PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DA FATEC GUARATINGUETÁ Elaboração: Prof. Me. Herlandí de Souza Andrade Verificação/Revisão: Prof. Me. Daniel Faria Chaim Coordenador do Curso de Gestão Financeira Prof. Esp. Luiz Antonio Alvarenga Coordenador do Curso de Logística Profa. Me. Manuela Weyll Vasconcelos Coordenadora do Curso de Gestão Empresarial Prof. Me. André Ricardo Soares Amarantes Coordenador do Curso de Gestão da Tecnologia da Informação Profa. Esp. Deborah Orsi Murgel Coordenadora do Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Prof. Dr. José Manoel Souza das Neves Diretor da FATEC Guaratiguetá Aprovação: Reunião da Congregação da FATEC Guaratinguetá de 30/10/2013. Guaratinguetá/SP Outubro/2013

2 PORTARIA FATEC-GUARATINGUETÁ Nº 74/2013 DE 31 DE OUTUBRO DE Regulamenta o Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. O Diretor da Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá, no uso de suas atribuições legais, em consonância com o Artigo 17 do Decreto nº , de 13/09/ Regimento do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza e atendendo o disposto na Seção IV, da Deliberação CEETEPS nº 12, de 14/12/ Regulamento Geral dos Cursos de Graduação das Faculdades de Tecnologias do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, baixa a seguinte PORTARIA: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º Esta portaria define e estabelece as regras de funcionamento do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da FATEC Guaratinguetá. Art. 2º Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico é o conjunto articulado de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, preferencialmente de caráter multidisciplinar e integrado às atividades de ensino e extensão. Na FATEC Guaratinguetá, os programas têm caráter orgânico-institucional, clareza de diretrizes e orientação para um objetivo comum, sendo executado a médio e longo prazo. 1º São estabelecidos 3 Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: I. Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Gestão e Negócios; II. Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Informação e Comunicação; e, III. Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Educação e Conhecimento. 2º Para cada programa são desdobradas Áreas Temáticas. 3º Os Programas são desenvolvidos por meio dos Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e seus respectivos grupos. Art. 3º Uma Área Temática compreende um campo bem delimitado de certo ramo de conhecimento, atividade ou competência. As Áreas Temáticas fornecem a estrutura para as Linhas de Estudos e Pesquisas. Parágrafo único: As Áreas Temáticas são definidas no Caderno de Linhas de Estudos e Pesquisas da FATEC Guaratinguetá. Art. 4º Uma Linha de Estudo e Pesquisa representa temas aglutinadores de estudos e pesquisas tecnológicas que se fundamentam no desenvolvimento, na tecnologia e na inovação, de onde se originam projetos cujos resultados guardam afinidades entre si. As Linhas de Estudos e Pesquisas têm por objetivo delimitar as temáticas de cada área,

3 contribuindo para consolidar os objetivos de cada Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e de acordo com a afinidade da FATEC Guaratinguetá. Parágrafo único: As Linhas de Estudos e Pesquisas são definidas no Caderno de Linhas de Estudos e Pesquisas da FATEC Guaratinguetá. Art. 5º Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico é definido como um conjunto estruturado de Grupos de Pesquisa Tecnológica, com linhas de estudos e pesquisas estabelecidas e enquadradas em programas e áreas temáticas definidas pela FATEC Guaratinguetá. Parágrafo único: São estabelecidos os seguintes Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: I. Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Gestão e Negócios; II. Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Informação e Comunicação; e, III. Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Educação e Conhecimento. Art. 6º Grupo de Pesquisa Tecnológica é definido como um conjunto de docentes e discentes organizados em torno de um ou mais objetos de estudo ou pesquisa, com o objetivo de gerar novos produtos/serviços, processos tecnológicos e fortalecer a disseminação do conhecimento gerado por meio da pesquisa e do desenvolvimento tecnológico. Trata-se de um subconjunto dos Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. Parágrafo único: O Grupo de Pesquisa Tecnológica deve estar ligado a uma única Linha de Estudo e Pesquisa dentro do programa e áreas temáticas que o Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico está alinhado. Contudo, pode fazer interdisciplinaridade com diversas outras linhas, inclusive, de outras áreas e programas. Art. 7º Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico é o documento em que o Grupo de Pesquisa Tecnológica apresenta as ideias principais de sua intenção de pesquisa. Possui início e fim claramente definidos, fundamentada em objetivos gerais e específicos, com vistas à obtenção de novos produtos/serviços e processos tecnológicos. Parágrafo único: Os Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico podem possuir caráter multidisciplinar, estando alinhados com diferentes linhas de estudos e pesquisas e/ou programas ou áreas da FATEC Guaratinguetá, contudo deve estar ligado diretamente a uma única linha de pesquisa, variando a ênfase em função da aplicação, conforme enfatizado no Art. 6º. Art. 8º No desenvolvimento das suas atividades, os Grupos de Pesquisa Tecnológica pautarão a sua atuação atendendo aos princípios: I. Integração entre ensino, pesquisa e extensão; II. Atendimento a todos os níveis de ensino vigentes na FATEC Guaratinguetá; III. Sintonia com as Linhas de Estudos e Pesquisas da FATEC Guaratinguetá; IV. Sintonia com o contexto externo e com os arranjos produtivos e sociais locais; V. Desenvolvimento de tecnologias (produtos, processos e/ou serviços) alinhadas às demandas mercadológicas atuais; e, VI. Cooperação com as políticas institucionais de proteção da propriedade intelectual. Art. 9º São objetivos dos estudos e pesquisas na FATEC Guaratinguetá: I. Possibilitar a geração e a transformação do conhecimento tecnológico; II. Promover a capacitação e desenvolvimento dos docentes; III. Possibilitar uma melhor formação dos estudantes de graduação e de pósgraduação; IV. Incentivar a criação, desenvolvimento e consolidação dos Grupos de Pesquisa Tecnológica; V. Subsidiar o desenvolvimento de programas de iniciação em desenvolvimento tecnológico e inovação;

4 VI. Subsidiar o desenvolvimento de programas de pós-graduação; VII. Articular a pesquisa com o ensino e a extensão; VIII. Atender às necessidades e interesses da sociedade; e, IX. Promover a geração de tecnologias que resultem em propriedade intelectual. CAPÍTULO II DA CRIAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA TECNOLÓGICA Art. 10 Os Grupos de Pesquisa Tecnológica são formados a partir de interesses dos docentes, relativos aos fins ou aos meios necessários para o desenvolvimento dos estudos e pesquisas, em consonância com Linhas de Estudos e Pesquisas definidas pela FATEC Guaratinguetá. Art. 11 Poderão compor os Grupos de Pesquisa Tecnológica da FATEC Guaratinguetá os docentes, técnicos, estudantes e docentes/pesquisadores de outras instituições de ensino e pesquisa a que a FATEC Guaratinguetá mantiver convênio, visando à produção Tecnológica. Art. 12 Os Grupos de Pesquisa Tecnológica serão estruturados como: I. Professor Líder; II. Professores; III. Professores/Pesquisadores Colaboradores; IV. Estudantes; e, V. Técnicos. 1º O professor líder do grupo é o docente que detém a liderança acadêmica e intelectual no grupo. Para ser professor líder, o pré-requisito básico é ser professor da FATEC Guaratinguetá, contratado por prazo indeterminado. Este será escolhido pelos professores da FATEC Guaratinguetá que compõe o grupo. Um professor pode ser líder de apenas um grupo. 2º Os professores são docentes do quadro da FATEC Guaratinguetá, contratados por prazo indeterminado, envolvidos com a execução de projetos dos quais resulte produção tecnológica. A participação do docente no grupo define-se como um trabalho permanente de pesquisa. 3º Os professores/pesquisadores colaboradores são docentes ou pesquisadores de outras instituições de ensino e pesquisa ou empresas que a FATEC Guaratinguetá mantenha convênio, ou docentes contratados por prazo determinado da FATEC Guaratinguetá, que participam das atividades do grupo. 4º Os estudantes são os alunos da graduação ou da pós-graduação, regularmente matriculados na FATEC Guaratinguetá, sob a orientação de um docente (professor líder, professores ou professores/pesquisadores colaboradores) do grupo. A inclusão de alunos da graduação no grupo está condicionada à participação no Programa de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. A inclusão de alunos da pós-graduação no grupo está condicionada ao desenvolvimento de sua pesquisa para o seu trabalho de conclusão de curso. São critérios para a seleção do estudante: afinidade com a Linha de Estudo e Pesquisa, disponibilidade de tempo para a dedicação à pesquisa e bom desempenho acadêmico. Um estudante pode participar de apenas um grupo na FATEC Guaratinguetá. 5º Os técnicos são funcionários do quadro técnico-administrativo da FATEC Guaratinguetá, que participem do grupo, prestando serviços durante o desenvolvimento de um Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. 6º A presença de professores/pesquisadores colaboradores, estudantes e/ou técnicos não é obrigatória para a constituição de um Grupo de Pesquisa Tecnológica. 7º Um Grupo de Pesquisa Tecnológica pode ser formado com no mínimo 3 e no máximo 10 professores, incluindo o líder. Art. 13 Compete ao líder do Grupo de Pesquisa Tecnológica: I. Propor a formação do grupo;

5 II. Encaminhar Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico propostos pelo grupo; III. Representar o grupo; IV. Coordenar e supervisionar o andamento das atividades de estudos e pesquisas tecnológicas do grupo, bem como as demais atividades, zelando pelo seu bom funcionamento; V. Convocar os membros do grupo e presidir suas reuniões; VI. Propor parcerias ou convênios de interesse do grupo; VII. Propor novas atividades e Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para o grupo; VIII. Manter atualizado o cadastro do grupo no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq, quando for o caso; e, IX. Fornecer informações sobre as atividades do grupo às entidades competentes, quando solicitadas. Art. 14 Todos os integrantes dos Grupos de Pesquisa Tecnológica devem ter currículo atualizado na Plataforma Lattes, do CNPq. Art. 15 Os Grupos de Pesquisa Tecnológica podem se associar entre si para a execução de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico de caráter interdisciplinar. Art. 16 A proposta de criação de um Grupo de Pesquisa Tecnológica deverá ser realizada de acordo com formulário específico, sendo encaminhada à Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para avaliação e posterior apreciação pela Coordenadoria de Cursos e pela Congregação da FATEC Guaratinguetá, conforme disposto no Art. 54 da Deliberação CEETEPS-7, de 15/12/2006. Art. 17 A certificação dos grupos de pesquisa junto ao CNPq, quando for o caso, será providenciada pela Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, na ocasião da criação do grupo. CAPÍTULO III DA GESTÃO DO PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Art. 18 A Coordenadoria de Cursos é o órgão responsável pelas definições das políticas e diretrizes de estudos e pesquisas na FATEC Guaratinguetá. 1º A gestão do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico será realizada conjuntamente pelos coordenadores dos diversos cursos da FATEC Guaratinguetá, formando um Comitê de Coordenadores. 2º Para auxiliar na gestão do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico é instituída, junto à Coordenadoria de Cursos, uma Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. 3º O Comitê de Coordenadores deve indicar um docente contratado por prazo indeterminado, a sua escolha, ou um de seus membros, para exercer a função de Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico na Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. 4º O Comitê de Coordenadores deverá se reunir, exclusivamente para tratar sobre os assuntos do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, ordinariamente, pelos menos 1 vez por semestre, e extraordinariamente, sempre que convocada por um de seus membros ou pelo Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. 5º As definições e deliberações do Comitê de Coordenadores e da Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para com relação ao Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico devem ser apreciadas pela Coordenadoria de Cursos.

6 6º As definições e deliberações da Coordenadoria de Cursos para com relação ao Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico devem ser apreciadas pela Congregação da FATEC Guaratinguetá. Art. 19 A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico é o órgão executivo responsável pela consecução das políticas e diretrizes definidas pela Coordenadoria de Cursos e pelo Comitê de Coordenadores, e pelo planejamento, organização, coordenação e controle das atividades de estudos e pesquisas na FATEC Guaratinguetá. 1º A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, também, é a responsável pela análise das questões éticas nos estudos e pesquisas tecnológicas. 2º A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico é composta por: I. Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; II. Líder do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Gestão e Negócios; III. Líder do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Informação e Comunicação; e, IV. Líder do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico em Educação e Conhecimento. 3º O Líder de Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico é escolhido, por meio de votação, entre os líderes de Grupos de Pesquisa Tecnológica que compõe cada núcleo e terão um mandato de 2 anos. Art. 20 Compete ao Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: I. Gerir e representar a Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e os Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico junto aos órgãos e autoridades da Faculdade; II. Coordenar as atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico da FATEC Guaratinguetá, incentivando as atividades de estudos e pesquisas tecnológicas desenvolvidas pelos docentes e pelos estudantes da faculdade e atuando na capacitação dos docentes; III. Apreciar as propostas de criação de Grupo de Pesquisa Tecnológica encaminhadas pelos Líderes de Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; IV. Apreciar as propostas de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico encaminhadas pelos Líderes de Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e após aprovação pelos órgãos competentes, acompanhar o seu desenvolvimento; V. Apreciar os planos de prestação de serviços à comunidade, encaminhadas pelos Líderes de Núcleos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e após aprovação pelos órgãos competentes, acompanhar o seu desenvolvimento; VI. Colaborar com o desenvolvimento de cursos de pós-graduação, projetos e outras atividades de extensão universitária; VII. Zelar, por meio de avaliações permanentes, pela qualidade do trabalho e pela adequação dos meios às finalidades de cada Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. VIII. Organizar os planos de trabalho da Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; IX. Promover a celebração de convênios e intercâmbio com o setor produtivo ou outras instituições de ensino e pesquisa, visando a elaboração de projetos conjuntos de estudos e pesquisas; e, X. Executar e fazer cumprir as determinações dos órgãos colegiados, comitê de coordenadores e diretoria da FATEC Guaratinguetá. Art. 21 Compete ao Líder de Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: I. Representar o Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e os Grupos de Pesquisa Tecnológica junto aos órgãos e autoridades da Faculdade;

7 II. Apreciar as propostas de criação de Grupo de Pesquisa Tecnológica realizadas pelos docentes da FATEC Guaratinguetá e encaminhar para o Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; III. Apreciar as propostas de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico elaboradas pelos docentes, e encaminhar para o Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; IV. Apreciar os planos de prestação de serviços à comunidade, elaborados pelos docentes, e encaminhar para o Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; V. Identificar a possibilidade de celebração de convênios e intercâmbios com o setor produtivo ou outras instituições de ensino e pesquisa, visando a elaboração de projetos conjuntos de estudos e pesquisas tecnológicas; VI. Acompanhar as atividades dos Grupos de Pesquisa Tecnológica, zelando pelo cumprimento dos planos e projetos de estudos e pesquisas tecnológicas; VII. Assessorar o Coordenador do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico nas questões tecnológicas e administrativas; Art. 22 A proposta de criação de Grupo de Pesquisa Tecnológica deve ser realizada pelo líder do potencial grupo, em formulário específico. A proposta segue a tramitação: I. A Proposta de Criação de Grupo de Pesquisa Tecnológica, em formulário específico, deve ser encaminhada pelo Líder do Grupo à Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; II. A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico tem o prazo de até 30 dias para apreciação sobre a proposta, a partir da data de recebimento; III. Nos casos em que a Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico solicitar reformulações na proposta, o processo é devolvido ao Líder do Grupo. O Grupo tem prazo máximo de até 10 dias, a partir da data de recebimento, para efetuar as alterações e reencaminhar a proposta à Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, que terá prazo de até 30 dias para nova apreciação, a partir da data de recebimento; IV. Após análise da Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, o processo é encaminhado à Coordenadoria de Cursos da FATEC Guaratinguetá, para apreciação, em sua próxima reunião ordinária. V. Após parecer favorável pela Coordenadoria de Cursos, o processo será encaminhado para parecer da Congregação da FATEC Guaratinguetá, em sua próxima reunião ordinária. A Diretoria da FATEC Guaratinguetá poderá avaliar o processo e aprová-lo ou reprová-lo, ad referendum a Congregação da FATEC Guaratinguetá. VI. Em caso de reprovação pela Coordenadoria de Cursos (item IV) ou pela Congregação da FATEC Guaratinguetá (item V), o processo deverá seguir o mesmo trâmite previsto no item III. VII. Estando aprovada pela Congregação da FATEC Guaratinguetá, a Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico deverá comunicar aos integrantes sobre a aprovação da criação do grupo e providenciar o cadastramento do Grupo de Pesquisa Tecnológica, inclusive no CNPq, quando for o caso. VIII. Após cadastramento do grupo, o grupo pode iniciar as suas atividades de estudos e pesquisas tecnológicas e os integrantes do grupo devem cadastrar os Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e promover as suas constantes atualizações. Parágrafo único: Para a proposta de criação de um Grupo de Pesquisa Tecnológica é obrigatória apresentação conjunta de um Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (conforme Art. 23), ao qual será executado pelo grupo. Art. 23 Os Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico devem ser apresentados em formulários específicos. Podem ser propostos por qualquer Docente contratado por prazo indeterminado e encaminhados pelo Líder do Grupo. A proposta segue a tramitação:

8 I. O Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, em formulário específico, deve ser encaminhado pelo Líder do Grupo à Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; II. A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico tem o prazo de até 30 dias para apreciação das propostas, inclusive quanto à ética em pesquisa, a partir da data de recebimento; III. Nos casos em que a Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico solicitar reformulações na proposta, o processo é devolvido ao Líder do Grupo. O Grupo tem prazo máximo de até 10 dias, a partir da data de recebimento, para efetuar as alterações e reencaminhar o processo à Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, que terá prazo de até 30 dias para nova apreciação, a partir da data de recebimento; IV. Após análise pela Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, o processo é encaminhado à Coordenadoria de Cursos da FATEC Guaratinguetá, para apreciação, em sua próxima reunião ordinária. V. Após parecer favorável pela Coordenadoria de Cursos, o processo será encaminhado para apreciação da Congregação da FATEC Guaratinguetá, em sua próxima reunião ordinária. A Diretoria da FATEC Guaratinguetá poderá avaliar o processo e aprova-lo ou reprová-lo, ad referendum a Congregação da FATEC Guaratinguetá. VI. Em caso de reprovação pela Coordenadoria de Cursos (item IV) ou pela Congregação da FATEC Guaratinguetá (item V), o processo deverá seguir o mesmo trâmite previsto no item III. VII. Estando aprovado pela Congregação da FATEC Guaratinguetá, a Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico deve comunicar ao Grupo sobre a aprovação do Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e apontar em seus cadastros. VIII. O Grupo de Pesquisa Tecnológica pode iniciar as suas atividades de estudos e pesquisas tecnológicas e o Líder deve cadastrar o Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e promover a sua constante atualização. Art. 24 Os Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico que resultem em tecnologias (produtos/serviços ou processos) com características inovadoras devem resguardar os direitos da propriedade intelectual, na forma de direitos de patente de invenção, patente de modelo de utilidade, registros de desenho industrial, registro de programas de computador, registro de marca, direitos autorais e de imagem para o Centro Paula Souza/FATEC Guaratinguetá. Parágrafo único: A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico deve avaliar as questões relativas à propriedade intelectual dos Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e promover a interação com a Agência de Inovação Inova Paula Souza. Art. 25 A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico avaliará anualmente os Grupos de Pesquisa Tecnológica, por meio do Relatório de Produtividade, que deverá ser encaminhado pelo Líder do grupo, em formulário específico. 1º Todos os docentes que compõe o Grupo de Pesquisa Tecnológica devem preencher o formulário e apresentar as informações e documentações necessárias para compor o Relatório de Produtividade do grupo, na ocasião da avaliação do mesmo. 2º Os docentes que obtiverem licença de suas atividades, por período igual ou superior a 180 dias devem apresentar relatório antes do afastamento. Para os casos de licença por período igual ou superior a 180 dias, o pesquisador não será considerado para avaliação do grupo. 3º O Relatório deve conter: I. Listagem dos projetos executados pelo grupo, com seus respectivos status; II. Curriculum Lattes atualizado, de todos os membros do grupo. III. Indicadores de Produtividade, em formulário específico, para cada docente.

9 Art. 26 Para um Grupo de Pesquisa Tecnológica permanecer em atividade, com certificação, ele deve ter sua produção comprovada por meio de: I. Pelo menos, 1/3 (um terço) dos seus docentes deve atingir, no mínimo, 75% do total de pontos, no Relatório de Produtividade. II. Estar com o cronograma do Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico dentro do prazo previsto para o seu desenvolvimento; 1º Cada item de produção só pode ser pontuado uma única vez, sendo considerado o critério de maior pontuação. 2º Cada item de produção que tenha a autoria de mais de um membro do grupo poderá ser pontuado por todos os autores participantes do grupo. 3º A pontuação para cada item do relatório de produtividade seguirá ao definido na Deliberação CEETEPS nº 06, de 17/11/2011, ou outra a que vier a substituir ou complementar. Serão selecionados os itens constantes desta deliberação, de forma a constar no Relatório de Produtividade do grupo apenas os itens relacionados às atividades de estudos e pesquisas. Art. 27 O Grupo de Pesquisa Tecnológica que não atender ao definido no Art. 26 será classificado como Certificado com Pendências e terá o prazo de 1 ano, ou seja, até a próxima avaliação, para adequação. 1º Caso o Grupo de Pesquisa Tecnológica atenda aos requisitos no prazo estabelecido no caput deste artigo o mesmo será classificado como Certificado. 2º Se após um ano o Grupo de Pesquisa Tecnológica não atender às exigências do Art. 26, o mesmo perderá a certificação e será classificado como inativo. Art. 28 O Grupo de Pesquisa Tecnológica que for classificado como inativo terá o prazo de dois anos para atender às exigências do Art º O Grupo de Pesquisa Tecnológica inativo que não atender ao disposto no caput deste artigo será excluído do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da FATEC Guaratinguetá e será classificado como extinto. 2º No caso de classificação como extinto, a Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico deverá apresentar a situação à Coordenadoria de Cursos e à Congregação da FATEC Guaratinguetá, em suas próximas reuniões ordinárias, para apreciação quanto à inatividade do grupo. 3º Para um grupo voltar a ser classificado como Ativo, o grupo deve apresentar um plano para adequação de suas atividades, juntamente com a solicitação de reativação do grupo, procedendo da mesma forma como indicado no Art. 22. Art. 29 Todas as alterações no âmbito interno de um Grupo de Pesquisa Tecnológica, incluindo a inclusão, exclusão, licença ou afastamento integral de membros, devem ser realizadas pelo Líder do Grupo e comunicadas à Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. 1º A filiação de novos membros será decidida pelos Professores do grupo, atendendo aos critérios: I. Sintonia com a proposta de criação do grupo; II. Apresentação de Projeto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico ou vinculação a um projeto existente do grupo. 2º A desfiliação de membros do grupo será decidida pelos Professores, mediante evidência do não-cumprimento do 1º. 3º Tanto para a filiação de novos membros, quanto para a desfiliação de membros, devem ser aprovadas/validadas pela Coordenação de Cursos e Congregação da FATEC Guaratinguetá, procedendo da mesma forma como indicado no Art. 22. Art. 30 A solicitação de extinção de Grupo de Pesquisa Tecnológica, deve ser realizada pelo Líder do Grupo à Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, acompanhada de justificativa e relatório final.

10 Parágrafo único: A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico deve apresentar tal solicitação para validação pela Coordenação de Cursos e Congregação da FATEC Guaratinguetá, em suas próximas reuniões ordinárias. CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 31 Os Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico encaminhados diretamente pelos integrantes de um grupo aos órgãos de fomento, que necessitem de aporte financeiro da instituição, devem receber aprovação prévia da Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico. 1º A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico deve apreciar a proposta à Diretoria da Faculdade, para obter sua aprovação prévia, ad referendum da Congregação da FATEC Guaratinguetá. 2º Sendo o projeto aprovado pelos órgão de fomento, a Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico deve apresentar o mesmo para aprovação da Coordenadoria de Cursos e Congregação da FATEC Guaratinguetá, em suas próximas reuniões ordinárias, ou solicitar ao Comitê de Coordenadores a convocação de uma reunião extraordinária. Art. 32 Os equipamentos, bem como outros bens ou materiais, em poder do Grupo de Pesquisa Tecnológica, adquiridos em virtude da aprovação de projetos, passarão a constituir o patrimônio da FATEC Guaratinguetá. Art. 33 Os formulários citados nesse regulamento devem ser padronizados pela Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico, e podem ser atualizados conforme a necessidade. Art. 34 A divulgação dos resultados das atividades de estudos e pesquisas tecnológicas devem, obrigatoriamente, fazer referência à vinculação dos docentes à FATEC Guaratinguetá e, opcionalmente, ao Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico a que pertença. Art. 35 A Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico emitirá declaração de participação em atividades de estudos e pesquisas tecnológicas, devidamente cadastradas, quando solicitada pelo docente. Art. 36 Todos os Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico com vigência a partir do primeiro semestre de 2014 devem se adequar a este regulamento. Art. 37 Todos os Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico que tenham sido criados antes da aprovação deste Regulamento, incluindo os apresentados por pesquisadores individuais, tem o prazo de 1 ano para se adequar a este regulamento. Art. 38 Os casos omissos neste Regulamento serão resolvidos pela Comissão de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e/ou pelo Comitê de Coordenadores. Art. 39 A presente portaria entra em vigor na data de sua publicação e revoga todas as disposições em contrário. Guaratinguetá, 30 de Outubro de Prof. José Manoel Souza das Neves Diretor - FATEC Guaratinguetá

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA FATEC GUARATINGUETÁ

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA FATEC GUARATINGUETÁ PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA FATEC GUARATINGUETÁ Elaboração: Prof. Me. Herlandí de Souza Andrade Verificação/Revisão: Prof. Me. Daniel Faria Chaim Coordenador do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DOS GRUPOS DE PESQUISA DA UNISC CADASTRADOS JUNTO AO CNPq CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º Os grupos de pesquisa são uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 056/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO

Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis ESTATUTO Art. 1º O Núcleo de Pesquisa e Estudos em Ciências Contábeis (NUPECON), vinculado a Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos, constitui-se

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a regulamentação do Programa de Incentivo à Pesquisa,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. O CONSELHO DE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais, e considerando o Parecer nº. 01/2015 da Comissão Permanente

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Licenciatura em Ciências Exatas R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI REGULAMENTO NO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FEATI NUPEFE Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti FEATI SEÇÃO I Da Natureza e Missão Art. 1 O Núcleo de Pesquisa e Extensão da FEATI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA - FATECIB REGIMENTO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA - FATECIB REGIMENTO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI ÍTALO BOLOGNA - FATECIB REGIMENTO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL OUTUBRO DE 2008 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO SUPERIOR DE EM AUTOMAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACIS A iniciação científica é um instrumento de formação que permite introduzir na pesquisa científica os acadêmicos de graduação, colocando-os em contato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia de Produção R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia de Produção R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia de Produção R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar a comunidade acadêmica quanto aos procedimentos que devem ser observados

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Regulamento do Programa de Capacitação Técnica em Ciências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Programa de Extensão e Projeto de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Campus de Franca TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO TÍTULO I DAS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 03, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o regulamento do Núcleo de Direitos Humanos das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades Ponta

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DOS COLEGIADOS DE CURSO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1º. O Colegiado de Curso, previsto no Regimento Geral da Faculdade Guairacá é órgão da Coordenação Didática, destinado a

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º. O Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, doravante

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros.

IV- DA ORGANIZAÇÃO E MANDATO Artigo 4º. - O mandato dos membros será de 03 (três) anos, com possibilidade de recondução, limitada a 50% dos membros. REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA UNOESTE A UNOESTE, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro de 2008, na Resolução do CFMV

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL

REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL REGIMENTO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL Diamantina junho de 2013 O Núcleo Docente Estruturante - NDE do Curso de Licenciatura em Letras Português/Espanhol

Leia mais

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO

FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO FACULDADE IBMEC-MG COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Ibmec-MG é o órgão responsável pela

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1 - As normas que seguem visam orientar pesquisadores e bolsistas vinculados a projetos

Leia mais

MIINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. PORTARIA Nº 1778 de 04 de maio de 2015

MIINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS. PORTARIA Nº 1778 de 04 de maio de 2015 MIINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PORTARIA Nº 1778 de 04 de maio de 2015 A PRÓ-REITORA DE PESQUISA E INOVAÇÃO, usando de suas atribuições legais e estatutárias, RESOLVE: Art 1º. Instituir

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2006-02 - Data: 19/04/2006 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Núcleo Institucional

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO

REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA PARA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS - CEEA/FACTO A Faculdade Católica do Tocantins, em cumprimento ao disposto na Lei Federal 11794 de 08 de outubro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC / UNIPAR)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC / UNIPAR) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC / UNIPAR) Agosto/2006 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC/UNIPAR Artigo 1º - Artigo 2º - O Programa de Iniciação Científica (PIC/UNIPAR)

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA Campus Uruguaiana Curso de Graduação em Farmácia REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA MARÇO de 2013 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL PERMANENTE DE APOIO À FORMAÇÃO DOCENTE DO ESTADO DO AMAPÁ TITULO I DA NATUREZA Art. 1. O Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente do Estado do Amapá é a

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1º O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 APROVA A ALTERAÇÃO DA SIGLA DO NÚCLEO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O SEU REGIMENTO O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Fatec Sorocaba REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MINISTRADOS PELA FATEC-SOROCABA Sorocaba, 2010 Reduza, Reutilize, Recicle REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições legais e regimentais em vigor, e em cumprimento à decisão desse egrégio Conselho Superior,

O Presidente do CONSUP, no uso de suas atribuições legais e regimentais em vigor, e em cumprimento à decisão desse egrégio Conselho Superior, RESOLUÇÃO Nº 095/2013 CONSUP Institui o Conselho Editorial e aprova o Regulamento do Conselho Editorial da Faculdade de Ensino Superior de Marechal Cândido Rondon. O Presidente do CONSUP, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP

REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 205 ANEXO B Regulamento Interno do Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE APUCARANA - FAP 206 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA Regimento aprovado pelo CPG em 19/02/2003. TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art 1º O Curso de Pós Graduação a nível de Mestrado e Doutorado

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 029 DE 1º DE OUTUBRO DE 2014 Aprova as Diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integra ção Latino-Americana UNILA. O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA Título I Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos Art. 1 - A COORDENAÇÃO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - CPPE é o órgão

Leia mais

Regulamento do Colegiado dos Cursos da Faculdade Católica Santa Teresinha (Aprovado pela Resolução 005/2010-DG/FCST, datado de 20/12/2010)

Regulamento do Colegiado dos Cursos da Faculdade Católica Santa Teresinha (Aprovado pela Resolução 005/2010-DG/FCST, datado de 20/12/2010) 0 Regulamento do Colegiado dos Cursos da Faculdade Católica Santa Teresinha (Aprovado pela Resolução 005/2010-DG/FCST, datado de 20/12/2010) CAICÓ-RN 2010 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I: DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA Ifes Campus Vitória TÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º - O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do

Leia mais

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional 1 PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem

Leia mais

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos de engenharia

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC -

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO PARA OS PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAMEC CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa de

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que

RESOLUÇÃO Nº 263. Pôr em vigência, a partir da presente data, o REGIMENTO. DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU, que RESOLUÇÃO Nº 263 PÕE EM VIGÊNCIA O REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU O Reitor da Universidade Católica de Pelotas, no uso de suas atribuições, considerando os termos da proposta encaminhada

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece as políticas da disciplina de Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO I INTRODUÇÃO Art. 1º. A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA), organizada pela UNIFAL MG, é um

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE FRUTAL FAF TÍTULO I DO REGULAMENTO E DO ÓRGÃO Art. 1º Este Regulamento Interno disciplina as normas relativas ao funcionamento da Comissão Própria

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINUTA DE RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO Nº./2014/CONSELHO UNIVERSITÁRIO Estabelece as diretrizes da Política de Mobilidade Acadêmica da Universidade Federal da Integração Latino-Americana UNILA. O CONSELHO SUPERIOR

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel

Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel Adendos do Curso de Zootecnia aos Regulamentos de Estágios da UFPel MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA ADENDOS DO CURSO DE ZOOTECNIA AS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO DAS DISCIPLINAS DE PESQUISA E ANÁLISE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS, PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E TRABALHO

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS

REGIMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO CAFS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS AMILCAR FERREIRA SOBRAL CAFS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO BR 343 KM 3,5 Bairro Meladão CEP 64.800-000 Floriano PI. Fone (89) 3522-0138 REGIMENTO DO

Leia mais

CAPÍTULO I Do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direitos dos Animais, Meio Ambiente e Pós-modernidade NIPEDA

CAPÍTULO I Do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direitos dos Animais, Meio Ambiente e Pós-modernidade NIPEDA NÚCLEO INTERDISCIPLINAR DE PESQUISA E EXTENSÃO EM DIREITOS DOS ANIMAIS, MEIO AMBIENTE E PÓS-HUMANISMO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Do Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Direitos dos Animais,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º 1. O Departamento de Educação, adiante

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

REGIMENTO DA EDITORA UFJF. TÍTULO I Da Instituição e seus fins

REGIMENTO DA EDITORA UFJF. TÍTULO I Da Instituição e seus fins REGIMENTO DA EDITORA UFJF TÍTULO I Da Instituição e seus fins Art. 1º - A Editora da Universidade Federal de Juiz de Fora (Editora UFJF), órgão suplementar vinculado à Reitoria da UFJF, tem por finalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Porto Alegre

Prefeitura Municipal de Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 17.301, DE 14 DE SETEMBRO DE 2011. Aprova o Regimento Interno do Fórum Municipal dos Conselhos da Cidade (FMCC). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE, no

Leia mais

RESOLUÇÃO N 016/2015 - CONSELHO SUPERIOR

RESOLUÇÃO N 016/2015 - CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 016/2015 - CONSELHO SUPERIOR Aprova o Regulamento do Registro e da Inclusão das Atividades de Extensão Práticas Curriculares em Comunidade e em Sociedade nos Currículos dos Cursos de Graduação

Leia mais