ADOÇÃO: UMA LINDA ALTERNATIVA AO ABORTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADOÇÃO: UMA LINDA ALTERNATIVA AO ABORTO"

Transcrição

1 ADOÇÃO: UMA LINDA ALTERNATIVA AO ABORTO Em cada ano nos Estados Unidos mais de um milhão de mulheres cometem um aborto. Pelo outro lado, algumas mulheres que vivenciam uma gravidez não esperada opitão por um alternativo que é dar sua criança para uma familia adotiva. Muitos negam a alternativa da adoção, dizendo: Eu não conseguiria dar o meu filho e decidem então pelo aborto. A adoção tem sido estigmatizada de tal forma, que muitas mulheres que falam em adoção são desencorajadas e até as vezes dispresadas por suas proprias familias e amigos em pensar em tal alternativa. O mes de Respeito a Vida, oferece varias oportunidades para Católicos compriemderem melhor essa mentalidade do abortar- não adotar, e também é uma oportunidade para participar de testemunhos pessoais de afirmação ao valor da adoção. Testemunhos veritícos são de grande importancia principalmente para os jovens, cujo muitos conhem alguem que esteja nesta situação. Mesmo que ouvir histórias tocantes de crianças adotadas e pais adotivos seja importante, é mais importante ainda reconhecer e agradecer a coragem destas mães bioligicas (e pais biologicos) por considerarem dar sua criança a uma familia adotiva. Com muita direção e dicernimento, elas opitam pela adoção agindo por amor em relação as necesidades ao longo do tempo da criança. A igreja prescisa reconhecer e apoiar esta grande dor, e perca que é vivida pelas mães biologicas. Debaixo de circumstancias muito dificeis, e graças a sua grande coragem, reconhecemos que as mães biologicas são as melhores mães que uma criança possa ter. Elas escolhem os dois, a vida e o amor a sua criança, independente de um custo pessoal. Qualquer mulher que esteja considerendo adoção como uma alternativa ao aborto pode encontrar mais informações no site Pregnancy Help (http://pregnancyhelpboston.org/downloads/ adoption.pdf) Prepared by the Pro Life Office Archdiocese of Boston

2 POR QUE VOCÊ DEVE TER UMA PROCURAÇÃO PARA CUIDADOS DE SAÚDE Da mesma maneira que ninguem pensa no divercio quando está caminhando até o altar, são poucas as pesoas que pensam na doença quando estão saudaveis. Cada dia, diz a sagrada escritura, traz suas proprias preocupações. Más quando estamos saudaveis temos uma perspectiva de como agiriamos perante uma doença grave, e parte deste pensar inclue o que acontecería se nós não pudessemos fazer decisões medicas proprias. Derrame, demência, inconciência ou um laudo de incopetencia são algumas maneiras que perderiamos o privilegio de fazer nossas proprias decisões médicas. Dentro da Lei de Massachusetts, qualquer adulto residente do estado pode elegir um agente de assistência médica que possa fazer suas decisões medicas se ele estiver perdido a capacidade de tomar decisões por si proprio. A meneira cujo se elege um agente é por preencher a Health Care Proxy. Esse agente pode ser um esposo ou uma esposa, um parente ou amigo que conheça a pessoa e é deconfiança para esta pessoa. O agente tem a autoridade de tomar qualquer decisão médica pela pessoa se ela vier a ficar incapacitada de agir por si propria, mesnos autoridade de tomar decisões especificamente citadas pela pessoa. Tendo uma pessoa responsável por estas decisões ajudará a diminuir qualquer discordo entre familiares a respeito de um membro familiar, ou de ter que lever decisões até a corte de direitos. A Conferencia Católica de Massachusetts tem sua propria fixa do Health Care Proxy que consede com os ensinamentos da Igreja, qual pode-se ser baixado pelo website. O link do website é: Por favor visite o site, olhe o formulario, e em oração considere encarregar alguem como um agente de saude. Henry C. Luthin, Esq. Member of the Board of Directors of the Catholic Lawyers Guild

3 CUIDADOS PALIATIVOS E A FÉ CATÓLICA Muitas pessoas temem e questionam sobre suas obrigaçoes éticas perante cuidados medicos e o fim da vida. Em contexto, é importante que os Católicos saibam o que são cuidados paliativos e como se relacionam a fé Católica. Cuidados paliativos são cuidados especializados na medicina que dão uma ajuda à mais ao paciente, o ajudando a aliviar a dor e outros simtomas causados pela doença severa. Pode-se ser realizado junto com o tratamento curativo, ou pode ser o metodo primário de tratamento se não houver a posibilidade da cura pelo fato de ter uma doença cronica ou estar em fases terminais da doença. O cuidado paliativo se aborda de uma maneira holística para cuidar da pessoa, cuja os cuidados são providenciados por uma equipe multidisciplinar de proficionais no campo de assistencia médica paliativa, composta por médicos e enfermeiras, capelõas, assistentes socias, e outros que abordam a dimenção física, espiritual, emocional e soacial da enfermidade do paciente. Ao contrario do que muitos acreditam, ao invez de acelerar a morte, cuidados paliativos mostram dar uma extenção de vida. Historicamente, a Igreja sempre teve trabalhos direcionados a cuidados paliativos. A caracteristica multidimensional dos cuidados paliativos é completamente compatível com a visão holística da Igreja sobre dignidade humana e a união da alma e corpo da pessoa. São João Paulo II deu um mandato bem claro sobre o uso de cuidados paliativos quando ele disse: especialmente nesta estapa da enfermidade quando tratamentos proporcionais e efetivos não são mais possiveis, cuando é necessário evitar qualquer tipo de tratamento agressivo e persistente, metodos paliativos são necessários. 1 O que um paciente sofrendo de uma doença cronica, de uma doenças de progreção avançadas, ou quem esteja morrendo necessita é do melhor cuidado disponivél. Isto é cuidados Palientivos, que são consistentes com nossa fé Católica. Peter J. Cataldo, Ph.D. Chief Healthcare Ethicist Archdiocese of Boston 1 Address to the Pontifical Council for Health Pastoral Care, November 12, 2004.

4 O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE CUIDADOS PALIATIVOS Para muitos pacientes, cuidados paliativos oferecem uma alternativa digna e comfortavél de passar seus utimos meses de vida em um ambiente mais privado do que um hospital. Cuidados Paliativos focam em todos os aspectos da vida do paciente e bem estar: físico, social, emocional, e espiritual. Não existe idade mínima; qualquer um em estágio terminal de vida tem o direito a cuidados paliativos. Enquanto em diferentes lugares do mundo os cuidados paliativos diferem uns dos outros, muitos incluem uma equipe interdisciplinar de cuidados, ou IDT, que inclui o médico do paciente, um médico do local, um responsável pelo caso, um(a) enfermeiro(a) e auxiliares de enfermagem, um conselheiro, um nutricionista, um terapeuta, um farmacologista, servidores sociais, um ministro religioso e vários voluntários treinados. A equipe de cuidados paliativos desenvolve um plano de cuidados feito exclusivamente para as necessidades individuais para o controle das dores e alívio dos sintomas, e provê todas as necessidades de drogas e terapias paliativas, material médico, e equipamento. Geralmente, cuidados paliativos são oferecidos em casa e um membro da família age como cuidador principal, supervisionado por profissionais de saúde. Os membros do IDT fazem visitas regulares para avaliar as condições do paciente e providenciar cuidados adicionais e serviços, tais como: fonoaudiólogo, fisioterapeuta, massagista ou assistência na dieta. Auxiliares de saúde certificados também podem ser enviados para ajudar em banhos e outros cuidados especiais. Membros de cuidados paliativos permanecem de plantão 24 por dia, 7 dias por semana. O IDT também fornece cuidados emocional e espiritual de acordo com a necessidade, desejo e crença do paciente. Suporte emocional e espiritual incluindo aconselhamento de luto são oferecidos aos parentes e amigos mais próximos. Conceito errôneo Cuidados paliativos abreviam a morte Cuidado paliativo causa desesperança; é melhor lutar pela vida. Um paciente em cuidados paliativos que mostra sinais de recuperação nunca mais terá um tratamento médico normal. Um paciente em cuidado paliativo nunca conseguirá voltar ao tratamento curativo, mesmo se o seu quadro apresentar melhoras. Cuidados paliativos é limitado a um máximo de 6 meses. Realidade Cuidados paliativos nunca apressam ou retardam a morte. O objetivo é melhorar a qualidade final da vida para que os pacientes possam aproveitar o tempo com a família e experienciar uma morte natural e sem dor. Em alguns casos o cuidado paliativo pode estender o tempo de vida. Muitos pacientes terminais experimentam menos ansiedade por meio do aumento da esperança que deve ser atingido em um tempo realístico. Se um tratamento para a cura é desconfortável e doloroso e se torna infrutífero, pacientes em cuidados paliativos se beneficiam quando seus sintomas são tratados. Se um paciente mostra melhoras, ele(a) é retirado de cuidados paliativos pode ser transferido para cuidados curativos ou retornar a vida normal. Mais tarde, se necessário, o paciente pode retornar a cuidados paliativos. Um paciente pode entrar e sair de cuidados paliativos se necessário for. O paciente também pode dar entrada em um hospital para certos tipos de tratamentos que vão melhorar sua qualidade de vida. Nos EUA, muitos companhias de seguro saúde, bem como o Benefício de Cuidados Paliativos do Medicare, requerem que um paciente terminal seja diagnosticado com 6 meses ou menos de vida para ter direito ao benefício; porém, um paciente pode receber cuidados paliativos por quanto tempo for necessário. long as necessary.

5 UM GUIA A SERVIÇOS DE CUIDADOS PALIATIVOS Cuidados paliativos geralmente são estruturados de acordo com as necessidades e os desejos de cada paciente e sua família. Isto pode mudar ao recorrer do tempo dependendo das 3 fases: Fase terminal da enfermidade O processo da morte O período de luto Dependendo das circunstâncias do paciente, e da fase em que ele se encontra, uma equipe de Cuidados Paliativos (IDT) pode providenciar várias acomodações: Asilo: Enfermeiras registradas monitoram os pacientes, seus medicamentos e seus sintomas, e ajudam a educar a família e o paciente sobre o que está acontecendo. A enfermeira também é a ponte de informações entre a familia e o paciente. Assistência Social: Um assitente social aconselha o paciente e seus familiares, e se reponsabilita como advogado comunitário, certificando-se que o paciente tem acesso a suas necessidades e recursos. Assistência Médica: o médico do paciente aprova um plano de cuidados junto a equipe paliativa. Perante um programa paliativo, o medico segue cuidando de seu paciente e segue sendo um mentor e um recurso para a família e o paciente. Direção Espiritaul: O Clero e outros diretores espirutuais estão a serviço do paciente para visitarlo em sua casa e providenciar uma direção espiritual. Este processo pode-se incluir uma ajuda em explicar ao paciente o que é a morte e o que isso significa para ele, como também ajudarlo a resolver problemas não resolvidos, ajudar-lo a despedirse de seus amados e familia, e fazer uma preparação para os rituais religiosos. Empregados Domésticos para Idosos: Os empregados providenciam uma ajuda em dar banho, barbear, e cuidar das unhas. Também estes empregados podem fazer um pouco de limpeza e cozinhar. Equipe de Apoio Voluntária: Estes são voluntários cujo tem ajudado com cuidados paliativos a muito tempo. Eles estão disponíveis para escutar, oferecer um apoio moral e familiar, ajudar na dinâmica diária como fazer compras, cuidar das crianças, e dar carona a lugares. Terapias Físicas, Ocupacionais, e Fonoaudiólogas: Estes especialistas ajudam o paciente e sua família em desenvolver novas maneiras de executar funções que se tornaram difíceis por concequencia da doença, como andar, verstir, e alimentar o paciente. Assistência de Repouso: Os assistentes dão a familia um repouso, ou feiras curtas do tratamento intenso, em quanto o paciente tem uma estadia curta em uma casa de cuidados paliativos. Cuidados Prolongados no Hospital: Um paciente que recebe cuidados em casa pode prescisar de uma estadia prolongada em um hospital. A equipe paliative ajudará com esse processo, em providenciar os recursos médicos necessários. Período do Luto: O período de luto é um peoriodo trabalhado com a familia aonde a equipe paliativa os ajuda a trabalhar a dor da perca de um amado. Este apoio pode incluir uma equipe de voluntários treinados para ou um conselheiro que visite a familia em periodos especifico durante o primeiro ano, como também são pessoas que fazem ligaçoes e escrevem cartas de apoio. A equipe de cuidados paliativos enviará os sobreviventes a um otro medico ou assistencia se for necessário. Deacon James F. Greer, MAPT, CT Director of Chaplaincy Programs

Conheça suas opções:

Conheça suas opções: Conheça suas opções: Guia para pacientes com progressão de doenças graves Em Massachusetts, todos os pacientes com progressão de uma doença grave têm o direito legal de ser informados sobre o seu problema

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br

Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Faculdade de Medicina Universidade de São Paulo CREMESP rayer@usp.br Podemos pensar em duas éticas: a ética do próprio indivíduo e a ética do outro. Das diferenças e semelhanças entre elas é que surgirá

Leia mais

Cuidados em Casas de Repouso

Cuidados em Casas de Repouso Guia de Cuidados em Casas de Repouso Perguntas frequentes dos residentes e seus familiares Departamento de Saúde Pública de Massachusetts Acerca deste guia No momento em que você e sua família se integram

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional

Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional Projeto de Pesquisa Pergunte a um Profissional ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico

1. INTRODUÇÃO. 2. Preparação para sua discussão com seu médico 1. INTRODUÇÃO Artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica que pode afetar diferentes áreas da vida.1 Como parte do controle de longo prazo da AR, seu médico* irá ajudá-lo a controlar melhor

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version A FAMÍLIA COMO CUIDADOR DO IDOSO: UMA RELAÇÃO FORTALECIDA PELA AJUDA DOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE OLIVEIRA, Monica Caldas de RESUMO Este artigo acerca da família como cuidador do idoso: uma relação fortalecida

Leia mais

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO

ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO QUE REALIDADE É ESTA QUE SE DEPARA O PACIENTE QUE TEM UMA DOENÇA GRAVE E INCURÁVEL? A MEDICINA MODERNA TEM MOSTRADO TENDÊNCIA A FOCALIZAR SUA ATENÇÃO APENAS

Leia mais

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja!

GESTÃO EM SAÚDE. cuidando de você, onde quer que você esteja! GESTÃO EM SAÚDE cuidando de você, onde quer que você esteja! Editorial Royal Life É com muito orgulho que a Royal Life apresenta ao mercado de emergências médicas a sua frota. São ambulâncias montadas

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Diretrizes antecipadas

Diretrizes antecipadas Ao ser internado no Western DanburyConnecticut Hospital, você Health precisará Network, informar se precisará possui algum informar tipose de possui Diretrizes algum antecipadas, tipo de Diretrizes como

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.805/06

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.805/06 1 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.805/06 Ementa: Na fase terminal de enfermidades graves e incuráveis, é permitido ao médico limitar ou suspender procedimentos e tratamentos que prolonguem a vida do doente, garantindo-lhe

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos

Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos National Community Education Initiative Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos Asking Questions Can Help: An aid for people seeing the palliative

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL

O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL O TRATAMENTO BIO-PSICO-SÓCIO-ESPIRITUAL Roberto Lúcio Vieira de Souza Ciência e religião... são amigas, não adversárias, na busca comum por conhecimento. John Polkinghorne Físico e Teólogo Se estás doente,

Leia mais

Espiritualidade e Saúde

Espiritualidade e Saúde 21º Pesquisando em Enfermagem 17ª Jornada Nacional de História da Enfermagem 14º Encontro Nacional de Fundamentos do Cuidado de Enfermagem INTEGRALIDADE DO SER HUMANO: espiritualidade e práticas complementares

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES): RENATA DE OLIVEIRA PIMENTA

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES): RENATA DE OLIVEIRA PIMENTA TÍTULO: PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA E SUA RELAÇÃO COM A ESPIRITUALIDADE/RELIGIOSIDADE EM UM GRUPO DE PACIENTES SOB TRATAMENTO DE DIÁLISE PERITONEAL. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos Congresso Brasileiro de Nutrição Oncológica do INCA IV Jornada Internacional de Nutrição Oncológica III Jornada Luso-Brasileira em Nutrição Oncologica Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

TEL23-6682 FAX23-6520)

TEL23-6682 FAX23-6520) Prefixo da cidade de Okazaki/Nukata 0564 Seguro de Assistência (Kaigo Hoken), Serviços de Cuidado ao assegurado ( kaigo hoken / kaigo sabisu ) Subseção de Cuidados (Fukushi-kaikan, 1º andar TEL23-6682

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

Diretos do paciente:

Diretos do paciente: Diretos do paciente: Criada no sentido de incentivar a humanização do atendimento ao paciente, a Lei 10.241, promulgada pelo governador do Estado de São Paulo, Mário Covas, em 17 de março de 1999, dispõe

Leia mais

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão...

Sumário. Prefácio... 7 Nota do autor... 9. Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... Sumário Prefácio... 7 Nota do autor... 9 Parte 1: A natureza da depressão 1. A experiência da depressão... 13 2. Causas da depressão... 27 Parte 2: Passado doloroso 3. Entenda o passado... 45 4. Lide com

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Simpósio de Cuidados Paliativos para os Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro Cuidados Paliativos - construindo uma rede Agosto 2012 Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Cláudia Naylor

Leia mais

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing

Sobre a Dor e a Gestão da Dor. Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au. Department of Health and Ageing Sobre a Dor e a Gestão da Dor Encontre mais informações no site www.palliativecare.org.au Portuguese - Pain Management Department of Health and Ageing Financiado pelo Governo Australiano, através do Programa

Leia mais

pós-graduação 2014 aperfeiçoamento em cuidados paliativos

pós-graduação 2014 aperfeiçoamento em cuidados paliativos pós-graduação 2014 aperfeiçoamento em cuidados paliativos CADERNO DO CURSO pós-graduação 2014 aperfeiçoamento em cuidados paliativos CADERNO DO CURSO Autores Daniel Neves Forte Valéria Delponte Luis Alberto

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

DIOCESE DE MANCHESTER Código de Conduta Ministerial: Servir a Cristo, Servir a Todos 1º de maio de 2015. Resumo Executivo

DIOCESE DE MANCHESTER Código de Conduta Ministerial: Servir a Cristo, Servir a Todos 1º de maio de 2015. Resumo Executivo DIOCESE DE MANCHESTER Código de Conduta Ministerial: Servir a Cristo, Servir a Todos 1º de maio de 2015 Resumo Executivo Introdução 1. Como padres, diáconos, religiosos, leigos engajados nas pastorais,

Leia mais

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7 Prefácio Quantas vezes você já não ouviu alguém contar uma experiência difícil que viveu em seu ministério? Quantos já não passaram por situações em que não souberam o que dizer ou fazer? Pastores, líderes

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

Aconselhamento. Real. Um modelo eficaz de. restauração de vidas. Luiz Henrique de Paula

Aconselhamento. Real. Um modelo eficaz de. restauração de vidas. Luiz Henrique de Paula Aconselhamento Real Um modelo eficaz de restauração de vidas Luiz Henrique de Paula 2010 Luiz Henrique de Paula Direitos desta edição reservados à Paco Editorial. Nenhuma parte desta obra pode ser apropriada

Leia mais

COMO COMEÇAR. Medicaid

COMO COMEÇAR. Medicaid Medicaid This is an Official U.S. Government Product COMO COMEÇAR Uma visão geral do Medicaid VAMOS COMEÇAR Medicaid (também chamado de Assistência Médica) é um programa conjunto dos governos federal e

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA

REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA REGULAMENTO DE COMPETÊNCIAS ESPECIFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÓNICA E PALIATIVA APROVADO POR UNANIMIDADE NA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 22 DE OUTUBRO DE

Leia mais

Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade. Filipenses 2:13. Prezado amigo,

Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade. Filipenses 2:13. Prezado amigo, S o l i c i ta ç ã o d e A n ú n c i o d e E n f e r m e i r o d a C i ê n c i a C r i s tã no The Christian Science Journal (e O Arauto da Ciência Cristã ) Porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer

Leia mais

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão Discussão de caso clínico Paciente Terminal Lara Torreão Caso clínico E.M.S, 3 anos, sexo masculino, natural e procedente de Salvador, foi admitido na enfermaria de Pediatria do Hospital Universitário

Leia mais

JOSÉ RAIMUNDO Brasil. Edição do dia 14/09/2012 14/09/2012 22h31 - Atualizado em 25/09/2012 22h48

JOSÉ RAIMUNDO Brasil. Edição do dia 14/09/2012 14/09/2012 22h31 - Atualizado em 25/09/2012 22h48 Entenda como funciona a terapia pela imposição das mãos http://g1.globo.com/globo-reporter/noticia/2012/09/entenda-como-funciona-terapia-pela-imposicao-dasmaos.html (assista ao vídeo com a reportagem completa)

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

Plano de saúde do seu filho

Plano de saúde do seu filho 7 Plano de saúde do seu filho Neste capítulo, encontrará informações sobre o seguro de saúde do seu filho ou plano de saúde. Anexe a este capítulo uma cópia do folheto de coberturas do plano de saúde do

Leia mais

Mas é pouco provável que você já tenha ouvido falar em assistência espiritual a pessoas que estão envolvidas com processos judiciais.

Mas é pouco provável que você já tenha ouvido falar em assistência espiritual a pessoas que estão envolvidas com processos judiciais. Possivelmente você já ouviu falar em capelania, certo? - Capelania hospitalar; - Capelania prisional; - Capelania militar. Trata-se de levar assistência espiritual a pessoas que estão envolvidas com doenças,

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

MANUAL DO CUIDADOR SITUAÇÕES E CUIDADOS PRÁTICOS DO COTIDIANO

MANUAL DO CUIDADOR SITUAÇÕES E CUIDADOS PRÁTICOS DO COTIDIANO MANUAL DO CUIDADOR SITUAÇÕES E CUIDADOS PRÁTICOS DO COTIDIANO Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Jaques Wagner - Governador SECRETARIA DE EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho - Secretário

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

Antonio Silvio da Costa Junior

Antonio Silvio da Costa Junior Antonio Silvio da Costa Junior Aprendemos muito da boa medicina sendo atentos à vida e à morte. A anatomia manifesta a potência do Criador no estudo da materia, a fisiologia penetra nas funções do maravilhoso

Leia mais

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos

Atividade. O que é Pesquisa sobre Saúde? Pesquisa é um método de adquirir novos conhecimentos Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários 1 Atividade Introdução A população deve estar agradecida pela pesquisa chegar nas suas comunidades. Você: Concorda totalmente

Leia mais

SENSIL. Apoio Domiciliário e serviços de saúde. Crianças * adultos * idosos

SENSIL. Apoio Domiciliário e serviços de saúde. Crianças * adultos * idosos SENSIL Apoio Domiciliário e serviços de saúde Crianças * adultos * idosos A quem prestamos o serviço de Apoio Domiciliário? A todas as pessoas em situação de dependência: Temporária (pós operatório imediato,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE ENFERMAGEM DA FAMÍLIA

RELIGIÃO E ESPIRITUALIDADE ENFERMAGEM DA FAMÍLIA ENFERMAGEM DA FAMÍLIA A CIÊNCIA É APENAS UM DOS OLHOS POSSÍVEIS NA IMENSA BUSCA DE SIGNIFICADOS INFLUÊNCIAS NAS FAMÍLIAS Valores Tamanho Cuidados de saúde Hábitos sociais EMOÇÕES: MEDO PAZ CULPA ESPERANÇA

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos

Diretrizes Assistenciais. Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos Diretrizes Assistenciais Avaliação e Monitorização do Paciente em Cuidados Paliativos Versão eletrônica atualizada em mar/2012 Esta política descreve as ações a serem realizadas para a identificação, avaliação

Leia mais

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA

TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA TERAPIA OCUPACIONAL PADRÃO DE RESPOSTA QUESTÃO 38 Rosa está com 56 anos de idade e vive em um hospital psiquiátrico desde os 28 anos de idade. Em seu prontuário, encontra-se que ela é doente mental desde

Leia mais

Entrevista concedida a Lilian Cunha e publicada na revista Você S/A em fev/2005

Entrevista concedida a Lilian Cunha e publicada na revista Você S/A em fev/2005 Espiritualidade no trabalho Ao contrário do que se imagina, ser um profissional mais espiritual não implica em fazer orações antes de iniciar o expediente ou montar capelas e altares na empresa. Tem a

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR FELIPE SOUZA

ESTADO DO AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS GABINETE DO VEREADOR FELIPE SOUZA PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº. 031 /2013. CONCEDE Medalha de Ouro Cidade de Manaus ao Pastor FRANCISCO MACHADO BARROS, e dá outras providências. Art. 1º - Fica concedida a Medalha de Ouro Cidade de

Leia mais

Bepa 2009;6(70):19-24. Informe

Bepa 2009;6(70):19-24. Informe Informe Políticas públicas em cuidados paliativos na assistência às pessoas vivendo com HIV/Aids (PVHA) Public policies in paliative health care in the assistance designed for persons living with HIV/Aids

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO

Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO Outonos da Vida Associação para os Cuidados Paliativos e Dor Crónica do Médio Tejo APRESENTAÇÃO OUTONOS DA VIDA Instituição sem fins lucrativos, candidata a IPSS da área da Saúde com interacção com a Segurança

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER

ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER ESCOLA DE ENFERMAGEM COMISSÃO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ATIVIDADE ESTÁGIO CURRICULAR II TACIANA MADRUGA SCHNORNBERGER RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR II: Serviços da Rede Básica Porto Alegre

Leia mais

Consultoria em ambientes de saúde

Consultoria em ambientes de saúde Consultoria em ambientes de saúde Teoria ou prática? Na L+M, você tem os dois. Ambientes de saúde são sistemas complexos que precisam estar disponíveis 365 dias por ano, 24 horas por dia. São diferentes

Leia mais

Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado

Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado Capítulo IV Programas de treinamento pós-graduado Introdução Qual será a duração ideal do treinamento de um médico para que se torne um pediatra competente? Dadas as variedades de abordagem dos treinamentos

Leia mais

Perdão Marca de Maturidade

Perdão Marca de Maturidade Perdão Marca de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO Mateus 18.15-22 15 - Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão; 16 - Mas, se não te ouvir,

Leia mais

Cuidados Paliativos. Dra. Ana Paula Abranches Fernandes Peixoto* I- CONCEITO E IMPORTÂNCIA REVISÃO HISTÓRICA CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO

Cuidados Paliativos. Dra. Ana Paula Abranches Fernandes Peixoto* I- CONCEITO E IMPORTÂNCIA REVISÃO HISTÓRICA CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO Cuidados Paliativos Dra. Ana Paula Abranches Fernandes Peixoto* I- CONCEITO E IMPORTÂNCIA II- REVISÃO HISTÓRICA III- CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO IV- CUIDADOS PALIATIVOS NO BRASIL V- CUIDADOS PALIATIVOS

Leia mais

Palavra do superintendente

Palavra do superintendente 3 Palavra do superintendente A Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, representada pelas Unidades Pompeia, Santana e Ipiranga, é uma Instituição filantrópica que preza pela saúde e segurança de seus

Leia mais

Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários

Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários Currículo de Treinamento de Ética em Pesquisa para Representantes Comunitários 1 Atividade Introdução A A população deve estar agradecida pela pesquisa chegar nas suas comunidades. Você: Concorda totalmente

Leia mais

Sumário. Richard Baxter um cuidador de almas...7 Ageu Heringer Lisboa. Tristeza, melancolia, depressão...11 Uriel Heckert

Sumário. Richard Baxter um cuidador de almas...7 Ageu Heringer Lisboa. Tristeza, melancolia, depressão...11 Uriel Heckert Sumário Richard Baxter um cuidador de almas...7 Ageu Heringer Lisboa Tristeza, melancolia, depressão...11 Uriel Heckert Superando a tristeza e a depressão com a fé...21 Richard Baxter Quando a tristeza

Leia mais

EUTANÁSIA X DISTANÁSIA X CUIDADOS PALIATIVOS: DISCUSSÕES ÉTICAS, RELIGIOSAS E JURÍDICAS SOBRE UM CASO

EUTANÁSIA X DISTANÁSIA X CUIDADOS PALIATIVOS: DISCUSSÕES ÉTICAS, RELIGIOSAS E JURÍDICAS SOBRE UM CASO 1 EUTANÁSIA X DISTANÁSIA X CUIDADOS PALIATIVOS: DISCUSSÕES ÉTICAS, RELIGIOSAS E JURÍDICAS SOBRE UM CASO HIPOTÉTICO DE EUTANÁSIA ATIVA REALIZADA PELO ENFERMEIRO André Alves Catapreta Especialista em Enfermagem

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida

Resiliência. Capacidade para superar os desafios da vida Resiliência Capacidade para superar os desafios da vida O que é resiliência? Resiliência pode ser definida como a capacidade de se renascer da adversidade fortalecido e com mais recursos. (...) Ela engloba

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 DECISÃO COREN-RS Nº 006/2009 Dispõe sobre as normatizações para o exercício do profissional Enfermeiro em relação à constituição e funcionamento das Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs).

Leia mais

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão?

Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: risco de apagão? Recursos Humanos para a Assistência Domiciliar: Formação e Qualificação, há h risco de apagão? Serviços de Atenção Domiciliar Einstein Perfil da Assistência Domiciliar Hoje Aumento das condições crônicas

Leia mais

Cuidados Médicos em Domicílio e Comunitários Baseados em seus Gastos

Cuidados Médicos em Domicílio e Comunitários Baseados em seus Gastos Cuidados Médicos em Domicílio e Comunitários Baseados em seus Gastos (FONTE: The Scan Foundation Medicaid Home- and Community-Based Care Spending) Em 2009, Medicaid gastou 45% do seu total de longo prazo

Leia mais

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h

O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO (11) 4414-6072. Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE INTERNAÇÃO Tel.: (11) 4414-6000 - Ramal: 6420 (11) 4414-6072 Horário de Funcionamento: De 2ª a 6ª: das 6h às 22h Sábados e feriados: das 7h às 19h Seja bem-vindo ao nosso

Leia mais

TERAPIA COMUNITÁRIA SISTÊMICA INTEGRATIVA

TERAPIA COMUNITÁRIA SISTÊMICA INTEGRATIVA III Jornada Regional Sobre Drogas ABEAD / MPPE TERAPIA COMUNITÁRIA SISTÊMICA INTEGRATIVA construindo redes solidárias para enfrentamento das questões sobre álcool e outras drogas Aurea Silva aureasilva2005@yahoo.com.br

Leia mais

Karina Okajima Fukumitsu. V CURSO DE EXTENSÃO - 24/11/2012 Ciência, Saúde e Espiritualidade (ProEx/UFES) karinafukumitsu@gmail.com

Karina Okajima Fukumitsu. V CURSO DE EXTENSÃO - 24/11/2012 Ciência, Saúde e Espiritualidade (ProEx/UFES) karinafukumitsu@gmail.com Processo de luto por suicídio: Reflexões sobre Prevenção e Posvenção Karina Okajima Fukumitsu V CURSO DE EXTENSÃO - 24/11/2012 Ciência, Saúde e Espiritualidade (ProEx/UFES) karinafukumitsu@gmail.com OCORRÊNCIAS

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais