10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10/06/2010. Prof. Sidney Facundes. Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva"

Transcrição

1 Teoria Gramatical Análise do Discurso Prof. Sidney Facundes Adriana Oliveira Betânia Sousa Cyntia de Sousa Godinho Giselda da Rocha Fagundes Mariane da Cruz da Silva Análise do Discurso Conforme Maingueneua a linguística está dividida em um núcleo rígido que se dedica ao estudo da língua, no sentido saussuriano, a uma rede de propriedades formais, e em uma periferia cujos contornos instáveis estão em contato com as disciplinas vizinhas (sociologia, psicologia, história, filosofia, etc.), esta se refere a linguagem apenas a medida que esta faz sentido para os sujeitos inscritos em estratégias de interlocução, em posições sociais ou em conjunturas históricas. É nesta periferia que se encontra a Análise do discurso,sendo esta de base transdisciplinar. 1

2 Análise do Discurso: Duas vertentes Análise do Discurso Francesa: Não considera como determinante a intenção dos sujeitos; considera que esses sujeitos são condicionados por uma determinada ideologia que predetermina o que poderão ou não dizer em determinadas conjunturas histórico-sociais. Privilegia a História Análise do Discurso Anglo-saxã: Considera a intenção dos sujeitos numa interação verbal como um dos pilares que a sustenta. Privilegia a Sociologia Análise do Discurso: Duas vertentes Anos 50 Análise do Discurso de linha Anglo-saxã Harris (Discourse Analysis, 1952): passa da análise frasal para analise do enunciado, no entanto seus trabalhos ainda são vistos como uma simples extensão da lingüística imanente, pois não reflete acerca do sentido e os fatores sócio-históricos de produção do enunciado. Conforme Brandão essa perspectiva é vista como uma extensão da linguística por considerar a frase e o texto como elementos isomórficos com análises diferenciando apenas em graus de complexidade. Vê-se o texto de forma redutora, não se preocupando com as formas de instituição do sentido, mas com as formas de organização dos elementos que o constituem. (Brandão, 1998) 2

3 Análise do Discurso de linha européia Benveniste: dá relevo ao papel do sujeito falante no processo de enunciação e procura mostrar como acontece a inscrição desse sujeito nos enunciados que ele emite. Anos 60 Pêcheux: influenciado pelos estudos de Althusser (ideologia) e de Foucalt (discurso) elabora seus conceitos. Inicia-se a chamada Escola francesa de análise do Discurso que articula o lingüístico e o social é de base interdisciplinar, pois se embasa na lingüística, no marxismo e na psicanálise. Outros autores: Mikhail Bakhtin Michel Foucault Dominique Maingueneau No Brasil: Eni Orlandi Sírio Possenti José Luiz Fiorin Valdemir Miotello 3

4 Objeto de Análise: O discurso [...] podemos afirmar que discurso, tomado como objeto da Análise do Discurso, não é a língua, nem texto, nem a fala, mas que necessita de elementos linguísticos para ter uma existência material. Com isso, dizemos que discurso implica uma exterioridade à língua, encontra-se no social e envolve questões de natureza não estritamente linguística. Referimo-nos a aspectos sociais ideológicos impregnados nas palavras quando elas são pronunciadas. (Fernandes, 2007:18) As três fases da AD: Na primeira fase (AD-1), tinha-se a noção de máquina discursiva. Os discursos eram considerados como homogêneos, resultantes de produções estáveis e fechados em si. Na segunda fase (AD-2), a noção de máquina estrutural fechada começa a perder espaço a partir de um processo de transformação iniciado com o conceito de formação discursiva de Michel Foucault. Na terceira fase (AD-3), segundo Mussalim (2006), há a desconstrução da maquinaria discursiva decorrente de um deslocamento ocorrido na relação de uma formação discursiva com as outras. 4

5 A definição do objeto Inicialmente a AD explorou somente a análise de discursos mais estabilizados, no sentido de serem pouco polêmicos, (...) devido a um maior silenciamento do outro. Em um segundo momento, a AD teve como objeto discursos menos estabilizados, logo, menos homogêneos. Atualmente na AD qualquer evento discursivo (fala ou escrita) pode ser objeto de estudo, pois todo o discurso se constitui de enunciados e de condições de produção. Conceito de sujeito. NaprimeirafasedaADosujeitonãopoderia ser concebido como um indivíduo que fala como fonte do próprio discurso; é assujeitado. 2. Na segunda fase da AD o sujeito passa a ser concebido como aquele que desempenha diferentes papeis de acordo com as várias posições que ocupa. 3. Na terceira fase da AD tem-se um sujeito essencialmente heterogêneo, clivado e dividido. 5

6 Conceito de sujeito [...] o sujeito do discurso não poderia ser considerado como aquele que decide os sentidos e as possibilidades enunciativas do próprio discurso, mas como aquele que ocupa um lugar social e a partir dele enuncia, sempre inserido no processo histórico que lhe permite determinadas inserções e não outras. Em outras palavras, o sujeito não é livre para dizer o que quer, mas é levado, sem que tenha consciência disso, aocuparseulugaremdeterminadaformaçãosociale enunciar o que lhe é possível a partir do lugar que ocupa. (Mussalim, 2006:110) Conceito de sentido e efeitos de sentido AADnãotratadosentidocomoinformação, mas introduz a noção de efeitos de sentido, ou seja, o sentido vai se constituindo à medida que se constitui o próprio discurso. Não existe um sentido em si, ele vai sendo determinado simultaneamente às posições ideológicas que vão sendo colocadas em jogo na relação entre as formações discursivas. 6

7 Formação Discursiva Para Foucault formação Discursiva é um conjunto de regras anônimas, históricas, sempre determinadas no tempo e no espaço que definiram em uma época dada, e para uma área social, econômica, geográfica ou linguística dada, as condições de exercício da função enunciativa. (Mussalim, 2006:119) Memória Discursiva Espaço de memória como condição do funcionamento discursivo constitui um corposócio-histórico-cultural. Os discursos exprimem uma memória coletiva na qual os sujeitos estão inscritos. Trata-se de acontecimentos exteriores e anteriores ao texto, e de uma interdiscursividade, refletindo materialidades que intervêm na sua construção. (Fernandes, 2007:65) 7

8 Exemplo: Sem-Terra x Fazendeiros Ocupação x Invasão Efeito de sentido: os efeitos de sentido desses enunciados revelam conflitos sociais decorrentes dos espaços de enunciação, dos lugares sociais assumidos por diferentes sujeitos socialmente organizados. Formação discursiva: formações ideológicas que a integram. Efervescência e entrecruzamento de diferentes discursos e formações ideológicas: oriundos de facções religiosas, de partidos políticos de caráter esquerdista, trabalhadores de origem rural, entre outros Memória discursiva: memória coletiva, não individual. Os sujeitos denominados Sem-Terra pautam-se em experiências vividas no passado, que lhes possibilitaram formações socioculturais as quais procuram reconstruir. Exemplo 1: Ônibus lotado Povo apertado Será que na vida Tudo é passageiro Um calor danado Povo sem dinheiro Tenho lá minhas dúvidas Se Deus é brasileiro. (Deus é Brasileiro? Terra Samba) 8

9 Exemplo 2: Sabe o que o passarinho disse para a passarinha? - Não. - Qué danoninho? Considerações A análise do discurso decorre, principalmente, do inter-cruzamento entre: 1. O materialismo histórico, compreendido como teoria das formações e transformações sociais; 2. A teoria do discurso, que refere-se à produção dos sentidos decorrentes dos fenômenos históricos; e 3. A linguística, tomada como teoria dos mecanismos sintáticos e dos processos de enunciação. Segundo Fernandes (2007) a Análise do Discurso de vertente anglo-saxã é a mais utilizada no Brasil. 9

10 Para a análise do discurso trabalha-se com elementos linguísticos que possibilitam a materialização dos discursos, observando-se, no material de análise, a inter-relação constitutiva da linguagem face à sua exterioridade. A Análise do discurso implica apreender a língua, o sujeito e a história em funcionamento. A análise do discurso considera todos os aspectos fundamentais das línguas humanas, com ênfase na sintaxe e na semântica, uma vez que só é possível fazer uma análise dos discursos quando estes se materializam. Referências BRANDÃO, Maria Helena Nagamine. Introdução a análise do discurso. ed. 7ª. Campinas, SP: Editora da Unicamp, FERNANDES, Cleudemar Alves. Análise do discurso: reflexões introdutórias. São Paulo: Claraluz, MUSSALIM, Fernanda. Análise do Discurso. In MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Cristina (org.) Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, Volume 2. p POSSENTI, Sìrio. Teoria do discurso: um caso de múltiplas rupturas. In MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Cristina (org.). Introdução à linguística : fundamentos epistemológicos. São Paulo: Cortez, Volume 3. p

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Análise do Discurso Fernanda Mussalim Origens Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação

Leia mais

Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula6 MATERIALIDADE LINGUÍSTICA E MATERIALIDADE DISCURSIVA META Discutir língua e texto para a Análise do Discurso. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Entender a língua como não linear e que

Leia mais

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR

O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR O SENTIDO DE INDISCIPLINA NO DISCURSO DA COMUNIDADE ESCOLAR Solange Almeida de Medeiros (PG UEMS) Marlon Leal Rodrigues (UEMS) RESUMO: O presente artigo se baseia em um projeto de pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO. Suzana Oliveira Martins 1. Resumo

ANÁLISE DO DISCURSO. Suzana Oliveira Martins 1. Resumo ANÁLISE DO DISCURSO Resumo Suzana Oliveira Martins 1 Este trabalho tem por finalidade discutir o Análise do Discurso e todas as teorias que o compõem. O objetivo é conhecer cada um dos elementos que fazem

Leia mais

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS

O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Artigo recebido até 15/01/2012 Aprovado até 15/02/2012 O MEMORÁVEL NA RELAÇÃO ENTRE LÍNGUAS Soeli Maria Schreiber da Silva 1 (UFSCar) xoila@terra.com.br Estudar o sentido significa estudá-lo na relação

Leia mais

Sujeito e ideologia para Pêcheux e para Bakhtin: bordando fronteiras. Mikhail Bakhtin e Michel Pêcheux: breves considerações

Sujeito e ideologia para Pêcheux e para Bakhtin: bordando fronteiras. Mikhail Bakhtin e Michel Pêcheux: breves considerações SujeitoeideologiaparaPêcheuxeparaBakhtin: bordandofronteiras FrancisLampoglia 1 ValdemirMiotello 2 LucíliaMariaSousaRomão 3 MikhailBakhtineMichelPêcheux:brevesconsiderações Este trabalho estuda as noções

Leia mais

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009 Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p. 187-191, jan./abr. 2009 RESENHA DE INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM: DISCURSO E TEXTUALIDADE [ORLANDI, E.P.; LAGAZZI- RODRIGUES, S. (ORGS.) CAMPINAS, SP:

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

Aula4 ALÉM DO CONTEXTO VISÍVEL: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula4 ALÉM DO CONTEXTO VISÍVEL: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula4 ALÉM DO CONTEXTO VISÍVEL: AS CONDIÇÕES DE PRODUÇÃO META Apresentar e conceituar Condições de Produção do discurso. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Compreender o que a AD denomina

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE. Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade

UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE. Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da Universidade UM ESTUDO DISCURSIVO DOS BLOGS: SENTIDOS DE/SOBRE HOMOFOBIA Autor: Gustavo Grandini Bastos Orientadora: Profa. Dra. Lucília Maria Sousa Romão Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade

Leia mais

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES

RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES RESENHA - ANÁLISE DO DISCURSO: PRINCÍPIOS E PROCEDIMENTOS 200 REVIEW - DISCOURSE ANALYSIS: PRINCIPLES AND PROCEDURES Elizete Beatriz Azambuja Doutoranda em Linguística UEG Unidade de São Luís de Montes

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Análise do Discurso Fernanda Mussalim Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação ideológica

Leia mais

Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos

Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos Thalita Cristina Souza Cruz Neste ensaio, apresentarei brevemente alguns conceitos bakhtinianos relacionadas à discussão sobre a significação

Leia mais

Introdução. Adriana Trindade Vargas

Introdução. Adriana Trindade Vargas Cadernos de Letras da UFF - Dossiê: Tradução n o 48, p. 283-290 283 ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A NOÇÃO DE SUJEITO NA TEORIA BAKHTINIANA E NA TEORIA PECHETIANA Adriana Trindade Vargas RESUMO Este trabalho

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: LINGUÍSTICA I Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 2 Semestre: 2015.1 Carga Horária:

Leia mais

III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA

III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA III SEAD ANÁLISE DO PROCESSO DE DESIGNAÇÃO DO PROFESSOR: O MOVIMENTO ENTRE LÍNGUA, HISTÓRIA E IDEOLOGIA Kátia Maria Silva de MELO Universidade Federal de Alagoas katia-melo@uol.com.br Neste texto abordamos

Leia mais

A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975)

A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975) 1 A PROPÓSITO DA ANÁLISE AUTOMÁTICA DO DISCURSO: ATUALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS (1975) Marilei Resmini GRANTHAM Fundação Universidade Federal do Rio Grande Nesta brevíssima exposição, procuramos abordar alguns

Leia mais

Transmissão da ideologia dominante como forma de inserção na cultura científica

Transmissão da ideologia dominante como forma de inserção na cultura científica Transmissão da ideologia dominante como forma de inserção na cultura científica Rafaella Martins* 1 Primeiras Considerações No seu livro Marxismo e filosofia da linguagem (MFL) Mikhail Bakhtin trata sobre

Leia mais

Aula7 MEMÓRIA DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula7 MEMÓRIA DISCURSIVA. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula7 MEMÓRIA DISCURSIVA META Apresentar o conceito de memória discursiva como um dos conceitos fundamentais para a Análise do Discurso OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Compreender que a

Leia mais

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO Wellyna Késia Franca de SOUSA e Eliane Marquez da Fonseca FERNANDES Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás wellynakesiahb@bol.com.br

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Formação discursiva, Formação ideológica Formações ideológicas Conjunto de valores e crenças a partir dos

Leia mais

A SEMÂNTICA E A RELAÇÃO ENTRE LINGUÍSTICA E ANÁLISE DO DISCURSO Fábio Araújo Oliveira *

A SEMÂNTICA E A RELAÇÃO ENTRE LINGUÍSTICA E ANÁLISE DO DISCURSO Fábio Araújo Oliveira * A SEMÂNTICA E A RELAÇÃO ENTRE LINGUÍSTICA E ANÁLISE DO DISCURSO Fábio Araújo Oliveira * Neste trabalho, analisamos o lugar da semântica na Análise do Discurso, através da abordagem da presença da linguística

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA 1 O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA O retorno sugerido pelo título - Remontemos de Espinosa a Foucault - remete muito mais a uma coincidência singular entre Michel Pêcheux e Baruch

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE DISCIPLINA: Análise do Discurso CARGA HORÁRIA: 45 horas PROFESSORA: Dra. Laura Maria Silva Araújo

Leia mais

ESCRITAS PROFISSIONAIS E PROCESSOS DE EDIÇÃO

ESCRITAS PROFISSIONAIS E PROCESSOS DE EDIÇÃO ESCRITAS PROFISSIONAIS E PROCESSOS DE EDIÇÃO Ementa Autoria, mediação editorial e leitura são temas clássicos em muitos campos de saber e, na atual conjuntura, com as diversas tecnologias geradoras de

Leia mais

O DISCURSO DA FOME ZERO NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE PRÉ-VESTIBULANDOS: UMA QUESTÃO DE AUTORIA

O DISCURSO DA FOME ZERO NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE PRÉ-VESTIBULANDOS: UMA QUESTÃO DE AUTORIA ISSN 1516-1536 Graphos Revista da Pós-Graduação em Letras - UFPB 31 João Pessoa, Vol 6., N. 2/1, 2004 p. 31-35 O DISCURSO DA FOME ZERO NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE PRÉ-VESTIBULANDOS: UMA QUESTÃO DE AUTORIA Carmem

Leia mais

Aula5 DE ONDE FALA? A NOÇÃO DE POSIÇÃO-SUJEITO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula5 DE ONDE FALA? A NOÇÃO DE POSIÇÃO-SUJEITO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula5 DE ONDE FALA? A NOÇÃO DE POSIÇÃO-SUJEITO META Apresentar e conceituar a noção de Posição-Sujeito OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Compreender a distinção entre Lugar Social, Lugar Discursivo

Leia mais

POLÍTICAS DE AMAMENTAÇÃO: AS FORMAÇÕES IMAGINÁRIAS SOBRE O SUJEITO-MÃE

POLÍTICAS DE AMAMENTAÇÃO: AS FORMAÇÕES IMAGINÁRIAS SOBRE O SUJEITO-MÃE POLÍTICAS DE AMAMENTAÇÃO: AS FORMAÇÕES IMAGINÁRIAS SOBRE O SUJEITO-MÃE Cristiane Malho Abbade Gouveia Sebastião 1 Olimpia Maluf-Souza 2 As políticas de aleitamento, desenvolvidas pelo Ministério da Saúde

Leia mais

SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA E A LINGUISTICA: ENTREMEIOS LÍNGUA E DISCURSO

SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA E A LINGUISTICA: ENTREMEIOS LÍNGUA E DISCURSO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO ANÁLISE DO DISCURSO FRANCESA E A LINGUISTICA: ENTREMEIOS LÍNGUA E DISCURSO Sônia de Fátima Elias Mariano Carvalho 1 RESUMO Pretendo fazer um esboço

Leia mais

Não se destrói senão o que se substitui

Não se destrói senão o que se substitui 1 Não se destrói senão o que se substitui Vanise G. MEDEIROS (Uerj, Puc-Rio) Gostaria de destacar um fragmento do texto de Pêcheux e Fuchs A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas

Leia mais

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO: UMA LEITURA POSSÍVEL 1

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO: UMA LEITURA POSSÍVEL 1 OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCREVENDO O FUTURO: UMA LEITURA POSSÍVEL 1 Graciela Fátima Granetto PG-UEMS gracigranetto@gmail.com Resumo: O presente trabalho visa analisar um recorte do texto de apresentação

Leia mais

(RE) LENDO AAD69 HOJE

(RE) LENDO AAD69 HOJE (RE) LENDO AAD69 HOJE Érica Karine RAMOS QUEIROZ Universidade Estadual de Campinas A Análise do Discurso para Pêcheux se constitui como um instrumento que busca analisar os discursos ideológicos e intervir

Leia mais

O DISCURSO DO FIM: CONTRADIÇÃO E DESDOBRAMENTOS DE MEMÓRIA

O DISCURSO DO FIM: CONTRADIÇÃO E DESDOBRAMENTOS DE MEMÓRIA O DISCURSO DO FIM: CONTRADIÇÃO E DESDOBRAMENTOS DE MEMÓRIA Lucas Frederico Andrade de Paula 1 Este texto compreende uma abordagem do discurso do fim. Com a finalidade de refletir sobre o funcionamento

Leia mais

Análise do Discurso: Contribuições de Michel Pêcheux, Michel Foucault e Mikhail Bakhtin

Análise do Discurso: Contribuições de Michel Pêcheux, Michel Foucault e Mikhail Bakhtin Análise do Discurso: Contribuições de Michel Pêcheux, Michel Foucault e Mikhail Bakhtin Discourse Analysis: Contributions of Pêcheux, Michel Foucault and Mikhail Bakhtin Milene Rodrigues Martins milene_r_martins@hotmail.com

Leia mais

PELO VIÉS DA SINTAXE, O ACESSO AO ACONTECIMENTO DISCURSIVO 1

PELO VIÉS DA SINTAXE, O ACESSO AO ACONTECIMENTO DISCURSIVO 1 PELO VIÉS DA SINTAXE, O ACESSO AO ACONTECIMENTO DISCURSIVO 1 Rosely Diniz da Silva MACHADO Fundação Universidade Federal do Rio Grande Pêcheux (1981), ao referir a questão da heterogeneidade discursiva,

Leia mais

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, p.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, p. ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009. 100p. Anselmo Peres ALÓS* Nascido de um pedido de alunos (e editores) recebido por Eni Orlandi,

Leia mais

CAMINHANTES. André Luiz Covre 1. VOESE, Ingo. Análise do discurso e o ensino de língua portuguesa. São Paulo : Cortez, 2004.

CAMINHANTES. André Luiz Covre 1. VOESE, Ingo. Análise do discurso e o ensino de língua portuguesa. São Paulo : Cortez, 2004. SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO SIGNO CAMINHANTES André Luiz Covre 1 VOESE, Ingo. Análise do discurso e o ensino de língua portuguesa. São Paulo : Cortez, 2004. SENTADOS À BEIRA DO CAMINHO

Leia mais

sábado, 11 de maio de 13 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO

sábado, 11 de maio de 13 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO LEITURA, INTERAÇÃO E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Introdução l A linguagem, por realizar-se na interação verbal dos interlocutores,

Leia mais

DISCURSO COM ÊNFASE NO PENSAMENTO DE FOUCAULT: CONTRIBUIÇÕES PARA A ANÁLISE DE PRÁTICAS DISCURSIVAS NA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

DISCURSO COM ÊNFASE NO PENSAMENTO DE FOUCAULT: CONTRIBUIÇÕES PARA A ANÁLISE DE PRÁTICAS DISCURSIVAS NA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN DISCURSO COM ÊNFASE NO PENSAMENTO DE FOUCAULT: CONTRIBUIÇÕES PARA A ANÁLISE DE

Leia mais

ESQUERDA E ESQUERDA ENTRE ASPAS: UM CASO DE POLÍTICA DO SILÊNCIO ( LEFT AND LEFT BETWEEN QUOTATION MARKS: A CASE OF THE POLICY OF SILENCE)

ESQUERDA E ESQUERDA ENTRE ASPAS: UM CASO DE POLÍTICA DO SILÊNCIO ( LEFT AND LEFT BETWEEN QUOTATION MARKS: A CASE OF THE POLICY OF SILENCE) ESQUERDA E ESQUERDA ENTRE ASPAS: UM CASO DE POLÍTICA DO SILÊNCIO ( LEFT AND LEFT BETWEEN QUOTATION MARKS: A CASE OF THE POLICY OF SILENCE) Fabiana, MIQUELETTI (Unicamp) ABSTRACT: This works aims to investigate

Leia mais

Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva

Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva Atividades de Leitura: Uma Análise Discursiva Jeize de Fátima Batista 1 Devido a uma grande preocupação em relação ao fracasso escolar no que se refere ao desenvolvimento do gosto da leitura e à formação

Leia mais

O FUNCIONAMENTO DA NOÇÃO DE LÍNGUA EM DICIONÁRIOS

O FUNCIONAMENTO DA NOÇÃO DE LÍNGUA EM DICIONÁRIOS O FUNCIONAMENTO DA NOÇÃO DE LÍNGUA EM DICIONÁRIOS Natieli Luiza Branco 1 Introdução No presente trabalho, temos por objetivo refletir sobre a produção de conhecimento a respeito da língua a partir do instrumento

Leia mais

Foi análise de discurso que você disse?

Foi análise de discurso que você disse? Foi análise de discurso que você disse? Silmara Dela Silva ORLANDI, Eni Pulcinelli. Foi análise de discurso que você disse? Análise de discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados por Eni Puccinelli Orlandi.

Leia mais

META Expor a evolução da Análise do Discurso, mostrar a reorientação da disciplina discutindo as características de suas três fases.

META Expor a evolução da Análise do Discurso, mostrar a reorientação da disciplina discutindo as características de suas três fases. Aula2 AS TRÊS FASES DA ANÁLISE DO DISCURSO META Expor a evolução da Análise do Discurso, mostrar a reorientação da disciplina discutindo as características de suas três fases. OBJETIVOS Ao fi nal desta

Leia mais

LÍNGUAS E ESPAÇOS DE ENUNCIAÇÃO

LÍNGUAS E ESPAÇOS DE ENUNCIAÇÃO DOSSIÊ LÍNGUAS E ESPAÇOS DE ENUNCIAÇÃO Pensar a enunciação é, como o sabemos desde Benveniste 1, pensar a relação constitutiva estabelecida entre a língua e o sujeito, relação que é, a um só tempo, simbólica

Leia mais

Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização

Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização Contribuições do pensamento de Bakhtin para a alfabetização Vania Grim Thies 1 O objetivo do presente texto é pensar as questões relativas à linguagem e a educação com as contribuições do pensamento bakhtiniano,

Leia mais

Texto e discurso: complementares?

Texto e discurso: complementares? Texto e discurso: complementares? Fábio Moreira Arcara Luane Gonçalves Amurin Viviane Santos Bezerra Resumo: Não é o objetivo nesse artigo aprofundar-se em inúmeras questões que acercam o assunto Texto

Leia mais

A RESISTÊNCIA DA LÍNGUA E DO SUJEITO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

A RESISTÊNCIA DA LÍNGUA E DO SUJEITO NO PROCESSO TRADUTÓRIO A RESISTÊNCIA DA LÍNGUA E DO SUJEITO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Gláucia da Silva Henge 1 Michele Teixeira Passini 2 Embora a discussão sobre tradução possua um espaço reconhecido no seio dos estudos da Linguagem,

Leia mais

A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1

A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1 A INTERAÇÃO NO DISCURSO PEDAGÓGICO 1 Jailton Lopes Vicente A motivação para este trabalho surgiu durante o trabalho de iniciação científica realizado no projeto de pesquisa Alfabetização: A conquista de

Leia mais

1 Resumo da tese de doutorado intitulada O processo de construção das narrativas midiáticas

1 Resumo da tese de doutorado intitulada O processo de construção das narrativas midiáticas O processo de construção das narrativas midiáticas como marca da ideologia no discurso: análise de histórias sobre a criminalidade associada ao tráfico de drogas no Rio de Janeiro 1 Profa. Dra. Carla Leila

Leia mais

Letras Língua Portuguesa

Letras Língua Portuguesa Letras Língua Portuguesa 1º Semestre Significação e Contexto LE0002/ 60h Ementa: Estuda os processos semânticos e analisa a relação do significado com o contexto, considerando as abordagens da semântica,

Leia mais

Letras Língua Inglesa

Letras Língua Inglesa Letras Língua Inglesa 1 semestre Núcleo de estudos interdisciplinares I 45h Ementa: Estuda os procedimentos envolvidos na realização de uma pesquisa cientifica. Desenvolve habilidade de produção de fichamento,

Leia mais

PROPOSTA DE LEITURA DISCURSIVA DE LETRAS DE MÚSICA DE FORRÓ PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

PROPOSTA DE LEITURA DISCURSIVA DE LETRAS DE MÚSICA DE FORRÓ PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO PROPOSTA DE LEITURA DISCURSIVA DE LETRAS DE MÚSICA DE FORRÓ PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO 1 INTRODUÇÃO Elaine da Silva Reis -UFPB elainereis1406@gmail.com A música, enquanto bem cultural, é um sistema simbólico

Leia mais

O desenvolvimento da imaginação por meio da leitura dos gêneros do discurso na escola

O desenvolvimento da imaginação por meio da leitura dos gêneros do discurso na escola O desenvolvimento da imaginação por meio da leitura dos gêneros do discurso na escola Gislaine Rossler Rodrigues Gobbo. Programa de Pós-Graduação em Educação Marília FFC Universidade Estadual Paulista

Leia mais

CONTINUIDADES E DESCONTINUIDADES HISTÓRICAS EM ANÁLISE DO DISCURSO

CONTINUIDADES E DESCONTINUIDADES HISTÓRICAS EM ANÁLISE DO DISCURSO CONTINUIDADES E DESCONTINUIDADES HISTÓRICAS EM ANÁLISE DO DISCURSO Eli Gomes Castanho * Jarbas Vargas Nascimento ** RESUMO: Este artigo apresenta e reflete sobre a trajetória da disciplina lingüística

Leia mais

QUESTÃO DA MEMÓRIA E A QUESTÃO DA IMAGEM: Uma leitura de Michel Pêcheux Rôle de la Mémoire, pontos à discussão... 1

QUESTÃO DA MEMÓRIA E A QUESTÃO DA IMAGEM: Uma leitura de Michel Pêcheux Rôle de la Mémoire, pontos à discussão... 1 QUESTÃO DA MEMÓRIA E A QUESTÃO DA IMAGEM: Uma leitura de Michel Pêcheux Rôle de la Mémoire, pontos à discussão... 1 Nádia Régia Maffi NECKEL 2 Unisul UnC- Cnhas Subverter domínios pré-determinados e perscrutar

Leia mais

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução à Ciência da Linguagem

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução à Ciência da Linguagem CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras 2017 3º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução à Ciência da Linguagem 04h/a xxx xxx 60h/a xxx xxx EMENTA História da ciência da linguagem. Objeto

Leia mais

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem.

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem. HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS 1ª Série 6LET063 LINGUAGEM COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA Linguagem como manifestação artística, considerando os procedimentos sócio-históricos e culturais.

Leia mais

OS SENTIDOS DE SUCESSO NO JORNALISMO DE TV

OS SENTIDOS DE SUCESSO NO JORNALISMO DE TV 2346 OS SENTIDOS DE SUCESSO NO JORNALISMO DE TV Lídia Mª M. da P. Ramires PPGLL/UFAL Este estudo analisa os sentidos do discurso do sucesso divulgado pelo programa jornalístico de TV, Globo Repórter, selecionado

Leia mais

Publicado na 11 Edição (Novembro e Dezembro de 2009) da Revista Linguasagem PÊCHEUX E FOUCAULT:

Publicado na 11 Edição (Novembro e Dezembro de 2009) da Revista Linguasagem  PÊCHEUX E FOUCAULT: Publicado na 11 Edição (Novembro e Dezembro de 2009) da Revista Linguasagem www.letras.ufscar.br/linguasagem PÊCHEUX E FOUCAULT: UM OLHAR SOB O CORPUS JURÍDICO NA ANÁLISE DO DISCURSO 1 Lucas do Nascimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 SUJEITO

Leia mais

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1

ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA. Sheila Elias de Oliveira 1 ANÁLISE DE TEXTO: UM OLHAR DE SEMANTICISTA Sheila Elias de Oliveira 1 Eduardo Guimarães 2 tem se dedicado desde a década de 1980 à reflexão sobre o sentido na linguagem e nas línguas de um ponto de vista

Leia mais

OS EFEITOS DE SENTIDO PRODUZIDOS SOBRE O PROFESSOR NAS IMAGENS DAS CAPAS DA REVISTA NOVA ESCOLA

OS EFEITOS DE SENTIDO PRODUZIDOS SOBRE O PROFESSOR NAS IMAGENS DAS CAPAS DA REVISTA NOVA ESCOLA OS EFEITOS DE SENTIDO PRODUZIDOS SOBRE O PROFESSOR NAS IMAGENS DAS CAPAS DA REVISTA NOVA ESCOLA SANTOS, Eliana Cristina Pereira (PG-UNIOESTE) 1 RESUMO: Neste trabalho, busca-se apresentar algumas reflexões

Leia mais

Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos

Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos Leitura de imagens no ensino de Ciências: formulação e circulação de sentidos Moraes, João Carlos Pereira 1 ; Barbosa, Alessandro Tomaz 2 Categoria 1: Reflexões e experiências de inovação na sala de aula.

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

A RELAÇÃO DO EU E DO OUTRO. Palavras- chave: enunciação; língua portuguesa; relação; eu; outro.

A RELAÇÃO DO EU E DO OUTRO. Palavras- chave: enunciação; língua portuguesa; relação; eu; outro. 1 A RELAÇÃO DO EU E DO OUTRO Carlos Alexandre Nascimento ARAGÃO Universidade Federal de Sergipe e Universidade Tiradentes cana_aragao@yahoo.com.br Resumo: No decorrer deste trabalho fazemos uma discussão

Leia mais

De acordo uma das leituras possíveis, discurso é a prática social de produção de textos. Isto significa que todo discurso é uma construção social, não

De acordo uma das leituras possíveis, discurso é a prática social de produção de textos. Isto significa que todo discurso é uma construção social, não Análise do Discurso para leitura e interpretação de textos Análise do Discurso é uma prática e um campo da lingüística e da comunicação especializado em analisar construções ideológicas presentes em um

Leia mais

EM TORNO DE OBSERVAÇÕES PARA UMA TEORIA GERAL DAS IDEOLOGIAS, DE THOMAS HERBERT

EM TORNO DE OBSERVAÇÕES PARA UMA TEORIA GERAL DAS IDEOLOGIAS, DE THOMAS HERBERT EM TORNO DE OBSERVAÇÕES PARA UMA TEORIA GERAL DAS IDEOLOGIAS, DE THOMAS HERBERT Carolina RODRÍGUEZ-ALCALÁ Laboratório de Estudos Urbanos / Iel Unicamp O texto Observações para uma teoria geral das ideologias,

Leia mais

A filosofia da linguagem no estudo da comunicação 1

A filosofia da linguagem no estudo da comunicação 1 A filosofia da linguagem no estudo da comunicação 1 1 Francismar Formentão 2 Maria José Rizzi Henriques 3 Resumo: Diversas correntes científicas debruçaram-se sobre o estudo da comunicação. A filosofia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 RELAÇÃO

Leia mais

Oficina de Leitura e Produção de Textos

Oficina de Leitura e Produção de Textos Oficina de Leitura e Produção de Textos Aula I Apoio Pedagógico ao Núcleo Comum: Programa de Monitorias Professora Sabriny Santos aluna do programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade

Leia mais

DA LEGISLAÇÃO AO INSTRUMENTO LINGUÍSTICO: O FUNCIONAMENTO DA MEMÓRIA DISCURSIVA.

DA LEGISLAÇÃO AO INSTRUMENTO LINGUÍSTICO: O FUNCIONAMENTO DA MEMÓRIA DISCURSIVA. DA LEGISLAÇÃO AO INSTRUMENTO LINGUÍSTICO: O FUNCIONAMENTO DA MEMÓRIA DISCURSIVA. Schwuchow,Valéria de Cássia Silveira Bolsista PIBIC/CNPQ Orientadora: Prof. Dr. Verli Petri INTRODUÇÃO: O presente trabalho

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

POSSENTI, S. Questões para analistas do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, 183 p.

POSSENTI, S. Questões para analistas do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, 183 p. POSSENTI, S. Questões para analistas do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2009, 183 p. Fernanda Mussalim* Roberto Leiser Baronas** Questões para analistas do discurso traz quatorze textos que não

Leia mais

REVISITANDO O TERRITÓRIO DA AD FRANCESA

REVISITANDO O TERRITÓRIO DA AD FRANCESA 452 REVISITANDO O TERRITÓRIO DA AD FRANCESA Antonio Roberto Faustino da Costa UEPB Mirian de Albuquerque Aquino UFPB 0 Introdução A Análise de Discurso (AD) surge como um campo de conhecimento que se desenvolve,

Leia mais

P R O G R A M A. OBJETIVO: Possibilitar, através de um maior domínio da frase e do parágrafo, uma melhor organização dos vários níveis de discurso.

P R O G R A M A. OBJETIVO: Possibilitar, através de um maior domínio da frase e do parágrafo, uma melhor organização dos vários níveis de discurso. PERÍODO 92.1/ 93.2 P R O G R A M A EMENTA: Aspectos do discurso lingüístico: a frase e o parágrafo. OBJETIVO: Possibilitar, através de um maior domínio da frase e do parágrafo, uma melhor organização dos

Leia mais

Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula

Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula Janayna Bertollo Cozer Casotti 1 O dialogismo, no conjunto da obra de Bakhtin (1999), constitui característica essencial da

Leia mais

O DISCURSO DO PROFESSOR: UM ESPAÇO HETEROGÊNEO 1 EDUCAÇÃO E LINGUAGEM Carlos Eduardo Machado PUCPR 2

O DISCURSO DO PROFESSOR: UM ESPAÇO HETEROGÊNEO 1 EDUCAÇÃO E LINGUAGEM Carlos Eduardo Machado PUCPR 2 O DISCURSO DO PROFESSOR: UM ESPAÇO HETEROGÊNEO 1 EDUCAÇÃO E LINGUAGEM Carlos Eduardo Machado PUCPR 2 RESUMO O discurso do professor apresenta marcas que podem identificar suas concepções de ensino e, conseqüentemente,

Leia mais

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios 1 Guia do Professor Episódio Provérbios Programa Quem ri seus males espanta Prezado Professor: O episódio Provérbios do programa de áudio intitulado Quem ri seus males espanta foi elaborado de maneira

Leia mais

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios

Guia do Professor / Quem ri.../provérbios/ Carmen Z. Bolonhini; Suzy Lagazzi. Provérbios 1 Guia do Professor Episódio Provérbios Programa Quem ri seus males espanta Prezado Professor: O episódio Provérbios do programa de áudio intitulado Quem ri seus males espanta foi elaborado de maneira

Leia mais

AS HEMEROTECAS DIGITAIS DISCURSIVIZADAS NA WEB: HETEROGENEIDADE DISCURSIVA E FORMAÇÃO IMAGINÁRIA NA REDE

AS HEMEROTECAS DIGITAIS DISCURSIVIZADAS NA WEB: HETEROGENEIDADE DISCURSIVA E FORMAÇÃO IMAGINÁRIA NA REDE AS HEMEROTECAS DIGITAIS DISCURSIVIZADAS NA WEB: HETEROGENEIDADE DISCURSIVA E FORMAÇÃO IMAGINÁRIA NA REDE Francis Lampoglia/PPGCTS/CECH/UFSCar/FAPESP Valdemir Miotello/PPGCTS/CECH/UFSCar Lucília Maria Sousa

Leia mais

Mídia e Etnia - figurações do índio e do negro na imprensa brasileira: construção de identidades étnicas

Mídia e Etnia - figurações do índio e do negro na imprensa brasileira: construção de identidades étnicas Mídia e Etnia - figurações do índio e do negro na imprensa brasileira: construção de identidades étnicas Alexandre S. Ferrari Soares asferraris@globo.com Introdução às Ciências da Linguagem (ORLANDI, Eni

Leia mais

Letras Língua Portuguesa

Letras Língua Portuguesa Letras Língua Portuguesa 1º Semestre ESTUDOS FILOSÓFICOS CI0003, 45h Ementa: Reflete sobre o desenvolvimento das correntes filosóficas no ocidente, enfatizando a influência da filosofia clássica na constituição

Leia mais

A MULHER NO DISCURSO DO SEBRAE: UMA APROXIMAÇÃO (IM)POSSÍVEL ENTRE IDEOLOGIA E INCONSCIENTE DO SUJEITO?

A MULHER NO DISCURSO DO SEBRAE: UMA APROXIMAÇÃO (IM)POSSÍVEL ENTRE IDEOLOGIA E INCONSCIENTE DO SUJEITO? A MULHER NO DISCURSO DO SEBRAE: UMA APROXIMAÇÃO (IM)POSSÍVEL ENTRE IDEOLOGIA E INCONSCIENTE DO SUJEITO? Cristiane Gomes de Souza 1 Este estudo analisa a relação do discurso SEBRAE da mulher que trabalha

Leia mais

Análise do Discurso: Fundamentos Teórico-Metodológicos

Análise do Discurso: Fundamentos Teórico-Metodológicos Revista Diálogos Interdisciplinares 2014, vol. 3, n.1, ISSN 2317-3793 Andréa Paulon 1 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil Jarbas Vargas do Nascimento 2 Pontifícia Universidade

Leia mais

Os efeitos de (não) sentido do autismo para o sujeito ideológico

Os efeitos de (não) sentido do autismo para o sujeito ideológico Os efeitos de (não) sentido do autismo para o sujeito ideológico Cynara Maria Andrade Telles ** Resumo: Apresentar do conceito de sujeito ideológico proposto pela Análise do Discurso é o nosso objetivo.

Leia mais

Gustavo Grandini BASTOS * Fernanda Correa Silveira GALLI **

Gustavo Grandini BASTOS * Fernanda Correa Silveira GALLI ** DOI: 10.5433/2237-4876.2013v16n2p355 ROMÃO, Lucília Maria Sousa. Exposição do Museu da Língua Portuguesa: arquivo e acontecimento e(m) discurso. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011. 236 p. Nas exposições

Leia mais

POSIÇÕES DISCURSIVAS DO SUJEITO-ALUNO EM PRÁTICAS DE TEXTUALIZAÇÃO NO

POSIÇÕES DISCURSIVAS DO SUJEITO-ALUNO EM PRÁTICAS DE TEXTUALIZAÇÃO NO POSIÇÕES DISCURSIVAS DO SUJEITO-ALUNO EM PRÁTICAS DE TEXTUALIZAÇÃO NO Resumo ENSINO SUPERIOR Maria de Lourdes Fernandes Cauduro Faculdade de Educação - UFRGS A pesquisa versa sobre textos escritos produzidos

Leia mais

Letras Língua Portuguesa. SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA I LE0007, 45h

Letras Língua Portuguesa. SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA I LE0007, 45h Letras Língua Portuguesa PRÁTICA PEDAGÓGICA I LE0006, 90h Ementa: Discute e analisa o conceito de educação, as políticas públicas em educação e a influencia das diversas tendências pedagógicas brasileiras

Leia mais

O discurso e o professor de português

O discurso e o professor de português O discurso e o professor de português Aloísio de Medeiros Dantas Departamento de Letras, Universidade Federal da Paraíba, Campus II, João Pessoa, Paraíba, Brasil. RESUMO. Muito se tem falado sobre o que

Leia mais

Michel Pêcheux e Michel Foucault: diálogos necessariamente intranqüilos entre dois pensamentos inquietos

Michel Pêcheux e Michel Foucault: diálogos necessariamente intranqüilos entre dois pensamentos inquietos Michel Pêcheux e Michel Foucault: diálogos necessariamente intranqüilos entre dois pensamentos inquietos Maria do Rosário Valencise GREGOLIN UNESP-Araraquara As apresentações de Freda Indursky e Pedro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS E LETRAS ENUNCIADOS DE CAMINHÃO: identidade do caminhoneiro MARIA AUXILIADORA GONÇALVES DE MESQUITA Araraquara 2011 1 MARIA

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO UMA ENTREVISTA COM DOMINIQUE MAINGUENEAU

ANÁLISE DO DISCURSO UMA ENTREVISTA COM DOMINIQUE MAINGUENEAU MAINGUENEAU, Dominique. Análise do Discurso: uma entrevista com Dominique Maingueneau. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 4, n. 6, março de 2006. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

AS MULHERES IDOSAS NAS CAPAS DA REVISTA GLOBO RURAL: APRESENTAÇÃO DO CORPUS DE PESQUISA

AS MULHERES IDOSAS NAS CAPAS DA REVISTA GLOBO RURAL: APRESENTAÇÃO DO CORPUS DE PESQUISA AS MULHERES IDOSAS NAS CAPAS DA REVISTA GLOBO RURAL: APRESENTAÇÃO DO CORPUS DE PESQUISA Wanderléia da Consolação Paiva Doutorado em Estudos de Linguagem Universidade Federal Fluminense Orientadora: Dra.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais