REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS CAVA CAPÍTULO I DO PLANO E SUAS CARACTERÍSTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS CAVA CAPÍTULO I DO PLANO E SUAS CARACTERÍSTICAS"

Transcrição

1 REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 2007

2 REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS CAVA CAPÍTULO I DO PLANO E SUAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º. O presente Regulamento dispõe sobre o Plano de Benefícios Previdenciários CAVA, administrado pela Caixa Vicente de Araújo do Grupo Mercantil do Brasil CAVA. Parágrafo único. O Plano é multipatrocinado e reveste a modalidade de plano de benefício definido. CAPÍTULO II DOS PATROCINADORES E FILIADOS Art. 2º. São Patrocinadores do Plano: I o Banco Mercantil do Brasil S.A., instituição financeira privada, na condição de Patrocinador-líder; II empresas controladas pelo Patrocinador-líder ou que a ele sejam coligadas ou vinculadas, direta ou indiretamente; III a própria CAVA. Parágrafo único. A admissão e a retirada de Patrocinadores são objeto de decisão do Conselho Deliberativo e, nos termos da legislação de regência, os mesmos celebram, com a CAVA, convênio de adesão, submetido à aprovação dos órgãos governamentais competentes. Art. 3º. São as seguintes as classes de filiados ao Plano: I - participantes; a) participantes ativos; 2

3 b) participantes assistidos; II - beneficiários. Art. 4º. São participantes ativos: I - os empregados, administradores e conselheiros das Patrocinadoras, voluntariamente inscritos no Plano; II - os ex-empregados que, quando da cessação do vínculo laboral com os Patrocinadores, formalizarem opção pelo autopatrocínio ou pelo benefício proporcional diferido, observado o disposto nos artigos 39 a 43 deste Regulamento. Art. 5º. São participantes assistidos aqueles que estejam percebendo auxílio-aposentadoria ou auxílio-doença. Art. 6º. São beneficiários do participante as pessoas legalmente definidas como seus dependentes pelo Regime Geral de Previdência Social, desde que por aquele inscritos no Plano. Art. 7º. A inscrição como participante ativo, no Plano, far-se-á mediante proposta assinada pelo pretendente, acompanhada da certidão do registro civil de nascimento. 1º. No caso do pretendente que deseje inscrever beneficiário, deverá ele, quando da apresentação da proposta, requerer o registro cadastral do dependente, comprovando a respectiva condição, com a documentação pertinente. 2º. Após a inscrição do participante no Plano, a inclusão de novos beneficiários somente poderá ocorrer e ter eficácia jurídica, mediante competente registro cadastral, observado o disposto no parágrafo anterior. 3º. Aqueles que pretenderem ingressar no Plano, em época posterior à sua contratação pelos Patrocinadores, deverão, juntamente com a proposta de inscrição, apresentar atestado médico de sanidade física e mental, passado por profissional 3

4 devidamente habilitado para tanto. Este mesmo procedimento será exigido daqueles que se reinscreverem no Plano. 4º. O deferimento da proposta de inscrição implica na autorização do admitido, para que o respectivo empregador promova o desconto, em folha de pagamento ou débito em sua conta-corrente, a partir do dia da protocolização da proposta de inscrição, das contribuições previstas no art. 23 deste Regulamento, que serão devidas a partir daquela data. 5º. Se recusada, pela CAVA, a proposta de inscrição, as contribuições recebidas serão devolvidas, no prazo máximo de 30 (trinta) dias da data do indeferimento. Art. 8º. Dar-se-á o cancelamento da inscrição do participante que: I - vier a falecer; II - o requerer; III - não pagar 3 (três) contribuições consecutivas; IV - deixar de ser empregado de Patrocinador, ressalvadas as hipóteses de opção pelo autopatrocínio ou pelo benefício proporcional diferido, observado o disposto nos artigos 39 a 43 deste Regulamento, e assegurada aquela pelo resgate, na forma prevista nos artigos 35 a 38 deste Regulamento. Art. 9º. A perda da qualidade de beneficiário terá lugar: I - em decorrência do cancelamento da inscrição do participante a que se achar vinculado; II - nos casos previstos, no Regime Geral da Previdência Social, de desqualificação como dependente do segurado; III pelo recebimento dos benefícios a que fizer jus. 4

5 Art. 10. A perda da qualidade de participante ou de beneficiário importa a extinção automática dos direitos a ela inerentes. Art. 11. O participante que tiver sua inscrição cancelada, pelos motivos enumerados nos incisos II e III do art. 8º, poderá ser reinscrito no Plano, desde que preencha, à época, os correspondentes requisitos. Parágrafo único. O reinscrito estará sujeito a novos prazos de carência, salvo se pagar as contribuições correspondentes ao período compreendido entre a data do cancelamento da primeira inscrição e a da reinscrição, acrescidas da atualização monetária e dos juros previstos na avaliação atuarial. CAPÍTULO III DOS BENEFÍCIOS Art. 12. Os benefícios assegurados pelo Plano a seus filiados são: I - Auxílio-natalidade; II - Auxílio-educacional; III - Auxílio-doença; IV - Auxílio-funeral; V - Pecúlio por morte; VI - Auxílio-aposentadoria. 1º. Os benefícios elencados nos itens I, II, III e VI são devidos apenas aos participantes e os dos itens IV e V aos beneficiários destes. 2º. Os benefícios dos incisos I e II estão condicionados à manutenção da relação empregatícia com Patrocinador. 5

6 3º. O benefício previsto no item VI é devido apenas aos participantes destinatários do art.19, e seus parágrafos, deste Regulamento. Art. 13. O regime financeiro do Plano, exceto com relação ao benefício mencionado no item VI do art. 12, é o de repartição simples, e objeto de orçamentos plurianuais, abrangentes, no mínimo, de três exercícios sociais. Parágrafo único. O regime financeiro do auxílioaposentadoria é o de capitalização. Art. 14. O auxílio-natalidade, devido ao participante em razão de nascimento de filho, consistirá em pagamento único de valor correspondente ao menor salário-de-benefício segundo o Regime Geral de Previdência Social, apurado no mês do evento. 1º. Serão devidos tantos auxílios-natalidade quantos forem os filhos que nascerem. 2º. Se o participante falecer antes do nascimento do filho, o auxílio- natalidade será pago ao outro genitor ou ao representante legal do menor. 3º. A Data do Benefício é a da protocolização, pelo participante, de seu requerimento, se deferido, devendo essa protocolização dar-se até 6 (seis) meses após o nascimento. 4º. O prazo de pagamento do benefício é de 30 (trinta) dias a contar da protocolização de sua solicitação, se deferida essa. Art. 15. O auxílio-educacional será devido ao participante que o requerer, em razão de matrícula de filho menor de 12 anos, nas 4 (quatro) primeiras séries de curso do ensino fundamental, e pago mediante a apresentação da declaração de matrícula expedida pelo estabelecimento de ensino. 1º O auxílio-educacional consiste em um pagamento único anual, no valor correspondente ao menor salário-de-benefício segundo o 6

7 Regime Geral de Previdência Social, calculado no mês da matrícula. 2º. Serão devidos tantos auxílios-educacionais, quantos forem os filhos matriculados. 3º. O requerimento que, se deferido, atribui o direito ao auxílioeducacional, deverá ser protocolizado no período compreendido entre 1º de janeiro e 30 de abril do ano a que corresponder a matrícula escolar, e será pago no prazo de 30 (trinta) dias da protocolização de seu requerimento. Art. 16. É elegível ao auxílio-doença o participante licenciado para tratamento de saúde, e que estiver recebendo idêntico benefício do INSS. 1º. O auxílio-doença consiste em uma renda mensal a ser paga ao participante, correspondente a 30% (trinta por cento) do valor que o mesmo estiver percebendo do INSS a tal título, não podendo a soma dos dois valores ultrapassar o valor mensal do seu salário fixo. 2º. A Data do Benefício e a Referencial de seu Pagamento serão a da protocolização do requerimento de sua concessão, pelo participante, se deferido o pedido. 3º. Extinto, pelo INSS, o auxílio-doença, será também cancelado o benefício pago pela CAVA. Art. 17. O auxílio-funeral será devido, em caso de morte do participante, ao beneficiário seu que custear as despesas com o funeral, e que requerer o benefício, e consistirá em pagamento único de valor correspondente a 6 (seis) vezes o menor salário-debenefício conforme o Regime Geral de Previdência Social, apurado no mês do evento. Parágrafo único. Aplica-se, quanto aos prazos de requerimento do benefício e do seu pagamento, respectivamente o disposto nos arts. 14, 3º, e 18, caput. 7

8 Art. 18. O pecúlio por morte é devido em caso de falecimento do participante, destinando-se, exclusivamente, aos beneficiários do falecido, aos quais será pago, em prestação única, dentro de 60 (sessenta) dias a contar da apresentação, pelos interessados, da certidão de óbito. 1º. O quantum do benefício corresponderá à importância resultante da multiplicação do valor correspondente a 1% (um por cento) do menor salário-de-contribuição do Regime Geral de Previdência Social pelo número de participantes ativos, filiados à CAVA na data do evento. 2º. O valor do benefício será dividido pelo número de beneficiários inscritos pelo participante falecido, e cuja inscrição esteja eficaz na data do evento. 3º. Cada beneficiário receberá, apenas, o valor de sua cota. Art. 19. O auxílio-aposentadoria, nos termos do Estatuto aprovado pela Assembléia Geral Extraordinária de , é benefício que, em regime de Direito Transitório, ficou estatutariamente assegurado aos que, na data da aprovação do Estatuto dessa, e respectivo Plano de Benefícios, pela Portaria nº 2.173, de , do Ministério da Previdência Social, fossem associados da CAVA. 1º. De acordo com as disposições estatutárias de regência, são elegíveis ao benefício pleno os ora participantes ativos que vierem a ser aposentados pela Previdência Pública, desde que, em , tivessem cumprido os seguintes prazos de carência: a) 120 (cento e vinte) meses consecutivos de contribuição para a CAVA, quando a aposentadoria for concedida em decorrência do tempo de serviço ou por velhice; b) 60 (sessenta) meses consecutivos de contribuição para a CAVA, quando a aposentadoria for concedida em decorrência de invalidez permanente. 2º. O valor do benefício pleno, a que alude o parágrafo anterior, é calculado da seguinte forma: 8

9 a) 8% (oito por cento) do valor da aposentadoria paga pelo INSS, para os participantes ativos que se inscreveram no Plano de Benefícios e Serviços da CAVA até e que contarem 10 (dez) anos de contribuição para a CAVA no ato da aposentadoria; b) ao valor obtido nos termos da letra a será acrescida a importância correspondente a 0,8% (oito décimos por cento) do valor da aposentadoria paga pelo INSS, tantas vezes quantos forem os anos a mais de contribuição para a CAVA, que o participante tiver, na data em que for deferida sua aposentadoria pelo INSS, não podendo a percentagem máxima ultrapassar a 24% (vinte e quatro por cento). 3º. Em relação àqueles que, na data referida no caput, ainda não tivessem cumprido os prazos de carência para percepção do benefício pleno, no termos do 1º deste artigo, o valor desse será calculado na proporção de 0,8% (oito décimos por cento) do quantum pago pelo INSS, a título de aposentadoria, por ano completo de contribuição à CAVA até a mencionada data. 4º. Os prazos de contribuição fixados nos parágrafos anteriores são contados a partir da data da aceitação da proposta de inscrição, como associado da CAVA. 5º. Fica assegurado que o cálculo do valor do auxílioaposentadoria será baseado, no mínimo, nas reservas constituídas com todas as contribuições vertidas pelo participante, atualizadas monetariamente, e descontadas as parcelas destinadas à cobertura dos benefícios de risco e as despesas administrativas incorridas. 6º. O valor mínimo do benefício de auxílio-aposentadoria corresponde a 0,8% (oito décimos por cento) do valor da aposentadoria paga pelo RGPS, por ano completo de contribuição à CAVA, até a data da aprovação de seu Estatuto e Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários, ocorrida em º. O valor da aposentadoria paga pelo INSS, e que serve de base de cálculo para a incidência dos percentuais nos 2º, 3º e 6º deste artigo, será aquele vigorante na data da concessão do auxílio-aposentadoria, observado, quanto ao seu cálculo inicial, o disposto no parágrafo anterior. 9

10 8º. O participante assistido mantém a qualidade de filiado ao Plano, mas fica isento de contribuição para o mesmo. 9º. Não será devido o auxílio-aposentadoria àqueles que se inscreveram no Plano de Benefícios Previdenciários da CAVA, após a data prevista no caput deste artigo. 10. A Data do Benefício e a Referencial de seu Pagamento são a da protocolização do requerimento, se deferido. 11. O auxílio-aposentadoria será reajustado nos mesmos índices e nas mesmas datas da aposentadoria paga, pelo INSS, ao assistido, mantidos sempre, porém, os percentuais estabelecidos pelos 2º, 3º e 6º deste artigo, para os destinatários dessas disposições. 12. No caso de a aposentadoria dar-se sob regime de previdência que não seja o Regime Geral de Previdência Social, e sem prejuízo dos requisitos e condições previstos nos parágrafos antecedentes, observar-se-á, como base de cálculo, o valor da aposentadoria que seria atribuído ao participante ativo, segundo as regras de cálculo do RGPS, na data da inativação, inclusive quanto ao teto de benefício fixado para seus segurados. 13. O benefício será pago até o 5º (quinto) dia útil do mês seguinte ao de competência. Art. 20. O prazo de carência dos benefícios previstos no artigo 12, itens I a V, será de 12 (doze) meses consecutivos de contribuição. 1º. O prazo será contado a partir do pagamento da primeira contribuição, observada a competência a que se referir. 2º. A concessão do auxílio-doença independerá do cumprimento do prazo de carência, quando a licença para tratamento de saúde decorrer de acidente de qualquer natureza. 10

11 CAPÍTULO IV DO CUSTEIO DO PLANO Art. 21. O custeio do Plano caberá aos participantes ativos e aos Patrocinadores. Art. 22. Os Patrocinadores contribuem com percentual não inferior a 30% (trinta por cento) do custo total do Plano, estabelecido, anualmente, pelo Conselho Deliberativo, com base em avaliação atuarial, para o exercício subseqüente. 1º. A contribuição dos Patrocinadores será paga em parcelas mensais. 2º. Os Patrocinadores aportarão, até o 5º (quinto) dia útil de cada mês, uma parte de sua contribuição mensal, equivalente a 90% (noventa por cento) do valor da parcela referente ao mês anterior. 3º. A integralização da contribuição será efetuada, até o 5º (quinto) dia útil do mês seguinte ao de competência, no montante apurado durante esse, e objeto de cobrança até seu último dia útil. 4º. Não efetuados os pagamentos nos prazos fixados nos parágrafos anteriores, aplicar-se-á o disposto no parágrafo único do art. 27, quanto à atualização dos valores, juros de mora e multa. Art. 23. Os participantes ativos contribuirão, mensalmente, com um valor definido pela aplicação de coeficiente estabelecido atuarialmente e aplicável sobre o total que receberem, em cada mês, a título de remuneração. Art. 24. O plano de custeio, inclusive quanto às contribuições dos participantes ativos e dos Patrocinadores, será objeto de reavaliação anual, mediante o emprego de tábuas e parâmetros aprovados pelos órgãos competentes do Ministério da Previdência Social, e será alterado, sempre que necessário, para atender ao custeio do Plano. 11

12 Parágrafo único. As contribuições serão automaticamente elevadas, quando das variações da remuneração mensal dos participantes. Art. 25. Os participantes ativos, com direito ao benefício previsto no art. 19, 1º, contribuirão com percentual específico para a formação da reserva destinada ao seu pagamento, de acordo com o estabelecido no cálculo atuarial próprio. Art. 26. Quando do falecimento de participante ativo ou assistido, a contribuição dos participantes ativos será acrescida, em prestação única, de 1% (um por cento) do menor salário-decontribuição do Regime Geral de Previdência Social, na data do evento, para custeio do benefício de pecúlio por morte, sobre o qual dispõem o art. 18, e seus parágrafos. Art. 27. A arrecadação das contribuições dos participantes ativos será promovida pelos Patrocinadores, mediante desconto em folha de pagamento ou débito em conta-corrente do participante, devendo ser repassadas à CAVA, dentro dos 5 (cinco) dias úteis seguintes. Parágrafo único. A não-efetivação do desconto ou a mora no repasse acarretará a obrigação de pagamento, pelo Patrocinador, da multa de 2% (dois por cento) por mês, ou fração, de atraso, aplicável sobre os valores das contribuições não descontadas ou não repassadas, acrescidos de juros de 1% (um por cento), e da atualização monetária segundo os critérios de remuneração financeira previstos na avaliação atuarial. Art. 28. As contribuições dos participantes ativos destinam-se, exclusivamente, ao custeio do Plano de Benefícios, na forma estabelecida neste Regulamento, bem como à formação das reservas técnicas exigidas (arts. 12, 3º, e 25) e a atender às despesas administrativas. Art. 29. Para garantia de todas as obrigações concernentes ao Plano, a CAVA constituirá reservas, fundos especiais e provisões, 12

13 efetuando as aplicações e investimentos, sempre segundo a legislação de regência. Parágrafo único. Satisfeitas todas as exigências legais e regulatórias, o resultado superavitário do exercício terá a seguinte destinação, segundo resolução do Conselho Deliberativo, por proposta da Diretoria Executiva: a) constituição de reserva de contingência até o limite de 25% (vinte e cinco por cento) do valor das reservas matemáticas; b) formação, com os eventuais valores excedentes, de reserva especial para revisão do plano de benefícios; c) reajustamento dos benefícios, na hipótese de não-utilização da reserva especial. CAPÍTULO V DAS OPÇÕES Seção I Das Disposições Comuns Art. 30. Cessado o vínculo empregatício com Patrocinador, o participante ativo poderá optar pelo autopatrocínio. 1º. Os participantes ativos, que têm direito ao auxílioaposentadoria, poderão optar, ainda, pelo resgate, e especificamente aqueles a que se refere o art. 19, 1º e 2º, também pelo benefício proporcional diferido e pela portabilidade. 2º. Por só conter o Plano CAVA o auxílio-aposentadoria como beneficio programado, não tendo a ele acesso novos participantes; e por se encontrarem aqueles a que ficou assegurado o mesmo benefício (art. 19) em situação jurídica definitivamente constituída, somente haverá portabilidade, quando o Plano CAVA for o plano de benefícios originário. 13

14 Art. 31. A CAVA fornecerá ao participante ativo no prazo máximo de 30 (trinta) dias contados do recebimento da comunicação da cessação do vínculo empregatício com patrocinador, ou da data da protocolização do requerimento pelo interessado, extrato com os dados exigidos pela legislação de regência. 1º. O prazo de opção por um dos institutos referidos no artigo anterior, e em seu 1º, será de 30 (trinta) dias, contados do recebimento, pelo participante, do extrato a que se refere o caput. 2º. O participante formalizará sua opção mediante Termo específico, a ser protocolizado no prazo fixado no parágrafo anterior. Seção II Do Autopatrocínio Art. 32. O participante ativo que optar por manter-se vinculado ao Plano, na qualidade de autopatrocinador, aportará, além da contribuição estabelecida para os participantes ativos, o valor igual ao devido pelos Patrocinadores, de acordo com o disposto no Capítulo IV, inclusive quanto a prazos de pagamento e sanções de mora. Art. 33. Aplica-se o disposto no artigo anterior aos demais casos de perda total da remuneração percebida de Patrocinador. Parágrafo único. Nos casos de perda parcial da remuneração, ao participante ativo, para poder assegurar a futura percepção dos benefícios nos níveis correspondentes, é facultado manter o valor de sua contribuição e do Patrocinador. Art. 34. A opção pelo autopatrocínio não impede outra, ulterior, pelo resgate, pelo benefício proporcional diferido ou, nos termos do disposto nos 1º e 2º do art. 30, também pela portabilidade, desde que preenchidos os respectivos requisitos (arts. 35 a 44). 14

15 Seção III Do Resgate Art. 35. O valor do resgate das contribuições vertidas pelo participante ativo com direito ao auxílio-aposentadoria, corresponderá à totalidade das contribuições, recolhidas, atualizadas pela Taxa Referencial acumulada, ou mediante autorização do órgão competente da Previdência Social, por taxa ou índice que vier a substituí-la legalmente. Parágrafo único. Do valor apurado será deduzida a parcela destinada ao custeio administrativo, de acordo com nota técnica atuarial. Art. 36. O resgate não será permitido, caso o participante ativo já tenha preenchido os requisitos de elegibilidade ao benefício de auxílio-aposentadoria, com valor pleno. Art. 37. O resgate poderá, por opção única e exclusiva do participante ativo, ser pago de uma só vez, ou em até doze parcelas mensais e consecutivas. Parágrafo único. No caso de pagamento parcelado, os valores das parcelas serão atualizadas, segundo o critério estabelecido pelo art. 35. Art. 38. O exercício do direito de resgate extingue as obrigações da CAVA para com o participante e seus beneficiários, mantida, apenas, se for o caso de pagamento parcelado, a do pagamento das parcelas vincendas. Seção IV Do Benefício Proporcional Diferido Art. 39. Ao participante ativo com direito a auxílio-aposentadoria, nos termos do disposto no art. 19, 1º e 2º, mas que não tenha 15

16 preenchido os requisitos de elegibilidade ao benefício com valor pleno, é facultada a opção de recebê-lo, observado o disposto no art. 19, 10 deste Regulamento, sob a modalidade de benefício proporcional diferido, único benefício que passará a fazer jus, ressalvado o disposto no 2º do art. 41. Parágrafo único. O exercício do direito de opção submete-se a um prazo de carência de 3 (três) anos de vinculação do participante ao Plano, e à cessação do vínculo empregatício do participante com o patrocinador. Art. 40. A opção pelo benefício proporcional diferido importará, desde a data de sua formalização, a cessação da versão de contribuições, excetuadas aquelas devidas até a data da protocolização do requerimento, que serão cobradas pela CAVA, em valor baseado no cálculo atuarial próprio, e ressalvado o disposto no 2º do art. 41. Parágrafo único. O não-pagamento das contribuições pretéritas, ressalvadas no caput, implicará a redução do valor do benefício, de acordo com o cálculo atuarial pertinente. Art. 41. O valor do benefício proporcional diferido será atuarialmente baseado na totalidade da reserva matemática do benefício pleno programado, na data da formalização da opção, observado, como mínimo, o valor equivalente ao do resgate. 1º. A data-base do cálculo será a da implementação da elegibilidade ao benefício pleno, a partir de quando será devido o benefício proporcional diferido. 2º. Do valor apurado nos termos do disposto no caput serão descontadas as parcelas destinadas ao custeio administrativo; e, se o participante optar pela cobertura dos benefícios de risco durante a fase de diferimento, também o serão as parcelas de custeio dos mesmos. 3º. A nota técnica atuarial fixará a metodologia de apuração e atualização de valores, que considerará, para fins de dedução do montante de que se trata o caput, valores referentes a cobertura de eventuais déficits técnicos ocorridos no período de diferimento. 16

17 4º. Os valores dos descontos previstos nos parágrafos anteriores serão atuarialmente atualizados. Art. 42. O benefício proporcional diferido será pago a partir da data de protocolização do requerimento formalizado, pelo participante, com esse objetivo. Art. 43. A opção pelo benefício proporcional diferido não impede outra, ulterior, pelo resgate ou, consoante o disposto nos 1º e 2º do art. 30, também pela portabilidade, desde que preenchidos os correspondentes requisitos (arts. 35 a 38 e 44). Seção V Da Portabilidade Art. 44. É facultada a opção pela portabilidade do direito acumulado ao participante ativo, integrante do conjunto a que se referem os 1º e 2º do art. 19, que não houver preenchido os requisitos de elegibilidade a benefício programado pleno, tiver tido extinto seu vínculo empregatício com Patrocinador, e haja cumprido o prazo de carência de 3 (três) anos de vinculação ao Plano. 1º. O direito à portabilidade, de natureza inalienável e não passível de cessão, é exercido em caráter irrevogável e irretratável. 2º. Os valores portados serão transferidos para outro plano de natureza previdenciária, administrado por entidade de previdência complementar ou para sociedade seguradora autorizada a operar plano da espécie. 3º. O direito acumulado do optante corresponderá ao valor do resgate, e tem como data-base a da cessação da versão das contribuições, aplicando-se o disposto no art. 35, e seu parágrafo único. 17

18 4º. O valor portado será transferido, em moeda corrente, para o plano de benefícios receptor, no 5º (quinto) dia útil subseqüente ao da protocolização do Termo de Portabilidade, consoante a regulação vigente. 5º. Com a transferência, extinguem-se quaisquer obrigações da CAVA para com o participante e com terceiros. 6º. É vedado o trânsito, pelo participante, do valor objeto de portabilidade. CAPÍTULO VI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 45. A exigibilidade das prestações não pagas, nem reclamadas na época própria, resguardados os direitos dos incapazes e ausentes, nos termos do Código Civil, condiciona-se ao prazo de prescrição legal. Art. 46. A reforma deste Regulamento caberá ao Conselho Deliberativo da CAVA, e entrará em vigor na data de sua aprovação pelo órgão governamental competente. Art. 47. O presente Regulamento terá o início de sua vigência na data do ato de sua aprovação pela Secretaria de Previdência Complementar. CAPÍTULO VII DO GLOSSÁRIO Art. 48. Para os fins deste Regulamento, prevalecem os seguintes conceitos: I - Filiados conforme art. 3º 18

19 II - Patrocinadoras entidades a que se vinculam participantes ativos e referidas no art. 2º, e em seu parágrafo único. III - Participantes ativos conforme art. 4º IV - Participantes assistidos ver art. 5º V - Beneficiários ver art. 6º VI - Benefícios prestações previdenciárias asseguradas pelo Regulamento, conforme art. 12 VII - Auxílio-natalidade ver art. 14, e parágrafos VIII - Auxílio-educacional ver art. 15, e parágrafos IX - Auxílio-doença ver art. 16, e parágrafos X - Auxílio-funeral ver art. 17, e parágrafo único XI - Pecúlio por Morte ver art. 18, e parágrafo único XII - Auxílio-aposentadoria ver art. 19, e parágrafos XIII - Prazo de carência lapso temporal correspondente ao número de contribuições mensais, durante o qual os participantes ainda não têm direito ao benefício XIV - Opção direito potestativo gerador do direito a um dos institutos previstos no art. 30, e seu 1º, o autopatrocínio, o resgate e, para os participantes que fazem jus ao auxílioaposentadoria, o benefício proporcional diferido XV - Autopatrocínio instituto que consiste na manutenção, pelo participante ativo, do valor de sua contribuição e a da Patrocinadora, no caso de perda parcial ou total da remuneração que vinha percebendo, para assegurar a percepção dos benefícios nos níveis correspondentes àquela remuneração. XVI - Resgate instituto consistente no recebimento de valor decorrente do desligamento, do participante, do plano de benefícios, tendo, como pressuposto, a cessação do vínculo empregatício com patrocinador. 19

20 XVII - Benefício Proporcional Diferido instituto consistente no direito, do participante, no caso de cessação do vínculo empregatício com Patrocinador, antes de lhe ser devido o benefício programado pleno, de percepção futura do benefício de auxílio-aposentadoria em base atuarialmente determinada. XVIII Portabilidade instituto que faculta ao participante transferir os recursos financeiros correspondentes ao seu direito acumulado no Plano CAVA para outro plano de benefícios de caráter previdenciário operado por entidade de previdência complementar ou sociedade seguradora autorizada a operar o referido plano. XIX Elegibilidade habilitação do participante ou do beneficiário à obtenção da concessão de benefício XX - Data do Benefício dia em que o participante ou o beneficiário passa a fazer jus ao benefício, pela decorrência do fato gerador ou pela protocolização do requerimento, conforme o caso; XXI - Data Referencial de Pagamento do Benefício dia a partir do qual é devido o pagamento do valor do benefício. XXII Remuneração A expressão descrita no art. 23 do Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários CAVA é a parcela salarial do Participante sobre a qual incide a contribuição do Plano, limitado ao teto equivalente ao maior salário de contribuição definido pelo Regime Geral da Previdência Social RGPS. ESTE REGULAMENTO FOI APROVADO PELA SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SPC, ATRAVÉS DA PORTARIA Nº DE 19 DE ABRIL DE 2007, PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DOU EM 20 DE ABRIL DE 2007, NA EDIÇÃO Nº

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO CAPÍTULO I - DO OBJETO Art. 1º - Este Regulamento estabelece os direitos e as REGULAMENTO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP/CE ÍNDICE Capítulo I - DO OBJETIVO

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DA SECCIONAL DE SÃO PAULO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL E DA CAASP CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS ADVOGADOS DE SÃO PAULO OABPrev-SP REGULAMENTO ÍNDICE CAPÍTULO I DO OBJETO

Leia mais

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social

Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social Regulamento Básico dos Planos e Programas de Previdência Complementar, Saúde e Assistência Social da GEAP Fundação de Seguridade Social PÁGINA 1 SUMÁRIO PÁGINA TÍTULO I Dos Planos de Previdência Complementar...04

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01

AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL. Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 AGROS INSTITUTO UFV DE SEGURIDADE SOCIAL Regulamento do Plano de Instituidor AGROS CD-01 Viçosa Minas Gerais Fevereiro/2008 Índice Página Glossário - Capítulo II Das Definições... 3 Nome do Plano de Benefícios

Leia mais

Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico

Quadro Comparativo do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico do Regulamento do Plano de Benefícios Pepsico CNPB 2004.0020-18 Prev Pepsico Sociedade Previdenciária CNPJ 00.098.693/0001-05 Atendimento à NOTA Nº 036/2013/CGAT/DITEC/PREVIC Comando 357744092 Juntada

Leia mais

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004

REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 REGULAMENTO CULTURAPREV Adaptado à Lei Complementar nº 109/2001, Resoluções CGPC Nº 12/2002, Nº 03/2003, Nº 08/2004 e a Resolução CGPC Nº 10/2004 Ministério da Previdência Social MPS Secretaria de Previdência

Leia mais

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico.

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico. Apresentação Este é o MANUAL DO PARTICIPANTE da PRECE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, material explicativo que descreve, em linguagem simples e precisa, as características gerais do Plano CD, com o objetivo

Leia mais

Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários da FUNDO MULTIINSTITUÍDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários da FUNDO MULTIINSTITUÍDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários da ACIPREV FUNDO MULTIINSTITUÍDO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Instituidora : ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE AMERICANA ACIA 1 ÍNDICE Pág CAPÍTULO

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante FACEAL Fundação Ceal de Assistência Social e Previdência Cartilha do Participante Manual de Perguntas e Respostas Plano Faceal CD Prezado leitor, A FACEAL apresenta esta cartilha de perguntas e respostas

Leia mais

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento.

Apresentação. Lembrando que esta cartilha não substitui o regulamento do Plano BD Eletrobrás, recomendamos a leitura atenta do referido regulamento. Apresentação A Lei Nº 11.053, de 29.12.2004, faculta aos participantes de Planos de Previdência Complementar, estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do novo Plano CD Eletrobrás,

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários dos Cooperados do SICOOB

Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários dos Cooperados do SICOOB Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários dos Cooperados do SICOOB SICOOB MULTI INSTITUÍDO Aprovado pela Portaria nº 1.563, de 13/9/2007, publicada no Diário Oficial de 14/9/2007. Índice Capítulo

Leia mais

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI Manual Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI O melhor da vida é feito em parceria O Plano de Benefícios Previdenciários da SICOOB PREVI é uma importante ferramenta de planejamento financeiro

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

MÚTUOPREV Entidade de Previdência Complementar

MÚTUOPREV Entidade de Previdência Complementar MÚTUOPREV Entidade de Previdência Complementar REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS II 1 de julho de 2010 MÚTUOPREV Entidade de Previdência Complementar 2 CAPÍTULO I - DO OBJETIVO Art. 1º - O presente Regulamento

Leia mais

SABESPREV. Plano de Benefícios Básico TÍTULO I DO OBJETO

SABESPREV. Plano de Benefícios Básico TÍTULO I DO OBJETO SABESPREV Plano de Benefícios Básico TÍTULO I DO OBJETO Artigo 1º - O presente Regulamento estabelece os direitos e as obrigações da FUNDAÇÃO, das Patrocinadoras, dos Participantes e dos seus Beneficiários

Leia mais

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada.

A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. A... Aceitação Ato de aprovação pela entidade de uma proposta efetuada. Adesão Característica do contrato de previdência privada, relativa ao ato do proponente aderir ao plano de previdência. Administradores

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

De (Regulamento Original) Para (Regulamento Proposto) Justificativa

De (Regulamento Original) Para (Regulamento Proposto) Justificativa CAPÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETO DO OBJETO Art. 1º Este Regulamento estabelece os direitos e as obrigações dos Instituidores, dos Participantes, dos Beneficiários e do Fundo de Pensão Multipatrocinado da

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01

MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 2 MODELO DE REGULAMENTO DE PLANO NA MODALIDADE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA CD 01 Brasília - DF Março/2015 3 Sumário GLOSSÁRIO... 5 CAPÍTULO

Leia mais

Plano de Previdência Complementar CPFL PPCPFL

Plano de Previdência Complementar CPFL PPCPFL Plano de Previdência Complementar CPFL PPCPFL Vigência: 1º/09/2010 APROVADO PELA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PORTARIA PREVIC 613, DE 13 DE AGOSTO DE 2010. PPCPFL 1 ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR EDIÇÃO 222, SEÇÃO 1, PÁGINA 32 E 33, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº 1, DE 14 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as regras de portabilidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO PRECE II ÍNDICE

REGULAMENTO DO PLANO PRECE II ÍNDICE REGULAMENTO DO PLANO PRECE II ÍNDICE I) DO PLANO PRECE II E SEUS FINS... 2 II) DOS MEMBROS DO PLANO PRECE II... 2 III) DA INSCRIÇÃO DOS MEMBROS NO PLANO PRECE II... 2 IV) DO CANCELAMENTO DA INSCRIÇÃO DOS

Leia mais

REGULAMENTO PLANO ANAPARprev - Editado em Dezembro de 2009 Versão aprovada pela SPC em 09/12/2009 (Portaria 3.220/SPC) Capítulo I: DO PLANO E SEUS FINS 02 Capítulo II: DOS MEMBROS 02 Capítulo III: DA INSCRIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

CARTILHA EXPLICATIVA DO PLANO CIASCPREV

CARTILHA EXPLICATIVA DO PLANO CIASCPREV CARTILHA EXPLICATIVA DO PLANO CIASCPREV Florianópolis, janeiro de 2010. Caríssimo Participante, Esta cartilha vai ajudar você a entender melhor a DATUSPREV e o Plano CIASCPREV. O CIASC, pensando em você,

Leia mais

SERGUS - INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO GLOSSÁRIO

SERGUS - INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO GLOSSÁRIO SERGUS - INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO GLOSSÁRIO Neste Regulamento, as expressões, palavras, abreviações ou siglas abaixo terão o seguinte significado, a menos que o contexto indique

Leia mais

CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ S/A.

CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ S/A. ÍNDICE GERAL GLOSSÁRIO...4 CAPÍTULO I OBJETIVO...6 CAPÍTULO II MEMBROS DO PREV-RENDA...6 SEÇÃO I PATROCINADORES...6 SEÇÃO II PARTICIPANTES...7 SEÇÃO III BENEFICIÁRIOS...7 SEÇÃO IV ASSISTIDOS...8 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Nº 001 DA FUNDAÇAO CEAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA FACEAL - PLANO FACEAL CD - Í N D I C E

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Nº 001 DA FUNDAÇAO CEAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E PREVIDÊNCIA FACEAL - PLANO FACEAL CD - Í N D I C E REFERÊNCIA Í N D I C E PÁG. GLOSSÁRIO 02 CAPÍTULO I Das Finalidades e da Denominação do Plano 04 II Dos membros do PLANO 04 III Da inscrição como participante 06 IV Do cancelamento da inscrição do participante

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com.

Rua Bernardo Guimarães, 63 Funcionários Belo Horizonte MG Cep 30140-080 Telefones (31) 3284-8407 3284-2625 Fax: 3284-8931 E-mail: casfam@fiemg.com. MATERIAL EXPLICATIVO DO PLANO DE BENEFÍCIOS SISTEMA FIEMG Outubro / 2013 A CASFAM A CASFAM é uma Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC), sociedade civil patrocinada pelo Sistema FIEMG, com

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO BÁSICO DE BENEFÍCIOS ÍNDICE

REGULAMENTO DO PLANO BÁSICO DE BENEFÍCIOS ÍNDICE REGULAMENTO DO PLANO BÁSICO DE BENEFÍCIOS ÍNDICE CAPÍTULO I...3 DA FINALIDADE... 3 CAPÍTULO II...3 DOS PARTICIPANTES, DOS ASSISTIDOS E DOS DEPENDENTES... 3 Seção I...3 Dos Participantes...3 Seção II...3

Leia mais

Seu futuro está em nossos planos!

Seu futuro está em nossos planos! 1/8 CONHEÇA O PLANO DE BENEFÍCIOS CD-METRÔ DF Seu futuro está em nossos planos! 2014 2/8 1 Quem é a REGIUS? A REGIUS Sociedade Civil de Previdência Privada é uma entidade fechada de previdência privada,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

CAPAF CAIXA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO BANCO DA AMAZÔNIA. Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários - PrevAmazônia

CAPAF CAIXA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO BANCO DA AMAZÔNIA. Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários - PrevAmazônia CAPAF CAIXA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO BANCO DA AMAZÔNIA Regulamento do Plano de Benefícios Previdenciários - PrevAmazônia Indice CAPÍTULO I - DO OBJETO... 4 CAPÍTULO II - DAS DEFINIÇÕES E REMISSOES...

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 D - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

SESI-PIPrev ÍNDICE. Capítulo I Do Objeto. Capítulo II Das Definições. Capítulo III Dos Participantes. Capítulo IV Do Serviço Creditado

SESI-PIPrev ÍNDICE. Capítulo I Do Objeto. Capítulo II Das Definições. Capítulo III Dos Participantes. Capítulo IV Do Serviço Creditado 2 SESI-PIPrev ÍNDICE Capítulo I Do Objeto Capítulo II Das Definições Capítulo III Dos Participantes Capítulo IV Do Serviço Creditado Capítulo V Do Plano de Custeio e das Disposições Financeiras Capítulo

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

Art. 32... Art. 39... IV -...

Art. 32... Art. 39... IV -... DECRETO Nº 8.145, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2013 Art. 1 o O Regulamento da Previdência Social - RPS, aprovado pelo Decreto n o 3.048, de 6 de maio de 1999, passa a vigorar com as seguintes alterações: Art. 19.

Leia mais

Revisado em 15/08/2011

Revisado em 15/08/2011 CARTILHA DO PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Nº 001 Revisado em 15/08/2011 Esta cartilha foi estruturada com perguntas e respostas para apresentar e esclarecer aos Participantes as informações

Leia mais

Cartilha Plano A. Índice

Cartilha Plano A. Índice Cartilha Plano A Cartilha Plano A Índice Apresentação A Previnorte Histórico Patrimônio Plano de Benefícios e Plano de Custeio Salário Real de Contribuição Jóia Requisitos exigidos para filiação à PREVINORTE

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA PLANO

Leia mais

Mantida a redação. Mantida a redação

Mantida a redação. Mantida a redação Art. 11. A Contribuição Básica, de caráter mensal, bimestral, semestral ou anual é obrigatória, sendo definida a opção por uma dessas formas e o valor da contribuição, na data de ingresso do Participante

Leia mais

VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS TCOPREV PLANO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL

VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS TCOPREV PLANO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS TCOPREV PLANO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Aprovado pela Portaria n.º 88 de 25/02/2013, publicada no D.O.U. em 27/02/2013.

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO PLANO PREVIDENCIAL DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DOS PARTICIPANTES VINCULADOS AO INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - REGULAMENTO ESPECÍFICO - RP6 CAPÍTULO I DAS PRESTAÇÕES PREVIDENCIAIS Art. 1º - O Regulamento Específico - RP6 disciplina a concessão

Leia mais

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015

Licenciamento Automático - REGULAMENTO SENGE PREVIDÊNCIA - CNPB 2005.0003-29 Anexo 1 ao JM/0916/2015 de 29/04/2015 Aprovado pela Portaria nº 836 de 27/10/2010 Alterações DOU 29/10/2010 Justificativa CAPÍTULO I - DO PLANO E SEUS FINS Artigo 1º O presente Regulamento tem por objeto estabelecer as disposições específicas

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz na 330ª reunião de 14/09/2011 e na 331ª reunião de 23/09/2011. Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/10/2011. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

Conteúdo. Capítulo B.1 - Do Objeto...3. Capítulo B.2 - Glossário...3. Capítulo B.3 - Dos Participantes...8

Conteúdo. Capítulo B.1 - Do Objeto...3. Capítulo B.2 - Glossário...3. Capítulo B.3 - Dos Participantes...8 Conteúdo Capítulo B.1 - Do Objeto...3 Capítulo B.2 - Glossário...3 Capítulo B.3 - Dos Participantes...8 Capítulo B.4 - Do Tempo de Serviço e da Mudança do Vínculo Empregatício...10 Capítulo B.5 - Das Disposições

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA PREVI-ERICSSON APROVADO PELA PORTARIA PREVIC Nº 599, DE 19/11/2014,

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA PREVI-ERICSSON APROVADO PELA PORTARIA PREVIC Nº 599, DE 19/11/2014, REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA PREVI-ERICSSON APROVADO PELA PORTARIA PREVIC Nº 599, DE 19/11/2014, PUBLICADA NO DOU DE 20/11/2014 1 2 Conteúdo 1. Do Objeto... 4 2. Glossário... 4 3. Da Elegibilidade

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PREMIUM CASH PLANO PM 60/60 N - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO ÚNICO DA CEEE CNPB 1979.0044-47 Aprovado pela Portaria nº 176 - DOU 07/04/2015 Capítulo I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PLANO ÚNICO DA CEEE CNPB 1979.0044-47 Aprovado pela Portaria nº 176 - DOU 07/04/2015 Capítulo I FINALIDADE Capítulo I FINALIDADE Artigo 1º Este Regulamento, complementando os dispositivos do Estatuto da Fundação CEEE de Seguridade Social ELETROCEEE, fixa as condições gerais e estabelece os princípios básicos

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 1- SIGLA: SUPREV 2- CÓDIGO: 00984 3- RAZÃO SOCIAL: SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA SUPLEMENTAÇAO PREVIDENCIARIA FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 8 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.810.009-92 - PLANO DE BENEFÍCIOS N.º 001 - BROOKLYN 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP MULTISORTE PM24P - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m.

CONDIÇÕES GERAIS. Mês de Vigência Taxa de Juros 1º 0,65% a.m. 2º ao 12º 0,45% a.m. PLIN FIDELIDADE MODALIDADE TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003764/2008-28 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 Din Din Copa Santander Libertadores MODALIDADE:

Leia mais

PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA

PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA PLANO DE PREVIDÊNCIA DA MÚTUA CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS PROFISSIONAIS DO CREA Mensagem ao Associado Caro Associado, A maior preocupação do profissional que compõe o Sistema Confea / Crea / Mútua talvez

Leia mais

FUNDAÇÃO BANRISUL DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS I

FUNDAÇÃO BANRISUL DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS I FUNDAÇÃO BANRISUL DE SEGURIDADE SOCIAL PLANO DE BENEFÍCIOS I Aprovado pela Portaria MPS/ SPC nº 2.945, de 17/06/2009, D.O.U 18/06/2009 2 ÍNDICE Capítulo I 4 DEFINIÇÕES Capítulo II 6 INSCRIÇÕES E SEUS CANCELAMENTOS

Leia mais

REGULAMENTO. Plano de Previdência Complementar para os associados e seus dependentes do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul

REGULAMENTO. Plano de Previdência Complementar para os associados e seus dependentes do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul REGULAMENTO Plano de Previdência Complementar para os associados e seus dependentes do Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul Regulamento do Plano de Benefícios SENGE Previdência Aprovação Plano

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev

Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev Quadro Comparativo das Alterações Propostas Regulamento do Plano de Aposentadoria MSD Prev MSD Prev Sociedade de Previdência Privada Anexo I Ata de Reunião Extraordinária do Conselho Deliberativo de 17/05/07

Leia mais

CARTILHA PLANO CELPOS CD

CARTILHA PLANO CELPOS CD CARTILHA PLANO CELPOS CD ORIGINAL PLUS O QUE É O PLANO CELPOS CD? O Plano Misto I de Benefícios CELPOS CD é um plano de previdência complementar cujo benefício de aposentadoria programada é calculado de

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA. Fundação de Seguridade Social do Banco Econômico S/A - ECOS

REGULAMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA. Fundação de Seguridade Social do Banco Econômico S/A - ECOS Fundação de Seguridade Social do Banco Econômico S/A - ECOS Plano de Contribuição Definida J:\SISTEMAS\Website_ecos\webroot\atual\Documentos em PDF\Regulamento-Plano CD-Benefícios de Risco-Portaria 456

Leia mais

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS

HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS HIPERPLIN www.plin.com.br MODALIDADE POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.003762/2008-39 CONDIÇÕES GERAIS GLOSSÁRIO Subscritor é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO:

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.001039/2009-04

Leia mais

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS II - GLOSSÁRIO PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU HARTFORD CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73

Leia mais

Í n d i c e. Apresentação. Sobre a ELETROS. Sobre o Plano CD CERON. Características do Plano CD CERON

Í n d i c e. Apresentação. Sobre a ELETROS. Sobre o Plano CD CERON. Características do Plano CD CERON Í n d i c e Apresentação Sobre a ELETROS Sobre o Plano CD CERON Características do Plano CD CERON 3 4 5 6 A p r e s e n t a ç ã o Bem-vindo! Você agora é um participante do Plano CD CERON, o plano de benefícios

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02 CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP PRESENTE I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

AUXILIADORA PREVIDÊNCIA

AUXILIADORA PREVIDÊNCIA REGULAMENTO PLANO INDIVIDUAL DE PECÚLIO POR MORTE DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º A AUXILIADORA PREVIDENCIA, doravante denominada EAPP, institui o Plano de Pecúlio, estruturado no Regime Financeiro de Repartição

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS - REG/REPLAN

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS - REG/REPLAN REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS - REG/REPLAN CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SEÇÃO I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer o conjunto de regras do Plano de

Leia mais

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências.

Lei nº 11.053. Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. Lei nº 11.053 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefícios de caráter previdenciário e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7 Sumário A função do 3 Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4 Contribuições do Participante 6 Contribuições da Patrocinadora 7 Controle de Contas 8 Investimento dos Recursos 9 Benefícios 10 Em caso de

Leia mais

Alterações de Regulamento

Alterações de Regulamento Alterações de Regulamento Síntese das alterações propostas 1. DEFINIÇÕES GERAIS Beneficiários: será excluído o tempo mínimo de união estável com parceiro ou cônjuge para que seja reconhecido como beneficiário

Leia mais

NOVO PLANO DE BENEFÍCIOS DA FUNCEF REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS DA FUNCEF

NOVO PLANO DE BENEFÍCIOS DA FUNCEF REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS DA FUNCEF NOVO PLANO DE BENEFÍCIOS DA FUNCEF REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS DA FUNCEF CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SEÇÃO I DA FINALIDADE Art. 1º - O presente REGULAMENTO tem por finalidade estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL ÍNDICE DOS CAPÍTULOS E SEÇÕES

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL ÍNDICE DOS CAPÍTULOS E SEÇÕES REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS BETA FUNDAÇÃO ALPHA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL ÍNDICE DOS CAPÍTULOS E SEÇÕES CAPÍTULO I DIRETRIZES BÁSICAS 4 CAPÍTULO II CATEGORIAS DE MEMBROS

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO ÍNDICE

REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO ÍNDICE REGULAMENTO DO PLANO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS DO ADVOGADO ÍNDICE CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º CAPÍTULO II Das Definições Art. 2º CAPÍTULO Art. 6º III Dos Participantes e Beneficiários Seção I Do Ingresso

Leia mais

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução

Celgprev CELPREV. Cartilha do Participante. Introdução Celgprev CELPREV Cartilha do Participante Introdução A partir de dezembro de 2000, a CELG distribuição, a Celg geração e transmissão, Celgpar e a ELETRA passam a oferecer aos seus empregados o Celgprev:

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO PRECE I

REGULAMENTO DO PLANO PRECE I REGULAMENTO DO PLANO PRECE I ÍNDICE I) DEFINIÇÕES... 2 II) OBJETO... 4 III) PARTICIPANTE... 4 IV) INSCRIÇÃO... 5 V) BENEFICIÁRIO... 5 VI) BENEFÍCIOS... 6 VII) SALÁRIO REAL DE CONTRIBUIÇÃO... 6 VIII) SALÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO ÚNICO DA RGE CNPB 1979.0046-92 Aprovado pela Portaria nº 110 - DOU 03/03/2015 Capítulo I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PLANO ÚNICO DA RGE CNPB 1979.0046-92 Aprovado pela Portaria nº 110 - DOU 03/03/2015 Capítulo I FINALIDADE Capítulo I FINALIDADE Artigo 1º Este Regulamento fixa as condições gerais e estabelece os princípios básicos dos direitos, deveres e benefícios da Patrocinadora, dos Participantes e seus Dependentes- Beneficiários

Leia mais