UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL APLICAÇÃO DO MODELO SWAT NA BACIA DO RIO NEGRINHO SC Simone Malutta FLORIANÓPOLIS (SC) MARÇO/2010 1

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL APLICAÇÃO DO MODELO SWAT NA BACIA DO RIO NEGRINHO SC Simone Malutta Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina para Conclusão do Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Orientador Prof. Dr. Masato Kobiyama Co-orientadora: Prof. Dra. Cláudia Weber Corseuil FLORIANÓPOLIS, (SC) MARÇO/2010 2

3 3

4 RESUMO O município de Rio Negrinho vem sofrendo com mudanças na quantidade e qualidade da água devido a substituição da Floresta Ombrófila Mista por reflorestamento de pinus, e por uma acelerada urbanização. O presente estudo teve como objetivo analisar espacialmente os processos hidrossedimentológica na bacia do Rio Negrinho SC através do modelo SWAT. Foram inseridos no modelo o modelo numérico do terreno, mapa de uso e cobertura vegetal e mapa de classificação dos solos, além de uma série de dados meteorológicos e de parâmetros de solos. O modelo dividiu a bacia em 31 sub-bacias. Os dados simulados foram calibrados com dados observados diários de vazão (de maio a novembro de 2008). O desempenho do modelo foi analisado a partir do NASH. A modelagem hidrossedimentológica mostrou que os meses que apresentaram maior precipitação, escoamento total e produção de sedimento foram os meses de outubro e novembro. O mês de julho foi o mês mais seco, e com produção de sedimento praticamente zero. PALAVRAS CHAVES: processos hidrossedimentológicos, modelagem, SWAT 4

5 ABSTRACT Rio Negrinho city - SC has suffered from changes of the quantity and quality of water due to the replacement of native forest with pine reforestation and the accelerated urbanization. The objective of the present study was, therefore, to spatially analyze hydrosedimentological processes in the Rio Negrinho basin with the SWAT model. Were entered into the model the numerical model of terrain, map use and land cover map and soil classification, and a series of meteorological and soil parameters. The model divided the basin into 31 sub-basins. The simulated data were calibrated with data observed daily flow (from May to November 2008). Model performance was analyzed from NASH. The modeling showed that the hydrosedimentological months had higher rainfall, runoff and sediment yield were the months of October and November. The month of July was the driest month, and sediment yield virtually zero. KEY WORDS: hydrosedimentological processes, modeling, SWAT 5

6 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Bacia Hidrográfica do Rio Negrinho...21 Figura 2 Ciclo Hidrológico...30 Figura 3 Fluxograma...31 Figura 4 Modelo digital do terreno da BHRN...43 Figura 5 Mapa de uso e cobertura vegetal da BHRN...44 Figura 6 Mapa de solos da BHRN (Fonte: EMBRAPA 2004)...46 Figura 7 Delimitação das sub-bacias na BHRN...47 Figura 8 Dados medidos de vazão no período de maio a novembro de Figura 9 Comparação entre dados observados e simulados de vazão no cenário 1 (maio a novembro de 2008)...52 Figura 10 - Comparação entre dados observados e simulados de vazão no cenário 2 (maio a novembro de 2008)...53 Figura 11 - Comparação entre dados observados e calibrados manualmente de vazão no cenário 1 (maio a novembro de 2008)...55 Figura 12 - Comparação entre dados observados e calibrados manualmente de vazão no cenário 2 (maio a novembro de 2008)...55 Figura 13 Distribuição espacial de maio de 2008 Caso 1:Escoamento total...58 Figura 14 Distribuição espacial de maio de 2008 Caso 1: produção de sedimento...59 Figura 15 Distribuição espacial de junho de 2008 Caso 1: Escoamento total...60 Figura 16 Distribuição espacial de junho de 2008 Caso 1: produção de sedimento...61 Figura 17 Distribuição espacial de julho de 2008 Caso 1: Escoamento total...62 Figura 18 Distribuição espacial de julho de 2008 Caso 1: produção de sedimento Figura 19 Distribuição espacial de agosto de 2008 Caso 1: Escoamento total...64 Figura 20 Distribuição espacial de agosto de 2008 Caso 1: produção de sedimento Figura 21 Distribuição espacial de setembro de 2008 Caso 1: Escoamento total Figura 22 Distribuição espacial de setembro de 2008 Caso 1: produção de sedimento

7 Figura 23 Distribuição espacial de outubro de 2008 Caso 1: a) Escoamento total Figura 24 Distribuição espacial de outubro de 2008 Caso 1: produção de sedimento Figura 25 Distribuição espacial de novembro de 2008 Caso 1: Escoamento total Figura 26 Distribuição espacial de novembro de 2008 Caso 1: Escoamento total Figura 27 Distribuição espacial de maio de 2008 Caso 2: Escoamento total Figura 28 Distribuição espacial de maio de 2008 Caso 2: produção de sedimento Figura 29 Distribuição espacial de junho de 2008 Caso 2: Escoamento total Figura 30 Distribuição espacial de junho de 2008 Caso 2: produção de sedimento Figura 31 Distribuição espacial de julho de 2008 Caso 2: Escoamento total Figura 32 Distribuição espacial de julho de 2008 Caso 2: produção de sedimento Figura 33 Distribuição espacial de agosto de 2008 Caso 2: Escoamento total Figura 34 Distribuição espacial de agosto de 2008 Caso 2: produção de sedimento Figura 35 Distribuição espacial de setembro de 2008 Caso 2: a) Escoamento total Figura 36 Distribuição espacial de setembro de 2008 Caso 2: b) produção de sedimento Figura 37 Distribuição espacial de outubro de 2008 Caso 2: a) Escoamento total Figura 38 Distribuição espacial de outubro de 2008 Caso 2: produção de sedimento Figura 39 Distribuição espacial de novembro de 2008 Caso 2: a) Escoamento total Figura 30 Distribuição espacial de novembro de 2008 Caso 2: produção de sedimento Figura 31 Correlação de Escoamento total (mm/mês) e Produção de sedimento (t/ha.mês): a) Caso 1; e b) Caso

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Lista de aplicações do SWAT no Brasil e no Mundo...19 Tabela 2 Parâmetros mensais requeridos para criação dos parâmetros estatísticos da estação meteorológica no modelo SWAT...27 Tabela 3 Descrição dos quatro grupos hidrológicos do solo. Fonte: modificado de USDA-NRCS (2007)...28 Tabela 4 Classes de C soiltr...37 Tabela 5 - Classes de C perm...37 Tabela 6 - Relação entre declividade do solo e valores de P USLE...38 Tabela 7 Distribuição de classes de solo inserida no modelo...41 Tabela 8 Distribuição de classes de solo adotada no modelo...42 Tabela 9 - Distribuição das classes de uso e cobertura vegetal na BHRH Tabela 10 Dados climáticos requeridos para o gerador climático...49 Tabela 11 Dados de solos utilizados no modelo...50 Tabela 12 Valores modificados na calibração manual (*valores alterados apenas em um dos casos)...55 Tabela 13 Valores da análise do desempenho do modelo...56 Tabela 14 Dados de precipitação de maio a novembro de Tabela 15 Valores médios de escoamento total e produção de sedimento de maio a novembro de Tabela 16 Escoamento total (mm/mês) para as sub-bacias que apresentaram diferentes usos e cobertura vegetal

9 LISTA DE SÍMBOLOS Símbolo Descrição A Área da bacia Área urh Área da unidade de resposta hidrológica C é o fator de cobertura e manejo C soilstr C perm CFRG CN CN 1 CN 2 CN 3 c p C USLE C ULSE,aa Código de estrutura do solo utilizado na classificação dos solos, Classe de permeabilidade do solo Fator de fragmento grosseiro Curva Número Curva Número - condição seca (ponto de murcha) Curva Número - condição de umidade média Curva Número - condição úmida (capacidade de campo) Calor especifico a pressão constante Fator de cobertura e manejo Fator manual médio para fator cobertura e manejo C USLE,MN e Valor mínimo para o fator de cobertura e manejo E Altura da taxa de evaporação E* Média do evento observado no período da simulação Em Evento monitorado Es Evento simulado ET i Evapotranspiração e z Pressão de vapor da água no ar na altitude z o e z Pressão de saturação do vapor no ar na altitude z FC ly Conteúdo de água na camada de solo na capacidade de campo G Densidade de fluxo de calor do chão H net Radiação líquida h wtbl Altura do lençol freático i Passo de tempo i* Intensidade da precipitação I a Abstração inicial K fator de erodibilidade do solo K sat Condutividade hidráulica saturada l Comprimento do curso d água 9

10 L gw L hill LS l slp M m areia mc MO m silte n Distância do divisor da bacia do sistema subterrâneo para o canal principal Comprimento do declive fator topográfico Comprimento da encosta parâmetro tamanho das partículas Porcentagem de areia muito fina; Porcentagem de argila Porcentagem matéria orgânica Porcentagem de silte Coeficiente de Manning n* Número de eventos NASH Coeficiente de Nash e Sutcliffe orgc Porcentagem de carbono orgânico P Fator de praticas conservacionistas P i Per i Q i Q lat q lat.i Q pico q ret.i Q surf Q w r a r c rsd surf S SAT ly SED Precipitação total Precipitação diária Escoamento superficial Quantidade de água que escoa sub-superficialmente Escoamento lateral Vazão de pico Escoamento de retorno Escoamento superficial total escoamento subterrâneo no canal principal Resistência aerodinâmica Resistência de interceptação vegetal quantidade de resíduo no solo Parâmetro de retenção Quantidade de água na camada de solo quando completamente saturado Produção de sedimento 10

11 slp Declividade média da bacia slp ch Declividade média do curso d água SW SW ly Quantidade inicial de água no solo Conteúdo de água na camada do solo SW ly,excess Volume drenável de água na camada de solo SW t Quantidade final de água no solo t Tempo t conc Tempo de concentração na bacia t cs Tempo de concentração do escoamento terrestre t cc Tempo de concentração do escoamento no canal TT perc Tempo de propagação na camada do solo w perc,ly Quantidade de água que percola para a próxima camada t Duração do passo de tempo Declividade da curva de saturação da pressão de vapor com a temperatura λ E Fluxo de densidade do calor latente Porosidade drenável da camada de solo γ Constante psicromátrica Densidade do ar ρ ar 11

12 Índice 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Processos Hidrossedimentológicos Modelagem Hidrossedimentológica SWAT ÁREA DE ESTUDO Localização da bacia hidrográfica Clima Geologia e Geomorfologia Solos Uso e cobertura vegetal MATERIAIS E MÉTODOS Estação meteorológica e fluviométrica Softwares Material Cartográfico e Imagens de Satélite Análise dos Dados Espaciais

13 5.4.1 Modelo Numérico do Terreno Solos Uso e cobertura Vegetal Dados Tabulares Clima Solos Descrição do modelo SWAT Fase terrestre do ciclo hidrológico Fase de propagação do ciclo hidrológico Aplicação do SWAT Calibração e validação do modelo RESULTADOS E DISCUSSÃO Dados de Entrada Dados Espaciais Dados Tabulares: Calibração e Análise do desempenho do modelo Análise espacial da dinâmica da água e sedimento na BHRN CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES ANEXO REFERÊNCIAS

14 1. INTRODUÇÃO A produção, transporte, deposição e compactação de sedimento são processos erosivos ou hidrossedimentológicos que ocorrem naturalmente. O manejo inadequado do solo pode acentuar tais processos, aumentando a quantidade acumulada no exutório de uma bacia e gerando problemas sócio,econômicos e ambientais, por exemplo dificuldade no tratamento de água e assoreamento de rios. A compreensão desses processos, portanto, é fundamental para analisar a dinâmica da água e de sedimentos na bacia hidrográfica e verificar como as transformações realizadas no ambiente podem causar impactos socioeconômicos e ambientais. O Laboratório de Hidrologia (LabHidro) do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental (ENS) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) vem desenvolvendo pesquisas na região norte catarinense, analisando o balanço hídrico e sedimentológico em bacias experimentais. Uma dessas bacias é a bacia do Rio Negrinho (BHRN) localizada no município que tem o mesmo nome. Nos últimos anos a cidade de Rio Negrinho tem sofrido com eventos hidrológicos extremos, principalmente pela urbanização acelerada, impermeabilização do solo e ocupação das áreas de risco. A BHRN é o manancial da cidade, onde está localizada a estação de tratamento de água se da cidade de Rio Negrinho. Outro aspecto importante da região é que a mata nativa vem sendo substituído pela principal atividade econômica da região, o reflorestamento de pinus. O modelo SWAT tem como objetivo de analisar os impactos das alterações no uso do solo sobre o escoamento, produção de sedimento e qualidade de água em bacias hidrográficas. MACHADO (2002) aplicou o SWAT para simular o escoamento e a produção de sedimentos produzidos para os anos de 1999 e 2000 na bacia hidrográfica do Ribeirão dos Marins, afluente do rio Piracicaba, localizado no estado de São Paulo. O presente estudo teve o intuito de realizar a modelagem hidrossedimentológica através do modelo SWAT para analisar espacialmente os processos dentro da bacia hidrográfica. 14

15 2. OBJETIVOS 2.1 Objetivo Geral Analisar dinâmica da água e sedimento por meio do uso do modelo SWAT na bacia do Rio Negrinho SC. 2.2 Objetivos Específicos Construir banco de dados da bacia hidrográfica em termo de topografia, uso e classificação do solo, séries temporais de chuva, vazão e sedimentos; Calibrar o SWAT para a bacia hidrográfica; Analisar espacialmente e temporamente dinâmica da água e sedimento na bacia hidrográfica. 15

16 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1 Processos Hidrossedimentológicos A hidrologia é a ciência que trata das águas da terra, sua ocorrência, circulação e distribuição, suas propriedades químicas e físicas e sua reação com meio ambiente, incluindo sua relação com os seres vivos. Estuda também as variações dos recursos hídricos naturais da terra em função das diferentes fases do ciclo hidrológico (CHOW, 1964). A bacia hidrográfica é tomada como a unidade de controle do ciclo hidrológico. Os principais processos hidrológicos, que compõem o ciclo hidrológico em uma bacia hidrográfica são precipitação, evapotranspiração, interceptação, infiltração, vazão, percolação e o armazenamento de água no solo. Segundo LOPES (2008) os processos hidrossedimentológicos são resultados da interação entre os processos hidrológicos e sedimentológicos. Sendo a água um dos principais geradores do desprendimento de partículas de rochas e solos que irão contribuir para a produção de sedimentos da bacia. VESTENA (2008) explica que os processos hidrossedimentológicos estão intimamente vinculados ao ciclo hidrológico e compreendem o deslocamento, o transporte e o depósito de partículas sólidas presentes na superfície da bacia hidrográfica. A desagregação, movimento e deposição das partículas sólidas ocorrem devido à água, ao vento, à declividade da encosta e às correntes dos cursos d água. Segundo CARVALHO (1994), a erosão hídrica é causada pelo escoamento superficial. O deslocamento dos sedimentos carregados pelo escoamento superficial e outros processos, embora esporádicos, acabam provocando o remanejo e a redistribuição pela bacia de ponderáveis massas de partículas sólidas, a ponto de poderem, eventualmente, alterar o ciclo hidrológico e, certamente, afetar o uso, a conservação e a gestão dos recursos hídricos (BORDAS e SEMMELMANN, 2000). A erosão é um processo natural que pode ser intensificada devido, principalmente, a agentes antrópicos. Segundo MOTA (1995), as práticas agrícolas inadequadas, a ocupação incorreta das áreas, alterações no escoamento natural das águas, movimentos de terra e impermeabilizações de terrenos são as principais causas da erosão acelerada. 16

17 3.2 Modelagem Hidrossedimentológica A complexidade na dinâmica hidrossedimentológica de uma bacia hidrográfica torna a previsão dos processos hidrossedimentológicos impraticável. Porém através do monitoramento desses processos e adotando algumas leis empíricas e hipóteses e com o auxilio da modelagem é possível simular cenários reais da dinâmica na bacia. Os modelos podem ser definidos como uma apresentação do sistema (ou objeto) tanto estático quanto dinâmico (KOBIYAMA e MANFROI 1999b). Para Ford (1999) os modelos substituem um sistema real quando se tornam mais fáceil que o sistema real. De acordo com CHRISTOFOLETTI (1999) a modelagem envolve um conjunto de técnicas com a finalidade de simplificar a complexidade do mundo. Este conjunto de técnicas é teórico e compõem uma abstração da realidade a qual ajusta e orienta para experiências empíricas. Segundo TUCCI (1998) os modelos podem ser classificados: Continuos e discretos Os modelos contínuos são caracterizados por fenômenos contínuos no tempo, e os discretos se dão em intervalos. Os sistemas hidrológicos são contínuos e são representados por modelos discretos. Concentrado e distribuído Um modelo distribuído apresenta suas variáveis variando no espaço e no tempo, já um modelo concentrado não leva em conta a variabilidade espacial. Estocástico e determinístico - a principal diferença entre estocástico e determinístico é o conceito de probabilidade. Se na formulação do modelo existe a lei da probabilidade o modelo é dito estocástico, se não é determinístico. Conceitual e empírico - quando um modelo considera os processos físicos é dito conceitual. Os modelos empíricos são aqueles que ajustam os valores simulados aos observados não considerando os processos físicos. 17

18 Conforme TUCCI (1998) a ciência desenvolveu modelos hidrológicos como ferramenta para melhorar o entendimento do comportamento em uma bacia hidrográfica e prever condições diferentes das observadas. Segundo KOBIYAMA e MANFROI (1999b) a modelagem e o monitoramento são métodos científicos complementares, e o sucesso da modelagem depende da qualidade dos fenômenos monitorados. 3.3 SWAT O modelo Soil and Water Assessement Tool (SWAT) foi desenvolvido por Dr. Jeff Arnold da Agricultural Research Service - ARS do United States Department of Agriculture - USDA. Ele é um modelo matemático de parâmetro semi-distribuído (variando no espaço e/ou no tempo) que permite simular diferentes processos físicos que ocorrem em bacias hidrográficas. O objetivo do modelo é analisar os impactos das alterações no uso do solo sobre o escoamento superficial e subterrâneo, produção de sedimentos e qualidade da água em bacias hidrográficas agrícolas não instrumentadas (SRINIVASAN e ARNOLD, 1994). Para verificar o desempenho do modelo na calibração e validação, o coeficiente de Nash e Sutcliffe (NASH) e o desvio padrão (Dv) são usualmente utilizados. O NASH apresenta satisfatório variando de 0,39 a 0,94. JACOBS et al. (2007) aplicou o modelo para a bacia hidrografia do Alto do Rio Tana (9752,82 km 2 ) que está localizada no nordeste de Nairóbi capital do Quênia. O estudo consistiu em aplicar o modelo para a condição de uso e cobertura vegetal existente e simular alterações de cenários do uso do solo para reflorestamento na montante da bacia. Com a divisão em três sub-bacias os autores constataram uma quantidade desproporcional de sedimento na bacia Thiba. A produção de 44% sedimento com apenas 4% da precipitação total, deve ser ao uso e cobertura vegetal do local, que apresenta principalmente pequenos produtos e grandes áreas de pastagem. Nas simulações de reflorestamento nesta bacia, os autores evidenciaram que as áreas com solo exposto podem ser designadas para reflorestamento a favor da diminuição da produção de sedimento. Porém existem áreas com plantio de chá, por exemplo, que apresentam maior proteção do solo do que reflorestamento. ABBASPOUR et al. (2007) comparou o modelo SWAT com outros modelos de simulação de vazão, os sedimentos e a descarga de nutrientes na bacia hidrográfica do Rio Thur (1.700 km 2 ) localizada ao 18

19 nordeste da Suíça. Apresentando resultados satisfatórios para vazão, fósforo, nitrato e sedimento. Assim, os autores concluíram que o modelo pode ser usado para estudos de qualidade e quantidade de água na bacia Thur. MACHADO (2002) aplicou o SWAT para simular o escoamento e a produção de sedimentos produzidos para os anos de 1999 e 2000 na bacia hidrográfica do Ribeirão dos Marins, afluente do rio Piracicaba, localizado no estado de São Paulo. O autor adotou dois cenários para as simulações: 1) uso atual e considerando mata ciliar de 30 metros em toda extensão dos cursos d água e 50 metros ao redor das nascentes; e 2) substituição das pastagens nas encostas mais íngremes por vegetação florestal. Os valores de NASH e Dv obtidos foram satisfatórios. Após a calibração do NASH obtido foi de 0,92 e 0,83 e o Dv 0,7 e -3,2% para escoamento e sedimento, respectivamente. LOPES (2008) aplicou o SWAT em sete bacias experimentais na região do Alto do Rio Negro SC. Na bacia Nativa 1 (N1) evidenciou melhora no coeficiente de NASH de -0,59 para 0,42 realizando a calibração manual seguida da automática. A mesma autora comparou duas bacias com o mesmo tamanho, porém com diferentes manejos do solo (agricultura e vegetação nativa), e mostrou o menor escoamento superficial na bacia de vegetação nativa. Na aplicação do SWAT na bacia do Rio Preto no norte do estado de Santa Catarina, LINO (2009) realizou a calibração manual seguida da automática e o valor do NASH variou de -0,375 para 0,505 e o Dv de - 33,7 para -4,96. Simulando cenários de agricultura e comparando com mata nativa no mês de julho de 2006 para essa bacia, obteve-se a variação de escoamento superficial mensal de 40% entre estes cenários. A Tabela 1 apresenta uma lista de resumo das pesquisas que aplicaram o SWAT no Brasil e no mundo. 19

20 Autor Machado (2002) Minoti (2006) Baldissera (2005) Armas (2006) Neves (2005) Prado (2005) Abu El- Nars et al. (2005) Green & Van Griensven (2008) Govender e Everson (2005) Eckhardt et al. (2005) País Área da bacia Brasil 59,73 km 2 x x Brasil Tabela 1 Lista de aplicações do SWAT no Brasil e no Mundo Tipo de aplicação Eficiência Água Sedimentos Água Sedimentos Resolução Nash = 0,90 Nash = 0,83 D v = -0,7 D v = -3,2 R 2 = 0,94 R 2 = 0,96* 78,3 km 2 47,21 km 2 x x Brasil km 2 x Brasil 1710 km 2 x (pesticidas) Brasil 223 km 2 x (nutrientes) Nash = 0,69* D v = -8,15* R 2 = 0,75* Nash = 0,94 R 2 = 0,94 D v= 19,53 Cenário 20 m 1. APP nas margens dos rios e nas encostas 150m 25m 1. vegetação natural ocupando toda a bacia 2. cana-de-açúcar por toda a bacia 1. Vegetação natural ocupando toda a bacia 1. Cultivo de cana-de-açúcar Brasil 120,15 km 2 x 20 m 1. Vegetação natural ocupando toda a bacia Bélgica 465 km 2 x EUA 5,95 ha* x x África do Sul Nash = 0,39 R 2 = 0,45 Nash = 0,65* R 2 = 0,66* D v = -5,20* Nash = -0,05* R 2 = 0,61* 250m 0,677 km 2 x R 2 = 0,68 10 m Alemanha 134 km 2 x Nash = 0,86 20

21 * = valores médios. Fonte LOPES e KOBIYAMA (2009) 21

22 4. ÁREA DE ESTUDO 4.1 Localização da bacia hidrográfica A BHRN (195 km 2 ) está inserida dentro da bacia do Alto Rio Negro (Figura 1). Abrange os municípios de Rio Negrinho e São Bento do Sul no planalto norte do Estado de Santa Catarina, e localiza-se entre as longitudes de e W, e latitudes e S. Figura 1 Bacia Hidrografica do Rio Negrinho 4.2 Clima 22

23 Na classificação de Köeppen o clima do planalto norte Catarinense é Cfb (clima temperado constantemente úmido, sem estação seca, com verão fresco). A temperatura média anual varia entre 15,5 a 17,0 C, sendo que as temperaturas médias das máximas variam de 26,6 a 24 C e mínimas de 10,8 a 11,8 C. A precipitação anual vária de a mm, sendo os dias com chuva variando entre 138 e 164. A umidade relativa do ar pode variar de 80,0 a 86,2% (EPAGRI/CIRAM, 2009). 4.3 Geologia e Geomorfologia O substrato da BHRN é formado por rochas sedimentares pertencentes aos Grupos Itararé, do Sub-Grupo Tubarão. As formações pertencentes a este grupo são: Formação Campo do Tenente, Mafra e Rio do Sul (SANTA CATARINA, 1986). A formação Campo do Tenente representa uma seqüência glacial e fluvio-glacial, constituída predominantemente de argilitos castanho-avermelhados, ritmitos e diamicitos com matriz arenosa e arenitos finos e médios. A área aflorante restringe-se a uma pequena faixa do município de São Bento. A formação Mafra, é uma seqüência flúvio-marinha com influência glacial, composta predominantemente por arenitos finos a grosseiros, de coloração esbranquiçada, amarelada e avermelhada e, secundariamente por diamictitos de matriz arenosa e argilosa, conglomerados, ritmitos, argilitos e varvitos. A Formação Rio do Sul é constituída na parte inferior por folhelhos e argilitos cinza-escuros. Na parte superior aparecem diamicitos acinzentados, com matriz arenosa, intercalados com arenitos. Estes estão recobertos por argilitos, folhelhos várvicos, ritmitos e siltitos. A BHRN está inserida no Patamar Oriental da Bacia do Paraná, mais especificamente dentro do Patamar de Mafra. As características geomorfológicas são relevo com superfície regular, quase plana, de baixa energia. De modo generalizado, o relevo é individualizado como um patamar intermediário, constituído, predominantemente, por uma superfície colinosa. (SANTA CATARINA, 1986). 4.4 Solos Na BHRN predominam os Camibissolos em quase toda a sua extensão, apresentando a pequena porção com Gleissolos nas nascentes da parte oeste da bacia. 23

24 Os Cambissolos compreendem os solos minerais, não hidromórficos, com horizonte B incipiente bastante heterogêneo, em relação à cor, espessura e textura, e em respeito à atividade química da fração argila e saturação por bases. Este horizonte é caracterizado pelo baixo gradiente textural, pela média a alta relação silte/argila e pela presença de minerais primários de fácil decomposição. Está situado imediatamente abaixo de qualquer tipo de horizonte A, ou sob horizonte H turfoso, possuindo seqüência A, Bi, C ou H, Bi, C. Estes são derivados de materiais relacionados a rochas de composição e possuem natureza muito variável (EMBRAPA, 2004; SANTA CATARINA1986). Os cambissolos são solos com certo grau de evolução, porém, não o suficiente para decompor completamente minerais primários de mais fácil intemperização, como feldspato, mica, hornblenda, augita e outros. Estes solos não possuem acumulações significativas de óxidos de ferro, húmus e argilas que permitam identificá-los como possuindo horizonte B textural (EMBRAPA, 2004). Os Cambissolos característicos da região são (i) Cambissolo hálico Tb A moderado, textura argilosa; (ii) Cambissolo hálico Tb A moderado, textura média; (iii) Cambissolo Háplico Tb A proeminente com texturas muito argilosa. O resumo desses de EMBRAPA (2004) são a seguir: (i) Cambissolo hálico Tb A moderado, textura argilosa: alta saturação por alumínio trocável, argila de baixa atividade (Tb), horizonte A do tipo moderado com textura argilosa. O horizonte A tem espessura de 15 a 25 cm de bruno-amarelo escuro. A porcentagem de argila na camada superficial é 41%, sendo 46% na subsuperficial. Os teores de slite são elevados apresentando média de 42% na camada superficial e 35% na subsuperficial. A areia é menos significativa com aproximadamente 17% na superficial e 12% na subsuperficial. (ii) Cambissolo hálico Tb A moderado, textura média: alta saturação por alumínio, argila de baixa atividade, horizonte A do tipo moderado com textura média. O horizonte A tem expessura de 30 cm. A procentagem de argila é alta 19% na camada superficial e na 23% na subsuperficial. A fração da 24

25 (iii) areia é significativa com 51% na superficial e 48% na subsuperficial. Cambissolo Háplico Tb A proeminente com texturas muito argilosa: alta saturação por alumínio, argila de baixa atividade, horizonte A do tipo moderado com textura muito argilosa. O horizonte A tem espessura de 35 a 40 cm. A fração de argila é de 67% no horizonte A e 70% no B. As frações de slite variam 19 a 41% em A e 17% a 35% em B. O teor de areia é baixo e normalmente inferior a 10%. 4.5 Uso e cobertura vegetal A bacia é caracterizada pela presença de Floresta Ombrófila Mista, reflorestamento de pinus e agricultura (KOBIYAMA et al., 2008). A Floresta Ombrófila Mista é característica de regiões com altitudes superiores a 500 m. A espécie dominante na região, e de maior porte, é o pinheiro brasileiro (Araucaria angustifolia). No estrato emergente é comumente encontrada a imbuia (Ocotea porosa) e a Sapopema (Sloanea lasicoma). Já no estrato inferior das árvores predomina a erva-mate (Ilex paraguriensis). (SANTA CATARINA, 1986; EMBRAPA, 2004). A paisagem natural foi degradada pelo modelo econômico da cidade, que é baseada no reflorestamento de pinus. Hoje há apenas vestígios da floresta nativa. Outra atividade da região é a agricultura de milho, soja, feijão e fumo. Há também áreas de pastagem para a pecuária de bonivos, suínos, caprinos e aves (PREFEITURA DE RIO NEGRINHO, 2009). 25

26 5. MATERIAIS E MÉTODOS 5.1 Estação meteorológica e fluviométrica. Este trabalho utilizou os dados obtidos na estação meteorológica da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina S.A. (EPAGRI) localizada nas coordenadas S e W, com altitude de 862 m. Para a calibração do modelo foram utilizados os dados obtidos na estação fluviométrica Rio Negrinho Montante ( ). Os dados de nível foram transformados em dados de vazão pela curva-chave da seção. Os dados foram adquiridos por meio do site da Agência Nacional de Águas (ANA) no Sistema de Informações Hidrológicas (HIDROWEB). 5.2 Softwares Para a realização deste estudo foram utilizados os seguintes softwares: ArcGIS Extensões: Spatial Analyst v. 1.1 e 3D Analyst v. 1.0 desenvolvidos pela Environmental Systems Research Institute (ESRI), Redlands, California, EUA; Interface ArcGIS - Soil and Water Assessment Tool v (ArcSWAT), desenvolvido pelo Blackland Research Center Texas Agricultural Experiment Station e USDA Agricultural Research Service; ENVI 4.3 (Environment for Visualizing Images), para o processamento digital de imagens. 5.3 Material Cartográfico e Imagens de Satélite Foram utilizadas as cartas topográficas digitais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para delimitar a bacia, gerar o Modelo Numérico do Terreno (MNT) e determinar a rede de drenagem. Os nomes das cartas utilizadas foram Rio Negrinho e São Bento do Sul na escala 1:50.000, editadas e disponibilizadas em meio digital no site da (EPAGRI). Para o mapa de usos e cobertura do solo da região foram utilizados imagens do satélite LANDSAT-TM5 220/79, 220/78 e 221/78, datas de julho de 2009.O mapa de solos na escala 1: , foi elaborado a partir dos dados de Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA 2004). 26

27 5.4 Análise dos Dados Espaciais Modelo Numérico do Terreno O MNT é uma representação matemática computacional da distribuição de um fenômeno espacial que ocorre dentro de uma região da superfície terrestre. Para gerar o MNT é necessária a aquisição das amostras, geração do modelo (modelagem) e aplicações. As amostras utilizadas no presente estudo foram às curvas de nível e os pontos tridimensionais (ponto cotados) presentes nas cartas topográficas de Rio Negrinho e São Bento do Sul. Na modelagem foi utilizado o método de TIN Triangular Irregular Network pela triangulação de Delaunay. A partir do TIN foi gerado o Modelo Digital de Elevação (MDE) com uma resolução de células de 30 m no ArcGIS Solos O mapa de solos da BHRN foi elaborado com base no levantamento de solos realizado em 2004 pelo Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (CIRAM/EPAGRI, 2004) em escala 1: Uso e cobertura Vegetal Para a elaboração do mapa de uso do solo BHRN foram utilizadas imagens do satélite Landsat/TM-5, referentes às órbitas/ponto 220/78, 221/78 e 220/79, com data de julho de A etapa seguinte consistiu na classificação automática das imagens, objetivando a elaboração do mapa de uso e cobertura do solo da bacia. Para esse estudo foram definidas seis classes de uso do solo: i) Pinus: essa classe corresponde às áreas com reflorestamento de espécies exóticas como, pinus e eucalipto; ii) Pinus novo: essa classe corresponde às áreas com reflorestamento de espécies exóticas como, pinus e eucalipto com menos de 6 anos iii) Vegetação nativa: nessa classe estão representadas as áreas com Floresta Ombrófila Mista nos diferentes estágios de crescimento e de regeneração; iv) Pastagem: a classe de pastagem contempla áreas de pastagem natural e plantada; v) Água: representa os corpos de água em geral, como rios, córregos, lagos naturais e artificiais; 27

28 vi) Solo Exposto: essa classe abrange áreas de solo exposto, em época de preparo para o plantio e estradas. vii) Agricultura: corresponde às áreas com diferentes tipos de culturas anuais cultivadas na região; viii) Área Urbana: corresponde às áreas com presença de urbanização. Foram realizados levantamentos de campo com GPS, onde foram coletados pontos de amostragem em cada uso do solo. Posteriormente foi realizada a conferência dos dados de uso do solo obtidos no campo com os determinados pelo algoritmo de classificação das imagens. 5.5 Dados Tabulares Clima O modelo SWAT requer dados médios mensais de parâmetros meteorológicos para o gerador climático (Tabela 2). Tabela 2 Parâmetros mensais requeridos para criação dos parâmetros estatísticos da estação meteorológica no modelo SWAT. Parâmetros WLATITUDE Latitude da estação meteorológica (graus) WLONGITUDE Longitude da estação meteorológica (graus) WELEV Altitude da estação meteorológica (metros) RAIN_YRS Número de anos dos dados meteorológicos observados que foram utilizados para calcular o RAIN_HHMAX TMPMX Temperatura máxima nos diferentes meses do ano ( C) TMPMN Temperatura mínima nos diferentes meses do ano ( C) TMPSTDMX Desvio padrão da máxima temperatura no mês. TMPSTDMN Desvio padrão da mínima temperatura no mês. PCPMM Média da precipitação no mês (mm) PCPSTD Desvio padrão da precipitação no mês (mm.dia -1 ) PCPSKW Coeficiente Skew para a precipitação diária no mês PR_W(1) Probabilidade de dia úmido (com chuva) seguido de um dia seco no mês PR_W(2) Probabilidade de dia úmido seguido de outro dia úmido no mês PCPD Número médio de dias chuvosos no mês RAINHHMX Precipitação máxima no período de 30 minutos no mês (mm) 28

29 SOLARAV Radiação solar média diária no mês (MJ.m -2.dia -1 ) DEWPT Ponto de orvalho médio diário no mês ( C) WNDAV Velocidade do vento médio diário no mês (m.s -1 ) Para este trabalho foi utilizado o método de Penman-Monteith para estimar a ETP Solos Os dados tabulares de solos requeridos pelo modelo SWAT são divididos em duas partes: i) parâmetros do tipo de solo; e ii) parâmetros da camada do solo. i) Parâmetros do tipo de solo são os seguintes: a) nome do solo; b) número de camadas; c) grupo hidrológico do solo; d) profundidade total; e) porosidade do solo. ii) Parâmetros de cada camada são os seguintes: a) profundidade da camada; b) densidade do solo seco na camada; c) capacidade de água disponível na camada; d) carbono orgânico; e) condutividade hidráulica saturada da camada; f) porcentagem de argila; g) porcentagem de silte; h) porcentagem de areia; i) porcentagem de rocha; j) albedo; e k) fator de erodibilidade da camada (K). NRCS (2007) classificou os solos em 4 grupos hidrológicos (A, B, C e D) (Tabela 3). Tabela 3 Descrição dos quatro grupos hidrológicos do solo Grupos Características hidrológicos A B C Pouco potencial de escoamento superficial. O solo apresenta alta taxa de infiltração quando está completamente úmido e alta taxa de transmissividade da água. O solo é composto por menos que 10% de argila e mais que 90% de areia ou cascalho. O solo tem moderada taxa de infiltração quando completamente úmido e moderada taxa de transmissividade da água. O solo apresenta argila variando entre 10 e 20% e areia variando entre 50 e 90%. O solo tem baixa taxa de infiltração quando 29

30 D completamente úmido e baixa taxa de transmissividade da água. O solo apresenta argila variando entre 20 e 40% e areia menos que 50%. Alto potencial de escoamento superficial. O solo apresenta taxa de infiltração muito baixo quando completamente úmido o que torna o movimento da água no solo restrito ou muito restrito e apresenta taxa de transmissividade da água muito baixo. O solo é constituído com mais de 40% de argila e menos que 50% de areia. Fonte: modificado de USDA-NRCS (2007). Os dados utilizados neste trabalho foram obtidos através de trabalhos realizados em uma das bacias experimentais do Labhidro (GRANDO et al. 2009). Está bacia experimental está localizada próximo as limites da BHRN. Os parâmetros do tipo de solo de cada camada de solo foram definidos: a) profundidade da camada adotada apenas uma camada; b) densidade do solo na camada - método do anel volumétrico; c) capacidade de água disponível na camada - estimada com base nos trabalhos realizados por Assad et al. (2001); d) carbono orgânico pelo ensaio de matéria orgânica; e) condutividade hidráulica da camada - método do permeâmetro de carga variável; j) albedo verificado na literatura (Pereira et al. 2002); e k) fator de erodibilidade da camada (K) Equação de Wischmeier (1971) (Equação 1). Para o cálculo do fator de erodibilidade para cada tipo de solo foi utilizada a equação apresentada por Wischmeier, ou seja: ( 12 MO) 1,14 0,0021 M + 3,25 ( Csoilstr 2) + 2,5 ( Cperm 3) KUSLE = (1) 100 onde M é a um valor que depende da quantidade de argila; silte e areia é calculada pela NBR 7181; MO é a porcentagem de matéria orgânica do solo; C soilstr é o código de estrutura do solo utilizado na classificação do solo; e C perm é a classe de permeabilidade do perfil. O cálculo de M foi feita com: M = m + m 100 m (2) ( ) ) SILTE AMF ( C onde m SILTE é a porcentagem de silte; m AMF é a porcentagem de areia muito fina; e mc é a porcentagem de argila. 30

31 5.6 Descrição do modelo SWAT As simulações hidrológicas na bacia hidrográfica realizadas pelo modelo SWAT podem ser separadas em duas partes: fase terrestre e fase de propagação do ciclo hidrológico Fase terrestre do ciclo hidrológico A fase terrestre do ciclo hidrológico é ainda dividida em sete componentes: i) hidrologia; ii) clima; iii) sedimentos; iv) crescimento vegetal; v) manejo agrícola; vi) nutrientes; e vii) pesticidas. Abaixo estão descritos os componentes do modelo que foram utilizados neste trabalho. (i, ii, iii, iv, v). A Figura 2 apresenta uma esquematização da fase terrestre do ciclo hidrológico. Figura 2 Ciclo hidrológico (Fonte: Apostila de Hidrometria, UFSC 2009) i) Hidrologia O clico hidrológico utilizado nas simulações do SWAT é baseado na equação do balanço hídrico: t SWt = SW + ( Peri Qi ETi qlat. i qret. i) i= 1 (3) 31

32 onde SW t é a quantidade final de água no solo (mm); SW é a quantidade inicial de água no solo (mm) no t tempo (dias); Per i é a precipitação diária (mm); Q é o escoamento superficial (mm); ET é a evapotranspiração (mm); q lat.i é o escoamento lateral (mm); q ret.i é o escoamento de retorno (mm); e i é o passo de tempo (dias). As subdivisões da bacia hidrográfica em Unidades de Respostas Hidrológicas (URH) permitem que o modelo calcule diferentes evapotranspiração para cada tipo de uso e cobertura vegetal e solo. As URH são caracterizadas conterem o mesmo uso e cobertura vegetal, tipo de solo e declividade assim o escoamento superficial estimado separadamente para cada URH é mais preciso e melhora a descrição do balanço hídrico da bacia. Escoamento Superficial O escoamento Superficial no modelo SWAT é calculado pelos valores de precipitação diária e pelo método da Curva Número (CN). O método CN (Equação 4) é um produto empírico de mais de vinte anos de estudo em pequenas bacias hidrográficas nos Estados Unidos. O método CN foi desenvolvido para determinar o escoamento superficial em diferentes uso e coberturas vegetal e tipo de solo. Q surf 2 ( Pi Ia) = ( P I + S) i a onde Q surf é o escoamento superficial total (mm); P i é a precipitação total (mm); I a é a abstração inicial (o armazenamento no terreno, a interceptação e a infiltração no solo antes de iniciar o escoamento superficial em mm) e S é o parâmetro de retenção (mm) o qual varia com o uso e cobertura vegetal, tipo de solo e declividade e é expressa como: 100 S = 25,4 10 (5) CN O método CN (NRCS, 2007) define três condições de umidade antecedente: (i) CN 1 - condição seca (ponto de murcha); (ii) CN 2 condição de umidade média, e (iii) CN 3 condição úmida (capacidade de campo). Os valores tabelados de CN encontram-se na condição CN 2, as Equações (6) e (7) são utilizadas para transformar em CN 1 e CN 3, respectivamente. (4) 32

33 CN2 CN1 = 100 CN2 + exp (6) 20 ( 100 CN2 ) ( 2,533 0, CN ) CN3 = CN2 [ 0,00673 (100 CN2)] (7) A condição inicial para que o escoamento superficial ocorra é que P seja maior que I a. Conforme NRCS (2007), a abstração inicial (I a ) é adotada como sendo 0,2S, portanto a equação do escoamento superficial pode ser apresentada como: Q surf Qsurf 2 ( Pi 0,2S) = P 0, 2S ( P 0,8S ) = 0 i 2 > (8) P 0, 2S Vazão de Pico A vazão de pico é a máxima vazão provoca por um evento de chuva. A vazão de pico é um indicador da intensidade da erosão e é utilizada para calcular a perda de sedimento. O modelo SWAT calcula a vazão de pico pelo método racional (Equação 10). C i * A Q pico = (10) 3,6 Onde Q pico é a vazão de pico (m 3 /s); C é coeficiente de deflúvio; i* é a intensidade da precipitação (mm/h); A é a área da bacia (km 2 ) e 3,6 é um fator de conversão de unidades. Tempo de concentração O tempo de concentração (Equação 11) é o tempo decorrido para que a água que precipita no local mais distante da bacia escoa até o exutório. t conc = tcs + tcc (11) onde t conc é o tempo de concentração na bacia (horas); t cs é o tempo de concentração do escoamento terrestre (horas); e t cc é o tempo de concentração do escoamento no canal (horas). (9) 33

34 t cs 0,6 0, 6 l slp n = 18 slp (12) onde l slp é o comprimento da encosta (m); n é o coeficiente de Manning; e slp é a declividade média da bacia (m/m) 0,75 0,62 l n tcc = 0,125 0,375 A slp ch (13) onde l é o comprimento do curso d água do ponto mais longe da bacia até a exutoria em km, A é a área da bacia (km 2 ), slp ch é a declividade média do curso d água (m/m) Escoamento lateral O escoamento lateral é significativo em solos com uma camada superficial com alta condutividade hidráulica seguido de uma camada semi-impermeável ou impermeável. O modelo SWAT incorpora um modelo de armazenamento cinemático para o escoamento sub-superficial desenvolvido por Sloan et al. (1983) e resumido por Sloan e Moore (1984). Este modelo de armazenamento cinemático é baseado na equação do balanço de massa (balanço de massa líquida) onde o segmento em declive é utilizado como volume de controle: Q lat 2 SWly, excess K = 0,024 φd Lhill sat slp (14) onde Q lat é a quantidade de água que escoa sub-superficialmente (mm); SW ly,excess é o volume drenável de água na camada de solo (mm); K sat é a condutividade hidráulica saturada (mm.h -1 ); slp é a declividade média da sub-bacia (m.m -1 ); é a porosidade drenável da camada de solo (mm.mm -1 ); e L hill é o comprimento do declive (m). Escoamento Subterrâneo O escoamento de base ou subterrâneo somente entra no canal se a quantidade de água armazenada no aqüífero exceder um valor limiar 34

35 especificado pelo usuário (, ). A resposta do estado estacionário do escoamento subterrâneo até a recarga é descrito como: Q 8000 K sat gw = 2 ( Lgw) h wtbl (15) onde Q w é o escoamento subterrâneo no canal principal no dia i (mm); K sat é a condutividade hidráulica saturada do aqüífero (mm.dia -1 ); L gw é a distância do divisor da bacia do sistema subterrâneo para o canal principal (m); e h wtbl é o altura do lençol freático (m). Percolação A percolação é calculada para camada do perfil do solo: t W perc,ly = SWly,excesso 1- exp TTperc (16) onde w perc,ly é a quantidade de água que percola para a próxima camada (mm); SW ly,excess é o volume drenável de água na camada de solo (mm); é a duração do passo de tempo (horas) e TT perc é o tempo de propagação na camada do solo (horas). Água percola somente quando o teor de água exceder a capacidade de campo para aquela camada. O volume de água disponível para a percolação nas camadas do solo é calculado como: SWly, excesso = SWly FCly se SW ly >FC ly (17) SW ly, excesso = 0 se SW ly <FC ly (18) onde SW ly é o conteúdo de água na camada do solo (mm); e FC ly é o conteúdo de água na camada de solo na capacidade de campo (mm). O tempo de percolação é único para cada camada do solo e é calculado: 35

36 TT perc SATly FC = k sat ly (19) onde, é o tempo de percolação (h); SAT ly é a quantidade de água na camada de solo quando completamente saturado (mm); e K sat é a condutividade hidráulica saturada na camada (mm.h -1 ). Evapotranspiração A evapotranspiração compreende todos os processos de transformação da água da superfície da terra para vapor (evaporação, transpiração e sublimação). A evapotranspiração é um dos principais meios de saída de água da bacia, aproximadamente 62% da precipitação é evapotranspirada. A evapotranspiração potencial foi um conceito inserido por Thornthwaite (1948) na classificação climático sendo o total de água transferida para a atmosfera por evaporação e transpiração, de uma superfície extensa e coberta de vegetação e bem suprida de água. Existem vários métodos de determinação da evapotranspiração, o SWAT disponibiliza três métodos de calcular a evopranspiração: Penman-Monteith (Monteith, 1965; Allen, 1986; Allen et al., 1989), the Priestley-Taylor method (PRIESTLEY AND TAYLOR, 1972) and the Hargreaves method (HARGREAVES et al., 1985). O método utilizado para calculo da evapotranspiração foi o de Penman-Monteith (Equação 20). Este método requer a radiação solar, temperatura do ar, umidade relativa e velocidade do vento. o [ ez ez ] ( H net G) + ρar c p ra λe = r + + c γ 1 ra (20) onde λe é o fluxo de densidade do calor latente (MJ.m -2 d -1 ); E é a altura da taxa de evaporação (mm.d -1 ); é a declividade da curva de saturação da pressão de vapor com a temperatura; H net é a radiação líquida (MJ.m -2 d -1 ); G é a densidade de fluxo de calor do chão (MJ.m - 36

37 2 d -1 ); ρar é a densidade do ar (kg.m -3 ); c p é o calor especifico a pressão constante (MJ.kg -1. C -1 ); e o z é a pressão de saturação do vapor no ar na altitude z (kpa), e z é a pressão de vapor da água no ar na altitude z (kpa); γ é a constante psicromátrica (kpa. C -1 ); r c é a resistência de interceptação vegetal (s.m -1 ) e r a é a resistência aerodinâmica (s.m -1 ). ii) Clima Os parâmetros de clima utilizados pelo gerador climático SWAT estão descritos na Tabela 1 do item iii) Sedimento A erosão causada pela chuva e pelo escoamento total na bacia hidrográfica é calculada com a Equação Universal de Perda de Solos Modificada (Modified Universal Soil Loss Equation MUSLE). A MUSLE é uma versão modificada da Equação Universal de Perda de Solo (Universal Soil Loss Equation - USLE) desenvolvida por Wischmeier e Smith (1965, 1978). A diferença entre a USLE e a MUSLE é que a primeira estima a erosão média anual bruta em função da energia da precipitação, e a segunda estima em função do escoamento. A MUSLE é definida por Willians (1995): 0,56 SED = 11,8 Q Q Area K C P LS ( ) CFRG surf peak urh (15) onde SED é a produção de sedimento (ton.dia -1 ), Q surf é o volume de escoamento superficial (mm.ha -1 ), Q pico é a vazão de pico (m 3 s -1 ), Area urh é a área da unidade de resposta hidrológica (ha), K é o fator de erodibilidade do solo, C é o fator de cobertura e manejo, P é o fator de praticas conservacionistas, LS é o fator topográfico e CFRG é o fator de fragmento grosseiro. Wichmeir et al. (1971) desenvolveu uma equação geral para o fator erodibilidade (K) descrita como: 1,14 0,00021 M ( 12 MO) + 3,25 ( Csoilstr 2) + 2,5 ( C perm 3) KUSLE = 100 (16) onde M é o parâmetro tamanho das partículas, MO é a porcentagem matéria orgânica (%), C soilstr é o código de estrutura do solo utilizado na classificação dos solos, e C perm é a classe de permeabilidade do solo. O parâmetro tamanho das partículas (M) é calculado: USLE USLE USLE USLE 37

38 ( m + m ) ( m ) M = silte areia 100 c (17) onde m silte é a porcentagem de silte; m areia é a porcentagem de areia muito fina; e mc é a porcentagem de argila. A porcentagem matéria orgânica (MO) é calculado: MO = 1, 72 orgc (18) onde orgc é a porcentagem de carbono orgânico. Os valores de C soilstr e C perm são adotados a partir das Tabelas 4 e 5, respectivamente. O C perm é baseado na condutividade hidráulica saturada. Tabela 4 Classes de C soiltr Definição para casa solo 1 Grânulos muito finos 2 Grânulos finos 3 Grânulos médios ou grossos 4 Grânulos em blocos, placas, prismáticos ou maçicos C soilstr Tabela 5 - Classes de C perm Condutividade hidráulica Saturada (mm.h -1 ) 1 Rápido (> 150) C perm 2 Moderado a rápido (50-150) 3 Moderado (50-150) 4 Lento a moderado (50-150) 5 Lento (1 5) 6 Muito lento ( <1) 38

39 O fator de cobertura e manejo (C USLE ) é definido como a taxa de perda do solo em condições especifica num determinado estagio da cultura. O SWAT calcula o valor diário de C USLE dependendo da variação da cobertura vegetal durante o ciclo de crescimento da planta: C = exp ln 0,8 ln C, ] exp 0,00115 rsd + ln USLE {[ ( ) ( USLE MN ) ( surf ) ( CUSLE, M (19) onde C USLE é o fator cobertura e manejo; C USLE,MN é o valor mínimo para o fator de cobertura e manejo; e rsd surf é a quantidade de resíduo no solo (kg.ha -1 ). O C USLE,MN é calculado como: C USLE, MN = 1,463 ln( CUSLE, ) + 0, 1034 aa (20) onde C ULSE,aa é o fator manual médio para fator cobertura e manejo. O fator de práticas conservacionistas (P USLE ) é definido como a taxa de perda do solo com uma especifica prática. Os valores de P USLE são definidos a partir da declividade (%) (Tabela 6). Tabela 6 Relação entre declividade do solo e valores de P USLE Declividade do Solo (%) P USLE 1 2 0, , , , , , ,9 O fator topográfico (LS USLE ) é a taxa de perda de solo esperada para um terreno uniforme de 22,1 metros de comprimento e 9% de declividade e é expresso como: m 2 [ 65,41 sen ( α ) + 5,46 sen( α ) + 0,065] L hill LSUSLE = 22,1 hill hill (21) onde L hill e o comprimento da encosta (m), m é o ângulo da declividade da encosta e é expresso como: m = 0,6 1 exp 35, 835 slp [ ( )] (22) 39

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL. Simone Malutta

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL. Simone Malutta UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL Simone Malutta ESTUDO HIDROSSEDIMENTOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NEGRINHO - SC COM O

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO Precipitação Radiação Solar Transpiração e Evaporação Infiltração Escoamento superficial direto Evaporação Lc Lp Escoamento Subterrâneo Rios e lagos Aqüífero Confinado Manto

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

Simulação da produção de sedimentos em uma pequena bacia hidrográfica rural no sul do Brasil

Simulação da produção de sedimentos em uma pequena bacia hidrográfica rural no sul do Brasil Simulação da produção de sedimentos em uma pequena bacia hidrográfica rural no sul do Brasil NADIA BERNARDI BONUMÁ (1), JOSÉ MIGUEL REICHERT (), JEAN PAOLO MINELLA (), LUCIANO JACOMET (3), ANDRÉ DE OLIVEIRA

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf

Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima. FEAGRI/UNICAMP - Prof. Roberto Testezlaf Manejo de irrigação Parâmetros solo-planta-clima Relações água e solo Fases do solo Sólida Líquida (Água/Solução) Ar Fase sólida Densidades do solo e de partícula Densidade de partícula (real) Relação

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos.

Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12 minutos. Dimensionamento Altair (SP) - região de São José do Rio Preto 1/28 Esta apresentação irá mostrar passo a passo os cálculos e as decisões envolvidas no dimensionamento. O tempo de cada apresentação: 12

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas

3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 3º BIMESTRE 2ª Avaliação Área de Ciências Humanas Aula 148 Revisão e avaliação de Humanas 2 Tipos de vegetação Vegetação é caracterizada como o conjunto de plantas de uma determinada região. Em razão da

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

O Hidrograma Unitário

O Hidrograma Unitário Capítulo 11 O Hidrograma Unitário U ma bacia pode ser imaginada como um sistema que transforma chuva em vazão. A transformação envolve modificações no volume total da água, já que parte da chuva infiltra

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA

GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA GEOTECNOLOGIAS APLICADAS A SIMULAÇÃO DE PERDAS DE SOLO POR EROSÃO HÍDRICA FRANCIENNE GOIS OLIVEIRA Sabendo-se que a erosão pode comprometer até mesmo o volume de água de uma bacia hidrográfica, o presente

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

O SOLO NO MEIO AMBIENTE

O SOLO NO MEIO AMBIENTE Mini Curso O Solo e o Meio Ambiente Prof. Dr. Marcelo Ricardo de Lima IX EPEA 1 O SOLO NO MEIO AMBIENTE Marcelo Ricardo de Lima Professor Doutor do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola, Universidade

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL 6.0.Considerações: O escoamento superficial é a fase do ciclo hidrológico que resulta do excedente das águas precipitadas que não se infiltraram ou evaporaram; e que

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Reconhecer as diferenças

Reconhecer as diferenças A U A UL LA Reconhecer as diferenças Nesta aula, vamos aprender que os solos são o resultado mais imediato da integração dos processos físicos e biológicos na superfície da Terra. A formação e o desenvolvimento

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

F 2 P 3 P 1 P 4 E 1 E 2 P 2 F 3. de dt. de dt

F 2 P 3 P 1 P 4 E 1 E 2 P 2 F 3. de dt. de dt !! F 2 P 3 F P 1 1 P 4 E 1 E 2 P 2 de dt 1 de dt 2 F 3 = F P + P 1 1 2 = P P + P P 1 2 3 4 F1 = f ( t) F2 = f ( t) F3 = f ( t) P = f ( E, E ) 1 1 2 P = f ( E, E, F ) 2 1 2 3 P = f ( E, F ) P 3 2 2 = f

Leia mais

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 7.1. Introdução Das fases básicas do ciclo hidrológico, talvez a mais importante para o engenheiro seja a do escoamento superficial, que é a fase que trata da ocorrência

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

Eng. Civil Nadia Bernardi Bonumá. Pelotas - RS Novembro de 2010

Eng. Civil Nadia Bernardi Bonumá. Pelotas - RS Novembro de 2010 Seminário Nacional de Gestão e Uso da Água IV Reunião de Estudos Ambientais II Encontro Nacional de Engenharia Hídrica MINICURSO MONITORAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ICAS: 1 - Introdução e conceitos básicos

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Felipe de Azevedo Marques 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

ESTIMATIVA DO BALANÇO HÍDRICO DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COM O MODELO SWAT

ESTIMATIVA DO BALANÇO HÍDRICO DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COM O MODELO SWAT ESTIMATIVA DO BALANÇO HÍDRICO DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA COM O MODELO SWAT Nadia Bernardi Bonumá 1 *; Cláudia Weber Corseuil 2, Masato Kobiyama 3, Paulo Rodrigo Zanin 4, Fabio Corrêa 5 Resumo O objetivo

Leia mais

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários

Comportamento e Destino Ambiental de. Produtos Fitossanitários 18/09/2015. Produtos Fitossanitários 2015 Comportamento e Destino Ambiental de Produtos Fitossanitários Claudio Spadotto, Ph.D. Pesquisador da Embrapa Gerente Geral da Embrapa Gestão Territorial Membro do Conselho Científico para Agricultura

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS

Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS 1 - Conceitos: Capítulo 10 ELEMENTOS SOBRE SOLOS O solo deve ser considerado sob o aspecto de ente natural e, como tal é tratado pelas ciências que estudam a natureza, como a geologia, a pedologia e a

Leia mais

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento Rávila Marques de Souza Mestranda em Engenharia do Meio Ambiente Setembro 2012 Bacia Hidrográfica

Leia mais

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila).

TEXTURA DO SOLO. Conceito. Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Conceito Representa a distribuição quantitativa das partículas sólidas do solo, quanto ao tamanho (areia, silte e argila). Sistemas de classificação Quadro 1. Frações granulométricas encontradas nos sistemas

Leia mais

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo.

Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Os solos corr espondem ao manto de alter ação das rochas por processos de intemper ismo. Quanto a or igem os solos podem ser: ELUVIAIS Originado da alter ação da r ocha matriz situada abaixo dele. ALUVIAIS

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Agroclimatologia. Evapotranspiração

Agroclimatologia. Evapotranspiração Agroclimatologia Evapotranspiração A importância da ET no ciclo hidrológico A evapotranspiração é a forma pela qual a água da superfície terrestre passa para a atmosfera no estado de vapor, tendo papel

Leia mais

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO

BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO BIOENGENHARIA DE SOLOS ENGENHARIA NATURAL AULA 2 PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DO SOLO IGOR PINHEIRO DA ROCHA ENGENHEIRO FLORESTAL, M.Sc. AS FASES DO SOLO Fase sólida (Matriz do solo) Material mineral

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR

CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CLASSIFICAÇÃO HEMERÓBICA DAS UNIDADES DE PAISAGEM DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CARÁ-CARÁ, PONTA GROSSA PR Andreza

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE 1 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão PE - Campus Ouricuri.-

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS.

GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. GEOPROCESSAMENTO COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE NOS IMPACTOS AMBIENTAIS: MINERADORA CAMPO GRANDE TERENOS/MS. CÁSSIO SILVEIRA BARUFFI(1) Acadêmico de Engenharia Sanitária e Ambiental, Universidade Católica

Leia mais

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar: Hidrologia: Infiltração de Água no Solo

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar: Hidrologia: Infiltração de Água no Solo Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar: Hidrologia: Infiltração de Água no Solo Prof. Dr. Marcilio Vieira Martins Filho Diagramação: Dr. Diego Silva Siqueira Hidrologia: Infiltração

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 2º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor : Bruno Matias Telles 1ª RECUPERAÇÃO AUTÔNOMA ROTEIRO DE ESTUDO - QUESTÕES Estudante: Turma: Data: / / QUESTÃO 1 Analise o mapa

Leia mais

Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP

Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP Encontro nacional De Águas Urbanas Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP Eng. Elidio Nunes Vieira Engenheiro Civil

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO NA CAPACIDADE DE CAMPO E NO PONTO DE MURCHA PERMANENTE COM BASE EM ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO CAMILA CRISTINA ALVARENGA 1, CARLOS ROGÉRIO DE MELLO 2 ; LÉO FERNANDES ÁVILA

Leia mais

U IVERSIDADE FEDERAL DE SA TA CATARI A CE TRO TEC OLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM E GE HARIA AMBIE TAL

U IVERSIDADE FEDERAL DE SA TA CATARI A CE TRO TEC OLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM E GE HARIA AMBIE TAL U IVERSIDADE FEDERAL DE SA TA CATARI A CE TRO TEC OLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM E GE HARIA AMBIE TAL A ÁLISE DA DI ÂMICA HIDROSSEDIME TOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO (SC) COM O MODELO

Leia mais

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Odeir Alves LIIDTHE 1 Dalva Maria Castro VITTI 2 José Carlos Veniziani JUNIOR 3 Resumo As inundações

Leia mais

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1

ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 ALTERAÇÕES DAS PROPRIEDADES FÍSICAS EM UM CAMBISSOLO APÓS 12 ANOS DE CULTIVO DE MILHO PARA SILAGEM 1 Alafer Santelmo da Cruz 2 ; Fabrício Flavio Amler 3 ; Rosieli de Souza Pahl 4 ; Romano Roberto valicheski

Leia mais

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva

DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS. Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO E DENSIDADE DE PARTÍCULAS Laura F. Simões da Silva DENSIDADE DO SOLO A densidade do solo é definida como sendo a relação existente entre a massa de uma amostra de solo seca a 105ºC e

Leia mais

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy ANÁLISE HISTÓRICA DA SÉRIE DE PRECIPITAÇÃO (1931-2010) E O BALANÇO HÍDRICO DE MACEIÓ AL: CICLO HIDROLÓGICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Expedito R. G. Rebello¹; Nadir Dantas de Sales². RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS

DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS DIAGNÓSTICO DA OCUPAÇÃO IRREGULAR DE ÁREAS DE APP NA SUB- BACIA DO RIO DO PEIXE EM ITABIRA MG E A RELAÇÃO COM A GERAÇÃO DE SEDIMENTOS Letícia de Souza Perdigão 1 ; Eliane Maria Vieira 2 *; Roberto Cezar

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Hidrologia e Drenagem Aula 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça SISTEMA DE DRENAGEM E PRECIPITAÇÕES (PARTE 1) 1) Sistema

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ

PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ PRINCIPAIS SOLOS DO LITORAL DO PARANÁ Prof. Dr. Marcelo R. de Lima (UFPR-Curitiba) mrlima@ufpr.br Prof. M.Sc. Jaime B. dos Santos Junior (UFPA-Altamira) jaime@ufpa.br Os solos são formados pela interação

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE Elfride Anrain Lindner 1 ; Angelo Mendes Massignam 2 ; Daniela

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água

Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Ensaios de Laboratório em Mecânica dos Solos Curva de Retenção de Água Prof. Fernando A. M. Marinho 2010 Teor de Umidade nos Vazios (adensamento) Índice de Vazios 3 2.5 2 1.5 1 S = 100% e = wg s Tensão

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC

CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC CARACTERIZAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE SEDIMENTOS DE FUNDO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CUBATÃO DO NORTE, SC Haak, L. (UFPR) ; Oliveira, F.A. (UFPR) RESUMO O objetivo deste trabalho é caracterizar os sedimentos

Leia mais

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO

MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO MAPEAMENTO DE FRAGILIDADE DE DIFERENTES CLASSES DE SOLOS DA BACIA DO RIBEIRÃO DA PICADA EM JATAÍ, GO Régia Estevam ALVES (UFG/Campus Jataí - E-mail: regiaestevam@gmail.com). Raquel Maria de OLIVEIRA (Profa.

Leia mais