RESOLUÇÕES DO CONGRESSO REGIONAL DO LITORAL PAULISTA Proposta de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e deliberações da Plenária Final Sumário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESOLUÇÕES DO CONGRESSO REGIONAL DO LITORAL PAULISTA Proposta de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e deliberações da Plenária Final Sumário"

Transcrição

1 RESOLUÇÕES DO CONGRESSO REGIONAL DO LITORAL PAULISTA Proposta de Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e deliberações da Plenária Final Sumário Introdução Eixo - Melhorias na Renda Direta e Indireta (salário básico, vantagens e benefícios) Inclusão de cláusulas Inclusão de cláusulas referentes à isonomia Inclusão de cláusulas referentes ao cumprimento da legislação trabalhista Modificação de cláusulas Eixo Em defesa da Segurança no Emprego Modificação de cláusulas Eixo Em defesa da Primeirização das atividades Inclusão de cláusulas Modificação de cláusulas Eixo Por melhores Condições de Trabalho Inclusão de cláusulas Modificação de cláusulas Eixo Em defesa da Segurança no Trabalho Modificação de cláusulas Eixo Em defesa da Liberdade Sindical Inclusão de cláusulas Para ser incluído PROPOSTAS: Propostas aprovadas na Plenária Final do Congresso Regional Proposta para encaminhamento da negociação com a Companhia Proposta de Ações Sindicais e mobilização: Propostas aprovadas nos grupos de discussão Bandeiras de luta

2 Introdução A presente proposta foi fruto das discussões realizadas durante a fase preparatória do Congresso Regional dos Petroleiros do Litoral Paulista, bem como dos trabalhos realizados no dia 4 de julho, dia do Congresso. Durante a fase preparatória, duas semanas que antecederam o evento, a categoria enviou ao Sindipetro-LP propostas para serem apreciadas pelos participantes no dia 4 de julho. Assim, nos Grupos de Trabalho (A, B, C e D) ocorridos no período da manhã, conforme a programação do Congresso foram debatidas as contribuições que estavam organizadas no Caderno de Debates. Os presentes, reunidos em Plenária deliberativa e considerando a pauta histórica de reivindicações da categoria petroleira, optaram por apresentar um documento contendo propostas a serem negociadas com a Companhia em cima das Cláusulas dos ACTs vigentes (Petrobras e Transpetro). Desta forma, as reivindicações estão divididas nos seguintes eixos: Eixo I - Melhorias na Renda Direta e Indireta (salário básico, vantagens e benefícios) Eixo II Em defesa da Segurança no Emprego Eixo III Em defesa da Primeirização das atividades Eixo IV Por melhores Condições de Trabalho Eixo V Em defesa da Segurança no Trabalho Eixo VI Em defesa da Liberdade Sindical Esclarece-se, também, que na metodologia adotada abaixo estão indicados Capítulos, Cláusulas e Parágrafos de modificação, inclusão e exclusão. O ACT utilizado como base foi o da Petrobras (ACT 2013/2015). Frisa-se que tais propostas também valem para o ACT da Transpetro para os Capítulos, Cláusulas e Parágrafos equivalentes. Alerta-se, neste sentido, que para uma melhor visualização dos pleitos aqui defendidos, sugere-se acompanhar as propostas com os ACT Petrobras em mãos.

3 1. Eixo - Melhorias na Renda Direta e Indireta (salário básico, vantagens e benefícios) 1.1. Inclusão de cláusulas 2. Capítulo I Dos Salários - Cláusula 1ª A companhia reajustará o salário básico de todos os empregados em 10% e, além deste percentual, concederá a correção monetária da inflação, a ser incorporada no salário básico, em 8% (estimativa do Dieese para setembro de 2015) Inclusão de cláusulas referentes à isonomia Cláusula Auxílio Deslocamento (justificativa Anexo III) A Companhia concederá o auxílio deslocamento para os empregados de instalações offshore que residam fora do estado em que a unidade está instalada, bem como enquanto permanecer esta condição. Parágrafo 1º - O valor do auxílio-deslocamento corresponde ao número de 9,5 embarques anuais. Parágrafo 2º - Os valores do auxílio-deslocamento, constantes em tabela especificada, têm como base os preços das passagens rodoviárias das capitais para a cidade do Rio de Janeiro, incluindo o trecho Rio de Janeiro Macaé, ida e volta. Parágrafo único A tabela dos valores referentes ao auxílio deslocamento será atualizada nos meses de janeiro e julho Inclusão de cláusulas referentes ao cumprimento da legislação trabalhista Cláusula Intervalo Inter jornadas A companhia se compromete a manter a observância do intervalo mínimo de 11 (onze) horas entre as jornadas de trabalho dos empregados, conforme previsto no artigo 66 da CLT. Parágrafo 1º - As horas resultantes de eventual diferença entre o intervalo efetivamente realizado e as 11(onze) horas, apuradas através das escalas de trabalho pré-definidas anualmente e praticadas, serão compensadas como extraordinárias, conforme súmula 110 do TST. Cláusula Reclassificação de empregado quando da aprovação em processo seletivo, impossibilidade de redução salarial De forma a atender plenamente ao artigo 37 da Constituição Federal (CF) e, também, respeitando-se o inciso VI do artigo 7º da CF e o artigo 468 da CLT, bem como embasado pelo artigo 173 da mesma, quando ocorrer a reclassificação de empregado devido à aprovação por Concurso Público, o novo nível salarial do empregado reclassificado será o mesmo nível salarial do cargo anteriormente ocupado desde que permaneça na mesma carreira (não necessariamente no mesmo cargo), ou no nível salarial

4 equivalente mais próximo, efetuando-se a complementação ou desconto devido à diferença entre valores nominais, no caso de carreiras com níveis salariais sem equivalência exata de valor. Parágrafo: todas as reclassificações devido à aprovação por Concurso Público ocorridas desde o ano 2000 deverão ser reavaliadas a fim de se apurar as divergências e proceder-se com a devida correção monetária Modificação de cláusulas Cláusula 8ª Adicional de Periculosidade (justificativa no Anexo I) Modificação do caput para: A Companhia aplicará o adicional de periculosidade conforme artigo 193 da CLT e observadas as Súmulas e Orientações do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Inciso I - para os Inspetores de Segurança, sejam eles lotados em unidade operacional sob risco de inflamáveis, sejam eles lotados em unidades administrativas, será devido o adicional de risco específico conforme inciso II do artigo 193 da CLT. Inciso II para os Técnicos de Manutenção, especialidade eletricista, lotados em unidades operacionais, será devido o adicional de 30% de periculosidade em virtude da condição de risco a inflamáveis e, também, 30% de adicional em função do risco do trabalho realizado com energia elétrica. Será aplicado o adicional de 30% aos Técnicos de Manutenção, eletricistas, lotados em unidades administrativas e que trabalham sob a condição de risco de energia elétrica. Parágrafo 8º: os Inspetores de Segurança lotados em unidade operacional receberão 30% de periculosidade em virtude da condição de risco por trabalharem com a presença de inflamáveis e mais 30% de adicional por também se enquadrarem no inciso II do artigo 193 da CLT. Parágrafo 9º: o adicional de 30% de periculosidade dos Técnicos de Manutenção eletricistas será calculado em cima da totalidade das parcelas de natureza salarial, tal como preceitua a Súmula 191 do TST para a categoria dos eletricitários. Cláusula 26ª Extra Turno Feriado Parágrafo 1º - a partir de setembro de 2015, incluem-se neste pagamento, a título de horas extraordinárias, todos os feriados nacionais, estaduais e municipais, em que haja dispensa dos empregados em regime administrativo. Parágrafo 2º - A Companhia pagará, a título de horas extraordinárias, remuneradas com acréscimo de 100% (cem por cento), as horas trabalhadas em feriados nacionais, estaduais e municipais aos empregados engajados em regimes especiais de trabalho previstos no Acordo Coletivo de Trabalho. Cláusula 27ª -Serviço Extraordinário - Viagem a Serviço (justificativa Anexo II)

5 Parágrafo 1º - a Companhia restringirá a realização de viagem a serviço da Companhia em dias úteis fora da jornada de trabalho normal do empregado aos casos de necessidade e/ou urgência e, quando da ocorrência desta situação, estas horas serão reconhecidas como serviço extraordinário. Parágrafo 2º - para computo na frequência do empregado, a título de fechamento da jornada de trabalho, as horas a que se refere o Parágrafo 1º, são aquelas que extrapolam a jornada normal efetiva do empregado, sendo utilizado para registro e comprovante: - a. Saída de viagem a serviço: horário de apanhamento da condução programada pela Companhia. - b. Retorno de viagem a serviço: horário em que a condução programada pela Companhia deixa o empregado em sua residência ou local de destino previamente programado (unidade, hotel, etc.). Parágrafo 3º: consideram-se viagens a serviço, qualquer viagem realizada pelo empregado até localidade diferente de seu local de lotação para realização de trabalho vinculado à Companhia. Cláusula 28ª Serviço Extraordinário Regime Administrativo (justificativa Anexo II) Exclusão de: Parágrafo 2º Parágrafo 2º: aos empregados, tanto de nível médio e técnico, quanto de nível superior, do regime administrativo abrangidos pelo sistema de horário flexível, o serviço extraordinário será pago para o trabalho executado antes das 7 horas e após as 18 horas. Cláusula 38ª Remuneração Mínima por Nível e Regime RMNR Exclusão: De toda a Cláusula: caput e parágrafos A partir de setembro de 2015, a Companhia passará a incorporar no Salário Básico dos empregados o Complemento da Remuneração Mínima por Nível e Regime Clausula 42ª Auxílio Ensino Parágrafo 2º - O Auxílio Ensino Fundamental será concedido ao público referido nocaput, até a idade limite de 15 anos e 11 meses (quinze anos e onze meses)cursando o ensino fundamental, na forma de reembolso de 80% (setenta e cinco porcento) das despesas escolares, limitado ao valor de cobertura da tabela dacompanhia (...)

6 Parágrafo 3º - O Auxílio Ensino Médio será concedido ao público referido no caput,cursando o Ensino Médio, na forma de reembolso de 80% (setenta por cento) dasdespesas escolares, limitado ao valor de cobertura da tabela da Companhia (...) Parágrafo único Este benefício será estendido aos aposentados e pensionistas. Cláusula 43ª - Benefícios Educacionais e Programa Jovem Universitário A Companhia reajustará, a partir de janeiro de 2016, as tabelas do Auxílio- Creche/Acompanhante, do Auxílio Ensino (Assistência Pré-Escolar, Auxílio Ensino Fundamental, Auxílio Ensino Médio) e do Programa Jovem Universitário, em 5% (cinco por cento) acima do reajuste salarial. Clausula 44ª Programa Jovem Universitário (...) O incentivo se dará na forma de reembolso de 70% (sessenta por cento) dasdespesas comprovadas com a universidade (...) Parágrafo único Este benefício será estendido aos aposentados e pensionistas. Clausula 45ª - Programa de Complementação Educacional Exclusão de: Parágrafo único Clausula 46ª Ensino Superior - Convênios Parágrafo único A Companhia se comprometerá com o reembolso de 90% das despesas escolares, limitado ao valor de cobertura da tabela da mesma. Clausula 57ª Beneficiários da AMS Inclusão Parágrafo: o critério de elegibilidade para a AMS (Padrão PE-0V E), conforme previsto no ACT , Cláusula 50, Parágrafo 3º, deverá ser alterado. No item referente a inclusão/manutenção de enteado (a), a condicionante referente a pensão de alimentos ou pensão por morte para ingresso como dependente na AMS será ampliado de 1 (um) Salário Mínimo Nacional (SM) para 3 (três) SM, sendo a

7 Comissão de AMS responsável por atualizar e corrigir, nunca para menos, monetariamente esta margem a cada ano. Clausula 74ª Beneficiários do Programa de Assistência Especial Inclusão São beneficiários do PAE: (...) 5. Cônjuge ou Companheiro (a); Cláusula 79ª Benefício Farmácia Inclusão: Parágrafo 4º : Visando a melhoria continua no pronto atendimento deste benefício, a Companhia se compromete a assumir a responsabilidade pela prestação do serviço que atualmente está sob a responsabilidade da Global Saúde. Neste sentido, a Companhia compromete-se a primeirizar os serviços ligados ao Benefício Farmácia num prazo de 4 (quatro) meses. Parágrafo 5º: a Companhia se compromete a assumir o ônus e reembolsar todos os empregados que tiveram perdas quando da assunção dos serviços pela empresa Global Saúde. Para tanto, exige-se a apresentação de comprovantes a fim de assegurar a viabilidade dos reembolsos. Cláusula 99ª Promoção por Antiguidade - Categoria de Pleno para Sênior Cargos de Nível Médio Cláusula 99ª Promoção por Antiguidade -Categoria de Pleno para Sênior Todos os Cargos A Companhia concederá promoção automática por antiguidade da categoria de Pleno para Sênior para os cargos de Nível Médio (Técnico) e de nível superior, tal como abaixo estabelecido: - a. o empregado que ficar estagnado no último nível da categoria Pleno (referência B) por um período de 24 meses será automaticamente promovido para a categoria Sênior. - b. os empregados que já se encontram nesta situação, a partir de setembro de 2015, serão reposicionados no primeiro nível salarial (referência A) da categoria Sênior de sua carreira. - c. os empregados que possuem tempo de Companhia igual ou superior a 25 anos e ainda se encontre na categoria de Pleno, passarão, a partir de setembro de 2015, a categoria de Sênior.

8 5. Eixo Em defesa da Segurança no Emprego 5.1. Modificação de cláusulas Clausula 84ª Dispensa sem Justa Causa (Justificativa Anexo VI) Modificação: Item c. o empregado será comunicado, de imediato, da instauração do procedimento e ser-lhe-á assegurado o contraditório e a ampla defesa os quais serão garantidos após a instalação da Comissão e, necessariamente, dentro de um prazo de 10 dias a contar da primeira manifestação da Comissão. Item d. a comissão, após ouvida a defesa do empregado, conforme item C, deverá apresentar seu parecer, recomendando formalmente: A efetivação da dispensa, devidamente motivada conforme decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 20/3/2013, recurso extraordinário (RE) , ou (...) Inclusão: Item e. toda Comissão formada referente a esta Cláusula e tal como descrita no item b. contará com a presença de 1 (um) representante do Sindicato em todas as reuniões. 6. Eixo Em defesa da Primeirização das atividades 6.1. Inclusão de cláusulas Capítulo V Do Planejamento, Recrutamento, Seleção e Movimentação de Pessoal (justificativa Anexo V) Cláusula - A companhia formará Comissão com representantes de todos os Sindicatos e da AEPET, em número de 2 por entidade, para definir quais atividades são consideradas como atividade fim e quais atividades são atividades meio. Parágrafo 1º: esta Comissão terá o prazo de 1 ano para concretizar o primeiro relatório de estudos sendo que para as atividades fim definidas que contarem com efetivo terceirizado, abrir-se-á imediato processo seletivo para a primeirização do posto de trabalho. Parágrafo 2º: sugere-se que o Relatório de Auditoria / elaborado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) seja o ponto de partida dos trabalhos da respectiva Comissão Modificação de cláusulas Cláusula 142ª Equipe de Saúde

9 A Companhia atuará no sentido de compor as equipes de saúde da Petrobras somente com empregados próprios, em consonância com as demandas legais. Exclusão de: Parágrafo 7. Eixo Por melhores Condições de Trabalho 7.1. Inclusão de cláusulas Inclusão de Cláusula Assédio Moral e Sexual, discriminações no local de trabalho Que a Companhia, em conjunto com Sindicatos e CIPAs, garanta a investigação e punição dos casos de Assédio Sexual e Moral, Machismo, Racismo e Homofobia praticados no Sistema Petrobras. Inclusão de Cláusula Condições de Trabalho para Mulheres Que a Companhia priorize a melhoria continua das condições de trabalho para as empregas, incluindo: a. garantia de banheiros e vestiários femininos em todos os setores da área industrial. b. afastamento das empregadas grávidas, sem prejuízo do salários e da carreira profissional, dos locais de trabalho com risco de exposição ocupacional. c. garantia de creches e/ou sala de amamentação próximos ao local de trabalho. d. garantia do período máximo de licença maternidade e não considerar o gozo da licença total (180 dias) na avaliação da empregada, assim, a emprega só deve ser avaliada pelo período trabalhado. Inclusão de Cláusula: Abono de dia - Atestado Médico Acompanhante A Companhia passará a reconhecer os atestados médicos de acompanhante nos casos em que empregado seja acompanhante de beneficiário da AMS, pais, mãe e irmãos. Inclusão de Cláusula: Abono de dia - Doação de Sangue A Companhia irá abonar até 4 faltas por ano, respeitados os intervalos mínimos entre uma e outra doação, dos empregados que se voluntariarem à doação de sangue. - A Companhia se compromete a realizar Concurso interno, com provas objetivas e dinâmicas de grupo no processo seletivo, para a ocupação de cargos com funções gratificadas;

10 Cláusula Licença Adoção e Licença Maternidade para casais homossexuais A Companhia concederá licença adoção para o empregado em união estável homoafetiva que adotar menores na forma estabelecida na legislação específica para adoção na mesma duração possibilitada pela licença maternidade. Em caso onde a união estável é formada por dois empregados, a licença se aplicará para ambos. Em caso de duas empregadas que tenham união estável homoafetiva, tanto a licença maternidade quanto a licença adoção se aplicará para ambas. Cláusula Implantação em Regime Especial Os empregados que possuam média semestral em regime especial superior a 10 dias/mês devem ser implantados no respectivo regime de trabalho. Cláusula Extensão do Dia do Desembarque (justificativa Anexo VI) A Companhia creditará 0,5 (meio) dia de folga para cada dia de desembarque aos empregados que trabalham em Unidades marítimas e pernoitam na unidade, limitado a 10 (dez) ocorrências de desembarque por ano. Cláusula Dia do Embarque A Companhia considerará como de efetivo trabalho o dia em que o empregado comparecer ao embarque programado pela Companhia e não embarcar por motivo alheio à sua vontade, concedendo o respectivo um dia e meio (1,5 dias) de folga, bem como transporte, alimentação e hospedagem. - A Companhia determinará a reabertura do Plano Petros BD, assegurando o direito à opção de ingresso a todos os empregados, inclusive os que já estão inscritos no Plano Petros 2. Cláusula - PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS: A Companhia garantirá a autonomia dos Sindicatos e manterá todas as carreiras das atividades utilizadas permanentemente pela empresa, adotando um único PCAC para todo o Sistema Petrobrás. 1º - O plano de cargos e salários observará, no mínimo, as mesmas funções e atribuições existentes, não podendo ser suprimidas funções com o objetivo de terceirizar as funções já existentes na Companhia. 2º - O Plano de cargos observará o disposto no artigo 461, 2º e 3º da CLTCapitulo VI Das Condições de Trabalho

11 7.2. Modificação de cláusulas Capitulo VI Das Condições de Trabalho Cláusula 10ª do Termo Aditivo ao ACT Cláusula: Feriados Abonados A Companhia arcará com o ônus dos dias não trabalhados em 24 de dezembro, 31 de dezembro e Quartafeira de Cinzas. Desta forma, a partir de setembro de 2015, os empregados não mais precisarão compensar estes dias não trabalhados. Cláusula 100ª Faltas Acordadas A Companhia, a FUP e a FNP acordam que será permitido faltar até 5 (cinco)vezes ao ano, acarretando, essas faltas, descontos nos salários dos empregadosque delas se utilizarem. Parágrafo 1º - Será indispensável a comunicação prévia de no mínimo 48 hs do empregado com a chefiaimediata. Nesse caso, a respectiva falta não gerará nenhum outro efeito, senão odesconto no salário. Parágrafo 2 - Essa condição poderá serrelevada sempre que impossível anterior contato com a chefia ou em questões emergenciais que serão apresentadas pelo empregado no primeiro dia de trabalho subsequente. Exclusão de:parágrafo 3º Cláusula 101ª - Jornada nas Atividades de Entrada de Dados Parágrafo: ficam definidas como atividade de entrada de dados aquelas desenvolvidas por Técnicos de Administração, de Logística e Comercialização, de Suprimentos de Bens e Serviços, de Contabilidade, de Construção e Montagem, Manutenção, Administradores, Contadores e demais cargos que trabalham diretamente com alimentação de dados no sistema SAP, em Planilhas específicas e demais sistemas de mesma natureza. Cláusula 107ª Horário Flexível A Companhia continuará praticando o sistema de horário flexível para os empregados do regime administrativo, entre 7 e 18 horas de segunda a sexta-feira. Parágrafo 1º - o limite total de horas para compensação será de até 40 (quarenta) horas. Parágrafo 2º - no fechamento da frequência mensal, as horas positivas que ultrapassarem o limite de 40 horas, serão pagas, automaticamente, como horas extras.

12 Parágrafo 3º - o excedente negativo de 40 horas de Margem de Balanço será objeto de compensação no prazo de 90 (noventa) dias, contatados da ocorrência de cada hora excedente negativa. Ao final deste prazo, as horas não compensadas serão descontadas. Parágrafo 4º - qualquer atividade desenvolvida antes das 7 horas e após as 18 horas deverá ser tratada como serviço extraordinário tal como prevê a legislação trabalhista (CLT e demais normativos) Cláusula 110ª Licença Paternidade A Companhia concederá licença paternidade de 30 (trinta) dias consecutivos aos empregados a partir do nascimento do filho ou aos que adotarem menores a partir da adoção proferida pelo órgão competente na forma da lei de adoção, sendo aplicada após a assinatura do presente acordo. Cláusula 121ª Qualidade de Vida Parágrafo 1º: a Companhia passará a adotar e desenvolver o conceito de Mobilidade Urbana Sustentável sendo o estimulo ao uso da bicicleta como transporte alternativo a primeira ação a ser praticada. Parágrafo 2º: para todo empregado do regime de horário flexível que fizer uso da bicicleta como transporte alternativo para o trajeto casa-trabalho-casa será concedido o reconhecimento de 30 (trinta) minutos de crédito na frequência ponto do mesmo, por dia de uso deste meio/modal, a título de reconhecimento pela prática saudável adotada e pela opção por um transporte ecologicamente correto. Parágrafo 3º: a Companhia passará a permitir o uso de bermudas masculinas nas unidades administrativas instaladas em cidades e regiões que apresentam elevada sensação térmica, principalmente durante a estação de verão. Num prazo de 30 dias, será expedida uma orientação aos empregados a respeito de qual tipo de vestimenta será permitida adentrar às estações de trabalho. Parágrafo 4º: a Companhia firmará convênios com academias de ginástica para fornecer, gratuitamente, a todos os empregados atividades físicas. Cláusula 180ª - Convênio INSS Modificaçãopara: A Companhia irá reestabelecer o convênio entre Petros/INSS. 8. Eixo Em defesa da Segurança no Trabalho 8.1. Modificação de cláusulas Capítulo VII Da Segurança Industrial e Saúde Ocupacional Capítulo VII Da Segurança Industrial, Meio Ambiente e Saúde Ocupacional

13 Cláusula 116ª Exames Periódicos Cláusula 116ª - Exames Médicos Admissionais, Periódicos, de Mudança de Função, de Retorno ao Trabalho e Demissionais A Companhia isentará os empregados de qualquer participação nas despesas relativas à realização de exames médicos requeridos pela legislação e por ela solicitados, desde que vinculados aos riscos ocupacionais, profissionais e ambientais químicos, físicos, biológicos, ergonômicos, mecânicos e de acidentes das atividades, equipamentos, máquinas, veículos, ferramentas, mobiliário, organização de trabalho, processos de trabalho, matérias-primas, substâncias químicas, resíduos, ambientes, regime e condições de trabalho e constantes da legislação e descritos em normas técnicas e regulamentadoras nacionais e internacionais, inclusive os exames de investigação diagnóstica e de nexo causal das doenças relacionadas ao trabalho reconhecidas pelo Ministério da Saúde ou Ministério do Trabalho e Emprego ou Ministério da Previdência Social do Brasil ou pela Organização Mundial de Saúde ou pela ACGIH com base nos Indicadores Biológicos de Exposição. Parágrafo 1º - A Companhia garantirá a realização dos exames médicos, incluindo exames clínicos e mentais, admissionais, periódicos, de retorno ao trabalho, de mudança de função e demissionais de acordo com o perfil epidemiológico dos empregados (sexo/idade/raça/cargo/função/local de trabalho e riscos ocupacionais, profissionais e ambientais descrito acima), conforme requeridos pela legislação e os descritos em normas técnicas ou regulamentadoras nacionais e internacionais, pelo Ministério da Saúde, Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério da Previdência Social do Brasil, Organização Mundial de Saúde e pela ACGIH com base nos Indicadores Biológicos de Exposição que são estabelecidos anualmente. A Companhia se compromete a revisar em 30 dias a norma N-2691 com base nos critérios acima e submeter sua aprovação aos sindicatos. Parágrafo 2º - A Companhia registrará, na emissão do Atestado de Saúde Ocupacional (ASO) e no Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) dos empregados, os riscos ocupacionais, profissionais e ambientais de acordo com o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA previsto na Norma Regulamentadora NR-9) que deve levar em consideração os riscos avaliados nos mapas de riscos elaborados pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), de acordo com o Programa de Prevenção da Exposição Ocupacional ao Benzeno (PPEOB previsto na NR 15 Anexo 13 A Benzeno), no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO previsto na Norma Regulamentadora NR-7) e demais Programas e requisitos legais e normativos aplicáveis. Parágrafo 3º - A Companhia garantirá o direito a todos os empregados, após a conclusão dos exames médicos, de registrarem suas considerações no Atestado de Saúde Ocupacional e no Perfil Profissiográfico Previdenciário, e se compromete a encaminhá-las às áreas as quais estão relacionadas.

14 Parágrafo 4º - A Companhia garantirá a realização dos Exames Médicos e Exames Preventivos anuais Ginecológicos e Urológicos por médicos especializados de acordo com a legislação em vigor. Parágrafo 5º - A Companhia garantirá a realização dos Exames Médicos de acordo com o perfil epidemiológico dos empregados, priorizando o Exame Médico Clínico e Mental, sem prejuízo da realização de Exames Complementares ou de Pareceres Especializados ou Melhores Práticas Mundiais. Cláusula 117 Comissões de SMS de Empregados Próprios e de Empresas Contratadas e CIPAs A Companhia manterá a Comissão Corporativa de SMS em sua Sede comissão esta composta por representantes da companhia e representantes de cada um dos sindicatos da FUP e demais Sindicatos dos Petroleiros, com o objetivo de discutir as questões de SMS de empregados próprios e empregados de empresas contratadas, bem como relativas ao funcionamento das CIPAs. Parágrafo 1º - A Comissão Corporativa de SMS se reunirá a cada 2 (dois) meses. Parágrafo 2º - A Companhia apresentará e discutirá nestas reuniões as informações e análises dos dados estatísticos referentes a acidentes de trabalho, doenças profissionais e de trabalho e acidentes e emergências que tenham causados lesões na população e poluição ambiental envolvendo a proposição de multas pelos órgãos de fiscalização, bem como a análise das causas dos acidentes graves pessoais, ambientais e industriais, quando solicitado. Parágrafo 3º - A Companhia, a FUP e os Sindicatos formarão Comissões Locais de SMS por Unidade, que serão conduzidas por representações locais, compostas por representantes da companhia e representantes de cada Unidade Operacional (CNPJ) das bases dos sindicatos da FUP e demais Sindicatos dos Petroleiros. Parágrafo 4º - A Companhia apresentará a cada comissão local de SMS os dados estatísticos referentes aos desvios, incidentes, acidentes, atendimentos médicos, doenças, emergências e eventos que tenham gerado a proposição de multas, embargos e interdições pelos órgãos de fiscalização ocorridos em suas unidades, atividades e instalações, bem como informará as ações preventivas, corretivas e mitigadoras adotadas para o tratamento efetivo das anomalias. Parágrafo 5º - A Companhia apresentará anualmente na Comissão Corporativa de SMS, nas CIPAs e nas Comissões Locais de SMS os documentos básicos e os relatórios das avaliações ambientais e avaliações ocupacionais, conforme previsto no parágrafo primeiro da cláusula 126ª. Parágrafo 6º - A Companhia, através de suas Unidades, divulgará o calendário anual de reuniões das Comissões Locais de SMS. Cláusula 118ª Programa de Alimentação Saudável

15 Cláusula 118ª - Programa de Alimentação Saudável e Segura A Companhia garantirá a realização do Programa de Alimentação Saudável e Segura em suas Unidades e implantá-lo-á onde ainda não houver, fornecendo uma alimentação adequada, saudável e segura às necessidades biológicas e culturais dos empregados, dando ênfase aos alimentos regionais e alimentos que em função das condições físicas e mentais e da exposição dos empregados aos agentes químicos, físicos e biológicos presentes nos ambientes de trabalho e no ar respirável não agravem o metabolismo de substâncias que prejudiquem a saúde dos trabalhadores. Parágrafo 1º - A Companhia se compromete a discutir o Programa de Alimentação Saudável e Segura na Comissão Corporativa de SMS e nas Comissões Locais de SMS. Parágrafo 2º - A empresa disponibilizará, nos restaurantes das Unidades em que o serviço de alimentação é oferecido pela Companhia, mais de uma opção no cardápio para alimentação saudável e segura dos empregados. Cláusula 119ª - Supervisão do Programa de Alimentação Cláusula 119ª - Supervisão do Programa de Alimentação Saudável e Segura A Companhia supervisionará o Programa de Alimentação Saudável e Segura com o apoio de profissionais da área de saúde, nutrição, segurança e meio ambiente, nos locais onde a Petrobras é responsável pelo fornecimento da alimentação com base nos requisitos legais e normativos vigentes e nas melhores práticas de alimentação saudável e segura. Cláusula 124ª CIPA em Plataformas Paragrafo 1º: a Companhia assegurará a presença de Dirigente Sindical nas unidades offshore no dia das reuniões ordinárias da CIPA, sendo definido um calendário de embarque dos Dirigentes Sindicais conforme o calendário anual de reuniões da CIPA. Cláusula 126ª - Realização de Palestras sobre Riscos nos Locais de Trabalho A Companhia manterá, em articulação com as CIPAs, os Sindicatos e as empresas contratadas, a realização de palestras, cursos, seminários, ao menos duas vezes ao ano, sobre os riscos e as características tóxicas de suas matérias primas, substâncias e produtos químicos, produtos intermediários e produtos finais, emissões atmosféricas, emissões fugitivas, efluentes e resíduos conforme previsto na NR 25 Resíduos Industriais e NR 26 Sinalização de Segurança os demais riscos físicos, biológicos,

16 ergonômicos, mecânicos e de acidentes presentes nas atividades, ambientes e locais de trabalho e os meios necessários à prevenção ou limitação de seus efeitos nocivos, bem como sobre a promoção da saúde e segurança dos trabalhadores e a proteção do meio ambiente. Cláusula 127ª - Acesso ao Local de Trabalho e Participação nas Apurações dos Acidentes Cláusula 127ª - A Companhia assegura a permissão para acesso dos representantes dos empregados dirigentes sindicais acompanhem a fiscalização dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho conforme previsto na legislação e na NR 1 Disposições Gerais e em especial às áreas dos acidentes, incêndios e emergências, e participação de representante do sindicato empregado da Petrobras na apuração de acidentes do trabalho, doenças ocupacionais e profissionais, incêndios, vazamentos, explosões e emergências. Cláusula 128ª -Investigação Acidente de Trabalho A Companhia garantirá a investigação de qualquer acidente de trabalho pela CIPA, conforme estabelecido na NR 5 CIPA e demais legislações e normas regulamentadoras aplicáveis. Cláusula 129ª - Condições de Segurança, Meio Ambiente e Saúde Ocupacional A Companhia através do seu plano anual de negócios assegura a melhoria contínua das condições de segurança, meio ambiente e saúde ocupacional, consoante o que estabelecem as suas políticas e diretrizes e requisitos legais e normativos para estas áreas. Parágrafo 1º - A Companhia assegura a realização de programas de treinamento com vistas a promover a capacitação dos empregados de acordo com todos os requisitos legais e requisitos normativos vigentes e aplicáveis e assegurar sua participação nos programas de segurança, meio ambiente e saúde ocupacional. Parágrafo 2º - A Companhia se compromete a informar a seus trabalhadores, por via magnética e individualmente, os seus riscos pessoais conforme previsto no PPP, PPRA e PPEOB, os riscos ambientais do seu Grupo Homogêneo de Exposição (GHE) e contidos no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e PPEOB da Unidade. Parágrafo 3º - A Companhia garante manter disponível em meio eletrônico, para os seus empregados e CIPA, as fichas de informações de segurança dos produtos químicos existentes no ambiente de trabalho na forma de matérias-primas, produtos químicos, produtos intermediários, produtos finais e fichas de informações de segurança de resíduos químicos elaboradas com base nas ABNT que tratam de tais fichas e que realizará os treinamentos e capacitações previstos na NR 25 e na NR 26 com base em tais fichas. Parágrafo 4º - A Companhia manterá a Política Corporativa de prevenção e tratamento a LER/DORT, onde aplicável com atuações específicas na organização, no ambiente e mobiliário de trabalho garantindo

17 a implantação de práticas preventivas, corretivas e mitigadoras, às doenças. Parágrafo 5º - A Companhia incluirá nos contratos de prestação de serviço, que a contratada se obrigará a realização de exames periódicos e exames específicos dos seus respectivos empregados, em consonância com as Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego e Legislação e Cadernos de Saúde do Ministério da Saúde. Parágrafo 6º - A Companhia implementará melhorias contínuas nos procedimentos dos exames ocupacionais e nas ações de saúde das empresas contratadas, nos próximos processos de contratação de prestação de serviços que deverão ser apreciadas e discutidas semestralmente na Comissão Corporativa de SMS. Parágrafo 7º - A Companhia fornecerá informações e relatórios mensais à FUP e aos Sindicatos sobre os indicadores dos programas de gerenciamento da saúde e dados epidemiológicos bem como dará continuidade aos mesmos tais como promoção da atividade física, orientação nutricional, programas de prevenção às drogas, programas de alimentação saudável e segura e ginástica laboral, utilizando-se de dados epidemiológicos dos exames médicos ocupacionais, estudos ergonômicos e levantamentos de causas do absenteísmo. Parágrafo 8º - A Companhia fornecerá uniformes apropriados e adequados para o perfil corpóreo dos empregados e para prevenir e mitigar a exposição dos empregados aos agentes de riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos, mecânicos, de acidentes e emergências e realizará a lavagem, higienização e disposição de uniformes de seus empregados, nos segmentos operacionais. Parágrafo 9º - A Companhia compromete-se a não vincular concessão de vantagens à redução de acidentes, doenças e emergências. Parágrafo 10º - A Companhia assegurará que os novos projetos sejam precedidos de estudos de engenharia de segurança, meio ambiente e saúde ocupacional adotando assim como previsto na legislação e normas técnicas e normas regulamentadoras buscar a redução da geração de riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos, mecânicos e de acidentes e dos resíduos industriais provenientes dos processos industriais, na forma sólida, líquida ou gasosa ou combinação dessas, e que por suas características físicas, químicas ou microbiológicas não se assemelham aos resíduos domésticos, como cinzas, lodos, óleos, materiais alcalinos ou ácidos, escórias, poeiras, borras, substâncias lixiviadas e aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como demais efluentes líquidos e emissões gasosas contaminantes atmosféricos por meio da adoção das melhores práticas tecnológicas e organizacionais disponíveis devendo considerar os Guias de SMS do IFC do Banco Mundial e Melhores Práticas e Tecnologias Europeias para a indústria de petróleo, gás e biocombustíveis. Parágrafo 11º - A Companhia se compromete a considerar as características corpóreas típicas dos empregados considerando as diferenças existentes entre homens, mulheres, gestantes, trabalhadores com necessidades especiais na especificação dos Equipamentos de Proteção individual (EPI) e implementar as adequações pertinentes contemplados no Programa Pró-Equidade de Gênero e Raça.

18 Parágrafo 12º - A Companhia se compromete a implementar e melhorar continuamente com o DECEA Departamento de Controle do Espaço Aéreo o acordo operacional do serviço de busca e salvamento. Paragrafo 13º - A Companhia assegurará que a definição de quadro mínimo dos empregados das atividades de turno em regime de revezamento será estipulada por Comissões Regionais formada por: representantes dos Sindicatos, representes da Companhia e representantes dos grupos de turno indicados pelos próprios empregados, sendo que os escolhidos não podem exercer cargo de chefia. Fica facultado às Comissões em questão solicitar estudos técnicos a órgãos públicos e/ou entidades especializadas. Cláusula 130ª - Uniformidade de Ações entre os Serviços Especializados de Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) A Companhia realizará, em suas Unidades Operacionais, reuniões trimestrais específicas entre os Serviços Especializados de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho, próprios e contratados, visando uniformidade de ações e troca de experiências, com a participação de membros das CIPAs e Comissão de SMS local. Cláusula 131ª - Acesso aos Locais de Trabalho A Companhia, mediante prévio entendimento, assegurará o acesso aos locais de trabalho, de 1 (um) Médico do Trabalho e/ou 1 (um) Engenheiro de Segurança do Trabalho, indicado pelo Sindicato, para acompanhamento das condições de salubridade e segurança e para avaliação a caracterização das atividades e operações insalubres e perigosas com na NR 15 e NR 16. Parágrafo único - O relatório anual do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA), o Relatório Anual do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e o Relatório anual do PPEOB das Unidades serão apresentados aos representantes dos Sindicatos nas Comissões Locais de SMS das Unidades até no máximo no mês de fevereiro de cada ano. Cláusula 132ª - Segurança no Trabalho - Inspeções Oficiais A Companhia, nos termos e limites estabelecidos na legislação, permitirá que representantes dos empregados dos sindicatos e das CIPAs da mesma base territorial acompanhem a fiscalização, pelos órgãos competentes, dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e saúde do trabalhador. Cláusula 133ª - Primeiros Socorros A Companhia manterá, em suas Unidades de Operações, instalações, materiais, equipamentos, medicamentos e veículos necessários à prestação de primeiros socorros, de acordo com os riscos e as características de cada local e pessoal treinado para esse fim.

19 Parágrafo 1º - Sempre que necessário será proporcionado transporte de vítimas de acidente ou mal súbito no local de trabalho, para hospitais, em veículos de transporte apropriado a cada situação, devendo existir um plano de emergência pré-estabelecido e adequadamente divulgado para os sindicatos e CIPAs. Parágrafo 3º - A Companhia se compromete a ministrar treinamento em primeiros socorros aos empregados conforme requerido pela legislação, normas técnicas e normas regulamentadoras incluindo os que atuem como brigadistas e socorristas, sem pertencerem à área da saúde. Parágrafo 4º - A Companhia garantirá o atendimento, em unidade especializada, nos casos de trabalhadores próprios e contratados considerados grandes queimados e risco grave de morte. Cláusula 134ª - Acesso ao Resultado do Exame Médico A Companhia assegura que cada empregado será informado e orientado, pela área de Saúde Ocupacional de sua Unidade, do resultado da avaliação do seu estado de saúde e dos exames complementares a que for submetido, sendo-lhe fornecida sempre cópia de todos os exames que foi submetido e registrado no ASO e no PPP a quais exames foi submetido. Cláusula 135ª - Exames médico-odontológicos A Companhia realizará exames médico-odontológicos periódicos, de mudança de função com base nos agentes de riscos químicos, físicos e biológicos ocupacionais e profissionais em todo empregado ativo e por ocasião da aposentadoria, observada a orientação da Unidade de saúde da Companhia. As despesas com tratamento, caso indicado e desde que haja se configurado doença ocupacional e profissional adquirida na Companhia, correrão por conta da mesma. Cláusula 136ª - Equipe de Combate a Incêndios e Emergências A Companhia priorizará a composição da primeira equipe de combate a incêndios e emergências de suas Organizações e Equipes de Controle de Emergências, com empregados da área de Segurança Industrial devidamente avaliados e examinados em termos de saúde ocupacional e mental e treinados, capacitados e classificados como brigadista civil profissional de acordo com a legislação e normas técnicas vigentes e quando o profissional não for da área de Segurança Industrial e a atividade de combate a incêndios estiver no plano de cargos, a Companhia realizará igualmente os exames médicos ocupacionais e mentais e treinamentos e capacitações de acordo com a legislação e normas técnicas vigentes que versam sobre brigadistas e combate a emergências. Parágrafo único - Os treinamentos necessários para capacitação e reciclagem dos empregados deverão ser realizados, prioritariamente, durante a jornada diária de trabalho com base nos cenários dos estudos de análise de riscos da Unidade sendo proibido que os mesmos atuem em emergências externas de outras Unidades e Empresas sem que isto conste dos seus planos de cargos e que os mesmos tenham avaliação médica e capacitação adequada.

20 Cláusula 137ª - Monitoramento Ambiental e Biológico A Companhia realizará avaliação dos agentes ambientais sob responsabilidade da equipe técnica de Higiene Ocupacional da Petrobras sendo que preferencialmente e quando aplicável, o monitoramento biológico será realizado de forma simultânea conforme estabelecido na legislação, normas e publicações técnicas, normas regulamentadoras de engenharia de segurança e medicina do trabalho, normas de higiene ocupacional da FUNDACENTRO e práticas preconizadas, recomendadas e revisadas anualmente pela ACGIH para todas as substâncias que possuírem limites de tolerância e indicadores biológicos de exposição. Parágrafo 1º - A Companhia garantirá o monitoramento ambiental dos agentes de riscos físicos e químicos nas atividades de rotina e nas atividades críticas (abertura de equipamentos, purgas, drenagens, situações de vazamentos, incêndios e emergência) pela equipe técnica de Higiene Ocupacional. Parágrafo 2º - A Companhia garantirá o acompanhamento por parte de representantes de cada um dos sindicatos dos petroleiros do processo de avaliação qualitativa de riscos e avaliação quantitativa envolvendo a medição e monitoramento dos agentes de riscos físicos (ruídos contínuos e intermitentes, calor, frio, umidade, vibrações, pressões anormais, radiações ionizantes, radiações não-ionizantes, etc.), riscos químicos (no estado sólido, semi-sólido, poeiras, líquido, pastoso, névoa, neblina, gases, vapores, etc.) e biológicos (vírus, bactérias, bacilos, príons, etc.) dos ambientes de trabalho, de acordo com a legislação, normas e publicações técnicas, normas regulamentadoras de engenharia de segurança e medicina do trabalho, normas de higiene ocupacional da FUNDACENTRO e práticas preconizadas, recomendadas e revisadas anualmente pela ACGIH para o monitoramento dos limites de tolerância e indicadores biológicos de exposição comunicando e mantendo a disposição dos empregados, os dados destas avaliações relativa à sua atividade, ambiente e área de trabalho conforme previsto na legislação. Parágrafo 3º - A Companhia manterá na Ambientação e Treinamento e Capacitação Continuada dos profissionais de saúde, segurança industrial, higienistas e meio ambiente disciplina específica para conhecimento dos riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos, mecânicos e de acidentes inerentes aos processos, atividades, matérias-primas, produtos intermediários, produtos químicos, produtos finais, organização do trabalho, máquinas, equipamentos, ferramentas, ecossistemas onde atuam os empregados da Companhia, visando, conforme o caso, melhor capacitação para a realização de monitoramentos ambientais e pessoais, exames médicos e prestação de primeiros socorros, atendimento médico de urgência, atendimento de emergências e contingências. Cláusula 138ª - Política de Saúde A Companhia efetuará melhorias contínuas à atual Política de Saúde, prosseguindo na priorização das ações preventivas de saúde, aperfeiçoando as ações corretivas e mitigadoras e buscando

21 ciclos de melhoria na assistência aos empregados sendo que tal política deverá ser desdobrada em ações e metas anuais em cada Unidade. Parágrafo 1º - A Companhia, em articulação e participação com representantes de cada um dos Sindicatos aprimorará em até 90 dias o Programa de Retorno às Atividades no Trabalho para os empregados afastados por doença ocupacional ou profissional ou acidente de trabalho. Parágrafo 2º - A Companhia garante à trabalhadora grávida, puérpera ou que esteja amamentando que o trabalho seja exercido em atividades, ambientes de trabalho e áreas fora de risco relacionado à gravidez, ao feto ou ao aleitamento conforme preconizado pela legislação, normas técnicas e regulamentadoras e pela Organização Mundial da Saúde, sem prejuízo dos seus adicionais e/ou condições de trabalho. Cláusula 139ª - Programa de Saúde Mental A Companhia garantirá a manutenção e melhoria contínua Programa Corporativo de Saúde Mental e Programas Locais de Saúde Mental com foco em ações individuais, coletivas e no ambiente de trabalho como ação de saúde integral para a melhoria das condições de saúde dos empregados, em atendimento aos requisitos legais e normas técnicas nacionais e internacionais aplicáveis. Parágrafo único - Os programas citados deverão ser discutidos nas Comissões de SMS Corporativa e locais. Cláusula 140ª - Da Organização Racional do Trabalho A Companhia garantirá a implantação do Programa Corporativo de Ergonomia e dos Programas Locais de Ergonomia a serem desenvolvidos com ênfase nos requisitos legais e normas técnicas nacionais e internacionais de ergonomia por equipes multidisciplinares e profissionais treinados e capacitados conforme descrito na Classificação Brasileira de Ocupações como Ergonomista e discutidos respectivamente com a Comissão Corporativa de SMS e com Comissões Locais de SMS, sendo que tais programas devem contemplar a identificação e avaliação dos riscos ergonômicos e seu registro no PPP e a Ergonomia de Concepção e Correção, a fim de preservar a saúde dos empregados. Cláusula 141ª - Direito de Recusa Quando o empregado, no exercício de suas atividades, fundamentado em seu treinamento, capacitação e experiência, após avaliar os riscos e as medidas preventivas, corretivas e mitigadoras, tiver justificativa razoável para crer que a vida e/ou integridade física sua e/ou de seus colegas de trabalho e/ou as instalações e/ou meio ambiente se encontre em risco grave e iminente, poderá suspender a realização dessas atividades, comunicando imediatamente tal fato ao seu superior hierárquico, que após avaliar a situação e constatando a existência da condição de risco grave e iminente manterá a suspensão das atividades, até que venha a ser normalizada a referida situação.

22 Cláusula 142ª - Equipe de Saúde A Companhia garantirá a composição das equipes de saúde da Petrobras para atuação em situações normais, de necessidade de primeiros socorros e atendimento a situações de emergência médica somente com empregados, em consonância com os requisitos e demandas legais e pelos estudos de análise de riscos requeridos pelos órgãos governamentais. Cláusula 143ª - Prevenção de Doenças A Companhia garantirá a publicação mensal, em seus veículos de comunicação corporativo e local e nas Semanas Internas de Prevenção de Acidentes, Semanas de Saúde, Semanas de Meio Ambiente matérias sobre educação para a saúde e prevenção de doenças pessoais, ocupacionais e profissionais, visando à preservação da saúde dos empregados e aposentados, articulando-se com a PETROS para que o mesmo ocorra nos informativos daquela Fundação. Cláusula 144ª - Doenças Infectocontagiosas e Tropicais A Companhia garantirá a implantação do Programa de Prevenção de Doenças Infectocontagiosas e Tropicais com base nos requisitos legais e normativos vigentes e informará aos Sindicatos, quando solicitada, o número de casos de doenças infectocontagiosas (transmissíveis, tropicais) de notificação compulsória aos órgãos públicos de saúde, quando ocorrerem em regiões declaradamente endêmicas. Parágrafo único - A Companhia considerará as doenças tropicais, adquiridas em função do trabalho realizado em áreas endêmicas, mediante evidências de nexo causal ou simples caracterização de áreas endêmicas pelos órgãos de saúde e de vigilância sanitária, como acidente ou doença do trabalho. Cláusula 145ª Acordo do Benzeno Cláusula 145ª - Acordo Nacional do Benzeno e Acordo de Substâncias Cancerígenas A Companhia se compromete a cumprir o Acordo Nacional do Benzeno, a Nota Técnica COREG/DSST 07/2002 integrando as plataformas e demais Unidades pertinentes, no campo de aplicação do Acordo Nacional do Benzeno e do Anexo 13 A Benzeno da NR 15 Atividades e Operações Insalubres. Parágrafo único - A Companhia registrará em 90 dias no PPRA a caracterização, identificação e avaliação de todos os processos, todas as correntes de processo, equipamentos, máquinas, matériasprimas, produtos químicos, produtos intermediários, produtos finais, emissões atmosféricas, emissões fugitivas, efluentes e resíduos que possuam substâncias cancerígenas relacionadas na Portaria Interministerial (MTE, MS, MPS) Nº 9 de 2014 na concentração volumétrica de 0,1% ou maior e incluirá no PCMSO os exames médicos necessários para o acompanhamento dos indicadores biológicos de exposição conforme preconizado pela ACGIH e medidas preventivas da exposição.

ACT 2013 Capítulo VII: SMS

ACT 2013 Capítulo VII: SMS ACT 2013 Capítulo VII: SMS Avanços em relação ao ACT 2011: Destaques 25 e 26/09/2013 1 Exames Periódicos (ACT 2011 Cláusula 107ª) Garantir o direito a todos os Empregados, após a conclusão dos exames ocupacionais,

Leia mais

Reajuste Salarial. Cláusulas do PGCR

Reajuste Salarial. Cláusulas do PGCR PROPOSTA FINAL DO ONS PARA CELEBRAÇÃO DO ACT 2013/2014 FNE/FENTEC - CLÁUSULA 2ª INTERSINDICAL - CLÁUSULA 1ª Reajuste Salarial Reajustar os salários dos empregados com o acumulado do IPCA do período de

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

TRANSPETRO/PRES/RH 4.543/11 Rio de Janeiro, 29 de novembro de 2011.

TRANSPETRO/PRES/RH 4.543/11 Rio de Janeiro, 29 de novembro de 2011. TRANSPETRO/PRES/RH 4.543/11 Rio de Janeiro, 29 de novembro de 2011. À Federação Única dos Petroleiros FUP Av. Rio Branco, 133/21º andar Centro Rio de Janeiro RJ CEP: 20040-226 Prezados Senhores, Após reunião

Leia mais

A data base dos Servidores da Prefeitura Municipal de Sapezal será sempre em 1º de maio

A data base dos Servidores da Prefeitura Municipal de Sapezal será sempre em 1º de maio S.I.M.S SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS SAPEZAL/MT PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SAPEZAL -20013 INTRODUÇÃO O Sindicato dos Servidores Municipais de Sapezal-SIMS/MT,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

PROPOSTA DE PAUTA PARA TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

PROPOSTA DE PAUTA PARA TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 PROPOSTA DE PAUTA PARA TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 Cláusula 1ª Tabela Salarial As companhias praticarão os salários constantes da Tabela Salarial que vigorarão até 31/8/15. Com

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 - ESTATUTÁRIO Pelo presente instrumento particular de Acordo Coletivo de Trabalho de um lado o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Itu, entidade

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

PROPOSTA Piratininga em 13/07/2012

PROPOSTA Piratininga em 13/07/2012 1. Reajuste Salarial: Os salários-bases de todos os empregados, vigentes em 31 de maio de 2012, serão corrigidos com o percentual de 6,1% e mais 0,2% da verba de movimentação de pessoal, perfazendo um

Leia mais

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO ANEXO I TERMOS DE REFERÊNCIA NÚMERO /DATA 009/01-25/10/2001 ORIGEM SRF/RFFC/ER-6 1.1 Tendo em vista que o contrato firmado com a Sul América não prevê a realização de exames admissionais,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011 A Petrobras Transporte S.A. Transpetro, doravante denominada Companhia, representada neste ato pelo seu Presidente José Sérgio de Oliveira Machado, e os Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2001 IEL/DF - INSTITUTO EUVALDO LODI SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI, CELEBRAM O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Luiz Oscar Dornelles Schneider Especialista em Medicina do Trabalho AMB / ANAMT

Luiz Oscar Dornelles Schneider Especialista em Medicina do Trabalho AMB / ANAMT FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DA EXIGIBILIDADE DO LTCAT LAUDO TÉCNICO DE CONDIÇÕES AMBIENTAIS DE TRABALHO Seguem-se abaixo os trechos dos documentos legais que versam sobre a matéria, de acordo com sua ordem hierárquica

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 Estabelece normatização quanto à frequência, assiduidade e questões funcionais dos servidores além dos fluxos de encaminhamento dos documentos e seu posterior arquivamento.

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Cláusula 1ª - Tabela Salarial A Companhia praticará os salários constantes das Tabelas Salariais, anexos I e II, que vigorarão até 31/08/12.

Cláusula 1ª - Tabela Salarial A Companhia praticará os salários constantes das Tabelas Salariais, anexos I e II, que vigorarão até 31/08/12. O Departamento Jurídico do Sindipetro-LP, através de sua asssessoria jurídica, se debruçou sobre a contraproposta da Petrobrás e fez um levantamento minucioso das cláusulas que foram inseridas, retiradas

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000053/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001382/2009 NÚMERO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 18/ 02 /2008 17 / 02/2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Vitual Machine CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200 Grau

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000055/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR070984/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.112503/2010-92 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/1993 SESI/DR SERVIÇO SOCIAL DA INDUSTRIA SINDAF/DF PRIMEIRO TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA EM 30 DE AGOSTO DE 1993. ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2000/2001 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a Federação Única dos Petroleiros e os seguintes sindicatos: Sindicato do Ramo Químico/Petroleiro do Estado

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

Entre as partes de um lado: e, de outro lado:

Entre as partes de um lado: e, de outro lado: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Entre as partes de um lado: SINDICATO DOS TÉCNICOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO ESTADO DE SÃO PAULO, CNPJ nº 60.266.996/0001-03 e, de outro lado: SINDICATO DA INDÚSTRIA DA

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL COPEL 2015 PAUTA UNIFICADA SEÇÃO I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

CAMPANHA SALARIAL COPEL 2015 PAUTA UNIFICADA SEÇÃO I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CAMPANHA SALARIAL COPEL 2015 PAUTA UNIFICADA SEÇÃO I DO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO CLÁUSULAS ECONÔMICAS 01 REAJUSTE SALARIAL A partir de 1º de outubro de 2015, a Copel fará a correção salarial pelo índice

Leia mais

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE 1 - DEFINIÇÃO Adicional salarial a que fazem jus os servidores que trabalham em contato permanente sob condições de risco acentuado em determinadas atividades ou operações classificadas como perigosas

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014

Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA. Sindilojas, 24 de julho de 2014 Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA Sindilojas, 24 de julho de 2014 Legislação da CIPA Decreto-lei nº 7.036 de 10/11/1944 (Lei de Acidentes do Trabalho): Art. 82. Os empregadores, cujo número

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Parágrafo 1 - Somente os empregados que estejam no efetivo exercício de suas atividades na EMPRESA farão jus ao Vale Alimentação ou Refeição.

Parágrafo 1 - Somente os empregados que estejam no efetivo exercício de suas atividades na EMPRESA farão jus ao Vale Alimentação ou Refeição. PELO PRESENTE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, DE UM LADO A CDN SERViÇOS DE ÁGUA E ESGOTO S.A., INSCRITA NO CNPJ SOB N 07.496.584/0001-87, COM SEDE NA AVENIDA 20 DE JANEIRO S/ N - RUA E., ILHA DO GOVERNADOR,

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Data-base - Maio/2007 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 2 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 Estabelece instruções para o reconhecimento do tempo de serviço público exercido sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física pelo Instituto

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

TRANSPETRO/PRES/RH 4.022/12 Rio de Janeiro, 09 de janeiro de 2012.

TRANSPETRO/PRES/RH 4.022/12 Rio de Janeiro, 09 de janeiro de 2012. TRANSPETRO/PRES/RH 4.022/12 Rio de Janeiro, 09 de janeiro de 2012. À Federação Nacional dos Trabalhadores em Transportes Aquaviários e afins - FNTTAA Av. Passos, 120 3º e 4º andares Centro Rio de Janeiro

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54)

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54) INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 60, DE 20 DE AGOSTO DE 2012 (DOU de 21/08/2012 Seção I Pág. 54) Dispõe sobre os procedimentos operacionais a serem adotados pelas Unidades de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010) Atualizada até 26/05/2014 Estabelece instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVICO SOCIAL DO DISTRITO FEDERAL O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM MEDICINA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA - CODEBA 1. OBJETO Prestação de serviços em medicina

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

ACT-1997/1998. Cláusula Segunda - POLÍTICA DE CONCESSÃO DE ADICIONAIS, VANTAGENS E BENEFÍCIOS

ACT-1997/1998. Cláusula Segunda - POLÍTICA DE CONCESSÃO DE ADICIONAIS, VANTAGENS E BENEFÍCIOS ACT-1997/1998 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COMPLEMENTAR que entre si estabelecem, de um lado Centrais Elétricas do Sul do Brasil S.A. - ELETROSUL, neste ato representada por seu Diretor Presidente e Diretor

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000408/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/04/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR013582/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.008124/2014-42 DATA DO

Leia mais

Benefícios Sociais. Acordo Coletivo de Trabalho ACT 2014/2015. Assistente Social Julyana Albuquerque Gerência de Desenvolvimento Humano - GDH

Benefícios Sociais. Acordo Coletivo de Trabalho ACT 2014/2015. Assistente Social Julyana Albuquerque Gerência de Desenvolvimento Humano - GDH Benefícios Sociais Acordo Coletivo de Trabalho ACT 2014/2015 Assistente Social Julyana Albuquerque Gerência de Desenvolvimento Humano - GDH Vale Alimentação Saúde Seguro Coletivo A CAERN fornecerá mensalmente

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS Filiada à

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS Filiada à PAUTA DO SISTEMA PETROBRÁS TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013 2014, REAJUSTANDO CLÁUSULAS E CONDIÇÕES PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 1º DE SETEMBRO DE 2014. CLÁUSULA 1ª REAJUSTE SALARIAL Em 1º

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING 1 - BENEFICIÁRIOS São beneficiários do presente instrumento todos os empregados em Sociedades de Fomento

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL. (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO FINANCEIRA E ATUARIAL (Artigo 4º 2º, inciso IV, alínea a da Lei Complementar nº 101/2000) PLANO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE LONDRINA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061795/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010162/2010-81 DATA DO PROTOCOLO: 27/10/2010 SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSOES DE SAO

Leia mais

ELABORADO PELA COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS SALVADOR BA

ELABORADO PELA COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS SALVADOR BA 1 CADERNO DE ENGARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA ELABORAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS REFERENTES AOS PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA E PPR PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA,

Leia mais

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express

e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express e-book PPRA E PCMSO O QUE ISSO TEM A VER COM SEU PROJETO ARQUITETÔNICO OU MOBILIÁRIO? índice express Apresentação 2 PPRA perguntas & respostas 3 PCMSO perguntas & respostas 5 Links Úteis 6 apresentação

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF

PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF PAUTA DE REVINDICAÇÃO - 2015/2016 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL AR/DF CLÁUSULA PRIMEIRA VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO Page 1 of 7 NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505

Mauro Chagas Contador CRC/MT 7322/O-9 65 3549.3441 / 9995-8505 OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS Sumário 1. Introdução 2. Obrigações Mensais 2.1 - Salários 2.2 - CAGED 2.3 - INSS 2.4 - PIS - Cadastramento 2.5 - FGTS 2.6 - CIPA 2.7 - Exame Médico 2.8 - Acidente

Leia mais

Data de Vigência: Página 1 de 9

Data de Vigência: Página 1 de 9 Data de Vigência: Página 1 de 9 1- Objetivo: Realizar os exames admissionais, periódicos, demissionais e de retorno ao trabalho respeitando os critérios estabelecidos na NR 7. 2- Aplicação: Este procedimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 CLÁUSULA 1ª - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MT000484/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR040108/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46210.001341/2013-51 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO Por este instrumento, de um lado, representando os empregados, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DE CUIABÁ e VARZEA GRANDE, e do outro lado, representando os empregadores

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais