ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B"

Transcrição

1 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOENTES DE PARKINSON ELEIÇÕES / PROGRAMA ELEITORAL LISTA B Todos juntos somos fortes Não há nada a temer Ao meu lado há um amigo Que é preciso proteger Chico Buarque Lisboa, Janeiro / 2012

2 Introdução Os elementos que integram esta lista apresentam-se como um grupo coeso concorrendo às eleições dos corpos gerentes da APDPk e propõem-se trabalhar com generosidade e rigor ético. Esta lista pretende desempenhar este mandato num espírito de harmonia aceitando as diferentes tendências e correntes de opinião. Esta lista propõe-se dar continuidade ao trabalho desenvolvido ao longo dos anos e, nomeadamente, ao desenvolvido no mandato anterior. Assim vai procurar: Contribuir para melhorar a qualidade de vida dos doentes Desenvolver campanhas de sensibilização para a doença de Parkinson Dar prioridade aos projectos desenvolvidos em parceria Referimos ainda que a cada um dos corpos gerentes correspondem as funções previstas nos estatutos e na lei geral, e que se comprometem a manter no seu desempenho uma atitude colaborante e dedicada. E porque acreditamos na solidariedade, propomo-nos trabalhar com todos os associados e amigos da APDPk aproximando a Associação dos associados. Contaremos com o apoio dos neurologistas, técnicos de saúde, instituições, serviços públicos, autarquias, empresas, agências de comunicação. Deste modo tentaremos consolidar a imagem da APDPk. 2

3 PROGRAMA Propõe-se a nossa candidatura dar continuidade ás seguintes acções: Continuar a difundir a mensagem, que já atingiu mais de 5 milhões de portugueses, sobre a necessidade de se conhecer melhor a doença de Parkinson (DP). Programas de televisão, entrevistas em rádios e mais de uma centena de notícias em jornais nacionais e locais falaram de nós. Prosseguir com a formação sobre a DP, dada já a mais de 500 cuidadores profissionais e familiares de doentes, nas várias sessões de formação realizadas por todo o país. Criar novos grupos de auto ajuda, facilitando aos doentes e aos seus familiares uma identificação, pela abordagem dos problemas postos no grupo, para que encontrem e ajustem soluções à sua vida diária. O estudo epidemiológico iniciado em 2010, que está na fase final e que foi promovido pela nossa Associação, em parceria com a Direcção Geral de Saúde, vai permitir conhecer a prevalência da DP no nosso país. Saberemos assim quantos doentes de Parkinson existem em Portugal. O resultado deste estudo permitirá à APDPk, entre outras acções, ter uma voz mais activa na definição de políticas de saúde para os doentes de Parkinson junto das entidades oficiais. 3

4 Avaliar os resultados deste importante estudo promovido pela APDPk e utilizá-los em defesa dos interesses e dos direitos dos doentes é um propósito que consta do nosso programa de trabalho, com prioridade. Esta lista propõe-se contribuir para o desenvolvimento de outros estudos colaborando com a comunidade científica, e com instituições de âmbito social, em acções que promovam o bem-estar dos idosos e dos doentes; Propõe-se também elaborar projectos que visem melhorar a qualidade de vida dos doentes, evidenciando: os custos suportados pelos doentes e pelas famílias dos doentes de Parkinson, bem como pela comunidade em geral; a necessidade de se criarem apoios para os familiares dos doentes que se encontram em estadios mais avançados. a necessidade de formação adequada para os técnicos de saúde que lidam com os doentes de Parkinson, porque a DP tem características que a distinguem de outras doenças do sistema nervoso central que importa conhecer. E ainda: Manter a estratégia de divulgação da APDPk e da doença de Parkinson, para que a DP seja conhecida e compreendida por todos. Manter o contacto com os nossos associados e diversificar a oferta de actividades, para fomentar o diálogo e a participação, combatendo o isolamento dos doentes. 4

5 DINAMIZAÇÃO DA APDPK A NÍVEL NACIONAL 1 - Criar redes de apoio de proximidade ao doente e à sua família Fomentar novas dinâmicas nas delegações, com particular relevo para as delegações dos grandes centros urbanos: Lisboa e Porto. Estreitar laços de cooperação com entidades locais, para diversificar a oferta de serviços e cuidados de saúde aos nossos associados. Angariar novos associados por todo o país. Temos por objectivo ultrapassar o número mínimo de associados activos no próximo mandato. Captar o interesse de voluntários, para a sede e para as delegações, oferecendo formação e integração em actividades culturais e de animação, que temos em curso e serão promovidas regularmente. Promover eventos, como a celebração do Dia Mundial da Doença de Parkinson, a nível nacional, para dar maior visibilidade e impacto às causas defendidas pela APDPk, que são a sua razão de existir as causas que defendem os direitos do doente de Parkinson. Promover e dinamizar projectos que visam o bem-estar dos doentes e dos cuidadores, nomeadamente: grupos de auto ajuda; grupos de fisioterapia e terapia da fala; grupos de animação (dança, canto, visitas a museus, jardins e locais históricos). 5

6 2 Implementar a utilização de novas tecnologias Na comunicação entre as delegações, e entre as delegações e os órgãos sociais, para facilitar o diálogo e a partilha de ideias; Na formação de técnicos de saúde que prestem serviços aos nossos associados, doentes de Parkinson. Na constituição de equipas multidisciplinares para apoio aos doentes de Parkinson que residem fora dos centros urbanos, para acederem a tratamento por técnicos com formação adequada. A implementação de novas tecnologias permitirá melhor qualidade de trabalho, maior rapidez de execução e redução de custos. Nota: Estas propostas de trabalho estão contempladas em projectos já aprovados, e deverão ser postas em execução. 3 Intervenção nas políticas sociais e da saúde Identificar os problemas sociais e económicos dos nossos associados a nível nacional, estudar soluções e apresentar projectos ao Ministério da Segurança Social e da Solidariedade e à Direcção Geral de Saúde. A APDPk deverá fazer-se representar junto dos grupos parlamentares para ajustar legislação adequada às necessidades dos nossos doentes. Formalizar protocolos com Escolas Superiores de Saúde para sensibilizar alunos em fim de curso para a doença de Parkinson. 6

7 Propor programas de intervenção nas áreas de saúde e de animação cultural a instituições, como Lares e Centros de Dia, em regime de prestação de serviços, optimizando os recursos e conhecimentos dos técnicos que trabalhem com a APDPk. 4 Apoio aos nossos associados e às delegações Proporcionar acesso a consultas médicas, a tratamentos de fisioterapia, terapia da fala ou a apoio psicológico a custos reduzidos, através de projecto-piloto a iniciar na delegação de Lisboa. Manter o apoio no domicilio que a Delegação de Faro presta a idosos e doentes residentes no concelho. Alargar este programa a outras delegações. Em complemento das acções e dos projectos a desenvolver neste campo, incentivar, sempre que se verificarem condições favoráveis, a visita dos doentes por outros doentes que se possam deslocar. Apoiar e incentivar as actividades que a Delegação de Coimbra proporciona aos nossos associados em cooperação com a associação CASPAE. Implantar uma Unidade Prestadora de Cuidados de Saúde. Para tal será necessário registar a APDPk como entidade prestadora de cuidados de saúde. Os signatários desta Lista comprometem-se com coragem, generosidade e tolerância a trabalhar para o desenvolvimento da Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson, e por ela melhor cuidar do bem-estar dos doentes e seus familiares 7

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida;

Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Estimular o desenvolvimento de projectos de vida; São nossos objectivos: 1ª fase: Promover a inserção social de pessoas e grupos mais vulneráveis; Alargar e consolidar a rede de parcerias de forma a fomentar e a criar novos recursos, propiciando condições

Leia mais

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL

EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL EIXO 1: EMPREGO, QUALIFICAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E INICIATIVA LOCAL Desenvolver as condições facilitadoras da criação de emprego, combate ao desemprego e incentivo à iniciativa local referente ao empreendedorismo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES

ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2014 1. Introdução A ASSOCIAÇÃO TODOS PELOS OUTROS - TPO, é uma Associação sem fins lucrativos, com sede na Rua D. Duarte Nuno, nº 50, 3025-582 São Silvestre, na freguesia de São Silvestre,

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Núcleo de Internos de Medicina Interna (NIMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) REGULAMENTO E ESTATUTOS

Núcleo de Internos de Medicina Interna (NIMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) REGULAMENTO E ESTATUTOS Núcleo de Internos de Medicina Interna (NIMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) REGULAMENTO E ESTATUTOS A defesa e promoção da imagem da Medicina Interna, nomeadamente entre os jovens

Leia mais

Psicoestimulação Cognitiva

Psicoestimulação Cognitiva A tendência demográfica actual aponta para o progressivo aumento da percentagem da população idosa, em detrimento da população de faixas etárias mais jovens. De todas as patologias associadas ao envelhecimento,

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades 2014 / 2015 APAEA Índice 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 1 2. RELAÇÃO COM OS PAIS/ENCARREGADOS DE EDUCACAÇÃO E SOCIOS... 2 3. REPRESENTAÇÃO NOS ORGÃOS DO AGRUPAMENTO... 3 4. MELHORIA

Leia mais

Núcleo de Internos de Medicina Interna (NIMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI)

Núcleo de Internos de Medicina Interna (NIMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) Núcleo de Internos de Medicina Interna (NIMI) da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) Proposta de Regulamento NIMI REGULAMENTO E ESTATUTOS DO NIMI A defesa e promoção da imagem da Medicina Interna,

Leia mais

COMUNIDADE DE INSERÇÃO SOCIAL DE ESPOSENDE REGULAMENTO

COMUNIDADE DE INSERÇÃO SOCIAL DE ESPOSENDE REGULAMENTO COMUNIDADE DE INSERÇÃO SOCIAL DE ESPOSENDE REGULAMENTO ESPOSENDE SOLIDARIO ASSOCIAÇÃO CONCELHIA PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO, é uma Organização Não Governamental Sem Fins Lucrativos e de Utilidade

Leia mais

Plano de Trabalho Rede Social de Torres Vedras

Plano de Trabalho Rede Social de Torres Vedras Objectivo Geral: Adequar a formação dos desempregados do concelho de Torres Vedras às necessidades do tecido empresarial Objectivo Específico: Até Março de 2011 conhecer as necessidades do tecido empresarial

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

Ministério da Família e Promoção da Mulher

Ministério da Família e Promoção da Mulher Ministério da Família e Promoção da Mulher Decreto Lei n.º 7/98 de 20 de Fevereiro Considerando o reajustamento orgânico do Governo feito no âmbito da formação do Governo de Unidade e Reconciliação Nacional,

Leia mais

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de

Núcleo Executivo do CLAS de Mafra, 28 Maio de Plano de Ação Rede Social Mafra Eixo I - DEMOGRAFIA E EQUIPAMENTOS (INFRA-ESTRUTURAS DE APOIO) Objectivo geral 1. Reforçar as estruturas de apoio ao idoso Objectivo Específico 1. Aumentar a capacidade

Leia mais

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos

Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos Estudo de Caracterização do Tecido Empresarial do Concelho de Almada Observatório sobre Emprego, Empresas e Formação Gabinete de Apoio à Criação de Emprego e Captação de Investimentos 1 O Objecto da presente

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2017

PLANO DE ATIVIDADES 2017 PLANO DE ATIVIDADES 2017 PE1 Reforçar a participação ativa na discussão, implementação e avaliação de planos, políticas e legislação ambientais, promovendo a partilha de informação e conhecimento com os

Leia mais

Boletim N. 1 Projecto Quarto Crescente 2

Boletim N. 1 Projecto Quarto Crescente 2 Boletim N. 1 2016 A SIC Esperança associou-se ao Movimento Mais Para Todos, projecto de solidariedade da responsabilidade do LIDL Portugal, iniciativa para a qual esta entidade doou, durante o período

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005

PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 PLANO DE ACÇÃO, DO ANO DE 2005 O ano de 2005 é o último ano de vigência do I Plano Estratégico para o Desenvolvimento da. Assim sendo, este Plano de Acção constitui, de certa forma, o encerrar de um ciclo

Leia mais

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação

Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Comissão Nacional de Ciência e Tecnologia Combate à Desertificação Maria José Roxo O papel do Comité de Ciência e Tecnologia Estabelecido pelo artigo 24 da Convenção Mandato e termos de referência adoptados

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO entre Junta de Freguesia de Marvila e Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Considerando que: 1. A Junta de Freguesia de Marvila (adiante JFM, ou Autarquia) assume como um

Leia mais

Guia Metodológico do Utilizador dos

Guia Metodológico do Utilizador dos Guia Metodológico do Utilizador dos Produtos @Risco Projecto desenvolvido por: Co-financiado por: O Projecto @Risco é co financiado pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho e é desenvolvido

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL

PLANO DE ACTIVIDADES FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL PLANO DE ACTIVIDADES 2017 FEDERAÇÃO DE DOENÇAS RARAS DE PORTUGAL INTRODUÇÃO Na base da elaboração deste plano de actividades, está a intenção desta Direcção de implementar uma estratégia de acção baseada

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL

RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO CLDS MARINHA SOCIAL O presente relatório reflecte a actividade do CLDS Marinha Social, desde o inicio da sua actividade, em Julho de 2009 até Junho de 2010, analisando-se 2 momentos

Leia mais

AO SERVIÇO DOS ECONOMISTAS E DA REGIÃO DO ALGARVE

AO SERVIÇO DOS ECONOMISTAS E DA REGIÃO DO ALGARVE AO SERVIÇO DOS ECONOMISTAS E DA REGIÃO DO ALGARVE Considerações iniciais O ponto n.º 1 do Artigo 1.º dos Estatutos da Ordem dos Economistas (OE) estabelece que esta é a Associação Pública profissional

Leia mais

Instituto Gineste-Marescotti Portugal

Instituto Gineste-Marescotti Portugal Instituto Gineste-Marescotti Portugal APRESENTAÇÃO DE EMPRESA Instituto Gineste-Marescotti (IGM Portugal) Morada : Rua do Vale, n.33;2460-576 - Alcobaça Tel : (+351) 913 821 326 Site: www.humanitude.pt

Leia mais

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa

Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira com Bancos Centrais dos Países de Língua Portuguesa Estratégia para a formação financeira Susana Narciso Departamento de Supervisão Comportamental 11 de julho

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

Regulamento Cidade do Vinho 2017

Regulamento Cidade do Vinho 2017 Regulamento Cidade do Vinho 2017 CIDADE DO VINHO 2017 REGULAMENTO DE PARTICIPAÇÃO A designação de "Cidade do Vinho" tem o objectivo de contribuir para valorizar a riqueza, a diversidade e as características

Leia mais

Carta Local do Associativismo

Carta Local do Associativismo Carta Local do Associativismo 2015 Carta Local do Associativismo Enquadramento Estratégico CARTA LOCAL DO ASSOCIATIVISMO O tecido associativo do Concelho de Peniche tem desempenhado um papel decisivo na

Leia mais

Direitos no acesso ao trabalho

Direitos no acesso ao trabalho Princípio da Igualdade Artigo 15.º da Constituição Política de São Tomé e Príncipe A igualdade formal e legal entre homem e mulher é igualmente confirmada noutros artigos da Constituição, nomeadamente:

Leia mais

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO:

OBJECTIVOS: Prevenção Participação Associativismo Reflexão LINHAS DE ACTUAÇÃO: LINHAS DE ACTUAÇÃO: OBJECTIVOS: Incentivar a criação das associações de pais e EE, do ensino não superior; Intervir e defender os interesses dos educandos, fomentando a colaboração entre pais, alunos e

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2007

PLANO DE ACTIVIDADES 2007 PLANO DE ACTIVIDADES 2007 0. INTRODUÇÃO De acordo com a estrutura dos planos anteriores, apresenta-se o PLANO DE ACTIVIDADES para o ano 2007, prosseguindo o desenvolvimento dos projectos em curso. 1. OBJECTIVO:

Leia mais

A época Natalícia é uma altura de propensão altruísta onde todos estamos mais sensíveis ao bem geral e às necessidades dos outros.

A época Natalícia é uma altura de propensão altruísta onde todos estamos mais sensíveis ao bem geral e às necessidades dos outros. Apresentação A época Natalícia é uma altura de propensão altruísta onde todos estamos mais sensíveis ao bem geral e às necessidades dos outros. Nas atuais condições socio-económicas do país, é necessário,

Leia mais

Plataforma Saúde em Diálogo

Plataforma Saúde em Diálogo Novembro/2013 A Plataforma Mais Diálogo Farmácias/Utentes de Saúde surge em 1998 como estrutura informal Fórum Mais Diálogo Farmácia / Utentes de Saúde 13 de Janeiro de 1998 1 Assinatura do Protocolo de

Leia mais

Apoio a Idosos e Serviços de Saúde. Dossier de Apresentação.

Apoio a Idosos e Serviços de Saúde. Dossier de Apresentação. Apoio a Idosos e Serviços de Saúde Dossier de Apresentação O PROJECTO CAREBEM 2 A CareBem tem uma oferta multidisciplinar de produtos e serviços para permitir às pessoas que permanecem no seu seio familiar

Leia mais

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros

Plano de Actividades Ano lectivo 2008/2009 Tema: A aventura dos livros Plano de Actividades Ano 2008/2009 Tema: A aventura dos livros 1 ACTIVIDADES DE ORGANIZAÇÃO Actividades Objectivos Intervenientes Calendarização Proceder à gestão de colecções. Organização e gestão do

Leia mais

Plano de Atividades 2017

Plano de Atividades 2017 Fundação A. C. Santos Plano de Atividades 2017 Projetos propostos, para discussão e aprovação Fundação A. C. Santos Índice de Projetos 1. Programa Fundação Solidária..Quadro 1 2. Projeto Envelhecer com

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama

IMSI16. Contributo para a Democracia. Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama IMSI16 Contributo para a Democracia Adriano Neves José Fernandes Luis Silva Paulo Gama Instituição Particular de Solidariedade Social Organização de voluntariado que apoia de forma individualizada vítimas

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Proposta de PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre: Município de Guimarães, primeiro Outorgante, representado pelo Presidente da Câmara Municipal E Escola Profissional Profitecla / Pólo de Guimarães, Pessoa Colectiva,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Grupo de Trabalho Concelhio [Novembro de 2008] ÍNDICE CAPÍTULO I Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBMPC 3 ARTIGO 1.º Natureza 3 ARTIGO 2.º Objecto 4 ARTIGO 3.º Objectivos 4

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO

REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS CARTA DE COMPROMISSO CARTA DE COMPROMISSO DA REDE DE MUNICÍPIOS PARA A ADAPTAÇÃO LOCAL ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Considerando: Que o 5.º

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

Plataforma Saúde em Diálogo. Novembro/2016

Plataforma Saúde em Diálogo. Novembro/2016 Plataforma Saúde em Diálogo Novembro/2016 Plataforma Saúde em Diálogo A Plataforma Saúde em Diálogo é uma IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social), constituída por 44 entidades Associações

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa

Universidade Técnica de Lisboa Anexo 1 Inquérito por questionário aplicado às Directoras Técnicas dos organismos de apoio social do concelho de Caldas da Rainha INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Universidade Técnica

Leia mais

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento

Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS. Regulamento Centro de Estudos de Artes Decorativas da Escola Superior de Artes Decorativas da FRESS Regulamento Os Estatutos da Escola Superior de Artes Decorativas (ESAD) da Fundação Ricardo Espírito Santo Silva

Leia mais

1.1. Creche Objectivos gerais

1.1. Creche Objectivos gerais 1.1. Creche 1.1.1. Objectivos gerais Os processos de ensino e aprendizagem deverão contribuir nesta primeira etapa da Educação para a Infância, para que as crianças alcancem os seguintes objectivos: -

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Promoção da articulação curricular entre ciclos e da sequencialidade / transversalidade de conteúdos

Promoção da articulação curricular entre ciclos e da sequencialidade / transversalidade de conteúdos BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES 2008/2009 ÁREAS DE INTERVENÇÃO (projecto educativo): Ligação da escola à comunidade Prevenção do risco de abandono e insucesso escolar Promoção da articulação

Leia mais

Livro Verde da Comissão Europeia (2001) Responsabilidade Social

Livro Verde da Comissão Europeia (2001) Responsabilidade Social Susana Ramos Livro Verde da Comissão Europeia (2001) Responsabilidade Social É um conceito segundo o qual, as empresas decidem, numa base voluntária, contribuir para uma sociedade mais justa e para um

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Lar das Criancinhas da Horta Instituição Particular de Solidariedade Social

Lar das Criancinhas da Horta Instituição Particular de Solidariedade Social PROGRAMA DE AÇÃO PARA 2015 Em cumprimento do estabelecido das alíneas b) do Artigo 34.º e c) do Artigo 38º dos Estatutos do Lar das Criancinhas da Horta, vem esta Direção apresentar à Assembleia Geral,

Leia mais

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica

Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA. Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Programa 2012 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 073 GASP - Gabinete de Acção Social e Psicológica Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060

Leia mais

REDE SOCIAL Câmara Municipal de Barcelos Divisão de Acção Social

REDE SOCIAL Câmara Municipal de Barcelos Divisão de Acção Social EMISSÃO DE PARECERES TÉCNICOS Aprovado em Reunião do Conselho Local de Acção Social (CLAS) de Maio de 6 Critérios de avaliação para emissão de pareceres Para que se conheça em CLAS, o posicionamento dos

Leia mais

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012

Plano de Actividades Centro de Dia e Lar 2012 de Reis Campeonato Regional de Boccia Sénior na Zona Centro Comemoração do Carnaval Cantar os reis pelas ruas da povoação de Aguim e pelos restaurantes que se encontram perto da Instituição. Realização

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES e ORÇAMENTO 2013 DA DIRECÇÃO NACIONAL DA ACA

PLANO DE ACTIVIDADES e ORÇAMENTO 2013 DA DIRECÇÃO NACIONAL DA ACA PLANO DE ACTIVIDADES e ORÇAMENTO 2013 DA DIRECÇÃO NACIONAL DA ACA I. PA - Plano de actividades 1. Introdução 2. Objectivos gerais do Plano de actividades 3. Actividades previstas para 2013 3.1 Actividades

Leia mais

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013

Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 Colóquio Reservas da Biosfera: Laboratórios de Desenvolvimento Sustentável Assembleia da República, 3 de Julho de 2013 A Rede Portuguesa de Reservas da Biosfera foi criada pela Comissão Nacional da UNESCO,

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição)

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) Atendendo ao envelhecimento crescente a que se assiste a nível mundial, é imprescindível os cuidadores, formais e informais, dispensarem a formação neste

Leia mais

Estatutos do CEAA homologados em

Estatutos do CEAA homologados em CENTRO DE ESTUDOS ARNALDO ARAÚJO ESTATUTOS I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Denominação, natureza e duração 1. O Centro de Estudos denomina-se Centro de Estudos Arnaldo Araújo, de seguida designado por CEAA

Leia mais

Instituto Luso-Cubano de Neurologia. Estatutos do Conselho Científico

Instituto Luso-Cubano de Neurologia. Estatutos do Conselho Científico Instituto Luso-Cubano de Neurologia Estatutos do Conselho Científico 1. Enquadramento O Conselho Científico do ILCN tem como objectivo principal analisar sistematicamente as questões relacionadas com o

Leia mais

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto

Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária. Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto Os Cuidados de Saúde na Rede Social Solidária Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital do Porto 1 Caracterização da população >65 anos no Distrito do Porto: Concelho Censos 2001 Censos 2011

Leia mais

Relatório de Avaliação Comunidade

Relatório de Avaliação Comunidade 2012 Relatório de Avaliação Comunidade AVALIAÇÃO DE SATISFAÇÃO À COMUNIDADE RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO I Enquadramento Geral A Avaliação da Satisfação à Comunidade foi realizada a partir do preenchimento pela

Leia mais

Plano de Atividades Intercalar ARCTEL-CPLP

Plano de Atividades Intercalar ARCTEL-CPLP Plano de Atividades Intercalar 2013-2014 ARCTEL-CPLP Atingido que está o meio do mandato da Presidência da ARN, serve o presente para apresentar as atividades a realizar no segundo período deste exercício,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA. Chefe de Repartição de Assuntos Académicos, Estudantis e Mobilidade

TERMOS DE REFERÊNCIA. Chefe de Repartição de Assuntos Académicos, Estudantis e Mobilidade TERMOS DE REFERÊNCIA Chefe de Repartição de Assuntos Académicos, Estudantis e Mobilidade Conteúdo de trabalho Específico No âmbito da gestão dos Assuntos Académicos e Estudantis Em coordenação com as secretárias

Leia mais

Projeto INCLUIR. Enquadramento. O envolvimento na avaliação de tecnologias de saúde

Projeto INCLUIR. Enquadramento. O envolvimento na avaliação de tecnologias de saúde Projeto INCLUIR Enquadramento O Infarmed tem mantido contacto e interação com associações de doentes ao longo da última década, seja no desenvolvimento de campanhas de comunicação e envio de materiais,

Leia mais

Convite a candidaturas para subvenções do PREE

Convite a candidaturas para subvenções do PREE Convite a candidaturas para subvenções do PREE A fim de manter o ritmo da primeira fase do PREE e na expectativa de financiamentos substanciais da MAVA e da UEMOA para a implementação da segunda fase do

Leia mais

Centro Social Monsenhor Júlio Martins

Centro Social Monsenhor Júlio Martins Centro Social Monsenhor Júlio Martins Plano Anual de Atividades 2014/2015 Tema do Projeto Educativo: Brincar a Aprender Tema do Projeto Curricular de Turma: Descobrir com as emoções Sala dos 3,4 e 5 anos

Leia mais

Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS

Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS Maio de 2004 CAPÍTULO I Artigo 1º NATUREZA E SEDE 1. A Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné-Bissau-RENARC procura contribuir para

Leia mais

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DE RECURSOS HUMANOS 1. DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO AO UN GLOBAL COMPACT A APESPE RH- Associação Portuguesa

Leia mais

PROGRAMA ELEITORAL ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE MONTIJO E AFONSEIRO

PROGRAMA ELEITORAL ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE MONTIJO E AFONSEIRO PROGRAMA ELEITORAL ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE MONTIJO E AFONSEIRO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO -Tudo fazer para que o Montijo e o Afonsoeiro voltem a ter as suas freguesias. -Exigir

Leia mais

Muito mais do que turismo de adegas ou turismo de vinhos ; Desenvolvimento das actividades turísticas, de lazer e tempo livre cultural e enológico da

Muito mais do que turismo de adegas ou turismo de vinhos ; Desenvolvimento das actividades turísticas, de lazer e tempo livre cultural e enológico da Câmara Municipal de Melgaço Vale d Algares Cartaxo, 30 de Junho de 2009 Muito mais do que turismo de adegas ou turismo de vinhos ; Desenvolvimento das actividades turísticas, de lazer e tempo livre dedicadas

Leia mais

Fundação Europeia da Juventude

Fundação Europeia da Juventude Fundação Europeia da Juventude Apoio aos jovens na Europa Dedicado à juventude Diálogo Oportunidade Comunidade Parceria Todo coração Interativo Flexível Intercâmbio Profissional O CONSELHO DA EUROPA O

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015

associação de pais / encarregados de educação do agrupamento de escolas do concelho de Valença do Minho Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Relatório de Atividades e Contas 2014/2015 Com o presente relatório a Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Valença vem informar os seus associados sobre as atividades desenvolvidas

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL

ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL ASSEMBLEIA GERAL 12 Março 2010 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 Com a implantação do Banco Alimentar Contra a Fome de Viana do Castelo, instituição assente na dádiva, na partilha, no voluntariado e no mecenato, criou-se uma

Leia mais

Associação de Moradores do Bairro das Calvanas PLANO DE ACTIVIDADES

Associação de Moradores do Bairro das Calvanas PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2012 INTRODUÇÃO O ano de 2011 foi extremamente proveitoso para a Associação de Moradores de Calvanas (AMC) e, nesse sentido, foi possível terminar a primeira fase das obras referentes

Leia mais

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007)

Gráfico 1 População residente no distrito de Castelo Branco. (Fonte: INE, e 2007) O Centro Social Padre Tomás D Aquino Vaz de Azevedo (CSPTAVA) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que desenvolve a sua actividade na área do apoio à Terceira Idade nas valências de Lar

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS CENTRO DE INVESTIGAÇÃO JOÃO DE DEUS Preâmbulo 1. Caracterização O Centro de Investigação João de Deus é um serviço da Escola Superior de Educação João de Deus, onde se desenvolverá o apoio e o acompanhamento

Leia mais

Produção Local: Estratégias e Desafios Agroal, 18 de Maio de 2016 Um projeto promovido por: Cofinanciado por: Em parceria com: Com o apoio de:

Produção Local: Estratégias e Desafios Agroal, 18 de Maio de 2016 Um projeto promovido por: Cofinanciado por: Em parceria com: Com o apoio de: Políticas globais e estratégias locais para o desenvolvimento sustentável Produção Local: Estratégias e Desafios Agroal, 18 de Maio de 2016 Um projeto promovido por: Cofinanciado por: Em parceria com:

Leia mais

INAUGURAÇÃO 16 DE MARÇO VISEU

INAUGURAÇÃO 16 DE MARÇO VISEU INAUGURAÇÃO 16 DE MARÇO VISEU 7 Perguntas SOBRE UMA ASSOCIAÇÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR, DE APOIO A FAMÍLIAS, DE MEDIAÇÃO E DE ARBITRAGEM 1. O que é a Beira Amiga? A BEIRA AMIGA (Associação de Defesa do

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2009

PLANO DE ACTIVIDADES 2009 PLANO DE ACTIVIDADES 2009 0. INTRODUÇÃO De acordo com a estrutura dos planos anteriores, apresenta-se o PLANO DE ACTIVIDADES para o ano 2009, prosseguindo o desenvolvimento dos projectos em curso. 1. OBJECTIVO:

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE AÇÃO 2013 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 7 PLANO DE ACÇÃO 2013...

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017

PLANO DE ATIVIDADES PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 PLANO DE ATIVIDADES 2016/2017 O Plano Anual de Atividades deve ser entendido como o instrumento da planificação das Atividades escolares, para um ano letivo, no qual estão plasmadas as decisões sobre os

Leia mais

Designação do Projeto: Divida Zero

Designação do Projeto: Divida Zero Designação do Projeto: Divida Zero Objetivo Geral C5 (PDS) Objetivos Prevenir e apoiar situações de sobre endividamento pessoal e social. Reduzir o peso percentual de utentes com processos em anos anteriores.

Leia mais

II Assembleia da Plataforma Internacional de Orçamento Participativo

II Assembleia da Plataforma Internacional de Orçamento Participativo II Assembleia da Plataforma Internacional de Orçamento Participativo Orçamento Participativo A Experiência de Cabo Verde Dakar Senegal 10 de Fevereiro, de 2011 O Orçamento Participativo no Contexto Cabo-verdiano

Leia mais

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA

PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PROJECTO INTEGRADO SOCIAL E SAÚDE DE SESIMBRA PRESSUPOSTOS 1. INFRA-ESTRUTURAS E EQUIPAMENTOS Lares sem Condições. Edifício Deteriorado sem utilização. Centro de Dia e ATL sem condições. Inexistência de

Leia mais

Lista A - candidata aos próximos Corpos Gerentes da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM para o triénio 2014-2017

Lista A - candidata aos próximos Corpos Gerentes da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM para o triénio 2014-2017 Lista A - candidata aos próximos Corpos Gerentes da Comissão Nacional Portuguesa do ICOM para o triénio 2014-2017 Proposta de composição da Lista e respectivas Linhas Programáticas Direcção Presidente

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

DECLARAÇÃO DE CASCAIS

DECLARAÇÃO DE CASCAIS DECLARAÇÃO DE CASCAIS 30.10.2004 INTRODUÇÃO Considerando a vontade de continuar a estreitar laços e a desenvolver formas de cooperação em matéria de desenvolvimento sustentável e protecção do ambiente

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas

Câmara Municipal de Elvas. Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Elvas Câmara Municipal de Elvas Plano de Acção 2007 Julho de 2006 Conselho Local de Acção Social de Elvas PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

Manual de Apoio - Comissões de Internos -

Manual de Apoio - Comissões de Internos - CNMI - Conselho Nacional do Médico Interno! Manual de Apoio - Comissões de Internos - Conselho Nacional do Médico Interno Ordem dos Médicos - Setembro 2015 1 (contracapa) Documento original elaborado por

Leia mais

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas

Informação Escrita. 1. Actividades de Representação e participação externas Informação Escrita Nos termos da alínea o) do artº.17º da Lei nº.5-a/2002 de 11 de Janeiro, e no âmbito das suas competências, a Junta de Freguesia de Portimão apresenta à Assembleia de Freguesia, a informação

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Pombal

Santa Casa da Misericórdia de Pombal Manual de Políticas Santa Casa da Misericórdia de Pombal Índice 1. Política da Qualidade 2. Politica de Apoio Social 3. Politica de Recursos Humanos 4. Politica de Ética 5. Politica de Envolvimento Ativo

Leia mais

Acordo de Colaboração

Acordo de Colaboração Acordo de Colaboração Extensão de horário das actividades de animação e de apoio à família na educação Pré-escolar nos Jardins do Agrupamento de Escolas de Samora Correia Considerando que: A Educação Pré-escolar,

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / a / Dezembro de Profª Bibliotecária: Maria Clara Nogueira de Almeida DEFINIÇÃO Documento que apresenta as linhas orientadoras para

Leia mais

Programa BIP/ZIP 2016

Programa BIP/ZIP 2016 Programa BIP/ZIP 2016 FICHA DE CANDIDATURA Refª: 051 BOUTIQUE DO BAIRRO Grupo de Trabalho dos Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária (BIP/ZIP) Rua Nova do Almada, nº 2-3º Andar 1100-060 Lisboa Telefone:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTO ANTÓNIO PLANO DE ACÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTO ANTÓNIO PLANO DE ACÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTO ANTÓNIO PLANO DE ACÇÃO Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas de Santo António Lectivo 2009/2010 DOMÌNIO A Apoio ao Desenvolvimento Curricular A.1 Articulação Curricular

Leia mais