ANÁLISE DE ASPECTOS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE ASPECTOS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS"

Transcrição

1 ISSN ANÁLISE DE ASPECTOS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS DA INDÚSTRIA DE PETRÓLEO E GÁS Marcelo de Brito e Cunha Valladares (PETROBRAS) Gilson Brito Alves Lima (Universidade Federal Fluminense) Resumo Constata-se que os fornecedores de serviços desempenham um papel fundamental na indústria de petróleo e gás. De pequenos serviços sem muita importância para o core business, até operações complexas com alto risco financeiro e operacional, oos fornecedores estão presentes em praticamente todas as etapas da cadeia produtiva, consumindo um valor significativo do orçamento das empresas. Em termos de representatividade de pessoal, podem chegar a até 90 % da mão de obra utilizada em algumas atividades. Em função disso, a relação entre as empresas e seus fornecedores vem sendo estudada desde a década 60. Tradicionalmente, o contrato de prestação de serviços levava em conta apenas aspectos financeiros, legais e operacionais. No entanto, atualmente, em função das exigências das partes interessadas, aumentaram as pressões sob as companhias de petróleo no que diz respeito ao atendimento a requisitos de segurança, meio ambiente e saúde ocupacional (SMS) nas suas operações. Após ficar provado que existe uma relação direta entre a qualificação das empresas contratadas e os acidentes catastróficos, a gestão de SMS dos fornecedores tornou-se estratégica para a sustentabilidade das companhias, e estas passaram a investir esforços para monitorar o seu desempenho. Neste sentido, o objetivo do presente estudo é analisar aspectos de segurança, meio ambiente e saúde ocupacional no processo de avaliação de fornecedores de serviços da indústria de óleo e gás, no que diz respeito à sua importância e aos métodos empregados pelas operadoras, com base nos resultados obtidos a partir de uma pesquisa bibliográfica e de um survey aplicado com profissionais especialistas em SMS da PETROBRAS.

2 Palavras-chaves: Avaliação. Sistemas de Gestão. Fornecedor. SMS. 2

3 1. INTRODUÇÃO A maior parte das empresas da indústria de óleo e gás conta com fornecedores de serviços para executar suas atividades. Estes serviços variam de simples tarefas até sofisticadas operações com elevados riscos financeiros e operacionais, que podem comprometer até 80% do orçamento das operadoras (JATMIKA, 2009). Em muitas companhias, os fornecedores desempenham um papel quase exclusivo em operações como perfuração, completação de poços, construção e outras especialidades. Na década de 90, em algumas operadoras, a mão de obra contratada na área operacional chegava a 75% da força de trabalho (BLANTON e MONTGOMERY, 1991). Atualmente, ela pode chegar a 90% (EGBUMOKEI, 2008; BUELL 2006; TOUTAIN, 2008; JATMIKA, 2009). De acordo com os dados do Relatório da Associação Internacional de Produtores de Óleo e Gás (OGP), a partir da década de 90, houve um grande aumento no uso de pessoal contratado, que foi ainda mais acentuado na década seguinte, resultando em uma transferência de responsabilidade e riscos do cliente para os prestadores de serviço (OGP, 2010). HORAS TRABALHADAS (em milhões) Mão de obra contratada Mão de obra própria Gráfico 01: Comparativo entre horas trabalhadas por mão de obra própria e contratada. Fonte: OGP, Muitas catástrofes na indústria de petróleo estão relacionadas com a prevalência de mão de obra contratada nas operações (TOUTAIN, 2008). De fato, observa-se uma diferença significativa entre as estatísticas de acidentes da força de trabalho própria e contratada, 3

4 mesmo se analisadas as atividades administrativas, o que demonstra que a gestão de SMS dos fornecedores não está nos mesmos padrões das operadoras. De acordo com Ozumba e Oduah (2004), vários fatores contribuem para uma maior incidência de acidentes nos prestadores de serviços, tais como: o baixo nível de competência em gestão de SMS dos prestadores de serviços; o baixo nível de escolaridade dos empregados dos prestadores de serviços; falhas na elaboração do contrato de prestação de serviços; falhas na avaliação de riscos de SMS por parte do prestador de serviços; falta de cultura de SMS dos prestadores de serviços. Segundo Blanton e Montgomery (1991), a baixa performance de SMS dos fornecedores traz uma série de consequências negativas para a empresa contratante, tais como: aumento de custos; redução de produtividade; geração de processos legais; estímulo ao ceticismo da imprensa; aumento da pressão regulatória. Por estas razões, os fornecedores passaram a ser regularmente avaliados pelas operadoras, no que diz respeito à sua capacidade em atender e gerenciar questões relativas à segurança, meio ambiente e saúde (OZUMBA e ODUAH, 2004; BUELL, 2006; YING-CHUN et al., 2009). 2. SITUAÇÃO-PROBLEMA E OBJETIVO Apesar do processo de avaliação da gestão de SMS dos fornecedores ter seu valor amplamente reconhecido pela indústria de óleo e gás, à luz do referencial teórico, observa-se que não há um método mundialmente aceito por todas as operadoras. Isto dificulta o processo de avaliação da empresa contratante, o gerenciamento das questões de SMS por parte das empresas contratadas e a homogenização de parâmetros para efeitos comparativos dos resultados de desempenho de SMS dos fornecedores de serviços por parte do mercado e dos órgãos reguladores (VALLADARES, 2011). Considerando a situação-problema formulada, a presente pesquisa tem como objetivo identificar quais são os métodos utilizados atualmente pelas operadoras para a avaliação dos fornecedores de serviços da indústria de óleo e gás, bem como verificar a sua importância 4

5 relativa, com base nos resultados obtidos a partir de uma pesquisa bibliográfica e de um survey aplicado com profissionais de SMS da PETROBRAS. 3. METODOLOGIA Considerando a natureza do tema discutido, a situação-problema apresentada e os objetivos propostos, esta pesquisa pode ser classificada como aplicada, quanto aos resultados, qualitativa, quanto ao processo e bibliográfica, quanto ao objetivo (JILL, 2005). A pesquisa foi dividida em duas etapas. A primeira etapa foi de natureza bibliográfica, onde se buscou identificar os métodos atualmente utilizados pelas operadoras para a avaliação dos seus fornecedores de serviços, considerando suas particularidades de aplicação. O referencial teórico levou em conta o conhecimento contido em artigos científicos, dissertações, livros, relatórios e revistas. Na segunda etapa da pesquisa foi estruturada uma pesquisa do tipo survey junto a profissionais especialistas em SMS, a fim de suportar a análise da situação problema. O survey contou com os seguintes parâmetros: Público-alvo: Consultores, Gerentes e Coordenadores de SMS da PETROBRAS; População: 332 profissionais; Amostra 1 : 332 profissionais; O instrumento escolhido para esta etapa da pesquisa foi um questionário, que teve como objetivo coletar dados necessários para ampliar sua confiabilidade. O documento foi dividido em três partes: I Dados do Respondente Função: Tempo de experiência na área de SMS: 1 A amostra utilizada na pesquisa pode ser classificada como não-probabilística intencional. 5

6 Unidade que trabalha na companhia (E&P, Abastecimento, Gás e Energia, etc.): II Importância da Avaliação da Gestão de SMS Na sua opinião, porque é importante as empresas da indústria de óleo e gás avaliarem a gestão de SMS dos seus fornecedores de serviços? Seguem abaixo os principais fatores apontados pela literatura técnica consultada. Marque os itens que considere mais importantes. III Métodos de Avaliação da Gestão de SMS Na sua opinião, como as empresas da indústria de óleo e gás podem avaliar a gestão de SMS de seus fornecedores de serviços? Seguem abaixo as formas de avaliação utilizadas pelas empresas contratantes, segundo a literatura técnica consultada. Marque os itens que considere mais importantes. Inicialmente foi testado um questionário piloto com três profissionais (um consultor, um gerente e um coordenador), buscando coletar contribuições para o seu aprimoramento. Após sua aplicação, foram feitas pequenas alterações na estrutura, formato e conteúdo. O questionário final foi enviado por para o público-alvo da amostra selecionada, em conjunto com uma carta de apresentação da pesquisa, explicando seu escopo e importância, bem como a garantia da confidencialidade das informações e o prazo para resposta. O questionário foi elaborado, aplicado e analisado através do software SurveyMonkey (www.surveymonkey.com). Ele ficou disponível para respostas na Internet, entre os meses de maio e junho de 2011, e foi composto apenas de questões de múltiplas escolhas fechadas, com o objetivo de facilitar a coleta dos dados e a interpretação das respostas. 4. ANÁLISE DOS DADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 4.1 Quanto ao Perfil dos Respondentes do Survey 6

7 Tempo de experiência em SMS Função IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Foi selecionada uma amostra de 332 pessoas, das quais 75 responderam ao questionário. Os Gráficos abaixo mostram o perfil dos respondentes. Outra 6,25% 2,11% Gerente 41,25% 52,11% Consultor Coordenador 23,75% 18,67% 28,75% 27,11% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Valor Percentual Amostra Respondentes Gráfico 02: Distribuição percentual do item função do especialista (amostra x respondentes). Fonte: O autor. Acima de 20 anos 31,30% Entre 16 e 20 anos 7,50% Entre 11 e 15 anos 15,00% Entre 05 e 10 anos 28,80% Abaixo de 05 anos 17,50% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% 35% Respondentes Valor Percentual Gráfico 03: Distribuição percentual do item tempo de experiência (respondentes). Fonte: O autor. 7

8 Unidade Organizacional IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO Outra 18,80% Gás e Energia 7,50% SMES Corporativo Abastecimento 11,30% 11,30% Exploração e Produção Engenharia 25,00% 26,30% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 30% Respondentes Valor Percentual Gráfico 04: Distribuição percentual do item unidade em que trabalha (respondentes). Fonte: O autor. 4.2 Quanto à Importância da Avaliação da Gestão de SMS A avaliação da gestão de SMS do fornecedor de serviço é considerada muito importante pela literatura técnica. A Tabela 01 mostra os principais motivos citados pelos autores pesquisados: POR QUÊ é importante as empresas da indústria Nº de de óleo e gás avaliarem a gestão de SMS dos seus citações fornecedores de serviços? Autores Blanton e Montgomery, 1991; Riyamy, A1 1994; Knode e Cook, 2004; Ozumba e Devido ao elevado percentual de mão de 8 Oduah, 2004;Moreland e Smith, obra contratada na indústria de óleo e gás; 2007;Toutain, 2008; Jatmika,2009; Hou, 2009 Blanton e Montgomery, 1991; Brasic, Barber B1 Para garantir aderência ao sistema de e Hill, 1996; Mohamed, 1998; Price et al., 7 gestão de SMS da contratante; 2002 Lang et al., 2005 ; Toutain, 2008; Hou, 2009 Riyamy, 1994; Knode e Cook, 2003 C1 Para ajudar no processo de pré-seleção de Knode e Cook, 2004; Ozumba e Oduah, 7 fornecedor de serviços; 2004; Moreland e Smith, 2007; Toutain, 2008; Hou, 2009 D1 Para reduzir os riscos, evitar acidentes de 6 Riyamy, 1994; Moreland e Smith, 2007; 8

9 SMS e as perdas decorrentes dos mesmos; Toutain, 2008; Schey et al., 2008; Jatmika, 2009; Hou, 2009 E1 Devido ao grande volume de exigências legais de SMS na indústria de óleo e gás; 5 Blanton e Montgomery, 1991; Ozumba e Oduah, 2004; Lang et al., 2005; Moreland e Smith, 2007; Hou, 2009 F1 Para tornar transparente a relação entre contratado e contratante; 4 Blanton e Montgomery, 1991; Price et al., 2002; Moreland e Smith, 2007;Toutain, 2008 G1 Para garantir um mínimo de padrão de SMS nas atividades do prestador de serviços; 4 Riyamy, 1994; Ozumba e Oduah, 2004; Moreland e Smith, 2007; Hou, 2009 Devido ao histórico de alto índice de Blanton e Montgomery, 1991; Price et al., H1 acidentes com empregados de prestadores ; Ozumba e Oduah, 2004; Egbumokei, de serviços; 2008 I1 Devido ao alto nível de exposição ao risco dos trabalhadores da indústria de petróleo; 3 Ozumba e Oduah, 2004 Jatmika, 2009; Hou, 2009 J1 Para garantir aderência aos requisitos contratuais; 2 Blanton e Montgomery, 1991; Ozumba e Oduah, 2004 K1 L1 M1 N1 O1 P1 Q1 Devido ao baixo nível de competência em gestão de SMS dos fornecedores de serviços; Devido ao baixo nível de escolaridade dos empregados do prestador de serviços; Devido a falhas na elaboração contrato de prestação de serviços; Devido à falhas na avaliação de riscos de SMS por parte do fornecedor de serviços; Devido à falta de cultura de SMS dos prestadores de serviços; Para uma otimização de tempo e recursos financeiros; Para garantir vantagem competitiva da contratante. 2 Ozumba e Oduah, 2004; Price et al., Ozumba e Oduah, Ozumba e Oduah, Ozumba e Oduah, Ozumba e Oduah, Moreland e Smith, Moreland e Smith, 2007 Tabela 01: A importância da avaliação da gestão de SMS, de acordo com a literatura consultada. Fonte: O autor 9

10 Percentual IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO O Gráfico 05 mostra o percentual de citações de cada item da Tabela 01, no universo dos artigos científicos consultados: 100% 80% 60% 50% 44% 44% 38% 40% 31% 25% 25% 25% 19% 20% 0% 13% 13% 6% 6% 6% 6% 6% 6% A1 B1 C1 D1 E1 F1 G1 H1 I1 J1 K1 L1 M1 N1 O1 P1 Q1 Motivos Percentual de artigos que citam o item Gráfico 05: Percentual de citações na literatura consultada, sobre os motivos da avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços da indústria de óleo e gás. Fonte: O autor. Com o intuito de verificar a aderência da posição da literatura com a opinião do mercado, foi realizado um survey com os especialistas de SMS, no que diz respeito aos principais motivos para a avaliação da gestão de SMS dos fornecedores da indústria de óleo e gás. Foram escolhidos para o questionário (parte II do survey) os itens citados em pelo menos 3 artigos técnicos consultados, que correspondem ao intervalo entre os itens A1 e I1, conforme marcação em amarelo no Gráfico 05. Seguem abaixo os resultados desta pesquisa: POR QUÊ é importante as empresas da indústria Nº de Percentual com relação ao número de de óleo e gás avaliarem a gestão de SMS dos seus citações respondentes fornecedores de serviços? A1 Devido ao elevado percentual de mão de obra contratada na indústria de óleo e gás; 20 26,70 % B1 Para garantir aderência ao sistema de gestão de SMS da contratante; 43 57,30 % C1 Para ajudar no processo de pré-seleção de fornecedor de serviços; 24 32,00 % D1 Para reduzir os riscos, evitar acidentes de SMS e as perdas decorrentes dos mesmos; 66 88,00 % E1 Devido ao grande volume de exigências 18 24,00 % 10

11 Percentual IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO legais de SMS na indústria de óleo e gás; F1 Para tornar transparente a relação entre contratado e contratante; 10 13,30 % G1 Para garantir um mínimo de padrão de SMS nas atividades do prestador de 50 66,70 % serviços; H1 Devido ao histórico de alto índice de acidentes com empregados de prestadores 26 34,70 % de serviços; I1 Devido ao alto nível de exposição ao risco dos trabalhadores da indústria de óleo e 32 42,70 % gás; Z1 Outros. 9 12,00 % Tabela 02: A importância da avaliação da gestão de SMS do fornecedor de serviços, de acordo com os especialistas de SMS consultados no survey. Fonte: O autor O Gráfico 06 consolida os resultados da Tabela 02: 100% 88% 80% 60% 40% 20% 67% 57% 43% 35% 32% 27% 24% 13% 0% D1 G1 B1 I1 H1 C1 A1 E1 F1 Motivos Percentual de especialistas que citam o item Gráfico 06: Percentual de citações no survey, sobre os motivos da avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços. Fonte: O autor. Comparando os Gráficos 05 e 06, percebe-se uma ligeira diferença dos motivos mais apontados pela literatura e pelos especialistas, conforme demonstra o Gráfico

12 Percentual IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 100% 88% 80% 60% 40% 20% 50% 27% 57% 44% 44% 32% 38% 31% 24% 67% 35% 25% 25% 25% 13% 19% 43% 0% A1 B1 C1 D1 E1 F1 G1 H1 I1 Motivos Percentual de artigos que citam o item Percentual de especialistas que citam o item Gráfico 07: Comparação entre o percentual de citações na literatura com o de citações no survey, sobre os motivos da avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços Fonte: O autor. De acordo com 88% dos respondentes da parte II do questionário, o que corresponde a 66 profissionais, o principal motivo para a avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços é a redução dos riscos de SMS, a prevenção de acidentes e as perdas decorrentes dos mesmos (D1). O segundo motivo mais apontado pelos especialistas é a garantia de um mínimo de padrão de SMS nas atividades do prestador de serviços (G1) e o terceiro é a garantia da aderência ao sistema de gestão de SMS da contratante (B1). Quando comparamos estes dados com o resultado da pesquisa bibliográfica, verificamos que estes itens não são os mais citados pelos autores, no que diz respeito à importância da avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços. Nesta pesquisa, o item D1, por exemplo, é citado por apenas 38% dos 16 artigos relacionados ao tema. O pesquisador, sendo profissional de SMS, supõe a diferença identificada através do Gráfico 07 seja devida ao alto índice de acidentes de trabalho ocorrida com fornecedores nos últimos anos, bem como pelas dificuldades encontradas pela companhia para adequá-los aos altos padrões de SMS exigidos nos atuais instrumentos contratuais. Os comentários deixados pelos especialistas no campo Outros (Z1) da parte II do questionário corroboram para este argumento. Segundo um dos gestores, que tem mais de 20 anos de experiência, os fornecedores de serviços, salvo raras exceções, não possuem sistema 12

13 de gestão de SMS implantado antes do início do contrato de prestação de serviços e o fazem apenas por força da assinatura do contrato. Outros comentários também corroboram para a tese de que o fornecedor de serviços da indústria de petróleo e gás, no Brasil, ainda não está no patamar de excelência exigido pelas empresas contratantes. De acordo com os especialistas da PETROBRAS, a avaliação da gestão de SMS da contratada, além de ser importante para o gerenciamento do contrato de prestação de serviço, também pode ser indutora do mercado, no sentido de melhorar as questões de SMS nos serviços prestados para a indústria de óleo e gás. Uma vez que a grande maioria dos artigos citados na Tabela 01 foi elaborada por pesquisadores estrangeiros, as variações identificadas no Gráfico 07 também podem indicar que existe uma diferença entre a natureza dos problemas de gestão de SMS dos fornecedores do exterior e a natureza daqueles que estão diante dos fornecedores nacionais. 4.3 Quanto ao Método da Avaliação da Gestão de SMS Seguindo a mesma lógica de raciocínio do item anterior, buscou-se através de uma pesquisa bibliográfica identificar quais são os principais métodos utilizados pela indústria de óleo e gás para avaliar a gestão de SMS dos seus fornecedores de serviços. A Tabela 03 apresenta os métodos identificados na literatura. COMO as empresas da indústria de óleo e gás Nº de podem avaliar a gestão de SMS de seus Autores citações fornecedores de serviços? Riyamy, 1994; Brasic, Barber e Hill, 1996; Foster, 1998; Arias e Tucker, 2002; Knode A2 Através da realização de inspeções e auditorias; 13 e Cook, 2003; Knode e Cook, 2004; Ozumba e Oduah, 2004; Baird, 2004; Moreland e Smith, 2007; Toutain, 2008; Schey et al., 2008; Duplessis, Kutlay e Zaid, 2008;Al-Failakawi, 2008 Blanton e Montgomery, 1991; Foster, B2 Através de um painel de indicadores de desempenho de SMS; ; Arias e Tucker, 2002; Price et al., 2002; Knode e Cook, 2003; Knode e Cook, 2004; Lang et al., 2005; Toutain, 13

14 Percentual IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO C2 Através de um plano de trabalho de SMS; ; Bouacha, 2008 ; Abbaspour et al, 2008 ;Al-Failakawi, 2008 Riyamy,1994; Foster,1998; Knode e Cook, 2003; Knode e Cook, 2004; Ozumba e Oduah, 2004; Baird, 2004; Toutain, 2008; Al-Failakawi, 2008; Duplessis, Kutlay e Zaid, 2008; Jatmika, 2009 D2 Através da aplicação de questionários para avaliar o sistema de gestão de SMS do fornecedor; 6 Foster, 1998; Knode e Cook, 2003; Moreland e Smith, 2007; Toutain, 2008; Schey et al., 2008; Duplessis, Kutlay e Zaid, 2008 E2 Através de reuniões com o fornecedor de serviços. 5 Riyamy, 1994 ; Baird, 2004 ; Lang et al., 2005 ; Toutain, 2008 ; Al-Failakawi, 2008 Tabela 03: Métodos utilizados para a avaliação da gestão de SMS do fornecedor de serviços, de acordo com a literatura consultada. Fonte: O autor. O Gráfico 08 mostra o percentual de citações de cada item da Tabela 03, no universo dos artigos consultados. 100% 80% 60% 72,22% 61,11% 55,56% 40% 33,33% 27,78% 20% 0% A2 B2 C2 D2 E2 Métodos Percentual de artigos que citam o item Gráfico 08: Percentual de citações na literatura consultada sobre os métodos utilizados para a avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços da indústria de óleo e gás. Fonte: O autor. Como não há consenso na literatura com relação ao método de avaliação que seja mais adequado, foi realizado um survey com especialistas de SMS buscando saber a opinião destes 14

15 Percentual IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO profissionais. Foram selecionados os itens A2, B2, C2 e D2 para a parte III do questionário 2. A Tabela 04 apresenta os resultados desta pesquisa. O Gráfico 09 tabula estes dados. COMO as empresas da indústria de óleo e gás Nº de Percentual com relação ao número de podem avaliar a gestão de SMS de seus fornecedores citações respondentes de serviços? A2 Através da realização de inspeções e auditorias; 69 93,24 % B2 Através de um painel de indicadores de desempenho de SMS; 36 48,65 % C2 Através de um plano de trabalho de SMS; 21 28,38 % D2 Através da aplicação de questionários para avaliar o sistema de gestão de SMS do 15 20,27 % fornecedor; Z2 Outros ,92 % Tabela 04: Métodos de avaliação da gestão de SMS do fornecedor de serviços, de acordo com os especialistas de SMS consultados no survey. Fonte: O autor. 100% 93,24% 80% 60% 40% 20% 48,65% 28,38% 20,27% 18,92% 0% A2 B2 C2 D2 Z2 Métodos Percentual de especialistas que citam o item Gráfico 09: Percentual de citações no survey sobre os métodos de avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços. Fonte: O autor. Ao comparar os Gráficos 08 e 09, verifica-se uma coerência entre os métodos mais citados no referencial teórico e a opinião dos especialistas, conforme demonstra o Gráfico O item E2 não foi selecionado, pois foi identificado, pelo pesquisador, na literatura, somente após o envio do questionário para os especialistas de SMS. 15

16 Percentual IX CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO 100% 93,24% 80% 60% 40% 20% 72,22% 61,11% 48,65% 55,56% 28,38% 33,33% 20,27% 0% A2 B2 C2 D2 Métodos Percentual de artigos que citam o item Percentual de especialistas que citam o item Gráfico 10: Comparação entre o percentual de citações na literatura com o percentual de citações no survey, sobre os métodos utilizados para avaliação da gestão de SMS dos fornecedores de serviços. Fonte: O autor. Conforme consta na tabela acima, a realização de auditorias e inspeções no sistema de gestão da empresa contratada foi o método mais citado no survey (93,24 % dos especialistas), bem como o mais citado também na literatura técnica (72,22% dos autores), o que nos leva a crer que este é um método prioritário que deve ser utilizado pelas empresas contratantes. Os demais métodos são citados quase na mesma proporção, tanto pela literatura quanto pelos profissionais, o que sugere uma coerência entre os especialistas e os autores consultados. Outra posição convergente entre a pesquisa bibliográfica e o survey diz respeito à utilização paralela dos vários métodos de avaliação aqui apresentados. Segundo Knode e Cook (2004), a aplicação de vários métodos reduz a pressão sobre o sistema de indicadores, uma vez que a análise de desempenho de SMS da contratada passa a focar nos inputs que afetam as taxas e não apenas em números absolutos. A julgar pelos comentários abertos de alguns especialistas consultados no survey, a melhor forma de avaliar o fornecedor é de fato a combinação de vários métodos. Por exemplo, um dos consultores da área corporativa 3, que possui mais de 20 anos de experiência em SMS, sugere que os métodos sejam aplicados de acordo com a fase do contrato: 3 A Área corporativa de SMS da Petrobras atende a todas as unidades de negócio. Ela implementa políticas, diretrizes e padrões de SMS para toda a companhia, além de coordenar projetos estratégicos. Portanto, espera-se que os profissionais seniores deste setor tenham uma visão ampla do sistema de gestão de SMS da empresa. 16

17 Antes do contrato: aplicação de questionários e evidências das respostas. Durante o contrato: realização de inspeções e auditorias que devem gerar planos de ações para atender as não-conformidades encontradas. A eficácia dessas ações podem ser medidas através de um painel de indicadores de desempenho em SMS. Outro profissional, que atua como coordenador, também na área corporativa e possui mais de 20 anos de experiência na área de SMS, também sugeriu a seguinte sequência de aplicação dos métodos citados: Antes do contrato: pré-avaliação 4 ; Durante o contrato: fiscalização do cumprimento do anexo contratual, utilização de indicadores, realização de reuniões periódicas e elaboração de plano de trabalho. 5. CONCLUSÃO A primeira parte da pesquisa buscava fundamentar a importância do processo de avaliação de requisitos de SMS nos contratos de fornecimento de serviços da indústria de petróleo e gás, visando um melhor entendimento da situação-problema. À luz do referencial teórico, constata-se que o foco para melhorar continuamente o desempenho de SMS de um fornecedor deve ser a sua avaliação pela empresa contratante. Neste sentido, foram identificados na literatura 17 motivos que justificam a sua realização. Buscando saber quais destes itens são considerados mais importantes pelo mercado, foi realizada uma pesquisa do tipo survey com os profissionais de SMS da empresa selecionada para o estudo de caso. A investigação apontou 3 motivos principais, dentre aqueles que haviam sido identificados na pesquisa bibliográfica: Reduzir os riscos, evitar acidentes de SMS e as perdas decorrentes dos mesmos; Garantir um mínimo de padrão de SMS nas atividades do prestador de serviços; Garantir aderência ao sistema de gestão de SMS da contratante; 4 Não foi especificado o método que deve ser utilizado. 17

18 Supõe-se que estes itens tenham sido os mais citados por causa do elevado número de acidentes ocorridos nos últimos anos com empregados contratados da empresa estudada. A julgar pelo teor dos comentários deixados pelos especialistas na Parte II do survey, tudo indica que o desempenho de SMS dos fornecedores de serviços nacionais está abaixo do patamar de excelência exigido pelas empresas contratantes. Neste sentido, entende-se que o processo de avaliação da gestão de SMS é extremamente importante, seja para preservar a sustentabilidade das empresas contratantes, quanto para desenvolver os fornecedores de serviços, principalmente se for considerada a realidade da indústria nacional, no que diz respeito ao atendimento de requisitos de SMS. A segunda parte da pesquisa buscava identificar quais são os métodos empregados na indústria de óleo e gás para avaliar a gestão de SMS dos fornecedores de serviços. Em primeiro lugar, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, buscando descobrir quais são os mais citados na literatura. Foram identificados 5 tipos principais: Painel de indicadores de desempenho; Questionários; Auditorias e inspeções; Plano de trabalho de SMS; Reuniões com fornecedor. No entanto, conforme descrito na situação-problema, não há uma posição convergente na literatura com relação ao método que seja mais adequado. Por esta razão, foi realizada uma pesquisa do tipo survey, buscando consultar especialistas em SMS sobre o assunto. Dentre aqueles identificados na pesquisa bibliográfica, o método auditorias e inspeções foi citado no survey por 93,24% dos profissionais consultados, em um universo de 75 indivíduos. 18

19 Os demais foram citados na seguinte ordem: painel de indicadores de desempenho (48,65%), plano de trabalho de SMS (28,38), aplicação de questionários (20,27%) e outros (18,92%). Percebe-se que a ordem de preferência atribuída pelos especialistas é exatamente igual a da frequência de citações destes métodos na literatura, o que sugere uma coerência entre a posição do referencial teórico e a realidade do mercado. Porém, de acordo com especialistas consultados e certos autores, a melhor forma de avaliar a gestão de SMS do fornecedor seria combinar os vários métodos aqui apresentados, dependendo da fase do contrato de prestação de serviços. 6. BIBLIOGRAFIA ABBASPOUR, M., et al. Development of a model to assess environmental performance, concerning HSE-MS principles. Environmental Monitoring and Assessment, v.165, n.1-4, p , junho AL-FAILAKAWI, Ali; ARAVIND, Nandkumar; MOHIUDEEN, Mohammad K.S. Effective Contract Management A key for Better HSE Performance. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Nice, abril ARIAS, Daniel; TUCKER, Jan. Proactive Safety Management. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Kuala Lampur, março BAIRD, Jerry. When Pre-Qualification of Contractors Is Not Enough. American Society of Safety Engineers, ASSE Professional Development Conference and Exposition, Las Vegas, junho BLANTON, M.L.; MONTGOMERY, E.W. Contractor Safety: Matching Owners and Contractors. Society of Petroleum Engineers, SPE Health, Safety and Environment in Oil and Gas Exploration and Production Conference, The Hague, p , novembro

20 BOUACHA, Farid. HSE performance measurement and proactive reporting system within in Amenas Operations. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Nice, abril BRASIC, Michael F.; BARBER, Steven W; HILL, Alvin S. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Louisiane, junho BUELL, R.S.. Creating a Culture to Deliver Sustainable HSE Performance. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Abu Dhabi, abril DUPLESSIS, John; SEMITH, Kutlay; ZAID, Saleh. Effective HSE Shutdown Management in World s Largesta Gas Plant. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Nice, abril EGBUMOKEI, Peter Ifechukwude. Hearts and Minds to Hands and Feet. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Nice, abril FOSTER, David L. The Management of Contractor HSE. Society of Petroleum Engineers, Asia Pacific Oil and Gas Conference and Exhibition, Perth, outubro HOU, Xiru et al. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety and the Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Jakarta, agosto JATMIKA, Iwan. Integrated Risk Base Contractor Safety Management. Society of Petroleum Engineers (SPE). International Conference on Health. Safety & Environment in Oil & Gas Exploration & Production, Jakarta, Indonesia,

21 JILL, Collis; HUSSEY, Roger. Pesquisa em administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, KNODE, Tom; COOK, Pat. Evaluation Of Contractor HSE Performance Based On Lagging Indicators: Is There A Better Way? Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, p , Calgary, março KNODE, Tom; COOK, Pat. Evaluation Of Contractor HSE Performance The Industry at a Crossroad. Journal of Petroleum Technology, v. 55, no7, p , LANG, K., et al. The Good Practices in HS&E Management Contractors. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Kuala Lampur, setembro MORELAND John; SMITH, Jared. Developing a Quality Contractor Prequalification Program. American Society of Safety Engineers, ASSE Professional Development Conference and Exposition, Orlando, junho MOHAMED, Zarei B. Meeting the HSE Challenge. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Perth, outubro OGP - INTERNATIONAL ASSOCIATION OF OIL & GAS PRODUCERS.HSE management guidelines for working together in a contract environment. Londres: Relatório nº 423. OZUMBA, Chinyere I.; ODUAH, Arinze M. Contractor Management in The Niger Delta The SPDC Experiene. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Calgary, março

22 PRICE, J.G. et al. Safeguarding Our Assets through Contractor Partnership. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Kuala Lampur, p.8-10, março RIYAMY, A.M, The Management of Contractor HSE. Second International Conference on Health, Safety, and the Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Jakarta, janeiro SCHEY, J. et al. Harmonizing Efforts to Evaluate Contractor HSE Performance: The API PIDX Revision of RP 76. Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and the Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Nice, abril TOUTAIN, Patrick. Working in a Contractual Environment, "Pathways to a Common Goal". Society of Petroleum Engineers, SPE International Conference on Health, Safety, and Environment in Oil and Gas Exploration and Production, Nice, abril VALLADARES, Marcelo de Brito e Cunha. Análise de Aspectos de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) no Processo de Avaliação de Fornecedores de Serviços da Indústria de Petróleo e Gás: Um Estudo de Caso. 189f Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão) Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, YING-CHUN, W et al. Human Interface and the Management of Information: Designing Information Enviroments. Symposium on Human Interface 2009, San Diego, julho

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz SENAC GO Gestão da Tecnologia da Informação Tópicos especiais em administração Professor Itair Pereira da Silva Alunos: Eduardo Vaz Jalles Gonçalves COBIT COBIT (CONTROL OBJETIVES FOR INFORMATION AND RELATED

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras Objetivos do Cadastro de Fornecedores Legal: atender o decreto 2745 e preservar a Cia. em questões relacionadas ao mercado fornecedor; Empresarial:

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Os benefícios da ce ISO 14001

Os benefícios da ce ISO 14001 Pesquisa Os benefícios da ce ISO 14001 A Revista BANAS QUALIDADE e a Destaque Pesquisa e Marketing realizaram um estudo para medir o grau de satisfação da implementação da certificação ISO 14001. Confira

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR

Adriano Marum Rômulo. Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Adriano Marum Rômulo 2014 Uma Investigação sobre a Gerência de Projetos de Desenvolvimento de Software em Órgãos do Governo do Ceará com Base no MPS-BR Agenda I. Introdução II. Referencial Teórico III.

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CLÁUSULA DE INVESTIMENTOS EM P&D I. Aspectos gerais 1. Introdução O objetivo da cláusula de Investimentos em P&D é a geração de novas tecnologias, novos

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-057 - IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO SGI (MEIO AMBIENTE E SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO)

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO TRABALHO SEGURO SGTS NA LIGHT Autor Gustavo César de Alencar LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S.A. RESUMO O objetivo deste trabalho é mostrar todo o esforço que a Light

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal DESAFIOS E CARREIRA DOS PROFISSIONAIS DE PROJETOS Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Isabella Bueno Sócia- Fundadora da Martins & Bueno Assessoria em Recursos Humanos. Possui

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

1. Informações Institucionais

1. Informações Institucionais 1. Informações Institucionais Nossa Empresa Líder mundial em eventos de negócios e consumo, a Reed Exhibitions atua na criação de contatos, conteúdo e comunidades com o poder de transformar negócios Números

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Prof. Leandro Schunk TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Módulo 4 Governança de TI Dinâmica 1 Discutir, em grupos: Por que então não usar as palavras ou termos Controle, Gestão ou Administração? Qual seria a diferença entre os termos:

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

Contract Compliance Services

Contract Compliance Services RISK CONSULTING Contract Compliance Services Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros kpmg.com/br 2 / Obtendo mais valor dos seus relacionamentos com terceiros Gerenciando o risco e aumentando

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007

S e g u r a n ç a. d a. I n f o r m a ç ã o 2007 S e g u r a n ç a d a I n f o r m a ç ã o 2007 Uma corrente não é mais forte do que seu elo mais fraco. Tem medo de ataques? Tranque sua rede numa sala!. Só gerenciamos aquilo que medimos, só medimos aquilo

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes.

NOSSA HISTÓRIA. Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. NOSSA HISTÓRIA Desde 1988, ano de fundação da Qualtec, desenvolvemos as melhores soluções para nossos clientes. Estamos preparados para atuar no desenvolvimento, implementação, aprimoramento, treinamento

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras

Cadastro de Fornecedores. de Bens e Serviços da Petrobras Cadastro de Fornecedores de Bens e Serviços da Petrobras Plano Estratégico PETROBRAS Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nos mercados nacional e internacional,

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Integrando o PSM ao COBIT

Integrando o PSM ao COBIT Integrando o PSM ao COBIT Diana Baklizky, CFPS Qualified PSM Instructor ti MÉTRICAS Ltda www.metricas.com.br 1 Agenda Objetivo Governança de TI COBIT 4.1 Como o PSM pode ajudar Caso Prático Conclusão Referências

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico www.bethonico.com.br APRESENTAÇÃO Desde o ano 2000, a Bethonico Planejamento

Leia mais

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012

Pesquisa de Remuneração. Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Pesquisa de Remuneração Edição 2012 Consultoria - Gestão de Capital Humano Pesquisa de Remuneração A Deloitte conta com importantes métodos e parâmetros para ajudá-lo a definir mais adequadamente as estratégias

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles.

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

2.10 Um Framework para Avaliação da Implantação do MR MPS em Grupos Cooperados de Empresas

2.10 Um Framework para Avaliação da Implantação do MR MPS em Grupos Cooperados de Empresas 2.10 Um Framework para Avaliação da mplantação do MR MPS em Grupos Cooperados de Empresas Rafael Prikladnicki (PUCRS) rafaelp@pucrs.br Odisnei Galarraga odisnei@swprocess.com.br Agenda 1. Contexto, objetivos

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

Modelo de Plano de Ação

Modelo de Plano de Ação Modelo de Plano de Ação Para a implementação da Estratégia Multimodal da OMS para a Melhoria da Higiene das Mãos Introdução O Modelo de Plano de Ação é proposto para ajudar os representantes de estabelecimentos

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos em Gestão de Projetos DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho organizacional atingido pela DuPont não

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA

METODOLOGIA CIENTÍFICA EQE040 METODOLOGIA CIENTÍFICA www.liviajatoba.com/eqe040 Professora Livia Jatobá liviajatoba@eq.ufrj.br Aula 04: Desenvolvendo o problema científico. Metodologia e fases da pesquisa. 6 de abril de 2015

Leia mais

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir:

Os serviços, objetos desse termo de referência, deverão ser desenvolvidos em 03 (três) etapas, conforme descrição a seguir: Termo de Referência 1. Objeto Contratação de empresa especializada em gestão de saúde para execução de atividades visando a reestruturação do modelo de atenção à saúde, objetivando diagnosticar novas proposituras

Leia mais

Quem é a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore? O que a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore faz?

Quem é a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore? O que a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore faz? Quem é a GLOBAL GEOMÁTICA Divisão Offshore? Empresa de Engenharia com serviços especializados, produto da larga experiência de nossos profissionais em trabalhos de EVTEAs, Projetos Conceituais, Projetos

Leia mais

Prof. Aírton José Ruschel Mestre em Antropologia Jurídica Doutorando em Engenharia do Conhecimento EGC UFSC

Prof. Aírton José Ruschel Mestre em Antropologia Jurídica Doutorando em Engenharia do Conhecimento EGC UFSC Prof. Aírton José Ruschel Mestre em Antropologia Jurídica Doutorando em Engenharia do Conhecimento EGC UFSC airtonruschel@gmail.com Brasília, 19 e 20 de Setembro de 2011. Teoria Geral do Processo Eletrônico:

Leia mais

Primeira Pesquisa TecnoAtiva de Segurança da Informação da Bahia e Sergipe 2006

Primeira Pesquisa TecnoAtiva de Segurança da Informação da Bahia e Sergipe 2006 Apresentamos os resultados da Primeira Pesquisa TecnoAtiva de Segurança da Informação da Bahia e Sergipe, realizada com o apoio da SUCESU-BA. O objetivo dessa pesquisa é transmitir aos gestores e ao mercado

Leia mais

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional.

2.1 Os projetos que demonstrarem resultados (quádrupla meta) serão compartilhados na Convenção Nacional. O Prêmio Inova+Saúde é uma iniciativa da SEGUROS UNIMED que visa reconhecer as estratégias de melhoria e da qualidade e segurança dos cuidados com a saúde dos pacientes e ao mesmo tempo contribua com a

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia.

O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. O Grupo Gerdau incentiva o trabalho em equipe e o uso de ferramentas de gestão pela qualidade na busca de soluções para os problemas do dia-a-dia. Rio Grande do Sul Brasil PESSOAS E EQUIPES Equipes que

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES

ADMINISTRAÇÃO DE REDES E DATA CENTER 1º PERÍODO DE TECNOLOGIA DE REDES DESENHO DE SERVIÇO Este estágio do ciclo de vida tem como foco o desenho e a criação de serviços de TI cujo propósito será realizar a estratégia concebida anteriormente. Através do uso das práticas, processos

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais