AUDIOVISUAL E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: APORTES TEÓRICOS E REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDIOVISUAL E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: APORTES TEÓRICOS E REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA"

Transcrição

1 1 AUDIOVISUAL E EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: APORTES TEÓRICOS E REFLEXÕES SOBRE UMA EXPERIÊNCIA MarÄo 2007 Josias Ricardo Hack UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Categoria: C MÇtodos e Tecnologias Setor Educacional: 3 EducaÄÉo UniversitÑria Natureza do Trabalho: A RelatÖrio de Pesquisa Classe: 1 InvestigaÄÉo CientÜfica RESUMO O artigo parte de uma anälise bibliogräfica que objetiva demonstrar uma das vantagens do audiovisual como material didätico para a EAD EducaÇÉo a DistÑncia: a possibilidade de criar uma relaçéo mais pröxima dos professores com os alunos, pois nos comunicamos melhor com quem conhecemos visualmente. Na seqüáncia, apös esclarecer os elementos constituintes da linguagem audiovisual, destaca-se como foi construàdo e produzido um programa em vàdeo para EAD. Tambâm séo apresentados os resultados de uma pesquisa, onde se aponta que 93% dos alunos que participaram da amostra consideram o vàdeo uma ferramenta indispensävel ou importante no auxàlio äs disciplinas na modalidade de EAD. A pesquisa ratifica que o zelo cientàfico â imprescindàvel para a confecçéo contextualizada de produtos audiovisuais que promovam a miditizaçéo do conhecimento. Por fim, nas consideraçães finais séo resumidos os principais resultados da pesquisa e apresentadas as åltimas sugestães do artigo. PALAVRAS-CHAVE: comunicaçéo e educaçéo; produtos audiovisuais; roteiros educativos; EducaÇÉo a DistÑncia. 1. Midiatização do conhecimento O quadro teörico do artigo parte das Ciáncias da ComunicaÄÉo e da EducaÄÉo, mas interconecta-se com outras tessituras do conhecimento acadámico. O intuito aqui, Ç destacar algumas teorias subjacentes à midiatizaäéo do conhecimento. Na seqâáncia, se encontrarñ uma breve descriäéo dos termos mediaäéo multimidiñtica do conhecimento ou midiatizaäéo do conhecimento. Por fim, tambçm se refletirñ sobre algumas mudanäas que estéo ocorrendo no processo comunicacional docente no ensino superior devido à introduäéo de müdias e multimüdias no processo de ensino e aprendizagem.

2 Mediação multimidiática ou midiatização do conhecimento A compreenséo do conceito de mediaäéo multimidiñtica do conhecimento ou midiatizaäéo do conhecimento vai alçm do entendimento simplista de transmisséo de dados ou informaääes atravçs de suportes tecnolögicos. Pensar em mediaäéo multimidiñtica do conhecimento implica em se ter noäéo do movimento fluido de um meio para outro, dizendo a mesma coisa de maneiras diversas, invocando um ou outro dos sentidos humanos. ã como se a mñquina dialogasse com o usuñrio e possibilitasse måltiplas formas de explicitaäéo de um mesmo conteådo, atç o seu entendimento (NEGROPONTE, 1995). A passagem de um meio para outro, chamada aqui de mediaäéo multimidiñtica ou midiatizaäéo, pode incluir filmes, histörias em quadrinhos, textos mais complexos, exercücios interativos, utilizaäéo da Internet, entre outras possibilidades. Para SANTAELLA (2001), desde a revoluäéo eletromecçnica que possibilitou a produäéo e reproduäéo de linguagens com destaque para a impresséo, a fotografia e o cinema, a complexidade da midiatizaäéo do conhecimento comeäou a crescer exponencialmente. O crescimento fica visüvel ao se comparar as tecnologias eletromecçnicas com as tecnologias da revoluäéo eletrénica como o rñdio e a televiséo, capazes de uma potáncia de difuséo muito maior. No contexto atual, onde se vivencia a passagem da revoluäéo eletrénica para a revoluäéo digital com suas TIC Tecnologias de InformaÄÉo e ComunicaÄÉo que aliam as tecnologias da informñtica com as telecomunicaääes a exponenciaäéo da complexidade da midiatizaäéo do conhecimento comeäa a atingir proporääes multimidiñticas e planetñrias. Parece entéo, que o desenvolvimento das müdias e multimüdias criou o que THOMPSON (1998) descreveu como uma historicidade mediada, onde o sentido do passado se torna dependente das formas simbölicas mediadas existentes e em crescente expanséo. Em outras palavras, mesmo que a tradiäéo oral e a interaäéo face a face continuem a desempenhar um papel importante na elaboraäéo da compreenséo de passado, geralmente as pessoas chegam ao sentido dos principais acontecimentos atravçs de livros, revistas, jornais, filmes, programas televisivos e mais recentemente pela Internet, entre outras possibilidades. A compreenséo pessoal do mundo parece ser construüda cada vez mais por conteådos midiatizados que dilatam os horizontes espaciais, pois néo Ç mais preciso estar presente fisicamente aos lugares onde os fenémenos observados ocorrem. Tantos eventos empolgantes ou arrasadores podem ser assistidos ao vivo no conforto da casa dos telespectadores. Assim como se pode graduar em cursos originñrios de outros paüses. A teoria de THOMPSON (1998) tambçm ressalta que ao alterar a compreenséo de lugar e passado, o desenvolvimento das müdias modificou o sentido de pertencimento dos indivüduos, que passam a ser cosmopolitas ou cidadéos do mundo. Os lugares anteriormente remotos estéo agora ligados a redes globais e com o desenvolvimento das TIC a velocidade da comunicaäéo se torna virtualmente instantçnea. O mundo se parece um lugar cada vez menor. ã assim que a midiatizaäéo, ao combinar os processos de comunicaäéo multimidiñtica e de educaäéo, permite o alcance de um grande nåmero de pessoas e grupos ao conhecimento. A utilizaäéo de recursos didñticos e tecnolögicos variados que véo desde o ensino por correspondáncia,

3 3 programas de rñdio e TV, atç a divulgaäéo de cursos interativos pela Internet permitem a construäéo do conhecimento pela mediaäéo multimidiñtica. Pierre LãVY (1999 e 2001) ainda acrescenta que a rede de computadores subverte a clñssica noäéo da comunicaäéo de massa em que hñ um emissor da mensagem e um receptor apenas e amplia as possibilidades de mediaäéo multimidiñtica do conhecimento. Com a Internet, o processo de conhecimento pode entrar em um sistema de trocas onde as pessoas aprenderéo entre si e produziréo uma concorráncia dos diferentes pontos de vista. Entretanto, a utilizaäéo da mediaäéo multimidiñtica na educaäéo néo veio substituir os mestres, pois se existe algum conteådo educativo na rede Ç porque um docente produziu e colocou lñ. Por isso, as pröprias instituiääes de ensino devem encorajar a produäéo de conteådo. Assim, o professor midiatizarñ o conhecimento, ao codificar as mensagens pedagögicas e traduzir sob diversas formas conforme a müdia ou multimüdia escolhida, mas tambçm estarñ disponüvel para uma relaäéo dialögica e interativa com o aprendiz pela utilizaäéo das TIC. Em suma, mediaäéo multimidiñtica ou midiatizaäéo do conhecimento serñ aqui entendida como as måltiplas formas de apresentaäéo dos conteådos previamente selecionados e elaborados, atravçs da construäéo de mensagens otimizadoras do processo comunicacional, que possibilitem ao usuñrio realizar sua aprendizagem de modo auténomo e independente Tecnologias de Informação e Comunicação na midiatização do conhecimento ApÖs o esclarecimento do que se entende por midiatizaäéo do conhecimento, inicia-se o processo de fuséo entre as temñticas. O condutor das discussäes aqui apresentadas leva à percepäéo da importçncia de entender as TIC como promotoras da mediaäéo multimidiñtica do conhecimento. Uma mudanäa que traz novos paradigmas de tempo e espaäo e apresenta outros desafios. Na discusséo do papel das TIC e tambçm nas muitas tentativas de experimentñ-las, estñ em jogo sua utilizaäéo otimizada no processo educacional como midiatizadoras do conhecimento. NinguÇm sabe o que poderñ ser realizñvel, sejam por motivos financeiros, logüsticos, pragmñticos ou tambçm pedagögicos. Entretanto, Ç certo que existem providáncias tçcnicas necessñrias, mas financeiramente dispendiosas, que deveréo ser implementadas a fim de possibilitar a realizaäéo de determinadas mediaääes multimidiñticas do conhecimento. TambÇm existem outros questionamentos no que tange ao tempo que os envolvidos com o conhecimento midiatizado precisaréo para se acostumar à experiáncia, ou entéo se os docentes estaréo preocupados com o assunto. Afinal, poderñ ser que apenas um pequeno grupo considerarñ a mudanäa do processo comunicacional docente como necessñria, enquanto a maioria permanecerñ nas formas tradicionais do ensino. Balizando-se no pensamento de PETERS (2001), percebe-se que mesmo diante das dificuldades, a acomodaäéo néo convçm. Como ressaltado anteriormente, a revoluäéo digital néo apenas modificarñ a EAD, mas a vida em geral. Por exemplo, atç mesmo os aposentados precisam de um cartéo magnçtico para retirar seus benefücios mensalmente, pois as redes de computadores alcanäam cada vez mais todas as atividades produtivas. EntÉo,

4 Ç preciso entender que todos os nüveis e modalidades educacionais, néo apenas a EAD, estaréo inseridos no contexto de mediaäéo multimidiñtica do conhecimento. Devido às suas caracterüsticas tçcnicas, as TIC ofereceréo possibilidades inçditas de interaäéo midiatizada entre as partes envolvidas no processo de ensino e aprendizagem, bem como permitiréo a interatividade com materiais de boa e mñ qualidade, em grande variedade. As tçcnicas de interaäéo midiatizada ( , listas, grupos de discusséo, sites, entre outros) apresentaréo grandes vantagens, pois permitiréo combinar a flexibilidade da interaäéo humana com a independáncia no tempo e no espaäo. Entretanto, Ç imprescindüvel que no progresso tecnolögico vivido atualmente, o ser humano sinta-se sujeito das mudanäas, pois a tecnologia Ç apenas um impulso para a humanidade empreender uma nova revoluäéo. NÉo basta apenas constatar a importçncia e a viabilidade da utilizaäéo de instrumentos multimidiñticos na educaäéo presencial ou a distçncia, pois se faltar a base humana na EducaÇÉo, nem todos os instrumentos pedagögicos e nem todas as realidades virtuais do mundo poderéo resgatar o homem. (INCONTRI, 1996, p.20). ã preciso discutir com os pares e analisar criticamente cada estratçgia de aplicaäéo das TIC no meio educacional como mediadoras do conhecimento. Ao utilizar sistemas multimidiñticos de qualidade Ç imprescindüvel um cuidado com relaäéo à contextualizaäéo de cada realidade no sentido de evitar a sobrecarga cognitiva, que poderñ inclusive desorientar o usuñrio. ã tambçm indissociñvel a necessidade de capacitaäéo dos docentes e tçcnicos que iréo atuar com os novos instrumentos. Em suma, as reflexäes demonstram a capacidade e a velocidade de mutaäéo das TIC, bem como destacam a necessidade de rever criticamente os postulados teöricos a cada modificaäéo ocorrida no processo comunicativo. As transformaääes afetam a sociedade como um todo e por isso o campo educacional néo ficarñ excluüdo. Um novo cenñrio comunicacional ganha centralidade pelo uso das TIC na mediaäéo multimidiñtica do conhecimento e ocorre aquilo que SILVA (2003) descreve como a transiäéo da lögica da distribuiçéo, baseada na transmisséo, para a lögica da comunicaçéo, baseada na interatividade. Por isso, Ç importante buscar uma implantaäéo coerente da tecnologia como mediadora multimidiñtica do conhecimento, da maneira mais adequada a cada caracterüstica regional, de forma a impelir o usuñrio à utilizaäéo crütica e criativa dos meios disponüveis. Afinal, ocorre, muitas vezes, a utilizaäéo de modernos instrumentos tecnolögicos como um tapa-buraco, quando néo se tem mais o que falar ou, em outros momentos, tecnologias avanäadas estéo presentes na sala de aula, mas sem um plano de trabalho para sua utilizaäéo. ã preciso entéo, observar cada realidade regional e individual antes de se introduzir as TIC no processo educacional. Uma estratçgia bem sucedida no Nordeste do paüs pode ser um fracasso no Sul se néo for devidamente adaptada conforme as peculiaridades humanas e füsicas do local. Enfim, Ç necessñrio valorizar cada vez mais o lado humano para néo cair no risco de conotar as TIC como substitutas do professor, pois, mesmo com a utilizaäéo de materiais didñticos em Ñudio e vüdeo, o processo de obtenäéo do conhecimento néo deixa de ser uma via de méo dupla em que o aluno aprende com o professor e vice-versa. 4

5 5 2. Análise de uma experiência A UNOESC Universidade do Oeste de Santa Catarina Ç uma instituiäéo que atua nas regiäes catarinenses que véo do Alto Vale do Rio do Peixe atç o Extremo-Oeste, num total de aproximadamente 345 km rodoviñrios de distçncia entre o campus mais ao leste e o campus no extremo-oeste. Pela Ñrea geogrñfica de atuaäéo da UNOESC, se verifica que a EAD EducaÄÉo a Distçncia significa uma alternativa para que a instituiäéo incremente a promoäéo do acesso ao conhecimento. Em outras palavras, o aluno que reside longe da instituiäéo pode se beneficiar da utilizaäéo de müdias e multimüdias para a otimizaäéo do processo de construäéo do conhecimento. Assim delineou-se a necessidade da UNOESC investir na produäéo de materiais didñticos em vüdeo como estratçgia para incrementar o estudo dos alunos da EAD. Como a InstituiÄÉo possui cursos na Ñrea da ComunicaÄÉo Social, com laboratörios de Ñudio e vüdeo, bem como conta com uma emissora de rñdio FM em funcionamento, percebeu-se a necessidade de criar uma nova oportunidade de exploraäéo destes recursos: a produäéo e execuäéo de roteiros educativos. Entretanto, constatou-se a necessidade de fazer uma pesquisa para identificar qual a melhor forma de alavancar o processo de planejamento e produäéo de materiais audiovisuais para a EAD no contexto especüfico. O estudo tomou corpo ao pretender néo apenas apresentar uma explanaäéo teörica sobre a temñtica, mas propor uma anñlise crütica e uma atuaäéo criativa para a produäéo de materiais didñticos em Ñudio e vüdeo. Como o objetivo era levantar informaääes sobre a temñtica para elaborar um conjunto de aääes que visavam sua soluäéo, caracterizou-se como uma pesquisa aplicada. O referencial teörico partiu da vertente comunicacional, com uma anñlise qualitativa do objeto sob a Ötica das Ciáncias da ComunicaÄÉo (JENSEN/JANKOWSKI, 1995). As estratçgias que foram utilizadas na consecuäéo dos objetivos propostos envolveram quatro fases distintas: 1) a pesquisa bibliogrñfica; 2) a construäéo do material didñtico em vüdeo; 3) a aplicaäéo do material e coleta de dados; 4) anñlise dos resultados. A execuäéo do projeto teve a colaboraäéo de um bolsista de iniciaäéo cientüfica, Leonardo Bastos Pires A construção e a execução do roteiro A construäéo do produto midiñtico em vüdeo teve como temñtica um conteådo programñtico da disciplina ãtica e Sociedade, pois desde o inücio do ano de 2006 a disciplina Ç oferecida à distçncia em 24 cursos de graduaäéo reconhecidos da UNOESC. As etapas da confecäéo do material foram: 1. anñlise das sugestäes propostas durante a pesquisa bibliogrñfica; 2. escolha do conteådo programñtico; 3. confecäéo do roteiro para a peäa; 4. execuäéo do produto em vüdeo, com a participaäéo voluntñria de alunos e professores da UNOESC JoaÄaba. Durante a pesquisa bibliogrñfica, percebeu-se que uma das maiores vantagens do vüdeo como material didñtico Ç a possibilidade de criar uma relaäéo mais pröxima dos professores com os alunos, pois nos comunicamos melhor com quem conhecemos visualmente. EntÉo, no decorrer do estudo foi

6 necessñrio buscar a compreenséo dos elementos que compäe a linguagem audiovisual, que segundo ARETIO (1996), séo: 1. o plano ou unidade de composiäéo münima, sobre a qual se trabalha para se fazer possüvel a coeráncia narrativa posterior; 2. o campo, que Ç o espaäo abarcado em um determinado plano; 3. o enquadramento e a angulaäéo, que dependem de como e de onde se situa a cçmara; 4. os movimentos de cçmara (panorçmica, estñtica, zoom, travelling, etc.), que se utilizam para realizar a descriäéo visual da cena; 5. a seqâáncia ou aäéo, que tem lugar em um mesmo local ou cenñrio e que engloba todos os elementos anteriores; 6. a continuidade narrativa, que néo somente deve ser resultado da montagem, mas tambçm da combinaäéo e utilizaäéo dos elementos formais, e que sempre resultarñ imperceptüvel para o espectador. ApÖs esclarecer os elementos constituintes da linguagem audiovisual, buscou-se identificar as etapas para a construäéo do produto audiovisual, afinal, antes de gravar um vüdeo Ç importante definir ao menos a idçia bñsica, ou seja, o que se pretende dizer. A seguir séo elencados os passos identificados: 1. preparar uma folha com töpicos para se guiar durante a gravaäéo; 2. definir se a captaäéo serñ feita em externa ou interna; 3. destacar se a gravaäéo serñ feita de dia ou à noite; 4. descrever brevemente a imagem que se quer capturar; 5. evitar vüdeos com mais de trinta minutos, se for necessñrio, Ç preferüvel dividir o vüdeo em partes menores; 6. planejar tomadas bem curtas entremeadas com outros elementos: representaäéo grñfica, ilustraääes com cenas da vida real ou animaäéo; as participaääes devem ser curtas, com um ou dois minutos de duraäéo. 7. alternar entre formatos de conteådo e disponibilizar mais de uma opäéo para um mesmo conteådo, por exemplo: disponibilizar vüdeo e texto; disponibilizar Ñudio e imagens. Para aprofundar e compreender melhor as etapas de um roteiro para produto audiovisual ancorou-se na obra de DOC (1999), que destaca seis partes na montagem de um roteiro, descritas na seqâáncia. Primeira etapa: IDãIA. Conforme o autor, um roteiro comeäa sempre a partir de uma idçia, de um fato, de um acontecimento que provoca no escritor a necessidade de relatar. Segunda etapa: CONFLITO. Para DOC (1999), o conflito-matriz ou story line Ç o fio, os fundamentos da trama. Entretanto, uma story line deve ser breve, concisa e eficaz. AtravÇs dela deve-se ficar com a noäéo daquilo que vai se contar. Em suma, o conflito bñsico apresenta-se por meio da story line e concretiza o que vai ser desenvolvido. Terceira etapa: PERSONAGENS. Em sua obra, DOC (1999) descreve que o desenvolvimento da personagem faz-se atravçs da elaboraäéo do argumento ou sinopse. ã na sinopse que se descreve o carñter das personagens principais. Quarta etapa: A AëíO DRAMìTICA. Segundo DOC (1999), a aäéo dramñtica Ç o como da histöria. Ou seja, a maneira como vamos contar essa 6

7 7 histöria. Mas, para trabalhar na aäéo dramñtica Ç necessñrio se construir uma estrutura, que Ç o esqueleto formado pela seqâáncia de cenas. Quinta etapa: TEMPO DRAMìTICO. Na quinta etapa estipulada por DOC (1999), completa-se a estrutura com o diñlogo. ã o momento em que cada cena ganha o seu tempo dramñtico e a sua funäéo dramñtica. Sexta etapa: UNIDADE DRAMìTICA. ã o roteiro final, que segundo DOC (1999) Ç o guia para a construäéo do produto audiovisual. ã na unidade dramñtica que a cena se torna realidade. ã importante destacar aqui que néo houve gastos com as locaääes utilizadas para gravar as cenas do vüdeo ãtica e Sociedade. As duas dramatizaääes foram feitas na residáncia do orientador do projeto. As gravaääes dos apresentadores foram realizadas no estådio de TV da UNOESC JoaÄaba. As entrevistas com os professores foram gravadas em ambientes externos, nas dependáncias da UNOESC JoaÄaba. Por fim, para a realizaäéo dos produtos midiñticos foram tomados os devidos cuidados com a utilizaäéo de imagens e sons. Todos os participantes assinaram uma autorizaäéo de uso de imagem. O vüdeo produzido foi encaminhado para a Biblioteca Nacional com o intuito de conseguir o ISBN, sendo que sua referáncia Ç: ãtica E SOCIEDADE. ProduÄÉo UNOESC. DireÄÉo Geral de Josias Ricardo Hack. JoaÄaba: UNOESC, 2006, 1 DVD (13 min), son., color. (Produto audiovisual educativo ISBN ) Análise dos dados avaliativos do vídeo Quando o material didñtico em vüdeo para EAD ficou pronto, foi disponibilizado a 60 alunos de trás turmas de cursos de graduaäéo, o que corresponde a uma amostra de 12,5% das 24 turmas que ofertaram a disciplina ãtica e Sociedade na modalidade de EAD na UNOESC JoaÄaba, no ano de Inicialmente planejava-se coletar dados com todas as turmas que estavam ofertando a disciplina no segundo semestre de 2006, entretanto, néo foi possüvel, pois o professor responsñvel pela disciplina na modalidade à distçncia néo conseguiu agendar a aplicaäéo do questionñrio com todas as turmas, jñ que algumas néo se reuniam com regularidade. O instrumento de pesquisa compunha-se de questäes fechadas e pretendia diagnosticar os benefücios ou dificuldades advindas com o uso de materiais didñticos para EAD na graduaäéo. Um dos objetivos da pesquisa era identificar qual o entendimento dos alunos sobre o uso de material em vüdeo para auxiliar em uma disciplina oferecida na modalidade de EAD. As respostas obtidas foram divididas da seguinte forma: 5% 2% 83% 10% Indispensável Importante Mera ilustração Desnecessário Os resultados apontados acima destacam que 93% dos respondentes consideram o vüdeo uma ferramenta indispensñvel ou importante no auxülio às

8 8 disciplinas na modalidade de EAD. Sendo assim, destaca-se a necessidade de produäéo de materiais audiovisuais com qualidade, que propiciem a midiatizaäéo do conhecimento no processo de ensino e aprendizagem à distçncia. Ao se solicitar a avaliaäéo sobre a estratçgia de ensino utilizada no vüdeo, mesclando narraäéo de texto, dramatizaääes e depoimento de professores, chegou-se ao seguinte resultado: 11% 2% 66% 21% Excelente Boa Razoável Inadequada Percebe-se que a grande maioria dos respondentes, 87%, considera a estratçgia como excelente ou boa. Afinal, pelo vüdeo instrucional planejado, foi possüvel conhecer os principais conceitos da disciplina, assistir algumas exemplificaääes e ouvir o depoimento de trás professores intimamente ligados com a temñtica abordada no material. TambÇm foi solicitada uma avaliaäéo global do vüdeo ãtica e Sociedade como ferramenta didñtica para ensinar um conteådo sem a presenäa do professor, ao que os respondentes destacaram: 21% 58% 21% Muito bom Bom Fraco As respostas acima corroboram a importçncia do produto audiovisual elaborado e a validade da estratçgia utilizada. Contudo, Ç importante salientar que certas falhas foram percebidas e algumas sugestäes recebidas, o que certamente incrementarñ as pröximas produääes. Abaixo estéo aglutinadas as sugestäes dos alunos que responderam ao questionñrio: mais dramatizaääes envolvendo vñrias circunstçncias; mais detalhes nas explicaääes; mais espontaneidade dos atores. Aqui Ç importante destacar que nenhum dos atores possuüa formaäéo relacionada com as artes cánicas. Todos os participantes da gravaäéo eram voluntñrios, pois néo era possüvel remunerar o trabalho. Para a gravaäéo de um dos esquetes optou-se por néo fazer um roteiro para as falas, deixando as conversas a critçrio dos participantes da cena, pois se imaginava que tal atitude diminuiria a artificialidade ao representar a cena. A experiáncia de gravar sem estabelecer a Üntegra de todos os diñlogos foi muito positiva, entretanto a falta de espontaneidade ainda marcou a encenaäéo.

9 9 3. Considerações finais Durante os meses em que a pesquisa foi desenvolvida e apös a exposiäéo do vüdeo a vñrios alunos e especialistas na temñtica, percebeu-se que um grande trunfo na produäéo audiovisual para a EAD Ç a dramatizaäéo. Entretanto, Ç preciso se discutir de forma ampla os conteådos a serem transformados em encenaäéo, bem como Ç necessñrio buscar a ajuda de pessoas que tenham experiáncia com a dramaturgia para poder suprir as falhas na espontaneidade. TambÇm se identificou durante o estudo, que o vüdeo ãtica e Sociedade poderia ser otimizado pela utilizaäéo criteriosa de outros çngulos de cçmera, bem como a criaäéo de esquemas ilustrativos e outras estratçgias de dinamizaäéo da narraäéo. Todavia, a experiáncia de roteirizaäéo e confecäéo de um produto audiovisual para a EAD foi elucidativa. AlÇm de abrir a perspectiva de leituras interdisciplinares sobre a temñtica, com o intuito de encontrar um ancoradouro teörico, trouxe a possibilidade de uma prñtica que resultou na percepäéo de alguns erros e acertos jñ destacados no presente artigo. Agora, Ç mister continuar produzindo de forma sistematizada e cientüfica, evitando-se a produäéo sem critçrios ou descontextualizada. 4. Referências Bibliográficas DOC, Comparato. Da criação ao roteiro. SÉo Paulo: Rocco, HACK, Josias Ricardo. Processo comunicacional docente para a midiatizaäéo do conhecimento na EAD: reflexäes sobre um Estudo de Caso no Ensino Superior. In: HETKOWSKI, Tçnia Maria & LIMA JUNIOR, Arnauld Soares de (orgs.). Educação e Contemporaneidade. Rio de Janeiro: Quartet, p HACK, Josias Ricardo. UNOESC: Aprendizagem on-line na disciplina Teoria da ComunicaÄÉo. In: MARQUES DE MELO, JosÇ (coord.). Pedagogia da Comunicação: matrizes brasileiras. SÉo Paulo: Angellara, p INCONTRI, Dora. MultimÜdia na EducaÄÉo. Comunicação & Educação. SÉo Paulo: Moderna, Ano III, n.7, set./dez., 1996, p JENSEN, Klaus Bruhn & JANKOWSKI, Nicholas W. A handbook of qualitative methodologies for Mass Communication Research. London: Routledge, LãVY, Pierre. A conexão planetária: o mercado, o ciberespaäo, a consciáncia. SÉo Paulo: Editora 34, LãVY, Pierre. Cibercultura.. SÉo Paulo: Editora 34, NEGROPONTE, Nicholas. A vida digital. 2. ed. SÉo Paulo: Companhia das Letras, 1995.

10 10 PETERS, Otto. Didática do ensino a distância. São Leopoldo: UNISINOS, SANTAELLA, Lucia. Comunicação & Pesquisa: projetos para mestrado e doutorado. São Paulo: Hacker Editores, SILVA, Marco. EAD on-line, cibercultura e interatividade. ALVES, Lynn & NOVA, Cristiane (orgs.). Educação a Distância: uma nova concepção de aprendizado e interatividade. São Paulo: Futura, p THOMPSON, John. A mídia e a modernidade. Petrópolis: Vozes, 1998.

XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação:

XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação: XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação: Comunicação educativa no ensino superior a distância: alguns pressuspostos teóricos para a midiatização do conhecimento 1 Josias Ricardo Hack 2 UNOESC

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO A DISTÂNCIA EM GEOGRAFIA NA UNIMONTES: UM ESTUDO DE CASO BARROS, Joselita Ferreira Batista 1 ; NEVES, Lisa Vany Figueiredo Ribeiro 2 1 Especialista em Geografia, Ensino e Meio Ambiente e em Educação

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento

Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Planejamento e Gestão das disciplinas na modalidade a distância em Cursos de Graduação Presencial: Conteúdo, Aprendizagem e Construção do Conhecimento Maio/2010 AMARAL, Rita de Cássia Borges de Magalhães

Leia mais

Estratégias de e-learning no Ensino Superior

Estratégias de e-learning no Ensino Superior Estratégias de e-learning no Ensino Superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias da Anhanguera Educacional (Jacareí) RESUMO Apresentar e refletir

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Docência Multimídia - Produzindo Materiais Didáticos Audiovisuais 1

Docência Multimídia - Produzindo Materiais Didáticos Audiovisuais 1 Docência Multimídia - Produzindo Materiais Didáticos Audiovisuais 1 Marlene Aparecida dos Reis 2 Márcio Henrique Melo de Andrade 3 Renata Kelly Souza Araújo 4 Resumo O workshop Docência Multimídia - Produzindo

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa 1 Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Solange Rauchbach Garani Escola da Magistratura do Paraná E-mail: solangergarani@yahoo.com.br

Leia mais

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida

OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA. Claudson Santana Almeida OS LIMITES DO ENSINO A DISTÂNCIA Claudson Santana Almeida Junho 2012 Introdução O que o leitor encontrará neste artigo? Uma apresentação do sistema de Ensino a Distância (EAD), conhecer as vantagens e

Leia mais

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro

Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Da sala de aula à sala de ensaio: uma proposta para a formação do professor de teatro Ricardo Carvalho de Figueiredo Universidade Federal de Minas Gerais Professor Assistente Doutorando em Artes EBA/UFMG

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Sua Escola, Nossa Escola

Sua Escola, Nossa Escola Sua Escola, Nossa Escola Episódio: Andréa Natália e o Ensino na Fronteira Ponta Porã Resumo Esse vídeo integra a série Sua Escola, Nossa Escola, composta por dezessete programas, os quais mostram experiências

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

Desenho didático para cursos online

Desenho didático para cursos online Desenho didático para cursos online Edméa Santos Professora da UERJ Professora-tutora do PROGED/ISP/UFBA E-mail: mea2@uol.com.br Site: www.docenciaonline.pro.br/moodle Que é cibercultura? Educação online:

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

O projeto A Articulação entre Teoria e Prática na Vivência Didática da Disciplina Teoria da Comunicação : Monitoria, da escuta ao incentivo.

O projeto A Articulação entre Teoria e Prática na Vivência Didática da Disciplina Teoria da Comunicação : Monitoria, da escuta ao incentivo. O projeto A Articulação entre Teoria e Prática na Vivência Didática da Disciplina Teoria da Comunicação : Monitoria, da escuta ao incentivo. Victor Manoel Fernandes FONSECA 1 Kalianny Bezerra de MEDEIROS

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17

Índice. 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3. Grupo 7.3 - Módulo 17 GRUPO 7.3 MÓDULO 17 Índice 1. Os desafios das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs)...3 2 1. OS DESAFIOS DAS NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (NTICS) Chamam-se Novas Tecnologias

Leia mais

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR Roteiro de Não Ficção: Cardápio da Madrugada 1 Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A série de reportagens "Cardápio da Madrugada" foi

Leia mais

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA.

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. 1 METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. Maio/2008 Mara Yáskara Nogueira Paiva Cardoso Uniararas, marayaskara@uniararas.br Ana Carolina Castelli

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE MARKETING NA MODALIDADE EAD DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE MARKETING NA MODALIDADE EAD DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ 1 A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUÇÃO CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE MARKETING NA MODALIDADE EAD DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ Maio/2007 Fabiano Palhares Galão - Unopar Universidade

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

AMBIENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AÇÃO TUTORIAL AULA 01: AMBIENTAÇÃO TÓPICO 03: HISTÓRIA E FUNDAMENTOS DA EAD VERSÃO TEXTUAL DO FLASH Você conhece a origem da Educação a Distância? Como se iniciaram

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

Unidade 4: Planejamento de aulas virtuais síncronas

Unidade 4: Planejamento de aulas virtuais síncronas Unidade 4: Planejamento de aulas virtuais síncronas 1 Coordenação Prof. Dra. Sílvia Dotta Autores Prof. Érica Jorge Prof. MsC. Paulo Aguiar Colaboração Prof. Dra. Juliana Braga PACC Programa Anual de Capacitação

Leia mais

ENSINO DE GEOMORFOLOGIA A DISTÂNCIA: ESTRATÉGIAS ADOTADAS NA LICENCIATURA EM GEOGRAFIA DO CEDERJ/UERJ

ENSINO DE GEOMORFOLOGIA A DISTÂNCIA: ESTRATÉGIAS ADOTADAS NA LICENCIATURA EM GEOGRAFIA DO CEDERJ/UERJ ENSINO DE GEOMORFOLOGIA A DISTÂNCIA: ESTRATÉGIAS ADOTADAS Afonso, A.E. 1 ; Silva, T.M. 2 ; 1 DGEO/FFP/UERJ Email:aniceafonso@gmail.com; 2 DEPTO. GEOGRAFIA/UFRJ Email:telmendes@globo.com; RESUMO: O ensino

Leia mais

Educação a Distância. Arthur Rocha Palmeira Mariana Marques Pinheiro Michelle Dias Alves Rafael Fonseca Ferreira. Resumo

Educação a Distância. Arthur Rocha Palmeira Mariana Marques Pinheiro Michelle Dias Alves Rafael Fonseca Ferreira. Resumo Educação a Distância Arthur Rocha Palmeira Mariana Marques Pinheiro Michelle Dias Alves Rafael Fonseca Ferreira Resumo Educação a distância é uma modalidade de educação mediada por tecnologias e ocorre

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Interatividade na docência e aprendizagem online

Interatividade na docência e aprendizagem online Interatividade na docência e aprendizagem online ou a pedagogia do parangolé Marco Silva EDU/UERJ Educar em nosso tempo conta com uma feliz coincidência histórica: a dinâmica comunicacional da cibercultura,

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil

EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil EDUCAÇÃO PATRIMONIAL A PARTIR DE JOGOS DIDÁTICOS: UMA EXPERIÊNCIA EXTENSIONISTA NO MUNICÍPIO DE RESTINGA SÊCA/RS/Brasil Heliana de Moraes Alves Graduanda em Geografia Bacharelado da Universidade Federal

Leia mais

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem

Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Objetos de aprendizagem como ambientes interativos de aprendizagem Prof. Me. Wagner Antonio Junior Secretaria Municipal da Educação de Bauru e-mail: wag.antonio@gmail.com Pôster Pesquisa em andamento A

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Violências e Educação: Compreender para Enfrentar. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Violências e Educação: Compreender para Enfrentar. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA

USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA USO DOS RECURSOS EDUCACIONAIS BASEADOS EM MÍDIAS INTERATIVAS INTEGRADAS ONLINE (RE-MIIO) NA GEOGRAFIA BEATRIZ RENEIS LUIS¹, FELIPE DE PAULA RUI² e LUCIENE APARECIDA GOUVÊA NOGUEIRA³ biareneis@gmail.com,

Leia mais

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA SOFTWARE EDUCACIONAL: RECURSO PEDAGÓGICO PARA Resumo MELHORAR A APRENDIZAGEM NA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Clara Celina Ferreira Dias Universidade Federal de Santa Maria UFSM claracelinafd@professor.rs.gov.br

Leia mais

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS

TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS TEC - EAD PRESSUPOSTOS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: CONCEPÇÕES TEÓRICAS E METODOLÓGICAS O que é mesmo Educação a Distância (EAD)? Você está fazendo um curso a distância, mas já parou para pensar no conceito

Leia mais

EdUECE- Livro 1 03430

EdUECE- Livro 1 03430 OS SABERES E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE PEDAGOGIA A DISTÂNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Maria Irene Miranda Universidade Federal de Uberlândia RESUMO O trabalho aborda o Curso de Pedagogia

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância

Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Proposta Didático-Pedagógica para Desenvolvimento de Disciplinas de Cursos de Graduação e Pós- Graduação na Modalidade a Distância Maio 2007 na Lúcia Tinoco - UNICSUL ana.cabral@unicsul.br Carlos Fernando

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS Mário Sérgio de Andrade Mendonça, mariomendonc@gmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DA CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO ROMANTISMO NA ERA DIGITAL Cursistas Alessandra Doose do Prado Bruder Luciana Kniss Schuhmacher Sandra Terezinha

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária

Indaial SC Abril 2012. Setor Educacional: 3. Educação Universitária MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO A DISTÂNCIA: PRODUÇÃO E CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS DIDÁTICOS UTILIZADOS PELOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO EAD DA UNIASSELVI Indaial SC Abril 2012 Hiandra Bárbara Götzinger

Leia mais

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa

Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Perspectivas de Formação de Formadores com apoio da EaD: emprego de métodos ativos e avaliação formativa Texto revisto pela autora, quanto ao conteúdo. Retirada a indicação da instituição pois não atua

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução

TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral. Introdução TUTORIA EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Maria Teresa Marques Amaral Introdução Buscando no dicionário a palavra tutor vamos encontrar como primeira definição o jurídico: indivíduo que exerce uma tutela (dita tutoria)

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 VANTAGENS E DESVANTAGENS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 Thais Cerqueira Faria Centro Universitário São José de Itaperuna(UNIFSJ) RESUMO: A internet é um instrumento poderoso nos dias atuais,

Leia mais

3º. Seminário de Pesquisa em EAD 3º SePEAD A UAB e seus reflexos no ensino superior brasileiro Efeitos da EaD no presencial

3º. Seminário de Pesquisa em EAD 3º SePEAD A UAB e seus reflexos no ensino superior brasileiro Efeitos da EaD no presencial 3º. Seminário de Pesquisa em EAD 3º SePEAD A UAB e seus reflexos no ensino superior brasileiro Efeitos da EaD no presencial Profa. Dra. Denise Martins de Abreu e Lima SeaD UFSCar 3º. Seminário de Pesquisa

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹

Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Conhecendo uma Agência de Publicidade¹ Anthony Andrade NOBRE² Edmilson da Silva GUSMÃO³ Marla Eglaea da Silva FREIRE 4 Rakel de Araripe Bastos CAMINHA 5 Rodolfo Carlos MARQUES 6 Claúdia Adriane SOUZA 7

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância

Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Estudo e Aprendizado a Distância 69 Lição 3 Técnicas de Estudo e Aprendizagem a Distância Após concluir o estudo desta lição, esperamos que você possa: associar os estilos de aprendizagem às respectivas

Leia mais

A LICENCIATURA DE MATEMÁTICA NA MODALIDADE EAD EM MG: CARACTERIZAÇÃO E O PERFIL DO CORPO DOCENTE

A LICENCIATURA DE MATEMÁTICA NA MODALIDADE EAD EM MG: CARACTERIZAÇÃO E O PERFIL DO CORPO DOCENTE A LICENCIATURA DE MATEMÁTICA NA MODALIDADE EAD EM MG: CARACTERIZAÇÃO E O PERFIL DO CORPO DOCENTE CARMO, Laura Caroline Sousa UNIUBE - lacarolinesousa@hotmail.com RESENDE, Marilene Ribeiro - UNIUBE marilene.resende@uniube.br

Leia mais

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI

UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI UMA ANÁLISE SOCIAL DO PERFIL DOS DISCENTES DE CURSOS ONLINE DO PROGRAMA DE COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS DO SENAI Salvador BA 05/2011 Elson Cardoso Siquara SENAI-BA elsoncs@fieb.org.br Fábio Britto de Carvalho

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DA SÉRIE DE PROGRAMAS AÍ TEM QUÍMICA!

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DA SÉRIE DE PROGRAMAS AÍ TEM QUÍMICA! JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DA SÉRIE DE PROGRAMAS AÍ TEM QUÍMICA! De acordo com o Edital da produção de conteúdos digitais, alguns aspectos devem ser considerados.

Leia mais

TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR

TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR TÉCNICAS INDIVIDUALIZADAS E SÓCIO INTERATIVAS NO ENSINO SUPERIOR Na Educação Superior, para que o processo de ensino se torne mais adequado aos conteúdos e objetivos propostos, visando obter bons resultados,

Leia mais

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO

AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA RESUMO 571 AS MÍDIAS E A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA 1 Evelize Krüger Peres RESUMO O referido artigo vai tratar do uso das mídias digitais, como metodologia pedagógica nas aulas das ciências exatas e em outras áreas

Leia mais

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal

CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal CO 33: Uma História da Formação de Professores de Matemática a partir do PIBID de Matemática da UFRN-Natal Klêffiton Soares da Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Norte kleffitonsoares@yahoo.com

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA 1 O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA Rio Grande/RS, maio de 2009 Suzi Samá Pinto Universidade Federal de Rio Grande (FURG)

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA SILVA, José Roberto Alves da 1 - UEPA Resumo Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

TECENDO REDE: UM OLHAR PARA O TRABALHO DO DESIGNER INSTRUCIONAL. Fortaleza 15/05

TECENDO REDE: UM OLHAR PARA O TRABALHO DO DESIGNER INSTRUCIONAL. Fortaleza 15/05 TECENDO REDE: UM OLHAR PARA O TRABALHO DO DESIGNER INSTRUCIONAL Fortaleza 15/05 Isabel Magda Said Pierre Carneiro, Ms. IFET/isabelmsaid@yahoo.com.br Maria José Costa dos Santos, Ms. UFC/mazeautomatic@gmail.com

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

História da Mídia Impressa na Educação

História da Mídia Impressa na Educação História da Mídia Impressa na Educação LUSTOSA, Elem Acadêmica do Curso de Pedagogia Iniciação Científica MACIEL, Margareth de Fátima Doutorado em Educação UNICENTRO - PARANÁ RESUMO Esse texto aborda a

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator.

O professor como trabalhador cultural: a pedagogia pós-crítica na base da ação do professor-ator. A pedagogia pós-crítica na ação do professor-artista: a interação entre o pedagogo e o ator na sala de aula Heloise Baurich Vidor UDESC Palavras-chave: Professor-artista professor-personagem teatro na

Leia mais

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Jocélia Germano

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD): LIMITES E POSSIBILIDADES DA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO PEDAGÓGICO Eva Karolina Pereira Santos Isabela Almeida Valadares Marina Santos Silva Pedro Henrique Branco de Oliveira

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família

Curso de Especialização em Saúde da Família MÓDULO: FAMILIARIZAÇÃO TECNOLÓGICA COM EAD UNIDADE 02 PROCESSO DE INTERAÇÃO EM EAD Prof. Msc Rômulo Martins 2.1 Interação em EAD A partir das novas mídias e tecnologias, tais como a televisão, o telefone

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: uma tecnologia na formação de professores em IES pública e privada em Pernambuco-Brasil.

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: uma tecnologia na formação de professores em IES pública e privada em Pernambuco-Brasil. EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: uma tecnologia na formação de professores em IES pública e privada em Pernambuco-Brasil. Autora: IRACLEIDE DE ARAÚJO SILVA LOPES Resumo No âmbito desse artigo, pretende-se ressaltar

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS

ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS ESCOLA MONDRIAN FUNDAMENTAL SÃO GABRIEL - RS PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA DOS PAIS PROFESSORA LIA HEBERLÊ DE ALMEIDA TURMA KANDINSKY PROJETO CINEMA MUDO CONSTRUINDO HISTÓRIAS NO DIA

Leia mais

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD

A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD Ednei Nunes de Oliveira A TUTORIA A DISTÂNCIA NA EaD DA UFGD UFGD/Faculdade de Educação a Distância Dourados MS, E-mail: edneioliveira@ufgd.edu.br Professor da FACED, Bolsista PIBID/EaD/UFGD. RESUMO Esta

Leia mais