27/03/2017 A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "27/03/2017 A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS"

Transcrição

1 A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS 1

2 PROJETANDO QUANTIDADES E VALORES DE VENDA De acordo com as premissas anteriormente apresentadas, os preços de venda deverão ser corrigidos pelo INPC, previsto para acréscimo de 2% em janeiro e 1% em julho sobre os preços praticados nos respectivos meses anteriores. Esses preços permanecerão constantes durante seis meses, quando então deverão ser reajustados pelos novos percentuais de acréscimos e válidos para os seguintes seus meses do ano. Os motivos para esses reajustes são: Os maiores custos com alterações nos produtos; A maior dedicação aos distribuidores; e Os maiores gastos em propagandas e publicidade; Além da valorização da marca, fortemente reconhecida pelos consumidores finais como um produto de ótima qualidade. O ICMS (IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS) No Brasil, atualmente os preços de venda contêm o ICMS, ou seja, o imposto está embutido no preço do produto. Assim, para continuar e projetar as vendas mensais de janeiro a dezembro de 20X1, você deve alimentar a planilha contendo a alíquota desse imposto, para posteriormente separá-lo da receita que fica com a empresa. A base de cálculo atual é o total do valor da mercadoria, com despesas acessórias, deduzidos os descontos e o IPI (Imposto sobre Produto Industrializado). As alíquotas variam entre os estados e os destinos das mercadorias, podendo ser reduzidas pelos governos estaduais nos casos de alguns produtos. Por se tratar de um imposto não-cumulativo, o ICMS devido ao estado e calculado sobre as vendas da empresa é reduzido dos valores de ICMS já pagos nas compras adquiridas para a fabricação dos produtos. Veremos esses cálculos quando da projeção do fluxo de caixa. No caso da RISCA, a alíquota de ICMS nas vendas para a região Sul é de 18% e nas vendas para a região Norte é de 12%. 2

3 O IPI (IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS) Esse outro tributo é devido ao governo federal e calculado sobre o valor da mercadoria industrializada. Suas alíquotas variam entre os produtos. Nesse exercício, assim como no caso do ICMS, devemos destacar da receita de venda a parte do IPI que deverá ser recolhida ao governo. O valor do IPI devido ao governo, calculado sobre as vendas da empresa também é reduzido dos valores já pagos de IPI nas compras adquiridas para a fabricação de seus produtos. Igualmente ao caso do ICMS, veremos esses cálculos na projeção do fluxo de caixa. Os produtos da RISCA têm alíquota de 5% para o IPI. Veja a seguir uma breve explicação sobre os cálculos necessários para se obter o valor do ICMS embutidos no preço do produto e o valor do IPI para o caso de produtos industrializados. O Quadro a seguir mostra um exemplo dos cálculos para ICMS e IPI tanto nas compras como nas vendas e o saldo (se houver) a recolher ao estado (ICMS) e à União (IPI). Mês de Janeiro R$ Alíquota e cálculo Observações Valor das compras com ICMS ICMS nas compras (dentro do valor) IPI de compras (fora do valor) Valor total a pagar das compras 100,00 18,00 18% Incluso no valor das compras 5,00 5% Além do valor das compras 105,00 (R$ 100,00 + R$ 5,00) Valor das vendas com ICMS ICMS nas vendas (dentro do valor) IPI das vendas (fora do valor) Valor total a receber das vendas 200,00 36,00 18% Incluso no valor das vendas 10,00 5% Além do valor das vendas 210,00 (R$ 200,00 + R$ 10,00) ICMS a recolher 18,00 (R$ 36,00 R$ 18,00) IPI a recolher 5,00 (R$ 10,00 R$ 5,00) 3

4 Assim, podemos completar o Quadro a seguir com as informações acima, isto é, preços dos produtos e as alíquotas dos impostos: Esferográficas Sul Norte Participação da Risca no mercado em dez 20X0 10,0% 11,0% Preço atual dezembro de 20X0 R$ 0,90 R$ 1,00 Aumento de preço para janeiro de 20X1 2% 2% Preço janeiro a junho de 20X1* R$ 0,92 R$ 1,02 Aumento de preço para julho de 20X1 1% 1% Preço julho a dezembro de 20X1* R$ 0,93 R$ 1,03 Alíquota do ICMS 18% 12% Alíquota do IPI 5% 5% * Os valores estão arredondados para apenas 2 casas decimais. Assim, podemos completar o Quadro a seguir com as informações acima, isto é, preços dos produtos e as alíquotas dos impostos: Lapiseiras Sul Norte Participação da Risca no mercado em dez 20X0 17,0% 18,0% Preço atual dezembro de 20X0 R$ 2,40 R$ 2,50 Aumento de preço para janeiro de 20X1 2% 2% Preço janeiro a junho de 20X1* R$ 2,45 R$ 2,55 Aumento de preço para julho de 20X1 1% 1% Preço julho a dezembro de 20X1* R$ 2,47 R$ 2,58 Alíquota do ICMS 18% 12% Alíquota do IPI 5% 5% * Os valores estão arredondados para apenas 2 casas decimais. 4

5 PARTICIPAÇÃO DE MERCADO DE ESFEROGRÁFICAS DA RISCA A participação de mercado atual da Risca é de 10% no caso das esferográficas e, de acordo com as estimativas, deverá continuar a mesma na região Sul, mas deverá atingir 11% em dezembro de 20X1 na região Norte. Observe no próximo quadro que a participação de mercado não é igual em todos os meses, devendo aumentar gradualmente no decorrer dos meses e podendo atingir a meta antes do final do ano. O Quadro a seguir mostra como será a participação mensal da RISCA no mercado de esferográficas por região durante os meses do ano de 20X1: Produtos Esferográficas Participação da Risca Sul* Norte* Janeiro 10,0% 10,0% Fevereiro 10,0% 10,0% Março 10,0% 10,0% Abril 10,0% 10,0% Maio 10,0% 10,6% Junho 10,0% 10,6% Julho 10,0% 10,7% Agosto 10,0% 10,7% Setembro 10,0% 10,7% Outubro 10,0% 11,0% Novembro 10,0% 11,0% Dezembro 10,0% 11,0% * A participação no mercado de esferográficas na região Sul não sofrerá acréscimos durante o ano. 5

6 No caso da Região Norte, aumentará para 10,6% em maio, 10,7% em julho e novamente para 11,0% em outubro. Agora para o cálculo dos valores monetários das vendas, você já possui: Os preços estimados; A distribuição da demanda do mercado; A participação da RISCA mensal; e A influência dos impostos sobre a receita. Procure montar essas premissas na sua planilha, inserindo fórmulas de cálculo para obter os valores mensais das quantidades de vendas, em unidades e depois em valores monetários, mostrando também os cálculos para se chegar aos valores da receita líquida de vendas, isto é, sem ICMS, e do faturamento bruto, com IPI. Observe que, calculando 18% do valor da receita bruta de vendas, você obterá o valor do ICMS. Deduzindo esse valor da receita bruta, chega-se ao valor das venda líquidas. Para o faturamento bruto ou receita bruta, adiciona-se 5% às vendas com ICMS. Esses cálculos serão importantes quando chegarmos a projetar o orçamento de caixa e as obrigações dos tributos. Comece pelas esferográficas e depois vá para o próximo tópico, as lapiseiras. OBJETIVO DESTA ETAPA = você deve construir uma planilha contendo as premissas e valores atuais das vendas, em quantidade e em valores monetários, mostrando também os cálculos para se chegar aos valores de vendas líquidas isto é, sem ICMS e do faturamento bruto com IPI. No caso da RISCA, a alíquota do ICMS nas vendas para a Região Sul será de 18% e nas vendas para a Região Norte será de 12%. O IPI tem alíquota única de 5%. CÁLCULOS = é bom lembrar que, ao fazer os cálculos em uma planilha eletrônica como o Excel, as células deverão ser formatadas. Para quantidades, use zero casas decimais. No caso de valores monetários, formate as células com o símbolo do cifrão ($) é o caso das receitas e impostos e também use zero casas decimais. É importante notar que o orçamento é um projeção em ordem de grandeza, arredondando e desprezando uma fração de venda. Porém, no caso de custos unitários, uma vez que os valores são baixos, use quatro casas decimais e no caso de preços unitários use duas casas decimais. EXEMPLO: nos próximos 12 meses, o mercado irá demandar um total de esferográficas, na região Sul. O consumo de fevereiro deverá ser de 14% desse total. Assim, a demanda prevista é de unidades (14% de ). A RISCA deverá ter uma participação de unidades (10% de ). 6

7 Ao terminar você deve ter os valores estimados para quantidades e receitas de vendas. Trabalhar com a planilha C. Vendas Esferográficas no Excel. PARTICIPAÇÃO DE MERCADO DE LAPISEIRAS DA RISCA A participação de mercado atual da Risca é de 15% no mercado de lapiseiras. De acordo com as estimativas, deverá chegar a 17% em dezembro de 20X1 na região Sul, e em 18% na região Norte. Observe no próximo Quadro que a participação de mercado não é igual em todos os meses, devendo aumentar gradualmente no decorrer dos meses e podendo atingir meta antes do final do ano. O Quadro a seguir mostra como será a participação da RISCA, mensalmente, no mercado de lapiseiras por região durante os meses do ano de 20X1. 7

8 Produtos Esferográficas Participação da Risca Sul* Norte* Janeiro 15,0% 15,0% Fevereiro 15,0% 15,0% Março 15,0% 15,0% Abril 15,0% 15,0% Maio 15,0% 15,0% Junho 15,0% 15,0% Julho 15,0% 15,0% Agosto 15,4% 15,6% Setembro 15,4% 16,6% Outubro 15,6% 16,7% Novembro 16,0% 17,5% Dezembro 17,0% 18,0% * A participação no mercado de lapiseiras passará dos atuais 15% para 15,4% em agosto, 15,6% em outubro, 16% em novembro e 17% em dezembro, na região Sul. Na região Norte, passará dos atuais 15% para 15,6% em agosto, 16,5% em setembro, 16,7% em outubro, 17,5% em novembro e 18% em dezembro. Repetindo o mesmo procedimento adotado para esferográficas, para o cálculo dos valores monetários das vendas, você já possui: Os preços estimados; A distribuição da demanda do mercado; A participação da RISCA mensal; e A influência dos impostos sobre a receita. Outra vez, procure montar essa premissas na sua planilha, inserindo fórmulas de cálculos para obter os valores mensais das quantidades de vendas, em unidades e depois em valores monetários, mostrando também os cálculos para se chegar aos valores da receita líquida de vendas, isto é, sem ICMS, e do faturamento bruto, com IPI. Novamente, observe que calculando 18%do valor da receita bruta de vendas você obterá o valor do ICMS. Deduzindo esse valor da receita bruta, chega-se ao valor das vendas líquidas. Para o faturamento bruto ou receita bruta, adicionam-se 5% às vendas com ICMS. Esses cálculos serão importantes, quando chegarmos a projetar o orçamento de caixa e as obrigações dos tributos. 8

9 OBJETIVO DESTA ETAPA = você deve construir uma planilha contendo as premissas e valores atuais das vendas, em quantidade e em valores monetários, mostrando também os cálculos para se chegar aos valores de vendas líquidas isto é, sem ICMS e do faturamento bruto com IPI. No caso da RISCA, a alíquota do ICMS nas vendas para a região Sul será de 18% e nas vendas para a região Norte será de 12%. O IPI tem alíquota única de 5%. CÁLCULOS = é bom lembrar que, ao fazer os cálculos em uma planilha eletrônica como o Excel, as células deverão ser formatadas. Para quantidades, use zero casas decimais. No caso de valores monetários, formate as células com o símbolo do cifrão ($) é o caso das receitas e impostos e também use zero casas decimais. É importante notar que o orçamento é um projeção em ordem de grandeza, arredondando e desprezando uma fração de venda. Porém, no caso de custos unitários, uma vez que os valores são baixos, use quatro casas decimais e no caso de preços unitários use duas casas decimais. EXEMPLO: nos próximos 12 meses, o mercado irá demandar um total de lapiseiras, na região Sul. O consumo de fevereiro deverá ser de 14% desse total. Assim, a demanda prevista é de unidades (14% de ). A RISCA deverá ter uma participação de ,4 unidades (15% de ), mas com a formatação da célula para nenhuma casa decimal, o valor aparecerá com unidades. Ao terminar você deve ter os valores estimados para quantidades e receitas de vendas. Trabalhar com a planilha D. Vendas Lapiseiras no Excel. 9

27/03/2017 A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS

27/03/2017 A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS A EMPRESA RISCA S.A. A EMPRESA E SEUS PRODUTOS 1 PROJETANDO CONSUMO DE MATÉRIAS-PRIMAS NA PRODUÇÃO Nesta quarta fase, o objetivo é o de abastecer a fábrica com as matériasprimas necessárias. Para isso,

Leia mais

CONTABILIDADE II: 01)

CONTABILIDADE II: 01) CONTABILIDADE II: 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS, um saldo de ICMS a Recuperar

Leia mais

Tabela Taxa de desocupação na semana de referência por grupos de idade. Unidade Territorial - Total das áreas

Tabela Taxa de desocupação na semana de referência por grupos de idade. Unidade Territorial - Total das áreas março 2002 23,5 abril 2002 23,2 maio 2002 21,3 junho 2002 21,0 julho 2002 22,2 agosto 2002 21,9 setembro 2002 21,2 outubro 2002 21,2 novembro 2002 20,8 dezembro 2002 19,4 janeiro 2003 20,8 fevereiro 2003

Leia mais

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA GESTÃO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Silvério das Neves Graduado em Contabilidade e Administração pela Universidade Mackenzie. MBA Executivo em Gestão de Negócios pelo INPG. Participou da

Leia mais

Aula Orçamento de vendas ORÇAMENTO DE VENDAS. Orçamento de vendas são as previsões de vendas para um determinado período orçamentário.

Aula Orçamento de vendas ORÇAMENTO DE VENDAS. Orçamento de vendas são as previsões de vendas para um determinado período orçamentário. Aula Orçamento de vendas Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br ORÇAMENTO DE VENDAS Orçamento de vendas são as previsões de vendas para um determinado período orçamentário.

Leia mais

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO >Quais as formas de apuração do lucro >Compensação de Prejuízos acumulados >Imposto de Renda e Contribuição Social >As alterações

Leia mais

(A) (B) (C) (D) (E)

(A) (B) (C) (D) (E) 01 FCC 2014 Um lote de mercadorias para revenda foi adquirido pelo valor total de R$ 200.000. Neste valor estavam inclusos tributos recuperáveis de R$ 30.000. A empresa ficou responsável pela retirada

Leia mais

Módulo 4. Formação do Preço de Venda. Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto. Unidade 2: Custo da matéria-prima ou produto vendido

Módulo 4. Formação do Preço de Venda. Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto. Unidade 2: Custo da matéria-prima ou produto vendido Módulo 4 Formação do Preço de Venda Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto Unidade 2: Custo da matéria-prima ou produto vendido 1 Unidade 1: Preço de venda pelo método do custeio direto

Leia mais

VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS

VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS Bonificações A Receita Federal reconhece dois tipos de bonificações, que são: 1. Aquelas recebidas na mesma nota fiscal

Leia mais

Francisco Cavalcante Alocação dos gastos fixos para o contrato. Alocação da meta de lucro para o contrato

Francisco Cavalcante Alocação dos gastos fixos para o contrato. Alocação da meta de lucro para o contrato CASO PRÁTICO REAL (E ESPECIAL) COMO UMA EMPRESA DETERMINOU O PREÇO DE VENDA DO SEU PRODUTO PARA UM CLIENTE QUE CONTRATOU 30% DA SUA PRODUÇÃO PARA UM PERÍODO DE 3 ANOS Alocação dos gastos fixos para o contrato

Leia mais

Estamos no final do ano de 20X0 e a nossa empresa Risca S.A., fabricante de dois produtos:

Estamos no final do ano de 20X0 e a nossa empresa Risca S.A., fabricante de dois produtos: A EMPRESA RISCA S.A. INTRODUÇÃO Estamos no final do ano de 20X0 e a nossa empresa Risca S.A., fabricante de dois produtos: a esferográfica de ponta final azul; e a lapiseira para grafites de 0,7 mm de

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais CONTABILIDADE DE CUSTOS Materiais IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos custos dos materiais se justifica: pela grande participação dos materiais no processo produtivo; Custos como base primordial

Leia mais

Etapas do Plano de Negócios

Etapas do Plano de Negócios Etapas do Plano de Negócios Etapa 7. Plano financeiro Detalhes Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Etapa 7 Plano Financeiro Investimento

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

Etapa 7 Plano Financeiro

Etapa 7 Plano Financeiro 17/10/12 Etapas do Plano de Negócios Etapa Detalhes 7. Plano financeiro Investimentos Projeção de resultados Ponto de equilíbrio Projeção fluxo de caixa Vendas Despesas Mão de obra Investimento é tudo

Leia mais

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL

LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL LUCRO REAL ANUAL RECOLHIMENTO POR ESTIMATIVA MENSAL As empresas tributadas pelo lucro real, que optaram pela apuração anual, deverão recolher mensalmente antecipações de IRPJ e CSLL com base em lucro estimado

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

Orçamento 29/08/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final. Orçamento de custos indiretos de fabricação

Orçamento 29/08/2016. Orçamento de Vendas. Orçamento de Produção. Orçamento de Estoque Final. Orçamento de custos indiretos de fabricação Orçamento Vendas Estoque Final Produção matéria-prima direta mão-de-obra direta custos indiretos de fabricação Custo dos Produtos Vendidos investimentos financiamentos Caixa despesas de vendas e administrativas

Leia mais

Orçamento de Vendas. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Vendas. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Vendas Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Vendas Conceito: É a planificação futura das vendas para determinado período, relacionando em suas projeções os produtos e/ou serviços

Leia mais

Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques

Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques Módulo 3 Egbert 1 Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques 2 1. Operações com mercadorias O controle das mercadorias pode ser realizado

Leia mais

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Prof. Dr. Érico Hack IR Pessoa Jurídica Pessoa Física equiparada à pessoa jurídica (Empresas individuais) Empresário

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS! Sistema Price! SAC Autores: Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo.

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo. 1 AJUSTE Á VALOR PRESENTE ICMS Autores: Geraldo Barbieri Professor do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP e Pesquisador da FIPECAFI Ariovaldo dos Santos Professor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

FOLHA DE CÁLCULO EXERCÍCIO Nº 1

FOLHA DE CÁLCULO EXERCÍCIO Nº 1 EXERCÍCIO Nº 1-1- EXERCÍCIO Nº 1 Listas personalizadas, séries 1. 2. 3. 4. Crie, no ambiente de trabalho do seu computador, a pasta EXCEL. Abra um novo livro de Excel. Dê-lhe o nome Exercicios. Situe-se

Leia mais

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa.

CARTILHA NACIONAL SIMPLES. Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. CARTILHA NACIONAL SIMPLES Entenda o resumo da tributação da sua Micro ou Pequena Empresa. O que é Simples Nacional? Como enquadro minha empresa no Nacional Simples? O Simples Nacional é um regime tributário

Leia mais

ESTE MATERIAL É PARTE INTEGRANTE DO CURSO ONLINE BOLSA BLINDADA 2 DA EDUK (WWW.EDUK.COM.BR) CONFORME A LEI Nº 9

ESTE MATERIAL É PARTE INTEGRANTE DO CURSO ONLINE BOLSA BLINDADA 2 DA EDUK (WWW.EDUK.COM.BR) CONFORME A LEI Nº 9 Planilha bancária Como usar a planilha bancária Você deve usar a planilha bancária como forma de organização financeira caso tenha uma conta especificamente utilizada para o seu negócio. Mesmo que você

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com PRÁTICA DE ORÇAMENTO Orçamento da Pápien Ferramentas Adaptado

Leia mais

AULA GESTÃO DO CUSTO PADRÃO/CUSTO META/VARIAÇÕES

AULA GESTÃO DO CUSTO PADRÃO/CUSTO META/VARIAÇÕES AULA GESTÃO DO CUSTO PADRÃO/CUSTO META/VARIAÇÕES CUSTO PADRÃO UMA FORMA DE CONTROLE E GESTÃO O Custo Padrão não pode ser entendido como um método, mas sim um princípio de gestão, pois consiste na base

Leia mais

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0

Empresa 4 BETA Balanço Patrimonial em 31/12/X0 1. Cenário: 1 A Empresa sec 5fabrica somente o produto. O processo orçamentário começa em outubro, antes do final do período contábil a 31 de Dezembro. Os resultados esperados no ano corrente, a se encerrar

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE A atual legislação estabelece a sequencia de apresentação dos vários elementos da demonstração do resultado para efeitos de publicação. Uma estrutura baseada

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

EXERCÍCIO - MOÍNHO OURINHENSE

EXERCÍCIO - MOÍNHO OURINHENSE EXERCÍCIO - MOÍNHO OURINHENSE ORÇAMENTO DE VENDA COMPOSIÇÃO DO PREÇO DE VENDAS JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO FARINHA MILHO 4,00 4,00 4,00 4,00

Leia mais

1) APLICAÇÃO Para quais OPERAÇÕES, MERCADORIAS e BENS e será utilizada a alíquota de 4%?

1) APLICAÇÃO Para quais OPERAÇÕES, MERCADORIAS e BENS e será utilizada a alíquota de 4%? Perguntas frequentes sobre a Resolução 13/2013 do Senado Federal: 1) APLICAÇÃO Para quais OPERAÇÕES, MERCADORIAS e BENS e será utilizada a alíquota de 4%? A alíquota de 4%, conforme definida pela Resolução

Leia mais

ORÇAMENTO DE VENDA COMPOSIÇÃO DO PREÇO DE VENDAS VARIAÇÃO PARA O 2º SEMESTRE PREÇO DE VENDA DO 2º SEMESTRE PREÇO VENDA DO 1º SEMESTRE PRODUTO

ORÇAMENTO DE VENDA COMPOSIÇÃO DO PREÇO DE VENDAS VARIAÇÃO PARA O 2º SEMESTRE PREÇO DE VENDA DO 2º SEMESTRE PREÇO VENDA DO 1º SEMESTRE PRODUTO ORÇAMENTO DE VENDA COMPOSIÇÃO DO PREÇO DE VENDAS PREÇO VENDA DO 1º SEMESTRE VARIAÇÃO PARA O 2º SEMESTRE PREÇO DE VENDA DO 2º SEMESTRE PÁ 22,00 10% 24,20 ENXADA 29,00 11% 32,19 PICARETA 37,00 12% 41,44

Leia mais

Unidade II $

Unidade II $ CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Unidade II 4 CONTABILIZAÇÃO DE OPERAÇÕES COM MERCADORIAS COM TRIBUTAÇÃO 4.1 Compra de mercadorias com incidência de ICMS / PIS / COFINS recuperáveis Exemplo Vamos considerar uma

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CPRB LEGISLAÇÃO CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 195 - A seguridade social será financiada... seguintes contribuições sociais: I - do empregador, da empresa e da entidade a ela equiparada na forma da lei, incidentes

Leia mais

EXERCÍCIO - MOÍNHO OURINHENSE

EXERCÍCIO - MOÍNHO OURINHENSE EXERCÍCIO - MOÍNHO OURINHENSE ORÇAMENTO DE VENDA COMPOSIÇÃO DO PREÇO DE PRODUTO JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 4,00 4,00 4,40 FARINHA MANDIO 5,00

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO MARINGÁ

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO MARINGÁ FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE MARÇO DE 2013 MARINGÁ Este relatório, referente ao mês de MARÇO de 2013, da Pesquisa Conjuntural do Comércio

Leia mais

Fábio Figueiredo Supervisor. Suporte

Fábio Figueiredo Supervisor. Suporte Olá! Bem Vindo! Fábio Figueiredo Supervisor Suporte Fabio.figueiredo@grupopc.com.br Agenda do dia: Custos e precificação Importação do XML na entrada de mercadoria Entendendo a precificação de Produtos

Leia mais

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda.

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda. PARTE 7 DEPRECIAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Método Linear 3. Método de Cole ou da Soma dos Dígitos 4. Método Exponencial 5. Exercícios resolvidos 1. Introdução Depreciação significa desvalorização.

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL

Orientações Consultoria de Segmentos Retenção em baixas parciais de PIS, COFINS e CSLL 28/04/2010 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Contribuição PIS e COFINS pela Sistemática Não Cumulativa... 4 3.2. Da

Leia mais

Instituto de Economia - UFRJ IEE Economia do Empreendedorismo Professora: Renata La Rovere Tutor: Guilherme Santos

Instituto de Economia - UFRJ IEE Economia do Empreendedorismo Professora: Renata La Rovere Tutor: Guilherme Santos Instituto de Economia - UFRJ IEE 531 - Economia do Empreendedorismo 2016.2 Professora: Renata La Rovere Tutor: Guilherme Santos Ferramentas Mais Utilizadas: 1) Balanço Patrimonial 2) Demonstrativo de Resultados

Leia mais

A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA A DEFASAGEM NA CORREÇÃO DA TABELA DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. Marco Legal Vigente Em 25 de março de 2011 o Governo Federal editou a MP 528 que foi convertida na Lei nº 12.469, de 26 de agosto

Leia mais

Conteúdo: 10.1 Controle de estoques e do custo das vendas.

Conteúdo: 10.1 Controle de estoques e do custo das vendas. Módulo 3 Egbert 1 Conteúdo: 10.1 Controle de estoques e do custo das vendas. 2 1. Operações com mercadorias O controle das mercadorias pode ser realizado periodicamente, ou seja, em intervalos fixos de

Leia mais

CÁLCULO DO INVENTÁRIO NO ATHENAS3000

CÁLCULO DO INVENTÁRIO NO ATHENAS3000 CÁLCULO DO INVENTÁRIO NO ATHENAS3000 Revisado 12/2015 1 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Antes de mostrar como é calculado o inventário no sistema Athenas3000, deve ser levando em conta algumas considerações. Leia

Leia mais

Análise de Custos 2016/1

Análise de Custos 2016/1 Análise de Custos 2016/1 Professor Gleison de Abreu Pontes Bacharel em Administração de Empresas (Faculdade Politécnica de Uberlândia, 2007) Especialista em Finanças (Universidade Federal de Uberlândia,

Leia mais

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série O que é: Basicamente, é uma metodologia de análise que você pode usar para entender a estrutura econômico e financeira da empresa

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL

CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 01- José Rodrigues Mendes, Maria Helena Souza e Pedro Paulo Frota, tempos atrás, criaram uma empresa para comerciar chinelos e roupas, na forma de Sociedade por Quotas de Responsabilidade

Leia mais

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta

Orientações Consultoria de Segmentos EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta EFD-Contribuições Regs M400 E M600 Valor da receita bruta 02/08/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento:

4º O contribuinte deverá considerar, destacadamente, para fim de pagamento: Das Alíquotas e Base de Cálculo e dos Créditos Art. 18. O valor devido mensalmente pela microempresa e empresa de pequeno porte, optante do Simples Nacional, será determinado mediante aplicação da tabela

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO VISÃO ESTRATÉGICA

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO VISÃO ESTRATÉGICA PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO VISÃO ESTRATÉGICA O que é Planejamento Tributário? O conceito administrativo da palavra planejamento pode ser entendido como: Processo organizacional de criação de um plano, utilizando

Leia mais

Formação de Preço de Venda O Guia Completo

Formação de Preço de Venda O Guia Completo O passo-a-passo detalhado para o cálculo do preço ideal de venda dos produtos, mercadorias e serviços de sua empresa. Formação de Preço de Venda O Guia Completo FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA O GUIA COMPLETO!

Leia mais

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON

ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON ICMS FRONTEIRA ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO ASPECTOS FISCAIS INSTRUTOR: MARCELO REOLON CONCEITOS ANTECIPAÇÃO E DIFERENCIAL DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS: Art. 4 - Nas operações com mercadorias ou bens considera-se

Leia mais

À vista do exposto, é correto afirmar que o valor em uso da referida máquina foi estimado pela companhia como correspondente, em R$, a:

À vista do exposto, é correto afirmar que o valor em uso da referida máquina foi estimado pela companhia como correspondente, em R$, a: 1 LISTA DE QUESTÕES 1) Em relação aos saldos existentes de Ativo Diferido e Reservas de Reavaliação em 31.12.2008, as novas normas contábeis introduzidas a partir da vigência das Leis n 11.638/2007 e n

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

Controle Decifrado de Estoque

Controle Decifrado de Estoque 1 PIS/Pasep e Cofins... 1 1.1 Contas PIS/Pasep e Cofins a Recolher e PIS/Pasep e Cofins a Recuperar... 2 1.2 Conta Conta-corrente PIS/Pasep e Cofins... 4 1 PIS/Pasep e Cofins Pela legislação de regência

Leia mais

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 1. Uma empresa apurou em determinado período trimestral de 2003 um Lucro Real de R$ 27.000,00. As adições eram de R$ 5.000,00 e as exclusões de R$ 3.000,00. No Patrimônio

Leia mais

Para começar, vamos começar vendo alguns exemplos do uso da SOMASE na gestão de empresas:

Para começar, vamos começar vendo alguns exemplos do uso da SOMASE na gestão de empresas: Este conteúdo faz parte da série: Excel Fórmulas Avançadas Ver 10 posts dessa série Esse é o meu segundo post da série Como gerir melhor usando uma função do Excel (veja o meu post sobre a PROCV função

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Seção 7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Ramo da contabilidade aplicada cujo objetivo é adequar as demonstrações financeiras contábeis e a

Leia mais

CARTILHA SUA EMPRESA E A LEI DE INFORMÁTICA

CARTILHA SUA EMPRESA E A LEI DE INFORMÁTICA CARTILHA SUA EMPRESA E A LEI DE INFORMÁTICA O que é a Lei de Informática? A Lei de Informática (Leis 8.248/91, 10.176/01, 11.077/04 e 13.023/14) concede incentivos fiscais para empresas do setor de tecnologia

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO MARINGÁ

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO MARINGÁ FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE ABRIL DE 2013 MARINGÁ Este relatório, referente ao mês de ABRIL de 2013, da Pesquisa Conjuntural do Comércio

Leia mais

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 PAGAMENTO DE DÍVIDAS Existem mais de uma maneira de se efetuar o pagamento de uma dívida. Ela pode ser toda liquidada em um

Leia mais

IRPJ- TEORIA E PRÁTICA

IRPJ- TEORIA E PRÁTICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO TRIBUTÁRIO. Profa. Cléber Barros AULA 52 27/09/2017 Direito TRIBUTÁRIO IRPJ parte 2 IRPJ- TEORIA E PRÁTICA Os regimes tributários da PJ são: Lucro real (são as empresas

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Roteiro Distorções do Sistema Tributário 2 Carga Tributária

Leia mais

Federação Paulista de. Hóquei e Patinação REVISÃO: 00 (28/03/17)

Federação Paulista de. Hóquei e Patinação REVISÃO: 00 (28/03/17) Federação Paulista de Hóquei e Patinação Leis de Incentivo Fiscal ao Esporte: Quais são e comoo utilizá-las. REVISÃO: 00 (28/03/17) FPHP - Leis de Incentivo Fiscal ao Esporte [2] Conteúdo Leis de Incentivo

Leia mais

Curso: Administração Período: 4º Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II.

Curso: Administração Período: 4º Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II. Curso: Administração Período: 4º 20172 Professor: Hiago Ricardo de Mello Francisco Disciplina: Administração Financeira e Orçamentária II Observações: 1) O trabalho precisa ser entregue impresso com as

Leia mais

Considerações na Proposta Técnica

Considerações na Proposta Técnica Considerações na Proposta Técnica CRUZAMENTOS: 1-ECD x DIPJ No módulo de Cruzamento envolvendo arquivos ECD X DIPJ, o sistema IOB Auditor Eletrônico SPED trabalha na composição das fichas da DIPJ extraindo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO. Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin

FORMAÇÃO DE PREÇO. Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin FORMAÇÃO DE PREÇO Talita Caetano da Silva Vanessa Barros Bregantin SUMÁRIO 1. Introdução 2. Formação de preço baseado em custo. 3. Formação de preço baseado em mercado. 3.1 Alguns métodos de formação de

Leia mais

Instrumentos Financeiros Derivativos

Instrumentos Financeiros Derivativos Instrumentos Financeiros Derivativos 1. As operações com instrumentos financeiros derivativos realizadas por conta própria pelas instituições financeiras, demais instituições autorizadas a funcionar pelo

Leia mais

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007.

Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. Comentarei as questões 56 a 63 da prova de Contabilidade de Auditor Fiscal da Fazenda do Ceará 2007. CONTABILIDADE GERAL 56 Na empresa Nutricional S/A, o resultado do exercício havia sido apurado acusando

Leia mais

Registro obrigatório, todos os campos são de preenchimento obrigatório; XXXXXXX LTDA.

Registro obrigatório, todos os campos são de preenchimento obrigatório; XXXXXXX LTDA. LEIAUTE DO ARQUIVO DE EQUIVALÊNCIA DE CÓDIGOS 2.1 - REGISTRO TIPO 01 - MESTRE DO ESTABELECIMENTO REGISTRO 01: MESTRE DO ESTABELECIMENTO N CAMPO DESCRIÇÃO TIPO TAM DEC 01 REG Texto fixo contendo "01". C

Leia mais

Exercícios - Soluções

Exercícios - Soluções Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios - Soluções EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 - Resposta Ativo imobilizado até a conclusão da obra (manutenção da atividade O

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com Orçamento de Aquisição de Matéria-Prima O orçamento de aquisição

Leia mais

Como Cadastrar Sys Fundo de Combate à Pobreza? FN13

Como Cadastrar Sys Fundo de Combate à Pobreza? FN13 Como Cadastrar Sys Fundo de Combate à Pobreza? FN13 Sistema: Futura NFE Caminho: Cadastro>Fiscal>Fundo de Combate a Pobreza Referência: FN13 Versão: 2017.01.16 Como funciona: A tela de Sys Fundo de Combate

Leia mais

1 - ESCOLHA: FIXA A MARGEM OU FIXA O PREÇO DE VENDA

1 - ESCOLHA: FIXA A MARGEM OU FIXA O PREÇO DE VENDA PREÇOS DE CUSTO / MARGENS / PREÇO DE VENDA Questão: Atualização do Preço de Custo / Margem / Preço de Venda quando é importado o arquivo XML de uma Nota Fiscal do Fornecedor. Alguns clientes optam em NÃO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Superintendência de Planejamento e Finanças Diretoria de Contabilidade e Finanças

SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO Superintendência de Planejamento e Finanças Diretoria de Contabilidade e Finanças 8º Relatório da Comissão de Avaliação (CA) do Termo de Parceria celebrado entre a Secretaria de Estado de Governo e a OSCIP - Movimento das Donas de Casa e Consumidores de Minas Gerais - MDC. Período Avaliatório:

Leia mais

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos Substituição Tributária das Operações com Lâmpadas Elétricas

Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos Substituição Tributária das Operações com Lâmpadas Elétricas Anexos 4. 0 Substituição Tributária Anexos 4. 13 Substituição Tributária das Operações com Lâmpadas Elétricas Protocolo ICMS 17/1985 Alterações: Protocolo 09/1986, 10/87, 51/91, 08/98, 26/01, 37/01, 42/08,

Leia mais

NT 2013/003 Lei da Transparência dos Tributos Federais, Estaduais e Municipais. A partir do Sisloc v13.03

NT 2013/003 Lei da Transparência dos Tributos Federais, Estaduais e Municipais. A partir do Sisloc v13.03 NT 2013/003 Lei da Transparência dos Tributos Federais, Estaduais e Municipais A partir do Sisloc v13.03 Sumário: 1. Apresentação... 3 2. Alterações Sisloc... 4 Cadastro Empresa... 4 Modelo de nota fiscal...

Leia mais

Tributos sobre importação

Tributos sobre importação Tributos sobre importação Valor Aduaneiro,é a base de cálculo para apurar o Imposto de Importação e os demais impostos. O valor aduaneiro é composto:: a) A valoração da mercadoria importada, como regra

Leia mais

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas. Profs. Gustavo e Vicente 1

Dicas 01. Contabilidade Geral. Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas.  Profs. Gustavo e Vicente 1 bilidade Geral Professores: Gustavo Jubé e Vicente Chagas www.pontodosconcursos.com.br Profs. Gustavo e Vicente 1 O essencial para diferenciar ativo de passivo Você que está começando a estudar contabilidade

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes Contas Natureza da Conta Saldo Aumenta Diminui Patrimoniais Ativo Devedora D C Passivo Credora C D PL Credora C D Resultado Receita

Leia mais

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana.

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Curso de Ciências Contábeis Profº Me. Hugo David Santana. Introdução Nesta aula será apresentado o tratamento contábil dos principais itens relacionados à folha de pagamento, por

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA FACULDADE COMUNITARIA DE RIO CLARO ANHANGUERA EDUCACIONAL MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Edílson Celso Luiz Domingues Junior RA 0820290 2º Semestre ADM Taxa Interna de Retorno. TAXA INTERNA DE RETORNO (TIR)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PROVA DE SELEÇÃO DE TUTORES NA MODALIDADE À DISTÂNCIA GRUPO: CONTABILIDADE DATA: HORÁRIO:

Leia mais

LibreOffice Calc: aula 1

LibreOffice Calc: aula 1 Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação GMA038 Introdução à Ciência da Computação Prof. Renato Pimentel LibreOffice Calc: aula 1 Objetivos Apresentar o LibreOffice Calc Criar uma planilha

Leia mais

Prova laboratorio contabil II unifran

Prova laboratorio contabil II unifran Prova laboratorio contabil II unifran Pergunta 1 1. Com base no, considerando as orientações da Lei 6.404/76, qual é o valor do Patrimônio Líquido? A Débito A Crédito Estoques 160.000 Terrenos 140.000

Leia mais

TEXTO (Função TEXTO) Descrição. Sintaxe. Este artigo descreve a sintaxe da fórmula e o uso da função TEXTO no Microsoft Excel.

TEXTO (Função TEXTO) Descrição. Sintaxe. Este artigo descreve a sintaxe da fórmula e o uso da função TEXTO no Microsoft Excel. Página 1 de 8 TEXTO (Função TEXTO) Este artigo descreve a sintaxe da fórmula e o uso da função TEXTO no Microsoft Excel. Descrição A função TEXTO converte um valor numérico em texto e permite especificar

Leia mais

Cordilheira Escrita Fiscal 2.122a

Cordilheira Escrita Fiscal 2.122a LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. OPERAÇÃO BACK TO BACK - Aspectos Contábeis Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. 1 - INTRODUÇÃO 2 - TRATAMENTO FISCAL 3 - TRATAMENTO CONTÁBIL 1 - INTRODUÇÃO As chamadas operações

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

Avaliação de Investimentos

Avaliação de Investimentos Avaliação de Investimentos Fonte: Prof. Chiesa 1 Economia Empresa : Prof. Volney Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo de ICMS ST Optante pelo Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo de ICMS ST Optante pelo Simples Nacional Calculo de 07/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Resolução CGSN nº51 de 22/12/2008... 3 3.2. Lei complementar

Leia mais

ATIVIDADE. 142 capítulo 4 (%) FAT. REGIÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN

ATIVIDADE. 142 capítulo 4 (%) FAT. REGIÕES JAN FEV MAR ABR MAI JUN positivo. Os fluxos incrementais líquidos descontados gerarão um ganho extra de $50.202,28, além da TMA, que foi estipulada em 35% ao ano. Suponha que a organização, ao analisar tal projeto, tivesse adotado

Leia mais