CAPÍTULO 1 A FOTOGRAFIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAPÍTULO 1 A FOTOGRAFIA"

Transcrição

1 15 CAPÍTULO 1 A FOTOGRAFIA A história do homem sobre a terra sempre foi marcada pelas tentativas de apreensão da realidade. Assim surgiram as primeiras pinturas rupestres, como as de Altamira, na Espanha e de Lascaux, na França, que datam de 50 mil anos atrás. Dessas primeiras tentativas de fixação, surgiram dois caminhos diferentes, de um lado a escrita, uma tradução gráfica da própria fala e, de outro, todas as artes baseadas na imagem, como a pintura, o desenho e a escultura. Embora o desenvolvimento dessas artes no decorrer dos séculos tenha sido enorme, nenhuma conseguiu atingir o ponto perseguido desde o início: reproduzir, o mais fielmente possível, aquilo que era visto pelo olho humano. Figura 01 pintura rupestre - Caverna de Lascaux. Apenas no início do século XIX é que se começou a fixar, num meio físico, as primeiras imagens reproduzidas mecanicamente, com o auxílio de equipamentos ópticos e produtos químicos. Até então, o máximo que se conseguia era captar e exibir uma imagem externa, através das chamadas câmaras obscuras 1, as ancestrais das atuais câmeras fotográficas. A esta tecnologia, capaz não apenas de captar uma imagem, mas também de 1 Aceita-se o termo grafado como câmara ou câmera. A câmara obscura (ou escura) é um termo do Latim que significa: quarto escuro e, que se refere a recinto vedado à luz exterior onde se processa/ visualiza as imagens

2 16 reproduzi-la mecanicamente, denominou-se Fotografia, ou escrever com a luz (do grego photo + graphos). Enquanto técnica, a fotografia é constituída por dois processos distintos: um processo físico e um processo químico. O processo físico que envolve as leis da óptica (as objetivas e a caixa escura que permitem a formação e captura da imagem) já estava bastante avançado no final do século XVIII. Nesse período o processo químico - aquele que permite o registro latente da imagem num suporte sensibilizado com cristais de prata que, depois de revelado e fixado, produz uma imagem permanente - começou a amadurecer O processo óptico 2 da fotografia O processo óptico da fotografia baseia-se no comportamento da luz visível. Um dos primeiros instrumentos desenvolvidos pelo homem para estudar e aproveitar artisticamente esse comportamento, foi a câmara obscura, cujo uso pelos pintores, permitiu a descoberta de outras formas de ver a realidade, incorporando novos sistemas e códigos à linguagem visual. A câmara obscura consiste numa caixa de paredes retas escurecidas em seu interior. Uma delas possui um orifício no centro enquanto a parede oposta deve ser de cor clara ou possuir um vidro despolido ou tela de projeção. Sobre esta tela aparecem as imagens invertidas dos objetos colocados em frente ao orifício. Figura 02 - A câmara obscura (George Eastman House International Museum of Photography and Film) O princípio da câmara obscura é conhecido desde a Antigüidade. O conhecimento do seu princípio óptico é atribuído, por alguns historiadores, ao chinês Mo Tzu (século V a.c.). fotográficas. In FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, Óptica ou Ótica: segundo o Dicionário Aurélio ( FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001) é a parte da física que investiga os fenômenos de produção, transmissão e detecção da radiação eletromagnética (luz). O Dicionário Silveira Bueno (BUENO, Silveira. Dicionário da Língua Portuguesa. S. Paulo: F.T.D., 2000), sugere que se mantenha o p

3 17 Outros, como Ramirez (1997) e Sougez(2001) 3, indicam o filósofo grego Aristóteles ( a.c.) como o responsável pelos primeiros comentários esquemáticos da câmara obscura. Se diz que Aristóteles, durante um eclipse solar, observou o fenômeno de projeção do sol, sobre uma superfície sob as sombras. Pollack (1977) lembra que os escritos de Aristóteles chegaram até nós, ocidentais, graças aos árabes. Por volta do século XI, o matemático árabe, Abu al-hasan Ibn al-haytham ( ) conhecido no Ocidente como Alhazen de Basra, descreveu em uma obra sobre os princípios fundamentais da óptica e comportamento da luz, o fenômeno natural da luz solar passando por pequeno furo na parede de um quarto escuro (POLLACK, 1977, p.35) 4. Essa descrição se converteu na principal fonte de informação para sábios como Roger Bacon no século XIII. Em De Multiplicationes Specierum (1267), Bacon descreve o fenômeno ao estudar um eclipse parcial do sol por meio de um artefato cujos princípios correspondem ao da câmara obscura. Figura 03 Câmara obscura descrição de Rainer Frisius (1545) (George Eastman House International Museum of Photography and Film) Já nos primeiro anos do século XVI, Leonardo da Vinci realiza uma série de experiências com uma câmara obscura e relata a seguinte descrição do que ocorre: (...) quando o sol, durante um eclipse, assume a forma de lua crescente, tomando-se uma chapa de metal delgado e fazendo em seu centro um pequeno orifício e colocando-a de frente ao sol, se mantermos uma folha de papel atrás da chapa, a uma distância média; veremos a imagem do sol aparecer sobre a folha em forma de lua crescente, similar em forma e cor a antes do t na grafia de óptica e em todas as derivadas que se referem à visão, embora não seja pronunciado, para diferenciar de ótica, que se refere à orelha ou ao ouvido. 3 RAMIREZ, Juan Antonio. Medios de Masas e Historia del Arte. Madrid, Cátedra, 1997, p. 289 e SOUGEZ, Marie-Loup. Historia de la fotografia. 5 ed., Madrid, Cátedra, 2001, p.17 4 POLLACK, Peter. The Picture History of Photography: From the Earliest Beginnings to the Present Day. Concise Edition. New York: Harry N. Abrams, P.35

4 18 sua causa (...) porém, entre a chapa perfurada e o papel não deverá outra abertura senão apenas o pequeno orifício. (DA VINCI, Leonardo. Cerca de Apud POLLACK, P.36) 5. Este texto era parte do Códex Atlântico e nunca publicado, ficou desconhecido até por volta de O texto mais antigo que se refere ao artefato construído como câmara obscura ( ) é de um discípulo de Leonardo, Cesare Cesariano. A reprodução mais antiga de uma câmara obscura está na obra do físico e matemático holandês Rainer Frisius, de Nesse século, o desenvolvimento da câmera foi impressionante. Em 1550, Girolano Gardano instalou uma lente biconvexa em frente ao orifício, para obter uma imagem mais brilhante e com melhor resolução. Isso corrigia um defeito, mas provocava outro: era impossível se obter imagens nítidas quando dois ou mais objetos, enquadrados juntos, estavam distantes um do outro. Ou seja, a lente biconvexa não conseguia lidar com o conceito de profundidade de campo 7. Por volta de 1568, Daniello Barbaro, outro cientista italiano, revelou uma descoberta que podia resolver a inconveniência provocada pela lente biconvexa. Em seu livro A Prática da Perspectiva ele menciona que era possível melhorar a nitidez das imagens ao se variar o diâmetro do orifício de entrada da luz da objetiva. Para tanto, bastava usar um dispositivo junto à lente para abrir ou fechar a passagem da luz. Quanto mais fechada a abertura, mais qualidade teria a imagem de objetos enquadrados distantes. Assim, outro conceito importante para a fotografia estava criado: o do diafragma (sistema de lâminas semicirculares destinado a ajustar a abertura, o orifício de entrada de luz em uma câmara fotográfica (CAMARGO, 1999, p.234) 8. Em 1573, Egnatio Danti sugere o uso de lentes côncavas para corrigir as imagens. No século seguinte, em 1636, Daniel Schwenter descreve um elaborado sistema de lentes, que combina três distâncias focais diferentes em um mesmo aparelho, antecedente da moderna objetiva zoom (NEWHALL, 1999, p. 30) 9. No início, a câmara obscura consistia num recinto de dimensões relativamente grandes, às vezes, equiparáveis às de uma casa. Posteriormente, se foi desenvolvendo 5 POLLACK, Peter. Op. Cit., 1977, P36. 6 FRISIUS, Rainier Gemma; De Ratio Astronómico et Geométrico Liber, In POLLACK, Peter; Op. Cit., p Profundidade de Campo: é uma zona de nitidez em profundidade estendida antes e depois do ponto de foco de uma dada objetiva fotográfica. (Cf. LANGFORD, M. Fotografia Básica. Lisboa: Dinalivro, 5 a edição, Glossário de termos fotográficos). 8 CAMARGO, Isaac Antonio. Reflexões sobre o pensamento fotográfico. Londrina: UEL, NEWHALL, Beaumont. Historia de la Fotografía desde sus orígenes a nuestros días. Barcelona:Gustavo Gili, P 30.

5 19 modelos menores e mais fáceis de operar. Por volta do século XVI, já são descritos modelos portáteis, de fácil uso. No século XVI, Johan Kleper realizava seus desenhos topográficos dentro de uma tenda portátil, cônica e com o dispositivo óptico (lentes biconvexas e espelho inclinado em ângulo de 45º) colocado na parte superior da tenda, como num periscópio. No interior, Kleper desenhava sobre uma mesa que recebia a imagem projetada do alto da tenda. Segundo Sougez (2001), a tenda possuía um dispositivo que a fazia girar como um moinho de vento. Este tipo de câmera foi utilizado até a aparição do daguerriótipo em Figura 04 A câmara obscura de Johan Kleper (Centre National de la Photographie - France) Figura 05 A câmara obscura desenvolvida por Johan Zahn (Centre National de la Photographie - France) Um grande passo se deu quando Johan Zahn, em 1685, colocou um espelho no fundo da câmera, em ângulo de 45º e em posição inversa ao dispositivo de Kleper. Este espelho projetava a imagem para cima, contra a superfície superior da caixa, onde foi colocado um vidro despolido, permitindo maior comodidade ao observador. Para reforçar a visão, se adaptava um capuz de tecido preto, capaz de evitar os reflexos da luz exterior sobre o vidro. Este é o sistema precursor das câmeras fotográficas do tipo reflex. No final do século XVIII, existia um grande número de modelos de câmeras em funcionamento, desde aquelas com dimensões gigantescas até as mais pequenas, pouco maiores que caixas de fósforos. Algumas tinham forma de livro, outras se assemelhavam a casas. Algumas foram montadas sobre tripés, outras foram montadas em carroças, com mesas de desenho em seus interiores. A criação de mecanismos que permitiam variar o foco com um grau de nitidez considerável, transformou a câmera num instrumento cada vez mais fácil de se operar. Esses mecanismos iam desde caixas de tamanhos diferentes que se encaixavam, aumentando ou diminuindo a distância focal, a caixas com foles, que permitiam focar com precisão. Todos esses sistemas permitiram reproduzir a realidade e foram usados por um longo período como auxiliares da realização da obra de arte. A câmara obscura foi utilizada

6 20 como auxiliar (técnico) na realização de pinturas e desenhos desde o século XVI. Se Aristóteles ou Bacon viam no aparelho, um importante instrumento científico é simples suposição. O que sabemos, com certeza, conforme Sougez (2001) 10, é que em 1589, Giovanni Battista Della Porta 11, na segunda edição de sua obra, Magiae Naturalis, dá à câmara obscura uma função eminentemente artística ao assinalar os benefícios que esta oferece ao desenhista, especialmente ao realizar retratos, e indicando que se deve colocar o modelo sob a luz solar direta e em frente ao orifício da câmera. Della Porta, ao escrever Magiae Naturalis, se dirigia aos cientistas, filósofos e artistas de sua época e, pela grande popularidade que o texto alcançou, é provável que tenha servido de referência para muitos trabalhos posteriores. (SOUGEZ, p. 19). Os avanços feitos nos séculos posteriores desenvolveram bem as partes óptica e mecânica do processo fotográfico. O caminho para a construção da futura câmera fotográfica estava maduro. Nesta época, porém, o componente químico a emulsão à base de sais de prata, os reveladores e, principalmente, os fixadores das imagens - ainda não era totalmente conhecido pelos pesquisadores da fotografia O processo químico da fotografia O caminho para o desenvolvimento de um processo químico, capaz de fixar uma imagem, foi aberto em 1602, quando o cientista italiano Ângelo Sala descobriu que alguns sais de prata (no caso, nitrato de prata) escureciam quando expostos à luz. Sala chegou a reproduzir algumas imagens com o nitrato que desapareciam assim que a reação química escurecia a prata. A dificuldade enfrentada pelo cientista italiano e por outros que o sucederam em pesquisas sobre o assunto, estava em achar um meio de interromper o processo de enegrecimento da prata. Isto é, em linguagem técnica fotográfica, fixar a imagem antes que ela se tornasse um borrão totalmente negro. Mais de 100 anos depois, um cientista alemão, Johann Heinrich Schulze, percebeu que em uma mistura de ácido nítrico, prata e pó de giz guardada em um frasco de vidro, exposta à luz solar, a prata ficava imediatamente enegrecida. Ao repetir a experiência, Schulze colou pedaços de papel ao redor do vidro e a mistura só escureceu nas partes expostas à luz. Quando ele sacudiu o frasco, a mistura retornou à cor original. Duvidando se era a luz ou o 10 SOUGEZ, Marie-Loup. Op.Cit. 2001, p Giovanni Battista Della Porta ( ) Natural de Nápoles. Filósofo e estudioso das ciências naturais, química e alquimia. Trabalhou ainda com a física e escreveu para o teatro. Foi contemporâneo de Sarpia, Galileu e Peiresc. Construiu máquinas movidas pela força hidráulica e vários instrumentos ópticos, como um

7 21 calor que provocava o enegrecimento da prata, o cientista chegou a colocar um frasco dessa mistura num forno, mas ela não se alterou. Dessa forma, ele confirmou que a luz que provocava uma reação química sobre os grãos de prata. Schulze produziu várias imagens, mas nenhuma durou o suficiente pois ainda não se podia fixar as imagens obtidas 12. O cientista alemão não achou utilidade para suas descobertas, mas registrou tudo num ensaio chamado De como descobri o portador da Escuridão ao tentar descobrir o portador da Luz (Rio Gráfica Editora,1981, p.10) 13. Em 1802, o inglês Thomas Wedgwood, filho de um fabricante de cerâmicas, junto com Humphrey Davy apresentou um ensaio intitulado Um método de copiar pinturas em copos pela ação da luz em nitrato de prata. O trabalho da dupla era quase uma inovação, porque eles tinham realizado uma série do que hoje chamaríamos de fotogramas. Porém, eles não conseguiram fixar as imagens, que só podiam ser vistas, por um curto período de tempo, quando examinadas num quarto escuro, sob a luz de uma vela. Figura 06 Prensa usada por Wedgwood e Davy. (Fotografia de James Watts - Handsworth Historical Society via Digital Handsworth Project Wedgwood e Davy chegaram muito perto de obter a primeira fotografia. Eles foram uns dos primeiros pesquisadores da fotografia a tentarem reproduzir uma imagem externa, colocando uma placa sensibilizada com prata dentro de uma câmara obscura. Se tivessem usado como fixador da imagem a amônia 14 ou até mesmo em uma solução de água com sal de dos primeiros telescópios. Acusado de praticar magia, viveu os últimos anos de sua vida sob controle da Inquisição. 12 Somente por volta de 1819, segundo Robert Leggat (In é que, na Inglaterra, o químico e astrônomo John Herschel, descobriu que os sais de prata podiam reagir com o hipossulfito (tiossulfato)de sódio. Podia-se, pela primeira vez, interromper o processo de escurecimento da prata exposta ao sol, ou seja, o produto era um excelente fixador para fotografias. Herschel continuou suas experiências porém sem divulgá-las até 1839, quando Daguerre apresenta, na França, o processo de daguerreotipia. Foi Herschel que chamou, pela primeira vez, o processo de obter imagens através de um processo foto-químico, de fotografia. 13 RIO GRÁFICA E EDITORA. O laboratório por dentro - Guia completo de fotografia. Rio de Janeiro: Rio Gráfica e Curt Laboratórios Cinematográficos, Cujas propriedades fixativas tinham sido descobertas pelo sueco Carl Scheele ( ) duas décadas antes (nota minha).

8 22 cozinha, teriam obtido a primeira fotografia da história (RIO GRÁFICA EDITORA, 1981, p. 22). Assim, podemos perceber que, embora há muito já se conhecesse as principais propriedades dos sais de prata e suas reações diante da luz, será nas primeiras décadas do século XIX que um número muito grande de pesquisadores de diversos países, contribuirá de forma decisiva para o desenvolvimento de compostos químicos e técnicas de uso dessas emulsões. Embora a primeira imagem fotográfica não tenha sido obtida a partir desses compostos, o desenvolvimento de processos baseados nos haletos de prata é que efetivamente tornaria a fotografia possível Niépce e a primeira fotografia Embora a História hoje reconheça a Fotografia não como resultado das experiências individuais de um único homem, mas como a somatória dos esforços de diferentes pesquisadores em épocas e países diferentes que, utilizando técnicas e produtos diversos chegaram a resultados parecidos, também reconhece que a imagem que marca o nascimento dessa técnica ou arte 15, posteriormente denominada de Fotografia foi obtida entre 1824 e 1827 pelo francês, Joseph Nicéphore Niépce. Filho de um advogado e proprietário de gráfica, Niépce desde cedo se interessara pelo processo de litografia 16, introduzido na França em Seus primeiros experimentos buscavam a reprodução de imagens através da impressão direta de originais (desenhos e ilustrações) no papel 17. Apesar de conhecer a capacidade de reação dos sais de prata à luz do sol, Niépce não obteve bons resultados 18 enquanto utilizou os haletos de prata. Acabou utilizando, como emulsão fotográfica, uma solução à base de asfalto, conhecida como betume da Judéia 19, que produzia imagens positivas dos objetos. 15 Embora esse seja um debate recorrente, não iremos aqui discutir se a Fotografia se defina como Técnica ou como Arte. 16 Processo de gravura em plano, executado sobre pedra calcária e baseado no fenômeno de repulsão entre substâncias graxas e a água, usadas na tiragem, o qual impede a tinta de impressão de aderir às partes que absorveram a umidade, por não terem sido inicialmente cobertas pelo desenho feito também com tinta oleosa. 17 Ver : Website mantido pelo SPÉOS Paris Photografic Intitute que, desde 1999, é responsável pela casa e acervo de Niépce. 18 As primeiras experiências de Niépce resultavam em imagens em negativo e, diferentemente de outros pesquisadores, como Fox Talbot, ao invés de a partir dessas, obter um positivo, ele as abandonou em busca de um processo que resultasse em imagens já positivadas. 19 Dá-se o nome de betume da Judéia ao asfalto natural, substância de composição semelhante à do asfalto que resulta da destilação do petróleo bruto.

9 23 O processo de Niépce consistia em dissolver o betume em óleo de lavanda (um solvente de tintas utilizado na época) e ao obter um composto pastoso, ele espalhava essa mistura sobre uma fina chapa de metal (eram utilizadas placas de uma liga de cobre, chumbo e estanho). Sobre esta placa, coberta com a mistura betuminosa, era colocado o desenho que se queria reproduzir. Para deixar o original translúcido e permitir a passagem da luz até o betume, o papel também era mergulhado no óleo de lavanda. Em seguida, a placa e a (...) folha com o desenho eram expostas ao sol forte (MARINGNIER, 2002) 20. Horas depois, o calor provocado pela luz solar endurecia as partes do betume que haviam recebido a luz direta do sol, enquanto as áreas que ficaram em baixo dos traços do desenho continuavam moles. Após fixar a imagem sobre a placa em um banho contendo uma mistura de óleo de lavanda e terebintina, que agia como solvente, retirando o material que não havia sido exposto à luz, Niépce tratava a placa com ácido num processo idêntico ao atualmente utilizado para gravar placas de circuitos eletrônicos impressos. O ácido corroía a chapa metálica onde o betume mole, não reagente com a luz, havia sido retirado, formando sulcos em baixo relevo. Depois disso, o betume endurecido era raspado, aplicava-se tinta nos sulcos e prensava-se uma folha de papel contra a chapa metálica. Com este método, ele obteve diversas imagens impressas, a maior parte com motivos religiosos. A esse método, Niépce chamou de heliogravura (do grego helio, sol, e do francês gravure). Figura 07 Primeira fotografia Niépce (1826) (Niépce Museum França) A grande contribuição de Niépce veio em 1826 quando ele utilizou uma placa com betume numa câmara obscura. Após oito horas de exposição, e do processamento com óleo de lavanda, ele conseguiu uma pálida imagem dos telhados que compunham a vista da janela 20 MARIGNIER, Jean Louis. Principle of the invention of photography. In: Acessado em 07/07/2004.

10 24 do seu laboratório. Essa imagem, obtida mecanicamente sobre uma emulsão sensível à luz, é considerada a primeira fotografia (FREUND, 1994, p. 37) 21. Durante muito tempo porém, a primazia pela invenção da fotografia foi dada a um outro francês, Louis Daguerre. Niépce nunca fora um especialista em promover-se ou às suas experiências. Em 1827, ao visitar seu irmão em Londres, Niépce foi procurado por John Herschel, presidente da Royal Institution of Great Britain. Herschel, que também pesquisava a reprodução de imagens, havia se interessado pelos trabalhos desenvolvidos pelo francês e o levou à academia para que ele explicasse suas descobertas. Após ouvir seu relato, os membros da Real Academia, pediram um relatório detalhado de seu trabalho. Temendo que seu trabalho pudesse ser roubado, ele nunca escreveu o texto, embora tenha deixado algumas imagens com o Royal Institution 22. Ao retornar à França, Niépce foi procurado por Daguerre até então um artista de sucesso que desenvolvera o Diorama 23 e que ouvira falar das experiências de Niépce através de um fabricante de lentes e câmaras obscuras. Daguerre acabou se tornando sócio de Niépce numa empreitada para o desenvolvimento do processo da heliogravura. Enquanto Niépce continuava a buscar desenvolver as emulsões baseadas no betume, Daguerre concentrou-se no estudo de emulsões à base de sais de prata, especialmente aquelas feitas a partir do iodeto de prata que se mostravam mais sensíveis à luz. A sociedade nunca rendeu frutos. Niépce morreu pobre em O reconhecimento de sua contribuição para o desenvolvimento da fotografia só virá em meados do século XX (FREUND, P.38) Daguerre e a invenção da fotografia À Daguerre coube o aperfeiçoamento do primitivo processo desenvolvido por Niépce. Embora soubesse como produzir uma imagem, ele não dominava o processo de fixação 25. Por volta de 1835, ele acabou fazendo uma descoberta importante de forma quase acidental. 21 FREUND, Gisele. Fotografia e sociedade. Lisboa: Vega, De acordo com MARIGNIER (Op. Cit. 2002) em 1853, as imagens de Niépce foram enviadas pela Royal Institution ao Museu Britânico, mas entre 1898 e 1952 foram consideradas perdidas, o que levou muitos historiadores a duvidarem da veracidade do seu trabalho. A participação histórica de Niépce só foi reafirmada após a localização de suas primeiras chapas fotográficas pelo historiador Helmut Gerscheim, na década de 1950 e hoje pertencem a Coleção Gernsheim, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos. 23 O Diorama era um teatro de ilusões impressionantes. Formado por quadros com efeitos de luz variáveis e pinturas enormes que mediam até 22 X 14 metros. Eram reproduções de paisagens famosas. Daguerre usou um câmara obscura como ajuda para pintar as telas em perspectiva. 24 FREUND, Gisele. Op. Cit. 25 Embora Herschel tenha descoberto em 1819 que o hipossulfito era um excelente fixador de imagens produzidas sobre emulsões à base de haletos de prata, ele não divulgou publicamente suas experiências antes de Assim em , o hipossulfito ainda não era conhecido como fixador.

11 25 Após expor rapidamente algumas chapas, Daguerre colocou-as em um armário contendo diversos frascos de produtos químicos. Depois de alguns dias, ao retornar, descobriu que a imagem latente 26 tinha se desenvolvido. Figura 08 primeiro daguerreótipo (cerca de 1837) (Centre National de la Photographie France) Daguerre concluiu que isso havia acontecido devido aos vapores de mercúrio de um termômetro quebrado. Essa descoberta, de que uma imagem latente poderia ser desenvolvida (revelada) permitiu reduzir os tempos de exposição de oito horas para cerca de 30 minutos. Após um período de aperfeiçoamento, principalmente para fixar corretamente a imagem, em 1839, ele finalmente apresenta sua invenção: a Daguerreotipia. Com a apresentação pública, Daguerre buscava conseguir financiamento para continuar trabalhando no desenvolvimento de sua descoberta. Como poucos pareciam interessados, ele buscou um velho amigo, François Arago, cientista e político, membro da Assembléia que, imediatamente, viu as implicações desse processo. Arago conseguiu levar o caso de Daguerre ao governo francês que, em agosto de 1839, comprou os direitos do processo e o divulgou publicamente, tornando-o de uso livre (TURAZZI, 1995.p 32 35) 27. Nas semanas que se seguiram ao anúncio da invenção da fotografia, Paris foi tomada por fotógrafos que, munidos do pesado equipamento 28, invadiam as praças e ruas para experimentar a febre da então chamada daguerreotipia. 26 As primeiras experiências demandavam exposições muito longas, e os fotógrafos tinham que abrir a câmera para verificar se a imagem havia aparecido. Na época pensava-se que se a imagem não aparecesse, nenhuma mudança teria acontecido. Foi então que Daguerre (1837) e Fox Talbot (1839), ambos de modo independente e, parece, acidentalmente, descobriram que exposições curtas não produziam nenhuma imagem visível, mas estas ficam latentes. Se as chapas fossem tratadas com os vapores de mercúrio aquecido, uma imagem começaria a aparecer. 27 TURAZZI, Maria Inez. Poses e Trejeitos. A fotografia e as exposições na era do espetáculo ( ), Rio de Janeiro: Funarte/ Rocco, Além da câmara e das chapas metálicas, o kit para a produção de daguerreótipos incluía (..) um torno manual, um polidor de couro, uma caixa de madeira para a sensibilização da emulsão, uma outra caixa de madeira para a revelação das placas expostas e vários produtos químicos. (Cf. Rio Gráfica Editora, 1981). O conjunto todo podia chegar a pesar mais de 100 quilos, o que exigia meios de transporte e ajudantes para o fotógrafo.

12 26 A Gazeta de França, num texto de setembro de 1839, descreve o processo e afirma que a daguerreotipia não requer nenhum conhecimento de desenhar ou pintar (...) e qualquer um pode ter sucesso (...) e realizar a reprodução de imagens da mesma forma que o autor da invenção. Um outro artigo publicado em 1840, mostrava as limitações do processo: (..) não se pode reproduzir a natureza em movimento, ou pelo menos tão só se pode fazer a duras penas pois a exposição é demasiado longa (...) a imagem é lateralmente invertida (como uma pessoa no espelho) (GERNSHEIM & ALISON, 1995, p. 32) 29. Para Freund (1994) 30, mesmo com todas as imperfeições técnicas o processo de Daguerre ganhou o mundo, principalmente porque o inventor elaborou um manual ensinando os passos necessários para se obter imagens com a daguerreotipia Para se ter uma idéia do impacto da invenção, só em Paris foram vendidos dois mil kits para daguerreotipia no ano de Mas segundo Freund, o país onde a nova técnica fotográfica mais se desenvolveu foi nos Estados Unidos. Lá, somente no ano de 1853, nada menos que 10 mil americanos estavam envolvidos com a daguerreotipia. Daguerre morreu em De certo modo, sua morte é, simbolicamente, o fim de uma era, pois no mesmo ano uma nova técnica fotográfica o colódio úmido é inventada por Scott Archer A descoberta da Fotografia pelo mundo Daguerre não é mais considerado o único responsável pelo desenvolvimento da Fotografia. O processo que ele desenvolveu foi apenas um entre outros tantos desenvolvidos no início do século XIX. Se olharmos para a daguerreotipia, que proporcionava uma imagem positivada, talvez pudéssemos considerá-la precursora da fotografia instantânea (como as fotografias Polaroid) que não produzem negativos. Outros pesquisadores, porém chegaram a resultados diferentes, desenvolvendo processos de reprodução de imagens mais eficientes. Em função da importância de suas descobertas, podemos destacar dois outros grandes pesquisadores que contribuíram para o surgimento da fotografia: Henry Fox Talbot (Inglaterra) e Hercule Florence (Brasil). 29 GERNSHEIM, Helmut & ALISON. L.J.M. Daguerre: The History of the Diorama and the Daguerreotype. New York: Dover, FREUND, Gisele. Op. Cit., 1994.

13 Talbot e o processo negativo/positivo Embora Talbot não tenha sido o primeiro a produzir fotografias, ele fez uma importante contribuição ao processo fotográfico como nós conhecemos hoje. Ao criar um método de captura e reprodução de imagens baseado no sistema negativo/ positivo ele vai lançar as bases da moderna fotografia. Descendente de uma tradicional família inglesa, estudara matemática em Cambridge, Inglaterra, fazia parte da Real Sociedade de Astronomia e também se dedicava à pintura. Embora, nos quadros que produziu, ele possa ser visto como um pintor com alguma qualidade, sua pouca habilidade para o desenho levou-o a experimentar métodos mecânicos para capturar e reter imagens. Talbot primeiro procurou desenhar com auxílio de uma câmara obscura. Os primeiros desenhos feitos na Costa da Itália, onde estava de férias, não o agradaram e ele então decidiu tentar fixar quimicamente as imagens projetadas pela câmera sobre folhas de papel 31. O negativo de papel mais antigo que Talbot obteve e ainda existente, mostra a janela de Oriel, na galeria sul da Abadia de Lacock em Wiltshire, onde ele vivia. Essa imagem foi obtida em Em 1839, após o anúncio da descoberta de Daguerre, Talbot escreveu a François Arago, o homem que havia promovido a invenção de Daguerre, sugerindo que era ele, Talbot, e não Daguerre que havia inventado o processo fotográfico (naquele momento, desconhecendo o processo de daguerreotipia, não sabia que seu método era completamente diferente). Arago informou que o processo de Daguerre vinha sendo aperfeiçoado há mais de quatorze anos e, portanto, ele não poderia ter crédito (SOUGEZ, p. 76) 32. Ao ver a possibilidade de que todas as honras seriam dadas à Daguerre, ele imediatamente procurou dar publicidade ao seu processo e o apresentou à Real Academia no fim de 1839, como um método de desenho fotogênico. Em 1840, ele descobre a imagem latente ao re-sensibilizar papéis já expostos. A re-aplicação da emulsão fez surgir uma imagem até então invisível. Isso permitiu a Talbot resolver o problema da exposição prolongada. A versão melhorada, ele chamou de calótipo (do grego Kalos, belo). 31 O processo criado baseava-se em expor finas folhas de papel impregnadas com uma emulsão à base de haletos de prata. Após a exposição na câmera, essas folhas eram reveladas e processadas. O resultado era uma imagem em negativo. Talbot depois colocava esse negativo sobre outra folha emulsionada e expunha o conjunto à luz, obtendo uma imagem positiva. 32 SOUGEZ, Marie-Loup. Op. Cit., P.76)

14 28 Talbot, patenteou sua invenção em 1841 na Inglaterra.. O pedido de patente foi um ato que paralisou, consideravelmente, o desenvolvimento da fotografia na ilha. Talbot não estendeu a patente dele para a Escócia, e isto permitiu que algumas fotografias excelentes fossem produzidas por Hill e Adamson. Ainda neste ano, Talbot editou um livro intitulado O Lápis da Natureza, o primeiro livro ilustrado com fotografias. Para produzir essas impressões, ele se associou a N. Henneman para montar o Estabelecimento de Leitura, um estúdio fotográfico perto de Londres (THE BRITISH COUNCIL, P 10-11) 33. O processo de Talbot nunca alcançou a popularidade do daguerreótipo, em parte porque surgiu depois deste, mas em maior parte porque ele exigia os direitos de uso sobre o processo. Dessa forma, seu nome ficou manchado pelas várias tentativas judiciais que ele fez para obrigar o pagamento de seus direitos e imposição da patente em outros países (TURAZZI, 1995, p.36) 34. Figura 09 - Talbot (1841) O estabelecimento de Leitura (The British Council/ Fox Talbot Museum) Figura 10 - A porta aberta, ap. O lápis da Natureza - livro de imagens publicado por Talbot em (The British Council/ Fox Talbot Museum) Essas pendências judiciais se estenderam até 1854, quando ele procurou demonstrar que o processo do Colódio também estaria coberto pela patente do Calótipo. Existem hoje porém, evidências que houve uma tentativa combinada para desacreditar Talbot e destruir a patente. Talvez suas preocupações fossem por reconhecimento e não em obter lucros com a invenção THE BRITISH COUNCIL. William Henry Fox Talbot e seu círculo familiar. Londres: Versão em português. 34 TURAZZI, M. I. Op. Cit., p A ROYAL SCHOLL OF PHOTOGRAPHY, mantêm um Website com toda a obra de Talbot em:

15 O Brasil na rota dos pioneiros A História tem sempre múltiplas versões. A versão mais aceita ou mais divulgada nem sempre é a mais correta. No caso da Fotografia, isso também não fugiu à regra. A Europa, à época do surgimento da fotografia, reunia todos os requisitos necessários ao desenvolvimento de novas técnicas e aparelhos. Mas hoje, graças ao trabalho de Boris Kossoy 36, o Brasil também tem direito nessa disputa pela paternidade da fotografia. Entre 1972 e 1976, Kossoy realizou pesquisas e reconstituições dos métodos e processos, além de levantar um sem número de documentos sobre Hercule Florence, artista e pesquisador, que viveu na atual cidade de Campinas. Nascido na França, em 1804, Florence estudou artes plásticas em Nice. Aos 20 anos, sua natureza inquieta e uma insistente falta de emprego o conduzem a um desconhecido Rio de Janeiro, onde passa um ano como modesto caixeiro de uma casa comercial e, depois, vendedor de livros. Pelos jornais descobre a vinda do famoso naturalista russo Langsdorff e é aceito como segundo desenhista daquela que viria a ser uma das maiores e mais importantes expedições científicas realizadas no Brasil dos séculos passados. Por mais de três anos, Hercule Florence viajou pelo interior do país. Com o fim da expedição em 1829, ele se fixa na Vila de São Carlos (atual Campinas) onde se casa e começa a trabalhar. Na tentativa de produzir rótulos para frascos de remédios e pequenos impressos, e não dispondo de uma prensa (prelo), ele cria em 1830, seu próprio método de impressão, o Polygrafie. A partir desse método, Florence inicia suas experiências para a reprodução de imagens. Em 1832 (três anos portanto antes de Daguerre) ele descobre um método de gravação de imagens através da luz, que ele denomina Photografie 37. Embora fosse tão eficiente quanto a daguerreotipia, por ter sido realizado numa cidade do interior do Brasil do século XIX, longe dos principais centros culturais da época, o experimento de Florence permaneceu esquecido por mais de 140 anos até que foi resgatado por Kossoy que reproduziu, na década de 1970, todas etapas do processo da Photografie de Florence nos laboratórios do Rochester Institute of Technology. 36 KOSSOY, Bóris. 1833: a descoberta isolada da fotografia no Brasil. São Paulo: duas cidades, Florence utilizava chapas de vidro sensibilizadas com sais de prata que eram expostas numa câmara escura. Essas chapas eram posteriormente reveladas e fixadas com urina (que é rica em amônia, outro poderoso fixador).

16 A Fotografia na segunda metade do Século XIX A daguerreotipia já nasceu obsoleta. O processo de preparação das chapas era complexo e exigia e muito esforço físico. As longas exposições e o perigo de contaminação do fotógrafo, principalmente pelos vapores de mercúrio, e a impossibilidade de reprodução ou copiagem das imagens obtidas condenaram a daguerreotipia à morte. A calotipia, baseada em folhas de papel empregados com emulsão e desenvolvida por Talbot, começou a enterrar a invenção de Daguerre. Figura 11 O processo de Daguerreotipia Equipamentos pesados e químicos muito tóxicos tornam o processo complexo e perigoso. (California Museum of Photography) Os daguerreótipos ainda foram utilizados por mais uma década, principalmente porque foram introduzidas algumas modificações no equipamento, como a introdução de objetivas mais luminosas e a redução do peso das máquinas. Mas, com o uso de chapas de vidro e emulsões com base de albúmen (clara de ovo), que permitiam a produção de cópias a partir de uma única matriz e o surgimento do colódio, estava dado o tiro de misericórdia. O processo do Colódio úmido surgiu de um impasse. O daguerreótipo era melhor do que o calótipo em termos de detalhes e qualidade da imagem, mas não podia ser reproduzido; calótipos eram reproduzíveis mas qualquer impressão deixava à mostra todas as imperfeições da imagem (matriz). A procura então passou a ser de uma técnica que combinasse o melhor de ambos os processos: a habilidade para reproduzir bons detalhes e a possibilidade da cópia. O ideal seria utilizar chapas de vidro, cobertas com material sensível à luz e que, depois de reveladas, fossem suficientemente translúcidas a ponto de permitir a cópia. Primeiro, como já vimos, usou-se o Albúmen que não proporcionava grandes resultados. As coisas mudaram quando em 1851, Scott Archer se encontrou com o Colódio (LEGATT, 2002) LEGATT, Robert. Op. Cit., 2004.

17 31 Esse era um líquido viscoso (resultado da dissolução em álcool e éter do nitrato de celulose ou algodão pólvora ), que havia sido inventado em 1846 mas que, até a guerra de Criméia, não tinha utilidade prática. Os primeiros a usar o colódio foram os médicos da frente de batalha, que o aplicavam sobre as feridas dos soldados: quando seco, este formava um fino filme translúcido sobre as feridas, protegendo-as de contaminação. O processo possuía várias vantagens. Por ser mais sensível à luz do que os processos anteriores, reduzia drasticamente os tempos de exposição (algo em torno de dois ou três segundos) e abria uma nova dimensão para a fotografia: até então os fotógrafos tinham que trabalhar com cenas sem movimento. Como o processo não fora patenteado, seu emprego era livre e amplamente utilizado. Além disso, o custo de uma impressão de papel era um décimo da produção de um daguerreótipo (FREUND, 1994) 39. Havia porém uma desvantagem: o processo era muito complexo e perigoso. Primeiro a emulsão tinha que ser espalhada cuidadosamente sobre a placa de vidro. A chapa então tinha que ser mergulhada na solução de haletos de prata e imediatamente exposta e revelada pois, depois de seca, a placa era inutilizada (por isso o processo era chamado de colódio úmido ). Dessa forma, se fosse utilizado em estúdio, era um processo complexo mas sem grandes problemas. Porém, quando se tratava de fotografias ao ar livre e em locais de calor intenso, a preparação das chapas se transformava num empecilho. Do ponto de vista da segurança, o colódio também tinha suas limitações. A mistura além de ser inflamável, era altamente explosiva 40. Existem diversos relatos de fotógrafos que demoliram seus equipamentos e estúdios, alguns deles perdendo as vidas, como resultado da manipulação descuidada da mistura (LEGATT, 2002) 41. O desenvolvimento do colódio como processo fotográfico funcionou como uma espécie de divisor de águas no desenvolvimento da fotografia. Mas, devido a suas limitações, as buscas por soluções mais eficientes, seguras e de baixo custo, continuaram por toda a segunda metade do século XIX. Durante vários anos foram feitas tentativas de descobrir modos de manter o colódio úmido por mais tempo e assim manter a sensibilidade da chapa. Um sucesso relativo foi obtido com uma mistura de brometo e colódio, mas o ideal seria um processo no qual, mesmo depois de seca, a chapa permanecesse sensível e pudesse ser exposta. Isso foi o que Richard Maddox obteve em 1871, com a utilização de gelatina. O 39 FREUND, Gisele. Op. Cit., Isso porque um dos componentes do colódio era o nitrato de celulose, ou algodão pólvora, um explosivo inventado na década de 1840 para substituir a pólvora negra que produzia muita fumaça na fabricação de munição para canhões e rifles. 41 LEGATT, R. In acesso em 07/07/2004.

18 32 emprego da gelatina como base (emulsão) para os haletos de prata havia sido sugerido ainda em 1850 por Robert Bingham, mas ninguém deu atenção a ele. Maddox utilizou gelatina de origem animal, que ao secar é transparente e muito resistente. O processo, embora revolucionário, estava longe de conseguir o sucesso obtido pelo colódio. Passaram-se alguns anos até ser possível obter uma emulsão com uma sensibilidade duas vezes mais rápida do que o colódio. Este processo seco permitiu que os fotógrafos finalmente pudessem se livrar dos pesados equipamentos extras que precisavam levar para os locais onde iriam trabalhar. Agora bastava levar a câmera e as chapas sensibilizadas. Com o emprego das chapas com gelatina, os fabricantes começaram a uniformizar os processos de fabricação das emulsões. Figura 12 O processo de chapas secas criado por Richard Maddox, o processo de chapas secas rapidamente tornou-se o mais utilizado. (George Eastman House International Museum of Photography and Film) A fotografia começava a se basear em técnicas mais refinadas, com as chapas sendo produzidas uniformemente 42, de forma mais científica. Era o início do fim da fotografia artesanal. Foi por essa época que a sensitometria 43 foi introduzida e as primeiras tabelas de exposição começaram a surgir. Outras grandes inovações surgiram na década de 1880, como as introduzidas por George Eastman. Eastman, um antigo funcionário de banco, se interessara pela fotografia ainda muito jovem. Entre 1878 e 1880, ele montou uma fábrica de chapas secas. Logo depois, em 1884, aproveitando uma novidade recém-lançada, e começa a produzir filmes 42 As primeiras chapas de gelatina foram aos poucos sendo substituídas por um novo processo, chamado de dryplate (chapas secas) que foi inventado por Charles Bennett em 1878, a partir dos trabalhos de Maddox. Este processo novo era revolucionário: de agora em diante câmaras escuras portáteis já não seriam necessárias; o processo era muito mais sensível à luz, e então as velocidades de obturação tornaram-se mais rápidas. Além disso, o sistema conduziu a um processo ainda maior de uniformização dos métodos de fabricação e qualidade. Uma gama nova de máquinas fotográficas (muito próximas às modernas câmeras) começou a aparecer. (In LEGATT, R. Op. Cit.). 43 É a ciência que estabelece a sensibilidade das emulsões fotográficas e dos tempos mais convenientes para revelação. Também se encarrega de estudar a resposta dos materiais fotográficos à exposição e revelação. Cf.:

19 33 flexíveis, em base de celulóide 44. Quatro anos depois, Eastman provoca uma verdadeira revolução: lança uma câmera fotográfica que incorpora o filme flexível em rolo e o slogan você aperta o botão, nós fazemos o resto. A fotografia finalmente deixava de ser uma técnica exclusiva de um pequeno grupo de iniciados e finalmente, chegava às massas. Figura 13 A câmera Kodak n.º 1 (George Eastman House International Museum of Photography and Film) A máquina fotográfica de Eastman, chamada de Kodak n.º 1 45, era uma caixa pequena, com uma lente simples que focalizava de 2, 5 metros ao infinito. Dentro dela ia um rolo de filme capaz de produzir 100 imagens, todas em forma circular. A máquina fotográfica era enviada para a fábrica onde o filme era processado e o equipamento recarregado e devolvido ao usuário. O custo dessa operação era de apenas 25 dólares. As fotografias mediam cerca de 6,5cm de diâmetro e abriram um mundo novo para a fotografia, agora popular. A contribuição de Eastman não só tornou a fotografia disponível para todos e ampliou o leque de aplicações da técnica - mas também resultou em uma mudança gradual no que poderíamos chamar de fotografia aceitável. Paul Martin 46, um fotodocumentarista do final 44 O primeiro filme fotográfico é creditado a John Corbutt, um inglês que trabalhava na Filadélfia e produziu, em 1883 folhas de celulóide cobertas com emulsão fotográfica. George Eastman só vai apresentar seu filme flexível em (Cf. LANGFORD, Michael. The Story of Photography. Focal Press, 1980) 45 George Eastman dizia que a adoção do nome KODAK, como marca surgiu da necessidade de um nome facilmente pronunciável em qualquer língua. Além disso, a palavra lembra o barulho feito pelo obturador da câmera fotográfica quando do disparo (Cf. depoimento em filme datado de 1926, quando George Eastman estava com 76 anos. Obra existente no acervo do National Museum of Photography, Film and Television, Bradford, Inglaterra. Esse filme foi exibido em parte no documentário História da fotografia, produzido pelo The History Channel. (A&E Television Networks), Paul Martin ( ) Nascido na Alsácia-Lorena. Após a guerra franco-prussiana e a comuna de Paris, sua família fugiu para a Inglaterra. Seu contato com a fotografia se deu ainda aos dez anos de idade, mas apenas

20 34 do século XIX, que trabalhou inicialmente com as grandes câmeras fotográficas e posteriormente com uma máquina fotográfica portátil, dizia que quando a câmera era grande e pesada, era difícil realizar fotografias informais. As fotografias tinham que ser também grandiosas, como imagens de montanhas, grandes monumentos,... e isso mudou com a pequena máquina da Kodak. Agora, os instantâneos e imagens da vida comum podiam ser realizadas (NEWHALL, p. 178) 47. Para facilitar o entendimento de como a fotografia se desenvolveu na segunda metade do século XIX, estabelecemos um quadro cronológico, com base nos trabalhos de Freund (1994) e de Turazzi (1995). Fotografia desenvolvimento e principais fotógrafos no período de Louis Désiré Blanquart-Évrard concebe o uso do papel à base de albúmen para a 1850 realização de cópias positivas. Este processo seria empregado até o final do século XIX Gustave Le Gray inventa o processo do negativo sobre papel encerado, obtendo maior nitidez da imagem Scott Archer inventa o negativo à base de colódio úmido sobre chapa de vidro para ser exposta ainda molhada. Em Paris é fundada a Sociedade Heliográfica que edita o jornal La Lumiére. Maxime Du Champ edita um álbum com 125 fotos de sua viagem ao Oriente. Surge o ferrótipo, processo fotográfico sobre placa metálica, de baixo custo e rapidez de 1853 operação. Surge a Sociedade Fotográfica de Londres. André Disdéri, cria a carte de visite, fotografias no formato de 6x 9,5cm. O preço de um retrato fotográfico é reduzindo em 5 vezes. Milhares de fotografias são vendidas nesse 1854 processo. Surge em Paris a Sociedade Francesa de Fotografia, em atividade até os dias de hoje Roger Fenton documenta a Guerra da Criméia, sob o patrocínio do editor Thomas Agnew Félix Nadar sobrevoa Paris e realiza as primeiras fotografias aéreas do mundo. Durante a Guerra Civil Americana, uma legião de fotógrafos, liderados por Mathew 1861 Brady, registra o conflito. Alexander Parkes, químico inglês, inventa a celulóide. Alexander Gardner, publica em dois volumes o Gardner s photographic sketch book of 1866 the war, com uma seleção de 100 fotografias (dos mais de três mil negativos produzidos), da Guerra Civil dos EUA. Max Gemoser, um litógrafo de Munique, aperfeiçoa o processo de fotolitografia 1868 (impressão de imagens fotográficas) pela aplicação de colódio à pedra litográfica. É publicado, por Henry P. Robinson, o livro Pictorial effect in photography conceituando 1869 a fotografia artística. Fotografias da Comuna de Paris são utilizadas com fins repressivos pela polícia parisiense Maddox cria as primeiras placas secas à base de gelatina. Muybridge, com o uso de diversas câmeras e da cronofotografia, registra o galope de um 1878 cavalo numa seqüência que se tornaria famosa. aos 19 anos é que a fotografia se tornou profissão. Em 1892, ele adquiriu uma máquina fotográfica chamada fácil, que não era maior do que uma caixa de charutos. Martin andava pelas ruas com a máquina embaixo do braço, como se fosse um pacote. Isso lhe rendeu raras oportunidades de capturar imagens instantâneas da vida urbana da Londres do século 19. Martin foi um dos primeiros fotógrafos documentaristas (Cf. LEGATT, R. Op. Cit.). 47 NEWHALL, Beaumont. Op. Cit. P.178.

21 George Eastman e J.W. Swan, lançam, simultaneamente, máquinas de fabricar chapas emulsionadas com gelatina O New York Daily Graphic publica o primeiro clichê impresso em meio-tom. São lançados os primeiros papéis de gelatina para a produção de cópias, reduzindo 1881 drasticamente o trabalho de laboratório. É criada a Eastman Dry Plate Company depois Eastman Kodak Company George Eastman começa a produzir os primeiros negativos flexíveis É lançada a câmera KODAK n.º 1, com um rolo de filme para 100 fotografias F. Hurten e Vero C. Driffied lançam as bases da sensitometria com a publicação de suas pesquisas sobre as características das emulsões fotográficas Jorge Felz (fontes: FREUND, Gisele (1994) e TURAZZI, Maria Inez (1995) 1.7. O desenvolvimento tecnológico e a banalização da fotografia Resultado do desenvolvimento de processos, métodos e técnicas em diferentes campos do conhecimento, a fotografia surge, no início do século XIX, provocando uma crise entre algumas das técnicas artísticas mais comuns no período. Resultado dos esforços de artistas, físicos e químicos, a fotografia a princípio vai substituir todos os métodos empregados para a reprodução de retratos. Segundo Freund (1994), o início do século XIX reunia todos os fatores necessários para o desenvolvimento da Fotografia enquanto processo técnico e meio de expressão. Para a autora, cada momento da história vê nascer modos de expressão artística particulares, correspondendo ao caráter político, às maneiras de pensar e aos gostos da época (FREUND, 1994, p19) 48. O século da máquina e do capitalismo, com seu progresso mecânico, e as modificações na estrutura social permitiram o surgimento de processos artísticos, como a litografia 49, que viriam a ter influência direta no desenvolvimento da Fotografia nos anos seguintes. Além de obscurecer os métodos tradicionais de produção/ reprodução de retratos, como o desenho, a gravação e a pintura a óleo, será entre os profissionais desses gêneros de arte, que a fotografia recrutará os primeiros a se envolverem na nova profissão. Muitos dos que inicialmente atacavam a fotografia, como se esta fosse um ofício sem alma, aos poucos 48 FREUND, Gisele. Op. Cit. 1994, p Do grego Lithos (pedra), a litografia surgiu na pré-história, com desenhos feitos diretamente sobre a pedra das cavernas. Coube a Alois Senefelder, no ano de 1796, em Munique, o mérito de ter equacionado e sistematizado os princípios básicos da impressão em papel a partir da pedra e produtos químicos. Autor de teatro de sucesso discutível, foi na procura de meios de impressão para seus textos e partituras. Não encontrando entusiasmo por parte dos editores, ele acabou por inventar um processo químico revolucionário, que permitia uma impressão econômica e menos morosa que os procedimentos gráficos da época. A invenção abriu novos caminhos para a produção artística e também significou um enorme passo na evolução da impressão de caráter comercial.

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação.

Com a Fotografia foi assim também. Ela nasce movida pela curiosidade, em um processo que envolveu estudo, observação e muita experimentação. Capítulo I. História da Fotografia As leis da Física Ao longo de sua evolução o Homem foi descobrindo e inventando coisas, desenvolvendo conhecimento, tecnologia e instrumentos para suprir suas necessidades.

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA A luz é o princípio da fotografia Tentativa do homem de tornar perene a realidade Luz refletida nos objetos permite que os vejamos Quando a luz refletida atravessa um pequeno orifício

Leia mais

As origens do processo fotográfico

As origens do processo fotográfico Capítulo 1 As origens do processo fotográfico "De hoje em diante, a pintura está morta". Paul Delaroche. A fotografia é uma atividade com pouco mais de 150 anos, embora ela seja uma síntese de várias observações

Leia mais

Endereço: Rua 1. Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA

Endereço: Rua 1. Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA Endereço: Rua 1 Mércia ARAÚJO 2 Nelson SOARES 3 Faculdade Social da Bahia, Salvador, BA RESUMO: O presente trabalho foi apresentado à disciplina Fotojornalismo II e consistiu na produção de um ensaio fotodocumental.

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA Aspectos sociais, culturais e tecnológicos

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA Aspectos sociais, culturais e tecnológicos Aspectos sociais, culturais e tecnológicos A luz é o princípio da fotografia Tentativa do homem de tornar perene a realidade Luz refletida nos objetos permite que os vejamos Quando a luz refletida atravessa

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Link para acesso à Revista Digital: http://douglasdim.blogspot.com.br/2012/08/fotografia.html

Link para acesso à Revista Digital: http://douglasdim.blogspot.com.br/2012/08/fotografia.html SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2º SÉRIE

Leia mais

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno

Ciências da Natureza I Ensino Médio Oficina Espelhos Material do aluno Caro aluno, Este material foi produzido objetivando que você aprofunde seus conhecimentos sobre os espelhos planos e os espelhos esféricos côncavos e convexos. Antes de iniciar as atividades desta oficina

Leia mais

Multimídia Aula 3. Prof. Gale Ciências da Computação 2º. Semestre 2006

Multimídia Aula 3. Prof. Gale Ciências da Computação 2º. Semestre 2006 Multimídia Aula 3 Prof. Gale Ciências da Computação 2º. Semestre 2006 Escrita O que veio antes? A língua ou a escrita? http://www.historian.net/hxwrite.htm Escrita O que veio antes? A língua ou a escrita?

Leia mais

TIPOS DE termômetros. e termômetros ESPECIAIS. Pirômetros ópticos

TIPOS DE termômetros. e termômetros ESPECIAIS. Pirômetros ópticos Pirômetros ópticos TIPOS DE termômetros e termômetros ESPECIAIS A ideia de construir um pirômetro óptico surgiu em meados do século XIX como consequência dos estudos da radiação dos sólidos aquecidos.

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO. Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ENSAIO FOTOGRÁFICO URBANO Arthur Felipe Pereira Souza UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INTRODUÇÃO Apesar de muitos considerarem Joseph Nicéphore Niépce como sendo o inventor da fotografia, ela não é uma

Leia mais

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO

POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO 1 POR TRÁS DA LENTE E DIANTE DA CÂMERA A EVOLUÇÃO DO RETRATO RESUMO Colégio Londrinense Alunos (as): Laís Knott Oliveira Silva; Clóvis Begnozzi Neto; Lucas Assis; Rafael Noriaki Yamamoto Orientadora: Wiviane

Leia mais

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias.

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias. ANIMAÇÃO DE IMAGENS Como dar vida às ideias. O que se entende por Cinema Cinema, abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas de forma rápida e sucessiva (24 fotogramas por segundo)

Leia mais

Astronomia à luz do dia

Astronomia à luz do dia Astronomia à luz do dia (Expresso: 16-05-1998) O Sol revela-nos as suas manchas e a Lua mostra-nos as suas crateras. Vénus e Júpiter estão ao nosso alcance. QUEM nunca observou o Sol através de um telescópio

Leia mais

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE

INTRODUÇÃO À ÓPTICA GEOMÉTRICA 411EE 1 T E O R I A 1. SOMBRA Define se sombra como uma região do espaço desprovida de luz. Uma sombra é produzida quando um objeto opaco impede que raios de luz provenientes de uma fonte luminosa iluminem uma

Leia mais

CÂMERAS. fotográficas

CÂMERAS. fotográficas CÂMERAS fotográficas Quanto ao suporte: Digital Analógico Como classificar e diferenciar os tipos de Câmeras? Quanto a automação: Automáticas Semi-automáticas Auto e manual Quanto ao visor: Visor direto

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS. Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO

Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS. Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO Título: GENEALOGIA PARA OS JOVENS Sub-título: DETECTIVES DO PASSADO Dirigida a: crianças do 1º ciclo, 2º ciclo e 3º ciclo. Duração: 50 minutos. Relevância /interesse do estudo: Quase todas as crianças

Leia mais

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO:

O OBTURADOR 1. FUNCIONAMENTO: Esse anexo é um complemento do material didático exclusivo do Curso de Fotografia Digital - A fotografia sob uma nova óptica e função, com Célio Ricardo, constituindo uma parte que completa o total de

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

MODA. www.lojistas.net acessado em 07/12/2005

MODA. www.lojistas.net acessado em 07/12/2005 Moda 03 Diferentes épocas 04 Velazquez 07 Auto-retrato 08 Fotografia 10 Câmera escura 12 Cinema 15 Taumatrópio e fenacistoscópio 19 Desenho animado 27 Andy Warhol 33 MODA www.lojistas.net acessado em 07/12/2005

Leia mais

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO.

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 7 ANO. TURMA 701 3º Bimestre Aula 13 Frottage ou Frottagem. A palavra Frottage vem do francês frotter, que significa esfregar. A técnica é bem simples, consiste em colocar

Leia mais

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da

Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da A ANATOMIA DA CÂMARA Thomaz. W.M. Harrell CAPITULO II A ANATOMIA DA CAMARA FOTOGRÁFICA (A Câmara Fotográfica e Suas Partes) Neste capítulo iremos ver as diferentes partes da câmara fotográfica de forma

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

Iluminação do Espécimen

Iluminação do Espécimen O Zoomscope consiste numa lente ocular, numa peça para o olho e numa lente móvel que permite variar o grau de ampliação. O poder de ampliação pode ser alterado ao girar uma roda situada na parte lateral

Leia mais

Fotografia(Photographia)

Fotografia(Photographia) FOTOGRAFIA Fotografia(Photographia) Photon significa luz, Graphos pincel, em outras palavras fotografia significa desenhar com a luz. É uma técnica de gravação,por meios mecânicos e químicos ou digitais,de

Leia mais

Os Elementos da máquina Fotográfica

Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica Os Elementos da máquina Fotográfica 1. Obturador de velocidade 2. Diafragma 3. Objetiva 4. Visor 5. Sapata 6. Botão disparador 7. Sensor 8. LCD Os Elementos da máquina

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar.

O Inventor. - Devido à extensão desse Projeto, ficarão a cargo de cada professor adequar as sugestões dadas à sua realidade escolar. O Inventor 1) Introdução Quem é um inventor? Aquela pessoa que cria ou descobre fórmulas diferentes ou objetos novos para a solução de problemas? Ou pessoas comuns, como eu e você, que conseguem viver

Leia mais

O Olhar por Trás da Câmera 1

O Olhar por Trás da Câmera 1 O Olhar por Trás da Câmera 1 Letícia Mainardi Tamiozzo 2 RadharaniTarumim Souza Kuhn 3 Orientador: Muryllo Lorensoni 4 Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT. RESUMO O trabalho de Produção Transdisciplinar

Leia mais

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade

As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade Sugestões de atividades As ciências da natureza: Ciência, Tecnologia e Sociedade 9 CIÊNCIAS 1 Ciências Naturais 1. Por que a Física é considerada uma ciência básica? 2. O que a Biologia estuda? 3. O que

Leia mais

160 anos de fotografia Artigo de Paulo Pereira da Costa

160 anos de fotografia Artigo de Paulo Pereira da Costa 160 anos de fotografia Artigo de Paulo Pereira da Costa Há 160 anos, a Academia de Artes e Ciências da França anunciava oficialmente o nascimento da fotografia. Entretanto o desejo de retratar a natureza

Leia mais

Joseph Priestley. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons.

Joseph Priestley. Camila Welikson. Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. Camila Welikson Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 3.0 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/br/legalcode Mudança

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

GRAVURA. www.galeriadegravura.com.br. Compartilhe:

GRAVURA. www.galeriadegravura.com.br. Compartilhe: GRAVURA ÍNDICE 1 - Sobre Gravura 2 Xilogravura 3 Gravura em metal 4 Litogravura 5 Serigrafia 6 Fine Art / Giclée 7-8 Tiragem da gravura 9 História do Papel 10 Papéis de Gravura 11 Estúdio de Gravura GRAVURA

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão

Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão Fotografia Digital Obtenção da Imagem e Impressão 1 Diferenças entre o CCD e o Filme: O filme como já vimos, é uma película de poliéster, coberta em um dos lados por uma gelatina de origem animal com partículas

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Xilogravura. Gravura em Metal

Xilogravura. Gravura em Metal As Artes Gráficas http://commons.wikimedia.org/wiki/file:formschneider.jpg Xilogravura de Jost Amman mostrando um gravador do século 16 em sua mesa de trabalho, 1568. Arte Gráfica é o processo de reprodução

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA A CÂMERA ESCURA SÉCULO XVI U"lizada para auxiliar desenhos. 1! PERFIS DE SOMBRA SÉCULO XVIII NIÉPCE 1826 2! NIÉPCE 1826 Primeira fotografia de Niépce em 1826, "rada da janela do

Leia mais

Animação. Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion

Animação. Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion Animação Animação História da Animação (Instrumentos óticos) Algumas técnicas Stop Motion O que é animar? Significa alma, sopro de vida Animar é : Dar vida Ação Movimento A história da animação vai desde

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI

HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI HOSPITAL DE CLÍNICAS DR. RADAMÉS NARDINI PROJETO REVELAÇÃO DE IMAGEM DIAGNÓSTICA DIGITALIZADA ECIMARA DOS SANTOS SILVA Email: e.santos@hospitalnardini.org.br Telefone: (11) 4547-6906 Cel. (11) 98697-6908

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Vidro comun ou vidro Float

Vidro comun ou vidro Float Vidros Vidro comun ou vidro Float O vidro comum é a composição básica do vidro, antes de receber qualquer tipo de tratamento. Ele é feito a partir da mistura de sílica (areia), potássio, alumina, sódio

Leia mais

Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata

Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata Prática 3 Impressão em Papel Salgado 29 de Setembro de 2007 Cadeira Processos de Impressão com Prata Licenciatura em Fotografia, 2º ano, 2008-2009 Departamento de Fotografia Luis Pavão Escola Superior

Leia mais

A FOTOGRAFIA E A ARTE COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE FÍSICA

A FOTOGRAFIA E A ARTE COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE FÍSICA A FOTOGRAFIA E A ARTE COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE FÍSICA Ramon Silva Dantas Bolsista PIBID, Graduando Licenciatura em Física Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro ramondantasuenf@gmail.com

Leia mais

Kit de ótica. Material. Montagem

Kit de ótica. Material. Montagem Som, Luz e Materiais Kit de ótica Um pouco de história Embora as propriedades óticas de ampliação e redução de objetos convexos e côncavos transparentes fossem conhecidas desde a Antiguidade, as lentes,

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

Astrofotografia com camera fixa

Astrofotografia com camera fixa Astrofotografia com camera fixa José Carlos Diniz - dinizfam@uninet.com.br Ao escrever sobre este tema pretendemos estimular o uso da astrofotografia, desmistificando e apresentando de forma simples e

Leia mais

Impacto da fotografia digital no fotojornalismo diário: um estudo de caso

Impacto da fotografia digital no fotojornalismo diário: um estudo de caso Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção Impacto da fotografia digital no fotojornalismo diário: um estudo de caso Ivan Luiz Giacomelli Dissertação submetida

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

A influência das. lâmpadas na gravação

A influência das. lâmpadas na gravação A influência das lâmpadas na gravação Uma boa gravação garante a qualidade da impressão e a durabilidade da matriz. Veja como as lâmpadas influenciam esse processo Por Márcio Moraes dos Santos, da Vision-Cure

Leia mais

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de A arte da guerra Biografia O grande Leonardo da Vinci, talvez o maior artista do Renascimento, era um personagem exercia atividade em várias áreas: pintor, arquiteto, cientista, matemático, poeta, músico

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO

ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO ESTRUTURA DO MICROSCÓPIO ÓPTICO Lembre-se que o microscópio utilizado em nosso laboratório possui uma entrada especial para uma câmera de vídeo. Parte Mecânica: Base ou Pé: Placa de apoio do microscópio

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

LUZ TRANSMISSÃO DA LUZ SUPERFÍCIES REFLETORAS

LUZ TRANSMISSÃO DA LUZ SUPERFÍCIES REFLETORAS LUZ É uma forma de energia eletromagnética que se propaga em linha reta a partir de uma fonte luminosa Indispensável para sensibilizar o filme e nele formar as imagens fotográficas» Fontes Naturais» Fontes

Leia mais

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza

Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Iniciação à Fotografia Prof. Gust avo L. Pozza Câm ara Escura Tipos de Câmeras A Câmera Básica Componentes comuns em todas as câmeras Visor Objetiva Plano do filme Diafragma Obturador Mecanismos de foco

Leia mais

Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura

Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura 9 o ano abril/2011 Experimento 1 Como funciona uma máquina fotográfica? Construção de uma câmera escura Já faz tempo que o ser humano tenta desenvolver objetivos para formar e armazenar imagens. Leonardo

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA. Introdução à história da fotografia.

FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA. Introdução à história da fotografia. FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA Introdução à história da fotografia. FOTOGRAFIA A história da fotografia tem diversas datas, vários inventores e muitas observações e pesquisas que propiciaram

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01

Oficina de fotografia e tratamento de imagem. Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Oficina de fotografia e tratamento de imagem Facilitadora: Camila Silva Aula: 01 Histórico da Fotografia A fotografia surgiu do desejo do homem retratar o mundo a sua volta. Desde os primórdios, com a

Leia mais

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas

FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas FOTOGRAFIA NA MONTANHA - Dicas Tirar fotos não é apenas uma ação de apontar a máquina e apertar o botão (a menos que essa seja sua intenção artística). É necessário saber o que vai retratar e como vai

Leia mais

Leis e Modelos Científicos

Leis e Modelos Científicos Leis e Modelos Científicos Pág 2 Antes de existir meios para desenvolver pesquisas em relação à Ciência, a maior parte dos seres humanos tinham a ideia de que o mundo apareceu devido a uma obra divina.

Leia mais

1ª Edição. Vivaldo Armelin Júnior

1ª Edição. Vivaldo Armelin Júnior 1ª Edição 2014 Comparando Editores de Imagem - FotoMBoé - 2014... 2 Introdução Está saindo do forno mais um e-livro grátis oferecido pelo Site FotoMBoé. Neste serão feitas comparações entre os diversos

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br

8 c o i s a s FOTOGRAFAR. Ana Flor www.anaflor.fot.br 8 c o i s a s que vocêê precisa saber para FOTOGRAFAR Ana Flor www.anaflor.fot.br Introdução Esta apostila não pretende ser um manual de como ser um ótimo fotógrafo ou como usar sua câmera. Aqui você encontrará

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

Breve história da Tabela Periódica

Breve história da Tabela Periódica Breve história da Tabela Periódica Apesar dos parcos conhecimentos de Química que cada um possa ter, com certeza que já ouviu falar da Tabela Periódica, uma disposição sistemática dos elementos químicos

Leia mais

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas

O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas O surgimento da escrita, a invenção e a evolução das artes gráficas A humanidade sempre dependeu de se comunicar para poder sobreviver melhor, transmitir os conhecimentos acumulados sempre foi algo muito

Leia mais

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL por: Danelectro Olá, amigos! Como vocês já devem ter percebido, o mundo moderno está repleto de coisas iguais. Carros, computadores, móveis, comida: tudo é fabricado

Leia mais

A FOTOGRAFIA Professor Jorge Felz Mestre em Comunicação Social

A FOTOGRAFIA Professor Jorge Felz Mestre em Comunicação Social A fotografia A FOTOGRAFIA Professor Jorge Felz Mestre em Comunicação Social A história do homem sobre a terra sempre foi marcada pelas tentativas de apreensão da realidade. Assim surgiram as primeiras

Leia mais

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA

ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA ISSN 2316-7785 ESTUDANDO A FOTOGRAFIA POR UMA ABORDAGEM ETNOMATEMÁTICA Luciane Bichet Luz UFPEL lbichet615@hotmail.com Amanda Prank UFPEL amandaprank@ymail.com RESUMO Esta pesquisa busca relacionar a Matemática

Leia mais

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes?

Escolha da Objectiva. Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? Escolha da Objectiva Quais as principais características das objectivas que servem de base para a escolha das suas lentes? As lentes, também conhecidas como objectivas, são a parte mais importante do seu

Leia mais

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico)

Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) CÂMERA FOTOGRÁFICA Foto analógica Foto digital Fotos Analógicas (Processo químico) e Digitais (Processo eletrônico) O DIAFRAGMA OBJETO DIAFRAGMA EM IRIS OBJETO IRIS RETINA ABERTURA PUPILA LENTE CRISTANILO

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito

478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito MODELOS ATÔMICOS 478 a.c. Leucipo e seu discípulo Demócrito - A matéria após sofrer várias subdivisões, chegaria a uma partícula indivisível a que chamaram de átomo. - ÁTOMO a = sem tomos = divisão - Esta

Leia mais

DESIGN DE MOEDAS ENTREVISTA COM JOÃO DE SOUZA LEITE

DESIGN DE MOEDAS ENTREVISTA COM JOÃO DE SOUZA LEITE DESIGN DE MOEDAS ENTREVISTA COM JOÃO DE SOUZA LEITE Por Sérgio Cohn Sergio Cohn: Como foram as suas experiências na criação de cédulas ao lado do Aloísio Magalhães? João de Souza Leite: Eu tive duas experiências

Leia mais

Projeto Pintando um Sonho. www.fcci.art.br

Projeto Pintando um Sonho. www.fcci.art.br Projeto Pintando um Sonho www.fcci.art.br Foz do Iguaçu, Junho de 2012 Histórico φωτός + γράφειν Fotografia: arte ou processo de reproduzir imagens sobre uma superfície fotossensível, pela ação de energia

Leia mais

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE

ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: 8º D V. DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: PROFESSOR (A): HISTÓRIA DA ARTE TEXTO COMPLEMENTAR - 1 2º trimestre TATIANE Fonte: http://www.musee-orsay.fr/fr/collections/catalogue-des-oeuvres/resultatcollection.html?no_cache=1&zoom=1&tx_damzoom_pi1%5bzoom%5d=0&tx_da mzoom_pi1%5bxmlid%5d=001089&tx_damzoom_pi1%5bback%5d=fr%2fcollec

Leia mais

Olha a cerveja geladinha!

Olha a cerveja geladinha! Olha a cerveja geladinha! Todos os dias, fazemos uma porção de pequenas coisas, sem prestar a mínima atenção à quantidade de energia e trabalho que estão por trás de tudo o que fazemos. São gestos simples,

Leia mais

Renascimento. Prof. Adriano Portela

Renascimento. Prof. Adriano Portela Renascimento Prof. Adriano Portela O que é o Renascimento? Dados Início: século 14 Local: Península Itálica Se estendeu até o século 17 por toda Europa. Artistas, escritores e pensadores exprimiam em suas

Leia mais

Foco e profundidade de campo

Foco e profundidade de campo Foco e profundidade de campo Foco Quando tiramos uma foto queremos que nosso destaque, no geral, esteja nítido e visível. O foco pode ser manual ou automático. Manualmente você gira o anel da sua lente.

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO. Artes Aluno (a): 5º ano: Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Este trabalho deverá ser entregue IMPRETERIVELMENTE no dia da prova. Prezado(a)

Leia mais

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo

7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo RELATÓRIO DE ARTES 1º Semestre/2015 Turma: 7º ano Professora: Mirna Rolim Coordenação pedagógica: Maria Aparecida de Lima Leme 7º ano - Criação e percepção - de si, do outro e do mundo Sinto que o 7º ano

Leia mais

Aula Teórica 12 Reforço e Redução da Imagem de Prata Processos de Impressão com Prata - 5 de Janeiro de 2009

Aula Teórica 12 Reforço e Redução da Imagem de Prata Processos de Impressão com Prata - 5 de Janeiro de 2009 Aula Teórica 12 Reforço e Redução da Imagem de Prata Processos de Impressão com Prata - 5 de Janeiro de 2009 Licenciatura em Fotografia, 2º ano, 2008-2009 Departamento de Fotografia Luis Pavão Escola Superior

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

FOTOGRAFIA BÁSICA PROFº MIVACYR FILHO

FOTOGRAFIA BÁSICA PROFº MIVACYR FILHO FOTOGRAFIA BÁSICA PROFº MIVACYR FILHO Fotografia: o inicio Contexto Histórico O homem sempre teve a necessidade de se expressar visualmente, de mostrar ao mundo o que seus olhos percebem a as figuras criadas

Leia mais

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens

O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens O trabalho escravo no Brasil Algumas imagens Jean Baptiste Debret nasceu em Paris, na França, em 18 de abril de 1768. Formado pela Academia de Belas Artes de Paris, Debret foi um dos membros da Missão

Leia mais