Características seminais de garanhões Pôneis da raça Brasileira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Características seminais de garanhões Pôneis da raça Brasileira"

Transcrição

1 .REDVET - Revista electrónica de Veterinaria - ISSN Características seminais de garanhões Pôneis da raça Brasileira Miguel Alejandro Silva Rua 1* ; Celia Raquel Quirino 1** ; Aylton Bartholazzi Junior 1 ; Paula Nascimento Santoro 1 ; Wilder Hernando Ortiz Vega 1 ; Luis Fonseca Matos 1 1 Laboratório de Reprodução e Melhoramento Genético Animal (Universidade Estadual do Norte Fluminense/UENF); ** Pesquisadora CNPq. Av. Alberto Lamego, 2000, Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil. *Autor correspondente: Resumo A qualidade do sêmen do garanhão é um dos fatores determinantes para se obter sucesso em programas reprodutivos já que na espécie equina é comum a existência de animais com problemas ligados à reprodução. Sendo assim, torna-se indispensável o exame andrológico de rotina para seleção de garanhões que serão utilizados na estação reprodutiva. O objetivo do presente estudo foi avaliar as características físicas do sêmen de garanhões pôneis da raça Brasileira. Foi coletado sêmen de garanhões adultos pôneis da raça Brasileira nos meses de dezembro, março, abril, maio, agosto e setembro. Os animais foram criados no Norte do Estado do Rio de Janeiro e foram avaliadas as características de ph seminal, volume seminal, concentração espermática e número total de espermatozoides. Com auxílio da análise computadorizada foram avaliadas a motilidade total, motilidade progressiva e as demais características da cinética espermática, em relação à idade dos animais e ao mês de coleta. Foi realizada a análise de variância e foram calculadas as correlações das características. Em geral as características não variaram entre animais de diferentes idades e nos diferentes meses de coleta. Houve ligeira variação da concentração espermática, e de algumas características da cinética espermática. Com isso, sugere-se que os garanhões possam ser utilizados na reprodução no decorrer do ano, sem que haja prejuízo das características ligadas ao potencial fertilidade do sêmen que apresentou boa qualidade. Palavras-chave: sêmen, equino, reprodução. 1

2 1. Introdução A equideocultura mundial exerce um importante papel como fonte geradora de renda e empregos. No Brasil, criação de equinos ocupa posição de destaque pelo grande número de animais e pela qualidade dos mesmos, com isso o país tem exportado material genético para vários outros países (Alvarenga, 2002). No Brasil, a criação de animais como os mini Pôneis, principalmente os pôneis da Raça Brasileira, tem sido popularizada, com boa aceitação do mercado. O surgimento dessas raças de mini cavalos, ocorreu devido à seleção realizada pelo homem durante muitos anos. Os Pôneis da raça Brasileira são destinados à iniciação de crianças em equitação e em programas de terapia, além de apresentar bom temperamento, serem dóceis e terem proporções corporais equilibradas. A média de altura é de 86.0 ± 0.6 cm (Quirino et al., 2012). A aplicação de biotécnicas reprodutivas utilizando o sêmen tem possibilitado maior aproveitamento de animais de grande potencial zootécnico. O reprodutor deve apresentar boa fertilidade tanto in vitro quanto in vivo, no entanto a qualidade do sêmen pode variar de um indivíduo para outro, com o manejo reprodutivo e com a idade e estação reprodutiva. Por isso, para avaliar o potencial de fertilidade dos garanhões é fundamental a análise do sêmen e das células espermáticas (Fernandes e Pimentel, 2002). No parênquima testicular, são produzidos bilhões de espermatozoides diariamente, e essa quantidade pode variar entre animais e entre coletas do mesmo animal, assim como pelo volume do parênquima testicular, da estação, com o ambiente ou por algum processo patológico (Heringer et al., 2004; Robalo Silva et al., 2007). Sieme et al. (2004) Recomendam a utilização de métodos apropriados de coleta de sêmen, com intervalo e frequência adequada. Os mesmo autores relataram que, em programas de inseminação artificial, o sêmen do garanhão coletado em dias alternados não apresentou diferenças sobre a qualidade do sêmen. Os equinos em geral, mostram reprodução estacional, possuindo uma capacidade reprodutiva máxima nos dias longos (primavera e principalmente no verão). A atividade reprodutiva durante o ano é regulada pelo eixo hipotalâmico hipofisário gonadal, sincronizado através do estímulo ambiental chamado fotoperíodo. Estes estímulos regulam a atividade gonadal (Gorman e Zucker, 1995). O objetivo do presente estudo foi avaliar as características físicas do sêmen de garanhões pôneis da raça Brasileira em relação à idade dos animais ao mês de coleta do sêmen. 2

3 2. Material e Métodos Foram realizadas 54 avaliações em garanhões adultos (5 a 13 anos) Pôneis da raça Brasileira situados no Norte do Estado do Rio de Janeiro, Brasil (Latitude 21 o 45 15, Longitude 41 o 19 28, Altitude 13 metros). Nessa região, o clima é quente e seco entre abril a outubro e chuvoso desde novembro a março. A temperatura média é de 25º C com mínima de 20º e máxima de 35º C. Os animais foram mantidos em baias individuais e recebendo ração comercial peletizada Equitec com 12% de proteína bruta, 15% de fibras e 20 g/kg de gordura e feno duas vezes ao dia. Água e sal mineral foram fornecidos ad libitum durante todo o período em que decorreu o estudo. Todos os animais mantiveram boa condição corporal durante o estudo, que foi realizado nos meses de dezembro de 2012, março, abril, maio, agosto e setembro de Antes do período experimental, os garanhões foram submetidos a exame clínico dos testículos e exame andrológico e foi constatado que todos mostraram características seminais e comportamento sexual normal e uma boa adaptação à técnica de coleta de sêmen com utilização de vagina artificial da marca Botupharma. Para a coleta de sêmen foi utilizada uma égua em estro natural como manequim para estimular o garanhão a realizar a monta. A vagina artificial (Botufarma ) foi preparada previamente, sendo preenchida com água à temperatura de aproximadamente 45º C e com um volume ajustado para cada animal. Um filtro de nylon foi acoplado no copo coletor para separar a porção gelatinosa de sêmen a qual foi descartada. Foram realizadas 6 coletas de sêmen de cada animal, com intervalo de 30 dias. Imediatamente após a coleta do sêmen, foi feita uma análise subjetiva do sêmen in natura. Foram avaliadas as seguintes características: motilidade (Motil %) e Vigor avaliado com uso de um microscópio óptico com aumento de 100X; volume (ml) medido em tubo graduado e o ph medido com fita medidora de ph. Nas análises de laboratório, uma amostra do sêmen foi diluída na proporção de 1:200 em solução de formol citrato para fazer a estimativa de concentração espermática (Conc) com contagens de células espermáticas em câmara de Neubauer. Para se obter o resultado do número total de espermatozoides (NTSTZ), multiplicou-se a concentração espermática pelo volume espermático de cada animal. 3

4 Foi realizada a análise computadorizada do sêmen (CASA) utilizando o software Hamilton Thorn Research (HTM-CEROS ), onde foram avaliados os parâmetros de motilidade e cinemática espermática. As variáveis de motilidade espermática analisadas foram: Motilidade total (MTT %); Motilidade progressiva (MP %); Velocidade média do trajeto (VAP µm/s); Velocidade progressiva (em linha reta) (VSL µm/s); Velocidade curvilínea (VCL µm/s); Amplitude do deslocamento lateral da cabeça (ALH µm); Frequência de batimentos (BCF Hz); Retidão (STR %) e Linearidade (LIN %). Foi feita a análise de variância das características físicas do sêmen para verificar efeito de mês de coleta (PROC MIXED, SAS). As médias foram comparadas utilizando o teste Student-Newman- Kelis (SNK) a 5% de probabilidade. O modelo utilizado foi Y ij = μ + Id i + M j + E ij ; em que: Y ij = variável dependente; μ =média geral, associada à variável dependente; Id i = efeito da i ésima idade; M j = efeito da j esimo mês de coleta; e ij = resíduo aleatório associado a cada observação. Para obter as correlações simples, foi usado o procedimento CORR do software SAS (2009). 3. Resultados e Discussão Não houve influência da idade nas características de ph, Vol e NTSTZ (p > 0,05), entretanto houve influência da idade na concentração espermática (p < 0,05). A média geral de ph foi de 7,8 ± 0,5. Valor semelhante ao relatado por Rua et al. (2013). Os valores observados para ph do sêmen dos garanhões do presente estudo, apresentaram-se mais elevados em comparação com a média geral observada em estudos com garanhões de maior porte (7,3 ± 0,1) como o citado por Ribas (2007). No entanto, foi observada média geral próxima à média de ph observada por Veronesi et al. (2010) que foi de 7,7 ± 0,1 ao estudar garanhões na Itália. A média de ph encontrada no presente estudo, apresenta-se ligeiramente acima da média relatada e sugerida como normalidade para garanhões pelo Colégio Brasileiro de Reprodução animal (CBRA, 2013), que varia de 6,8 a 7,6. Segundo Junior (1997) valores de ph mais altos sugerem a presença de infecções do trato reprodutivo. No entanto, apesar de ter sido observada uma maior média, sugere-se que seja normal encontrar esses valores de ph em pôneis da raça Brasileira, uma vez que os garanhões encontravam-se saudáveis e sem históricos de problemas reprodutivos relacionados com a fertilidade. 4

5 A média geral de volume seminal dos pôneis do presente estudo foi de 10,9 ± 5,6 ml. Maia et al. (2012) ao estudarem as características seminais de Pôneis criados no Norte do Brasil, relatou valor de volume seminal de 12,8 ± 5,7 ml. Rua et al. (2013) relataram média de 10.1 ± 5.1 ml. Entretanto, Neves et al. (2006) relataram valores de volume seminal de 25.3 e 14.0 ml no primeiro e segundo ejaculado de garanhões pôneis criados no Sul do Brasil. Sugerindo-se que regiões diferentes com climas diferentes possam ter influenciado no volume seminal. A média geral de concentração espermática foi de 432,7 ± 224,6 x 10 6 sptz/ml, sendo superior em comparação com 295 ± 107 x 10 6 sptz/ml observada por Maia et al. (2012). Segundo Sieme et al. (2004) a divergência observada na concentração espermática entre estudos, depende do intervalo ente coletas. Com isso, sugere-se que essa diferença tenha ocorrido devido ao fato de no presente estudo as coletas tiveram intervalo de 30 dias, enquanto no estudo realizado por Maia et al. (2012) as coletas tiveram intervalo de 7 dias, havendo maior esgotamento das reservas epididimária dos garanhões. Neves (2014) observaram média de concentração espermática de 201 x 10 6, sendo realizadas duas coletas com intervalo de uma hora. Lucena et al. (2014) ao avaliarem o sêmen de garanhões pôneis a cada sete dias, observaram concentração espermática de 268 x Segundo McKinnon et al. (2011) as características de concentração espermática e NTSTZ sofrem bastante variações influenciadas pelo ambiente em coletas feitas no mesmo animal em diferentes momentos. A média geral do número total de espermatozoides (NSTZ) por ejaculado observado no presente estudo foi de 4,5 ± 3,7 x 10 9 sptz/ejaculado. Rua et al. (2013) relataram 3.3 ± 2.4 x 10 9 para NTSTZ de pôneis da raça Brasileira. Neves (2014) observaram média de 4.9 ± 2.4 x 10 9 sptz/ejaculado. Deichsel et al. (2008) ao estudar as características seminais de pôneis de Shetland observaram uma média para NSTZ de 3,2 ± 0,4 x Na tabela 1 apresentam-se as médias das características físicas do sêmen de pôneis da raça Brasileira criados no Norte do Estado do Rio de Janeiro de acordo com a idade dos garanhões. Tabela 1. Médias das características físicas do sêmen: ph, volume (Vol), concentração espermática (Conc) e número total de espermatozoides (NTSTZ) em relação à idade dos garanhões pôneis da raça Brasileira do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Idade (anos) CF ph 7,7 ± 0,3 a 8,0 ± 0,1 a 7,7 ± 0,6 a 7,8 ± 0,4 a 7,8 ± 0,6 a 7,7 ± 0,5 a Vol (ml) 12,2 ± 3,2 a 12,6 ± 4,6 a 8,6 ± 5,0 a 8,4 ± 2,8 a 13,7 ± 8,6 a 11,2 ± 6,4 a Conc (x 10 6 ) 436,7 ± 198,6 ab 239,0 ± 65,9 b 424,9 ± 216,3 ab 488,3 ± 269,1 ab 637,4 ± 190,7 a 356,2 ± 224,9 ab NTSTZ (x 10 9 ) 5,4 ± 3,3 a 3,0 ± 1,5 a 3,3 ± 2,1 a 4,1 ± 3,2 a 8,2 ± 7,0 a 3,4 ± 2,1 a Letras iguais na mesma linha não apresentam diferença estatística entre as médias de idade (p > 0.05). 5

6 Considerando-se que 5 aos 13 anos de idade os animais são adultos, já era de se esperar que as médias de ph, volume espermático e NSTZ não variaram em relação à idade. No entanto, houve diferença entre as médias de concentração espermática, em que a menor média observada foi em animais de 7 anos de idade e a maior média observada foi nos garanhões de 11 anos de idade. Verificou-se que não há aumento do número de espermatozoides à medida que aumenta a idade dos animais. McKinnon et al. (2011) relataram que à medida que aumenta a idade dos garanhões, mesmo que já tenham atingindo a fase adulta, ha um contínuo aumento do número de células do parênquima testicular, em consequência aumento na produção espermática diária. No entanto, em pôneis da raça Brasileira adultos, como observado no presente trabalho, houve apenas variações individuais entre os garanhões, independente da idade dos animais. Na tabela 2 se apresentam as médias das características físicas do sêmen de acordo com mês de coleta dos animais. Tabela 2. Médias das características físicas do sêmen como ph, volume (Vol), concentração espermática (Conc) e número total de espermatozoides (NTSTZ) em relação aos meses de coleta de sêmen dos garanhões pôneis da raça Brasileira Meses de coleta CF Dezembro Março Abril Maio Agosto Setembro ph 7,8 ± 0,4 a 8,0 ± 0,6 a 7,9 ± 0,6 a 7,7 ± 0,5 a 7,6 ± 0,3 a 7,7 ± 0,5 a Volume 12,2 ± 6,8 a 9,6 ± 5,4 a 10,5 ± 5,4 a 16,2 ± 6,6 a 8,9 ± 3,9 a 9,7 ± 5,9 a Concent 388,1 ± 251,2 ab 572,5 ± 247,8 a 273,1 ± 112,1 b 383,1 ± 153,9 ab 500,2 ± 237,8 ab 398,2 ± 121,1 ab NTSTZ 6,5 ± 6,7 a 4,8 ± 2,7 a 2,6 ± 1,3 a 3,9 ± 3,3 a 4,6 ± 3,5 a 4,5 ± 2,8 a Letras iguais na mesma linha não apresentam diferença estatística entre as médias (p > 0.05). As características de ph do sêmen e volume seminal não variaram de acordo com os meses em que foram realizadas as coletas. No entanto, foram observadas diferenças na concentração espermática em que foi maior no mês de março e menor no mês de abril. McKinnon et al (2011) relataram que durante a estação reprodutiva há um aumento do número de células de Leyding e do tamanho dos túbulos seminíferos, consequentemente haverá aumento do parênquima testicular e estímulo da produção de espermatozoides. No presente trabalho, foram observadas variações em que as maiores médias foram nos meses da estação reprodutiva (dezembro, março e abril). Sendo assim, sugere-se que o intervalo de um mês ente as coletas tenha influenciado nos resultados, pois segundo Sieme et al. (2004) a frequência na realização das coletas de sêmen é importante para manter a qualidade do sêmen de garanhões. Apesar de terem sido observadas variações na concentração espermática, o NSTZ não varou em relação aos meses de coleta. 6

7 Na tabela 3 apresentam-se as características cinéticas espermáticas do sêmen de garanhões pôneis da raça Brasileira. Tabela 3. Médias das características de cinética espermática. motilidade total (MTT), motilidade progressiva (MP), velocidade do trajeto (VAP), velocidade progressiva (VSL), velocidade curvilínea (VCL), amplitude lateral da cabeça (ALH), frequência de batimentos (BCF), retidão (STR) e linearidade (LIN), do sêmen de garanhões Pôneis da raça Brasileira de acordo com a idade dos animais do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cinética Idade (anos) espermática MTT 84,2 ± 7,7 a 89,2 ± 2,8 a 81,2 ± 11,6 a 92,0 ± 1,8 a 92,8 ± 2,1 a 80,4 ± 10,9 a MP 50,8 ± 4,9 a 52,4 ± 10,5 a 50,3 ± 14,4 a 65,7 ± 10,4 a 60,9 ± 3,8 a 54,3 ± 12,6 a VAP 80,1 ± 7,1 a 82,7 ± 9,5 a 79,6 ± 16,7 a 94,6 ± 13,5 a 97,2 ± 13,9 a 81,8 ± 14,2 a VSL 62,8 ± 6,9 a 61,3 ± 8,9 a 62,2 ± 13,5 a 74,6 ± 13,1 a 74,1 ± 10,3 a 64,9 ± 12,1 a VCL 142,5 ± 13,1 b 151,8 ± 12,3 b 142,2 ± 27,6 b 164,1 ± 20,3 ab 179,1 ± 18,1 a 139,5 ± 19,5 b ALH 6,7 ± 0,2 b 6,7 ± 0,7 b 6,5 ± 0,8 b 6,9 ± 0,8 b 7,9 ± 0,5 a 6,1 ± 0,5 b BCF 26,6 ± 3,5 a 26,2 ± 2,0 a 26,9 ± 3,1 a 26,5 ± 5,5 a 25,8 ± 2,7 a 26,3 ± 3,0 a STR 78,0 ± 4,0 a 76,0 ± 3,4 a 76,5 ± 4,0 a 79,3 ± 4,9 a 75,5 ± 2,0 a 79,0 ± 2,7 a LIN 44,5 ± 2,8 ab 43,8 ± 4,5 ab 43,3 ± 3,8 ab 46,8 ± 3,5 a 42,0 ± 1,7 b 47,5 ± 3,2 a Letras iguais na mesma linha não apresentam diferença estatística entre as médias (p<0.05). As médias de motilidade total (MTT) e motilidade progressiva (MP) não variaram com a idade dos animais. As médias de MTT foram ligeiramente superiores em comparação com as médias observadas por Maia et al. (2012) em pôneis do Brasil. Deichsel et al. (2008) em pôneis da raça Shetland, encontraram motilidade total de 64 ± 6,7 % e para motilidade progressiva de 38,6 ± 5,5 % sendo estes valores consideravelmente menores em comparação com as médias observadas no presente estudo. As características de VAP, VSL, BCF e STR também não variaram em relação à idade dos garanhões. As características VCL, ALH e LIN apresentaram pequenas diferenças entre as idades dos garanhões, no entanto não foi suficiente para alterar a qualidade espermática, considerando que esses resultados se encontram dentro da normalidade. Os valores de cinética espermática observados no sêmen de pôneis da raça Brasileira do presente trabalho apresentam-se próximos aos valores observados em outros estudos com análise computadorizada do sêmen de garanhões de raças de porte maior (Nascimento, 2006; Silva, 2010). Na tabela 4 estão apresentadas as médias das características de cinética espermáticas dos garanhões pôneis da raça Brasileira em relação ao mês de coleta. 7

8 Tabela 4. Médias das características de cinética espermática como motilidade total (MTT), motilidade progressiva (MP), velocidade do trajeto (VAP), velocidade progressiva (VSL), velocidade curvilínea (VCL), amplitude lateral da cabeça (ALH), frequência de batimentos (BCF), retidão (STR) e linearidade (LIN), do sêmen de garanhões pôneis da raça Brasileira em relação ao mês de coleta. Cinética Meses de Coleta espermática Dezembro Março Abril Maio Agosto Setembro MTT 84,3 ± 12,4 a 85,1 ± 8,0 a 85,1 ± 8,02 a 87,1 ± 10,3 a 87,6 ± 7,6 a 81,3 ± 16,0 a MP 56,0 ± 8,2 a 52,4 ± 8,8 a 52,4 ± 8,8 a 59,1 ± 14,5 a 58,6 ± 10,6 a 48,5 ± 17,4 a VAP 97,2 ± 8,2 a 90,1 ± 11,2 a 90,1 ± 11,5 a 88,4 ± 19,5 a 83,6 ± 12,5 a 66,7 ± 10,6 b VSL 78,1 ± 1,9 a 70,6 ± 8,2 a 68,2 ± 9,0 a 69,5 ± 15,0 a 65,0 ± 11,2 a 50,9 ± 8,2 b VCL 157,1 ± 29,8 a 158,0 ± 21,4 a 158,2 ± 21,5 a 154,9 ± 30,8 a 153,4 ± 20,4 a 124,7 ± 22,1 b ALH 6,4 ± 1,8 a 6,8 ± 0,7 a 6,8 ± 0,7 a 6,7 ± 0,9 a 7,1 ± 0,7 a 6,2 ± 0,7 a BCF 23,3 ± 4,9 b 27,9 ± 1,1 a 27,9 ± 1,1 a 28,7 ± 1,9 a 25,7 ± 3,2 ab 22,6 ± 3,1 ab STR 78,7 ± 4,9 a 75,4 ± 2,4 a 75,4 ± 2,4 a 78,6 ± 3,4 a 77,9 ± 4,3 a 78,5 ± 3,9 a LIN 50,3 v 7,2 a 44,2 ± 2,5 b 44,2 ± 2,5 b 45,7 ± 3,2 b 43,1 ± 3,9 b 44,3 ± 3,1 b Letras iguais na mesma linha não apresentam diferença estatística entre as médias (p > 0.05). A avaliação da cinética espermática de garanhões é de extrema importância, pelo fato de que as variáveis denotam a capacidade de progressão celular, com isso pode-se predizer a qualidade da amostra seminal e determinar o potencial de fertilidade dos espermatozoides (Arruda, 2000). As características de MTT e MP não variaram em relação ao mês de coleta, no entanto as variáveis VAP, VSL e VCL apresentaram variação entre o mês de setembro, que apresentou a menor velocidade para as três características. As características ALH e STR também não apresentaram variações entre os meses, enquanto as características BCF e LIN variaram entre os meses de coleta. Portanto, apresentaram valores próximos aos observados em outros estudos para essas variáveis (Nascimento, 2006; Silva, 2010). 4. Conclusão Como as características físicas e cinéticas do sêmen dos garanhões apresentaram poucas variações entre a idade dos animais entre os meses de coleta, sugere-se que os garanhões possam ser utilizados na reprodução durante o ano todo, sem que haja prejuízo na fertilidade dos garanhões. 8

9 5. Bibliografia Alvarenga, M. A. Melhoria da resistência espermática à congelação e diminuição das variações entre raças e indivíduos com uso da dimetilformamida para sêmen de garanhões. Botucatu: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade Estadual Paulista, p. Tese (Livre Docência em Reprodução Animal) FMVZ Universidade Estadual Paulista, Arruda, R.P. Avaliação dos efeitos de diluidores e crioprotetores para o espermatozoide equino pelo uso de microscopia de epifluorescência, citometria de fluxo, análises computadorizadas da motilidade (CASA) e da morfometria (ASMA). 121f. Tese (Livre Docência) - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, São Paulo, Clay, C. M. e Clay, J. N. Endocrine and testicular changes associated with season, artificial photoperiod, and the peri-pubertal period in stallions. In: Blanchard TL, Varner DD, Turner AS, editors. Stallion management, the veterinary clinics of North America, equine practice. Philadelphia: Saunders; p CBRA, Manual para exame andrológico e avaliação de sêmen animal, 3rd ed. Belo Horizonte. Deichsel, K., Palm, F., Koblischke, P., Budik, S., Aurich, C., Effect of a dietary antioxidant supplementation on semen quality in pony stallions. Theriogenology 69, doi: /j.theriogenology Fernandes, C. E., Pimentel, C. A. Características seminais e fertilidade em garanhões. Ciência Ruaral, v. 32, n. 5, p , Gorman M. R., Zucker I. Seasonal adaptation of Siberian hamster: II. Patterns of change in day length controls annual testicular and body weight rhythms. Biol. Reprod., v. 53, p Heringer N.L., Staub C., Blanchard T.L., Johnson L., Varner D.D. Forrest D.W. Germ cell apoptosis in the testis of normal stallions Lucena C.A.O., Maia M.S., Maia J.J.A. Silva G.F., Sousa T.M.L. Moura C.E.B. (2014). Influência da época do ano sobre os parâmetros seminais de garanhões Pôneis. Acta Veterinaria Brasilica, v.8, Supl. 2. Maia, M. S., Silva, L. T., Bezerra de Moura, C. E., Maia, J. J., Silva, G. F., Lourenço de Sousa, T. M. Parâmetros seminais de garanhões pôneis criados no semiárido nordestino. Trabalho publicado em anais, Ciência Animal Suplemento McKinnon, A.O., Squires, E.L., Vaala, W.E., Varner, D.D., Equine Reproduction, 2nd ed. Blackwell Publishing Ltd, Ames. Nascimento, J. Efeitos da concentração espermática e volume sobre as características do movimento espermático e sobre membranas plasmáticas, acrossomal e mitocondrial de espermatozoides equinos criopreservados. Dissertação Mestrado, Qualidade e Produtividade Animal. Universidade de São Paulo, Pirassununga Neves, M.G., Perfil De Testosterona E Parâmetros Seminais De Garanhões Da Raça Mangalarga Marchador Dentro E Fora Da Estação Reprodutiva. Universidade Federal de Viçosa. 9

10 Robalo Silva, J., Agrícola, R., Barbosa, M., Lopes da Costa, L. Variação sazonal do volume testicular, da produção e qualidade do sêmen e do comportamento sexual de cavalos Lusitanos. Revista Portuguesa de Ciências Veterinárias, v. 102, p Rua, M.A.S., Quirino, C.R., Pacheco, A., Vega, W.H.O., Ribeiro, M.S., Matos,L.F., Caracterizac ão fisiológica e seminal de pôneis do Norte doestado do Rio de Janeiro-Brasil. Actas Iberoam. Conserv. Anim. 3, Sieme., Katila, T., Klug, E. Effect of semen collection practices on sperm characteristics before and after storage and fertility of stallions. Theriogenology, v. 61, p Silva, C. M. B. Efeito da melatonina em espermatozoides de equino. Faculdade de Medicina Veterinária, Lisboa Veronesi, M.C.; Tosi, U.; Vilani, M.; Govoni, N. Faustini, M.; Kindahl, H.; Madej, A.; Carluccio, A. Oxcytocin, vasopressin, prostaglandin F2 α, luteining hormone, testosterone, estrone sulfate and cortisol plasma concentrations after sexual stimulation in stallions. Theriogenology 73, , REDVET: 2017, Vol. 18 Nº 01 Este artículo Ref está disponible en concretamente en REDVET Revista Electrónica de Veterinaria está editada por Veterinaria Organización. Se autoriza la difusión y reenvío siempre que enlace con Veterinaria.org y con REDVET 10

11 11

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: Universidade Federal Rural de Pernambuco. Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: Universidade Federal Rural de Pernambuco. Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 agrarias.prppg@ufrpe.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Silva Rua, Miguel Alejandro; Quirino, Celia Raquel; Bartholazzi Junior, Aylton;

Leia mais

Colheita e Avaliação Seminal

Colheita e Avaliação Seminal UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Colheita e Avaliação Seminal Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Criopreservação do Sêmen de Tambaqui em Criotubos: Influência da Velocidade de Descongelamento

Criopreservação do Sêmen de Tambaqui em Criotubos: Influência da Velocidade de Descongelamento 125 Criopreservação do Sêmen de Tambaqui em Criotubos: Influência da Velocidade de Descongelamento Carlos Adriano Rocha Silva Morais 1 ; Allan Charles Marques de Carvalho 2 ; Giselle Santana Barreto 1

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ 1 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ DENIS MARQUES ROSSI 1, FLÁVIO GUISELLI LOPES 2, FILIPE ALEXANDRE BOSCARO DE CASTRO 3, BRUNO

Leia mais

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS

TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Medicina Veterinária TERMORREGULAÇÃO TESTICULAR EM BOVINOS Mara Regina Bueno de M. Nascimento Mara Regina Bueno de M. Nascimento Profa. Adjunto III Jul./

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES TEMPERATURAS DE ARMAZENAMENTO DE SÊMEN REFRIGERADO DE GARANHÕES DA RAÇA MANGALARGA MARCHADOR E QUARTO DE MILHA * RESUMO

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES TEMPERATURAS DE ARMAZENAMENTO DE SÊMEN REFRIGERADO DE GARANHÕES DA RAÇA MANGALARGA MARCHADOR E QUARTO DE MILHA * RESUMO 187 COMPARAÇÃO DE DIFERENTES TEMPERATURAS DE ARMAZENAMENTO DE SÊMEN REFRIGERADO DE GARANHÕES DA RAÇA MANGALARGA MARCHADOR E QUARTO DE MILHA * RESUMO Marcel Cavalcanti Farrás 1 Eduardo Gorzoni Fioratti

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS DILUIDORES TRIS E BOTU-CRIO SOBRE OS PARÂMETROS SEMINAIS DE GARANHÕES DAS RAÇAS QUARTO DE MILHA E MANGALARGA MARCHADOR

EFICIÊNCIA DOS DILUIDORES TRIS E BOTU-CRIO SOBRE OS PARÂMETROS SEMINAIS DE GARANHÕES DAS RAÇAS QUARTO DE MILHA E MANGALARGA MARCHADOR DOI: 10.1590/1809-6891v15i325327 EFICIÊNCIA DOS DILUIDORES TRIS E BOTU-CRIO SOBRE OS PARÂMETROS SEMINAIS DE GARANHÕES DAS RAÇAS QUARTO DE MILHA E MANGALARGA MARCHADOR DEYSE NAIRA MASCARENHAS COSTA 1, DANIEL

Leia mais

Efeito do laser diodo sobre as características de. motilidade, de integridade das membranas plasmática e

Efeito do laser diodo sobre as características de. motilidade, de integridade das membranas plasmática e Alessandra Cunha Brandão Efeito do laser diodo sobre as características de motilidade, de integridade das membranas plasmática e acrossomal e de potencial de membrana mitocondrial de espermatozóides criopreservados

Leia mais

MANU Manual de Urologia

MANU Manual de Urologia MANU Manual de Urologia Manual de Urologia CAPÍTULO 2 Introdução O espermograma ou análise seminal é o exame complementar inicial na avaliação do homem infértil. O sêmen deve ser coletado por masturbação,

Leia mais

Aspectos legais sobre a atuação do Zootecnista na reprodução animal

Aspectos legais sobre a atuação do Zootecnista na reprodução animal Aspectos legais sobre a atuação do Zootecnista na reprodução animal Dr. João Paulo Arcelino do Rêgo Professor do IFCE Campus Boa Viagem Diretor Estadual da ABZ Ciência aplicada, que estuda e aperfeiçoa

Leia mais

ULTRASSONOGRAFIA TESTICULAR NA AVALIAÇÃO DA IDADE À PUBERDADE DE BOVINOS EM CRESCIMENTO

ULTRASSONOGRAFIA TESTICULAR NA AVALIAÇÃO DA IDADE À PUBERDADE DE BOVINOS EM CRESCIMENTO 1 ULTRASSONOGRAFIA TESTICULAR NA AVALIAÇÃO DA IDADE À PUBERDADE DE BOVINOS EM CRESCIMENTO LUCIANA HELENA KOWALSKI¹, JOSÉ ANTÔNIO DE FREITAS¹, PAULO ROSSI JUNIOR¹, SERGIO RODRIGO FERNANDES¹, JOSÉ LUIS MOLETTA²,

Leia mais

BIOMETRIA E AVALIAÇÃO TESTICULAR DE TOURINHOS DA RAÇA NELORE NA AMAZÔNIA LEGAL

BIOMETRIA E AVALIAÇÃO TESTICULAR DE TOURINHOS DA RAÇA NELORE NA AMAZÔNIA LEGAL BIOMETRIA E AVALIAÇÃO TESTICULAR DE TOURINHOS DA RAÇA NELORE NA AMAZÔNIA LEGAL Hugo Leonardo Miranda 1 ; Márcio Gianordoli Teixeira Gomes 2 1 Aluno do Curso de Zootecnia; Campus de Araguaína; e-mail: PIVIC/UFT

Leia mais

10ºCongresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 04 de agosto de 2016 Campinas, São Paulo ISBN

10ºCongresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC a 04 de agosto de 2016 Campinas, São Paulo ISBN EFEITO DO SISTEMA DE REFRIGERAÇÃO NA CINÉTICA ESPERMÁTICA E INTEGRIDADE DE MEMBRANA PLASMÁTICA DE SÊMEN BOVINO Patricia Baltagim Zacheo¹; Fábio Morato Monteiro 2 ; Erika Aline Ribeiro Dias³; Letícia Zoocolaro

Leia mais

Biometric testicular and serum testosterone concentration of Brazilian Ponies stallions

Biometric testicular and serum testosterone concentration of Brazilian Ponies stallions Biometric testicular and serum testosterone concentration of Brazilian Ponies stallions Biometria testicular e concentrações séricas de testosterona de garanhões Pôneis da raça Brasileira RUA, Miguel Alejandro

Leia mais

Estimativas de parâmetros genéticos de características reprodutivas de touros Nelore, de dois e três anos de idade

Estimativas de parâmetros genéticos de características reprodutivas de touros Nelore, de dois e três anos de idade Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.58, n.3, p.388-393, 2006 Estimativas de parâmetros genéticos de características reprodutivas de touros Nelore, de dois e três anos de idade [Genetic parameter estimates

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ANDROLÓGICA POR PONTOS (CAP) DE TOUROS NELORE (Bos taurus indicus) DE DOIS E TRÊS ANOS DE IDADE, CRIADOS SOB PASTEJO

CLASSIFICAÇÃO ANDROLÓGICA POR PONTOS (CAP) DE TOUROS NELORE (Bos taurus indicus) DE DOIS E TRÊS ANOS DE IDADE, CRIADOS SOB PASTEJO 1094 DIAS, J. C. et al. CLASSIFICAÇÃO ANDROLÓGICA POR PONTOS (CAP) DE TOUROS NELORE (Bos taurus indicus) DE DOIS E TRÊS ANOS DE IDADE, CRIADOS SOB PASTEJO Ju l i a n o Ce s a r Di a s, 1 Venício Jo s é

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS DE CAPRINOS SADIOS E INFECTADOS PELO LENTIVÍRUS DE PEQUENOS RUMINANTES EM SOBRAL-CE

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS DE CAPRINOS SADIOS E INFECTADOS PELO LENTIVÍRUS DE PEQUENOS RUMINANTES EM SOBRAL-CE CARACTERÍSTICAS SEMINAIS DE CAPRINOS SADIOS E INFECTADOS PELO LENTIVÍRUS DE PEQUENOS RUMINANTES EM SOBRAL-CE Elizângela Pinheiro Pereira 1 ; Rosivaldo Quirino Bezerra Junior 2 ; João Ricardo Furtado 3

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária FACISA/UNIVIÇOSA. hotmail.com. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária FACISA/UNIVIÇOSA.   hotmail.com. 2 FUNÇÃO DO ESTRÓGENO NO TRATO REPRODUTIVO DO MASCULINO Amarine Loures Furtado 1, Giancarlo Magalhães dos Santos 2, João Gabriel Viana de Grázia 3, Carolina Marinho de Assunção 4 Resumo: Considerado um hormônio

Leia mais

Biotecnologias i da Reprodução em Bubalinos- I

Biotecnologias i da Reprodução em Bubalinos- I Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Biotecnologias i da Reprodução em Bubalinos- I André Mendes Jorge Zootecnista Professor Adjunto Livre

Leia mais

USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR

USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR 317 USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR Lucas Reis Vieira¹, Giancarlo Magalhães dos Santos², Gilberto Guimarães Lourenço³

Leia mais

Como calcular a proporção touro:vaca para a estação de monta de bovinos de corte

Como calcular a proporção touro:vaca para a estação de monta de bovinos de corte ISSN 1981-2086 Como calcular a proporção touro:vaca para a estação de monta de bovinos de corte 53 São Carlos, SP Dezembro de 2007 Autores Rogério Taveira Barbosa Médico Veterinário, Dr., Pesquisador da

Leia mais

Eficiência in vivo e in vitro, de Três Diluidores de Sémen de Coelho Refrigerado

Eficiência in vivo e in vitro, de Três Diluidores de Sémen de Coelho Refrigerado Universidade dos Açores Departamento de Ciências Agrárias Mestrado em Zootecnia Eficiência in vivo e in vitro, de Três Diluidores de Sémen de Coelho Refrigerado Orientador: Professor Doutor F. Moreira

Leia mais

CURSO DE ANDROLOGIA E BIOTECNOLOGIA DO SÊMEN DE RUMINANTES

CURSO DE ANDROLOGIA E BIOTECNOLOGIA DO SÊMEN DE RUMINANTES CURSO DE ANDROLOGIA E BIOTECNOLOGIA DO SÊMEN DE RUMINANTES 25/04/2017 Objetivo e cronograma O curso tem o objetivo de abordar Anatomia do trato reprodutivo, fisiologia do aparelho reprodutor de ruminante,

Leia mais

Viabilidade do sêmen equino armazenado em sistema de polietileno para transporte por oito horas

Viabilidade do sêmen equino armazenado em sistema de polietileno para transporte por oito horas Acta Scientiae Veterinariae, 2016. 44: 1429. RESEARCH ARTICLE Pub. 1429 ISSN 1679-9216 Viabilidade do sêmen equino armazenado em sistema de polietileno para transporte por oito horas Viability of Equine

Leia mais

AVALIAÇÃO ESPERMÁTICA DE SÊMEN CRIOPRESERVADO DE TOUROS DA RAÇA CURRALEIRA EM BANCO DE GERMOPLASMA: DADOS PRELIMINARES

AVALIAÇÃO ESPERMÁTICA DE SÊMEN CRIOPRESERVADO DE TOUROS DA RAÇA CURRALEIRA EM BANCO DE GERMOPLASMA: DADOS PRELIMINARES AVALIAÇÃO ESPERMÁTICA DE SÊMEN CRIOPRESERVADO DE TOUROS DA RAÇA CURRALEIRA EM BANCO DE GERMOPLASMA: DADOS PRELIMINARES Iván Salamanca MONTESINOS; José de Oliveira Carvalho NETO; Margot Alves Nunes DODE;

Leia mais

Influência das variáveis ambientais sobre as características quantitativas do sêmen de caprinos das raças Canindé e Moxotó

Influência das variáveis ambientais sobre as características quantitativas do sêmen de caprinos das raças Canindé e Moxotó Influência das variáveis ambientais sobre as características quantitativas do sêmen de caprinos das raças e Meirelane Chagas da Silva 1, Ismênia França de Brito 2, José Antonio Delfino Barbosa Filho 3,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL

COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL Cesar Miazzi1; Charles Ferreira Martins; Carlos Eurico Fernandes3; Amanda Tosta Carneiro ; Guilherme dos Santos Pinto ; Fernando

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS QUALITATIVOS DE DOSES INSEMINANTES SUÍNAS SUBMETIDAS A SEPARAÇÃO ESPERMÁTICA EM COLUNA DE LÃ DE VIDRO

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS QUALITATIVOS DE DOSES INSEMINANTES SUÍNAS SUBMETIDAS A SEPARAÇÃO ESPERMÁTICA EM COLUNA DE LÃ DE VIDRO AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS QUALITATIVOS DE DOSES INSEMINANTES SUÍNAS SUBMETIDAS A SEPARAÇÃO ESPERMÁTICA EM COLUNA DE LÃ DE VIDRO Autores: João Luis dos SANTOS¹³, Lucio Pereira RAUBER², Lucas Dalle Laste

Leia mais

Avaliação da produção de leite e da porcentagem de gordura em um rebanho Gir leiteiro

Avaliação da produção de leite e da porcentagem de gordura em um rebanho Gir leiteiro Avaliação da produção de leite e da porcentagem de gordura em um rebanho Gir leiteiro Gabriel Borges Pacheco¹; Laís Cristine Costa¹; Gian Carlos Nascimento¹; Camila Alves Romualdo¹; Marco Antônio Faria¹;

Leia mais

Laboratório IVP Brasil

Laboratório IVP Brasil Laboratório IVP Brasil Proposta de Exames Atualizado em 05 de Julho de 2012 Laboratório IVP Brasil Primeiro no Brasil a oferecer sistema integrado de exames. Corpo técnico especializado. Equipamentos de

Leia mais

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patrocínio, MG

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patrocínio, MG Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Patrocínio, MG José Ricardo Silva (1), Leonardo de Oliveira Fernandes

Leia mais

Efeito da adição de glutationa peroxidase e cisteína ao diluidor de congelação do sêmen equino

Efeito da adição de glutationa peroxidase e cisteína ao diluidor de congelação do sêmen equino Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.65, n.2, p.43-438, 213 Efeito da adição de glutationa peroxidase e cisteína ao diluidor de congelação do sêmen equino [Effect of glutathione peroxidase and cysteine addition

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de dois métodos de classificação andrológica por pontos em touros jovens da raça Braford Flávio Guiselli Lopes 1, Celso Koetz Junior

Leia mais

A Raça Girolando. Desenvolvimento, Oportunidades e Expectativas. Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico

A Raça Girolando. Desenvolvimento, Oportunidades e Expectativas. Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico A Raça Girolando Desenvolvimento, Oportunidades e Expectativas Leandro de Carvalho Paiva Superintendente Técnico O Início de Tudo! PROCRUZA 1978 a 1988 Uberaba, décadas de 1970 e 1980 ORIGEM DO PROGRAMA

Leia mais

ESPERMOGRAMA E ESPERMOCULTURA NA BOVINOCULTURA

ESPERMOGRAMA E ESPERMOCULTURA NA BOVINOCULTURA ESPERMOGRAMA E ESPERMOCULTURA NA BOVINOCULTURA INTRODUÇÃO O espermograma é o exame que avalia as características físicas, morfológicas e microbiológicas do sêmen e é componente essencial do exame andrológico

Leia mais

Exame Andrológico de Bovinos

Exame Andrológico de Bovinos Exame Andrológico de Bovinos DGV DSPA J. Pedro Canas Simões Objectivos de Produção: -.. -Peso total de vitelos desmamados/vacas expostas à cobrição *Intervalo entre partos *Extensão da duração dos periodos

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL

VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO EM CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL CÁTIA C. B. RODRIGUES 1, HÉRCULES ARCE², ROSEMEIRE V. GOMES³ 1 Meteorologista, Responsável técnica pelo CEMTEC/AGRAER, Campo Grande MS,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MESTRADO PROFISSIONAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MESTRADO PROFISSIONAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MESTRADO PROFISSIONAL CAMILA DA SILVA CASTRO EFEITO DE DIFERENTES CRIOPROTETORES NO CONGELAMENTO

Leia mais

Associação Brasileira dos Criadores de Girolando GIROLANDO. Marcello Cembranelli Superintendente Técnico Substituto Coordenador Operacional PMGG

Associação Brasileira dos Criadores de Girolando GIROLANDO. Marcello Cembranelli Superintendente Técnico Substituto Coordenador Operacional PMGG Associação Brasileira dos Criadores de Girolando GIROLANDO Marcello Cembranelli Superintendente Técnico Substituto Coordenador Operacional PMGG A Associação Estrutura Física Sede em Uberaba-MG; 3 Escritórios

Leia mais

Relações lineares entre caracteres de tremoço branco

Relações lineares entre caracteres de tremoço branco Relações lineares entre caracteres de tremoço branco Alberto Cargnelutti Filho 1 Marcos Toebe 2 Cláudia Burin 2 Bruna Mendonça Alves 2 Giovani Facco 2 Gabriele Casarotto 3 1 - Introdução Por apresentar

Leia mais

ANÁLISE COMPUTADORIZADA (CASA) E CONVENCIONAL DA MOTILIDADE ESPERMÁTICA DE SÊMEN CAPRINO DAS RAÇAS BOER E ALPINA NO OUTONO E PRIMAVERA

ANÁLISE COMPUTADORIZADA (CASA) E CONVENCIONAL DA MOTILIDADE ESPERMÁTICA DE SÊMEN CAPRINO DAS RAÇAS BOER E ALPINA NO OUTONO E PRIMAVERA ARS VETERINARIA, Jaboticabal, SP, Vol. 21, Suplemento, 203-208, 2005. ISSN 0102-6380 ANÁLISE COMPUTADORIZADA (CASA) E CONVENCIONAL DA MOTILIDADE ESPERMÁTICA DE SÊMEN CAPRINO DAS RAÇAS BOER E ALPINA NO

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Motilidade espermática de sêmen bovino incubado em banho-maria e garrafa térmica

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Motilidade espermática de sêmen bovino incubado em banho-maria e garrafa térmica PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Motilidade espermática de sêmen bovino incubado em banho-maria e garrafa térmica Carlos Fernando Neves Pereira 1, Angélica Soares Teixeira Prates²,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES Liamara A. LEIDENTZ, Daiane LAZAROTTO. Orientador: Wanderson A. B. Pereira. Introdução O hemograma é um dos exames

Leia mais

CORRELAÇÃO DA MORFOLOGIA ESPERMÁTICA EM PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONVENCIONAL EM NOVILHAS E VACAS DA RAÇA NELORE

CORRELAÇÃO DA MORFOLOGIA ESPERMÁTICA EM PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONVENCIONAL EM NOVILHAS E VACAS DA RAÇA NELORE 57 CORRELAÇÃO DA MORFOLOGIA ESPERMÁTICA EM PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONVENCIONAL EM NOVILHAS E VACAS DA RAÇA NELORE José de Oliveira Guerra Neto 1, Marcelo George Mungai Chacur 2, Francielle

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Alterações reprodutivas em garanhão após quadro clínico de broncopneumonia

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Alterações reprodutivas em garanhão após quadro clínico de broncopneumonia PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Alterações reprodutivas em garanhão após quadro clínico de broncopneumonia Ludmila Souza Fermandes 1, Polyana Galvão Bernardes Coelho 1, Rogério

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus Experimental de Dracena PROGRAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM: ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Campus Experimental de Dracena PROGRAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM: ZOOTECNIA PROGRAMA DE ENSINO CURSO DE GRADUAÇÃO EM: ZOOTECNIA DISCIPLINA MANEJO REPRODUTIVO E BIOTÉCNICAS APLICADAS À REPRODUÇÃO ANIMAL DEPARTAMENTO: ZOOTECNIA PROFESSOR(ES) RESPONSÁVEL(IS): OBRIGATÓRIA/OPTATIVA

Leia mais

Índice. Introdução e Importância Econômica. Introdução e Importância Econômica 07/04/2014. Marco Monteiro de Lima

Índice. Introdução e Importância Econômica. Introdução e Importância Econômica 07/04/2014. Marco Monteiro de Lima Reprodução Índice Introdução e importância econômica Aula prática no setor animais reprodutores) (seleção de Marco Monteiro de Lima marcomonteiro85@gmail.com Introdução e Importância Econômica O controle

Leia mais

PLANO DE AULA. Plano de Estudo

PLANO DE AULA. Plano de Estudo PLANO DE AULA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP BOTUCATU FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA FMVZ DISCIPLINA (hipotética): FISIOLOGIA E BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL TÍTULO DA AULA: TRATO

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MEIOS DILUENTES UTILIZADOS PARA EQUINOS NA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN ASININO REFRIGERADO

INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MEIOS DILUENTES UTILIZADOS PARA EQUINOS NA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN ASININO REFRIGERADO INFLUÊNCIA DE DIFERENTES MEIOS DILUENTES UTILIZADOS PARA EQUINOS NA CONSERVAÇÃO DE SÊMEN ASININO REFRIGERADO Vicente Antonio da Silva Neto¹; Luis Eduardo Pereira de Andrade Ferreira² ¹Instituto Federal

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Felixlândia, MG

Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Felixlândia, MG Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Avaliação de cultivares de milho para produção de silagem em Felixlândia, MG José Ricardo Silva (1), Leonardo de Oliveira Fernandes

Leia mais

ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS

ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS ALTERNATIVAS DE MANEJO ALIMENTAR, DE ORDENHA E DE CRIA PARA VACAS F1 HZ EM REGIME DE PASTAGENS Clarice Bechara Meurer (1), José Reinaldo Mendes Ruas (2) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG, claricebechara@yahoo.com.br;

Leia mais

Correlações genéticas e fenotípicas entre características reprodutivas e produtivas de touros da raça Nelore

Correlações genéticas e fenotípicas entre características reprodutivas e produtivas de touros da raça Nelore Características reprodutivas e produtivas de touros Nelore 53 Correlações genéticas e fenotípicas entre características reprodutivas e produtivas de touros da raça Nelore Juliano Cesar Dias (1), Venício

Leia mais

Efeito de proteínas do plasma seminal eqüino com massa superior a 10 kda concentradas 10 vezes sobre a congelabilidade do sêmen

Efeito de proteínas do plasma seminal eqüino com massa superior a 10 kda concentradas 10 vezes sobre a congelabilidade do sêmen Revista Brasileira de Zootecnia ISSN impresso: 1516-3598 ISSN on-line: 1806-9290 www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.37, n.12, p.2115-2119, 2008 Efeito de proteínas do plasma seminal eqüino com massa superior

Leia mais

Uso de touros provados na IATF. André Dal Maso Gerente Técnico de Serviços

Uso de touros provados na IATF. André Dal Maso Gerente Técnico de Serviços Uso de touros provados na IATF André Dal Maso Gerente Técnico de Serviços BeefExpo Foz do Iguaçu outubro 2015 Mercado brasileiro % IATF/IA Número de IA (ASBIA) Detecção de Cio + IA Número de IATF 16.000.000

Leia mais

COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DE ANIMAIS DA RAÇA PANTANEIRA SUBMETIDOS À MONTA NATURAL

COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DE ANIMAIS DA RAÇA PANTANEIRA SUBMETIDOS À MONTA NATURAL COMPORTAMENTO REPRODUTIVO DE ANIMAIS DA RAÇA PANTANEIRA SUBMETIDOS À MONTA NATURAL Wilian Aparecido Leite da Silva 1 ; Henrique Kischel, Elielton Dias da Silva Arruda 2, Mariane Gabriela 2, Caroline Ferreira

Leia mais

COLETA DE SÊMEN DE JUMENTOS (Equus asinus) UTILIZANDO-SE ÉGUAS EM ESTRO COMO MANEQUIM

COLETA DE SÊMEN DE JUMENTOS (Equus asinus) UTILIZANDO-SE ÉGUAS EM ESTRO COMO MANEQUIM Coleta de sêmen de jumentos... 57 Artigo Científico COLETA DE SÊMEN DE JUMENTOS (Equus asinus) UTILIZANDO-SE ÉGUAS EM ESTRO COMO MANEQUIM Igor Frederico CANISSO 1 *, Fernando Andrade SOUZA 2, Pedro Game

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO FERREIRA, F.O.B. 1 ; BARBOSA, K.A. 1 ; SENE, G.A. 1 ; JAYME, D.G.

Leia mais

Uso do Sêmen Criopreservado de Tambaqui no Processo de Reprodução Artificial

Uso do Sêmen Criopreservado de Tambaqui no Processo de Reprodução Artificial 174 Uso do Sêmen Criopreservado de Tambaqui no Processo de Reprodução Artificial Evelyn da Silva Santos¹; Giselle Santana Barreto¹; Carlos Adriano Silva Rocha Morais¹; Allan Charles Marques de Carvalho²;

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

COMO CALCULAR A PROPORÇÃO TOURO:VACA NA ESTAÇÃO DE MONTA DE BOVINOS DE CORTE

COMO CALCULAR A PROPORÇÃO TOURO:VACA NA ESTAÇÃO DE MONTA DE BOVINOS DE CORTE COMO CALCULAR A PROPORÇÃO TOURO:VACA NA ESTAÇÃO DE MONTA DE BOVINOS DE CORTE Rogério Taveira Barbosa 1 1 - Méd. Veterinário, Dr., Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste, São Carlos, SP PANORAMA DO REBANHO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE AS CONCENTRAÇÕES DE UREIA NO LEITE E AS DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO

RELAÇÃO ENTRE AS CONCENTRAÇÕES DE UREIA NO LEITE E AS DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO RELAÇÃO ENTRE AS CONCENTRAÇÕES DE UREIA NO LEITE E AS DIFERENTES ESTAÇÕES DO ANO Patrícia Gonçalves de Oliveira 1, Evillen Pablinny Pires Ribeiro 2, Allan Afonso Passos 3, Karyne Oliveira Coelho 4. 1 Zootecnia,

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

Avaliação dos efeitos da ivermectina de ação prolongada na concentração de 4% sobre as características reprodutivas de touros Nelore

Avaliação dos efeitos da ivermectina de ação prolongada na concentração de 4% sobre as características reprodutivas de touros Nelore Avaliação dos efeitos da ivermectina de ação prolongada na concentração de 4% sobre as características reprodutivas de touros Nelore Evaluation of the Effects of Long-action Ivermectin at a Concentration

Leia mais

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos

Atualização em manejos e nutrição de cachaços. Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Atualização em manejos e nutrição de cachaços Izabel Regina Muniz Médica Veterinária Gerente Nacional de Suinocultura Poli Nutri Alimentos Introdução Otimizar a qualidade do ejaculado e a possibilidade

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de sêmen sexado em protocolos de IATF. Luciano Bastos Lopes

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de sêmen sexado em protocolos de IATF. Luciano Bastos Lopes PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Utilização de sêmen sexado em protocolos de IATF Luciano Bastos Lopes Médico Veterinário Doutor em Ciência Animal Resumo A inseminação artificial

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Efeito da temperatura na coleta do sêmen eqüino sobre a motilidade ao longo de sua conservação sob refrigeração Juli Angélica Narváez Cancimansi

Leia mais

Aplicação da criopreservação em sêmen equino

Aplicação da criopreservação em sêmen equino ISSN 0798 1015 HOME Revista ESPACIOS! ÍNDICES! A LOS AUTORES! Vol. 38 (Nº 42) Año 2017. Pág. 18 Aplicação da criopreservação em sêmen equino Application of cryopreservation in equine semen Camila da Silva

Leia mais

Coleta, Avaliação e Criopreservação de Sêmen

Coleta, Avaliação e Criopreservação de Sêmen Universidade Federal de Pelotas Graduação em Biotecnologias Manipulação de Gametas e Embriões 4ª Aula: Coleta, Avaliação e Criopreservação de Sêmen Priscila Marques Moura de Leon Doutoranda PPGB, Médica

Leia mais

Comparação entre diferentes tipos de leites como diluentes para sêmen equino refrigerado

Comparação entre diferentes tipos de leites como diluentes para sêmen equino refrigerado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA ANIMAL: EQUINOS DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Comparação entre diferentes tipos de leites como diluentes

Leia mais

Avaliação da taxa de fertilidade in vivo de espermatozoides frescos e congelados

Avaliação da taxa de fertilidade in vivo de espermatozoides frescos e congelados Avaliação da taxa de fertilidade in vivo de espermatozoides frescos e congelados Anderson Candido de Oliveira Junior*(IC) 1, Klayto José Gonçalves dos Santos 2 (PQ), Aracele Pinheiro Pales dos Santos 2

Leia mais

CONHENÇA O IFERT ÍNDICE DE FERTILIDADE DA IATF

CONHENÇA O IFERT ÍNDICE DE FERTILIDADE DA IATF CONHENÇA O IFERT ÍNDICE DE FERTILIDADE DA IATF O que é o IFert? O IFert é um índice determinado através de avaliação estatística, disponibilizado pela CRV Lagoa, capaz de predizer o potencial de fertilidade

Leia mais

Características seminais de machos suínos no sul do Brasil: estudo retrospectivo

Características seminais de machos suínos no sul do Brasil: estudo retrospectivo [T] Características seminais de machos suínos no sul do Brasil: estudo retrospectivo [I] Seminal characteristics of boars in southern Brazil: retrospective study [A] Carlos Eduardo Ranquetat Ferreira [a],

Leia mais

Teste da libido e atividade de monta em touros da raça Nelore

Teste da libido e atividade de monta em touros da raça Nelore Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.56, n.4, p.504-510, 2004 Teste da libido e atividade de monta em touros da raça Nelore [Libido test and breeding activity of Nelore bulls] M.D. Santos 1, C.A.A. Torres 2,

Leia mais

LUCIANA QUADRADO MENDES

LUCIANA QUADRADO MENDES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA ANIMAL - EQUINOS LABORATÓRIO DE REPRODUÇÃO ANIMAL REPROLAB ASPECTOS BIOMÉTRICOS E HISTOLÓGICOS DE

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DE SÊMEN EQUINO NA ESTABILIZAÇÃO DAS AMOSTRAS SEMINAIS PREVIAMENTE À CONGELAÇÃO

UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DE SÊMEN EQUINO NA ESTABILIZAÇÃO DAS AMOSTRAS SEMINAIS PREVIAMENTE À CONGELAÇÃO 120 DE VITA, B.. et al. DOI: 10.5216/cab.v12i1.4098 UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DE SÊMEN EQUINO NA ESTABILIZAÇÃO DAS AMOSTRAS SEMINAIS PREVIAMENTE À CONGELAÇÃO Bruna De Vita, 1 Gabriel Barcellos

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ANO DE LA NINÃ (1996), EL NINÕ (1997) EM COMPARAÇÃO COM A PRECIPITAÇÃO NA MUDANÇA DE PRESSÃO ATMOSFÉRICA NO MUNICIPIO DE TERESINA PIAUÍ

INFLUÊNCIA DE ANO DE LA NINÃ (1996), EL NINÕ (1997) EM COMPARAÇÃO COM A PRECIPITAÇÃO NA MUDANÇA DE PRESSÃO ATMOSFÉRICA NO MUNICIPIO DE TERESINA PIAUÍ INFLUÊNCIA DE ANO DE LA NINÃ (1996), EL NINÕ (1997) EM COMPARAÇÃO COM A PRECIPITAÇÃO NA MUDANÇA DE PRESSÃO ATMOSFÉRICA NO MUNICIPIO DE TERESINA PIAUÍ Virgínia Mirtes de Alcântara Silva 1 ;Raimundo Mainar

Leia mais

TEORES DE GORDURA E PROTEÍNA DO LEITE CRU REFRIGERADO INDIVIDUAL E COMUNITÁRIO DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO RIO DOCE (MG) 1

TEORES DE GORDURA E PROTEÍNA DO LEITE CRU REFRIGERADO INDIVIDUAL E COMUNITÁRIO DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO RIO DOCE (MG) 1 575 TEORES DE GORDURA E PROTEÍNA DO LEITE CRU REFRIGERADO INDIVIDUAL E COMUNITÁRIO DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO RIO DOCE (MG) 1 Thales Marcondes Ferreira Santos 2, Isabela de Castro Oliveira 2, Jéssica

Leia mais

Efeito de diferentes tempos de equilíbrio na criopreservação de sêmen de garanhões

Efeito de diferentes tempos de equilíbrio na criopreservação de sêmen de garanhões 172 http://dx.doi.org/10.4322/rbcv.2014.105 Efeito de diferentes tempos de equilíbrio na criopreservação de sêmen de garanhões Effect of different equilibration times on cryopreservation of stallion semen

Leia mais

Atlas de Morfologia Espermática Bovina

Atlas de Morfologia Espermática Bovina Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Atlas de Morfologia Espermática Bovina Carlos Frederico Martins Margot Alves Nunes Dode

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=155>.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=155>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Correlação entre circunferência escrotal e medidas corporais de ovinos da raça Santa

Leia mais

CARACTERíSTICAS DO SÊMEN DE CARNEIROS DESLANADOS DA RAÇA SANTA INÊS CRIADOS NO NORDESTE BRASILEIRO

CARACTERíSTICAS DO SÊMEN DE CARNEIROS DESLANADOS DA RAÇA SANTA INÊS CRIADOS NO NORDESTE BRASILEIRO CARACTERíSTICAS DO SÊMEN DE CARNEIROS DESLANADOS DA RAÇA SANTA INÊS CRIADOS NO NORDESTE BRASILEIRO Tânia Maria LEAL 1, José de Carvalho REIS2, Raimundo Nonato GIRÃ03 RESUMO: Visando obter informações sobre

Leia mais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais

Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Célula Espermática: Projeto e desenvolvimento de objetos educacionais Eneder Rosana Oberst - Faculdade de Veterinária Liane Margarida Rockenbach Tarouco - Pós-graduação em Informática da Educação Mary

Leia mais

TECNOCALL Plus Bovinos de Leite NUTRACÊUTICO Composição: G/kg

TECNOCALL Plus Bovinos de Leite NUTRACÊUTICO Composição: G/kg TECNOCALL Plus Bovinos de Leite NUTRACÊUTICO Composição: G/kg Fontes Minerais Orgânicos...69,5 g/kg Selênio Orgânico... 0,5 g/kg Levedura Viva... 10 g/kg Fosfato Monoamônico... 20 g/kg O Brasil é o sexto

Leia mais

NÚMERO TOTAL DE ESPERMATOZÓIDES DE GARANHÕES OBTIDOS ATRAVÉS DA COLHEITA COM VAGINA ARTIFICIAL E POR FLUXO RETRÓGRADO DA CAUDA DO EPIDÍDIMO

NÚMERO TOTAL DE ESPERMATOZÓIDES DE GARANHÕES OBTIDOS ATRAVÉS DA COLHEITA COM VAGINA ARTIFICIAL E POR FLUXO RETRÓGRADO DA CAUDA DO EPIDÍDIMO Archives of Veterinary Science, v. 11, n. 1, p. 73-77, 2005 Printed in Brazil ISSN: 1517-784X NÚMERO TOTAL DE ESPERMATOZÓIDES DE GARANHÕES OBTIDOS ATRAVÉS DA COLHEITA COM VAGINA ARTIFICIAL E POR FLUXO

Leia mais

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 243 Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 Isis Bacelar Araújo 1, Ana Letícia Sirqueira Nascimento 2, Marina

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO

DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES DE REGRESSÃO OBTIDAS EM TERMÔMETROS DE GLOBO NEGRO PADRÃO E PLÁSTICO VERÃO E INVERNO Patrícia da Silva Simão 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 ; André Luiz Ribas de Oliveira

Leia mais

ANDROVISION - MAIS QUE UM CASA

ANDROVISION - MAIS QUE UM CASA ANDROVISION - MAIS QUE UM CASA Sistema CASA AndroVision com microscópio Zeiss AxioScope e platina automática Análise computadorizada de sêmen AndroVision é um sistema CASA* altamente preciso para análise

Leia mais

Avaliação mineral do feno de Tyfton 85 (Cynodon spp.) irrigado em quatro idades de corte

Avaliação mineral do feno de Tyfton 85 (Cynodon spp.) irrigado em quatro idades de corte Avaliação mineral do feno de Tyfton 85 (Cynodon spp.) irrigado em quatro idades de corte Luis Fernando de Moraes¹, Matheus Jose Campos Bertolin², Wellyngton Tadeu Vilela Carvalho³ 1. Aluno do curso superior

Leia mais

ANDROVISION - MAIS QUE UM CASA

ANDROVISION - MAIS QUE UM CASA ANDROVISION - MAIS QUE UM CASA Sistema CASA AndroVision com microscópio Zeiss AxioScope e platina automática Análise computadorizada de sêmen AndroVision é um sistema CASA* altamente preciso para análise

Leia mais

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 30/03/2016 REPRODUÇÃO IMPORTÂNCIA DA REPRODUÇÃO IMPORTÂNCIA DA REPRODUÇÃO. Reprodução.

Plano de aula. ZOOTECNIA I (Suínos) 30/03/2016 REPRODUÇÃO IMPORTÂNCIA DA REPRODUÇÃO IMPORTÂNCIA DA REPRODUÇÃO. Reprodução. 1 Plano de aula ZOOTECNIA I (Suínos) Reprodução Msc. Fabrício Faleiros de Castro Departamento de Zootecnia fabricio_faleiros@hotmail.com 1 REPRODUÇÃO Ciclo reprodutivo Cobrição Reposição Gestação 114 dias

Leia mais

É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada.

É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada. É a célula reprodutiva masculina de todos os animais que se reproduzem a partir de reprodução sexuada. É uma célula com mobilidade ativa, capaz de nadar livremente, consistindo em uma cabeça e uma cauda

Leia mais

Características do sêmen de carneiros Dorper, Santa Inês e sem padrão racial definido, pré e pós-congelação, nos períodos chuvoso e seco

Características do sêmen de carneiros Dorper, Santa Inês e sem padrão racial definido, pré e pós-congelação, nos períodos chuvoso e seco http://dx.doi.org/10.1590/1678-6465 http://dx.doi.org/10.1590/1678-6455 Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.66, n.4, p.969-976, 2014 Características do sêmen de carneiros Dorper, Santa Inês e sem padrão racial

Leia mais