massage. Venha ser um membro filiado e compartilhar. seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com. Denis Fernando de Souza Quick Massage Venha ser um membro filiado e compartilhar seu conhecimento conosco! sbtcatendimento@outlook.com Denis Fernando de Souza HISTÓRICO QUICK MASSAGE (MASSAGEM RÁPIDA) Algumas literaturas trazem

Leia mais

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH

DESCUBRA UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH DESCUBRA A S U A P A S S A D A UM GUIA PARA CONSTRUIR UMA BASE FORTE POR JOHN SMITH COMO USAR ESTE GUIA ESTE GUIA ENSINARÁ TÉCNICAS PARA VOCÊ APERFEIÇOAR A FORMA COMO VOCÊ CORRE AUMENTANDO EQUILÍBRIO,

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Por Personal Trainer Rui Barros

Por Personal Trainer Rui Barros Por Personal Trainer Rui Barros MANTER O PONTO DE EQUILIBRIO E NÃO RESISTIR À MUDANÇA Uma vez que estamos a terminar o nosso ciclo de treinos de verão, gostava de deixar ao leitor uma mensagem de conforto

Leia mais

Senior Fitness Test SFT

Senior Fitness Test SFT 1. Levantar e sentar na caira Senior Fitness Test SFT Objetivo: avaliar a força e resistência dos membros inferiores. Instrumentos: cronômetro, caira com encosto e sem braços, com altura assento aproximadamente

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Exercícios além da academia

Exercícios além da academia Exercícios além da academia Pilates É uma modalidade de atividade física realizada em aparelhos, bolas e no solo, que proporciona fortalecimento muscular, aumento da flexibilidade e correção da postura.

Leia mais

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS

LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS LESÕES DOS ISQUIOTIBIAIS INTRODUÇÃO Um grande grupo muscular, que se situa na parte posterior da coxa é chamado de isquiotibiais (IQT), o grupo dos IQT é formado pelos músculos bíceps femoral, semitendíneo

Leia mais

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura.

Exercícios específicos para a barriga que enrijecem os músculos da região e ajudam na manutenção de uma boa postura. 13/05/2004-05h31 Atividades físicas trazem riscos ocultos para o corpo KATIA DEUTNER Free-lance para a Folha de S.Paulo Você sabe: eles fazem bem ao coração, aos ossos, ao colesterol, à pressão, às articulações,

Leia mais

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos

O PROJETO. A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos O PROJETO A ESTAÇÃO SAÚDE foi desenvolvida com objetivo de proporcionar aos usuários diferentes exercícios que possibilitam trabalhar grupos musculares diversos, membros superiores, inferiores, abdominais

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

TREINAMENTO DE FORÇA RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA TREINAMENTO DE RELACIONADO A SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Como regra geral, um músculo aumenta de força quando treinado próximo da sua atual capacidade de gerar força. Existem métodos de exercícios que são

Leia mais

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro

O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O QUE É TREINAMENTO FUNCIONAL? Por Artur Monteiro e Thiago Carneiro O corpo humano é projetado para funcionar como uma unidade, com os músculos sendo ativados em seqüências especifica para produzir um

Leia mais

APOSTILA DE VOLEIBOL

APOSTILA DE VOLEIBOL APOSTILA DE VOLEIBOL O voleibol é praticado em uma quadra retangular dividida ao meio por uma rede que impede o contato corporal entre os adversários. A disputa é entre duas equipes compostas por seis

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2

MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 MAT PILATES 1 ÍNDICE: PRE MAT- MAT PILATES 2 MAT PILATES 2 I-RESPIRAÇAO II-CONTROLE DE CENTRO E DISSOCIAÇÃO DE QUADRIL III-ORGANIZAÇAO CRANIO-VERTEBRALARTICULAÇAO DE COLUNA IV-DESCARGA DE PESO DE MMII

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO

EXERCÍCIOS DE ALONGAMENTO Ao fazer exercícios de alongamento vai melhorar a amplitude das suas articulações, especialmente importante em doentes com dor crónica. Não precisa forçar excessivamente para sentir benefício com estes

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA

Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA Uma cadeira e uma garrafa de água O que podem fazer por si Dra. Sandra Camacho* IMPORTÂNCIA DA ACTIVIDADE FÍSICA A prática de uma actividade física regular permite a todos os indivíduos desenvolverem uma

Leia mais

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA

CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA CARTILHA DE AUTOCUIDADO DE COLUNA APRENDA A CUIDAR DA SUA COLUNA Elaboração: Júlia Catarina Sebba Rios Pesquisa: Efeitos de um programa educacional de autocuidado de coluna em idosos ati vos e sedentários

Leia mais

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA

EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA Logomarca da empresa Nome: N.º Registro ESQUERDA EXAME CLÍNICO DE MEMBROS SUPERIORES E COLUNA ATIVO CONTRA-RESISTÊNCIA MOVIMENTAÇÃO ATIVA PESCOÇO (COLUNA CERVICAL) Inclinação (flexão lateral) OMBROS Abdução

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

Alterações da Estrutura Corporal

Alterações da Estrutura Corporal Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Vício postural pode ser corrigido voluntariamente com reeducação psicomotora Desvio

Leia mais

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO

FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO FUTURO DO GOLFE = NÃO SE BASEIA SOMENTE NA CÓPIA DO SWING PERFEITO - MECÂNICA APROPRIADA - EFICIÊNCIA DE MOVIMENTO CARACTERÍSTICAS INDIVIDUAIS - Flexibilidade - Estabilidade - Equilíbrio - Propiocepção

Leia mais

Qualidade de vida laboral

Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral Qualidade de vida laboral INTRODUÇÃO: Prevenir doenças ocupacionais (DORT Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho / LER Lesões por Esforços Repetitivos) decorrentes

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido

Avaliação Postural e Flexibilidade. Priscila Zanon Candido Avaliação Postural e Flexibilidade Priscila Zanon Candido POSTURA A posição otimizada, mantida com característica automática e espontânea, de um organismo em perfeita harmonia com a força gravitacional

Leia mais

Treino de Alongamento

Treino de Alongamento Treino de Alongamento Ft. Priscila Zanon Candido Avaliação Antes de iniciar qualquer tipo de exercício, considera-se importante que o indivíduo seja submetido a uma avaliação física e médica (Matsudo &

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015

Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação. Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 Clínica de Lesões nos Esportes e Atividade Física Prevenção e Reabilitação Alexandre Carlos Rosa alexandre@portalnef.com.br 2015 O que iremos discutir.. Definições sobre o atleta e suas lesões Análise

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ANO LETIVO: 2013/2014 ENSINO BÁSICO 6º ANO DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO 28 MODALIDADE PROVA ESCRITA E PROVA PRÁTICA INTRODUÇÃO: O presente documento

Leia mais

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação

Abdução do quadril Posição inicial Ação Extensão do quadril em rotação neutra Posição inicial Ação 12) Abdução do quadril - músculos comprometidos da articulação do quadril: glúteo médio, glúteo mínimo, tensor da fascia lata e os seis rotadores externos; da articulação do joelho: quadríceps (contração

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Em fases que o utente necessite

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para a Coluna Lombar O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com maior freqüência para a terapia da coluna lombar, Eles foram compilados para dar a você,

Leia mais

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE

VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE 1 VELOCIDADE, AGILIDADE, EQUILÍBRIO e COORDENAÇÃO VELOCIDADE - É a capacidade do indivíduo de realizar movimentos sucessivos e rápidos, de um mesmo padrão, no menor tempo possível. Força; Fatores que influenciam

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP)

TREINAMENTO 1. Aquecimento: Alongamento: Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) TREINAMENTO 1 Rodrigo Gonçalves (Comissão Paulista de Cheerleading) (CREF. 028011-G/SP) Rotina de alongamento e condicionamento (Treino 1): O alongamento e o aquecimento são importantíssimos em qualquer

Leia mais

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA

ANEXO VII PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1. TESTE DE BARRA FIXA ANEXO VII 1. TESTE DE BARRA FIXA PROCEDIMENTOS DA AVALIAÇÃO DE APTIDÃO FÍSICA 1.1 Teste dinâmico de barra fixa (somente para candidatos do sexo masculino) 1.1.1 A metodologia para a preparação e a execução

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br

EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br EXÉRCITO BRASILEIRO www.exercito.gov.br CARTILHA DE TREINAMENTO NEUROMUSCULAR COM ELÁSTICOS INSTITUTO DE PESQUISA DA CAPACITAÇÃO FÍSICA DO EXÉRCITO www.ipcfex.com.br Realização www.exercito.gov.br www.decex.ensino.eb.br

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM

FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO. Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM FIBROMIALGIA EXERCÍCIO FÍSICO: ESSENCIAL AO TRATAMENTO Maj. Carlos Eugenio Parolini médico do NAIS do 37 BPM A FIBROMIALGIA consiste numa síndrome - conjunto de sinais e sintomas - com manifestações de

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude dos ombros e parte superior das costas. Mobiliza os deltóides, rotadores da

Leia mais

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS

MUSCULAÇÃO. Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas 21/06/2013 ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS MUSCULAÇÃO Execução correta e ajustes dos principais exercícios livres e em máquinas Cibele Calvi Anic Ribeiro ESCOLHA DOS EXERCÍCIOS objetivo do aluno liberação para o exercício (quadro clínico) prioridades

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES

CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES CINCO PRINCÍPIOS BÁSICOS STOTT PILATES Utilizando os Princípios do Pilates Contemporâneo para atingir um nível ótimo de condição física. Por Moira Merrithew, STOTT PILATES Executive Director, Education

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Implementação do treinamento funcional nas diferentes modalidades. André Cunha

Implementação do treinamento funcional nas diferentes modalidades. André Cunha Implementação do treinamento funcional nas diferentes modalidades André Cunha DNA de alta Performance Por que você faz o que você faz? O que você espera entregar com o seu trabalho? Defina-se como profissional

Leia mais

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano)

Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) 1 Revisão do 1 semestre (ballet 1 e 2 ano) PLIÉS DEMI PLIÉ: Demi Plié Grand Plié É um exercício de fundamental importância, pois é usado na preparação e amortecimento de muitos passos de ballet, como os

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA Esporte: Administração: individual equipe ITTF Federação Internacional de Tênis de Mesa Cartão de Classificação: Cartão Funcional de Tênis de Mesa Sessão de Regras

Leia mais