Satisfação dos Enfermeiros: estudo comparativo em dois Modelos de Gestão Hospitalar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Satisfação dos Enfermeiros: estudo comparativo em dois Modelos de Gestão Hospitalar"

Transcrição

1 ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO Satisfação dos Enfermeiros: estudo comarativo em dois Modelos de Gestão Hositalar Nurse Satisfaction: comarative study on two Models of Hosital Management Vera Lúcia Dias Batista*; Ricardo Manuel da Fonseca Santos** aulo Miguel da Fonseca Santos***; João Carvalho Duarte**** Resumo A satisfação e suas dimensões têm sido reconhecidas como arte integrante dos cuidados (Cleary, 1991), nos resultados de saúde o que, constitui um indicador de qualidade dos cuidados restados ( Wilkin et al., 1996). No entanto, qualquer que seja o modelo de gestão hositalar, imorta reflectir e avaliar o grau de satisfação dos enfermeiros a trabalhar nestas instituições. Este estudo tem como unidade de análise o Centro Hositalar Cova da Beira, EE (CHCB, EE), que reresenta um modelo de gestão Entidade ública Emresarial (EE) e o Hosital Sousa Martins (HSM) que reresenta o modelo de gestão úblico. A amostra robabilística intencional foi formada or 218 enfermeiros. Trata-se de um estudo descritivo, analítico e correlacional, cuja, recolha de dados se baseou num questionário (IAS Instrumento de avaliação satisfação rofissional). O objectivo geral, retende identificar as variáveis reditoras na satisfação dos enfermeiros nos dois hositais com modelos de gestão diferentes (Centro Hositalar Cova da Beira, na Covilhã (CHCB, EE) e Hosital Sousa Martins, na Guarda (HSM). Como conclusões enumeram-se a idade como variável reditora ara o HSM, ou seja, quanto maior a idade do enfermeiro maior a satisfação face ao vencimento. ara o género no CHCB, EE confirma-se as hióteses ara as facetas RTF e SCA, ara a sub-escala QLT e ara a escala QSC. ara o género no HSM, a hiótese H1 b não se confirma em nenhuma faceta, escala ou sub escala do IAS. alavras-chave: satisfação no emrego; administração hositalar; enfermeiros. * Mestrado em Gestão de Unidades de Saúde, ela Universidade da Beira Interior; Enfermeira no Centro Hositalar Cova da Beira [batista. **Mestrado em Gestão de Unidades de Saúde, ela Universidade da Beira Interior; Enfermeiro no Centro Hositalar Cova da Beira ***Mestrando em Gestão de Unidades de Saúde, ela Universidade da Beira Interior; Enfermeiro graduado no Centro Hositalar Cova da Beira **** Mestrado em Sócio-sicologia, elo Instituto Miguel Torga; rofessor Coordenador da Escola Suerior de Saúde de Viseu Abstract Satisfaction and its dimensions have been recognized as an integral art of care (Cleary, 1991), in articular health outcomes which are indicators of the quality of care rovided ( Wilkin et al., 1996). However, whatever the model of hosital management, it is imortant to reflect on and evaluate the degree of nurses satisfaction in working in these institutions. The units of analysis for this study were the Hosital Cova da Beira, EE (CHCB, EE), which was an examle of the ublic Enterrise (EE) model of management entity and the Hosital Sousa Martins (HSM), which reresents the management ublic model. A random samle intentional was formed of 218 nurses. This was a descritive study, analytical and correlational, and the data were collected using a questionnaire (IAS - instrument for assessing job satisfaction). The overall objective was to identify the redictive variables for nurse satisfaction in two hositals with different management models (Centro Hositalar Cova da Beira, in Covilhã (CHCB, EE) and Sousa Martins Hosital, in Guarda (HSM). The conclusions included that age was a redictor variable for the HSM, greater the age of nurses increasing satisfaction with the salary. With regard to the CHCB, EE, the hyothese were confirmed for RTF and SCA, for the QLT subscale and for the QSC scale. With regard to the HSM, the H1b hyothesis was not confirmed for any asect, scale or subscale of the IAS. Keywords: job satisfaction; hosital administration; nurses. Recebido ara ublicação em: Aceite ara ublicação em: II Série - n Mar. 2010

2 Introdução Qualquer unidade de saúde constitui uma unidade elementar de identificação de necessidades em saúde, de laneamento, de coordenação e articulação de recursos, dos serviços e actividades, de avaliação de resultados, de desenvolvimento da formação e da investigação. Os recursos humanos de uma instituição/organização são os agentes que otenciam a qualidade e a eficiência dos seus serviços. Segundo Lima (1996), o indivíduo satisfeito, encontra-se com maior caacidade de resosta face às solicitações do meio envolvente. A satisfação e as suas diversas dimensões têm sido reconhecidas como arte integrante dos cuidados (Cleary, 1991), nomeadamente nos resultados de saúde o que, como tal, constitui um indicador de qualidade dos cuidados de saúde restados ( Wilkin et al., 1996). Os hositais e os seus funcionários, têm estado sob grande ressão ela imlementação de mudanças efectivas, com esecial incidência sobre as áreas financeiras e organizacionais. Com a assagem de muitos hositais a entidades úblicas emresariais, questões relacionadas com o contexto organizacional em termos de recursos humanos, ode levantar dúvidas sobre a estabilidade em relação ao emrego, estável e ara toda a vida, or força das novas regras de contratualização. Esta ressuõe que os rofissionais tenham de investir na sua qualificação não só essoal, mas também rofissional (Ribeiro, 2005). No entanto, qualquer que seja o modelo de gestão hositalar, imorta reflectir e avaliar o grau de satisfação dos enfermeiros a trabalhar nestas instituições, identificar factores que a influenciam, discutir os resultados e roor estratégias ara a melhoria das organizações e bem-estar dos seus rofissionais. Este estudo tem como unidade de contexto o Centro Hositalar Cova da Beira, EE (CHCB, EE), na Covilhã que reresenta um modelo de gestão Entidade ública Emresarial (EE) e o Hosital Sousa Martins (HSM) na Guarda, que reresenta o modelo de gestão úblico. A amostra não robabilística intencional inicial foi formada or 218 enfermeiros. Trata-se de um estudo descritivo, analítico e correlacional, cuja recolha de dados se baseou num questionário (IAS). Este estudo retende dar um contributo nesta área do conhecimento Satisfação dos Enfermeiros: Um estudo Comarativo - tem como rincial roósito avaliar a satisfação dos enfermeiros nas organizações, ara que deste modo, se ossam imlementar mediadas correctivas e se obterem as transformações desejadas. Mais recisamente, o objectivo geral, retende identificar as variáveis reditoras na satisfação dos enfermeiros nos dois hositais com modelos de gestão diferentes (Centro Hositalar Cova da Beira, na Covilhã (CHCB, EE) e Hosital Sousa Martins, na Guarda (HSM). 1. Enquadramento Teórico e Hiótese de Investigação 1.1. A Satisfação rofissional e seus Modelos Teóricos A satisfação associa-se à esfera individual do trabalhador, ao seu bem-estar físico e emocional, à qualidade de vida e à esfera organizacional (qualidade do trabalho, desemenho, rodutividade, ontualidade, absentismo e rotatividade). É de esecial imortância no camo de enfermagem, ois bem-estar e qualidade de vida no trabalho são factores que influenciam directa, ositiva ou negativamente, a qualidade da assistência de enfermagem e a erceção de asectos relacionados à rofissão (Lima, 1996). ara Lucas (1984), o motor dos estudos sobre a insatisfação no trabalho, quer a nível individual quer organizacional, é a necessidade de aumentar a rodutividade, diminuir o absentismo, reforçar a moral e manter uma saudável força de trabalho. O mesmo autor aela ara uma mudança das olíticas de recursos humanos, ao nível da administração de saúde e justifica a necessidade de romover a investigação a nível dos cuidados de enfermagem, de institucionalizar, lanear e executar a formação de enfermagem de nível suerior. No contexto mais esecífico na área da saúde, Donabedian (1980) define a satisfação rofissional como um factor que interfere ositivamente no atendimento do utente e no relacionamento na equia da saúde. Segundo Alcobia (2001), imorta salientar duas dimensões distintas de satisfação no trabalho. A rimeira caracteriza-se or uma abordagem unidimensional ou abordagem global. Neste caso, a satisfação é vista como uma atitude em relação ao 58 Satisfação dos Enfermeiros: estudo comarativo em dois Modelos de Gestão Hositalar

3 trabalho em geral. Embora não resulte do somatório dos múltilos asectos que caracterizam o trabalho, deende deles. A segunda dimensão caracteriza-se or uma abordagem multidimensional. Esta considera que a satisfação deriva de um conjunto de factores associados ao trabalho, e que é ossível medir a satisfação das essoas em relação a cada um desses factores. São vários os autores tais como, eiró e Cook et al., citados or Alcobia (2001), que referem este carácter multidimensional. Neste sentido, sobressaem as seguintes dimensões: (i) a satisfação com a chefia; (ii) a satisfação com a organização; (iii) a satisfação com os colegas de trabalho; (iv) a satisfação com as condições de trabalho; (v) a satisfação com a rogressão na carreira; (vi) satisfação com as ersectivas de romoção; (vii) a satisfação com as recomensas salariais; (viii) a satisfação com os subordinados; (ix) satisfação com a estabilidade do emrego; (x) a satisfação com a quantidade de trabalho; (xi) a satisfação com o desemenho essoal; e (xii) a satisfação intrínseca essoal. Muitos outros modelos foram roostos, nomeadamente o modelo da discreância de Lawler, o qual, segundo Oliveira (2000), também faz aelo às características individuais, mas o seu âmbito de análise é bastante localizado (vencimento/salário), ressuondo que a satisfação no trabalho é o resultado or um lado da adequação entre exectativas da situação face ao trabalho e or outro, das resostas da organização a essas mesmas exectativas. Quer isto dizer que se trata da erceção entre os objectivos valores que o trabalhador esera ver realizados no trabalho e as características que inferem da situação real do trabalho. Em 1978 feffer, citado or Oliveira (2000), aresenta o modelo do rocessamento social da informação, no qual a satisfação é vista como um roduto roveniente do rocesso de influência social e também como um fenómeno que teve origem no contexto social. Mais tarde, a teoria dos eventos situacionais desenvolvidos descrevem satisfação rofissional como o resultado das resostas emocionais à situação erante o qual o indivíduo se encontra. Estes dois modelos estão inseridos nas abordagens situacionais nas quais, Alcobia (2001) considera que são os factores situacionais que determinam a satisfação no trabalho Satisfação rofissional em Enfermagem Na ersectiva de Salomé (1999), a satisfação rofissional em enfermagem revela-se, aesar de aarentemente inexistente, extremamente grave quando se olha ara as suas consequências: absentismo, elevada rotação de emrego, escassez de rofissionais, baixa rodutividade, diminuída eficiência e qualidade de serviços a ar de custos acrescidos de substituição. Aesar de não serem ainda conhecidos muitos resultados de estudos sobre a satisfação rofissional na enfermagem, em ortugal, torna-se ossível inferir, artindo de alguns dados sobre absentismo, rotação e escassez de enfermeiros. Lucas (1984) descreve os trabalhos de Joiner et al., que ao desenvolver estudos nos EUA, afirma que a enfermagem não aresenta, de facto, uma situação desfavorável no contexto da força de trabalho. Usando o Motivating otencial Score (MS), chegaram à conclusão de que o emrego de enfermagem aarece como sendo comarativamente alto em otencial motivacional. Disondo embora de um elevado otencial motivacional, a rofissão de enfermagem aresenta diferentes sinais de insatisfação. Os efeitos de uma tal situação são de diversa ordem e reercutemse ao nível da realização essoal e rofissional dos enfermeiros, da qualidade dos cuidados, da eficiência dos serviços e da rodutividade. No sentido de dar um contributo válido a este roblema, Lucas (1984) agruou um conjunto de trabalhos de diversos autores sobre satisfação rofissional e desenvolveu um estudo que consistiu em medir o grau de satisfação dos rofissionais de saúde, como resultado do estudo, obteve a autonomia, como a comonente mais valorizada, de seguida o estatuto rofissional, em ambos os hositais, e em terceiro lugar o salário. Também Lucas (1984) aonta olíticas e estratégias que contribuem ara reduzir a insatisfação e ara romover a satisfação rofissional de enfermagem. Tais estratégias dizem reseito ao nível da direcção de serviços hositalares ou de quaisquer outras unidades de saúde, ao nível da gestão de recursos humanos das organizações de saúde e, finalmente, ao nível da administração de saúde. A eficácia deende da consistência e globalidade da intervenção. Melhores resultados se obterão quando a intervenção se exerce a Vera Lúcia Dias Batista, et al. 59

4 diferentes níveis do sistema de saúde, nomeadamente ao nível da direcção e suervisão de unidades ou de serviços e ao nível da gestão de recursos do sistema de saúde. 2. Metodologia de Investigação oulação, amostra e tio de estudo: Este estudo tem como contexto de análise o Centro Hositalar Cova da Beira, EE (CHCB, EE), na Covilhã que reresenta um modelo de gestão Entidade ública Emresarial (EE) e o Hosital Sousa Martins (HSM) na Guarda, que reresenta o modelo de gestão úblico. De referir que, nos serviços incluídos na amostra foram considerados todos os enfermeiros de todos os serviços. Deste modo, a amostra inicial foi formada or 692 enfermeiros, no entanto destes aenas 218 enfermeiros reencheram o questionário na sua totalidade, constituindo este número a amostra final. Obteve-se uma amostra não robabilística intencional (Característica de amostra em que as unidades amostrais são seleccionadas de acordo com a conveniência do esquisador, não se obedeceu a critérios de selecção, esecíficos foram trabalhados os dados de arte dos enfermeiros que estariam a trabalhar naqueles dias, não obedecendo a critérios de selecção na escolha da amostra). È ainda um estudo analítico e correlacional, inserido numa investigação não exerimental, ois não se rocuram maniular as variáveis em estudo. Instrumento de recolha de dados. A recolha de dados consistiu de um rotocolo constituído or questionários e escalas que os enfermeiros reencheram de uma forma individual e anónima. O questionário utilizado intitula-se Instrumento de Avaliação da Satisfação rofissional (IAS-H v5) do Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra (versão 5). Quadro 1: Escalas, sub escalas e facetas do IAS Instrumento de Avaliação Satisfação rofissional (IAS) Fonte: Ribeiro, O.. (2005),. 136 Escalas Sub escalas Facetas Questões olítica Recursos Órgãos de gestão 13 A à 15D Qualidade Local Trabalho (QLT) Humanos (OG) (RH) Recursos Humanos (RH) 10 A à 10B 9A à 9 C Moral Estado Esírito (EE) 11 A e 11 B (M) Suerior Hierárquico (SH) 7 A à 7K Recurso Tecnológicos Vencimento (V) 12 A à 12 B e Financeiros Local Trabalho (RTF) Equiamento 8 A à 8 D (LTE) Qualidade Hosital restação de Cuidados (QHC) Qualidade Serviços restação Cuidados (QSC) Melhoria Contínua da Qualidade MCQ) Serviços Internamento (SI) Serviços Comlementares de Aoio (SCA) 14 A à 14 G 15 A à 15 G 15 H à 15Q 16 A à 16H 60 Satisfação dos Enfermeiros: estudo comarativo em dois Modelos de Gestão Hositalar

5 Variáveis em Estudo. ara a realização desta investigação, considerou-se um conjunto de variáveis necessárias e fundamentais ara o tratamento estatístico: variáveis sócio-demográficas (idade, género, estado civil e habilitações literárias); sócio-rofissional (tio de vinculo, temo de serviço, suervisão e chefia). rocedimentos formais e éticos. ara a recolha de informação, entrou-se em contacto com o Conselho de Administração do Hosital Sousa Martins solicitando a sua autorização ara a alicação dos resectivos instrumentos de estudo. Deois deste rimeiro contacto foram contactados os enfermeiros chefes e directores de cada serviço, a fim de se exlicarem os objectivos e relevância desta investigação. Foram distribuídos 436 questionários no CHCB, EE e 256 questionários no HSM, de forma ersonalizada or serviços, num enveloe, sendo solicitado o seu reenchimento e devolução ao resectivo serviço. A alicação do instrumento de recolha de dados foi feita no eríodo de 1 de Junho de 2006 a fins de Julho de rocedimentos estatísticos. Na análise dos dados recorreu-se à estatística descritiva e analítica. Em relação à estatística descritiva, determinaramse: frequências absolutas e ercentuais; médias; desvios adrão. No que reseita à estatística analítica utilizaram-se: matrizes de correlação de earson - ara avaliar eventuais relações entre variáveis; regressões múltilas - ara testar modelos reditivos com mais de uma variável indeendente; análises de variância relacionadas (Anova) ara comaração de médias entre três ou mais variáveis; teste UMW, ara comaração de médias entre gruos. A utilização de testes aramétricos e não aramétricos em simultâneo tem a ver com a normalidade da variável deendente. As hióteses rovêm na maior arte das vezes da observação de fenómenos na realidade e, nesta investigação em concreto, encontram-se directamente relacionadas com o nível de satisfação dos enfermeiros a exercer funções em dois Hositais com modelos de gestão diferentes: o Centro Hositalar Cova da Beira, EE e o Hosital Sousa Martins. H1- A satisfação rofissional é reditora das variáveis sócio-demográficas H1 a A Idade é reditora da satisfação rofissional H1 b O Género é reditor da satisfação rofissional H1 c As Habilitações Literárias são reditoras da satisfação rofissional 3. Aresentação e Análise dos Resultados A amostra é constituída or 218 indivíduos sendo144 do CHCB, EE 1 e 74 do HSM. Quanto ao género 155 ertencem ao sexo feminino (71,10%) e 63 ao sexo masculino (28,90%). Verifica-se que a idade média no CHCB, EE (31,02 anos) é inferior à do HSM (31,40 anos), com as mesmas idades mínimas ara ambos os hositais (22 anos), diferindo a idade máxima, sendo esta suerior no CHCB, EE (57 anos). Da totalidade da amostra, 76,60% ossui como habilitações literárias o nível suerior. Tanto no CHCB, EE (79,90%) como no HSM (70,30%) o ensino suerior é que aresenta um valor ercentual mais elevado. A situação de casado com registo é o estado civil mais reresentativo entre os enfermeiros com 56,90%. Os enfermeiros que referiram serem solteiros corresondem a 37,20%, contribuindo ara este valor ercentual os 41,00% do CHCB, EE, o que contrasta com 29,70% de solteiros no HSM. O temo mínimo e máximo de serviço no HSM são de 0,2 anos e 34 anos. Enquanto no CHCB, EE, são de 0,5 e 34,0. As médias ara o CHCB, EE e HSM são de 7,73 anos e 7,98 anos de serviço, resectivamente. O temo médio de exercício na rofissão é de 7,82 anos. Aurou-se que só 4,60% dos enfermeiros é que trabalham menos de 35 horas semanais. O valor mais reresentativo corresonde ao gruo de enfermeiros que faz 35 horas semanais, (70,60%), ara este valor muito contribui os 97,30% do HSM, aresentando valor residual de (res=6,2). A realizar 40 horas semanais, só se encontram os enfermeiros do CHCB, EE, visto o tio de gestão que revalece no hosital HSM não raticar este tio de horário. Da totalidade dos enfermeiros 88,10%, exerce o horário or turnos encontrando-se 11,90% a realizar horário fixo. 1 CHCB, EE Centro Hositalar Cova da Beira, Entidade ública Emresarial HSM Hosital Sousa Martins Vera Lúcia Dias Batista, et al. 61

6 Quanto ao tio de vínculo mantido com a instituição, o trabalhador do quadro é aquele que obtém valores mais elevados, tanto no HSM com 60,10, como no CHCB, EE com 49,18%. Em segundo lugar situa-se o contrato a termo indeterminado no CHCB, EE com 33,30% e no HSM o contrato a termo certo (9,50), visto neste hosital não se realizarem contratos individuais de trabalho sem termo Resultados da satisfação rofissional A Qualidade do Hosital como Local de Trabalho (QLT) é a rimeira escala analisada no IAS, constituída elas facetas Órgãos de Gestão (OG) e Recursos Humanos (RH) que or sua vez integra a sub escala olítica dos Recursos Humanos (RH). olítica de Recursos Humanos (RH) Observa-se no Quadro 1 que em relação à faceta Recursos Humanos, os enfermeiros do CHCB, EE aresentam uma (média=14,63) suerior aos enfermeiros do HSM, revelando o teste t, diferenças estatisticamente significativas (=0,007). Quanto aos Órgãos de Gestão os enfermeiros do CHCB, EE encontram-se mais satisfeitos do que os enfermeiros do HSM, no entanto não existe diferenças estatisticamente significativas entre as médias. Quadro 1 Distribuição das facetas da sub escala olítica de Recursos Humanos or hosital Facetas Hosital Min Max Média d CV OG CHCB, EE 4,00 20,00 8,13 2,92 35,91 HSM 4,00 17,00 7,54 2,80 37,13 RH CHCB, EE 8,00 25,00 14,63 3,28 22,41 HSM 7,00 23,00 13,29 3,69 27,76 > 0,05 ns *** < 0,001 Levenne t 0,578 1, ns 0,131 2,721 0,007** Assim elo Quadro 2, os enfermeiros do CHCB, EE aresentam-se mais satisfeitos (média=22,77) com a olítica de Recursos Humanos exercida no seu hosital que os enfermeiros do HSM (média=20,83). A realização do teste t verificou diferenças estatísticas significativas (=0,014). Quadro 2 Distribuição da sub escala olítica de Recursos Humanos or hosital RH * < 0,05 Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 12,00 43,00 22,77 5,34 23,52 HSM 11,00 40,00 20,83 5,71 27,41 Levenne t 0,389 2,469 0,014* Moral (M) ara os dois hositais em estudo, o Quadro 3 revela que na faceta SH quem aresenta ontuações médias sueriores é o CHCB, EE com valor de (média=35,70) e com ontuações médias inferiores encontra-se o HSM (média=35,29), não se verificando ela realização do teste t, diferenças estatisticamente significativas (=0,749). Analisando a faceta Estado de Esírito (EE) verifica-se que o CHCB, EE aresenta uma (média=0,36) suerior comarativamente ao hosital HSM, revelando o mesmo teste diferenças não estatisticamente significativas (= 0,111). 62 Satisfação dos Enfermeiros: estudo comarativo em dois Modelos de Gestão Hositalar

7 Quadro 3 Distribuição das facetas que constituem a sub escala Moral or hosital Facetas Hosital Min Max Média d CV EE CHCB, EE 3,00 10,00 6,54 1,47 22,47 HSM 2,00 10,00 6,18 1,65 26,69 SH CHCB, EE 11,00 55,00 35,70 9,00 25,21 HSM 15,00 55,00 35,29 8,93 25,30 > 0,05 ns Levenne t 0,553 1,602 0,111ns 0,692 0,320 0,749ns No Quadro 4, verifica-se que os enfermeiros do CHCB, EE encontram-se mais satisfeitos (média=42,25) que os enfermeiros do HSM (média=41,48) o teste t, não aresentou no entanto diferenças estatisticamente significativas (=0,586). Quadro 4 Distribuição da sub escala Moral or hosital M > 0,05 ns Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 18,00 65,00 42,25 9,75 23,07 HSM 19,00 65,00 41,48 9,88 23,81 Levenne t 0,827 0,545 0,586ns Recursos Tecnológicos e Financeiros (RTF) A faceta LTE aresenta uma média no CHCB, EE de (média=11,61) e (média=9,59) no HSM, sendo estas diferenças estatisticamente significativas, como revelou o teste t ( = 0,000), verificando-se um grau de disersão moderado (Quadro 5). Na faceta Vencimento ode-se inferir que em ambos os hositais os enfermeiros estão ouco satisfeitos com o vencimento que auferem, não havendo diferenças estatisticamente significativas (=0,081). Quadro 5 Distribuição das facetas Vencimento e Local de Trabalho e Equiamento or hosital Facetas Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 3,00 18,00 5,25 2,48 47,23 V HSM 3,00 9,00 5,25 1,66 31,61 CHCB, EE 4,00 20,00 11,61 3,22 27,73 LTE HSM 4,00 17,00 9,59 2,56 26,69 > 0,05 ns *** < 0,001 Levenne t 0,014-0,024 0,981ns 0,008 5,018 0,000*** Da análise do Quadro 6 verifica-se que os enfermeiros do CHCB, EE (média=16,86) encontram-se mais satisfeitos que os enfermeiros do HSM (média=14,85), aresentando o teste t diferenças estatísticas significativas (=0,001). Quadro 6 Distribuição da sub escala Recursos Tecnológicos e Financeiros or hosital RTF ** < 0,01 Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 7,00 30,00 16,86 4,38 25,97 HSM 7,00 23,00 14,85 3,64 24,51 Levenne t 0,084 3,384 0,001** Vera Lúcia Dias Batista, et al. 63

8 Qualidade do Hosital na restação de Cuidados (QHC) A escala QHC aresenta (média=19,89) ara o CHCB, EE e (média=18,20) no HSM, o teste t, revelou diferenças estatísticas significativas (=0,004), verificando-se deste modo, uma maior satisfação or arte dos enfermeiros do CHCB, EE (Quadro 7). Quadro 7 Distribuição da escala Qualidade do Hosital na restação de Cuidados or hosital QHC * < 0,05 Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 10,00 35,00 19,89 4,08 20,51 h s m 10,00 28,00 18,20 3,97 21,81 Levenne t 0,890 2,926 0,004* Qualidade dos Serviços na restação de Cuidados (QSC) A Qualidade dos Serviços na restação de Cuidados (QSC), é sub dividida em duas sub escalas, os Serviços de Internamento (SI) e os Serviços Comlementares de Diagnóstico (SCA), conforme Quadro 8. Relativamente à sub escala SCA obteve valores no CHCB, EE sueriores que no HSM, com valor médio de 24,65 e 24,52, não aresentando o teste t diferenças estatisticamente significativas (=0,855). or sua vez, a sub escala SI aresenta uma (média= 20,42) de valor médio ara o CHCB, EE e uma (média= 19,58) no CHCB. Também aqui não existem diferenças estatísticas significativas (=0,123). Quadro 8 Distribuição das facetas Serviços Internamento e Serviços Comlementares de Diagnóstico or hosital SI SCA > 0,05 ns Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 11,00 32,00 20,42 3,79 18,56 HSM 13,00 30,00 19,58 3,82 19,50 CHCB, EE 15,00 39,00 24,65 4,73 19,18 HSM 13,00 39,00 24,52 4,93 20,10 Levenne t 0,687 1,547 0,123ns 0,433 0,183 0,855ns Nesta escala e conforme já se tinha constatado antes na escala QSC, existe uma diferença não estatisticamente significativa mas demonstra que no CHCB, EE (média=45,07) há maior satisfação com a Qualidade dos Serviços restados comarativamente ao HSM (média=44,10) (Quadro 9). Quadro 9 Distribuição da escala Qualidade dos Serviços na restação dos Cuidados or hosital QSC > 0,05 ns Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 26,00 68,00 45,07 7,45 16,52 h s m 30,00 61,00 44,10 7,47 16,93 Levenne t 0,909 0,907 0,365ns Melhoria Contínua da Qualidade Esta escala aresenta um valor médio de 27,90 ara o hosital CHCB, EE e média de 24,70 ara o HSM, aresentando diferenças estatisticas significativas (t=2,999; =0,003). Da análise da escala Melhoria Contínua da Qualidade (MCQ), obteve-se uma média de 57,57 (Quadro 10). 64 Satisfação dos Enfermeiros: estudo comarativo em dois Modelos de Gestão Hositalar

9 Quadro 10 Distribuição da escala Melhoria Contínua da Qualidade or hosital MCQ ** <0,01 Hosital Min Max Média d CV CHCB, EE 15,00 102,00 27,90 8,20 29,39 h s m 11,00 38,00 24,70 5,80 23,48 Levenne t 0,965 2,999 0,003** Satisfação rofissional e as Variáveis Sócio-Demográficas ara iniciar a validação das hióteses de investigação inicialmente formuladas, analisar-se-á a rimeira hiótese de investigação: H1 A satisfação rofissional é reditora das variáveis sócio-demográficas Esta sub divide-se em três sub hióteses que se analisarão de seguida. ara analisar a relação entre a satisfação rofissional e a idade relembra-se a rimeira sub hiótese: H1 a A idade é reditora da satisfação rofissional No modelo de regressão cujos resultados são sumariamente aresentados na Quadro 11, observa-se que a variável vencimento constitui-se como reditora da satisfação rofissional dos enfermeiros do HSM. No CHCB, EE não se observa nenhuma variável reditora elo que, desde já, se ode constatar que não existe relação entre a satisfação rofissional e a variável idade. O teste F é estatisticamente significativo (=0,005), o que nos leva à rejeição de nulidade entre a variável vencimento e os valores de (t) dado, aresentarem diferenças estatísticas significativas, ermite ainda afirmar que a variável vencimento tem oder exlicativo na satisfação rofissional dos enfermeiros, constituindo-se esta como reditora. QUadro 11 - Regressão múltila entre a idade e o IAS no HSM Variável indeendente = Idade R = 0,321 R 2 = 0,103 R 2 Ajustado = 0,090 Erro adrão da estimativa = 6,93898 Incremento de R 2 = 0,103 F = 8,247 = 0,005 esos de Regressão Variáveis deendentes Coeficiente adronizado t Efeito Vencimento 0,321 2,872 0,005 Soma quadrados GL Análise de variância Média quadrados Regressão 397, ,075 8, Residual 3466, ,149 Total 3863, F No Quadro 12 o hosital CHCB, EE foi quem obteve a maior satisfação rofissional (média=180,50) nos enfermeiros com menos de 24 anos, no HSM o gruo de idade mais satisfeito rofissionalmente é o comreendido entre anos de idade (média=171,41), não sendo as diferenças estatisticamente significativas. Vera Lúcia Dias Batista, et al. 65

10 Quadro 12 Teste Anova entre os gruos etários e o IAS or hosital Hosital 24 anos anos anos anos 39 anos d d d d d f CHCB, EE 180,50 35,72 171,05 25,88 176,77 28,85 171,84 19,97 172,69 25,09 0,638 0,636ns HSM 151,30 23,57 163,70 32,33 162,11 29,75 171,41 18,84 166,50 31,98 0,877 0,482ns > 0,05 ns Assim, ode inferir-se que a satisfação rofissional não é influenciada ela idade no CHCB, EE, mas no HSM a idade constitui-se como reditora o que confirma arcialmente a hiótese H1 a: A idade é reditora da satisfação rofissional. Seguindo a mesma metodologia definida no início, testar-se-á a seguinte hiótese: H1 b O género é reditor da satisfação rofissional ara analisar a relação entre o género e as facetas do IAS, recorreu-se ao teste t de Student ara amostras indeendentes. Dos resultados obtidos, na Quadro 13, verifica-se que no CHCB, EE as faceta OG (média=8,47); V (média=5,42); LTE (média=12,60) e RH (média=15,45) aresentam uma média suerior nos enfermeiros do sexo masculino comarativamente aos do sexo feminino e no HSM é o sexo feminino que aresenta valores mais elevados. or sua vez, em ambos os hositais nas facetas EE e SH são os enfermeiros do sexo masculino que se encontram mais satisfeitos, com uma (média=6,90) ara a faceta EE no CHCB, E..E. e uma (média=6,39) no HSM, já ara a faceta SH no CHCB, E.E. aresenta uma (média= 35,80) e no HSM um (média= 36,26). Na faceta vencimento no CHCB, EE são os enfermeiros do sexo masculino (média=5,42) que aresentam valores sueriores, já no HSM são os enfermeiros do sexo feminino que obtém valores mais elevados (média=5,37). Ainda no CHCB, EE, a faceta que diz reseito ao local de trabalho e equiamento (LTE), obteve uma média de 11,23 ara o sexo feminino e uma média de 12,60 ara o sexo masculino, cujo valor de t é estatisticamente significativo (=0,022). Quadro 13 Teste t ara a diferença de médias entre as facetas da escala Qualidade do Local de Trabalho e o género CHCB, E..E HSM Feminino Masculino Feminino Masculino t d d D d t OG 8,01 2,82 8,47 3,21-0,85 0,395ns 7,72 2,95 7,13 2,45 0,84 0,402 ns RH 14,31 3,20 15,45 3,39-1,86 0,064ns 13,35 3,84 13,17 3,43 0,19 0,849 ns EE 6,40 1,44 6,90 1,53-1,82 0,071ns 6,09 1,66 6,39 1,64-0,70 0,484 ns SH 35,67 8,71 35,80 9,85-0,07 0,940ns 34,86 8,56 36,26 9,82-0,62 0,537 ns V 5,18 2,40 5,42 2,72-0,52 0,602ns 5,37 1,54 5,00 1,90 0,89 0,376 ns LTE 11,23 3,27 12,60 2,91-2,31 0,022* 9,84 2,54 9,04 2,60 1,24 0,218 ns > 0,05 ns * < 0,05 QLT No Quadro 14 verifica-se que, relativamente ao CHCB, EE, os enfermeiros do sexo masculino encontram-se mais satisfeitos com a sub escala RH (média=23,92) que os enfermeiros do sexo feminino (média= 22,32) já no HSM é o sexo feminino que está mais satisfeito (média=21,07). A sub escala Moral e SI comortam-se de maneira idêntica, quer no CHCB, EE quer no HSM, ou seja, são os enfermeiros do sexo masculino que se encontram mais satisfeitos com estas duas sub escalas. No CHCB, EE os serviços comlementares de aoio (SCA) aresentam média de 24,00 ara o sexo feminino e média de 26,35 ara o sexo masculino e a diferenças encontradas são estatisticamente significativas ( = 0,007), já no HSM o sexo feminino e masculino aresentam médias de 24,72 e 24,08 resectivamente. 66 Satisfação dos Enfermeiros: estudo comarativo em dois Modelos de Gestão Hositalar

11 Tal como na sub escala SCA a RTF também se comorta de maneira idêntica, no CHCB, EE é o sexo masculino (média=18,02) que aresenta valor mais elevado e no HSM é o sexo feminino o mais satisfeito (média=15,21), existindo diferenças estatisticamente significativas no CHCB, EE ( = 0,048). Quadro 14 Teste t ara a diferença de médias entre as sub escalas e o género CHCB, EE HSM Feminino Masculino Feminino Masculino t d d d d t RH 22,32 5,07 23,92 5,91-1,61 0,108ns 21,07 5,93 20,30 5,30 0,53 0,593ns M 42,07 9,38 42,70 10,77-0,34 0,733ns 40,96 9,39 42,65 11,02-0,67 0,500ns RTF 16,41 4,45 18,02 4,04-1,99 0,048* 15,21 3,58 14,04 3,72 1,24 0,202ns SI 20,25 3,98 20,87 3,26-0,88 0,378ns 19,23 4,14 20,34 2,93-1,32 0,192ns SCA 24,00 4,37 26,35 5,25-2,72 0,007** 24,72 4,80 24,08 5,30 0,51 0,610ns > 0,05 ns * < 0,05 ** < 0,01 Analisando o Quadro 15, nas escalas QHC e QSC tanto no CHCB, EE como no HSM, os enfermeiros aresentam-se mais satisfeitos que as enfermeiras. No entanto, só se encontram valores estatisticamente significativos na escala QSC no CHCB, EE, (=0,032). Na escala MCQ, as enfermeiras do CHCB, EE (média=28,15) e do HSM (média=24,86), aresentam-se mais satisfeitas do que os seus ares, não havendo, no entanto, diferenças estatísticas significativas (=0,727). Relativamente à escala QLT, no CHCB, EE, o sexo masculino (média=84,65) encontra-se mais satisfeito que o feminino (média=77,25), verificando-se o oosto no HSM. Onde os enfermeiros do sexo masculino (média=77,00) aresentam uma média inferior que os enfermeiros do sexo feminino (média=77,25). Quadro 15 Teste T ara a diferença de médias das escalas do IAS e o género CHCB, EE HSM Feminino Masculino Feminino Masculino t t d d D d QLT 80,81 15,31 84,65 17,42-1,29 0,198ns 77,25 15,99 77,00 17,89 0,06 0,951ns QHC 19,54 4,10 20,80 3,94-1,65 0,099ns 18,15 4,04 18,30 3,90-0,14 0,884ns QSC 44,25 7,48 47,22 7,04-2,17 0,032* 43,96 8,00 44,43 6,28-0,27 0,785ns MCQ 28,15 9,06 27,27 5,36 0,57 0,566ns 24,86 5,63 24,34 6,27 0,35 0,727ns > 0,05 ns * < 0,05 Já ara o IAS, no CHCB, EE os enfermeiros do sexo masculino estão mais satisfeitos que os enfermeiros do sexo feminino, já no HSM, quem aresenta uma maior satisfação é o sexo feminino, não se encontraram ela realização do teste t, diferenças estatísticas significativas. Face aos resultados observados anteriormente, concluise que, no CHCB, EE, no que reseita às facetas RTF e SCA, confirma-se a hiótese H1 b, não se confirmando ara as restantes facetas. ara as sub escalas confirmase aenas a hiótese na sub escala QLT no CHCB, EE. Finalmente, ara as escalas confirma-se a hiótese no que diz reseito à escala QSC. ara o HSM, a hiótese H1 b não se confirma em nenhuma faceta, escala ou sub escala do IAS. Assim, aceita-se arcialmente H1 b: O género é reditor da satisfação rofissional no CHCB, EE e infirma-se a hiótese ara o HSM. H1 c As habilitações literárias são reditoras da satisfação rofissional ara o estudo desta variável rocedeu-se à recodificação da mesma, construindo-se dois gruos: ensino suerior e o médio. No ensino médio, inclui-se os enfermeiros com o bacharelato em enfermagem e no ensino suerior os enfermeiros com licenciatura em enfermagem, com uma esecialidade ou mestrado. Vera Lúcia Dias Batista, et al. 67

12 Relativamente ao IAS (Quadro 16), verifica-se que em relação à variável grau de ensino, ara ambos os hositais os enfermeiros com ensino suerior estão mais satisfeitos que os enfermeiros de ensino médio, (média= 73,10) no CHCB, EE e (média=38,28) no HSM. As diferenças ela realização do teste de UMW não são estatisticamente significativas. Quadro 16 - Teste Man Whitney entre as habilitações literárias o IAS CHCB, EE HSM Ordenação Soma das Ordenação Soma das U Z médias ordenações médias ordenações U Z Médio 70, ,50 35,66 784, ,50-0,344 0,731ns Suerior 73, ,50 38, ,50 531,50-0,479 0,632ns > 0,05 ns Face aos resultados, rejeita-se a hiótese da influência do grau de ensino na satisfação rofissional, ois não se verificaram diferenças significativas em nenhuma escala, sub escala ou faceta do IAS, em ambos os hositais. Discussão e conclusão Os recursos financeiros insuficientes, essoal desmotivado e insatisfeito, as taxas de mobilidade crescentes e o esgotamento dos rofissionais de saúde caracterizam os serviços de saúde custosos, mas centrados muitos das vezes na técnica e na doença. Esqueceu-se a essoa, o utente, a família e o enfermeiro que cuida. É reciso ouvir os rofissionais de saúde. Saber o que sentem, o que ensam e orquê, aquilo que referem e orque razão. Face ao exosto, entende-se que é de extrema relevância saber qual o grau de satisfação dos enfermeiros, quais as atitudes, os ensamentos dos enfermeiros nas organizações constantemente em mudança, de modo a identificar as causas de inadatações e suas consequências, ara assim imlementar medidas correctivas e se obterem as transformações desejadas. Conclui-se então, no que concerne às variáveis sócio-demográficas, arece não existir consenso quanto à influência destes factores sobre a satisfação rofissional. Também Ting (1997) referia que os funcionários com mais idade rocuram desenvolver atitudes mais ositivas em relação ao seu trabalho. No HSM os enfermeiros com menor idade encontramse menos satisfeitos que os que aresentam maior idade, o que vai de encontro ao estudo realizado or aulo (2003), Blengen (1993), Clark et al. citado or Ribeiro (2005) quando refere que a satisfação rofissional aumenta com a idade, embora essa relação não tenha sido estatisticamente significativa no resente trabalho. Já no CHCB, EE essa realidade não se verifica, indo de encontro com o estudo realizado or Salomé (1999) onde os enfermeiros mais novos se aresentam mais satisfeitos que os enfermeiros mais velhos, talvez or este hosital nos últimos anos ter admitido muitos enfermeiros jovens. Lewis (1991), referia que alguns trabalhos emíricos sugerem que as essoas com mais idade rocuram ajustar, de uma forma clara os objectivos essoais aos rofissionais, talvez or isso no estudo exista uma correlação ositiva entre a idade e o vencimento, aresentando-se este reditor no HSM. Relativamente ao género, não se verificou influência entre este e a satisfação dos enfermeiros do HSM, o que, de certo modo, vai ao encontro dos resultados obtidos no estudo realizado or aulo (2003), Ribeiro (2005) e Alcobia (2001) mas este último com outro instrumento de recolha de dados. A influência da variável género tem sido incluída em estudos de satisfação geral, de forma a saber se é maior nas mulheres ou nos homens e o orquê. Estudos efectuados or Crosby (1983), citados or Muller (1996) concluíram que, no geral, as mulheres no trabalho têm menor vencimento, menor autonomia e menor autoridade e no entanto são mais satisfeitas, tal como se verificou no HSM. Já no CHCB, E.E. isso não se verificou, os enfermeiros encontram-se mais satisfeitos que as enfermeiras, estes resultados são congruentes com os estudos 68 Satisfação dos Enfermeiros: estudo comarativo em dois Modelos de Gestão Hositalar

13 de Lois e Aliaga (1993) no qual demonstrou que os homens eram mais satisfeitos que as mulheres. No resente trabalho infirma-se a influência das habilitações literárias sobre a satisfação rofissional, o que corrobora com o estudo de Salomé (1999), onde também não se verificou a correlação entre as habilitações literárias e a satisfação rofissional. Já no estudo do Ribeiro (2005), existe uma relação arcial entre as habilitações literárias e a satisfação rofissional. Obtiveram-se médias mais altas nos enfermeiros com ensino suerior comarativamente aos do ensino médio, verificando-se neste estudo que existe um maior número de enfermeiros com licenciatura. Hackman e Oldham citados or aulo 2003, referem que quanto maiores níveis de educação mais os indivíduos se aresentam interessados na autonomia e consequentemente na satisfação rofissional. Face aos resultados e tendo or base algumas sugestões exressas elos enfermeiros de ambos os hositais salienta-se a necessidade da articiação e envolvimento mais alargado dos diversos gruos rofissionais nas directrizes e tomadas de decisão institucionais, em articular quando referentes ao seu serviço; a necessidade de se investir em formação contínua não só ara os enfermeiros como ara outros rofissionais de saúde de forma a haver mais humanização na restação de cuidados; uma maior resonsabilidade dos órgãos de gestão e chefias, havendo maior abertura e valorização das queixas. Referências bibliográficas ALCOBIA,. (2001) - Influência das características da função e da justiça organizacional sobre a satisfação no trabalho. Lisboa: Instituto Suerior de Ciências do Trabalho e da Emresa. Dissertação de mestrado. BLEGEN, M. (1993) Nurses job satisfaction: a meta-analysis of related variables. Nursing Research. Vol. 42, nº 1, CLEARY,. D. (1991) atients evaluate their hosital care: a national survey. Health Affairs. Vol. 10, nº 4, DONABEDIAN, A. (1980) Exlorations in quality assessment and monitoring: the definition of quality and aroaches to its assessment. Chicago: Health Administration ress. Vol. 1. LEWIS, G. B. (1991) Turnover and the quiet crisis in the Federal Civil Services. ublic Administration Review. Vol. 51, nº 2, LIMA, A. ; MESQUITELA, R. (1996) - Satisfação rofissional dos enfermeiros do Hosital Distrital de Lamego. Servir. Vol. 44, nº 1, LOIS, R. ; ALIAGA, A. (1993) Motivación laboral: creación de círculos de calidad. Revista ROL de Enfermería. Ano 16, nº 176, LUCAS, J. F. S. (1984) Satisfação rofissional dos rofissionais de saúde: teorias e conceitos. Revista ortuguesa de Saúde ública. Ano 2, nº 1, MULLER, D. (2004) - A síndrome de Burnout no trabalho de assistência à saúde: estudo junto aos rofissionais da equia de enfermagem do Hosital Santa Casa da Misericórdia de orto Alegre. orto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul. OLIVEIRA, A. J. (2000) Factores e influências na satisfação do trabalho. Lisboa: INGEG/ISCTE. Dissertação de mestrado. AULO, G. N. (2003) Satisfação dos rofissionais de saúde - avaliação em dois modelos de gestão hositalar. Coimbra: [s.n.]. Dissertação de mestrado. RIBEIRO,. O. (2005) Satisfação dos rofissionais de saúde. Lisboa: ISCTE. Dissertação de mestrado. SALOMÉ, V. M. D. (1999) Satisfação rofissional nos enfermeiros. Coimbra: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Dissertação de mestrado. TING, Y. (1997) Determinants of job satisfaction of federal government emloyees. ublic ersonnel Management. Vol. 26, nº 3. WILKIN, D. ; HALLAM, L. ; DOGGET, M. A. (1996) Measures of need and outcomes for rimary health care. Oxford: Oxford University ress. Vera Lúcia Dias Batista, et al. 69

14

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS III APRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A aresentação dos resultados advém dos factos observados durante a colheita de dados e do tratamento estatístico. O tratamento dos dados é efectuado através

Leia mais

1. Problema Geral de Investigação

1. Problema Geral de Investigação O CONTRIBUTO DO DISTRESS, BURNOUT E BEM-ESTAR PARA O ABSENTISMO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO COM TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM CONTEXTO UNIVERSITÁRIO Sónia Borges Índice 1. Enquadramento Geral da

Leia mais

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião

1. Introdução 2. OMCC e a Pesquisa Perfil-Opinião Perfil Socioeconômico e Cultural dos Visitantes dos Museus Fluminenses e Paulistas: Uma Análise Comarativa. Camila Pereira Koehler (ENCE); José Matias de Lima (ENCE); Leandro Lins Marino (Fundação Cesgranrio)

Leia mais

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA)

Modelo Fuzzy de tomada de decisão para avaliação de projetos de Responsabilidade Socioambiental (RSA) Modelo uzzy de tomada de decisão ara avaliação de rojetos de Resonsabilidade Socioambiental (RSA) Katia Cristina Garcia Laboratório Interdiscilinar de Meio Ambiente - COPPE/URJ Centro de Tecnologia, Bloco

Leia mais

Elasticidade - Demanda e Preço

Elasticidade - Demanda e Preço José Lásaro Cotta Elasticidade - Demanda e Preço Monografia aresentada ao Curso de Esecialização em Matemática Para Professores, elaborado elo Deartamento de Matemática da Universidade Federal de Minas

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES

COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES COMPARAÇÃO DO DESEMPENHO ACADÊMICO DOS INGRESSANTES EM GEOGRAFIA PELO VESTIBULAR E PELO PAIES Sylio Luiz Andreozzi 1 Fláia Aarecida Vieira de Araújo 2 Introdução As uniersidades úblicas brasileiras determinam

Leia mais

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER NO ENSINO SUPERIOR

A MOTIVAÇÃO PARA APRENDER NO ENSINO SUPERIOR A OTIVAÇÃO PARA APREER O ESIO SUPERIOR ébora enegazzo de Sousa Almeida - UEL Sueli Édi Rufini - UEL RESUO este estudo foi investigada a motivação de alunos do ensino suerior e os fatores a ela relacionados.

Leia mais

Modelagem Conceitual parte II

Modelagem Conceitual parte II Modelagem Conceitual arte II Vitor Valerio de Souza Camos Objetivos Aresentar o conceito de. Mostrar a cardinalidade de. Aresentar os tios de s. Aresentar o conceito de entidade fraca Aresentar o conceito

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos)

Protocolo Internacional Harmonizado para ensaios de proficiência de laboratórios analíticos (químicos) Protocolo Internacional Harmonizado ara ensaios de roficiência de laboratórios analíticos (químicos) (Relatório Técnico IUPAC) Resumo: As organizações internacionais de normalização AOAC International,

Leia mais

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso

Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso MARCELO RIBEIRO DA LUZ MARCOS KUFNER Projeto de Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho aresentado ara a discilina de Laboratório de Estatística II do curso de graduação em Estatística da Universidade

Leia mais

RELATÓRIO DE CONSULTORIA

RELATÓRIO DE CONSULTORIA Recomendação ao Sr. Silva RELATÓRIO DE CONSULTORIA CONSTITUIÇÃO DO ÍNDICE PSI0 ALTRI SGPS, S.A. BCP Banco Comercial Português, S.A. BES Banco Esírito Santo, S.A. BPI Banco Português de Investimento, S.A.

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE PISTÃOFONES. ANALISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DE APLICAÇÃO DE TENSÃO E O MÉTODO DE COMPARAÇÃO

CALIBRAÇÃO DE PISTÃOFONES. ANALISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DE APLICAÇÃO DE TENSÃO E O MÉTODO DE COMPARAÇÃO CALIBRAÇÃO DE PISTÃOFONES. ANALISE COMPARATIVA ENTRE O MÉTODO DE APLICAÇÃO DE TENSÃO E O MÉTODO DE COMPARAÇÃO REFERÊNCIA PACK: 43.58.VB Antunes, Sónia Laboratório Nacional de Engenharia Civil Av. Brasil,101

Leia mais

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem)

Colégio Politécnico da UFSM DPADP0024 : Processamento Digital de Imagens (Prof. Dr. Elódio Sebem) Para melhor aroveitamento das informações roduzidas or diferentes sensores, alguns métodos de rocessamento de imagens têm sido roostos. Estes métodos combinam imagens de diferentes características esectrais

Leia mais

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9

Neste pequeno artigo resolveremos o problema 2 da USAMO (USA Mathematical Olympiad) 2005: (x 3 + 1)(x 3 + y) = 147 157 (x 3 + y)(1 + y) = 157 147 z 9 Ésófatorar... Serámesmo? Neste equeno artigo resolveremos o roblema 2 da USAMO (USA Mathematical Olymiad) 2005: Problema. Prove que o sistema x 6 + x + x y + y = 147 157 x + x y + y 2 + y + z 9 = 157 147

Leia mais

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão

Atmosfera Padrão. Atmosfera Padrão 7631 2º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Introdução O desemenho de aviões e de motores atmosféricos deende da combinação de temeratura, ressão e densidade do ar circundandante. O movimento

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista

Crescimento Econômico, Progresso Técnico e Distribuição de Renda : uma abordagem pluralista Caítulo 7 O Modelo de Crescimento Harrod-Domar e seus desdobramentos. 7.1 Introdução. A abordagem ós-keynesiana ara o crescimento e distribuição de renda tem sua origem com as contribuições seminais de

Leia mais

A influência da responsabilidade social corporativa sobre o retorno das ações de empresas de capital aberto no Brasil

A influência da responsabilidade social corporativa sobre o retorno das ações de empresas de capital aberto no Brasil XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianóolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 A influência da resonsabilidade social cororativa sobre o retorno das ações de emresas de caital aberto no Brasil

Leia mais

Ruben Alexandre Santos Rodrigues, Estudo da Motivação e Produtividade laboral

Ruben Alexandre Santos Rodrigues, Estudo da Motivação e Produtividade laboral APÊNDICES i Apêndice 1: Consentimento informado O presente estudo faz parte de um estudo empírico que está a ser realizado no âmbito do Programa de Dissertação de Mestrado da Faculdade de Psicologia da

Leia mais

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p

P(seleção de um elemento baixo) = p P(seleção de um elemento médio) = p. P(seleção de um elemento alto) = p . A Distribuição Multinomial - Teste Qui-Quadrado. Inferência Estatística Uma imortante generalização da rova de Bernoulli (), é a chamada rova multinomial. Uma rova de Bernoulli () ode roduzir dois resultados

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico

AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico AS ATITUDES DOS EMPRESÁRIOS ALGARVIOS FACE AO EMPREGO DE PESSOAS SOCIALMENTE DISCRIMINADAS: Um estudo empírico Ileana Monteiro Docente da Escola de Gestão, Hotelaria e Turismo da Universidade do Algarve

Leia mais

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS CAPÍTULO 5 APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Após a aplicação do instrumento de recolha de dados, torna-se necessário proceder à respectiva apresentação e análise dos mesmos, a fim de se poderem extrair

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011

1. Introdução. 2. Metodologia e Taxa de Adesão. Resultados Nacionais Agregados de 2011 1 Resultados Nacionais Agregados de 11 Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados Nacionais Agregados de 11 1. Introdução Desde a sua criação em 02 que o Observatório Nacional de Recursos Humanos

Leia mais

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO

CAPÍTULO 3 - RETIFICAÇÃO CAPÍTULO 3 - RETFCAÇÃO A maioria dos circuitos eletrônicos recisa de uma tensão cc ara oder trabalhar adequadamente Como a tensão da linha é alternada, a rimeira coisa a ser feita em qualquer equiamento

Leia mais

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009

FINANCEIRA. Reginaldo J. Santos. Universidade Federal de Minas Gerais http://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005. 10 de abril de 2009 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Reginaldo J. Santos Deartamento de Matemática-ICEx Universidade Federal de Minas Gerais htt://www.mat.ufmg.br/~regi Agosto de 2005 última atualização em 10 de abril de

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015

BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 BALANÇO SOCIAL 2014 Março de 2015 Índice Nota de apresentação... 3 Organograma da DREM... 4 1. Pessoal ao serviço por tipo de carreira e tipo de contratação, segundo o sexo... 5 2. Estrutura etária segundo

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.pt. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Portugal

Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.pt. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Portugal Referência - Revista de Enfermagem ISSN: 0874-0283 referencia@esenfc.t Escola Suerior de Enfermagem de Coimbra Portugal Duarte Farias Nogueira, João Rui; Ferreira, Manuela O envolvimento do ai na gravidez/arto

Leia mais

Probabilidade parte 2. Robério Satyro

Probabilidade parte 2. Robério Satyro Probabilidade arte Robério Satyro Definição de robabilidade Vamos analisar o fenômeno aleatório lançamento de uma moeda erfeita. Nesse caso, temos: = {C, C} () = Os subconjuntos de são, {C}, { C} e {C,

Leia mais

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA

APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA APLICAÇÕES DO CONTROLE ESTATÍSTICO MULTIVARIADO DA QUALIDADE: MONITORAMENTO DE GARRAFEIRAS PLÁSTICAS NUMA EMPRESA DO ESTADO DA PARAÍBA Marcio Botelho da Fonseca Lima (UFPB) tismalu@uol.com.br ROBERTA DE

Leia mais

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Relatório Grupo 515: Carolina Correia Elder Vintena Francisco Martins Salvador Costa Sara Palhares 2 Índice Introdução...4 Objectivos...5 Método...6 Dados Obtidos...7

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

Eric Maskin, Prêmio Nobel de Economia 2007

Eric Maskin, Prêmio Nobel de Economia 2007 P I R ATA R I A N O B R A S I L R A D I O G R A F I A D O C O N S U M O A esécie humana é essencialmente egoísta e, com frequência, recisa receber estímulos individuais ara agir em rol de uma causa que

Leia mais

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov

Uma análise aplicada de decisão com opção de venda utilizando cadeias de Markov UMA ANÁLISE APLICADA DE DECISÃO COM OPÇÃO DE VENDA UTILIZANDO CADEIAS DE MARKOV JOSÉ CÉSAR CRUZ JÚNIOR; RICARDO MENDONÇA FONSECA; LUIZ FERNANDO OHARA KAMOGAWA; ESALQ/USP PIRACICABA - SP - BRASIL cesarcruzjr@hotmail.com

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 1 A avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho dos trabalhadores nos respectivos cargos e áreas de actuação e do seu potencial de desenvolvimento (Chiavenato).

Leia mais

Avaliação da espiritualidade dos sobreviventes de cancro: implicações na qualidade de vida

Avaliação da espiritualidade dos sobreviventes de cancro: implicações na qualidade de vida Avaliação da esiritualidade dos sobreviventes de cancro: imlicações na qualidade de vida CÂNDIDA PINTO JOSÉ LUÍS PAIS RIBEIRO A interface entre a dimensão esiritual e a saúde tem vindo a tornar-se uma

Leia mais

TRAINING PROGRAM RBCS. Palavras-chave: hipertrofia muscular, treinamento de força, composição corporal, força máxima.

TRAINING PROGRAM RBCS. Palavras-chave: hipertrofia muscular, treinamento de força, composição corporal, força máxima. MUDANÇAS DA COMPOSIÇÃO CORPORAL E DA FORÇA APÓS UM PROGRAMA DE TREINAMENTO DE HIPERTROFIA CHANGES ON BODY COMPOSITION AND STRENGTH AFTER A HYPETROPHY TRAINING PROGRAM Renata Gomes 1, Jefferson Eduardo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA CURSO: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: PROGRAMAÇÃO PARALELA E DISTRIBUÍDA PROFESSOR: JONES OLIVEIRA ALUNO: JONAS FRANCISCO

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

ENVEJECIMIENTO POSITIVO Y SOLIDARIDAD INTERGENERACIONAL AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DE DISCRIMINAÇÃO EM PESSOAS IDOSAS

ENVEJECIMIENTO POSITIVO Y SOLIDARIDAD INTERGENERACIONAL AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DE DISCRIMINAÇÃO EM PESSOAS IDOSAS EVEJECIMIETO POSITIVO Y SOLIDARIDAD ITERGEERACIOAL AVALIAÇÃO DA PERCEÇÃO DE DISCRIMIAÇÃO EM PESSOAS IDOSAS air Francisca Fernandes Deartamento de Psicologia e Educação da Universidade da Beira Interior

Leia mais

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores;

O CHCB emprega mais de 1400 colaboradores; Inaugurado em 17 Janeiro de 2000, o CHCB foi construído segundo padrões de alta qualidade, sujeito às mais rigorosas exigências tecnológicas. É a maior e mais sofisticada Unidade de Saúde de toda a Região

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19

BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 BALANÇO SOCIAL 2014 1/19 ÍNDICE INTRODUÇÃO. 3 1. Organograma do IDE, IP-RAM 5 2. Distribuição global dos recursos humanos.. 6 3. Estrutura etária dos recursos humanos. 10 4. Estrutura de antiguidades.

Leia mais

PROCEDIMENTO INTERNO

PROCEDIMENTO INTERNO 1. Objectivo Definir quais os procedimentos a adoptar nas práticas do funcionamento do Núcleo de Documentação do Centro Hospitalar Cova da Beira. 2. Aplicação Bibliotecas do Núcleo de Documentação do Centro

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

TEMAS LIVRES FREE THEMES. Thaís Silva Assunção 1 Príscila Guedes Santana Ursine 1

TEMAS LIVRES FREE THEMES. Thaís Silva Assunção 1 Príscila Guedes Santana Ursine 1 2189 Estudo de fatores associados à adesão ao tratamento não farmacológico em ortadores de diabetes mellitus assistidos elo Programa Saúde da Família, Ventosa, Belo Horizonte A study of factors associated

Leia mais

Padrões de Casamento entre os Imigrantes

Padrões de Casamento entre os Imigrantes Padrões de Casamento entre os Imigrantes Ana Cristina Ferreira cristina.ferreira@iscte.pt Madalena Ramos madalena.ramos@iscte.pt Congresso Português de Demografia Contextualização O fenómeno da imigração

Leia mais

O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA

O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA O COMPORTAMENTO DE UM SISTEMA DE ATERRAMENTO DE UMA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA FRENTE À SITUAÇÃO DE FALTA DE ALTA IMPEDÂNCIA MARCOS A. R. GAMITO, MÁRIO OLESKOVICZ Escola de Engenharia de São Carlos, USP Av.

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n

CAPITULO VI. LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n CAPITULO VI LIMITES E CONTINUIDADE DE FUNÇÕES EM R n. Generalidades O conceito geral de função e outros associados foram já estudados quando se tratou da teoria dos conjuntos. Foi igualmente estudado com

Leia mais

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras

Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL. Perspectiva das Entidades Empregadoras Estudo sobre os diplomados pelo ISCTE-IUL Perspectiva das Entidades Empregadoras Julho 2011 Ficha Técnica ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Edição Gabinete de Estudos, Avaliação, Planeamento e Qualidade

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A

PROVA DE FÍSICA 2º ANO - ACUMULATIVA - 2º TRIMESTRE TIPO A PROA DE FÍSICA º ANO - ACUMULATIA - º TRIMESTRE TIPO A 0) Considere as seguintes roosições referentes a um gás erfeito. I. Na transformação isotérmica, o roduto. é roorcional à temeratura do gás. II. Na

Leia mais

A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel

A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel Escola de Economia e Gestão A perceção de (in)justiça no sistema avaliação de desempenho: o caso de uma empresa da indústria automóvel Orientadora: Prof.ª Dra Emília Fernandes Orientada: Marta Relvas Braga,

Leia mais

Relação Entre Comunicação Interna e Comprometimento Afetivo em Pequenas Indústrias de Calçados

Relação Entre Comunicação Interna e Comprometimento Afetivo em Pequenas Indústrias de Calçados Relação Entre Comunicação Interna e Comrometimento Afetivo em Pequenas Indústrias de Calçados Francisco Roberto PINTO (UECE) Marilia FALCIONI (UECE) Ana Maria Souza de ARAÚJO (UFC) Resumo: No mundo organizacional

Leia mais

Fluxo de Potência em Redes de Distribuição Radiais

Fluxo de Potência em Redes de Distribuição Radiais COE/UFRJ rograma de Engenharia Elétrica COE 751 Análise de Redes Elétricas Fluxo de otência em Redes de Distribuição Radiais 1.1 Formulação do roblema Os métodos convencionais de cálculo de fluxo de otência

Leia mais

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP

BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP BALANÇO SOCIAL 2013 AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA, IP Título: Agência para a Modernização Administrativa, I.P.: Balanço Social 2013 Autoria: Equipa de Recursos Humanos Aprovação: Conselho

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012

MICROECONOMIA II (2011-12) João Correia da Silva (joao@fep.up.pt) 29-03-2012 MICROECONOMIA II 1E108 (2011-12) 29-03-2012 João Correia da ilva (joao@fe.u.t) 2. Estruturas de Mercado 2.1. Concorrência Perfeita. 2.2. Monoólio. 2 CONCORRÊNCIA PERFEITA O modelo de concorrência erfeita

Leia mais

Observatório Nacional de Recursos Humanos

Observatório Nacional de Recursos Humanos RUBRICA AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO Observatório Nacional de Recursos Humanos Resultados nacionais agregados de 211 O Observatório Nacional de Recursos Humanos (ONRH) celebra este ano 1 anos de existência.

Leia mais

PRESENÇA DE DORES CORPORAIS RELACIONADAS AO USO DA VOZ EM INDIVÍDUOS DO SEXO MASCULINO E FEMININO

PRESENÇA DE DORES CORPORAIS RELACIONADAS AO USO DA VOZ EM INDIVÍDUOS DO SEXO MASCULINO E FEMININO PRESENÇA DE DORES CORPORAIS RELACIONADAS AO USO DA VOZ EM INDIVÍDUOS DO SEXO MASCULINO E FEMININO Palavras chave: Dor; Voz; Distúrbios da Voz Introdução: Segundo a International Association for the Study

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz,

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, AMELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI Introdução ANGELA ALBERNAZ* Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, 2002, 1 cujo objetivo

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof]

Journal of Transport Literature Vol. x, n. x, pp. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory. [In Press, Corrected Proof] B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. x, n. x,. xxx-xxx, xxx xxxx Research Directory [In Press, Corrected Proof] JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN

Leia mais

instituto politécnico do porto instituto superior de contabilidade e administração micro economia compêndio curso de contabilidade e administração

instituto politécnico do porto instituto superior de contabilidade e administração micro economia compêndio curso de contabilidade e administração instituto suerior de contabilidade e administração instituto olitécnico do orto micro economia I comêndio curso de contabilidade e administração MICROECONOMIA II 1. Tecnologia da rodução... 3 1.1. Função

Leia mais

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal

10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal 10 A demonstração nos programas de Matemática: Uma análise transversal Cecília Costa Departamento de Matemática da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Pedro Tadeu ESTIG Instituto Politécnico de

Leia mais

O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL?

O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL? O QUE É IMPORTANTE PARA A SATISFAÇÃO ROFISSIONAL DOS DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL? Rui Brites, ISEG/Universidade Técnica de Lisboa e CIES Maria de Lourdes Machado, A3ES, CIPES e Instituto Politécnico

Leia mais

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones

Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal para escoamento supersônico e hipersônico de ar sobre cones Verificação e validação do coeficiente de arrasto frontal ara escoamento suersônico e hiersônico de ar sobre cones Guilherme Bertoldo Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) 85601-970, Francisco

Leia mais

PROCESSO N : P266505/2014

PROCESSO N : P266505/2014 FL. 1 ORIGEM DA LICITAÇÃO: SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE - SMS PROCESSO N : P266505/2014 OBJETO: CRITÉRIO DE JULGAMENTO: MODO DE DISPUTA: REGIME DE EXECUÇÃO: A PRESENTE LICITAÇÃO TEM COMO OBJETO A CONTRATAÇÃO

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Competências da Função de Controller: Evidências da Presença de Isomorfismo Mimético entre Hotéis de Grande Porte da Região Metropolitana do Recife

Competências da Função de Controller: Evidências da Presença de Isomorfismo Mimético entre Hotéis de Grande Porte da Região Metropolitana do Recife Cometências da Função de Controller: Evidências da Presença de Isomorfismo Mimético entre Hotéis de Grande Porte da Região Metroolitana do Recife Tania Nobre Gonçalves Ferreira Amorim FRPE tanobre@gmail.com

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Camus de Ilha Solteira PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da Relação entre o Faturamento do Consumo de Energia Elétrica e Demanda de Potência Ativa e Reativa Utilizando Hierbolóides

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Comunicação Interna e Fusões de Empresas: um caso do passado, uma oportunidade para o futuro

Comunicação Interna e Fusões de Empresas: um caso do passado, uma oportunidade para o futuro ACTAS ICONO 14, 2010, Nº A6,. 15-24. ISBN 1697-8293. Madrid (Esaña) Anabela Mateus: A Comunicação na Fusão Recibido: 22/09/2010 Acetado: 30/12/2010 ACTAS Nº A6: SIC Título Actas ISSN: 1697-8293 Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

CIDADÃO ORGANIZACIONAL

CIDADÃO ORGANIZACIONAL Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra Pós-graduação em Economia e Gestão em Organizações de Saúde Mestrado em Gestão e Economia da Saúde COMPORTAMENTO DE CIDADANIA ORGANIZACIONAL JOANA SOUSA

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO, ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DAS EXPORTAÇÕES E TERMOS DE TROCA DE PORTUGAL*

GLOBALIZAÇÃO, ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DAS EXPORTAÇÕES E TERMOS DE TROCA DE PORTUGAL* Artigos Primavera 2008 GLOBALIZAÇÃO, ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DAS EXPORTAÇÕES E TERMOS DE TROCA DE PORTUGAL* Fátima Cardoso** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As flutuações dos termos de troca constituem

Leia mais

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S

A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S A QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E SATISFAÇÃO: UM ESTUDO MULTI-CASOS COM OS FUNCIONÁRIOS DAS EMPRESAS DO SISTEMA S Marcos Henrique Pazini (Pós-Graduado da UNICENTRO), Sílvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Conclusões e Recomendações

Conclusões e Recomendações Conclusões e Recomendações Como corolário do nosso estudo apresentaremos uma reflexão decorrente da Revisão da Literatura realizada sobre DA conceptualização, avaliação e atendimento; o Autoconceito conceptualização,

Leia mais

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory

Journal of Transport Literature Vol. 8, n. 1, pp. 125-158, Jan. 2014 Research Directory B T P S Brazilian Transortation Planning Society Journal of Transort Literature Vol. 8, n. 1,. 125-158, Jan. 2014 Research Directory JTL RELIT www.transort-literature.org ISSN 2238-1031 Sistema de aoio

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

CATÁLOGO PARA 2015. Formação Profissional Superior em Administração Pública. ISAP: 10 Anos Profissionalizando a Administração Pública

CATÁLOGO PARA 2015. Formação Profissional Superior em Administração Pública. ISAP: 10 Anos Profissionalizando a Administração Pública CATÁLOGO PARA 2015 Formação Profissional Superior em Administração Pública ISAP: 10 Anos Profissionalizando a Administração Pública Contactos: Instituto Superior de Administração Pública Endereço: Av.

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

Instrumento de avaliação das Boas Práticas em Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar: da concepção à validação

Instrumento de avaliação das Boas Práticas em Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar: da concepção à validação 947 Instrumento de avaliação das Boas Práticas em Unidades de Alimentação e Nutrição Escolar: da conceção à validação Instrument for assessment of best ractices in school food and nutrition units: from

Leia mais

5. Esquema do processo de candidatura

5. Esquema do processo de candidatura Projecto e colecção de perguntas e respostas sobre o Exame Unificado de Acesso (disciplinas de Língua e Matemática) das quatro instituições do ensino superiorde Macau I Contexto Cada instituição do ensino

Leia mais

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt

Perto de si, mudamos consigo! www.wechange.pt Hotel Alvalade LUANDA 16 a 27 de RH Os Ciclos de RH, consistem em planos de desenvolvimento de competências no domínio da gestão de Recursos Humanos, nomeadamente ao nível das áreas de Selecção, Formação

Leia mais

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia

We acknowledge financial support from FCT Fundação para a Ciência e a Tecnologia Business Research Unit (UNIDE-IUL) / Instituto Universitário de Lisboa Ed. ISCTE-IUL, Av. Forças Armadas 1649-026 Lisbon Portugal Phone: 210 464 019 E-mail: bru-unide@iscte.pt Internet: http://www.bru-unide.iscte.pt/

Leia mais