EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA E PEDAGOGIA DA AUTONOMIA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA E PEDAGOGIA DA AUTONOMIA:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE MESTRADO EM EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA E PEDAGOGIA DA AUTONOMIA: RELEITURA DE UMA PRÁTICA DIDÁTICA MANOEL CARLOS DINIZ Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado da Faculdade de Educação da Universidade Católica de Petrópolis, como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre. PETRÓPOLIS 2004 I

2 MANOEL CARLOS DINIZ EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA E PEDAGOGIA DA AUTONOMIA: RELEITURA DE UMA PRÁTICA DIDÁTICA Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado da Faculdade de Educação da Universidade Católica de Petrópolis, como requisito parcial para obtenção do Grau de Mestre. Orientador: Prof. Dr. VICENTE DE PAULO CARVALHO MADEIRA Petrópolis 2004 II

3 Todo sucesso que obtive nessa vida devo aos meus pais, pois sempre que tive dúvidas de qual o caminho a seguir, não titubearam em apontá-lo; Em minhas preces, confidenciei a Deus que seria muito triste passar pela vida e não conhecer o amor. Como Deus é magnânimo em suas realizações, proporcionou-me o amor e a mulher-companheira fiel de todas as caminhadas; A eles, ofereço esta conquista. III

4 Diz o ditado que: quando se está pronto, o Mestre aparece. O meu Mestre é o professor Vicente Madeira, a quem devo a persistência da orientação segura. Por sorte, ainda ganhei o amigo das conversas francas e espirituosas, como só um cearense, ali de pertinho de Paris, sabe sê-lo. A ele, o meu muito obrigado! IV

5 Diga-me, e eu esquecerei. Mostre-me, e eu lembrarei. Envolva-me, e eu entenderei. Confúcio ( A.C.) V

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I O EMPREENDEDORISMO 1.1 O QUE É EMPREENDEDORISMO? O CONCEITO DE INOVAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O EMPREENDEDORISMO HISTÓRICO DO ENSINO DO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL O EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO SERRANA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO O EMPREENDEDORISMO NA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS: O PROEMPI O EMPREENDEDORISMO NA FACULDADE ARTHUR SÁ EARP NETO FASE CAPÍTULO II: DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA À PEDAGOGIA DA AUTONOMIA 2.1 CONTEXTUALIZANDO O CENÁRIO O EMPREENDEDORISMO COMO ESCAPE AO PROBLEMA DO DESEMPREGO NO SISTEMA 29 CAPITALISTA E A QUESTÃO DA EMPREGABILIDADE A QUESTÃO DA ABORDAGEM DAS COMPETÊNCIAS O EMPREENDEDORISMO NA PERSPECTIVA DA PEDAGOGIA DA AUTONOMIA CAPÍTULO III: A PESQUISA DIDÁTICO-PEDAGÓGICA SOBRE O EMPREENDEDORISMO 3.1 O EMPREENDEDORISMO EM SALA DE AULA A METODOLOGIA OS ATORES CAPÍTULO IV: OS RESULTADOS DA PESQUISA: APRESENTAÇÃO E ANÁLISE CATEGORIZAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UCP CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UCP CURSO DE INFORMÁTICA UCP VI

7 4.5 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS E ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR FASE COMENTÁRIOS E ANÁLISES CONCLUSÃO OBRAS CITADAS OBRAS CONSULTADAS VII

8 RESUMO A presente dissertação, tendo como objeto de estudo a relação entre a Educação Empreendedora com a Pedagogia da Autonomia, procurou demonstrar a possibilidade de emprego e utilização de elementos da pedagogia freireana na proposta didática das disciplinas Formação do Empreendedor e Vivências Empresariais, ministradas em instituições de ensino superior da Região Serrana do Rio de Janeiro. Destacaram-se, pela análise de discurso dos depoimentos espontâneos dos alunos das referidas disciplinas, categorias que atestam a influência exercida pela disciplina na sua vivência acadêmica e na sua prática profissional. Apresentou-se a metodologia utilizada, bem como diferenciou-se a proposta da educação empreendedora, aplicada nas instituições UCP e FASE, da proposta preconizada na prática de capacitação e treinamento de formação do empreendedor. Inclui-se a contribuição da Pedagogia da Autonomia para um repensar analítico-crítico em relação à educação empreendedora. Palavras-chaves: Empreendedorismo; Pedagogia da Autonomia; Educação Empreendedora; Empregabilidade; Competências. VIII

9 ABSTRACT This thesis focuses on the relationship between the Enterpreneur Education and Pedagogy of Autonomy. It aims showing the possibility of using elements of Paulo Freire s pedagogy in some disciplines that involve Enterpreneurship and Business in private universities of a given region of Rio de Janeiro state. Some students that attended the disciplines collaborated with spontaneous declarations which were analyzed in this study. Through this analysis it was possible to identify some categories that testify the influence of these kinds of disciplines in their academic life and professional experience. The methodology was presented and the enterpreneur educational proposal applied in universities as Universidade Católica de Petrópolis and Faculdade Arthur Sá Earp was contrasted with the one used in training and qualifying programs to enterpreneurs. It is included here the contribution of Pedagogy of Autonomy in order to search for a critical and analytical discussion of enterpreneur education. Key-words: Enterpreneurship, Pedagogy of Autonomy, Enterpreneur Education, Employability, Competencies. IX

10 X

11 INTRODUÇÃO O mundo atual vem se caracterizando pela velocidade de suas transformações. O processo de mudanças ocorre em todas as esferas da vida moderna, desde a forma de organização da sociedade, passando pela agilidade das mídias e introdução de novas formas de seu uso; o relacionamento entre as pessoas, as formas de socialização das novas gerações e, obviamente, o que é mais fundamental, o modo de produzir conhecimento e riquezas, que tem tido como uma de suas conseqüências a redefinição das relações do trabalho e, logicamente, a questão da empregabilidade que ganhou espaço e centralidade a partir dos anos de 1990 sendo definida como eixo fundamental de um conjunto de políticas supostamente destinadas a diminuir os riscos sociais do grande tormento deste final de século: o desemprego (GENTILI in LOMBARDI et al, 2002:52). Percebe-se portanto, que uma das características mais marcantes do século XX e, deste princípio do século XXI é o desemprego. Frigotto (ibid:70-73) afirma que a ideologia da globalização está produzindo um discurso mistificador de um movimento de reestruturação das forças produtivas, assumindo como pressuposta verdade a questão da empregabilidade, nos termos em que é posta pelos interesses do sistema econômico. O discurso da empregabilidade, por sua vez, ressalta a exigência de indivíduos forjados com XI

12 novas competências 1 para dar conta de uma nova ordem econômica, onde as empresas precisam desenvolver produtos e serviços inovadores para superar a concorrência acirrada, alargando seus mercados segundo as linhas e a dinâmica da globalização, redesenhando as relações de trabalho e produção. Na expectativa de compreensão e de transformação dessa realidade do desemprego dos indivíduos do contexto deste novo mundo de inovação e desenvolvimento é que se propõe este estudo do empreendedorismo, na qual estão estabelecidos dois núcleos: a) teoricamente, um paralelo entre a formação para o empreendedorismo e a Pedagogia da Autonomia tratando de Paulo Freire; b) empíricamente, uma investigação didático-pedagógica em sala de aula do desenvolvimento de uma disciplina acadêmica que tem como objetivo esta formação. Constata-se, preliminarmente, que o termo empreendedor é utilizado indistintamente tanto para identificar aquele que cria e gera valor a partir da inovação, provocando mudanças em seu ambiente, como para designar aquele que se aproveita de oportunidades temporárias e imediatas para conseguir o seu sustento, garantindo sua produtividade. Partindo do sentido e do significado que é atribuído ao termo, esta pesquisa buscará situar este conceito, no contexto das ciências sociais, tendo como base o que é proposto em Jean Baptiste Say (1803). Tendo como pano de fundo o desenvolvimento da idéia do empreendedorismo, esta pesquisa utiliza o espaço acadêmico universitário como seu locus, onde se implementa a disciplina Formação do Empreendedor: um programa de trinta encontros em que os alunos são preparados para iniciar o exercício de busca da autonomia, planejando uma vida profissional pautada na sua realização como indivíduo, mas sem perder a perspectiva do coletivo, organizando seu negócio de forma a contribuir para o incremento do ambiente no qual estão inseridos. Em sua orientação teórica, esta investigação pretende investigar em que pontos e de que maneira a proposta freiriana de educação autônoma possa ou fornecer os elementos 1 Deluiz assim define competência : Não é um conceito preciso nem é empregado com o mesmo sentido nas várias abordagens. Origina-se das Ciências da Organização e surge num conceito de crise do modelo de organização taylorista e fordista, mundialização da economia, exacerbação da competição nos mercados, exigências de melhoria da qualidade dos produtos e flexibilização dos processo de produção e de trabalho. (DELUIZ, 1996:18) XII

13 de análise da concepção empreendedoristica da autonomia ou oferecer subsídios para uma revisão do empreendedorismo. Nisto se estaria superando a concepção utilitarista do comportamentalismo pragmático e trazendo os benefícios de uma concepção humanista da educação, da produção e do trabalho. A presente pesquisa procura demonstrar a noção de que o empreendedorismo não surgiu recentemente, mas remonta ao século XVIII, já mencionada e tratada pelo autor francês Jean Baptiste Say (1803), sendo, porém, o autor inglês Schumpeter quem a aproxima (1911) das concepções atuais. [...] O impulso fundamental que põe e mantém em funcionamento a máquina capitalista procede dos novos bens de consumo, dos novos métodos de produção ou transporte, dos novos mercados e das novas formas de organização industrial criadas pela empresa capitalista. (SCHUMPETER,1982:105) Neste contexto, o entrepreneur é aquele no qual se reconhece capacidade empreendedora, que opera negócios em busca de novas combinações, que demonstra capacidade de previsão e iniciativa. A influência da razão inovadora- um dos mais fortes elementos do movimento do empreendedorismo- como catalisadora do processo produtivo, vem se dando desde o século XVIII. O que passa a ocorrer a partir da metade do século XX até o presente momento, é o aumento da intensidade, amplitude e velocidade em que tais mudanças vinham e estão impactando a sociedade. Houve época em que as inovações descobertas em uma geração só produziriam mudanças nas gerações seguintes, propiciando o tempo necessário a todo tipo de adaptações e exigindo, inclusive, transformações profundas no que tange formação dos indivíduos. No caso da educação, e em particular da educação superior, materializa-se um acentuado processo de mudanças com uma nova compreensão em que se identifica educação como bem de consumo individual ou seja, um produto - e como habilitação ou credencial para o mercado de trabalho. Esta transformação repercute no ensino superior, não por se tratar de um modismo, mas de uma tendência que vem se consolidando e que avança em todas as áreas do conhecimento e em todas as categorias de instituições XIII

14 universitárias, numa consolidação crescente, caracterizando-se, também, pela complexidade de situações. É neste contexto que se situa a inclusão curricular de uma disciplina com objetivo de dar ao estudante uma visão do empreendedorismo. Esta pesquisa pretende debruçar-se sobre este objeto, numa abordagem didático-pedagógica. Com efeito, o empreendedorismo, como atividade humana, inscreve-se em diferentes cenários desde o mais particular e simples de culturas rurais até ao mais geral - das políticas econômicas, da geração de novas formas de produção, da comercialização até a tributação, do financiamento até à distribuição de renda. Entende-se, pois, que o ensino superior não poderia desconhecer a via aberta pelo empreendedorismo. Entende-se também que a análise crítica do empreendedorismo não signifique uma negação desta realidade histórica. Numa visão de complexidade, o fenômeno do empreendedorismo apresenta-se por diferentes aspectos ou dimensões através dos quais se manifesta, demonstrando possuir uma face social, política, econômica e ideológica, revelando o interesse de diferentes grupos ou classes. Ele implica, por natureza, uma face econômica na qual se colocam em jogo as opções sobre modelos de desenvolvimento, sobre o tipo de sociedade que se quer. O empreendedorismo não aparece como uma fato puro, imune aos determinantes históricos com suas respectivas orientações ideológicas, marcadas pelos interesses das classes industriais, comerciais e de pequenas empresas, nas suas confederações, federações e outras organizações, como se vê nas iniciativas da CNI / FIRJAN, da CNC / SENAC, do SEBRAE e outros. O empreendedorismo possui também uma face cultural, em que se confrontam diferentes racionalidades epistemológicas, resultando em modos diversos de compreender e conceber a Educação para o Empreendedorismo. O empreendedorismo vem sendo apresentado como uma nova postura profissional a ser adotada pelos profissionais do futuro, pelos que querem ter futuro. Aqui está talvez o grande engodo. Entende-se que o indivíduo que se utiliza das características empreendedoras seja capaz de promover, por si só, o desenvolvimento econômico do ambiente em que está inserido. Cria-se o mito de um agente provocador e/ou fomentador de XIV

15 mudanças. Omitem-se as circunstâncias e condições históricas e objetivas em que se exercita o empreendedorismo. Não sendo uma ciência, a cultura empreendedora a ser academicamente trabalhada em sala de aula, necessita de argumentos teóricos, de referências metodológicas e de indicações técnicas para constituir-se enquanto uma disciplina de cursos de formação superior. Em síntese, toma-se, pois, como objeto desta pesquisa o desenvolvimento didático-pedagógico, em sala de aula, da disciplina que leva o título de Formação do Empreendedor, na Universidade Católica de Petrópolis - UCP e de Vivências Empresariais, na Faculdade Arthur Sá Erp FASE, são duas instituições de ensino superior da região serrana do Estado do Rio de Janeiro, mais especificamente, da cidade de Petrópolis. A questão que se propõe é: quais as repercussões percebidas pelos alunos, em sua vida, pessoal e profissionalmente, a partir da participação na disciplina Formação do Empreendedor? Parte-se de uma colocação sobre o empreendedorismo e o seu ensino no Brasil e na Região Serrana do Rio de Janeiro (capítulo I). Confrontam-se as propostas da pedagogia do empreendedorismo e da pedagogia freiriana da autonomia (capítulo II). Em seguida apresenta-se a pesquisa didático-pedagógica realizada, com a metodologia aplicada (capítulo III). Por fim, delineiam-se os resultados obtidos na coleta de depoimentos dos alunos, através de análise de conteúdo (capítulo IV). XV

16 CAPÍTULO I O EMPREENDEDORISMO 1.1 O QUE É O EMPREENDEDORISMO Muitas são as definições para o termo empreendedorismo encontradas desde as obras de Cantillon (1755), Jean Baptiste Say (1803) e Joseph A. Schumpeter (1906), até Peter Drucker (1950) nos dias de hoje. A começar com a origem da palavra Entrepreneur (francês) e Entrepreneurship (inglês) que, na língua francesa apresentavam problemas de definição, vários autores passam a usá-la sem parcimônia para significados distintos. Segundo Dolabela (1999:47) Duas correntes principais tendem, no entanto, a conter elementos comuns à maioria delas. São as dos pioneiros do campo: os economistas, que associaram o empreendedor à inovação, e os comportamentalistas, que enfatizam aspectos atitudinais, com a criatividade e a intuição. Na ótica de Schumpeter, segundo Hugon (1980), a essência do capitalismo está centrada na figura do empresário, mais que isto na função do empresário: O elemento motriz da evolução é constituído pelas inovações, fontes de combinações novas das forças produtivas realizadas pelo empresário e que, ao se propagarem, vão provocar desequilíbrios. Estes pelos mecanismos dos ciclos, tendem a novos desequilíbrios em níveis mais elevados e esta prosperidade engendra o lucro, recompensa por seu trabalho de inovação, que recebe o XVI

17 empresário. Não há, pois, evolução sem inovação, nem inovação sem empresário, nem empresário sem crédito (HUGON, 1980: 417). Nesta perspectiva, pode-se aceitar como empreendedorismo: a arte de inovar pelo conhecimento, agregando valor aos produtos e serviços à disposição da sociedade. Um conceito simples, mas abrangente, onde o empreendedor é aquele que se propõe ao movimento constante de busca pela inovação, aproveitando qualquer oportunidade para, em agregando valor, transformá-la em riqueza. Como se pode ver no gráfico que se segue, o cenário para o desenvolvimento das condições ambientais favoráveis necessita de insumos: aliada à Educação Formal do Indivíduo (a) (conhecimento adquirido no ensino formal), insere-se a Cultura Empreendedora (b) que corresponde à assimilação das características empreendedoras que são estimuladas a partir da perspectiva de aproveitamento das Oportunidades (g). Para tanto, faz-se necessário que Políticas Locais (c) (legalização da empresa, local com infraestrutura mínima para desenvolvimento do negócio) propiciem condições favoráveis ao desenvolvimento de negócios. Dessa forma, cria-se o ambiente favorável ao surgimento da Inovação (f). Esta Inovação necessita ser irrigada com Crédito (d) (linhas de financiamento com juros acessíveis) e Apoio Institucional (e) (incubadoras de empresas, organizações governamentais e privadas de fomentos). O empreendedor, ao aproveitar as Oportunidades (g) criadas pelas condições ambientais favoráveis, inicia um novo Ciclo de Desenvolvimento (h) na sociedade, gerando valor para si e conseqüentemente para os participantes envolvidos no ambiente de negócio (geração de empregos e de novas condições favoráveis ao surgimento de novos empreendedores). Há, portanto, uma retroalimentação no Ciclo de Desenvolvimento (h) e a sustentação do cenário de condições ambientais favoráveis ao empreendedorismo. Faz-se necessário ressaltar que identificam-se dois tipos de empreendedores: (a) aquele que empreende por uma perspectiva de sobrevivência e (b) o empreendedor inovador, aquele que transforma a realidade à sua volta. XVII

18 No primeiro caso, o empreendedor aproveita oportunidades que surgem em função de suas disponibilidades. Empreende um negócio a partir de suas necessidades esporádicas e temporárias, não produzindo mudanças na sociedade. Seu empreendimento, sua ação, é de curta duração e é visto, pelo mercado, como atividade marginal 2. No segundo caso, o empreendedor inovador, transforma a realidade à sua volta, provocando mudanças no status quo, quebrando paradigmas, desenvolvendo novos negócios ou exercitando novas perspectivas para o mesmo. É este o responsável pelo fomento dos ciclos de desenvolvimento crescentes no mercado. Para se compreender o quão intimamente se relaciona a ação empreendedora com a questão da inovação, encontra-se no pensamento de Schumpeter (1961), a referência teórica básica para esta elaboração, como se vê a seguir. 2 Marginal na concepção da Economia é a atividade secundária. Aqui aplica-se, além de nessa perspectiva, no sentido de à margem do movimento de empreender novos negócios a partir de processos inovadores. XVIII

19 1.2. O CONCEITO DE INOVAÇÃO E SUA RELAÇÃO COM O EMPREENDEDORISMO XIX

20 Cário e Pereira 3 (2003) afirmam que as inovações, para Schumpeter (1982), rompem o quadro de equilíbrio do mercado, possibilitando: o ensejo à expansão econômica, dando lugar ao desenvolvimento, progresso e à evolução. As inovações possibilitam deslocamento da função de produção, com mudança na curva de custos ou pela criação de novas funções de produção através de novas combinações. Afinal, o que são estas novas combinações promovedoras de inovações? Para Schumpeter são: a) novos produtos; b) novos métodos de produção; c) abertura de novos mercados; d) novas fontes de matérias-primas; e e) novas formas de organização industrial. (CÁRIO; PEREIRA, 2003: 2 ) A inovação estaria relacionada à criação de um novo bem ou serviço a ser oferecido ao consumidor, não estando este familizarizado com o mesmo, ou ainda, à agregação de um valor a um bem ou serviço já conhecido. Este movimento de gerar o novo para consumo, quebra a rotina do sistema econômico que mobiliza esforços concentrados para se adaptar e adaptar o mercado a partir da introdução desse elemento desestruturante que é a inovação. Nesta perspectiva, ocorre o processo de destruição criadora, onde o novo compete e supera o antigo. Isto revoluciona a estrutura econômica desde o seu interior, destruindo incessantemente a antiga e criando incessantemente uma nova estrutura. Fundamenta a dinâmica concorrencial capitalista, na medida em que determina superioridade decisiva de custos e de padrão de qualidade, altera a margem de lucro, eleva o nível de produção e abala os alicerces e a própria existência da concorrência. (CARIO; PEREIRA, 2003: 3) 3 Cario e Pereira in Inovação e desenvolvimento capitalista: referências histórica e conceitual de Schumpeter e dos Neo-Schumpeterianos para uma teoria econômica dinâmica. Paper disponível em acessado em novembro de Silvio Antônio Ferraz Cário é Prof. do Departamento de Ciências Econômicas e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas e Pesquisador do Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Fernanda Cristina B. Pereira é Mestre em Engenharia de Produção e Profa. do Departamento de Administração da Universidade do Extremo Sul Catarinense - Unesc.. XX

21 Cário e Pereira (ibid) afirmam que para Schumpeter é o empresário [...] aquele que tem capacidade empreendedora, que opera negócios em busca de novas combinações, que tem capacidade de previsão e iniciativa. Trata-se de uma pessoa desprovida de dados para suas decisões, deve prever e julgar com base na sua experiência e saber que seu sucesso conta com a intuição, com a capacidade de ver as coisas. Como, geralmente, todo indivíduo sente-se relutante em fazer o novo, o empresário tem que possuir força de vontade e ter tempo para conceber e elaborar novas combinações. Da mesma forma, como todo indivíduo depara com reação social contrária quando deseja fazer mudanças, o empresário defronta com resistências econômicas derivadas de grupos contrários às inovações. Apesar destas dificuldades existem motivações para o empresário: há um sonho e o desejo de fundar um reino privado, há o desejo de conquista, há o impulso para lutar e há a alegria de criar, de fazer as coisas, de exercitar a energia e a engenhosidade. (ibid:3-4 ) Além disto, há a corrente neo-schumpeteriana que agrega uma nova perspectiva à inovação, sendo uma série de atos unidos no processo inventivo, fator crucial para explicar os ciclos econômicos e a dinâmica do crescimento econômico. A inovação permite a evolução da firma, modifica a estrutura da indústria e altera sua capacidade competitiva.(ibid:6) É importante ressaltar que a inovação está além de ser a implantação de algo novo, um produto, um serviço, um processo no mercado; pressupõe: um processo social que suporta a novidade técnica sustentada economicamente e segue procedimentos estabelecidos, em que estão presentes processos de busca, rotinas e seleção; desenvolve formas de aprendizado; envolve organização formal que depende de infra-estrutura tecnológica e gastos para pesquisa; e seus avanços decorrem também de relações entre a ciência e a tecnologia. (CÁRIO; PEREIRA, 2003 :7-8) O que difere a visão shumpeteriana da atual perspectiva da inovação é o momento histórico em que se vive e se exige este processo de inovação. Para Schumpeter, a inovação cria o novo e provoca mudanças no sistema econômico, gerando resultados para quem a produz e desenvolvimento para o mercado e à sociedade. XXI

22 Hoje, a inovação é condição sine qua non para as organizações, deixando de ser uma busca, uma iniciativa individual, tornando-se um exercício coletivo permanente, sob pena de as organizações perderem suas vantagens competitivas na relação de mercado HISTÓRICO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NO BRASIL De acordo com Dolabela (1999: 54-55) as primeiras iniciativas para o ensino de empreendedorismo nas IES remonta a 1981, com a criação da disciplina Novos Negócios na Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas. Em 1984, a FGV estende o curso para a graduação. Na época, a USP começa a oferecer a disciplina Criação de Empresas, no curso de graduação em Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. O Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul cria a disciplina de Ensino de Criação de Empresas. Em 1985, a FEA/USP inaugura a disciplina Criação de Empreendimentos de Base Tecnológica, no Programa de Pós-Graduação em Administração. Com o apoio do Sebrae, em 1992, a FEA oferece o Programa de Formação de Empreendedores voltado a profissionais da comunidade interessados em abrir uma empresa. Neste mesmo período, a Universidade de Santa Catarina cria a Escola de Novos Empreendedores (ENE). Ainda nesta época, é constituído o Cesar Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, por iniciativa do Departamento de Informática da Universidade Federal de Pernambuco, com suporte da Fundação de Apoio a Ciência do Estado de Pernambuco (Facepe). Em 1993, o programa Softex, do CNPq, desenvolve uma metodologia de ensino para ser oferecida no curso de graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Brasília. Em 1995, a Escola Federal de Engenharia de Itajubá, em Minas Gerais, cria o Cefei Centro Empresarial de Formação Empreendedora. A partir de 1996, surgem em todo país projetos universitários de empreendedorismo, entre os quais o Instituto Gênesis para a inovação e Ação XXII

23 Empreendedora, da PUC RJ. Em 1997 registra-se a constituição do Programa Reune Rede de Ensino Universitário de Empreendedorismo, apoiado por um consórcio de instituições formado pelo Sebrae-Minas, Instituto Euvaldo Lodi (IEL), Fumsoft, Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia e Fundação João Pinheiro. Em 1998, o IEL e Sebrae Nacional lançam o Programa Reune-Brasil, estendendo a filosofia empreendedora a todo país. Registra-se em paralelo, o crescimento do número de incubadoras de empresas nas universidades, saltando de duas para setenta e oito. Em 1998, o Instituto Nacional de Telecomunicações - INATEL - cria o NEMP [INATEL, 2002], com objetivo de agregar valores de cultura empreendedora à sua comunidade acadêmica, desenvolvendo-a nesta área. Em 1999, o Instituto Euvaldo de Lodi cria o Prêmio IEL de Interação Universidade Indústria Programas de Empreendedorismo nas Instituições de Ensino Superior, que tem como vencedora a sua primeira edição a PUC- RJ O EMPREENDEDORISMO NA REGIÃO SERRANA A presença da cultura empreendedora nas instituições de ensino superior na região serrana tem sido fomentada pela implantação do projeto Petrópolis Tecnópolis, criando um cenário extremamente favorável para o fomento de iniciativas como incubadoras de empresas, acordos de cooperação e desenvolvimento de novas tecnologias e processos inovadores. O projeto Petrópolis-Tecnópolis surgiu do interesse da sociedade local em assumir uma nova economia em substituição ao modelo industrial dominante em décadas passadas. Ele inspirou-se no modelo francês Sophia Antipolis 4. O objetivo principal do projeto é viabilizar o desenvolvimento tecnológico não apenas da cidade de Petrópolis, mas de toda a região serrana. 4 Sophia Antipolis situa-se em Nice, Sul da França. É considerada uma das mais bem sucedidas tecnópolis no mundo, concentrando empresas onde atuam 20 mil profissionais, incluindo cientistas e engenheiros. Seu modelo, criado na década de 70, ainda é tido como um dos mais arrojados no mundo e alcançou sua maturidade em 20 anos, segundo o senador Pierre Laffitte, idealizador do projeto Sophia, que esteve visitando Petrópolis-Tecnópolis em 2001, Sophia e Petrópolis já são parceiras desde esta data, com intercâmbio cultural e científico. In acessado em novembro de XXIII

24 Com a perspectiva tecnológica, Petrópolis-Tecnópolis atrai para o entorno da cidade novos empreendimentos, incrementando a economia da região. Identifica vocações para áreas determinadas, abraçando projetos em tecnologia de informação, computação, biotecnologia, telecomunicações, os quais são conduzidos por um conselho composto por 16 entidades representantes da sociedade, do segundo setor e do governo, além da FUNPAT 5. O projeto ainda conta com o envolvimento de empresas com a nova postura empreendedora 6, instituições de ensino, agências de fomento, órgãos não governamentais e centros de pesquisa, mobilizados na perspectiva do desenvolvimento da economia inovadora a partir do investimento em novas idéias e no capital intelectual do empreendedor 7. Com a intenção de que empresas, por afinidade, posicionem-se em áreas físicas próximas, para permitirem sinergias, compartilharem dispêndios em logística para redução de custo e viabilização de parcerias de negócios em áreas afins, surgiu o conceito de dividir, geograficamente, o projeto em tecnopólos, solucionando ou equacionando, inclusive, a dificuldade da cidade de Petrópolis em identificar grande espaço físico que comportasse um projeto dessa magnitude. Cinco são os tecnopólos que constituem o projeto, direcionados, cada um deles, a um segmento específico da área tecnológica: Tecnopólo 1, no Quitandinha: computação, softwares, linguagens, suprimentos e provedores da Web; Tecnopólo 2, em Corrêas: telecomunicações; Tecnopólo 3,em Itaipava: biotecnologia; Tecnopólo 4, em Duque de Caxias: metrologia, aproveitando a presença do Inmetro. 8 Tecnopólo 5, no Bingen: hardware e empresas de base econômica. 5 Fundação Parque de Alta Tecnologia 6 Micros, pequenas e médias empresas, principalmente de base tecnológica. 7 Algumas instituições comprometidas com o Projeto Petrópolis-Tecnópolis: Universidade Católica de Petrópolis, Faculdade Arthur Sá Earp Netto, Estácio de Sá, Prefeitura Municipal, Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa), Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), LNCC (Laboratório Nacional de Computação Científica), Funpat (Fundação Parque de Alta Tecnologia), Riosoft, Acirp (Associação Comercial, Industrial e Rural de Petrópolis), Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Instituto Itaipava e o Governo do Estado, entre outras. 8 Instituto Nacional de Metrologia, localizado em Xerém. XXIV

25 Neste cenário, as instituições de ensino superior assumem uma missão de grande responsabilidade: formar, dentro da cultura empreendedora, futuros profissionais, com o perfil adequado à proposta do projeto Petrópolis-Tecnópolis. Pierre Laffitte, em visita a Petrópolis, no ano de 2001, afirmou que um dos ingredientes principais para que o projeto Petrópolis-Tecnópolis seja bem-sucedido é transmitir aos alunos a relevância econômica e cultural do projeto e as perspectivas futuras de mercado profissional. 9 Com essa afirmação, reforça-se a importância da inserção da cultura empreendedora nas instituições de ensino principalmente nas faculdades e universidades. Neste contexto, a UCP saiu na frente e implantou a sua primeira Incubadora de Empresas através do PROEMPI - Programa de Empreendedorismo integrada ao espírito do Projeto Petrópolis-Tecnópolis. Os planos de negócios incubados são de base tecnológica, desenvolvidos por alunos e professores da instituição, abraçando iniciativas de outros empreendedores que não sejam da UCP. Ao assumir esta missão de fomento da cultura empreendedora, oferecendo no espaço universitário estrutura física, recursos materiais e suporte administrativo-acadêmico, as instituições locais de ensino superior, engajadas no projeto, são responsáveis pela integração academia-mercado, permitindo que o espaço da pesquisa acadêmica possa resultar em aplicação desta no mercado, gerando futuros negócios e conseqüente desenvolvimento econômico para a sociedade. 9 In Distribuição da População por Anos de Estudo. Fundação CIDE Centro de Informações e Dados do Rio de Janeiro. Em acessado em novembro de XXV

26 1.4.1 O EMPREENDEDORISMO NA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS O PROEMPI Com a intenção de fomentar a cultura empreendedora e permitir que as pesquisas científicas desenvolvidas no espaço da universidade pelos seus pesquisadores 10 assumam uma perspectiva prática, a UCP constituiu o PROEMPI Programa de Empreendedorismo e Incubadora de Empresas. Trata-se de consolidar projetos acadêmicos, permitindo a geração de novos negócios formatados em micro e pequenas empresas que desenvolvem novos produtos, processos ou serviços de base tecnológica. Com a viabilização dessas empresas há uma conseqüente expansão do mercado de trabalho e maior desenvolvimento sócioeconômico da região. Professores também são orientadores de projetos dos alunos empreendedores, apoiados ainda pela Empresa Jr., que elabora os planejamentos estratégicos na fase de préincubação. Além disso, os empreendedores contam com uma estrutura de apoio operacional 11 constituída por recepcionista, sala de reunião, com área de uso compartilhado entre as empresas incubadas, recursos multimídia, participação em eventos, palestras e rodadas de negócios, assessoria empresarial 12. O espaço físico é estruturado numa sala equipada com instalações elétricas e acesso à internet. Podem ainda ter suporte dos laboratórios de informática e biblioteca da universidade. 10 Professores pesquisadores em conjunto com alunos de graduação, envolvidos nos programas de iniciação científica e os de pós-graduação. 11 In acessado em novembro de Suporte oferecidos através das diversas Unidades Universitárias da UCP. XXVI

27 Abaixo é apresentado o fluxograma de evolução da incubação de um negócio dentro da incubadora UCP. Na perspectiva desse modelo, a incubação se dá em três fases, com o objetivo final de amadurecimento do negócio para ser empreendido fora da incubadora, estruturada como micro, média ou pequena empresa. Fonte: acessado em novembro de XXVII

28 O EMPREENDEDORISMO NA FACULDADE ARTHUR SÁ EARP NETO - FASE Especialmente comprometida com as comunidades que a cercam, a FASE implanta em sua grade curricular a disciplina Seminários e Vivências Empresariais, com a finalidade de desenvolver em seus alunos o espírito empreendedor, pois entende que o desenvolvimento destas comunidades, necessita de um profissional que perceba o cenário à sua volta com a perspectiva de identificar oportunidades que gerem tranformações para a sociedade, fazendo da criatividade uma arma poderosa para vencer a adversidade e gerar resultados em suas áreas de atuação. Ao associar a formação empreendedora de seus alunos com o compromisso social, intenciona transformar a instituição em um centro irradiador de desenvolvimento, que se auto-alimenta continuamente com o exercício dos educandos em criar novas idéias, quebrar paradigmas e gerar inovação. XXVIII

29 CAPÍTULO II DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA À PEDAGOGIA DA AUTONOMIA 2.1 CONTEXTUALIZANDO O CENÁRIO Segundo Manangão (2003) é inegável o fato do impacto das tecnologias de informação mudarem o mundo e a forma como vem se dando o processo de globalização. Neste cenário, as empresas precisam produzir coisas incomuns para fazer frente à concorrência cada vez mais acirrada. Os fatores de sucesso das empresas se transferem da produção em massa para o processo de diferenciação, exigindo profissionais cada vez mais criativos, aptos a desenvolver novos produtos ou a ampliá-los a partir de expectativas e desejos do consumidor. (MANANGÃO, 2003, p.4-10) As organizações exigem, a partir de então, indivíduos que possam desenvolver altos níveis de percepção do mundo para acelerar o processo de construção do capital intelectual ativo intangível responsável pelo movimento que leva ao desenvolvimento não só das organizações, mas da sociedade como um todo. Aprender a transformar-se constantemente é outro novo paradigma do comportamento a ser assumido. Nunca se falou tanto em empreendedorismo. XXIX

30 A nova organização do século XXI identifica o capital humano como um dos fatores-chave para a conquista de diferencial competitivo. A missão dessa nova organização em um mercado globalizado e altamente competitivo é buscar a geração de diferenciais criar mudanças com valor agregado. O poder das organizações está intimamente relacionado ao valor das informações adquiridas e do conhecimento produzido a partir de então por seus colaboradores. Agilidade, criatividade e eficiência são, portanto, algumas das competências essenciais exigidas ao novo trabalhador para que este possa ser identificado entre os de maior empregabilidade O EMPREENDEDORISMO COMO SAÍDA PARA O PROBLEMA DO DESEMPREGO NO SISTEMA CAPITALISTA E A QUESTÃO DA EMPREGABILIDADE No atual contexto de desenvolvimento das forças produtivas, não se pode deixar de perceber o movimento de milhares de jovens saindo das universidades com seus diplomas na mão para deparar-se com um mercado de trabalho extremamente recessivo e por grande competitividade. Busca-se, então, a alternativa da formação empreendedora para estimular neste público uma atitude diferenciada: em vez de buscar uma vaga no tradicional mercado de trabalho, o demandante empreende um projeto próprio, constrói sua própria empregabilidade, esquivando-se da manipulação do mercado, gerando sua autonomia.. Sabe-se que o Estado e o segundo setor, representado pelas empresas privadas de médio e grande porte, perderam a capacidade de gerar a tal empregabilidade. Neste novo século, o que se percebe é que o fomento da pequena e micro empresas está gerando novas possibilidades de trabalho, de oportunidades - ainda em ritmo lento, mas progressivamente. Sim, porque o emprego formal, como a sociedade conhecia, é hoje muito reduzido. Na produção intelectual contemporãnea é comum ouvirmos expressões como desaparição do trabalho : XXX

31 O que se passa, então, com o mundo real do trabalho? Da General Motors à Microsoft, da Benetton à Ford, da Toyota ao McDonalds, será que o mundo produtivo e de serviços de fato não mais carece do trabalho vivo? [...] Em verdade, o sistema de metabolismo social do capital necessita cada vez menos do trabalho estável e cada vez mais das diversificadas formas de trabalho parcial ou part-time, terceirizado, [...] (Antunes 13, 2002:p.39-40) Além disso, observa-se que as organizações estão buscando trabalhadores com um novo perfil, dando preferência àqueles aptos a um exercício intelectual, explorando competências até enttão não privilegiadas. Mesmo o trabalho manual cada vez mais é substituído por trabalho dotado de uma dimensão intelectual. a própria forma valor do trabalho se metamorfoseia. Ela assume crescentemente a forma valor do trabalho intelectual-abstrato. A força de trabalho intelectual produzida dentro e fora da produção é absorvida como mercadoria pelo capital que se lhe incorpora para dar novas qualidades ao trabalho morto[...]. A produção material e a produção de serviços necessitam crescentemente de inovações, tornando-se por isso cada vez mais subordinadas a uma produção crescente de conhecimento que se converte em mercadorias e capital. (VICENT, J.M, in ANTUNES, 2002:42) Quando se fala em inovação, verifica-se que ela é exigida em todas as estruturas produtivas da sociedade. As próprias organizações buscam identificar competências empreendedoras em sua força de trabalho para constituir seu capital intelectual. O empreendedorismo se observa como um comportamento emergencial a ser assumido, como perspectiva de empregabilidade, seja para aquele que irá empreender por conta própria ou para o que se habilita a um trabalho formal. Segundo Dolabela (2002), o empreendedorismo é o elemento central no processo de desenvolvimento humano, social e econômico, ou seja, a mola propulsora do processo de constante mudança e inovação das sociedades. O fenômeno empreendedorismo tem a idade da civilização, se assumido como a capacidade humana de usar a criatividade para o indivíduo melhorar a sua condição de vida. 13 ANTUNES, Ricardo in Trabalho e Superfluidade artigo extraído do livro Capitalismo, Trabalho e Educação. São Paulo: Autores Associados, XXXI

32 No século XXI o princípio é resgatado e surge como mecanismo de escape para dar conta de questões mal-resolvidas do sistema capitalista como a recessão, o desemprego, a exclusão social, a própria empregabilidade,a qual se reveste de condições impositivas como a exigência de competências e habilidades que divide o mercado entre vencedores e perdedores : os que vivem a empregabilidade e estão dentro do jogo e os que não se sustentam no mercado de trabalho por falta das ditas competências, como afirma Bourdieu: A ideologia da competência convém muito bem para justificar uma oposição que se assemelha um pouco à dos senhores e dos escravos: de um lado, os cidadãos de primeira classe, que possuem capacidades e atividades muito raras e regiamente pagas, que podem escolher o seu empregador, enquanto os outros são escolhidos por seu empregador, no melhor dos casos, que estão em condições de obter altos salários no mercado de trabalho internacional, que são super-ocupados, homens e mulheres [...] e depois, do outro lado, uma massa de pessoas destinadas aos empregos precários ou ao desemprego. (BOURDIEU, 1998:59) Ironicamente, é do empreendedorismo percebido como alternativa para se estimular um novo comportamento do indivíduo em relação ao mercado de trabalho, tornando-se economicamente ativo não mais através da conquista de um emprego, mas da viabilização de seu próprio negócio - que advém também a inovação empreendedora do capital intelectual das empresas, que gera o diferencial competitivo num mercado globalizado. Para o intra-empreendedor ou o empreendedor que trabalha em uma organização como empregado ou colaborador, os comportamentos empreendedores são exigidos num momento crucial onde a empregabilidade está diretamente ligada à capacidade deste profissional em transformar sua condição produtiva em um processo de criatividade, aprendizado, construção de conhecimento e geração de inovação: pensando, agindo e produzindo através da ação de suas competências. XXXII

33 2.3 A QUESTÃO DAS ABORDAGENS DAS COMPETÊNCIAS Ao abordar-se a questão da competência, faz-se mister ressaltar a perspectiva de Perrenoud, a qual influenciou as mudanças curriculares no Brasil e conseqüentemente a estruturação dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). O objetivo agora não é só passar conteúdos, mas preparar todos para a vida moderna ( PERRENOUD, 2002:2 ). Entretanto, quando solicitado a definir competências, faz a seguinte afirmação: Não existe uma definição clara e partilhada das competências. A palavra tem muitos significados, e ninguém pode pretender dar a definição [...] as competências são importantes metas de formação. Elas podem responder a uma demanda social dirigida para a adaptação ao mercado e às mudanças e também podem fornecer os meios para aprender a realidade e não ficar indefeso nas relações sociais.[...] Essa evolução é difícil, pois ela exige importantes transformações dos programas, das didáticas, da avaliação, do funcionamento das classes e dos estabelecimentos de ensino, do oficio de professor e do ofício de aluno. Essas transformações suscitam a resistência passiva ou ativa por parte dos interessados, de todos aqueles a quem a ordem gerencial, a comunidade das práticas ou a preservação das vantagens adquiridas importam muito mais do que a eficácia da formação.( PERRENOUD, 1999:19, 32-33). Observa-se neste texto uma análise cuidadosa sobre as contribuições relacionadas diretamente com a construção do conhecimento e com o crescimento cognitivo e sóciocultural do homem em sua totalidade. A descrição de competências deve partir da análise de situações, da ação, e disso derivar conhecimentos. Os países que querem ir rápido demais se lançam na elaboração de programas sem dedicar tempo à observação das práticas sociais, sem identificar situações com as quais as pessoas são e serão verdadeiramente confrontadas. (PERRENOUD, 2002, p.2). XXXIII

34 Analisar a ordem profissional e, sucessivamente, toda ordem social, parece também fundada numa ordem conseqüente das competências. Segundo Perrenoud (2002), em geral, a escola se preocupa mais com ingredientes de certas competências e menos em integrá-las nas situações mais complexas. Percebe-se na fala do autor em questão que a educação preocupa-se com os conteúdos das disciplinas, mas não tem a preocupação de ligar essas disciplinas, esses recursos a situações do cotidiano. Em entrevista à revista Nova Escola, Rio de Janeiro, p. 1, setembro de 2002 afirma que [...] A abordagem por competências é uma maneira de levar a sério um problema antigo, o de transferir conhecimentos. Perrenoud (2000) afirma que a transferência e a mobilização são essenciais, fundamentais e não caem do céu. A formação por competências visa a formação do ser como um todo. Saber articular os saberes é que fará a grande diferença entre o aprendizado por conteúdos, ou pela ordem das competências. Nessa ordem, os conhecimentos são considerados válidos quando disponíveis no momento certo e quando são adequados às situações determinadas. Segundo Perrenoud (ibid), competência pode ser considerada a capacidade de agir eficazmente em um determinado tipo de situação, apoiando-se em conhecimentos, mas sem limitar-se a eles. A definição das competências consiste, nesse sentido, em colocar de forma operacional, e não-genérica, os objetivos do ensino. É inútil exigir esforços sobre-humanos dos professores se o sistema educativo apenas adota a linguagem das competências, sem mudar nada de fundamental. [...] As competências não dão as costas para os saberes, mas não se pode pretender desenvolvê-las sem dedicar o tempo necessário para colocá-las em prática (PERRENOUD, 2002:2) Educar na perspectiva da competência é formar para tornar a trajetória do educando mais efetiva. É importante ressaltar que o aspecto da efetividade está intrinsecamente relacionado com questões práticas e dinâmicas da modernidade, lembrando que A educação precisa educar a modernidade. Esta é a relação dinâmica entre educação e modernidade. Resolver as questões-chaves da educação, para conduzir o processo de modernidade. (DEMO, 1993). Dessa forma, conclui-se que o ato de educar inclui a capacidade de: Saber identificar; avaliar e valorizar suas possibilidades, seus direitos, seus limites e suas necessidades; saber formar e conduzir projetos e desenvolver XXXIV

35 estratégias; saber analisar situações, relações e campos de força de forma sistêmica; saber cooperar, agir em sinergia, participar de uma atividade coletiva e partilhar liderança; saber construir e estimular organizações e sistemas de ação coletiva do tipo democrático; saber gerenciar e superar conflitos; saber conviver com regras, servir-se delas e elaborá-las; saber construir normas negociadas de convivência que superem as diferenças culturais, entre tantas outras coisas. (PERRENOUD, 2000: 2). Empreendedora. É exatamente esta a pauta de competências estimulada no ambiente da Educação Para desenvolver competências é preciso, antes de tudo, trabalhar por resolução de problemas e por projetos, propor tarefas complexas e desafios que incitem os alunos a mobilizar seus conhecimentos e, em certa medida, completá-los. Isso pressupõe uma pedagogia ativa, cooperativa, aberta para a cidade ou para o bairro seja zona rural ou urbana. ( PERRENOUD, 2002, p. 3). A existência de uma competitividade em cadeia vem gerando o desgaste profissional em todo o processo evolutivo de qualquer área de trabalho. Hoje, coexistem a exigência de afazeres sucessivos, a cobrança permanente de estar no mundo do trabalho e a gestão de competências, como obrigações diárias. É a necessidade de sobrevivência que reforça cada vez mais o vínculo com o emprego. O culto da competência é carismático, é a apologia do poder individual, mediante o qual os produtos da atividade humana aparecem como mágicas. Os indivíduos que se inserem nestas relações enquanto mercadores da própria força de trabalho vivem uma identidade social objetiva e singular. A competência enquanto atributo pessoal se identifica com o ser rentável e o saber competir, a capacidade de pertencer ao mercado por direito. O modelo da empregabilidade para a competência obedece uma lógica orientada para a busca do imediato e a valorização da obtenção individual. A qualificação humana para o trabalho é, portanto, um processo social mais amplo, determinado historicamente. (MACHADO, 1998: 17). Dentro do conceito de qualificação profissional estar em constante evolução, conforme exigência do mercado e o patamar social adquire-se o potencial inerente e de adaptação às mudanças ocorridas no processo de construção e formação para o trabalho. Por essa razão, nos anos 90 o termo competência é utilizado, nas organizações produtivas e nas instituições educacionais, como substituto da noção de qualificação profissional. XXXV

36 A noção de competência é, de fato, uma noção forte e deve ser recuperada, mas numa perspectiva que rompa com os critérios que a estão orientando na atualidade: o fatalismo da disputa competitiva, [...] Do mundo do trabalho vem o modelo das competências com todas as contradições que ele suscita. Vem também a constatação do que ser competente representa, também, saber transgredir ( MACHADO, 1998, p. 93). Estar inserido no mercado de trabalho, hoje, no qual há cobranças, gera insegurança fragmenta e mercantiliza; cria conflito íntimo, insatisfação pessoal;busca interminável diante das demandas perversas que aí estão. No cenário angustiante de cobranças, percebe-se que, ao longo da história da educação no Brasil, não foi diferente, houve muitas perguntas, mas que ficaram à margem de discussões e permanecem até os dias de hoje sem soluções. No debate sobre a reestruturação produtiva, a relação educação, trabalho e desenvolvimento é então resposta e a teoria do capital humano reeditada. A educação sofre um questionamento bipolar. Por um lado é vista como culpada pelo atraso e pobreza [...] e, pelo outro, como o principal setor da sociedade responsável pela promoção do desenvolvimento econômico, a distribuição de renda e a elevação dos padrões de qualidade de vida. (MACHADO, 1998, p.20) Ainda citando Machado (ibid), o fazer humano, em cada momento histórico, encontra-se subordinado a motivos e interesses sociais que o orientam. A natureza das relações sociais constitui, também, a base do desenvolvimento das capacidades humanas. A relação do sujeito com o mercado de trabalho depende, assim, não apenas de simples atributos e qualidades técnicas e culturais específicas, mas de uma soma de fatores complexos e contraditórios a qual define como tal sujeito insere, nas relações de trabalho, sua subjetividade e sua forma de exercitar sua capacidade de trabalho. Deluiz (1995) ainda acrescenta que o processo de emancipação do indivíduo passa por um envolvimento com questões coletivas e necessita, portanto, de políticas e mecanismos que sustentem essa integração: A formação do indivíduo no âmbito profissional, orientada para um processo de emancipação pessoal e coletivo, supõe, portanto a concepção de que a formação profissional faz parte do todo que constitui a formação cultural ampla, superando-se a dicotomia entre o mundo da educação e o mundo do trabalho. XXXVI

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Empreendedorismo de Negócios com Informática

Empreendedorismo de Negócios com Informática Empreendedorismo de Negócios com Informática Aula 5 Cultura Organizacional para Inovação Empreendedorismo de Negócios com Informática - Cultura Organizacional para Inovação 1 Conteúdo Intraempreendedorismo

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas

O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas O ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO UNlVERSlDADE - EMPRESA NA UFMG José Nagib Cotrim Árabe Fernando Celso Dolabela Chagas Publicado em XXXXX Data: XX/XX/XXXX 1. Introdução É evidente a necessidade de interação

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas

ATENDIMENTO 3D O diferencial para o sucesso em vendas Perfil... Atuando há 20 anos em vendas Jean Oliveira já viveu na pele cada experiência que essa profissão promove, é especialista com MBA em Estratégias de Negócios e graduado em Tecnologia de Processamento

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza

EMPREENDEDORISMO. Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza EMPREENDEDORISMO Curso: Ciências Contábeis Período: 3º Profª: Niceia Camila N. Fronza ORGANIZAÇÃO CONCEITO: A sociedade humana é feita de organizações que fornecem os meios para o atendimento de necessidades

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero

EMPREENDEDORISMO DE. Professor Victor Sotero EMPREENDEDORISMO DE NEGÓCIOS COM INFORMÁTICA Professor Victor Sotero 1 OBJETIVOS DA DISCIPLINA Esta disciplina apresenta uma metodologia para formação de empreendedores. Aberta e flexível, baseada em princípios

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil. Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil Educação: Ensino, pesquisa e extensão! Solange Barreto Chaves¹ Resumo O presente texto tem por objetivo refletir e discutir sobre a integração entre ensino,

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS

EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS EDUCAÇÃO SUPERIOR, INOVAÇÃO E PARQUES TECNOLÓGICOS Jorge Luis Nicolas Audy * A Universidade vem sendo desafiada pela Sociedade em termos de uma maior aproximação e alinhamento com as demandas geradas pelo

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO CIEM2011 CASCAIS 27 E 28 DE OUTUBRO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Reflexões sobre o Empreendedorismo na Escola Manuela Malheiro Ferreira manuelamalheirof@gmail.com Universidade Aberta CEMRI

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ

5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ 5º WCTI Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação na UERJ O papel do Sistema FIRJAN/IEL no desenvolvimento da cultura empreendedora nas universidades e empresas 29 de outubro de 2013 Daniela Balog - Empreendedorismo

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais:

No Brasil, a Shell contratou a ONG Dialog para desenvolver e operar o Programa, que possui três objetivos principais: PROJETO DA SHELL BRASIL LTDA: INICIATIVA JOVEM Apresentação O IniciativaJovem é um programa de empreendedorismo que oferece suporte e estrutura para que jovens empreendedores de 18 a 30 anos desenvolvam

Leia mais

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra:

MBA IBMEC 30 anos. No Ibmec, proporcionamos a nossos alunos uma experiência singular de aprendizado. Aqui você encontra: MBA Pós - Graduação QUEM SOMOS Para pessoas que têm como objetivo de vida atuar local e globalmente, ser empreendedoras, conectadas e bem posicionadas no mercado, proporcionamos uma formação de excelência,

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim.

Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. Empreendedorismo privado geração de riquezas Empreendedorismo social Missão social Concebe a riqueza como meio para alcançar determinado fim. 1 Modelo de gestão com mais de 80 anos, originalmente relacionado

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais