Cursos do Conservatório Vocacionais. Cursos Profissionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cursos do Conservatório Vocacionais. Cursos Profissionais"

Transcrição

1 Cursos do Conservatório Vocacionais Piano, Canto, Violino, Guitarra, Saxofone, Harpa e de um modo geral todos os instrumentos de orquestra. Cursos Profissionais A Escola Profissional das Artes da Madeira disponibiliza de vários cursos na área de Música, do Teatro e da Dança, que dão equivalência ao 12º ano de escolaridade com Certificação Profissional de Nível III, da União Europeia e que são uma porta aberta para uma carreira ou, pelo menos, para uma canditatura ao ensino superior. Estes cursos podem ser frequentados por todos os alunos com aptidões para as artes do espectáculo, com o 9º ano de escolaridade concluído. (1 of 13) :26:44

2 Curso Profissional de Instrumento Elaborado respeitando integralmente a Portaria n.º 531/95 de 2 de Junho, o Curso Profissional de Instrumento tem a duração de três anos lectivos, com uma carga horária de 3640 horas (1120 horas em cada ano). O objectivo prioritário é o da oferta de uma alternativa credível de ensino/formação profissional, garantindo ao mesmo tempo uma formação artística da melhor qualidade, adaptando-a às necessidades da Região Autónoma da Madeira. No âmbito deste programa está prevista a realização de Seminários e conferências, (preparados pelos professores e pelos próprios alunos), Concursos de interpretação, audições abertas e fechadas, Concertos e Master Classes dos vários instrumentos. Disciplinas: Português Língua Estrangeira Área de Integração Acústica (2 of 13) :26:44

3 Análise e Técnica de Composição História da Música Formação Musical Técnica de Instrumento Técnica de Interpretação Leitura à 1ª vista Prática de Conjunto Prática Individual e/ou de Naipe Coro Prática de Teclado Regulamento do Concurso de Acesso Curso Profissional de Instrumento Normas e Conteúdos Todos os Alunos devem fazer uma prova de admissão perante um júri que, na sua composição incluirá um professor do respectivo instrumento. O Programa da prova é definido pela escola para cada instrumento específico. As obras apresentadas pelos alunos devem ser de dificuldade igual ou superior ás constantes nos programas do 5º Grau da Experiência Pedagógica de 1973, oficialmente em vigor nas escolas de ensino (3 of 13) :26:44

4 especializado de música. O exame do 5º grau de escola do ensino especializado de Música pode ser considerado como Prova de Admissão em caso de a nota obtida pelo aluno ser positiva. Fase de Selecção A fase de Selecção é constítuida por um conjunto de provas práticas incidindo nas áreas científica e teórica. a) Prova de Formação Musical Esta prova tem por objectivo avaliar o desenvolvimento auditivo, sensorial e intelectual. b) Prova de Instrumento Esta prova será constituída pela apresentação de programa perante um Júri. A duração do programa não deve ultrapassar os 40 minutos. Critérios de Avaliação As percentagens que a seguir se indicam, estabelecem o peso relativo de cada um dos campos que são objecto de classificação, expresso numa escala de 0 a 20 valores. *Prova de Formação Musical...40% *Prova de Instrumento...60% a) Os candidatos que no final das provas obtenham resultado inferior a 10 valores, serão excluídos. b) Eventuais reclamações ás classificações obtidas nas (4 of 13) :26:44

5 provas de selecção deverão ser apresentadas de acordo com os procedimentos e prazos estabelecidos no calendário patente em edital. c) Nas provas, os candidatos deverão apresentar-se 30 minutos antes da hora marcada. Curso Profissional de Interpretação O Curso Profissional de Interpretação/Teatro tem a duração de três anos lectivos, com uma carga horária anual de 3380 horas. Elaborado com base na Portaria nº 293/97 de 2 de Maio tem como objectivo prioritário a oferta de uma alternativa credível/formação profissional garantindo ao mesmo tempo uma formação artística de qualidade, com predominância na nossa região. Pretende-se habilitar os estudantes com os conhecimentos teóricos, técnicos e práticos necessários para a intervenção artística no mundo do espectáculo e no campo educativo, enquanto actores, animadores teatrais e de outras actividades de (5 of 13) :26:44

6 cáracter sócio-cultural Disciplinas: Português Língua Estrangeira Área de Integração História das Artes e do Teatro Estética Teatral Matemática Psicologia Sociologia Expressão Oral e Musical Expressão Corporal Cenografia Luminotécnica Teoria e Prática Teatral Oficina Teatral Dramaturgia Regulamento do Concurso de Acesso Curso Profissional de Interpretação Normas e Conteúdos As provas de acesso ao Curso de Interpretação /Teatro, desenrolam-se em uma única fase, segundo calendário patente, com selecção de candidatos no fim da mesma. Todos os candidatos sem qualquer excepção, incluindo os designados titulares de habilitações e supranumerários, terão de submeterse a este concurso de acesso organizado conforme regulamento e calendário tornados públicos através de (6 of 13) :26:44

7 edital. Fase de Selecção A fase de Selecção é constítuida por um conjunto de provas práticas incidindo nas áreas genéricas de aptidão física, Voz, Imaginação e ainda Entrevista. a) Prova de Aptidão Física Esta prova tem por objectivo avaliar as capacidades psicofisícas dos candidatos, nomeadamente: controlo psicomotor, consciência do corpo, auto-domínio, controlo rítmico e coordenação; disponibilidade e concentração, grau de mobilização de energia, flexibilidade e alongamento; relação corpoespaço. b) Prova de Voz Na prova de voz os candidatos serão avaliados fundamentalmente nos seguintes domínios: apresentação de uma canção portuguesa «á capela»; vocalisos e sentido rítmico; leitura de um texto; grau de clareza da dicção. c) Prova de Improvisação e Imaginação Nesta prova os candidatos serão avaliados pelos seguintes parâmetros: apresentação de um monólogo pelo candidato (1 a 3 minutos); capacidade de responder á proposta de jogo teatral; (7 of 13) :26:44

8 relacionamento com os outros, com o espaço e com os objectos e relação com a palavra. d) Prova de Entrevista Os candidatos serão sujeitos aos seguintes parâmetros de avaliação: perfil de estudante e curriculum vitae; capacidade de raciocínio e atenção; qualidades de observação e sensibilidade para o facto teatral. Critérios de Avaliação As percentagens que a seguir se indicam, estabelecem o peso relativo de cada um dos campos que são objecto de classificação, expresso numa escala de 0 a 20 valores. *Aptidão Física...20% *Voz...20% *Imaginação e Improvisação...40% *Entrevista...20% a) Os candidatos que no final das provas obtenham resultado inferior a 10 valores, serão excluídos. b) Eventuais reclamações ás classificações obtidas nas provas de selecção, deverão ser apresentadas de acordo com os procedimentos e prazos estabelecidos no calendário patente em edital. c) Nas provas práticas, os candidatos devem apresentarse cinco minutos antes da hora marcada, devidamente (8 of 13) :26:44

9 equipados de fato de treino. d) Nas outras provas o tipo de equipamento é livre. Curso Profissional de Dança O Curso Profissional de Dança tem a duração de três anos lectivos, com uma carga horária anual de 1220 horas nos primeiro e segundo anos e 1180 horas no terceiro ano, totalizando 3660 horas. Elaborado com base na Portaria nº 112/95 de 19 de Setembro, o Plano Curricular deste curso, justifica-se pela necessidade de pôr em prática um plano que, ainda que já existente, habilite os seus formandos a desenvolver a sua actividade profissional dentro da realidade que se vive na Região Autónoma da Madeira. Disciplinas: Português Língua Estrangeira Área de Integração Análise e Notação do Movimento História da Arte do Teatro e da Dança (9 of 13) :26:44

10 Anátomo/Fisiologia Educação Física/Barra no Chão Técnica de Dança Clássica Técnica de Dança Moderna Técnica Vocal e Canto Expressão Dramática/Ballet Teatro Danças de Carácter e Raiz Popular Oficina Coreográfica/Repertório Regulamento do Concurso de Acesso Curso Profissional de Dança Normas e Conteúdos As provas de acesso ao Curso de Dança, desenvolvem-se numa única fase, com selecção de candidatos no final da mesma. Todos os candidatos sem qualquer excepção, incluindo os designados titulares de habilitações e supranumerários, terão de submeterse a este concurso de acesso, organizado conforme regulamento e calendário tornados públicos através de edital. Fase de Selecção A fase de Selecção é constítuida por um conjunto de provas práticas incidindo nas áreas genéricas de aptidão física, musicalidade, imaginação, improvisação e entrevista. a) Prova de Aptidão Física (10 of 13) :26:44

11 Esta prova tem por objectivo avaliar as capacidades psicomotoras dos candidatos, nomeadamente: controlo, consciência de físico, autodomínio, ritmo e coordenação motora; disponibilidade e concentração; grau de mobilização de energia, flexibilidade e alongamento muscular; relação corpoespaço. b) Prova de Musicalidade, Imaginação, Improvisação Esta prova será constituída pela apresentação de um número coreográfico da autoria do candidato, onde serão pedidas diferentes variações musicais. Serão ainda feitos vocalisos e exercícios de avaliação de sentido rítmico. A título opcional, será ainda solicitada a apresentação de uma «canção à capela». c) Prova de Entrevista Os candidatos serão sujeitos aos seguintes parâmetros de avaliação: perfil e curriculum vitae; capacidade de raciocínio e concentração; qualidades de observação e sensibilidade para a dança. Critérios de Avaliação As percentagens que a seguir se indicam, estabelecem o peso relativo de cada um dos (11 of 13) :26:44

12 campos que são objecto de classificação, expresso numa escala de 0 a 20 valores. *Aptidão Física...50% *Musicalidade/Imaginação/ Improvisação...60% *Entrevista...20% a) Os candidatos que no final das provas obtenham resultado inferior a 10 valores, serão excluídos. b) Eventuais reclamações ás classificações obtidas nas provas de selecção deverão ser apresentadas de acordo com os procedimentos e prazos estabelecidos no calendário patente em edital. c) Nas provas práticas, os candidatos deverão apresentarse cinco minutos antes da hora marcada, devidamente equipados para o efeito. Curso Profissional de Jazz O Curso de Jazz foi iniciado no ano lectivo 2000/2001, em (12 of 13) :26:44

13 colaboração com o Hot Clube de Portugal. Os alunos que frequentam este curso poderão eventualmente ingressar na escola do Hot Clube e a partir daí, poderão mesmo prosseguir uma formação nas Universidades Americanas de Jazz, com equivalência aos dois primeiros anos do curso. Disciplinas: Instrumento Teoria Treino Auditivo Laboratório de Instrumento Combo de Repertório Prática de Solos Audição Comentada História do Jazz Orquestra de Jazz Piano Complementar Sexteto de Jazz (13 of 13) :26:44

CURSO PROFISSIONAL DE INTÉRPRETE DE DANÇA CONTEMPORÂNEA 2010 / 2013 CURSO DE NÍVEL III, COM EQUIVALÊNCIA AO 12ºANO

CURSO PROFISSIONAL DE INTÉRPRETE DE DANÇA CONTEMPORÂNEA 2010 / 2013 CURSO DE NÍVEL III, COM EQUIVALÊNCIA AO 12ºANO CURSO PROFISSIONAL DE INTÉRPRETE DE DANÇA CONTEMPORÂNEA 2010 / 2013 CURSO DE NÍVEL III, COM EQUIVALÊNCIA AO 12ºANO 1 Normas e conteúdos REGULAMENTO DE ACESSO As provas de acesso ao curso de dança acontecem

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INSTRUMENTO

CURSO BÁSICO DE INSTRUMENTO 2013 / 2014 CURSO DE NÍVEL II, COM EQUIVALÊNCIA AO 9ºANO DURAÇÃO DO CURSO Elaborado respeitando integralmente na Portaria nº1112/95 de 12 de Setembro de 1995, o Curso Básico de Instrumento tem a duração

Leia mais

LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO EDITAL

LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO EDITAL LICENCIATURA EM MÚSICA CONCURSO LOCAL DE ACESSO ANO LECTIVO 2014-2015 EDITAL António M. Cunha, Reitor da Universidade do Minho, faz saber que se encontram abertas as candidaturas ao Concurso Local para

Leia mais

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011

Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE. 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 Aviso de Abertura das Candidaturas à Pós-Graduação em Educação Musical Madeira Funchal 3ª FASE 18 de Julho a 26 de Agosto de 2011 1. Introdução A presente proposta refere-se a uma pós-graduação de 60 créditos

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO Ano letivo de 2016/2017 PROVAS DE ADMISSÃO/AFERIÇÃO REGULAMENTO 1. Nos termos do número 2 do artigo 40.º do Regulamento Interno do Conservatório de Música do Porto, tornam-se públicas as Normas que regulam

Leia mais

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO

LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO LICENCIATURA EM TEATRO INTERPRETAÇÃO E ENCENAÇÃO NORMAS REGULAMENTARES Curso do do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo

Leia mais

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO

CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CURSO DE ARTES CÊNICAS 2007/2 BACHARELADO EM INTERPRETAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS PRÉ-REQUISITO CR CHS AULAS PR ART501 Jogos Teatrais I - 3 60 2 2 1º ART503 Expressão Vocal I - 3 60 2 2 1º ART507

Leia mais

Reitoria. despacho RT -11/2016

Reitoria. despacho RT -11/2016 Reitoria despacho RT -11/2016 Por proposta da direção do curso de Licenciatura em Música, ouvido o Instituto de Letras e Ciências Humanas, em cumprimento do estipulado no Regulamento do Concurso Local

Leia mais

Candidatura ao Curso Secundário de Música: Instrumento (6º grau) / Composição (1º ano)

Candidatura ao Curso Secundário de Música: Instrumento (6º grau) / Composição (1º ano) Ano Lectivo de 2015-16 Candidatura ao Curso Secundário de Música: Instrumento (6º grau) / Composição (1º ano) INFORMAÇÕES DO CANDIDATO Nome Completo Data de Nascimento / / Idade a 31 de Agosto de 2015

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO APRESENTAÇÃO DESTINATÁRIOS

EDITAL MESTRADO EM ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO APRESENTAÇÃO DESTINATÁRIOS MESTRADO EM ENSINO DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL NO 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO EDITAL Informam-se os interessados que, entre 1 e 17 de Julho de 2017, se

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química MESTRADO EM ENSINO DA FÍSICA E DA QUÍMICA Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química 28-29 De acordo com ponto 4, alínea l) do artigo 4º, do regulamento geral de

Leia mais

REGULAMENTO DA ADMISSÃO AO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO

REGULAMENTO DA ADMISSÃO AO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO REGULAMENTO DA ADMISSÃO AO ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO A Academia de Música da Sociedade Filarmónica Vizelense estabeleceu um protocolo para o ensino especializado da música em regime articulado com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 121 25 de Junho de 2009 4147 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Portaria n.º 691/2009 de 25 de Junho No quadro da acção governativa, no âmbito do ensino artístico especializado,

Leia mais

Candidatura ao Curso Básico de Música Regime Integrado ou Articulado 1º grau/5º ano

Candidatura ao Curso Básico de Música Regime Integrado ou Articulado 1º grau/5º ano Ano Lectivo de 2015-16 Candidatura ao Curso Básico de Música Regime Integrado ou Articulado 1º grau/5º ano - Regime Supletivo 1º grau/ 5º, 6º e 7º anos INFORMAÇÕES DO CANDIDATO Nome Completo Cartão Cidadão

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santo António Exames Nacionais de Língua Portuguesa e Matemática 9º ANO As provas de exame de Língua Portuguesa e de Matemática incidem sobre as aprendizagens e competências

Leia mais

Doutoramento em Economia

Doutoramento em Economia Doutoramento em Economia 2010/2011 O Programa O Programa de Doutoramento em Economia tem como objectivo central proporcionar formação que permita o acesso a actividades profissionais de elevada exigência

Leia mais

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14

Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc /14 Oficina de Teatro Ação de formação acreditada ( modalidade Curso) Conselho Científico da Formação Contínua/Acc- 76517/14 Duração: 25 horas presenciais Número de Créditos: 1 Destinatários: Educadores de

Leia mais

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO

Critérios de Avaliação Disciplina: Orquestra de Sopros 2º CICLO 2º CICLO DOMÍNIO DA CRITÉRIOS GERAIS PERFIL DO ALUNO: DESCRITORES GERAIS INSTRUMENTOS INDICADORES DE % Coordenação psico-motora. Sentido de pulsação/ritmo/harmonia/ fraseado. COGNITIVOS: APTIDÕES CAPACIDADES

Leia mais

ACADEMIA DE DANÇA DO VALE DO SOUSA ANO LETIVO 2014/2015

ACADEMIA DE DANÇA DO VALE DO SOUSA ANO LETIVO 2014/2015 ACADEMIA DE DANÇA DO VALE DO SOUSA ANO LETIVO 2014/2015 ACADEMIA DE DANÇA DO VALE DO SOUSA ACADEMIA DE DANÇA DO VALE DO SOUSA CURSO LIVRE EM REGIME EXTRA CURRICULAR CURSO OFICIAL EM REGIME ARTICULADO Ballet

Leia mais

ESCOLA DE ARTES SAMP. Calendário de Provas de Avaliação e Admissão

ESCOLA DE ARTES SAMP. Calendário de Provas de Avaliação e Admissão ESCOLA DE ARTES SAMP Calendário de Provas de Avaliação e Admissão 2016/ Calendário Geral Aprovação e afixação de matrizes de Até 31 de dezembro de 2016 provas e regulamento de admissões Inscrição para

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

Site:

Site: CENTRO MUNICIPAL DE MÚSICA PROFESSORA WALDA TISO VEIGA Rua Presidente Arthur Bernardes, 639 Centro - CEP 37.130-000 Alfenas-MG Tel.: (35) 3698-2008 E-mail: centromusical@alfenas.mg.gov.br Site: www.conservatoriowaldatiso.art.br

Leia mais

EDITAL. 3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1. Faz-se público que estão abertas candidaturas para a admissão ao Curso de Mestrado em Gerontologia Social, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2014/2015, em organização conjunta da Escola

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM MÚSICA, MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DE LISBOA, DO INSTITUTO POLITÉCNICO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES ESCOLA DE TEATRO BACHARELADO EM ATUAÇÃO CÊNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE LETRAS E ARTES ESCOLA DE TEATRO BACHARELADO EM ATUAÇÃO CÊNICA 1 MAPA DE EQUIVALÊNCIAS ENTRE AS S PERÍODO AIT0001 Interpretação I AIT0074 Atuação Cênica I AIT0008 AEM0032 ATT0046 ATT0020 AEM0007 ADR0031 ADR0001 Expressão Corporal I Música e Ritmo Cênico I Fundamentos

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TÉCNICO DE INSPEÇÃO AVANÇADA DE ESTRUTURAS EDIÇÃO 2014/2015

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TÉCNICO DE INSPEÇÃO AVANÇADA DE ESTRUTURAS EDIÇÃO 2014/2015 CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TÉCNICO DE INSPEÇÃO AVANÇADA DE ESTRUTURAS EDIÇÃO 2014/2015 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da Rocha, faz saber:

Leia mais

Capítulo II Inscrições e Desistências

Capítulo II Inscrições e Desistências Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista 1. A Escola de Música Marista (E.M.M) é dirigida por um coordenador, nomeado pela Direção do Externato Marista. É função desse coordenador dirigir a

Leia mais

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º.

Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos. I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Regulamento de Mobilidade Internacional de Estudantes do Instituto de Estudos Políticos I. Disposições Gerais Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Regulamento rege a mobilidade internacional de estudantes

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

ARTES CÊNICAS Cenografia: Segunda-feira 16h55 às 18h30 14 vagas Dramaturgia I: Segunda-feira 18h35 às 20h10 15 vagas Dramaturgia II:

ARTES CÊNICAS Cenografia: Segunda-feira 16h55 às 18h30 14 vagas Dramaturgia I: Segunda-feira 18h35 às 20h10 15 vagas Dramaturgia II: ARTES CÊNICAS Cenografia: A disciplina trabalhará a criação da cenografia para um espetáculo teatral. Desenvolverá os processos de análise dramatúrgica, pesquisa sobre as especificidades do texto teatral,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO RESTELO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÂO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS 2º CICLO ANO LETIVO 2015 / 2016 DOMÍNIOS DE APRENDIZAGEM DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA PONDERAÇÃO INSTRUMENTOS DE

Leia mais

EESTÁGIO PROFISSIONAL

EESTÁGIO PROFISSIONAL CAPÍTULO I Artigo 1.º Regime aplicável 1. O presente regulamento refere-se aos procedimentos de regulação do Estágio do 1.º ano do ramo de Design, da licenciatura do Curso de Arte e Design da Escola Superior

Leia mais

3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

3. Os prazos para candidatura, seleção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1. Faz-se público que estão abertas, candidaturas para a admissão ao Curso de Mestrado em Promoção e Educação para a Saúde, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2016/2017, em organização conjunta

Leia mais

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra

Escola Superior de Enfermagem de Coimbra CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM DE REABILITAÇÃO (Portaria nº 42/2005 de 17 de Janeiro e Portaria n.º 268/2002, de 13 de Março) Ano Lectivo 2009/2010 FORMULÁRIO DE CANDIDATURA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MÚSICA Ênfase Práticas Interpretativas

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MÚSICA Ênfase Práticas Interpretativas Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Graduação MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MÚSICA Ênfase Práticas Interpretativas COMPONENTES CURRICULARES PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Formação Musical - 2º Ciclo Contínua DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PONDERAÇÃO Leitura - Ler frases rítmicas em diferentes unidades de tempo e compassos;

Leia mais

Instituto Federal de Goiás Câmpus Aparecida de Goiânia Licenciatura em Dança. Matriz Curricular

Instituto Federal de Goiás Câmpus Aparecida de Goiânia Licenciatura em Dança. Matriz Curricular ! Instituto Federal de Goiás Câmpus Aparecida de Goiânia Licenciatura em Dança Matriz Curricular NÚCLEO COMUM Horas 01 Filosofia da Educação 54h 02 História da Educação 54h 03 Sociologia da Educação 54h

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa Critérios de Avaliação do Ensino Básico - º Ciclo Língua Portuguesa DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO NA CLASSIFICAÇÃO TIPOLOGIA DOS INSTRUMENTOS DE FINAL AVALIAÇÃO POR PERÍODO Teste(s) de compreensão oral

Leia mais

ADMISSÕES AOS CURSOS OFICIAIS - ANO LETIVO 2017/2018 CURSO BÁSICO DE INSTRUMENTO

ADMISSÕES AOS CURSOS OFICIAIS - ANO LETIVO 2017/2018 CURSO BÁSICO DE INSTRUMENTO ADMISSÕES AOS CURSOS OFICIAIS - ANO LETIVO 2017/2018 CURSO BÁSICO DE INSTRUMENTO O documento que se segue aplica-se a todos os regimes de frequência. Os candidatos para o regime integrado serão selecionados

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior

Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Regulamento Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior Titulares de um diploma de técnico superior profissional Artigo 1.º Âmbito São abrangidos pelo concurso especial os titulares de

Leia mais

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano

2º Ciclo do Ensino Básico Critérios de avaliação 6º Ano CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO A avaliação do aluno nas diferentes disciplinas e áreas curriculares disciplinares realiza-se em três domínios: afetivo, cognitivo, e psicomotor. Ou, usando uma terminologia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO I- Introdução Os critérios de avaliação são definidos de acordo com o currículo, os programas das disciplinas e as metas curriculares, sendo operacionalizados pelos professores da

Leia mais

Cursos Técnico Superiores Profissionais

Cursos Técnico Superiores Profissionais Regulamento Cursos Técnico Superiores Profissionais (Regulamento Candidatura e Ingresso) Versão Data Alteração Ratificação 1.0 16-12-2014 Conselho Técnico Científico 2.0 07-11-2014 Adaptação ao D.L. 63/2016,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TEATRO E EDUCAÇÃO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TEATRO E EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TEATRO E EDUCAÇÃO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Teatro e Educação sobre a ESEC 4 3.2. Opinião

Leia mais

Estúdio de Teatro Musical

Estúdio de Teatro Musical Estúdio de Teatro Musical 2016-2017 Alunos 1 Ah! A Primeiro Acto, conforme o próprio nome indica, não aderiu ao novo acordo ortográfico, portanto, poderás encontrar alguns erros, do ponto de vista do mesmo,

Leia mais

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas

Artigo 1.º Objeto e âmbito. Artigo 2.º Avaliação da capacidade para a frequência. Artigo 3.º Provas REGULAMENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A CANDIDATURA À MATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM TECNOLOGIAS DA MÚSICA MINISTRADO PELA ESCOLA SUPERIOR DE MÚSICA DO INSTITUTO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 019/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar;

RESOLUÇÃO Nº 019/2016-CEPE/UNESPAR. Considerando o art. 7º, incisos I, II e VII do Regimento Geral da Unespar; RESOLUÇÃO Nº 019/2016-CEPE/UNESPAR Convalida as alterações e prazos de vigência da matriz curricular do curso de Composição e Regência do campus Curitiba I - EMBAP. Considerando o art. 7º, incisos I, II

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE ARTES DO ESPETÁCULO INTERPRETAÇÃO

CURSO PROFISSIONAL DE ARTES DO ESPETÁCULO INTERPRETAÇÃO CURSO PROFISSIONAL DE ARTES DO ESPETÁCULO INTERPRETAÇÃO DÉCIMA TERCEIRA FORMAÇÃO 2012 / 2015 CURSO DE NÍVEL IV, COM EQUIVALÊNCIA AO 12ºANO 1 Normas e conteúdos REGULAMENTO DE ACESSO As provas de acesso

Leia mais

EVENTO. Normas de Participação

EVENTO. Normas de Participação EVENTO Normas de Participação Regulamento Âmbito No âmbito da unidade curricular de Técnicas de Animação Comunitária do curso de Animação Socioeducativa Pós laboral, 1º ano, o grupo de actividades de difusão

Leia mais

9322 Diário da República, 2.ª série N.º de março de 2016

9322 Diário da República, 2.ª série N.º de março de 2016 9322 Diário da República, 2.ª série N.º 53 16 de março de 2016 3 As taxas em caso de mudança de orientador ou entidade recetora do estagiário só são exigíveis quando tal mudança decorra por razões imputáveis

Leia mais

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras

RESULTADOS DO INQUÉRITO AOS EMPREGADORES. Caracterização das entidades empregadoras Aplicado em junho de 06. Caracterização das entidades empregadoras Caracterização das entidades empregadoras Fundação/Instituição/Associação cultural sem fins lucrativos 8 Cooperativa cultural Companhia

Leia mais

EDITAL Concurso de Contratação de Escola

EDITAL Concurso de Contratação de Escola EDITAL Concurso de Contratação de Escola 201-2016 Nos termos do art.º 39º do Decreto-Lei nº 132/2012, de 27 de junho, com as alterações produzidas pelo Decreto-Lei n.º 83-A/2014, de 23 de maio, informo

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR - 2014 em diante Bacharelado: 2415 horas 855 h (núcleo comum) + 120 h (estágio) + 120 h (TCC) + 300 h (atividades complementares formativas) + 1020 h (optativas) São,

Leia mais

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo

MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA. Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo MÚSICA COMO INSTRUMENTO PSICOPEDAGÓGICO PARA INTERVENÇÃO COGNITIVA Fabiano Silva Cruz Educador Musical/ Psicopedagogo (gravewild@yahoo.com.br) APRESENTAÇÃO Fabiano Silva Cruz Graduado em composição e arranjo

Leia mais

EDITAL anexo 1 anexo 2 anexo 3 anexo 1 anexo 4 20)

EDITAL anexo 1 anexo 2 anexo 3 anexo 1 anexo 4 20) EDITAL 1. Faz-se público que está aberto concurso para admissão ao Curso de Mestrado em Gerontologia Social, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2016/2017 em organização conjunta da Escola Superior

Leia mais

Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina

Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Nunes Pinto de Carvalho, Iva Cristina Cartão do Cidadão n.º 12550162 emitido em Lisboa e válido até 16/03/2014 N.I.F. 202445542 Estado

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante

CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR em diante CURRÍCULO DO CURSO DE MÚSICA DA UFPR - 2014 em diante Bacharelado: 2415 horas 855 h (núcleo comum) + 120 h (estágio) + 120 h (TCC) + 300 h (atividades complementares formativas) + 1020 h (optativas) São,

Leia mais

CALENDARIZAÇÃO - FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA

CALENDARIZAÇÃO - FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA Acção: 3247 Assistência a Crianças no Domicílio - Alimentação da Criança Data Início: 16.Jan.2012 Duração: 25 Nível: 2 Data Fim: 06.Fev.2012 761174 - Acompanhante de Crianças Meses Horário 2012 1 2 3 4

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 22 Data: 2015/05/12 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

6236 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 4. o. Portaria n. o 1172/97

6236 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. 4. o. Portaria n. o 1172/97 6236 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 266 17-11-1997 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Portaria n. o 1172/97 de 17 de Novembro Sob proposta do e da sua ; Ao abrigo do disposto no artigo 4. o do Decreto-Lei n. o

Leia mais

EDITAL N.º 03/2017 SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CURSO DE EXTENSÃO EM INSTRUMENTO MUSICAL E PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS MUSICAIS

EDITAL N.º 03/2017 SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CURSO DE EXTENSÃO EM INSTRUMENTO MUSICAL E PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS MUSICAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA COORDENAÇÃO DE PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( )

ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1.º CICLO ( ) Critérios de Avaliação 1.º Ciclo Ano letivo 2016/2017 ESCOLAS E.B.1 C/ J.I. DA COCA MARAVILHAS E DE VENDAS A avaliação incide sobre os conhecimentos e capacidades definidas no currículo nacional e nas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO 2017 Edital N.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO 2017 Edital N. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CENTRO DE SELEÇÃO PROCESSO SELETIVO 2017 Edital N. 69/2016 ANEXO V PROGRAMAS DAS PROVAS PARA OS CURSOS QUE EXIGEM

Leia mais

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA

REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA REGULAMENTO DO GABINETE DE GESTÃO DA QUALIDADE DA ESCOLA SUPERIOR DE DANÇA A integração no espaço europeu de ensino superior das instituições académicas portuguesas trouxe consigo a necessidade de adoptar

Leia mais

Data 26/06/2012 Revisão 01 Código R.EM.CPE.03

Data 26/06/2012 Revisão 01 Código R.EM.CPE.03 Em concordância com o disposto no nº1, do artigo 1º, e na alínea e), do artigo 105, do Decreto-Lei 62/2007, que estabelece o regime jurídico das instituições de ensino superior, e assegurada a sua conformidade

Leia mais

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO

REFERENCIAL DE FORMAÇÃO REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Características Gerais Área de Educação e Formação Curso Profissional Saída Profissional Nível de Formação Modalidade de Formação Legislação Duração Certificação Equivalência Escolar

Leia mais

REGULAMENTO N.º 3/2015

REGULAMENTO N.º 3/2015 REGULAMENTO N.º 3/2015 REGULAMENTO DAS PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS DESTINADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS NA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE

Leia mais

Escalão D Final: 10 de fevereiro de 2017 no Conservatório Escola das Artes da Madeira. Escalões A, B e C. Conservatório organizador

Escalão D Final: 10 de fevereiro de 2017 no Conservatório Escola das Artes da Madeira. Escalões A, B e C. Conservatório organizador OJ.COM 2016/2017 - MADEIRA 2017 Escalão D Final: 10 de fevereiro de 2017 no Conservatório Escola das Artes da Madeira Conservatório organizador Escalões A, B e C Final: 12 de maio de 2017 no Conservatório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE CULTURA EDITAL Nº 04/2014/PROCULT

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI PRÓ-REITORIA DE CULTURA EDITAL Nº 04/2014/PROCULT EDITAL Nº 04/2014/PROCULT SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA CONCESSÃO DE BOLSA DE ARTE DO PROGRAMA MÚSICA E EDUCAÇÃO DA A Pró-Reitoria de Cultura torna pública a abertura das inscrições destinadas a selecionar

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE REGULAMENTO DA CARREIRA DOCENTE Capítulo I Dos Princípios Gerais Artigo (Âmbito e Constituição do Corpo Docente). O presente Regulamento aplica-se a todos os docentes

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) 1/9 EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE EDUCAÇÃO MUSICAL NO ENSINO BÁSICO (Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

EXAMES ÉPOCA RECURSO E MELHORIA

EXAMES ÉPOCA RECURSO E MELHORIA Artes Visuais e Tecnologias Artísticas Dia Hora Ano Unidade Curricular Sala 09.30 h 2º HA: do Renascimento ao Barroco 3 1º Desenho e Imagem por Computador 16 14.30 h 3º Educação e Dinâmicas Sociais 3 14.30

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular EXPRESSÃO CORPORAL E ARTÍSTICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

mestrado normas para a realização de prova de estágio

mestrado normas para a realização de prova de estágio natureza O perfil do Relatório de Estágio deve obedecer ao artigo 20º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 7 de agosto, ou seja, corresponder a um trabalho realizado no âmbito de um estágio curricular de caráter

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ginestal Machado

Escola Secundária Dr. Ginestal Machado Escola Secundária Dr. Ginestal Machado Planificação anual de Movimento Curso técnico profissional de Artes do Espetáculo - Interpretação MODULO 1 CONSCIENCIALIZAÇÃO CORPORAL - Compreender a importância

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE ARTES DO ESPECTÁCULO INTERPRETAÇÃO

CURSO PROFISSIONAL DE ARTES DO ESPECTÁCULO INTERPRETAÇÃO CURSO PROFISSIONAL DE ARTES DO ESPECTÁCULO INTERPRETAÇÃO DÉCIMA FORMAÇÃO 2009 / 2012 CURSO DE NÍVEL III, COM EQUIVALÊNCIA AO 12ºANO 1 Normas e conteúdos REGULAMENTO DE ACESSO As provas de acesso ao curso

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS CAPACIDADES INDICADORES INSTRUMENTOS Domínio Cognitivo (Saber) Componentes do Currículo Conceitos Identifica/Reconhece/Adquire conceitos; Domina

Leia mais

Educação Pré-Escolar

Educação Pré-Escolar Educação Pré-Escolar Sendo a primeira etapa na educação básica, as competências gerais para a Educação Pré Escolar constituem um conjunto de princípios para apoiar o Educador de Infância na sua prática,

Leia mais

MÚSICA º semestre

MÚSICA º semestre MÚSICA 7 1º semestre 1º semestre LICENCIATURA OA009 Preparação canto coral I Auditivo I L OA017 Introdução à Pesquisa / Auditivo I L EM200 Didática I OA001 Teoria Musical OA121 Tópic. esp. história da

Leia mais

ANEXO I - MATRIZES GERAIS - Anexo I Matrizes Gerais Admissão de Novos Alunos 2016/2017 Página 1 de 6

ANEXO I - MATRIZES GERAIS - Anexo I Matrizes Gerais Admissão de Novos Alunos 2016/2017 Página 1 de 6 ANEXO I - MATRIZES GERAIS - Anexo I Matrizes Gerais Admissão de Novos Alunos 2016/2017 Página 1 de 6 1. ADMISSÕES/AFERIÇÕES I. CURSO BÁSICO DE MÚSICA A. 1.º ANO DE ESCOLARIDADE / INICIAÇÃO I Alunos que

Leia mais

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL

LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL LICENCIATURA EM CINEMA E AUDIOVISUAL NORMAS REGULAMENTARES Curso do 1º ciclo de estudos do ensino superior, de cariz universitário, conferente do grau de licenciado, adequado ao Processo de Bolonha, constante

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO. Identificação do avaliado ANEXO II AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE RELATÓRIO DE AUTO AVALIAÇÃO Identificação do avaliado Nome Categoria profissional actual Anos de serviço no ensino superior Anos de serviço na Unidade

Leia mais

EDITAL. Calendário. Período Normal 1. Inscrição 1.1 Entrega do processo de candidatura, conforme instruções do regulamento

EDITAL. Calendário. Período Normal 1. Inscrição 1.1 Entrega do processo de candidatura, conforme instruções do regulamento EDITAL Em conformidade com a Portaria n.º 187/2015, de 24 de junho, divulga-se o edital do concurso local de acesso à licenciatura em Teatro ramo de Design de Cena, da Escola Superior de Teatro e Cinema,

Leia mais

CCNA Técnico Especialista em Gestão de Redes Cisco

CCNA Técnico Especialista em Gestão de Redes Cisco CCNA Técnico Especialista em Gestão de Redes Cisco Redes e Sistemas - Cisco Últimas ofertas Com certificação Localidade: Lisboa Data: 24 Feb 2017 Preço: 2250 ( Os valores apresentados não incluem IVA.

Leia mais

O ENSINO ARTICULADO DA MÚSICA NO 2º CICLO

O ENSINO ARTICULADO DA MÚSICA NO 2º CICLO O ENSINO ARTICULADO DA MÚSICA NO 2º CICLO Reconhecendo a importância da educação artística e em particular da educação musical na formação integral do aluno, o Conservatório de Caldas da Rainha possibilita,

Leia mais

Regulamento de Concursos de Professores Catedráticos, Associados e Auxiliares da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa

Regulamento de Concursos de Professores Catedráticos, Associados e Auxiliares da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Regulamento de Concursos de Professores Catedráticos, Associados e Auxiliares da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa Versão 1.0 Julho de 2010 História do documento A versão

Leia mais

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário

Disciplina de Matemática. Critérios de Avaliação do Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I ANO LECTIVO DE 2015-2016 DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Disciplina de Matemática Critérios de Avaliação

Leia mais

ALUNO Indivíduo que frequenta o sistema formal de ensino após o acto de registo designado como matrícula.

ALUNO Indivíduo que frequenta o sistema formal de ensino após o acto de registo designado como matrícula. GLOSSÁRIO AGRUPAMENTOS DE DISCIPLINAS Conjunto de disciplinas dos cursos científico-humanísticos do ensino secundário, organizados segundo uma dominante do conhecimento científico, em cinco áreas: ciências

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 17 Data: 2013/03/26 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

Regulamento Geral de Exames

Regulamento Geral de Exames Versão: 01 Data: 14/07/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-07 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das Escolas do IPB GPGQ Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos

Leia mais

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA. Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO. Capítulo I Disposições Gerais

ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA. Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO. Capítulo I Disposições Gerais ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 Objecto O presente Regulamento disciplina a atribuição de Bolsas

Leia mais

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CONTABILIDADE ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL Técnico Especialista em Contabilidade LEGISLAÇÃO APLICÁVELL Decreto-lei nº 88/2006, de

Leia mais