Um guia para principiantes acerca de Energia e Potência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um guia para principiantes acerca de Energia e Potência"

Transcrição

1 Um guia para principiantes acerca de Energia e Potência Artigo entregue por N Packer, Universidade de Staffordshire, RU, Fevereiro 2011 Energia A Energia é a capacidade de realizar o trabalho. Como acontece, de forma frequente, a unidades energéticas são denominadas em honra de um estudioso cuja contribuição para uma área particular, se torna indispensável para a sua compreensão. A unidade de energia, reconhecida internacionalmente (fora dos EUA), Joule. Físico & fabricante de cerveja James Joule ( ) passou a sua carreira (35 anos) a examinar diversas formas de conversão de energia com um grau bastante mais elevado de precisão do que os investigadores desta área tinham até à data. Ele estudou muitos casos de conversão de energia mecânica em calor ou energia térmica. Ele encontrou equivalência entre o consumo de uma determinada quantidade de trabalho e o calor daí resultante. Este trabalho confirmou o princípio de conservação de energia exacta quando a fricção e a resistência do ar são tidas em conta. 1 Joule não é propriamente uma quantidade de energia e por isso uma outra unidade, o Quilowatt-hora (abreviado para kwh) é mais comum. A conversão é 1 kwh = 3,6 milhões de Joules (abreviado para 3,6MJ). Em termos de tempo contínuo de operação 1kWh de energia irá, por exemplo, oferecer: 2 dias de utilização de pequenas lâmpadas fluorescentes compactas 10 horas de utilização da televisão 5 horas de uso do computador 70 minutos de utilização do micro-ondas 60 minutos de utilização do cortador de relva 4 minutos de utilização de caldeira ao máximo 100 segundos de utilização de um pequeno carro em potência máxima

2 Pode constatar que o kwh por si só não é particularmente uma quantidade de energia muito grande e o termo Megawatt-hora (abreviado para MWh) exemplo 1000kWh, também é usada. Comparação de combustíveis Ao longo da história adquirimos, maioritariamente, a nossa energia do consumo de combustível fóssil, por isso, comparar fontes de combustíveis em termos de quantidade de energia que contém por unidade adquirida será bastante instrutivo. Algumas orientações (utilizando valores de média) são dadas abaixo. 1 kg de antracite (4% de conteúdo de mistura) = 36MJ = 10kWh 1 kg de carvão (5-10% de conteúdo de mistura) = 37MJ = 10,3kWh 1m 3 de gás natural = 39MJ = 10,8kWh 1 litro de gasolina = 34MJ = 9,4kWh 1 litro de gasóleo = 40MJ = 11,1kWh 1 litro de gás = 41MJ = 11,4kWh 1 litro petróleo = 44MJ = 12,2kWh (Os valores acima referidos são baseados em Valores Caloríficos em Grosso, exemplo parte do princípio de que a água formada e libertada durante a combustão, se encontra na forma líquida) Para comparação, 1 kg de combustível renovável tal como a madeira da biomassa contém normalmente 4,2kWh. O preço do montante de energia é um conceito interessante. Por exemplo um litro de combustíveis a gasóleo contém, aproximadamente 18% mais energia do que 1 litro de gasolina e mesmo assim o seu preço nas bombas de abastecimento é um pouco mais elevado do que a gasolina.

3 Potência A potência é o ritmo a que o trabalho é feito. Mais uma vez, as unidades de potência são nomeadas em honra do estudioso cuja contribuição numa área específica é indispensável para a sua contribuição. A unidade de energia reconhecida internacionalmente (não dos EUA) é o Watt. O engenheiro e inventor escocês James Watt ( ) foi empregado pela Universidade de Glasgow para reparar o modelo do motor a vapor mais avançado da altura, o motor Newcomen. Watt concebeu uma série de melhoramentos térmicos e mecânicos que ajudaram a aumentar a eficácia do aparelho em 300% permitindo que fosse adoptado a nível mundial sempre que fosse necessário recorrer à potência mecânica. Um Watt corresponde a um consumo de 1 Joule por segundo. O valor de rácio de potência é comummente referido ao consumo de energia e os aparelhos que geram energia e diz-nos algo sobre a rapidez a que é consumida ou produzida a energia. 1 Watt não é uma quantidade de potência propriamente grande e por isso, uma unidade múltipla, o quilowatt (abreviado para kw) por exemplo, é comummente utilizada. Para propósitos de ilustração o rácio de potência de alguns aparelhos é apresentado em baixo: Computadores pessoais: W Forno Micro-ondas: W Cortadores de relva: 1-1,7kW 20m 2 de fotovoltaicos mono-cristalinos: 2,5kW máximo Uma caldeira doméstica a peletes de biomassa: 15kW Uma turbina de vento de 50m de diâmetro de eixo horizontal: 500kW máximo Turbinas de vapor: até 600MW Turbinas de gás. Até 100MW

4 Relação energia-potência A energia e a potência estão forçosamente interligadas. A aplicação de potência durante um determinado período de tempo irá resultar em ou necessitar energia. Matematicamente a ligação é simples se se recordar de usar as unidades corretamente (kwh, kw e horas). A ligação é: Energia (kwh) = Potência (kw) x Tempo (horas) Exemplos 1. Um aquecedor elétrico de 1kW ligado durante: 1 h irá consumir 1x1= 1kWh 30 minutos irá consumir 1x (30/60) =1/2 kwh 2. Uma lâmpada fluorescente compacta de 20Watts ligada durante 8 horas irá consumir (20/1000)x8 = 0,16kWh Palavras finais Potência (medida em quilowatts) e energia (medida em quilowatt-hora ou Joules) não são idênticas, nem podem ser trocadas entre si. Contudo a sua conversão é relativamente simples com um pouco de prática. Se quiser saber mais, consulte os links mencionados abaixo.

5 Neil Packer é um engenheiro diplomado e conferencista sénior na Faculdade de Computação, Engenharia e Tecnologia, da Universidade de Staffordshire, RU. Ele tem estado a lecionar engenharia termo-fluída e ambiental durante quase 20 anos e trabalha também como um Consultor de Baixo Carbono providenciando um vasto leque de serviços energéticos a empresas, industrias autoridades locais. Detalhes de contacto: Faculdade de Computação, Engenharia e Tecnologia Universidade de Staffordshire Beaconside, Stafoord, ST18 OAD Telf Esta informação foi apresentada como parte do Projeto de Sistemas de Transferência de Energias Renováveis (RETS) financiado pelo INTERREG IVC através do Fundo de Desenvolvimento Regional. O tempo ação do projeto é de Janeiro de 2010 até Dezembro Para mais informações e para participar na nossa comunidade on-line, visite:

Artigo apresentado por N Packer, Universidade de Staffordshire, RU, Junho de 2011

Artigo apresentado por N Packer, Universidade de Staffordshire, RU, Junho de 2011 Anatomia de um sistema Hidroelétrico de pequena escala Artigo apresentado por N Packer, Universidade de Staffordshire, RU, Junho de 2011 Aspetos gerais A energia solar evapora a água dos mares produzindo

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha

Soluções Biomassa. Recuperadores de calor ventilados a lenha. Recuperadores de calor ventilados a pellets. Recuperadores de calor a água a lenha Soluções Biomassa Recuperadores de calor ventilados a lenha Recuperadores de calor ventilados a pellets Recuperadores de calor a água a lenha Recuperadores de calor a água a pellets Salamandras ventiladas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Conservação de Energia

Conservação de Energia Conservação de Energia Sistemas físicos O que é um sistema físico? Um sistema físico é uma porção do universo que escolhemos para analisar e estudar. Sistema Fronteira Sistema Exterior Um sistema físico

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA: TENSÃO, CORRENTE E POTÊNCIA

CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA: TENSÃO, CORRENTE E POTÊNCIA CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA: TENSÃO, CORRENTE E POTÊNCIA Também chamada de diferença de potencial (d.d.p.) ou voltagem, está relacionada ao trabalho elétrico gasto para trazer uma determinada

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Potência elétrica e consumo de energia

Potência elétrica e consumo de energia Potência elétrica e consumo de energia Um aparelho, submetido a uma diferença de potencial, tensão, percorrido por uma corrente elétrica desenvolve uma potência elétrica dada pelo produto entre a tensão

Leia mais

- O movimento ordenado de elétrons em condutores

- O movimento ordenado de elétrons em condutores MATÉRIA: Eletrotécnica MOURA LACERDA CORRENTE ELÉTRICA: - O movimento ordenado de elétrons em condutores Os aparelhos eletro-eletrônicos que se encontram nas residências precisam de energia elétrica para

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo A Energia e suas Fontes Fontes de Energia Renováveis Fontes de Energia Não-Renováveis Conclusões Energia: Capacidade de realizar trabalho Primeira Lei da Termodinâmica: No

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos

Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Módulo I Segunda Lei da Termodinâmica e Ciclos Limites da Primeira Lei No estudo da termodinâmica básica vimos que a energia deve ser conservar e que a Primeira Lei enuncia essa conservação. Porém, o cumprimento

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas

Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Co-geração de energia da Biomassa da Cana no ESP ÚNICA - COGEN - SP Cogeração na Indústria Canavieira: Realidade e perspectivas Isaias C. Macedo Produção / utilização da biomassa da cana Brasil: 320 M

Leia mais

a Energia em casa Da usina até sua casa

a Energia em casa Da usina até sua casa a Energia em casa Da usina até sua casa Para ser usada nas cidades, a energia gerada numa hidrelétrica passa por uma série de transformações A eletricidade é transmitida de uma usina até os centros de

Leia mais

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique:

Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: Elaborado pelos alunos do 8º A da Escola Secundária Infante D. Henrique: - Joana Moreira Lima nº16 - José Fernando nº17 - Sandra oliveira nº23 O carvão, o petróleo e o gás natural são combustíveis fósseis.

Leia mais

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início

Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Aula 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é um início Itens do capítulo 5 A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5. A energia não é o começo de tudo, mas já é o início 5.1 O consumo

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

FÍSICA, 1º Ano do Ensino Médio Potência Mecânica. A máquina a vapor

FÍSICA, 1º Ano do Ensino Médio Potência Mecânica. A máquina a vapor POTÊNCIA MECÂNICA POTÊNCIA MECÂNICA No século XVIII, o desenvolvimento da máquina a vapor trouxe uma contribuição significativa para a expansão da indústria moderna. A demanda por carvão exigia que as

Leia mais

Auditoria Energética - Definição

Auditoria Energética - Definição Auditoria Energética - Definição Levantamento e análise crítica das condições de utilização da Energia, com vista à detecção de oportunidades de racionalização energética, através de medidas com uma viabilidade

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

Energia. O que é a energia? energia é tudo o que produz ou pode produzir ação. "a força do trabalho

Energia. O que é a energia? energia é tudo o que produz ou pode produzir ação. a força do trabalho O que é a energia? A primeira definição de energia foi enunciada em meados do século XIX: energia é tudo o que produz ou pode produzir ação Pode também ser definida como: "a força do trabalho Quais são

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Questões de Eletricidade do ENEM com Gabarito

Questões de Eletricidade do ENEM com Gabarito Questões de Eletricidade do ENEM com Gabarito 1) (ENEM-1999) O alumínio se funde a 666 o C e é obtido à custa de energia elétrica, por eletrólise - transformação realizada a partir do óxido de alumínio

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard Nomenclatura das caldeiras Buderus Exemplo: caldeira em ferro fundido (G) de condensação (B) potência entre 200kW a 400kW (4) de modelo original (0) estanque e queimador a gás (2) Logano Tipo de caldeira

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Cooperativa de Geração de Energia do Leste do. Conversão do Metano de Aterros Sanitários. Elétrica

Cooperativa de Geração de Energia do Leste do. Conversão do Metano de Aterros Sanitários. Elétrica Cooperativa de Geração de Energia do Leste do Estado de Kentucky (EKPC) Conversão do Metano de Aterros Sanitários em Energia Elétrica 1 Quem somos Sobre a EKPC Distribuidora de energia elétrica no atacado

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES. PROF.: Célio Normando

COMPETÊNCIAS E HABILIDADES. PROF.: Célio Normando COMPETÊNCIAS E HABILIDADES CADERNO 6 PROF.: Célio Normando CA 3 Associar intervenções que resultam em degradação ou conservação ambiental a processos produtivos e sociais e a instrumentos ou ações científico-tecnológicos.

Leia mais

Jogo das Energias. 2 Colar as peças (em anexo) nas cartolinas, de acordo com as cores indicadas. Energia da biomassa

Jogo das Energias. 2 Colar as peças (em anexo) nas cartolinas, de acordo com as cores indicadas. Energia da biomassa Jogo das Energias Material: - Cartolinas (amarela, vermelha, azul e verde) - Canetas/lápis de cor - Tesouras - Cola - Bostik - Giz (amarelo, vermelho, azul e verde) Procedimento: 1 Recortar as cartolinas

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

PROGRAMA DE CURSOS 2012

PROGRAMA DE CURSOS 2012 PROGRAMA DE CURSOS 2012 CENTRO DE FORMAÇÃO CALENDÁRIO PROGRAMA DE CURSOS 2012 CURSOS INSTALAÇÃO DE SOLUÇÕES SOLARES TÉRMICAS DOMÉSTICAS Sistemas autónomos e em circulação forçada: Termossifão STS Autocalor

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

Hidrogénio como Combustível

Hidrogénio como Combustível Hidrogénio como Combustível Professor Aníbal Traça de Almeida Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 06/04/2005 Hidrogénio O hidrogénio é um portador de energia sintético É o elemento

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

ALTO RENDIMENTO MODULÇÃO ELECTRONICA LIMPEZA AUTOMÁTICA 3 POTÊNCIAS: 9, 15 E 25 KW

ALTO RENDIMENTO MODULÇÃO ELECTRONICA LIMPEZA AUTOMÁTICA 3 POTÊNCIAS: 9, 15 E 25 KW ALTO RENDIMENTO MODULÇÃO ELECTRONICA LIMPEZA AUTOMÁTICA 3 POTÊNCIAS: 9, 15 E 25 KW Porquê eleger uma Caldeira BioClass? Domusa, líder Espanhol no fabrico de caldeiras de solo que utilizam combustíveis

Leia mais

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010)

Fonte: Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Balanço de Energia Nacional (BEN - 2010) Aspectos Químicos Basicamente, a química envolvida nas matrizes energéticas se relaciona à obtenção de energia a partir de combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás natural) e a partir de fissão nuclear.

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

EXPO EUROPA E AMBIENTE

EXPO EUROPA E AMBIENTE EXPO EUROPA E AMBIENTE Microgeração Um novo Conceito de Energias Carlos Mendes Nunes Carlos Simões Contactos: Eurosauna; José Morais / Raul Fino Quarteira - Loulé 09 Maio 2008 Energias Renová Energias

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL

Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia. Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade SEE BRASIL Energia Primária da Biomassa e Reconversão do CO₂ em Energia Autor: Eng. Raymond Guyomarc h Palestrante: Eng. Hely de Andrade 1 Índice : 1. Matérias combustíveis utilizáveis 2. A secagem com CO₂ - SEE

Leia mais

Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA

Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA Disciplina: ENERGIA E BIOENERGIA Energia. Conceito. Origem e interação entre as fontes e formas de energia. Conversão de energia. Unidades de energia. Prof. Dr. Eduardo Di Mauro Departamento de Física,

Leia mais

Sumário resumido sobre energia

Sumário resumido sobre energia 42-28917538 I John Smith/Corbis Sumário resumido sobre energia ENERGIA! Energia faz o mundo girar. Ela faz carros, casas, escritórios, escolas e hospitais funcionarem. Sem ela, nós não teríamos formas

Leia mais

Coordenção de Comunicação Social Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia

Coordenção de Comunicação Social Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia Coordenção de Comunicação Social Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia Ilustrações: Claudio Alecrim Caderno da Energia Eletrobras Furnas Foi constituída na década de 50, com o objetivo

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala

A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala 30 capítulo 4 a geração de energia hoje 4 A GERAÇÃO DE ENERGIA HOJE Processos de transformação em larga escala No último século, a maior parte das sociedades constituiu complexos regimes de energia envolvendo

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO VEICULAR A COMPRA DO? COMO VOCÊ DECIDE SEU CARRO Como você decide a compra do seu carro? A escolha de um veículo é resultado de uma análise que considera várias características. O preço é certamente uma

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

De início, recordemos que o trabalho mecânico é sempre composto dos dois fatores

De início, recordemos que o trabalho mecânico é sempre composto dos dois fatores CAPÍTULO 11 - POTÊNCIA E RENDIMENTO A energia mecânica desenvolvida por um motor é medida com precisão num banco de testes. É igualmente possível calcular esta energia com uma certa aproximação tendo em

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica A perceção dos problemas da energia nunca foi tão grande como nos nossos dias. Atualmente, é ponto assente que o crescimento do consumo de energia, verificado durante muitos

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Sandra Mazo-Nix SCS Engineers Consultora - US Environmental Protection Agency (US EPA) Sumário Conceitos Básicos

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida No topo da Eficiência Conheça a nova Diretiva Energética julho 2015 ErP Conforto para a vida 1. Informação geral sobre a Diretiva Europeia ErP-EuP A partir de 26 de setembro de 2015, as Diretivas de Ecodesign

Leia mais

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci INSTALAÇÔES ELÉTRICAS 1 Apresentação 2 Circuitos Elétricos - Monofásicos 3 Circuitos Elétricos - Trifásicos 4 Cálculo de Correntes 5 Dimensionamento 1-

Leia mais

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004

Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 Seminário de Geração Distribuída INEE Rio, Setembro 2004 As fontes de Energia para GD Gerando energia elétrica com biomassa da cana: início de um ciclo virtuoso Isaias C. Macedo NIPE - UNICAMP Produção

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

Cogeração Motores a Gás e Diesel

Cogeração Motores a Gás e Diesel Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 4º Ano, 2º Semestre Gestão de Energia 2002/2003 Cogeração Motores a Gás e Diesel Afonso Oliveira,

Leia mais

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento Este projeto recebe financiamento da União Europeia no âmbito do programa de investigação e inovação Horizonte 2020, sob o contrato No649905 A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

A energia sem fronteiras

A energia sem fronteiras 1.0 Introdução AR COMPRIMIDO A energia sem fronteiras Módulo I Eng. Gilson Macedo Santana Como o ar comprimido ser á nosso principal assunto, vamos iniciar fazendo algumas considerações sobre energia.

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS. da Proposta DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 18.12.2013 COM(2013) 919 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da Proposta de DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa à limitação das emissões para a atmosfera de certos

Leia mais

CUIDADO PARA NÃO SER ENGANADO

CUIDADO PARA NÃO SER ENGANADO Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Física Prof. Eduardo Cavalcanti nº10 CUIDADO PARA NÃO SER ENGANADO Alguns aparelhos consomem mais eletricidade que outros. Alguns, como a geladeira, embora permanentemente

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Economia Quanto custa um aerogerador O gráfico acima dá uma idéia da faixa de preços dos aerogeradores modernos em fevereiro de 1998. Como pode ver, os preços variam para cada tamanho de aerogerador. Economia

Leia mais

Qual o melhor sistema de aquecimento central para a minha casa?

Qual o melhor sistema de aquecimento central para a minha casa? Preço Qualidade Serviço profissional www.thermowatt.pt informação actualizada em 02/10/2013 Qual o melhor sistema de aquecimento central para a minha casa? O objectivo deste trabalho é contribuir para

Leia mais

Lendas da Ciência. Episódio: Queimar

Lendas da Ciência. Episódio: Queimar Lendas da Ciência Episódio: Queimar Resumo A série Lendas da Ciência é uma produção francesa escrita pelo filósofo francês Michel Serres e por Robert Pansard-Besson. Essa série, constituída de doze episódios,

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS. Chris Godlove US Environmental Protection Agency (USEPA)

TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS. Chris Godlove US Environmental Protection Agency (USEPA) TECNOLOGIAS PARA O APROVEITAMENTO ENERGÉTICO DO BIOGÁS Chris Godlove US Environmental Protection Agency (USEPA) Riberão Preto, SP 17 de setembro de 2010 Sumário Aproveitamento do biogás Visão geral Uso

Leia mais

Água Quente: Objetivos de Projeto

Água Quente: Objetivos de Projeto Água Quente: Objetivos de Projeto FINALIDADE DO USO E TEMPERATURA ADEQUADA Hospitais e laboratórios : 100 C ou mais Lavanderias : 75 a 85 C Cozinhas : 60 a 70 C Uso pessoal e banhos : 35 a 50 C MODALIDADES

Leia mais