MANUAL DO ALUNO DA GRADUAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO ALUNO DA GRADUAÇÃO"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CETIND MANUAL DO ALUNO DA GRADUAÇÃO Cursos Superiores de Tecnologia Salvador 2008

2 Copyright 2007 por SENAI DR BA. Todos os direitos reservados Diretor da Faculdade de Tecnologia SENAI CETIND: Carlos Roberto Oliveira - MSc Diretor Elaboração: Maria Célia Calmon Santos Esp Assessoria de Desenvolvimento SENAI/DR/BA Equipe de Revisores: Ana Paula Esteves de Carvalho Sarmiento Secretária Acadêmica CST Gilney Figueira Zebende Dr. Física Coordenação de Graduação Jaylene Fagundes Xavier - Esp / Coordenadora Pedagógica Kamila Silva de Novais - Esp / Coordenadora Pedagógica CST Maria Célia Calmon Santos Esp Assessoria de Desenvolvimento SENAI/DR/BA Maria Inês de Jesus Ferreira Esp / Coordenadora Pedagógica CST Sayonara Nobre de Brito Lordelo MSc / Coordenadora Pedagógica CST Normalização: Sueli Madalena Costa Negri Catalogação na fonte (NIT - Núcleo de Informação Tecnológica) SENAI/DR/BA. Manual do aluno da graduação: cursos superiores de tecnologia. Salvador, p. (Rev.05) 1. Manual - Aluno I. Título CDD 370 MANUAL DO ALUNO DA GRADUAÇÃO - SENAI 2007 Nenhuma parte desta publicação pode ser alterada ou apropriada sem a autorização do SENAI DR BA/ Cetind Janeiro/2008

3 SUMÁRIO MENSAGEM DO DIRETOR ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FACULDADE CANAIS DE COMUNICAÇÃO COM A FACULDADE ESTRUTURA ACADÊMICA Matrícula Matrícula Acadêmica Matrícula Financeira Matrícula de calouros Matrícula de veteranos Matrícula por transferência interna Cancelamento de matrícula Trancamento de matrícula CRÉDITO ESTUDANTIL CONTROLE DE FREQÜÊNCIA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ALUNO REVISÃO DE PROVAS APROVEITAMENTO EXTRAORDINÁRIO DE ESTUDOS E COMPETÊNCIAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CERTIFICADOS E DIPLOMAS COLAÇÂO DE GRAU DIREITOS E DEVERES DO ALUNO São direitos do aluno São deveres do aluno SANÇÕES APLICADAS AOS ALUNOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS INFRA-ESTRUTURA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CETIND CONDIÇÕES PARA ACESSO ÀS INSTALAÇÕES OUTRAS INFORMAÇÕES...29

4 MENSAGEM DO DIRETOR Caro aluno, Temos satisfação em recebê-lo na Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind. A sua opção de fazer um Curso Superior de Tecnologia nessa Faculdade foi muito acertada. Tradição em formação, experiência e competência fazem do SENAI uma instituição de educação profissional de alto nível, onde você tem acesso a um ambiente educacional de qualidade, que contribui para a sua formação e pleno desenvolvimento para o trabalho e para a vida. Este manual foi elaborado com o intuito de orientá-lo durante sua permanência conosco. A partir das informações aqui contidas, queremos responder, antecipadamente, possíveis dúvidas e facilitar sua comunicação com a direção da faculdade. Esperamos atender às suas expectativas e contribuir para seu desenvolvimento pessoal, profissional e social, agradecendo a oportunidade de fazermos parte da sua história. Seja bem-vindo e sucesso! Carlos Roberto Oliveira de Sousa Direção da Faculdade 6

5 1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FACULDADE Direção da Faculdade Responsável pelas decisões e estratégias de gestão da IES - Instituição de Educação Superior, pela administração, coordenação e representação interna e externa da instituição junto ao MEC e a outros segmentos educacionais. Coordenação da Graduação Responsável pelo gerenciamento acadêmico e uniformidade das ações didático-acadêmicas dos cursos vigentes; condução dos processos de seleção e capacitação continuada de docentes, avaliação de docentes, avaliação dos cursos para processos de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos, dentre outras ações. Coordenação de Curso Responsável pela elaboração dos projetos de cursos e gerenciamento acadêmico: cadastramento dos cursos no sistema informatizado, seleção, contratação, orientação e acompanhamento do desempenho de docentes, reserva e solicitação de materiais de consumo e didáticos (livros e apostilas), elaboração, atualização, divulgação e acompanhamento do cronograma de aulas. Coordenação Pedagógica Responsável pelo acompanhamento pedagógico dos cursos: participação do processo de elaboração dos projetos de cursos e planos de ensino/disciplina, seleção, formação continuada, orientação e avaliação de docentes, acompanhamento do desempenho e aprendizagem dos alunos, desenvolvimento de ações pedagógicas, visando o aprimoramento de competências dos estudantes. 7

6 Secretaria Acadêmica Responsável pela matrícula, registro, controle e arquivamento da documentação pertinente à vida acadêmica do aluno, emissão e controle de registros escolares, disponibilização de informações sobre freqüência e desempenho de alunos, emissão e assinatura de documentos (atestados, certificados, diplomas, atas de conclusão de curso, ementas, históricos e outros documentos). Setor Financeiro Setor responsável pela gestão dos contratos de prestação de serviços educacionais, emissão de boletos e controle, acompanhamento e cobrança das obrigações financeiras do aluno com a Faculdade. Fale com SENAI CETIND Responsável pelo atendimento aos alunos, atendimento às suas reclamações e solicitações, emissão de relatórios de avaliação institucional interna e externa, publicação dos resultados de pesquisas e de relatórios e aplicação de instrumentos de avaliação de satisfação dos alunos. 8

7 2. CANAIS DE COMUNICAÇÃO COM A FACULDADE ÓRGÃO RESPONSÁVEL CONTATO Coordenação da Graduação Alessander Acácio Ferro Dr. em Ciência Química De 2ª a 6ª. Das 08H às 17H Fone: (71) Coordenação Pedagógica CST Sayonara Nobre de Brito Lordelo, MSc Educação. Pedagoga CST De 2ª a 6ª. Das 13H às 22H Fone: (71) Secretaria Acadêmica CST Luciana Siqueira do Nascimento Secretária Acadêmica Cursos de Graduação De 2ª a 6ª. Das 13H às 22H Fone: (71) Núcleo de Documentação e Informação NDI (Biblioteca) Lidia Fonseca de Araujo, Bibliotecária Coordenadora Talita Batista de Brito - Bibliotecária De 2ª a 6ª. Das 8H às 21H45 / sábados: das 8H às 12H Fone: (71) Fone: (71) Núcleo de Relações com o Mercado (Atendimento a matrículas) Curso Superior de Tecnologia em Processos Ambientais Rachel Queiroz Coordenadora Profa. Clélia Nobre de oliveira, Msc - Coordenadora De 2ª a 6ª. Das 8H às 21H Fone: (71) De 2ª a 6ª. Das 13:00H às 22:00H Fone: (71) Ouvidoria CST Maria Luiza Oliveira Ouvidora De 2ª a 6ª (das 8h às 17h) Fone: (71) Fale com SENAI CETIND Gestão da IES 9

8 3. ESTRUTURA ACADÊMICA 3.1 Matrícula A matrícula é o ato formal de seu ingresso no curso e de sua vinculação à Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind. Constitui-se através do vínculo contratual com a instituição, gerando direitos e deveres entre as partes e a aceitação, pelo matriculado, das disposições contidas no Regimento da Faculdade de Tecnologia, Contrato de Prestação de Serviços Educacionais e demais documentos normativos emanados pelo Colegiado de Ensino Superior. A confirmação da matrícula refere-se ao processo formal de participação efetiva do aluno, calouro ou veterano, no curso para o qual foi selecionado/promovido em épocas previstas no Calendário Acadêmico da Faculdade e de acordo com a periodicidade estabelecida no Projeto Pedagógico do Curso. 3.2 Matrícula Acadêmica Procedimento realizado em prazos estabelecidos em calendário acadêmico, disponibilizada para os alunos efetuarem a matrícula ou rematrícula, reservando sua vaga no curso contratado. Na matrícula acadêmica o aluno deverá inscrever-se nas disciplinas que irá cursar no semestre, para as quais obteve aprovação. 3.3 Matrícula Financeira Para efetivar a matrícula financeira, o aluno deverá estar com os pagamentos das mensalidades ou parcelas da semestralidade do período letivo anterior quitados, situação regular com a Biblioteca, além de estar com sua documentação completa e atualizada. Deve apresentar, também, o recibo de pagamento da primeira mensalidade. Dependendo do período de matrícula, poderá haver coincidência do pagamento de uma ou mais mensalidades. Obs.: O aluno será considerado regularmente matriculado após efetivação das matrículas acadêmica e financeira. 3.4 Matrícula de calouros a) No ato da matrícula, os alunos ingressantes deverão apresentar à Secretaria Acadêmica os documentos exigidos que comprovem os pré-requisitos e ou competências requeridas para 10

9 ingresso no curso ao qual foi selecionado, conforme segue: I - certificado de conclusão do ensino médio ou equivalente; II - histórico escolar do ensino médio; III - certidão de nascimento ou de casamento; IV - cédula de identidade; V CPF; VI - título de eleitor e comprovante de voto/justificativa da última eleição; VII - documento militar para ingressantes do sexo masculino; VIII - comprovante de pagamento da primeira parcela da semestralidade da Faculdade, do período contratado; IX duas fotos 3x4 recentes e com data; X requerimento de solicitação de matrícula; XI comprovante de residência. b) Na matrícula, o aluno/contratante deverá receber, mediante protocolo de entrega: I. Termo de Adesão; II. Cópia do Contrato de Prestação de Serviços; III. Manual do Aluno; IV. Fluxograma do curso; V. Calendário Acadêmico. 3.5 Matrícula de veteranos a) No ato da rematrícula, os alunos/contratantes veteranos deverão apresentar à Secretaria Acadêmica da Faculdade, os documentos, conforme segue: I. nada consta do NIT Núcleo de Informações Tecnológicas (Biblioteca); II. nada consta do NAF Núcleo Administrativo Financeiro; III. requerimento de solicitação de matrícula; IV. comprovante de pagamento da primeira mensalidade da semestralidade da Faculdade, relativa ao período contratado. b) Na rematrícula, o aluno/contratante deverá receber: I. Termo de Adesão; II. Cópia do Contrato de Prestação de Serviços; III. Itinerário Formativo do Curso com destaque no seu período. c) Somente poderá se rematricular em módulo seguinte, ao período letivo em curso, o aluno 11

10 que: I. obtiver média final igual ou superior a 7,0 (sete) em todos os componentes curriculares de um módulo ou semestre letivo; II. tiver cumprido no mínimo 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária realizada nas disciplinas ofertadas em que estiver regularmente matriculado Dos impedimentos de rematrícula de alunos veteranos a) O aluno que obtiver grau de aproveitamento final menor que 5,0 (cinco) em mais de dois componentes curriculares estará impedido da realização da rematrícula, no módulo seguinte. b) O aluno retido somente poderá realizar matrícula parcial quando a Faculdade oferecer as disciplinas em caráter especial. c) O aluno retido deverá retornar em cada período letivo, seguindo rigorosamente as datas estabelecidas no Calendário Acadêmico, para regularização de sua matrícula junto à Faculdade, ficando esta condicionada à disponibilidade de vaga, possíveis adaptações curriculares e regularização de pendências financeiras. d) O aluno retido, cuja matrícula não seja semestralmente confirmada, estará sujeito à perda da vaga. 3.6 Matrícula por transferência interna a) A matrícula por transferência interna, será concedida ao aluno veterano com vínculo ativo com a Faculdade, respeitada a legislação vigente e obedecidas as seguintes exigências: I. solicitação de transferência interna mediante formalização via requerimento na Secretaria Acadêmica; II. existência de vaga em curso afim àquele de origem; III. aprovação no processo seletivo interno de transferência, quando pertinente; IV. cumprimento dos prazos fixados no Calendário Acadêmico da Faculdade e demais critérios estabelecidos pelo Colegiado de Ensino Superior. b) É vedada transferência interna para ingressantes do primeiro semestre letivo. 3.7 Cancelamento de matrícula a) Para cursos em andamento, o aluno deve se informar sobre os procedimentos na Secretaria Acadêmica da Faculdade de Tecnologia. Entretanto, o cancelamento da matrícula somente será possível quando: o aluno a solicita formalmente e por escrito, com antecedência mínima de 48(quarenta e oito horas), antes do início das aulas; 12

11 o aluno for penalizado com expulsão em processo disciplinar; a matricula não for renovada no período previsto no Calendário Acadêmico oficial; o aluno não concluir seu Curso Superior de Tecnologia no prazo máximo fixado para a integralização do respectivo currículo pleno (cf. previsto no Projeto Pedagógico do Curso), considerando o período máximo de trancamento de matrícula permitido (quatro semestres consecutivos ou não); o aluno, enquadrado em situação de trancamento, não tiver mais direito a ele; for comprovada irregularidade grave e de impedimento legal na documentação escolar apresentada pelo aluno ou a falta de documento obrigatório exigidos para a matricula. ATENÇÃO: O cancelamento realizado antes do início do período letivo implicará em retenção de 10% (dez por cento) sobre o valor total da primeira mensalidade, correspondente à taxa administrativa. O cancelamento realizado antes do início do período letivo implicará em retenção de 10% (dez por cento) sobre o valor total do módulo contratado. O cancelamento realizado após iniciado o período letivo, implicará em retenção de 10% (dez por cento) do valor remanescente do módulo, acrescido do valor proporcional ao total de horas ministradas no curso. Após o deferimento do pedido de cancelamento, o aluno encerra seu vínculo com a Instituição, só podendo retornar aos estudos através de um novo processo seletivo. No caso de matrícula por procuração, esta deverá ser registrada em cartório. 3.8 Trancamento de matrícula O trancamento de matrícula permite que o aluno interrompa temporariamente os estudos mantendo o vínculo com a Instituição Trancamento Voluntário Para realizar o trancamento voluntário: O aluno ou seu procurador, devidamente constituído, deverá solicitar trancamento de matrícula mediante requerimento na Secretaria Acadêmica, podendo ser solicitado em qualquer período do curso, desde que o requeira no período estabelecido no Calendário Acadêmico. Durante a vigência do trancamento, o aluno estará impedido de cursar qualquer disciplina ofertada pelo seu curso de origem. 13

12 Será assegurado ao discente o direito a reabertura de matrícula, desde que requerida no período previsto no calendário acadêmico, estando sujeita, ainda, à oferta do curso, disponibilidade de vagas e às adaptações curriculares necessárias, mediante homologação do Colegiado de Curso. Não havendo a oferta do curso desejado, o discente poderá requerer matrícula em curso de área de conhecimento correlata, mediante homologação pelo Colegiado do Curso pretendido. O discente que não reabrir a matrícula no prazo de dois anos perderá a vaga. É vedado o trancamento de matrícula por disciplina, uma vez que nos Cursos Superiores de Tecnologia do SENAI Cetind a matrícula é modular. O aluno que trancar a matrícula após o quinto dia, pagará a mensalidade referente ao mês do evento Trancamento Automático Os discentes que não realizarem matrícula ou trancamento voluntário no período estabelecido em Calendário Acadêmico próprio terão automaticamente sua matrícula trancada pela Faculdade de Tecnologia, por um semestre letivo. O trancamento se dará sempre imediatamente após a data final da matrícula de alunos veteranos, além de constar no calendário acadêmico. O aluno, em situação de trancamento automático que não efetuar sua matrícula no período subseqüente, terá sua matrícula cancelada por abandono, e esta ação será devidamente registrada nos documentos de registro acadêmico da Faculdade. O período do trancamento automático contará para efeito de integralização do curso. 3.9 CRÉDITO ESTUDANTIL FIES A Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind, estará a partir de , vinculando-se ao Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior FIES, programa gerido pelo Governo Federal para financiamento de estudos universitários de estudantes oriundos da escola pública. 14

13 O FIES financia até 75% (setenta por cento) do valor da mensalidade para os alunos, mediante seleção realizada em período determinado pela IES e contrato com a Caixa Econômica Federal. 4. CONTROLE DE FREQÜÊNCIA a) A freqüência às aulas e demais atividades acadêmicas dos Cursos Superiores de Tecnologia é obrigatória e permitida apenas aos alunos regularmente matriculados no período. b) A freqüência mínima obrigatória para aprovação do discente é de 75% (setenta e cinco por cento) da carga horária total da disciplina ou de outro componente curricular, em cada período letivo considerado. c) É vedado o abono de faltas, exceto nos casos previstos em lei. d) Não haverá reposição de aulas, exceto para repor e integralizar carga horária não cumprida por situações adversas ou impedimento justificado pela Faculdade ou do docente e) Será considerado evadido o aluno que deixar de efetuar renovação de matrícula nos prazos estabelecidos no Calendário Acadêmico. f) Ao discente que faltar a qualquer das verificações de aprendizagem, será facultado o direito à segunda chamada, desde que a requeira, no prazo de até 05 (cinco) dias úteis a contar da data de realização da atividade em que esteve ausente, mediante recolhimento das taxas previstas no procedimento de educação em até 48 (quarenta e oito) horas antes da realização da segunda chamada. g) Ao discente é facultado realizar segunda chamada de avaliações desde que comprove, através de documentos legais, uma das seguintes situações: problema de saúde; obrigações com o serviço militar; exercício do voto (um dia anterior e um posterior à data da eleição, se coincidente com a data da avaliação); convocação pelo poder judiciário ou pela justiça eleitoral; viagem ou outra necessidade de serviço, devidamente comprovada através de declaração emitida pelo departamento de pessoal da empresa; viagem autorizada por instituição para representá-la em atividades desportivas, culturais, de ensino ou pesquisa, devidamente comprovada através de declaração emitida pelo departamento de pessoal da empresa; casamento e nascimento de filho, devidamente comprovados pelas respectivas certidões; doação de sangue ou órgãos; 15

14 acompanhamento de parente enfermo (cônjuge, pai, mãe e filho), devidamente comprovado através de atestado ou relatório médico; falecimento de familiar próximo (cônjuge, pai, mãe e filho), devidamente comprovado por atestado de óbito. 4.1 Acompanhamento das Faltas 1. As faltas não serão publicadas pela Secretaria Acadêmica da Faculdade, cabendo ao aluno acompanhar e controlar o seu número de faltas em cada componente curricular/disciplina. 2. Caso haja necessidade de buscar informações sobre o status de sua freqüência, o aluno deverá fazê-lo junto ao docente da unidade curricular/disciplina. 5. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO ALUNO a) O desempenho do aluno será avaliado considerando os aspectos quantitativos e qualitativos, registrados separadamente nos Registros Pedagógicos de controle do docente. b) Para cômputo do desempenho global do aluno (Art. 55 do Regimento da IES) serão considerados os pesos de 80% (oitenta por cento) para conhecimentos e habilidades e 20% (vinte por cento) para os aspectos relacionados a valores e atitudes (avaliação qualitativa). c) Os critérios de desempenho qualitativos a serem considerados, conforme a aderência à disciplina ministrada e previstos no Plano de Ensino elaborado pelo Professor (Art. 54, do Regimento da IES) são: I - habilidades intelectuais domínio de operações que orientam uma ação tendo como base a inteligência geral, a saber: 1) capacidade de planejamento operação intelectual complexa que envolve atividades de prospecção e diagnóstico, visualização de soluções e organização do trabalho a ser realizado em etapas, provendo recursos necessários e distribuindo-os no tempo e espaço; 2) tomada de decisão - capacidade de tomar decisões e propor alternativas para solução de problemas de maneira autônoma, com iniciativa e compreensão do seu desenvolvimento; 3) capacidade de pesquisa disposição para localizar, selecionar e trabalhar informações, objetivando a constituição de conhecimentos necessários ao desenvolvimento do seu trabalho; 16

15 4) capacidade de resolução de problemas solucionar problemas e situações adversas a partir da combinação de conhecimentos, habilidades e atitudes já aprendidas em situações novas ou modificadas que lhe são atribuídas; 5) desenvolvimento cognitivo capacidade de construir novos conhecimentos relacionando-os com os já adquiridos; II habilidades atitudinais predisposição mental para uma ação que se revela através do comportamento externo sem comprometer negativamente a sua atuação no trabalho ou nas relações sociais, tais como: 1) disciplina - disposição para cumprir obrigações, regras e papéis específicos, bem como para permanecer num contexto dentro de limites estabelecidos tanto pela própria pessoa, quanto pelo grupo, empresa ou sociedade; 2) auto-controle - capacidade de sentir emoções provocadas por estímulos internos e externos sem comprometer negativamente a sua atuação no trabalho ou nas relações sociais; 3) capacidade para trabalhar em equipe - aporte pessoal com disposição, organização, liderança, cooperação e interação na atividade grupal, no desenvolvimento de habilidades, hábitos, conhecimentos e valores; 4) assiduidade e pontualidade comparecimento regular às aulas, atividades curriculares e chegada no horário pré-estabelecido; 5) cumprimento e qualidade das atividades execução de atividades com requisitos estabelecidos no prazo determinado com propriedade, empenho, iniciativa, disposição e interesse. d) O rendimento escolar poderá ser avaliado, por meio de instrumentos/recursos didáticos (Art. 57 do Regimento da IES e seus Incisos), tais como: I - observação diária pelo professor; II - trabalhos de pesquisa individual ou coletiva; III - testes e provas escritas ou orais, com ou sem consulta; IV - entrevistas e argüições; V - resolução de exercícios; VI - execução de experimentos ou projetos; 17

16 VII - relatórios referentes aos trabalhos, experimentos, visitas e micro-estágios; VIII - trabalhos práticos; IX estágios; X - auto-avaliação; XI - produção científica, artística ou cultural; XII projetos integradores; XI - outros instrumentos que a experiência pedagógica e/ou inovações didáticas emanadas da Coordenação Pedagógica Indicar. e) Para expressar o desempenho do aluno na forma quantitativa deverá ser utilizada nota de 0,0 (zero) a 10,0 (dez), admitindo-se o fracionamento decimal. 5.1 Avaliação em Projetos Interdisciplinares Projeto Integrador O Projeto Integrador constitui requisito curricular de caráter obrigatório para todos os cursos e será realizado a partir do terceiro semestre. Enquanto atividade didático-pedagógica de natureza interdisciplinar corresponde à terceira nota para todas as disciplinas do semestre. Este procedimento somente se aplica para os semestres que desenvolverão os projetos Integradores. Nos semestres que não são desenvolvidos Projetos integradores o professor realizará atividade avaliativa ( Prova, trabalho, relatório, etc.), para compor a terceira nota. 5.2 Recuperação de notas e reprovação. a) O aluno que não obtiver ao final dos componentes curriculares, aproveitamento igual ou superior a 7,0 (sete) poderá fazer Avaliação Final, em caráter de recuperação, para apuração de Aproveitamento Final. b) Para aprovação na Avaliação Final, o aluno deverá alcançar desempenho igual ou superior a 5,0 (cinco), (Art. 61 do Regimento da IES), calculados a partir da fórmula: ApF (Aproveitamento Final) = AG (Aproveitamento Global) x 0,6 + AF (Avaliação Final) x 0,4 18

17 c) A forma de cálculo do valor do aproveitamento global (AG) é parte integrante do Plano de Ensino das unidades curriculares que compõe a matriz curricular de cada um dos Cursos Superiores de Tecnologia. d) O aluno reprovado em mais de dois componentes curriculares/disciplina ficará retido no módulo, não podendo se matricular em módulo subseqüente. I. No caso previsto no parágrafo único, do artigo 62, do Regimento da IES, o aluno deverá cursar apenas as disciplinas/componentes curriculares nos quais não obteve aprovação. II. O aluno retido em até duas disciplinas/componentes curriculares poderá se matricular em módulo subseqüente, entretanto não poderá cursar disciplinas/componentes curriculares que guardem relação de pré-requisito com aquelas em que foi reprovado. III. Caberá ao Colegiado de Ensino Superior propor a forma e período mais adequado para a oferta de disciplinas/componentes curriculares a serem cursados por alunos reprovados. 6. REVISÃO DE PROVAS a) O pedido de revisão de prova deve ser feito na Secretaria Acadêmica através de requerimento, acompanhado do comprovante de pagamento da taxa respectiva, no prazo máximo de até 2 (dois) dias úteis após a divulgação formal do resultado. b) A Secretaria Acadêmica encaminhará a solicitação de revisão de provas ao Coordenador do Curso e este ao professor responsável pelo ensino da disciplina que, no prazo de no máximo 24 (vinte e quatro) horas, deverá proceder à revisão e enviar o resultado para o registro escolar. Em seguida, a Secretaria Acadêmica comunicará o resultado ao aluno. c).as notas oficiais ficarão expostas pelo prazo máximo de 05 (cinco) dias úteis. Caso o aluno tenha perdido a oportunidade de acompanhar suas notas, poderá requerê-las formalmente junto a Secretaria Acadêmica. 7. APROVEITAMENTO DE ESTUDOS a) Conforme previsto no Regimento da IES, Capítulo X e respectivos artigos, é facultado ao aluno o pedido de aproveitamento de estudos realizados, desde que requerido em datas previstas no Calendário Acadêmico, para fins de prosseguimento de estudos. 19

18 b) O aproveitamento de estudos visa o reconhecimento dos saberes adquiridos pelo cidadão ao longo da sua vida estudantil e experiência profissional, tendo como referência o perfil profissional do curso pretendido. I. O aproveitamento de estudos poderá ser realizado a partir análise de histórico escolar e currículo/programa de curso superior realizado, concluído ou não. c) O aproveitamento de estudos poderá ser deferido ou indeferido conforme análise do Colegiado de Curso e diretrizes emanadas pelo Colegiado de Ensino Superior. d) O aproveitamento de estudos não dispensa o aluno do cumprimento da carga horária total do currículo pleno do curso, cabendo à Coordenação do Curso definir a(s) disciplina(s) adicional(ais) a ser(em) cursada(s). 8. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO a) O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC será produzido pelo aluno sob a forma de projeto (protótipo), desenvolvimento de pesquisa aplicada, de acordo com o Regulamento do TCC do curso. b) O TCC deverá estar relacionado aos vários componentes curriculares ou módulos previstos, além de se ajustar as linhas de pesquisas definidas para o curso, podendo ser realizado tanto em ambiente de trabalho, quanto no ambiente acadêmico. c) A forma/tema do TCC é de livre escolha do aluno e será apreciada e validada por comissão constituída para este fim. d) A Coordenação dos Cursos da Faculdade de Tecnologia do SENAI Cetind, observando a proposta de trabalho, designará o(s) docente(s) que atuará(ão) como orientador(es) dos alunos. e) O TCC será apresentado de forma escrita, demonstrado ou defendido em sessão pública, na qual será avaliado pelo docente orientador e por outros docentes especialmente designados para este fim. 9. ESTÁGIO A Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind adota o Estágio obrigatório, definido em seus projetos de curso, com carga horária definida e requisito para aprovação e obtenção de diploma e o Estágio não-obrigatório, como atividade opcional, devendo este ser acrescido à carga horária regular e obrigatória dos cursos. O estágio é uma experiência planejada e uma atividade que oportuniza aos alunos complementar e ampliar conhecimentos, habilidades e 20

19 capacidades na área em estudo. a) O estágio obrigatório poderá ser substituído, quando couber, por atividade de iniciação Científica e Tecnológica oferecida pela faculdade. b) O estágio oferece condições de observação, análise, reflexão e prática em situações reais de trabalho, possibilitando, também, o exercício da ética profissional, sendo ele uma atividade curricular que será realizada pelos alunos sempre que prevista no Plano de Curso, podendo ser desenvolvida nas instalações de empresas públicas ou privadas, instituições de ensino, ONG s e cooperativas, sempre em áreas e/ou setores afins à formação ou qualificação do aluno. c) O Estágio supervisionado será desenvolvido de acordo com os critérios relacionados abaixo: I integralização das unidades curriculares componentes do ciclo básico de cada Curso Superior de Tecnologia; II - cumprimento da carga horária necessária prevista no Projeto do Curso, em situação real de trabalho, contando com a coordenação e supervisão de um professor responsável que deve acompanhar o estagiário e manter contatos sistemáticos de modo a garantir o cumprimento das etapas e atividades propostas para o aluno; III celebração de Termo de Compromisso com a fonte concedente de estágio; d) O Estágio supervisionado deverá contemplar as etapas abaixo, com cargas horárias definidas de acordo e proporcional à carga horária total prevista para o estágio, dentro dos limites do disposto na Lei /08: 1) 1ª etapa observação; 2) 2ª etapa co-participação; 3) 3ª etapa participação direta. e) A avaliação do Estágio Supervisionado deve ser feita tendo como base as orientações estabelecidas no Manual de Estágio. O relatório de estágio corresponde a 70% (setenta por cento) da nota total final. Os 30% (trinta por cento) restantes serão computados considerando a avaliação e nota atribuída pelo responsável do estágio na empresa. f) O Relatório de Estágio deve ser entregue na Secretaria Acadêmica, mediante preenchimento de requerimento. g) Será considerado aprovado no processo de estágio, o aluno que obtiver grau de aproveitamento igual ou superior a 7,0 (sete). 21

20 h) A jornada de estágio deverá estar de acordo com a legislação vigente e deverá acontecer em horário compatível com as atividades acadêmicas dos alunos. i) A duração do estágio na empresa não deverá exceder a dois 2 (dois) anos, exceto quando se tratar de portador de deficiência. j) Poderá ser dispensado do estágio o aluno que já trabalhe há mais de 01 (um) ano em cargo ou função dentro de sua área de formação, desde que solicite a dispensa e comprove sua experiência de trabalho. k) Mesmo dispensado do estágio, o aluno deverá apresentar relatório de atividades profissionais desenvolvidas no seu trabalho. 10. CERTIFICADOS E DIPLOMAS a) A Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind, observando os requisitos legais e a organização do currículo, será responsável pela expedição dos certificados e/ou Diploma ao aluno que concluir, com grau de aproveitamento de no mínimo 70% (setenta por cento) e freqüência mínima de 75% (setenta e cinco por cento), conforme previsto no Regimento da IES, nas etapas ou em todo percurso formativo de Cursos Superiores de Tecnologia, conferindo: I Certificado de Qualificação Profissional Superior, quando concluir Bloco ou Módulos do curso com saídas intermediárias; II - Diploma de Tecnólogo, quando integralizar o respectivo Curso Superior de Tecnologia (unidades curriculares, TCC e Estágio Supervisionado, quando exigido no projeto de curso). b) Os diplomas serão registrados por Instituição Pública de Ensino Superior designada pelo MEC para este fim. 11. COLAÇÃO DE GRAU No Calendário Acadêmico da Faculdade constará a data prevista para colação de grau da sua turma. O ato de colar grau é parte integrante das atividades de conclusão do curso e indispensável para a obtenção do diploma. Você só poderá colar grau se tiver sido aprovado em todas as disciplinas e demais componentes curriculares do seu curso. 22

21 A colação de grau pode ser realizada: em sessão solene ou em evento organizado pelos próprios formandos e respectivas Comissões de Formatura, em dia e horário pré-fixados pela Faculdade. Os alunos concluintes deverão solicitar, via requerimento na Secretaria Acadêmica, em prazo previsto em calendário, o desejo de colar grau. A Secretaria Acadêmica deverá: identificar os concluintes; verificar a regularidade e legibilidade da documentação individual dos concluintes; elaborar espelho da vida acadêmica e enviar ao Colegiado de Curso para análise e homologação do Diretor; publicar as datas e locais para colação de grau. A Ata de colação de grau deve conter: nome dos formandos; especificação do curso; registro de colação grau; local e data da solenidade com nomes e assinatura dos membros da Direção, Coordenação de Curso e membros da mesa; fechamento. Os concluintes que não desejarem colar grau com solenidade deverão fazê-lo na presença de, no mínimo, dois professores da Faculdade, lavrando-se em Ata condizente com o registro e assinatura dos professores presentes e pelo Coordenador do Curso. 12. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO 12.1 São direitos do aluno: 23

22 I. ter acesso a informações sobre as atividades desenvolvidas na instituição, procedimentos adotados, normas e regulamentos vigentes de interesse dos alunos; II. conhecer o registro de infração - Relatório Disciplinar - de eventual penalidade; III. receber ensino, conforme descrito em contrato/termo de Compromisso e Responsabilidade; IV. ser respeitado por todos os agentes do processo educativo em sua singularidade pessoal e cultural; 12.2 São deveres do aluno: I. respeitar as normas institucionais e regimentais inerentes aos cursos; II. III. IV. comparecer assídua e pontualmente aos compromissos acadêmicos; participar de todas as atividades curriculares que concorram para o aprimoramento de sua formação profissional; respeitar as normas gerais e específicas de segurança e de prevenção de acidentes, conforme as características dos cursos; V. manter a instituição informada sobre aspectos que não possam ser negligenciados, com relação à sua saúde, integridade física e mental; VI. VII. VIII. IX. zelar pelo patrimônio da instituição e pelo material que lhe for confiado, colaborando para sua conservação e manutenção; comparecer, quando convocado, às reuniões de órgãos colegiados, diretoria, departamentos e coordenações, para conhecimento ou deliberação de seu interesse; manter silêncio nas proximidades das salas de aula, laboratórios, bibliotecas e demais dependências da Instituição durante a realização de atividades de ensino; proceder de forma a não ferir a integridade física e moral das pessoas no âmbito da instituição tratando-as com respeito e educação Das proibições e responsabilidades Aos integrantes do corpo discente da instituição é vedado, em qualquer atividade de ensino, 24

23 interna ou externa: I. executar atividades e usar vestimentas que atentem ao pudor e que estejam em desacordo com as orientações da Instituição; II. proceder de forma desrespeitosa no processo ensino-aprendizagem, bem como provocar ou participar de algazarras ou outras manifestações que perturbem a ordem; III. exercer atividades comerciais, político-partidárias ou de propaganda no âmbito da instituição, excetuando-se os casos devidamente autorizados por órgãos colegiados ou da direção da instituição; IV. utilizar os microcomputadores ou outros equipamentos eletrônicos da Instituição em atividades alheias às de ensino; V. utilizar aparelho celular e outros aparelhos sonoros em situações que impeçam o bom rendimento do processo ensino-aprendizagem; VI. respeitar as diferenças individuais relacionadas com etnia, credos, opções políticas e culturas diferenciadas; VII. praticar jogos de qualquer natureza ou atos que revelem falta de idoneidade no ambiente acadêmico, exceto para jogos lúdicos, que não tenham apostas e que não firam o inciso II; VIII. assistir às aulas sem a efetivação do ato de matrícula nos períodos previstos no Calendário Acadêmico/Escolar; IX. cometer ofensa ou dano, moral ou físico, independente do meio utilizado, contra qualquer pessoa no âmbito da Instituição; X. usar de pessoas ou de meios ilícitos para auferir freqüência, nota ou quaisquer privilégios em seu benefício ou de terceiros; XI. retirar e/ou tomar posse de qualquer bem pertencente ao patrimônio da Instituição ou de terceiros sem estar legalmente autorizado; XII. facilitar a entrada de pessoas estranhas à Instituição, mediante empréstimo de instrumento oficial de identificação; XIII. queimar qualquer tipo de fogos de artifício, em qualquer época do ano e, sob qualquer pretexto, dentro da instituição; XIV. alterar ou deturpar o teor de documentos acadêmicos ou outros documentos oficiais da Instituição; XV. portar ou fazer uso de bebidas alcoólicas, bem como de qualquer substância tóxica, entorpecentes ou que altere transitoriamente a personalidade, bem como armas e 25

24 XVI. materiais inflamáveis, explosivos de qualquer natureza ou qualquer elemento que represente perigo para si ou para a comunidade acadêmica; permanecer ou participar das atividades, previstas pela instituição, quando sob efeito de qualquer substância tóxica, entorpecente ou que altere transitoriamente a sua personalidade; O aluno responderá, no âmbito da instituição, por atos de infração, conforme o regulamento disciplinar. Quando comprovada sua autoria, o aluno, ou seu responsável legal, terá obrigação de reparar os danos causados ao patrimônio da instituição ou a terceiros. 13. SANÇÕES APLICADAS AOS ALUNOS O discente que infringir as normas disciplinares previstas no Regulamento receberá orientação e será passível de advertência verbal, escrita, afastamento temporário, de no mínimo três dias de todas as atividades acadêmicas, ou desligamento da instituição. a) A advertência verbal poderá ser aplicada pelos Docentes, Coordenação do Curso e/ou Coordenação Pedagógica, quando: os discentes infringirem ao disposto no artigo 6 incisos I a VII do regulamento. b) A advertência escrita e suas penalidades poderão ser aplicadas pela Coordenação do Curso e/ou Coordenação Pedagógica, quando: os discentes infringirem ao disposto no artigo 6 incisos II a XIII do regulamento. c) O afastamento temporário poderá ser aplicado pela Coordenação do Curso e/ou Coordenação Pedagógica, quando: os discentes infringirem ao disposto nos artigo 6 incisos IX a XVI do regulamento; no caso de reincidência de Advertência Escrita. 26

25 O afastamento do aluno poderá ser de três (3) até quinze (15) dias, dependendo da gravidade da situação apresentada. d) O desligamento do curso poderá ser aplicado pela Direção da instituição, com aprovação pelo Colegiado de Ensino Superior ou Colegiado de Educação da Unidade, quando: os discentes infringirem ao disposto no artigo 6 incisos IX a XVI do regulamento; os discentes estiverem sujeitos a processo disciplinar. O desligamento do aluno será realizado no caso de reincidência da sanção disciplinar de Afastamento Temporário e no caso do não cumprimento dos incisos de IX a XVI, constante no Art. 6º. e) Sempre que a infração praticada pelo aluno ensejar imposição de sanção de Suspensão superior a três dias ou Expulsão, adicionalmente poderá ser instaurado Processo Disciplinar. A instauração de Processo Disciplinar será registrada pelo Coordenador de Ensino. f) Toda e qualquer penalidade prevista somente poderá ser aplicada se a decisão estiver fundamentada, desde que salvaguardados: as prerrogativas legais, e assistência dos pais ou responsáveis, no caso de discente menor de 18 anos. As sanções disciplinares deverão ser assentadas na pasta individual do aluno, mencionando sempre sua causa através de um Relatório Disciplinar. 14. PROGRAMAS INSTITUCIONAIS A Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind, visando atender aos seus objetivos de formação, à sua missão e princípios educacionais desenvolve algumas atividades de caráter pedagógico e acadêmico, como: a) Aperfeiçoamento Básico - atividade que visa aperfeiçoar os conhecimentos das áreas básicas, para que o aluno possa ter melhores desempenhos na sua trajetória acadêmica em áreas de conhecimento específico, durante o seu percurso formativo; 27

26 b) Monitoria atividade que visa preparar o aluno para atividades de estudo e extensão que poderão auxiliá-lo na sedimentação de conhecimentos específicos e orientá-lo na escolha por um percurso mais acadêmico; c) Iniciação Científica - atividade que visa preparar o aluno para a pesquisa e extensão e orientá-lo na escolha por um percurso mais acadêmico. 15. INFRA-ESTRUTURA DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CETIND a) Núcleo de Documentação e Informação NDI (Biblioteca): dispõe de acervo bibliográfico especializado, videoteca, salas de leitura e viabiliza o acesso à Internet e empréstimo de publicações técnicas. b) Laboratórios e plantas piloto: constituem-se em importante recurso de ensino e aprendizagem, que visa apoiar o desenvolvimento das atividades curriculares e a articulação da teoria à prática. São dotados de Regulamento de Uso e de Segurança próprios, nos quais prescrevem as normas de uso seguro: I. a utilização desses espaços está vinculada à programação e reserva feita pelo docente ou área tecnológica responsável pelo curso; II. somente será permitida a permanência de alunos nos ambientes de ensino (plantas piloto e laboratórios) nos horários programados pelo docente para a realização de atividades práticas. c) Restaurante/lanchonete: os serviços de alimentação e (lanches e refeições) são comercializados por restaurante terceirizado, que funciona de acordo com os horários estabelecidos pela Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind. 16. CONDIÇÕES PARA ACESSO ÀS INSTALAÇÕES a) NÃO É PERMITIDO o acesso de alunos às instalações da Faculdade trajando shorts, bermudas, minissaias, tops, camisetas sem mangas, chinelos, bonés, chapéus e afins. 28

27 b) Por questões de segurança, além dos trajes indicados acima, NÃO É PERMITIDO o uso de sapatos abertos, saltos altos e adereços (brincos, pulseiras, colares) no acesso aos laboratórios e plantas piloto. c) NÃO É PERMITIDO circular em espaços não programados nos horários de atividades previstas pelos docentes. 17. OUTRAS INFORMAÇÕES a) Aos sábados, os alunos não estarão dispensados do uso de vestuário mais formal. b) A Faculdade não se responsabiliza por objetos de valor trazidos pelos alunos, tais como telefone celular, CD player portátil, I-Pod; PenDrive, máquinas fotográficas, calculadoras, entre outros. c) Nos dias de avaliação, o aluno deverá chegar no horário normal das aulas. d) A internet só poderá ser utilizada para pesquisas escolares. Não é permitido o seu uso para outros fins. e) Documentos como: declarações, atestados, históricos escolares (parcial ou final), 2ª via de certificados, diplomas e outros, 2ª chamada, recuperação, reorientação pedagógica, dentre outros, deverão ser solicitados na Secretaria Acadêmica, mediante requerimento protocolado e com o devido pagamento da taxa de serviço, quando aplicável. f) Os valores vigentes das taxas de serviço adotados pela Faculdade estão disponíveis na Secretaria Acadêmica e no site da Faculdade (www.fieb.org.br/senai/graduacao). g) Casos omissos serão resolvidos pelo Colegiado de Educação Superior da Faculdade de Tecnologia do SENAI Cetind. 29

28 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DA BAHIA FIEB Victor Fernando Ollero Ventin Presidente SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - SENAI/DR/BA Gustavo Leal Sales Filho Diretor Regional Carlos Roberto Oliveira de Sousa Gestor da Faculdade de Tecnologia SENAI Cetind 30

29 SENAI Cetind Av. Luis Tarquínio Pontes, nº Aracuí - Cep : Tel: / Fax:

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CIMATEC MANUAL DO ALUNO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CIMATEC MANUAL DO ALUNO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CIMATEC MANUAL DO ALUNO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Salvador Revisão 07-2014 Copyright 2007 por SENAI DR BA. Todos os direitos reservados Diretor da Faculdade de Tecnologia SENAI

Leia mais

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL A Secretaria Geral é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins.

E D I T A L. 1º Para os casos de transferência externa serão aceitas, apenas, as inscrições para áreas afins. EDITAL NRCA-SJP N.º 09/2015 DISPÕE SOBRE OS PROCESSOS DE INGRESSO POR TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADOR DE DIPLOMA AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. O Coordenador do Núcleo

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE 2015 2015 MISSÃO: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo

Leia mais

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida Regulamento Geral Programas Executivos IBMEC MG 0 TÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - Os Programas CBA, MBA e LL.M. são atividades docentes do Ibmec MG, dirigidos à formação e aperfeiçoamento dos participantes,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA

R E S O L V E: I - DA TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA AEDA Nº. 053/REITORIA/2014 1/9 TRANSFERÊNCIA EXTERNA FACULTATIVA, TRANSFERÊNCIA INTERNA E APROVEITAMENTO DE ESTUDOS PARA O PRIMEIRO E SEGUNDO SEMESTRES LETIVOS DE 2015. O REITOR DA UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS

CAPÍTULO I CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS VOTO CONSU 2009-02 de 23/04/2009 2011-03 de 24/03/2011 2012-19 de 14/06/2012 REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Estabelece as normas institucionais para a realização de Estágios

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33

Anexo I da Organização Didática Resolução nº 031/2010 33 ANEXO I ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 NORMAS ACADÊMICAS DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 1 Processo Seletivo 2015.2 Edital FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 SENAC RJ FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO O SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial,

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

Portal do Aluno Parfor UFPA

Portal do Aluno Parfor UFPA Do Ingresso do Professor de Educação Básica no PARFOR/UFPA O ingresso do professor da Educação básica como aluno do PARFOR na UFPA dar-se-á através de algumas etapas. A primeira delas é a inscrição dos

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO

FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO FACULDADE 7 DE SETEMBRO LABORATÓRIO DE PESQUISA DE OPINIÃO E MERCADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO, FINS E OBJETIVOS Art. 1º As presentes normas visam regulamentar e disciplinar, em termos de sua administração,

Leia mais

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 0 ÍNDICE NATUREZA E FINALIDADE 2 COORDENAÇÃO DOS CURSOS 2 COORDENAÇÃO DIDÁTICA 2 COORDENADOR DE CURSO 2 ADMISSÃO AOS CURSOS 3 NÚMERO

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UNINOVA destinam-se a portadores de diploma de nível superior,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA FIBRA Regula o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica NPJ do curso de Direito Bacharelado da Fibra. CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA EDITAL Nº 03/2015 O Diretor da Faculdade Metropolitana de Anápolis FAMA, no uso de suas atribuições e demais disposições legais, aprova e torna público o processo seletivo para transferência de candidatos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Braz Cubas oferecidos nas

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Juiz de Fora-MG Regulamento do Núcleo de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS.

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS LÍNGUA PORTUGUÊSA INGLÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL O presente regulamento fundamenta-se nos termos

Leia mais

Lato Sensu - Especialização

Lato Sensu - Especialização Regulamento Geral do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização da Fundação Educacional de Além

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5

FACULDADE DIREÇÃO GERAL NORMA 029 1/5 1. Dos Requisitos e Documentos para o Ingresso Para ingressar nos cursos de ensino superior o candidato deve ter concluído o Ensino Médio, prestar processo seletivo da IES ou ingressar por uma das formas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN Nº 009/2014, DE 09 DE JULHO DE 2014. Aprova normas e procedimentos para emissão de histórico acadêmico, declaração de conclusão de curso, certificados e diplomas, bem como para a colação

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

PORTARIA DAC Nº 005/06

PORTARIA DAC Nº 005/06 PORTARIA DAC Nº 005/06 A Diretora Acadêmica, da FAP - Faculdade de Apucarana, no uso de suas atribuições regimentais; CONSIDERANDO a importância de regulamentar as normas do Processo Seletivo Vestibular

Leia mais

FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS - FACOMP REGULAMENTO DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO

FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS - FACOMP REGULAMENTO DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO FACULDADE DE COMPUTAÇÃO DE MONTES CLAROS - FACOMP REGULAMENTO DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO (ATUALIZADO EM AGOSTO DE 2013) SUMÁRIO: CAPÍTULO I... 3 DA DIVISÃO DE CONTROLE E REGISTRO ACADÊMICO,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. Este Regulamento define, no âmbito da Faculdade INEDI, as atividades complementares, bem como os procedimentos a serem

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PERFORMANCES CULTURAIS MESTRADO - ÁREA INTERDISCIPLINAR DA CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DO PROGRAMA CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1o

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos

Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos Minuta do Regimento Geral de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Federal de São Carlos CapítuloI Dos Objetivos Art.1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Federal de São

Leia mais

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Manual do Aluno Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina CORPO DIRETIVO ADMINISTRAÇÃO GERAL DO INSTITUTO LATO SENSU Diretor Geral Heulter Robson Nogueira Secretária Geral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À PESQUISA NA GRADUAÇÃO 2014.1 A Universidade Potiguar UnP, através da Pró-Reitoria Acadêmica ProAcad, torna público o presente Edital e convida o seu corpo discente

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

Regulamento de Matrícula

Regulamento de Matrícula Regulamento de Matrícula A Coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Processus, juntamente com a Diretora do Curso, no exercício de suas atribuições, com o intuito de normatizar a efetividade e dinâmica

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia RESOLUÇÃO Nº 094/2010-CTC CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 16/12/2010. Éder Rodrigo Gimenes Secretário Aprova Regulamento do componente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008.

PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. PORTARIA Nº 1015/GAB, DE 21 DE JULHO DE 2008. O DIRETOR GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1º - Aprovar as Normas Acadêmicas

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU)

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS EM SAÚDE (STRICTO SENSU) MESTRADO TÍTULO I DOS FINS Art. 1 o O curso de Pós-Graduação Mestrado em Tecnologias em Saúde, da Fundação Bahiana para Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL N 15 2016 PROCESSO SELETIVO 2016.1 A Diretora Geral do Instituto Florence de Ensino Superior, no uso de suas atribuições regimentais, torna

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Texto Aprovado CONSU Resolução CONSU 2015-08 de 25/06/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário.

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. FACULDADE DE PSICOLOGIA Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. Estagiário é todo aluno, regularmente matriculado,

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 A Diretora Maria Aparecida Pinto, Diretora da Faculdade de São Lourenço, no uso de suas atribuições, torna público que, no período de 02 de setembro

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

Manual do Candidato. Grupo Educacional LBS-FAPPES. Vestibular FAPPES 2016. WEST PLAZA R. Barão de Tefé, 247 - São Paulo - SP, 05003-100

Manual do Candidato. Grupo Educacional LBS-FAPPES. Vestibular FAPPES 2016. WEST PLAZA R. Barão de Tefé, 247 - São Paulo - SP, 05003-100 Grupo Educacional LBS-FAPPES CREDENCIADO PELO MEC. DECRETO N 485 de 09/02/2006 Manual do Candidato Vestibular FAPPES 2016 1. Disposições Gerais 1.1. O Processo Seletivo consiste na seleção e classificação

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 06/2006, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2006 Altera o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC do Curso de Direito, na forma do Anexo. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DA REITORIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso

Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso 1 Centro Universitário de Araraquara UNIARA Departamento de Ciências da Administração e Tecnologia Curso de Engenharia de Computação Regulamento dos Trabalhos de Conclusão de Curso Capítulo I Das disposições

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

2 DOS CURSOS, DOS TURNOS, ÁREA AFIM AO CURSO PRETENDIDO E DO NÚMERO DE VAGAS OFERECIDAS

2 DOS CURSOS, DOS TURNOS, ÁREA AFIM AO CURSO PRETENDIDO E DO NÚMERO DE VAGAS OFERECIDAS Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Porto Alegre EDITAL Nº 033, DE 15 DE MAIO DE 2015.

Leia mais