UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO"

Transcrição

1 UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO Um conjunto de ferramentas para prestação do serviço Proteger a saúde das mulheres Promovendo os direitos reprodutivos das mulheres

2 UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO Um conjunto de ferramentas para prestação do serviço Proteger a saúde das mulheres Promovendo os direitos reprodutivos das mulheres i

3 Proteger a saúde das mulheres Promovendo os direitos reprodutivos das mulheres ISBN: Catálogo #: MPACTK2-E Ipas. Produzido nos Estados Unidos da América. Citação sugerida: Ipas and Venture Strategies Innovations Utilização do misoprostol no cuidado pós-aborto: Um conjunto de ferramentas para prestação do serviço Chapel Hill, NC: Ipas. Ipas é uma organização sem fins lucrativos que trabalha no mundo inteiro com o objectivo de intensificar a capacidade das mulheres em exercer os seus direitos sexuais e reprodutivos, em particular o direito ao aborto seguro. Procuramos eliminar o aborto inseguro bem como as mortes e lesões daí resultantes e expandir o acesso das mulheres ao cuidado abrangente pós-aborto, incluindo a contracepção e informações e cuidados relacionados com a saúde reprodutiva. Estamos empenhados em criar um quadro jurídico, político e social que apoie os direitos das mulheres de tomar as suas próprias decisões no plano sexual e da saúde reprodutiva de forma livre e segura. Ipas está registada como um organização sem fins lucrativos 501(c)(3). Todas as contribuições para a Ipas são isentas de impostos de acordo com o permitido pela lei. Para mais informações ou para efectuar donativos à Ipas: Ipas P.O. Box 5027 Chapel Hill, NC USA Impresso em papel reciclado. ii UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

4 Agradecimentos Agere Tadele... Etiópia Alyson Hyman... EUA Amina Dorayi... Nigéria Ammanuel Gessessew... Etiópia Ann Leonard... EUA Asheber Getachew... Etiópia Aster Tsegaye... Etiópia Ayele Debebe... Etiópia Ayisha Diop... EUA Azza Karam... EUA Beverley Winikoff... EUA Bill Powell... EUA Binta Bello Danbata... Nigéria Bridget Okeke... Nigéria Cansas Mulligan... EUA Carol Odula-Obonyo... Quénia Carol Tatua... Quénia Claire Viadro... EUA Dagnachew Alemayoh... Etiópia Deborah Nucatola... EUA Dee Redwine... EUA Dereje Alemayoh... Etiópia Diana Greene Foster... EUA Dollina Odera... Etiópia Douglas Huber... EUA Ejike Oji... Nigéria Ellen Israel... EUA Emmanuel Rwamushaija... Tanzânia Evelina Börjesson... EUA Felicia Ojemen... Nigéria Florence Okoronkwo... Nigéria Gezach Abraha... Etiópia Godwin O. Akaba... Nigéria Graciela Salvador-Davila... EUA Hafsa Altaf... Paquistão Hamleseb Merid... Etiópia Holly Blanchard... EUA iii

5 Insha Hamdani... Paquistão Jaldesa Guyo... Quénia Jeanne Ewy... EUA Jennie Orcutt... EUA Jennifer Soliman... EUA Joachim Osur... Quénia Joan Healy... EUA John Nyamu... Quénia Joseph Karanja... Quénia Joseph Ruminjo... EUA Juan Jose Vallejo... EUA Kabir U. Ahmed... EUA Karen Meckstroth... EUA Katherine Turner... EUA Kelly Culwell... Reino Unido Kristin Swanson... EUA Laila Shah... Paquistão Lare Dawha... Nigéria Lisa Memmel... EUA Malcolm Potts... EUA Manuel Oyinbo... Nigéria Martine Holston... EUA Mary Fjerstad... EUA Mathew Okoh... Nigéria Mekdes Admasu... Etiópia Melanie Peña... EUA Mélodie Hunter... EUA Molly Moran... EUA Mulat Fenta... Etiópia Nancy Nyaga... Quénia Ndola Prata... EUA Niki Msipa-Ndebele... EUA Nuriye Nalan Sahin Hodoglugil... EUA Nuriye Ortayli... EUA Nyanda Labor... EUA Onwe-Onuaguluchi Charity Uzoamaka... Nigéria Phil Darney... EUA Pritha Biswas... Índia Ramatu Daroda... Nigéria Rehana Ahmed... Quénia iv UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

6 Ricky Lu... EUA Robyn Sneeringer... EUA Rodolfo Gomez Ponce de Leon... Argentina Sadiah Ahsan Pal... Paquistão Safia Ahsan... EUA Sarah Packer... EUA Saumya Rama Rao... EUA Sharif Mohammed Ismail Hossain... Bangladesh Sharon Arscott-Mills... EUA Shashu Araya... Etiópia Sikiratu Kailani... Nigéria Solomon Kumbu... Etiópia Sule Sa adatu... Nigéria Susan Ouko... Quénia Susheela Engelbrecht... EUA Talemoh Dah... Nigéria Tarra K. McNally... EUA Tasneem Fatima... Paquistão Tesfanesh Belay... Etiópia Tesfaye Endrias... Etiópia Tesfgaye Haileselasse... Etiópia Thank-God Okosun... Nigéria Traci Baird... EUA Upeka de Silva... Reino Unido Yolande Hyjazi... Guiné Equatorial Yonas Getachew... Etiópia v

7 Este conjunto de ferramentas é promovido pelas seguintes orientações: Venture rategies Innovations Proteger a saúde das mulheres Promovendo os direitos reprodutivos das mulheres IMPROVING WOMEN S HEALTH IN KENYA Se a sua organização estiver interessada em ser adicionada como uma agência promotora de futuras versões impressas e digitais deste conjunto de ferramentas, contacte MPACTK2-E11 vi UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

8 Descrição geral O que é o conjunto de ferramentas para prestação do serviço? Utilização do misoprostol no cuidado pós-aborto: um conjunto de ferramentas para prestação de serviço faculta informações e ferramentas para ajudar os médicos, gerentes de estabelecimentos ou gestores de programa a nível regional ou nacional a (1) iniciar a utilização do misoprostol como um tratamento médico para o aborto incompleto ou (2) integrar o misoprostol nos serviços existentes do cuidado pós-aborto (CPA) que já utilizam a aspiração manual intrauterina (AMIU). O conjunto de ferramentas pretende que todos os tipos de estabelecimentos de saúde (tais como hospitais, centros de saúde, clínicas e maternidades) tenham capacidade para administrar o misoprostol no tratamento do aborto incompleto, de modo a expandir o acesso das mulheres aos serviços de CPA. O conjunto de ferramentas pode ser adaptado a nível do país. Os utilizadores devem determinar o nível de pessoal clinico que pode administrar o misoprostol no tratamento do aborto incompleto a nível local, com base na capacidade dos clínicos executarem competências essenciais. 1 Quem deve utilizar este conjunto de ferramentas? Este conjunto de ferramentas destina-se a três públicos-alvo: gestores de programa a nível nacional/regional, gerentes de estabelecimento e pessoal clinico. Nota: Administrar o misoprostol no tratamento do aborto incompleto é um procedimento simples. Este conjunto de ferramentas não se destina a complicar estes serviços mas, de preferência, a apoiar um vasto leque de profissionais na implementação programática e clinica. Para os requisitos mínimos de prestação do serviço, consulte Ferramenta 3A: Requisitos mínimos no tratamento do aborto incompleto com misoprostol. Nem todos os módulos ou ferramentas serão úteis a todos os leitores. Figura 1 sugere os módulos que podem ser mais relevantes para cada públicoalvo. No entanto, consoante a sua função, também poderá considerar úteis ferramentas ou informações de outros módulos. 1. Para mais informações, consulte o manual de formação da Ipas e Gynuity Health Projects disponível em breve sobre o misoprostol para aborto incompleto em os Figura 1: Gestores de programa a nível nacional/regional Módulo 1: Introdução Módulo 2: Planear a prestação do serviço Módulo 6: Assegurar serviços de alta qualidade Gerentes de estabelecimento Módulo 1: Introdução Módulo 2: Planear a prestação do serviço Módulo 3: Avaliar o seu estabelecimento Módulo 4: Criar vínculos na comunidade Módulo 6: Assegurar serviços de alta qualidade Profissionais médicos Módulo 1: Introdução Módulo 4: Criar vínculos na comunidade Módulo 5: Prestação de serviços clínicos Módulo 6: Assegurar serviços de alta qualidade vii

9 Como pode ser utilizado o conjunto de ferramentas? Os utilizadores podem utilizar os módulos no conjunto de ferramentas de duas formas: seguindo os módulos por ordem sequencial ou identificando os módulos e as ferramentas que são mais relevantes e retirá-los da pasta arquivadora. As ferramentas devem ser consideradas como modelos que pode adaptar às necessidades e condições locais. Cada ferramenta está numerada (por exemplo, 2G) e inclui o ícone da ferramenta. As instruções de utilização das ferramentas encontram-se no início de cada ferramenta em itálico. O CD que acompanha o material torna todas as ferramentas disponíveis para adaptação e utilização. Além disso, cada módulo tem uma secção que contém recursos adicionais para obter informações relacionadas. Ao longo do conjunto de ferramentas, tecemos considerações particulares destinadas a populações com necessidades de saúde específicas, tais como mulheres em situações de crise ou de emergência, jovens, mulheres com VIH/SIDA e trabalhadores de sexo comercial. O conjunto de ferramentas incide nas directrizes com base em fundamentos mais recentes. Particularmente, três recursos essenciais fundamentaram o desenvolvimento do conteúdo do conjunto de ferramentas, materiais e informações sobre a utilização do misoprostol no cuidado pós-aborto. Os recursos abrangem: Misoprostol para tratamento do aborto incompleto: Um guia introdutório. (Gynuity Health Projects 2009). Woman-centered postabortion care: Reference manual. (Herrick et al. 2004). Materiais de formação e directrizes clínicas sobre o cuidado pós-aborto. (Venture Strategies Innovations 2009). Para obter informações clínicas e directrizes actualizadas sobre a utilização do misoprostol no cuidado pós-aborto, consulte os websites: e Consulte o website para obter informações adicionais sobre os programas globais de misoprostol. Se tiver perguntas sobre o conteúdo deste conjunto de ferramentas ou necessitar de assistência técnica, contacte ou O conjunto de ferramentas completo está disponível online em viii UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

10 ÍNDICE Módulo 1. Introdução...1 Público-alvo: Pessoal clínico, gerentes de estabelecimento e gestores de programa a nível nacional/regional 1.1 O que é aborto incompleto? De que forma pode ser tratado o aborto incompleto? O que são os serviços de cuidado pós-aborto (CPA)? Porque utilizar o misoprostol na prestação do cuidado pós-aborto?...3 Módulo 2. Planear a prestação do serviço...5 Público-alvo: Gerentes de estabelecimento e gestores de programa a nível nacional/regional 2.1 Introdução...5 Ferramenta 2A. Guia de avaliação ambiental Normas, directrizes e protocolos Planeamento passo-a-passo...10 Ferramenta 2B. Lista de verificação para planear a mudança na prestação do serviço Garantir o abastecimento sustentável do misoprostol...15 Ferramenta 2C. Necessidades previstas de abastecimento do misoprostol Recursos adicionais...19 Módulo 3. Avaliar o seu estabelecimento...21 Público-alvo: Gerentes de estabelecimento 3.1 Introdução Modelos para integrar o misoprostol nos serviços de cuidado pós-aborto...22 Ferramenta 3A. Requisitos mínimos no tratamento do aborto incompleto com misoprostol...23 Ferramenta 3B. Avaliação do estabelecimento Utilização dos resultados da ferramenta de avaliação do estabelecimento Recursos adicionais...35 ix

11 Módulo 4. Criar vínculos na comunidade Público-alvo: Pessoal clínico e gerentes de estabelecimentos 4.1 Introdução Estabelecimento de parcerias para alcançar comunidades...38 Ferramenta 4A. Guia rápido de avaliação da comunidade Estratégias para trabalhar com comunidades...41 Ferramenta 4B. Potenciais públicos-alvo e tópicos para informações, educação e comunicação sobre o uso de misoprostol no cuidado pós-aborto Recursos adicionais...45 Módulo 5. Prestação de serviços clínicos...47 Público-alvo: Profissionais de saúde 5.1 Introdução Misoprostol: o que é e como funciona Os regimes e a eficácia do tratamento de misoprostol para o aborto incompleto Misoprostol para o tratamento do aborto retido e gestação anembrionada...48 Ferramenta 5A. Misoprostol para tratamento do aborto incompleto: Protocolo clínico básico...49 Ferramenta 5B. Diagrama clínico...55 Ferramenta 5C. Diagrama de prestação do serviço...57 Ferramenta 5D. Ficha do paciente...59 Ferramenta 5E. Ficha de dosagem Preparar as mulheres para o que deverão esperar...67 Ferramenta 5F. Brochura para mulheres...69 Ferramenta 5G. Gerir os efeitos esperados, efeitos secundários e complicações Serviços de contracepção...75 Ferramenta 5H. Guia de bolso sobre contracepção Seguimento Referências...79 Ferramenta 5I. Formulário de referência Aprender com eventos adversos...83 Ferramenta 5J. Formulário de evento adverso sério Recursos adicionais...89 x UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

12 Módulo 6. Assegurar serviços de alta qualidade...91 Público-alvo: Pessoal clínico, gerentes de estabelecimento e gestores de programa a nível nacional/regional 6.1 Introdução Monitorização para avaliar e melhorar a qualidade dos serviços Seis áreas de monitorização de utilização do misoprostol em serviços de CPA Desenvolvimento de um plano de monitorização para garantir uma qualidade elevada dos serviços...92 Ferramenta 6A. Indicadores por nível de estabelecimento Recolha de informações para monitorização...97 Ferramenta 6B. Livro de registo de prestação do serviço...99 Ferramenta 6C. Relatório de serviço mensal Ferramenta 6D. Lista de verificação de melhoramento da qualidade de supervisão e desempenho Ferramenta 6E. Avaliação rápida do nível de satisfação do doente Compilação e sintetização de dados de monitorização Desenvolvimento de um plano de trabalho para a melhoria contínua da qualidade Recursos adicionais Referências por Módulo Anexo 1: Guia de referência para uma avaliação clínica: Descrição geral do misoprostol para o tratamento do aborto incompleto Anexo 2 - Ferramenta 2D: Folha de cálculo das necessidades previstas de abastecimento do misoprostol (Apenas disponível no CD do conjunto de ferramentas ou online no site xi

13 Lista de acrónimos ACOG... American College of Obstetricians and Gynecologists EA... Evento adverso SIDA... Síndrome de imuno-deficiência adquirida EmOC... Serviços obstétricos de emergência FEFO... Primeiro a expirar, primeiro a sair FIGO... Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia VIH... Vírus de imunodeficiência humana HTSP... Momento ideal e espaçamento de gravidez DIU... Dispositivo intrauterino MFIU... Morte fetal intrauterina DUM... Data de última menstruação MA... Monitoria e Avaliação SIG... Sistema de informação de gestão AMIU... Aspiração manual intrauterina ONG... Organização não-governamental CPA... Cuidado pós-aborto PDC... Produtos de concepção HPP... Hemorragia pós-parto SR... Saúde reprodutiva EAS... Eventos adversos sérios ITS... Infecções de transmissão sexual AV... Aspiração a vácuo EVTA... Esclarecimentos de valores e transformações de atitude OMS... Organização Mundial de Saúde xii UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

14 MÓDULO 1. Introdução 1.1 O que é o aborto incompleto? O aborto incompleto ocorre quando existem produtos de concepção (PDC) retidos após o aborto induzido (quer seja feito através de métodos seguros ou inseguros) ou após o aborto espontâneo. Os sintomas comuns do aborto incompleto são: PÚBLICO-ALVO: Pessoal clínico, gerentes de estabelecimento e gestores de programa a nível nacional/regional sangramento vaginal colo do útero dilatado útero mais pequeno do que o indicado pela data da última menstruação Sintomas por vezes presentes: cólicas ou dores no baixo ventre expulsão parcial de produtos de concepção O aborto incompleto está muitas vezes intimamente relacionado com o aborto inseguro (Gynuity Health Projects 2009). A Organização Mundial de Saúde (OMS) define o aborto inseguro como sendo a interrupção de uma gravidez não planeada quer por indíviduos sem as qualificações médicas necessárias quer num ambiente que não cumpre as normas médicas mínimas ou ambos (OMS 1993). A OMS prevê que 21,6 milhões de abortos inseguros são efectuados todos os anos, sendo a maioria dos quais em países em desenvolvimento (OMS 2011a). Os abortos inseguros provocam anualmente a morte de aproximadamente mulheres, a maioria podendo ser evitada (OMS 2011a), e muitas mais mulheres sofrem lesões e problemas de saúde a longo prazo. Adolescentes e jovens com menos de 24 anos são disproporcionalmente afectadas pelo aborto inseguro, contabilizando 46% das mortes provocadas pelo aborto inseguro nos países em desenvolvimento (OMS 2007). A magnitude do aborto inseguro varia consoante a região geográfica e, a nível das regiões, consoante o país. É importante informar-se sobre as leis do aborto no seu país e estar consciente do predomínio do aborto inseguro no seu país. No entanto, devido ao facto de o cuidado pós-aborto (CPA) não ser abrangido pelas mesmas restrições legais que a prestação do aborto, pode ser fornecido mesmo em panoramas onde o aborto é ilegal. Módulo 1. Introdução 1

15 1.2 Como é que o aborto incompleto pode ser tratado? A OMS afirmou que o tratamento imediato do aborto incompleto é um elemento essencial dos cuidados obstétricos (OMS 1991). O tratamento do aborto incompleto simples pode ser prestado ao nível dos cuidados primários (Gynuity Health Projects 2009). O tratamento activo do aborto incompleto, utilizando a aspiração por vácuo ou métodos médicos, é altamente eficaz no tratamento do aborto incompleto. O misoprostol, o método médico mais comum e minuciosamente estudado para o tratamento do aborto incompleto, é uma opção mais recente para alargar os serviços de CPA a locais onde a AMIU pode não estar disponível. O misoprostol fornece um tratamento não invasivo altamente eficaz para o aborto incompleto, permitindo que as mulheres recebam cuidados pós-aborto adequados e eficazes de prestadores de serviços de nível intermédio sem formação na área cirúrgica (Blum et al. 2007). Quer o AMIU esteja disponível quer não, o misoprostol é uma opção bastante exequível que pode ser utilizada como tratamento autónomo de primeira linha para o aborto incompleto. Devido ao facto de o misoprostol e o AMIU ser ambos métodos adequados para o cuidado pós-aborto, as mulheres idealmente optariam por um dos dois métodos. 2 ASPIRAÇÃO MANUAL INTRAUTERINA (AMIU) A aspiração a vácuo (AV) é um método pelo qual o conteúdo do útero é evacuado através de uma cânula de plástico ou metal que está fixa a uma fonte de vácuo. A aspiração manual intrauterina (AMIU) utiliza um aspirador portátil. A AMIU é utilizada frequentemente no tratamento de CPA para evacuação uterina (Herrick et al. 2004). A OMS adicionou o misoprostol para o aborto incompleto e retido à Lista Modelo de Medicamentos Essenciais em 2009, com base na eficácia e segurança comprovada pelo medicamento. A lista da OMS orienta o desenvolvimento de listas de medicamentos nacionais e institucionais, com o intuito de focalizar recursos nos medicamentos que ajudam a prevenir e solucionar a maioria dos problemas de saúde graves. A lista também molda o grau de preparação a nível médico da emergência humanitária, orientando as organizações que fornecem medicamentos aos países em desenvolvimento e aos países em situação de crise. APROVAÇÕES DO MISOPROSTOL O misoprostol está incluído na Lista Modelo de Medicamentos Essenciais da OMS para aborto incompleto, bem como nos Medicamentos Prioritários para Mães e Crianças da OMS (OMS 2011b, OMS 2011c). Além disso, é recomendado para utilização em cuidados pós-aborto pela Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO), Universidade Americana de Obstetras e Ginecologistas (ACOG), Federação Latino- Americana de Obstetrícia e Ginecologia (FLASOG), Confedereção Internacional de Parteiras (ICM) e por outras organizações e associações internacionais. Outra opção para o tratamento do aborto incompleto é o tratamento expectante (permitindo a evacuação espontânea do útero). Embora em alguns casos, os médicos prefiram não utilizar o tratamento expectante devido à reduzida taxa de eficácia e ao intervalo de tempo de expulsão 2. A AMIU mantém-se como uma opção importante, segura e eficaz para o tratamento de aborto incompleto. Para um debate completo da AMIU nos cuidados pós-parto, consulte: Herrick, Jeannine, Katherine L. Turner, Teresa McInerney e Laura Castleman Woman-centered postabortion care: Reference manual. Chapel Hill, NC: Ipas. ipas.org/publications/womancentered_postabortion_care_reference_manual.aspx 2 UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

16 imprevisível (Clark et al. 2007), uma mulher deve ter esta opção se estiver clinicamente estável. Todavia, o tratamento expectante requer um seguimento cuidado para avaliar se a expulsão ocorreu ou para confirmar se a mulher necessita de tratamento adicional. 1.3 O que são os serviços de cuidado pós-aborto (CPA)? O cuidado pós-aborto consiste numa série de intervenções concebidas para tratar uma mulher após um aborto espontâneo ou induzido (com ou sem complicações). O CPA é um componente importante dos serviços abrangentes de saúde reprodutiva porque salva as vidas das mulheres e reduz a mortalidade. Em 1993, as organizações líderes em saúde reprodutiva e as agências doadoras formaram o Consórcio CPA (www.pac-consortium.org), em parte para promover o CPA como uma estratégia eficaz direccionada para o problema global do aborto incompleto. O modelo para o cuidado pósaborto apoiado pelo Consórcio CPA consiste em cinco elementos (Winkler et al. 2000): Tratamento do aborto incompleto e inseguro e complicações relacionadas com o aborto que colocam potencialmente a vida em risco; Aconselhamento para identificar e responder às necessidades emocionais e físicas das mulheres e outras preocupações; Serviços de contracepção e informação para ajudar as mulheres a evitar uma gravidez indesejada ou praticar o espaçamento da gravidez; Serviços reprodutivos e outros serviços de saúde que são preferencialmente prestados no local ou através do referenciamento para outras instalações acessíveis nas redes clínicas; Parcerias entre a comunidade e prestadores de serviços para evitar gravidezes indesejadas e o aborto inseguro, mobilizar recursos para ajudar as mulheres a receber o cuidado adequado e atempado para as complicações resultantes do aborto inseguro, e garantir que os serviços de saúde reflictam e satisfaçam as expectativas e necessidades da comunidade. 1.4 Porquê utilizar o misoprostol na prestação do cuidado pós-aborto? O misoprostol foi utilizado com segurança no aborto incompleto em diversos países e não foi associado a efeitos a longo prazo na saúde das mulheres (Gynuity Health Projects 2009). Além disso, o tratamento com misoprostol tem muitos requisitos mínimos de prestação de serviço e pode ser fornecido em qualquer lugar (consulte Ferramenta 3A: Requisitos mínimos no tratamento do aborto incompleto com misoprostol). Módulo 1. Introdução 3

17 Existem cada vez mais indícios para a utilização do misoprostol no tratamento do aborto incompleto: 3 As taxas médias de eficácia do misoprostol no cuidado pós-aborto reportadas na literatura científica são de 91-99%, consoante o regime utilizado e o estudo. O misoprostol está a tornar-se cada vez mais reconhecido como um meio de evacuação uterina de baixo custo e fácil utilização (Blum et al. 2007). O misoprostol é uma tecnologia simples que é fácil de armazenar (não requer refrigeração e tem uma vida útil longa) e utilizar numa variedade de cenários, por vários profissionais de saúde. O misoprostol para o cuidado pós-aborto pode actuar de forma autónoma onde a AMIU não é exequível, ou complementar a AMIU onde existem serviços de CPA. O misoprostol para o tratamento do aborto incompleto foi clinicamente estudado em cenários tão diversos como os Estados Unidos, o Reino Unido e em países de baixos recursos, tais como Burkina Faso, Egipto, Gana, Moçambique e Tanzânia (Bique et al. 2007, Dabash et al. 2010, Dao et al. 2007, Shwekerela et al. 2007, Taylor et al. 2011). Em estudos que analisam o grau de aceitação, mais do que 90% das mulheres reportaram estar satisfeitas ou muito satisfeitas com o misoprostol no seu tratamento pós-aborto (Dao et al. 2007, Gynuity Health Projects 2009, Ngoc et al. 2005, Shwekerela et al. 2007, Weeks et al. 2005). Um estudo de viabilidade na Nigéria demonstrou um elevado grau de aceitação nas mulheres numa vasta população muçulmana no norte. O mesmo estudo demonstrou que os clínicos participantes (incluindo médicos, parteiras e enfermeiras) também reportaram um elevado grau de satisfação (Ipas Nigeria e SOGON 2011a, Ipas Nigeria e SOGON 2011b). Dados de vários estudos demonstram que, em muitos cenários, reorganizar os serviços reclassificando o tratamento CPA como um procedimento de cuidados ambulatórios reduz substancialmente os recursos utilizados para o CPA, juntamente com o custo e a duração média da estadia das mulheres nos estabelecimentos de saúde (Billings e Benson 2005). O misoprostol pode reduzir substancialmente os custos dos serviços, permitindo que as mulheres procurem tratamento para o aborto incompleto a nível dos cuidados de saúde primários, reduzindo assim o número de casos em estabelecimentos de cuidados de saúde terciários (FLASOG 2007). 3. Resumos de estudos publicados seleccionados estão disponíveis em: mpactoolkit/ 4 UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

18 MÓDULO 2. Planear a prestação do serviço 2.1 Introdução Ao planear introduzir o misoprostol nos serviços de cuidado pós-aborto (CPA) ao nível dos estabelecimentos, é muitas vezes útil, embora não necessário, reflectir bastante sobre as necessidades de prestação do serviço, o cuidado pós-aborto que está actualmente disponível (se existir) e as políticas que irão orientar a implementação do serviço. (Para uma lista de requisitos de prestação de serviço essenciais, consulte Ferramenta 3A: Requisitos mínimos no tratamento do aborto incompleto com misoprostol). Para além de fomentar as bases para serviços de CPA novos ou alargados, este processo deliberativo também deve estabelecer ou aumentar o apoio para a utilização do misoprostol no cuidado pós-aborto. Sem um amplo apoio institucional, será difícil desenvolver e manter um programa. O Módulo 2 fornece-lhe a orientação e as ferramentas para conduzir uma avaliação ambiental, analisar as políticas e serviços actuais e calcular as necessidades de abastecimento do misoprostol. O local onde trabalha, e o âmbito previsto do misoprostol para o programa de cuidado pós-aborto, irão determinar o âmbito da avaliação e da análise política/serviço. A sua previsão das necessidades de abastecimento do misoprostol terão como base o seu número de casos e as várias utilizações que planeia para o misoprostol. PÚBLICO-ALVO: Gerentes de estabelecimento e gestores de programa a nível nacional/regional FERRAMENTAS NESTE MÓDULO: 2A Guia de avaliação ambiental 2B Lista de verificação para planear a mudança na prestação do serviço 2C Necessidades previstas de abastecimento do misoprostol Módulo 2. Planear a prestação do serviço 5

19 6 UTILIZAÇÃO DO MISOPROSTOL NO CUIDADO PÓS-ABORTO: um conjunto de ferramentas para prestação do serviço

20 Ferramenta 2A. Guia de avaliação ambiental Utilize este guia para ajudar a aprofundar o seu conhecimento do ambiente no qual trabalha, para melhor desenvolver e implementar o misoprostol nos serviços de cuidado pós-aborto. A avaliação ambiental pode ser tão simples como convocar uma reunião de peritos para debater a situação actual e as necessidades observadas, ou analisar os dados para compreender a procura dos serviços de cuidado pós-aborto no seu cenário. À medida que for conduzindo a avaliação, certifique-se de que tem em consideração as necessidades de populações especiais, tais como mulheres em situações de crise/emergência, jovens, refugiadas, mulheres com VIH/SIDA, trabalhadoras de sexo comercial, mulheres vítimas de violência sexual e pessoas que sofrem de outras condições de saúde como doenças infecciosas. Contexto de saúde pública Compreender o tamanho e a distribuição geográfica da população. Tome nota da taxa de mortalidade maternal (a nível nacional, regional ou local). Tome nota da proporção de mortalidade maternal atribuída ao aborto inseguro. Tome nota do âmbito da mortalidade maternal atribuída a complicações provocadas pelo aborto inseguro. Contabilize o número de mulheres tratadas devido a complicações por aborto mensalmente e/ou anualmente na área de captação do hospital, distrito ou outro local. Analise os tipos de complicações maternas mais frequentemente verificados nos estabelecimentos de cuidados de saúde na área de captação. Tome nota da necessidade insatisfeita da contracepção. Contexto legal e regulamentar Analise as leis e políticas existente e seus efeitos na prestação do cuidado no aborto (tratamento de complicações devido ao aborto e aborto legal). As leis que são consideradas restritivas por vezes permitem abortos legais seguros em casos de violação e por outros motivos de força maior. Tome atenção a quaisquer regulamentos que afectam o cuidado a adolescentes ou mulheres solteiras. Determine os tipos de profissionais clínicos que podem tratar actualmente o aborto incompleto. Faça uma parceria com uma organização não-governamental ou outra agência para analisar o estado do misoprostol, incluindo o seu registo e indicações aprovadas, inclusão na lista de medicamentos essenciais, decisões do ministério da saúde relativamente à sua utilização, e utilização com base em evidências actuais (por bula ou não indicadas na bula). Contexto de prestação do serviço Tome nota da disponibilidade de serviços de CPA, incluindo serviços que fornecem a evacuação uterina com a AMIU e/ou misoprostol. Tome nota dos locais dos estabelecimentos, a sua distribuição relativamente ao número de mulheres em idade reprodutiva e os seus níveis de colaboradores e horas. Analise os meios através dos quais as mulheres normalmente chegam aos estabelecimentos de saúde. 5. Esta ferramenta é adaptada de: Baird, Traci L., M. Virginia Chambers e Charlotte E. Hord Implementing postabortion care. Technical resources for postabortion care, volume 1. Carrboro, NC: Ipas. Ferramenta 2A. Guia de avaliação ambiental 7

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos

Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos BEM ESTAR FAMILIAR NO BRASIL Aborto, Saúde e Direitos Reprodutivos Vera Cabral João Pessoa - PB ABORTO Situação Mundial 210 milhões de gestações ocorrem a cada ano no mundo 46 milhões (22%) terminam em

Leia mais

análise para advocacia da política do aborto

análise para advocacia da política do aborto PATHFINDER INTERNATIONAL análise para advocacia da política do aborto objectivos Este instrumento foi concebido com a intenção de ajudar as organizações a: Avaliar o contexto legal do aborto Avaliar o

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Promoção. Recolha de informação e processo de elaboração de relatórios APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS À SAÚDE REPRODUTIVA E SEXUAL

Promoção. Recolha de informação e processo de elaboração de relatórios APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS À SAÚDE REPRODUTIVA E SEXUAL APLICAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS À SAÚDE REPRODUTIVA E SEXUAL Recomendações adoptadas em 2001 por um Grupo de Peritos em reunião convocada pelo Fundo das Nações Unidas para a População (FNUAP) e pelo Alto

Leia mais

Resumo do Protocolo Partner

Resumo do Protocolo Partner Resumo do Protocolo Partner Estudo em casais serodiscordantes em relação ao VIH para estimativa da taxa de transmissão de VIH e investigação de factores associados à utilização de preservativo. Partners

Leia mais

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIAP. O. Box 3243Telephone +251 11 5517 700 Fax : 00251 11 5517844 www.au.int POSIÇÃO COMUM AFRICANO SOBRE ACABAR COM O CASAMENTO INFANTIL

Leia mais

Misoprostol para Tratamento de Abortamento Incompleto: Um Guia IntrodutÓrio

Misoprostol para Tratamento de Abortamento Incompleto: Um Guia IntrodutÓrio Misoprostol para Tratamento de Abortamento Incompleto: Um Guia IntrodutÓrio MISOPROSTOL PARA TRATAMENTO DE ABORTAMENTO INCOMPLETO: UM GUIA INTRODUTÓRIO COLABORADORES: JENNIFER BLUM, JILLIAN BYNUM, RASHA

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas*

Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* Doença pelo novo vírus da gripe A(H1N1) Fase Pandémica 6 - OMS Lista de verificação de medidas e procedimentos para serviços e empresas* A propósito da nova estirpe de vírus da gripe A(H1N1) recentemente

Leia mais

Serviço de consultadoria independente de projectos internacionais de saúde

Serviço de consultadoria independente de projectos internacionais de saúde International Health Consultants Member of the International Hospital Federation Serviço de consultadoria independente de projectos internacionais de saúde Asia and Far East Eastern Europe and Russia Latin

Leia mais

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 15 - dezembro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida

Leia mais

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher PROTOCOLO PARA O FORNECIMENTO DE CONTRACEPTIVOS REVERSÍVEIS NA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Contracepção na Adolescência. Fátima Palma - 2007

Contracepção na Adolescência. Fátima Palma - 2007 Contracepção na Adolescência Fátima Palma - 2007 Os adolescentes são considerados um grupo de risco em termos de saúde sexual e reprodutiva OMS 1980 Educação sexual Cultura, Religião, Industrialização

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente

Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente P R E S S R E L E A S E Em pelo menos 56 países, as taxas de novas infecções pelo HIV estabilizaram ou diminuíram significativamente Novo relatório do UNAIDS mostra que a epidemia da aids parou de avançar

Leia mais

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem:

1 Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial Os Serviços de Planeamento e Transformação Empresarial da SAP incluem: Descrição de Serviços Serviços de Planeamento e Empresarial Os Serviços de Planeamento e Empresarial fornecem serviços de consultoria e prototipagem para facilitar a agenda do Licenciado relativa à inovação

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA A PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA HEMORRAGIA PÓS-PARTO Destaques e principais mensagens das novas recomendações globais de 2012

RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA A PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA HEMORRAGIA PÓS-PARTO Destaques e principais mensagens das novas recomendações globais de 2012 RECOMENDAÇÕES DA OMS PARA A PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA HEMORRAGIA PÓS-PARTO Destaques e principais mensagens das novas recomendações globais de 2012 Antecedentes Apesar do progresso feito nos últimos anos

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

M t é o t d o os o Contraceptivos

M t é o t d o os o Contraceptivos Métodos Contraceptivos São meios utilizados para evitar a gravidez quando esta não é desejada, permitindo a vivência da sexualidade de forma responsável. Permitem o planeamento familiar. 2 Como se classificam

Leia mais

Partilha de informação com as comunidades

Partilha de informação com as comunidades Briefing da CAFOD sobre : Nível 1 (Básico) com as comunidades Este Briefing apresenta um guia básico passo-a-passo para os parceiros da CAFOD sobre a partilha de informação com as comunidades que apoiam

Leia mais

Plano de saúde. do seu filho

Plano de saúde. do seu filho Plano de saúde do seu filho 7 7 Plano de saúde do seu filho Neste capítulo, encontrará informações sobre o seguro de saúde do seu filho ou plano de saúde. Anexe a este capítulo uma cópia do folheto de

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Construir uma sociedade para todas as idades

Construir uma sociedade para todas as idades Construir uma sociedade para todas as idades O VIH/SIDA e as Pessoas Idosas O VIH/SIDA é um problema mundial de proporções catastróficas. O desafio é enorme, mas não estamos impotentes perante ele. Foi

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Projeto de Educação Sexual 2013/2014

Projeto de Educação Sexual 2013/2014 Projeto de Educação Sexual 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARCOZELO Equipa de Educação para a Saúde 1. INTRODUÇÃO O presente projecto, surge para dar cumprimento à lei nº 60/2010 de 6 de Agosto, regulamentada

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS

Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Como elaborar um plano de divulgação para a expansão das abordagens de MIFS Um bom plano de divulgação deverá assegurar que todos os envolvidos estão a par do que está a ser proposto e do que irá acontecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA MULHER O Ministério da Saúde, por intermédio da Secretaria de Atenção à Saúde,

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE

FRÁGEIS E EM SITUAÇÕES DE FRAGILIDADE PRINCÍPIOS PARA UMA INTERVENÇÃO INTERNACIONAL EFICAZ EM ESTADOS PRINCÍPIOS - Março 2008 Preâmbulo Uma saída sustentável da pobreza e da insegurança nos Estados mais frágeis do mundo terá de ser conduzida

Leia mais

Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC) NORMAS A OBSERVAR PELOS REQUERENTES SOBRE O FORMATO E CONTEÚDO DO PEDIDO

Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC) NORMAS A OBSERVAR PELOS REQUERENTES SOBRE O FORMATO E CONTEÚDO DO PEDIDO Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC) NORMAS A OBSERVAR PELOS REQUERENTES SOBRE O FORMATO E CONTEÚDO DO PEDIDO DE PARECER À CEIC PARA A REALIZAÇÃO DE ENSAIO CLÍNICO COM MEDICAMENTOS DE USO

Leia mais

Monitorização e Relatório de Progresso Anual do Movimento SUN, 2015

Monitorização e Relatório de Progresso Anual do Movimento SUN, 2015 Monitorização e Relatório de Progresso Anual do Movimento SUN, 5 A fim de garantir esforços de responsabilização mútua para o fomento da nutrição, foi estabelecido em um Quadro de M&A abrangente do Movimento

Leia mais

Aviso de Alterações Anuais para 2015

Aviso de Alterações Anuais para 2015 Programa de Opções de Cuidados Seniores (HMO SNP) fornecido pela Commonwealth Care Alliance Aviso de Alterações Anuais para 2015 Está actualmente inscrito como membro do Programa de Opções de Cuidados

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE MATERNA, OBSTÉTRICA E GINECOLÓGICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO

Leia mais

Termos de Referência

Termos de Referência MAPEAMENTO DE PARTES INTERESSADAS (PARCEIROS E DOADORES) Termos de Referência 1. Contexto O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) tem vindo a trabalhar em Moçambique desde os meados dos anos 90 em áreas-chave

Leia mais

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas

A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas A estratégia nacional para a melhoria da higiene das mãos em 10 perguntas Patrocinador do Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infecção Associada aos Cuidados de Saúde Índice 1. O que é a estratégia

Leia mais

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011

ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE O GOVERNO DA AUSTRÁLIA. Novembro de 2011 ACORDO DE PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O DESENVOLVIMENTO ENTRE O GOVERNO DE TIMOR-LESTE E O GOVERNO DA AUSTRÁLIA Novembro de 2011 Acordo de planeamento estratégico para o desenvolvimento Timor-Leste Austrália

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

ASPF. Musica. IPPF-RA: Federação Internacional de Planeamento Familiar Religião Africana Departamento de IEC (Programa Bem-estar Familiar)

ASPF. Musica. IPPF-RA: Federação Internacional de Planeamento Familiar Religião Africana Departamento de IEC (Programa Bem-estar Familiar) PROGRAMA BEM-ESTAR FAMILIAR RADIOFÓNICO Edição de 19 de Janeiro de 2015 Caros ouvintes da RNSTP e do programa bem-estar famiiar, muito boa noite e saiba que está no ar o teu programa preferido. Gostamos

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Oportunidades para os Recém-nascidos em Africa

Oportunidades para os Recém-nascidos em Africa Oportunidades para os Recém-nascidos em Africa Dados práticos, políticas e apoios programáticos para a prestação de cuidados de saúde aos recém-nascidos em África Todos os anos morrem pelo menos 1,16 milhões

Leia mais

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 MANUAL DE FUNÇÕES NO ÂMBITO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE XZ Consultores Direção INTRODUÇÃO Página: / Revisão:0 ÍNDICE CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 Mapa de Controlo das Alterações

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO

FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO Projecto PIGEM FORMAÇÃO SOBRE: GÉNERO E DESENVOLVIMENTO LUBANGO 28 DE ABRIL DE 2015 ELABORADO POR: MARIANA SOMA /PRELECTORA 1 GÉNERO E DESENVOLVIMENTO CONCEITO É uma abordagem que se concentra nas relações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN

DESENVOLVIMENTO DA ESTRATÉGIA DO GRUPO DE LÍDERES DO MOVIMENTO SUN: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN INTERVENÇÃO POR TEMAS 14 de Maio de 2012: Secretariado do Movimento SUN 1) Um dos principais resultados da primeira reunião do Grupo de Líderes do Movimento SUN (a 10 de Abril de 2012) foi a obtenção de

Leia mais

Interrupção da Gravidez por Opção da Mulher

Interrupção da Gravidez por Opção da Mulher Interrupção da Gravidez por Opção da Mulher GUIA INFORMATIVO Direcção-Geral da Saúde Índice 01. 2 Introdução 02. 4 A Lei - Principais disposições legais 03. 8 Procedimentos a ter em conta antes da interrupção

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública

A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública A Nossa Oferta Formativa para a Administração Pública 2011 DESIGNAÇÃO A inscrição poderá DO CURSO ser efectuada Nº através DE do PREÇO site POR www.significado.pt Para mais informações, por favor contacte

Leia mais

Mainstreaming Externo do HIV. Instrumento 2 e

Mainstreaming Externo do HIV. Instrumento 2 e Mainstreaming Externo do HIV Instrumento 2 e Este documento contém uma tabela que se pretende que seja usada na abordagem 4Ps relativa ao mainstreaming do HIV. Esta abordagem ao mainstreaming do HIV é

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

O IMPACTO DA UNITAID NO MERCADO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PESSOAS QUEM VIVEM COM VIH/ SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA

O IMPACTO DA UNITAID NO MERCADO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PESSOAS QUEM VIVEM COM VIH/ SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA O IMPACTO DA UNITAID NO MERCADO E A SUA IMPORTÂNCIA PARA AS PESSOAS QUEM VIVEM COM VIH/ SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA Pelas Delegações da Sociedade Civil para UNITAID O PROBLEMA A SOLUÇÃO O PERCURSO DE MERCADO

Leia mais

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota

Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Descrição dos serviços Especificações de oferta Monitorização da infra-estrutura remota Este serviço oferece serviços de Monitorização da infra-estrutura remota Dell (RIM, o Serviço ou Serviços ) conforme

Leia mais

APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE

APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE APROVEITE AS SUAS CONSULTAS PARA INFORMAR SOBRE O PLANEAMENTO FAMILIAR REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA SAÚDE ACONSELHE SOBRE OS BENEFÍCIOS DO PLANEAMENTO FAMILIAR Permite aos casais tomarem decisões

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária 1 Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos

Leia mais

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE

DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE A REDE on-line (PROJECTO DE DOCUMENTO ELABORADO PELO GRUPO DE TRABALHO REUNIDO EM SANTA CRUZ DE LA SIERRA, BOLÍVIA, ENTRE OS DIAS 3 E 5 DE MAIO DE 2006) SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO; II. OBJECTIVOS DA REDE on-line

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados

Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Descrição do serviço Serviço de Rastreio e Recuperação de Computadores Portáteis e Serviço de Eliminação Remota de Dados Apresentação do serviço A Dell tem o prazer de fornecer o Serviço de rastreio e

Leia mais

Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores

Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores Sobre os impactos da redução da pobreza através de avaliação e monitoramento inovadores Os sistemas de avaliação e monitoramento são, com freqüência, os componentes menos abordados durante a criação e

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 011-551 7700 Fax : 011-551 7844 website : www. au.int Criada como um organismo Pan-africano continental único,

Leia mais

Os pacientes podem também contactar o Departamento de Saúde de Nova Iorque através do número (800) 804-5447 ou (518) 402-6993.

Os pacientes podem também contactar o Departamento de Saúde de Nova Iorque através do número (800) 804-5447 ou (518) 402-6993. Faz parte da política do Winthrop University Hospital informar todos os pacientes sobre a disponibilização de assistência financeira, definida como serviços de saúde sem custos ou a custos reduzidos a

Leia mais

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO?

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? Em 1984 legalizou-se o aborto em Portugal, mas os prazos dessa lei já foram alargados. Desde 1997 tornou-se legal abortar por razões de saúde da

Leia mais

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain

WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain WinCEM: software para gestão de energia a nível municipal - Catalunha - Spain - Print - Close - ICAEN (Instituto Català d Energia, a agência regional de energia da Catalunha) desenvolveu, promoveu e distribuiu

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência.

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência. A Rede Cegonha instituída em junho de 2011 consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao planejamento

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar.

ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. ABORTO SEGURO - Estamos aqui para ajudar. Como Aborto com Cytotec? Instruções completas para o uso do medicamento Cytotec (Citotec) no procedimento de aborto. Em primeiro lugar queremos indica-lo que,

Leia mais

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt

Métodos Contraceptivos Reversíveis. DSR- www.saudereprodutiva.dgs.pt Métodos Contraceptivos Reversíveis Estroprogestativos orais Pílula 21 cp + 7 dias pausa existem vários, podendo ser escolhido o que melhor se adapta a cada mulher são muito eficazes, quando se cumprem

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES

CMSC-FAC COMUNICAÇÃO. PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES CMSC-FAC COMUNICAÇÃO PARA A MUDANÇA SOCIAL E DE COMPORTAMENTO Ferramenta de Avaliação da Capacidade PARA USO COM ORGANIZAÇÕES PARTE II: FERRAMENTA DE AVALIAÇÃO Esta publicação é tornada possível graças

Leia mais

CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto?

CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto? CYTOTEC ORIGINAL - Precisa fazer um aborto? Como Aborto com Cytotec? Instruções completas para o uso do medicamento Cytotec (Citotec) no procedimento de aborto. Em primeiro lugar queremos indica-lo que,

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS

DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS Fonte: IPPF Carta sobre os Direitos em Matéria de Sexualidade e de Reprodução Tradução e Compilação: Conceição Fortes (Consultora IEC) PRESSUPOSTOS: 1 - O direito à saúde

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos

Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Orientação Técnica para a Série 8 Informação Técnica Essencial para Formulação de Propostas Reforçar os Programas VIH/SIDA para Mulheres e Raparigas Combatendo as Desigualdades entre os Sexos Historial:

Leia mais

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO ASSUNTOS-CHAVE DE ÁGUA E SANEAMENTO Princípios Institucionais e de Gestão RESPOSTAS POSSIVEIS As alterações dos objectivos políticos e dos factores económicos ocorridos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo

ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo ABORTO INCOMPLETO: ESVAZIAMENTO OU MISOPROSTOL? CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo ABORTAMENTO INCOMPLETO Montenegro, Rezende Filho, 2013.

Leia mais

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência

Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência Protocolo para Utilização do Levonorgestrel na Anticoncepção Hormonal de Emergência A Rede Cegonha, instituída em junho de 2011, consiste numa rede de cuidados que visa assegurar à mulher o direito ao

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO

cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO cartões de bolso serié 2 SEXO SEGURO 1 O que quer dizer sexo seguro? Sexo seguro quer dizer, práticas sexuais responsáveis sem riscos de engravidar, ou de contrair uma infecção transmitida sexualmente,

Leia mais