A PROIBIÇÃO DO ABORTO E A LAICIDADE BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROIBIÇÃO DO ABORTO E A LAICIDADE BRASILEIRA"

Transcrição

1 A PROIBIÇÃO DO ABORTO E A LAICIDADE BRASILEIRA Luiz Augusto Mugnai Vieira Jr 1 Yonissa Marmitt Wadi 2 1. INTRODUÇÃO Neste contexto da não legalização do aborto em algumas sociedades, como a brasileira, a qual se encontra a nossa discussão, analisaremos a questão da lei da laicidade do estado brasileiro junto com seus dispositivos da sua Constituição. Puxando o fio condutor proibição do aborto dessa discussão, notaremos que nesse fio condutor estão presentes outros fios amarrados, que também estão envolvidos nele. Para isso, partiremos de um raciocínio reflexivo de que a proibição do aborto, a laicidade e as políticas públicas de saúde (alguns desses fios amarrados ) estão intrinsecamente envolvidas e nos traz a seguinte indagação: Se o Brasil é um país laico, por que existem questões religiosas envolvidas na não legalização da prática do aborto? Assim, reconhece-se que a falta de uma discussão aberta, da resolução deste grave problema de saúde pública que é o aborto, possuiria a sua não legalidade prática uma relação estreita com pressões religiosas? Para isso analisaremos por meio da leitura do preâmbulo da Constituição de 1988 para refletirmos tal indagação: Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bemestar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. 1 Mestrando do curso de História Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Contato: e- mail: 2 Doutora em História / Pesquisadora do CNPq / Professora Adjunta da UNIOESTE. 1

2 A Constituição brasileira segue em princípio o modelo de separação de Estado e Igreja, mas o que verifica é uma neutralidade que configura em uma "neutralidade" benevolente, provida de simpatia à religião e às igrejas. Segundo Santos (2007) isso é observado nas normas adiante assinaladas: 1) A Constituição não é atéia. Invoca no Preâmbulo o nome de Deus, pedindolhe a proteção. 2) Aceita como absoluta a liberdade de crença (art. 5º, VI). 3) Consagra a separação entre Igreja e Estado (art. 19, I). 4) Admite, porém, a "colaboração de interesse público" (art. 19, I, in fine). 5) Assegura a liberdade de culto (art. 5º, VI) Ressalta Soriano (2002) que houve desde a primeira Constituição promulgada em 24 de fevereiro de 1891 até a Constituição atual, promulgada em 05 de outubro de 1988, algumas alterações significativas no que se refere ao modelo de separação. Aqui no Brasil o tratamento da questão da laicidade caminha aparentemente na contramão da tendência que tem sido registrada na Europa que consiste em um distanciamento cada vez maior entre a organização política e as organizações religiosas. Em um primeiro momento podemos afirmar que o estado brasileiro é laico, assim sendo estaria desvinculado da igreja ou de qualquer religião. Portanto, ser um estado laico o que conta, mais do que dogmas ou crenças, é o direito civil. O estado laico tem como farol a ciência, que dá os subsídios para a confecção de leis que visam ampliar o espaço democrático e os direitos individuais. Mas, segundo Santos (2007) existem dois modelos básicos de laicidade estatal que seriam um mais aberto e outro mais fechado à invasão de fatores religiosos no espaço público. A atual Constituição Federal do Brasil segue um modelo de laicidade que favorece os aspectos religiosos e, no particular, ainda é mais aberto para a incursão da religião no espaço público. O princípio da separação estado e religião dependem das particularidades históricas de cada país que o adotou afirma Santos (2007), de uma precedência histórica de uma intenção sobre a outra, seja capaz de atender a ambos os interesses. Nos Estados Unidos, por exemplo, vê-se claramente que a intenção inicialmente dos constitucionalistas foi trazer uma proteção às igrejas da interferência governamental, 2

3 garantindo assim também uma proteção ao pluralismo religioso que marcou a história norte-americana desde os seus primórdios. Questionando se de fato a laicidade se cumpre no Estado brasileiro, se há de fato separação entre Estado e Igreja, percebe-se então que entre os dois modelos básicos de laicidade estatal: um mais aberto e outro mais fechado, existe no Brasil um modelo mais aberto à incursão do fenômeno religioso no espaço público. Neste sentido, pretende-se discutir, neste artigo, numa ótica histórica antropológica, o posicionamento imposto pelas leis que delimitam (proibindo e criminalizando) o lugar do aborto na sociedade brasileira. Para Capez (2006) considera-se aborto a interrupção da gravidez, com a conseqüente destruição do produto da concepção. Consiste na eliminação da vida uterina. Porém, segundo Bitencourt (2004) de maneira geral, os códigos penais não definem em o que consiste o aborto, trazendo a dúvida sobre se é suficiente a expulsão do feto ou se é necessária a ocorrência da morte para caracterizá-lo. De acordo com o autor, o nosso atual Código Penal não o define, tornando assim limitado a uma fórmula neutra e indeterminado, porém mesmo assim o artigo 124 do Código Penal prevê detenção de um a três anos para a gestante que provocar o aborto em si mesma ou consentir que o outro o faça. O aborto inseguro é reconhecido pela comunidade internacional como um grave problema de saúde pública desde a década de O termo inseguro é definido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como procedimento para interromper a gravidez não desejada realizada em ambientes e condições inadequadas através de pessoas sem habilidades necessárias. Reunidos em uma mesa-redonda organizada pela Casa Brasil cientistas promoveram uma discussão tendo o tema à importância de se descriminalizar o aborto não somente em casos de anencefalia, mas em condições normais de saúde do feto e a defesa de um Estado laico, no qual questões religiosas não determinem políticas. Segundo o professor Ivo Pitanguy presente na mesa redonda, destacou que as mulheres devem ter o direito de decidir se querem ou não reproduzir, e que o aborto inseguro é um problema grave de saúde pública, elevou-se a um debate sobre a interrupção da gravidez a um novo patamar que deverá trazer mudanças na legislação brasileira e no Código de Ética Médica. 3

4 Portanto, a polêmica do aborto traz em cena diferentes atores que reivindicam um poder de decisão sobre a vida, trata-se de médicos, dos governos e de poder judiciário. Para Foucault (1979) trata-se de um biopoder, um poder que necessita de mecanismos contínuos, reguladores e corretores da vida. Nessa disputa entre esses atores na qual o aborto é objeto de discussão na sociedade, dos fatos "da vida de todos os dias" estão ligados, sobretudo às disputas jurídicas. Focault (1979) afirma que as sociedades contemporâneas são caracterizadas por um poder político que se convenciona na tarefa de gerenciar a vida, pois na sociedade moderna essa vida é um tema de disputa diferentemente das épocas onde um soberano possuía o direito de matar ou de deixar viver. Ao falar da proibição do aborto, fio condutor da nossa discussão aqui, não se pode deixar de mencionar e ressaltar, a questão da mulher, já que essa seria também um fio de grande importância o qual estaria também amarrado aos demais fios mencionados inicialmente para entendermos a não legalização da tal prática. Esse poder de mecanismos contínuos, reguladores e corretores da vida utilizam-se de acordo com Eluf (1993) uma ótica exclusivamente masculina da sexualidade humana, imposta durante séculos, trouxe imensos prejuízos à saúde física e mental da mulher, dentre os quais se destaca a proibição legal do aborto, por vontade da gestante, ainda presente na lei penal brasileira. Obviamente a reprodução resulta do instinto, da atração que a mulher sente pelo homem, do impulso sexual que ela está biologicamente programada para sentir e da satisfação da sua afetividade, que não está diretamente ligada à vontade de procriar. Muito ao contrário, aliás: no mais das vezes o sexo tem uma função que se esgota em si mesma, por isso a necessidade dos anticoncepcionais. Embora evidente, hoje, ter a mulher pleno direito ao exercício da sexualidade, tanto como os homens, cabe ressaltar que essa realidade está indissociavelmente à atualidade não podendo ser estendida ao passado. O poder de decidir sobre o corpo é conquista feminina recente, ainda em processo de solidificação no Brasil, embora já bastante avançada nos países do primeiro Mundo. Por meio de uma breve retrospectiva histórica, é possível visualizar a evolução da condição legal feminina no Brasil. Até 1934, a mulher brasileira não tinha direito sequer de votar ou ser votada. O conceito de mulher honesta foi sustentado até o começo do século XXI, com a manutenção do Código Penal de 1940 que vigorou até 4

5 2004. Na década de 60, comumentemente associada às transformações e a efervescia cultural, foi criado o estatuto da Mulher Casada, Lei n.4121, de 27/01/1962, a mulher era: Considerada relativamente incapaz pela Lei Civil, equiparada às crianças e aos silvícolas, numa condição de extrema humilhação, só recentemente reparada. A mulher direita, de família ou outros adjetivos similares, era aquela que se transformava num objeto a mercê de seu proprietário (pai ou marido) e, após o casamento, servia de receptáculo do sêmen do marido, com o fim de procriar. Desprovida de vontade, estava condicionada aos desígnios incontornáveis da maternidade que, mais do que uma função biológica, representava sua única contribuição social possível (ELUF, 1993, P.89). Não podemos deixar de ressaltar também a influência da Igreja, do poder papal, das religiões cristãs que, de certa forma, se deparam com a prática ou não do aborto como já mencionamos no início desse artigo e assim como também da uma construção da imagem de ser mulher a ser seguida e aceita. O cristianismo, com o culto à Virgem Maria, acentua e reforça a importância da maternidade, de acordo com Hurst (1992). Para Nunes (2007) a Igreja proclama sua concepção imaculada e a torna um dogma de fé, isto é, define Maria como a única criatura humana a conceber sem pecado, reafirmando o modelo cristão de mulher submissa, pura, virgem e, ao mesmo tempo, mãe. Por essa razão, em nossa cultura, ser mãe tem um peso maior do que ser pai. A representação social do papel da mãe e do pai apresenta significativa diferença no que tange a responsabilidade sobre o filho. Não assumir a paternidade, ou o abandono dos filhos pelo pai, acarreta um impacto menor do que o não exercício da maternidade. Tido invariavelmente como polêmico, o aborto há muito vem sendo discutido, ora apontado como problema, ora como solução. Uma breve observação histórica verá que tal prática teve diferentes olhares, posicionamentos e valores conforme as sociedades, períodos históricos e traços culturais. Gregos, romanos, estóicos e cínicos, segundo Martielo (1994), chegavam aconselhar a prática ilimitada do aborto. Grandes pensadores como Aristóteles e Platão pregavam a utilidade do aborto, como meio de conter o aumento populacional, que acreditavam ser a fonte inesgotável da miséria humana. Já Sócrates admitia o aborto como a própria liberdade de opção pela interrupção da gravidez. Porém, na época da República Romana, o aborto foi considerado algo imoral, entretanto, teve larga utilização entre as mulheres que se preocupavam com aparência física e que nesse período assumiram grande importância 5

6 no meio social romano. Devido ao aumento do aborto por tal motivo, houve a necessidade de considerá-lo crime previsto em lei. É interessante ressaltar que os persas, segundo o autor, adotavam um sistema de repressão à mãe e ao pai, colocando ambos como responsáveis pelo aborto. Eram, em conjunto, submetidos à execração pública e, por fim, executados. Portanto, somente com o surgimento do Cristianismo alterou-se profundamente a visão que se tinha a respeito do aborto, haja vista o aparecimento da crença de que o homem possuía uma alma imortal, bem como a figura de um Deus onipresente que provinha e que somente a Ele era cabível o poder da vida e da morte. Em suma, o Cristianismo, dentro da sua estrutura dogmática, jamais deixou de ser contrário ao aborto, estabelecendo discussão entre os filósofos, com divergências que residiam na questão de o feto possuir ou não uma alma dada por Deus, herança histórica ainda presente nas discussões cientificas, religiosas e de senso comum. Por isso, o aborto é um ato ainda tão polêmico e traz à tona, em sua não legalização, toda a forma de pensar, costumes, regras, poderes político e econômico e diversos fatores de uma determinada sociedade. Esse pensamento se coaduna perfeitamente com a proposição da feminista Beverly W. Harrison, também teóloga: a coerção das mulheres, pela esterilização forçada ou por uma gravidez forçada, legitima o poder injusto sobre relações humanas de intimidade e ferem o coração da nossa capacidade de relações sociais morais. Assim, segundo Muraro (2001), impor a qualquer mulher, mesmo seguidora de um credo religioso, uma norma que restringe sua liberdade, é impedi-la de exercer sua capacidade moral de julgamento e decisão. É negar-lhe sua humanidade. Aparentemente, a Igreja ainda exerce influência como exemplificação, podemos citar os quinze países católicos da América Latina, que continuam mantendo uma rígida legislação contra o aborto. Se a mulher é católica, que ela assuma as responsabilidades perante sua religião e não faça aborto. Mas e todas aquelas que não são ligadas a essa religião e que são punidas por uma lei claramente influenciada pela posição do catolicismo? Observa-se que essa definição varia culturalmente entre as sociedades, pois em algumas não existe nem mesmo uma aceitação em caso de riscos de vida da mãe por causa da gravidez, em casos de estupros, de acordo com a legislação e valores de certos países e também havendo uma variação na permissão do tempo de vida do feto a ser 6

7 abortado. Com o aborto legalizado a sociedade seria menos hipócrita e morreriam menos mulheres, de acordo com Muraro (2001). Nota-se que o aborto envolve polêmica em sua legalização e indagações são colocadas cada vez mais em pauta e recentemente a mídia tem dado uma repercussão a essa questão. Por que o aborto no Brasil não é legalizado, sendo-o em outros países, como grande parte da Europa, EUA e, recentemente, até Portugal e México, países predominantemente católicos? O ministro da Saúde, José Temporão, disse para redação do site Terra que a proibição do aborto no País tem um viés machista e que o tema é, antes de tudo, de saúde pública e não apenas "religiosa, ética, filosófica ou fundamentalista. Temporão afirmou que gostaria de ouvir as mulheres. Para ele as manifestações são majoritariamente compostas por homens. E observou que, infelizmente, os homens não engravidam. Se engravidassem, essa questão já estaria resolvida há muito tempo. E acrescenta que as mulheres é que sofrem e se vêem sozinhas e as leis são feitas pelos homens", argumentou. Para ele, a sociedade brasileira evoluiu bastante nos últimos anos e a discussão sobre aborto não pode mais ser considerada apenas do ponto de vista religioso ou ético e sim do prisma da saúde pública. "Eu tenho tentado há muito tempo tirar essa discussão da questão ética, religiosa, filosófica e do fundamentalismo e trazêla para o campo real da dor, da morte e do sofrimento", comentou o ministro. A polêmica sobre a liberação do aborto no Brasil (e no mundo) é antiga, mas reacendeu com a chegada do papa Bento XVI ao Brasil, no ano de O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em entrevista às redes católicas de rádio e TV, que é pessoalmente contra o aborto, mas que o governo tem que tratar o tema no âmbito da saúde pública. Esse tipo de abordagem vai contra os interesses da Igreja, que pretende manter a proibição para a prática no Brasil. Segundo Temporão, um estudo norteamericano apontou que no Brasil são feitos cerca de um milhão de abortos clandestinos por ano. "Quem sofre mais são as mulheres pobres. As mulheres de classe média ou alta podem recorrer a clínicas clandestinas com alguma segurança", salienta. Rose Marie Muraro concorda: Sou a favor da descriminalização do aborto em qualquer caso, principalmente por causa das mulheres de baixa renda. As mulheres de classe média pagam o aborto e não sofrem tanto. Já as mulheres mais pobres, muitas vezes são obrigadas a manter relações sexuais com os maridos sem preservativo. Ficam sujeitas ao 7

8 aborto porque não conhecem os métodos anticoncepcionais. O único método é fazer o aborto em más condições. Portanto, o interesse deste artigo foi desenvolver uma reflexão sobre até que ponto a influência religiosa sobre o estado brasileiro mesmo sendo laico acaba delimitando a legalização do aborto na sociedade brasileira. Para isso, é de grande importância para análise a lei da laicidade brasileira, pois através da lei percebemos não somente os valores, os costumes, as crenças de uma sociedade refletida como também as possíveis colisões com moral estabelecida nela. A lei acaba sendo, assim podemos dizer uma narrativa mestra da nação, e disso deriva a luta para inscrever uma posição nela e obter legitimidade e audibilidade dentro dessa narrativa. Para Bourdieu (1989), trata-se de verdadeiras e importantes lutas simbólicas. Exemplos como a luta em torno da questão do aborto e do casamento gay são particularmente reveladores, pois neles se encontra em jogo não meramente a legislação sobre tais práticas, já que essas encontram caminho com ou sem a lei, mas o próprio status de existência e legitimidade, na nação, das comunidades morais que as aceitam reconhecendo-as. coloca: Discursando sobre a historicidade e a expansão dos direitos, Bobbio (1991) nos [...] os direitos do homem constituem uma classe variável, como a história destes últimos séculos demonstra abundantemente. A lista dos direitos do homem modificou-se e continua a se modificar com a mudança das condições históricas, ou seja, das necessidades, dos interesses, das classes no poder, dos meios disponíveis para sua realização, das transformações técnicas etc. [...] Direitos que tinham sido declarados absolutos em fins do século XVIII, como a propriedade sacré et inviolable, foram submetidos a radicais limitações nas declarações contemporâneas; direitos que as declarações do século XVIII sequer mencionavam, como os direitos sociais, estão proclamados com grande ostentação em todas as declarações recentes. Não é difícil prever que no futuro poderão surgir novas exigências que agora nem conseguimos vislumbrar (ênfase minha) [...] (Bobbio 1991:56-57). Neste sentido acredita-se que novos estudos possam ser realizados a partir das questões abordadas inicialmente, por ser de grande importância e complexidade a temática aqui apresentada, possibilitando uma melhor compreensão para teóricos, profissionais e também pessoas interessadas sobre o assunto que, de certa forma, compartilham deste universo. 8

9 2. OBJETIVOS Analisar a questão da lei da laicidade do estado brasileiro junto com seus dispositivos da sua Constituição frente à proibição do aborto no Brasil. 2.1 Objetivos específicos Mostrar se ou como os fatores religiosos e políticos influenciam na questão da proibição do aborto Verificar a construção da representação da mulher na sociedade brasileira. 3. METODOLOGIA Num primeiro momento foi realizado um levantamento bibliográfico sobre aborto e a laicidade brasileira. Este estudo foi desenvolvido por meio de pesquisa de campo exploratória, com abordagem qualitativa, tendo em vista a intenção de compreender as questões da proibição do aborto, frente a esse processo, que envolve também outras questões como jurídicas, religiosas e de saúde pública. A pesquisa exploratória é uma categoria que tem por objetivo proporcionar maior familiaridade com o problema, tendo em vista torná-lo mais explicito ou aproximar idéias (GIL, 1995). Segundo Minayo (1994, p.21), a pesquisa qualitativa responde a questões muito particulares, preocupando-se com o nível da realidade que não pode ser qualificada, trabalhando com um universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais aprofundado da relação dos processos e dos fenômenos que não pode ser reduzido à operacionalização. Foi também um estudo descritivo, pois a pesquisa descritiva verifica se o pesquisador já vivenciou a primeira aproximação, que é a exploratória e, num segundo momento, levanta as características conhecidas, componentes do fato, fenômeno ou processo, podendo ser realizado também com observação sistemática (FLEMING, 2005). 9

10 Após a pesquisa bibliográfica e as questões norteadoras que objetiva delimitar o objeto de análise foi iniciado por meio de coleta de dados que consistiram na lei da laicidade do estado brasileiro junto com seus dispositivos da sua Constituição, as leis e artigos, informações, dados sobre a prática abortiva. Posteriormente, da conclusão das pesquisas bibliográficas e do levantamento das leis foi desenvolvido uma análise sob o viés da história antropológica com o propósito de se investigar a possível existência de elementos de influência religiosa na lei da laicidade do estado brasileiro que pode assim levar a não legalização do aborto no Brasil. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Portanto, na difícil tarefa de abordar o assunto que consiste o aborto, existe uma tentativa de analisar os fios que estão amarrados e envolvidos, fios que são as questões de saúde pública, das mulheres, dos âmbitos jurídicos e das religiões nesse fio condutor proibição do aborto discutido no presente artigo e perceber que a legalização ou não da tal prática é uma disputa de poderes. Observamos através da discussão sobre a laicidade que não existe apenas um modelo universal de Estado Laico que se pode aplicar indistintamente a todos os países que adotam o regime de separação entre o Estado e as Igrejas. Existem sim dois modelos básicos de laicidade estatal que consiste em um mais aberto e outro mais fechado à incursão do fenômeno religioso no espaço público. Assim, a atual Constituição Federal do Brasil sufraga um modelo de laicidade que favorece o fenômeno religioso e nela se encontra elementos que levam a uma abertura maior para a incursão da religião no espaço público. A aplicação e a interpretação do direito e dos fatos relacionados com o exercício da liberdade religiosa visto sob um viés histórico antropológico nos traz como a sociedade se comporta diante de tal procedimento, seus tabus e suas questões morais, culturais e religiosas frente a prática do aborto. Frente a tudo isso, nota-se que o tabu do aborto está longe de ser solucionado seja no campo moral ou na prática social, porém a sua discussão e reflexão não podem ser silenciadas. Portanto, a pesquisa deve ser vista como um procedimento formal, um método de pensamento reflexivo, de tratamento científico. Desta forma, a pesquisa possui a tarefa de contribuir para o conhecimento da realidade ou das verdades parciais. Enfim, a 10

11 pesquisa busca respostas num determinado universo para comprovações de diversas questões, como é o caso deste trabalho. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de Direito penal: parte especial. São Paulo: Saraiva, BOBBIO, Norberto. Sobre el fundamento de los derechos del hombre. In: El tiempo de los derechos. Madrid: Editorial Sistema, BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BRASIL, Constituição (1988). Constituição da republica federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, CAPEZ, Fernando. Curso de direito penal, volume 2: parte especial: dos crimes contra a pessoa a dos crimes contra o sentimento religioso e contra o respeito aos mortos. São Paulo: Saraiva, CARDOSO, Ciro Flamarion, VAINFAS, Ronaldo. Domínios da Historia: Ensaios de Teoria e Metodologia. Rio de Janeiro: Campus, ELUF, Luiza Nagib. O aborto e o Código Penal in: PINSKY, Jaime. Brasileiro (a) é assim mesmo: cidadania e preconceito. São Paulo: Contexto, FOUCAULT, Michael. A História da Sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Graal, DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, DUBY, George, PERROT, Michelle. História das Mulheres no Ocidente. São Paulo, Ebradil, HURST, J. A história das idéias sobre o aborto na Igreja Católica, in Hurst, Jane e Rose Marie Muraro, Uma história não contada, Montevideo, Católicas por el Derecho a Decidir, MARTIELO, Fabrício Zamprogna. Aborto e direito penal. Porto Alegre: Sagra, MURARO, Rose Marie, BOFF, Leonardo. FEMININO E MASCULINO: Uma Nova Consciência para o Encontro das Diferenças. Sextante: Rio de Janeiro,

12 MURARO, Rose Marie, PUPPIN, Andréa Brandão. Mulher, gênero e sociedade. Relume Dumara: Rio de Janeiro, ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Aborto espontâneo e provocado. Genebra, SANTOS, Aloísio Cristovam Junior. A liberdade de Organização Religiosa e o Estado laico Brasileiro. São Paulo: Mackenzie, SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil para analise histórica. Recife: SOS Corpo, SORIANO, Aldir Guedes. Liberdade religiosa no direito constitucional e internacional. São Paulo: Juarez de Oliveira, TEDESCO, João Carlos; Maciel, Elisabeth Nunes. Revista Temas Sociais em Expressão. Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Vol.1. URI: Frederico Westphalen, TOCCI, Arturo. II Procurato Aborto, Trattato Medico-Legale. Milão: Giuffre, Fontes: NUNES, Maria José Rosado. Aborto, maternidade e a dignidade da vida das mulheres. Disponível em <HTTP:// /www.patriciagalvao.org.br/novo2/textozecarosado.htm>acesso em 29 de julho de RIBEIRO, Jéferson. Redação Terra: Discussão sobre aborto é machista, diz ministro. Disponível em <http://noticias.terra.com.br/brasil/visitadopapa/interna/0,,oi ei8325,00.html> Acesso em 12 de novembro de FÓRUM DE ENTIDADES NACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS. Para os cientistas, aborto nem sempre é crime. Disponível em Acesso em 15 de fevereiro de

A liberdade de expressão e seus limites

A liberdade de expressão e seus limites A liberdade de expressão e seus limites Prof. Alan Carlos Ghedini Casos atuais e o debate... De modo geral Se associa ao direito humano à expressão de suas ideias, de seu pensamento próprio sem interferência.

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

CONSTRUINDO A IGUALDADE DE GÊNERO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE SOB A ÓTICA DA ENFERMAGEM: UM OLHAR SOBRE A HUMANIZAÇÃO NO PROCESSO DE ABORTAMENTO

CONSTRUINDO A IGUALDADE DE GÊNERO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE SOB A ÓTICA DA ENFERMAGEM: UM OLHAR SOBRE A HUMANIZAÇÃO NO PROCESSO DE ABORTAMENTO CONSTRUINDO A IGUALDADE DE GÊNERO NOS SERVIÇOS DE SAÚDE SOB A ÓTICA DA ENFERMAGEM: UM OLHAR SOBRE A HUMANIZAÇÃO NO PROCESSO DE ABORTAMENTO JOÃO PAULO LOPES DA SILVA - jplopes_pb@hotmail.com MARIA ZÉLIA

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 Inclui nos programas Sociais e Financeiros do Governo programa específico de apoio à mulher e a adolescente, nos casos de gravidez

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS DECLARAÇÃO DOS DIREITOS SEXUAIS Reconhecendo que direitos sexuais são essenciais para o alcance do maior nível de saúde sexual possível, a Associação Mundial para a Saúde Sexual: DECLARA que direitos sexuais

Leia mais

O ABORTO NO DIREITO PENAL BRASILEIRO: CARACTERÍSTICAS E ALGUMAS IMPLICAÇÕES DA DESCRIMINALIZAÇÃO

O ABORTO NO DIREITO PENAL BRASILEIRO: CARACTERÍSTICAS E ALGUMAS IMPLICAÇÕES DA DESCRIMINALIZAÇÃO O ABORTO NO DIREITO PENAL BRASILEIRO: CARACTERÍSTICAS E ALGUMAS IMPLICAÇÕES DA DESCRIMINALIZAÇÃO Keila Lacerda de Oliveira Magalhães Advogada, com recém aprovação na OAB/PB e com estágio profícuo e conceituado

Leia mais

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo

Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Inserção de mulheres na docência em teologia: um estudo quantitativo Neiva Furlin Resumo O objetivo deste artigo é apresentar alguns resultados da pesquisa de mestrado em andamento, que se insere dentro

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Papa Bento XVI visita o Brasil

Papa Bento XVI visita o Brasil Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 Papa Bento XVI visita o Brasil Análise Segurança Fernando Maia 23 de maio de 2007 No período de 09 a 13 de maio, o Papa

Leia mais

O Aborto e a Política do Corpo Patrícia Toledo

O Aborto e a Política do Corpo Patrícia Toledo 1 O Aborto e a Política do Corpo Patrícia Toledo As relações de poder estabelecidas a partir do pensamento binário colocam mulheres e homens em campos diferentes, estes no campo da produção/domínio e aquelas

Leia mais

Legalização do aborto em Moçambique: "A nova lei visa a assegurar os direitos sexuais e reprodutivos", diz ativista -

Legalização do aborto em Moçambique: A nova lei visa a assegurar os direitos sexuais e reprodutivos, diz ativista - Legalização do aborto em Moçambique: "A nova lei visa a assegurar os direitos sexuais e reprodutivos", diz ativista por Por Dentro da África - terça-feira, abril 14, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/ciencia/legalizacao-do-aborto-em-mocambique-a-nova-lei-visaassegurar-os-direitos-sexuais-e-reprodutivos-diz-ativista

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

Publicidade e Propaganda - Radialismo. Apresentação da ementa

Publicidade e Propaganda - Radialismo. Apresentação da ementa Publicidade e Propaganda - Radialismo Apresentação da ementa Professor substituto da Universidade Federal do Mato Grosso (disciplina Estatuto da Criança e do Adolescente; Direito Penal e Direito e Ética

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 314, DE 2013 Altera o art. 5º da Lei nº 9.717, de 27 de novembro de 1998, para que os regimes próprios de previdência social dos servidores públicos da União,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação

Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Direitos LGBT: do casamento ao enfrentamento da discriminação Publicado em 28/06/2015, às 15h26 Atualizado em 28/06/2015, às 15h58 Sérgio Costa Floro* Especial para o NE10 #LoveWins tomou conta do discurso

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

"A voz da consciência é tão delicada que é fácil reprimi-la: mas está também muito claro que é possível enganá-la."

A voz da consciência é tão delicada que é fácil reprimi-la: mas está também muito claro que é possível enganá-la. 15 "A voz da consciência é tão delicada que é fácil reprimi-la: mas está também muito claro que é possível enganá-la." Madame de Staël, romancista francesa Texto I Aborto: claramente a favor Vladimir Safatle

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( X ) CURTA DURAÇÃO ( ) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reflexo da Legalização do Aborto Na Sociedade Helilsa Silva de Mattos* INTRODUÇÃO O início da vida começa na concepção já é pacífico e aceito pelos defensores da vida, pela ciência

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

A EUTANÁSIA À LUZ DO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DO DIREITO À VIDA

A EUTANÁSIA À LUZ DO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DO DIREITO À VIDA A EUTANÁSIA À LUZ DO PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DO DIREITO À VIDA Equipe: Juliana Maria Araújo de Sales Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Luana Elaine da Silva - Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO

AUTOR(ES): SUELEN MAYARA DA SILVA, LAIS MATOS DE GODOI, MARINA LUZIA BRACCIO TÍTULO: O CÓDIGO DE ÉTICA E A VALORIZAÇÃO DO CONTADOR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): SUELEN MAYARA

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

A LEGALIZAÇÃO DO ABORTO NO ANTEPROJETO DO CÓDIGO PENAL

A LEGALIZAÇÃO DO ABORTO NO ANTEPROJETO DO CÓDIGO PENAL A LEGALIZAÇÃO DO ABORTO NO ANTEPROJETO DO CÓDIGO PENAL Nathália Abrão Mantovani Antonioli 1, Gisele Mendes de Carvalho 2 RESUMO: A legalização do aborto é um tema polêmico, sendo assim fundamental analisar

Leia mais

LEGALIZAÇÃO DO ABORTO: UM ESPAÇO PARA UMA ÉTICA DO FEMININO EM SUBJETIVAÇÃO. 1

LEGALIZAÇÃO DO ABORTO: UM ESPAÇO PARA UMA ÉTICA DO FEMININO EM SUBJETIVAÇÃO. 1 LEGALIZAÇÃO DO ABORTO: UM ESPAÇO PARA UMA ÉTICA DO FEMININO EM SUBJETIVAÇÃO. 1 Paulo Roberto da Costa Ferreira paulo.d.master@bol.com.br Universidade Regional do Cariri - URCA O trabalho o qual agora vos

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 51 O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 1 Discente

Leia mais

O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher. PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003

O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher. PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003 O Papel do Estado Juiz na Prevenção e Controle da Violência Contra a Mulher PARA ELAS, por elas, por eles, por nós Belo Horizonte/MG 22/02/2003 1 PRINCÍPIOS NORTEADORES DA LEI MARIA DA PENHA 1. PREVENÇÃO.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA"

Mostra de Projetos 2011 PROJETO DIREITO E CINEMA Mostra de Projetos 2011 PROJETO "DIREITO E CINEMA" Mostra Local de: Cornélio Procópio. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Cornélio

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Encontro de Formação: Promoção e Defesa da Vida Estratégia: Como implantar uma Comissão de Promoção e Defesa da Vida

Encontro de Formação: Promoção e Defesa da Vida Estratégia: Como implantar uma Comissão de Promoção e Defesa da Vida Encontro de Formação: Promoção e Defesa da Vida Estratégia: Como implantar uma Comissão de Promoção e Defesa da Vida Regional Sul II Pastoral Familiar- Setor Família e Vida COMISSÕES PAROQUIAIS EM DEFESA

Leia mais

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA

ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA FACULDADES INTEGRADAS FAFIBE CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO ADOÇÃO POR CASAIS HOMOSSEXUAIS PROJETO DE PESQUISA MARISELMA APARECIDA DOS SANTOS LAPOLA Projeto de pesquisa em atendimento à disciplina Monografia

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1891 Preâmbulo Nós, os representantes do povo brasileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regime livre e democrático, estabelecemos, decretamos e promulgamos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO RELIGIOSO PARA OS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL DR. JOÃO CRUZ DE OLIVEIRA.

O SIGNIFICADO DO ENSINO RELIGIOSO PARA OS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL DR. JOÃO CRUZ DE OLIVEIRA. O SIGNIFICADO DO ENSINO RELIGIOSO PARA OS ALUNOS DA ESCOLA MUNICIPAL DR. JOÃO CRUZ DE OLIVEIRA. Profª Marília De Franceschi Neto Domingos - UFPB-CE-PPGCR Aldenir T. Claudio - aluna de Ciências das Religiões-UFPB

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER. UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes 406 VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA E JURÍDICA COM ANÁLISES RELEVANTES Dogival Oliveira Guedes Resumo O presente estudo visa verificar vários aspectos atinentes à violência

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

O Ensino Religioso nas Escolas Públicas e o Estado Laico

O Ensino Religioso nas Escolas Públicas e o Estado Laico O Ensino Religioso nas Escolas Públicas e o Estado Laico Resumo Por Danilo Feitoza Melo e Rafael Gomes de Freitas O objetivo deste trabalho é mostrar, através de uma análise sobre o ensino religioso nas

Leia mais

A MICUS-DH. Expositor: Prof. Dr. Virgílio Afonso da Silva

A MICUS-DH. Expositor: Prof. Dr. Virgílio Afonso da Silva A MICUS-DH F a c u l d a d e d e D i r e i t o d a U S P G r u p o d e E x t e n s ã o [Texto apresentado à Audiência Pública sobre ensino religioso no STF; as partes marcadas em vermelho não foram expostas

Leia mais

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA

QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA QUESTÕES VOLTADAS AO ABORTO: UMA VISÃO MASCULINA I. INTRODUÇÃO Cleonides Silva Dias Gusmão cleonides_silva@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha Pichelli analayde@gmail.com Francisca Marina de Souza Freire

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1134 A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 1 Discente do 6º

Leia mais

A EXPERIÊNCIA SOCIAL COM O ABORTO PROVOCADO: UMA ANÁLISE EM TERMOS DAS DIFERENÇAS ENTRE HOMENS E MULHERES

A EXPERIÊNCIA SOCIAL COM O ABORTO PROVOCADO: UMA ANÁLISE EM TERMOS DAS DIFERENÇAS ENTRE HOMENS E MULHERES 1 A EXPERIÊNCIA SOCIAL COM O ABORTO PROVOCADO: UMA ANÁLISE EM TERMOS DAS DIFERENÇAS ENTRE HOMENS E MULHERES Adriana Pereira dos Santos Universidade Estadual da Paraíba-UEPB Resumo O presente trabalho abordou

Leia mais

A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa

A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa Brunna KLITZKE CARDOSO DOS SANTOS 1 Cláudio JOSÉ PALMA SANCHEZ 2 RESUMO: Este trabalho visou essencialmente, exemplificar a homofobia em

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais

Prof. José Nabuco Filho. Aborto

Prof. José Nabuco Filho. Aborto Aborto Apostila 1. Introdução Sob o nomem juris de aborto, o Código Penal tipifica quatro crimes diferentes: 1 duas definidas no art. 124, tendo como sujeito ativo a gestante; outras duas, em que o sujeito

Leia mais

Gênero e Religião. Karina Kosicki Bellotti Pós-Doutoranda em História IFCH/UNICAMP Correio eletrônico: karinakbellotti@yahoo.com

Gênero e Religião. Karina Kosicki Bellotti Pós-Doutoranda em História IFCH/UNICAMP Correio eletrônico: karinakbellotti@yahoo.com Gênero e Religião Karina Kosicki Bellotti Pós-Doutoranda em História IFCH/UNICAMP Correio eletrônico: karinakbellotti@yahoo.com SOUZA, Sandra Duarte de. (org.) Gênero e Religião no Brasil: Ensaios Feministas.

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

AS MÚLTIPLAS FACES DO MOVIMENTO FEMINISTA NAS DÉCADAS DE 60 e 70 NO BRASIL

AS MÚLTIPLAS FACES DO MOVIMENTO FEMINISTA NAS DÉCADAS DE 60 e 70 NO BRASIL AS MÚLTIPLAS FACES DO MOVIMENTO FEMINISTA NAS DÉCADAS DE 60 e 70 NO BRASIL Érika Teline Rocha Barbosa 1 Rebeca Barros de Almeida Brandão 2 Rafaela Ferreira Telecio 3 Resumo O presente estudo constitui-se

Leia mais

2. METODOLOGIA. 2.1. Surgimento do tema

2. METODOLOGIA. 2.1. Surgimento do tema 2. METODOLOGIA 2.1. Surgimento do tema A idéia de estudar mais a fundo o tema dos litígios estratégicos e a sua relação com o Supremo Tribunal Federal surgiu em uma aula ministrada por Evorah Cardoso (

Leia mais

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA 1 DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA Cezar E. Martinelli 1 RESUMO: O artigo fala sobre o Direito de Acessibilidade e sua importância, ligado aos movimentos sociais que promovem

Leia mais

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL

CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL CLT.2002/WS/9 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL 2002 DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE A DIVERSIDADE CULTURAL A Conferência Geral, Reafirmando seu compromisso com a plena realização dos direitos

Leia mais

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História

Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Gênero: Temas Transversais e o Ensino de História Thayane Lopes Oliveira 1 Resumo: O tema Relações de gênero compõe o bloco de Orientação Sexual dos temas transversais apresentados nos parâmetros curriculares

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Aspectos legais do atendimento ao adolescente - em busca da saúde integral

Aspectos legais do atendimento ao adolescente - em busca da saúde integral Aspectos legais do atendimento ao adolescente - em busca da saúde integral Luiz Claudio Campos Núcleo de Populações mais vulneráveis Gerência de Prevenção - CE DST/Aids Legislação e Direitos do Adolescente

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

CDC - ZH Conselho de Cidadania Zurique - Suiça

CDC - ZH Conselho de Cidadania Zurique - Suiça Informações úteis CDC - ZH Conselho de Cidadania Zurique - Suiça Informações úteis para o cidadão brasileiro. Equipe de Redação Gorete Newton Reginete Bolliger Apoio: MRE - Ministério das Relações Exteriores

Leia mais

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO Daniele Bloot de Moura Necker Fryder Geórgia Costa Pizzatto Michele Dal Cortivo Vivian de Souza Silva Co-autora: Prof. Arilda Arboleya arildaa@hotmail.com

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Aborto: um crime de 10 mil mulheres 1

Aborto: um crime de 10 mil mulheres 1 Aborto: um crime de 10 mil mulheres 1 1 Informações coletadas e organizadas com o apoio de grupos, redes, articulações da sociedade civil: Jornadas pelo Direito ao Aborto Legal e Seguro, Comissão de Cidadania

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Chamada Pública Universal

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

Aula 7: Métodos de raciocínio

Aula 7: Métodos de raciocínio Aula 7: Métodos de raciocínio São modelos conscientes de organização do pensamento Desde pequenos, ouvimos que a principal característica que diferencia os seres humanos dos animais é o fato de aqueles

Leia mais

DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS

DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS A essência dos direitos humanos é o direito de ter direito Hannah Arendt OBJETIVOS DA TEMÁTICA Refletir os direitos sexuais e reprodutivos em quanto direitos humanos;

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATOR: RUI NUNES 1 PREÂMBULO Poucas questões têm despertado tanta controvérsia como a natureza e a atribuição

Leia mais

Sexualidade e Poder segundo Foucault

Sexualidade e Poder segundo Foucault Sexualidade e Poder segundo Foucault SUPERSABER Fenômeno cultural, social FREUD: Desconhecimento do sujeito sobre seu desejo ou de sua sexualidade FOCAULT: Problema da produção de teorias sobre sexualidade

Leia mais