HIDROPONIA CULTIVO SEM SOLO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIDROPONIA CULTIVO SEM SOLO"

Transcrição

1 HIDROPONIA CULTIVO SEM SOLO Introdução O solo é o ambiente onde a agricultura se desenvolveu a milhares de anos. O homem tem o solo como a base para produção dos seus alimentos. Mas este não é o único meio de cultivo onde as plantas conseguem crescer e produzir. No decorrer deste século foi desenvolvida a hidroponia, um sistema de cultivo que dispensa o solo e usa uma solução de água e nutrientes para fazer crescer as plantas. Hidroponia: O Cultivo sem solo O termo hidroponia vem da junção das palavras gregas HIDRO+PONOS, que literalmente significa trabalho na água. Mas a palavra hidroponia serve para todos os tipos de cultivo sem solo, feito só em água com nutrientes e usando substratos como areia, brita e argila expandida. A hidroponia começou com a descoberta das exigências nutricionais das plantas. Primeiro os cientistas descobriram sua composição química, depois viram que era possível cultivar as plantas só no meio líquido, contendo aqueles elementos químicos encontrados nos seus tecidos. Na Segunda Guerra Mundial o cultivo hidropônico foi utilizado para produção de hortaliças em ilhas do Pacífico (Ilhas Marianas), fornecendo verduras frescas para as tropas americanas. A criação da técnica do Fluxo Laminar de Nutrientes (NFT), na década de sessenta pelo americano Halen Cooper deu grande impulso ao desenvolvimento da hidroponia comercial. Hoje em dia a hidroponia está se aperfeiçoando rapidamente graças aos avanços das pesquisas sobre meios e técnicas de cultivo hidropônico, ao desenvolvimento da plasticultura e do cultivo em casa de vegetação. Na UFV (Universidade Federal de Viçosa) a Profª Hermínia está contribuindo para o desenvolvimento da hidroponia no Brasil, pesquisando a nutrição mineral de plantas e orientando trabalhos sobre substratos e sistemas de cultivo. A hidroponia é bastante antiga, embora seu uso comercial seja recente no mundo e principalmente no Brasil. Essa técnica e bastante desenvolvida em países como: Japão, Holanda e Estados Unidos, porém entre nós esta técnica ainda está engatinhando. É uma técnica que oferece múltiplas possibilidades de uso e maximização da produção de alimentos, principalmente hortaliças. A grande vantagem desta técnica deriva do fato de a produção prescindir de solo e clima. O cultivo hidropônico de planta minimiza os efeitos de clima e solo sobre a produção de hortaliças. Países com invernos rigorosos como: Estados Unidos, Holanda e outros países europeus conseguiram resolver os seus problemas de fornecimento de hortaliças à população através de cultivo hidropônico nesses períodos do ano. Em relação a outros cultivos em ambiente protegido a hidroponia também apresenta vantagens. Uma das maiores vantagens deriva do fato de não faltar nem água e nem nutrientes em nenhum momento do crescimento da planta. Nestes sistemas as plantas têm um crescimento contínuo, o que encurta o ciclo de produção, havendo a possibilidade de um maior número de ciclos por ano, aumentando a produtividade anual da cultura. O cultivo hidropônico é um trabalho gratificante, porque o produtor pode ver dia a dia as plantas crescerem e o trabalho é muito confortável, dentro de um ambiente limpo, que é uma casa de vegetação. Os tratos culturais são muito mais fáceis, poucas horas de trabalho por dia são necessárias para que se mantenha um grande número de plantas Essas horas podem ser escolhidas, de preferência os horários mais frescos, pela manhã ou à tardinha, de modo que o trabalho fica bem mais agradável que o do cultivo convencional. O cultivo hidropônico tem muito a oferecer para o produtor, mas quem deseja trabalhar comercialmente com hidroponia deve conhecer com como funciona o sistema. Nutrição das Plantas Um ponto básico para produção vegetal, tanto no solo como sobre hidroponia é o fornecimento de todos os nutrientes que a planta necessita. Dezesseis elementos químicos são essenciais para o

2 crescimento e produção das plantas. São eles: oxigênio, carbono e hidrogênio, os nutrientes não minerais, as plantas são capazes de absorvê-los do ar e d a água. Esses elementos participam da fotossíntese, que é fundamental para o crescimento das plantas. Os outros nutrientes essenciais são de origem mineral, dividindo-se em macronutrientes e micronutrientes. Os macronutrientes são aqueles usados em grandes quantidades pelas plantas, como: Nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre. Os micronutrientes são exigidos em quantidades relativamente pequenas, mas são tão importantes para a nutrição das plantas quanto os macronutrientes, sendo eles: boro, cloro, cobre, ferro, molibidênio, manganês e zinco. As exigências nutricionais variam com a espécie de planta. Exemplo: o tomate é mais exigente em cálcio do que a alface. Se no meio em que a planta crescer houver um desequilíbrio de nutrientes, sua produção será limitada. Por exemplo, se o pimentão tiver à sua disposição uma quantidade de fósforo muito menor do que ele precisa para produzir bem, não adianta ter níveis adequados dos outros nutrientes ou acrescentar mais destes enquanto não for corrigido a deficiência de fósforo. O pimentão não produziu de acordo com o seu potencial, isto vale para qualquer fator essencial ao crescimento das plantas, como a água, por exemplo. Não adianta adubar bem uma planta, se não houver água suficiente para o seu crescimento. Daí a necessidade de uma adubação equilibrada e feita de acordo com as exigências de cada cultura. Normalmente as plantas obtêm água e mineral à partir do solo. Em um meio sem solo as plantas também deverão suprir as mesmas necessidades, assim para entender as relações das plantas em um sistema hidropônico deve-se ter em conta as relações que existem entre seu crescimento e o solo. O solo que sustenta a raiz das plantas também é importante para fornecer oxigênio, água e minerais. Ele é formado por partículas de minerais e matéria orgânica, apresenta poros e microporos que ficam cheias de água e ar. Nesta água estão dissolvidas sais formando a solução do solo, que leva os nutrientes para as plantas. Quando os sais estão em solução eles se dividem em unidades com cargas elétricas chamadas de íons. O sistema radicular da alface, por exemplo, possui centenas de raízes e radículas. A extremidade da raiz é coberta por pêlos, sendo esta região chamada de zona de absorção, porque é nela que ocorre a absorção de água e nutrientes. As raízes das plantas e os pêlos absorventes estão em íntimo contato com a superfície das partículas do solo. Essas partículas liberam os nutrientes, as plantas absorvem estes nutrientes na forma de íons, tanto da superfície das partículas quanto da solução do solo. O oxigênio presente nos poros do solo também é de suma importância para nutrição da planta, afetando diretamente seu crescimento e produção. Isto porque para absorção de nutrientes a planta gasta energia e essa energia é gerada à partir da respiração das raízes. A respiração é um processo que necessita de oxigênio e ele também participa indiretamente da formação das raízes, pois para que elas cresçam é preciso que haja um suprimento contínuo de nutrientes, por outro lado se não houver raízes não haverá absorção. Então uma coisa depende da outra. 2 Instalações Há várias maneiras de se fazer o cultivo hidropônico. Em qualquer uma delas é importante que as instalações sejam mais simples e baratas possíveis, para assegurar o retorno do investimento. Todos os sistemas hidropônicos necessitam de uma estrutura de cobertura para proteger contra chuva e geadas. Para isso são usadas as estufas. Elas podem ser pequenas de forma a cobrir uma só bancada ou podem ser grandes e cobrir várias bancadas de uma só vez. As estufas pequenas e baixas aquecem muito o ambiente no seu interior, sendo desaconselháveis para regiões de clima quente, do contrário o produtor terá que usar artifícios muitas vezes onerosos para baixar a temperatura. No caso de se optar por estufas grandes é melhor construir o tipo arco, que tem maior resistência aos ventos e intempéries. Mas quanto maior a estufa menos elas resistem aos ventos. Outros materiais necessários para construção de um sistema hidropônico são: canais para as plantas e o substrato, bancadas para sustentar os canais, tubulação de PVC para solução nutritiva, conjunto moto-bomba, sendo melhor usar bombas com interior de PVC, porque a solução nutritiva é corrosiva, um timer para acionar o sistema de recalque automaticamente, reservatório para colocar a solução nutritiva, um phmetro para medir o ph da solução, um condutivimetro para medir a condutividade elétrica da solução. É necessário também ter balanças e provetas para pesar e medir sais e soluções estoque. Cultivo em Água

3 No cultivo em água as raízes das plantas ficam parcialmente submersas em solução nutritiva. O sistema mais utilizado é chamado NFT (Técnica do Fluxo Laminar de Nutrientes). Uma fina lâmina de solução nutritiva percorre ao longo do canal de cultivo e o sistema radicular da planta fica parcialmente submerso absorvendo os nutrientes. A circulação da solução nutritiva em sistema fechado, onde a solução circula dos canais para o reservatório e vice-versa. O sistema NFT do Sr. Laudo Bernardes, em Charqueada, São Paulo é composto por estufas pequenas para cada bancada. Para reduzir o calor no verão o plástico é pintado com uma faixa de sombrite entre os canais e o teto. Como suporte dos canais de cultivo há um estrado de madeira com 2% de declive, ou seja, com desnível de 2 cm para cada metro de comprimento. O comprimento dos canais é de 10 metros, sendo usado como canais de cultivo as ondulações de telha de fibrocimento com largura de dois metros. Para cultivar alface as ondulações devem Ter 15 cm de largura. As telhas devem ser recobertas com plástico transparente para impedir vazamentos e o contato direto da solução com a telha. O material da telha retira micronutrientes e fosfato da solução nutritiva. Nesse caso o primeiro sintoma que aparece na planta é o amarelecimento, resultante da deficiência de ferro (Fe). Sobre as telhas coloca-se placas de isopor para sustentar as plantas. O isopor é perfurado no espaçamento de 25 x 25 cm e os anéis de PVC encaixados nos buracos aumentando a durabilidade do isopor. As bancadas foram construídas no sentido contrário a declividade do terreno, o que permite que o retorno da solução nutritiva ao reservatório seja feito por gravidade. A tubulação vem do reservatório e leva a solução nutritiva até os canais através de bombeamento. Em cada bancada existe um registro que permite a interrupção da irrigação quando a bancada não tiver sendo usada. A solução nutritiva cai desta tubulação nos canais de cultivo, através de pequenos orifícios. A solução percorre todo o canal e é drenada caindo em um tubo cortado ao meio. A saída é protegida por um plástico preto. O plástico serve para impedir a exposição da solução nutritiva a luz solar, depois de drenada a solução nutritiva volta ao reservatório. Nesta propriedade o reservatório fica na parte mais baixa do terreno, tendo sido construído abaixo do nível do solo. É feito de alvenaria e a irrigação do sistema é intermitente, funcionando 15 minutos e parando 15 minutos. A bomba liga e desliga automaticamente, através de um timer. O Sr. Paulo, em Juiz de Fora MG, também usa o sistema NFT para cultivar alface, nos canais, que são canos de PVC com perfurações de 30 x 30 cm, os estrados de madeira dão ao tubo uma declividade de 2%, 14m de comprimento e 2 metros de largura, sendo que o total de plantio é de 224 m 2, produzindo cerca de 2000 pés de alface por mês. Os canais são distanciados 30 cm uns dos outros e, veja que o fechamento da extremidade mais alta dos canais é feito com um tampão plástico, por onde entra a solução nutritiva. Na outra extremidade a tubulação de descarga é igual aos canais e leva a solução nutritiva para o reservatório, uma caixa de Neste local há um conjunto motobomba para recircular a solução nutritiva de volta aos canais. Outra forma de fazer o cultivo hidropônico em telha de amianto é usar britas, elas servem para segurar as raízes das plantas e evitam incidência de luz na solução nutritiva. Esse material retêm a solução nutritiva durante algum tempo junto às raízes das plantas, quando não está havendo irrigação. A brita de origem calcária é desaconselhável para esse fim, pois o cálcio que ela contém faz precipitar micronutrientes e fosfatos, assim as plantas terão deficiência destes nutrientes, ficando amareladas. O melhor é usar britas de origem granítica e, deve-se colocar a brita o suficiente para cobrir todo o canal e evitar a proliferação de algas. O Sr. Nilton Barbosa, de Teresópolis RJ, diz que é melhor usar a brita nº 1, pois as menores atrapalham o fluxo da solução nutritiva. Ele optou por estufas grandes em forma de arco, com declividade das bancadas de 4%, sendo o suficiente para evitar o estancamento da solução nutritiva nos canais. Elas têm 2m de largura por 9m de comprimento, sendo a área total cultivada de 1200 m 2, produzindo 9000 pés de alface por mês. Na tubulação de drenagem há uma particularidade interessante, foram colocados anéis de mangueira plástica na extremidade dos canais para que a solução caia em forma de bica e não retorne por baixo da telha. O Sr. Nilton está testando este sistema para produzir moranguinho e radítio, uma espécie de chicória. Em Itaboraí RJ, na propriedade do Sr. Manoel, o calor excessivo no verão é um obstáculo a ser vencido. A brita não pode mais ser usada, pois favorece o aquecimento da solução nutritiva o que leva as alfaces a pendoarem precocemente. Nesta propriedade estão sendo feitos vários testes para adaptar o sistema ao clima quente. Uma das medidas foi substituir a brita por placas de isopor, o que melhorou visivelmente a qualidade da alface. Outra medida é o uso de microaspersores por dentro da estufa e aspersores por cima da cobertura, para produzir a temperatura do ambiente, além do uso de sombrite. As bancadas são muito longas, 3

4 com 20m de comprimento, isto torna necessário colocar duas tubulações de abastecimento, uma no início e outra na metade da bancada. Veja como é o processo que recolhe a solução nutritiva: antes de chegar ao reservatório a solução passa por um filtro, sendo o fluxo da solução nutritiva intermitente, funcionando 30 minutos e parando 15 minutos. 4 Cultivo em Areia O cultivo em areia é adequado para culturas de porte mais alto, como tomate. Neste teste de cultivo de tomate cereja os recipientes são galões de plástico cortados ao meio, o estrado é bem baixo e tem 2% de declividade, a areia é irrigada através de uma tubulação de PVC. A irrigação é intermitente, funcionando 15 minutos e parando 15 minutos. A drenagem é feita por baixo do recipiente, onde há canos que recolhe a solução nutritiva e a leva de volta para o reservatório. Os tomates são tutorados com madeira e fitas de naylon, sendo que a produtividade do tomateiro tem sido boa neste sistema. Cultivo em Argila Expandida Um outro tipo de sistema de cultivo hidropônico, para produzir crisântemo para corte, uso no lugar do substrato do cultivo tradicional a argila expandida. O sistema está sendo testado na Universidade Federal de Viçosa (UFV) juntamente com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), estão sendo estudados 4 (quatro) granulometria da argila e o número de regas por dia. Sendo assim o funcionamento: a bomba apenas joga a solução nutritiva do reservatório para as caixas que são elevadas e das caixas a solução vai por gravidade para os leitos de cultivo. O controle do tempo e do número de regas é feito automaticamente por um timer e usando válvulas solenóides. A tubulação de irrigação do leito é colocada no fundo, em baixo do substrato, sendo que a irrigação é feita até que o nível da solução atinja 3 cm abaixo da superfície do substrato. Em seguida a solução é drenada de volta ao reservatório, a argila permite que o número de regas diárias seja apenas 2 ou 3, pois retêm água e nutrientes, resultando em flores com cores vivas e folhagem perfeita. O cultivo de crisântemo no sistema hidropônico tem uma vantagem muito grande sobre o convencional, pois o consumo de crisântemos e hortaliças têm grande influência do efeito visual. E este aspecto visual, esta qualidade visual é determinante no preço e outra particularidade para flores de corte é sua duração pós colheita e este atributo poderá ser melhorado pelo cultivo hidropônico adequado, onde se tem o controle nutricional e de outros fatores de crescimento como um todo. Outro determinante da superioridade do cultivo hidropônico são os tratos fitossanitários, onde se tem condições de minimizar ou praticamente eliminar o uso de tratos fitossanitários, dependendo do grau de tecnologia de implantação. Se não deixarmos entrar doença na hidroponia, praticamente não se tem risco de infecção durante o cultivo. Uma outra vantagem do cultivo hidropônico é a produtividade, como se tem um melhor controle de nutrição, de umidade e das condições ambientais como um todo, pode-se Ter uma maior densidade populacional, com maior produtividade por área, permitindo uma redução maior no ciclo, tendo maior precocidade de produção e maior número de ciclos por ano. Para o bom funcionamento de qualquer um destes sistemas existem requisitos básicos que devem ser atendidos: 1º) Oxigenação da solução nutritiva, como se sabe o oxigênio é importante para o crescimento das plantas. A oxigenação é feita quando a solução nutritiva circula pelos canais e tubulações, quando cai do canal para os tubos de drenagem e quando volta ao reservatório. 2º) Ausência de luz sobre a solução nutritiva, pois a luz permite o crescimento de algas que competem com as plantas por nutrientes e oxigênio, altera o ph da solução e liberam substância tóxicas para impedir o crescimento de algas, sendo preciso cobrir os canais com isopor ou algum material inerte. Cobrir também a saída do canal e manter o reservatório sempre tampado. 3º) Suporte para fixação das plantas, que pode ser feito de materiais os mais diferentes possíveis, dependendo da criatividade. A Solução Nutritiva

5 Na hidroponia todos os nutrientes são oferecidos a planta na forma de solução. Esta solução é preparada com sais fertilizantes. Existem vários sais que fornecem os mesmos nutrientes para plantas em cultivo hidropônico, deve-se optar por aqueles fáceis de dissolver em água, baixo custo e facilmente encontrados no mercado. 5 Sais mais usados: sais e nutrientes que eles fornecem. Sal Nitrato de Cálcio Nitrato de Potássio Fosfato de Potássio Sulfato de Potássio Sulfato de Magnésio Nutriente Fornecido N, Ca N, K K, P K, S Mg, S Os produtores desejam freqüentemente obter uma fórmula ótima, que sirva para todas as culturas, mas isto não é possível. Existem muitas variáveis a considerar na nutrição de plantas, como: Espécie de planta, por exemplo a alface precisa mais de nitrogênio que o tomate; Estágio de crescimento, planta nova gasta menos nutriente que as mais velhas; Parte da planta que será colhida, se é folha de fruto, por exemplo; Estação do ano; Temperatura e intensidade de luz; Exemplo de fórmula de solução nutritiva para tomate Solução Nutritiva para Tomate (g/1000 litros) Composto Solução A Solução B K NO Mg SO K H 2 PO K 2 SO Ca (NO 3 ) Fe EDTA 40 mm 1 litro 1 litro Micronutrientes 150 ml 150 ml A diferença entre a solução A e a solução B está na quantidade de nitrato de cálcio. A solução A é usada na fase de crescimento da planta e a solução B na fase de produção de frutas. Como a formação de frutas exige mais quantidade de cálcio e nitrogênio é observado que a planta deve Ter maior quantidade destes nutrientes à sua disposição nesta fase. Exemplo de formulação de solução nutritiva para alface Solução Nutritiva para alface (g/1000 litros) Composto Solução Nitrato de Cálcio 950 Nitrato de Potássio 900 Fosfato de Potássio 272 Fosfato de Magnésio 246 Fe EDTA 40mM 1 litro Micronutrientes 150 ml

6 A solução é diferente da de tomate, pois na hidroponia a alface deverá passar apenas pela fase vegetativa. Portanto pode ser usada só uma formulação durante todo o ciclo. Na solução nutritiva os nutrientes estão disponíveis em abundância para as plantas e elas não necessitam aumentar a superfície de absorção das raízes, assim sendo as plantas não formam pelos radiculares. 6 Preparo da Solução Nutritiva No preparo da solução nutritiva existe uma sequência correta de adição de sais. Descreveremos passo a passo o preparo de uma solução nutritiva para alface. Nos sacos estão as misturas de macronutrientes, mas sem a fonte de cálcio. Os sais são misturados a seco, o cálcio não pode entrar, porque forma compostos insolúveis com fosfatos e sulfatos. A mistura é dissolvida em um recipiente com água e depois jogada no reservatório. Ao colocar a mistura no reservatório ele já deverá estar cheio pela metade. O sal de cálcio é dissolvido separadamente e adicionado em seguida, depois vem a mistura de micronutrientes que poderá ser preparado em maior quantidade e armazenada. A mistura de micronutrientes não contêm o ferro, basta medir a quantidade certa e jogar no tanque. Após acrescentar os micronutrientes completa-se o nível da solução no reservatório e mistura-se bem. A seguir faça a medição do ph, ele deverá ficar na faixa de 5,5 a 6,5. Se estiver mais alto que isto adiciona-se ácido sulfúrico ou ácido clorídrico. O ácido deve ser misturado com um pouco de água e depois ser colocado aos poucos no reservatório. Mistura-se bem e mede-se de novo o ph, faça isto até chegar ao valor certo. Se o ph estiver abaixo de 5,5 faz-se a correção com hidróxido de potássio ou hidróxido de sódio. No final acrescenta o ferro, pois ele é pouco solúvel e deve ser colocado na forma complexada com EDTA para ficar dissolvido e disponível para as plantas. Quando é colocado puro ele precipita e as plantas não conseguem absorvê-lo. Como se faz a quelatização do ferro: 1º) Os materiais usados: para preparar uma solução com 40mM de Fe/litro, usa-se 10,84g de cloreto de ferro, 14,89g de EDTA e 1 litro de água destilada. 2º) Pesa-se o cloreto de ferro, passando o mesmo para um becker, acrescenta-se 400 ml de água destilada, deixando dissolver bem o sal. 3º) Faça o mesmo com o EDTA, mas usando outro becker, dissolvendo bem em 400 ml de água destilada. 4º) Depois que o ferro e o EDTA estiverem dissolvidos a solução é misturada em um balão volumétrico. Completa-se o nível da solução para 1(um) litro e agita-se bem, pois é nesse momento que ocorre a complexação do ferro. 5º) Feita esta mistura a solução de ferro e EDTA deverá ser guardada em um frasco de vidro escuro, coberto com papel alumínio. Toma-se este cuidado para conservar melhor a solução, porque ela pode sofrer oxidação pela luz. Para fazer uma solução nutritiva com uma concentração de 40 micro-molar, basta pegar 1 ml da solução estoque de Fe EDTA para cada um(1) litro de solução. Como a quantidade de micronutrientes na solução nutritiva é muito pequena, deve-se preparar uma solução concentrada com todos eles misturados, menos o ferro. Solução Estoque de Micronutrientes Composto Gramas H 3 BO 3 16,70 Mn Cl 2 x 4 H 2 O 15,00 Cu Cl 2 x 2 H 2 O 0,82 Mo O 3 0,33 Zn SO 4 x 7 H 2 O 2,62

7 7 Esta tabela mostra a quantidade de sais para preparar um(1) litro de solução de micronutrientes. A concentração de micronutrientes é calculada de tal forma que se tivermos 150 ml desta solução tenhamos todos os micronutrientes necessários para o preparo de 1000 litros da solução nutritiva. Para o preparo da água deve ser quente e o cloro não precisa entrar na formulação, pois está sempre presente com impureza dos sais e da água. A qualidade da água é um aspecto fundamental na hidroponia. Pode ser utilizada qualquer água potável, desde que sua condutividade elétrica seja inferior a (0,5 Ms/cm). Se a água já tiver algum nutriente naturalmente, isto deve ser considerado na hora de preparar a solução. Manutenção e Renovação da Solução Nutritiva A manutenção da solução nutritiva e seu controle diário são aspectos importantes na eficiência do processo produtivo sob hidroponia. Três aspectos devem ser considerados: 1º) Complementação do volume gasto sempre com água. 2º) Ajuste do ph da solução diariamente. 3º) Monitoramento do consumo de nutrientes através da condutividade elétrica da solução. A Nível da Solução Nutritiva A solução é consumida pela planta e diariamente observa-se uma redução do seu volume no tanque de solução. Esse volume deverá ser reposto todos os dias não com solução nutritiva e sim com água pura. Pois as plantas absorvem muito mais água do que nutrientes e como a solução nutritiva é uma solução salina a reposição diária com solução leva a uma salinização deste meio, chegando a um ponto que a quantidade de sais dissolvida é maior do que as raízes podem suportar. Se isto ocorrer as plantas cessam seu crescimento, devido não a falta de nutrientes, mas a um potencial osmótico muito elevado no sistema radicular. B ph da Solução Nutritiva Durante o processo de absorção de nutrientes as raízes das plantas vão alterando o ph da solução nutritiva. Esse ph significa a acidez ou basicidade da solução nutritiva. As plantas têm o seu desenvolvimento máximo entre ph 5,5 a 6,5 e à medida que elas crescem elas alteram esse ph da solução nutritiva. Por essa razão diariamente após completar o volume da solução com água o ph da solução deve ser medido. Se ele estiver fora desta faixa de 5,5 a 6,5, ele deverá ser ajustado com ácido se estiver acima de 6,5. E com base caso esteja abaixo de 5,5, isto é importante para que a planta tenha condições de absorver todos os nutrientes na quantidade que ela necessitar para o seu crescimento. C Condutividade Elétrica À medida que as plantas crescem os nutrientes da solução vão sendo consumidos e esta solução vai se esgotando. Chega a um ponto que a solução não consegue mais fornecer os nutrientes necessários ao desenvolvimento das plantas. Nesse ponto a solução deve ser trocada. Um dos maiores problemas é saber quando esta troca deve ser realizada. É muito comum que se usem intervalos iguais entre trocas, o que não é correto, pois no início do desenvolvimento as plantas consomem muito menos que no final do seu desenvolvimento. Para contornar esta situação a maneira mais fácil e simples é usar um condutivímetro, que é um aparelho que mede a condutividade elétrica da solução. Uma solução que contêm sais tem a capacidade de conduzir a corrente elétrica. Essa capacidade de condução da corrente elétrica é tanto maior quanto maior a concentração de sais dissolvidos na solução.. Assim através da redução na condutividade elétrica é possível saber quando é necessário fazer a troca da solução nutritiva. A condutividade deve ser medida a cada 3 ou 4 dias e portanto saberá qual o momento adequado para se trocar a solução. No Sistema Hidropônico Fechado as plantas absorvem o nutriente de uma mesma solução por alguns dias. Porém esta absorção é seletiva e as plantas consomem alguns nutrientes mais do que outros. Com isso a concentração de alguns elementos diminui mais rapidamente, o resultado é que estes nutrientes

8 acabam em falta na solução e a planta terá seu crescimento prejudicado. Para evitar esse problema é preciso acrescentarmos nutrientes ou renovar a solução nutritiva. Para saber o momento certo de fazer a renovação basta monitorar o consumo de nutrientes. O monitoramento do consumo de nutrientes é feito medindo a condutividade elétrica da solução nutritiva. Para isto deve-se fazer um gráfico relacionando a condutividade elétrica com a concentração de sais da solução que se está usando. Faz-se o seguinte: 1º) Retira 1 litro da solução nutritiva recém preparado e mede-se a condutividade elétrica, o valor obtido corresponde a concentração de 100% dos nutrientes. 2º) Depois divida esta amostra de 1 litro em 2 partes de ½ litro cada uma. Complete o volume de uma parte para 1 litro. Meça novamente a condutividade elétrica. Valor obtido corresponde ao valor de 50% da concentração da solução nutritiva. 3º) Por último pegue a solução diluída para 50% e divida em 2 partes de ½ litro e complete novamente o volume para 1 litro. O valor da condutividade que você obtiver corresponde a concentração de 25% da solução nutritiva. 4º) Com os valores obtidos constroe-se um gráfico de concentração por condutividade elétrica em papel milimetrado. Neste tipo de gráfico pode-se notar que a relação entre a concentração e a condutividade não é sempre 1:1. Quando a solução nutritiva estiver sendo usada pelas plantas meça a condutividade elétrica a cada 3 dias, depois de completar o nível do reservatório só com água. Quando a condutividade atingir valor correspondente a 30% da concentração você deve refazer a solução. Esta é uma boa regra quando as plantas estão pequenas e o consumo de nutrientes é baixo. Se as plantas já estão no terço final de seu ciclo é melhor acrescentar mais nutrientes à solução. Assim sendo você deverá acrescentar metade da fórmula quando a condutividade elétrica estiver a 50% da concentração. Deve-se observar que uma mesma solução nutritiva poderá ser usada no máximo por 2 meses. Plantas menores absorvem menos nutrientes que as mais velhas e para se Ter um intervalo regular de renovação da solução nutritiva deve-se Ter o mesmo número de plantas em todas as fases de crescimento. Assim haverá equilíbrio no consumo de nutrientes, sendo que para isto basta que você faça plantios semanalmente. 8 Produção de Mudas As mudas devem ser produzidas em estufa especial, sendo estas estufas toda cercada por telas, para evitar a entrada de insetos. Por cima do plástico coloca-se sombrite para reduzir o calor dentro da estufa. As mudas podem ser feitas em bandejas com substrato apoiadas sobre estrados. Com cerca de 20 dias as mudas de alface irão para o berçário. O berçário é uma bancada de telha de amianto com ondulações pequenas, o isopor sustenta as mudas. Elas são colocadas com ou sem torrão e são irrigadas normalmente com solução nutritiva. No berçário elas ficam 8 dias e depois são transplantadas. Outra forma de produzir mudas consiste apenas em semeá-las em vermiculita, as bandejas são colocadas sobre uma bancada que contêm a solução nutritiva formando uma lâmina d'água. A vermiculita é capaz de absorver a solução e assim as plantas são nutridas. A solução nutritiva circula pela bancada. Após retiradas das bandejas as mudas são lavadas e transplantadas diretamente nos canais de cultivo. A vermiculita pode ser recolhida e reaproveitada, aqui também as mudas de alface levam 20 dias para ficarem prontas. Comparando uma planta feita, conduzida em sistema convencional, usando bandeja, substrato etc ela demora 30 dias para ser colocada no solo. Se tudo correr bem (sem geada, sol forte, muita chuva) colhe-se a alface em mais outros 35 dias mais ou menos. Seriam 30 dias para fazer a muda mais 35 dias no campo, até colher. Seriam gastos 65 dias e este é o padrão convencional de produção de alface e depende também da variedade. N hidroponia consegue-se encurtar o tempo, a muda não é feita no substrato. Ela é feita em vermiculita (argila expandida, siterizada à 1100ºC) e colocada diretamente na solução de hidroponia e isto faz o seguinte: 1º) Que a muda se adapte ao me hidropônico já no início da vida dela. Fazendo com que a muda fique pronta em 16 a 18 dias contra os 30 dias do sistema convencional. 2º) Essa muda quando vem para a bancada, no caso da alface, precisa de 22 dias para ficar pronta no verão e no inverno 27 a 28 dias. Essa diferença é porque no verão tem muita luz, das 6:30 hs até

9 20:00 horas e a alface gosta de luz, nesse período tem-se em torno de 14 horas de luz. No inverno o tempo mais frio inibe o crescimento, tem-se luz das 6:30 hs às 17:30 horas, tem-se menos luz. 9 Aspectos Fitossanitários Uma das vantagens do Sistema Hidropônico é a menor incidência de doenças. O que permite ao produtor vender um produto livre de agrotóxicos. Essa é uma das maiores vantagens do cultivo hidropônico de plantas. No entanto essa menor incidência de doenças não significa que este sistema seja isento de doenças. Se uma doença entrar existe a possibilidade de sua disseminação muito rápida, devido a circulação da solução por todo o sistema e por todas as plantas. Nem todos os patógenos se desenvolvem em meio líquido e podem acabar com a produção hidropônica rapidamente, passando a doença para todas as plantas. A saída que o produtor tem para evitar a entrada de doença em seu cultivo hidropônico é minimizar as fontes de contaminação. A contaminação via de regra é feita pelo próprio homem, através do manuseio das plantas, o contato com o solo destas plantas podem trazer doenças. Então deve-se evitar a entrada destas doenças, evitando o manuseio com as mãos sujas, evitando a exposição da casa de vegetação a grande número de visitantes, produção próxima à rodovia ou locais muito movimentados. E uma outra saída é a desinfecção entre cultivos que é de extrema importância. Essa desinfecção pode ser feita com hipoclorito de sódio, hipoclorito de cálcio, com vapan e isto depende do meio de cultivo. Cada meio de cultivo vai requerer um tipo de desinfecção. Além disto existe a possibilidade de utilizar ultra violeta para desinfecção da solução e também a pasteurização, mas isto é feito só em outros países e não ainda no Brasil. A nível de sanidade e de todo o aparato produtivo, procura-se nunca usar agrotóxicos. Como se consegue isto: 1º) Consegue isto elevando as bancadas do solo a pelo menos 0,5 metros de altura, porque todo tipo de contaminação a nível de bactérias e fungos precisam do solo para completar seu ciclo. 2º) Usar plantas no interior da estação experimental ou caso de vegetação para atrair pulgão, trips etc. Principalmente para pulgão pode-se usar a couve e deixar ele comer a couve. Pode-se plantar também hortelã, manjericão, alfavaca, manjerona, hortelão do norte, cânfora e também flores, principalmente beijinhos, nome regional de uma flor que atrai borboletas. No verão, alto verão, pode-se utilizar armadilhas para pegar borboletas, evitando que elas depositem seus ovos. 3º) Nos sistemas em água ou com substrato de maior granulometria, pode-se fazer a desinfecção com hipoclorito de sódio (3,37g/litro). No cultivo em cascalho e brita faz a desinfecção com 33,7g de hipoclorito de sódio por litro d'água. A solução é preparada nos tanques, fazendo as soluções de acordo com as recomendações e deixa esta solução circular ½ (meia) hora pelo sistema e depois enxágua bem com água pura. Produtividade e Comercialização Comparação da produtividade de algumas hortaliças no sistema hidropônico e a campo. Tonelada/há/ano. Culturas Hidroponia Campo Pepino Tomate Alface O sistema hidropônico tem muitas vantagens: Número menor de mão de obra. Consegue aproveitar toda a produção. Não fica na dependência de safra e entre-safra. Não tem necessidade de cuidar do solo. Perenidade na produção (consegue produzir ao longo de todo o ano).

10 Na comercialização, terá mais equilíbrio na produção (oferta), o que se torna mais vantajoso para o produtor. As variedades de alface mais cultivadas sob hidroponia são: Regina e Verônica. Por causa do bom desempenho no cultivo e boa aceitação comercial. A alface hidropônica é vendida como um produto especial, ela tem bom aspecto e é limpa, sendo comercializada com a raiz e embalada individualmente ou em maços. O Sr. Newton Barbosa, Teresópolis RJ é um exemplo de produtor que comercializa a produção no Rio de Janeiro e Nova Friburgo. A produção dele é comercializada em restaurantes, CEASA, Supermercados e sacolões. Pontos que devem ser observados no cultivo hidropônico de plantas: O solo é substituído por uma solução nutritiva, que deve fornecer todos os nutrientes essenciais ao crescimento das plantas. O sistema básico de produção é aquele que melhor lhe convier, usando de sua capacidade gerencial e criatividade, devendo ser o menos oneroso possível de modo que tenha boa rentabilidade. Uma das maiores vantagens do cultivo hidropônico é a possibilidade de se ter uma produção programada e escalonada. Sendo vantajoso para o produtor e para o comprador, que pode fazer compras programadas, com qualidade e em quantidades pre-estabelecidas. O cultivo hidropônico proporciona a produção de hortaliças e flores de alta qualidade. É importante que o consumidor esteja disposto a pagar mais por esta qualidade. O produtor deverá estar atento ao mercado e ele deverá ter um mercado diferenciado. Produção em grande escala, de modo que ele ganha pela qualidade e quantidade do produto. 10 Roselene Queirós Chaves Zilda Corrêa de Lacerda

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

HIDROPONIA Qualidade da água. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM HIDROPONIA Qualidade da água Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM CURIOSIDADES DA ÁGUA 75% da terra está coberta com água Terra plana: cobertura de 2,5 km de água 0,005% se move por dia no ciclo hidrológico

Leia mais

Como formar seu Gramado

Como formar seu Gramado Como formar seu Gramado Nada menos que mil pés de grama convivem em cada metro quadrado de um gramado. E, ao contrário de uma horta ou canteiro, onde o solo pode ser revolvido, corrigido e enriquecido

Leia mais

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA

ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA ESSENCIALIDADE DE MACRONUTRIENTES EM MILHO CULTIVADO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA Danilo Pavan 1 ; Luciano Ansolin 1 ; Ivan José Rambo 1 ; Leandro Hahn 2 ; Neuri Antonio Feldmann 3 ; Fabiana Raquel Mühl 4 ; Anderson

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph

Composição do solo. 3 partes: Física: granulometria, porosidade, textura, dadas principalmente pelos. Químico: nutrientes disponíveis e ph JARDINAGEM O que é solo? O solo é a camada superficial da crosta terrestre, sendo formado basicamente por aglomerados minerais, matéria orgânica oriunda da decomposição de animais e plantas e organismos

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16

Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 Métodos de Irrigação Prof. Franke 16 5 - MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA 5.1 - SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO A irrigação por gotejamento compreende os sistemas de irrigação nos quais a água é aplicada

Leia mais

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa

Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Ciência Alimentar e Saúde Composição de Alimentos II Capítulo I Água potável, mineral e de mesa Água Potável deve ser transparente, sem cor, sem odor, livre de microorganismos patogénicos (baixo em microorganismos

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais

Rio Doce Piscicultura

Rio Doce Piscicultura Rio Doce Piscicultura (19) 3633 2044 / (19) 3633 8587 / (19) 9 9512 2879 / (19) 9 8961-8180 contatos@riodocepiscicultura.com.br contatos@riodocepeixes.com.br CALAGEM, ADUBAÇÃO E DESINFECÇÃO DE VIVEIROS

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

HIDROGOOD Horticultura Moderna

HIDROGOOD Horticultura Moderna Fevereiro 2014 Parabéns! Você acaba de adquirir produtos Hidrogood, desenvolvidos e comercializados por empresa nacional da mais alta qualidade reconhecida no exterior! Esta apostila visa orientar a montagem

Leia mais

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES:

BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DE COMPOSTO DE RESÍDUOS VERDES: Aumenta a capacidade de retenção de água; Melhora a permeabilidade e o arejamento de solos pesados, minorando a sua tendência para a compactação;

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM

NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS. Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM NUTRIÇÃO MINERAL DE PLANTAS Prof. Dr. Osmar Souza dos Santos UFSM FUNDAMENTOS DA NUTRIÇÃO DE PLANTAS Nutrientes Macronutrientes: C, H, O, N, P, K, Ca, Mg, S. Micronutrientes: Fe, Mn, Zn, Cu, B, Mo, Cl.

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe

Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia. Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIZAÇÃO Daniel Tapia Realização: Federação Paulista de Golfe Manutenção de Campo / FERTILIDADE A planta absorve os nutrientes pelas raízes e pelas folhas. A absorção pelas raízes

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO

controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO controlar para crescer NUTRIENTE IDEAL PARA FLORAÇÃO, FRUTIFICAÇÃO E FORMAÇÃO DE SEMENTES FLORAÇÃO F1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO USO EM SOLO NATURAL No solo natural o Photogenesis F1 irá complementar os nutrientes

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA

RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA Os problemas que ocorrem na piscina podem geralmente ser resolvidos com um tratamento padrão descrito para cada caso, sendo adaptado para cada

Leia mais

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva

Capítulo 7. Fertilizantes para fertirrigação. Ana Lúcia Borges Davi José Silva Capítulo 7 Fertilizantes para fertirrigação Ana Lúcia Borges Davi José Silva Introdução A escolha do fertilizante a ser aplicado na água de irrigação deve ser feita após avaliação das características

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Os constituintes do solo

Os constituintes do solo Os constituintes do solo Os componentes do solo Constituintes minerais Materiais orgânicos Água Ar Fase sólida partículas minerais e materiais orgânicos Vazios ocupados por água e/ou ar Os componentes

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-192 - USO DE EFLUENTES DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE FLORES EM SISTEMA

Leia mais

Melhorias Construtivas. Sustentáveis

Melhorias Construtivas. Sustentáveis Melhorias Construtivas Sustentáveis O que é sustentabilidade? O Projeto Melhorias Habitacionais Sustentáveis na Bomba do Hemetério, foi criado com o objetivo de reduzir o consumo e melhor aproveitar os

Leia mais

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA

Pág. 1. COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 2009 2ª Fase PROVA DE QUÍMICA Questão 1: As bebidas alcoólicas contêm etanol e podem ser obtidas pela destilação do álcool (ex. whiskey e vodka) ou pela fermentação de uma variedade de produtos como frutas e outros vegetais (ex. vinho

Leia mais

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar?

ADUBOS & ADUBAÇÕES. Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Quais elementos minerais são essenciais às plantas? Quais aplicar? Quando aplicar? Quanto aplicar? Como aplicar? Os 16 elementos essenciais às plantas: PRIMÁRIOS (planta necessita em maiores quantidade)

Leia mais

AQUECIMENTO SOLAR PISCINA RESIDENCIAL GRANDE PORTE CDT

AQUECIMENTO SOLAR PISCINA RESIDENCIAL GRANDE PORTE CDT CONHECENDO O SISTEMA DE AQUECIMENTO SOLAR CENTER SOL Componentes do Sistema de Aquecimento Reservatório de Água Fria: É o reservatório principal de água que possui uma ligação direta com o Reservatório

Leia mais

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa

Manual do Usuário. Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. Imagem Ilustrativa Manual do Usuário Imagem Ilustrativa Importante Antes de usar o seu Aquecedor Solar Solquent, leia este manual. * Este Manual inclui Certificado de Garantia. ÍNDICE Apresentação... 03 Instruções de Segurança...

Leia mais

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico

FERTILIZANTES Fertilizante: Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido Quanto ao Critério Químico Quanto ao Critério Físico FERTILIZANTES Fertilizante: qualquer substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, capaz de fornecer um ou mais nutrientes essenciais às plantas Classificação Quanto a Natureza do Nutriente Contido

Leia mais

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro*

PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* PRODUZIR MIRTILOS Orientações técnicas para a produção de mirtilos ao ar livre, na região Norte e Centro* *não dispensa aconselhamento técnico 1 Avaliação da aptidão do solo, água e clima Fertilidade do

Leia mais

Absorção e adubação foliar

Absorção e adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL320 Absorção e adubação foliar Prof. Volnei Pauletti VIDA VEGETAL - começou no mar, durante o processo evolutivo as folhas não

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO O Tratamento Químico e fundamental para deixar a água da piscina saudável, limpa e cristalina. Você necessita medir, inicialmente, três parâmetros: Alcalinidade Total,

Leia mais

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA

FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA FORMAS DE INJEÇÃO DE FERTILIZANTES COMPONENTES DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Motobomba ou reservatório elevado Central de controle: Dispositivos para medir vazão e pressão; registros; válvulas

Leia mais

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços.

2) Aprendendo a fazer a compostagem. 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 2) Aprendendo a fazer a compostagem 4)Composteira: solução para em pequenos espaços. 3)Manutenção e cuidados com o composto Microorganismos:

Leia mais

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado

Sistema Laminar Médio. Ecotelhado Sistema Laminar Médio Sistema Laminar Médio Objetivo O Sistema Laminar Médio tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas

Química Geral I. Experimento 3 Tendências Periódicas Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciência e Tecnologia Laboratório de Ciências Químicas Química Geral I Experimento 3 Tendências Periódicas 1 - OBJETIVOS Relacionar a reatividade química

Leia mais

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática

UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aulas 14: teórico-prática Nutrição mineral (, Ano lectivo de 2012) Por: Prof. Doutor Domingos

Leia mais

SALITRE POTÁSSICO DO CHILE É UM FERTILIZANTE ESPECIAL. O SALITRE POTÁSSICO, é um composto natural formado pelos Nitratos de Sódio e Potássico.

SALITRE POTÁSSICO DO CHILE É UM FERTILIZANTE ESPECIAL. O SALITRE POTÁSSICO, é um composto natural formado pelos Nitratos de Sódio e Potássico. O SALITRE DO CHILE O Salitre do Chile é um adubo nitrogenado criado pela sábia natureza. Extraído no deserto do Atacama, ao norte do Chile, o Salitre Potássico é distribuído em todo o mundo e reconhecido

Leia mais

CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA

CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA CONCENTRAÇÃO SALINA DA SOLUÇÃO NUTRITIVA E EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA DE PLANTAS DE ABOBRINHA ITALIANA CULTIVADAS EM CASCA DE ARROZ IN NATURA EM DUAS ÉPOCAS DE CULTIVO DA FONSECA, Leandro Andrade;

Leia mais

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado

Sistema Modular Alveolar Leve. Ecotelhado Sistema Modular Alveolar Leve Sistema Modular Alveolar Leve Objetivo O Sistema Alveolar tem como objetivo proporcionar, ao telhado com pouca ou sem inclinação, uma cobertura vegetada para conforto térmico

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

Fatores de cultivo CLIMA:

Fatores de cultivo CLIMA: Fatores de cultivo CLIMA: Os fatores climáticos influenciam de forma acentuada o desenvolvimento dos PMAC, bem como a produção dos princípios ativos. Estes fatores podem influenciar isoladamente ou em

Leia mais

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015

MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO. Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 MUDAS SEM DOENÇAS: PREVENÇÃO E PROTEÇÃO Evelyn Araujo Conqualy Consultoria Florianópolis - SC Out/2015 Muda : papel fundamental na obtenção de uma planta bem formada e SADIA Qualidade sanitária das mudas:

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

Manual e Especificação Técnica

Manual e Especificação Técnica Telhados verdes e jardins elevados Manual e Especificação Técnica Sistema Telhado Verde SkyGarden Paisagismo O sistema de telhado verde da SkyGarden é o resultado de décadas de pesquisas no Japão, em um

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL

SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL SILVICULTURA E MANEJO FLORESTAL Fase 1: Produção de Mudas e Recomendações de Adubação no Viveiro 1. Sistemas de Produção de Mudas de eucalipto e pinus Mudas em saquinhos Atualmente, os recipientes mais

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS

BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS BENEFÍCIOS DOS INSUMOS NA QUALIDADE DAS MUDAS KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PIRACICABA INTERAÇÃO DE FATORES DE PRODUÇÃO

Leia mais

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos

COMPOSTAGEM. Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos COMPOSTAGEM Produção de adubo a partir de resíduos orgânicos Produzir adubo na propriedade rural é uma prática fácil porque a matéria prima a ser usada éobtida de resíduos orgânicos como o lixo doméstico

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

Quem fabrica o CALMAT? CALMAT é um produto fabricado na Alemanha pela CWT Christiani Wassertechnik GmbH, empresa fundada em 1948, com sede em Berlim.

Quem fabrica o CALMAT? CALMAT é um produto fabricado na Alemanha pela CWT Christiani Wassertechnik GmbH, empresa fundada em 1948, com sede em Berlim. O que é CALMAT? CALMAT é um aparelho para tratamento físico das águas calcárias, que elimina os inconvenientes das incrustações causadas pelos sais de cálcio e magnésio. Além disso, remove as incrustações

Leia mais

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação

Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Procedimento Técnico e Prático para Fertirrigação Eng. Agr. Denilson Luís Pelloso Coord. Irrigação Agrofito LTDA Eng. Agr. Bruno Alves Dep. Agronômico Netafim - Brasil 03/09/08 Temas Conceitos básicos

Leia mais

Composição média por litro: Calorias: 651 kcal Cálcio: 1160 mg Vitamina B1: 1,7 mg Carboidratos: 45 g Proteínas: 31,7 g

Composição média por litro: Calorias: 651 kcal Cálcio: 1160 mg Vitamina B1: 1,7 mg Carboidratos: 45 g Proteínas: 31,7 g MOLARIDADE Para que haja uma aula o professor primeiramente necessita optar pela área que irá trabalhar e em seguida escolher o tema. Até aqui nada de novo. Isto acontece com todos os professores não importando

Leia mais

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes

TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes TITULO: Viabilidade produtiva e de utilização de biofertilizantes em Assentamentos Rurais de Santa Catarina/Brasil EJE: Ciencia, Tecnología y Sociedad AUTORES: Msc. Marina Bustamante Ribeiro Prof. Dr.

Leia mais

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior

Compostagem. Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem Gersina N. da R. Carmo Junior Compostagem É um processo de transformação da matéria orgânica do lixo em um composto orgânico (húmus). Composto orgânico Produto final da compostagem Compostagem

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM POLIETILENO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso

UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS. Profª Fernanda Basso UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO CLIMA E SOLOS Profª Fernanda Basso FATORES CLIMÁTICOS IMPORTANTES Temperatura Precipitação Luminosidade Crescimento e

Leia mais

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados

Adubação Fosfatada. Leonardo de Oliveira Machado. 1 Introdução. 2 Origem dos Adubos Fosfatados Adubação Fosfatada Leonardo de Oliveira Machado 1 Introdução O nitrogênio, o fósforo e o potássio são os três elementos geralmente usados em maior escala na adubação. Analizando os tecidos vegetais verifica-se

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM FIBRA DE VIDRO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Manuseio Mínimo. Apoio. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manuseio Mínimo Apoio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BARRACÃO DO PRODUTOR FEIRAS SUPERMERCADOS SACOLÕES QUITANDAS ALIMENTAÇÃO ESCOLAR RESTAURANTES CEAGESP - CENTRO DE QUALIDADE EM

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS

PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS PRODUÇÃO DE MUDAS DE HORTALIÇAS Sistemas de produção Sementes Estruturas vegetativas (propagação por estolhos, estacas, tubérculos, bulbos, rizomas, raízes, micropropagação) PROPAGAÇÃO SEXUADA A SEMENTE

Leia mais

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF).

EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO. Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). EDUCANDO A PARTIR DE UM SISTEMA ALTERNATIVO DE IRRIGAÇÃO Silvia C. M. Ferreira 1 (PF), Willany C. Cardoso 2 (PF). 1 Orientadora professora do CEM S. J. Ribamar/FAPEMA, acadêmica química/ufma. 2 Orientadora

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

REALIZAÇÃO. Rua Eloi Lemos de França, 110 - sala 02 Gruta de Lourdes - Maceió - AL - CEP: 57052-880 Fone/Fax: (82)338-3644 / (82)338-9607 APOIO

REALIZAÇÃO. Rua Eloi Lemos de França, 110 - sala 02 Gruta de Lourdes - Maceió - AL - CEP: 57052-880 Fone/Fax: (82)338-3644 / (82)338-9607 APOIO REALIZAÇÃO Rua Eloi Lemos de França, 110 - sala 02 Gruta de Lourdes - Maceió - AL - CEP: 57052-880 Fone/Fax: (82)338-3644 / (82)338-9607 APOIO Seu dessalinizador está pronto! Agora é cuidar bem dele e

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Manuseamento e disposição das placas

Manuseamento e disposição das placas Manuseamento e disposição das placas Preparar para a nova cultura 3-3 Entrega 1 Não é aconselhável o seu armazenamento no exterior. Armazene num local limpo e seco, separado da área de produção. 3 Não

Leia mais

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS!

PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! PRODUÇÃO ORGÂNICA DE HORTALIÇAS! UMA OPORTUNIDADE DE PRODUZIR ALIMENTOS SAUDÁVEIS PARA CONSUMO E VENDA! ELABORAÇÃO: ENG. AGRÔNOMO MAURO LÚCIO FERREIRA Msc. CULTIVO DE HORTALIÇAS Agosto- 2006 ÍNDICE POR

Leia mais

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura,

Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, Infinite Cursos. Chama-se vulgarmente de telhado qualquer tipo de cobertura em uma edificação. Porém, o telhado, rigorosamente, é apenas uma categoria de cobertura, em geral caracterizado por possuir um

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA INTRODUÇÃO . COMPONENTES Emissores

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA INTRODUÇÃO . COMPONENTES Emissores IRRIGAÇÃO LOCALIZADA 1. INTRODUÇÃO O sistema de irrigação por gotejamento se desenvolveu em função da escassez de água. Este sistema aplica água em apenas parte da área, reduzindo assim a superfície do

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Sistema Hidromodular. Ecotelhado

Sistema Hidromodular. Ecotelhado Sistema Hidromodular Sistema Hidromodular Objetivo O Sistema Hidromodular tem como objetivo proporcionar a laje, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio com a

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO

MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS I MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO ADUBAÇÃO Profª Fernanda Basso Manejo e Conservação do Solo Sistema de manejo conjunto de operações que contribuem

Leia mais

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas.

ADUBAÇÃO FOLIAR. Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. ADUBAÇÃO FOLIAR Conceito Fornecimento de nutrientes para as plantas na forma de pulverização, aproveitando a capacidade de absorção pelas folhas. Bons resultados podem ser obtidos através da adubação foliar

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

Absorção e Adubação foliar

Absorção e Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo Absorção e Adubação foliar Prof. Volnei Pauletti UFPR ADUBOS FLUÍDOS - Absorção

Leia mais

JORNADA TÉCNICA LARANJAL QUINTA DO LAGO 13/09/2013

JORNADA TÉCNICA LARANJAL QUINTA DO LAGO 13/09/2013 JORNADA TÉCNICA LARANJAL QUINTA DO LAGO 13/09/2013 Quem Somos, Onde Estamos Empresa Portuguesa Fornecedora de bens e serviços para Áreas Verdes e Agricultura Sede: Silves Desde 1992 Zonas de ação Algarve

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA TANQUES

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA TANQUES SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA TANQUES MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento de água do Brasil. Campeã em

Leia mais

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes

Nutrientes. Do que as plantas precisam? Out, 2012 002/ Ano 02. Nutrientes Nutrientes Do que as plantas precisam? Introdução Para se desenvolver perfeitamente a planta necessita de luz, água, temperatura adequada e de elementos minerais. O solo não é essencial a vida dos vegetais,

Leia mais