FOTOGRAFIA, HISTÓRIA e CULTURA VISUAL: PESQUISAS RECENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOTOGRAFIA, HISTÓRIA e CULTURA VISUAL: PESQUISAS RECENTES"

Transcrição

1

2 FOTOGRAFIA, HISTÓRIA e CULTURA VISUAL: PESQUISAS RECENTES

3 Chanceler Dom Dadeus Grings Reitor Joaquim Clotet Vice-Reitor Evilázio Teixeira Conselho Editorial Ana Maria Lisboa de Mello Bettina Steren dos Santos Eduardo Campos Pellanda Elaine Turk Faria Érico João Hammes Gilberto Keller de Andrade Helenita Rosa Franco Ir. Armando Luiz Bortolini Jane Rita Caetano da Silveira Jorge Luis Nicolas Audy Presidente Jurandir Malerba Lauro Kopper Filho Luciano Klöckner Marília Costa Morosini Nuncia Maria S. de Constantino Renato Tetelbom Stein Ruth Maria Chittó Gauer EDIPUCRS Jerônimo Carlos Santos Braga Diretor Jorge Campos da Costa Editor-Chefe

4 CAROLINA ETCHEVERRY CHARLES MONTEIRO (ORG.) MARIA CLÁUDIA QUINTO PATRICIA CAMERA RODRIGO DE SOUZA MASSIA FOTOGRAFIA, HISTÓRIA e CULTURA VISUAL: PESQUISAS RECENTES Série Mundo Contemporâneo 2 Porto Alegre, 2012

5 EDIPUCRS, 2012 Fotografia e Criação: Patricia Camera Diagramação: Rodrigo Valls Fernanda Lisboa Rodrigo Valls F761 Fotografia, história e cultura visual: pesquisas recentes [recurso eletrônico] / Charles Monteiro (Org.). Dados eletrônicos. Porto Alegre : EDIPUCRS, p. - (Série Mundo Contemporâneo) ISBN Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: <http://www.pucrs.br/edipucrs> 1. Fotografia - História. 2. Cultura Visual. 3. Fotografia - Brasil. 4. Antropologia Cultural. I. Monteiro, Charles. CDD TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, especialmente por sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, fonográficos, videográficos. Vedada a memorização e/ou a recuperação total ou parcial, bem como a inclusão de qualquer parte desta obra em qualquer sistema de processamento de dados. Essas proibições aplicam-se também às características gráficas da obra e à sua editoração. A violação dos direitos autorais é punível como crime (art. 184 e parágrafos, do Código Penal), com pena de prisão e multa, conjuntamente com busca e apreensão e indenizações diversas (arts. 101 a 110 da Lei 9.610, de , Lei dos Direitos Autorais).

6 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...06 Ana Maria Mauad PARTE I FOTOGRAFIA, HISTÓRIA E IMPRENSA Capítulo 1 - Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950: a elaboração de um novo padrão de visualidade urbana nas fotorreportagens da Revista do Globo...09 Charles Monteiro Capítulo 2 - A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman na fotografia porto-alegrense dos anos Rodrigo Massia Capítulo 3 - Por trás das lentes, uma história: a percepção de fotógrafos sobre as imagens da mídia impressa...72 Maria Cláudia Quinto PARTE II: FOTOGRAFIA, HISTÓRIA E ARTE Capítulo 4 - História da fotografia moderna brasileira: experimentações de Geraldo de Barros e José Oiticica Filho ( )...90 Carolina Etcheverry Capítulo 5 - A dimensão histórica em Mujeres Presas : aproximações teóricas entre fotografia-expressão e ator social Patricia Camera

7 APRESENTAÇÃO Ana Maria Mauad Não é de hoje que os estudos históricos ultrapassaram os limites documentais de uma escritura feita exclusivamente com documentos verbais. A iniciativa de renovação da oficina da história, defendida pelos pais fundadores do Annales, que conclamaram seus pares a saírem de seus gabinetes e a aprenderem a ler a demarcação dos campos, ou os rituais da cavalaria medieval, foi amplificada pela revolução documental que a história serial dos anos 1970, implementaram com a introdução das séries, da quantificação e do dado numérico, como fundamentais para a produção do conhecimento histórico de natureza total. A história dos eventos foi substituída pela história das estruturas na longa duração, sendo a revolução documental, a expressão mais evidente de uma outra revolução, essa mais profunda, a da consciência historiográfica. 1 Dos anos 1970 em diante, com as publicações-manifesto da Nova História Francesa, novos objetos, novos problemas e abordagens começaram a fazer parte da reflexão historiográfica; na sequência as manifestações da micro-história italiana ajudaram a compor um panorama onde racionalidade histórica e expressão subjetiva se encontravam na escrita de uma outra história, chegando à definitiva renovação da historiografia brasileira com a consolidação dos programas de pósgraduação, uma nova revolução reorientou a delimitação das fronteiras da História em rumo definitivo a uma perspectiva transdisciplinar. Assim, o corolário da revolução documental, da ampliação dos tipos de fontes e registros considerados aptos à produção do texto historiográfico orientou o pesquisador a buscar novas possibilidades de interpretação. Os estudos sobre cultura visual em história são um bom exemplo para considerarmos esse tipo de renovação. De fato, como esclarece o historiador Paulo Knauss, é possível se fazer uma história com imagens, que abandone uma epistemologia da prova, rumo à construção de uma leitura histórica que valorize o processo contínuo de produção de representações pelas sociedades humanas. 2 A essa reflexão, um outro historiador, Ulpiano Meneses, agrega problemas e questões que nos levariam rumo a uma História Visual, que considera as imagens não como efeitos, ou sintomas, mas a própria visualidade como princípio cognitivo de caráter indefectivelmente histórico. 3 Aliás, em outro texto, uma 1 Le Goff, Jacques. Documento/Monumento. Enciclopédia Einaudi, Vol.1, Lisboa: Imprensa nacional/casa da Moeda, Knauss, Paulo, O desafio de fazer História com imagens: arte e cultura visual, ArtCultura, Uberlândia, vol.8, n.12, jan-jun. 2006, p Meneses, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório, propostas

8 7 apresentação como esta, Meneses já afirmava serem as imagens fotográficas suportes de relações sociais. 4 Neste sentido, os ensaios aqui reunidos pelas temáticas da história, fotografia e cultura visual prescrevem um itinerário no qual são apontados caminhos para a compreensão da fotografia como expressão estética, percepção subjetiva, produção autoral, leitura do mundo visível, tramas de ver e registrar visualmente a história, como processo e problema. Há muito venho trabalhando com fotografia, em aulas, textos e pesquisa. Esse trabalho me possibilitou encontros inesquecíveis com produtores e suas imagens, com sujeitos e suas lembranças, com trajetórias e seus projetos. 5 Ainda assim, me surpreendo com a infindável riqueza que a reflexão sobre a prática e a experiência fotográfica pode revelar. Boa leitura. cautelares, Revista Brasileira de História, vol. 23, n 45, julho de Meneses, Ulpiano T. Bezerra de. Apresentação. In: Lima, Solange F.; Carvalho, Vania Carneiro de. Fotografia e Cidade: da razão urbana à lógica do consumo, álbuns de São Paulo ( ). São Paulo: Mercado das Letras, MAUAD, Ana Maria. Poses e Flagrantes: ensaios sobre história e fotografias. Niterói: Eduff, 2008.

9 PARTE I FOTOGRAFIA, HISTÓRIA E IMPRENSA

10 Capítulo 1 IMAGENS DA CIDADE DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 1950: A ELABORAÇÃO DE UM NOVO PADRÃO DE VISUALIDADE URBANA NAS FOTORREPORTAGENS DA REVISTA DO GLOBO 1 Charles Monteiro 2 A pesquisa problematiza a elaboração de uma nova visualidade da cidade brasileira na imprensa nos anos 1950, através de um estudo de caso sobre Porto Alegre, no contexto de mudanças na cultura visual. Trata-se de compreender a produção e a veiculação de imagens fotográficas da cidade de Porto Alegre nos anos 1950, na Revista do Globo, no contexto de modernização da imprensa ilustrada brasileira. Busca-se discutir os temas, as formas de fotografar a cidade e os sujeitos urbanos, bem como o processo de editoração dessas imagens fotográficas em fotorreportagens nas páginas da revista, visando a compreender a nova visualidade urbana e as representações de cidade elaboradas em um contexto de crescimento populacional, expansão do perímetro urbano e verticalização da área central. Os estudos sobre cultura visual problematizam a forma como os diversos tipos de imagens perpassam a vida cotidiana, relacionando as técnicas de produção e circulação das imagens à forma como são vistos os diferentes grupos e espaços sociais, entre o visível e o invisível, propondo um olhar sobre o mundo, mediando a nossa compreensão da realidade e inspirando modelos de ação social. 3 1 A pesquisa foi apresentada no Minissimpósio Temático História, Imagem e Cultura Visual, no XXIV Simpósio Nacional de História da ANPUH, realizado de 15 a 20 de julho de 2007, na UNISINOS (São Leopoldo/RS/Brasil), e coordenado pelos Professores Doutores Iara Lis Franco Schiavinatto (UNICAMP) e Charles Monteiro (PUCRS), bem como no VII Congresso Internacional de Estudos Ibero-Americanos, realizado de 21 a 23 de outubro de 2008, na PUCRS (Porto Alegre/RS/Brasil). Versões parciais foram publicadas em: MONTEIRO, Charles. Imagens sedutoras da modernidade urbana: reflexões sobre a construção de um novo padrão de visualidade urbana nas revistas ilustradas na década de Revista Brasileira de História, 2007, Vol. 27, n. 53, p ; MONTEIRO, Charles. A construção da imagem dos outros sujeitos urbanos na elaboração da nova visualidade urbana de Porto Alegre nos anos Urbana, 2007, ano 2, n. 2, p Doutor em História Social (PUCSP/Lyon 2), Professor Adjunto de História do Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Brasil/RS/Porto Alegre). Desenvolve pesquisas na área de História, Fotografia e Cultura Visual; ministra Seminário História, Fotografia e Cultura Visual: Imagens das cidades brasileiras séc. XIX e XX no PPGH da PUCRS; orientou cinco dissertações sobre História e Fotografia; publicou vários artigos em revistas nacionais e papers em anais de congressos nacionais e internacionais sobre o tema; coordenou organizou simpósios temáticos em congressos; organizou dossiês sobre História e Fotografia; faz parte do Grupo de Pesquisa interinstitucional do CNPQ Imagem, Cultura Visual e História. Endereço: PPGH/PUCRS Av. Ipiranga, 6681, Prédio 3, Sl. 303 Porto Alegre Brasil CEP Sobre Cultura Visual, História e Fotografia, cf. MENESES (2003, 2005); KNAUS (2006); sobre fotografia e imprensa ilustrada, cf. MAUAD (2004, 2005); sobre fotografia e cidade, cf. LIMA e CARVALHO (1997).

11 10 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 Reflexões sobre História, Fotografia e Cultura Visual Nos anos 1990, desenvolveu-se, nos Estados Unidos, um campo novo de pesquisa chamado de Estudos Visuais, ligando departamentos de artes, comunicação, antropologia, história e sociologia. As pesquisas apresentavam uma clara perspectiva multidisciplinar e procuravam problematizar a centralidade das imagens e a importância do olhar na sociedade ocidental contemporânea. Alguns autores chegam mesmo a diagnosticar que estaríamos vivendo um pictorial turn ou um visual turn, dado o papel do visual e da visualização no contexto atual marcado pelas imagens digitais e virtuais presentes na televisão, em filmes, em games, na internet (o second life é um sintoma), em celulares, em i-phones etc. Os estudos sobre cultura visual problematizam a forma como os diversos tipos de imagens perpassam a vida social cotidiana (a visualidade de uma época), relacionando as técnicas de produção e circulação das imagens à forma como são vistos os diferentes grupos e espaços sociais (os padrões de visualidade), propondo um olhar sobre o mundo (a visão), mediando a nossa compreensão da realidade e inspirando modelos de ação social (os regimes de visualidade). Segundo Knauss, 4 existem duas grandes perspectivas de estudo da cultura visual, uma mais restrita, que procura tratar da experiência visual da sociedade ocidental na atualidade (marcada pela imagem digital e virtual), e outra mais abrangente, que permite pensar diferentes experiências visuais ao longo da história em diversos tempos e sociedades. Este texto constitui-se de uma série de notas sobre a relação entre história, fotografia e cultura visual, sem a pretenção de ser exaustivo na revisão bibliográfica, visando dar certas orientações e pistas para pensar o lugar da fotografia no contexto mais amplo dos estudos sobre a imagem. As imagens acompanham o processo de hominização e de socialização do homem desde a pré-história, elas perpassam a vida e a organização social, ordenando a relação entre os homens e desses com o visível e o invisível. A confecção de máscaras mortuárias e a produção de lápides, desde a Antiguidade, apontam para a relação entre imagem e morte, bem como para a necessidade do homem de afirmar e de prolongar a vida frente a perspectiva de sua finitude. Régis Debray 5 aponta para a função social da imagem ligada à produção de um duplo do morto visando à preservação de sua memória. Os usos políticos da imagem também estão presentes desde os tempos mais remotos, pois de seu controle dependia a legitimidade do exercício do poder. 4 KNAUSS (2006, p ). 5 DEBRAY (1994, p ).

12 11 Charles Monteiro Segundo Kern, 6 desde seu início a imagem esteve relacionada à representação e à noção de imitação do real. A imagem emerge de uma troca simbólica e de um simulacro fabricado para enfrentar a destruição provocada pela passagem do tempo, agenciar a memória, manter a coesão social e, também, exercer o controle político. Funções sociais que não abolem a dimensão artístico-criativa do ato de criação da imagem no tempo. A imagem situava-se entre a mimese, pela produção de uma cópia do real através da semelhança, e a representação, ao buscar tornar presente uma ausência e conferir-lhe significados sociais precisos e controlados. A partir do século XIX, a fotografia vai tomar o seu lugar nesse mundo das imagens, ao qual vem alterar de forma radical no contexto da Revolução Industrial ou Revolução Técnico-Científica. Por um lado, a fotografia veio responder a uma demanda crescente de imagens e de autorrepresentação da burguesia em ascensão, buscando uma forma de fabricar imagens de forma rápida e consideradas fiéis aos seu referente. De outro lado, o dramático processo de urbanização criou a necessidade de controlar e disciplinar um contingente divesificado de sujeitos em uma sociedade de massas, criando a foto de identificação. Segundo Santaella, 7 esse mundo das imagens pode ser divido, em termos de diferentes formas de produção, circuitos de circulação, formas de recepção e de estatuto das imagens no tempo, em três paradigmas: pré-fotográfico; fotográfico e pós-fotográfico. O paradigma pré-fotográfico está relacionado ao conjunto das imagens produzidas de forma artesanal pela mão do homem, dependendo de sua habilidade e imaginação para plasmar o visível. Tratam-se de imagens produzidas pela mão do artista, que guardam a sua marca e a aura de objetos únicos. Elas têm uma circulação restrita, sobretudo feitas para serem expostas em galerias e museus. O paradigma fotográfico diz respeito às imagens produzidas por conexão dinâmica e captação física de fragmentos do mundo visível com a mediação de um aparato ótico-mecânico: a câmera fotográfica (a caixa-preta), de vídeo ou de TV. São imagens produzidas com o auxílio de um aparelho mecânico, visando sua reprodução em série. Perdem a sua aura de objeto único e passam a circular em diferentes meios sociais, sobretudo, em jornais, revistas, outdoors publicitários etc. Finalmente, o paradigma pós-fotográfico que se refere às imagens sintéticas e infográficas (virtuais), prémodelizadas e matematicamente elaboradas através do computador. Percebe-se a importância da fotografia nessa interpretação à medida que ela é o parâmetro para a existência de um pré-fotográfico e um pós-fotográfico. O paradigma fotográfico é herdeiro da câmara obscura, utilizada desde o Renascimento. O dispositivo foi sendo aperfeiçoado e tornou-se capaz de capturar uma imagem latente em suporte sensível à luz, desencadeando a fotografia. A máquina 6 KERN (2005, p. 7) 7 SANTAELLA (2005, p ).

13 12 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 fotográfica (o dispositivo técnico) media o enfrentamento entre o olhar de um sujeito (o fotógrafo) e um referente (a realidade), que é observado e tem sua luz (fluxo fotônico) capturada através de uma lente em uma superfície sensível. O ato fotográfico é o fruto de um corte, tanto no campo visual (espaço) quanto na duração (tempo), constituindose em um fragmento separado e embalsamado do mundo para a posteridade. O que nos interessa reter dessa proposta é a particularidade material da imagem fotográfica frente às imagens manuais e as infográficas. Embora a fotografia não inaugure a era da reprodutividade das imagens (precedidade por outras técnicas como a xilografia, litografia etc.), ela inaugura a era da reprodutividade técnica das imagens, permite que essa reprodução seja muito mais rápida, barata e em massa, bem como considerada mais fiel do que aquelas obtidas pelas tecnologias anteriores. A fotografia respondeu às demandas econômico-industriais e estéticas (realismo) da sociedade europeia da segunda metade do século XIX, que lhe confere o estatuto de atestação, de duplo do real e de documento. Isso leva a refletir sobre a questão do realismo na fotografia e da forma como ela foi pensada pelos críticos e teóricos no ocidente. Segundo Dubois, 8 essse percurso pode ser pensado em três tempos: 1) a fotografia do real (o discurso da mimese); 2) a fotografia como transformação do real (o discurso do código e da desconstrução); 3) a fotografia como um traço do real (o discurso do índice e da referência). O primeiro corresponde à euforia que se segue à sua invenção e divulgação na França, Inglaterra e nos Estados Unidos, onde seus atributos de precisão, rapidez e suas inúmeras possibilidades de utilização foram amplamente louvadas. A fotografia foi apresentada como um auxiliar precioso para a ciência e para as artes em geral. O potencial da fotografia de repertoriar os recantos mais distantes do mundo auxiliando as expedições científicas, bem como de reproduzir as obras de arte antigas visando ao seu estudo, conferiu-lhe o estatuto de espelho do real. O que se devia, por um lado, à semelhança entre a imagem e seu referente e, por outro, à valorização da sociedade europeia dos princípios técnico-científicos envolvidos na operação fotográfica, que lhe garantiriam ser uma reprodução fiel do mundo. O segundo momento é caracterizado pela denúncia da fotografia como transformação do real. Entre o final do século XIX e início do século XX, apontaram-se a falsa neutralidade e a redução do real produzida pela fotografia. Primeiramente, ela produzia um corte no fluxo do tempo, o congelamento de um instante separado da sucessão dos acontecimentos. Em segundo lugar, ela era um fragmento escolhido pelo fotógrafo através da seleção do tema, dos sujeitos, do entorno, do enquadramento, do sentido, da luminosidade etc. Em terceiro lugar, a fotografia transformava o tridimensional em bidimensional, reduzindo a gama de cores e simulando a profundidade do campo de visão. Além de tudo isso, ela 8 DUBOIS (1993, p ).

14 13 Charles Monteiro também era uma convenção do olhar herdada do Renascimento e da pintura, que seria necessário apreender para poder ver. Ou seja, questionavam-se a exatidão, o realismo e a universalidade desse tipo de imagem. Segundo Dubois, 9 a fotografia se distingue de outros sistemas de representação como a pintura e o desenho (dos ícones), bem como dos sistemas propriamente linguísticos (dos símbolos) enquanto se aparenta muito com o dos signos como a fumaça (índice do fogo), a sombra (alcance), a poeira (depósito do tempo), a cicatriz (marca de um ferimento) e as ruínas (vestígios de algo que esteve ali). Para Dubois, a fotografia seria um índice, pois guardaria um elo físico com o seu referente. Ela seria uma marca deixada pelo rastro de luz emitido ou refletido por um corpo físico (pessoa ou objeto) sobre uma superfície sensível (filme, papel etc.). Essa posição foi questionada, recentemente, por autores como André Rouillé 10 e Mario Costa, 11 que apontam para a importância do processo mecânico e da produção de uma memória da máquina ou dos materiais (película, papel) e não de uma projeção do referente na superfície sensível. Segundo Roland Barthes, em A mensagem fotográfica, 12 a fotografia é uma imagem híbrida, pois construída em parte por um aparelho técnico, que captaria um real puro, e em parte por uma mensagem com conteúdo histórico, social e cultural. A fotografia é uma convenção do olhar e uma linguagem de representação e expressão de um olhar sobre o mundo. Nesse sentido, as imagens são ambíguas (por sua natureza técnica) e passíveis de múltiplas interpretações (em relação ao meio através do qual elas circulam e do olhar que as contempla). Por isso, para a sua interpretação, são necessárias a compreensão e a desconstrução desse olhar fotográfico, através de uma discussão teórico-metodológica, que permita formular problemas históricos e visuais, no sentido de que a dimensão propriamente visual do real possa ser integrada à pesquisa histórica. Assim sendo, passo a inventariar alguns trabalhos que vêm contribuindo para essa discussão teórico-metodológica, que visam incorporar os documentos visuais à pesquisa histórica. Em Fotografia e História, 13 Kossoy aponta para a necessidade de pensar a tríade sujeito (fotógrafo), técnica (equipamento) e assunto (a história do tema abordado). Primeiramente, o historiador deveria procurar informações sobre a atuação profissional do fotógrafo, se possuía um ateliê, qual era a sua clientela, se trabalhava por encomenda para uma empresa ou administração, a classe social a que pertencia, os seus gostos e os preços cobrados. Deveriam se levar em conta 9 DUBOIS (1993, p. 61). 10 ROUILLÉ (2005, p ). 11 COSTA, Mario (2006, p ). 12 BARTHES (1982, p ). 13 KOSSOY (1989).

15 14 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 ainda os filtros culturais e ideológicos de classe do fotógrafo e de sua época. Outra variável diria respeito aos equipamentos e às técnicas empregadas: o tipo de câmara, o tipo de negativo, as lentes, a forma de revelação, os formatos das fotografias etc. Finalmente, o assunto deve ser colocado no seu tempo e gênero específico: retrato, vistas urbanas, cartão-postal, álbum de família, último retrato ou fotorreportagem. Para esse autor, o assunto tem uma lógica própria que extrapola os quadros da imagem fotográfica, sendo necessário, para discutir um determinado tipo de fotografia, compreender o percurso histórico do assunto: seja o das formas de representação do poder da classe dominante, do jogo político ou da cidade. O autor também chama atenção de que a fotografia tem uma primeira realidade ligada ao momento de produção da imagem pelo fotógrafo, e uma segunda realidade ligada à circulação e aos usos posteriores da imagem em contextos sob formas que não foram previstas pelo fotógrafo no momento de produção da imagem. Ou seja, a fotografia em uma fototeca ou acervo iconográfico tem usos e significados muito diversos daqueles para os quais foi produzida pelo fotógrafo no passado, bem como a reutilização de imagens na imprensa, em manuais ou em livros de história agregam ou transformam os significados das imagens a partir de outro contexto de recepção. Essa proposta metodológica de Kossoy é, posteriormente, ampliada no livro Entre realidades e ficções da trama fotográfica, 14 no qual o autor analisa os usos da fotografia em cartões-postais e álbuns de vistas como forma de construção do nacional na fotografia brasileira no século XIX, como no álbum Le Brésil, produzido sob os auspícios do Império para fazer propaganda do país na Exposição Universal de Paris de O seu trabalho precursor foi e continua sendo importante sobre os pioneiros da fotografia no Brasil e as questões relacionadas à utilização, à conservação, à gestão e à interpretação desses acervos fotográficos do século XIX e XX. No entanto, a partir da tradução e publicação no Brasil, nos anos 1980, de autores como Roland Barthes, Susan Sontag, Philippe Dubois, Jean-Marie Schaeffer e Rosalind Krauss entre outros, surge novo contexto de pesquisa histórica, impulsionando investigações a partir da renovação da matriz teórica e da elaboração de novos problemas de pesquisa relativos ao campo visual: história visual, cultura visual e regimes de visualidade. 15 Nos anos 1990, multiplicaram-se as investigações sobre a fotografia e cidade, para refletir sobre o acelerado processo de transformação da paisagem e da sociedade urbana brasileira no século XX. 14 KOSSOY (2002). 15 MENESES (2003, 2005).

16 15 Charles Monteiro A pesquisa de Ana Maria Mauad 16 representa uma nova fase dos estudos sobre cidade e fotografia, pesquisando a construção da visualidade urbana do Rio de Janeiro em revistas ilustradas na primeira metade do século XX. Seu trabalho, além de tratar dos usos privados da fotografia pelo grupo familiar, abordou a fotografia de imprensa a partir das revistas Careta e O Cruzeiro, tendo sido esta última a mais importante e inovadora revista ilustrada brasileira entre as décadas de 1930 e 60. Uma das principais contribuições desse estudo é o tratamento da problemática do espaço na construção de códigos de representação fotográfica do comportamento da sociedade burguesa carioca entre 1900 e Mauad 17 estabeleceu para sua análise das imagens fotográficas cinco categorias espaciais que abrangem tanto o plano do conteúdo quanto o da expressão: o espaço fotográfico, o espaço geográfico, o espaço do objeto, o espaço da figuração e o espaço da vivência. Mauad relacionou e cruzou os padrões técnicos envolvidos na forma de expressão das imagens com os padrões de conteúdo para elaborar a sua interpretação dos códigos de representação social da classe dominante carioca. Esse trabalho sugere uma série de questões sobre a predominância de certas imagens (urbanas, de determinadas zonas da cidade, de determinados grupos sociais, em determinados espaços urbanos, de um gênero sobre outro, de certos objetos a eles associados, as ordenações dos grupos, as poses e os tipos de performances etc.) em detrimento de outras que ficam fora do quadro fotográfico, bem como da forma de fotografar proporcionada por uma técnica e de publicar essas imagens nas páginas das revistas, criando séries e narrativas que enfatizam determinados códigos de representação social de certos grupos urbanos excluindo outros. O livro Fotografia e Cidade, 18 de Solange Ferraz de Lima e Vânia Carneiro de Carvalho, deu uma contribuição significativa aos estudos sobre o tema ao propor uma metodologia própria para a análise icônica e formal das imagens de cidade, no caso de São Paulo, em álbuns de fotografias produzidos entre e A importância desse estudo está no fato de construir uma metodologia voltada para a interpretação dos padrões visuais de representação da cidade, remetendo à análise dos modos específicos de tratamento fotográfico do espaço urbano. Os descritores icônicos (relativos aos conteúdos e espaços das fotografias) são agrupados a partir de um vocabulário controlado em: tipologias do espaço; localização; tipologia urbana; abrangência espacial; acidentes naturais/vegetação; infraestrutura/processos/serviços; infraestrutura/comunicações; infraestrutura/ mobiliário urbano; infraestrutura/paisagismo; estrutura/funções arquitetônicas; elementos móveis/ gênero/idade; elementos móveis/personagem/categoria; 16 MAUAD (1990, 2004, 2005, 2006, 2008). 17 MAUAD (2004, p ). 18 LIMA e CARVALHO (1997).

17 16 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 elementos móveis/personagens; elementos móveis/transportes; atividade agrícola; atividade urbana; temporalidade. Os descritores formais (relativos à técnica, à forma e aos códigos de expressão) são agrupados a partir das categorias: enquadramento; arranjo; articulação dos planos; efeitos; e estrutura. O cruzamento dos percentuais de recorrência das imagens fotográficas enquadradas nos descritores icônicos confrontadas com a recorrência dos descritores formais permitiu às autoras estabelecerem uma tipologia de oito padrões fotográficos predominantes nesses álbuns: retrato; circulação urbana; figurista; diversidade; coexistência; intensidade; mudança; e paisagístico. As autoras puderam chegar a uma série de conclusões a partir da verificação da maior incidência de determinados padrões em cada um dos períodos, como a predominância do padrão circulação na virada do século XIX para o XX, relacionada à racionalização do espaço urbano, e o padrão retrato nos anos 1950, relacionado à tipificação do trabalho e à mercantilização do espaço urbano, bem como refletir a partir das imagens sobre a construção da diferenciação/indiferenciação social na metrópole capitalista. Esse trabalho permite problematizar a forma como foram construídos os padrões de visualidade urbana nas imagens fotográficas dos álbuns da cidade de São Paulo nos anos de e Mais recentemente, no texto Rumo a uma História Visual, Meneses propõe que o estudo desse campo se realize a partir da reflexão sobre três domínios complementares: o visual, o visível e a visão. 19 O domínio do visual compreenderia os sistemas de comunicação visual e os ambientes visuais, bem como os suportes institucionais dos sistemas visuais, as condições técnicas, sociais e culturais de produção, circulação, consumo e ação dos recursos e produtos visuais, para poder circunscrever a iconosfera, isto é, o conjunto de imagens-guia de um grupo social ou de uma sociedade num dado momento e com o qual ela interage. 20 Para o autor, o domínio do visível e do invisível situa-se na esfera do poder e do controle social, do ver e ser visto, do dar-se a ver ou não dar-se a ver, da visibilidade e da invisibilidade. Já a visão compreende os instrumentos e técnicas de observação, o observador e seus papéis, os modelos e modalidades do olhar de uma época. 21 A pesquisa em tela orientou-se pelas questões teóricas mais amplas propostas por Meneses sobre a relação entre visual, visível/invisível e visão e serviu-se das propostas metodológicas de Mauad e Lima & Carneiro para interpretar as fotografias na elaboração do novo padrão de visualidade urbano nos anos de 1950, a partir do estudo de caso de Porto Alegre. 19 MENESES (2005, p ). 20 Idem, Ib. p Idem, Ib. p. 38.

18 17 Charles Monteiro Fotografia e Cultura Visual em Porto Alegre entre 1940 e 1960 No Brasil, a partir dos anos 1940, a fotografia passa por um processo de difusão e expansão através do aperfeiçoamento das técnicas de edição e de reprodução de imagens fotográficas, bem como de modernização através do trabalho de experimentação nos fotocineclubes de São Paulo, Recife e Porto Alegre, entre outros. Durante a Segunda Guerra Mundial, a fotografia se tornou uma forma importante de informar e mobilizar a população através de sua veiculação em jornais e revistas ilustradas. Os fotógrafos passam a se organizar em associações e sindicatos visando ao reconhecimento e à valorização do seu trabalho. Câmaras mais portáteis como a Rolleiflex, com negativos de 120 mm e 6 x 6 cm, e a Leica, com filmes de 35 mm, com películas mais sensíveis, além de objetivas e flash permitiram o avanço da foto instantânea (sobretudo no fotojornalismo) e a presença mais dinâmica do fotógrafo no espaço público, para documentar e informar a modernização dos espaços urbanos, das formas de sociabilidade e os movimentos políticos. A tradição de edição de álbuns fotográficos com vistas da cidade inaugurada no século XIX prolonga-se no século XX visando fixar a memória da velha Porto Alegre frente às rápidas mudanças em curso na paisagem urbana, decorrentes do processo de modernização e verticalização da cidade. Em 1941, um ano após as comemorações dos 200 anos de colonização de Porto Alegre, foi editada a obra comemorativa Porto Alegre: Biografia da Cidade. O livro, de grandes proporções (37 x 27 cm e 664 páginas) e ricamente ilustrado, apresenta duas séries de fotografias com histórias visuais sobre o passado ( ) e presente (final dos anos 1930 e 1940) da cidade. A seção A vida na velha Porto Alegre: Reminiscências Gráficas, referente ao século XIX, apresenta imagens de Calegari e outros fotógrafos, destacando as formas de sociabilidade das elites e camadas médias (footing, carnaval, exposições), o trabalho (através de tipos populares como o aguateiro e os acendedores de lampião), as formas de transporte ao longo do tempo e certos aspectos pitorescos da velha cidade. A seção Excursão caleidoscópica através da cidade apresenta imagens de grande formato dos principais prédios públicos, igrejas e praças da cidade, apontando para uma visão oficial, turística, higienista e pitoresca da cidade. O livro tinha o duplo objetivo de legitimar a gestão do Prefeito Loureiro da Silva e projetar suas realizações para o futuro, construindo a memória de uma cidade que se modernizava a passos rápidos. Como nos jornais e nas revistas ilustradas, fotos destacavam as novas práticas políticas do Estado Novo com os seus desfiles cívicos, educação cívica e eventos esportivos, que visavam à educação do corpo para o trabalho, preparação para a guerra e purificação da nação.

19 18 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 O fotojornalismo conheceu o seu auge nos anos 1950 com novas narrativas fotográficas série de imagens de tamanhos variados que contam uma história visual ocupando cada vez mais lugar nas páginas dos jornais e revistas. A Revista do Globo, os jornais A Hora e Última Hora estão na vanguarda desse processo no âmbito local. No plano formal, multiplicam-se as fotos aéreas, a fotorreportagem, a foto de publicidade e as fotos instantâneas de grandes manifestações políticas, bem como inovações na composição e no uso da luz. A cultura visual está marcada pela introdução da televisão no final da década de 1950 e pelo período áureo dos filmes hollywoodianos, apresentados no formato cinemascope nas grandes salas de cinemas de calçada do centro da cidade e nos bairros. Os fotógrafos passam a ser mais valorizados nas revistas ilustradas e a terem seus nomes mencionados como autores das imagens. Em Porto Alegre, Leo Guerreiro, Pedro Flores e Sioma Breitman se destacam no fotojornalismo, na fotografia de publicidade e na produção de retratos em estúdio. Leo Guerreiro é autor de famosas vistas aéreas da cidade, que acompanham o processo de modernização e verticalização da área central. Muitas dessas fotos também eram ampliadas, tornando-se painéis e comercializadas para decorar escritórios e casas comerciais. O fotojornalismo vai privilegiar a mobilização política envolvendo o processo de discussão sobre nacionalização do subsolo, a estatização de empresas de energia e transporte públicos. Nesse período ocorreu a irrupção das massas na cena urbana, ora como ator ora como coadjuvante dos processos políticos. Em 24 de agosto de 1954, a morte de Getúlio Vargas constitui-se em um momento significativo de mobilização e utilização da rua como espaço político. A fotografia de imprensa perpetuou os conflitos e as depredações no centro da cidade de Porto Alegre. As fotos desse período, produzidas pela Assessoria de Imprensa do Palácio Piratini (Acervo do Setor de Fotografia do Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa), representam os governadores em plena ação, visitando e inaugurando obras, recebendo delegações de políticos ou lideranças dos movimentos sociais. O populismo transformou algumas fotografias em imagens de culto ao poder político. Na segunda metade dos anos 1950, a Assessoria de Imprensa e o serviço fotográfico do Palácio Piratini crescem em importância e ocorre um salto no número de fotografias e na forma de documentação das ações dos governadores e secretários de Estado. Alguns fotojornalistas trabalhavam simultaneamente para a Revista do Globo e para repartições públicas (Secretaria de Educação e Secretaria de Agricultura), como nos casos de Pedro Flores e Léo Guerreiro. No início da década de 1960, foram as imagens da Campanha da Legalidade que marcaram uma nova postura através do uso consciente e maciço dos meios de

20 19 Charles Monteiro comunicação (jornal e rádio) na mobilização popular. O Palácio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul foi transformado em quartel-general da resistência e centro de difusão de notícias. Por um lado, acelera-se a migração do campo para a cidade, e surgem as vilas populares. Começam a aparecer as imagens da desigualdade social através da documentação da remoção de vilas populares como a Vila Dique. Por outro lado, o processo de modernização urbana ganhava visibilidade através das imagens de grandes obras públicas (Ponte do Guaíba, Aeroporto Salgado Filho) e da abertura de novas avenidas, bem como da construção de escolas (como as chamadas brizoletas, em madeira). A realização de um levantamento fotográfico aéreo e terrestre aponta tanto para o processo de expansão da malha urbana em direção ao sul e ao norte da cidade quanto para o uso da imagem fotográfica para gestão do espaço urbano (aterros, expansão da malha urbana, crescimento de vilas etc.). A modernização da grande imprensa nos anos 1950 O período também foi marcado pela modernização da grande imprensa 22 nos principais centros urbanos (especialmente nas capitais), dominada por alguns grupos proprietários de jornais e rádios, que passaram a monopolizar o setor de comunicação. Observa-se, por um lado, a expansão nesses periódicos do espaço destinado à publicidade e aos classificados, bem como a ampliação do número de leitores, que favoreceu uma série de inovações na editoração e na diagramação, o que permitiu a utilização cada vez maior de fotografias. Por outro lado, esses veículos não estavam totalmente livres do jogo político-partidário e da dependência da propaganda institucional de governos estaduais e do federal. As revistas ilustradas formavam um segmento diferenciado visando a um público de maior poder aquisitivo, construindo as matérias sob um ângulo novo, da tomada de opinião e não exatamente do imediato. Elas desempenham toda uma nova pedagogia social sobre as elites vindas do campo, as camadas médias provenientes das pequenas cidades do interior e para os próprios habitantes das capitais em processo de expansão e transformação do espaço urbano. A revista O Cruzeiro, Revista do Globo e a Manchete se destacam como os veículos de comunicação impressos mais modernos, no sentido de construírem um novo tipo de reportagem e de narrativa baseada no uso da fotografia. 23 As revistas buscavam assuntos polêmicos para mobilizar a atenção do público leitor. Eram meios híbridos que mesclavam uma variedade de temas 22 Cf. RIBEIRO (2003), GRANDI (2005). 23 MUNTEAL e GRANDI (2005, p ).

21 20 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 desde política internacional, política nacional, artes, vida social, cotidiano, esportes, variedades e publicidade buscando equilibrar informação, formação de opinião e entretenimento. 24 As revistas trabalhavam com polaridades como nós e os outros, 25 presente e passado, tradição e modernidade etc., seguidamente propondo uma abordagem sensacionalista dos acontecimentos. Através de imagens e palavras, as revistas construíram representações sociais, agregando novidade e promovendo consenso sobre determinados significados sociais. Quanto menor a competência na decifração dos códigos verbais, maior a importância das imagens fotográficas que ocupavam a maior parte do espaço das páginas. As fotorreportagens construíram uma imagem da cidade em processo de mudança para o consumo das elites e das camadas médias, bem como uma imagem dos novos sujeitos urbanos que chegam à cidade: os outros. Uma cidade cada vez maior e difícil de abarcar pelo olhar humano, que necessitava da mediação dos meios de comunicação para promover a compreensão e a legitimação das mudanças na paisagem urbana em um tempo cada vez mais acelerado. Ao congelar fragmentos de temporalidade, a fotografia permitiu condensar e recriar a nova imagem das cidades brasileiras em processo de mutação: a destruição de espaços tradicionais e a criação de espaços modernos submetidos à lógica da sociedade de consumo. Ou seja, a fotografia nas revistas ilustradas e, em especial, as fotorreportagens davam a ver a cidade, promovendo uma reeducação do olhar, sintetizando e ressignificando esse processo de expansão horizontal e vertical urbana. Permitiram, também, a difusão de toda uma nova cultura urbana, com novos parâmetros de sociabilidade, de civilidade e de consumo, que passariam ser almejados e buscados pelos leitores desses periódicos, ávidos em participar da modernidade urbana. O estatuto da imagem fotográfica que predominava nas revistas ilustradas era o da cópia da realidade e de documento verídico, que procurava apresentar como objetiva e verdadeira a interpretação dos fatos abordados. As revistas ilustradas, através das fotorreportagens, visavam ensinar uma nova maneira de ver, que tanto entretinha e deleitava quanto cumpria a tarefa de informar e difundir uma nova imagem moderna da cidade e da cultura urbana entre as camadas médias da população brasileira. Segundo Costa, a fotorreportagem é uma narrativa que resulta da conjugação de texto e imagem, ou seja, de duas estruturas narrativas totalmente distintas e independentes, dentro de uma armação própria realizada pela edição. 26 De forma geral, as fotorreportagens iniciavam-se com uma fotografia de página inteira ou página dupla, uma imagem síntese do tema, que visava mobilizar 24 COSTA (1992, p ). 25 BAITZ (2003). 26 COSTA (1992, p. 58), SOUSA (2004).

22 21 Charles Monteiro emocionalmente o leitor acerca da matéria. Compreender a relação entre imagem e texto é importante no sentido de compreender como este disciplina a leitura daquela. O título e uma legenda sobreposta à fotografia de grande formato completavam o apelo à atenção do leitor. Seguia-se uma sequência de cerca de 8 a 12 fotos, formando uma narrativa ao redor do tema principal. Pequenos textos e subtítulo auxiliavam na urdidura da trama e na construção dessa narrativa visual, direcionando a atenção do leitor para determinados aspectos da realidade abordada nas fotos. A Revista do Globo foi o periódico ilustrado quinzenal mais duradouro e de maior tiragem produzido no Rio Grande do Sul, entre 1930 e Tendo sido criada em 1929, torna-se um veículo de comunicação influente na imprensa regional, com um projeto gráfico e editorial arrojado para o período. Nos anos 1950, a Revista do Globo disputava espaço com outras revistas de tiragem nacional como O Cruzeiro e Manchete. Todas elas se inspiravam de alguma forma no modelo americano fornecido pela Life, publicando fotorreportagens com tom sensacionalista, misturadas a artigos de entretenimento, resenhas de obras literárias, publicação de contos, de poesias e notas sobre a vida social das elites da capital e das principais cidades do estado. De forma geral, uma edição possuía cerca de 100 páginas e estava dividida entre as seções: Reportagens, Assuntos Gerais, Literatura, Cinema e Passatempo. As Reportagens abordavam assuntos internacionais, nacionais e locais, entremeados de publicidade e crônica social, visando dar maior leveza à leitura da revista. As fotorreportagens da Revista do Globo iniciavam-se geralmente com uma fotografia de página inteira ou página dupla, que era uma imagem síntese do tema e visava mobilizar emocionalmente a atenção do leitor sobre a matéria. 27 Compreender a relação entre imagem e texto é importante no sentido de compreender como este disciplina a leitura daquela. O título e uma legenda sobrepostos à fotografia de grande formato procuravam capturar a atenção do leitor. Seguia-se uma sequência de cerca de 6 a 12 fotos formando uma narrativa ao redor do tema principal. Pequenos textos e subtítulo auxiliavam na construção dessa narrativa visual. Na Revista do Globo, três fotógrafos contratados produziram o maior número das fotorreportagens dos anos 1950: Pedro Flores, Léo Guerreiro e Thales de Farias. Os nomes desses fotógrafos começaram a aparecer abaixo do título como coautores dessas fotorreportagens. O trabalho deles era complementado por outros fotógrafos free lancers e por imagens compradas de agências de informação e de outras revistas. Entre as 256 edições da Revista do Globo publicadas entre 1950 e 1960, foi possível identificar 184 fotorreportagens que tratavam da cidade de Porto Alegre pelo levantamento realizado. Essas fotorreportagens abordavam questões relativas ao processo de modernização do espaço urbano (verticalização, obras públicas e 27 COSTA (1992, p ).

23 22 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 privadas), as novas formas de sociabilidade públicas (muitas dessas ligadas aos novos padrões de consumo), os novos equipamentos culturais, problemas de segurança pública, de habitação, de transportes e, também, de política municipal. A revista valorizava o processo de modernização e também abordava alguns dos problemas urbanos de Porto Alegre. Pode-se dividir a década de 1950 em duas metades. Na primeira metade, observa-se a formulação dessa nova visualidade urbana moderna, mas ainda com a presença de imagens das contradições sociais e dos problemas urbanos: a falta de habitações, de energia, de água tratada, de esgotos, de hospitais, bem como os vendedores ambulantes (camelôs), os acidentes de automóveis, as filas de ônibus etc. Na segunda metade dos anos 1950, a revista se engaja no projeto e discurso desenvolvimentista da administração do Presidente Juscelino Kubitschek ( ), de realizar 50 anos em 5, e passou a privilegiar o processo de transformação e modernização da sociedade e do espaço urbano, deixando em segundo plano as críticas e as contradições que acompanhavam esse processo. Passa-se, então, à análise de algumas das fotorreportagens sobre a elaboração da nova visualidade urbana. A construção de uma nova visualidade urbana moderna de Porto Alegre A fotorreportagem Marco Inicial, 28 de 3 de fevereiro de 1951, trata da construção, pelo Instituto de Assistência e Aposentadorias do Comerciários (IAPC), de um conjunto de 250 casas que formariam a Vila dos Comerciários na zona sul de Porto Alegre (bairro Tristeza). A fotorreportagem tem quatro páginas e oito fotografias; o formato predominante é o retângulo horizontal (seis fotografias) e de tamanho médio (quatro fotografias); sendo cinco fotos internas e apenas três externas; cinco fotos posadas e três instantâneos; cinco fotos pontuais e três parciais. As linhas são bem definidas e há boa iluminação tanto nas fotos externas quanto nas internas, realçando o efeito de realismo das fotos. 28 Marco Inicial, Revista do Globo, n. 527, 2/3/1951, p , 79.

24 23 Charles Monteiro Fonte: Marco inicial, Revista do Globo, n. 527, 1951, p. 61 (esquerda), 62 (centro), 63 (direita.). A fotorreportagem se inicia com uma foto instantânea de grande formato (1/2 página), com a imagem enquadrando, em primeiro plano, o quintal de uma casa com terra, materiais de construção e um muro; em segundo plano, um grupo grande de pessoas em fila (a comitiva do Governador do Estado do Rio Grande do Sul, Walter Só Jobim, e do Presidente do IAPC, Remy Archer); em terceiro plano, observa-se a rua que se estende em diagonal, um automóvel, uma calçada e um conjunto de casas (algumas ainda em construção). O efeito de dinamismo é dado pelas pessoas em movimento (a maioria homens em idade produtiva, entre os 30 e 50 anos), a casa em construção e a linha diagonal formada pelo muro, pela rua, pelos postes e pelas casas. A narrativa segue com uma foto posada de tamanho pequeno, de formato quadrado, representando o ato solene de inauguração com a presença do Prefeito, do Governador e do Bispo Metropolitano. Seguem-se, nas duas páginas seguintes (p. 61, 62), seis fotos que completam a narrativa a partir dessa fotomanchete. Três delas apresentam os novos equipamentos de atendimento médico, fisioterápico e odontológico do IPAC. Fotos de interior e planos pontuais que não permitem localizar o local no espaço urbano. Pela leitura do texto, descobre-se que esses equipamentos se encontram em outro local, no centro da cidade.

25 24 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 Em foto de tamanho médio (p. 61), apresentam-se as prováveis pessoas beneficiadas pela construção das casas e pelos serviços médicos: funcionárias do comércio de Porto Alegre. Trata-se de uma foto posada do interior de uma residência, destacam-se a elegância da roupa das mulheres (vestidos e adornos) e a decoração da casa (com cortinas e abajur de pé). Apesar de o texto referir-se à classe trabalhadora, observa-se que o grupo retratado pertence às camadas médias urbanas. Na página seguinte, mais uma fotografia com o Governador em primeiro plano e uma casa recém-construída em segundo plano, mais ao alto. Ou seja, as fotografias editadas associam a construção das casas às autoridades públicas e apresentam os trabalhadores do comércio que iriam usufruir de casas modernas, com todo o conforto, em um bairro novo e moderno, além de atendimento médico. A última imagem da fotorreportagem constrói a oposição ao enquadrar em primeiro plano uma mulher que lava roupa ao ar livre ao lado de um forno a lenha de campanha representando o antigo, o rural e o tradicional e, em segundo plano, o conjunto de casas recém-construídas e em construção da nova Vila dos Comerciários, que se perdem na linha do horizonte representando o presente, o urbano e o moderno. Observa-se a construção da imagem de um governo que se associa aos Institutos de Previdência para enfrentar o problema da falta de habitação, através da construção de 250 casas das previstas, que atenderiam cerca de pessoas. Essa reportagem deve ser relacionada, por um lado, a outras que abordam a construção da Vila do Instituto de Aposentadoria e Previdência dos Industriários (IAPI) e de edifícios por empresas de engenharia e construção, entre 1950 e 1954, e, por outro, às reportagens que tratam do problema da habitação em Porto Alegre e do surgimento de vilas irregulares de casas autoconstruídas. Ou seja, ao longo da década, a Revista do Globo aborda problemas urbanos e também coloca em destaque a ação das autoridades e administrações na resolução desses problemas. A dramaticidade e a amplitude do problema da habitação estão associadas às migrações decorrentes da aceleração do movimento do campo para a cidade, à expansão territorial urbana sobre antigos espaços rurais e semirrurais (com a ocupação ilegal de terrenos ou loteamento de chácaras, saneamento de várzeas e realização de aterros ao redor da cidade) e à abertura de novas avenidas de ligação entre os bairros. Daí também a ênfase das reportagens sobre o processo de verticalização do centro da cidade, através da construção de edifícios de alto gabarito (de 10 andares ou mais). Esse é o caso da fotorreportagem Porto Alegre cresce para o céu e para o rio, 29 com fotos de Thales Farias. O processo de modernização é o tema central abordado, a partir de fotos de grande formato, com tomadas fechadas do centro da 29 CARNEIRO, Flávio; FARIAS, Thales. Porto Alegre cresce para o céu e para o rio. Revista do Globo, 1958, nº 722, p

26 25 Charles Monteiro cidade, colocando em destaque os novos edifícios (verticalização), as grandes obras públicas da Avenida Beira-Rio (expansão do perímetro urbano) e da Ponte sobre o Guaíba (nova escala de construções e ligação entre o sul rural e o norte urbano do estado). O que é enfatizado pelo título e pelo subtítulo da fotorreportagem: Construções civis: recorde no Brasil e duas obras grandiosas. São 10 fotos de meia página, com o predomínio do formato retangular vertical. As três primeiras fotos que abrem a fotorreportagem apontam para a verticalização, a expansão da área urbana e a monumentalização das construções e obras públicas no espaço urbano. Enfatiza-se a imagem de uma cidade em construção, em movimento, afirmando o significado dinâmico do trabalho e da circulação pelas novas avenidas. A presença do leito de ruas ou avenidas em primeiro plano, em quatro fotografias, orienta o caminho do olhar e constrói o significado de circulação urbana associado ao movimento de automóveis e pessoas. Em seis das oito fotos são representadas construções inacabadas, entre elas duas fotos de prédios recém-construídos. Linhas bem definidas, contrastes de tons, a luminosidade direta e fotos tiradas no sentido ascensional enfatizam os efeitos de verticalização e monumentalidade desses prédios de alto gabarito em construção. Fonte: CARNEIRO, Flávio; FARIAS, Thales. Porto Alegre cresce para o céu e para o rio. Revista do Globo, 1958, nº 722, p

27 26 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 A legenda da terceira página afirmava: Porto Alegre, 1958: recorde brasileiro de construções. O texto ensaia uma explicação para essa febre de construções : o aumento vertiginoso nada tem de influências políticas, mas é tão somente a ação de capitais particulares, pois, com a desvalorização constante do cruzeiro, o negócio mais rendoso e seguro ainda continua sendo o imobiliário. O dinamismo do processo de transformação do espaço urbano é atribuído ao empreendedorismo de investidores privados e à especulação imobiliária. Mas talvez o melhor exemplo desse engajamento da Revista do Globo em dar publicidade a esse projeto de modernidade urbana seja a fotorreportagem Porto Alegre via aérea, 1959, 30 de sete páginas, com fotos de Thales Farias. Ela está composta por seis fotos, quatro delas de grande formato retangular e duas de ¼ de página. Ela começa com uma foto aérea parcial do centro da cidade ocupando duas páginas. O sentido diagonal sugerido ao olhar pela foto enfatizava o processo de verticalização do centro e como que a passagem do passado (representado pelos prédios baixos em primeiro plano) para o presente (representado pelos edifícios de grande gabarito, em segundo plano e destacados pela luminosidade natural). Na página seguinte, outra foto aérea do centro da cidade com a legenda dentro de alguns anos, a cidade não terá mais prédios velhos sugere percurso semelhante para o olhar visando ao mesmo efeito. Fonte: CARNEIRO, Flávio; FARIAS, T. Porto Alegre via aérea, Revista do Globo, 1959, nº 742, p CARNEIRO, Flávio; FARIAS, T. Porto Alegre via aérea, Revista do Globo, 1959, nº 742, p

28 27 Charles Monteiro Percebe-se que estava claramente engajada no projeto político das elites dirigentes de modernização social. A forma como a Revista do Globo publicava fotografias panorâmicas do centro da cidade, com planos fechados sobre as áreas mais centrais de Porto Alegre, visava exaltar o ideário de modernidade. Enquanto os textos difundiam todo um conjunto de ideias e valores que visavam educar as camadas médias urbanas, que eram as principais consumidoras da Revista para a concretização da utopia da cidade moderna numa verdadeira pedagogia social, as imagens elaboravam esse processo de mudanças e desenraizamento social de uma forma positiva. Mas não há somente publicidade da modernização ou a venda de uma imagem da cidade para consumo dos leitores de classe média na Revista do Globo. Ela também cumpria o papel de apontar os dilemas que a cidade enfrentava e deveria mobilizar a opinião pública e a vontade das administrações, municipal e estadual, para a sua resolução. As imagens dos problemas urbanos da cidade moderna: descontextualização, despolitização e busca da superação através da denúncia A fotorreportagem Bairro sem rua nem terra nem destino 31 aborda a transformação da antiga Doca dos Laranjeiros, na zona norte da cidade. Ela possui quatro páginas e 10 fotos. As laterais das páginas são ocupadas por publicidade. As fotos são todas externas, diurnas e com iluminação natural; linhas e contornos bem definidos; sendo uma de tamanho grande, duas de tamanho médio e seis pequenas; seis de formato quadrado e quatro de formato retangular; oito instantâneas e duas posadas; quatro fotos com abrangência parcial, tendo como referência o Guaíba, e seis pontuais, nas quais não é possível reconhecer o espaço urbano. 31 Bairro sem rua nem terra nem destino, Revista do Globo, 30/9/1950, p

29 28 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 Fonte: Bairro sem rua nem terra nem destino, Revista do Globo, 30/9/1950, p A primeira foto da reportagem de tamanho grande coloca, em primeiro plano, tábuas, laranjas e lixo espalhados pelo chão, varais de roupa secando. Em segundo plano, uma mulher adulta parece trabalhar (talvez ela seja uma lavadeira) em frente a um barraco de madeira. Na sequência, mais quatro fotos pequenas aprofundam o tema: uma criança tirando uma rede de um barco, tendo ao lado um porco comendo; uma mulher cortando lenha com um grande machado, com um varal de roupas e uma casa em segundo plano; crianças mexendo com madeiras, tendo um barco e um telhado ao fundo; um homem com roupas esfarrapadas carregando um saco nas costas. Todas as imagens apontam para a desordem, a sujeira e a precariedade do local e das condições de vida de seus moradores (material das habitações, roupas, convívio entre crianças e animais etc.). Apesar de visualizarmos água em uma das imagens, os enquadramentos mais fechados não permitem localizar de forma segura esse lugar no espaço urbano, promovendo a fragmentação e a segregação do lugar e de seus habitantes do conjunto da cidade. É o texto e as legendas que precisam ao leitor tratar-se das margens do Guaíba na zona norte da cidade. O texto também faz uma comparação entre a paisagem bucólica da praia de areias brancas, onde no passado passeavam os namorados e alguns barcos descarregavam laranjas, e o presente, caracterizado pelos cortiços, pelas casas flutuantes e pela população miserável que mora no local. O poder público não teria conseguido impedir a formação de outro bairro clandestino entre tantas vilas de lama

30 29 Charles Monteiro na cidade. Porém, o texto também alerta que o bairro estava com os dias contatos diante do projeto de aterro e construção do novo cais da zona norte (Bairro Navegantes). Essa é uma das poucas reportagens que apontam para o problema da expulsão dos moradores de uma área em decorrência da realização de grandes obras urbanas pelo poder público. Entretanto, o texto e as fotografias da reportagem promovem a estigmatização e a segregação desses sujeitos chamados de curiosa mistura de trabalhadores, mendigos e malandros associando-os à sujeira, à degradação e a um estado primitivo de vida social (falta de saneamento, escola, assistência médica etc.). Tudo o que aqui falta reaparece no ano seguinte nos projetos habitacionais da Vila dos Comerciários e na Vila IAPI, visando dar aos trabalhadores todos os confortos e as comodidades da vida em habitações higiênicas e modernas com aluguéis módicos. A fotorreportagem Amarelou o sorriso da cidade, 32 com texto de Joseph Zukauska e fotos de Pedro Flores e Wilson Cavalheiro, amplia o elenco dos problemas urbanos falta de água, de luz, de transporte e de moradia através de uma série de 15 fotos, a maioria de pequeno formato. As fotografias que acompanham o texto apontam para a contradição entre os altos e modernos edifícios do centro da cidade e as malocas nas vilas populares da periferia de Porto Alegre. Porém, o sentido das fotos, sugerido pela leitura da esquerda para a direita, parece sugerir a sua superação por obras que estavam em curso na cidade. Fonte: ZUKAUSKA, Joseph; FLORES, Pedro, CAVALHEIRO, Wilson. Amarelou o sorriso da cidade. Revista do Globo, 1954, nº 607, pp ZUKAUSKA, Joseph; FLORES, Pedro, CAVALHEIRO, Wilson. Amarelou o sorriso da cidade. Revista do Globo, 1954, nº 607, pp

31 30 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 As razões arroladas para essa crise seriam a modernização no campo e a falta de amparo ao trabalhador rural, que agiriam como fatores de expulsão do homem do campo. De outro lado, os motivos de atração de migrantes para a capital seriam a busca de trabalho na indústria, melhores salários, direitos trabalhistas, serviço de saúde e educação para os filhos. Nessa fotorreportagem, na página 50, a revista coloca lado a lado um alto edifício em construção e a casa de madeira de uma vila à beira do Guaíba. O subtítulo acima da página afirma: Uma cidade de zinco e trapos dentro da outra, e na legenda afirma-se: De 51 a 53, a população marginal duplicou, por que não só quem casa quer casa. Os que vêm do interior para trabalhar na capital, também dela necessitam. A metade da população de uma vila de malocas é dada como catarinense (idem, p. 50). Logo, a culpa dos problemas urbanos era atribuída aos migrantes e aos sujeitos que vêm de fora da cidade, às vezes, até mesmo de fora do estado. Ou seja, a culpa era dos não cidadãos, dos próprios excluídos e não da falta de planejamento e de políticas públicas adequadas. No que se refere às representações da cidade nas revistas ilustradas nos anos de 1950, observa-se que os recortes do espaço, dos temas e das formas de construir a narrativa apontam para um processo de construção de determinados sentidos, através de uma nova visualidade urbana. As fotos são diurnas, com luminosidade natural, e com uma definição clara de linhas. Algumas fotografias apresentam três planos e uma grande profundidade de campo. O espaço geográfico destacado é o espaço urbano, o centro, que passa a representar muitas vezes toda a cidade (como uma metonímia, ou seja, a parte pelo todo), excluindo do quadro fotográfico as vilas e periferias da cidade. Por sua vez, as imagens do centro da cidade privilegiam os espaços públicos com ângulos abertos sobre as principais ruas e avenidas, por vezes no sentido ascensional, destacando o processo de verticalização da cidade através da construção de prédios de alto gabarito e, noutras, descensional (áreas) através de fotos panorâmicas que davam a ver a expansão da área central. O que se destaca no espaço dos objetos são os prédios de alto gabarito, com mais 10 andares, os principais edifícios públicos e privados (comerciais e residenciais) do centro da cidade e as grandes obras públicas (federais e estaduais), que ajudavam a construir a percepção de uma nova escala monumental de crescimento, de verticalização e os significados de produtividade urbana. Mas também os automóveis, que ajudam a dar uma noção da escala dos edifícios e a construir significados de modernidade urbana. O espaço de figuração é monopolizado pela circulação de carros, ônibus e pessoas no centro, principalmente de homens adultos em idade produtiva, que

32 31 Charles Monteiro coloca em destaque os significados sociais relativos ao trabalho e ao consumo de bens e serviços urbanos. As pessoas são representadas em vistas parciais do centro, de longe, não permitindo sua identificação individual, em movimento, circulando, trabalhando e comprando. Apontando assim para o transeunte anônimo, produtor e consumidor dos espaços, produtos e serviços urbanos. Os prédios de alto gabarito são enquadrados em segundo plano, indicando que essas pessoas vivem, trabalham ou consomem produtos nesses prédios modernos. O espaço de vivência é o espaço urbano ordenado, planificado, racionalizado e produtivo da cidade moderna, com seus fluxos incessantes de trabalho e consumo, com uma nova temporalidade urbana caracterizada pela velocidade acelerada de circulação de pessoas e automóveis no centro da cidade. Passa-se a refletir sobre a construção da imagem dos outros sujeitos urbanos, aqui particularmente representados pelos jovens e pelas crianças em situação de rua. Esses outros não eram considerados como cidadãos-construtores da cidade moderna e constituíam o avesso da nova ordem no processo de elaboração de um novo padrão de visualidade do espaço urbano nas fotorreportagens sobre a cidade de Porto Alegre na Revista do Globo nos anos de As fotografias participavam do projeto de construção da visualidade urbana e do processo de inclusão e legitimação da ação de certos atores e grupos sociais, bem como da exclusão e estigmatização da ação e presença de outros sujeitos e grupos sociais no espaço urbano em processo de modernização. As fotografias ajudavam a dar visibilidade, davam a ver certos grupos e práticas sociais, bem como construíam hierarquias e diferenças sociais. O processo de construção de identidades ou de identificações sociais, bem como do seu oposto, a alteridade e a exclusão, aparece ora de forma camuflada ora de forma clara e plasmada em certos sujeitos e grupos sociais. Conforme Woodward, os discursos e os sistemas de representação constroem lugares a partir dos quais os indivíduos podem se posicionar e a partir dos quais podem falar. 33 A elaboração da imagem dos outros sujeitos urbanos na cidade moderna: estigmatização, segregação e sua integração forçada na sociedade urbana moderna Passa-se agora a analisar uma série de três fotorreportagens que elaboram a representação social dos outros sujeitos urbanos na Revista do Globo nos anos O estatuto destas imagens fotográficas lembra as fotografias de identificação do projeto de modernização e ordenação social do final do século XIX, paralelo à ascensão da 33 WOODWARD (2000, p. 17).

33 32 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 burguesia, que elaboraria seus retratos em estúdios na forma de romances. 34 A primeira delas é Porto Alegre: uma cidade entregue aos ladrões, de 21 de fevereiro de 1953, 35 com três páginas e oito fotografias em P&B. A fotografia de abertura da fotorreportagem é de grande formato, no sentido horizontal, e ocupa a metade da primeira página. Fonte: TAJES, T.; FLORES, P.; CAVALHEIRO, W. Porto Alegre: Uma cidade entregue aos ladrões. Revista do Globo, 1953, n. 580, p. 60, 61. Nessa primeira imagem são representadas seis crianças descalças e sentadas sobre os paralelepípedos da rua (um trilho de bonde é visível no canto direito) em uma roda. Três delas encontram-se de costas e usam chapéus, uma delas está de perfil e outras duas de frente para a câmara, mas não podemos ver seus rostos. Três delas são negras e uma delas tem cabelo claro. 34 Sobre esse tema, ver os excelentes trabalhos de FABRIS (2004, p ); bem como o estudo sobre o mesmo processo de identificação dos criminosos e prostitutas no México de DEBROISE (2005, p ); além de dois ensaios sobre o nascimento da fotografia de documentação social em Leeds na Inglaterra no séc. XIX e no Administration Secutity Farm nos Estados Unidos dos anos 1930 em TAGG (2005, p ; ). 35 TAJES, T.; FLORES, P.; CAVALHEIRO, W. Porto Alegre: Uma cidade entregue aos ladrões. Revista do Globo, 1953, n. 580, p. 60, 61, 66.

34 33 Charles Monteiro Elas parecem conversar ou jogar, pois estão todas olhando para o centro da roda. A fotografia em P&B, tirada de cima para baixo, ao nível dos olhos de um adulto, com luz forte do meio dia, salienta os contornos e os volumes. Ao pé da página, três pequenas fotografias no estilo retrato de meio-corpo e de formato retangular vertical apresentam três homens de terno e gravata, sentados em fotos de interior. O primeiro deles está sentado, com apenas ¾ de seu corpo aparecendo na foto; o segundo está de perfil, sentado, falando ao telefone. O terceiro está de frente, tendo ao fundo uma parede neutra. Em uma delas, a fotografia central, é possível identificar que o local é um escritório, pois o homem está sentado atrás de uma escrivaninha e fala ao telefone. A análise da diagramação das fotografias na página da revista aponta para uma oposição/ tensão entre a fotografia dos meninos descalços representados acima da página e as fotografias dos três homens de terno e gravata na parte de baixo da página. Essa oposição é construída também no plano formal, pois a primeira fotografia é externa e enquadra um pequeno grupo na rua, enquanto as três fotografias abaixo enquadram planos fechados do interior de um escritório. A primeira é tirada de cima para baixo apontando uma hierarquia do olhar (superioridade do fotógrafo/repórter/adulto que tira a foto) e cortada no formato retângulo horizontal salientando o chão, no qual as crianças encontram-se sentadas, já as outras três fotografias são tomadas da mesma altura dos olhos dos homens de terno e são cortadas em um retângulo vertical (ascensão). Na página seguinte, outras quatro fotos de formato pequeno e retangular vertical completam a fotorreportagem. As legendas dessas fotos ampliam essa contradição e aprofundam a tensão social entre esses dois grupos. Sobre o primeiro grupo se projeta um olhar externo, que é um ser visto pelo outro, ou seja, a objetiva do repórter fotográfico, e no segundo há um dar-se a ver da autoridade policial que olha para a câmera do fotógrafo. A legenda da primeira foto afirma que sessenta por cento dos larápios que agem em Porto Alegre são menores e completa que não é de estranhar, pois a qualquer momento, em qualquer parte da capital, podem-se ver grupos de garotos na malandragem, sem lar, sem escola, sem assistência. 36 As legendas das seis fotos menores de homens de terno e gravata indicam que se trata do delegado Homero Schneider, do delegado-adjunto Miranda Meira, do inspetor-chefe Osmar Barreto, dos inspetores Osvaldo Scherer e Alfredo Vitorino Vargas e do depositário Agostinho F. Pena. Todos individualizados ao serem retratados de perto em seu ambiente de trabalho, no exercício de suas funções e identificados pelo nome, sobrenome e respectivos cargos na polícia. A ordem policial é representada pelos policiais e objetos relacionados ao seu trabalho (telefone, livros, cofre). 36 TAJES, T.; FLORES, P.; CAVALHEIRO, W. Porto Alegre: Uma cidade entregue aos ladrões. Revista do Globo, 1953, n. 580, p. 60.

35 34 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 A análise do texto da fotorreportagem aponta para o aprofundamento dos binômios delinquentes versus polícia e desordem versus ordem policial, o que reforça esse processo de hierarquização e estigmatização das crianças de rua através do tom sensacionalista que caracterizava as revistas ilustradas do período. O subtítulo afirma: Desaparelhada de gente e de material, a Delegacia Especial de atentados à propriedade na capital gaúcha tem contra si um adversário cem vezes mais numeroso: os menores delinquentes e os fugitivos. 37 A Revista também dá a palavra aos policiais, enquanto se apropria da fala de um dos jovens para construir dele uma imagem de perigoso contraventor: O pobre rapazinho confessou ainda que sua maior aspiração era ser chefe de uma quadrilha, ter automóvel e metralhadora. 38 A estigmatização social desses jovens pela revista se completa ao final da fotorreportagem: O que de melhor se poderia esperar de uma geração criada na maloca, analfabeta e acostumada desde criança a disputar com os porcos a própria alimentação. Procurem-se as fichas dos recém-entrados na Casa de Correção. Noventa por cento analfabetos! É o que prolifera em nossas vilas de marginais, fruto da desagregação dos costumes, da dissolução das famílias. 39 Acerca da imagem pública dessas crianças e jovens, a revista sentencia: A maior desgraça para eles é a lei que não permite à imprensa publicar fotografias ou o nome dos menores, 40 o que explica o fato de as fotografias não mostrarem nem os rostos e nem os olhos dos jovens. Isso evidencia o desejo social de visibilidade do poder (da polícia), de identificação e de controle desses jovens em uma cidade em processo acelerado de crescimento e diversificação social. A campanha de moralização e controle social do espaço urbano fica clara quando a revista dá a palavra ao inspetor Schneider: Sessenta por cento dos furtos praticados em Porto Alegre são de autoria de menores. Ache-se um estabelecimento adequado e tire-se de circulação cinquenta meninos delinquentes e a estatística baixará. 41 Ou seja, o ideal policial seria o seu isolamento e a sua vigilância em instituições corretivas para crianças e adolescentes. O que nos leva a outra fotorreportagem da Revista do Globo, de 10 de julho de 1954, intitulada Não é doce nem é lar, com texto de Dionísio Toledo e fotos de Pedro Flores, exatamente sobre esse assunto Id., Ib., p Id., Ib., p Id., Ib., p Id., Ib., p Id., Ib., p TOLEDO, D.; FLORES, P. Não é doce nem é lar. Revista do Globo, 1953, n. 616, p , 56.

36 35 Charles Monteiro Fonte: TOLEDO, D.; FLORES, P. Não é doce nem é lar. Revista do Globo, 1953, n. 616, p A fotorreportagem tem três páginas com cinco fotografias, iniciando-se com página dupla com duas fotos de formato grande (com mais de ½ página) e continuando na terceira página com três fotos de formato pequeno com menos de ¼ de página. Nas primeiras duas páginas, na abertura da fotorreportagem, apresentamse fotografias de grande formato com tom sensacionalista visando causar impacto e despertar a atenção do leitor. A primeira foto no formato retangular vertical apresenta em primeiro plano um jovem negro de costas, enrolado em um cobertor, descalço e caminhando sobre as pedras irregulares de um pátio e ao fundo, em segundo plano, uma fileira de jovens sentados no chão (com tarjas pretas cobrindo os olhos) diante de uma casa térrea de madeira com beiral. Ao lado, a segunda foto apresenta em primeiro plano um pátio com chão de pedras, sobre o qual se projeta uma larga sombra, no qual se encontra um grupo de jovens sentados no chão lado a lado em fila (dois deles se destacam por estarem em pé) em frente a uma casa de madeira e de telhado baixo com três aberturas de onde pendem cobertores. Veem-se, ainda, ao fundo, um fragmento de céu, a parede de outra casa e a copa de uma árvore que projeta sua sombra sobre o pátio, onde quatro

37 36 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 jovens se encontram sentados contra a parede. Observa-se, por um fragmento do cobertor nas costas do jovem da primeira fotografia que aparece na segunda fotografia, que se trata do mesmo lugar e que essas se complementam enfocando os dois lados do mesmo pátio. O que permite ver a casa ao fundo e um grande grupo de jovens sentados no chão do pátio ora mais de perto ora mais de longe em seu conjunto. Na página seguinte, três fotografias de formato pequeno complementam e detalham alguns aspectos das duas imagens anteriores. No alto da página, a terceira foto apresenta uma parede rústica com uma prateleira, onde se observa uma fileira de latas, abaixo dela um banco de tábuas e em cima dele um tacho de leite vazio virado. Na quarta foto, quatro jovens dormem amontoados no chão no canto de uma peça enrolados em panos. No plano do conteúdo, observa-se a repetição da ideia de empilhamento dos jovens sentados no chão, dormindo num canto de peça, dos panos sobre um cavalete e das latas. Os significados de rusticidade do chão de pedras, da casa de madeira, das paredes rugosas da pilha de panos e latas. A casa térrea de uma água que lembra o espaço rural e o passado colonial em oposição à casa burguesa e aos prédios de apartamentos que dominam a representação da cidade em outras fotorreportagens. Os significados de abandono e a anomia são explorados através da apresentação dos jovens sentados contra a parede ou deitados no chão, bem como a pobreza das suas vestes e do lugar que se encontram. Fonte: TOLEDO, D.; FLORES, P. Não é doce nem é lar. Revista do Globo, 1953, n. 616, p. 50, 56.

38 37 Charles Monteiro A análise formal das imagens aponta para escolhas de enquadramento e luminosidade que ampliam esses significados de pobreza, rusticidade e abandono. Nas duas primeiras fotos de grande formato, a câmera baixa (próxima ao chão) coloca em primeiro plano o piso do pátio de pedras irregulares, sobre o qual se projetam largas sombras, focando os pés descalços dos jovens. A sequência narrativa das fotos começa no exterior e penetra no interior rústico da habitação apresentando detalhes que complementam os significados de pobreza, rusticidade e abandono. Estamos na esfera do visível dos dispositivos do olhar do poder, da visão policial, que esquadrinha e dá a ver o outro, que torna o visível para reificá-lo, que o transforma em objeto, em coisa. A revista dá a ver o outro o jovem, negro, pobre, condenado pela justiça na sua miséria e na sua diferença em relação ao padrão burguês de habitação e consumo da cidade moderna. Desvalorizando-o e estigmatizando-o em relação às esferas do trabalho e do ordenamento social que caracterizam as representações da cidade moderna e das classes alinhadas com esse projeto de modernização. Os títulos, as legendas e os textos ampliam essa representação e colaboram para construir uma imagem de alteridade negativa destes jovens relacionado a certos espaços da cidade. Observe-se o subtítulo da fotorreportagem: É na Colônia Africana, um antro miserável, que Porto Alegre procura recuperar seus menores delinquentes. 43 Nesse subtítulo, associa-se a representação desses jovens com os significados de colônia, de africana, de miserável e de delinquência, localizados em determinado espaço urbano e que se opõe ao conjunto da cidade de Porto Alegre. A fotorreportagem adquire tom de fotonovela pela forma como a narrativa é conduzida em primeira pessoa, seguindo os passos do repórter que procura desvendar o problema do jovem e criança de rua em Porto Alegre. O texto começa com uma caminhada da personagem-repórter pelo centro da cidade a deparar-se com as manchetes dos jornais a noticiar o arrombamento de seis prédios. Depois, em um fluxo de consciência, a personagem pensa na possibilidade de sua residência ser arrombada e na sua vontade de ver os responsáveis na cadeia. Na sequência depara-se com uma criança oferecendo-se para engraxar os seus sapatos, aceita e passa a pensar no problema dos jovens delinquentes da cidade. O fato o leva a querer investigar o assunto. Ele se dirige à autoridade competente do Juizado de Menores, que lhe fala do problema da escassez de verbas e se oferece para conduzi-lo a um passeio visando conhecer uma instituição que abriga jovens e crianças na Colônia Africana. Cabe salientar que essa forma de narrativa (próxima ao antigo folhetim e à fotonovela) visa despertar o interesse dos leitores e colocá-los ao lado do repórter em sua pesquisa. A descrição da instituição pela personagem-repórter é bastante forte e entremeada de qualificativos: 43 TOLEDO, D.; FLORES, P. Não é doce nem é lar. Revista do Globo, 1953, n. 616, p

39 38 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 Dirigimo-nos para lá, entramos em seu recinto, e... que horror! Duas celas, duas jaulas. Cinquenta menores, uns sobre os outros, o que nos faz pensar nas promiscuidades que devem se suceder entre eles. Um cheiro insuportável das instalações sanitárias junto às celas sem porta. Não há uma cama sequer, sacos servem de cobertores. Uma massa humana agrupada atrás das grades a pedir cigarros. Então a nosso pedido, são todos eles retirados das grades, colocados em uma fileira, se deixam fotografar com uma passividade de bestas. 44 Descobre-se, então, que a fotografia foi armada, e os jovens posaram para ela segundo a lógica da fotografia policial de identificação do criminoso, do outro, do excluído. A avaliação da revista é tanto estética quanto moral sobre o lugar e as pessoas que lá se encontram. Lá na Colônia Africana, tudo se opõe à moral, à estética e aos padrões sociais civilizados que o repórter e os leitores defendem na cidade. Mais adiante, o repórter-personagem completa o processo de estigmatização desse outro : Todos esses garotos que podiam ser de utilidade social em verdade não passam de autênticas bestas humanas. 45 Apesar de certo humanismo que leva o repórter a associar aqueles jovens ao engraxate que encontrou no centro e da vontade de que seja nosso próprio filho, que o levemos para casa..., 46 a reportagem defende um conjunto de medidas de caráter preventivo das autoridades que permitissem identificar, avaliar, encaminhar e tratar esses jovens visando a sua recuperação e reintegração no convívio social. Para tanto, poder-se-ia utilizar o regime semiaberto, sob vigilância discreta, mas constante. O que remete à próxima fotorreportagem sobre uma nova instituição para o recolhimento e reeducação de jovens infratores. A fotorreportagem O lar para o pequeno marginal, 47 de 24 de agosto de 1957, com texto de Antônio Goulart e fotografias de Léo Guerreiro, é composta de seis páginas e sete fotos P&B: duas fotos grandes com formato de retângulo horizontal, três fotos de tamanho médio (uma no formato retângulo vertical e outras duas no formato retângulo horizontal) e duas fotos pequenas no formato quadrado. 44 Id., Ib., p Id., Ib., p Id., Ib., p GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal. Revista do Globo, 1957, n. 697, p

40 39 Charles Monteiro Fonte: GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal. Revista do Globo, 1957, n. 697, p. 36,37. Ela começa em página dupla com uma fotografia retangular na vertical um pouco menor do que meia página. Nela se podem observar dois rapazes no fundo de um longo corredor. Em primeiro plano, destaca-se o piso de ladrilhos de duas cores em L ; em segundo plano, um jovem de costas caminha em direção ao fundo do corredor e caminha em frente a três portas abertas de onde se projeta uma luz sobre a parede contrária cheia de portas de armários fechadas; um pouco à frente e à esquerda, outro rapaz procura algo dentro de um armário com a porta aberta. No teto de cor clara, como as paredes laterais, observam-se duas luminárias. Não se observam objetos no chão ou nas paredes. No plano formal, a foto tirada em ângulo de 90 graus com o chão, que ocupa o primeiro plano e com os jovens ao fundo em segundo plano, destaca a profundidade e a amplidão do corredor; a sequência de portas de armários e de portas abertas dá ritmo, ordenação e equilíbrio à imagem. A fotografia constrói significados de ordem, limpeza e amplitude do espaço. O que é reafirmado pela legenda Ao lado do dormitório, num longo e claro corredor, cada um deles possui o seu armário para

41 40 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 roupa. 48 A segunda foto é uma vista parcial que, em primeiro plano, apresenta uma grande árvore e, em segundo plano, em toda a sua extensão um longo edifício de dois andares, em terceiro plano, o céu ocupa boa parte do espaço da fotografia. No plano formal, observa-se que o fotógrafo construiu uma foto tirada a distância para enquadrar a árvore alta que se sobrepõe e projeta a sua sombra sobre o longo prédio de dois andares com uma generosa porção de céu ao fundo. A árvore alta parece proteger o edifício novo ao projetar sua sombra sobre ele. A tomada a distância enfatiza o tamanho do prédio e sua integração com a natureza (árvore e céu) construindo significados de salubridade e amplidão. O que também é destacado na legenda e no início do texto da fotorreportagem: Num amplo descampado, atrás de uma colina, ergue-se o moderno edifício do Novo Lar de Menores. 49 O adjetivo moderno coloca-o em sintonia com os objetivos reiterados da revista de ser portavoz do homem e da mulher moderna. No terceiro parágrafo descreve-se o Novo Lar: A casa apresenta-se com simplicidade, dentro de um estilo funcional e linhas modernas. Tem capacidade para 50 ou mais pessoas. Tudo muito amplo, aberto, não oferecendo aos meninos o mínimo aspecto de prisão. Bem perto se alarga um campo de esportes, mais abaixo uma horta. 50 As fotografias e o texto complementam-se na apresentação das instalações e das atividades que se desenvolvem na instituição. Nesse sentido as fotos têm o papel de testemunhar e certificar a veracidade e a exatidão da descrição, como se observa na sequência de cinco fotos que complementam a fotorreportagem, testemunhando e detalhando atividades de trabalho e de lazer dos meninos na instituição. Na segunda página, a terceira foto enquadra em primeiro plano um menino de costas no gol observando três outros garotos disputando a bola a alguns metros à frente, no segundo plano. Num terceiro plano, apresenta-se a amplidão de um campo aberto e morros ao fundo, muito além dos limites do campo de futebol onde os meninos jogam bola. Na foto abaixo dessa, apresentam-se em primeiro plano dois meninos carregando enxadas, em segundo plano, mais à frente dois homens também carregando ferramentas (o primeiro deles de roupa preta, que aparenta ser um padre de batina) e, mais além, observam-se o prédio da instituição e a amplidão do céu. No plano icônico de conteúdo, as duas fotos apresentam a união de lazer e trabalho, ambas as atividades desenvolvidas ao ar livre e em contato com a natureza (campo, árvores, céu). Por isso, muito saudáveis e apropriadas a esses jovens. O que é complementado pelo subtítulo ao lado Apreciam esporte e trabalho GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal. Revista do Globo, 1957, n. 697, p GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal. Revista do Globo, 1957, n. 697, p Id., Ib., p Id., Ib., p. 38.

42 41 Charles Monteiro No formal da expressão, estas vistas parciais da instituição com grande profundidade de campo e enquadramento do céu (representa entre ⅓ e ½ das fotografias respectivamente) apontam para a vida em contato com a natureza, liberdade, salubridade, num ambiente com harmonia e paz ideal para o desenvolvimento dos jovens. Fonte: GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal. Revista do Globo, 1957, n. 697, p Outras três imagens complementam esses significados nas duas páginas seguintes que concluem a reportagem. 52 Nestas páginas, as fotos, o subtítulo e as legendas concorrem com as publicidades que ocupam a metade externa dessas páginas. A quinta fotografia apresenta um grupo de jovens/meninos ao redor de uma mesa em um ambiente amplo. Em primeiro plano, um menino está se levantando na ponta da mesa e outro está de pé no lado esquerdo, um homem de pé parece ser um padre usando batina preta, outros três meninos estão sentados e outros dois mais ao fundo parecem estar de pé atrás da mesa. Em um segundo plano, ao fundo da sala ampla há armários na parede e uma porta aberta para outro aposento. A legenda 52 GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal. Revista do Globo, 1957, n. 697, p

43 42 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 esclarece: No refeitório este grupo, sem nenhuma cerimônia, mistura no café da tarde conversa e risadas gostosas. A foto é um instantâneo, a análise icônica sugere o binômio formado pela amplidão da sala e a unidade do grupo ao redor da mesa para a refeição. A descontração do grupo é vigiada e controlada pelo padre ao fundo, que representa a autoridade e a ordem na instituição. O grupo que está bem centralizado e em foco é núcleo significante da imagem. O contraste entre a luminosidade clara da sala e os tons mais escuros das roupas dos meninos do grupo ao redor da mesa complementa esse significado de unidade do grupo. Fonte: GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal. Revista do Globo, 1957, n. 697, p Ao lado dessa fotografia, outra apresenta dois meninos em um dormitório arrumando as suas camas. As roupas de cama parecem bem brancas, e uma luminosidade forte entra através das duas janelas abertas sobre as camas. É um instantâneo ou foto posada? Não se pode saber ao certo, mas tudo indica a pose. Novamente, a análise do conteúdo aponta para a construção de significados de responsabilidade, disciplina, ordem, higiene e bem-estar dos meninos na instituição.

44 43 Charles Monteiro Embaixo, na mesma página, uma fotografia média em formato retangular horizontal representa dois jovens e um menino operando máquinas sobre bancadas de ferro e madeira num ambiente que parece ser uma oficina. Em primeiro plano à direita, observa-se um jovem de frente para a câmera (porém seu rosto foi borrado, provavelmente no negativo antes da ampliação, para preservar a sua identidade) operando uma ferramenta elétrica com a mão esquerda e pousando a mão direita sobre outra em cima da bancada. Em segundo plano, outro jovem de costas opera uma máquina sobre uma bancada. A legenda esclarece tratar-se de uma oficina de marcenaria onde se fabricam móveis. No plano do conteúdo, essa imagem encerra a fotorreportagem com os significados do trabalho, da operosidade, da produtividade com complemento e ponto culminante do trabalho de reabilitação e ressocialização dos pequenos marginais (sic). A narrativa visual ordenada nos leva a um passeio pela instituição: começamos a distância contemplando o terreno, a modernidade e o tamanho do prédio, bem como sua localização favorável em meio à natureza; depois passamos ao campo de futebol; e ainda a volta do trabalho da horta; no interior observamos o refeitório, os quartos e a oficina. Tudo muito limpo, espaçoso, ordenado e iluminado para a reabilitação dos meninos e jovens sobre o olhar atento e vigilante do padre e seu assistente. Há um processo de acumulação e de reforço dos significados das imagens anteriores de forma bastante pedagógica para o leitor da revista, visando apresentar-lhes os benefícios da reclusão, do trabalho, da disciplina e do trabalho para a reabilitação e reinserção social desses jovens e meninos. Essas reportagens encerram todo um percurso e uma discussão sobre o lugar da criança e do jovem de rua na cidade moderna. Na primeira reportagem o leitor é informado da sua periculosidade e dos inúmeros roubos por eles cometidos, fazendo-os figurar como ameaça número um à propriedade. Na segunda reportagem, a revista focaliza os jovens vivendo quase como animais em um antro na periferia da cidade: a Colônia Africana. Finalmente, a última reportagem apresenta a solução do problema com o distanciamento desses jovens e meninos da cidade grande para as áreas saudáveis em contato com a natureza de Viamão no Novo Lar do Menor. Nesse ambiente saudável, limpo, arejado e disciplinado, isolado dos maus da cidade, eles aprenderão a trabalhar na horta, na oficina e receberão cama, comida, roupas e educação profissional para se tornarem indivíduos úteis e prontos para se reinserirem na sociedade moderna. Logo, a todo um processo de estigmatização desses jovens e crianças de rua, exigindo seu afastamento dos antros das periferias (verdadeiras escolas do crime) e sua segregação em espaços afastados da cidade, em meio à natureza, visando a seu disciplinamento, recuperação e futura reinserção na sociedade através do mundo do trabalho.

45 44 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 Através dessas fotorreportagens, a revista se engajou no projeto de modernidade e de modernização da cidade através da construção de uma nova visualidade. Essa nova visualidade urbana jogou tanto com significados sociais de inclusão e legitimação da ação de certos atores e grupos sociais no espaço urbano quanto de estigmatização e exclusão de outros sujeitos e grupos sociais na cidade em processo de modernização. Este é o caso dos jovens e das crianças de rua, infratoras ou não, que passavam a ser identificadas como uma ameaça à propriedade e à ordem social. As fotografias ajudavam a dar visibilidade à ação da polícia no combate ao crime e a construir uma imagem negativa desses jovens e dos espaços urbanos a eles associados na cidade: as vilas periféricas. Elas construíam hierarquias e diferenças sociais, produzindo a segregação desses sujeitos no espaço urbano. Elas terminavam reforçando e legitimando o processo de afastamento desses grupos para áreas distantes dos espaços centrais onde imperaria a lógica da modernidade, da sociedade de consumo e da especulação imobiliária. O processo de construção de identidades ou de identificações sociais passa pela definição de práticas modernas e seu avesso, constituindo a alteridade. A necessidade de exclusão e de disciplinamento dos jovens de rua aparece de forma clara nas páginas das fotorreportagens, sendo construída pelas falas das autoridades policiais e pela forma como a revista alçada à condição de porta-voz da sociedade porto-alegrense construía a sua imagem. A imagem destes jovens e crianças em situação de rua fazia estilhaçar o espelho onde se projetava a nova imagem de cidade em construção no espaço urbano e em elaboração nas páginas da Revista do Globo. Logo, essa imagem exigia uma elaboração e um tratamento para que não ferisse a nova sensibilidade ou o novo padrão visual de cidade moderna consumida pelas elites e camadas médias. A nova visualidade urbana construída na revista permite uma série de recursos (editoração, paginação, narrativa etc.) para elaborar e disciplinar essa imagem do outro e fazê-la reforçar os significados sociais ligados à modernidade: visibilidade e ordenamento entre outros. Nesse sentido, a análise dessas fotorreportagens permite problematizar a construção de um padrão de visualidade urbana e o discurso de modernidade social das revistas ilustradas. Elas fazem pensar sobre a forma excludente e hierárquica como é construída a imagem dos outros sujeitos sociais, que terminam sendo apenas objetos do olhar disciplinador das elites que os coisifica, tornando-os alvo de políticas públicas e não sujeitos sociais com direitos civis e demandas políticas no processo de construção social do espaço urbano. Por outro lado, ajudam a legitimar o processo de mercantilização e monopolização do espaço urbano através da especulação imobiliária e a verticalização da área central da cidade através da construção de edifícios de alto gabarito, bem como da difusão de novas formas de sociabilidade e formas de consumo através das publicidades associadas às reportagens no contexto do processo de diagramação e edição das fotografias nas páginas da revista.

46 45 Charles Monteiro Referências BAITZ, Rafael. Um continente em foco: a imagem fotográfica da América Latina nas revistas semanais brasileiras ( ). São Paulo: Humanistas/FFLCH/USP, BARBOSA, Marialva. O Cruzeiro: uma revista síntese de uma época da história da imprensa brasileira. Ciberlegenda, número 7. Disponível em: <http://www.uff.br/mestcii/marial6.htm>. Acesso em: 27 mai BARTHES, Roland. A Mensagem Fotográfica. In: O Óbvio e o Obtuso: ensaios críticos III. Lisboa: Edições 70, 1982, p BORGES, Maria Eliza Linhares. Práticas fotográficas em uma realidade de localização periférica: o caso do Foto Clube de Minas Gerais. Boletim (Grupo de estudos do Centro de Pesquisas em Arte & Fotografia), v. 02, p , BOURDIEU, Pierre. Un Arte Medio: ensayo sobre los usos sociales de la fotografía. Barcelona: Gustavo Gili, BRIGHT, Susan. La photographie contemporaine. Paris: Éditions Textuel, CHEVRIER, Jean-François. La fotografía entre las bellas artes y los medios de comunicación. Barcelona: Gustavo Gili, COSTA, Helouise. Aprenda a ver as coisas: Fotojornalismo e Modernidade na revista O Cruzeiro. Dissertação (Mestrado). São Paulo: Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, p. ; RODRIGUES, Renato. A Fotografia Moderna no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ / IPHAN / FUNARTE, COSTA, Mario. A superfície fotográfica. In: FABRIS, Annateresa; KERN, Maria Lúcia Bastos (Orgs.). Imagem e conhecimento. São Paulo: EDUSP, 2006, p D AVILA, Naida. DEMHAB: com ou sem tijolos, a história das políticas habitacionais em Porto Alegre. Porto Alegre: Unidade Editorial, DEBRAY, Regis. Vida e morte da imagem. Uma história do olhar no Ocidente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, DEBROISE, Olivier. Fuga Mexicana. Barcelona: Gustavo Gili, 2005, p

47 46 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 DUBOIS, P. O Ato fotográfico e outros ensaios. 5ª ed. Campinas, SP: Papirus, FABRIS, Annateresa (org.). Fotografia: Usos e funções no século XIX. São Paulo: Edusp, Identidades virtuais. Uma leitura do retrato fotográfico. Belo Horizonte: UFMG, A imagem técnica: do fotográfico ao virtual. In: ; KERN, Maria Lúcia Bastos (orgs.). Imagem e conhecimento. São Paulo: EDUSP, 2006, p ; KERN, Maria Lúcia Bastos (orgs.). Imagem e conhecimento. São Paulo: EDUSP, FERNANDES JÚNIOR, Rubens. História da fotografia no Brasil: panorama geral e referências básicas. 3ª ed. São Paulo: Instituto Moreira Sales, GOULART, A.; GUERREIRO, L. O novo lar para o pequeno marginal, Revista do Globo, 1957, n. 697, p HAVELANGE, Carl. De l oeil et du monde. Une histoire du regard au seuil de la modernité. Paris: Fayard, KERN, Maria Lúcia Bastos. Tradição e modernidade: a imagem e a questão da representação. In: Estudos Ibero-Americanos, PUCRS, v. XXXI, n. 2, p. 7-22, dezembro Realidades e ficções na trama fotográfica. 3. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, KNAUSS, Paulo. O desafio de fazer história com imagens: arte e cultura visual. ArtCultura, 2006, Vol. 8, n. 12, p KOSSOY, Boris. Fotografia e História. São Paulo: Ática, KRAUSS, Rosalind. O fotográfico. Barcelona: Gustavo Gili, LEITE, Miriam Moreira; FELDMAN-BIANCO, Bela. Desafios da Imagem: fotografia, iconografia e vídeo nas Ciências Sociais. São Paulo: Papirus, LIMA, Solange Ferraz de; CARVALHO, Vânia Carneiro de. Fotografia e cidade. Da razão urbana à lógica de consumo. Álbuns de São Paulo ( ). Campinas, SP: Mercado das Letras; São Paulo: FAPESP, p.

48 47 Charles Monteiro MAUAD, Ana Maria. Sob o signo da imagem: a produção da fotografia e o controle dos códigos de representação social da classe dominante no Rio de Janeiro na primeira metade do século XX. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em História Social ICHF, CEG, Universidade Federal Fluminense, Niterói, Fotografia e História possibilidades de análise. In: CIAVATTA, M.; ALVES, Nilda (eds.). A Leitura de imagens na pesquisa social. História, comunicação e educação. São Paulo: Cortez, 2004, p Na mira do olhar: um exercício de análise da fotografia nas revistas ilustradas cariocas, na primeira metade do século XX. Anais do Museu Paulista, 2005, Vol. 13, n.1, p Flávio Damm, profissão fotógrafo de imprensa: o fotojornalismo e a escrita da história contemporânea. História, Franca, v. 24, n. 2, Poses e flagrantes. Ensaios sobre história e fotografia. Niterói: EDUFF, MENDES, Ricardo. Once upon a time: uma história da história da fotografia brasileira. In: Anais do Museu Paulista, USP, ano/vol. 6/7, n. 7, 2003, p MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual: balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, 2003, Vol. 23, n.º 45, p Rumo a uma História Visual. In: MARTINS, J. S.; ECKERT, C.; NOVAES, S. C. (eds.). O imaginário e o poético nas Ciências Sociais. Bauru, SP: EDUSC, p MESPLE, Louis. L Aventure de la photographie contemporaine de 1945 à nos jours. Paris: Chêne/Hachette Livre, MICHELON, Francisca Ferreira. Cidade de Papel: a modernidade nas fotografias impressas de Pelotas ( ). Porto Alegre, p. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em História, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. MIRZOEFF, Nicholas. An introduction to visual culture. London: Routledge, p.

49 48 Imagens da cidade de Porto Alegre nos anos 1950 MONTEIRO, Charles. Imagens sedutoras da modernidade urbana: reflexões sobre a construção de um novo padrão de visualidade urbana nas revistas ilustradas na década de Revista Brasileira de História, 2007, Vol. 27, n. 53, p História, fotografia e cidade: reflexões teórico-metodológicas sobre o campo de pesquisa. In: Métis, vol. 5, n. 9, jan-jul, 2006, p A construção da imagem dos outros sujeitos urbanos na elaboração da nova visualidade urbana de Porto Alegre nos anos Urbana, 2007, ano 2, n. 2, p MUNTEAL, Osvaldo; GRANDI, Larissa (eds.). A imprensa na história do Brasil. Fotojornalismo no século XX. Rio de Janeiro: PUCRJ, NAPOLITANO, Marcos. Sonhando com a modernidade: a cultura brasileira nos anos In:. Cultura brasileira: utopia e massificação ( ). São Paulo: Editora Contexto, pp PEIXOTO, Nelson Brissac. Quadros Mecânicos Fisionomias Urbanas. In:. Paisagens Urbanas. São Paulo: SENAC, 2004, pp Ver o invisível: a ética das imagens. In: NOVAES, Adauto (org.). Ética. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, pp POIVERT, Michel. La photographie contemporaine. Paris: Flammarion, POSSAMAI, Zita Rosane. Cidade Fotografada: memória e esquecimento nos álbuns fotográficos Porto Alegre, décadas de 1920 e Tese (Doutorado em História). Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2 vol. Porto Alegre, RIBEIRO, Ana Paula Goulart. Jornalismo, literatura e política: a modernização da imprensa carioca nos anos Estudos Históricos, 2003, n. 31. p ROUILLÉ, André. La Photographie. Paris: Gallimard, SAMAIN, Etienne (org.). O fotográfico. 2 ed. São Paulo: SENAC; Hucitec, SANTAELLA, Lucia. Os três paradigmas da imagem. In: ETIENNE, Samain (org.). O fotográfico. 2ª ed. São Paulo: Editora Hucitec; Editora Senac São Paulo, 2005, p

50 49 Charles Monteiro SOUSA, Jorge Pedro. Uma crítica do fotojornalismo ocidental. Chapecó: Argos; Florianópolis: Letras Contemporâneas, SOUZA, Célia F.; PESAVENTO, Sandra J. Imagens Urbanas: os diversos olhares na formação do imaginário urbano. Porto Alegre: UFRGS, TAGG, Jonh. El peso de la representation. Barcelona: Gustavo Gili, 2005, p ; p TAJES, T.; FLORES, P.; CAVALHEIRO, W. Porto Alegre: Uma cidade entregue aos ladrões. Revista do Globo, 1953, n. 580, p. 60, 61, 66. TOLEDO, D.; FLORES, P. Não é doce nem é lar. Revista do Globo, 1953, n. 616, p , 56. TURAZZI, Maria Inez. Poses e trejeitos a fotografia e as exposições na era do espetáculo. Rio de Janeiro: Rocco, VAZ, Paulo Bernardo (ed.). Narrativas fotográficas. Belo Horizonte: Autêntica, p. VILCHES, Lorenzo. La imagen es un texto e Análisis de la imagen informativa. In:. La lectura de la imagen: prensa, cine, televisión. 7. ed. Barcelona: Paidós Comunicación, pp e La percepción de la foto de prensa e Los contenidos en la foto de prensa. In:. Teoria de la imagen periodística. Barcelona: Paidós Comunicación, pp e WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (eds.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, p

51 Capítulo 2 A Técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman na fotografia porto-alegrense dos anos 1950 Rodrigo Massia 1 Sioma Breitman fotografou do ano de 1921 até 1970, quando decidiu se aposentar. João Alberto Fonseca da Silva começou a tomar contato com a fotografia a partir do trabalho de laboratorista no Serviço Histórico Geográfico do Exército, no ano de Fotografou profissionalmente até os anos Ao valer-se da biografia destes dois sujeitos, pretende-se problematizar em que medida estas duas trajetórias permitem compreender parte do circuito social da fotografia em Porto Alegre na década de Como se trata de um tema ainda pouco explorado pela pesquisa histórica, essa investigação utiliza depoimentos orais. A reflexão sobre este tipo de fonte necessariamente implica uma problemática da memória, que se relaciona aqui com a textualidade de Sioma e a oralidade de João Alberto. Outrossim, estes dois fotógrafos possuem trajetórias distintas, o que se cristaliza no modo como falam de sua atividade e de sua relação com os demais colegas de profissão. Sioma Breitman escreveu um livro 2 contendo 166 páginas no qual narra trechos de sua trajetória. João Alberto concedeu dois depoimentos 3 ao Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa. O primeiro depoimento data de 1978, e o segundo foi realizado no ano de Há um intervalo de 28 anos entre uma entrevista e outra. Sioma Breitman tem sua memória bastante consolidada, pois sua atividade conta com maior reconhecimento do estado. Há um logradouro com o seu nome e a fototeca homônima do Museu Municipal Joaquim José Felizardo. A doação de parte de seu acervo fotográfico foi concedida ao Museu em função desse reconhecimento. 4 João Alberto considera-se um homem de sorte por ter parte de seu trabalho reconhecido como algo que deve ser preservado, pois se constitui em parte da memória arquitetônica da cidade. As fontes sobre os dois fotógrafos são de tipos distintos e exigem formas de leitura crítica diferenciadas pelo historiador. O livro escrito por Sioma Breitman faz parte do acervo público do fotógrafo e se encontra no Museu Joaquim José Felizardo. 1 Mestre em História pela PUCRS. 2 BREITMAN (1976.). 3 SILVA (1978, 2006.). 4 Cf. POSSAMAI (1998, p. 95).

52 51 Rodrigo Massia Trata-se de uma fonte textual na qual o escritor teve a oportunidade de escrever, corrigir e enfatizar momentos de sua trajetória, bem como relegar outros ao esquecimento. O processo de escrita permite maior controle sobre a edição e a escolha das palavras. A motivação para a elaboração do livro teria sido de ordem pessoal, ou seja, responderia, segundo Sioma Breitman, a uma demanda de memória familiar. No caso de João Alberto, as entrevistas realizadas não obedeceram a um roteiro estabelecido por esta pesquisa. Foram produzidas para registrar a trajetória do fotógrafo, de modo que abarcasse a totalidade de sua atividade profissional. 5 As entrevistas, ocorridas em tempos distintos, não contaram com a presença ou com qualquer sugestão de pauta para este trabalho. O contato com a fonte foi feito a partir do áudio e da transcrição das falas do fotógrafo registradas nas fitas cassete. Apesar de o autor não exercer o papel de entrevistador, a pesquisa contribuiu para um momento decisivo do acervo oral: quando ele se torna um documento textual. O material foi digitalizado e entregue ao Museu, que agora conta com o arquivo textual e sonoro em formato digital. Dentre os diferentes tipos de enfoque da História oral, este trabalho caracteriza-se como uma história oral temática. 6 Nessa abordagem o pesquisador faz um uso direcionado da fonte, pois ela conduz as entrevistas ou as utiliza em função de um tema que tem relação com a história de vida do entrevistado. Não se mensurou aqui a tradição oral, mas os aspectos da memória individual de João Alberto. Entende-se aqui a memória individual como uma reconstrução psíquica e intelectual que acarreta de fato uma representação seletiva do passado, um passado que nunca é aquele do indivíduo somente, mas do indivíduo inserido num contexto familiar, social, nacional. A concepção teórica sobre a memória visa pensar em que medida estas fontes podem auxiliar a pensar no circuito social da fotografia em Porto Alegre nas décadas de 1940 e João Alberto Fonseca da Silva: o olhar do migrante, o olhar técnico João Alberto Fonseca da Silva é natural de Quaraí, cidade localizada próxima à fronteira com o Uruguai e a Argentina. Quando chegou à idade de servir ao exército veio a Porto Alegre, para tentar melhores condições de vida. Foi quando teve a oportunidade de trabalhar como laboratorista do Serviço Geográfico do Exército, no qual aprendeu as técnicas de revelação e de composição de cartas em 5 O tratamento das fontes orais orientou-se, em linhas gerais, pelas propostas de: VOLDMAN In: AMADO; FERREIRA (1996, p ). 6 ROUSSO In: AMADO; FERREIRA (1996, p ).

53 52 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman aerofotogrametria. A aerofotogrametria é uma técnica que permite o levantamento de extensas áreas, que são fotografadas e posteriormente transformadas em cartas topográficas, equivalentes a mapas que indicam as condições do terreno: formações naturais, localização de cidades, curso dos rios etc. Com o aprendizado obtido nesta tipologia de processo técnico em fotografia e com as amizades que fez em sua passagem pelo exército, João Alberto ingressou na Secretaria Estadual de Obras Públicas. Em suas memórias, João Alberto lembra que ingressou no Serviço Geográfico em 1939 e que trabalhou nas Obras Públicas no período em que o governador era Walter Jobim, portanto, entre os anos de 1947 e Na secretaria, João Alberto relata que os órgãos públicos passaram a fazer uso corrente de fotografias, notadamente a Secretaria de Obras Públicas. Dentro desta havia a Diretoria de Saneamento e Urbanismo, subseção na qual João Alberto era encarregado de fotografar as inaugurações das obras públicas do Estado, acompanhando o secretário, e fazer levantamento fotográfico das áreas que receberiam melhoramentos no abastecimento de água e tratamento de esgoto. Cabe aqui salientar o lugar que esse tipo de imagem ocupa na história da fotografia. A partir da segunda metade do século XIX, com a complexificação e centralização da máquina estatal, a fotografia começou a ser utilizada como uma importante ferramenta auxiliar no planejamento de obras públicas e no controle do espaço urbano. 7 No Brasil, foi no contexto do Estado Novo que a fotografia ganhou maior espaço com essas atribuições. Em níveis federais destaca-se a contratação de fotógrafos para o Departamento de Imprensa e Propaganda, Serviços de Proteção ao índio e ao Instituto do Patrimônio Histórico Cultural, todos estes executados por fotógrafos estrangeiros. 8 Em finais dos anos 1940 o IBGE também passou a trabalhar com fotógrafos profissionais, com vistas a documentar a geografia humana das regiões periféricas do Brasil. 9 Junto ao trabalho no Setor de Obras Públicas João Alberto começou a produzir outros tipos de fotografia. Como o cargo de fotógrafo do departamento passou a ser desempenhado em meio turno, João buscou alternativas para aumentar seus rendimentos e aprender outras possibilidades do ofício. Fotografou casamentos, confeccionou lembranças de aniversário e atuou como artista-fotógrafo, fazendo fotografias de criança. Segundo o fotógrafo, esta era a melhor alternativa para um iniciante, porque as crianças têm a pele quase sem imperfeições, sendo a melhor maneira de chegar aos cânones de beleza que vigoravam na sua época. 10 Outras duas áreas de extrema importância nos trabalhos de João Alberto foram a publicidade e 7 Sobre este tema em uma perspectiva internacional ver: TAGG (2005, p ). 8 Cf. COELHO (2006, p.79-99). MAUAD (2005, p.43-75). 9 Foram três fotógrafos contratados, todos eles imigrantes húngaros. Cf. ABRANTES (2007, p.1-8). 10 Esta concepção estética encontra correspondência com a corrente europeia do pictorialismo na fotografia. Para saber mais ver: MELLO (1998, p ).

54 53 Rodrigo Massia a arquitetura. Os trabalhos para os escritórios de arquitetura tornaram-se a marca do fotógrafo. Quando, em meados dos anos 1990, houve a transformação das suas imagens de documento para monumento, 11 suas fotografias de arquitetura foram as escolhidas como as mais relevantes de sua produção. Através do aperfeiçoamento das técnicas de ampliação e redução foi possível fazer da publicidade algo corrente dentro da imprensa. Logotipos e imagens podiam ser justapostos e diagramados. Como se sabe, este é um ramo da fotografia na qual se exige do fotógrafo o contato com o que há de mais moderno em termos técnicos. 12 Porém, mais do que aparato técnico, João Alberto destaca o aprimoramento do próprio olhar como característica principal. O serviço em publicidade surgiu em decorrência de sua experiência na produção dos aerolevantamentos. O chamado trabalho de traço 13* fez da fotografia um desafio ao olhar de João Alberto: enxergar com exatidão e simetria. Essas características apontam para um tipo de olhar da época, que encontrava espaço em áreas como a publicidade, o design gráfico, a arquitetura e as artes plásticas. Na arquitetura utilizou-se de inovações como a fotomontagem 14 e realizou serviços de redução. Mais uma vez valendo-se de seu saber técnico aqui sempre mencionado como oposição ao saber artístico na opinião do depoente João Alberto foi desafiado a fazer a inserção de maquetes de prédios no espaço urbano da cidade. O fotógrafo observava o local de construção do prédio e fotomontava a maquete no espaço da cidade, de modo que a imagem se constituía em um documento no qual era possível visualizar a presença da futura construção no espaço urbano. As fotografias de arquitetura obedeciam a padrões simétricos, de proporções calculadas, exploração dos efeitos de tridimensionalidade, equilíbrio e nitidez. 15 Em síntese, a fotografia de arquitetura pretendia ser um espelho da realidade futura, com a inserção dos prédios no espaço urbano como forma de analisar suas condições estéticas no conjunto da cidade. Na apresentação dos projetos arquitetônicos, os dossiês eram elaborados com a presença de plantas das edificações, fotografadas e reduzidas, para serem visualizadas em sua integralidade no corpo da apresentação da obra. Mais um recurso visual que conta com o desenvolvimento de um saber técnico baseado na precisão e no realismo como efeitos fundamentais. Nas fotomontagens João Alberto valeu-se de seus conhecimentos, porém a influência do desenho arquitetônico na fotografia de cidade era uma forte recorrência 11 Cf. MAUAD; KNAUSS (2007, p. 9). 12 Cf. COELHO (Opus cit., p. 95). 13 * O trabalho de traço era a técnica que tornava possível o encaixe de uma fotografia aérea na outra. Essa técnica era desenvolvida com o auxílio de aparelhos que aumentavam o foco das fotografias, para que o encaixe fosse o mais exato possível. 14 Fala-se de inovação aqui em termos locais. A fotomontagem foi bastante utilizada na nova arte da Revolução Russa e ainda timidamente na arte modernista e fotografia moderna brasileira. Sobre estes assuntos ver respectivamente: FABRIS (2005, p ) e CHIARELLI (2003, p ). 15 Cf. LIMA; CARVALHO (1997, p ).

55 54 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman nos anos de Este tipo de imagem respondia bem à demanda por realismo e equilíbrio de proporções. Essas fotografias buscavam a exatidão em termos de simetria que, em última análise, era produzida a partir do olhar humano. 16 Nesse caso aqui a presença do observador que visualiza a cena in loco era condição necessária para a produção da fotomontagem. Cabe ressaltar aqui que estes efeitos de realismo tendem a migrar, da imagem para a cidade. 17 Esse tipo de imagem tinha uma circulação bastante ampla e cumpria funções técnicas e estéticas. As fotografias de arquitetura também exerceram forte influência no fotojornalismo em ascensão nos anos 1940 e Essas imagens fotográficas tinham um forte apelo de veracidade ao apresentar a modernização e o crescimento urbano das cidades brasileiras e eram muito utilizadas pelas revistas ilustradas. 18 Além das revistas, é possível citar o uso desse tipo de fotografia pelo fotoclubismo 19 e pelos álbuns fotográficos. Em Porto Alegre também identificou-se essa influência na produção de painéis fotográficos, que eram imagens de grande formato produzidas a partir de fotografias. João Alberto fez parte do grupo de fotógrafos pioneiros nesse tipo de fotografia. Como é possível observar, a trajetória de João Alberto se confunde com a própria história da fotografia. Muitas vezes o fotógrafo teve que achar suas próprias soluções para as ideias apresentadas, como no caso de sua primeira fotomontagem, que será abordada mais adiante. Do ponto de vista da estética sua obra não se encontra isolada. Porém, mais importante do que localizar a imagem do ponto de vista da estética, seria conhecer as condições sociais de produção da obra. 20 A busca de compreensão a partir desse enfoque aproxima-se de uma História da fotografia em Porto Alegre. O depoimento de João Alberto permite que a compreensão de algumas de suas imagens extrapole o campo estético. A fotomontagem do edifício Formac na área central de Porto Alegre foi feita sob encomenda de um arquiteto carioca que sugeriu ao fotógrafo João Alberto que fizesse a montagem do prédio, ainda inexistente. A fotomontagem causou impacto ao ser exposta na Casa Comercial Herrmann situada na esquina da Rua dos Andradas com a Uruguai. Esse fato data de 1953 ou 1954, conforme o relato do fotógrafo. A casa em questão vendia materiais fotográficos, relógios e joias. João Alberto, pelas suas relações de amizade com o dono do estabelecimento, deixou a fotomontagem exposta na vitrine da loja. O fotógrafo relata sobre os comentários que ocorriam entre os transeuntes. Uma das falas que ficou marcada na memória de João Alberto 16 Cf. MENESES (2005). 17 Cf. LIMA; CARVALHO (Opus cit., p ). 18 Cf. MONTEIRO (2007, p ). 19 Notadamente os de São Paulo e Recife. Cf. LIMA; CARVALHO (Opus cit.), COSTA; SILVA (2004) e SILVA (2005). 20 Cf. BOURDIEU (1996, p ).

56 55 Rodrigo Massia foi que a cidade na imagem não deveria ser Porto Alegre e muito menos que tivesse sido feita por um fotógrafo local. Conforme o relato do fotógrafo: (...) surgiu a famosa fotomontagem, que tinha um arquiteto que gostava muito de novidade, era muito ilustrado que era um arquiteto formado no Rio. Mendonça, o Mendonça, Carlos Alberto Mendonça, de Orlando Mendonça. O Mendonça quis fazer uma fotomontagem de um edifício, chegou, deixou a maquete na minha casa, com um bilhetinho: Fazer fotografia da maquete e fazer uma fotomontagem da maquete em tal lugar assim. Esse foi o edifício Formac. Aí eu ri, eu nunca disse que fazia fotomontagem. Mas depois tava tomando meu chimarrãozinho em casa depois do banho e fiquei pensando, mas digo, eu não disse que fazia, mas podia ir lá olhar né. Aí vinha eu, olhei o local e bati uma foto. E acabei montando a fotomontagem e foi a minha primeira fotomontagem foi do edifício Formac. É que deu bastante curiosidade, como o Mendonça era muito noveleiro como a gente chamava, gostava de novidade, ele quis fazer uma ampliação grande. Então eu fiz uma ampliação, se não me engano, era noventa por sessenta do trabalho dele já fotomontando. E porque eu andava muito na Casa Hermann, botamos na vitrine da casa Hermann (...), na esquina da rua Uruguai com a rua dos Andradas. E aí até foi curioso. Pena que eu não tinha gravador como vocês têm agora [risos do depoente] porque o que se ouvia de coisas engraçadas daquele público que olhava ali, na época já era novidade uma ampliação grande. Então não era feito em Porto Alegre. (...) Mas o importante da história é que se comentava, a fotografia daquele tamanho já tinha vindo dos Estados Unidos, pra começar. E o Braga que era da Casa Hermann mandou um dia escutar, e eu fui escutar, fiquei no meio do povo ali escutando e se comentavam coisas engraçadas, entre elas que o edifício não era em Nova York, que era em tal cidade, que tinha um sabido lá. Porque o edifício aqui em Porto Alegre não tinha um edifício, parece que são vinte e poucos andares (...). 21 A questão mais importante do trecho acima é que o depoente tem a oportunidade de relatar situações não só sobre a circulação da obra, mas de sua recepção. A fotomontagem servia muito bem ao processo de planejamento urbano e sabe-se de seu uso pelo corpo técnico do Estado. 22 Ao inserir a maquete do prédio em plena área central da cidade, ainda predominantemente horizontal, o fotógrafo 21 SILVA (2006.). 22 Há algumas fotografias que fazem parte do acervo do Museu Hipólito José da Costa que levam o carimbo da Secretaria de Planejamento Urbano. Não se pode perder de vista que no ano de 1959 foi elaborado o primeiro plano diretor da cidade.

57 56 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman causou um choque visual, pois uma imagem tida como reflexo da realidade estava ali criando ficções, conforme é possível observar em seu produto final. Figura 1: João Alberto Fonseca da Silva. Espaço de inserção da maquete e construção do prédio. In: CANEZ, p Figura 2: João Alberto Fonseca da Silva. Fotomontagem do edifício Formac no espaço urbano de Porto Alegre, In: CANEZ (Idem).

58 57 Rodrigo Massia Nos dias atuais é pertinente a tentativa de compreensão sobre tantos comentários. A foto hoje não causa o mesmo choque. A sociedade atual já saturou o olhar com relação a essas imagens urbanas assépticas. É necessário somente visualizar, já que a imagem tem o poder de substituir o acontecimento. 23 Ao pensar na visualidade da época não se pode esquecer que as principais referências em termos de modernização urbana eram as grandes cidades dos Estados Unidos. A ideia de uma cidade tomada por edifícios de alto gabarito era uma clara referência a Nova York, e o conhecimento que grande parte da população tinha das metrópoles estrangeiras era oriundo da visão de cartões-postais e das fotografias impressas em revistas ilustradas. Certamente não seria possível mensurar o grau de amplitude da fotografia, no caso de um exemplar, sem o relato oral. A fotografia de cidade é um tema constante que perpassa diversas instâncias de produção, circulação e consumo: ela está nas revistas ilustradas, nos interiores de prédios públicos e no planejamento da cidade. Trata-se de um tema de forte recorrência no período, que foi representado sob as mais diversas formas, desde o utilitário até a expressão artística de vanguarda. 24 Partindo desse contexto local para o mais geral, o olhar fotográfico moderno materializava a ideia de um Brasil urbano, cosmopolita e vertical. O período dos anos 1950 é marcante nesse sentido, pois é um contexto no qual a ideia do urbano é vista como a inserção definitiva do Brasil na modernidade e um alinhar o passo com as cidades europeias e estadunidenses. Se em períodos anteriores a modernidade era vista como algo a ser alcançado no futuro, na década de 1950 havia a sensação de que este futuro havia chegado definitivamente. 25 Exatamente nestas ocasiões em que aparecem tensões como, por exemplo, uma espécie de nostalgia sobre um tempo que se encontra no passado rural. Um sintoma dessa conjuntura de transformações na cidade foi o tradicionalismo, movimento urbano surgido em 1947 que cultivava a tradição rural e elegia a figura do gaúcho como elemento síntese de comportamento. João Alberto foi um desses jovens do período que optou pelo uso da bombacha em oposição à invasão das lambretas e calças jeans. 26 Diante deste contexto, o fotógrafo João Alberto responde de forma ambígua às duas questões mais gerais sobre a influência desse olhar técnico, que responde aos imperativos de uma modernização econômica e de um olhar voltado para as resistências locais. João Alberto é um fotógrafo que cultiva as práticas do tradicionalismo gaúcho que exerceu forte influência sobre a juventude gaúcha dos anos Quando o destino das imagens é a fruição estética João Alberto optou 23 No caso da fotomontagem de João Alberto, pode-se se dizer que a imagem é o acontecimento, já que não há um referente externo. Sobre este tipo de análise ver o introito teórico do artigo de: KERN (2007, p ) e MENESES (2003, p ). 24 Ver o caso dos fotógrafos Roberto Yoshida e Gertrudes Altschul em: COSTA; SILVA (Op. cit., p ). 25 OLIVEIRA. In: MIRANDA (2002, p. 35). 26 Sobre a influência estadunidense no comportamento da juventude porto-alegrense ver: Revista do Globo (1959, p ).

59 58 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman pelo tema regional para concorrer ao I Salão Internacional de Fotografia em Porto Alegre. Fotografou um carreiro em Quaraí, imagem que intitulou de Aguardando o frete. Na ocasião João Alberto comenta que Sioma Breitman viu essa foto de sua autoria e o convidou para expô-la no salão supracitado, caso contrário não teria feito, pois não se considerava um artista. 27 Não se pode perder de vista o papel da fotografia como dispositivo que mediava a questão do crescimento urbano, exercia papel fundamental no planejamento de ações futuras e apresentava a cidade como um índice concreto da modernização do país. A fotografia era um espelho do real, 28 no qual o corpo técnico via o futuro, os habitantes conformavam uma ideia de cidade que se representava sob forte efeito de realismo, ao mesmo tempo em que se apresentava como objeto de apelo estético. Essa mediação era feita por fotógrafos, trabalhadores responsáveis pela produção de imagens. Uma questão bastante importante contida nos depoimentos de João Alberto e Sioma Breitman diz respeito ao mercado da fotografia em Porto Alegre, principalmente na relação entre os fotógrafos. Os dois chegam a diagnósticos similares quando o tema é a organização da atividade: a falta de um espaço de formação estética e aprendizado das técnicas, onde o fotógrafo receba uma formação que lhe dê legitimidade para atuar profissionalmente. João Alberto, porém, apresenta-se como um fotógrafo sem as características de liderança, fundamental para um grupo de profissionais ainda em fase de organização. A autoridade ainda se encontrava nas mãos dos fotógrafos mais tradicionais como Olavo Dutra e Sioma Breitman, os dois grandes fotógrafos de sua geração, herdeiros do talento dos grandes artistas-fotógrafos do século XIX. Para João Alberto ficava o espaço de alguém que, mesmo sem a formação humanista destes grandes fotógrafos, conseguiu exercer seu ofício com êxito graças ao que o fotógrafo chama de visão técnica. O olhar de João Alberto desafia a exatidão, a simetria e o equilíbrio. Sua inserção na fotografia deu-se de acordo com os imperativos do mercado e pela oportunidade recebida em uma fase de instabilidade. João acabava de chegar do interior do estado à capital e em primeiro lugar buscava um trabalho e uma profissão. É lícito dizer que a trajetória do fotógrafo foi construída a partir dos desafios que lhe foram lançados em termos visuais. O êxito se deu pela insistência e pelo treinamento do olhar, de acordo com uma visão tecnicista, que predominava na arquitetura. 27 Cf. SILVA (2006). 28 Cf. DUBOIS (1993).

60 59 Rodrigo Massia Sioma Breitman: olhar do imigrante, olhar da tradição Sioma Breitman foi um dos fotógrafos mais destacados entre as décadas de 1930 e 1960 no estado do Rio Grande do Sul. De origem ucraniana, teve que deixar seu país devido à Revolução Socialista na Rússia, que perseguiu de forma severa os judeus da região. Após deixar a Europa, partiu para a América, separando-se de sua família e estabelecendo-se em Buenos Aires, onde conseguiu emprego em um estúdio fotográfico. Pouco tempo depois, veio para Porto Alegre, onde sua família havia se fixado. Em meados dos anos 1920, Sioma e sua família passaram a produzir as fotografias da comunidade judaica estabelecida no bairro Bom Fim. Entre os anos de 1920 e 1950, montou estúdios nas cidades por onde passou: Cachoeira do Sul, Santa Maria e Porto Alegre. Ao sair dessas cidades, Sioma deixava os estúdios para os seus irmãos, que também eram fotógrafos. Seu pai, Nathan Breitman era o dono do estúdio onde Sioma trabalhava com seus cinco irmãos, tendo se notabilizado pela edição de negativos, tarefa denominada de retocador. Sioma fez parte de uma segunda leva de fotógrafos estrangeiros, se forem considerados os pioneiros do século XIX. Esses novos fotógrafos foram responsáveis por mudanças importantes, tanto no Rio Grande do Sul quanto nos demais estados do Brasil. Aqui em Porto Alegre tem-se registro de Ed Keffel, de origem alemã, que teve grande contribuição nas mudanças ocorridas no campo do fotojornalismo na Revista do Globo. 29 No Rio de Janeiro, fotógrafos como Jean Manzon, Marcel Gautherot, 30 Harald Schultz, Heinz Foerthmann, Pierre Verger 31 e Hildegard Rosenthal foram responsáveis por alterações importantes no campo profissional da fotografia. Trabalharam para diversos órgãos do Estado e consolidaram novas práticas no fotojornalismo. 32 Sioma aborda com senso de humor em suas memórias os procedimentos de seu ofício de retocador. A tarefa consistia em manipulações diversas feitas tanto nos negativos como nos positivos. Esse tipo de prática era oriunda de uma postura na qual a fotografia era um produto bruto onde fotógrafos contavam com a parceria de um pintor, 33 que dava um toque artístico às fotografias, notadamente os retratos e as vistas urbanas. Segundo Sioma: Acredite se quiser, até chapéus eram tirados e o penteado desenhado de acordo com as indicações dadas pelos clientes. (...) Ao 29 MASSIA (2008). 30 Sobre Marcel Gautherot ver: ANGIOTTI-SALGUEIRO (2007). 31 Sobre Pierre Verger ver: LÜHNING (2002). 32 Cf. COELHO (Op. cit.). 33 Essa prática fazia parte dos grandes estúdios do século XIX e início do XX. A citação do nome desses artistas que trabalhavam com os fotógrafos era recorrente nos anúncios publicitários dos estúdios, pois conferia ao mesmo o status de espaço de produção de arte. Cf. LIMA (1991, p ).

61 60 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman perguntar o grosso cliente como era o penteado do falecido que figurava no retrato, a resposta era: Quando você tirar o chapéu, verá não vale rir Em meados dos anos 1960 o fotógrafo já havia trabalhado em uma gama enorme de atividades como, por exemplo, estúdios de retrato, 35 as vistas urbanas, as festas e os casamentos da elite porto-alegrense, fotografia para as peças teatrais que passavam pela cidade, publicação de álbuns e os concursos de arte fotográfica que lhe renderam inúmeros títulos e distinções em nível nacional e internacional. Além de participar com trabalhos fotográficos, Sioma foi membro ativo na organização das exposições de arte fotográfica em Porto Alegre, captando recursos e firmando parcerias com empresas distribuidoras de material fotográfico. Ministrou cursos de fotografia e aulas de russo. Viajou para fora do país com a Exposição: Rio Grande do Sul através da fotografia e Arte Fotográfica, no ano de Percorreu Portugal, Espanha, França, Alemanha, Itália e Israel. No ano de 1959, com patrocínio da Varig, expôs estes mesmos trabalhos em Nova York. Depois de mais de 40 anos dedicados ao ofício da fotografia, grande parte dele exercido em Porto Alegre, Sioma escreveu um livro de memórias sobre sua trajetória profissional, o qual fala das suas atividades, da sua condição judaica, relata histórias sobre alguns de seus registros fotográficos, os lugares por onde passou, as premiações, os colegas de trabalho, a fundação da associação. O livro, intitulado Respingos de Revelador e Rabiscos, foi editado por seu filho, Irineu Breitman. A obra não contou com a parceria de nenhuma editora, sendo seu acesso ainda feito em uma edição caseira, com as folhas batidas à máquina e as fotografias fotocopiadas ao longo do livro, utilizadas como ilustração dos temas abordados pelo fotógrafo. No início da obra, Sioma revela que o objetivo do livro era contar sua trajetória aos netos e bisnetos, como forma de relatar parte da saga da família, que partiu de uma Europa em guerra e com muito trabalho conseguiu êxito no Brasil, superando as dificuldades naturais do choque entre culturas distintas. Contudo é inegável que se trata de uma obra na qual o autor imaginou outras possibilidades de circulação. As evidências de um texto que se aproxima do histórico são latentes. Muitas vezes o autor se coloca quase que como uma terceira pessoa, outras vezes relata experiências pessoais. O texto alterna momentos de narração de estórias com relatos de memórias afetivas, ao mesmo tempo em que apresenta trechos de elevada erudição, com referências literárias e análises de cunho histórico e antropológico. Os textos e imagens de Sioma Breitman são itinerários possíveis para percorrer parte do universo da fotografia em Porto Alegre entre os anos de 1930 e A sua atuação constitui-se em um conjunto amplo de possibilidades da prática 34 BREITMAN (Op. cit., p. 32). 35 Sioma montou cinco estúdios fotográficos. Quatro deles tinham o nome de Aurora e ficaram sob a gerência de seus irmãos. O mais importante deles foi montado em 1937 e levava o seu nome: Sioma. Cf. BREITMAN (Ibdem, p. 28.).

62 61 Rodrigo Massia fotográfica. Muitas delas se caracterizam por ser uma novidade para o período. São elementos que se referem à própria expansão da atividade fotográfica, por inovações de ordem técnica e social. Não se pode perder de vista que a fotografia é uma invenção moderna, que surgiu em plena vigência da segunda revolução científicotecnológica, de forte influência da filosofia positivista. A própria ideia de progresso material, tão em voga no período, fez da fotografia elemento estratégico da demanda social por realismo e objetividade. Cabe aqui avaliar essa dimensão da fotografia, pois é justamente esse o caminho de abertura o fotojornalismo, a publicidade e os eventos sociais que melhor responderam a esse tipo de demanda que só a imagem técnica era capaz de proporcionar no período a um público amplo e variado. Apesar de todas as inovações advindas das máquinas portáteis e das possibilidades de trabalho fora dos estúdios fotográficos, esses ainda constituíam-se no espaço por excelência da produção fotográfica. O retratista mantinha seu status de artista-fotógrafo, qualidade atribuída a quem atingia algo próximo do sublime em fotografia: captar a personalidade do retratado e fixá-la em uma imagem fotográfica. Os estúdios fotográficos do centro da cidade ainda mantinham seu status de espaços consagrados à nobre arte do retrato. O estúdio Sioma era um deles, 36 no qual as grandes personalidades políticas e artísticas confeccionavam seus retratos. Localizado na rua dos Andradas, na área central da cidade, o estúdio era um catalisador de atividades fotográficas. Além dos tradicionais retratos, se confeccionavam ampliações, revelações, lembranças de aniversário e casamento. O estúdio era também um espaço de sociabilidade, onde fotógrafos se reuniam. A vitrine, onde Sioma expunha seus retratos, fazia publicidade do retrato artístico, como uma capacidade de que poucos fotógrafos eram dotados, conforme afirmava seu material publicitário: Para o melhor retrato procure Sioma. Um retrato artístico... sempre Sioma. 37 O retrato artístico foi o modo de representação do indivíduo burguês, como forma de construção da sua distinção social. 38 No estúdio Sioma foram produzidos os retratos oficiais de personalidades políticas como Getúlio Vargas, Flores da Cunha, Cordeiro de Farias, diversos funcionários do alto escalão do estado, 39 do escritor Erico Verissimo, do ator e produtor 36 O estúdio Sioma mantinha a tradição dos grandes estúdios de retrato, tributários do séc. XIX, no qual a localização se constitui em uma evidência de distinção, frente a um contexto de vulgarização, tanto dos estúdios como da produção de retratos. Cabe lembrar aqui que a área central ainda era o espaço de maior valorização, tanto econômico quanto social, da cidade. Cf. POSSAMAI (2005.) e SANTOS (1997.). 37 BREITMAN (Opus cit., p. 148.). 38 Para saber mais sobre a historicidade da relação entre o retrato e o modo de vida burguês ver em especial FREUND (1999.). 39 Em uma edição da Revista do Globo alusiva aos feitos do Estado Novo e as comemorações do bicentenário de Porto Alegre, foi feita uma extensa reportagem sobre o crescimento do Estado, no qual grande parte dos retratos dos prefeitos das cidades em destaque foi produzida por Sioma Breitman. É interessante notar que a assinatura do fotógrafo assume destaque na imagem, pelas dimensões, localizada logo abaixo do rosto, na parte inferior à direita. Cf. Revista do Globo (1940, p ).

63 62 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman Procópio Ferreira e de diversas personalidades do high society porto-alegrense, já que foi responsável pela produção fotográfica dos casamentos da alta sociedade. 40 Além das fotografias produzidas no ateliê, os irmãos de Sioma que trabalhavam com ele praticavam uma função que o fotógrafo chamava de angariador, 41 que consistia em percorrer o interior do estado para conseguir encomendas de ampliações fotográficas. Uma das práticas correntes em fotografia era pendurar as fotos dos familiares nucleares nas paredes das casas, com molduras, retoques, colorizações etc. O fotógrafo chegou até o interior do sul de Santa Catarina recolhendo retratos para futuras ampliações. Mantendo-se autônomo Sioma Breitman apresenta em suas memórias um cenário bastante diversificado sobre o ofício da fotografia em Porto Alegre e nas principais cidades do interior do estado. O fotógrafo trabalhava muitas vezes nos três turnos: ao longo do dia no estúdio e à noite em eventos sociais, o que evidencia o extenso tempo de trabalho do fotógrafo. Sioma parece ter assimilado desde cedo uma das características principais de um bom fotógrafo, que é manter-se neutro em relação a conflitos ideológicos ou de grupos rivais. Sioma fala do exemplo de seu pai que, em plena perseguição aos judeus no leste europeu nos anos 1910 conseguiu manter boas relações com o Estado que lhe perseguia para poder exercer o seu ofício. Apesar de assumir sua condição étnica judaica, o fotógrafo parece ter mantido sempre uma relação harmoniosa com a elite luso-brasileira e teuto-brasileira. Tendo se firmado como fotógrafo primeiro em torno da comunidade judaica, posteriormente se projetou como o principal fotógrafo das elites políticas e dos eventos sociais. Como lidava com um equipamento ainda pesado e pouco discreto (principalmente pelo uso do flash), o fotógrafo comenta que sempre pedia permissão para fotografar as pessoas nos eventos sociais, para não causar nenhum tipo de desconforto aos seus fotografados. Sua competência fazia com que raramente perdesse as chapas que batia. Por esses motivos, Sioma sempre contou com apreço das principais personalidades políticas e culturais do estado. Na AFPRGS Sioma cumpria as funções de relações públicas para arrecadar fundos para as exposições de arte fotográfica e auxiliava na organização. Sioma também expunha seus trabalhos em diversos concursos de fotografia, tanto no Brasil como no exterior, acumulando cerca de 400 trabalhos. Foi um dos responsáveis pela montagem da AFPRGS no ano de Os principais objetivos da associação eram manter cursos de capacitação no exercício da fotografia, congregar os 40 Cf. POSSAMAI (1998, p ). 41 Fala dessa atividade como prática corrente nos anos 1920 e 1930, mas que certamente não desapareceu. Uma evidência disso é a similaridade do trabalho de Chico Pintor, que ganhava vida como fotógrafo nos anos 1960 e 1970 fazendo ampliações e colorizações de fotografias, principalmente nas cidades do interior. Para saber mais ver: SILVA (1998, p ).

64 63 Rodrigo Massia fotógrafos da cidade em torno de uma organização e regularização jurídica do ofício em atividade profissional. Entre os anos de 1946 e meados de 1954, período em que funcionou a associação, foram realizados três salões de fotografia (1948, 1951 e 1952), sendo o último deles de abrangência internacional (1952). Ainda na associação funcionava, além dos salões e cursos de aperfeiçoamento no qual Sioma ministrava justamente o retoque de negativos, a publicação da Associação chamada O Fotógrafo, que funcionou entre os anos de com apenas três edições. Sioma afirma que a associação sempre passou por dificuldades de ordem financeira devido aos custos de infraestrutura, que ainda era precária. 42 Dentro da associação, o fotoamadorismo era desenvolvido como uma espécie de subseção da qual surgiu no ano de 1951 o Foto Cine Clube Gaúcho. O deslocamento evidencia o caminho da especialização e fragmentação dos ramos da atividade fotográfica, que teve seu início nesse contexto. Como o foco da AFPRGS era na formação de um grupo de profissionais da fotografia, o FCCG aglutinou os fotógrafos que exerciam a atividade sem fins profissionais, seguindo a tradição dos Fotoclubes de início do século XX. Contudo isso não impediu que fotógrafos profissionais obtivessem formação técnica nesse espaço, a princípio destinados aos amadores. Além de suas atividades exercidas com fins lucrativos, Sioma foi um fotógrafo que incentivou o exercício da fotografia como forma de expressão artística. Consagrado entre seus pares como artista-fotógrafo, considerado pela imprensa como a continuação de uma linhagem de artistas-fotógrafos locais como Otto Schönwald, Virgílio Calegari e os Irmãos Ferrari, Sioma teve extensa produção voltada para este ramo da fotografia. Ganhou inúmeros títulos, dentre os quais, considerava como o mais importante o reconhecimento, em 1957, da Federation Internationale de L art Photographique (FIAP), com sede em Berna na Suíça. 43 A titulação, com direito a certificado, era exibida como prova de sua competência e como publicidade da qualidade de seus trabalhos. Esse status conferia distinção às suas fotografias. Sioma fez uso de suas qualidades artísticas na produção do retrato clássico. 44 O fotógrafo era conhecido pela sua capacidade de dar um sopro de vida ao retratado. Como artista-fotógrafo Sioma contabilizou mais 400 trabalhos de sua autoria que participaram em salões de arte fotográfica, que aconteceram em diversas partes do mundo, inclusive no Japão. A maioria de seus trabalhos fotográficos foi produzida entre os anos de 1946 e Em sua obra textual, o autor sinaliza o ano de 1946 como 42 Cf. BREITMAN (Opus cit., p.114.). 43 Segundo Sioma, a indicação partiu do Foto Cine Clube Bandeirante de São Paulo, o que demonstra o reconhecimento da vanguarda da arte fotográfica no Brasil. Cf. BREITMAN (Ibdem, p. 102.). 44 O retrato clássico obedece a cânones bastante definidos: controle de abrangência do espaço, posição do rosto, expressão, incidência de luz, relação do retratado com o segundo plano. Neste contexto, dominar estes normativos técnicos e estéticos permitia ao fotógrafo considerar-se um artista de fato e de direito. Para ver mais sobre o gênero do retrato ver: FABRIS (2004, p ) e CASTANO (s.d.).

65 64 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman um marco significativo em sua percepção das potencialidades da fotografia. Começou a tomar contato com publicações estrangeiras e ter notícias sobre a existência de associações de fotógrafos e de salões de arte fotográfica. Mais do que isso, Sioma observava o ano de 1946 como o início de uma conjuntura geopolítica de mudanças internacionais. O fim da segunda guerra mundial era visto por Sioma como uma nova etapa das relações humanas, na qual o aprendizado da guerra traria novas perspectivas para os tempos de paz. Imbuído deste espírito, o fotógrafo percebeu que sua atividade profissional não possuía qualquer tipo de organização e regulamentação jurídica. Sioma faz apenas uma alusão ao contexto paulista, embora seja plausível afirmar que o fotógrafo tinha conhecimentos sobre contexto de exposições nacionais e internacionais. Estes eventos aconteciam no Foto Cine Clube Bandeirante desde a sua fundação, em Em 1947 foi lançada a Revista Íris, primeiro periódico sobre fotografia de caráter comercial. No ano de 1948, quando foi realizado o primeiro salão de arte fotográfica de Porto Alegre, em São Paulo, o FCCB já estava na 7ª edição de seu salão internacional. 46 Em 1950 o nível de organização da atividade amadora em São Paulo era bastante satisfatório. Foi realizada a I Convenção Brasileira de Arte fotográfica, que resultou na fundação da Confederação Brasileira de Fotografia e Cinema. Esta entidade era a representante brasileira na FIAP. 47 Quando a AFPRGS organizou seu primeiro e único salão internacional, o FCCB já estava com o mesmo evento em sua décima primeira edição. Sioma entendia que a fotografia era uma atividade que estava para além das possibilidades que oferecia o mercado, onde a prática se dava no nível de uma fotografia corrente, na qual os eventos familiares eram a tônica das imagens produzidas pelos estúdios. Conforme Sioma: As condições eram difíceis. As exigências gerais não permitiam afastar-se nem um pouco da linha classica do oficio, e do provimento de recursos para a existencia (sic). 48 Nesse sentido o fotógrafo se aproxima da interpretação de Bourdieu sobre os devotos e transgressores na fotografia. Para o autor, a atividade fotográfica que se afasta da prática corrente surge como forma de oposição a esta e constitui-se na tônica da fotografia praticada no âmbito dos fotoclubes. A atitude devota caracteriza-se pela repetição das ocasiões (turismo, aniversários, casamentos, formaturas) e padrões (identificação imediata do local fotografado, gestual definido) da fotografia corrente. O transgressor é justamente aquele que, ao negar as ocasiões e expressões correntes, busca novas situações de prática fotográfica, aproximando-se da expressão artística. A fotografia é uma forma de ingresso no mundo das artes justamente para os sujeitos das camadas médias, pois estes não têm livre acesso aos modelos já consagrados de arte como a 45 Cf. COSTA; SILVA (Opus cit., p ). 46 Ibidem, p Ibidem, p BREITMAN (Opus cit., p.101.).

66 65 Rodrigo Massia música erudita, a pintura. Fazer da fotografia uma forma de arte é, conforme aponta Bourdieu, uma atitude transgressora. 49 Sioma Breitman observa que a prática corrente impede que novas formas de expressão em fotografia sejam desenvolvidas, o que também obstaculiza a constituição de espaços de formação e aperfeiçoamento da atividade fotográfica. Sioma evidencia em seu discurso uma visão tradicional, legado pela fotografia pictorialista, 50 na qual o fotógrafo deve ser um sujeito versado nas artes e na literatura. Sua bagagem cultural deve lhe permitir a obtenção de uma fotografia que fuja à prática corrente e aos imperativos do mercado. Para que tal realidade fosse possível em Porto Alegre, fazia-se necessário a organização de uma associação que promovesse salões de arte fotográfica e oferecesse cursos de fotografia, concebendo-a como forma de expressão artística. O fotógrafo também comenta sobre o contexto de produção de algumas de suas fotografias premiadas, o que permite compreender a apropriação de certas concepções e práticas fotográficas que vigoravam no período. A ideia de uma fotografia cândida, 51 na qual o fotógrafo é uma testemunha silenciosa e discreta do acontecido é uma postura, que surge em decorrência das novas possibilidades técnicas (máquinas de pequeno formato que independem do uso do flash), que foi utilizada no fotojornalismo. No campo da arte fotográfica, esse tipo de fotografia exigia do sujeito a sensibilidade de observar uma cena fugidia e lançar um olhar poético sobre a realidade exterior. Fotos posadas eram práticas associadas à fotografia corrente, produzida em eventos sociais, como casamentos, festas, aniversários e demais eventos de cunho familiar. A arte fotográfica praticada entre os anos 1940 e 1960 procurou se afastar deste tipo de fotografia. A máquina fotográfica era entendida como uma espécie de arma silenciosa, na mira de um instante decisivo, único. Esta concepção encontra tradução nas palavras do fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson, quando este diz que a fotografia é um momento de cruzamento entre o cérebro, olho e o coração. 52 A partir da narrativa de Sioma, é possível entender um pouco mais das motivações pessoais e as soluções encontradas por ele para fotografar o cenário, de acordo com a sua ideia. A discussão recairá sobre a fotografia intitulada por ele de Súplica. 49 BOURDIEU (Opus cit., p ). O autor faz aqui uma divisão entre o que ele caracteriza por uma fotografia corrente e uma fotografia exigente. Estas duas tipologias são analisadas dentro da perspectiva de uma fotografia amadora. Outra ressalva importante é que o autor faz suas considerações sobre o contexto francês dos anos Ver em linhas gerais e sob uma perspectiva nacional e internacional, respectivamente: MELLO, (Opus cit.) e NEWHALL, (2002, p ). 51 A fotografia cândida, conforme refere o adjetivo, constitui-se em uma imagem na qual a presença do fotógrafo não foi percebida pelos retratados. Esta prática só se tornou possível pela existência das máquinas portáteis como a Leica, a Ermanox e a Rolleiflex, para citar as mais conhecidas. Esse tipo de fotografia passou a ser praticada principalmente pelo fotojornalismo alemão dos anos 1920, tendo como principal referência o fotógrafo Erich Salomon. Na arte fotográfica brasileira dos anos 1950 identifica-se essa mesma postura, só que para fins diferentes. Ver por ordem das referências abordadas: FREUND, (Opus cit., p ) e COSTA; SILVA, (Opus cit., p ). 52 CARTIER-BRESSON (2004.).

67 66 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman Sioma conta que certa vez uma de suas inúmeras clientes que solicitavam seu trabalho nos casamentos foi ao seu Estúdio para retirar as fotografias. Na ocasião estava com luvas de couro e as tirou para manusear suas fotos. A cliente teria ficado tão satisfeita com o resultado do trabalho que ao sair esqueceu-se de seu par de luvas, o que prontamente despertou o interesse do fotógrafo. Ao ver que as luvas, pela maciez do couro ainda mantinham a forma das mãos com suas rugosidades o fotógrafo começou a pensar em um projeto fotográfico com o objeto. A luva clara sob um fundo escuro com os efeitos de luz artificial sugeriu uma imagem de um gestual de súplica, de conotação fortemente religiosa. De tão satisfeito com o resultado, Sioma decidiu inserir esta imagem em sua Exposição de 1958, chamada Arte Fotográfica, que percorreu diversos países da Europa e América. Figura 3: Súplica, por Sioma Breitman. BREITMAN, (Opus cit., p.135).

68 67 Rodrigo Massia Em seu livro, o fotógrafo chegou a inserir alguns comentários sobre esta imagem, quando a expôs a bordo do navio que o levou para a Europa. Chamoulhe a atenção o fato de uma mesma pessoa ter postado dois comentários, o que demonstra o retorno e o impacto que tal imagem causou, algo que traduz os verdadeiros propósitos do fotógrafo, como pode ser observado na citação a seguir: Há tanta originalidade, tanto sentimento, tanto extro (sic) artístico, tanta inspiração, que chega-se a passar em segundo plano a técnica portanto insuperável, somente tomando em consideração e apreciando o artista, o verdadeiro puro artista, que sente, que vive, que cria sua composição. 53 Ao falar de suas imagens, Sioma Breitman constantemente abordava a questão da fotografia como caça (o retratado como alvo, a máquina como metralhadora e o click como um tiro ). Essa analogia é possível não só pela presença de uma máquina portátil, mas da mudança de postura, assumida na prática fotográfica como expressão artística. Seus conteúdos são pensados a partir de um enquadramento estético que o fotógrafo caracteriza por ser agradável, ou seja, respondem aos imperativos de harmonia, condições de luminosidade e de casualidade. O conteúdo, quando predominantemente corriqueiro e banal, consome mais as possibilidades estéticas, no caso de Sioma, a questão da luz. Tanto em página social como em súplica identificase o uso da luminosidade como recurso estético primordial, que faz da fotografia uma expressão artística. No caso de preço da independência, a fotografia é enfatizada mais pelo seu conteúdo, pois guarda fortes relações com a memória afetiva do fotógrafo. Mais do que grandes revelações sobre o enigma da fotografia, a interpretação recai aqui sobre as condições de produção. A ideia de expressão artística contida na fotografia é tema de uma extensa discussão. Muitas vezes é atribuída a uma obra artística questões que são da ordem do inefável. Sobre este tema, Bourdieu argumenta: 53 ZAPPI apud BREITMAN (Op. cit., p. 136.). 54 BOURDIEU (Opus cit. p ). Porque se faz tanta questão de conferir à obra de arte e ao conhecimento que ela reclama essa condição de exceção, senão para atingir por um descrédito prévio as tentativas (necessariamente laboriosas e imperfeitas) daqueles que pretendem submeter esses produtos da ação humana ao tratamento ordinário da ciência ordinária, e para afirmar a transcendência (espiritual) daqueles que sabem reconhecerlhe a transcendência? (...) É legítimo valer-se da experiência do inefável, que é sem dúvida consubstancial à experiência amorosa, para fazer do amor como abandono maravilhado à obra apreendida em sua singularidade inexprimível a única forma de conhecimento que convém à obra de arte? 54

69 68 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman Ao observar esta resistência a uma análise que qualifique a ação humana como racional, que faz parte da produção da obra de arte, Bourdieu chama a atenção para as bases da crítica de arte, ainda presa às categorias de gênio e dom natural. O entendimento da obra de arte nessa acepção seria algo que escapa ao conhecimento científico. No caso da arte fotográfica de Sioma observa-se que há um contexto de produção da obra na qual esta experiência da ordem do sublime não acontece a partir de um dom genial, mas fruto de investigação, de estudo das condições de luz, da sorte, da casualidade, da relação com o tema. A arte, como fruto da ação humana muitas vezes recorre à casualidade, como no caso da produção da fotografia com as luvas, que recebeu elogios que qualificam o autor da obra nos termos criticados por Bourdieu, ainda que não seja proveniente de uma crítica especializada. Ao pensar a trajetória de Sioma Breitman partindo do contexto local e inserindo-o em níveis de análise nacionais e internacionais, identifica-se que seu olhar constitui-se em uma apropriação das possibilidades existentes. O domínio do que é possível em termos de fotografia no período lhe permite transitar, tanto de um olhar tradicional, lançado sobre os retratos da elite dirigente e aos casamentos quanto de um olhar moderno, onde o fotógrafo é uma testemunha silenciosa, observadora, aos moldes de um caçador. A prática devota lhe permite prover o seu sustento, enquanto a transgressora faz dele um fotógrafo engajado na constituição de um campo de produção da arte fotográfica. Contudo, suas fotografias são apenas um entre tantos outros possíveis olhares, lançados sobre o mundo, ora bisbilhoteiro e comovido, ora moralizante e tradicional. Sem a sua assinatura em destaque nas fotografias certamente não seria possível inferir com certeza de que se trata de uma foto sua, pois não há a possibilidade de identificar uma marca pessoal. Retomando as ideias de Mario Costa: A partir da fotografia isso deixa de ser possível porque, ao anular em si a própria noção de estilo, ela é a primeira a recusar toda marca e a constituir-se como uma multidão de coisas desobjetivadas cuja obstinada estranheza não pode ser recuperada de forma alguma. E passamos, assim, da automatização à autonomização da imagem. 55 Sioma construiu a sua História ao narrar suas memórias. Mais do que informar, o fotógrafo, mesmo com uma vasta coleção de imagens, recorreu às palavras para sacramentar uma vida dedicada ao ofício da fotografia. Será que o fotógrafo tinha em mente a ausência da categoria texto nas imagens? A autoria 55 Cf. COSTA In: KERN;FABRIS (2006, p ). A questão da impossibilidade de estilos pessoais na fotografia é debatida a partir da estética hegeliana na qual a expressão artística é forma de transformar a realidade exterior, pois nela é impressa a marca do artista.

70 69 Rodrigo Massia da expressão artística contida na foto seria perdida com o tempo, fazendo de suas fotografias expressões mudas, completando o caminho de uma imagem automática para uma imagem autônoma. 56 Os propósitos de Sioma ao fazer seus registros seriam perdidos sem o recurso das palavras. Mesmo para um homem que viveu imerso no mundo das imagens, o recurso da palavra se constitui em algo definitivo, que revelaria e estabilizaria a verdade da cena retratada? Referências ABRANTES, Vera Lúcia Cortes. O trabalho no Brasil sob o olhar de Tibor Jablonszky ( ). In: I Encontro Nacional de Estudos da Imagem. Londrina: UEL, 2007, p.1-8. [CD-ROOM]. AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, ANGIOTTI-SALGUEIRO, Heliana (org.). O olho fotográfico: Marcel Gautherot e seu tempo. São Paulo: FAAP, BOURDIEU, Pierre. As regras da arte: gênese a estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, BREITMAN, Sioma. Respingos de revelador e rabiscos. Porto Alegre: Irineu Breitman,1976. CARTIER-BRESSON, Henri. O imaginário segundo a natureza. Barcelona: Gustavo Gili, CHIARELLI, Tadeu. A fotomontagem como introdução à arte moderna : visões modernistas sobre a fotografia e o surrealismo. ARS Revista do Depto. de Artes Plásticas da Escola de Comunicação e Artes da USP. São Paulo, ano I, n. 1, p.67-81, COELHO, Maria Beatriz Ramos de Vasconcellos. O campo profissional da fotografia no Brasil. Varia Historia, Belo Horizonte, vol. 22, n. 35, p , jan./jun COSTA, Helouise; SILVA, Renato Rodrigues da. A fotografia moderna no Brasil. São Paulo: Cosac & Naify, COSTA, Mario. A superfície fotográfica. In: FABRIS, Annateresa; KERN, Maria Lúcia Bastos. Imagem e conhecimento. São Paulo: Edusp, 2006, p Idem.

71 70 A técnica de João Alberto Fonseca da Silva e a arte de Sioma Breitman DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico. Campinas: Papirus, FABRIS, Annateresa. Identidades virtuais: uma leitura do retrato fotográfico. Belo Horizonte: UFMG, Entre arte e propaganda: fotografia e fotomontagem na vanguarda soviética. Anais do Museu Paulista. São Paulo, v. 13, n. 1, p , jan./ jun KERN, Maria Lúcia Bastos. Imagem e acontecimento: O mediterranismo de Joaquín Torres-García. Domínios da Imagem, Londrina, ano I, n.1, p , nov LIMA, Solange Ferraz de. O circuito social da fotografia: estudo de caso II. In: FABRIS, Annateresa. Fotografia: usos e funções no século XIX. São Paulo: Edusp, 1991, p LIMA, Solange Ferraz de; CARVALHO, Vânia Carneiro de. Fotografia e cidade: da razão urbana à lógica de consumo. Álbuns de São Paulo São Paulo: Mercado de Letras, LÜHNING, Ângela (org.) Pierre Verger: repórter fotográfico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, MASSIA, Rodrigo de Souza. Fotógrafos, espaços de produção e usos sociais da fotografia em Porto Alegre nos anos 1940 e Porto Alegre, Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 163f. MAUAD, Ana Maria. Genevieve Naylor, fotógrafa: impressões de viagem (Brasil, ). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 25, n. 49, p.43-75, MELLO, Maria Teresa Bandeira de. Arte e fotografia: o movimento pictorialista no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte, MENESES, Ulpiano Bezerra de. A fotografia como documento Robert Capa e o miliciano abatido na Espanha: sugestões para um estudo histórico. Tempo, Rio de Janeiro, n. 14, p , jan Rumo a uma História Visual. In: MARTINS, José de S.; ECKERT, Cornélia; NOVAES, Sylvia (orgs.). O imaginário e o poético nas ciências sociais. Bauru: Edusc, 2005, p

72 71 Rodrigo Massia MONTEIRO, Charles. Imagens sedutoras da modernidade urbana: reflexões sobre a construção de um novo padrão de visualidade urbana nas revistas ilustradas na década de Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 53, p , OLIVEIRA, Lúcia Lippi. Tempos de JK: a construção do futuro e a preservação do passado. In: MIRANDA, Wander Melo. (org.). Anos JK: margens da modernidade. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado. Rio de Janeiro: Casa de Lúcio Costa, POSSAMAI, Zita Rosane. Entre guardar e celebrar o passado: O Museu de Porto Alegre e as memórias do passado. Porto Alegre, Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.. Cidade Fotografada: memória e esquecimento nos álbuns fotográficos Porto Alegre décadas de 1920 e Porto Alegre, Tese (Doutorado em História Social). Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. ROUSSO, Henri. A memória não é mais o que era. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos & abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, SILVA, Fabiana de Fátima Bruce da. Caminhando numa cidade de luz e sombras: a fotografia moderna no Recife na década de Recife, Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco. 286 f. TAGG, John. La difusión de la fotografía: reformismo y retórica documental en el New Deal. In: El peso de la representación: ensayos sobre fotografías e historias. Barcelona: Gustavo Gili, 2005.

73 Capítulo 3 Por trás das lentes, uma história: a percepção de fotógrafos sobre as imagens da mídia impressa Maria Cláudia Quinto 1 O mais importante na comunicação [...] é a sociedade que há por trás dessa palavra. Dominique Wolton As questões sobre a publicação de imagens têm sido cada vez mais discutidas e analisadas pelos diversos saberes em estudos que abordam desde a análise de imagens até entrevistas com o público receptor. Segundo o historiador Peter Burke (2004, p. 24), deve-se aconselhar alguém que planeje utilizar o testemunho de imagens para que se inicie estudando os diferentes propósitos dos realizadores dessas imagens. Tais propósitos, às vezes, se distanciam do resultado final a imagem publicada e o processo que existe por trás das imagens nos informa muito sobre a lógica dessas publicações. A fotografia, surgida em 1839, de acordo com Susan Sontag (2004, p. 13), atua como uma ponte entre o mundo e nós, tornando próximo o que está distante, informando outras realidades e outros tempos. Como aponta Ivan Lima (1989, p. 9), a fotografia mudou a visão das massas. Até então o homem comum só visualizava os acontecimentos que ocorriam ao seu lado, na rua, em sua cidade. Hoje, temos acesso a uma gama enorme de situações, dos grandes feitos dos homens às catástrofes que mobilizam o público. Os acontecimentos são congelados pela lente do fotógrafo, pois a fotografia jornalística fixa um acontecimento e as suas impressões. O fotógrafo é o relator desse acontecimento: o intermediário visual entre a notícia e o público, como indica Lima (1989, p. 35). Por ser um intermediário visual, o profissional também filtra e altera a realidade a ser mostrada, no sentido de que escolhe o quê, como e quando fotografar. Os primeiros periódicos no Brasil possuíam poucas imagens e, no século XIX, o acesso a essas fotos era restrito. Dessa forma, as imagens causavam grande impacto nas pessoas, como afirmam Marco Morel e Mariana Barros (2003). De acordo com os autores, as primeiras imagens na mídia impressa, no Brasil, tinham a guerra do Paraguai e de Canudos, por exemplo como principal tema. Já com relação à revista, o jornalista Eugênio Bucci (2000, p. 1 Mestre em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. O presente artigo é parcialmente baseado na Dissertação de Mestrado em Psicologia intitulada Imagens de morte na mídia impressa: o olhar do fotógrafo, defendida em 2007, na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, sob orientação da Dra. Monique Augras.

74 73 Maria Cláudia Quinto 109) aponta que a fórmula da revista semanal de informação foi criada pela revista Time na década de No Brasil, Lima (1989, p. 71) indica que o ciclo das revistas semanais de informação com a fotografia em cores surgiu no final dos anos 1960, e teve início com a revista Veja e Leia. Segundo o autor (p. 71), a revista Veja surgiu em 1968, e em março de 1976 foi lançada a revista Isto É. Sobre esta última, Lima (1989, p. 74) afirma que o surgimento da revista Isto É foi fundamental para o surgimento de grupos de fotógrafos independentes e para a posterior criação de agências de fotógrafos. Finalmente, de acordo com Lima (1989, p. 74), em 25 de maio de 1977, na edição 22, a revista Isto É viria a publicar a sua primeira grande reportagem fotográfica. Na época, foram mostrados, em várias fotografias, os conflitos da Polícia com estudantes universitários. A partir desse momento, informar passou a significar mostrar, como indica Muniz Sodré (1972, p. 52), e essa regra parece persistir até hoje, até porque a fotografia é compreendida de maneira mais direta e rápida do que o texto. Como ressalta Lima (1989, p. 10), a facilidade do entendimento e a força da imagem é que colocaram a imagem produzida pela fotografia na vanguarda da transmissão da informação nos meios impressos. De acordo com o autor (p. 39), a notícia vinculada com a fotografia em um jornal é sempre mais lida. Para abordar sobre o tema fotografia é preciso, inicialmente, registrar que as primeiras máquinas fotográficas surgiram na França e na Inglaterra, no início da década de 1840, de acordo com Susan Sontag (2004, p. 18), e só contavam com os inventores e os aficcionados para operá-las. Conforme a obra citada, a fotografia, nessa época, não tinha nenhuma utilidade social clara (p. 18), sendo que sua importância, como registro da realidade, foi reconhecida somente mais tarde. Em termos de estrutura, a fotografia de imprensa e, dentro dela, o fotojornalismo - é considerada como uma vertente da fotografia documental, de acordo com Lima (1989, p. 11). O valor da fotografia documental é inquestionável, no sentido de mostrar e denunciar realidades às quais não teríamos acesso de outras maneiras. As primeiras guerras registradas por fotógrafos foram a Guerra da Crimeia ( ) e a Guerra Civil Espanhola ( ), de acordo com Sontag (2003, p. 21). A autora comenta que até a Primeira Guerra Mundial, o combate propriamente dito esteve fora do alcance das câmeras e que as imagens da guerra publicadas entre 1914 e 1918, quase todas anônimas, eram, em geral [...] de estilo épico (p ). A filósofa cita o exemplo da Guerra Civil Espanhola, como sendo a primeira guerra testemunhada ( coberta ) no sentido moderno: por um corpo de fotógrafos profissionais nas linhas de frente e nas cidades sob bombardeio (p. 22). Em relação à fotografia de guerra, Sontag (2004, p. 51) oferece um interessante relato:

75 74 Por trás das lentes, uma história Embora a fotografia, normalmente, seja uma visão onipotente e a distância, existe uma situação em que as pessoas são mortas, de verdade, por tirar fotos: quando fotografam pessoas matandose mutuamente. Só a fotografia de guerra combina voyeurismo e perigo. Fotógrafos de combate não podem deixar de participar da atividade letal que registram, até vestem uniformes militares, ainda que sem insígnias de patente. (2004, p. 51) Atualmente, podemos transpor essa ideia, por exemplo, à realidade dos fotojornalistas do Rio de Janeiro, que entram em comunidades acompanhando as operações da Polícia. Podem não estar do outro lado do mundo registrando guerras, mas vivenciam o mesmo estresse semelhante, correndo riscos durante a prática. Em algumas vezes, os fotógrafos permanecem horas à espreita, em locais considerados perigosos, à procura da fotografia perfeita. A fotografia Execução em uma rua de Benfica, da fotógrafa Wania Corredo, vencedora do Prêmio Esso de Fotografia, exemplifica essa questão. Assim, podemos observar que, guardadas as devidas proporções, os repórteres fotográficos de hoje se assemelham aos fotógrafos de guerra. Sobre o surgimento dos fotógrafos na imprensa brasileira, Lima (1989, p. 26) observa que estes sugiram na década de 1920 através dos contínuos ou amigos dos donos de jornais, sendo que os amigos dos donos tinham maior tempo livre e uma câmera na mão, e os contínuos desejavam subir de categoria. O fotojornalismo só começou a ser reconhecido por volta de 1940, em tempo de guerra, como afirma Sontag (2003, p. 32). No fotojornalismo tem-se a preocupação de informar a maior quantidade de dados em uma única imagem. A imagem deve resumir a notícia e mostrar o essencial da reportagem. Segundo Lima (1989, p. 35), a reportagem é um acontecimento dinâmico, do qual o fotógrafo tem que extrair uma imagem que exprima o momento visual significativo daquele acontecimento. O autor ressalta que tudo tem que estar no mesmo quadro: os personagens e as suas relações com o espaço e com a circunstância (p. 35). Portanto, informar pode, também, significar mostrar, mas não basta mostrar de qualquer maneira, pois a foto deve chamar a atenção e ter qualidade. O fotógrafo também deseja ter o seu trabalho reconhecido no meio da Comunicação. Burke (2004, p. 24) afirma que seria imprudente atribuir a esses artistas fotógrafos um olhar inocente no sentido de um olhar que fosse totalmente objetivo, livre de expectativas ou preconceitos de qualquer tipo. Tanto literalmente quanto metaforicamente, esses esboços [...] registram um ponto de vista.

76 75 Maria Cláudia Quinto O pesquisador Fernando de Tacca (2004, p. 5-6) afirma que será na foto-choque que encontramos a representação crua da violência, da morte e do sofrimento. O trágico traz a dor alheia de forma explícita, impactante e cruel. É comum vermos relatos nos quais se afirma que, atualmente, há uma proliferação de imagens chocantes e violentas. No entanto, não podemos dizer que este é um fenômeno recente. Imagens chocantes sempre tiveram espaço nas revistas e jornais, como vimos, anteriormente, e como podemos observar no relato, feito em 1860, pelo poeta francês Charles Baudelaire, citado por Sontag (2003, p ): É impossível passar os olhos por qualquer jornal, de qualquer dia, mês ou ano, sem descobrir em todas as linhas os traços mais pavorosos da perversidade humana [...]. Qualquer jornal, da primeira à última linha, nada mais é do que um tecido de horrores. Guerras, crimes, roubos, linchamentos, torturas, as façanhas malignas dos príncipes, das nações, de indivíduos particulares; uma orgia de atrocidades universal. E é com este aperitivo abominável que o homem civilizado diariamente rega o seu repasto matinal. A descrição de Baudelaire sobre os jornais de 1860 não está tão longe da descrição de nossos veículos de comunicação atuais, sendo que hoje se tem muito mais imagens nos jornais do que na época do poeta. A imagem fotografada deve ser digna de ser publicada, como Lima (1989, p. 27) aponta: se a notícia não for quente ou a foto não for boa o seu trabalho pode não ser publicado. O autor (p. 67) ainda comenta que os redatores e fotógrafos apreciam, particularmente, as fotos ditas sensacionalistas, pelas condições excepcionais nas quais elas foram realizadas. Pode existir, em alguns casos, uma maior valorização da imagem registrada em contingências de risco. Segundo Lima (1989, p. 67), o risco enorme que o fotógrafo corre é recompensado pelo seu prestígio na redação. São poucas as fotografias de catástrofes que tem um grande valor informativo. Elas são apreciadas pela sua força emocional. Durante a produção da imagem é preciso considerar o elemento de subjetividade do fotógrafo, o mundo visto através da lente da máquina fotográfica já se mostra transformado por uma série de razões: a escolha do melhor ângulo, o objeto a ser fotografado. Sobre isso, Boris Kossoy (2000, p. 30) afirma que as possibilidades do fotógrafo interferir na imagem e portanto na configuração do assunto no contexto da realidade existem desde a invenção da fotografia. O fato fotografado é congelado na imagem e reproduzido. Sobre esse assunto, Roland Barthes (1984, p. 15) afirma que o que a fotografia reproduz ao infinito só ocorreu uma vez: ela repete mecanicamente o que nunca mais poderá repetir-se existencialmente. A escolha do que fotografar inclui,

77 76 Por trás das lentes, uma história também, o perfil do veículo de comunicação, permeado por motivações diversas, sensacionalistas ou não. Algumas publicações, mais sensacionalistas, são capazes de publicar imagens grotescas de determinadas situações, imagens que, talvez, o público não tenha interesse de ver, e nem mesmo o fotógrafo. Conforme Barthes (1984, p. 57), o fotógrafo, como um acrobata, deve desafiar as leis do provável ou mesmo do possível; em última instância, deve desafiar as do interessante: a foto se torna surpreendente a partir do momento em que não se sabe por que ela foi tirada. [...] Em um primeiro tempo, a Fotografia, para surpreender, fotografa o notável; mas logo, por uma inversão conhecida, ela decreta notável aquilo que ela fotografa. Nesse processo, a imagem mostrada se torna superestimada e pode adquirir um status de realidade. Conforme afirma Sontag (2003, p. 22), algo se torna real para quem está longe, acompanhando o fato em forma de notícia ao ser fotografado. Sontag (2003, p. 23) revela ainda que o fluxo incessante de imagens (televisão, vídeo, cinema) constitui o nosso meio circundante, mas quando se trata de recordar, a fotografia fere mais fundo. A memória congela o quadro; sua unidade básica é a imagem isolada. Numa era sobrecarregada de informação, a fotografia oferece um modo rápido de apreender algo e uma forma compacta de memorizá-lo. A foto é como uma citação ou uma máxima ou provérbio. Cada um estoca, na mente, centenas de fotos, que podem ser recuperadas instantaneamente. A imagem memorizada serve como um banco de registro de todos os conteúdos a que somos expostos diariamente. Tais conteúdos se tornam parte de quem somos. Em virtude disso, a delicada discussão sobre a veracidade e autenticidade das imagens se torna necessária. O sociólogo Michel Maffesoli (1995, p. 92) afirma que a imagem ou o fenômeno não pretende a exatidão [...] Em suma, a imagem é relativa, no sentido de não pretender o absoluto. [...] É esse mesmo relativismo que a torna suspeita. Nesse aspecto, um ponto importante a ser refletido é o uso do argumento da relativização da imagem para legitimar certas publicações, questão que deve ser avaliada através de um exercício crítico do olhar. Outro ponto interessante para se pensar é a questão das cores das imagens e seus impactos. Sobre esse aspecto, Lima (1989, p. 82) ressalta que devemos questionar

78 77 Maria Cláudia Quinto se a forma de leitura de uma fotografia muda quando essa foto é em cores. Sem dúvida que sim. [...] As cores primárias (vermelho, amarelo e azul) são perceptíveis antes das cores secundárias (laranja, violeta e verde) e quanto mais puras forem essas cores, mais elas se destacam em relação às não puras. Da mesma forma, os componentes de cor vermelha dominam em relação ao amarelo e ao azul. O vermelho do sangue de um acidente ou crime acentua indevidamente a questão emocional da mensagem. Um interessante estudo feito por Luciano Guimarães (2000) mostra que, desde o surgimento da revista Veja, a cor mais utilizada em suas capas é o vermelho. Com a transformação da imagem impressa pelos meios de comunicação, passando da fotografia preto e branco para a colorida, as imagens violentas passaram a chamar ainda mais a atenção do público. Quanto mais chocante for a imagem, obviamente, mais intensa poderá ser a emoção que ela irá provocar. Com as transformações tecnológicas, as formas de produção, consumo e repercussão dessas imagens também se alteram. Como aponta Vilém Flusser (2002, p. 57), o receptor pode recorrer ao artigo do jornal que acompanha a fotografia para dar nome ao que está vendo. Mas, ao ler o artigo, está sob influência do fascínio mágico da fotografia. Um exemplo do impacto da fotografia é o caso de uma foto tirada pelo fotógrafo Severino Silva, em 1992, para o jornal O Povo, do Rio de Janeiro, analisada no trabalho de Denise Camargo (2005). A foto mostra um grupo de crianças jogando futebol, próximo a um corpo esquartejado. O fotógrafo optou por registrar a cena utilizando uma perspectiva de forma que a cabeça do cadáver parecia estar no lugar da bola de futebol das crianças. Obviamente, criou-se uma polêmica em torno de tal foto, pois a primeira impressão, ao olhar a foto, era a de que as crianças estavam jogando com a cabeça humana. Após um olhar atento, era possível perceber a bola atrás. Em casos como esse, parecem ser comuns os debates que envolvem, de um lado, argumentos sobre o valor documental da imagem e, do outro lado, comentários sobre os impactos emocionais que fortes imagens podem provocar no público, sendo necessário lançar um olhar atento aos vários argumentos e discursos dos atores envolvidos no debate. Tal exemplo também ilustra a acalorada discussão sobre os impactos das imagens e questões éticas das publicações. No ano de 2007, entrou em vigor o novo Código de Ética da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ), que substituiu o antigo Código, de Em comparação com o anterior, o novo código traz sutis alterações em vários artigos: a nova versão do Artigo 2, do capítulo I, registra, agora, que a liberdade de imprensa implica um compromisso com a responsabilidade social inerente à profissão. No artigo 11, a versão antiga dizia que o jornalista deve evitar a divulgação de fatos de caráter mórbido e contrários aos valores humanos. A versão

79 78 Por trás das lentes, uma história atual afirma que o jornalista não pode divulgar informações [...] de caráter mórbido, sensacionalista ou contrário aos valores humanos, especialmente em cobertura de crimes e acidentes. O artigo 12 informa que o jornalista deve rejeitar alterações nas imagens captadas que deturpem a realidade, sempre informando ao público o eventual uso de recursos de fotomontagem, edição de imagem, reconstituição de áudio ou quaisquer outras manipulações. Esses são alguns exemplos da atual preocupação da Comunicação com as questões de ordem ética. As questões sobre a ética na Comunicação também dividem os profissionais do meio, e, como ressalta Eugênio Bucci (2000, p. 11), o jornalismo é conflito, e quando não há conflito, um alarme deve soar. Aliás, a ética só existe porque a Comunicação Social é lugar de conflito. O jornalista (p. 10) comenta, ainda, que o jornalismo como o conhecemos, isto é, o jornalismo como instituição da cidadania, e como as democracias procuram preservá-lo, é uma vitória da ética, que buscava o bem comum para todos, que almejava a emancipação que pretendia construir uma cidadania, que acreditava na verdade e nas leis justas. Contudo, mesmo sendo o jornalismo, historicamente, uma vitória da ética, se um leitor se sentir agredido pelo conteúdo de determinadas imagens, poderá passar a ter uma série de questionamentos sobre a atuação dos veículos de comunicação. Sobre a ética jornalística, Bucci (2000, p. 12) ressalta que esta encarna valores que só fazem sentido se forem seguidos tanto por empregados da mídia como por empregadores e se tiverem como seus vigilantes os cidadãos do público. É necessário considerar a especificidade dos casos isolados e evitar generalizar as conclusões ao tratar desse assunto. A vigilância do público só é possível na medida em que o mesmo acredita que suas ações e contestações farão, de fato, diferença e trarão resultados. De acordo com Raquel Paiva (2002, p. 37), com a responsabilidade de propiciar um sentimento de espaço público por onde circulem as falas e as contradições, ergue-se o jornalismo. No entanto, através de um rápido olhar nas seções de cartas de leitores de jornais e revistas, é possível observar a grande incidência de mensagens que apenas elogiam as matérias. Há depoimentos que consideram as reportagens esclarecedoras, bem escritas e com belas imagens. É compreensível que se procure legitimar o conteúdo das matérias através da publicação seletiva de cartas positivas, mas também é preciso ver além do que está exposto e saber perceber o que as ausências são capazes de mostrar. O fotógrafo se preocupa em mostrar os fatos, em fazer da sua imagem um documento a ser levado a sério. Nesse processo, muitas vezes não há tempo para

80 79 Maria Cláudia Quinto maiores abstrações. Após a publicação de uma foto, uma nova pauta é recebida, e uma nova imagem deve ser feita. A dinâmica da velocidade na imprensa acaba por servir de justificativa para o não pensar a reação do público. E dessa forma os dias se passam, pauta após pauta, com profissionais despejando imagens às vezes impensadas sobre um público consumidor que pode querer dedicar tempo a essas imagens. O receptor pode se tornar consciente de tais imagens, nutrindo uma autoridade no assunto que o emissor nem sempre parece ter, por estar algumas vezes mais envolvido com a velocidade da informação do que com o conteúdo. Nesse caso, a posse da imagem pode passar do emissor distraído ao receptor mais atento, que dispõe de tempo para analisar e absorver a imagem. Durante todo o processo, a imagem interage mais com o receptor do que com o emissor, que está focado, naturalmente, com a pauta do dia seguinte. Sobre o conteúdo da mensagem, despertar a emoção no público parece significar que, assim, a comunicação é humanista. É possível perceber isso pelo relato de Bucci (2000, p. 95) ao dizer que banir a emoção da informação é banir a humanidade do jornalismo. E é banir o público. Os leitores, internautas, ouvintes e telespectadores reagem emocionalmente [...] aos acontecimentos. Será que podemos afirmar que reagir ao acontecimento significa que a comunicação é humanista? Despertar emoção significa necessariamente que a comunicação é humanista, se o sentimento gerado for negativo e angustiante para seus consumidores? Para Dominique Wolton (2002a, p. 64), doutor em Sociologia, a comunicação torna-se um setor explosivo se, ao lado da técnica e da economia, não se incluem orientações humanistas. A comunicação, segundo Wolton, é um grande desafio científico e político do século XXI (2002b, p. 1). Para o autor, através dela joga-se em definitivo a relação de cada um de nós com o mundo (p. 3). Wolton (2005, p ) indica, ainda, que o essencial da comunicação é o respeito ao outro, diálogo entre as culturas, construção da tolerância. E é sobre isso que a comunicação é certamente responsável. Dessa forma, Wolton (2003b, p. 42) salienta quatro pontos a serem considerados sobre as imagens: (1) valorizar a importância do contexto, da história ; (2) reconhecer a dimensão crítica do receptor ; (3) jamais pensar a imagem em si (independente do seu público-alvo, considerando-o como um ser universal, sem identidade ) e (4) não há imagem sem imaginário (o imaginário do produtor da imagem pode ser diferente do receptor). Refletir sobre essas quatro dimensões é fundamental para aquele que deseja pesquisar sobre imagens publicadas na mídia. Ainda hoje, a capacidade crítica do receptor nem sempre parece ser valorizada como deveria e o público é frequentemente visto como um ser universal é comum supor o que o público gosta ou deseja e usar tais argumentos para legitimar as formas como as notícias são produzidas.

81 80 Por trás das lentes, uma história Na outra ponta da discussão está o fotógrafo com as suas questões e seus pontos de vista. Conforme Fernando de Tacca (2004, p. 7), o fotógrafo sempre foi um indivíduo livre, um viajante, flâneur, [...] que almejava não viver enclausurado em normas produtivas rígidas. O fotógrafo, que antes vagava pelas ruas à procura da imagem ideal, agora se vê restrito às amarras das regras do campo das comunicações. Tacca (2004, p. 7) aponta que o olhar livre do fotógrafo percorre os labirintos da sociedade para nos informar visualmente aquilo que não está nos meios tradicionais de comunicação de massa. Seriam então todas essas imagens que permearam nosso imaginário e nossa cultura visual retiradas à força do cotidiano das pessoas e tornadas públicas por um ato antiético? O autor conclui que cabe ao fotógrafo não aceitar as camisas de força ao olhar, lutando para continuar sendo um indivíduo livre das amarras institucionais (TACCA, 2004, p. 9), e que a lógica da ética não pode ser regida pela punição a priori e sim pelo uso que se faz dessas imagens. Veremos, adiante, um pouco mais sobre a percepção dos fotógrafos sobre a publicação de imagens na mídia impressa. Relato de Pesquisa O relato a seguir se baseia na Dissertação de Mestrado intitulada Imagens de morte da mídia impressa: o olhar do fotógrafo (170 p.), sob orientação da Dra. Monique Augras, no Mestrado em Psicologia da Pós-Graduação de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), entre os anos de 2005 e 2006, e defendida em O tema da Dissertação manteve o foco em questões sobre imagens violentas (de mortes) na mídia impressa. Ao todo foram entrevistados dez fotógrafos profissionais, com o tempo de atuação que varia entre nove até 38 anos de prática, com passagem pelos principais jornais e revistas do Brasil. A fundamentação teórica da Dissertação foi baseada em autores da Sociologia francesa (Michel Maffesoli e Dominique Wolton) e em teorias sobre a fotografia e imagem (Sontag, Flusser, Barthes, Ivan Lima), e as entrevistas foram analisadas com base na Análise do Discurso. As questões abordadas nas entrevistas se referiam à prática do fotógrafo no momento de produção das imagens, sua opinião sobre a prática de fotografar para diferentes tipos de jornais ou revistas, sobre manipulação e edição de imagens, sobre a visão que se tem do público, critérios, normas e restrições de publicação, localização das imagens, percepção sobre vendas e consumo do material. Alguns

82 81 Maria Cláudia Quinto tópicos abordados nas entrevistas foram selecionados a seguir para exemplificar e refletir sobre as questões que este artigo aborda. Sobre a questão da produção da imagem, alguns fotógrafos entrevistados enfatizaram a responsabilidade do fotógrafo nesse processo e o desejo por uma fotografia mais autoral, o que às vezes esbarra em limitações institucionais. A questão da distância entre o fato em si e a imagem produzida também é relatada nas entrevistas, sendo que a consciência dessa distância pode nem sempre estar presente nos consumidores das imagens. Alguns relatos apontam para a visão da imagem enquanto representação e não como realidades explícitas, e que caberia ao leitor a autonomia de decidir o que deseja comprar ou não. No que diz respeito ao conteúdo das imagens, os relatos apontam para a ênfase de que as imagens registradas não são mais impactantes do que a própria realidade moderna e que a violência estaria presente no dia a dia, não havendo diferença se essa violência está nos fatos ou na capa de um jornal. De qualquer forma, a questão da banalização da violência e da anestesia diante das imagens foram pontos citados por alguns profissionais entrevistados, juntamente com a percepção de que o público costuma não memorizar as imagens recebidas. Sobre a possibilidade da alteração das imagens, a manipulação tende a ser vista como uma ferramenta que sempre existiu na fotografia, tendo em vista as antigas práticas de laboratório, sendo, porém, mais aceita quando se tratam de imagens publicitárias, pois vários entrevistados enfatizaram o caráter documental da fotografia no fotojornalismo. A questão que se coloca nesse ponto seria o argumento de alguns consumidores sobre os seus direitos de verem uma imagem fiel ao acontecimento. Assim, alguns relatos apontam que, ao aceitar um trabalho, o fotógrafo precisaria estar consciente das questões que envolvem a prática. Além disso, relatos apontam que as questões que mobilizam os fotógrafos são, muitas vezes, detalhes prioritários sobre as técnicas utilizadas para a imagem a ser produzida, e que essa, sim, seria a função do fotógrafo. Há também a questão de se produzir o máximo possível de imagens durante o acontecimento, para depois escolher; portanto, o elemento temporal é preciso ser levado em consideração. Os relatos sobre a concentração e o foco, no momento do registro, são frequentemente citados pelos entrevistados, assim como a percepção de que o público percebe as imagens como realidade. Os relatos apontam para a importância de a imagem ser contextualizada, sendo necessário haver uma razão para determinada fotografia estar publicada em algum veículo ou em determinada posição. Com relação aos reguladores da publicação das imagens, ou seja, o que ou quem ditaria ou deveria ditar essa veiculação, os entrevistados não pareceram chegar a um acordo. Alguns pensam que, na hora de decidir se uma imagem deve

83 82 Por trás das lentes, uma história ser publicada ou não, o que deve contar é o bom-senso. Outros acreditam que, nesse momento, o respeito às pessoas deve ser a prioridade, assim como a reação do público. Sobre a aprovação do público, os relatos enfatizaram a importância de estarse atento à forma como esse reage diante da publicação de imagens violentas, através de contatos feitos com a redação do jornal ou revista. Vários fotógrafos entrevistados relataram preocupação em não expor imagens violentas. Outra preocupação relatada foi no sentido de produzir fotos de qualidade, resgatando um aspecto artístico e valorizando o fotojornalismo perante o campo da Fotografia. Durante as entrevistas, apareceram, também, elementos importantes sobre a subjetividade e emotividade dos profissionais, alguns relataram sobre dificuldades encontradas em situações nas quais se depararam com notícias tristes sobre pessoas conhecidas ou sobre o medo que sentiram em situações de risco na cobertura de certas matérias, enfatizando a dicotomia entre a procura da beleza nas situações e a possibilidade real de estar exposto a riscos. Em algumas situações relatadas, a preocupação em captar o instante parece se sobressair ao cuidado com a própria segurança: o fotógrafo deseja conseguir tal foto e ser reconhecido por isso, inclusive, pelo risco ao qual se submeteu. Lima (1989, p. 37) observa que o fotógrafo também não pode ser um espectador passivo nem se envolver emocionalmente com o acontecimento. Porém, a busca desse equilíbrio parece fácil em teoria, mas difícil de ser aplicada no momento em que cenas chocantes acontecem diante dos olhos do fotógrafo. Sobre as imagens selecionadas para as capas de revistas, vários entrevistados lembraram-se de imagens de situações difíceis, mas que foram captadas de maneira bela e sensível por outros fotógrafos, enfatizando a importância da sensibilidade do profissional e também da identificação que certas imagens são capazes de produzir nas pessoas. O importante é que sejam consideradas as diferenças nos imaginários dos consumidores e dos produtores das imagens. Nesse aspecto, Wolton (2003b, p. 42) sinaliza que entre a intenção dos autores e a dos receptores não operam somente os diferentes sistemas de interpretação, de codificação e de seleção, mas igualmente todos os imaginários. Como vimos, a discussão sobre as imagens publicadas na mídia impressa abarca uma série de questões sobre variadas práticas. O processo precisa ser compreendido cada vez mais a partir de um olhar múlti e interdisciplinar, que possa compreender e respeitar os diversos campos de atuação, mas que também possa lançar um olhar crítico sobre os fenômenos contemporâneos que nos cercam. A proliferação das imagens abre margem a uma espécie de anestesia social na qual o risco da banalização está intrínseco no processo. Cada vez mais, parece ser necessário despertar para essas questões, lançar um olhar atento às imagens, às subjetividades envolvidas nos processos e à própria necessidade de se consumirem tantas imagens.

84 83 Maria Cláudia Quinto Diante da proliferação das imagens na modernidade e da importância atribuída às mesmas, finalizamos este artigo com o interessante prognóstico de Dominique Wolton (2002a, p. 60) sobre o futuro das imagens: Referências Estamos numa sociedade na qual a imagem desempenha um papel muito mais importante do que há 50 anos. Mas o espetáculo não transforma tudo, não dirige a sociedade. [...] Haverá um retorno a outros valores, pois o indivíduo não pode viver somente na imagem. ACHUTTI, Luiz Eduardo R (Org.). Ensaios (sobre o) fotográfico. Porto Alegre: Unidade Editorial Porto Alegre, AUGRAS, Monique R. A. O paradoxo das imagens. Relatório: Rio de Janeiro: PUC-RIO, BAITELLO JUNIOR, Norval. As quatro devorações: iconofagia e antropofagia na comunicação e na cultura. In: FRANÇA, Vera et al. (Org.). Livro do XI COMPÓS Estudos de Comunicação. Porto Alegre: Sulina, BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, BAUDRILLARD, Jean. Cool memories IV: crônicas São Paulo: Estação Liberdade, BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: LIMA, Luiz da Costa (Org.). Teoria da cultura de massas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão, seguido de A influência do jornalismo e Os Jogos Olímpicos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BUCCI, Eugênio. Sobre ética e imprensa. São Paulo: Companhia das Letras, BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. São Paulo: EDUSC, 2004.

85 84 Por trás das lentes, uma história CAMARGO, Denise. O achatamento da perspectiva: leitura de uma imagem de morte e violência. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 27, Porto Alegre. Anais... São Paulo: Intercom, Disponível em: <http://www.intercom.org.br>. Acesso em: 15 ago CAMARGO, Isaac Antonio. O uso da fotografia e a construção do objeto noticioso na edição da mídia impressa. In: FAUSTO NETTO, Antônio; HOHLFELDT, Antônio; PRADO, José Luiz A. ; PORTO, Sérgio Dayrrel (org.). Práticas midiáticas e espaço público. Porto Alegre: EDIPUCRS, ENDO, Paulo. O consumo de imagens violentas: pacto e alienação. In: Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v , p , FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa-preta Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, FREITAS, Ricardo Ferreira. A subversão pós-moderna e o diabólico Maffesoli: uma breve discussão sobre o mal como essência necessária à mídia contemporânea. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 26, p , abr GIDDENS, Anthony. Mundo em descontrole. Rio de Janeiro: Record, GOLDSTEIN, Jeffrey H. Psicologia social: questões filosóficas e teóricas. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, GUIMARÃES, Luciano. A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores. São Paulo: Annablume, HONNEF, Klaus. Andy Warhol. Edição exclusiva para Paisagem. Kölh: Taschen, JOBIM e SOUZA, S.; CAMPOS, C. C. G. Mídia, cultura do consumo e constituição subjetiva da infância. Revista Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 23, n. 1, p , JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. 2. ed. São Paulo: Papirus, KOSSOY, Boris. Realidades e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Ateliê Editorial, LEITÃO, Carla Faria; NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria. A Psicologia no novo contexto mundial. Estudos de psicologia (Natal), Natal, v. 8, n. 3, p , set./dez

86 85 Maria Cláudia Quinto LEITE, Marcelo Henrique. Imagem fotográfica e temporalidade social. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 27., Porto Alegre. Anais... São Paulo: Intercom, Disponível em: <http://www.intercom.org.br>. Acesso em: 15 ago LIMA, Ivan. A fotografia é a sua linguagem. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, Fotojornalismo Brasileiro: realidade e linguagem. Rio de Janeiro: Fotografia Brasileira, MAFFESOLI, Michel. Lógica da dominação. Rio de Janeiro: Zahar, A conquista do presente. Rio de Janeiro: Rocco, O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, A contemplação do mundo. Porto Alegre: Artes e Ofícios, No fundo das aparências. Rio de Janeiro: Vozes, Michel Maffesoli: o imaginário é uma realidade. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 1, n. 15, ago A comunicação sem fim. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 1, n. 20, p , abr A parte do diabo: resumo da subversão pós-moderna. Rio de janeiro: Record, O mistério da conjunção: ensaios sobre comunicação, corpo e socialidade. Porto Alegre: Sulina, MOREL, Marco; BARROS, Mariana M. de. Palavra, imagem e poder: o surgimento da imprensa no Brasil do Século XIX. Rio de Janeiro: DP & A, MORETZSOHN, Sylvia. Jornalismo em tempo real: o fetiche da velocidade. Rio de Janeiro: Revan, NEIVA-SILVA, Lucas; KOLLER, Sílvia Helena. O uso da fotografia na pesquisa em psicologia. Estudos de Psicologia (Natal), Natal, v. 7, n. 2, p , NICOLACI-DA-COSTA, Ana Maria. A análise de discurso em questão. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 10, n. 2, p , 1994.

87 86 Por trás das lentes, uma história PAIVA, Raquel. O espírito comum: comunidade, mídia e globalismo. Petrópolis: Vozes, A publicização da ética no espaço midiatizado. In: PAIVA, Raquel (org.). Ética, cidadania e imprensa. Rio de Janeiro: Mauad, RAMONET, Ignácio. A tirania da comunicação. Rio de Janeiro: Vozes, RAMOS, Fabiana Pinheiro; NOVO, Helerina Aparecida. Mídia, violência e alteridade: um estudo de caso. Estudos de Psicologia (Natal), Natal, v. 8, n. 3, p , set. /dez RÜDIGER, Francisco. Comunicação e teoria crítica da sociedade: Adorno e a escola de Frankfurt. Porto Alegre: EDIPUCRS, SILVA, Juremir Machado da. Michel Maffesoli: por uma política de transfiguração. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 10, p , jun Interfaces: Michel Maffesoli, teórico da Comunicação. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 25, p , dez SINGER, Peter. Ética Prática. São Paulo: Martins Fontes, SOARES, M. C. Televisão e democracia. In: Matos, H. (Org.). Mídia, eleições e democracia. São Paulo: Página Aberta, SODRÉ, Muniz A. Cabral. A comunicação do grotesco: um ensaio sobre a cultura de massa no Brasil. Petrópolis: Vozes, Televisão e Psicanálise. São Paulo: Ática, O social irradiado: violência urbana, neogrotesco e mídia. São Paulo: Cortez, Reinventando a cultura: a comunicação e seus produtos. Rio de Janeiro: Vozes, SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, Sobre a fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, SOUZA, Lídio de; FREITAS, Maria de Fátima Quintal de; RODRIGUEZ, Maria Margarida Pereira. Psicologia: Reflexões (im)pertinentes. São Paulo: Casa do Psicólogo, SOUZA, Meriti de. Televisão, violência e efeitos midiáticos. Revista Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 23, n. 4, p , 2003.

88 87 Maria Cláudia Quinto SPINK, Mary Jane Paris; MEDRADO, Benedito. Produção de sentidos no cotidiano: uma abordagem teórico-metodológica para análise das práticas discursivas. In: (Org.). Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: aproximações teóricas e metodológicas. São Paulo: Cortez, TACCA, Fernando de. A morte fotográfica. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 27, Porto Alegre. Anais... São Paulo: Intercom, Disponível em: <http://www.intercom.org.br>. Acesso em: 15 ago Imagem fotográfica: aparelho, representação e significação. Revista Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 9-17, set./dez TACUSSEL, Patrick. A morte na página. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 29, p , abr TEIXEIRA, Maria Cecília Sanchez. Antropologia, cotidiano e educação. Rio de Janeiro: Imago, THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação em massa. Rio de Janeiro: Vozes, WOLTON, Dominique. Os meios do terror. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 1, n. 17, p , abr. 2002a.. Comunicação: um grande desafio científico e político do século XXI. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 1, n. 19, dez. 2002b.. A globalização da informação. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 1, n. 20, p , abr. 2003a.. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2003b.. Elogio do humanismo radical. Revista FAMECOS, Porto Alegre, v. 1, n. 27, p. 7-14, ago Sites consultados ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS. Disponível em: <http://www. anj.org.br>. Acesso em: 22 mar ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS EDITORES DE REVISTAS. Disponível em: <http://www.aner.org.br>. Acesso em: 05 jun

89 88 Por trás das lentes, uma história FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS. Disponível em: <http:// Acesso em: 04 fev INTERCOM. Disponível em: <http://www. intercom.org.br>. Acesso em: 7 ago PRIMEIRA PÁGINA. Desenvolvido por Federação Nacional dos Jornalistas. Disponível em: <http://capas.anj.org.br>. Acesso em: 12 dez

90 PARTE II: FOTOGRAFIA, HISTÓRIA E ARTE

91 Capítulo 4 História da fotografia moderna brasileira: experimentações de Geraldo de Barros e José Oiticica Filho ( ) Carolina Martins Etcheverry 1 Muito já foi escrito sobre a história da fotografia oitocentista no Brasil. 2 Entretanto, a história da fotografia moderna brasileira do século XX, ainda está, em grande parte, por ser escrita. Tem-se um determinado número de autores, entre eles Helouise Costa, 3 Tadeu Chiarelli 4 e Rubens Fernandes Júnior, 5 que trouxeram importantes contribuições para aqueles que desejam estudar este tema tão interessante. É comum, principalmente devido ao livro A fotografia moderna no Brasil, de Helouise Costa e Renato Rodrigues da Silva, estabelecer como marco temporal a década de 1940 para o início desta prática fotográfica. Segundo eles, foi no seio do Foto Cine Clube Bandeirante que a fotografia moderna nasceu. De acordo com os autores, A fotografia moderna no Brasil surgiu e se desenvolveu no Foto Cine Clube Bandeirante. Os fotógrafos bandeirantes concretizaram uma transformação que abalou a tradição pictorialista e acadêmica do movimento amador. Embora haja notícias de especulações modernas esparsas fora do ambiente fotoclubista, a documentação até agora levantada aponta que essa prática só se realizou sistematicamente e como experiência de grupo no Foto Cine Clube Bandeirante. 6 Pode-se perceber que o critério utilizado pelos autores para definir o que seria a fotografia moderna e onde ela se posicionaria dentro do panorama geral da fotografia está baseado na sua inserção em um meio legitimador o Foto Cine Clube Bandeirante. As contribuições esparsas, ainda que relevantes, são colocadas em segundo plano por não se inserirem nesta categorização. 1 Mestre em História, Teoria e Crítica da Arte e Doutoranda em História do PPGH/PUCRS. 2 Cf.: Kossoy (1998, 2002 a, 2002 b, 1983), Fabris (1998, 2007, 2008), Pedro Karp Vasquez (1985, 2002, 2003), Solange Ferraz de Lima (1997), Vânia Carneiro de Carvalho (1997), Zita Possamai (2005). 3 Cf. Helouise Costa e Renato Rodrigues da Silva (2004). 4 Cf. Tadeu Chiarelli (2003). 5 Cf. Rubens Fernandes Júnior (2006). 6 Helouise Costa e Renato Rodrigues da Silva (2004, p. 36). As especulações a que os autores referem-se dizem respeito às imagens de Jorge de Lima, Athos Bulcão e Fernando Lemos, os dois primeiros ligados à fotomontagem, em textos escritos por Paulo Herkenhoff, Annateresa Fabris, Fernando Cocchiarale e Ricardo Mendes.

92 91 Carolina Etcheverry Também Rubens Fernandes Júnior contribui para o pensamento sobre a fotografia moderna brasileira, porém sob um ângulo um pouco diferente, pois não a relaciona diretamente ao advento do Foto Cine Clube Bandeirante, mas sim à conjuntura histórica do período. Segundo ele, Podemos afirmar, contudo, que a fotografia moderna brasileira começa no final dos anos 40, após os primeiros investimentos de capitais estrangeiros no país e as primeiras iniciativas para alavancar o desenvolvimento industrial. 7 No livro Labirinto de identidades, do qual tiramos a citação anterior, o autor procura sistematizar uma história da fotografia moderna e contemporânea, traçando um panorama da fotografia brasileira de 1946 a Para tanto, Rubens Fernandes Júnior estabelece três momentos principais: as décadas de 1940 e 1950 (com destaque para Geraldo de Barros, Thomaz Farkas, José Medeiros e Pierre Verger documental e experimental juntos); as décadas de 1960 e 1970 (destacando Maureen Bisilliat, Walter Firmo e Luis Humberto representação da identidade nacional a partir de manifestações populares); os fotógrafos da década de 1980, atuantes até hoje (Juca Martins, Nair Benedicto, Mario Cravo Neto, Antonio Saggese, Miguel Rio Branco, Araquém Alcântara, Pedro Vasquez, entre outros) e, por fim, os fotógrafos da década de 1990, tais como Ed Viggiani, Rubens Mano, Elza Lima, Cássio Vasconcellos, Luiz Braga, Eustáquio Neves, entre outros. Interessante também para o estudo da fotografia moderna e contemporânea brasileira é o livro de Antonio Fatorelli, intitulado Fotografia e viagem. 8 Em seu último capítulo, o autor aborda a fotografia de José Oiticica Filho, bem como a de Antonio Saggese, buscando, assim, traçar uma relação entre a prática moderna e a contemporânea. A historiadora da arte Annateresa Fabris 9 igualmente contribuiu para a construção do campo historiográfico da fotografia, ao escrever sobre temas que vão desde a fotografia do século XIX até as relações entre fotografia e artes visuais. Nosso objetivo é oferecer ao leitor um panorama geral a respeito do estudo das fotografias de Geraldo de Barros e de José Oiticica Filho, como forma de pesquisar a história da fotografia moderna brasileira. Através destes fotógrafos, é possível compreender o sistema da fotografia no Brasil, bem como suas relações com as artes visuais, e perceber as principais contribuições destes autores para o campo da fotografia. Na primeira parte, fazemos um apanhado geral sobre os fotógrafos e suas imagens; a seguir, há um debate teórico sobre os conceitos usados para definir suas fotografias; na terceira parte, fazemos um levantamento historiográfico acerca 7 Rubens Fernandes Júnior (2003, p. 144). 8 Antonio Fatorelli (2003). 9 Cf. Annateresa Fabris (1998, 2007, 2008).

93 92 História da fotografia moderna brasileira dos principais textos escritos sobre Geraldo de Barros e José Oiticica Filho; a quarta parte deste texto é dedicada à inserção das fotografias no contexto geral da História da Fotografia brasileira e, por fim, a quinta parte dedica-se a analisar as imagens dos fotógrafos dentro do contexto nacional das Artes Visuais. Com isto buscamos abarcar as principais questões relacionadas às fotografias de Geraldo de Barros e de José Oiticica Filho, fornecendo um panorama de sua obra, procurando facilitar estudos posteriores. Sobre Geraldo de Barros e José Oiticica Filho Geraldo de Barros e José Oiticica Filho foram dois importantes fotógrafos brasileiros, que atuaram entre o final da década de 1940 e a década de Em comum, compartilham o apreço pela experimentação na fotografia, a participação no movimento fotoclubista e no movimento concretista brasileiro. Além disso, ambos tinham na fotografia uma paixão, mas suas atividades profissionais principais giravam em torno de outros assuntos. Geraldo de Barros era bancário, funcionário do Banco do Brasil, e José Oiticica Filho era professor de entomologia. Barros iniciou na fotografia no final da década de Artista plástico, gravador, designer, além de fotógrafo e bancário, Barros usava a fotografia como modo de expressar suas ideias plásticas, subvertendo, muitas vezes, o uso comum feito pelos demais fotógrafos. Utilizava diversas técnicas experimentais nos seus trabalhos fotográficos. Fazia uso de sobreposições de negativos e intervenções com ponta-seca em nanquim na película. Com isso ele conseguia quebrar com a ideia de mimese do real. Suas imagens apontam para um profundo questionamento da natureza fotográfica, bem como expandem o campo da fotografia tradicional. Em 1950, Barros montou a exposição Fotoforma, no Masp. Nela havia um conjunto de imagens elaboradas, aproximadamente entre 1948 e 1950, dentre as quais figuravam fotografias geométricas que se alinham à arte concreta e desenhos livres sobre o suporte fotográfico. Todos estão dentro da ideia de campo expandido da fotografia, ao mostrarem experimentações de diversas ordens. Suas fotografias abstratas, como veremos, alinham-se aos ideais da arte concreta, apoiadas em noções matemáticas geométricas. José Oiticica Filho teve uma trajetória um pouco diferente de Barros. Ele foi entomologista no Museu Nacional desde 1942, onde fotografava insetos. Foi a partir desta necessidade de documentar seu estudo que surgiu o interesse pela fotografia. Segundo Hélio Oiticica, ao aperfeiçoar-se na microfotografia de Lepidoptera (e outras ordens de insetos também), foi-lhe, aos poucos, nascendo o sentido da fotografia como uma expressão de arte Oiticica (1983, p. 7).

94 93 Carolina Etcheverry Oiticica Filho passou, então, a pesquisar no campo da fotografia. Produziu vários artigos sobre a prática fotográfica, publicados em jornais e boletins fotográficos. Sua produção fotográfica foi dividida por ele próprio em várias categorias, que dão título às imagens: forma, ouropretense, abstração, derivação e recriação. Com títulos diversos, estão as fotografias da sua fase pictorialista. Segundo Paulo Herkenhoff, em texto escrito para o catálogo da exposição do fotógrafo em 1983, ele passou por quatro fases em sua trajetória artística: Há quatro fotógrafos em José Oiticica Filho: o utilitário, o fotoclubista, o abstrato e o construtivo. Por vezes, algumas dessas linhas se identificaram ou tiveram um desenvolvimento simultâneo e paralelo. No entanto, o fotógrafo construtivo seria um radical que negaria a validade estética dos demais. 11 Este fotógrafo foi bastante fecundo, investindo nas experiências fotográficas de expansão do campo. Para ele, como fica bastante claro em entrevista intitulada Fotografia se faz no laboratório, concedida a Ferreira Gullar em 1958, a parte mais importante do processo fotográfico se dá no laboratório: 11 Herkenhoff (1983, p. 11). FG Pela nossa conversa, concluo que para você a máquina fotográfica mesma tem um papel relativo no que chama de fotografia. OF Para mim a câmera fotográfica, como os demais meios técnicos que entram no processo fotográfico, tem o mesmo papel que o pincel, a tinta e a tela para o pintor. O que interessa é o resultado. FG Estou de acordo. OF E o papel da máquina fotográfica ainda é bem menos importante do que vem depois. Se o fotógrafo bate a chapa, revela e manda copiar, ele entrega a fase mais importante do trabalho de criação fotográfica. Quanta coisa se pode fazer ao copiar uma foto. É nessa hora quando se graduam os cinzas, as luzes, o corte, que a fotografia a bem dizer nasce. Mas os fotógrafos neorrealistas batem as fotos e mandam copiar. É até um crime uma pessoa assinar como sua uma foto que outro copiou. Mas esses equívocos estão hoje em moda. Acabo de comprar o último número da revista de arte XXème Siècle, dedicada ao grafismo, onde aparece uma reportagem sobre o fotógrafo Brassai, que fotografou garatujas feitas por crianças nas paredes de Paris. As garatujas são às vezes bonitas, mas o fotógrafo apenas as fotografou, isto é, fez uma reportagem

95 94 História da fotografia moderna brasileira sobre as garatujas. No entanto é apresentado pela revista como grande artista. 12 Paulo Herkenhoff, em conclusão ao texto do catálogo, escreveu a respeito de José Oiticica Filho que sua produção, precedida das Fotoformas de Geraldo de Barros, representa o momento em que a fotografia esteve mais sintonizada e integrada a um projeto geral da cultura no país. 13 O projeto geral de cultura no país, segundo Gershmann, 14 passava pela criação dos museus de arte (Masp e MAM) e pela arte construtiva. Estes estariam de acordo com o ideal desenvolvimentista, que objetivava a atualização do país em todos os setores. Debate teórico-conceitual sobre as imagens Neste ponto é preciso fazer uma digressão para entendermos de que modo as fotografias de Geraldo de Barros e de José Oiticica Filho podem ser entendidas em termos conceituais, visto que os vários autores que pensaram a respeito de tais imagens (e não apenas as destes artistas) as denominam de modos bastante diferentes. É preciso definir estes modos, a fim de melhor entender as implicações de cada um deles. As fotografias de Geraldo de Barros e José Oiticica Filho podem ser inseridas na ideia de campo expandido da fotografia. Segundo Rubens Fernandes Júnior, criador da ideia, A fotografia expandida existe graças ao arrojo dos artistas mais inquietos, que desde as vanguardas históricas, deram início a esse percurso de superação dos paradigmas fortemente impostos pelos fabricantes de equipamentos e materiais, para, aos poucos, fazer surgir exuberante uma outra fotografia, que não só questionava os padrões impostos pelos sistemas de produção fotográficos, como também transgredia a gramática do fazer fotográfico. 15 Rubens Fernandes Júnior, influenciado por Flusser, apresenta uma ideia geral de transgressão do fazer fotográfico tal como foi concebido desde o surgimento do aparelho fotográfico, utilizado amplamente pelos fotógrafos documentais, como Atget, Bresson ou Salgado. Assim, as experimentações feitas por Geraldo de Barros e José Oiticica Filho estariam incluídas nesta concepção, visto que elas alargam o campo de atuação da fotografia, aproximando-o do campo artístico, por exemplo. Mas as práticas fotográficas constituintes deste campo 12 Oiticica: fotografia se faz no laboratório, Jornal do Brasil, 24/08/1958, suplemento dominical de artes plásticas. 13 Herkenhoff (1984, p. 19). 14 Gershmann (1992). 15 Rubens Fernandes Júnior (2006, p. 11).

96 95 Carolina Etcheverry expandido, principalmente na contemporaneidade, são muitas, o que torna este um termo de aplicação operacional genérica. Em catálogo publicado em 1936, pelo Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, Alfred Barr, 16 curador da exposição Cubism and abstract art, cunha o termo fotografia abstrata. Usando como exemplo os artistas Man Ray (com suas rayografias), Moholy-Nagy e Bruguiere, Barr descreve em poucas linhas o que ele acredita ser a fotografia abstrata. Assim, no texto do catálogo, Barr explica: Man Ray foi também um pioneiro na fotografia abstrata. Ele foi provavelmente o primeiro a fazer uso da técnica rayográfica para fazer composições abstratas. Ao fazer uma rayografia, nenhuma câmera é usada; objetos são colocados diretamente sobre o papel sensível que então é revelado. Com objetos como um matador de moscas, um ovo de cerzir, anéis de metal e um cacho de cabelo, Man Ray obteve composições de grande sutileza (fig. 186, 187). Elas foram aclamadas pelos companheiros dadaístas de Man Ray pela sua técnica antiartística e aparentemente casual, mas muitas delas são, de fato, trabalhos de arte completos diretamente relacionados com a pintura abstrata e não ultrapassados no seu medium. O húngaro Moholy-Nagy, antigo professor da Bauhaus de Dessau, foi, até sua recente mudança para Londres, um dos mais inventivos e originais mestres do fotograma (fig. 188), outro nome do rayograma. Francis Bruguiere, um americano morando em Londres, usa a câmera na feitura de fotografias abstratas de luz caindo em papel branco dobrado ou amassado. 17 Nota-se que o autor, nestas poucas linhas, tenta organizar o conhecimento a respeito destas fotografias que fogem aos padrões normais do que seria uma fotografia cópia do real, mimética por natureza. Utiliza-se do termo usado nas artes que estão, neste momento, recém se consolidando, e o aplica para o caso da fotografia feita por artistas. Não por acaso, acreditamos, Barr deixa alguns fotógrafos de fora, como Alvin Langdon Coburn, que neste momento também fazia experimentações no campo expandido da fotografia. Se optasse por incluir Coburn, que atua apenas como fotógrafo, talvez tivesse que rever a ligação estabelecida com a pintura abstrata. Coburn, segundo Helmut Gernshein, 18 foi o primeiro a fazer fotografias abstratas. Este fotógrafo acreditava que as possibilidades da câmera fotográfica ainda não haviam sido exploradas completamente, e, por isso, iniciou uma série de 16 Alfred Barr (1974). 17 Ibidem, p. 170, tradução nossa. 18 Helmut Gernsheim (1990).

97 96 História da fotografia moderna brasileira experimentos que culminariam na série Vorticism (na qual ele se utiliza de prismas para criar a imagem). Também foi o responsável pela organização de uma exposição de fotografia abstrata, na qual buscava a apreciação do extraordinário. Entretanto, no caso de Gernsheim conhecido fotógrafo e historiador da fotografia o termo fotografia abstrata não tem um uso crítico, apenas operatório. Na esteira desta terminologia, Paulo Herkenhoff, em 1983, escreve para o catálogo da exposição de fotografias de José Oiticica Filho aquilo que entende por fotografia abstrata. Segundo o autor, É preciso demarcar o significado do termo fotografia abstrata, com o qual se pretende operar este texto. Inicialmente, opõese ao figurativo: é a emergência de imagens fotográficas não identificáveis com objetos naturais e artificiais, é um não verismo. (...) imagens não figurativas (informais ou geométricas), produzidas conforme os processos tradicionais (registro e cópia) e os cânones codificados para a arte fotográfica sem exclusão de alguns de menor uso, como o fotograma, a solarização, a fotomontagem, já então consagrados na história da arte (introduzidos por Man Ray, Moholy-Nagy, Rodchenko, Grosz, Heartfield, Haussman, El Lissitzky, Ernst, Dali, e outros). 19 Assim, Herkenhoff acompanha Barr em sua terminologia e exemplo de artistas abstratos, ainda que sua explicação seja um pouco mais complexa. A fotografia abstrata é colocada em oposição à fotografia figurativa, reproduzindo uma dicotomia oriunda das artes plásticas. É também colocada em condição de suspeita, já que é definida como uma imagem fotográfica não identificável com objetos naturais e artificiais. Deixa-se de lado outras possibilidades de abordagem, como o caráter narrativo ou descritivo da fotografia, que é inexistente em Barros e Oiticica. Nesse caso, talvez fosse interessante considerar termos como fotografia não narrativa ou fotografia não denotativa, como alternativas para essa crise de conceituação de tais imagens. Filiberto Menna, 20 em texto de 1975, intitulado La opción analítica en el arte moderno, dedica-se ao que chama de fotografia analítica, bem como elabora o termo antifotografia. Segundo este autor, a prática analítica da arte assumiu a tarefa de desmascarar a pretensão da fotografia de figurar como equivalente da visão natural. Esta concepção revela a natureza convencional, histórico-cultural que permeou as ideias sobre a fotografia desde o seu início. Entretanto, Menna, em sua análise, desarticula este postulado, ao considerar especialmente os fotogramas, dentro do que Moholy-Nagy afirmou sobre estes: 19 Paulo Herkenhoff (1983, p. 13). 20 Filiberto Menna (1977, p , tradução nossa).

98 97 Carolina Etcheverry A concreção do fenômeno da luz é peculiar no processo fotográfico e a nenhuma outra invenção técnica. A fotografia sem câmera (a construção de fotogramas) se embasa nisto. O fotograma é uma realização de tensão espacial em brancopreto-cinza (...). Embora careça de conteúdo representativo, o fotograma é capaz de evocar uma experiência ótica imediata, baseada na nossa organização visual psicobiológica. 21 Assim, o fotograma traduz o objeto em motivo luminoso não figurativo, criando uma relação ótica elementar, parecida com a pintura construtivista. O autor não menciona o termo fotografia abstrata, mas elabora uma série de técnicas de détournement, tais como fotomontagem, solarização, negativo, uso de objetivas especiais e lentes deformadoras, que definiriam a elaboração de antifotografias : Em definitivo, se trata de verdadeiras antifotografias, que pulverizam as expectativas do espectador, destroem a confiança nas qualidades reprodutivas do medio, em suma, provocam uma espécie de ginástica mental que desloca a atenção do referente ao signo linguístico. 22 Estas antifotografias colocam em discussão o que Menna chama de iconismo fotográfico, que vem a ser a importância da representação figurativa na fotografia. As fotografias nas quais não há elementos denotativos, tais como os fotogramas, as múltiplas exposições, e todas as outras imagens produzidas sem que o referente seja identificado pelo espectador, podem ser enquadradas como antifotografias, pois criam um sentimento de suspeita, contribuindo para a complexidade da imagem. Em 1977, Rosalind Krauss escreveu o texto Photography and abstraction, no qual desenvolveu uma análise bastante filosófica e semiótica a respeito da possível existência de fotografias abstratas, contrapondo-se à concepção de Barr. A autora inicia o artigo analisando uma fotografia de um exercício sobre luz e superfície, realizado na Escola da Bauhaus, que consistia em dobrar uma folha de papel formando pregas ritmadas, para, ao receber uma forte luz rasante, se tornar um jogo de puro desenho, formas visuais puras. Este jogo abstrato de relações e inversões de figura e fundo para nós é uma fotografia. Krauss afirma que Esta fotografia não é a demonstração das condições abstratas da visão. Ela o é de algo, é a marca documental daquela coisa que foi registrada fotoquimicamente na película, a imagem de uma folha de papel recortada e dobrada. Não pode livrar-se desta condição. Lissitzky, Moholy-Nagy, Man Ray, Brugière, Berenice 21 László Moholy-Nagy apud Filiberto Menna (1977, p. 50, tradução nossa). 22 Filiberto Menna (1977, p. 51, tradução nossa).

99 98 História da fotografia moderna brasileira Abbott, Imogen Cunningham... nenhum deles a defendeu, ainda que tenham experimentado com a fotografia abstrata. 23 Assim, o conceito de fotografia abstrata começa a ser questionado, trazendo um problema para o desenvolvimento da pesquisa sobre Geraldo de Barros e José Oiticica Filho. Percebe-se que foi um termo operativo cunhado por críticos, e não pelos próprios artistas e fotógrafos. As fotografias feitas por Geraldo de Barros a partir de cartões perfurados não seriam, dentro da lógica de Krauss, uma abstração. Sabemos que aqueles são cartões perfurados, mas o modo como o autor os fotografa abre uma dúvida, ou uma suspeita, a respeito de sua identificação. É por esse motivo que o termo, também de certo modo genérico, fotografia sem referente claramente identificável, parece, em alguns casos, mais apropriado. Rosalind Krauss vai além em sua análise, e, ao chegar no punctum barthesiano, a autora afirma que esta ferida infligida pela fotografia existe em função da maneira como a foto entrega o real de seus conteúdos, marcando-lhes não apenas com o ser isto é, mas de forma irrevogável com o tempo: isto foi. 24 A autora coloca, assim, a questão da relação da fotografia com o passado e com o acontecimento. O que, segundo ela, ocorre no caso de fotografias supostamente abstratas para isso ela utiliza fotografias de James Welling é uma queda na incerteza e no silêncio. Vemos o referente, mas não o reconhecemos. Perdemos o encontro. 25 O trabalho de Welling é baseado em um diário escrito por sua tataravó em As fotografias do diário criaram um marco para o que o artista buscava: uma fotografia que não entregara o presente (fotografia de rua, do cotidiano, do instante decisivo), mas que, ao apresentar uma distorção temporal, colocou a ele e aos espectadores em contato com um passado que se encontrou demasiado tarde. 26 Por isso a perda do encontro. Torna-se tarde para reconhecer o objeto fotografado. Krauss, para explicar esta ideia, apropria-se do termo tuché, usado por Lacan e transformado por Barthes no punctum. Esta palavra indica a realidade perdida, a realidade que já não pode produzir a si mesma a não ser repetindo-se incessantemente em um despertar jamais alcançado. 27 Assim também o punctum faz com que o real seja tanto aquilo que eu perdi como o que estarei obrigado a reproduzir a partir de então por repetição. É por isso que Welling refotografa os lugares por onde sua tataravó passou, sobrepondoas às páginas do diário escrito por ela, obtendo assim uma imagem obscura, não claramente identificável, abstrata. 23 Rosalind Krauss (2004, p. 231, tradução nossa). 24 Ibidem, p Ibidem, p Rosalind Krauss, loc. cit. 27 Rosalind Krauss, loc. cit.

100 99 Carolina Etcheverry Por fim, em texto de 1984, intitulado A ilusão especular, Arlindo Machado mostra-se negativo em relação à própria possibilidade de existência de fotografia abstrata, devido, justamente, às suas características formativas. Segundo ele: É curioso constatar que as fotografias ditas artísticas sejam, no geral, bem pouco severas em relação à ilusão especular e permaneçam, apesar de tudo, figurativas, por mais que tentem disfarçar essa condição com arranjos harmônicos e composições musicais. (...) Daí o equívoco fundamental de José Oiticica Filho ao supor que poderia, numa certa fase de sua obra, construir uma fotografia abstrata, debruçandose sobre motivos informais, como traçados de tinta sobre vidro rugoso. O momento de abstração nas fotos de Oiticica é anterior à fotografia propriamente dita: por essa razão, tais fotos abstratas não são nem um pouco menos figurativas que qualquer pimentão hiper-realista de Edward Weston. É que, em quaisquer circunstâncias, a câmera e a película gelatinosa foram concebidas para possibilitar a emergência da figura, sem deixar brechas para qualquer outra exploração que não o ilusionismo de real. 28 Nota-se que o que parece ser fácil encontrar um termo justo para referir-se a determinadas fotografias mostra-se, em realidade, uma reflexão bastante profícua. Percebe-se que o termo fotografia abstrata não explica por si só as imagens fotográficas de Barros, Oiticica Filho e muitos outros. Ela apenas refere-se ao fato de que o objeto da fotografia não se faz claro aos nossos olhos, mostra-se à nós de maneira abstrata. Mas se a fotografia é o registro de luz emanada por objetos reais em uma superfície fotossensível, é possível pensar em abstração, em oposição à existência de uma figura? Não seria mais apropriado buscar outros modos de referir-se a determinadas imagens, sem engessá-las em uma terminologia demasiado genérica e, por vezes, inapropriada? Em alguns casos, fotografia não narrativa basta, em outros é preciso ir além, identificando-a como fotografia construtiva, de composição geométrica, com referente não identificável, não denotativa o que melhor se aplicar à fotografia que se tem à frente. O debate dos críticos: uma revisão historiográfica Sobre Geraldo de Barros e José Oiticica Filho, foram escritos alguns textos, de pesquisadores e críticos de renome, que servem como baliza para uma primeira aproximação à pesquisa sobre tais personagens. Ao revisar tais textos, pretendemos reafirmar a importância que tiveram na divulgação e na valorização do trabalho destes fotógrafos no contexto da fotografia nacional. Assim, trataremos de textos de Pietro 28 Arlindo Machado (1984, p. 155).

101 100 História da fotografia moderna brasileira Maria Bardi, Radhá Abramo, Annateresa Fabris, Maria Teresa Bandeira de Mello, Antonio Fatorelli, Helouise Costa, Paulo Herkenhoff, Heloísa Espada Lima e Paulo Henrique Camargo Batista. Entre artigos, ensaios, capítulos de livros e dissertações de mestrado, pretendemos mostrar como estes fotógrafos foram construídos enquanto objeto de estudos pelos mais diversos autores, preocupados em sistematizar o estudo a respeito das obras de Geraldo de Barros e José Oiticica Filho. Procurando manter uma ordem cronológica na abordagem dos textos, de modo que fique visível a tentativa de reconstrução crítica da historiografia a respeito destes fotógrafos, parece-nos conveniente iniciar este percurso pensando sobre dois pequenos ensaios, escritos por Pietro Maria Bardi, em 1950, para o catálogo da exposição de Geraldo de Barros, Fotoformas, e por Radhá Abramo, em 1977, para o catálogo da exposição Geraldo de Barros: 12 anos de pintura 1964 a 1976, realizada no MAM-SP, em Bardi inicia este ensaio para o catálogo da exposição Fotoformas afirmando que Barros tinha a composição como um dever, transformando segmentos lineares em harmonias formais agradáveis. Para o autor, o fotógrafo utiliza a fotografia como meio de fugir dos verismos da pintura, pois, ainda que a fotografia seja um meio verista por excelência, ela também se presta a transformar a sensação numa expressão sem artisticidade, pura derivação de sombras e por isso mais ligada à abstração. 30 Bardi encerra a apresentação às fotografias de Geraldo de Barros anunciando sua viagem de estudos a Paris, da qual ele voltaria, certamente, muito enriquecido. O texto de Radhá Abramo busca apresentar o artista e sua criação, por ocasião de sua exposição de pinturas. A autora não aborda tanto as fotografias quanto suas pinturas, que são caracterizadas por ela como ambíguas. 31 Entretanto, ao traçar a biografia de Barros, Abramo acaba por pincelar sua pesquisa fotográfica, elencando seu papel na organização do Laboratório de Fotografia do Masp, em 1949, e sua participação em inúmeras exposições fotográficas, nas quais é inclusive fotógrafo premiado. Paulo Herkenhoff 32 escreveu três textos importantes para o tema em estudo. O primeiro deles, de 1983, é sobre José Oiticica Filho, e os dois últimos, de 1987 e 1989, são sobre Geraldo de Barros. O texto A trajetória: da fotografia acadêmica ao projeto construtivo busca traçar um panorama da obra de José Oiticica Filho, enumerando as quatro fases pelas quais o fotógrafo teria passado: o utilitário, o fotoclubista, o abstrato e o construtivo. Segundo Herkenhoff, A obra de José Oiticica Filho representa uma experiência radical de ruptura na história da fotografia brasileira. O seu 29 Estes dois ensaios encontram-se no livro de Geraldo de Barros (2006, p ). 30 Pietro Maria Bardi apud Geraldo de Barros (2006, p. 137). 31 Radhá Abramo apud Barros (2006, p. 138). 32 Paulo Herkenhoff é um dos principais críticos de arte e curadores do Brasil.

102 101 Carolina Etcheverry percurso, desde a participação no movimento fotoclubístico até o engajamento com o projeto construtivo, testemunha um equilíbrio entre o rigor técnico e uma inquietação intelectual questionadora. 33 Desse modo, Herkenhoff estabelece categorias e relações para as diferentes imagens produzidas por Oiticica Filho, buscando também precedentes, paralelos, contatos e, por fim, a atualidade do fotógrafo no momento da arte brasileira contemporânea. Este é, com certeza, um dos mais importantes e completos textos produzidos sobre José Oiticica Filho até o momento. E já se passam mais de 20 anos. No texto A imagem do processo, de 1987, Paulo Herkenhoff contextualiza Geraldo de Barros como fotógrafo que busca a ruptura com a ordem vigente. Segundo ele, É como fotógrafo que Geraldo de Barros fará sua inserção radical no processo cultural brasileiro, no momento da criação dos museus no Rio de Janeiro e São Paulo, da Bienal e sobretudo das discussões sobre o abstracionismo e a formulação do processo construtivo. 34 O autor continua sua análise abordando o que chama de projeto atualizador do fotoclubismo, ao qual Barros propõe uma ruptura, visto que suas fotografias operam no campo da percepção visual como construção abstrata, bem ao contrário dos postulados pictorialistas vigentes até então no ambiente fotoclubista. Geraldo de Barros, assim como José Oiticica Filho, vive um impasse entre a busca do abstrato e a permanência da figuração, sendo que a abstração, para ele, é uma oposição à fotografia realista. 35 Segundo Herkenhoff, a importância da obra de Barros está na construção do signo e na fundação de uma outra fotografia. Ele estabeleceu uma nova lógica do olhar, com a ruptura das antigas certezas abalizadas pela fotografia. 36 O autor encerra o artigo afirmando que Geraldo de Barros, assim como José Oiticica Filho, a quem ele nunca conheceu, é desarticulador da fotografia, corrompendo os cânones fotoclubistas, que eram, até então, as únicas alternativas para uma fotografia artística. Além de desarticulador de processos, imagens e mecanismos lógicos da fotografia, Barros também desarticula o tempo da imagem, ao não associá-la a um momento decisivo, mas a um processo construtivo Paulo Herkenhoff (1983, p. 10). 34 Paulo Herkenhoff apud Barros (2006, p. 147). Este texto foi publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo, em 23 de outubro de Ibidem, p Ibidem, p Ibidem, p. 150.

103 102 História da fotografia moderna brasileira No texto Geraldo de Barros: a renovação e a constância, de 1989, Herkenhoff segue afirmando a importância do fotógrafo enquanto agente da dessacralização da fotografia no Brasil da década de Destaque deste artigo, e diferencial em relação ao anterior, é a ênfase do autor no processo de desenvolvimentismo que se instaura no Brasil nesta época. Depois de contextualizar amplamente o ambiente favorável à cultura nos anos 1950, passando, desde o próprio desenvolvimentismo até a poesia e a crítica de arte, Herkenhoff coloca Barros dentro do movimento concretista paulista, do qual o fotógrafo faz parte com suas pinturas e como um dos signatários do Manifesto Ruptura. Assim, o autor afirma que As linguagens construtivas na América Latina, florescentes desde a década de 1940 até os anos 1960, na Argentina, Uruguai, Brasil, Colômbia e Venezuela, estão em relação com os planos de uma cultura organizada nos sonhos de modernização e desenvolvimento. 38 Na mesma linha, o autor encerra o artigo afirmando que, nos anos 50, a arte concreta podia ser relacionada com a utopia do desenvolvimento nacional. Do mesmo modo, as fotografias de Geraldo de Barros podem ser entendidas como pertencentes a este ideal, em razão do rigor compositivo. Todos os textos de Paulo Herkenhoff têm como mérito o fato de terem realizado um apanhado crítico da obra destes fotógrafos, alçando-os a um outro patamar de reconhecimento pelo público e pelos estudiosos acadêmicos. Merece destaque também o livro A fotografia moderna no Brasil, publicado em 1995, com reedição em 2004, escrito por Helouise Costa e Renato Rodrigues da Silva. Este livro pioneiro tem a importância de trazer à tona a formação de uma fotografia moderna brasileira, gestada no Foto Cine Clube Bandeirante (FCCB), em São Paulo. No que tange Geraldo de Barros e José Oiticica Filho, os autores os colocam como a expressão máxima da fotografia moderna no Brasil. Geraldo de Barros ganha destaque por ser o primeiro fotógrafo moderno, membro do FCCB a intervir no processo clássico de produção da fotografia fotografar, revelar, ampliar, dando corpo a um profundo questionamento dos limites da linguagem fotográfica. 39 Esta liberdade a que Barros se permitia ao criar suas imagens o manteve ao largo das atividades do fotoclube, que, na época, não se encontrava aberto aos seus experimentos fotográficos. Entretanto, o fotógrafo, como já mencionado anteriormente, teve profunda influência nas relações entre o FCCB e a Bienal de São Paulo. 38 Paulo Herkenhoff apud Geraldo de Barros (2006, p. 157). Este texto foi publicado originalmente em 1989, para o catálogo da exposição no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. 39 Helouise Costa e Renato Rodrigues da Silva (2004, p. 43).

104 103 Carolina Etcheverry Os autores destacam José Oiticica Filho como tendo grande importância no ambiente fotoclubista carioca, sendo um dos principais divulgadores da sensibilidade moderna. E acrescentam: No entanto, enquanto o bandeirante lançava-se à experiência renovadora com a atuação dos pioneiros, José Oiticica Filho continuava preso ao academismo, sendo um defensor ardoroso dessa estética. 40 Somente a partir da segunda metade da década de 1950 ele implementou mudanças em sua produção, o que determinou o seu afastamento do fotoclubismo carioca e uma maior aproximação do Foto Cine Clube Bandeirante, onde seu trabalho de características modernas pôde ser divulgado. 41 No FCCB, Oiticica Filho é visto como um dos mais destacados mestres do abstracionismo fotográfico com suas derivações e recriações. 42 Com esta análise, Costa e Silva reafirmam a importância do trabalho do fotógrafo, e mostram como este passou pelas diversas fases da fotografia, como apresentado por Herkenhoff. Na edição de 1995 do livro, os autores encerram a parte dedicada à Oiticica Filho situando-o não como pioneiro da fotografia moderna, mas como pertencente à fase de diluição desta experiência. Já na edição de 2004 há uma reformulação desta posição, como é possível perceber no seguinte excerto: Por fim, é importante ressaltar que no contexto da fotografia brasileira a produção de caráter abstracionista de José Oiticica Filho constitui um segundo momento, cabendo situá-lo como precursor em relação ao ambiente carioca. De fato, ele foi um fotógrafo que atuou de modo mais sistemático na ampliação das possibilidades dessa estética. Assim, o trabalho do artista deve ser localizado a partir de sua aguçada sensibilidade plástica, materializada em uma pesquisa de grande potencial reformulador no universo mais amplo das artes plásticas no Brasil. 43 Com isto podemos perceber que houve, por parte dos autores, uma percepção de que José Oiticica Filho extrapola o ambiente fotoclubista, sendo considerado um artista que explora seu potencial poético através da fotografia, em consonância com o panorama das artes visuais brasileiras. 40 Neste sentido José Oiticica Filho tem uma série de artigos publicados a respeito das principais técnicas pictorialistas de fotografar. 41 Ibidem, p Ibidem, p Ibidem, p. 75. Ver também a edição de 2005 da obra: Helouise Costa e Renato Rodrigues da Silva. A fotografia moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Funarte/IPHAN/Editora UFRJ, 2005.

105 104 História da fotografia moderna brasileira O texto de Annateresa Fabris, A fotografia além da fotografia: José Oiticica Filho ( ), 44 dialoga, em termos de ideias, com o que Maria Teresa Bandeira de Mello 45 escreve a respeito de suas fotografias em texto do mesmo ano. Ambas enfatizam o caráter pictorialista da obra de Oiticica Filho, que teria se mantido mesmo nas fases posteriores do fotógrafo. Para Fabris, José Oiticica Filho afirma-se aos olhos do público como mais um adepto do fotopictorialismo. 46 Ainda segundo a autora, mesmo suas fotografias da fase utilitária não podem ser dissociadas de seu interesse pelo pictorialismo. Para Fabris, Se, de fato, luz e superfície são questões fundamentais para o Oiticica pós-pictorialista, o que não se pode deixar de levar em conta e é isso o que o distancia da atitude dos fotógrafos evocados por Herkenhoff é que sua visão de fotografia continua a ser informada pelos postulados da estética que ia abandonando. 47 Os fotógrafos evocados por Herkenhoff são Moholy-Nagy e Rodchenko, que pretendiam, através da fotografia, atingir uma nova visão. A autora, neste caso, afirma que os princípios norteadores de José Oiticica Filho ainda são os do pictorialismo. Segundo ela, Oiticica supervaloriza o papel da técnica, detectando o nascimento da fotografia no trabalho de laboratório, quanto se graduam os cinzas, as luzes, o corte. 48 Fabris refere-se à célebre entrevista concedida pelo fotógrafo a Ferreira Gullar, em 1958, no qual ele afirma a importância do trabalho em laboratório na criação das fotografias. 49 Maria Teresa Bandeira de Mello, na mesma linha de Annateresa Fabris, afirma o seguinte a respeito das obras de Oiticica Filho: É curioso observar que, mesmo depois de se libertar dos cânones fotoclubistas e de se entregar a experimentações modernizadoras, ainda podem ser encontradas em suas obras semelhanças com a concepção de fotografia pictorialista. 50 A seguir, Fabris analisa duas fotografias que, para ela, são o marco da transição de Oiticica, do pictorialismo para a abstração: Triângulos semelhantes e Um que passa, ambas de Segundo ela, Em duas composições de 1953, Triângulos semelhantes e Um que passa, as preocupações geometrizantes do fotógrafo emergem de imediato, enfatizadas pelo contraponto definido pela presença 44 Annateresa Fabris (1998). 45 Maria Teresa Bandeira de Mello (1998). 46 Annateresa Fabris (1998, p. 69). 47 Ibidem, p Ibidem, p Cf. Oiticica: fotografia se faz no laboratório, Jornal do Brasil, 24/08/1958, suplemento dominical de artes plásticas. 50 Maria Teresa Bandeira de Mello (1998, p. 120).

106 105 Carolina Etcheverry da figura humana. A luz adquire uma conotação construtora ao contrário do efeito dramático que desempenhava no momento pictorialista. (...) O mesmo contraste entre abstração e presença do referente preside também Composição óbvia ( ), na qual Oiticica aprofunda mais a procura do campo bidimensional e a definição da fotografia em termos requintadamente tonais. 51 Logo a seguir, apoiando-se em excertos da entrevista de Oiticica Filho de 1958, a autora conclui que o afastamento cada vez maior do referente é uma estratégia do fotógrafo para produzir obras de arte, visto que ele acreditava mais no resultado que se consegue obter no laboratório do que na produção da fotografia em si. Seguindo seu percurso de análise, a autora chega às Derivações e Recriações, as quais exibem, por vezes, parentesco com a abstração informal dos anos Analisando a série seguinte de suas obras, as Formas, Fabris afirma que ao mesmo tempo em que está engajado na exploração da abstração informal, na estruturação de campos matéricos, de relações sutilmente tensionadas, Oiticica busca também uma linguagem de caráter construtivo que se resolve, de início, na série Formas. 53 Annateresa Fabris, por fim, enfatiza que José Oiticica Filho estava preocupado em pesquisar as possibilidades da fotografia para além da fotografia, com isso querendo dizer que todas as manipulações por ele feitas nas imagens tinham como objetivo colocar tais imagens mais próximas da arte do que da própria fotografia, negando o específico fotográfico. O cerne da análise da autora pode ser resumido na seguinte citação: 51 Annateresa Fabris (1998, p. 75). 52 Ibidem, p Fabris, op. cit. O que se detecta no Oiticica construtivo é, no fundo, um paradoxo. A constituição de formas novas, a saída do código acadêmico que regia a experiência fotoclubista brasileira estruturam-se através da reedição da ideologia que guiava o fotopictorialismo, disposto a parecer tudo menos fotografia. Ao dizermos isso, não queremos negar a contribuição de Oiticica à constituição de uma linguagem plástica renovada. Se ela é fundamental, é impossível, no entanto, não perceber que Oiticica foge, as mais das vezes, da questão do específico fotográfico para postular uma fotografia que negue a fotografia, sem parecer dar-se conta de que mesmo o recurso ao simulacro não o livrava do enfrentamento com o instante. Por mais que seus modelos fossem previamente elaborados, por mais que a imagem final fosse o produto dos tempos longos do laboratório, por mais que o negativo possuísse potencialidades próprias, existia a

107 106 História da fotografia moderna brasileira intermediação do aparelho e, portanto, o momento do disparo no qual o objeto se apresenta em sua conotação estrutural. Ao tentar negar isso, Oiticica reatualiza a ideologia do fotopictorialismo, não importa se em sentido abstrato e concreto. 54 É, portanto, de suma importância a análise exaustiva realizada por Fabris, no intuito de situar a obra de José Oiticica Filho dentro dos parâmetros tanto da história da fotografia quanto da história da arte. Análise atenta, crítica, que vem a complementar, por vezes deles discordando, os textos de Paulo Herkenhoff e Arlindo Machado. Antonio Fatorelli, no texto José Oiticica Filho e o avatar da fotografia brasileira, 55 é mais positivo em relação ao trânsito de estilos do fotógrafo. Para ele, este movimento é decorrente de um espírito investigativo, que buscava diferentes soluções plásticas para determinados problemas. A análise de Fatorelli busca inserir a obra fotográfica de Oiticica Filho dentro do panorama maior da história da fotografia e do embate que esta trava entre o estatuto de realidade e a prática de experimentações. Para este autor, De modo condensado, e sem dispensar o brilho que acompanha as poéticas modernas, Oiticica refez, ao longo de sua trajetória de fotógrafo, o percurso realizado pelos principais movimentos fotográficos precedentes, apresentando e posteriormente superando, sucessivamente, os princípios da fotografia científica, da prática pictorialista e da estética purista moderna. Além de atualizar estes movimentos, a contribuição de Oiticica particularmente de suas imagens da década de 50, identificadas com as propostas estéticas do movimento concretista estende-se projetivamente às décadas de 60, 70 e 80, prenunciando o trabalho de vários artistas plásticos e fotógrafos, como Hélio Oiticica e Lygia Clark. 56 Com isto, podemos perceber que Fatorelli busca contextualizar as pesquisas de Oiticica Filho no campo fotográfico e também artístico, relacionando-o com os diversos ambientes pelos quais o fotógrafo passou fotoclubes e artístico, especialmente e com os quais promoveu intercâmbios criativos. O autor aponta, também, a importância que este fotógrafo teve para a emergência da fotografiamatéria ou pós-fotografia, na década de 1980, movimento do qual participam fotógrafos como Rosângela Rennó e Antonio Sagesse. 54 Annateresa Fabris (1998, p. 77-8). 55 Antonio Fatorelli (2000). Fatorelli expande suas ideias sobre as diversas fases da história da fotografia, culminando com uma expansão do campo fotográfico, um apagamento das fronteiras entre fotografia e artes visuais, através da ideia de suspeita na fotografia, presentes neste artigo sobre José Oiticica Filho, no seu livro intitulado Fotografia e Viagem. Ver Antonio Fatorelli (2003). 56 Antonio Fatorelli (2000, p. 141).

108 107 Carolina Etcheverry Por fim, é importante situar a produção acadêmica a respeito de Geraldo de Barros. Existem duas dissertações de mestrado, ambas de 2006, acerca do fotógrafo. Heloísa Espada Lima escreveu a dissertação intitulada Fotoformas: a máquina lúdica de Geraldo de Barros, 57 na qual busca traçar um amplo panorama sobre a produção das fotografias de mesmo título. A autora busca relacionar as fotografias de Barros ao movimento construtivista e às vanguardas históricas ligadas à fotografia, bem como investigar a participação do fotógrafo em diversos grupos e ambientes artísticos, procurando com isso perceber possíveis influências. Também em seu trabalho há um estudo sobre a relação de Geraldo de Barros com o crítico Mário Pedrosa e um mapeamento do contexto cultural paulistano, no qual suas fotografias foram gestadas. Sua dissertação constitui leitura obrigatória para todos aqueles interessados em estudar o trabalho de Geraldo de Barros. Da mesma forma, a dissertação de Paulo Henrique Camargo Batista, intitulada Fotoformas: a poética do processo interventor de Geraldo de Barros na práxis fotográfica, 58 busca apresentar o trabalho de Barros a partir do ponto de vista tecnológico, buscando entender o rompimento que o fotógrafo produz ao intervir no processo de constituição da fotografia. O autor parte da ideia de intervenção no processo fotográfico e do rompimento com a programação da câmera, tendo como referencial teórico Vilém Flusser e Arlindo Machado. O ponto de vista de Batista é o de que Geraldo de Barros é um exemplo do rompimento conceitual e estético com o programa operatório da câmera fotográfica. Com um ponto de vista diferente do de Heloísa Espada Lima, este também é um trabalho enriquecedor para os estudos sobre Geraldo de Barros. As imagens de Geraldo de Barros e de José Oiticica Filho dentro do contexto da História da Fotografia brasileira As fotografias de Geraldo de Barros e de José Oiticica Filho relacionam-se, em muitos aspectos, tanto com a questão da experimentação, como com outras questões pertinentes à história da fotografia brasileira. Para tanto, é importante abordarmos em linhas gerais algumas dessas questões, dando uma visão panorâmica do ambiente no qual os fotógrafos estavam inseridos, e do qual tinham amplo conhecimento. É importante observar, em primeiro lugar, que suas imagens discutem de modo incisivo as funções da fotografia, seu estatuto em relação à realidade. 59 Este debate sobre o estatuto da fotografia não é privilégio de Barros ou de Oiticica Filho, bem como não se inicia no século XX. Entretanto, é interessante notar que, ao experimentarem com diferentes formas de fotografar, obtendo resultados que não 57 Heloísa Espada Lima (2006). 58 Paulo Henrique Camargo Batista (2006). 59 Sobre este tema, ler Philippe Dubois (2003) e Maria Teresa Bandeira de Mello (1998).

109 108 História da fotografia moderna brasileira privilegiam a mimese do real, estes fotógrafos estão, de certo modo, subvertendo o estatuto principal da fotografia, que seria o de reproduzir fielmente a realidade que se encontra na frente do fotógrafo. Este seria apenas um observador apto a registrar fielmente aquilo que vê, contribuindo para um inventário neutro e realista do mundo. O que podemos depreender das imagens dos fotógrafos em estudo é uma necessidade de criação a partir da fotografia, e não de simples reprodução. Assim, a câmera fotográfica, ou os meios de impressão fotográfica, permitem a eles criar diferentes formas visuais, que desafiam o olhar do espectador. Este debate pode ser percebido, por exemplo, ao analisarmos as diferentes experiências fotoclubísticas, tanto nacionais quanto internacionais. Os primeiros fotoclubes foram marcados pela presença do pictorialismo, que procurava aproximar a fotografia da arte utilizando recursos artísticos, ou que faziam com que o resultado final parecesse artístico, através de diferentes técnicas. Segundo Maria Teresa Bandeira de Mello, O movimento pictorialista não mantém com a pintura uma relação de mera imitação. Ao contrário, estabelece uma correspondência entre ambas que impulsiona a fotografia a elevar-se ao nível da pintura, e, nesta situação de igualdade, reivindicar o estatuto de arte. 60 Devemos ter em mente a diferença entre pictorialismo e experimentação na fotografia. O segundo procura reivindicar o estatuto de arte para a fotografia a partir da exploração do potencial artístico intrínseco ao meio fotográfico. É na expansão da fotografia que ela se torna artística, dialogando com as artes visuais do período. Já o pictorialismo buscava inserir diversas técnicas no processo fotográfico, a fim de que o resultado final parecesse artístico. Se nos mantivermos apenas no caso brasileiro, para facilitar nossa análise, podemos perceber que, com os anos, a experiência fotoclubística vai se alterando, caminhando do fotoclube voltado ao pictorialismo àquele voltado à fotografia moderna. José Oiticica Filho pode ser considerado um exemplo desta trajetória. Primeiramente membro do Photo Club Brasileiro, 61 do Rio de Janeiro, marco maior do pictorialismo no Brasil, passou a ser membro do Foto Cine Clube Bandeirante, considerado, por sua vez, marco da fotografia moderna brasileira. Suas fotografias refletem esta trajetória, visto que, no início, temos fotografias como Um que passa, de 1949, para, quase dez anos depois, em 1958, nos depararmos com as fotografias intituladas Recriações. 60 Maria Teresa Bandeira de Mello (1998, p. 16). 61 O Photo Club Brasileiro foi fundado em O primeiro fotoclube de que se tem notícias no Brasil foi o Sploro Photo Club, fundado em 1903, em Porto Alegre. Este foi seguido pelo Photo Club do Rio de Janeiro, de 1910 e pelo Photo Club Hélios, em 1916, em Porto Alegre.

110 109 Carolina Etcheverry À parte do movimento fotoclubista, temos a presença das fotomontagens no cenário da história da fotografia brasileira. Os principais nomes são Jorge de Lima e Athos Bulcão. 62 Conforme Tadeu Chiarelli, Excetuando esses exemplos bastante frágeis para configurar um corpus de real significação, o uso da fotografia por artistas e intelectuais modernistas ficou confinado, até muito recentemente, a duas contribuições muito específicas, ligadas à fotomontagem. Refiro-me às fotomontagens do poeta e pintor Jorge de Lima, realizadas entre os anos 30 e 40, e àquelas do artista plástico Athos Bulcão, cujas produções remontam à primeira metade dos anos 50. Mais recentemente, tornou-se público que Alberto da Veiga Guignard respeitado como um dos principais pintores modernistas, igualmente ocupou-se da fotografia, mais especificamente, da fotomontagem. Dentro dessa escassez de produções fotográficas de âmbito modernista, parece-me no mínimo curioso o fato de as produções daqueles modernistas que mais se dedicaram à fotografia gravitarem em torno da fotomontagem. Em torno de uma fotomontagem, diga-se, fortemente vinculada ao surrealismo (...). 63 Com este breve panorama, que certamente deixa de lado algumas nuances da história da fotografia brasileira, 64 como, por exemplo, a importante participação da fotografia nas revistas ilustradas e nos jornais, pretendemos mostrar que a fotografia começou a ganhar espaço na cultura brasileira. A história da cultura visual não pode deixar de lado estes aspectos aqui abordados. As imagens de Geraldo de Barros e de José Oiticica Filho dentro do contexto das Artes Visuais Dentro do contexto das artes visuais, é possível relacionar Geraldo de Barros e José Oiticica Filho com o movimento concretista e neoconcretista, que dominaram a cena artística nacional dos anos 1940 aos anos 1960, pelo menos. Suas fotografias são marcadas pelo diálogo constante com as artes visuais de sua época, estabelecendo, portanto, uma visualidade bastante específica. No final da década de 1940, com intervalo de apenas um ano, surgem em São Paulo dois museus de arte, decorrentes da iniciativa privada de grandes empresários. 62 Sobre eles, ler Tadeu Chiarelli (2003). 63 Tadeu Chiarelli (2003, p. 70). 64 Escolhemos deixar o fotojornalismo de lado não por este não ser importante, mas por não estar tão diretamente ligado à fotografia voltada para as artes visuais.

111 110 História da fotografia moderna brasileira Em 1947, Assis Chateaubriand, diretor dos Diários Associados e fundador da TV Tupi, criou o Museu de Arte de São Paulo, o Masp. No ano seguinte, Francisco Matarazzo, dirigente de um grande complexo industrial, criou o Museu de Arte Moderna de São Paulo, o MAM. Segundo Míriam Gershmann, 65 estes museus nascem dentro do ideal desenvolvimentista, que objetivava a atualização do país nos mais diversos setores, inclusive no setor cultural. De acordo com Francisco Alambert e Polyana Canhête, as ações e mutações promovidas pelo capital privado na esfera da cultura na cidade de São Paulo irão instalar uma nova etapa no processo de formação, transmissão e recepção da arte moderna: a era dos museus (...). 66 Conforme Fernando Cocchiarale e Anna Bella Geiger, 67 o surgimento dos primeiros núcleos de artistas abstratos no Rio e em São Paulo ocorre entre 1948 e 1949, criando uma oposição entre os artistas brasileiros. Artistas como Di Cavalcanti e Portinari mostram-se contrários a essa vertente não figurativa, pois seria uma arte que se afasta da realidade, a abolição da figura isola a obra do artista de uma visualidade reconhecível, e, o que é mais grave, da realidade social de seu povo. 68 A arte abstrata se afastaria dos ideais de nacionalidade que permearam os trabalhos dos artistas da Semana de Ao mesmo tempo em que este debate ocorria, José Oiticica Filho estava fazendo fotografias dentro do ideal pictorialista dos fotoclubes sua segunda fase e Geraldo de Barros já estava iniciando suas precursoras experiências envolvendo a fotografia e suas possibilidades plásticas. Em 1949 ele foi convidado, junto com Thomaz Farkas e German Lorca, a montar o laboratório fotográfico do recém-criado Museu de Arte de São Paulo (Masp). Segundo Helouise Costa, 70 foi assim que Barros teve acesso a um espaço fora do Foto Cine Clube Bandeirante para realizar suas fotografias no campo da abstração. E isso é marcante para estabelecer sua relação com as artes visuais do período. Para a formação dos artistas brasileiros no campo da abstração, a Bienal de São Paulo foi de suma importância. Marcada pela presença de importantes artistas abstratos, como Max Bill (que introduz ideias concretistas no país), na Primeira Bienal, Miriam Gershmann (1992). 66 Francisco Alambert e Polyana Canhête (2004, p. 26). 67 Fernando Cocchiarale e Anna Bella Geiger (1987). 68 Idem, p É importante observar que na Semana de 22 não houve espaço para a fotografia ou o cinema. Os novos meios mecânicos não foram incluídos como arte moderna. Sobre isso, ver Ricardo Mendes (2003). 70 Helouise Costa e Renato R. da Silva (2004). 71 Na I Bienal, em 1951, Max Bill e Ivan Serpa ganharam prêmios com trabalhos em abstração.

112 111 Carolina Etcheverry as primeiras edições da Bienal foram profundamente cortadas por polêmicas calorosas (e por vezes maniqueístas), sobretudo entre os críticos que atacavam os formalismos modernos, responsabilizando-os por esvaziar o valor social e militante da arte, contra os defensores das novas formas de intervenção e corte (...), do abstracionismo, tanto geométrico quanto formal que, aliás, também estavam em confronto uns com os outros. 72 Assim, é possível ver que estava em jogo um debate não apenas entre figuração e abstração, mas também entre os diferentes tipos de abstração. Este debate ocorre também na fotografia, ainda que de forma marginal. Marcada pela homologia com o real, a fotografia sempre foi figurativa, sendo este, justamente, seu grande atrativo. Ao entrar na abstração a partir do contato dos fotógrafos com este ambiente artístico experimental e inovador, a fotografia altera seu estatuto, ingressando de modo mais direto no campo das artes plásticas. Mário Pedrosa, importante crítico e defensor da arte abstrata, escreveu a respeito dos trabalhos fotográficos de Geraldo de Barros, no texto A Bienal cá e lá, de 1970, (...) foi o primeiro a fazer da fotografia dita de arte não esse enlanguescimento pictórico do gosto convencional, mas uma experiência viril de imagens instantâneas ou fixadas, simultâneas ou dissolvidas em signos da vida e do espaço urbanístico. 73 Com este excerto de Pedrosa é possível perceber como os trabalhos fotográficos experimentais de Barros inseriam-se neste novo momento da arte brasileira, marcado pela presença da arte abstrata e pelo Movimento Concretista, do qual ele fazia parte. Ainda que suas fotografias tenham sido feitas antes do seu engajamento no Grupo Ruptura, 74 em 1952, é possível pensar que as questões norteadoras do concretismo hierarquia de forma, cor e fundo, junto com geometrizações das figuras podem ser vistas em suas imagens. Entretanto, assim como nas fotografias de José Oiticica Filho, algumas delas são abstrações informais, demonstrando o alto grau de proficuidade de seu trabalho. José Oiticica Filho dentro deste contexto do concretismo brasileiro se mostra um artista bastante variado. Além de fotografias abstratas geométricas, em que há 72 Francisco Alambert e Polyana Canhête (2004, p. 45). 73 Mario Pedrosa (1995, p. 258). 74 O Grupo Ruptura era formado por Lothar Charoux, Waldemar Cordeiro (seu principal teórico), Geraldo de Barros, Kazmer Fejer, Leopoldo Haar, Luis Sacilotto e Anatol Wladyslaw. Eles propõem uma ruptura com questões plástico-formais, com todo um passado que as vanguardas europeias tinham cortado desde o Impressionismo. Cf. BANDEIRA, João. Arte concreta paulista: documentos. São Paulo: Cosac Naify, Centro Universitário Maria Antonia da USP, 2002.

113 112 História da fotografia moderna brasileira uma preocupação com a cor e ausência de meios-tons, ele também realiza, com a série Ouropretenses, fotografias abstratas informais, na qual há uma ligação com o sentimento, mais do que com a razão. A fotografia concreta de Oiticica Filho foi chamada, por ele próprio, de Recriações, pois, como explica Herkenhoff: Oiticica prepara as formas iniciais que são fotografadas. O negativo (isto é, a transparência) é ampliado para produzir um positivo transparente, que copiado produz nova transparência negativa, que copiada... e assim sucessivamente podem ser criadas diversas transparências positivas e negativas, as quais são usadas isoladamente ou combinadas entre si (positivo com positivo, negativo com negativo, positivo com negativo) para a obtenção da imagem. 75 Nas fotografias ditas concretistas, é possível perceber a ausência de meiostons, característica da arte concreta. 76 O próprio José Oiticica Filho define seu entendimento acerca das Recriações, em entrevista a Ferreira Gullar, em 1958: Há quem não considere como fotografia minhas recriações, porque não uso cinzas, próprios da fotografia tal como ela é entendida pela maioria. Acham que é desenho, porque as formas se imprimem em preto e branco. Minhas recriações são fotografias, pois nascem de um processo fotográfico legítimo como outro qualquer. Se não uso cinzas é porque o que me interessa é a forma e a dinâmica do plano, que só se pode conseguir pela impressão, sem meias-luzes, do preto sobre o branco. Não tenho culpa de que, por usar preto e branco, confundam minhas recriações com desenhos que em geral são em preto e branco também. 77 Desse modo, o fotógrafo insere seu trabalho como fotografia e explica o que interessa a ele no momento de feitura da imagem: a forma e a dinâmica do plano. 75 Paulo Herkenhoff (1983, p. 15). 76 A proposta de uma cor pura, abstrata, seria encontrável, segundo ele [Mondrian], na cor primária claramente definida, chapada, sem meios-tons, matérias ou texturas. (COCCHIARALE, GEIGER, 1987, p. 16). É importante mencionar, a este respeito, que José Oiticica Filho é pai de Hélio Oiticica, importante artista brasileiro, vinculado ao concretismo e neoconcretismo. Com isto podemos depreender que o fotógrafo tinha trânsito entre as artes visuais e a fotografia. 77 Oiticica: fotografia se faz no laboratório, Jornal do Brasil, 24/08/1958, suplemento dominical de artes plásticas.

114 113 Carolina Etcheverry Consideração final: por que estudá-los? Este texto procurou mostrar a complexidade do estudo em torno da fotografia moderna brasileira, bem como buscou trazer à tona diversas possibilidades de estudos. A partir de Geraldo de Barros e de José Oiticica Filho, considerados precursores nas técnicas de experimentação para criação de imagens fotográficas impactantes, foi possível perceber como o campo fotográfico expande-se na segunda metade do século XX. A importância de estudá-los reside no fato de que tais fotógrafos ainda são muito atuais, pautando diversos trabalhos fotográficos contemporâneos. Por isso, é preciso que eles sejam estudados a fundo, para que possamos construir uma história da cultura visual deste período, buscando elementos para entender tais imagens. Uma leitura informada é sempre mais instigante do que aquela marcada apenas pelo sentimento que a imagem traz ao seu leitor. Referências ADES, Dawn. Fotomontaje. Barcelona: Gustavo Gili, ALAMBERT, Francisco; CANHÊTE, Polyana. Bienais de São Paulo: da era dos museus à era dos curadores. São Paulo: Boitempo, BARROS, Geraldo. Fotoformas: Geraldo de Barros. São Paulo: Cosac Naify, BATISTA, Paulo Henrique Camargo. Fotoformas: a poética do processo interventor de Geraldo de Barros na práxis fotográfica f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Tecnologia, Universidade Tecnológica do Paraná, Curitiba, BUSSELLE, Michael. Tudo sobre fotografia. São Paulo: Círculo do Livro, CASA ANDRADE MURICY. Fotografia subjetiva : a contribuição alemã Curitiba: folder, CHIARELLI, Tadeu. A fotomontagem como introdução à arte moderna : visões modernistas sobre a fotografia e o surrealismo. Revista Ars / publicação do Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicação e Artes da USP. Vol. 1, n. 1. São Paulo: COCCHIARALE, Fernando; GEIGER, Anna Bella. Abstracionismo geométrico e informal: a vanguarda brasileira nos anos cinquenta. Rio de Janeiro: FUNARTE, Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1987.

115 114 História da fotografia moderna brasileira COUTO, Maria de Fátima Morethy. Por uma vanguarda nacional. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, COSTA, Helouise; SILVA, Renato Rodrigues. A fotografia moderna no Brasil. São Paulo: Cosac Naify, Da fotografia como arte à arte como fotografia: a experiência do Museu de Arte Contemporânea da USP na década de Anais do Museu Paulista. São Paulo. N. Sér. v. 16. n. 2. p jul.-dez Waldemar Cordeiro e a fotografia. São Paulo: Cosac Naify, Centro Universitário Maria Antonia da USP, DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico. Campinas, SP: Papirus, FABRIS, Annateresa. A fotografia além da fotografia: José Oiticica Filho ( ). Imagens, Campinas, n. 8, maio-agosto Discutindo a imagem fotográfica. Domínios da imagem, Londrina, ano I, n. 1, nov Arte conceitual e fotografia: um percurso crítico-historiográfico. ArtCultura, Uberlândia, v. 10, n. 16, p , jan.-jun FATORELLI, Antonio. Fotografia e viagem: entre a natureza e o artifício. Rio de Janeiro: Relume Dumará, José Oiticica Filho e o avatar da fotografia brasileira. Lugar Comum (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 11, p , GERNSHEIM, Helmut. Creative photography: aesthetic trends New York: Dover Publications, HERKENHOFF, Paulo. A trajetória: da fotografia acadêmica ao projeto construtivo. In: José Oiticica Filho: a ruptura da fotografia nos anos 50. Catálogo. Funarte/Núcleo de Fotografia, A imagem do processo. In: BARROS, Geraldo. Fotoformas: Geraldo de Barros. São Paulo: Cosac Naify, Geraldo de Barros: a renovação e a constância. In: BARROS, Geraldo. Fotoformas: Geraldo de Barros. São Paulo: Cosac Naify, JÚNIOR, Rubens Fernandes. Processos de criação na fotografia: apontamentos para o entendimento dos vetores e das variáveis da produção fotográfica. In: FACOM, n. 16, 2 semestre de 2006.

116 115 Carolina Etcheverry KOSSOY, Boris. Fotografia e história. São Paulo: Editora Ática, Dicionário histórico-fotográfico brasileiro. São Paulo: Instituto Moreira Salles, Realidades e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Atelier Editorial, Fotografia. In: ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães, KRAUSS, Rosalind. Fotografia y abstracción. In: RIBALTA, Jorge (org.). Efecto Real. Barcelona: Gustavo Gili, LIMA, Solange Ferraz de; CARVALHO, Vânia Carneiro de. Fotografia e cidade. São Paulo: Fapesp/Mercado das Letras, LIMA, Heloísa Espada. Fotoformas: a máquina lúdica de Geraldo de Barros f. Dissertação (Mestrado) Escola de Comunicação e Artes, Departamento de Artes Plásticas, Universidade de São Paulo, São Paulo, MACHADO, Arlindo. A ilusão especular. São Paulo: Brasiliense, MELLO, Maria Teresa Bandeira de. Arte e fotografia: o movimento pictorialista no Brasil. Rio de Janeiro: FUNARTE, MENDES, Ricardo. Once upon a time: uma história da história da fotografia brasileira. Anais do Museu Paulista, ano/vol. 6/7, número 007. Universidade de São Paulo. MENNA, Filiberto. La opción analítica en el arte moderno. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, MOHOLY-NAGY, László. Peinture, photographie, film et autres écrits sur la photographie. Paris: Gallimard, OITICICA FILHO, José. Oiticica: fotografia se faz no laboratório. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil, 24/08/1958, Suplemento Dominical de Artes Plásticas. PEDROSA, Mario. A Bienal de cá e pra lá. In: ARANTES, Otília (org.). Modernidade cá e lá: textos escolhidos IV/Mário Pedrosa. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, POSSAMAI, Zita R. Cidade fotografada: memória e esquecimento nos álbuns fotográficos. Porto Alegre, décadas de 1920 e Tese (Doutorado). Porto Alegre: UFRGS, 2005.

117 116 História da fotografia moderna brasileira VASQUEZ, Pedro Karp. A fotografia no império. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, O Brasil na fotografia oitocentista. São Paulo: Metalivros, Dom Pedro II e a fotografia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Index, Sites consultados

118 Capítulo 5 A dimensão histórica em Mujeres presas : aproximações teóricas entre fotografia-expressão e ator social Patricia Camera 1 Este texto analisa o ensaio Mujeres presas, 2 realizado pela fotógrafa argentina Adriana Lestido, 3 durante junho de 1991 e junho de 1992, na prisão número 8 de Los Hornos, em La Plata, Argentina. O resultado desta produção, que contou com o apoio da Hasselblad Foundation, foi exposto na II Bienal de Artes Visuais do Mercosul (1999 Porto Alegre, Brasil) e deu origem à publicação do catálogo 4 de mesmo título, compondo a Colección Fotografos Argentinos. No prefácio, Lestido: el oficio de narrar, 5 o escritor Guillermo Saccomanno comunica: Mujeres presas no es un libro de fotos convencional, ese objeto a mitad de camino entre la mezquindad coleccionista y el regalo elegante de shopping. Si me gusta pensarlo como un trabajo narrativo es porque explica más de la realidad social que cualquier argumentación política. Lo que no quita que las fotos de Lestido entreveren, tensándolas, las relaciones entre arte e ideologia. Nesta linha de pensamento, o presente estudo desenvolve-se com o objetivo de discutir a fotografia contemporânea de Adriana Lestido como forma de narrativa visual elaborada por atores sociais. Para isso, apresentam-se algumas especificidades do gênero fotográfico e algumas reflexões sobre sujeito, razão e identidade com referência aos estudos de Alain Touraine. A proposta é aproximar alguns aspectos deste ensaio fotográfico às problemáticas levantadas por Touraine no contexto da sociedade cultural 6 (pós- 1 Fotógrafa, Mestre em Tecnologia (UTFPR), Doutoranda do PPGH/PUCRS. 2 O ensaio fotográfico Mujeres presas está disponível no web-site da fotógrafa (www.adrianalestido.com.ar) e no livro Mujeres Presas, LESTIDO (2007). 3 Adriana Lestido nasceu em 1955 na cidade de Buenos Aires. Estudou na Escuela de Arte Fotográfico y Técnicas Visuales de Avellaneda. Trabalhou como repórter fotográfica entre 1982 e 1995 em La Voz, agência DyN e o diário Página 12. Em seguida, passou a lecionar fotografia e a dedicar-se aos trabalhos pessoais. 4 Lestido (2007). 5 Lestido (2007, p. 2). 6 De forma resumida pode-se dizer que Touraine (2007, 2008) compreende a sociedade atual como uma sociedade fragmentada: a empresa e o consumo numa esfera e o sujeito e a Nação em outra esfera. Nesta decomposição Touraine explora a noção de subjetividade (desejo, individualidade, identidade, alteridade) e afirma a importância da democracia. Por fim, valoriza o conceito de sujeito identificando-o neste contexto como ator social que inaugura outro paradigma social que é denominado por ele como sociedade cultural.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

RESENHA. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. 1 RESENHA Mónica Santos Pereira Defreitas 1 SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. O livro de Lúcia Santaella, Por que as comunicações e as artes estão

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL

Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A/484566 Estrela Serrano JORNALISMO POLÍTICO EM PORTUGAL A cobertura de eleições presidenciais na imprensa e na televisão (1976-2001) Edições Colibri Instituto Politécnico de Lisboa ÍNDICE Introdução 23

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos

Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos 44 5. Percursos da pesquisa de campo: as rodas de conversas e a caracterização dos jovens e seus contextos As rodas de conversa tiveram como proposta convidar os participantes a debater o tema da violência

Leia mais

Histórias, Redes Sociais e Memória

Histórias, Redes Sociais e Memória Histórias, Redes Sociais e Memória h.d.mabuse "A capacidade de lembrar o que já se viveu ou aprendeu e relacionar isso com a situação presente é o mais importante mecanismo de constituição e preservação

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais Marcelo Jacques de Moraes Historicamente, os Programas de Pós-Graduação da Faculdade

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE QUALIFICAÇÃO DA ÁREA DE ENSINO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PARA PROFISSIONAIS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Há amplo consenso nas categorias profissionais da saúde, em especial na categoria

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES NAS TRILHAS INTERPRETATIVAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: VISITAS GUIADAS AO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA Andréa Espinola de Siqueira; Ana Clara Frey de S. Thiago; Ana

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE

REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CHAMADA PÚBLICA 1ª EDIÇÃO DA REVISTA JUVENTUDE E MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE SECRETARIA NACIONAL DE JUVENTUDE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE 1. Apresentação da Chamada: A Revista Juventude

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA:

Relato de Experiência Educativa 1 JUSTIFICATIVA: Relato de Experiência Educativa Título: A Fotografia na Escola: A Escola aos olhos dos alunos Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria de Lourdes Poyares Labuto Cariacica-ES Série: 2 Ano do

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual

CINEMA NOSSO. Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual CINEMA NOSSO escola audiovisual Ação educacional pela democratização e convergência do audiovisual Nossa História Em Agosto de 2000, um grupo de duzentos jovens de áreas populares cariocas foi reunido

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS SANTOS, Noeli Batista dos 1 Palavras-chave: imagem, ensino, tecnologia.

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade

Construção dos geógrafos frente à natureza e sociedade O OLHAR DOS GEÓGRAFOS FRENTE ÀS MODERNIZAÇÕES NA AGRICULTURA E ÀS IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS 1 Roberto Verdum 2 Departamento de Geografia/IG/UFRGS Para identificar o olhar dos geógrafos frente às modernizações

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Curso de Jornalismo CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Área 1 Jornalismo Especializado (1 vaga) Graduação Exigida: Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo Titulação mínima exigida:

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º As atividades culturais e artísticas desenvolvidas pela POIESIS reger-se-ão pelas normas deste Regimento Interno e pelas demais disposições

Leia mais

O que os olhos não veem, a lente registra

O que os olhos não veem, a lente registra O que os olhos não veem, a lente registra E.E. Profº Adelaide Maria de Barros Sala 5 sessão 2 Professor(es) Apresentador(es): Maria Aparecida Oliveira Brito Aline Loures Realização: Foco A Eletiva de Fotografia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura.

PALAVRAS-CHAVE: Ilustração; formandos; convite; formatura. A Sina dos Traços: ilustração para o convite de formatura do curso de Publicidade e Propaganda. 1 Paulo César V. STECANELLA 2 Breno INFORZATO 3 Marília DURLACHER 4 Eloise SCHMITZ 5 Juliana Zanini SALBEGO

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo

MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1. Resumo MULTIMÍDIAS PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 VIERO, Lia Margot Dornelles 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Geografia do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil E-mail:

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet (RECUERO, Raquel. Porto Alegre, RS: Editora Sulina, 2012) Vinicius Paiva Cândido dos SANTOS 1 Diante de uma

Leia mais

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM

EXPOSIÇÕES FOTOJORNALÍSTICAS DO FOCA FOTO: UMA MUDANÇA NA PERCEPÇÃO DA IMAGEM 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÕES

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda

Diretrizes Curriculares ENADE 2012. Curso de: Publicidade e Propaganda Diretrizes Curriculares ENADE 2012 Curso de: Publicidade e Propaganda MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA MEC Nº207 DE 22 DE JUNHO DE

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA

Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA Mostra de Projetos 2011 MUSEU VIRTUAL DE IMAGEM E HISTÓRIA Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido).

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais