V I B R A Ç Õ E S Vibração sobre o homem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V I B R A Ç Õ E S Vibração sobre o homem"

Transcrição

1 V I B R A Ç Õ E S Vibração sobre o homem Algumas atividades operacionais do dia-a-dia, podem expor o trabalhador à vibrações. Nosso organismo possui uma vibração natural e quando essa vibração natural se confronta com uma vibração externa, ocorre o que chamamos de ressonância, essa energia quando absorvida pelo organismo provoca alterações nos tecidos e órgãos.

2 Vibração sobre o homem Estas exposições, que podem afetar braços e mãos, bem como o corpo inteiro, podem desencadear diversas doenças. Tais exposições são classificadas de acordo com normas internacionais (ISO), e tem seus efeitos minimizados através das avaliações das medições e controle das vibrações. CONCEITOS Vibração é definida como todo movimento que um corpo executa em torno de um ponto fixo; este movimento é oscilatório e, portanto, periódico, devido a forças desequilibradas de componentes rotativos e movimentos alternados de um equipamento.

3

4 CONCEITOS Uma característica importante da vibração é a freqüência, que expressa quantas vezes na unidade de tempo, o ciclo da vibração se produziu, ou seja é a quantidade de vezes em que um sinal se repete a cada segundo. CONCEITOS

5 As vibrações são classificadas em: Periódicas (a); Aleatórias (b); Transitórias (c)

6 CONCEITOS O valor médio da aceleração em função do tempo a(t) é zero. Elevando ao quadrado o valor de a(t), isto é, a²(t), encontramos o valor médio da função; extraindo a raiz quadrada, obtemos a raiz média quadrática (rms). Elevando à quarta o valor de a(t), isto é, a 4 (t), encontramos o valor médio da função; extraindo a raiz quarta, obtemos a raiz média à quarta. CONCEITOS Em geral a aceleração (a) varia com o tempo (t), a(t): a 1 r (, )= T RM m r T [ at ()] m=r=2 raiz média quadrática m=r=4 raiz média quarta 0 m dt

7 Exposição: CONCEITOS T [ w() ] m E r wmr,, = a t dt 0 O valor dose da vibração VDV é obtido quando m=r=4 (1) indica o valor rms, (2) indica o nível médio, (3) indica o valor de pico a pico e (4) indica o valor de pico.

8 CONCEITOS A Norma ISO 8041 define as freqüências ponderadas para serem utilizadas nas avaliações. A freqüência ponderada é o inverso da freqüência produzida pela resposta humana. A norma ISO 5349

9 A norma ISO 2631 CONCEITOS A vibração ocorre em diferentes direções: x, y e z. A vibração em direções ortogonais (x, y e z) é expressa pela aceleração ponderada a wx, a wy e a wz. Elas são combinadas para formar o vetor soma, isto é, a raiz da soma dos quadrados: w, WAS wx, RMS wy, RMS wz, RMS a = a + a + a

10 CONCEITOS Ressonância é o resultado da aplicação sobre um corpo de vibração com freqüência igual a este, resultando em amplificação do movimento. CONCEITOS O corpo humano possui diferentes freqüências de ressonância, e cada parte, quando submetida à vibração na sua própria freqüência de ressonância, tem sua vibração intensificada ou amplificada.

11 Tipos de vibrações As vibrações são classificadas como: Vibrações localizadas (mãos e braços) Vibrações de Corpo Inteiro Vibrações de Corpo Inteiro (sentado ou em pé)

12 Vibrações de mãos e braços Vibrações de mãos e braços Vibração de mãos e braços, vibração segmental, vibração de extremidades e vibração localizada são termos sinônimos utilizados para fazer referência à exposição dos membros superiores dos trabalhadores à vibração.

13 Vibrações de mãos e braços Ocorrem em trabalhos com ferramentas manuais, elétricas ou pneumáticas, principalmente em madeireiras, pedreiras, escavações, utilização de martelos pneumáticos, entre outros. A exposição dá-se na interface mãoferramenta. Vibrações de mãos e braços As vibrações de extremidades situam-se na faixa de 6,3 a 1250 Hz e são as mais danosas ao organismo.

14 HISTÓRIA Maurice Raynaud, médico francês, foi o primeiro a descrever, em 1862, os distúrbios vasculares observados em indivíduos expostos a vibrações de mãos e braços, em sua tese intitulada Local asphyxia and symmetrical gangrene of the extremities. HISTÓRIA Desde o trabalho pioneiro, iniciado por Loriga (1911), pesquisador italiano que descreveu a síndrome da vibração nos trabalhadores que operavam martelo pneumático em pedreiras, correlacionando com o fenômeno de Raynaud, muitos pesquisadores têm estudado o assunto, o que resultou em milhares de artigos científicos a respeito das vibrações transmitidas às mãos e braços.

15 HISTÓRIA Em 1918, Alice Hamilton estudou os mineiros utilizando marteletes em pedreiras em Bedford, Indiana e descreveu uma anemia das mãos. EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Nomenclatura mão morta (dead hand); dedos mortos (dead fingers); doença vasoespástica traumática (traumatic vasospastic disease); dedo branco induzido pela vibração (vibration induced white finger - VWF);

16 EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Nomenclatura doença de Raynaud de origem ocupacional (Raynaud disease of occupational origin); fenômeno de Raynaud de origem ocupacional (Raynaud phenomenom of occupational origin); EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Nomenclatura síndrome da vibração (vibration syndrome); síndrome da vibração em mãos e braços (hand arm vibration syndrome - HAVS).

17 EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS A influência de cada característica física das vibrações (magnitude, freqüência, direção e duração da exposição) suficientes para produzir danos ainda não são conhecidos. O branqueamento dos dedos é oriundo dos vasoespasmos arteriais. EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Os efeitos da HAVS manifestam-se de forma separada: distúrbios circulatórios - vasoespasmos com branqueamento local dos dedos distúrbios sensórios motores - paralisia, perda da coordenação e destreza dos dedos, falta de delicadeza e inabilidade para realizar tarefas intrincadas

18 EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Os efeitos da HAVS manifestam-se de forma separada: distúrbios musculoesqueléticos - distúrbios nos músculos, ossos e juntas EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS A exposição à vibrações, particularmente da mão, pode desencadear vasoespasmos, que reduzem o diâmetro das artérias até a completa obstrução, impedindo o fluxo sangüíneo para as áreas supridas por estes vasos, com visível branqueamento destas regiões

19 EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Embora a vibração segmental cause danos na faixa de freqüência de 5 a Hz, ela usualmente ocorre na faixa de freqüências de 125 a 300 Hz. Outros fatores que afetam o risco são a amplitude, a aceleração do equipamento utilizado e a duração do uso

20 EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Traumas cumulativos ocorrem, freqüentemente, com um histórico laboral de pelo menos horas de exposição e, usualmente, acima de horas. A freqüência comumente envolvida na síndrome de Raynaud está compreendida entre 40 e 125 Hz EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Os sintomas são restritos à parte da mão que absorve a maior partes das vibrações. Em muitos casos, do 2 ao 5 dedos da mão são afetados. Raramente ocorrem queixas no polegar e palma da mão.

21 EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Os males oriundos das vibrações de extremidade podem ser graduados clinicamente em 4 estágios de exposição sensorioneural: estágio 0: exposto à vibração sem apresentar sintomas; estágio 1: paralisia intermitente, com ou sem formigamento; EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS estágio 2: paralisia intermitente ou persistente, com redução da percepção sensória; estágio 3: paralisia intermitente ou persistente, com redução da discriminação tátil e/ou destreza manipulativa.

22 Avaliação Vascular Estágio Grau Descrição 0 Sem ataques 1 suave Ataques ocasionais afetando somente a ponta de um ou mais dedos 2 3 moderado severo Ataques ocasionais afetando as falanges distal e média (raramente também a próximal) de um ou mais dedos Ataques freqüentes afetando todas as falanges da maioria dos dedos. 4 muito severo Idem estágio 3, com mudanças tróficas da pele nas pontas dos dedos Nota: A graduação é feita de forma distinta para cada mão, por exemplo: 2L(2)/1R(1) = estágio 2 na mão esquerda em dois dedos e estágio 1 na mão direita em 1 dedo. Avaliação Neurosensorial Estágio Sintomas 0SN 1SN 2SN 3SN Exposto à vibração, sem sintomas Dormência intermitente, com ou sem formigamento. Dormência intermitente ou persistente, redução da percepção sensorial Dormência intermitente ou persistente, redução da discriminação tátil e/ou destreza manual Nota: graduação distinta para cada mão. EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS O branqueamento é restrito inicialmente às pontas de um ou mais dedos, progredindo para a base dos dedos, à medida que aumenta o tempo de exposição às vibrações; com o aumento da severidade da doença, o branqueamento ou cianose dos dedos pode ocorrer inclusive no verão.

23 EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS A doença de Raynaud não é específica dos membros superiores. A síndrome é habitualmente localizada sobre os membros superiores, unilateral ou bilateral e assimétrica. EFEITOS DAS VIBRAÇÕES DE MÃOS E BRAÇOS Há outros agentes que predispõem ao desenvolvimento das doenças das vibrações, conforme foi verificado por vários investigadores, a exemplo dos ruídos, frio, estresse, esforço muscular estático, umidade, feridas nas mãos, exposição ao cloreto de vinila, benzeno, arsênio, tálio, mercúrio e nicotina.

24 A AVALIAÇÃO DAS VIBRAÇÕES As medidas são realizadas na interface entre a pele e a fonte de vibração. Métodos sem contato, por exemplo, laser, a princípio, são preferidos, mas não são comumente utilizados. Em algumas circunstâncias é realizada a avaliação de uma estrutura mecânica em contato com o corpo colocando-se o acelerômetro diretamente no assento ou ferramenta.

25 A AVALIAÇÃO DAS VIBRAÇÕES O sistema básico para medição de vibrações é composto por sensor de vibração (acelerômetro), amplificador e um integrador ou diferenciador que permite a transformação da medida em sinal elétrico; o sistema ainda pode ser dotado de filtro de bandas para selecionar freqüências específicas. O acelerômetro converte movimento vibratório em sinal elétrico. A AVALIAÇÃO DAS VIBRAÇÕES Os acelerômetros do tipo piezoresistivos (corpo inteiro) e piezoelétricos (mãos e braços) são utilizados para medir a exposição à vibração. Os piezoresistivos trabalham em baixa freqüência (0 Hz) e são muito sensíveis, porém grandes. Os piezoelétricos trabalham bem em freqüências mais altas, com pouca sensibilidade, com a vantagem de serem pequenos e leves.

26

27

28 OS LIMITES DE TOLERÂNCIA Em 1984, a ACGIH foi a primeira organização a, oficialmente, estabelecer limites de tolerância para as vibrações segmentais nos Estados Unidos. O segundo padrão americano de exposição a vibrações segmentais foi a ANSI S3.34 e o terceiro foi o documento n do NIOSH, de OS LIMITES DE TOLERÂNCIA Em 1986, a ISO, que engloba os países membros da América do Norte, Europa e Ásia, elaborou a norma ISO No mesmo ano, a ANSI elaborou a norma ANSI S3.34. Estas normas especificam procedimentos para a avaliação da vibração transmitida às mãos e, recomenda, em forma de guia, medidas de controle.

29 A norma ISO 5349 A norma ISO 5349 oferece uma relação dose-resposta e guia de predição do aparecimento de dedos brancos Esta norma optou por não declarar limites de aceleração; ao invés disto, deixou que cada país estabelecesse seus próprios limites. A norma ISO 5349 No anexo A da norma ISO 5349 é apresentado gráfico que representa a relação doseresposta que possibilita calcular o período de exposição (1 a 20 anos) para taxa de incidência de branqueamento dos dedos de 10%) decorrente da exposição à vibração ponderada equivalente para 8 horas diárias.

30 A norma ISO 5349 A equação para cálculo da relação dose-resposta é dada por: D y = 318,[ A()] 8 106, Onde: Dy = duração da exposição total média em anos A(8) = exposição diária à vibração, em 8 horas

31 A norma ISO 5349 Os estudos sugerem que os sintomas das vibrações de mãos e braços são raros em indivíduos expostos a A(8) < 2m/s² e sem registro para A(8) < 1m/s². A norma ISO 5349 A norma ISO 5349/86 considera um sistema de coordenadas triortogonal, sendo que existem duas opções para posicionamento dos eixos: basicêntrica, que toma como referência a interface da transmissão de vibração; biodinâmica, que toma como referência a cabeça do terceiro metatarso.

32

33 A norma ISO 5349 Segundo o guia prático para medição no local de trabalho, no caso de vibração semelhante nos eixos, quando a orientação do equipamento está continuamente mudando de posição nas mãos do operador, a medição num único eixo pode ser suficiente para fornecer uma estimativa da exposição à vibração representativa: a = a + a + a = 3a 17, a x y z A norma ISO 5349 Quando a vibração predominante em determinado eixo, quando os eixos não dominantes possuírem cada um, valor inferior a 30% em relação ao eixo dominante: a = a + 03, a + 03, a = 118, a 11, a x y z

34 A norma ISO 5349 A norma da ACGIH Os TVL s da ACGIH referem-se a níveis e durações da exposição a componentes da aceleração que representam condições sob as quais se acredita que, praticamente, todos os trabalhadores podem ser repetidamente expostos, cotidianamente, sem que evoluam para além do Estágio 1 do Sistema de Classificação do Encontro de Estocolmo.

35 A norma da ACGIH Limites para a exposição da mão em qualquer das direções X h, Y h ou Z h Duração total da exposição diária 4 horas e menos de 8 2 horas e menos de 4 1 hora e menos de 2 menos de 1 hora valores do componente de aceleração dominante em rms, freqüência ponderada, que não devem ser excedidos m/s² g 0,40 0,61 0,81 1,22 A escala de Estocolmo Estágio Grau Descrição componente vascular 0 exposto à vibração: sem sintomas 1 leve ocasional branqueamento ataca afetando as pontas de um ou mais dedos 2 moderado ocasional ataque das falanges distal e média de um ou mais dedos 3 severo freqüente ataque afetando todas as falanges da maioria dos dedos 4 muito severo componente neurológico como em 3 com alterações tópicas na pele (pontas) 0 exposto a vibração: sem sintomas 1 intermitente ou persistente paralisia com ou sem formigamento 2 como em 1 com reduzida percepção sensorial 3 como em 2 com reduzida discriminação tátil e destreza manipulativa

36 Os limites de tolerância nacionais A NR-15, através de seu anexo n 8, prevê que as atividades e operações que exponham os trabalhadores sem proteção adequada às vibrações localizadas ou de corpo inteiro serão caracterizadas como insalubres, em grau médio, através de perícia realizada no local de trabalho, com base nos limites de exposição definidos pela ISO 2631 e ISO Os limites de tolerância nacionais O laudo pericial, obrigatoriamente, deverá apresentar os seguintes itens: o critério adotado; o instrumental utilizado; a metodologia de avaliação; a descrição das condições de trabalho e do tempo de exposição às vibrações;

37 Os limites de tolerância nacionais O laudo pericial, obrigatoriamente, deverá apresentar os seguintes itens: o resultado da avaliação quantitativa; as medidas para eliminação e/ou neutralização da insalubridade, quando houver. TESTES PARA DIAGNÓSTICO DA SÍNDROME DA VIBRAÇÃO Testes de provocação ao frio (inclusive por fotocélula pletismográfica) Estesiometria Medições do limite vibrotátil Medida do limiar de temperatura Eletrofisiologia

38 Vibrações de corpo inteiro Vibrações de corpo inteiro São vibrações de baixa freqüência e alta amplitude, situam-se na faixa de 1 a 80 Hz, mais especificamente de 1 a 20Hz. São específicas para atividades de transporte. É transmitida através das superfícies de apoio, ou seja, os pés, para uma pessoa de pé e os pés, as nádegas e as costas para uma pessoa sentada e as superfícies de apoio para uma pessoa recostada ou deitada.

39 Z y X Posição em pé Z Posição sentada Z y X Z y Superfície do assento X Z y Pé X

40 X Z Posição deitada y Principais sintomas da vibração Sensação geral de desconforto Dores de cabeça Influência na linguagem Dores no maxilar Garganta Dor no peito Dor abdominal Desejo de urinar Aumento do tônus muscular Influência nos movimentos respiratórios Contrações musculares 4 9 Hz Hz Hz 6 8 Hz Hz 5 7 Hz 4 10 Hz Hz Hz 4 8 Hz 4 9 Hz

41 Efeitos da vibração Algumas das reações apresentadas por operadores de empilhadeiras, por exemplo, são conseqüências da exposição à vibração, como: Efeitos da vibração Dores de cabeça; Dores nas costas; Fadiga muscular nas pernas e braços; Dores articulares nos pés e mãos; Lesões nos discos intervertebrais - hérnia; Lesões articulares - artrites; Dores na musculatura do abdômen.

42 Doenças causadas pela vibração Perda de equilíbrio, simulando uma labirintite; Efeitos psicológicos, como falta de concentração; Efeitos no sistema gastrintestinal, de gastrites à ulcerações; Distúrbios visuais, entre outras. Avaliação da vibração Metodologia Para avaliar a vibração no corpo humano é necessário conhecer o eixo de direção (x,y,z), a freqüência, a intensidade do sinal e o tempo de exposição para o cálculo da dose. O sistema básico para medição da vibração é composto por sensor de vibração, amplificador e um integrador ou diferenciador que permite a transformação da medida em sinal elétrico.

43 Avaliação da vibração Ainda que seja recomendável a avaliação da vibração em três eixos ortogonais, a mensuração do eixo predominante é uma estimativa aceitável da exposição. Cada segmento do corpo humano possui uma resposta específica à vibração, em função da freqüência, além de que, raramente é unidirecional, daí o porque da necessidade de estabelecimento de eixos para mensurar a exposição.

44 Avaliação da vibração Para vibração de corpo inteiro, o sistema de coordenadas tem centro no tronco A norma ISO 2631 As freqüências consideradas pela norma são: de 0,5 a 80 Hz para saúde, conforto e percepção; de 0,1 a 0,5 Hz para enjôo.

45 A norma ISO 2631 A norma ISO 2631 de 1978 apresentava três limites distintos: conforto reduzido; proficiência reduzida pela fadiga; limite de exposição compatível com a saúde. A norma ISO 2631 A Norma ISO 2631 é divida em duas partes, como segue: Parte 1 Avaliação da exposição humana à vibração de corpo inteiro. Esta norma define métodos de medidas e indica os principais fatores que combinam para determinar o grau de aceitabilidade à exposição da vibração sobre a saúde, o conforto, o limite de percepção, na faixa de 0,5 a 80Hz, e o enjôo, para freqüências entre 0,1 e 0,5 Hz.

46 A norma ISO 2631 Parte 2 Vibrações contínuas e induzidas por choques em prédios (1 a 80Hz). Refere-se à resposta humana à vibração dos prédios, incluindo curvas ponderadas, em função da freqüência, de igual nível de perturbação para os seres humanos, junto com métodos de medida a serem utilizados. A norma ISO 2631 Atualmente, a nova ISO 2631, de 1997, não apresenta limites de exposição à vibração, limitando-se a definir um método para a avaliação de exposição à vibração de corpo inteiro, bem como indicar os principais fatores relacionados para se determinar o nível exposição à vibração que seja aceitável.

47 A norma ISO 2631 Uma síntese de seus aspectos gerais são: ausência de limites de exposição à vibração; fornece guias para a verificação de possíveis efeitos da vibração na saúde, conforto e percepção; considera a faixa de freqüência de 0,5 Hz a 80 Hz; A norma ISO 2631 estabelece que a vibração será medida de acordo com um sistema de coordenadas que se origina no ponto onde a vibração se incorpora ao corpo humano; determina que os transdutores serão posicionados na interface entre o corpo humano e a fonte de vibração; considera a duração da medição como sendo aquela suficiente para assegurar com precisão estatística razoável e para assegurar que a vibração seja típica das exposições que estão sendo avaliadas;

48 A norma ISO 2631 formulada para simplificar e padronizar o relatório, a comparação e a avaliação das condições da vibração que resulta na documentação clara dos resultados, devendo-se reportar o método utilizado e considerar as cláusulas e os anexos referentes à avaliação que estará sendo mensurada; o método básico utilizado é da aceleração ponderada que é expressa em m/s²; a maneira com a qual a vibração afeta a saúde, conforto e a percepção, depende do índice da freqüência da vibração. Diferentes medidas de freqüência são necessárias para os diferentes eixos de vibrações. A norma ISO 2631 A maneira pela qual as vibrações afetam a saúde, conforto, percepção e enjôo é dependente da freqüência. Há diferentes freqüências para diferentes eixos. As curvas de freqüência utilizadas são: W k para o eixo z; W d para os eixos x e y.

49 A norma ISO 2631 A norma ISO 2631 Os valores obtidos na avaliação devem ser comparados com o health guidance caution zones, contido no Anexo B da ISO 2631/97

50 A norma ISO 2631 A norma ISO 2631 A zona hachurada indica o potencial de risco à saúde. Para exposições abaixo da zona hachurada, os efeitos à saúde não foram claramente documentados e/ou observados objetivamente. Acima da zona hachurada indica probabilidade do risco à saúde.

51 A norma ISO 8041 A Norma ISO 8041 especifica o instrumental, a consistência e a compatibilidade dos resultados para a obtenção da reprodutividade das medições com o uso de diferentes equipamentos. A Diretiva 2002/44/EC DA COMUNIDADE EUROPÉIA Mãos e braços Corpo inteiro Nível de ação 2,5 m/s² 0,5 m/s² A(8) ou 9,1 VDV Limite de exposição 5,0 m/s² 1,15 m/s² A(8) ou 21 VDV

52 A REDUÇÃO DOS EFEITOS DAS VIBRAÇÕES O amortecimento e isolamento das vibrações são dois métodos diferentes, utilizados em engenharia para minimizar as vibrações. A REDUÇÃO DOS EFEITOS DAS VIBRAÇÕES O amortecimento refere-se à resposta de certos materiais viscoelásticos deformarem quando a vibração é aplicada ao material, a qual é convertida e dissipada em calor.

53 A REDUÇÃO DOS EFEITOS DAS VIBRAÇÕES A redução da vibração depende de: a geometria física da superfície vibrante; a compatibilidade das características espectrais do material, temperatura de operação e fator redução da vibração característica do material; A REDUÇÃO DOS EFEITOS DAS VIBRAÇÕES a vibração de junção entre a superfície vibrante e o tratamento amortecedor utilizado; a espessura do material amortecedor, bem como outras restrições físicas e operacionais.

54 A REDUÇÃO DOS EFEITOS DAS VIBRAÇÕES A isolação refere-se à intencional descombinação das trajetórias entre a ferramenta vibrante e a mão que recebe a vibração, tendo como resultado a redução da exposição. LUVAS ANTI VIBRAÇÃO Muito tem sido discutido a respeito da atenuação dos efeitos das vibrações pelo uso de luvas. Profissionais da área manifestam-se pela total ineficácia de luvas na redução dos efeitos das vibrações, alegando que, em muitos casos, são comercializadas luvas que prometem absorver as vibrações, porém não passam de luvas comuns, sem qualquer resultado efetivo.

55 LUVAS ANTI VIBRAÇÃO Outros profissionais alegam que as luvas atuais filtram apenas vibrações de alta freqüência (normalmente > 200 a 250 Hz). Redução na fonte A vibração, em geral, aumenta à medida que aumenta a velocidade de operação da ferramenta.

56 Redução na fonte As características (qualidade, periodicidade) da manutenção e ajustes aplicados às ferramentas influem no nível da vibração gerada pelo equipamento. A substituição de componentes gastos, danificados, defeituosos ou desbalanceados, além de possibilitar a redução da vibração, minimiza as ocorrências de acidentes em razão de quebras eventuais. Redução na fonte Deve-se ter o cuidado de: substituir os dispositivos antivibratórios (componentes, empunhaduras etc.) antes de sua deterioração. Devem ser observadas rachaduras, deformações (por ex.: dilatação), endurecimento ou amolecimento de borrachas ou dispositivos resilientes; lubrificar peças e componentes;

57 Redução na fonte afiar discos, correntes ou outros dispositivos usados em ferramentas de corte (ex.: motosserras); substituir lâminas de rotor de máquinas pneumáticas, rolamentos de esfera, discos desbalanceados (ex.: lixadeiras) e demais dispositivos que possam apresentar irregularidades; implementar programas de manutenção efetivos. Modificação do processo Modificações no processo de trabalho, com a aplicação de algumas medidas, podem auxiliar na redução do tempo de exposição: alternar tarefas que envolvam ferramentas vibratórias com tarefas que não envolvam exposição à vibração;

58 Modificação do processo limitar, tanto quanto possível, o uso diário de ferramentas vibratórias quando as acelerações forem elevadas; introduzir pausas pelo menos de 10 minutos a cada hora de exposição à vibração. Modificação do processo Exemplo de medidas voltadas à redução da exposição à vibração: uso de fresadoras, tornos ou outros equipamentos nos processos de remoção de metal, em substituição às ferramentas manuais; substituição de processos que utilizam rebitagem pneumáticas impulsivas por acionamento hidráulico;

59 Modificação do processo utilização de juntas coladas ou soldadas em produtos fabricados no lugar de juntas rebitadas, para evitar o uso de rebitadoras pneumáticas; aplicação de processos químicos para limpeza e polimento em substituição às ferramentas manuais vibratórias; Modificação do processo modificação de design de peças fundidas, incluindo a seleção de materiais mais adequados, para reduzir o grau de acabamento ou retificação necessária.

60 Redução na transmissão Estratégias aplicadas para a redução da vibração transmitida pela ferramenta às mãos auxiliam na prevenção da HAVS. Vários tipos de materiais capazes de amortecer a energia vibratória têm sido aplicados nas empunhaduras das ferramentas ou em luvas, proporcionando variados graus de atenuação. Redução na transmissão Quanto maior a força exercida pelas mãos junto às superfícies vibrantes, maior a vibração transmitida ao sistema mão-braço. Essas forças podem requerer a utilização de suportes para fixação da ferramenta ou da peça trabalhada, seja para controlar ou guiar a ferramenta, seja quando a operação exigir a remoção de grande quantidade de material.

61 A vibração nas ferramentas manuais O nível de vibração de uma lixadeira depende do tipo de ferramenta ajustada, sendo que a maior fonte de vibração provém da instabilidade do disco. Em furadeiras, o nível de vibração é baixo. A vibração nas ferramentas manuais Ao contrário, os martelos pneumáticos têm, pelo menos, três fontes de vibração: a força de oscilação que dirige o pistão, a onda de choque transmitida à máquina pela ponteira e a vibração da peça trabalhada transmitida de volta à máquina. Estas forças podem ser canceladas.

62 A vibração nas ferramentas manuais As parafusadeiras de fenda, devido ao seu pequeno ciclo de operação, possuem vibração desprezível. Por outro lado, as parafusadeiras de boca possuem vibração que depende da inércia do equipamento e do comprimento do golpe. Ao fim de cada golpe, o motor exerce o máximo torque. Medidas de proteção à vibração das ferramentas A maioria das ferramentas manuais energizadas gera vibração aleatória em intervalo de freqüência de 2 a Hz. O amortecimento das freqüências mais baixas ocorre, principalmente, nas articulações, enquanto que a energia das freqüências mais altas é bastante absorvida pelos tecidos superficiais, onde podem ocorrer danos às células.

63 Medidas de proteção à vibração das ferramentas Experts em vibração sugerem que os trabalhadores sigam as seguintes instruções: usar ferramentas de baixa vibração, que são ergonomicamente desenhadas com cabos amortecedores de vibração e isoladores anti vibração; Medidas de proteção à vibração das ferramentas não usar ferramentas vibratórias mais que dois dias por semana e não mais que quatro horas por dia; rodiziar tarefas com o uso de ferramentas vibratórias e não vibratórias; manter as ferramentas afiadas e em bom estado de trabalho;

64 Medidas de proteção à vibração das ferramentas substituir partes e componentes absorvedores de vibração em mau estado de conservação; segurar as ferramentas levemente, deixando o peso da ferramenta cortar ou triturar; manter as mãos aquecidas, passando-as, periodicamente sob água quente para mantê-las aquecidas; Medidas de proteção à vibração das ferramentas vestir roupa adequada ao frio e anti vibração; usar luvas para proteção ao calor e vibrações, estando certo que elas fiquem justas, pois luvas folgadas requerem pega apertada na ferramenta e luvas apertadas restringem o fluxo sangüíneo; trocar as luvas quando úmidas; fazer pausa de 10 minutos a cada hora trabalhada.

65 Resumo das técnicas de controle Na fonte Reduzir o nível de vibração (em qualquer freqüência); Evitar ressonâncias; Selecionar ferramentas; Velocidade da ferramenta; Manutenção e balanceamento da ferramenta; Manutenção do mecanismo de suspensão. Resumo das técnicas de controle Na trajetória Limitar o tempo de exposição; Instituir rodízio de pessoal; Instituir pausas Minimizar peso e uso de balancim; Isolar a vibração; Dispositivos mecânicos.

66 Resumo das técnicas de controle No receptor Isolar a vibração; Equipamentos de amortecimento (luvas); Adaptar postura; Reduzir força de preensão e para empurrar; Reduzir áreas de contato; Treinar e orientar; Resumo das técnicas de controle No receptor Rastreamento médico; Relatar sintomas; Analisar a tarefa.

67 Para mais informações: Tel: (11)

VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção!

VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção! VIBRAÇÃO - Melhor Caminho é a Prevenção! (*) José Augusto da Silva Filho Medidas de proteção à vibração das ferramentas A maioria das ferramentas manuais energizadas gera vibração aleatória em intervalo

Leia mais

VIBRAÇÃO EM CORPO INTEIRO EM OPERADORES DE EMPILHADEIRAS

VIBRAÇÃO EM CORPO INTEIRO EM OPERADORES DE EMPILHADEIRAS VIBRAÇÃO EM CORPO INTEIRO EM OPERADORES DE EMPILHADEIRAS ANTÔNIO CARLOS VENDRAME Vendrame Consultores Associados & CRISTIANE PIANELLI Coordenadora Higiene Industrial Região Sul/Sudeste Dow Brasil CONCEITOS

Leia mais

VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA...

VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA... VIBRAÇÕES OCUPACIONAIS Antonio Carlos Vendrame UM POUCO DE HISTÓRIA... Maurice Raynaud, médico francês, foi o primeiro a descrever em 1862, os distúrbios vasculares observados em indivíduos expostos a

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 8 da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CONSULTA PÚBLICA do ANEXO 8 da NR-15 PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local. Vibrações. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS Vibrações Formadora - Magda Sousa Enquadramento Legal Decreto - Lei n.º 46/2006 transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva

Leia mais

Exposição a vibrações. Exposição a vibrações mecânicas. Isabel Lopes Nunes. Vibração de Corpo Inteiro Efeitos na saúde. Exposição a vibrações

Exposição a vibrações. Exposição a vibrações mecânicas. Isabel Lopes Nunes. Vibração de Corpo Inteiro Efeitos na saúde. Exposição a vibrações Exposição a vibrações Exposição a vibrações mecânicas Afecta conforto, eficiência, segurança, saúde e bem estar das pessoas expostas Isabel Lopes Nunes imn@fct.unl.pt Provoca lesões irreversíveis e incapacidades

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XXVI Vibrações. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XXVI Vibrações. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVI Vibrações um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

NOÇÕES SOBRE VIBRAÇÕES

NOÇÕES SOBRE VIBRAÇÕES 1 NOÇÕES SOBRE VIBRAÇÕES O QUE É VIBRAÇÃO? Vibração é qualquer movimento que o corpo executa em torno de um ponto fixo. Esse movimento pode ser regular, do tipo senoidal ou irregular, quando não segue

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração.

Controle de vibração significa a eliminação ou a redução da vibração. Quais são os métodos mais utilizados para controle de vibrações? Defina um absorvedor de vibração? Qual é função de um isolador de vibração? Por que um eixo rotativo sempre vibra? Qual é a fonte da força

Leia mais

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI

Prezados(as); A portaria está disponível na seguinte página: http://portal.mte.gov.br/legislacao/2014-1.htm. Atenciosamente CNI Prezados(as); Informamos que foi publicada no DOU de hoje, seção 1, páginas 110 e 111 a Portaria MTE n.º 1.297, de 13 de agosto de 2014, que aprova o Anexo 1 - Vibração - da Norma Regulamentadora n.º 9

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1.

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Instruções de Uso e Segurança

Instruções de Uso e Segurança Instruções de Uso e Segurança Alicates Nunca utilize os alicates como martelo para não criar folga. Não martele os isolamentos, pois eles se danificarão; Utilizar alicates para apertar ou desapertar porcas

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) TÍTULO: Agentes Físicos - Vibrações AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 162 (Janeiro/Fevereiro de 2006) KÉRAMICA n.º 282 (Janeiro/Fevereiro de 2007) INTRODUÇÃO O Decreto-Lei n.º 46/2006,

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Resumo O objetivo do trabalho foi desenvolver uma estrutura capaz

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna

Strain Gages e Pontes de Wheatstone. Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Strain Gages e Pontes de Wheatstone Disciplina de Instrumentação e Medição Prof. Felipe Dalla Vecchia e Filipi Vianna Referência Aula baseada no material dos livros: - Instrumentação e Fundamentos de Medidas

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br Projeto Manutenção Preditiva Análise de vibrações www.gatec.com.br ANÁLISE DE VIBRAÇÃO 1 - DEFINIÇÃO TÉCNICA 2 - CONCEITUAÇÃO : 2.1 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO X ASSINATURA ESPECTRAL 2.2 MONITORAMENTO DA VIBRAÇÃO

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA 1. INTRODUÇÃO A manutenção preditiva tem sido largamente discutida nos últimos anos, e sem dúvida é um procedimento moderno de gerenciamento, que comprovadamente vem diminuindo

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais

Riscos Ambientais. Riscos Ambientais Riscos Ambientais Riscos Ambientais São os agentes, elementos ou substâncias presentes nos locais de trabalho. A exposição dos trabalhadores a estes agentes pode causar acidentes com lesões ou danos à

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO DMAE - RAFARD DMAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAMAE a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Rafard. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA 1- Analisador de Vibrações

Leia mais

OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES

OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES ENG O REMO ALBERTO PIERRI Diretor Técnico da Aditeq Na referência (1), mostramos que a análise das vibrações geradas pelo

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL

OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL OBSERVAÇÃO DE TAREFAS BASEADA NA SEGURANÇA COMPORTAMENTAL Autores Gerson Luiz Chaves Vandro Luiz Pezzin RGE - RIO GRANDE ENERGIA S.A. RESUMO Os riscos presentes nas atividades que envolvem a distribuição

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA

VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA VI JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA AEVA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A VIBRAÇÕES Nélson Costa Human Engineering @ UMinho Conceito Movimento oscilante de um sistema elástico, relativamente a uma

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 6 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Propósito (Objetivo) do Programa O propósito (objetivo) do programa de Conservação

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto Aplicação da Preditiva on-line Como Ferramenta para o Aumento da Disponibilidade e Confiabilidade dos Equipamentos Rotativos em uma Empresado Ramo Petrolífero Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO. Clique para editar os estilos do texto Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa Clique para editar os estilos do texto de São Paulo XXXVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO 2015 1 Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Anexo 3 (Limites de Tolerância para Exposição

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

RISCOS ESTRATÉGIA ÃO: : COMO? 1. Descrição sucinta da situação de trabalho. separadamente e sucessivamente sobre. temperatura

RISCOS ESTRATÉGIA ÃO: : COMO? 1. Descrição sucinta da situação de trabalho. separadamente e sucessivamente sobre. temperatura ESTRATÉGIA DE PREVENÇÃ DS RISCS AMBIENTES TÉRMICS T DE TRABALH Professeur J. Malchaire ESTRATÉGIA Quando? Como? Custo? Nivel 2 BSERVAÇÃ todos os casos observações qualitativas baixo Nivel 3 ANÁLISE casos

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias 6.7.2002 L 177/13 DIRECTIVA 2002/44/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 25 de Junho de 2002 relativa às prescrições mínimas de segurança e saúde respeitantes à exposição dos trabalhadores aos riscos

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Novo! Evolua para a Série II A mais nova geração de ferramentas da empresa pioneira em tecnologia de corte de carnes.

Novo! Evolua para a Série II A mais nova geração de ferramentas da empresa pioneira em tecnologia de corte de carnes. Novo! Evolua para a Série II A mais nova geração de ferramentas da empresa pioneira em tecnologia de corte de carnes. Maior produtividade e mais lucros Os Aparadores Whizard Série II compõem a mais recente

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR. Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUIDO PAIR Ana Cláudia F.B. Moreira Fonoaudióloga O QUE É? A Perda Auditiva Induzida por Ruído (PAIR), relacionada ao trabalho, é uma diminuição gradual da acuidade auditiva

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Análise de Vibração Relatório Técnico 0914

Análise de Vibração Relatório Técnico 0914 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO DAE - DAE Corumbatai 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Corumbatai. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA 1- Analisador de Vibrações

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria Caracterização dos Sistemas na Indústria - Trata-se do conjunto de das instalações de processo e das instalações auxiliares, que são agrupadas de acordo com sua nalidade, em diversos sistemas integrados;

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE I Aula 5 Fontes de Distorção de Sinais em Transmissão Fonte: Rodrigo Semente A Distorção, em Sistemas de Comunicação, pode ser entendida como uma ação que tem como objetivo modificar as componentes

Leia mais

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0914

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0914 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO DAE - Analandia DAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Analandia. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA 1- Analisador de Vibrações

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

BI 1-7. Sistemas de aceleração (testes de disparo)

BI 1-7. Sistemas de aceleração (testes de disparo) Testes de aceleração de componentes rotativos até seu ponto de explosão Cobertura de proteção a prova de explosão de alto grau de proteção Acionamento através de motor de corrente contínua com frenagem

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO INTRODUÇÃO AO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA (Lei 8.213 de 1991 Art. 19) 1º A empresa é responsável pela adoção e uso das medidas coletivas e individuais de proteção e segurança

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais