Profª Filomena Aste Silveira Médica do IG UFRJ Mestre em ginecologia - UFRJ Profª.Faculdade de Medicina de Valença

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profª Filomena Aste Silveira Médica do IG UFRJ Mestre em ginecologia - UFRJ Profª.Faculdade de Medicina de Valença"

Transcrição

1 Rastreamento para clamídia e estreptococo do grupo B: está indicado? Profª Filomena Aste Silveira Médica do IG UFRJ Mestre em ginecologia - UFRJ Profª.Faculdade de Medicina de Valença

2 Ciclo biológico clamidia BACTÉRIAS gram negativas Corpo reticular corpo elementar Variante de DST Carater ascendente

3 Clamídia Tracomatis É a DST mais comum nos EUA 5 A 15% de todas as gestantes são infectadas. O rastreio é recomendado para todas as mulheres durante a gravidez. Jovens abaixo de 25 anos, repetir no terceiro trimestre. NAAT TESTE DE AMPLIFICAÇÃO ACIDO NUCLEICO PODE SER EFETUADO NA URINA, SWAB VAGINAL E VULVAR) PCR APÓS 3 SEMANAS DE TRATAMENTO, REPETIR O TESTE. TRATAMENTO AZITROMICINA 1G DOSE ÚNICA AZITROMICINA É UM TRATAMENTO EFETIVO NIVEL DE EVIDENCIA B Screening and Treatment for Sexually Transmitted infections in Pregnancy.

4 Clamídia- intercorrências maternas Parto prematuro Endometrite pós parto No RN Conjuntivite neo natal (5 a 12 dias após parto) 30% Pneumonia por clamidia ( 1 a 3 meses de idade)

5 Será que existe uma razão para maior acometimento da adolescente? colo favorável Zona de transformação Tecido glandular Menor resistência Propício a ação de vírus e bactérias

6 NECESSIDADE DE RE-AVALIAÇÃO DOS CASOS DE CLAMIDIA e outras DST, APÓS 3 MESES DO TRATAMENTO PELA OCORRÊNCIA DE NOVAS INFECÇÕES. ( 10 A 20%, SENDO QUE 67% ASSINTOMÁTICAS) CONCLUSIONS: Men and women who receive diagnoses of C. trachomatis, N. gonorrhoeae, or T. vaginalis infections should return in 3 months for rescreening because they are at high risk for new asymptomatic sexually transmitted infections. Although single-dose therapy may adequately treat the infection, it often does not adequately treat the patient. High incidence of new sexually transmitted infections in the year following a sexually transmitted infection: a case for rescreening. Ann Intern Med Oct 17;145(8): Peterman TA & cols. Centers for Disease Control and Prevention

7 GESTANTE PREMATURIDADE CIUR,PIG ENDOMETRITE PÓS ABORTO ENDOMETRITE PÓS ABORTO ÓBITO FETAL? INFECÇÃO FETAL CONJUNTIVITE PNEUMONIA

8 INFECÇÃO VAGINAL X PARTO PREMATURO (Fisiopatologia) (endotoxinas) Enzimas BACTÉRIAS Monócitos Proteolíticas e Macrófagos Mucidase-sialidase Fosfolipídeos Ação nas membranas amnióticas e Citocinas Prostaglandinas

9 THE ROLE OF CREENING AND SYSTEMATIC TREATMENT OF VAGINAL INFECTIONS TO PREVENT PRETERM BIRTH OUT Ricardo Ney Oliveira Cobucci Revisão sistemática Objetivo do trabalho demonstrar o valor do rastreamento e o tratamento das infecções vaginais na gravidez. Bases de dados Ane Katherine GOOGLE SCHOLAR MEDLINE PUBMED SCIELO-LILACS CENTRAL COCHRANE RASTREAMENTO PCR

10 CONCLUSÃO - CLAMÍDIA Riggs e Klebanoff metanálise 16 ensaios clínicos foram incluídos na pesquisa Apenas 2 estudos avaliaram a eficácia da prevenção de parto pré termo Estudo 414 pacientes Pesquisaram rastreamento e tratamento Não houve redução da ocorrência de prematuridade Ensaio clínico 2470 gestantes, comparou tratadas com azitromicina com as tratadas com placebo. Não houve redução de partos antes de 37 semanas.

11 CONCLUSÃO Não há diminuição de partos prematuros mediante rastreio de clamidia durante a gestação. Considerando a praticidade do tratamento, diante de adolescentes que apresentem ao exame especular cervicite purulenta o tratamento empírico deverá ser considerado? DISCUSSÃO SE, PODEMOS prevenir complicações puerperais e no recém nato porque não tratar?

12 Estreptococo do grupo B É uma bactéria diplococo gram positiva B hemolítica- oportunista Coloniza trato gastrointestinal Trato genital Trato urinário Colonização transitória Colonização permanente

13 colonização materna no momento do parto Sepse neo natal Bactéria no trato genital ascende contamina o liquido amniótico feto aspira liquido contaminado pneumonia corrente sanguínea sepse nas primeiras horas de vida. Meningite - osteomielite

14 RELEVÂNCIA MÉDICO-LEGAL DA INFECÇÃO CAUSADA POR Streptococcus agalactiae EM GRÁVIDAS E RECÉM-NASCIDOS Tese de mestrado - ÂNGELA FILIPA VALÉRIO FERNANDES Colonização da da mulher mulher grávida grávida Infecção ascendente placenta e útero Pneumonia Bacteriemia e sepse Meningite e Injúria Cerebral Estágios da Infecção neo natal

15 Principal fator de risco para sepse neonatal Mães portadoras 50% dos recém nascidos apresentam colonização, destes 2% terão sepse neo natal. Prevalência 20% - 2 casos para 1000 nascidos vivos, na ausência de intervenção profilática NÃO ESTÁ IMPLEMENTADA A VIGILÂNCIA DE CASOS DE SEPSE NEONATAL NO PAÍS, NEM EXISTEM DADOS POPULACIONAIS QUE NOS PERMITAM CONFIRMAR ESTA INCIDÊNCIA Como efetuar a prevenção? Rastreio no terceiro trimestre entre a 35ª e a 37ª semana. (não é norma em muitos serviços) Não existe diferença ente as idades ÂNGELA FILIPA VALÉRIO FERNANDES Dissertação de Mestrado

16 COMO É REALIZADA A COLETA DE MATERIAL PARA RASTREIO? CULTURA DE MATERIAL VAGINO RETAL COLETADO COM SWAB NÃO É NECESSARIO COLOCAR ESPÉCULO VAGINA INFERIOR RETAL ALTURA DO ESFINCTER

17 QUANDO REALIZAR A PROFILAXIA CULTURA POSITIVA Só realizar a profilaxia NO MOMENTO DO PARTO. ( a colonização é transitória). SE O PARTO FOR CESÁREO NÃO ESTÁ INDICADA A PROFILAXIA NA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO, TRATAR OBRIGATORIAMENTE NO PERÍODO DA INTERNAÇÃO

18 FATORES DE RISCO? Relato de infante com estreptococia no parto anterior. Bacteriúria por GBS na gravidez atual Parto com idade gestacional inferior a 37 semanas Paciente com rotura das membranas igual ou maior que 18 horas Temperatura intra parto igual ou maior que 38 C. Partos anteriores à 35 semanas- efetuar a profilaxia. Cultura negativa, mesmo com fator de risco, não se recomenda profilaxia. Cesáreas eletivas ( sem trabalho de parto, sem rotura de membranas) não se recomenda profilaxia, mesmo com cultura positiva.

19 COMO EFETUAR A PROFILAXIA ANTIBIÓTICO DE ELEIÇÃO É A PENICILINA G EV- 5 milhóes de unidades. ( ataque) 2,5 milhões de 4/4 horas. PORÉM PODEMOS TER OUTRAS ALTERNATIVAS Ampicilina 2 gramas ( ataque) 1 grama de 4 4 horas Até o parto. Alergica a penicilina cefazolina 2 gramas, depois 1g de 8/8 horas ATÉ O NASCIMENTO.

20 QUESTIONAMENTOS O rastreio deverá ser efetuado em todas as mulheres entre a 35ª e a 37ª semanas de gestação.? Efetuar profilaxia se a cultura for positiva e/ ou se houver Fatores de risco? É uma recomendação, porém.. Pela dificuldade na realização da cultura específica, para estreptococo, em muitos serviços apenas os fatores de risco são considerados para a profilaxia. É necessário discussão trans-disciplinar que inclua obstetras, neonatologistas, patologistas clínicos e gerentes de saúde No ano passado, tivemos 2 mortes por sepse neonatal, atribuida a estreptococia. No nosso serviço há rastreio.

21 Na atualidade Não podemos ser ignorantes Temos que conhecer para melhor tratar as nossas pacientes. A IMPLEMENTAÇÃO DA PROFILAXIA POR FATORES DE RISCO É UM PASSO NECESSÁRIO. ESTAMOS AINDA NO PRIMEIRO TEMPO DESSE JOGO, PORÉM, ENTENDEMOS QUE A BOLA ESTÁ NOS PÉS DOS OBSTETRAS.

22 1 - Comparison of culture and 2 real-time polymerase chain reaction assays to detect group B Streptococcus during antepartum screening Jennifer S. Goodricha, Melissa B. Miller a,b a Department of Pathology and Laboratory Medicine, University of North Carolina Hospitals, Chapel Hill, NC 27599, USA b Department of Pathology and Laboratory Medicine, University of North Carolina School of Medicine, Campus Box 7525, Chapel Hill, NC 27599, USA Received 12 February 2007; accepted 26 March Maternal anxiety about prenatal screening for group B streptococcus disease and impact of positive colonization results P.J. Cheng *, S.W. Shaw, P.Y. Lin, S.Y. Huang, Y.K. Soong Department of Obstetrics and Gynecology, Chang Gung Memorial Hospital, Taipei, Taiwan, ROC Received 28 February 2005; received in revised form 21 November 2005; accepted 29 December Bilan bacte riologique de six ans de de pistage du streptocoque de groupe B (SGB) au cours du dernier trimestre de la grossesse Evaluation of 6 years of group B streptococcus (GBS) screening in near-term pregnant women P. Honderlick *, J. Gravisse, P. Cahen, D. Vignon Service de microbiologie, hoˆpital Foch, 40, rue Worth, Suresnes, France 4 - Prevalência de infecção por HIV, HTLV, VHB e de sífilis e clamídia em gestantes numa unidade de saúde terciária na Amazônia ocidental brasileira Prevalence of infection for HIV, HTLV, HBV and of syphilis and chlamydia in pregnant women in a tertiary health unit in the western Brazilian Amazon region 5 - Prevalência da infecção por clamídia e gonococo em gestantes de seis cidades brasileiras Prevalence of Chlamydia and Neisseria gonorrhoeae infections in pregnant women in six Brazilian cities 6 - Infecção por Chlamydia trachomatise Neisseria gonorrhoeae em mulheres atendidas em serviço de planejamento familiar Chlamydia trachomatis and Neisseria gonorrhoeae among women in a family planning clinic 7 - The Changing Face of Early-onset Neonatal Sepsis After the Implementation of a Maternal Group B Streptococcus Screening and Intrapartum Prophylaxis PolicydA Study in One Medical Center Chia-Ying Lin a, Chyong-Hsin Hsu a, *, Fu-Yuan Huang b, Jui-Hsing Chang a,han-yang Hung a, Hsin-An Kao a, Chun-Chih Peng a, Wai- Tim Jim a, Hsin Chi b, Nan-Chang Chiu b, Tung-Yao Chang c,d, Chen-Yu Chen c, Chie-Pein Chen c Received Jan 19, 2009; received in revised form Jun 7, 2010; accepted Jun 14, Evaluation of CHROMagar StrepB agar, an aerobic chromogenic medium for prepartum vaginal/rectal Group B Streptococcus screening Didier-Marc Poisson a, Marie-Liesse Evrard b, Claire Freneaux a, Marie-isabelle Vivès b, Louis Mesnard b

23 9 - Évaluation du nouveau milieu chromogène StrepB Select TM pour le dépistage anténatal des streptocoques du groupe B chez la femme enceinte Evaluation of the new chromogenic medium StrepB Select TM for screening of group B Streptococcus in pregnant women A. Tazi a,b,c, A. Doloy a,b,c, H. Réglier-Poupet a,b,c, M.-E. Hemet b, J. Raymond a,b, C. Poyart a,b,c,* 10 - Intrauterine fetal death at term resulting from a sudden deceleration road traffic accident M. Hamza, J. Hollingworth, A. El-Ammas. Obstetrics and Gynaecology departmen, Queens Hospital, Burton-on-Trent, UK 11 - Isolation and screening of fungal species isolated from Brazilian cerrado soil for antibacterial activity against Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Salmonella typhimurium, Streptococcus pyogenes and Listeria monocytogenes Identification de quelques espèces fongiques isolées du sol du cerrado brésilien et criblage de leur activité antibactérienne contre Escherichia coli, Staphylococcus aureus, Salmonella typhimurium, Streptococcus pyogenes et Listeria monocytogenes J.A. Takahashi a, *, M.C. Monteiro de Castro a, G.G. Souza a, E.M.F. Lucas a, A.A.P. Bracarense a, L.M. Abreu a, I.E. Marriel b, M.S. Oliveira a, M.B. Floreano a, T.S. Oliveira a 12 - O papel do rastreamento e tratamento sistemático das infecções vaginais na prevenção do parto pré-termo Ricardo Ney Oliveira Cobucci 1, Maria da Conceição de Mesquita Cornetta 2, Ana Katherine da Silveira Gonçalves Chlamydia screening in at-risk adolescent females: An evaluation of screening practices and modifiable screening correlates Jennifer B. McClure, Ph.D. a,*, Delia Scholes, Ph.D.a, Lou Grothaus, M.S. a, Paul Fishman, Ph.D. a, Robert Reid, M.D., Ph.D. a,b, Jeffrey Lindenbaum, M.D. c, and Robert S. Thompson, M.D.a,b 14 - Assessing the impact of state insurance policies on Chlamydia screening: A panel data analysis Kwame Owusu-Edusei Jr., Thomas L. Gift 15 - A German Chlamydia trachomatis screening program employing semi-automated real-time PCR: results and perspectives B ohm a, *, A. Gr oning a, B. Sommer a, H.-W. M uller a, M. Krawczak b, R. Glaubitz c 16 - Systematic Screening for Chlamydia trachomatis: Estimating Cost-Effectiveness Using Dynamic Modeling and Dutch Data Robin de Vries, MSc, 1 Jan E.A.M. van Bergen, MD, 2 Lolkje T.W. de Jong-van den Berg, PhD, PharmD, 1 Maarten J. Postma, PhD, 1 for the PILOT-CT Study Group * 17 - The Chlamydia Cascade: Enhanced STD Prevention Strategies for Adolescents Catherine Chiaradonna, MS, ARNP, ANP 18 - Modelling the impact of opportunistic screening on the sequelae and public healthcare costs of infection with Chlamydia trachomatis in Australian women B. Ward a,*, A.J. Rodger b, T.J. Jackson a

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS)

Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus agalactiae (Estreptococo Grupo B ou GBS) Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Áreas Técnicas da Saúde da Mulher e da Criança e Assistência Laboratorial Nota Técnica: Prevenção da infecção neonatal pelo Streptococcus

Leia mais

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP

Profilaxia intraparto para EGB. Importância para o RN. Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Profilaxia intraparto para EGB Importância para o RN Abordagem do RN com Risco de Infecção ovular e colonizado por Streptococcus do grupo B Profª Drª Roseli Calil Hospital da Mulher - CAISM/UNICAMP Infecção

Leia mais

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV.

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. A A Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. 2 A A Habilidades: Conhecer algumas doenças sexualmente transmissíveis, analisando suas causas e consequências. 3 A A DST s Clamídia

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " INSTITUI O ESTÍMULO À REALIZAÇÃO DO 'EXAME DO COTONETE' (EXAME DE CULTURA DE STREPTOCOCCUS B"), EM TODAS AS GESTANTES QUE REALIZAM O PRÉ-NATAL NOS HOSPITAIS E MATERNIDADES

Leia mais

Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA?

Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA? Conjuntivite neonatal. Que PROFILAXIA? Inês Serras, Flora Candeias, Maria João Brito Unidade de Infeciologia Pediátrica, Assistente Hospitalar, Hospital Dona Estefânia, CHLC, Lisboa 12º Encontro de Infeciologia

Leia mais

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR DST Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões clínicas

Leia mais

COMO RASTREAR E TRATAR CHLAMYDIA E VAGINOSE BACTERIANA NA GESTAÇÃO. Lívia Custódio Pereira Ambulatório de PTGI/ DST/Patologia vulvar HUB- UNB

COMO RASTREAR E TRATAR CHLAMYDIA E VAGINOSE BACTERIANA NA GESTAÇÃO. Lívia Custódio Pereira Ambulatório de PTGI/ DST/Patologia vulvar HUB- UNB COMO RASTREAR E TRATAR CHLAMYDIA E VAGINOSE BACTERIANA NA GESTAÇÃO Lívia Custódio Pereira Ambulatório de PTGI/ DST/Patologia vulvar HUB- UNB CHLAMYDIA Gram negativa intracelular obrigatória infecção crônica

Leia mais

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE TOCO-GINECOLOGIA COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES Ana Katherine

Leia mais

EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO

EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO INFECÇÕES DO TRATO REPRODUTIVO INFECÇÕES ENDÓGENAS INFECÇÕES DE TRANSMISSÃO SEXUAL (DST) INFECÇÕES IATROGÊNICAS Estimativa de casos novos de DST curáveis*, 2000 -

Leia mais

Capacitação dos laboratórios para a pesquisa adequada da colonização pelo estreptococo β-hemolítico-grupo B em Jundiaí e região

Capacitação dos laboratórios para a pesquisa adequada da colonização pelo estreptococo β-hemolítico-grupo B em Jundiaí e região Capacitação dos laboratórios para a pesquisa adequada da colonização pelo estreptococo β-hemolítico-grupo B em Jundiaí e região Laboratory ability for the research of group B streptococcus in Jundiaí-Brazil

Leia mais

Resumo A infecção pelo estreptococo β-hemolítico do grupo B (EGB) ou Streptococcus

Resumo A infecção pelo estreptococo β-hemolítico do grupo B (EGB) ou Streptococcus Revisão Prevenção da doença perinatal pelo estreptococo do grupo B: atualização baseada em algoritmos Prevention of perinatal group B streptococcal disease: algorithm-based update Tadeu Coutinho 1 Conrado

Leia mais

Palavras-chave: Streptococcus agalactiae. Infecção neonatal. Gestantes.

Palavras-chave: Streptococcus agalactiae. Infecção neonatal. Gestantes. Streptococcus agalactiae em gestantes: incidência em laboratório clínico de Juiz de Fora (MG) - 2007 a 2009 André Netto Bastos * Ricardo Villela Bastos * Vanessa Cordeiro Dias ** Lucas Quinet de Andrade

Leia mais

Rastreamento e profilaxia da infecção neonatal pelo Estreptococo do Grupo B

Rastreamento e profilaxia da infecção neonatal pelo Estreptococo do Grupo B Rastreamento e profilaxia da infecção neonatal pelo Estreptococo do Grupo B Screening and pophylaxia of Group B Streptococcus neonatal infection ATUALIZAÇÃO Resumo O Estreptococo do Grupo B é relevante

Leia mais

PREVENÇÃO DA DOENÇA PERINATAL PELO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B

PREVENÇÃO DA DOENÇA PERINATAL PELO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B PREVENÇÃO DA DOENÇA PERINATAL PELO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B Helenilce de Paula Fiod Costa Membro do Departamento de Neonatologia da SBP e da SPSP. Mestre em Pediatria pela UNIFESP. Atualizado em 25/11/2011

Leia mais

INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA

INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA INFECÇÕES EM NEONATOLOGIA V Congresso Norte Nordeste de Infectologia Fortaleza-Ceará Dezembro-2014 Gláucia Ferreira INTRODUÇÃO o As Infecções relacionadas à asssistência à saúde em neonatologia afetam

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Gestantes, porque é possível aguardar o parto?

Gestantes, porque é possível aguardar o parto? Gestantes, porque é possível aguardar o parto? Profª Filomena Aste Silveira Qualificada em patologia cervical Colaboradora das novas diretrizes - Responsável pelo capítulo de baixo grau Doutorado - UFRJ

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

Infecção na gravidez. 1 Introdução. 2 Infecção por HIV CAPÍTULO 19

Infecção na gravidez. 1 Introdução. 2 Infecção por HIV CAPÍTULO 19 CAPÍTULO 19 Infecção na gravidez 1 Introdução 2 Infecção por HIV 3 Sífilis 4 Gonorréia 5 Chlamydia trachomatis 6 Vaginose bacteriana 7 Herpes simples 8 Bacteriúria 9 Pielonefrite 10 Rubéola 11 Toxoplasmose

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL

CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL CAPÍTULO 1: COMPREENDENDO OS DETERMINANTES DA SAÚDE PERINATAL E NEONATAL DEFINIÇÕES E INDICADORES: Serão usadas as seguintes definições neste curso: PERÍODO PERINATAL Compreende o período após 28 semanas

Leia mais

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE Dra Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Área Técnica da Saúde da Criança e Adolescente CODEPPS SMS DE São Paulo SEPSE NEONATAL PRECOCE DE ORIGEM BACTERIANA

Leia mais

Estreptococo β Hemolítico do Grupo B Protocolo de Rastreio e Prevenção de Doença Perinatal

Estreptococo β Hemolítico do Grupo B Protocolo de Rastreio e Prevenção de Doença Perinatal Estreptococo β Hemolítico do Grupo B Protocolo de Rastreio e Prevenção de Doença Perinatal Alexandra Almeida, João Agro, Lourdes Ferreira Introdução O Streptococcus β hemolítico do grupo B (SGB) é um diplococo

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

Prevention of early-onset group B Streptoccocal disease in newborns in the 21st century: from past to future

Prevention of early-onset group B Streptoccocal disease in newborns in the 21st century: from past to future Review Article/Artigo de Revisão Prevention of early-onset group B Streptoccocal disease in newborns in the 21st century: from past to future Prevenção da doença neonatal precoce por Streptococcus do grupo

Leia mais

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes Brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero CERVICOLP 2011 - XXII CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM PTGI E COLPOSCOPIA 29/9 a 01/10/2011 Fábio Russomano Possíveis conflitos

Leia mais

Infecção Urinária e Gestação

Infecção Urinária e Gestação I ENCONTRO DA REDE MÃE PARANAENSE Infecção Urinária e Gestação Marcos Takimura UFPR/UniPositivo/HT-SESA Modificações Fisiológicas do Aparelho Urinário na Gestação Compressão mecânica do útero gravídico

Leia mais

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g

Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g Taxa de mortalidade neonatal RN < 1500g V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EFT-04 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Enfermagem Obstétrica e Neonatal Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: SAU57 Carga Horária: 100h (Teoria:

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 63 Departamentos Científicos SPSP - gestão 2010-2013 Janeiro 2013 Doença perinatal pelo estreptococo do grupo B Departamento de Adolescência Consulta do adolescente

Leia mais

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Texto de revisão Introdução Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Infecção Genital por Clamídia Baseado em artigo original do New England Journal of Medicine 2003; 349: 2424-30 Jeffrey

Leia mais

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS

RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS RASTREIO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Maria José de Camargo IFF / FIOCRUZ CERVIX www.cervixcolposcopia.com.br Gestantes Pós-menopausa Histerectomizadas Imunossuprimidas Adolescentes Mulheres sem história de

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA BOM DESPACHO 2011 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

Resumo Embora a cultura reto-vaginal para estreptococo do grupo B (EGB), ou

Resumo Embora a cultura reto-vaginal para estreptococo do grupo B (EGB), ou Revisão Solicitar ou não cultura para estreptococo do grupo B no final da gestação? Request or not culture for Group B streptococcal in the end of pregnancy? Vanessa Maria Menezes de Oliveira 1 Olímpio

Leia mais

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia.

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia. Pesquisa da Chlamydia Trachomatis através da reação em cadeia da polimerase após realização de sorologia (enzimaimunoensaio e imunofluorescência indireta) em pacientes inférteis Autores: Fabiana Carmo

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Informações gerais sobre Sífilis Congênita e o impacto das intervenções

Informações gerais sobre Sífilis Congênita e o impacto das intervenções Version 1.1 September 2013 Informações gerais sobre Sífilis Congênita e o impacto das intervenções Este documento apresenta uma visão geral sobre a doença, sua epidemiologia e intervenções específicas

Leia mais

Manejo da sífilis na gestante

Manejo da sífilis na gestante Manejo da sífilis na gestante Conduta após identificação de gestante ou puérpera com sífilis Tratamento imediato e adequado à fase clínica Tratar parceiro Realizar seguimento sorológico Pesquisar outras

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

Doenças Sexualmente transmissíveis - DST

Doenças Sexualmente transmissíveis - DST Doenças Sexualmente transmissíveis - DST Bacteriologia Médica Carina Scolari Gosch Neisséria O gênero Neisséria é formado por bactérias diplococos g(-) Neisséria gonorrheaea Contato: Perda da resistência

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 SÍFILIS NA GESTAÇÃO: UMA ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA A PARTIR DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE AGRAVOS DE NOTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Fabiana Luize Kopper 1 Cláudia Ross 2 INTRODUÇÃO A sífilis na gestação

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

PREVENÇÃO DA DOENÇA PERINATAL PELO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B

PREVENÇÃO DA DOENÇA PERINATAL PELO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B PREVENÇÃO DA DOENÇA PERINATAL PELO ESTREPTOCOCO DO GRUPO B HELENILCE DE PAULA FIOD COSTA Membro do Departamento de Neonatologia da SBP e SPSP ( Sociedade de Pediatria de S. Paulo). Mestre em Pediatria

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura)

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) CAPÍTULO 23 Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) 1 Introdução 2 Diagnóstico 2.1 Ruptura das membranas 2.2 Exame vaginal 2.3 Avaliação do risco de infecção 2.4 Avaliação

Leia mais

PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE

PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE REDUZINDO A PREMATURIDADE MARCELO ZUGAIB Clínica Obstétrica Hospital das Clínicas SP PREVENÇÃO PRIMÁRIA DA PREMATURIDADE NA PRECONCEPÇÃO E NO PRÉ-NATAL IDENTIFICAR OS FATORES DE RISCO REALIZAR INTERVENÇÕES

Leia mais

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO

HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização no Serviço Público e seus reflexos na Mortalidade Infantil Dra. Miriam Ribeiro de Faria Silveira Maternidade Escola V. Nova Cachoeirinha HUMANIZANDO OS INDICADORES DE SÃO PAULO A Humanização

Leia mais

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento

Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor. Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Clique para editar local e data Organização da atenção ao pré-natal, parto e nascimento Rio de Janeiro, 06 de julho de 2015 A importância

Leia mais

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde

GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL. Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde GESTANTE HIV* ACOMPANHAMENTO PRÉ-NATAL Profª.Marília da Glória Martins Recomendações do Ministério da Saúde Abordagem inicial a Os serviços que hoje são considerados porta de entrada para o diagnóstico

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Acta Pediatr Port 2010;41(1):16-21. Recebido: 21.05.2007 Aceite: 07.01.2010

ARTIGO ORIGINAL. Acta Pediatr Port 2010;41(1):16-21. Recebido: 21.05.2007 Aceite: 07.01.2010 0873-9781/10/41-1/16 Acta Pediátrica Portuguesa Sociedade Portuguesa de Pediatria ARTIGO ORIGINAL Infecção perinatal por Streptococcus agalactiae pode ser evitada: Prevalência da colonização em parturientes

Leia mais

Gonorreia: atualização das recomendações terapêuticas. Dr. Antonio Gerbase, Consultor HIV/AIDS/STI

Gonorreia: atualização das recomendações terapêuticas. Dr. Antonio Gerbase, Consultor HIV/AIDS/STI Gonorreia: atualização das recomendações terapêuticas Dr. Antonio Gerbase, Consultor HIV/AIDS/STI Brasilia, Abril 2014 Contexto Trabalho como consultor a pedido do Departamento de DST/AIDS e Hepatites

Leia mais

Campanha anti-tabágicatabágica

Campanha anti-tabágicatabágica Prevenção do Parto Pré-termo Curso da Ordem dos Médicos Parto pré-termo Maternidade Bissaya Barreto Teresa Vicente Coimbra 2010 Prevenção do Parto Pré-termo Intervenções para diminuir a morbilidade e mortalidade

Leia mais

Atualização das Diretrizes para o rastreamento do câncer do colo do útero

Atualização das Diretrizes para o rastreamento do câncer do colo do útero Atualização das Diretrizes para o rastreamento do câncer do colo do útero Fábio Russomano Possíveis conflitos de interesses: Responsável por serviço público de Patologia Cervical (IFF/Fiocruz) Colaborador

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP

PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS. Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP PROTOCOLO GESTANTE COM SÍFILIS Carmen Silvia Bruniera Domingues Vigilância Epidemiológica Programa Estadual DST/Aids - SP O que fazer antes do bebê chegar? Os caminhos do pré-natal... (fase I estamos grávidos

Leia mais

Do nascimento até 28 dias de vida.

Do nascimento até 28 dias de vida. Do nascimento até 28 dias de vida. CONDIÇÕES MATERNAS Idade : Menor de 16 anos, maior de 40. Fatores Sociais: Pobreza,Tabagismo, Abuso de drogas, Alcoolismo. Má nutrição História Clínica: Diabetes materna,

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso. IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE ESTREPTOCOCOS DO Trabalho de Conclusão de Curso

Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso. IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE ESTREPTOCOCOS DO Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Biomedicina Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Biomedicina

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

Cartilha. Gravidez Mais Segura

Cartilha. Gravidez Mais Segura Cartilha Gravidez Mais Segura Cuidados, alertas e um universo de segurança durante o período gestacional. Pré-natal: o primeiro passo O pré-natal é uma das formas mais seguras de garantir uma gestação

Leia mais

Ganho de Peso na Gestação

Ganho de Peso na Gestação Ganho de Peso na Gestação Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO Diante da epidemia

Leia mais

Rotinas do Pré-Natal

Rotinas do Pré-Natal Rotinas do Pré-Natal Caso Clínico: Paciente de 28 anos, G2P0A1, com gravidez de 7 semanas, comparece à consulta de pré-natal. Queixa-se apenas de náuseas e vômitos ocasionais. Nega fatores relevantes na

Leia mais

Dr. João Marcelo Guedes

Dr. João Marcelo Guedes Dr. João Marcelo Guedes Pós-Datismo IG > 40 semanas Pós-Datismo Gestação Prolongada IG > 42 semanas Insuficiência Adrenocortical Teoria Síndrome Pós-Maturidade [ Ballantynes ] Panículo adiposo escasso

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL

DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL Like A saúde da mãe e o desenvolvimento do bebé podem ser seguidos passo a passo, graças a um conjunto de exames clínicos que permitem manter a gravidez sob controlo. Além disso,

Leia mais

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO ÓBITOS POR SARG POR INFLUENZA SAZONAL E H1N1, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO BRASIL, 2009 ÓBITOS POR SARG PELA NOVA INFLUENZA, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO

Leia mais

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN

ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS INFECÇÕES NO RN MAGNÓLIA CARVALHO ANTIBIÓTICOS EM SITUAÇÕES ESPECIAIS ARTRITE CELULITE DIARRÉIA IMPETIGO ITU MENINGITE OTITE ONFALITE OSTEOMIELITE OFTALMIA PNEUMONIA

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares. Indução

Leia mais

I NORMA 1. Na vigilância da gravidez de baixo risco devem ser realizados, ou estar documentados, os seguintes exames laboratoriais:

I NORMA 1. Na vigilância da gravidez de baixo risco devem ser realizados, ou estar documentados, os seguintes exames laboratoriais: EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 30 DE NOVEMBRO DE 2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Exames laboratoriais na Gravidez de Baixo Risco Análises; Exames laboratoriais; Gravidez; Vigilância

Leia mais

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes

Caso clínico nº 1. M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes CASOS CLÍNICOS Caso clínico nº 1 M.C.P.C., sexo feminino 4 anos de idade Antecedentes pessoais: Irrelevantes Trazida a consulta de Pediatria por - corrimento vaginal recorrente desde há 3 meses e prurido

Leia mais

Departamento de Ginecologia e Obstetrícia

Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Departamento de Ginecologia e Obstetrícia Córioamniorrexe prematura Córioamniorexe prematura Amniorrexe prematura Rotura Prematura Membranas antecede início trabalho parto IG 37 semanas RPM termo IG

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente:

Estatuto da Criança e do Adolescente: PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO VERTICAL HIV e alimentação infantil Estatuto da Criança e do Adolescente: Livro I Parte Geral Título I Das disposições preliminares Art. 4º - é dever da família, da comunidade,

Leia mais

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a),

Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX. Prezado (a) Senhor ( a), Ofício XXXXXX n 23/ 2012. Salvador, 05 de janeiro de 2012. Ilmo. (a). Sr. (a) Secretário (a) Municipal de Saúde de XXXXXX Prezado (a) Senhor ( a), Cumpre-nos informar que os óbitos infantis de residência

Leia mais

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas

Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo. Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-Termo Elsa Paulino Hospital dos Lusíadas Leite de mãe CMV positivo Como atuar 1. Aspectos gerais 2. Excreção no leite 3. Infecciosidade 4. Infecção sintomática 5. Processos

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

Sífilis Congênita. Aconselhamento e Manejo Básico B Sexualmente Transmissíveis

Sífilis Congênita. Aconselhamento e Manejo Básico B Sexualmente Transmissíveis Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Sífilis Congênita Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424 SÍFILIS CONGÊNITA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:: Sem

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 005 Prematuridade Última revisão: 26/11/2013 Estabelecido em: 22/07/2010 Responsáveis / Unidade Frederico José A. Péret Médico MOV Validadores Comissão de Protocolos

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MARCADORES

Leia mais

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012 Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Mauro Romero Leal Passos Professor Associado Chefe do Setor de DST - UFF Vice-Presidente da SGORJ

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DA DETERMINAÇÃO DA GRAVIDEZ ECTÓPICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DA DETERMINAÇÃO DA GRAVIDEZ ECTÓPICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA DOENÇA INFLAMATÓRIA PÉLVICA DA DETERMINAÇÃO DA GRAVIDEZ ECTÓPICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.10, n. 1, p. 41 30, 2014 31 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis RESUMO MOURA, P. H.

Leia mais

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.

Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov. Diagnóstico Tardio do HIV em Crianças e Adolescentes Nascidas de mães Portadoras do HIV" Programa Estadual de DST/AIDS-SP www.crt.saude.sp.gov.br Casos notificados de AIDS, Brasil e São Paulo - 1980 a

Leia mais

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria HPV Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais G u i a d e P ediatria Você tenta fazer tudo que é possível para proteger sua filha, para garantir que tudo dê certo hoje e amanhã. Ela confia em você. Essa

Leia mais

Aspectos de Vida e Saúde de Gestantes HIV Positivas: Estudo de Casos em Hospital no Rio de Janeiro

Aspectos de Vida e Saúde de Gestantes HIV Positivas: Estudo de Casos em Hospital no Rio de Janeiro ATUALIZAÇÃO Aspectos de Vida e Saúde de Gestantes HIV Positivas: Estudo de Casos em Hospital no Rio de Janeiro Lifestyle and Health of HIV Positive Pregnant Women: Case Study in a Rio de Janeiro Hospital

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS 2013 SMS-RJ/SUBPAV/SAP boletim.indd 1 07/11/2013 12:51:59 boletim.indd 2 07/11/2013 12:51:59 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA AIDS NO MUNICÍPIO DO RIO

Leia mais

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR

TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR TROCANDO IDEIAS XIX HERPES NA GESTAÇÃO COMO CONDUZIR Profª Filomena Aste Silveira HERPES GENITAL (origem grega significa alastrar-se) DNA virus - Alfaherpes viridae Dupla hélice PERÍODO de incubação 7

Leia mais

Índice de transmissão vertical do HIV no município de Patos de Minas-MG

Índice de transmissão vertical do HIV no município de Patos de Minas-MG Índice de transmissão vertical do HIV no município de Patos de Minas-MG Rate of vertical transmission of HIV in the city of Patos de Minas-MG Laís Alves Silva Aluno do 8º período de Graduação em Enfermagem,

Leia mais