Metodologias de Investigação em Educação. Professor Doutor J. António Moreira. Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia, Universidade Aberta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Metodologias de Investigação em Educação. Professor Doutor J. António Moreira. Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia, Universidade Aberta"

Transcrição

1

2 Atividade: Realização de um guião para uma entrevista semiestruturada inserida num estudo de caso sobre as representações de professores do ensino básico e secundário. Questões: 1 - O que pensam esses professores sobre as redes sociais como por exemplo o Facebook, Myspace, Hi5, Twitter, etc? 2 - Como é que vêm a sua (hipotética/real) participação numa rede social? 3 - Que expectativas têm sobre o seu uso no ensino? 1. Objetivos gerais da entrevista - Conhecer a opinião dos professores do ensino básico e secundário sobre as redes sociais; - Perceber como os professores participam ou poderiam participar nas redes sociais; - Conhecer as expetativas dos professores relativamente ao uso das redes sociais no ensino. 2. Amostra Professores do ensino básico e secundário. Escolheu-se um grupo de professores que lecionam numa escola básica com 2º e 3º ciclo, em Elvas. O grupo abrange professores de diferentes faixas etárias e diversos grupos disciplinares. 3. Realização da Entrevista Para realizar a entrevista será necessário: - Apresentar o estudo ao entrevistado; - Solicitar consentimento para a gravação da entrevista e utilização dos dados e assegurar confidencialidade; - Conduzir a entrevista de forma a deixar o entrevistado à-vontade para expressar a sua opinião e estimula-lo a explicar o que realmente pensa; - Terminar a entrevista dentro do tempo estabelecido e fazer uma síntese de ideias no final da mesma; - Tirar as notas pertinentes; - Fazer uma análise de conteúdo da informação recolhida.

3 4. Guião da Entrevista Blocos Temáticos Objetivos Específicos Questões / Tópicos A. Legitimação da Entrevista. - Legitimar a entrevista - Informar o entrevistado sobre o âmbito do estudo e seus objetivos. - Pedir autorização para gravar a entrevista. B. Informações Gerais sobre o Entrevistado/a - Conhecer o perfil pessoal e profissional do/a entrevistado/a 1. Género: Masculino 2. Idade Feminino C. O que pensam esses professores sobre as redes sociais, como por exemplo o Facebook, Myspace, Hi5, Twitter, etc? - Saber que tipo de redes sociais o entrevistado conhece. - Conhecer como as Redes Sociais são percecionadas pelo entrevistado. - Conhecer a opinião sobre as vantagens e desvantagens das Redes Sociais. - Compreender qual a perceção dos professores quanto ao papel das redes sociais nas relações pessoais 3. Habilitações Literárias 4. Há quanto tempo é professor? 5. Que áreas curriculares ensina? 6. Que redes sociais conhece? 7. Como é que vê a emergência e forte adesão às Redes Sociais? 8.Que vantagens e desvantagens pode apontar a este tipo de redes? 9. Que tipo de papel acha que as redes sociais desempenham nas relações pessoais? D. - Saber se o entrevistado 10. Está registado/a em alguma

4 Como é que vêm a sua (hipotética/real) participação numa rede social? E. Que expetativas têm sobre o seu uso no ensino? está registado em alguma Rede Social. - Compreender as motivações que levaram à adesão ou não às Redes Sociais - Conhecer a frequência com que utiliza as Redes Sociais. - Conhecer as atividades desenvolvidas pelos professores nas Redes Sociais - Saber se as atividades desenvolvidas nas Redes Sociais são de foro pessoal e/ou profissional. - Saber se o entrevistado conhece situações em que foram aplicadas as Redes Sociais em contexto Rede Social? Qual/Quais? (Se resposta anterior for positiva): 11. O que o motivou a registarse? (Caso não seja utilizador das Redes Sociais). 12. Prevê vir a ser um utilizador de alguma Rede Social? (questão de escala) a. Sim b. Talvez c. Não Porquê? (Caso seja utilizador das Redes Sociais). 13. Com que frequência acede a essa rede social? (questão de escala) a. Registou-se e nunca acedeu b. Acedeu no início e depois deixou de aceder c. Raramente acede d. Acede com regularidade 14. Que tipo de atividades desenvolve nessa Rede Social? 15. Utiliza-a apenas a nível pessoal ou também profissional? 16. Conhece algum caso concreto onde sejam aplicadas as redes sociais em contexto educativo? Descreva-a por

5 educativo. favor. - Aferir a aplicabilidade das redes sociais em contexto educativo, e respetivas vantagens e desvantagens. - Saber se o entrevistado considera que as RS influenciam as práticas pedagógicas e metodologias, e de que forma isso acontece. 17. Considera que as redes sociais podem ser utilizadas na educação ou como suporte do processo educativo? 18. Se respondeu sim à questão anterior: Que vantagens e desvantagens encontra na utilização das redes sociais no contexto educativo? 19. As redes sociais poderão influenciar a prática pedagógica dos professores? Justifique em caso afirmativo. 20. As metodologias de ensino atuais poderão vir a ser influenciadas pelas redes sociais? Se sim, como? 21. Neste tipo de ambiente, como analisa a interação dos alunos entre si e com o respetivo professor? - Compreender de que forma o entrevistado analisa as interações entre professor-aluno nas RS. - Conhecer a opinião do entrevistado sobre a influência das RS na aquisição de competências pelos alunos. 22. Esta interação influencia o desenvolvimento da capacidade da expressão escrita/oral do aluno? 23. As redes sociais podem fomentar o envolvimento/motivação do aluno?

6 5. Referências Bibliográficas Bell, J. (1997). Como Realizar um Projecto de Investigação. Gradiva: Lisboa Estrela, A. (2008) Teoria e prática de observação de classes. Uma estratégia de formação de professores. Porto Editora: Porto Portugal Morgado, J. (2012) O Estudo de Caso na Investigação em Educação. Defacto: Santo Tirso Portugal. Quivy, R. & Campenhoudt, L. (2008) Manual de Investigação em Ciências Sociais. Gradiva: Lisboa Tuckman, B. (2000) Manual de Investigação em Educação. Fundação Calouste Gulbenkian: Lisboa Portugal

TRANSCRIÇÃO. Metodologias de Investigação em Educação. Professor Doutor J. António Moreira

TRANSCRIÇÃO. Metodologias de Investigação em Educação. Professor Doutor J. António Moreira DESCRIÇÃO DA AMOSTRA: Docente Escola Básica 2, 3 nº 2 de Elvas, pertence ao quadro do agrupamento. TRANSCRIÇÃO DA ENTREVISTA: Muito obriga pela sua disponibilide. A entrevista terá uma duração curta. Gostaria

Leia mais

Grelha de Análise de Conteúdo

Grelha de Análise de Conteúdo Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia Metodologias de Investigação Ano Lectivo 2012-2013 Tema 3 A Análise de Dados Grelha de Análise de Conteúdo Laura Ferreira Aluna nº 1202067 1 Grelha de Análise

Leia mais

A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação

A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação A Entrevista Como método de recolha de dados em Investigação em Educação Adaptado de: Cristina Costa Guida Rocha Mónica Acúrcio O que é a entrevista? A entrevista é uma conversa intencional, geralmente

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA AO DIRETOR DO AGRUPAMENTO

GUIÃO DE ENTREVISTA AO DIRETOR DO AGRUPAMENTO GUIÃO DE ENTREVISTA AO DIRETOR DO AGRUPAMENTO OBJETIVOS Perceber em que contexto histórico, educativo, social e cultural, surge o PIEF no Agrupamento de Escolas de Abrigada e o Curso Vocacional no Agrupamento

Leia mais

GUIÃO DA ENTREVISTA AOS DIRECTORES DE CURSO PROFISSIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

GUIÃO DA ENTREVISTA AOS DIRECTORES DE CURSO PROFISSIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO GUIÃO DA ENTREVISTA AOS DIRECTORES DE CURSO PROFISSIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO II - 6 I. Tema: As atribuições do Director de Curso Profissional do Ensino Secundário em escolas da rede pública e o

Leia mais

Ciclo de Seminários para Docentes. 1.º Seminário: «Como orientar um Trabalho de Fim de Curso»

Ciclo de Seminários para Docentes. 1.º Seminário: «Como orientar um Trabalho de Fim de Curso» República de Angola Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) de Luanda Departamento de Ciências da Educação Workshop sobre Trabalho Científico do Departamento de Ciências da Educação do ISCED

Leia mais

GUIÃO DA ENTREVISTA E Enfermeira Chefe do BO da Organização Hospitalar em Análise

GUIÃO DA ENTREVISTA E Enfermeira Chefe do BO da Organização Hospitalar em Análise GUIÃO DA ENTREVISTA E Enfermeira Chefe do BO da Organização Hospitalar em Análise Objectivos: Conhecer a percepção da gestão topo no que se refere à tomada cisão: mudar o molo formação actual para um formato

Leia mais

Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I. A Entrevista

Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I. A Entrevista Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Departamento de Educação Mestrado em Educação Área de Especialização: Didáctica da Matemática Metodologia da Investigação I A Entrevista Cristina Costa Guida

Leia mais

Estimado(a) professor(a),

Estimado(a) professor(a), Anexo I 165 166 Estimado(a) professor(a), Venho solicitar-lhe que responda ao presente questionário, que se destina a efectuar um trabalho de investigação que me propus realizar no âmbito da minha dissertação

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

O inquérito por entrevista

O inquérito por entrevista O inquérito por entrevista Entrevista Técnica de investigação que permite recolher informações, dados, utilizando a comunicação verbal. A entrevista é uma conversa com um objectivo (Bingham & Moore, 1924)

Leia mais

Guião de Entrevista Exploratória Semiestruturada

Guião de Entrevista Exploratória Semiestruturada Guião de Entrevista Exploratória Semiestruturada Tema: Compreender o processo de autoavaliação do agrupamento e perspetivar oportunidades de melhoria. Pergunta de partida: Com vista à promoção da melhoria

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas Arroio, E. A. (maio de 2011). Escola Artística António Arroio. Obtido em 17 de janeiro de 2013, de http://www.antonioarroio.pt/: http://www.antonioarroio.pt/docs/projectoeducativo_mai2011.pdf

Leia mais

Guião da entrevistas à Presidente do Conselho Executivo. Presidente. Blocos Objectivos Perguntas

Guião da entrevistas à Presidente do Conselho Executivo. Presidente. Blocos Objectivos Perguntas ANEXO U Guião das entrevistas à PCE e à CDTs Guião da entrevistas à Presidente do Conselho Executivo Presidente Blocos Objectivos Perguntas - Introdução à entrevista - Explanação dos objectivos da mesma

Leia mais

Anexo 1 Excerto da grelha de avaliação da experiência jogo Roleta das profissões. Nomes A B C D E F G H I J K L M N O P

Anexo 1 Excerto da grelha de avaliação da experiência jogo Roleta das profissões. Nomes A B C D E F G H I J K L M N O P Anexo 1 Excerto da grelha de avaliação da experiência jogo Roleta das profissões Nomes A B C D E F G H I J K L M N O P Descritores de desempenho Área de conhecimento do mundo Área de formação pessoal e

Leia mais

Análise da situação atual Que dados coletar De quem coletar dados Aspectos éticos. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes

Análise da situação atual Que dados coletar De quem coletar dados Aspectos éticos. Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Interface Homem/Máquina Aula 8 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.2/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

ESCOLA DE MÚSICA DO CONSERVATÓRIO NACIONAL. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 20012/203 Organologia e Psicoacústica

ESCOLA DE MÚSICA DO CONSERVATÓRIO NACIONAL. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 20012/203 Organologia e Psicoacústica ESCOLA DE MÚSICA DO CONSERVATÓRIO NACIONAL CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 20012/203 Organologia e Psicoacústica Contínua 1. Competências DOMINÍOS Competências essenciais Instrumentos de Peso % - Generalidades

Leia mais

Investigação em Educação

Investigação em Educação Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação Mestrado em Ensino Investigação em Educação Número de horas presenciais: 30 ECTS: 7,5 Docente: Profª. Doutora Alice Mendonça

Leia mais

Aprender a Observar...Observando!

Aprender a Observar...Observando! FCUL Mestrado em Didáctica das Ciências 2004/2006 Metodologia da Investigação I Aprender a Observar...Observando! António Barão Mestrado Formação Pessoal e Social Marisa Temporão Paula David Mestrado Didáctica

Leia mais

Apêndice 12 Inquérito por questionário teste

Apêndice 12 Inquérito por questionário teste Apêndice 12 Inquérito por questionário teste OS GRUPOS HETEROGÉNEOS E A APRENDIZAGEM NA INFÂNCIA. Introdução A realização deste inquérito sobre grupos heterogéneos, surgiu no âmbito da Unidade Curricular

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada Inscrição para a frequência de cursos de Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário Aluno Dados Pessoais Nome completo*: Nacionalidade: Data de nascimento (dia/mês/ano): Local de nascimento: Doc.

Leia mais

RELATÓRIO DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE ELEIÇÕES & INTERNET JUNHO DE 2009

RELATÓRIO DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE ELEIÇÕES & INTERNET JUNHO DE 2009 RELATÓRIO DE RESULTADOS DO ESTUDO SOBRE ELEIÇÕES & INTERNET JUNHO DE 2009 Netsonda - Network Research Quem Somos? A Netsonda, em actividade desde Julho de 2000, é líder e pioneira em Portugal na recolha

Leia mais

Identificação das necessidades dos utilizadores 2007

Identificação das necessidades dos utilizadores 2007 Nota prévia: Este documento corresponde a um trabalho de grupo apresentado na Unidade Curricular Desenvolvimento e Gestão de Colecções do Curso de Mestrado em Gestão da Informação e Biblioteca Escolares.

Leia mais

Gustv Eiffel Centro Novas Oportunidades

Gustv Eiffel Centro Novas Oportunidades COOPTÉCNICA GUSTAVE EIFFEL Gustv Eiffel Centro Novas Oportunidades FICHA 1 CALENDARIZAÇÃO DAS SESSÕES Nome Nº de Documento de Identificação Etapa Sessão Tipo de Actividade Data Hora Duração Prevista Acolhimento

Leia mais

ÍNDICE VOLUME I INTRODUÇÃO 11 PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO E CONCEPTUAL 16 CAPÍTULO I O CONTEXTO DA SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM

ÍNDICE VOLUME I INTRODUÇÃO 11 PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO E CONCEPTUAL 16 CAPÍTULO I O CONTEXTO DA SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM ÍNDICE VOLUME I INTRODUÇÃO 11 PARTE I ENQUADRAMENTO TEÓRICO E CONCEPTUAL 16 CAPÍTULO I O CONTEXTO DA SUPERVISÃO CLÍNICA EM ENFERMAGEM 1. O ENSINO CLÍNICO NA FORMAÇÃO EM ENFERMAGEM 16 2. CONCEPÇÕES SOBRE

Leia mais

Avaliação da Biblioteca Escolar- Questionário aos alunos

Avaliação da Biblioteca Escolar- Questionário aos alunos 1 de 5 Avaliação da Biblioteca Escolar- Questionário aos alunos Este modelo de avaliação tem por principal finalidade proporcionar à Biblioteca da Escola Secundária de Lousada (BE) um instrumento regulador

Leia mais

1. - Sexo Masculino Feminino (assinale a sua opção com (X) )

1. - Sexo Masculino Feminino (assinale a sua opção com (X) ) ANEXO I Pré-questionário EEs Ex.mo Senhor Encarregado de Educação: Este questionário faz parte de um trabalho de mestrado, em curso na Universidade do Algarve, cujo objectivo é saber se a actuação do Director

Leia mais

Conhecer os Utilizadores de Homebanking em Portugal

Conhecer os Utilizadores de Homebanking em Portugal Conhecer os Utilizadores de Homebanking em Portugal Universidade Aberta CAPP/ISCSP-UTL José Martinho Lopes ISLA Campus Lisboa Laureate Internacional Univeristies *22 Objetivos *Qual o risco percecionado

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma notícia para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma notícia para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

Universidade Minho. Escola de Psicologia. Guião de entrevista. Estilos de Liderança e Gestão de Equipas Desportivas (ELGED)

Universidade Minho. Escola de Psicologia. Guião de entrevista. Estilos de Liderança e Gestão de Equipas Desportivas (ELGED) Universidade Minho Escola de Psicologia Guião de entrevista Estilos de Liderança e Gestão de Equipas Desportivas (ELGED) A. Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) 2005 Referência do guião Gomes, A.R. (2005).

Leia mais

Promover a articulação curricular através de processos de contextualização.

Promover a articulação curricular através de processos de contextualização. Promover a articulação curricular através de processos de contextualização. José Carlos Morgado Universidade do Minho Carlinda Leite Preciosa Fernandes Ana Mouraz Universidade do Porto Universidade do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa

Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa Rua Saraiva de Carvalho, nº41, 1269-099 Lisboa Tel: 21 114 89 00 Fax: 21 849 31 30 QUESTIONÁRIO IV Avaliação de Impacto (após 6 meses

Leia mais

VALORES DO PONTO DE VISTA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

VALORES DO PONTO DE VISTA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO 1 VALORES DO PONTO DE VISTA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Izabella Alvarenga Silva, Raul Aragão Martins, Luciana Nogueira da Cruz Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas UNESP

Leia mais

Jovens de hoje e de antigamente: cidadania e sociabilidades

Jovens de hoje e de antigamente: cidadania e sociabilidades Ocupação científica dos Jovens nas férias Ciência Viva 2012 Jovens de hoje e de antigamente: cidadania e sociabilidades Beatriz Gomes, Cláudia Espadinha, Cláudia Domingues, Raquel Gomes, Rita Campos, Vera

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma entrevista para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma entrevista para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

Blogs de Moda e Comportamento de Compra

Blogs de Moda e Comportamento de Compra Blogs de Moda e Comportamento de Compra Ciclo Vicioso ou Virtuoso? por André Carvalho Frequência de consulta de blogs de moda (Indique com que frequência consulta blogs de moda) Mais de 50% dos indivíduos

Leia mais

PEDIDO DE COLABORAÇÃO

PEDIDO DE COLABORAÇÃO PEDIDO DE COLABORAÇÃO Lisboa, de Março de 2013 Exmo. Sr. Diretor No âmbito da tese de Mestrado em Psicologia da Educação, que está a ser realizada na Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa,

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Avaliação das práticas contracetivas das mulheres em

Leia mais

3. Que escola frequenta em 2010/2011? Escola Salesiana de Manique Escola Salesiana do Estoril Outra

3. Que escola frequenta em 2010/2011? Escola Salesiana de Manique Escola Salesiana do Estoril Outra Este inquérito faz parte de uma investigação educacional que tem como finalidade analisar e caracterizar grupos disciplinares em escolas de sucesso. Esta investigação está a ser realizada no âmbito de

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016

PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 2015/2016 PROJETO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO 15/16 DISCIPLINA: GOSCS 12º Ano CURSO: TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE OBJETIVOS TRANSVERSAIS Promoção da educação para a cidadania A língua

Leia mais

Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Estugarda, 25-27 de março de 2013 Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro [da investigação à intervenção] Sílvia Melo Pfeifer Coordenação de Ensino Português na Alemanha [Instituto Camões / Embaixada

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia

Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia Mestrado em Comunicação Educacional Multimédia Realizado por: Maria Francisco ENTREVISTA PARA O ESTUDO DO USO DE REDES SOCIAIS, NA PERSPECTIVA DOS PROFESSORES Unidade Curricular de Metodologias de Investigação

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Curso Dislexia, disortografia, disgrafia e discalculia

Curso Dislexia, disortografia, disgrafia e discalculia Curso Dislexia, disortografia, disgrafia e discalculia RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Conteúdo INFORMAÇÕES GERAIS... 1 CARACTERIZAÇÃO DOS FORMANDOS... 2 INFORMAÇÕES TÉCNICO-PEDAGÓGICAS... 3 AVALIAÇÃO DA AÇÃO...

Leia mais

Anexo 1 Calendário das sessões de recolha de dados

Anexo 1 Calendário das sessões de recolha de dados 633 634 Anexo 1 Calendário das sessões de recolha de dados Margarida Nº Data Aula Reflexão Entrevista temática pós-aula 1 30/12/99 E0 Primeiro contacto 2 12 /01/00 E1 Percurso biográfico 3 26/01/00 E2

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016

Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Relatório sobre o Inquérito aos Candidatos ao Mestrado em Música da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2015/2016 Gabinete para a Cultura da Qualidade Dezembro de 2015 Índice Geral Índice Geral...

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Liderança e Gestão Intermédia na Escola 14 15 Edição Instituto

Leia mais

Regulamento das visitas de estudo

Regulamento das visitas de estudo Regulamento das visitas de estudo 1. Definição 1.1. Considera-se visita de estudo toda a atividade curricular, intencionalmente planeada e realizada fora do espaço físico da Escola ou da sala de aula,

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - UNIJUÍ

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - UNIJUÍ PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: MULHERES COM CÂNCER DE MAMA QUE PARTICIPAM DE UM GRUPO DE APOIO E AÇÕES PARA MINIMIZAR O ESTRESSE Pesquisador: Eniva Miladi

Leia mais

Projeto INCLUIR. Enquadramento. O envolvimento na avaliação de tecnologias de saúde

Projeto INCLUIR. Enquadramento. O envolvimento na avaliação de tecnologias de saúde Projeto INCLUIR Enquadramento O Infarmed tem mantido contacto e interação com associações de doentes ao longo da última década, seja no desenvolvimento de campanhas de comunicação e envio de materiais,

Leia mais

Universidade Minho. Escola de Psicologia. Guião de entrevista. Estilos de Liderança e Gestão de Equipas de Trabalho (ELGET)

Universidade Minho. Escola de Psicologia. Guião de entrevista. Estilos de Liderança e Gestão de Equipas de Trabalho (ELGET) Universidade Minho Escola de Psicologia Guião de entrevista Estilos de Liderança e Gestão de Equipas de Trabalho (ELGET) A. Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) 2005 Referência do guião Gomes, A.R. (2005).

Leia mais

Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas ESTUDO QUANTITATIVO. Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas. APEME MAIO de 2008.

Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas ESTUDO QUANTITATIVO. Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas. APEME MAIO de 2008. ESTUDO QUANTITATIVO Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas Análise da Mobilidade das Famílias Portuguesas APEME MAIO de 2008 OBJECTIVOS OBJECTIVOS Com o presente estudo pretendeu-se identificar

Leia mais

ÍNDICE GERAL. Página INTRODUÇÃO 14 CAPÍTULO I TERCEIRA IDADE: UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL Problematização do conceito de terceira idade 24

ÍNDICE GERAL. Página INTRODUÇÃO 14 CAPÍTULO I TERCEIRA IDADE: UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL Problematização do conceito de terceira idade 24 ÍNDICE GERAL Página INTRODUÇÃO 14 CAPÍTULO I TERCEIRA IDADE: UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL 23 1. Problematização do conceito de terceira idade 24 2. Transformações objectivas conducentes à construção social da

Leia mais

Lideranças intermédias e articulação curricular como espaço de contextualização. José Carlos Morgado Universidade do Minho

Lideranças intermédias e articulação curricular como espaço de contextualização. José Carlos Morgado Universidade do Minho Lideranças intermédias e articulação curricular como espaço de contextualização José Carlos Morgado Universidade do Minho Pressupostos Quando o currículo escolar valoriza os saberes e as experiências de

Leia mais

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior

Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Estratégias de Observação na Investigação Sobre Práticas de Ensino e Avaliação de Docentes do Ensino Superior Domingos Fernandes University of Lisboa Institute of Education dfernandes@ie.ulisboa.pt Sumário

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 8. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012,

Leia mais

Curso Piloto O Atendimento nas Lojas do Cidadão 06/05/ /06/2008

Curso Piloto O Atendimento nas Lojas do Cidadão 06/05/ /06/2008 Curso Piloto O Atendimento nas Lojas do Cidadão 06/05/2008 27/06/2008 Avaliação da Formação É importante para a AMA e, especificamente para toda a Equipa que concebeu e preparou esta Acção de Formação

Leia mais

Obrigado por aceitar ser entrevistado neste estudo coordenado por.

Obrigado por aceitar ser entrevistado neste estudo coordenado por. ESCALA DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA COM OS SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL (SATIS-BR) Bandeira, M., Pitta, AMF e Mercier,C (000). Escalas Brasileiras de Avaliação da Satisfação (SATIS-BR) e da

Leia mais

ANEXO I. Assinale a resposta pretendida com um X. 1 Faixa Etária Menos de 30 anos De 30 a 40 De 41 a 50 Mais de 50 anos. 2 Género Masculino Feminino

ANEXO I. Assinale a resposta pretendida com um X. 1 Faixa Etária Menos de 30 anos De 30 a 40 De 41 a 50 Mais de 50 anos. 2 Género Masculino Feminino ANEXO I INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO Este questionário é composto por 33 questões e tem como propósito recolher informações sobre os fatores motivacionais e as suas incidências no quotidiano laboral. Este

Leia mais

Margarida Maria Antunes Silva Pereira - O Futuro de uma Ilusão: (In)Satisfação, Paradoxos e Desafios na Profissão Docente APÊNDICES

Margarida Maria Antunes Silva Pereira - O Futuro de uma Ilusão: (In)Satisfação, Paradoxos e Desafios na Profissão Docente APÊNDICES Profissão Docente APÊNDICES I Profissão Docente Apêndice 1 Questionário aplicado Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Mestrado em Ciências da Educação Inquérito Este inquérito faz parte de

Leia mais

Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1

Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1 Anexo A - REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO A-1 ÍNDICE 1. Definição.3 2. Objetivos.3 3. Procedimentos Pedagógicos..3 4. Aprovação e Autorização.4 5. Planificação...5 6. Organização..6 7. Outras situações

Leia mais

SIG HABITAT - Sistema de Informação e Gestão do Cluster Habitat

SIG HABITAT - Sistema de Informação e Gestão do Cluster Habitat António Soares O projeto SIG HABITAT - Sistema de Informação e Gestão do Cluster Habitat identificado com o nº 016209 apresentado ao Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, nos termos

Leia mais

Agradeço a atenção dispensada. Com os melhores cumprimentos, O professor,

Agradeço a atenção dispensada. Com os melhores cumprimentos, O professor, AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO II ESCOLA E.B. 2, 3 D. RAINHA LEONOR DE LECASTRE AUTORIZAÇÃO DE PARTICIPAÇÃO NO PROJETO NEST NOVO ESTUDO SEM TUTOR Exmo.(a) Sr.(a) Encarregado(a) de Educação, São Marcos,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FORMAÇÃO MUSICAL Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FORMAÇÃO MUSICAL Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular FORMAÇÃO MUSICAL Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Processo de Investigação - Síntese

Processo de Investigação - Síntese Processo de Investigação - Síntese Iniciação à Investigação Educacional, Licenciatura em Educação Susana Henriques, 2014 Seleção do objeto de estudo o problema O facto social é conquistado, construído

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Projecto e-lee. e-learning in Electrical Engineering. Lisboa 13 Maio Acção Sócrates Minerva. Instituto Hautes Études.

Projecto e-lee. e-learning in Electrical Engineering. Lisboa 13 Maio Acção Sócrates Minerva. Instituto Hautes Études. Acção Sócrates Minerva Projecto e-lee e-learning in Electrical Engineering Lisboa 13 Maio 2005 Université Instituto Hautes Études Universitatea catholique Superior Industrielles Lisboa, de Louvain 13 Maio

Leia mais

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Após a aprovação no último Conselho Pedagógico de 13 de Outubro de 2010, das líneas orientadoras para a definição das opções estratégicas do

Leia mais

Análise e Interpretação de Entrevista

Análise e Interpretação de Entrevista Metodologias de Investigação em Educação Professor Doutor J. António Moreira Alunas: Cátia Carminé, Cátia Lemos, Fábia Moreira Análise e Interpretação de Entrevista 2 Introdução A entrevista que aqui iremos

Leia mais

O ensino b-learning no Ensino Superior. Relato de uma experiência na ULHT

O ensino b-learning no Ensino Superior. Relato de uma experiência na ULHT O ensino b-learning no Ensino Superior. Relato de uma experiência na ULHT Dulce Maria Franco e Maria Manuel Calvet Ricardo CeiED Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias OBJETIVOS Compreender

Leia mais

SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO DO IPL

SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO DO IPL SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO DO IPL INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DOS SERVIÇOS DE DOCUMENTAÇÃO DO IPL 2016 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Inquérito... 3 1. Sexo... 3 2. A que grupo de utilizadores

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Criminalidade e Insegurança 2ª vaga Preparado para: Associação de Apoio à Vítima (APAV) Dezembro de 2012

Barómetro APAV INTERCAMPUS Criminalidade e Insegurança 2ª vaga Preparado para: Associação de Apoio à Vítima (APAV) Dezembro de 2012 1 Barómetro APAV INTERCAMPUS Criminalidade e Insegurança 2ª vaga Preparado para: Associação de Apoio à Vítima (APAV) Dezembro de 2012 2 Índice 2 Metodologia 3 3 Síntese 7 4 Resultados 10 3 1 Metodologia

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO (Anexo I do Regulamento Interno 2009.13) Uma visita de estudo é uma actividade decorrente do Projecto Educativo do Agrupamento e enquadrável no âmbito do desenvolvimento

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

CAPITULO III Metodologia

CAPITULO III Metodologia Metodologia Capítulo III Metodologia Este capítulo oferece a explicação detalhada e rigorosa de todos os procedimentos a serem seguidos para a realização do presente estudo, realizado no âmbito da Prática

Leia mais

A) Guiões de entrevistas semiestruturadas

A) Guiões de entrevistas semiestruturadas A) Guiões de entrevistas semiestruturadas Questionário para directores de escola O tema do bullying, ou usualmente designado por agressão e violência em contexto escolar, tem assumido cada vez mais relevância

Leia mais

GUIÃO PARA A ORGANIZAÇÃO DE ENCONTROS DE PARTICIPAÇÃO

GUIÃO PARA A ORGANIZAÇÃO DE ENCONTROS DE PARTICIPAÇÃO GUIÃO PARA A ORGANIZAÇÃO DE ENCONTROS DE PARTICIPAÇÃO 1. Começa por apresentar o OPJovem aos participantes no Encontro O que é o OPJovem Portugal? É um processo de participação democrática, que abrange

Leia mais

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM

A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM A SUPERVISÃO PEDAGÓGICA NA COORDENAÇÃO DOS DEPARTAMENTOS CURRICULARES Estudo de caso numa escola básica da RAM DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SUPERVISÃO PEDAGÓGICA Mestranda: Fabiana Isabel

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS LEVANTE DA MAIA REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO 2013-2017 0 ÍNDICE I - Organização 2 Atribuições dos Professores Organizadores 2 Atribuições dos Professores Acompanhantes 4 Atribuições

Leia mais

ANEXO 18 A Regulamento Interno

ANEXO 18 A Regulamento Interno ANEXO 18 A Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS DE NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO, NA MODALIDADE DE ENSINO RECORRENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014

Leia mais

Planificação Anual de Turismo: Informação e Animação Turística TIAT 11º Ano

Planificação Anual de Turismo: Informação e Animação Turística TIAT 11º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3.º CICLO DE AMORA Curso Profissional de Técnico de Turismo Planificação Anual de Turismo: Informação e Animação Turística TIAT 11º Ano Componente de Formação Técnica Ano Letivo 2014/2015

Leia mais

RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, MARÇO 206 RELATÓRIO CHAMARAM PARA A ENTREVISTA. E AGORA? RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, MARÇO 206 Antes de

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de um conteúdo vídeo para os média escolares

Dicas sobre produção mediática: A produção de um conteúdo vídeo para os média escolares Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

OFERTA FORMATIVA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA

OFERTA FORMATIVA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA ANIMAÇÃO PEDAGÓGICA Centro de Informação Europeia Jacques Delors DGAE /MNE OFERTA FORMATIVA 2016/2017 INFORMAÇÃO DOCUMENTAÇÃO CONTEÚDOS FORMAÇÃO Vem descobrir a EUROPA com o Centro de Informação Europeia

Leia mais

ESPAÇO EUROPA RESPOSTAS

ESPAÇO EUROPA RESPOSTAS Ano letivo 2016/2017 ENCONTRE DESCUBRA RESPOSTAS PROCURE CAMINHOS OPORTUNIDADES NA UNIÃO EUROPEIA ÍNDICE Espaço Público Europeu 3 Visitas Escolares 4 Visitas Escolares para os mais Jovens 5 Concurso Eu

Leia mais

RELATÓRIO GUIA DO CURRÍCULO RIQUINHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO

RELATÓRIO GUIA DO CURRÍCULO RIQUINHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO RELATÓRIO GUIA DO CURRÍCULO RIQUINHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, MARÇO 2016 RELATÓRIO GUIA DO CURRÍCULO RIQUINHO RESULTADOS DA AVALIAÇÃO VILA DO PORTO, MARÇO 2016 Antes de imprimir este relatório

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO I. Disposições Gerais: Artigo 1º Objeto 1. O presente documento regulamenta a organização e o funcionamento da Sala de Estudo (SE) do Colégio São Filipe (CSF). Artigo 2º Âmbito

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa Critérios de Avaliação do Ensino Básico - º Ciclo Língua Portuguesa DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO NA CLASSIFICAÇÃO TIPOLOGIA DOS INSTRUMENTOS DE FINAL AVALIAÇÃO POR PERÍODO Teste(s) de compreensão oral

Leia mais

Inquérito de Satisfação ao Cliente Tratamento dos dados

Inquérito de Satisfação ao Cliente Tratamento dos dados PERGUNTAS DO QUESTIONÁRIO I. 1. Escalão etário 2. Habilitações Literárias 3. Sexo I.-INFORMAÇÃO PESSOAL II. III. 1. Bebe água da torneira 2. Como classifica a qualidade da Água da rede pública em Santarém

Leia mais

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma reportagem para o média escolar

Dicas sobre produção mediática: A produção de uma reportagem para o média escolar Sobre este documento Este documento tem por objetivo dar algumas sugestões e dicas acerca da produção de um trabalho jornalístico, nas suas diferentes fases, tendo em conta o contexto educativo e o enquadramento

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR 1.OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS. GFUC previsto

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR 1.OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS. GFUC previsto Curso Comunicação e relações Públicas Ano letivo 2015-16 Unidade Curricular Psicossociologia das Organizações ECTS 5 Regime Obrigatório Ano 2º Semestre 2º sem. Horas de trabalho globais Docente (s) Isabel

Leia mais

M e t o d o l o g i a de I n v e s t i g a ç ã o I

M e t o d o l o g i a de I n v e s t i g a ç ã o I M e t o d o l o g i a de I n v e s t i g a ç ã o I estrado: Formação Pessoal e Social ocente: Professora Doutora Isabel Chagas rabalho realizado por: Álvaro Minhava; Cristina Pires; Lina Benedito; Rita

Leia mais

Como nos deslocamos? Quanto tempo demoramos? Que custos temos? eurostat

Como nos deslocamos? Quanto tempo demoramos? Que custos temos? eurostat Conhecer para melhorar. Vamos mover esta ideia. Como nos deslocamos? Quanto tempo demoramos? Que custos temos? O INE EFETUA O INQUÉRITO À MOBILIDADE NAS ÁREAS METROPOLITANAS DO PORTO E DE LISBOA Como nos

Leia mais

Anexo A. Idade das famílias das crianças de Creche

Anexo A. Idade das famílias das crianças de Creche ANEXOS 51 Anexo A. Idade das famílias das crianças de Creche Tabela A1 Idade das mães das crianças em contexto de Creche Idade das mães das crianças da sala de atividades Idade (em classes) 25-29 30-34

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE LISBOA MESTRADO EM ENFERMAGEM ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO Unidade Curricular de Investigação em Enfermagem PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO Experiências

Leia mais