Estratégia de Controle da MORTALIDADE MATERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégia de Controle da MORTALIDADE MATERNA"

Transcrição

1 Secretaria da Saúde do RS Departamento de Ações em Saúde SEÇÃO DE SAÚDE DA MULHER Estratégia de Controle da MORTALIDADE MATERNA Dr. Jorge Telles

2 MORTALIDADE MATERNA NO MUNDO Canadá e EUA: 9 óbitos / NV Bolívia, Peru e Haiti: 200 óbitos / NV Chile, Cuba, Costa Rica e Uruguai: 40 óbitos / NV Brasil (2002):74,5 óbitos / NV

3 Mortalidade Materna - Riscos Aborto

4 Mortalidade Materna RS LEGENDA Hospitais selecionados para referência em gestação de alto risco POPULAÇÃO Mortalidade Materna no ano de 2006 Mortalidade Materna no ano de 2005 Mortalidade Materna no ano de 2004

5

6 REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA MOVIMENTOS MUNDIAIS 1. INCIATIVA PARA UMA MATERNIDADE SEGURA. ( 50% até 2000) Nairóbi, 1987; 2. PLANO REGIONAL PARA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA NAS AMÉRICAS. ( 75% até 2015) 23 a Conferência Sanitária Pan-Americana, 1990; 3. DECLARAÇÃO DA CÚPULA DAS NAÇÕES PARA O MILÊNIO. (Inadequação da ações propostas, 2000). 4. CONSENSO ESTRATÉGICO INTERAGENSIAL PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE. Washington DC: PAHO, DECLARAÇÃO DA GUATEMALA. FLASOG / OPAS, 2004.

7 Comitês de Mortalidade Materna no Brasil 1984 Implantação de Comitês de MM PAISM (Política de Assistência Integral à Saúde da Mulher) 1987 Desenvolvimento dos Primeiros Comitês São Paulo, Paraná, Goiás e Rio de Janeiro 1993 a 96 Implantação de Comitês Estaduais de MM 1994 Criação da Comissão Nacional de MM Comitês Estaduais de MM; 172 Regionais 748 municipais e 206 Hospitalares

8 Seminário Estadual de Atenção Obstétrica e Neonatal Humanizada Baseada em Evidências Científicas Foi realizado de de abril de 2006 (10 turnos) Organizado e Coordenado pelo MS Foram convidados 15 Hospitais de Referência para GAR 13 compareceram Representantes da Obstetrícia e Neo (profissionais médicos e enfermeiros) Elaboração de Projeto para cada hospital

9 Plan de Accion Regional para la Reduccion de la Mortalidad Materna en la Americas Garantizar el Acceso y Seguimiento a la Planificacion Familiar Brindar Atencion para la Prevencion del Aborto y Garantizar la Asistencia para los casos de Aborto Incompleto Estrategias de Intervencion Garantizar el Seguimiento del Puerperio Poner en Marcha y/o Reforzar Redes de Bancos de Sangre Instaurar y Mantener Comites de Mort. Materna a Nivel Nacional y local 2

10 Pasos para disminuir la mortalidad materna 1. Considerar el tema de mortalidad materna como un problema de derechos humanos y justicia social. 2. Promover la salud materna como una inversion economica y social vital. 3. Retrasar la Maternidad. 4. Prevenir el embarazo no deseado. 5. Prevenir el aborto no seguro. 6. Reconocer que todo embarazo tiene un riesgo. 7. Asegurar personal entrenado para atender el parto. 8. Facilitar el acceso a los servicios de salud materna. 9. Mejorar la calidad de los servicios de salud materna. 10. Supervisar y medir el progreso.

11 Planejamento familiar para prevenção da gestação indesejada. QUALQUER PROGRAMA DE COMBATE À MORTALIDADE MATERNA DEVE INCLUIR : Parto hospitalar com acesso a banco de sangue. Detecção e tratamento pré-natal das infecções genitourinárias. Educação médica para combate ao uso abusivo da cesariana. Detecção pré-natal das desordens hipertensivas, com referência das pacientes aos hospitais de atenção terciária. Detecção precoce e tratamento do TP disfuncional com uso de partogramas.

12 Comitê de Mortalidade Materna

13 COMITÊS DE MORTE MATERNA organismos de natureza interinstitucional, multiprofissional e confidencial visam analisar todos os óbitos maternos e apontar medidas de intervenção para a sua redução importante instrumento de acompanhamento e avaliação permanente das políticas de atenção integral à saúde da mulher.

14 FINALIDADES E FUNÇÕES Análise do óbito materno Definição de medidas de intervenção Mobilização Informação Educação

15

16

17 Prevenção da Mortalidade Materna Ações SES Saúde da Mulher/NIS Investigação da Mortalidade da Mulher em Idade Fértil (MIF) Incentivo à criação de Comitês Municipais e Hospitalares Boletins de Mortalidade Materna Semanal (NIS) Adesão ao Pacto Nacional para Redução da Morte Materna Decreto Lei estruturando o Comitê Estadual de MM Subsídios a 29 Hospitais de referência para Alto Risco no Estado Capacitação no ALSO Advanced Live Survive Support in Obstetrics Finalização das Análises de Óbitos Maternos 2007 Elaboração de fluxo na SES e adequação de prazos para investigação dos óbitos Reuniões do Comitê Estadual de Morte Materna

18 COMITÊS DE MORTE MATERNA

19 Decreto Estadual Mortalidade Materna

20 CARACTERÍSTICAS TÍPICAS DA VÍTIMA DE MORTE MATERNA NO SUL DO BRASIL Idade : anos. Escolaridade : < de 4 anos. Renda : < de 3 salários mínimos. Estado civil: solteira. Intervalo interpartal: < de 2 anos. N o de gestações: > do que 4. Tipo de parto: cesariana. Fonte: adaptado de CEMM do Paraná, Relatório Trienal,

21 Intervenções na Morte Materna Promover cultura e saúde Gestante Detectar patologias pré-gestacionais Gestação de Alto-Risco Detectar Risco Materno Pré-Natal e no Parto Diagnóstico Pré-Natal Aprimorar Sistema de saúde: Referência - Contra-Referência Regulação de leitos hospitalares Morte Materna Consulta préconcepção para detectar o Risco reprodutivo Gestação não planejada Intensificar Planejamento Familiar Abortamento provocado Assistir o Aborto Preparar os profissionais para reconhecer e agir antes e durante urgências FEBRASGO

22 Prevenção da Mortalidade Materna Conclusões Pode ser evitada na imensa maioria dos casos Traduz exclusão social, sistema de saúde não eficientemente capacitado É uma questão de gênero e de Direitos Humanos Prevenção é de responsabilidade do Gestor Público, dos Prestadores de Serviço e de toda a Sociedade Precisamos melhorar nossos registros e incentivar os Comitês

23 Não só porque as mulheres se encontram nos melhores anos de suas vidas... não só porque a morte pela gravidez ou parto é uma das piores formas de morrer... mas, antes de tudo, porque quase todas as mortes maternas poderiam ter sido evitadas e não se deveria permitir que ocorressem Mahmoud Fathalla, Ex Presidente da Federação Internacional de Obstetrícia e Ginecologia

24 Obrigado pela atenção! r

SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ

SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ SEMINÁRIO DOS DEZ ANOS DOS COMITÊS DE MORTALIDADE MATERNA DO PARANÁ 12, 13 e 14 DE AGOSTO DE 1.999 CARTA DO PARANÁ O Paraná atendendo recomendações do Ministério da Saúde e Organização Panamericana de

Leia mais

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO

A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO A POLÍTICA DE PROTEÇÃO DA MATERNIDADE JULIO MAYER DE CASTRO FILHO Ministério da Saúde Diretrizes gerais Pacto pela Saúde Estados ComissãoBi partite Municípios Plano Municipal de Saúde Objetivos Ações estratégicas

Leia mais

Comitê Municipal de Estudos e Prevenção das Mortes Maternas de Porto Alegre (CMEPMM )

Comitê Municipal de Estudos e Prevenção das Mortes Maternas de Porto Alegre (CMEPMM ) Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde Comitê Municipal de Estudos e Prevenção das Mortes Maternas de Porto Alegre (CMEPMM ) MORTALIDADE MATERNA È a morte de uma mulher durante

Leia mais

Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade

Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade Vigilância do Óbito Materno, Infantil e Fetal e Atuação dos Comitês de Mortalidade Por que investigar óbitos maternos, infantis, fetais? Direitos da Criança e Mulher: direito inalienável à vida, à qualidade

Leia mais

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL

II. AÇÕES ESTRATÉGICAS REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL O PACTO NACIONAL PELA REDUÇÃO DA MORTALIDADE MATERNA E NEONATAL * I. ESTRATÉGIAS PARA IMPLEMENTAÇÃO ARTICULAÇÃO COM A SOCIEDADE CIVIL FORTALECENDO O CONTROLE SOCIAL O envolvimento de diferentes atores

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

Relatório do Comitê de Morte Materna 2011 Município de Porto Alegre.

Relatório do Comitê de Morte Materna 2011 Município de Porto Alegre. Relatório do Comitê de Morte Materna 2011 Município de Porto Alegre. As últimas décadas do século XX foram marcadas por grandes avanços científicos e tecnológicos nas áreas de saúde materna e pré-natal.

Leia mais

Governo treina gestores municipais para reduzir mortalidade materna 6

Governo treina gestores municipais para reduzir mortalidade materna 6 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (4). Edição 20 Nathayana de Sousa Soares 1 Rayane Francisca Costa Coutinho 2 Rosiany Dantas Queiroz 3 Selonia Patricia Oliveira

Leia mais

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes

ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes ODM 5 Melhorar a saúde das gestantes Meta 6 do ODM 5 Reduzir em ¾ entre 1990 e 2015 a taxa de mortalidade materna De 140 mortes por 100.000 NV no ano 2000 para 35 mortes em 2015 1990 1991 1992 1993 1994

Leia mais

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos BEM ESTAR FAMILIAR NO BRASIL Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos Vera Cabral João Pessoa - PB ABORTO Situação Mundial 210 milhões de gestações ocorrem a cada ano no mundo 46 milhões (22%) terminam em

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA

POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA POLÍTICAS SOCIAIS E A ASSISTÊNCIA À SAÚDE MATERNA CONCEITO DE SAÚDE da OMS Saúde é o perfeito bem estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença. Portanto: Ter saúde é fenômeno complexo

Leia mais

Alta Mortalidade Perinatal

Alta Mortalidade Perinatal Alta Mortalidade Perinatal SMS de Piripiri CONASEMS Conselho Consultivo EVIPNet Brasil Capacitação do Núcleo de Evidências em Saúde / Estação BVS de Belo Horizonte em Formulação de Políticas de Saúde e

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ EPIDEMIOLÓGICA DOS ÓBITOS MATERNOS SECRETARIA DA SAÚDE

SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ EPIDEMIOLÓGICA DOS ÓBITOS MATERNOS SECRETARIA DA SAÚDE SEMINÁRIO INTEGRADO DO PARANÁ OFICINA: VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DOS ÓBITOS MATERNOS SECRETARIA DA SAÚDE 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1119, DE 5 DE JUNHO DE 2008 Regulamenta

Leia mais

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5

A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A atenção obstétrica, neonatal, infantil e os desafios para alcançar os ODM 3, 4 e 5 A partir dos esforços para melhorar a saúde materno-infantil, tais como: Programa de Humanização do Parto e Nascimento

Leia mais

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal

DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal DIREITO À VIDA A GESTÃO DA QUALIDADE E DA INTEGRALIDADE DO CUIDADO EM SAÚDE PARA A MULHER E A CRIANÇA NO SUS-BH: a experiência da Comissão Perinatal Grupo temático: Direito à vida, à saúde e a condições

Leia mais

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC

Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Coordenadoria de Planejamento de Saúde Rede Cegonha: Utilização dos dados do Sistema de Informação SIM/SINASC Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Rossana Pulcineli Vieira Francisco - Assessora Técnica

Leia mais

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal

Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal 1 Rede Cegonha no RS Componente 1 Pré-natal Exames e Ações (pré-natal de risco habitual e alto risco) Ofertar os exames e consultas de pré-natal Fomentar a contratação de serviços laboratoriais de qualidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER DEFISC Nº 09/2012 Porto Alegre, 11 de maio de 2012. Laudo para teste rápido de gravidez por profissionais de Enfermagem. I - Relatório Trata-se de solicitação de dúvida, encaminhada por profissional

Leia mais

AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE

AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas, que integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de

Leia mais

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná

REDE MÃE PARANAENSE. Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná REDE MÃE PARANAENSE Palestrante: Márcia Huçulak Secretaria de Estado da Saúde do Paraná A Rede Mãe Paranaense o o Em 2011 a SESA iniciou o processo de implantação da Rede Mãe Paranaense com a introdução

Leia mais

RELATÓRIO. Local da audiência: Senado Federal Ala Senador Alexandre Costa Sala Florestan Fernandes Plenário 9

RELATÓRIO. Local da audiência: Senado Federal Ala Senador Alexandre Costa Sala Florestan Fernandes Plenário 9 RELATÓRIO Da audiência pública destinada a debater as políticas sociais e de assistência à saúde materna, realizada em 11 de agosto de 2009 durante a 33ª Reunião Extraordinária da Comissão de Assuntos

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC

CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO DA RC MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER CAPACITAÇÃO PARA MULTIPLICADORES EM TESTES RÁPIDOS HIV E SÍFILIS, NO ÂMBITO

Leia mais

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Política Municipal de Saúde Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BH -REDE ASSISTENCIAL 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF 2.420 ACS CERSAM, UPA, outros 34 hospitais conveniados

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte

Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte Assistência humanizada a gestação, parto e nascimento: Comissão Perinatal a experiência de Belo Horizonte Rosângela Durso Perillo Seminário Integrado do Paraná Novembro 2009 População: 2.424.292 - (IBGE/2007)

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS COMPROMISSO DO GOVERNO BRASILEIRO

PRESTAÇÃO DE CONTAS COMPROMISSO DO GOVERNO BRASILEIRO PRESTAÇÃO DE CONTAS COMPROMISSO DO GOVERNO BRASILEIRO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA; LEI DE ACESSO À INFORMAÇÕES... REDE CEGONHA: SISTEMÁTICA DE MONITORAMENTO AVALIAÇÃO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA: CASA CIVIL SISTEMA

Leia mais

Plano Intersetorial de Atenção Integral à Saúde da Mulher

Plano Intersetorial de Atenção Integral à Saúde da Mulher GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO SECRETARIA DA MULHER ANEXO 08 Plano Intersetorial de Atenção Integral à Saúde da Mulher Cais do Apolo, 222-4 e 5 andar - Bairro do Recife- Recife/PE - CEP: 50.030-905 secmulher@secmulher.pe.qov.br

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais

Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Projeto Redução da Mortalidade Infantil e Materna em Minas Gerais Outubro 2013 Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Mortalidade Minas Gerais Janeiro a Outubro 2013 1 Óbitos fetais 2076 Óbitos

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

Morbidade materna em mulheres com e sem plano de saúde

Morbidade materna em mulheres com e sem plano de saúde Morbidade materna em mulheres com e sem plano de saúde José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara a morbidade materna entre usuárias dos sistemas de saúde

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas:

INDICADORES DE SAÚDE. Os indicadores de saúde podem ser expresso em freqüências absolutas ou em freqüências relativas: Freqüências relativas: INDICADORES DE SAÚDE Critérios para avaliar indicadores: Validade Confiabilidade (reprodutividade e fidedignidade) Representatividade (cobertura) Questão ética Ângulo técnico administrativo A preparação

Leia mais

Violência Contra a Mulher na América Latina e Caribe: uma análise comparativa da população com base em dados de 12 países

Violência Contra a Mulher na América Latina e Caribe: uma análise comparativa da população com base em dados de 12 países Violência Contra a Mulher na América Latina e Caribe: uma análise comparativa da população com base em dados de 12 países Maria Helena Bastos, Obs&Gin, MSc, PhD Consultora Nacional em Saúde da Mulher OPAS

Leia mais

Programação PRELIMINAR 18 a 20 de Novembro de 2008. 17 de Novembro Segunda-feira

Programação PRELIMINAR 18 a 20 de Novembro de 2008. 17 de Novembro Segunda-feira I Conferência Brasileira de Monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio do Setor Saúde I Conferência Internacional de Monitoramento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio do Setor Saúde

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF - 209 Pré-requisito:

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS (Versão aprovada na reunião da Comissão Intergestores TRIPARTITE realizada em 18/03/04) BRASÍLIA 2004

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento

Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento 1 Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento I Congresso Informação de Custos e Qualidade do Gasto no Setor Público Oficina II Informação de Custo para

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

Atenção à Saúde das Mulheres Negras

Atenção à Saúde das Mulheres Negras MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Perspectiva da Eqüidade no Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna e Neonatal Atenção à Saúde

Leia mais

Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Simpósio Internacional de Redes de Atenção Integral à Saúde da Mulher e da Criança Boas práticas no Brasil, Boas práticas no SUS Comissão Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BELO HORIZONTE/MG

Leia mais

Projeto de intervenção para melhorar a assistência obstétrica no setor suplementar de saúde e para o incentivo ao parto normal

Projeto de intervenção para melhorar a assistência obstétrica no setor suplementar de saúde e para o incentivo ao parto normal Projeto de intervenção para melhorar a assistência obstétrica no setor suplementar de saúde e para o incentivo ao parto normal Apresentação Entendendo como ação fundamental debater o problema das elevadas

Leia mais

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 150 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 18 22 de junho de 2012 Tema 4.10 da Agenda Provisória CE150/20, Rev. 1 (Port.) 23

Leia mais

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar

Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar janeiro/2015 A importância do estímulo ao parto normal Parto é uma questão de saúde e a escolha do modelo deve ser pelo método mais adequado para

Leia mais

para o acompanhamento dos filhos de mães adolescentes.

para o acompanhamento dos filhos de mães adolescentes. Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno Desafios do SUS para o acompanhamento dos

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA

POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA OBJETIVO GERAL PROMOVER A SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA,PRIORIZANDO A REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES

Leia mais

BH - REDE ASSISTENCIAL

BH - REDE ASSISTENCIAL BH - REDE ASSISTENCIAL 2.300.000 habitantes 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF cobertura 80% 2.420 ACS CERSAM e UPA regionais 34 hospitais 7 maternidades SUS Assistência - Regulação -

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

Fortalecimento da LILACS como índice da Produção Científica e Técnica da AL&C

Fortalecimento da LILACS como índice da Produção Científica e Técnica da AL&C Fortalecimento da LILACS como índice da Produção Científica e Técnica da AL&C Reuniãopara Conformaçãode Gruposde Trabalho com a Rede LILACS BIREME/OPAS/OMS 21 Janeiro 2014 Agenda da Reunião Sobre a LILACS

Leia mais

PROJETO FIGO/FEBRASGO PREVENÇÃO DO ABORTO INSEGURO NO BRASL

PROJETO FIGO/FEBRASGO PREVENÇÃO DO ABORTO INSEGURO NO BRASL Cláudia Araújo de Lima ATSM/DAPES/SASMS Cristião Rosas - FEBRASGO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL PROJETO FIGO/FEBRASGO PREVENÇÃO DO ABORTO INSEGURO NO BRASL PROJETO FIGO PREVENÇÃO DO AO ABORTO INSEGURO

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas

EDITAL DE INSCRIÇÕES. Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas EDITAL DE INSCRIÇÕES Curso Suporte Avançado à Vida em Emergências Obstétricas SAVEO TÉCNICOS DE ENFERMAGEM - 12 Horas A Company Gestão Educacional e Negócios torna público o edital para as inscrições do

Leia mais

O QUE É A REDE CEGONHA?

O QUE É A REDE CEGONHA? Desafios da Atenção Básica em Tempos de Rede Cegonha - O que temos e o que queremos? Portaria n 1.459, de 24/06/11 O QUE É A REDE CEGONHA? Estratégia inovadora do Ministério da Saúde que visa organizar

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008 PARAÍBA NEGO SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS Novembro de 2008 Atenção Básica Conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da

Leia mais

Informe Epidemiológico Mortalidade Materna 09/06/2015

Informe Epidemiológico Mortalidade Materna 09/06/2015 Página 1 de 9 A redução da mortalidade materna é uma preocupação mundial e consta como a 5ª meta a ser alcançada na Declaração do Milênio das Nações Unidas, cujo lançamento se deu em setembro de 2000,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra de Projetos 2011 Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

1 a MOSTRA NACIONAL DE SAÚDE DA CRIANÇA APRESENTAÇÃO

1 a MOSTRA NACIONAL DE SAÚDE DA CRIANÇA APRESENTAÇÃO 1 1 a MOSTRA NACIONAL DE SAÚDE DA CRIANÇA APRESENTAÇÃO O compromisso do Brasil com os Objetivos do Milênio, de redução da mortalidade infantil, coloca como prioritárias as ações que se dirigem à saúde

Leia mais

REDE DE PROTEÇÃO À SMS - ACI CLIPPING

REDE DE PROTEÇÃO À SMS - ACI CLIPPING REDE DE PROTEÇÃO À SMS - ACI CLIPPING LEI N.: 13.211 DE 13/11/01 DECRETO N.: 46.966 DE 02/02/06 OBJETIVOS: APRIMORAMENTO DAS PRÁTICAS ASSISTENCIAIS AO PRÉ-NATAL, PARTO, PUERPÉRIO E AO RECÉM-NASCIDO REDUÇÃO

Leia mais

GESTANTE DE ALTO RISCO

GESTANTE DE ALTO RISCO Ministério da Saúde Secretaria Executiva GESTANTE DE ALTO RISCO Brasília-DF Janeiro 2001 2001. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte. Tiragem: 50 exemplares

Leia mais

HUMANIZAÇÃO DO PARTO

HUMANIZAÇÃO DO PARTO HUMANIZAÇÃO DO PARTO TEIXEIRA, Kátia de Cássia CBES katita.teixeira@gmail.com BASTOS, Raquel CBES Resumo Este texto apresenta os diferentes aspectos envolvidos na humanização do parto, desde sua definição,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (X

Leia mais

OBJETIVO MELHORAR A SAÚDE

OBJETIVO MELHORAR A SAÚDE cap5.qxd 9/9/04 15:48 Page 50 50 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO MELHORAR A SAÚDE MATERNA cap5.qxd 9/9/04 15:48 Page 51 51 5 " META 6 REDUZIR EM TRÊS QUARTOS, ENTRE 1990 E 2015,

Leia mais

e considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS de 24 de junho de 2011, que instituiu, no âmbito do SUS, a Rede Cegonha, resolve:

e considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS de 24 de junho de 2011, que instituiu, no âmbito do SUS, a Rede Cegonha, resolve: Legislações - SAS Qui, 06 de Outubro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 650, DE 5 DE OUTUBRO DE 2011 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando a Portaria nº 1.459/GM/MS de 24 de

Leia mais

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 MS -Áreas/ coordenações -Programas específicos Núcleo: Coordenação técnicopolítica - Grupo de apoio técnico - Consultores regionais SES - Gestor Estadual - Grupos Técnicos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS APRESENTAÇÃO DA SÉRIE ENCONTROS E CONFERÊNCIAS Esta série apresenta encontros, conferências e reuniões entre países da América Hispânica. Atualmente compõe-se de três dossiês: Cumbre de los Pueblos de

Leia mais

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução

CE150/INF/6 (Port.) Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE. Introdução Anexo A - 2 - A. DETERMINANTES SOCIAIS DA SAÚDE Introdução 1. A Assembleia Mundial da Saúde, mediante a Resolução WHA62.14 (2009), Reduzir as desigualdades de saúde mediante ações sobre os determinantes

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Graduação em Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde da Mulher Carga Horária: Teórica: 75h Pratica: 60 h Total: 135 h Semestre: 2013.1 Professor:

Leia mais

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000

* Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 * Portaria SAS/MS nº 356 de 22 de setembro de 2000 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 569, de 1º de julho de 2000, que institui o Programa

Leia mais

Alimentação e Nutrição

Alimentação e Nutrição Seminário Estadual de Saúde Doenças da Pobreza Atenção Básica Alimentação e Nutrição Palestrante: Cláudia Montal Nutricionista da SESAB Risco de Desnutrição em < de 5 nos - Bahia 97,3% municípios apresentam

Leia mais

Segunda Conferencia Regional para América Latina y el Caribe sobre el Derecho a la Identidad y Registro Universal de Nacimiento

Segunda Conferencia Regional para América Latina y el Caribe sobre el Derecho a la Identidad y Registro Universal de Nacimiento Segunda Conferencia Regional para América Latina y el Caribe sobre el Derecho a la Identidad y Registro Universal de Nacimiento da Presidência da República Brasil - Mercosul Sistema brasileiro de registro

Leia mais

Para a REDEBLH, o futuro é agora

Para a REDEBLH, o futuro é agora Para a REDEBLH, o futuro é agora Planejamento Estratégico Paulo Ricardo da Silva Maia FIOCRUZ/IFF/REDEBLH pmaia@fiocruz.br Set-2011 O quadro Fonte: Vincent Van Gogh Gallery A Foto Primeira foto colorida.

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

NOTA TÉCNICA 05 /2014 NOTA TÉCNICA 05 /2014

NOTA TÉCNICA 05 /2014 NOTA TÉCNICA 05 /2014 NOTA TÉCNICA 05 /2014 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Qualificação da Gestão e da Atenção ao Parto e Nascimento (PMAQ- Maternidades) e o respectivo incentivo financeiro.

Leia mais

Programa Incubadora da Integralidade do Hospital Sofia Feldman

Programa Incubadora da Integralidade do Hospital Sofia Feldman Programa Incubadora da Integralidade do Hospital Sofia Feldman BREVE HISTÓRICO... Programa interinstitucional técnico-científico nas áreas da saúde da mulher e da criança - Criado em abril de 2008, apresentado

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013

PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013 PARTICIPAÇÃO SOCIAL EM SAÚDE NO BRASIL (ESTUDOS DE CASO) FLAVIO GOULART (Consultor ad-hoc - OPAS Brasil) Brasília, 12 de dezembro de 2013 15 EXPERIÊNCIAS SELECIONADAS LABORATÓRIOS DE INOVAÇÃO ORIGEM Nº

Leia mais

MELHORAR A SAÚDE MATERNA 5OBJETIVO DE META 6: REDUZIR EM TRÊS QUARTOS, ENTRE 1990 E 2015, A TAXA DE MORTALIDADE MATERNA DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

MELHORAR A SAÚDE MATERNA 5OBJETIVO DE META 6: REDUZIR EM TRÊS QUARTOS, ENTRE 1990 E 2015, A TAXA DE MORTALIDADE MATERNA DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO MELHORAR A SAÚDE MATERNA 5OBJETIVO DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO META 6: REDUZIR EM TRÊS QUARTOS, ENTRE 199 E 15, A TAXA DE MORTALIDADE MATERNA 16 17 GOVERNO COMPROMETE-SE COM AMPLIAÇÃO DO OBJETIVO TABELA

Leia mais

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA.

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. Mirielle Ravache Machado Dias; Vanessa Felix Da Hora ; Maria Conceição Furtado Lancia Faculdade de Ciências da Saúde

Leia mais

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares

Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Secretaria de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres 1º Fórum de Violência contra a Mulher: Múltiplos olhares Campinas, Abril de 2014 Violência contra as Mulheres: dados Internacional: 1 de cada

Leia mais

Informação de referência. Mortes violentas de mulheres por razões de gênero (femicidio/feminicídio)

Informação de referência. Mortes violentas de mulheres por razões de gênero (femicidio/feminicídio) Informação de referência Mortes violentas de mulheres por razões de gênero (femicidio/feminicídio) Conceito de femicidio/feminicídios A expressão femicidio foi cunhada nos anos 1970 por Diana Russell para

Leia mais

METAS DE DESEMPENHO, INDICADORES E PRAZOS DE EXECUÇÃO HOSPITAL DE CLÍNICAS E MATERNIDADE VICTOR FERREIRA DO AMARAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

METAS DE DESEMPENHO, INDICADORES E PRAZOS DE EXECUÇÃO HOSPITAL DE CLÍNICAS E MATERNIDADE VICTOR FERREIRA DO AMARAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ METAS DE DESEMPENHO, INDICADORES E PRAZOS DE EXECUÇÃO HOSPITAL DE CLÍNICAS E MATERNIDADE VICTOR FERREIRA DO AMARAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MARÇO DE 2014 1 SUMÁRIO 1. Indicadores... 3 2. Quadro de

Leia mais

RESUMO PALAVRAS-CHAVE INTRODUÇÃO

RESUMO PALAVRAS-CHAVE INTRODUÇÃO Nome : JOELMA DE REZENDE FERNANDES Email : enf.joelma@oi.com.br Tel: 2741-4900/2643-5888/9691-1250/7501-5338 CV Lattes : http://lattes.cnpq.br/7000462620008672 Tipo de Projeto : PICPE Linha de pesquisa

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Por Diego González Machín

Por Diego González Machín CENTROS DE REFERÊNCIA E APOIO ÀS EMERGÊNCIAS QUÍMICAS NA AMÉRICA LATINA E NO CARIBE: CENTROS DE RESPOSTA QUÍMICA E OS CENTROS DE INFORMAÇÃO E ASSESSORIA TOXICOLÓGICA 1. Introdução Por Diego González Machín

Leia mais

Políticas Informadas por Evidências: a experiência da EVIPNet Brasil

Políticas Informadas por Evidências: a experiência da EVIPNet Brasil brasil.evipnet.org Políticas Informadas por Evidências: a experiência da EVIPNet Brasil Jorge Barreto Coordenação de Gestão do Conhecimento Departamento de Ciência e Tecnologia Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte.

Saiba seus direitos. 90% das mortes. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. não existe meio direito, meia negligência ou meia morte. 90% das mortes de mulheres grávidas poderiam ser evitadas com o atendimento adequado. Saiba seus direitos. A Organização Mundial de Saúde (OMS)

Leia mais

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015

Fundo de População das Nações Unidas. GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas GIFE - Rede Temática Saúde 14 de julho de 2015 Fundo de População das Nações Unidas Cooperação Internacional para o Desenvolvimento Expansão das liberdades individuais

Leia mais

COMITÊ ESPECIAL SOBRE POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PERÍODO DE SESSÕES DA CEPAL

COMITÊ ESPECIAL SOBRE POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO PERÍODO DE SESSÕES DA CEPAL Distr. GERAL LC/G.2169(SES.29/15) 28 de Fevereiro de 2002 PORTUGUES ORIGINAL: ESPAÑOL Vigésimo nono período de sessões Brasília, Brasil, 6 a 10 de maio de 2002 COMITÊ ESPECIAL SOBRE POPULAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Brasília DF 2013 2013 Ministério da Saúde. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou

Leia mais

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro

Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro Saúde, Adolescência e Juventude:promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Seminário Internacional, - Brasília, 15 a 18 de outubro 2013 Dimensão demográfica População em 2010: 190.755.799

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia.

Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares de Epidemiologia. Projeto do Curso de Educação à Distância para Qualificação da Investigação do Óbito Materno, Fetal e Infantil: Comitês para Prevenção e Controle da Mortalidade Materna, Fetal e Infantil e Núcleos Hospitalares

Leia mais

Desempenho de hospitais e melhorias na qualidade de saúde

Desempenho de hospitais e melhorias na qualidade de saúde Junho 2010, Número 156 www.worldbank.org/enbreve Uma série regular de notas ressaltando as lições recentes do programa operacional e analítico do Banco Mundial na Região da América Latina e do Caribe.

Leia mais

Desafíos de la Gestión Pública para el Desarrollo en América Latina y el Caribe

Desafíos de la Gestión Pública para el Desarrollo en América Latina y el Caribe Desafíos de la Gestión Pública para el Desarrollo en América Latina y el Caribe Fortaleciendo la evaluación y planificación de programas y políticas: Colaboración entre pares y redes Márcia P Joppert Agência

Leia mais