Saúde Coletiva ISSN: Editorial Bolina Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saúde Coletiva ISSN: 1806-3365 editorial@saudecoletiva.com.br Editorial Bolina Brasil"

Transcrição

1 Saúde Coletiva ISSN: Editorial Bolina Brasil GUITTON R. B.OLIVEIRA, BEATRIZ; ABREU CASTRO, JOYCE BEATRIZ DE; CARVALHO ANDRADE, NELSON Técnicas Utilizadas na Aferição de Feridas e Avaliação do Processo Cicatricial Saúde Coletiva, vol. 2, núm. 6, 2005, pp Editorial Bolina São Paulo, Brasil Disponível em: Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto

2 Técnicas Utilizadas na Aferição de Feridas e Avaliação do Processo Cicatricial BEATRIZ GUITTON R. B.OLIVEIRA Profa Titular da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense/UFF JOYCE BEATRIZ DE ABREU CASTRO Enfermeira, Especializada em Auditoria dos Sistemas de Saúde NELSON CARVALHO ANDRADE Coordenador da UNIVERSO. Profo Assistente da Disciplina Semiologia e Semiotécnica I - Escola de Enfermagem/ UFF Este trabalho tem como objetivo descrever as técnicas de aferição de lesões tissulares agudas e crônicas apresentando suas vantagens e desvantagens. Os dados foram descritos a partir da experiência de professores, enfermeiros e alunos no Ambulatório de Cirurgia do Hospital Universitário Antônio Pedro com clientes portadores de feridas. Destacam-se as facilidades e dificuldades encontradas no desenvolvimento de cada técnica. A observação sistematizada, minuciosa das lesões através do decalque, da medida simples, da fotografia e dos registros de enfermagem possibilitam avaliar a evolução cicatricial de feridas de várias etiologias. Descritores: Feridas, Aferição, Cicatrização This work has as objective to describe the techniques on gauging of acute and chronic tissular lesions showing their advantages and disadvantages. The data were described from University Hospital Antonio Pedro Surgery Ambulatory, with scar bearers, emphasizing the facilities and dificulties found on the development of each technique. This analysis have shown that the systematized and detailed observation of the lesions through the transferring, simple measure, photograph and nursing registers make possible to evaluate the lesions scarring evolution of various ethiologies. Descriptors: Lesion, Gauging, Scarring Este trabajo tiene como objetivo describir las técnicas de medición de lesiones y crónicas agudas de piel, presentando también sus ventajas y desventajas. Los datos fueron descritos a partir de la experiencia de los maestros, enfermeros y alumnos en el Ambulatório de Cirurgia del Hospital Antonio Pedro con los portadores de heridas. Se destacan las facilidades y dificultades encontrados en el desarrollo de cada técnica. La observación sistematizada, detallada de las lesiones con la transferencia, de simples medida, de la fotografía y de los registros de enfermería hacen posible evaluar la evolución cicatricial de las heridas de varias etiologías. Descriptores: Heridas, Aferición, Cicatrización Recebido: 10/03/2005 Aprovado: 02/05/2005 Saúde Coletiva 2005;02(6):

3 Introdução Atécnica de aferição de feridas é um procedimento importante no processo de avaliação de lesões tissulares, que deve vir acompanhada da avaliação de outros fatores. Há algum tempo, o tratamento das lesões tissulares deixou de ser apenas enfocado na realização da técnica de curativo, para incorporar toda a metodologia da assistência que o enfermeiro presta, com avaliação do estado geral do paciente, exame físico direcionado de acordo com a etiologia da lesão, escolha do tratamento e da cobertura a ser utilizada. Além do registro de enfermagem e da projeção progno-stica. A monitorização e a avaliação de uma ferida é uma tarefa complexa que exige do profissional a observação do maior número de informações possíveis para adequação do cuidado 1. Todos os métodos de avaliação devem ser utilizados em combinação para se ter uma visão mais acurada da evolução do cliente. Esse estudo tem como objetivo descrever as técnicas de aferição de lesões tissulares agudas e crônicas apresentando suas vantagens e desvantagens. As atividades de consulta de enfermagem realizadas no Ambulatório de Cirurgia Geral do Hospital Universitário Antônio Pedro da Universidade Federal Fluminense fazem parte do projeto de pesquisa: Cicatrização de Lesões Cirúrgicas e Crônicas: Um Atendimento Ambulatorial de Enfermagem aprovado pelo Comitê de Pesquisa e inscrito na Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPP). Este trabalho é parte do projeto do Núcleo de Estudos em Fundamentos de Enfermagem (NEFE) onde foram estudadas formas de avaliação das feridas, incluindo as técnicas de aferição e fotografia das lesões. O estudo tem como variável as diversas técnicas de aferição e avaliação do processo de cicatrização, considerando o intervalo de tempo entre a realização da medida e/ou da fotografia, o custo e os recursos humanos e materiais disponíveis. Aspectos importantes sobre uma lesão ou ferida Na avaliação da lesão é importante que o profissional classifique a ferida e identifique o estágio da cicatrização, antes da aferição, para que possa realizar uma estimativa do processo de cicatrização e quais os possíveis fatores que irão interferir neste processo. Essa combinação de métodos dará uma visão mais acurada sobre o caso. A seguir será apresentada a classificação das lesões e seus estágios de cicatrização. A ferida é qualquer lesão que leve a uma quebra da continuidade da pele e pode ser classificada quanto à A TÉCNICA DE AFERIÇÃO DE FERIDAS É UM PROCEDIMENTO IMPORTANTE NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE LESÕES TISSULARES. etiologia, o grau de contaminação, a evolução, o tipo de cicatrização e a profundidade 2. De acordo com a etiologia elas podem ser traumáticas, ou seja, provocadas acidentalmente por agentes cortantes, perfurantes, contundentes, por atrito, inoculações de veneno, mordeduras, queimadura; cirúrgicas, que são feridas agudas intencionais, preferencialmente realizadas em centro cirúrgico; patológicas, geralmente causadas por alterações patológicas no organismo, como as úlceras venosas, arteriais, diabéticas, neuropáticas, isquêmicas; e as iatrogênicas, causadas por resposta desfavorável ao tratamento médico ou cirúrgico, ou seja, induzida pelo próprio tratamento 2. Em relação ao grau de contaminação, pode-se dizer que nenhuma ferida é completamente estéril. A pele e as mucosas, em seu estado normal, são habitadas por alguns microrganismos residentes, normalmente não patogênicos 2. As feridas consideradas limpas são as cirúrgicas, com preservação das técnicas assépticas, sem penetração nas cavidades viscerais naturalmente colonizadas, como o trato respiratório, gastro-intestinal ou genito-urinário. A cicatrização ocorre por primeira intenção, sem inflamação, nem infecção. Possuem inóculo aproximadamente menor que bactérias/grama de tecido 2. As feridas potencialmente contaminadas são aquelas que acometem o trato respiratório, gastro-intestinal e genito-urinário, sem processo infeccioso ativo. O sítio cirúrgico encontra-se colonizado pelas bactérias residentes destas áreas, e a ferida se contamina facilmente por esses organismos ou por suas secreções, podendo retardar a cicatrização 2. As contaminadas apresentam em seu leito microorganismos sem que haja a invasão tecidual. Sendo os possíveis fatores causadores: o desvio nas técnicas assépticas ou a lesão traumática exposta. A contagem de microorganismos é inferior a UFC/grama de tecido 1. Nas lesões infectadas os microrganismos invadem os tecidos da ferida, proliferando-se e provocando o aparecimento de uma reação inflamatória local, com presença de secreção purulenta, odor fétido, aumento do exsudato, hiperemia e edema inflamatório. A contagem de microorganismos é superior a UFC/ grama de tecido, sendo necessário uma avaliação microbiológica pelo método qualitativo para identificar a espécie bacteriana presente 1. Considerando a evolução da ferida elas podem ser chamadas de agudas ou crônicas. As agudas são feri- 58 Saúde Coletiva 2005;02(6):57-62

4 das recentes, oriundas de cirurgias ou traumas, que respondem rapidamente ao tratamento e em geral cicatrizam sem complicações. As crônicas têm cicatrização lenta, de longa duração, podendo ser recorrente. Exemplos típicos são as úlceras de pressão e as úlceras de perna 1. Quanto ao tipo de cicatrização elas podem ser de primeira intenção, quando as bordas da ferida podem ser aproximadas; de segunda intenção, quando a aproximação das bordas não é possível, geralmente por perda substancial de tecidos ou devido às complicações, como infecção. Nesse caso, a cicatrização ocorrerá de dentro da lesão para fora e o período cicatricial será mais prolongado. Há ainda a cicatrização por primeira intenção retardada, esse tipo irá ocorrer nos casos em que uma ferida, que inicialmente cicatrizaria por primeira intenção, teve que ser deixada aberta, geralmente em função de infecções, sendo contra-indicado o seu fechamento 1. As feridas ainda podem ser classificadas quanto à profundidade. As superficiais são aquelas que atingem apenas a epiderme; as de espessura parcial atingem as camadas mais profundas da epiderme e derme; e as de espessura total são as mais profundas com perda de tecido subcutâneo, músculo e osso 1. A seguir serão apresentadas as fases de cicatrização de uma lesão. A compreensão da fisiologia da cicatrização dos tecidos, com reconhecimento do que é característico em cada fase auxilia o enfermeiro na identificação e na descrição das lesões. A cicatrização das lesões tem início no momento em que ocorre a quebra da integridade da pele. Uma lesão desencadeia uma cascata organizada e complexa de eventos celulares e bioquímicos que resultam em uma ferida cicatrizada 3. Durante o processo de cicatrização as forças de defesa do organismo são mobilizadas no sentido de estancar a perda sanguínea; remover patógenos e restos celulares; proteger a ferida contra a infecção; reparar o tecido mais profundo danificado e regenerar a cobertura epidérmica natural. O processo de cicatrização pode ser dividido em três fases distintas e qualquer falha ou prolongamento em uma fase pode resultar em retardo da cicatrização ou ausência do fechamento da ferida 3. A primeira fase da cicatrização é chamada de fase defensiva, que envolve a hemostasia e a inflamação. A hemostasia significa a interrupção da perda sanguínea com vasoconstricção local, formação do tampão plaquetário, coagulação sanguínea e crescimento de CONSIDERANDO A EVOLUÇÃO DA FERIDA ELAS PODEM SER CHAMADAS DE AGUDAS OU CRÔNICAS. tecido fibroso para o fechamento do vaso sanguíneo. A fase inflamatória é caracterizada por aumento da permeabilidade vascular, quimiotaxia das células da circulação para dentro do meio ambiente da ferida, liberação local de citocinas e fatores de crescimento e ativação de células migrantes. Essa reação inflamatória pode ser observada clinicamente pela presença local de: rubor, calor, edema, e dor. A segunda fase é denominada proliferativa e subdivide-se em reconstrução e epitelização. A superfície da ferida tem uma concentração de oxigênio relativamente baixa, o que estimula os macrófagos a criar o fator de angiogênese, que inicia o processo de neoangiogênese, ou neovascularização 3. Essa fase é melhor visualizada nas feridas cicatrizadas por segunda intenção. Na epitelização, as novas células epiteliais são oriundas tanto da margem da lesão quanto dos resíduos de folículos capilares, das glândulas sebáceas e sudoríparas. Estas células têm um aspecto translúcido e são, normalmente, rosadas. Este processo é muito delicado e requer um ambiente úmido. A terceira fase é chamada de maturação quando acontece a contração e a remodelagem do ferimento. Após o processo de produção de tecido conjuntivo estar completo, os fibroblastos agregam-se à margem do ferimento e têm a capacidade de se contrair, aproximando as bordas da ferida. A contração reduz consideravelmente a área de superfície de ferimentos grandes, abertos e que cicatrizam por segunda intenção 3. A maturação ou remodelagem é o estágio final da cicatrização, tem início quando a ferida é fechada pelo tecido conjuntivo e pela epitelização e pode continuar por mais de um ano. Durante a maturação, ocorre uma diminuição progressiva da cicatriz, diminuição da quantidade de fibroblastos na ferida, reorientação das fibras colágenas e aumento da força tênsil. A ferida se torna menos vascularizada fazendo com que a aparência rosada do tecido de epitelização, mude para a aparência pálida de um tecido cicatricial. Os fenômenos descritos referem- se à fisiologia normal da cicatrização. No entanto, nem todas as feridas se cicatrizam sem complicações ou demora. Portanto, é necessária a observação sistematizada da lesão, com utilização de técnicas de aferição. Técnicas para aferição de feridas * Medida simples: A medida simples consiste em mensurar uma ferida, medindo-a em seu maior comprimento e largura, utilizando a régua dividida em unidade de medida linear (Foto 1), considerando que no Saúde Coletiva 2005;02(6):

5 Brasil a unidade mais utilizada é o centímetro. Esta técnica pode ser utilizada em todas as lesões, agudas ou crônicas, inclusive as cirúrgicas cicatrizadas por primeira intenção. Vantagem: técnica de fácil realização, de baixo custo, que fornece a idéia precisa do tamanho da lesão. Esta técnica deve estar associada à fotografia e ao decalque. Como fazer: colocar a régua próxima à lesão medindo seu maior comprimento e largura. Este procedimento deverá ser realizado após a retirada do tecido de necrose. * Decalque: A técnica de decalque consiste em desenhar o formato da ferida, utilizando acetato ou folha de plástico transparente, caneta retroprojetora e papel quadriculado em centímetros (Foto 2). Vantagem: Oferece o formato e o tamanho preciso da lesão. Desvantagens: Assim como a medida simples, o decalque, não oferece detalhes do aspecto da lesão, como odor, tipo de tecido e aspecto do exsudato. Como fazer: Colocar uma folha estéril transparente em cima da ferida, outra sobreposta, e com a caneta retroprojetora fazer uma cópia do formato da lesão, seguindo as bordas. Para informar a posição da lesão, durante o decalque siga a graduação do relógio de ponteiros, colocando o número doze na parte superior e o número seis na parte inferior.a folha que ficou em contato direto com a ferida deve ser desprezada. A outra folha é colocada sobre o papel quadriculado para que sejam contados quantos quadrados inteiros de 1cm existem, dessa forma será obtida a área da lesão. Almeida et al1 denominam esta técnica como planimetria, onde a ferida é mensurada através de centímetro quadrado podendo ser manual ou também realizada por computador. O decalque com as suas medidas devem ser registrados no prontuário do cliente. * Fotografia: Trata-se de obter a imagem da ferida, através de câmeras fotográficas digitais ou manuais (Foto 3). Vantagens: fornece uma amostra clara da aparência da ferida; sugere tamanho da mesma, quando utilizada uma régua ao lado da lesão; serve como parâmetro para avaliações posteriores. Desvantagens: Não oferece precisão em relação à profundidade e outros aspectos da lesão; o custo elevado em relação ao equipamento e a revelação e, a fotografia pode ser manipulada. Cuidados importantes: manter sempre a mesma distância e o mesmo ângulo da lesão ao fotografá-la; colocar uma etiqueta, ao lado da lesão, com data e local; solicitar autorização, por escrito, do cliente ou seu responsável para fotografar, explicando seu objetivo, garantindo continuidade do tratamento, mesmo que o cliente não queira mais ser fotografado. A documentação fotográfica deve ser feita em cores e com intervalo de dias para que se possa avaliar as alterações ao longo do tempo. Os próprios pacientes e seus familiares têm oportunidade de acompanhar a evolução da 60 Saúde Coletiva 2005;02(6):57-62

6 cicatrização através das fotografias, que servem de incentivo no tratamento dando um verdadeiro estimulo aos pacientes e às pessoas que cuidam deles 4. * Medida Cavitária: É uma técnica que tem como objetivo medir a profundidade de lesões cavitárias (Foto 4). Como fazer: Realizar a limpeza da ferida, depois preencher a cavidade com soro fisiológico a 0,9%, aspirar com seringa estéril o conteúdo e observar em mililitro o valor preenchido. Dessa forma, calcula-se o valor em centímetros cúbicos. A desvantagem dessa técnica é que na presença de sinus ou fistulas o líquido poderá escoar pelo orifício impossibilitando a mensuração. A direção e a profundidade de qualquer processo de formação de túneis também devem ser descritas 5. Outra técnica utilizada é através da introdução de uma espátula, cotonete ou seringa estéril na cavidade da ferida para que seja marcada a profundidade. Que deverá ter o seu tamanho verificado com uma régua. Avaliação do Processo Cicatricial As técnicas mencionadas acima auxiliam na avaliação da lesão, no entanto, elas devem vir acompanhadas de um registro minucioso sobre a ferida que descreva a localização, a etiologia, o tamanho, o tipo e a coloração do tecido no leito da lesão, quantidade e característica do exsudato, o odor, aspecto da pele ao redor, entre outros. A avaliação da ferida envolve também o seu estadiamento, que poderá variar de acordo com sua etiologia. Por exemplo, as ulceras de pressão são estadiadas por estágios, enquanto as ulcerações por pé diabético em graus 1. A avaliação do tamanho de uma ferida fornecerá valores que se alteram durante o processo de cicatrização. No estágio inicial, à medida que se removem os tecidos necróticos e/ou esfacelos, a ferida parece aumentar de tamanho e profundidade. Isso ocorre porque a real extensão da ferida estava mascarada pelo tecido desvitalizado. A localização de uma lesão deve ser observada como parte da avaliação. Ela pode indicar problemas potenciais como o risco de contaminação, principalmente, na região sacra ou problemas de mobilidade, causados por feridas nos pés. Na avaliação do exsudato deve-se registrar a quantidade, o odor e suas características. Há considerável exsudação no estagio inflamatório e pouquíssimo na epitelização. A quantidade e o aspecto de exsudação vai afetar a seleção do curativo, tornando necessário talvez um curativo bem absorvente. As características do tecido indicam o estágio de cicatrização ou a presença de complicações. O tecido de granulação apresenta uma coloração vermelha, principalmente devido a formação de novos capilares. Além disso, tem uma aparência granular e ligeiramente irregular. O estado do tecido de granulação é, muitas vezes, um bom indicador do processo de cicatrização do tecido. As características da granulação saudável são: coloração vermelho vivo, brilhante e que não sangra facilmente. O tecido de granulação doente pode ser um sinal de uma má perfusão do ferimento e suas características são as seguintes: coloração vermelho escuro, desidratado, sem brilho e fácil sangramento. O excesso de tecido de granulação é denominado hipergranulação e representa um problema para a cicatrização. O tecido fica esponjoso, ultrapassa a linha da pele impedindo que as células epiteliais se espalhem pela lesão. Outra complicação é a presença de esfacelo ou sloughy, tecido desvitalizado, composto de células mortas que se acumularam no exsudato, de aspecto amolecido, cor branca ou amarela. Enquanto a necrose e as crostas podem ter coloração preta, marrom, cinzenta ou esbranquiçada. Após avaliação minuciosa a enfermeira deve registrar os dados coletados no prontuário do cliente, considerando tanto os dados específicos do exame da lesão quanto do estado geral do mesmo. O registro é uma etapa importante do processo de assistência da enfermagem, e pode consistir no registro diário ou periódico. Ele expressa os problemas identificados, os cuidados implementados, as mudanças ocorridas, as orientações e encaminhamentos. Durante a avaliação de uma lesão é importante que o profissional observe o maior número de informações possíveis, para que o cliente receba um cuidado individualizado. O avaliador necessita conhecer Saúde Coletiva 2005;02(6):

7 a fisiologia da cicatrização, os fatores que intervêm neste processo, retardando-o ou favorecendo-o, e ter em mente que a avaliação não se restringirá apenas ao exame da lesão 6. Didaticamente, pode-se dizer que a avaliação do portador de ferida ocorre em dois momentos: aquele em que se avalia o estado de saúde e aquele em que se avalia a lesão propriamente dita. Considerações finais As técnicas de aferição são importantes no processo de avaliação da lesão e devem ser feitas com certa periodicidade para que os valores possam ser comparados, a fim de monitorar a velocidade de cicatrização. A escolha do método deverá ser baseada na realidade da instituição, nos recursos disponíveis, na etiologia da ferida e na experiência profissional. Todos os métodos de aferição da lesão devem ser utilizados em combinação para se ter uma visão mais ampla da evolução do cliente. O profissional de saúde que avalia e trata uma ferida não pode se limitar à confecção do curativo; deve sim englobar e valorizar, na sua avaliação, as condições clínicas, psicossociais e econômicas do cliente, suas funções sistêmicas prejudicadas, seu status nutricional e a presença de afecções adjacentes que possam interferir no processo de cicatrização 1. Em Atenção Primária à Saúde (APS) vemos necessidade de que a equipe de saúde, em especial o enfermeiro esteja atento a avaliação de lesões, sobretudo que em determinados períodos (final de semana) a realização do curativo pode depender de um cuidador, famíliar ou não. As vezes, a depender da lesão há necessidade de que o enfermeiro direcione o cliente à um serviço de saúde para a realização do curativo. Vale acrescentar que, dados importantes da lesão quando o curativo é realizado fora da UBS devem ser notificados ao enfermeiro. Pensamos que a avaliação de lesões em Unidades Básicas de Saúde, deve ser tema de pesquisa, já que há diversidade de práticas. Referências 1. Almeida, CE et al Manual para realização de curativos. Rio de Janeiro: Cultura Médica, p 2. Oliveira, BG et al Cuidado para clientes com feridas cirúrgicas. In: Figueiredo, NMA Ensinando a cuidar de clientes em situações clínicas e cirúrgicas. São Paulo: Difusão em Enfermagem, p 3. Steed, DL Papel dos Fatores de Crescimento na Cicatrização das Feridas. In: Barbul, A Clínicas Cirúrgicas da América do Norte: cicatrização das feridas. Rio de Janeiro: Interlivros Edições, v. 3, p , Dealey, C Cuidando de feridas: um guia para enfermeiras. 2. ed. São Paulo: Atheneu, p 5. Hess, CT Tratamento de feridas e úlceras. 4. ed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, p 6. Saár, SRC; Lima, VLAN Avaliação do Portador de Feridas. In: Borges EL et al. Feridas: Como Tratar. Belo Horizonte: Coopmed, p 62 Saúde Coletiva 2005;02(6):57-62

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AOS PORTADORES DE ALTERAÇÕES DO TECIDO CUTÂNEO EDINELMA CARVALHO REVISÃO DA ANATOMIA E FISIOLOGIA DA PELE É o maior órgão do corpo humano; Principais funções: - proteção contra

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00

DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 DELIBERAÇÃO COREN-MG -65/00 Dispõe sobre as competências dos profissionais de enfermagem na prevenção e tratamento das lesões cutâneas. O Conselho Regional de Enfermagem de Minas Gerais, no exercício de

Leia mais

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio

CICATRIZAÇÃO Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio CICATRIZAÇÃO! Universidade Federal do Ceará Departamento de Cirurgia Hospital Universitário Walter Cantídio Gustavo Rêgo Coêlho Cirurgia do Aparelho Digestivo Transplante de Fígado CICATRIZAÇÃO Aquiles

Leia mais

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida

Reparo, formação de cicatriz e fibrose. Prof. Thais Almeida Reparo, formação de cicatriz e fibrose Prof. Thais Almeida Reparo Definição: Restituição incompleta do tecido lesado, com substituição apenas de algumas estruturas perdidas. Quando há acometimento do parênquima

Leia mais

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização

Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Propedêutica do Processo de Cuidar na Saúde do Adulto Fisiologia da Cicatrização Professora Daniele Domingues Anatomia da Pele Anatomia da Pele Pele é o maior órgão do corpo humano. É composta por 2 camadas:

Leia mais

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM

CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM CURATIVOS E ANOTAÇÃO DE ENFERMAGEM Dagma Costa Enfermeira saúde da criança e adolescente Pollyane Silva Enfermeira saúde do adulto Roberta Tirone Enfermeira saúde do idoso Residencia Integrada multiprofissional

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida.

Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 1/5 1. OBJETIVO Estabelecer padrões para a realização de curativo nos diversos tipos de lesão ou ferida. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO Curativo - Curativo ou penso é um material aplicado diretamente sobre feridas

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL. Regeneração, cicatrização e fibrose. http://lucinei.wikispaces.com DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL REPARO TECIDUAL Regeneração, cicatrização e fibrose http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Reparação Tecidual "Processo de reposição do tecido

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

Coberturas Especificas

Coberturas Especificas 1 de 10 995 77 RESULTADO ESPERADO: - Promover a cicatrização da ferida, e o reestabelecimento da pele ao seu estado integro. 995 PROCESSOS RELACIONADOS: Enfermagem Atendimento Cirúrgico Internação Tratamento

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE Resumo Diabetes Melittus é uma doença crônica que poderá acometer

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS PROJETO A VEZ DO MESTRE FERIDAS DE PRESSÃO E SEUS CURATIVOS MAIS UTILIZADOS NO ANO 2000 DORALICE

Leia mais

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP

Hospital São Paulo SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Hospital Universitário da UNIFESP Página: 1/5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO: Proporcionar o ambiente ideal para a reparação tecidual. 2. APLICAÇÃO: Aos pacientes com feridas abertas (com exposição de tecidos, ex. úlceras por pressão, deiscências

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

HEMOSTASIA. Adriana Nunes Enf. Centro Cirúrgico do Hospital Israelita Albert Einstein

HEMOSTASIA. Adriana Nunes Enf. Centro Cirúrgico do Hospital Israelita Albert Einstein HEMOSTASIA Adriana Nunes Enf. Centro Cirúrgico do Hospital Israelita Albert Einstein ELETROCIRURGIA - DEFINIÇÃO Manipulação adequada dos elétrons, fazendoos passar através dos tecido vivos gerando calor

Leia mais

workshop» tratamento de feridas

workshop» tratamento de feridas workshop» tratamento de feridas protocolos de orientação no tratamento de feridas vila real 2014 índice 00.1» introdução protocolo 01» ferida hemorrágica protocolo 02» ferida com tecido de granulação não

Leia mais

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko

REPARAÇÃO. M.Sc Isabela Brcko REPARAÇÃO M.Sc Isabela Brcko Conceito: "Processo de reposição do tecido destruído observado após a extinção dos agentes flogísticos Objetivo: restaurar o tecido a seu estado natural A reparação pode acontecer

Leia mais

TECIDOS. 1º ano Pró Madá

TECIDOS. 1º ano Pró Madá TECIDOS 1º ano Pró Madá CARACTERÍSTICAS GERAIS Nos animais vertebrados há quatro grandes grupos de tecidos: o muscular, o nervoso, o conjuntivo(abrangendo também os tecidos ósseo, cartilaginoso e sanguíneo)

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve:

1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve: Enfermagem Perioperatória Período Pós-Operatório Tardio Enfermagem Perioperatória Admissão do Utente na U.C.Intermédios 1. O enfermeiro(a) que vai buscar o doente à UCPA deve: Observar Estado Respiratório:

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTE ACOMETIDO POR ÚLCERA VARICOSA RESUMO

CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTE ACOMETIDO POR ÚLCERA VARICOSA RESUMO CUIDADO DE ENFERMAGEM EM PACIENTE ACOMETIDO POR ÚLCERA VARICOSA Alves, K. S. 1 ; Busatto, L. S. 1 ; Dias, M. V. 1 ; Figueiredo, T. R. 1 ; Spohr, V. M. 1 ; Valladão, J. M. 1 ; Wiethan, L. S. 1 ; Freitas,

Leia mais

Aspecto da ferida: avaliação de enfermagem

Aspecto da ferida: avaliação de enfermagem REVISÃO Aspecto da ferida: avaliação de enfermagem Adriana Rodrigues do Nascimento Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maísa Namba Docente do Curso de Graduação em Enfermagem. Orientadora. RESUMO

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura

A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia. 2 Letícia C. L. Moura Alterações Circulatórias Edema, Hiperemiae e Congestão, Hemorragia, Choque e Hemostasia PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Choque C. Hemostasia 2 Patogenia Edema A. Patologias Vasculares Fisiopatogenia

Leia mais

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas LASER Prof. Gabriel Villas-Boas INTRODUÇÃO O termo Laser constitui-se numa sigla que significa: Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação. Esta radiação é constituída por ondas eletromagnéticas,

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Utilização de software digital na gestão de úlceras de pressão

Utilização de software digital na gestão de úlceras de pressão Utilização de software digital na gestão de úlceras de pressão Avaliação / monitorização de feridas Proporciona informação sobre o diagnóstico Guia na escolha de apósitos Permite monitorizar o progresso

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09

FUNDAÇÃO DE ENSINO E PESQUISA DE UBERABA C.N.P.J. 20.054.326/0001-09 Uberaba, 23 de março de 2012 Gabarito da Prova Prática do Processo Seletivo Interno para o cargo de Enfermeiro Possíveis diagnósticos de Enfermagem com seus respectivos planejamentos: 01) Integridade da

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS

TÉCNICA PARA REALIZAÇÃO DE CURATIVOS Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na realização de procedimentos com o paciente portador de feridas, instituindo tratamento adequado, proporcionando ambiente ideal para a cicatrização. FINALIDADE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO ESTADO DO PARANÁ CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ MANUAL DO PACIENTE TRANSPLANTE DE FÍGADO CURITIBA 2012 Índice 1. Objetivo... 3 2. O que é a Central Estadual

Leia mais

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido

CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido CIRURGIA DE OTOPLASTIA (PLÁSTICA DE ORELHAS) Termo de ciência e consentimento livre e esclarecido Eu, RG n solicito e autorizo o Dr. Fausto A. de Paula Jr, CRM-SP 103073, medico otorrinolaringologista,

Leia mais

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA

ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA ESCLERODERMIA LOCALIZADA LOCALIZED SCLERODERMA Esclerodermia significa pele dura. O termo esclerodermia localizada se refere ao fato de que o processo nosológico está localizado na pele. Por vezes o termo

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO

SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO SISTEMATIZAÇÃO DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA EM MEMBRO INFERIOR ESQUERDO (MIE): RELATO DE CASO Saranádia Caeira Serafim 18, Ruth Nobre de Brito 1, Francisca Talita de Almeida Oliveira

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 ÚLCERA VENOSA Conceito Lesões provocadas pela insuficiência venosa

Leia mais

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra

LUZ INTENSA PULSADA FOTOREJUVENESCIMENTO. Princípios Básicos - P arte II. Dra Dolores Gonzalez Fabra LUZ INTENSA PULSADA Princípios Básicos - P arte II FOTOREJUVENESCIMENTO Dra Dolores Gonzalez Fabra O Que é Fotorejuvescimento? Procedimento não ablativo e não invasivo. Trata simultaneamente hiperpigmentações,

Leia mais

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS

PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS Por Dr.Marcelo Bonanza PRP PLASMA RICO EM PLAQUETAS O que é a aplicação de Plasma Rico em Plaquetas? As Plaquetas são formadas a partir do Megacariócito que tem origem na medula óssea. Cada Plaqueta guarda

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso).

Resposta: Dilatação dos brônquios na tomografia (bronquiectasia) e nível hidro-aéreo na radiografia do tórax (abscesso). 1 a Questão: (20 pontos) Um paciente de 35 anos, com história de sarampo na infância, complicada por pneumonia, informa que há mais de cinco anos apresenta tosse com expectoração matinal abundante e que

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes.

Retinopatia diabética. A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. Retinopatia diabética Introdução A retinopatia diabética é uma das causas mais comuns de cegueira no Reino Unido. A causa principal desta doença é a diabetes. A retinopatia é a lesão dos pequenos vasos

Leia mais

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado.

A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. Histórico A Moda do Bronzeado... Entre as duas grandes Guerras inicia-se a liberação feminina. Coco Chanel lança a moda do bronzeado. A pele bronzeada tornou-se moda, sinal de status e saúde. Histórico

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015

Sistema Tegumentar. Arquitetura do Tegumento. Funções do Sistema Tegumentar Proteção 09/03/2015 Sistema Tegumentar Sistema Tegumentar É constituído pela pele, tela subcutânea e seus anexos cutâneos Recobre quase toda superfície do corpo Profa Elaine C. S. Ovalle Arquitetura do Tegumento Funções do

Leia mais

Hiperbárica São Paulo

Hiperbárica São Paulo ESTUDO DE CASOS L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região patelar esquerda, com múltiplos abscessos e sub-cutâneo, com stafilococcia. Foto 1: L.M 28 anos, portador da lesão infectada, em região

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

Cursos de Especialização Enfermagem Estomaterapia e Intensivista

Cursos de Especialização Enfermagem Estomaterapia e Intensivista 1) A Resolução 196/96 trata da(s): a) lei do exercício profissional do enfermeiro b) pesquisa com seres humanos no território nacional c) atribuições do estomaterapeuta no território nacional d) permissão

Leia mais

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g.

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. REPARIL Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. APRESENTAÇÕES Gel com 10 mg/g (escina) + 50 mg/g (salicilato de dietilamônio). Bisnagas com 30 g ou 100 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem.

Palavras chave: úlceras vasculares, atendimento de enfermagem. ATIVIDADES REFERIDAS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS PESSOAS COM ÚLCERAS VASCULARES: MAPEANDO O ATENDIMENTO NAS SALAS DE CURATIVO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA Adriana Cristina de SANTANA 1 ; Maria Márcia

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS?

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? ÍNDICE PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A DGM?...3 O QUE SÃO AS LÁGRIMAS?.....................................................................................4

Leia mais

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo:

EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA. 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: EXERCÄCIOS DE HISTOLOGIA 1- (PUC-2006) Associe o tipo de tecido animal Å sua correlaçéo: 1) Tecido Ñsseo compacto 2) Tecido Ñsseo esponjoso 3) Cartilagem hialina 4) Cartilagem elöstica 5) Cartilagem fibrosa

Leia mais

- CURSO DE MAQUIAGEM -

- CURSO DE MAQUIAGEM - - CURSO DE MAQUIAGEM - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). A PELE CONHECENDO

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS-UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM GRACIETE MEIRE DE ANDRADE COSTA ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 2 Sumário 1. Úlcera Venosa...3 1.2 Conceito 1.3 Fisiopatologia. 1.4 Manifestações

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO

MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO MICROBIOTA OU FLORA NORMAL DO CORPO HUMANO Disciplina: Microbiia e Parasitia Patrícia de Lima Martins INTRODUÇÃO O que é Microbiota? MICROBIOTA São os microrganismos (bactérias, fungos, vírus e protozoários)

Leia mais

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos.

FIBROSE: Formação da Fibrose Cicatricial no Pós Operatório e Seus Possíveis Tratamentos. CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU CURSO DE ESTÉTICA E COSMÉTICA Gresemar Aparecida Silva Vedat Sevilla RA 5250988 Natalia Matos da Silva RA: 6837127 Coordenadora: Prof. Natalie

Leia mais

Patologia Geral. Regeneração e Cicatrização

Patologia Geral. Regeneração e Cicatrização Patologia Geral Regeneração e Cicatrização Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ Reparo de lesões Reparo é o processo de cura de lesões teciduais e pode

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO O Tratamento Químico e fundamental para deixar a água da piscina saudável, limpa e cristalina. Você necessita medir, inicialmente, três parâmetros: Alcalinidade Total,

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ)

LIMPEZA. Maria da Conceição Muniz Ribeiro. Mestre em Enfermagem (UERJ) LIMPEZA Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem (UERJ) A limpeza é um dos elementos eficaz nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica das infecções. Ela constitui um fator

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações de Abordagem em Cuidados Continuados Integrados ÚLCERAS DE PRESSÃO PREVENÇÃO Outubro 2007 1 INDICE p. 0 Introdução 2 1 Definição de Úlceras

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRATAMENTO DE FERIDAS CRÔNICAS

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRATAMENTO DE FERIDAS CRÔNICAS Fundação de Ensino Superior de Olinda - FUNESO União de Escolas Superiores da Funeso UNESF Centro de Ciências da Saúde - CCS Bacharelado em Enfermagem Retirado do Site ABEn/PE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ENGENHARIA MECÂNICA COM ÊNFASE EM MECATRÔNICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMA HOSPITALAR AUTOMÁTICA PARA MUDANÇA DE DECÚBITO CAMA HOSPITALAR AUTOMÁTICA PARA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO

FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO FACULDADE IPIRANGA TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA ANDREZA DUTRA GOMES DA SILVA LILIANA DE OLIVEIRA MARINHO A IMPORTÂNCIA DOS TRATAMENTOS ESTÉTICOS NO PRÉ E PÓS- OPERATÓRIO DE CIRURGIA DO CONTORNO CORPORAL

Leia mais

BIOLOGIA DA FERIDA E CICATRIZAÇÃO

BIOLOGIA DA FERIDA E CICATRIZAÇÃO Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 1ª Parte 2008; 41 (3): 259-64 Capítulo II BIOLOGIA DA FERIDA E CICATRIZAÇÃO WOUND BIOLOGY AND HEALING Maria de Fátima G S Tazima 1,

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração

REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração 1. INTRODUÇÃO REPARAÇÃO TECIDUAL. Cicatrização e Regeneração Perda células (necrose, inflamação, traumatismo) restituição ou reparação Inicia durante ou ao final do Processo Inflamatório Finalidade: restabelecimento

Leia mais

Curso. Abordagem Multiprofissional na Prevenção e Tratamento de Feridas

Curso. Abordagem Multiprofissional na Prevenção e Tratamento de Feridas Curso Abordagem Multiprofissional na Prevenção e Tratamento de Feridas Promotores Coordenação Fernanda Maria Silva Graduada em Enfermagem -Bacharelado e Licenciatura- pela Universidade Estadual da Paraíba;

Leia mais

Soluções Utilizadas para Limpeza de Feridas. Dra. Alciclea dos Santos Oliveira Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo

Soluções Utilizadas para Limpeza de Feridas. Dra. Alciclea dos Santos Oliveira Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Soluções Utilizadas para Limpeza de Feridas Dra. Alciclea dos Santos Oliveira Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Soluções Utilizadas para a Limpeza de Feridas A infecção é, sem dúvida alguma,

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento

CURATIVO DE LESÃO POR ERISIPELA. Enfª (s) Estomaterapeutas: Graciete S. Marques e Dayse C. Nascimento Revisão: 23/03/2014 PÁG: 1 CONCEITO Consiste na execução de limpeza com utilização de produtos e coberturas específicas na lesão de pele do paciente portador de lesão por erisipela, cuja doença é de origem

Leia mais