O CRAV COMO LUGAR DE MEMÓRIA E PRESEVAÇÃO DO AUDIO VISUAL MINEIRO E SUA RELAÇÃO COM A POPULAÇÃO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE¹

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CRAV COMO LUGAR DE MEMÓRIA E PRESEVAÇÃO DO AUDIO VISUAL MINEIRO E SUA RELAÇÃO COM A POPULAÇÃO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE¹"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da informação Os novos campos da profissão da informação na contemporaneidade 16 a 22 de janeiro de 2011 O CRAV COMO LUGAR DE MEMÓRIA E PRESEVAÇÃO DO AUDIO VISUAL MINEIRO E SUA RELAÇÃO COM A POPULAÇÃO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE¹ RESUMO Junio Martins Lourenço * Marcos Vinícius Rodrigues ** Este trabalho visa identificar O CRAV - Centro de Referência Áudio Visual como lugar de memória e seu relacionamento com a população da cidade de Belo Horizonte. O CRAV iniciou as suas atividades em 1995, e foi o primeiro espaço voltado para a preservação, fomento e discussão sobre o áudio visual em Minas Gerais. Atualmente o acervo fílmico sob sua guarda, conta com aproximadamente películas e títulos em vídeo. Alem de criar condições ambientais e técnicas adequadas, para o recebimento e acondicionamento de acervos, o CRAV cumpre um papel relevante, no sentido de mediar à coexistência do passado histórico com o contemporâneo, visando preservar e difundir a memória do estado de Minas Gerais através do áudio-visual. Ao mesmo tempo, busca absorver a modernidade tecnológica proposta pelas novas mídias, possibilitando e incentivando a experimentação de diferentes linguagens. A preservação da memória de uma comunidade é de fundamental importância para sua evolução cultural e política. É de suma importância aproximar os moradores da cidade de Belo Horizonte 1 e o acervo acumulado pelo CRAV ao longo de quinze anos de existência, promovendo discussões teóricas e difundindo a memória de Belo Horizonte e Minas Gerais. Palavras-chave: CRAV. Áudio visual. Memória. Belo Horizonte. 1 Comunicação oral apresentado ao GT - 05 Cultura e direito a informação. * Junio Martins Lourenço é graduando em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. ** Marcos Vinícius Rodrigues é graduando em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.

2 1 INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento humano, guardar e transmitir saberes e fazeres conquistados por meio da experiência tornou-se uma especialidade exercida pelo narrador de histórias, de um tempo e espaço distantes, e também pelo narrador das tradições de sua própria comunidade, aquele que figura entre o mestre e o sábio porque recolhe suas histórias na experiência individual e coletiva. Desde tempos imemoriais o ser humano cria representações realistas ou hipotéticas sobre a vida coletiva do grupo ao qual pertence. Inscritas em suportes primórdios, tais representações são acompanhadas pela narração oral e pela encenação de mitos: oralidade e imagem a serviço da memória, na transmissão de saberes e fazeres de geração a geração. Estes registros variam tanto quanto a diversidade e inventividade humana. A câmera cinematográfica e a internet entre outros suportes são dádivas da memória, com sua faculdade de relembrar o passado no tempo presente, eles contam a história humana no planeta Terra. Assim como o livro, a imagem (pintura, escultura, fotografia, cinema e vídeo) é outra forma de registrar, guardar e transmitir os saberes e fazeres de uma comunidade. Desta forma surgiram os museus, com a finalidade de guardar as obras de arte para sua apreciação. Assim como nas bibliotecas, não cabia aos museus produzir as obras de seu acervo, pois sua função precípua era guardá-las e preservá-las. A partir do século XIX, as bibliotecas e museus se especializaram: as bibliotecas abrigaram acervo de materiais bibliográficos (livros, documentos manuscritos, gravuras, cartas, mapas e periódicos) enquanto cada museu se responsabilizou por uma área do conhecimento. Desta especialização, entre outros, surgiu no século XX o Museu da Imagem e do Som. No século XXI, as instituições de memória (museus, bibliotecas, arquivos e cinematecas) guardavam obras e objetos (livros, filmes, documentos, plantas, esqueletos) considerados representativos de tempos outros, a fim de garantir a sobrevivência do passado no presente, pois a história é uma das maneiras de reconhecer o passado, para poder fixá-lo. Seu desenvolvimento enquanto campo de conhecimento se deu muito mais com fontes escritas em detrimento das fontes orais, do passado em detrimento do tempo presente, principalmente por acreditar-se que tais escolhas garantem a objetividade das pesquisas históricas.

3 As primeiras entidades responsáveis pela guarda de filmes eram conhecidas como arquivos de filmes e posteriormente, ganharam o nome de cinematecas, existentes a partir da década de 1930 nos EUA e Europa. Como afirma Véray, As cinematecas são lugares de memória, no sentido definido por Pierre Nora, que conservam milhares de quilômetros de arquivos fílmicos salvos do desaparecimento. Inumeráveis visões documentárias, de atualidades do passado. Registros de acontecimentos quaisquer ou excepcionais públicos ou privados. Traços, fragmentos da vida cotidiana de nossos predecessores. Tantos instantes únicos e sombras projetadas da realidade subtraídas do tempo que passa. Mergulhar nessas imagens variadas, com sua quantidade de detalhes infinitamente realistas (os famosos efeitos de realidade de que falamos após as visões Lumiére), mas também suas numerosas lacunas (nem tudo é visível, longe disso), suas representações convencionais de autenticidade duvidosa (a parte da encenação pode ser importante e manipuladora), sempre me provoca o mesmo júbilo. Sobretudo porque elas constituem formidáveis terrenos de exploração e de experimentação para possíveis abordagens fílmicas da história contemporânea. (VÉRAY, 2004, p.55) Inspirados nas cinematecas, Paulo Emilio Salles Gomes, Décio de Almeida Prado e Antonio Candido de Mello e Souza, então jovens estudantes da Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo, criaram o clube de cinema, que posteriormente se transformou na Filmoteca do Museu de Arte de São Paulo e atualmente, é a Cinemateca Brasileira que foi incorporada ao governo federal em Seguindo a trilha aberta pela Cinemateca Brasileira, os Museus da Imagem e do Som foram implementados no Brasil a partir da década de 1970, concomitantemente ao aparecimento da História Oral no país, como instituição de memória cuja especificidade é guardar, preservar e difundir as imagens (fotografias, cartazes, cinema e audiovisual) e as músicas produzidas pela sociedade. No Brasil, as fontes orais passaram a ser usadas precisamente em 1975, quando a Fundação Ford trouxe pesquisadores dos EUA e México que ministraram cursos aos historiadores e cientistas sociais na Fundação Getúlio Vargas. Seu emprego aumentou a partir da abertura política nos anos Mas sem atingir os resultados esperados, pois, muitas experiências não passavam de um amontoado de fitas gravadas, sem uma pesquisa como espinha dorsal dos projetos. Junte-se a isso a resistência dos historiadores e indiferença dos sociólogos e antropólogos quanto à utilização da História Oral. Dois motivos principais contribuíram para essa conjuntura. O primeiro é de ordem política: num regime militar é perigoso dar depoimentos, pode-se, no limite, colocar em risco a integridade física do depoente. O segundo é de ordem acadêmica: o paradigma hegemônico era o estruturalismo que por sua vez, valorizava as estruturas em detrimento do sujeito, o que significa dizer que os depoimentos são mais relacionados aos sujeitos que com a estrutura.

4 O regime militar com sua visão desenvolvimentista e ufanista, que possuía o intuito de inserir o país no contexto internacional como uma nação moderna e em crescimento, só considerava relevante preservar o passado à medida que este respaldasse o presente. Nessa perspectiva foram criados os MIS s de São Paulo e Rio de Janeiro, cuja função não era apenas ser um guardião do passado, mas principalmente registrar a vida cultural das metrópoles. Para efetivar tal objetivo, foi utilizada a metodologia da História Oral para criar coleções incorporadas ao acervo. Logo esta prática foi seguida por outros MIS s, tais como de Pernambuco e Campinas. Atualmente, além dos MIS, há o Museu da Pessoa, específico para depoimentos de pessoas conhecidas ou anônimas. A partir da década de 1990, várias mudanças históricas vividas pelo país colaboraram para o crescimento do uso da metodologia da História Oral. O paradigma estruturalista não era mais hegemônico; havia a aceitação de que o passado pode ser constantemente reinterpretado, seja a partir de fontes seriais, quantitativas ou orais; havia a concepção de que o sujeito tem mais autonomia nas transformações históricas do que se imaginava; e ainda que o passado é construído segundo as necessidades do presente e, portanto, pode-se fazer uso político do mesmo, o que coloca em cheque os quesitos de objetividade e distanciamento em relação ao objeto de pesquisa. Os principais argumentos contrários à História Oral são: em primeiro lugar a subjetividade das entrevistas, ou seja, não é um relato fidedigno de uma época ou de um grupo social, e, sobretudo que se trata de uma visão particular; a segunda questão é, por estar situada na história do tempo presente, isto é, pesquisar temas contemporâneos, estando o pesquisador e seu objeto em um mesmo tempo histórico, o que não produziria o distanciamento necessário entre os mesmos, e assim, comprometendo a objetividade da pesquisa histórica. Em outro contexto político, o poder público municipal de Belo Horizonte implementou políticas públicas para preservação da memória da cidade por meio da proteção de seu patrimônio material e imaterial. A Lei Municipal n 5553 de 09 de Março de autoriza a criação da Fundação do Museu da Imagem e Som em Belo Horizonte. O Plano Diretor de Belo Horizonte de 27/08/96 na subseção IV da política cultural, no artigo 38, item II, determina como uma das diretrizes da política cultural a implantação do Museu da Imagem e do Som. Desta forma, Belo Horizonte também seguiu a tradição de criar instituições para a guarda, preservação e difusão de imagens e sons, com a implementação do Centro de Referência Audiovisual - CRAV. É na interface entre Museu da Imagem e do Som, entidade

5 responsável pela guarda, preservação e difusão destas imagens e sons, e a História Oral que a Coordenação de Projetos e Pesquisa do CRAV desenvolve seu trabalho. 2 O CRAV: HISTÓRICO E DESENVOLVIMENTO A cidade de Belo Horizonte e o cinema deram os seus primeiros passos simultaneamente. Inaugurada em 1897, dois anos após a invenção desta forma de documentação, a cidade tem um dos registros mais antigo do cinema brasileiro: o filme Reminiscências, de 1909, dirigido por Aristides Junqueira, que já traz em seu título emblemático, muito da função de registro de uma época e de uma sociedade, que o cinema, como documento audiovisual, pode significar. No mesmo ano, Igino Bonfioli, nosso pioneiro do cinema natural, documentou sua família e o material está depositado no CRAV. Por volta de 1897, o pedreiro Francisco Soucassau foi o primeiro a revelar o talento desta terra, ele construiu além de paredes cultura, registrando e exibindo as primeiras imagens de minas através da lanterna mágica. Humberto Mauro foi um dos mais expressivos cineastas mineiros. Influenciado pelo italiano Pedro Comello, se tornou um gênio, inovador e com isso rompeu as barreiras do estado. Uma imagem só se torna eterna se registrada. Ela é exibida, conservada e disponibilizada ao público e, se isso não ocorre, ela vai se perder ou ficar restrita à memória de quem a viu. Assim, é mais que imprescindível a sistematização de digitalização de imagens que fazem a nossa memória e que contam a nossa própria história. Inaugurado em 16 de novembro de 1995 pela Prefeitura de Belo Horizonte, o CRAV é desde 2005 uma unidade da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte e vem ampliando sua atuação, dando maior projeção às ações culturais e educativas voltadas à formação de uma cultura audiovisual em Belo Horizonte. Ele tem como especificidade utilizar-se de sons e imagens em movimento como suporte para a construção e a preservação da memória da cidade, além de produzir depoimentos, gravados em suporte audiovisual para serem incorporados ao acervo da instituição. Consolida-se como a primeira instituição destinada a ser um centro de excelência em preservação, pesquisa, produção, capacitação e difusão cinematográfica, com o foco sobre o audiovisual em Minas Gerais, mas também sempre em sintonia e diálogo com organismos situados em outros locais, tanto nacionais quanto internacionais. O CRAV passou por quatro fases distintas, que serão apresentadas a seguir: a primeira fase inicia-se em 1992 e estende-se até fins de 1995, contando com uma equipe

6 mínima, e sem sede própria, iniciou-se o cadastramento de acervos audiovisuais públicos e privados existentes na cidade. Na segunda fase, que vai de 1995 a setembro 2001, as atividades passam a ser desenvolvidas já em uma sede própria. Neste período, com a equipe técnica constituída e contando com condições objetivas de trabalho, a instituição passa a desenvolver ações correspondentes à tríade proposta em seu projeto de criação: o programa de história oral (contemplando diversos temas da memória sociocultural da cidade), a constituição de acervo e o desenvolvimento de ações educativas e de difusão cultural. Em sua terceira fase o CRAV promove em 2001, o evento Belo Horizonte Revisitada, projeto composto por mostras, exposições e debates que retomaram o conceito original da instituição e sua atuação na política pública para o resgate da memória do audiovisual na cidade. Ainda em sua terceira fase, já instalado na atual sede da FMC, as ações do órgão se multiplicaram, a partir da elaboração do seu Planejamento Estratégico. Foram implantadas as Coordenações de Acervos, Projetos e Pesquisa e Produção Técnica, além da Assessoria e Diretoria. Esta fase é marcada pela grande ampliação do acervo, pelas instalações da videoteca, mini-laboratório para revisão de filmes e uma estação de trabalho equipada. E por fim a quarta fase, que pretendia ser a implantação da Mediateca e teve seu início em julho de 2004 e vai até os dias atuais, quando a instituição passou a ocupar uma casa situada na Av. Álvares Cabral, n 560, região central de Belo Horizonte. O imóvel, de 456 m2, é um belo exemplar da arquitetura residencial que se fazia na década de 1920 em Belo Horizonte. A nova sede (FIGURA 1) é um exemplo típico dos sobrados de uso misto ou palecetes-comércio, que disseminaram na cidade neste período. Esta edificação, de 1927, faz parte de um conjunto tombado pelo Patrimônio Histórico e Urbano de Belo Horizonte. Dentro deste contexto, ele está integrado ao traçado da cidade, compondo um importante corredor cultural. Num raio de circunferência de 2 Km estão concentrados bibliotecas, centros culturais, museus, teatros, mercado central, palácio das artes, parque municipal e outros relevantes patrimônios culturais. Desta forma, o casarão compõe um conceito básico que integra a coexistência do passado histórico com a modernidade tecnológica proposta pelas novas mídias, representando uma oportunidade ímpar para a revitalização de todo um conjunto urbano tombado.

7 FIGURA 1 Inauguração da nova sede do CRAV. FONTE: Arquivo do CRAV. O casarão é composto por dois pavimentos, o térreo e o porão. O primeiro é onde funciona o serviço administrativo, técnico e de pesquisa, bem como espaço para consulta, atendimento ao público, exibição de mostras e exposição de objetos. No segundo, funciona a Coordenação de Acervo, responsável por guardar, preservar, catalogar e divulgar o acervo da instituição, além de receber e orientar pesquisas externas que são solicitadas por estudantes, professores, pesquisadores e realizadores. Conta ainda, com espaços devidamente climatizados, além de todo o acervo do órgão agrupado de acordo com suas características arquivísticas. Assim, a instituição pretendia passar de um Centro de Referência Audiovisual para ser o Museu da Imagem e do Som (Mediateca) da capital mineira. 3 O CRAV: ESTRUTURA ADMINISTRATIVA E DIÁLOGO COM A POPULAÇÃO A dinâmica hoje estabelecida pelo CRAV aponta a seguinte ordem de trabalho e está estruturada em três coordenações, que são a Coordenação de Acervo, a Coordenação de Produção Técnica e a Coordenação de Projetos e Pesquisa. Na Coordenação de Acervo, são alimentadas todas as ações museológicas processadas pela Instituição. O acervo por ela administrado guarda em seus diversos suportes: 556 cartazes, aproximadamente rolos em película (super-8, 16 e 35mm), títulos em fitas magnéticas de áudio e vídeo, além de CDROM, DVD, CD Áudio, discos e fotografias, informações que precisam receber o tratamento adequado para se preservar e difundir estes em números de dados aos pesquisadores.

8 O trabalho interno integra um processo que qualifica cada documento audiovisual como um patrimônio cultural. Têm-se etapas realizadas de forma simultânea que dão vida ao mesmo tempo em que atribuem a noção de conjunto ao processamento destes documentos. Assim, apresenta-se a seguinte dinâmica: registro de entrada dos documentos na Instituição, o trabalho de inventariar todo o material, incorporação ao acervo, revisão física, catalogação, classificação, lançamento das informações em base de dados específica e encaminhamento para o tratamento adequado deste suporte (restauro, digitalização, copiagem, e outros). Realizando este ciclo constrói-se uma ação museal que aplica no documento toda uma logística de preservação e tratamento que busca por fim uma nova disponibilização deste suporte para melhor fruição das mensagens nele contidas. O conjunto de documentos deste arquivo o qualifica como um acervo especial, uma vez que os variados suportes de registro sob sua guarda possuem formas físicas diversas, que merecem tratamento diferenciado não apenas no que se refere ao seu armazenamento, como também no registro, acondicionamento, controle e conservação. A climatização funciona como a mais eficiente forma para o retardo da ação do tempo sobre os materiais guardados na Instituição, uma vez que proporciona condições ideais de temperatura e umidade para a preservação desses documentos. Considerando o acervo fílmico do CRAV, hoje composto por películas em suporte de acetato, o projeto está em conformidade com as normas técnicas de preservação deste material estabelecidas pela FIAF Federação Internacional de Arquivos Fílmicos. Este sistema, gerenciado por esta coordenação, fica responsável pelo monitoramento das condições ideais de guarda. Aliando esta ação de preservação à disponibilização da guarda dos documentos em suas devidas salas (conforme piano museográfico), torna-se concreta uma eficiente proposta de preservação para a natureza deste acervo. Pesquisar e preservar ganha um sentido mais amplo quando se pensa na difusão de todo este trabalho que é pautado pelo tratamento da informação. Para disponibilização interna a coordenação desenvolve o trabalho de atendimento monitorado ao acervo, demanda recebida diariamente pela Instituição. O público atendido engloba do estudante do ensino fundamental ao pesquisador de doutorado, passando por realizadores da área audiovisual. Por se construir como único espaço de memória com acervo audiovisual sobre a cidade de Belo Horizonte, recebe uma intensa demanda de consultas. Já a Coordenação de Produção Técnica privilegia a busca pelo constante aperfeiçoamento de sua equipe, procurando capacitá-los para melhor desenvolver sua atuação frente aos avanços apresentados pela tecnologia, que dita diariamente novas possibilidades de

9 uso de equipamentos de captura, tratamento, edição, pós-produção, masterização e copiagem de documentos audiovisuais. O desafio é dominar os complexos processos de preservação, valendo-se da tecnologia como ferramenta para deter a ação do tempo sobre os mais variados suportes de informação. É necessário manter em vigília constante a preocupação com a manutenção e obsolescência de equipamentos. Poder acessar o processo de restauro por meio de computadores, não justifica deixar de lado o uso da moviola para verificação de uma película. Assim, outro pressuposto desta coordenação é o constante trabalho na manutenção dos equipamentos, que com o passar do tempo deixam de ser produzidos pela indústria de eletrônicos. Exercer um papel de consciência preservacionista de drives de leitura significa poder dar acesso às informações contidas nos documentos que possuem estes formatos, evitando a perda de conteúdos pelo simples fato de não se ter mais acesso a estes equipamentos. É uma ação de preservação que se dá paralelamente ao processo de reflexão sobre os impactos da tecnologia sobre o viver social. Já a difusão da informação é desenvolvida em uma ação de principio coparticipativo com os demais setores da instituição, apoiando a geração de novos documentos audiovisuais que surgem das pesquisas internas e dos projetos desenvolvidos em parcerias pelo CRAV. Prima-se por potencializar às inúmeras formas de fruição de conhecimento proporcionadas pela difusão do audiovisual, como, por exemplo, mostras, festivais e programas de formação de novos públicos. Produzir novos documentos audiovisuais torna possível a difusão ilimitada da informação à medida que você pode fazer uma fita de vídeo, ou um DVD chegar onde seja desejada a veiculação das informações contidas neste produto. Ao se voltar para a produção não somente no sentido do fazer para socializar, mas acreditando também no poder de realização da população, a coordenação é parceira do poder publico municipal em projetos de difusão do conhecimento que promovem a capacitação de jovens utilizando o suporte audiovisual como forma de aprendizagem. Assim, o CRAV participa dos projetos BH Cidadania, que em 2003 implementou em nove áreas de maior vulnerabilidade social da cidade oficinas de arte e cultura, entre elas a de audiovisual. Jovens entre 15 e 21 anos puderam realizar vídeos e programas de rádio, desenvolvendo a criatividade no domínio das técnicas de produção. Onze vídeos e oito programas de rádio foram produzidos e amplamente divulgados. E o Projeto Arena da Cultura, em que a equipe técnica registra as atividades realizadas pela Gerência de Projetos Especiais GEPEC da Secretaria Municipal de Cultura, produzindo vídeos que sintetizam as oficinas, mostras e circuitos culturais das nove regiões da cidade. O material também é utilizado na capacitação

10 da equipe responsável pelo trabalho desenvolvido junto aos jovens, permitindo uma melhor avaliação das atividades. Esta serie de registros integra o Projeto Memória, que pretende deixar para as administrações futuras uma documentação que exemplifique as ações já implantadas e que forneça subsídios para continuidade destes projetos nas próximas administrações. Por fim, temos a Coordenação de Projetos e Pesquisa, que constituí e disponibiliza ao publico, um acervo de dados e informações gerados por pesquisas da instituição, que privilegiam aspectos da vida cultural e social da cidade. Por meio do Programa de História Oral já foram desenvolvidos vários projetos temáticos que referenciam a cidade de Belo Horizonte, como por exemplo, Anônimos Notáveis, Memória do Jornalismo Mineiro, 100 Anos de Cinema em BH, entre outros. Em 2002 iniciam-se novas linhas de pesquisa, por meio do programa Pesquisa e Registro Documental: Memória Social e Cultural da Cidade de Belo Horizonte em Suporte Audiovisual, abordando três temáticas fundamentais: História da Musica em Belo Horizonte, As religiões Afro-brasileiras em Belo Horizonte e A Memória Operaria, aspectos da historia e do patrimônio imaterial da cidade ainda pouco pesquisado e documentado. Através do registro audiovisual de depoimentos utilizando como suporte a metodologia da historia oral e de locais e manifestações referentes aos diversos temas, será constituído acervo contemporâneo, enriquecendo ainda mais aquele existente na Instituição e mapeando os demais existentes em outros lugares de Memória. Essas pesquisas cumprem ainda o papel de relacionar diferentes períodos históricos de desenvolvimento da cidade a memória dos temas em tela. Assim, teremos a disponibilização da documentação coletada, a constituição de um banco de dados e a realização de documentários informativos e de formação. Os documentos produzidos sobre estes aspectos criam uma interação dialógica durante todo o processo de realização de uma obra, onde a informação fornecida pela coletividade retorna para ela mesma propiciando com este retorno, a formação de novos registros, de novas experiências. A preservação e valorização do patrimônio imaterial é também uma preocupação inerente a Coordenação de Projetos e Pesquisa. Ao registrar as falas, expressões e informações guardadas na memória de cada entrevistado, dando formas a esses relatos com a produção de novos registros, preserva-se contextos históricos formulado pelo próprio homem. Pesquisar assume aqui um sentido claro de conservação. Foram implementadas três ações com o objetivo último de formação de novos públicos junto à comunidade e não para a comunidade. Estas ações consistem nos seguintes

11 projetos: Projeto BHIS; Circulando a Cidade: mostras de cinema, vídeo, debates e oficinas e o Prêmio Resgate do Cinema Mineiro. O Projeto BHIS realizou a produção de 10 VT s em Mini DV, de 1 minuto cada. Os temas abordados estabelecem um paralelo entre a memória e a contemporaneidade de Belo Horizonte. O CRAV tem procurado elaborar novos produtos audiovisuais que estimulem a pesquisa sobre o passado e o presente iconográfico da cidade, abrindo portas para os novos realizadores ao mesmo tempo em que atualiza a produção da cidade diante da evolução tecnológica. O CRAV, em conjunto com os Centros Culturais do município de Belo Horizonte, desenvolveu o Projeto Circulando a Cidade: mostras de cinema, vídeo, debates e oficinas, que circulam nos centros culturais, com exibição de um filme por semana. A iniciativa tem por proposta atuar na formação de público para o cinema nacional; democratizar o acesso da população belorizontina, sobretudo a de baixa renda, à produção audiovisual; valorizar o espaço de exibição como lugar de entretenimento, convívio social e formação; difundir o cinema como suporte da memória social de um país e possibilitar aos cidadãos a apropriação da linguagem cinematográfica como forma de expressão estética, política e cultural, contribuindo para a democratização e descentralização da produção e fruição dos bens culturais. Já o Prêmio Resgate do Cinema Mineiro foi criado por meio de uma parceria entre o CRAV e o Festival Internacional de Curtas-Metragens de Belo Horizonte. A cada ano é restaurado e copiado um curta-metragem de destaque para o cenário cinematográfico do estado. Um membro da Coordenação de Acervo integra a comissão realizadora do evento colaborando na escolha da programação. Esta colaboração resulta na descentralização das exibições, com sessões sendo realizadas nos centros culturais de Belo Horizonte atingindo o publico da periferia urbana. Sem deixar de lado a preocupação com a preservação de filmes, o CRAV incentiva a realização de oficinas voltadas para este enfoque. 4 CONCLUSÃO A preservação da representação social se dá em lugares depositários da memória coletiva com seus acervos constituintes dessa representação, pois em um contexto pautado pela expansão da indústria cultural, decorrente da globalização, cabe a eles um papel relevante na formação e conservação do patrimônio cultural local, em seus diversos suportes. Estes,

12 como parte do espaço urbano, tendem a refletir sua dinâmica e, assim, os diversos conflitos ali existentes. Cabe aos lugares de memória que trabalham com o audiovisual a complexa missão de preservar e disseminar seus acervos, de modo que a memória produzida em outros contextos não se perca mediante o cenário globalizado, permitindo assim a construção, promoção e salvaguarda da identidade cultural nacional. Ciente de que a especificidade do acervo audiovisual o torna passivo de um constante processo de construção e reconstrução, a equipe do CRAV tem a preocupação da ação ativa frente a esta realidade. Assim, formar cidadãos em um rico processo de reflexão sobre a utilização do patrimônio cultural audiovisual, motiva a todos no trabalho constante de desenvolvimento social para o exercício da cidadania amplamente possibilitado pelas práticas cinematográficas e pelo audiovisual. Todo este ciclo parte do principio da preservação dos documentos, sabendo-se que cada filme é um registro único, que exerce papel fundamental na guarda da memória, fator indispensável para a construção de uma nação. Desta forma, o CRAV assume o papel de lugar responsável pela preservação, memória e disseminação do audiovisual mineiro. Dentro desta perspectiva, ele recebe a incumbência de promover a conexão entre suas atividades e a população de Belo Horizonte, proporcionado a seus usuários uma efetiva apropriação deste vasto acervo, com o intuito de formar um publico atuante nesse processo - e não meros receptores de informações - norteando através de suas demandas os caminhos a serem seguidos pelo CRAV.

13 CRAV AS PLACE OF MEMORY AND PRESERVATION OF AUDIO VISUAL MINING AND ITS RELATION TO THE POPULATION OF THE CITY OF BELO HORIZONTE ABSTRACT This work aims to identify the CRAV - Audio Visual Reference Center - a place of memory and its relationship with the population of the city of Belo Horizonte. The CRAV started its activities in 1995, and was the first space toward the preservation, promotion and discussion of the audio visual in Minas Gerais. Currently the film collection under his care, has approximately 20,000 films and 8,000 video titles. In addition to creating environmental conditions and appropriate techniques for receiving and handling of collections, the CRAV fulfills an important role in order to mediate the coexistence of the past with the contemporary history, to preserve and spread the memory of the state of Minas Gerais with the audio-visual. At the same time, seeking to absorb modern technology proposed by the new media, enabling and encouraging experimentation with different languages. Preserving the memory of a community is of fundamental importance to its cultural and political evolution. It is of paramount importance to approach the residents of the city of Belo Horizonte and the collections accumulated by CRAV over fifteen years of existence, promoting and spreading the theoretical discussions memory of Belo Horizonte and Minas Gerais. Keywords: CRAV. Audio visual. Memory. Belo Horizonte. REFERÊNCIAS ALBERTI, Verena. História Oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, ALMEIDA, Milton José de. Imagens e Sons: a nova cultura oral. 2.ed. São Paulo: Cortez, ARARIPE, Fátima Maria Alencar. Do Patrimônio Cultural e seus significados. Transinformação, Campinas,v.16, n.2,p , maio/ago COSTA, Alessandro Ferreira. Gestão Arquivística na era do cinema digital: formação de acervos e documentos digitais provindos da prática cinematográfica f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, ESTANISLAU, Lídia Avelar. Belo Horizonte: Tempo, Espaço e Memória. Cadernos de História,Belo Horizonte, v.2, n.3, out FERREIRA, Marieta de Moraes (Coord.). Entre-vistas: abordagens e usos da história da História Oral. Rio de Janeiro: FGV, Desafios e Dilemas da História Oral nos anos 90: o caso do Brasil. História Oral Revista da Associação Brasileira de História Oral, São Paulo, n.1, p.19-30, jun.1998.

14 FERRO, Marc. Falsificações. Recine Revista do Festival Internacional de Cinema de Arquivo,Rio de Janeiro, Ano 1, n.1, p.32-41, setembro de MARQUES, Alexandre Pimenta. O registro inicial do documentário mineiro: Igno Bonfioli e Aristides Junqueira f. Dissertação (Mestrado em Arte e tecnologia da imagem) Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MARTINS, Wilson. A Palavra Escrita História do livro, da imprensa e da biblioteca. São Paulo: Editora Ática,1996. MONTENEGRO, Antônio Torres. Na Transversal da História. História Oral Revista da Associação Brasileira de História Oral, São Paulo, n.1, p , jun RAMOS,José Mario Ortiz; BUENO, Maria Lucia. Cultura Audiovisual e Arte Contemporânea. São Paulo em Perspectiva,São Paulo, v.15, n.3, p.10-17, SCHVARZMAN, Sheila. Cinema, História e Marc Ferro.Recine Revista do Festival Internacional de Cinema de Arquivo,Rio de Janeiro, Ano 1,n.1, p.44 a 51, Set THOMPSON, Paul. A Voz do Passado: história oral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, VÉRAY, Laurent. A História pode ser feita com arquivos fílmicos? Recine Revista do Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Rio de Janeiro, Ano 1,n.1,p.54-63, set UNIVERSIDADE DE CAMPINAS. Artigo O Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS): O documento audiovisual e suas determinações históricas, de Eduardo Isamel Murguia. Disponível em: <http://www.studium.iar.unicamp.br/13/3.html?studium>. Acesso em: 08 mai CINEMATECA BRASILEIRA. Disponível em: <http://www.cinemateca.com.br>. Acesso em: 08 mai MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE CAMPINAS. Disponível em: <http://www.campinas.sp.gov.br/portal_2003_sites/conheca_campinas/cc_atracoes_culturais_ museus_museu_da_imagem_som.htm>. Acesso em: 20 abr MUSEU DA PESSOA. Disponível em: <http://www.museudapessoa.net/>. Acesso em: 13 mai MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DO RIO DE JANEIRO. Disponível em: <http://www.mis.rj.gov.br>. Acesso em: 13 abr MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SÃO PAULO. Disponível em: <http://www.mis.sp.gov.br/>. Acesso em: 13 abr

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

AÇÕES PARA A PRESERVAÇÃO DIGITAL DE ACERVOS AUDIOVISUAIS NO BRASIL

AÇÕES PARA A PRESERVAÇÃO DIGITAL DE ACERVOS AUDIOVISUAIS NO BRASIL AÇÕES PARA A PRESERVAÇÃO DIGITAL DE ACERVOS Associação Brasileira de Preservação Audiovisual ABPA http://abpreservacaoaudiovisual.org/site/ Fundada em 16 de junho de 2008 pelos participantes do 3º Encontro

Leia mais

Documento Final do Seminário

Documento Final do Seminário Documento Final do Seminário Gestão de Acervos Culturais em Centros de Formação, de Documentação, de Cultura e Museus Indígenas no Brasil Entre os dias 17 e 20 de setembro de 2013, um grupo de 30 pessoas,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí

Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí 1 Cultura Material em Exposição: Museu do Couro e do Zé Didor, Campo Maior, Piauí Felipe de Sousa Soares* Felipe Rocha Carvalho Lima** Petherson Farias de Oliveira*** 1. Introdução O texto visa apresentar

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) Dispõe sobre a criação do Programa Arte na Escola. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1

A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 A experiência da Assessoria de Comunicação dos grupos de Educação Tutorial na UFJF 1 Isabela LOURENÇO 2 Caio Cardoso de QUEIROZ 3 Francisco José Paoliello PIMENTA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora,

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1

Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Análise de Estratégias e Plano de Comunicação Digital para a Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte 1 Aline Silveira SANTOS 2 Lorena PADRINI 3 Maria Claudia COSTA 4 João de CASTRO 5 Centro Universitário

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música

FUNK CONSCIENTIZA. VAI 1 - música PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, fevereiro de 2010 FUNK CONSCIENTIZA VAI 1 - música Proponente Nome RG: CPF: Endereço Fone: E-mail: DADOS

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento.

HISTÓRIAS EM REDE. Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. HISTÓRIAS EM REDE Programa de valorização da relação do indivíduo com a empresa, sua identidade, seus vínculos e o sentimento de pertencimento. O Programa O programa HISTÓRIAS EM REDE é um novo olhar sobre

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11

h p://www.confabulefilmes.com.br/fes vais inscrições até junho/11 1 de 5 21/06/2011 17:55 FESTIVAIS inscrições até junho/11 1ª MOSTRA DE VÍDEO UNIVERSITÁRIO DA UNICAP A 1ª Mostra de Vídeo Universitário da Unicap é uma atividade integrada à programação de comemoração

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014 Outubro/2014 Período 1 a 31 de outubro de 2014 Museu da Energia de São Paulo promove curso gratuito sobre Educação Patrimonial Essencial para o desenvolvimento cultural, tema será apresentado em um evento

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais

Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 14U2 - Implantação, Instalação e Modernização de Espaços e Equipamentos Culturais Momento do Tipo de Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Desenvolvimento Social e Erradicação da Miséria Valor de Referência para Individualização de Projetos em Iniciativas Esferas Fiscal

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 ÁREA: PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL Os representantes de preservação audiovisual, presentes ao Fórum do Audiovisual Paranaense, reconhecendo

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO

EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAPACITAÇÃO Cursos destinados a pessoas com escolaridade variável, que objetivam desenvolver competências necessárias

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

Bibliotecas comunitárias e espaços públicos de informação

Bibliotecas comunitárias e espaços públicos de informação Bibliotecas comunitárias e espaços públicos de informação Roger de Miranda Guedes Introdução As bibliotecas comunitárias são ambientes físicos criados e mantidos por iniciativa das comunidades civis, geralmente

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE (UNIFEBE)

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRUSQUE (UNIFEBE) FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: II Seminário Temático: Indústria têxtil em Brusque: 120 anos refletindo desenvolvimento em Brusque e Região 1.2. CURSO:

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social

Palavras-chave: Museu do Minério e das Minas; Educação; Redes Sociais; Redes Digitais; Comunicação Social O USO DAS REDES DIGITAIS NA CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO E DO CONHECIMENTO: A COMUNICAÇÃO DOS NOVOS TEMPOS Case Museu das Minas e do Metal Rede MMM e Midiateca Camila Vieira Dutra¹ Resumo: Este trabalho visa

Leia mais

AGENDA DE CURSOS SEMESTRAL

AGENDA DE CURSOS SEMESTRAL AGENDA DE CURSOS SEMESTRAL Sobre a AIC A Academia Internacional de Cinema (AIC) abriu suas portas no dia 5 de agosto de 2004 em Curitiba, PR, oferecendo cursos livres na área de audiovisual além de curso

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL

PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL PROAC PROGRAMA DE AÇÃO CULTURAL Permite o apoio financeiro a projetos culturais credenciados pela Secretaria de Cultura de São Paulo, alcançando todo o estado. Segundo a Secretaria, o Proac visa a: Apoiar

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição

Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências. Professor Francisco Carlos M. da Conceição Ministério da Cultura Estrutura Organizacional e Competências Professor Francisco Carlos M. da Conceição DECRETO Nº 6.835, DE 30 DE ABRIL DE2009. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo

Leia mais

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS).

Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança e ao Adolescente Surdo (SACAS). Temática(s): Acessibilidade em Biblioteca Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico Título do trabalho: Acessibilidade na Biblioteca Anísio Teixeira (BAT): as ações do Setor de Atendimento a Criança

Leia mais

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL

ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL ARTEBR LIVRO SABORES DO BRASIL A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 096 Eventos Culturais PROGRAMA Nº - 096 Levar cultura à população através de shows musicais, espetáculos teatrais, poesia, oficinas de teatro, música, artesanato, artes plásticas e outros. Contratar empresas

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro.

O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. O 9 FESTIVAL DE CINEMA CURTA CABO FRIO, acontecerá no mês de outubro de 2015 na cidade de Cabo Frio - Região dos Lagos - Rio de Janeiro. Nos meses posteriores ao Festival serão realizadas mostras itinerantes

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

ANEXO II PLANO DE TRABALHO

ANEXO II PLANO DE TRABALHO ANEXO II PLANO DE TRABALHO Objetivo: Inaugurado em 14 de março de 1877, o Centro Cultural José Bonifácio foi o primeiro colégio público da América Latina. Construído por ordem de D. Pedro II para a educação

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015.

Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. PROGRAMA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA, CULTURAL, ARTÍSTICA E TECNOLÓGICA Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Produção Científica, Cultural, Artística e Tecnológica visa fortalecer a relação

Leia mais

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS

DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DOUTORADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Tópicos Avançados em Memória Social 45 Tópicos Avançados em Cultura 45 Tópicos Avançados em Gestão de Bens Culturais 45 Seminários

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto

PROJETO 7. 1. Identificação do projeto PROJETO 7 1. Identificação do projeto Título:Cinema, vídeo e tridimensionalidade: o AVA-AV na integração do ensino presencial e a distância. Responsável:Dra. Ana Zeferina Ferreira Maio Vínculo institucional:professora

Leia mais

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola.

Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Educação Integral, Escola de Tempo Integral e Aluno em Tempo Integral na Escola. Chico Poli Algumas vezes, fora da escola há até mais formação do que na própria escola. (M. G. Arroyo) É preciso toda uma

Leia mais