O comportamento do preço do leite tipo C pago ao produtor no Estado de São Paulo confrontado com a realidade dos produtores da microrregião de Marília

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O comportamento do preço do leite tipo C pago ao produtor no Estado de São Paulo confrontado com a realidade dos produtores da microrregião de Marília"

Transcrição

1 O COMPORTAMENTO DO PREÇO DO LEITE TIPO C PAGO AO PRODUTOR NO ESTADO DE SÃO PAULO CONFRONTADO COM A REALIDADE DOS PRODUTORES DA MICRORREGIÃO DE MARÍLIA APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços SIMONE GOLDMAN BATISTIC RIBEIRO; SANDRA CRISTINA DE OLIVEIRA; LEONARDO DE BARROS PINTO; ANDRÉA ROSSI SCALCO. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA, UNESP - TUPÃ - SP - BRASIL. O comportamento do preço do leite tipo C pago ao produtor no Estado de São Paulo confrontado com a realidade dos produtores da microrregião de Marília Grupo de Pesquisa: Comercialização, Mercados e Preços. Resumo: O agronegócio é o maior negócio da economia brasileira e também da economia mundial. Dentre as atividades que se destacam no agronegócio nacional, especificamente no estado de São Paulo, tem-se a pecuária leiteira. Esta é uma importante atividade econômica geradora de emprego e renda para o estado. O presente trabalho teve como objetivo principal estudar o comportamento do preço médio mensal do leite tipo C, pago ao produtor paulista, confrontando com a realidade vivenciada pelos produtores da microrregião de Marília. Para tanto foram utilizadas informações econômicas sobre a atividade leiteira no estado de São Paulo, no Brasil e no mundo, de modo a posicionar o papel do produtor de leite tipo C, bem como a sua remuneração. Foram utilizadas ainda técnicas de séries temporais, baseadas em alisamento exponencial, para analisar o comportamento do preço médio mensal do leite tipo C, pago ao produtor paulista, no período de agosto de 1994 a outubro de 2009, deflacionado pelo IGP-DI. Desta forma, pôde-se comparar e discutir os resultados desta análise com as informações obtidas por meio de uma pesquisa com uma amostra de produtores da microrregião de Marília e com as demais informações existentes na literatura. De uma forma geral, observou-se que o preço médio mensal do leite tipo C no estado de São Paulo aumentou nominalmente nos últimos anos, aliado ao aumento da produtividade, porém tem-se observado uma queda acentuada do número de produtores e na produção em todo o estado. Esta situação também tem sido fortemente vivenciada pelos produtores da microrregião de Marília, que já foi considerada uma das maiores bacias leiteiras do estado de São Paulo. Palavras-chave: preço, produção leiteira, técnicas de séries temporais. The behavior of the price of milk type C paid to the milk producers from São Paulo State confronted to the reality of the producers from the micro region of Marília. 1

2 Abstract: The agribusiness is the largest business of the Brazilian and world economics. Among the activities that stand out in national agribusiness, specifically in São Paulo State, there is the milk production. This is an important economic activity that provides employments and income to the state. This present work had, as the main goal, to study the behavior of the monthly average price of the milk type C, paid to the milk producers from São Paulo State confronted to the reality of the milk producers from the micro region of Marília. Therefore, some information about milk activity in São Paulo, in Brazil and in the world were used, in a way to position the role of the milk type C producers, as well as their remuneration. Time series techniques were used, based on exponential smoothing, to analyze the behavior of the monthly average price of milk type C, paid to the producers from São Paulo State during the period from August 1994 till October 2009, deflated by IGP-DI. In this way, it was possible to compare and to discuss the results of the study to the information obtained from a research made with a sample of producers from the micro region of Marília and from literature. Generally, it was observed that the monthly average nominal price of the milk type C from São Paulo State increased in recent years, as well as the productivity, however it has been observed a sharp drop in the numbers of producers and in milk production in the whole State. This situation also has been strongly experienced by the producers from the micro region of Marília that once was considered a dairy region from São Paulo State. Keywords: price, milk production, time series techniques. 1 Introdução A pecuária leiteira destaca-se entre os principais segmentos do agronegócio nacional e desempenha um papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda para a população brasileira e, especificamente, para o estado de São Paulo. O maior produtor mundial de leite são os Estados Unidos cuja produção em 2007 foi de mil toneladas, seguido pela Índia e pela China. O Brasil destacou-se, neste mesmo ano, como o sexto produtor mundial, com uma produção leiteira de mil toneladas (FAO, 2007). O maior produtor de leite do Brasil é o estado de Minas Gerais sendo, atualmente, responsável por cerca de 30% da produção brasileira. O estado de São Paulo, cuja produção era considerada a segunda do Brasil em 1998, foi perdendo posição a partir de 1999, até que em 2007 ocupou a sexta posição com milhões de litros (IBGE, 2008). Este foi ultrapassado pelos estados do Rio Grande do Sul, Goiás, Santa Catarina e Paraná. Dentre as regiões do estado de São Paulo onde se encontra o rebanho bovino de leite, pode-se destacar a microrregião de Marília. No final dos anos noventa esta região foi considerada bacia leiteira 1 do Estado de São Paulo. Porém, o preço do leite pago ao produtor não acompanhou os altos custos da atividade, gerando uma drástica queda de 1 Bacia leiteira é a zona de abastecimento formada por propriedades agrícolas que se dedicam à atividade de produção de leite localizada em uma região fisiográfica, canalizada para um processador e destinada a um centro de consumo. Pode ultrapassar os limites geográficos do município ou do estado (GLOSSÁRIO AGROPECUÁRIO/2010). 2

3 produção em pouco tempo: em 2000 era de cerca de 35 milhões de litros, mas em 2006 caiu para 21 milhões de litros, ou seja, houve uma queda de aproximadamente 40% ao ano (IBGE, 2008). Apesar desta redução, a produção leiteira continua sendo uma das mais importantes atividades econômicas para o estado e para a microrregião de Marília. Uma vez que o preço é uma variável decisória muito importante para o produtor rural, bem como para o setor do agronegócio, a análise desta variável pode revelar informações relevantes acerca da dinâmica deste setor e contribuir para o entendimento e a assistência à tomada de decisões econômicas. Este trabalho teve por objetivo geral estudar a evolução do preço do leite tipo C, pago ao produtor do estado de São Paulo, confrontando com a realidade observada na microrregião de Marília. Especificamente, por meio de entrevistas com produtores desta microrregião, buscaram-se opiniões e informações acerca do comportamento da atividade leiteira no decorrer dos últimos anos, no que diz respeito principalmente às oscilações na produção e no preço da referida cultura. Foi realizada ainda uma análise de uma série histórica do preço do leite C, pago ao produtor paulista, no período de agosto de 1994 a outubro de 2009, usando técnicas de séries temporais baseadas em alisamento exponencial, a fim de buscar uma compreensão da tendência deste mercado específico e algumas alternativas para a melhoria de tal atividade. 2 Contextualização 2.1 Características da pecuária leiteira A partir de 1990, com o fim do tabelamento de preços, gerou-se um grande aumento da produção de leite nacional, como pode ser observado na Figura 1. * Estimativa Embrapa Gado de Leite Fonte: IBGE Pesquisa Pecuária Municipal, Figura 1 Evolução da produção de leite no Brasil ( ). 3

4 2.2 A sazonalidade do leite De uma forma geral, o preço pago pelo leite passou a ser definido pela oferta e demanda do produto, determinando o preço da safra e da entressafra (BANKÚTI, 2009). Ou seja, na época de baixa precipitação pluviométrica, a produção de pastagens diminui e, consequentemente, a produção do leite diminui. Assim, o preço pago pelo leite aumenta consideravelmente, devido à alta demanda pelo produto por parte dos laticínios. Já na época chuvosa, este quadro se altera e, em virtude da grande oferta de leite, o preço diminui. 2.3 A Instrução Normativa Nº51 Em 2002 foi criada a Instrução Normativa Nº51 (IN Nº51), que define a qualidade do leite consumível, com regulamentos técnicos de produção, identidade, qualidade, coleta e transporte de leite. O prazo para que os produtores se adaptem a IN Nº51 tem sido prorrogado desde aquele ano. O último prazo estipulado é De acordo com Pereira (2009), se a IN Nº51 vigorar, as vantagens do setor serão a oferta de um produto de qualidade à população, facilidade de exportação, e profissionalização do setor, porém aqueles produtores incapazes de produzir leite apto ao consumo humano serão excluídos. Fato que já vem ocorrendo nos últimos anos. De acordo com Martins (1997), a exemplo do que ocorreu na Argentina e nos Estados Unidos, o número de propriedades leiteiras brasileiras tende a diminuir com a profissionalização do setor, hoje inserido no conceito do agronegócio. Outro fator negativo, segundo Pereira (2009), é que a informalidade do setor aumente. A parcela de leite produzida de maneira informal, ou seja, vendida sem tratamento e sem fiscalização de um órgão sanitário competente para a população, é de 30 a 40% da produção nacional. 2.4 A produção leiteira no estado de São Paulo Segundo Pereira (2009), as bacias leiteiras tradicionais, como São Paulo e Minas Gerais, estão diminuindo a produção, que aumenta em regiões de fronteira agrícola. De acordo com Rubez (2003) isto aconteceu por causa do leite longa vida, que extinguiu o caráter regional das marcas de leite, pois atualmente pode ser produzido em pequenos municípios e vendido em outros a milhares de quilômetros de distância. Na Figura 2 podese observar ainda a queda contínua da produção no estado São Paulo, desde De segundo produtor nacional, o estado de São Paulo é hoje o sexto colocado. De acordo com Silva e Fredo (2007), São Paulo perdeu posicionamento no mercado para os estados de Goiás e do Paraná, pois estes adotaram políticas de benefícios fiscais e financiamentos. Outros fatores, segundo os mesmos autores foram: a pouca organização dos produtores paulistas; a decadência do sistema cooperativo paulista; a venda do plantel devido à baixa remuneração e aos altos custos de produção. Conforme dados do Instituto de Economia Agrícola (IEA) do estado de São Paulo, a participação do leite no Valor de Produção (VP) do estado que era de 6,3% em 1997, hoje é de 3,4% (agregando a soma do leite tipo C com 2,7% e do leite B com 0,7%), o que 4

5 coloca a atividade entre os principais produtos relacionados na mesma análise, mesmo com a queda de produção, demonstrando a importância da mesma para o estado. * Estimativa Embrapa Gado de Leite. Fonte: IBGE Pesquisa Pecuária Municipal, Figura 2 Evolução da produção de leite em São Paulo em bilhões de litros ( ). 2.5 A produção leiteira na microrregião de Marília A microrregião de Marília é uma das microrregiões do estado brasileiro de São Paulo pertencente à mesorregião Marília. Sua população foi estimada em 2006 pelo IBGE em habitantes e está dividida em treze municípios. Possui uma área total de 4.862,975 km² (IBGE/2009). A microrregião de Marília engloba os municípios de Álvaro de Carvalho, Alvinlândia, Echaporã, Fernão, Gália, Garça, Lupércio, Marília, Ocauçu, Oriente, Oscar Bressane, Pompeia, Vera Cruz, conforme Figura 3 a seguir. Esta microrregião se destacava como bacia leiteira e como produtora de café até o final dos anos noventa. Grandes produtores aproveitavam a topografia do município, cercado por itambés, para produzir café na parte alta (a altitude elevada é elemento importante na produção de café de qualidade) e leite na parte baixa (as pastagens em baixas altitudes eram fertilizadas com a precipitação de chuva, que carregavam nutrientes dos cafezais). 5

6 Wikipédia (2010) Fonte: Figura 3: A microrregião de Marília. Os produtores contavam ainda com duas grandes cooperativas agrícolas: a Cooperativa dos Cafeicultores da Região de Marília (COOPEMAR) e a Cooperativa dos Produtores de Leite da Alta Paulista (COPLAP), esta última tinha matriz no município de Tupã, que se encontra a setenta quilômetros do município de Marília. Ambas cooperativas eram competitivas, bem administradas e fortaleciam as duas cadeias produtivas na microrregião de Marília. A exemplo do que ocorreu no estado de São Paulo, a microrregião de Marília também apresentou grande queda na produção em pouco tempo, motivada pela baixa remuneração do leite, altos custos de produção, introdução da cultura da cana-deaçúcar, e o enfraquecimento das cooperativas. A COPLAP passou por um processo de falência e fechou sua unidade em Marília, mantendo a matriz em Tupã com outra razão social. A falta de profissionalização, gestão ineficiente, ausência de uma participação efetiva dos cooperados e as altas taxas de tributos provocaram o desaparecimento de cooperativas em todo o Brasil. As cooperativas são frágeis e dependentes de apoios financeiros de instituições, como governos federal, estadual e municipal. À medida que estas instituições suspendiam esta ajuda, começavam as dificuldades de sobrevivência. Na Tabela 1 pode-se observar que a microrregião de Marília está entre as dez que mais tiveram queda na produção leiteira. 6

7 TABELA 1 - Microrregiões com produção de leite decrescente ( ). UF Microrregião Produção de leite (milhões litros) Produtividade (litros/vaca/ano) SP São José do Rio Preto MG Itabira GO Ceres SP Batatais AL Batalha RO Cacoal SP São Carlos RO Colorado do Oeste PR Astorga SP Marília RS Porto Alegre SP Birigui SP Araçatuba MG Araçuaí SP Rio Claro SP Araraquara Fonte: IBGE, Metodologia 3.1 Coleta de dados Neste trabalho foi considerada uma série histórica de preços médios mensais do leite tipo C, recebidos pelo produtor paulista, no período de agosto de 1994 a outubro de 2009, disponibilizados na base de dados do Instituto de Economia Agrícola (IEA). Devido à constante desvalorização da moeda nacional (R$) em períodos de inflação, torna-se necessário corrigir os preços de produtos agropecuários em relação a um dado período Assim, os preços foram deflacionados pelo Índice Geral de Preços Disponibilidade Interna (IGP-DI). Este não é o índice de inflação mais indicado para refletir o comportamento dos preços do setor do agronegócio, mas por ter sido convencionalmente adotado, por muitos anos, como medida da inflação brasileira, adquiriu especial importância e teve o seu uso difundido em análises econômicas (MENDES & PADILHA JUNIOR, 2007). Buscou-se ainda mensurar e analisar as opiniões dos produtores de leite da microrregião de Marília, como forma de obter resultados e de propiciar discussões que contribuíssem para o estudo sobre a evolução da atividade leiteira no estado de São Paulo, mais especificamente na microrregião de Marília. A pesquisa de opinião é uma ferramenta eficaz na avaliação de posições e tendências de diversos segmentos sociais e, baseada em dados científicos, serve como instrumento para identificar problemas e buscar soluções (IBOPE, 2009). 7

8 Assim, foi elaborado um questionário 2 constituído por questões fechadas e abertas referentes à impressão dos produtores sobre a atividade leiteira ocorrida nos últimos doze meses (novembro de 2008 a outubro de 2009) no estado de São Paulo e na microrregião de Marília, e à perspectiva dos mesmos para o próximo período (novembro de 2009 a outubro de 2010). Este questionário foi aplicado via telefone a uma amostra de 15 produtores 3 de leite da microrregião de Marília, segundo um processo de amostragem não probabilístico. A amostra foi constituída por produtores participantes do Projeto Lucra Leite do SEBRAE/SP, especificamente pelos mais comprometidos com o referido projeto, ou seja, produtores que: participam de associações ou grupos de produtores, preenchem planilhas de produção e de custos e receitas, buscam informações sobre o mercado do leite. Este perfil foi determinante na escolha do grupo, uma vez que a coleta de dados referente à percepção do grupo sobre a atividade leiteira estaria mais fiel à realidade. O projeto Lucra Leite do SEBRAE/SP consiste em fornecer orientações técnicas nas propriedades, de maneira individual e dentro da realidade, necessidade e objetivo de cada produtor. As orientações técnicas compreendem o manejo de pastagens, formação de forrageiras, criação, manejo, manejo sanitário, melhoramento e produção dos animais. Os produtores são orientados quanto ao preenchimento de planilhas de acompanhamento do rebanho e da produção (escrituração zootécnica). Eles aprendem a preencher planilha de custos e receitas. Desta maneira eles conseguem mensurar o custo de produção de um litro de leite. Os produtores visualizam ainda, por meio de planilhas e gráficos, o lucro ou o prejuízo e onde gastaram mais dinheiro. Todos estes dados facilitam o seu entendimento sobre o mercado do leite e permitem avaliar se o preço pago aos produtores da região está coerente com os gastos dos mesmos. Como mencionado anteriormente, os produtores de leite que participaram da pesquisa são dos municípios de Gália, Guaimbê, Lutécia, Marília, Oriente, Pompéia e Quintana. Os municípios de Quintana e Lutécia não são pertencentes à microrregião de Marília, mas são municípios limítrofes à região estudada, e por isso, são influenciados pelas mesmas condições favoráveis e adversas que os demais municípios. Além disso, os produtores destes dois municípios são integrantes de associações de produtores de leite dos municípios de Pompéia e de Marília, respectivamente. Deste modo, considerou-se a opinião dos produtores oriundos destes sete municípios, uma vez que estes possuem capacidade de transmissão de dados para a pesquisa proposta, pois são organizados em seus controles de produção e financeiros. Alguns deles vendem o leite refrigerado em tanques de refrigeração por expansão direta, coletivos ou individuais. Outros são produtores informais, que vendem queijo ou leite diretamente ao consumidor final, sem fiscalização sanitária. 3.2 Procedimento de análise estatística 2 Questionário é um instrumento de coleta de dados baseado em um roteiro de perguntas, cujo sistema consiste em obter informações de um indivíduo de forma indireta telefone, , carta, etc (MARCONI E LAKATOS, 2002). 3 A amostra foi composta por cinco produtores de Marília, cinco produtores de Pompéia e um produtor de cada um dos seguintes municípios: Gália, Guaimbê, Oriente, Lutécia e Quintana. 8

9 Os dados primários e secundários foram tabulados e analisados por meio de técnicas de Estatística Descritiva, ou seja, foi feita uma descrição e uma análise dos mesmos usando métodos gráficos (apresentação gráfica e/ou tabular) e métodos numéricos (apresentação de porcentagens, medidas de posição e/ou dispersão). Para a análise dos preços médios mensais reais foram utilizadas ainda as técnicas estatísticas de Séries temporais, que são baseadas na identificação de padrões (ou componentes) existentes em séries históricas, de forma que se possam fazer previsões sobre a variável estudada, orientando a tomada de decisões. Uma série temporal é um conjunto de observações ordenadas no tempo, comumente em intervalos iguais, de tal forma que existe uma relação de dependência entre as mesmas. Os movimentos característicos (ou componentes) de uma Série Temporal podem ser classificados como: movimentos em longo prazo ou tendência; movimentos estacionais ou sazonalidade; movimentos cíclicos ou ciclo; e movimentos irregulares ou aleatoriedade (SPIEGEL, 1994). Os principais objetivos da análise de séries temporais são: investigar o mecanismo gerador da série temporal, ou seja, como esta foi gerada; descrever o comportamento da série por meio de gráficos, medidas descritivas, verificação da existência de movimentos característicos, etc; e, ou fazer previsões de valores futuros da série (a curto ou em longo prazo) por meio de modelagens matemáticas (MORETTIN e TOLOI, 2006). As técnicas de séries temporais de Modelo Fixo são de fácil implementação e utilização, pois apresentam equações definidas baseadas em avaliações a priori da existência de determinadas componentes nas séries históricas, e se ajustam rapidamente às mudanças no comportamento de preços agropecuários. Tais técnicas não exigem o uso de séries muito longas e são apropriadas para previsões de curto ou médio prazo. Neste estudo foi empregada a técnica denominada Alisamento Exponencial Triplo (AET Método de Winters), uma vez que esta se mostra adequada às séries que apresentam tendência e sazonalidade. A técnica do Alisamento Exponencial Triplo considera três coeficientes de amortecimento, que extraem da série a aleatoriedade, a tendência e o fator sazonal, respectivamente. A precisão obtida pelo Alisamento Exponencial Triplo está diretamente associada à seleção de tais coeficientes. O procedimento mais objetivo é selecionar os coeficientes que forneçam o menor erro ou resíduo (diferença entre os valores reais e os valores previstos), ou seja, que proporcione a melhor previsão (WANKE e JULIANELLI, 2006). A seleção desses valores foi feita por meio do Erro Absoluto Médio Percentual (EAMP), que avalia a magnitude do erro com relação à série temporal, determinando os erros de previsão em percentuais absolutos. Desta forma, para a obtenção das previsões, considerou-se o vetor de coeficientes de amortecimento que apresentou o menor EAMP. A sistematização e a análise estatística dos dados foram realizadas por meio de Planilhas do Excel 2007 e do Minitab Statistical Software. 9

10 4 Resultados e discussões 4.1 Preço real versus preço nominal Foi coletada da base de dados do IEA uma série histórica de preços pagos mensalmente ao produtor de leite tipo C do estado de São Paulo, no período de agosto de 1994 a outubro de Estes são chamados de preços nominais, ou seja, são preços absolutos. Por este motivo, ao se analisar a Figura 3 a seguir observa-se que, aparentemente, houve aumento no preço pago ao produtor de leite, ou seja, em agosto de 1994 o produtor recebia R$ 0,23 por litro de leite e em outubro de 2009 este preço foi de R$ 0,74 por litro. Posteriormente foram determinados os preços reais desta série histórica, descontando-se a inflação do período, pelo IGP-DI. Pode-se observar na Figura 3 que os preços do leite na realidade oscilaram pouco, apresentando um leve decrescimento e, conseqüentemente, uma perda no poder de compra do produto. Em agosto de 1994 o preço pago foi de R$ 0,23 por litro e, em outubro de 2009, em valor real, este preço foi de R$ 0,18. De uma forma geral observou-se que, durante o período estudado, os preços reais caminharam abaixo dos preços nominais e, enquanto os preços nominais mostraram tendência positiva, os preços reais apresentaram uma leve tendência negativa. O poder de compra do leite é a quantidade de litros de leite necessários para comprar insumos e serviços utilizados na pecuária leiteira. Pode-se deduzir que o poder de compra do produtor de leite paulista diminuiu possivelmente causado pela inflação, que gerou esta queda real do preço pago, dificultando investimentos no setor e melhoria na produção leiteira do estado. A Figura 4 mostra ainda a sazonalidade da atividade leiteira, que por causa da baixa oferta de alimentos ao rebanho leiteiro na época da seca, tem alta de preços no período. O preço do leite volta a cair quando há grande oferta de alimentos no período das chuvas, pois há aumento de produção leiteira no período. Esta sazonalidade é observada tanto nos preços nominais, quanto nos reais. 4.2 Análise estatística do preço real do leite tipo C pago ao produtor paulista A Tabela 2 mostra algumas medidas descritivas obtidas a partir da série de preços deflacionados (preços reais), possibilitando uma visão geral do comportamento dos preços médios mensais do leite tipo C no período estudado. 10

11 Fonte: IEA, Figura 4 Preço nominal versus preço real do leite tipo C: agosto de 1994 a outubro de Os resultados da análise descritiva mostraram que o preço médio da série de dados foi de R$ 0,167 com uma variabilidade de R$ 0,027 em relação ao preço médio, ou seja, os dados concentram-se na faixa de R$ 0,140 a R$ 0,194. Observa-se ainda uma homogeneidade dos preços no período (pouca oscilação em relação a media), uma vez que o coeficiente de variação (relação entre média e desvio-padrão) é de aproximadamente 15,9%. Das 183 observações consideradas, o maior preço observado foi de R$ 0,230, referente aos meses de agosto e de outubro de Por outro lado, nota-se que o menor preço praticado foi de R$ 0,117, referente ao mês de fevereiro de TABELA 2 Medidas descritivas do preço real do leite tipo C pago ao produtor paulista (real/litro). Parâmetros Valores Média 0,167 Desvio-Padrão 0,027 Coeficiente de Variação 0,159 Mínimo 0,117 Máximo 0,230 Com respeito à análise de séries temporais proposta neste trabalho, foram testados diferentes valores para os coeficientes de amortecimento definidos por α, β e γ do método de Alisamento Exponencial Triplo, até encontrar aqueles que apresentavam o menor erro de previsão (EAMP = 2,79604). Os valores para α, β e γ que melhor 11

12 representaram a previsão foram α = 0,98 (nível), β = 0,02 (tendência) e γ = 0,02 (sazonalidade). Quanto mais próximo de um o coeficiente estiver, maior a influência da componente serial. Quanto mais próximo de zero, menor a influência da mesma. Observou-se que o nível teve valor próximo a um (grande influência na previsão), já a tendência e a sazonalidade apresentaram valores próximos a zero (baixa influência na previsão). Portanto, apesar da pouca influência da tendência e da sazonalidade, estas são componentes relevantes no comportamento da série estudada, pois o erro (EAMP) da série estudada foi menor quando utilizado o AET, em comparação com outros métodos de alisamento exponencial (Simples e Duplo). Na Figura 5 podem ser observados os preços reais e os previstos pelo método AET. Percebe-se que ambas as séries caminharam praticamente juntas durante o período, apresentando pouca diferença (erro) e evidenciando, portanto, o bom ajuste do modelo. Em vermelho pode-se observar a previsão do preço médio mensal para os próximos doze meses, ou seja, de novembro de 2009 a outubro de 2010, por meio do método ajustado. Há previsão de leve crescimento de preços, mas seguindo sazonalidade natural inerente ao produto. Winters' Additive Model for preço real preço real 0,27 0,22 0,17 Actual Predicted Forecast Actual Predicted Forecast Smoothing Constants Alpha (level): 0,980 Gamma (trend): 0,020 Delta (season): 0,020 0,12 MAPE: MAD: MSD: 2, , , Time 150 Figura 5 Valores reais (em preto) e valores previstos (em azul) obtidos pelo método de AET. Conforme a Tabela 3 a seguir, a previsão para o próximo período produtivo é de que os preços reais diminuirão na época de grande oferta de alimentos aos animais (período chuvoso), que vai de novembro de 2009 a março de 2010, e aumentarão na época de baixa oferta de alimentos (período seco) que vai de abril de 2010 a outubro do mesmo ano. Observa-se também uma tendência de aumento dos preços no período citado com relação aos doze meses anteriores (novembro de 2008 a outubro de 2009). A Tabela 3 mostra ainda os limites (inferiores e superiores) da variação do preço real para este mesmo período. 12

13 TABELA 3 Preços reais previstos para o período de novembro de 2009 a outubro de 2010 (real/litro), obtidos pelo método de AET. Período Previsão Limite Inferior Limite Superior Nov/09 0,177 0,165 0,188 Dez/09 0,171 0,154 0,189 Jan/10 0,167 0,145 0,192 Fev/10 0,166 0,136 0,196 Mar/10 0,169 0,133 0,205 Abr/10 0,175 0,132 0,217 Mai/10 0,182 0,133 0,231 Jun/10 0,187 0,132 0,243 Jul/10 0,193 0,130 0,255 Ago/10 0,197 0,128 0,265 Set/10 0,194 0,119 0,269 Out/10 0,190 0,109 0, Pesquisa de opinião junto aos produtores da microrregião de Marília O grupo selecionado para a pesquisa vende o leite produzido para os seguintes laticínios da região: Hércules, de Herculândia; Gegê, de Oscar Bressane; Milk Lins, de Lins; Promilat, de Promissão; e Néctar, de Tupã. Ressalta-se que dois produtores deste grupo selecionado (que representam 13% da amostra) vendem o leite ou o queijo diretamente ao consumidor final, ou seja, de maneira informal, sem fiscalização sanitária. Primeiramente os produtores foram questionados com respeito aos preços praticados no estado de São Paulo no período de novembro de 2008 a outubro de Destes, 67% responderam que sabiam o preço médio pago ao produtor nos últimos doze meses, fornecendo o valor médio mensal de R$ 0,72 (média calculada a partir dos preços relatados). Ao serem questionados se estavam informados sobre a média de preços recebidos por eles mesmos no último ano, 93% responderam afirmativamente, fornecendo o valor médio de R$ 0,75. Porém, descartando os valores fornecidos pelos dois produtores informais, o preço médio mensal decresce para R$ 0,58. Quanto ao custo de produção de um litro de leite nos últimos doze meses, 87% dos entrevistados sabiam dizê-lo, informando um valor médio equivalente a R$ 0,45. Por outro lado, quando questionados sobre a obtenção de lucro durante o mesmo período, a maioria dos produtores (53%) respondeu negativamente (destes, 37,5% tiveram prejuízo com a atividade e 62,5% não tiveram nem lucro nem prejuízo, ou seja, mantiveram-se em equilíbrio). Dentre os motivos alegados para a não obtenção de lucro destacaram-se o aumento no preço dos insumos e o alto custo da mão-de-obra (vide Tabela 4). 13

14 TABELA 4 Causas apontadas pelos produtores da microrregião de Marília para a falta de lucro da atividade leiteira em suas propriedades. CAUSAS APONTADAS % Preço baixo pago pelo leite 25 Aumento no preço dos insumos 62,5 Queda da produção leiteira 25 Alto custo da mão-de-obra 62,5 Investimentos na propriedade 12,5 Ao serem questionados sobre a crença na melhoria do preço do leite pago ao produtor nos últimos dez anos, 73% responderam que não. Destes, 53% acreditavam na influência da inflação, que interferiu principalmente no valor dos insumos. Aqueles que responderam afirmativamente (27%) relataram que a melhoria ocorreu entre os anos de 2001 e As causas apontadas foram: a venda do leite refrigerado, melhores condições de negociação com os laticínios, concorrência entre os laticínios, queda no número de produtores, melhoria da qualidade do leite, melhoria do rebanho, melhoria na alimentação fornecida ao rebanho. Por outro lado, 67% dos produtores previram que o preço do leite pago ao produtor ficará estável em 2010 (aumentando na época da seca e diminuindo na época das águas) e os demais que haverá aumento no valor do mesmo. Nenhum produtor acreditava na ocorrência de queda do preço do produto. Foi feita ainda a seguinte afirmação aos produtores pesquisados: A produção leiteira da microrregião de Marília vem se reduzindo desde o ano Aqueles que concordaram com a afirmação (80%), consideravam que o alto custo de produção e o preço baixo do leite pago ao produtor da microrregião eram os principais motivos que justificavam tal situação. Quando questionados se continuariam na atividade leiteira nos próximos cinco anos, 87% dos produtores responderam que sim, 7% que não continuariam e os demais que não sabiam. Os motivos alegados para a continuidade da atividade foram: investimento em redução do custo de produção (melhoria genética e das pastagens), não saber trabalhar em outra atividade. 4.4 Algumas discussões Os produtores pesquisados responderam questões acerca da impressão dos mesmos sobre a atividade leiteira no período de novembro de 2008 a outubro de 2009 no estado de São Paulo e na microrregião de Marília, e da perspectiva para o próximo período (novembro de 2009 a outubro de 2010). No que refere especificamente aos preços nominais do leite tipo C recebidos pelo produtor paulista no período passado, novembro de 2008 a outubro de 2009 (IEA/2009), uma comparação das percepções relatadas pelos produtores da microrregião de Marília 14

15 com a situação ocorrida no estado de São Paulo foi realizada a partir das informações a seguir: Segundo os dados do IEA, a média dos preços (nominais) do leite tipo C pagos ao produtor paulista no período de novembro de 2008 a outubro de 2009 foi de R$ 0,64, enquanto que a percepção dos produtores da microrregião em estudo foi de R$ 0,72. Ou seja, os produtores pesquisados acreditavam que os preços praticados no estado de São Paulo estavam mais altos do que realmente estão. Outra comparação pode ser realizada acerca dos preços médios mensais (nominais) do leite tipo C recebidos pelo produtor no estado de São Paulo e os valores recebidos pelo grupo de produtores na microrregião de Marília. Neste mesmo período, o valor médio calculado a partir dos preços fornecidos por todos os produtores pesquisados foi de R$ 0,75, ou seja, maior do que a média de preços praticada no estado de São Paulo, que foi de R$ 0,72. Como o IEA não utiliza em sua base de dados os preços praticados por produtores informais, descontando-se os preços fornecidos pelos produtores informais do grupo, a média dos preços nominais diminui para R$ 0,58. Este valor é bem menor que o preço médio do estado de São Paulo, confirmando a opinião dos produtores de que existem microrregiões paulistas que recebem valores mais altos pelo litro do leite tipo C do que a microrregião de Marília. Cabe ressaltar que o preço médio mensal nominal do leite tipo C aumentou consideravelmente no decorrer do período estudado, passando de R$ 0,23 (agosto de 1994) para R$ 0,74 (outubro de 2009), conforme Figura 3. Enfatiza-se que estes foram os valores extremos (menor e maior, respectivamente) registrados no período. Porém, ao serem questionados sobre o aumento progressivo, os produtores disseram que este não foi percebido, pois a inflação no período influenciou principalmente no valor dos insumos agropecuários. Esta percepção dos produtores é bastante coerente, e os preços reais refletem tal situação. Os produtores declararam ainda que sentiram a perda do poder de compra do leite, citando exemplos de dificuldade na aquisição de ração concentrada e de óleo diesel. Aqueles que declararam ter tido lucro com a atividade utilizaram a pastagem rotacionada como alimentação principal do rebanho, fator que barateou o custo. No que diz respeito à previsão do preço nominal do leite para o ano de 2010, os 67% dos pesquisados que acreditavam que este estaria estável, citaram a sazonalidade da produção como uma característica intrínseca à atividade. Os demais, que acreditavam no aumento do preço do leite, ressaltaram também a influência da sazonalidade. Este fator foi considerado e confirmado pela análise estatística da série histórica de preços reais, por meio do ajuste do método de AET, e teve peso considerável na análise, confirmando que a sazonalidade da produção é uma característica importante da produção leiteira paulista. Além disso, pode-se ressaltar que a percepção dos produtores que acreditavam no aumento do produto para os próximos 12 meses (novembro de 2009 a outubro de 2010) corrobora com a análise de séries temporais apresentada na Seção 4.2, que aponta um leve acréscimo do preço do leite tipo C em valores reais. Destaca-se que, de acordo com informações da Embrapa Gado de Leite (2008), 40% dos produtores de leite nacionais são informais. Na amostra de produtores da 15

16 microrregião de Marília encontrou-se um percentual de 13%, fato que confirma que esta característica da atividade leiteira também se faz presente no estado de São Paulo. Segundo informações da Embrapa Gados de Leite (2008), a microrregião de Marília teve uma queda de 60% da produção leiteira nos últimos dez anos. Na pesquisa, 80% dos produtores concordaram com esta afirmação, citando casos de outros produtores que abandonaram a atividade leiteira durante o período citado, e relembrando que a microrregião já foi considerada como uma das Bacias Leiteiras do estado, com um rebanho de excelente genética, selecionada para produção. Um dos produtores cita ainda o próprio exemplo: no ano 2000 ele produzia litros de leite por dia, hoje ele produz apenas litros. Isto ocorreu porque os preços recebidos pelo leite que produzia foram menores que seus custos de produção e ele teve de vender grande parte do rebanho e dos equipamentos. Com relação à entrada e expansão da cultura da cana-de-açúcar, 17% dos produtores citaram esta como uma das causas da queda da produção leiteira na região, mas ela não é muito percebida pelos produtores do município de Marília, pois a topografia deste é muito acidentada, impossibilitando esta atividade agronômica. Os produtores que perceberam o avanço desta atividade são os de Pompéia e de Lutécia, municípios situados próximos a usinas de beneficiamento de cana-de-açúcar. Os produtores pesquisados informaram que têm se preparado para a vigência da IN N 51, demonstrando preocupação com a conservação e armazenamento do leite, higiene na ordenha, manejo sanitário do rebanho, dentre outras, pois participam do Programa Lucra Leite do SEBRAE/SP. Neste programa, além dos produtores receberem orientações quanto à produção leiteira, o leite produzido por cada propriedade é avaliado quanto à sanidade. De acordo com o resultado de cada granja leiteira, os produtores são orientados sobre as melhorias a serem feitas para a obtenção de leite de qualidade. Segundo dados de IBGE (2008) observa-se que a produção de leite da microrregião de Marília teve uma grande queda no período entre os anos 2000 e 2006, porém na Tabela 5 pode-se observar que houve aumento na produtividade. Esta característica é levantada pelos produtores, que estão investindo em melhoramento das pastagens e numa genética melhorada para a produção leiteira, com o objetivo de reduzir o custo de produção. Outro fator importante para se observar no estudo é o alto custo da mão-de-obra especializada, sendo esta a causa apontada para a falta de lucro dos produtores que fazem uso dela. Apesar de toda dificuldade da atividade mencionada neste estudo, a maioria dos produtores pretende continuar produzindo leite nos próximos cinco anos. Alguns produtores citaram os seguintes motivos: não sabem trabalhar em outra atividade; estão melhorando as pastagens e a genética do rebanho para diminuir custos de produção. Devese acrescentar a dificuldade que a atividade impõe aos produtores, pois se o preço do leite não está bom é difícil vender a um preço razoável um rebanho de boa genética, além de todos os equipamentos necessários a atividade leiteira. 16

17 5 Consideraçãoes finais Historicamente a pecuária leiteira não é uma atividade econômica que proporcione alta margem de lucro e segurança para o investidor. Mas, os produtores que se adaptarem às exigências sanitárias da IN N 51, reduzirem o custo de produção ao melhorar as pastagens e a genética do rebanho e gerenciarem as suas propriedades rurais como empresas rurais, conseguirão sobreviver com o que a atividade proporciona de mais atraente para os produtores rurais: renda mensal. Há uma leve tendência de melhoria do preço do leite para os próximos meses (com a natural sazonalidade de produção/preço pago), mas, de um modo geral, há tendência negativa no estudo da série temporal para preços reais. Esta afirmação reflete a perda do poder de compra do produtor de leite, que terá de trabalhar arduamente na redução dos custos para a obtenção de lucro. O preço médio mensal (nominal) pago ao produtor na microrregião de Marília é menor do que o preço médio praticado no estado de São Paulo, o que significa que outras microrregiões do estado são mais bem remuneradas. Mas este fator não justifica a queda da produção na microrregião, pois a queda produtiva é observada no estado inteiro, sendo que 40% das dez microrregiões brasileiras que mais apresentaram redução na produção estão no estado de São Paulo. O estado de São Paulo e a microrregião de Marília vêm perdendo em produção, mas aumentando em produtividade, pois os produtores estão se especializando na atividade (melhoria das pastagens e do rebanho), o que reflete a profissionalização do setor. De um modo geral, apesar da tendência de aumento do preço do leite para os próximos doze meses, a análise estatística mostra tendência negativa. O estudo mostra ainda que existe pouca oscilação na série histórica, ou seja, houve pouca variação no preço real nestes últimos quinze anos. Portanto, se os preços variam pouco, deduz-se que o aumento da produção e da produtividade são fundamentais para a manutenção da atividade. Apesar das dificuldades apontadas para a manutenção da atividade leiteira, a maioria dos produtores que participaram da pesquisa pretendia continuar no setor, pois segundo suas afirmações, têm investido na redução dos custos de produção. Referências Bibliográficas BANKÚTI, I. B. Sistema agroindustrial do leite: alterações de mercado e propostas de adequação ao produtor. Disponível em Acesso em: 12 nov BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51 DE 18/09/2002. Disponível em: Acesso em: 05 out

18 CONAB. Retrospectiva da Política de Garantia de Preços Mínimos. Disponível em: mos_safra_2006_07_apresentacao.pdf Acesso em: 30 mar EMBRAPA Gado de Leite. Unidade de informações técnicas. Estatística do leite. em: 05 out GLOSSÁRIO AGROPECUÁRIO. Zootecnia Brasil Glossário. Disponível em: Acesso em: 30 mar HILL, C.; GRIFFITHS, W.E., JUDGE, G.G. Econometria. 2ª edição. São Paulo. Saraiva, IBOPE. Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. Banco de Dados. Disponível em em: 15 dez IEA (Instituto de Economia Agrícola). Banco de Dados. Disponível em: em: 2 out MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. São Paulo. Atlas, MARTINS, P. C. Aspectos Econômicos da Coordenação da Cadeia Produtiva do Leite e seus Derivados. Disponível em em: 02 out MORETTIN, P. A. ; TOLOI, C. M. C. Análise de Séries Temporais. 2. ed. São Paulo: Editora Blucher, v p. PADILHA JUNIOR, J. B. ; MENDES, Judas Tadeu Grassi. Agronegócios: uma abordagem econômica (em processo de impressão). 1ª. ed. São Paulo: Pearson Education, v p. PEREIRA, M. N. A evolução produtiva e comercial do leite. Disponível em Acesso em: 19 out RUBEZ, J. O leite nos últimos 10 anos. Disponível em Acesso em: 30 mar SILVA, R. O. P.; FREDO, C. E. Relação da queda da produção leiteira paulista com o número de empregos formais da cadeia produtiva. Revista Indústria de Laticínios, São Paulo, ano XI, n. 71, p , set./out SPIEGEL, M.R Estatística. Serie Sschaum, McGraw-Hill. São Paulo, 3rd. ed., 643 pp. 18

19 WANKE, P. F. (Org.) ; JULIANELLI, L. (Org.). Previsão de Vendas: Processos Organizacionais e Métodos Quantitativos e Qualitativos. 1. ed. São Paulo: Atlas, v p. Wikipédia. Mapa da Microrregião de Marília. Disponível em: pt.wikipedia.org/wiki/brasil Acesso em: 29 mar ZOCCAL, R. Embrapa Gado de Leite Disponível em em: 02 out

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009

Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia. Novembro de 2009 Margem de comercialização da carne bovina nos diferentes elos da cadeia Novembro de 2009 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. METODOLOGIA... 2 2.1. BASE DE DADOS... 2 2.2. MÉTODO DE ANÁLISE... 3 3. EVOLUÇÃO DOS

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu.

BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br. KUMMER, Aulison André (UTFPR) aulisonk@yahoo.com.br. PONTES, Herus³ (UTFPR) herus@utfpr.edu. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PREVISÃO DE ESTOQUES NO CONTROLE E PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA EM UMA INDÚSTRIA PRODUTORA DE FRANGOS DE CORTE: UM ESTUDO DE CASO BROMBERGER, Dalton (UTFPR) daltonbbr@yahoo.com.br

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009.

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009. ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE BASE EM MERCADOS FUTUROS PARA OS PREÇOS DE BOI GORDO DE CACOAL, RONDÔNIA NO PERÍODO COMPREENDIDO ENTRE 2006-2009. anandamaciel@yahoo.com.br POSTER-Trabalhos de Iniciação Científica

Leia mais

LEITE: Ameaças e Oportunidades

LEITE: Ameaças e Oportunidades Campo Grande-MS, 14 de maio de 2012. LEITE: Ameaças e Oportunidades Rodrigo Sant Anna Alvim Presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA 1 AGENDA: 1. MERCADO LÁCTEO; 2. AMEAÇAS AO SETOR

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO

ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO ESTUDO DE PREVISÃO DE DEMANDA PARA EMPRESA DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS DE DIAGNÓSTICO Andréa Crispim Lima dekatop@gmail.com Manoela Alves Vasconcelos manoelavasconcelos@hotmail.com Resumo: A previsão de demanda

Leia mais

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS Tertuliano de Andrade Silveira; Renato José de Melo; Eduardo Carvalho Dias; Priscila Magalhães de Carli

Leia mais

MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO

MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO MERCADO DE LEITE: UMA ANÁLISE DAS FLUTUAÇÕES DO PREÇO Aloisio Teixeira Gomes 1 Eliseu Roberto de Andrade Alves 1 Alexandre Lopes Gomes 2 Rosangela Zoccal 1 Resumo O objetivo deste trabalho é descrever

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO

O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO O LEITE NOS PLANOS DE ESTABILIZAÇÃO Sebastião Teixeira Gomes 1 A partir de 1986 a economia brasileira experimentou nada mais nada menos que cinco planos de estabilização, com a moeda trocando de nome também

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007

Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 Possibilidade de Comercialização de Arroz no Mercado Futuro Silvia H. G. de Miranda Coordenadora técnica Indicador do arroz CEPEA/ESALQ-USP/BM&F 10o. Seminário Arroz e Pecuária Uruguaiana Maio/2007 1 Estrutura

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO PREÇO DO LEITE TIPO C PAGO AO PRODUTOR NO ESTADO DE SÃO PAULO CONFRONTADO COM A REALIDADE DOS

O COMPORTAMENTO DO PREÇO DO LEITE TIPO C PAGO AO PRODUTOR NO ESTADO DE SÃO PAULO CONFRONTADO COM A REALIDADE DOS 117 O COMPORTAMENTO DO PREÇO DO LEITE TIPO C PAGO AO PRODUTOR NO ESTADO DE SÃO PAULO CONFRONTADO COM A REALIDADE DOS PRODUTORES DA MICRORREGIÃO DE MARÍLIA 1 THE BEHAVIOR OF THE PRICE OF MILK TYPE C PAID

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar ISSN 1516-41XX Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar 32 Introdução Economistas rurais, administradores e zootecnistas elaboram diversas planilhas de custo de produção

Leia mais

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO.

Palavras-Chave: Modelos de Otimização, Culturas Irrigadas, CISDERGO. EFEITO DE MODIFICAÇÕES NO PLANO CULTURAL E NO SISTEMA DE IRRIGAÇÃO COMO FORMA DE MELHOR APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA CENÁRIOS CLIMÁTICOS NORMAL E SECO Rosires Catão Curi, Profa.do Dept. de Eng.

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO

ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO ANÁLISE ECONOMÉTRICA DA OFERTA DE ALGODÃO NO ESTADO DE MATO GROSSO Nilton Marques de Oliveira 1 Carlos Antônio F. Dias 2 Antônio José Medina dos Santos Baptista 2 Resumo Este trabalho teve por objetivo

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS

ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS ANÁLISE DA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ORGANICOS NO MERCADO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE SANTA ROSA-RS Maykell Costa¹; Aline Guterres Ferreira²; Andréa Cristina Dörr³; Abel Panerai Lopes 4 ¹Acadêmico do Curso

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA

Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Eixo Temático: Estratégia e Internacionalização de Empresas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DO BALANÇO FINANCEIRO DE UMA GRÁFICA Viviane de Senna, Adriano Mendonça Souza, Afonso Valau de Lima Junior, Fernanda Rezer,

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

Panorama do emprego no turismo

Panorama do emprego no turismo Panorama do emprego no turismo Por prof. Wilson Abrahão Rabahy 1 Emprego por Atividade e Região Dentre as atividades do Turismo, as que mais se destacam como geradoras de empregos são Alimentação, que

Leia mais

Ano 5 n o 41 abril/2012

Ano 5 n o 41 abril/2012 Ano 6 no 71 outubro/2012 Ano 5 n o 41 abril/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014

Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 08 de setembro de 2014 Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria Julho de 2014 Diminuição homóloga do Índice de Volume de Negócios na Indústria Em termos nominais,

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2012 Vitória, dezembro de 2012 Cesta Básica

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ MELLO, A.D. de.; RANDO, D.R. Resumo No atual contexto empresarial

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO;

ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; ANÁLISE ECONÔMICA DA CULTURA DE ALGODÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS FAMILIARES MARÍA GLORIA CABRERA ROMERO; OSMAR DE CARVALHO BUENO; FCA/UNESP BOTUCATU - SP - BRASIL gloriac@fca.unesp.br APRESENTAÇÃO SEM PRESENÇA

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais