Indagações e reflexões feministas sobre o Projeto Genoma Humano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Indagações e reflexões feministas sobre o Projeto Genoma Humano"

Transcrição

1 SÓLO PARA PARTICIPANTES Fecha: 5 y 6 de noviembre de 2001 ORIGINAL: PORTUGUÉS Comisión Económica para América Latina y el Caribe - CEPAL Universidad de Sao Paulo - Núcleo de Estudios de Mulher e Relaçoes Sociais de Género Conselho Nacional dos Direitos de la Mulher Fondo de Desarrollo de las Naciones Unidas para la Mujer - UNIFEM Agencia de Cooperación Técnica Alemana - GTZ Reunión de Expertos sobre Globalización, Cambio Tecnológico y Equidad de Género Sao Paulo, Brasil, 5 y 6 de noviembre de 2001 Indagações e reflexões feministas sobre o Projeto Genoma Humano Este documento ha sido preparado por Fátima Oliveira, Médica, Directora de la SBB/Sociedad Brasilera de Bioética, Consejera del CNDM/Consejo Nacional de los Derechos de la Mujer de Brasil y Coordinadora de la Red de Información sobre Bioética: bioética & teoría feminista y antiracial. Las opiniones expresadas en este documento, que no ha sido sometido a revisión editorial, son de la exclusiva responsabilidad de la autora y pueden no coincidir con las de la Organización.

2 Indagações e reflexões feministas sobre o Projeto Genoma Humano* Fátima Oliveira Sou encantada com a genética e considero-a uma das áreas mais fascinantes das biociências. Foi com interesse especial que acompanhei o desenrolar do Projeto Genoma Humano (PGH) desde quando anunciaram que o genoma (conjunto dos genes de uma espécie) humano seria mapeado e seqüenciado. Mapear é descobrir onde está cada gene e seqüenciar é descobrir em que ordem estão os pares de bases nitrogenadas, que no DNA são: A = Adenina; G = Guanina; C = Citosina; e T = Timina. O Projeto Genoma Humano um consórcio científico exclusivo dos países ricos iniciado em 1990, visava mapear e seqüenciar o código genético e elaborar o mapa dos genes humanos. Em 26 de junho de 2.000, em um rito de passagem, via satélite, o presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, e o Primeiro Ministro Britânico, Tony Blair, compartilharam as glórias do fim da corrida do genoma humano, demonstrando o que consideram o maior feito de seus governos: o privilégio de dizer ao mundo que o mistério da vida foi decifrado e que eles detém o biopoder. Sabia-se que restavam mistérios a desvendar, por exemplo quantos eram os genes humanos? Mas por que anunciar a conclusão de investigações inconclusas? Eis uma questão ética pertinente e que nos fornece pistas para entender temas vinculados à apropriação privada e à mercantilização da vida. Especula-se que por trás de tanta pressa está o setor biotecnologia da indústria farmacêutica no afã de impulsionar os rentáveis negócios dos kits de diagnósticos genéticos, alicerces da medicina preditiva. O final da corrida para decifrar o genoma humano encerrou-se em 12 de fevereiro de 2001 quando as revistas norte-americana Science e a britânica Nature publicaram os resultados dos dois grupos que trabalhavam com o assunto. A Science (www.sciencemag.org) publicou os resultados da Celera Genomics e a Nature (www.nature.com) do PGH oficial. As duas equipes completaram 95% do seqüenciamento do genoma. Ambas concluíram que:. as áreas de deserto (sem genes) do DNA humano ocupam um quarto da molécula de DNA e não se sabe o que significam tais espaços sem genes; quanto ao número de genes, afirmam que possuímos apenas um terço do que se imaginava (falava-se em 100 mil genes). Para a Celera, temos entre 26 mil e 39 mil, enquanto que para o PGH em torno de 31 mil; e 2

3 . estima-se que entre um terço ou até metade do genoma são seqüências repetidas, denominada junk DNA ( DNA-lixo"). Como vimos, algumas antigas interrogações continuam muito atuais e sem respostas definitivas. O genoma humano é patrimônio da humanidade. Consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos e do Genoma Humano uma recomendação ética que não tem força de lei que o genoma humano em seu estado natural não deve dar lugar a ganhos financeiros (Unesco, 1997). Considerando que nossos genes nos pertencem e constituem um direito do qual não devemos abdicar, é pertinente a perplexidade da indagação que se uma pessoa não é dona de seus genes, o que lhe restará de seu? Como tais saberes e poderes ressoarão na vida das mulheres e de grupos populacionais raciais ou étnicos discriminados? Não há na genética NADA que corrobore teses do ideário racista, porém ela tem sido, historicamente, alvo de desvios ideológicos para supostamente comprová-las. Resulta também de tais constatações e indagações, a certeza que entender de genética hoje é condição indispensável para o exercício da cidadania. Logo, é necessário decodificar a linguagem científica e disponibilizar os saberes da genética para as pessoas comuns. Eis uma questão política de grande vulto, pois a ciência, em particular a genética, é importante demais para ficar só nas mãos de cientistas e de governos, cabe à sociedade exercitar o direito e o dever de decidir e não apenas ser informada! Recordando conceitos do mundo mágico da ciência da vida A biotecnologia talvez seja tão antiga quanto a humanidade. Desde quando as mulheres inventaram a agricultura, a humanidade vem manipulando genes para garantir a sua sobrevivência. Isto é, bem antes da estruturação da biologia enquanto ciência.... Biologia é a ciência que estuda os seres vivos. Genética é a parte da biologia que estuda os Genes pedaços de uma molécula chamada DNA (ácido desoxirribonucléico), que estão no interior da célula, em uma estrutura denominada Cromossomo constituído por uma única molécula de DNA... Os genes são pedaços da molécula de DNA. É no DNA, mais precisamente, nos genes, que está guardado o segredo da vida das plantas, dos animais e dos seres humanos. Engenharia genética é uma biotecnologia que trabalha manipulando o gene. Biotecnologia é a aplicação da tecnologia à biologia. Nem toda biotecnologia é engenharia genética, mas a engenharia genética é uma biotecnologia. Isto é, para que uma biotecnologia seja enquadrada como engenharia genética é necessário que ela manipule os genes. 3

4 As pesquisas sobre o genoma humano, as raças e o racismo Uma das decorrências mais importantes das pesquisas sobre o genoma humano é, indubitavelmente, a consolidação da constatação científica que geneticamente não há raças humanas. A genética molecular pré pesquisas do genoma humano afirma que considerando-se o DNA como o material hereditário e o gene como unidade de análise biológica é impossível dizer se estas estruturas pertencem a uma pessoa negra, branca ou amarela, pois o gene carrega possibilidades de caracteres e não os caracteres! Luca Cavalli-Sforza, em A geografia dos genes (1995), no fundamental prova que a diversidade genética humana é tão incomensurável que é impossível cientificamente falar-se em raças humanas. Recentes pesquisas evidenciam que a espécie humana (Homo sapiens) é uma só e que dentro da espécie a variabilidade genética impõe, como o padrão de normalidade da natureza, a realidade de que cada ser humano é geneticamente único. Mas qual a importância da ratificação de tais verdades científicas pelo Projeto Genoma Humano e pelo Projeto da Diversidade do Genoma Humano (PDGH), em um mundo onde a opressão racial/étnica é um fato incontestável e sabendo-se que o conceito de raças humanas, se não foi cunhado pelo menos foi apropriado, tem sido reciclado pela ideologia racista? Na acepção popularizada e de parte dos setores intelectualizados, raça reflete uma compreensão biológica, de algo que, para usar uma linguagem atual, é fatalisticamente genético. O que não é apenas discutível. Tais noções são falsas e anti-científicas. Não há um conceito universal sobre o que seja raça. Conforme os conhecimentos biológicos contemporâneos o significado biológico de raça reside na unicidade da espécie. O racismo repousa, pois, sobre uma mentira incomensurável. Algumas constatações e especulações sobre Medicina Preditiva Afinal, o que é medicina preditiva (para alguns: medicina preventiva genética) e quais as repercussões do Projeto Genoma Humano nela? Em linhas gerais medicina preditiva é, idealmente, a possibilidade de prever para: prevenir doenças passíveis de prevenção, sem discriminações; ampliar propostas de tratamentos e de curas; e de garantir a dignidade humana, tendo em conta os contextos sócio-culturais. A medicina preditiva ainda é um campo repleto de incógnitas, inclusive técnicas e científicas, algumas incomensuráveis, o que a torna alvo de esperanças, desconfianças e medos. Considero que a medicina preditiva é um caminho a construir para responder aos anseios do que ela deve ser: a possibilidade de aumentar a 4

5 qualidade de vida e de minorar sofrimento sempre e de curar quando possível. A publicidade das benesses, a maioria hipotéticas, é ilusória. As perspectivas de diagnósticos precisos são grandes, as de curas, e até mesmo tratamentos não fúteis, são poucas, além do que o espectro é pequeno. A medicina preditiva, embora tenha o diagnóstico genético como o setor mais visível de suas ações, engloba a terapia genética de células somáticas e germinais, a clonagem, a utilização de embriões para pesquisas e resvala, inexoravelmente, em muitas de suas intervenções, às escâncaras ou com sutileza, para propósitos eugênicos. Trata-se de um campo, cujo veio semântico e locus epistemológico não prescindem do reducionismo inerente à abordagem genética, certeira ou probabilística, e das incongruências perigosas e utópicas do fatalismo genético a idéia reducionista e equivocada de que os genes não só podem tudo, como são oráculos infalíveis e se expressam e funcionam sempre sem interação ambiental! A crença no DNA ditador e no gene egoísta desvia o foco da verdade básica o holismo da natureza e resulta em estigmatização, invasão da privacidade, diminuição da auto-estima, aumento de preconceitos e discriminações, temas para análises apuradas, pois dizem respeito ao direito de decidir e à maternidade voluntária, essências do exercício da cidadania. Benesses versus malefícios Embora os estudos sobre o genoma humano acenem com inúmeras hipóteses de coisas boas, tais como: diagnóstico mais preciso das doenças genéticas e talvez até a cura de algumas delas, cabe lembrar que as promessas de terapêuticas, armadilhas mais poderosas da mercantilização da genética, permanecerão décadas como promessas. A pesquisa sobre o genoma humano nos brindou também com ferramentas para o combate ao racismo, mas nos legou um conflito bioético de grande vulto, pois os kits de diagnósticos genéticos devassam nossa intimidade, já que os genes portam a nossa história de vida: falam do passado, informam o presente e podem anunciar muito do futuro, portanto devem ser considerados bens pessoais indisponíveis e a privacidade genética um direito fundamental a ser protegido. Não há perspectivas de leis/normas universais sobre genética, mas urge criar referenciais bioéticos universais que garantam a dignidade, a biossegurança e a vida humanas e possam enfrentar danos, discriminações e os riscos da erosão e da poluição biológicas. A gênese da abordagem do diagnóstico e do tratamento das doenças genéticas engloba aspectos conceituais, clínico-epidemiológicos e os impactos sociais e éticos individuais e populacionais. Estima-se em torno de 5% as doenças genuinamente genéticas, decorrentes de determinismo genético, que 5

6 independem da interação ambiental. É nesses 5% que as empresas apostam, porém há um imenso mercado para os testes genéticos probabilísticos (que apontam possibilidades, ainda que remotas, de vir a ter uma doença). Das 6000 doenças genéticas passíveis de diagnósticos, apenas mil têm seus genes localizadas. Há testes para cerca de 800 e tratamento para algumas. Disponibilizar o diagnóstico genético para doenças ainda incuráveis talvez seja fonte de angústia e represente diminuição de qualidade de vida para muitas pessoas e a eticidade é no mínimo questionável. Dado o caráter fatalístico da abordagem genética, cabe lembrar que falsos resultados não são incomuns, nem desprezíveis, e dependem de coleta adequada, qualidade da amostra, condições do equipamento utilizado para o exame, competência técnica e até da subjetividade de quem interpreta os resultados. Os seguros de saúde e de vida cobram preços exorbitantes e até excluem quem porta alguma doença/defeito genético. Teoricamente no Brasil não há regulamentação para testes genéticos. Na prática, os seguros de saúde têm garantido o direto a não cobrir os custos de tratamentos com doenças congênitas, a não ser dependentes nascidos na vigência do seguro. Os testes genéticos ampliam os horizontes de exclusão dos seguros de saúde e de vida e do mercado de trabalho, caso a sociedade não imponha freios às ameaças de abusos contra a privacidade genética. A opinião de alguns bioeticistas que as seguradoras têm o direito de saber que riscos correm, logo podem exigir testes genéticos, é em si a defesa do abuso de poder. Os seguros conceitualmente são contratos de risco. Eticamente cabe às seguradoras arcarem com o ônus e os bônus do negócio e não invadir nossa intimidade genética para maximizar os bônus. A dimensão ética da proibição da solicitação de testes genéticos diretos e indiretos (anemia falciforme, por exemplo) pelas companhias de seguros é mensurável pelo seu caráter de defesa da cidadania em plenitude. Não basta permitir que o mercado regule e só realize testagem genética com a autorização da pessoa, é preciso que sejamos guardiães do direito de saber e do de não saber. O direito de saber e o de não saber e o controle de qualidade dos testes O diagnóstico genético pré-natal objetivando descobrir doenças de gravidade variável e que as pessoas acometidas podem viver com boa qualidade de vida e dignidade, não é considerado ético e é proibido em muitos países. A anemia falciforme, uma anemia hereditária a doença genética mais comum da população negra e a doença genética de maior incidência na população brasileira é exemplar! O diagnóstico genético pré-natal de anemia falciforme é 6

7 polêmico, pois a medicina fetal não descobriu ainda como curar um embrião/feto falcêmico, logo a única prescrição com grau de resolutividade, ainda que conflituosa, seria a indicação do aborto. Mesmo nos países onde o aborto é legalizado, o dito aborto eugênico, terapêutico ou piedoso é palco de um debate acalorado. No Brasil, o Programa de Anemia Falciforme do Ministério da Saúde não oferece diagnóstico fetal para anemia falciforme, mas ele está disponível em serviços privados e acessível a quem se dispuser a pagar por ele. O diagnóstico genético pré-natal para detectar doenças sem cura, mas que não incapacitam para a vida com autonomia e dignidade e cujo desfecho provável é a indicação de abortamento, exige sérios debates no contexto das diferentes culturas. Em Cuba, o programa de anemia falciforme oferece o diagnóstico fetal e também o abortamento em caso de feto falcêmico, se a mãe ou o casal assim o desejarem. É consensual no movimento feminista e hegemônico no movimento bioético que a mulher deve ser apoiada pelo Estado quando deseja ou não ter uma prole, o que inclui a legalização do aborto, que por sua vez não significa a compulsoriedade de abortar, apenas possibilita à mulher fazê-lo sem apelar para a desobediência civil no exercício do direito de decidir sobre o próprio corpo. A defesa conseqüente do direito ao aborto conforme a necessidade, a consciência e a opção da mulher, independe do motivo pelo qual ela precisa interromper a gravidez; se opõe ao uso do aborto para controle ou melhoramento populacional e abomina a culpabilidade e a penalização de mulheres que pariram crianças tidas como defeituosas ou cargas sociais. Bioeticistas e bioeticólogo(a)s alertaram que no pós desvendamento do genoma humano o epicentro da luta pelos direitos humanos seria o direito ao próprio gene, que revitalizaria direitos correlatos e desnudaria como é obsceno que as patentes tenham primazia sobre o direito à atenção médica, ao remédio e à vida. Foram proféticos! Os genes humanos, podem, devem, ou não ser patenteados? O saber que o DNA é o elo de ligação entre os seres vivos tem sido banalizado. A vida reduzida a uma molécula de DNA manipulável é matéria-prima do setor sagrado da biotecnologia, a engenharia genética, e é idolatrada nos laboratórios/oratórios de biologia molecular, locus dos processos que a tornam mercadoria. Lembrando a justeza da intolerância bioética, é condenável a pregação de cientistas que o direito ao próprio gene e o genoma humano como patrimônio da humanidade estão no plano do simbólico. Querem nos convencer que a expressão material da vida é uma miragem! 7

8 A alegação espúria, pois carece de respaldo moral, de qualquer uma, de que é ética a propriedade intelectual de genes humanos está alicerçada na ideologia escravocrata e na megalomania de alguns deuses da ciência, pois ninguém inventa a vida! As patentes, desde o início (1883), são um contrato entre inventor(a) e a sociedade, baseado na simultaneidade de: invenção, novidade e interesse industrial. Descoberta não é invenção e não sendo a vida um invento, não pode ser objeto de patentes! O esforço descomunal visando burlar as regras do jogo patentário para nelas inserir as descobertas das biociências é o arraigado e histórico abuso de poder das classes dominantes, sob nova plumagem. Do cenário emerge uma verdade irrefutável: o conceito de classes dominantes não está superado e elas hoje lutam para definir quem comandará a sua revitalização, via biotecnologia. Não à toa, Clinton aliou-se a Tony Blair, anunciou que o genoma humano é patrimônio da humanidade (de qual humanidade?) e que as descobertas seriam de domínio público. Conseguiu conter a sede insaciável com que Craig Venter e o setor privado, indústria farmacêutica à frente, estavam indo ao pote de ouro do DNA humano. No que consistiu a negociata entre ciência pública e privada não sabemos. Especula-se que é parte dela a declaração de Clinton de que patentes para o genoma humano dependeriam do contexto! Na corrida rumo às patentes humanas, setores da comunidade científica, esquecem a função social da ciência e antigos compromissos éticos (Resoluções da I Conferência Sul-Norte do Genoma Humano, 1992), renegam a não mercantilização do DNA humano, mesmo admitindo que a possibilidade de patentes humanas provoca intranqüilidade. Enquanto alguns cientistas retiraram suas máscaras, os governos ainda mantém as suas (até quando?). A sociedade, que paga as corridas da big science, precisa entender que finalizado o Projeto Genoma Humano descobriremos quem somos, mas... para onde caminha a humanidade sob os signos das bios (tecnologia e ética)? * Publicado, em inglês e espanhol, em LOLA Press revista feminista internacional, nov abril 2001, número 14, p 8-15: El Proyecto Genoma Humano/Secretos y mentiras. The Human Genome Project - Secrets and lies. As Revoluções da Biologia 1ª Revolução: Teoria Celular, elaborada nos anos de 1838 e A célula foi descoberta em 1665 pelo físico inglês Robert Hooke ( ). Quase dois séculos depois o botânico alemão Mattias-Jakob Schleiden ( ) e o zoólogo prussiano Theodore Schwann ( ) elaboraram a Teoria Celular, respectivamente em 1838 e 1839, 8

9 que diz: Todos os seres vivos são constituídos por células. A célula é a unidade morfológica e funcional dos seres vivos e elas se agrupam para formar os tecidos, estes se reúnem para formar os órgãos. 2ª Revolução: Teoria da Evolução (TE) de Darwin/Wallace, elaborada em É uma das maiores revoluções intelectuais de todos os tempos, cujas repercussões extrapolam o campo das biociências, pois do ponto de vista científico reuniu evidências de que os seres vivos não são imutáveis, isto é evoluem, e no aspecto cultural separou definitivamente a ciência da religião. 3ª Revolução: a descoberta da estrutura da molécula de DNA (A dupla hélice), em 1953, pelo biólogo norteamericano James Dewey Watson (n. 1928), pelos físicos ingleses Francis Harry Compton Crick (n. 1916) e Maurice Huge Frederick Wilkins (n. 1916) e pela cristálografa inglesa Rosalind Franklin ( ). Watson e Crick conseguiram, através das fotografias obtidas por Rosalind que trabalhava no Laboratório dirigido por Maurice Wilkins, King's College, Londres, Inglaterra propor o modelo da estrutura do DNA, uma hélice dupla, que guarda e transmite o código de produção de proteínas (código genético). A engenharia genética ramo da biologia molecular que utiliza biotecnologias específicas para a recombinação genética é uma decorrência direta da descoberta da dupla hélice, portanto é considerada parte da 3 a. Revolução da Biologia. Os megaprojetos da genética humana Os três megaprojetos do Século XX (Manhattan, Apolo e Genoma Humano) contaram com a liderança dos EUA. O Projeto Manhattan, década de 1940, foi o esforço internacional dos EUA, Grã-Bretanha e Canadá, que resultou na bomba atômica e no genocídio de Hiroshima e Nagasaki (1945); o Projeto Apolo levou o 1º norteamericano à lua, julho de 1969, empreitada exclusiva dos EUA. Mas toda a humanidade pagou as faturas (econômicas, sanitárias e ecológicas) de tais aventuras. PROJETO GENOMA HUMANO (PGH). A idéia de desvendar o genoma humano foi tornada pública, como uma pretensão do governo dos EUA, em 1986, por Charles DeLisi (chefe da Agência de Pesquisa em Saúde e Meio Ambiente do DOE Departamento de Energia, responsável pela militarização do conhecimento tecnocientífico do governo norte-americano), com objetivos patrióticos de elevar a auto-estima norte-americana (que, segundo a imprensa, estava em baixa por causa da derrota na Guerra do Vietnã). Antes, era uma proposta isolada dos biólogos Robert Sinsheimer (diretor da Universidade da Califórnia, Santa Cruz) e Renato Dulbecco (Salk Institute de La Jolla, Califórnia; Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina, 1975). O PGH foi implantado em 1990, após acaloradas controvérsias e repúdio de célebres biólogos moleculares, como um projeto nacional dos EUA, desenvolvido pelo DOE (Departamento de Energia) em parceria com o INH (Institutos Nacionais de Saúde). Embora tenha sido proposto inicialmente por cientistas, deixou de ser um projeto da comunidade científica, pois pertence à cooperação internacional entre os sete países mais ricos do mundo (Grupo dos sete, G 7 : EUA, Alemanha, Japão, França, Itália, Grã-Bretanha e Canadá), com cerca de 16 laboratórios nos EUA, Japão e Europa, sob comando dos EUA. A discriminação dos países pobres foi transparente, pois mesmo aqueles que possuíam condições científicas e tecnológicas foram alijados do projeto. Para amainar as polêmicas e disputas, cedendo às pressões de vários países desenvolvidos, os EUA elaboraram um acordo que resultou na criação da HUGO Organização do Genoma Humano (1988), que realizou seu primeiro encontro na Suíça, ocasião em que 9

10 James Watson (co-descobridor da dupla hélice ), a estrela cotada para dirigir o projeto, exigiu que 3% do orçamento total fosse destinado às questões éticas. No que foi atendido. A HUGO, atualmente é apenas uma sociedade científica (e não uma instituição de pesquisa, logo não as realiza), mas originalmente era um Conselho Consultivo do PGH, composto por 42 pesquisadores de países ricos (EUA, Alemanha Ocidental, URSS, Japão, Canadá, Grã-Bretanha, Itália, França, Holanda, Suíça, Suécia, Austrália e Grécia), que depois agregou pontualmente pesquisadores de outros países. Ter cientistas na HUGO não é sinônimo de participação do país no PGH. O Brasil não participa do PGH, embora realize, dentre outras, Iniciativas Genômicas Humanas (câncer) e tenha demonstrado rara competência tecnocientífica ao mapear e seqüenciar o genoma da Xillela fastidiosa e possua cientistas notáveis. Isto é, não é suficiente notório saber para integrar o PGH... PROJETO DA DIVERSIDADE DO GENOMA HUMANO (PDGH) ou PROJETO DA DIVERSIDADE GENÔMICA HUMANA (PDGH). Se propõe a estudar amostragens representativas do genoma de populações ancestrais, para estabelecer a árvore genealógica humana; elaborar a história das migrações e definir com maior precisão a história da diferenciação do Homo sapiens, através do perfil genético de populações representativas dos cinco continentes. Esta caçada genética pretende remontar até a origem do Homo sapiens. Ao contrário do PGH, o PDGH não foi pensado como uma proposta governamental, mas de parte da comunidade científica (antropólogos e geneticistas), como uma contraposição de cientistas à forma de imperialismo cultural e econômico como o PGH fora implantado. O PDGH foi criado em maio de 1992, durante a I Conferência Sul-Norte do Genoma Humano, Caxambu, Minas Gerais, Brasil evento que contou com a presença de cerca de 200 cientistas de 22 países, cujas principais resoluções foram o PDGH e a posição contra as biopatentes humanas. Foi organizada pelo Programa Latino- Americano do Genoma Humano (PLAGH) associação de cientistas e proprietários de empresas de engenharia genética da América Latina), criado em 1990, visando assegurar o direito de aprender e garantir a liberdade do uso do conhecimento. Quando de sua fundação, o PLAGH foi uma resposta política da comunidade e instituições científicas latino-americanas à atitude colonialista dos países ricos na estruturação do PGH, pois eles excluíram governos e empresas de bioengenharia dos países pobres, inclusive do seu Conselho Consultivo (HUGO). A partir de 1993 acumulam-se as denúncias sobre infrações éticas cometidas por algumas equipes do PDGH, os chamados caçadores de genes. Está em curso uma grande e justa resistência das pessoas objetos desta caçada genética, sob o argumento de que o que move o interesse de cientistas ávidos por genomas é o desejo de imortalizar em um museu de genes os genomas de grupos populacionais ameaçados de extinção. Preserva-se peças genéticas históricas, ao mesmo tempo em que quase nada se faz para que as pessoas portadoras delas sobrevivam! O paradoxo é que não há melhor maneira de preservar peças genéticas do que lutar pela sobrevivência das pessoas que as contém. 10

DNA: Passado, Presente e Futuro

DNA: Passado, Presente e Futuro DNA: Passado, Presente e Futuro O passado O modelo do DNA que hoje nos é tão familiar foi divulgado em abril de 1953 na revista científica Nature pelos cientistas James Watson e Francis Crick. Eles afirmaram

Leia mais

Projeto Genoma Humano. Autores: Kelly Cristina Guedes, Andreia da Silva e Antonia M de Oliveira.

Projeto Genoma Humano. Autores: Kelly Cristina Guedes, Andreia da Silva e Antonia M de Oliveira. Projeto Genoma Humano Autores: Kelly Cristina Guedes, Andreia da Silva e Antonia M de Oliveira. Instituição: Faculdade Alfredo Nasser Email: kellyguedes@hotmail.com.br Palavra chave ( projeto genoma humano,

Leia mais

Nova genética desestabiliza idéia de raça e coloca dilemas políticos

Nova genética desestabiliza idéia de raça e coloca dilemas políticos Nova genética desestabiliza idéia de raça e coloca dilemas políticos Por Carol Cantarino No final de 2005, o site Edge perguntou a 100 cientistas e filósofos do mundo todo: Qual a idéia mais perigosa presente

Leia mais

Projeto Genoma Humano

Projeto Genoma Humano Projeto Genoma Humano As primeiras discussões sobre o Projeto Genoma Humano (PGH) remontam à década de 1980 quando o Departamento de Energia dos EUA promoveu um workshop para avaliar os métodos disponíveis

Leia mais

Redações vencedoras I Concurso de Redação

Redações vencedoras I Concurso de Redação Redações vencedoras I Concurso de Redação 1 Lugar Aluno: Julia Stefani Moraes Professora: Regina M. Macedo de Melo Castro Informação: A melhor maneira de combater o câncer Penso que falar sobre este assunto

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin

das espécies Chegamos à aula 50! Durante as aulas do Os trabalhos de Charles Darwin A evolução das espécies A UU L AL A Chegamos à aula! Durante as aulas do telecurso, você viu vários temas relacionados com a Biologia: genética, botânica, zoologia, fisiologia, ecologia entre outros. Finalizaremos

Leia mais

Rede de cientistas cria "guia" do DNA

Rede de cientistas cria guia do DNA Rede de cientistas cria "guia" do DNA Pacotão de estudos faz a análise mais completa do DNA Na maior série de descobertas sobre o DNA humano desde a realização do projeto genoma humano em 2003, 442 cientistas

Leia mais

Entrevista sobre a realidade da Genética com doutor Salmo Raskin

Entrevista sobre a realidade da Genética com doutor Salmo Raskin Entrevista sobre a realidade da Genética com doutor Salmo Raskin É especialista em Genética Clínica pela Sociedade Brasileira de Genética Clínica e em Genética Médica Molecular (DNA) pela Universidade

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

Linus Pauling e as Regras de Pauling

Linus Pauling e as Regras de Pauling Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

James Watson, Francis Crick e o DNA

James Watson, Francis Crick e o DNA Pércio Augusto Mardini Farias Este documento tem nível de compartilhamento de acordo com a licença 2.5 do Creative Commons. http://creativecommons.org.br http://creativecommons.org/licenses/by/2.5/br/

Leia mais

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense A personalidade só começa quando o sujeito tem consciência de si, não como de um eu simplesmente

Leia mais

Bioética e Direitos Humanos

Bioética e Direitos Humanos FONTE: Revista Brasileira de Bioética, V.1 Nº 3, 2005, 241 247. http://www.sbbioetica.org.br Bioética e Direitos Humanos Pierre Sane Gostaria de discutir como os Direitos Humanos se relacionam ou como

Leia mais

Carta para Gregor Mendel Vivian Lavander Mendonça e Sônia Lopes (agosto 2002)

Carta para Gregor Mendel Vivian Lavander Mendonça e Sônia Lopes (agosto 2002) Carta para Gregor Mendel Vivian Lavander Mendonça e Sônia Lopes (agosto 2002) 1 TEMA História da Genética OBJETIVOS Realizando esta atividade o estudante poderá estabelecer relações entre as idéias pioneiras

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

Tudo começou em África

Tudo começou em África Tudo começou em África (Expresso: 25-04-1998) Análises do D A confirmam a origem africana da espécie humana, uma ideia já defendida no século passado por Charles Darwin e Thomas Henry. A nossa árvore genealógica

Leia mais

O processo fisiológico que está representado no gráfico é

O processo fisiológico que está representado no gráfico é Questão 01) Analise o gráfico a seguir. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014. O processo fisiológico que está representado no gráfico é a) o efeito do aumento

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE Existem mentes privilegiadas, capazes de inventar produtos ou processos que em muito têm contribuído para o progresso da humanidade. Falamos, por exemplo de um medicamento,

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br. Tema: Projeto Genoma e. IRC-Espiritismo. Palestrante: Mauro Bueno

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br. Tema: Projeto Genoma e. IRC-Espiritismo. Palestrante: Mauro Bueno Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Projeto Genoma e Espiritismo Palestrante: Mauro Bueno Rio de Janeiro 24/08/2001 Organizadores da Palestra: Moderador: "Deise" (nick:

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

Disciplina Genética Mendeliana

Disciplina Genética Mendeliana Disciplina Genética Mendeliana Semestre 2008.1 Coordenação: Prof a Neide Santos e-mail: santos_neide@yahoo.com.br Prof a Dr a Ana Maria Benko- Iseppon Laboratório de Genética e Biotecnologia Vegetal Universidade

Leia mais

Projeto Genoma e Proteoma

Projeto Genoma e Proteoma Projeto Genoma e Proteoma Grupo 3: *Artur S. Nascimento *Bárbara S. Costa *Beatrice Barbosa *Tamyres S. E. Guimarães *Yara Cavalcante O que é genoma? O genoma é o conjunto de todo o material genético que

Leia mais

GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dra. Luciana Maria de Hollanda

GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dra. Luciana Maria de Hollanda GENÉTICA E BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dra. Luciana Maria de Hollanda Quem é vc Professora? A primeira dúvida que surge Quando a gente inicia um semestre é Eu sou o que sou! Sou o capitão da minha alma e

Leia mais

Guia do Professor para Exercícios de Clustering

Guia do Professor para Exercícios de Clustering Guia do Professor para Exercícios de Clustering Anastasios Koutsos Alexandra Manaia Julia Willingale-Theune Versão 2.3 Versão Portuguesa ELLS European Learning Laboratory for the Life Sciences Anastasios

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 9º Turma: Data: / /2012 Nota: Professor(a): Edvaldo Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1)

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

Veja as descobertas científicas mais importantes da década

Veja as descobertas científicas mais importantes da década (UOL Ciência & Saúde) Veja as descobertas científicas mais importantes da década Entre outros acontecimentos científicos marcantes, a década contou com o sequenciamento do genoma humano, de importância

Leia mais

O advento das tecnologias da era pósindustrial

O advento das tecnologias da era pósindustrial 3.2 AS CRISES DO CENÁRIO O advento das tecnologias da era pósindustrial As tecnologias que ordenaram a era industrial foram ultrapassadas pelas novas tecnologias surgidas a partir do século XX, especialmente

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: Biologia TURMAS : A/B/C ANO: 12º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS

Leia mais

Gênero e pobreza: uma agenda em debate Hildete Pereira

Gênero e pobreza: uma agenda em debate Hildete Pereira SÓLO PARA PARTICIPANTES Comisión Económica para América Latina y el Caribe CEPAL Proyecto gobernabilidad democrática e igualdad de género en América Latina y el Caribe Reunión de Expertos Políticas y programas

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12ºAno Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

Patentes Biológicas. por Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 INTRODUÇÃO

Patentes Biológicas. por Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 INTRODUÇÃO Patentes Biológicas por Carmen Rachel Scavazzini Marcondes Faria 1 INTRODUÇÃO A última década do século XX destacou-se por avanços extraordinários no campo das ciências da vida, sobretudo nas áreas da

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

EDITORIAL O pensamento científico e os valores humanos

EDITORIAL O pensamento científico e os valores humanos EDITORIAL O pensamento científico e os valores humanos José Geraldo de Freitas Drumond O século XX - considerado o século da tecnologia - parecia ter escolhido como ícone de sua era a descoberta do processo

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 Prova de Biologia Prova 302 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram

Leia mais

ÉTICA - TESTES GENÉTICOS

ÉTICA - TESTES GENÉTICOS Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Disciplina de Ética e Deontologia Médica ÉTICA - TESTES GENÉTICOS Prof. Dr. Miguel Oliveira da Silva Discentes: Inês Casal nº3995, João Almeida nº4023, Sara

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial

Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.ª LAURA AYRES Matriz do exame de Biologia - módulos 1,2,3 (12ºano)

Leia mais

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1

Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias. Rubens Onofre Nodari 1 Pertinência da Ciência Precaucionária na identificação dos riscos associados aos produtos das novas tecnologias Rubens Onofre Nodari 1 O princípio da precaução foi formulado pelos gregos e significa ter

Leia mais

SérieAnis. Texto para Discussão n. 04 GENOMA HUMANO: SEGREDO E SENTIDO. Debora Diniz & Patrícia Álvares

SérieAnis. Texto para Discussão n. 04 GENOMA HUMANO: SEGREDO E SENTIDO. Debora Diniz & Patrícia Álvares SérieAnis Texto para Discussão n. 04 GENOMA HUMANO: SEGREDO E SENTIDO Debora Diniz & Patrícia Álvares Brasília, Junho de 2000 Anis: Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero ANIS é a única organização

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética da UnB por solicitação da Sociedade Brasileira de Bioética SBB Tradução: Mauro Machado

Leia mais

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATOR: RUI NUNES 1 PREÂMBULO Poucas questões têm despertado tanta controvérsia como a natureza e a atribuição

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA Antônio Alberto Machado, professor livre docente da Unesp/Franca-SP As técnicas de investigação e de prova criminal experimentaram uma verdadeira revolução com o desenvolvimento

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

A Estrutura da molécula de DNA. Identificação dos ácidos nucléicos e da molécula certa inaugura a genética molecular

A Estrutura da molécula de DNA. Identificação dos ácidos nucléicos e da molécula certa inaugura a genética molecular Page 1 of 5 A Estrutura da molécula de DNA Identificação dos ácidos nucléicos e da molécula certa inaugura a genética molecular Em 1869, o bioquímico suíço Friedtich Mieschner aventou pela primeira vez

Leia mais

Emprego feminino no Brasil:

Emprego feminino no Brasil: S E R I E políticas sociales 60 Emprego feminino no Brasil: mudanças institucionais e novas inserçoes no mercado de trabalho Volumen I Lena Lavinas Francisco León Coordinadores División de Desarrollo Social

Leia mais

POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA

POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA PROMOÇÃO DA EQUIDADE EM SAÚDE DA POPULAÇÃO NEGRA OBJETIVO GERAL PROMOVER A SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO NEGRA,PRIORIZANDO A REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA Gabinete da Rei CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA Gabinete da Rei CONSELHO UNIVERSITÁRIO Processo/Assunto: 23422.000892/2014-97/NORMAS PARA ALOCAÇÃO DE VAGAS DOCENTES NAS UNIDADES ACADÊMICAS DA UNILA. Conselheiro: Fábio Borges 1. FUNDAMENTOS DO PEDIDO (razão do pedido): No parecer da relatora

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

Biologia é a ciência que estuda os seres vivos (do grego - bios =vidae - logos = estudo, ou seja o estudo da vida). Debruça-se sobre o funcionamento

Biologia é a ciência que estuda os seres vivos (do grego - bios =vidae - logos = estudo, ou seja o estudo da vida). Debruça-se sobre o funcionamento 1 Biologia é a ciência que estuda os seres vivos (do grego - bios =vidae - logos = estudo, ou seja o estudo da vida). Debruça-se sobre o funcionamento dinâmico dos organismos desde uma escala molecular

Leia mais

E CIDADANIA, UMA VISÃO SOBRE A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA

E CIDADANIA, UMA VISÃO SOBRE A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA E CIDADANIA, UMA VISÃO SOBRE A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA Quando se aborda a ética é importante mencionarmos sua gênese. Ética provém do grego ethhos (hábitos). Assinala costumes, comportamentos e regras produzidas

Leia mais

OS HUMANOS TAMBÉM SÃO SENCIENTES 1 Por Peter Singer 2

OS HUMANOS TAMBÉM SÃO SENCIENTES 1 Por Peter Singer 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE DIREITO OS HUMANOS TAMBÉM SÃO SENCIENTES 1 Por Peter Singer 2 O debate sobre as experiências com animais parece estar indo em direção a incompreensão mútua e

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS

CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS CONSTRUINDO CASTELOS SOBRE ORVALHO, BRINCAM CRIANÇAS E POETAS Irmgard Birmoser de Matos Ferreira 1 Apresento aqui algumas reflexões sobre aspectos presentes na experiência do brincar que me parecem merecer

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

ECOLOGIA GERAL A NATUREZA SEMPRE ESTEVE EM PERFEITO EQUILÍBRIO, TUDO O QUE VEM ACONTECENDO EM NOSSO PLANETA É FRUTO DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA.

ECOLOGIA GERAL A NATUREZA SEMPRE ESTEVE EM PERFEITO EQUILÍBRIO, TUDO O QUE VEM ACONTECENDO EM NOSSO PLANETA É FRUTO DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA. ECOLOGIA GERAL Aula 01 Primeiro manifesto (tenham sempre isso em mente) A NATUREZA SEMPRE ESTEVE EM PERFEITO EQUILÍBRIO, TUDO O QUE VEM ACONTECENDO EM NOSSO PLANETA É FRUTO DA INTERVENÇÃO ANTRÓPICA. APRESENTAÇÃO

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Exposição de motivos O isolamento de

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

Sociedade do Amanhã. O amanhã é uma questão de escolha: faça o seu Não existe má sorte, existem más escolhas. Lições para o Futuro

Sociedade do Amanhã. O amanhã é uma questão de escolha: faça o seu Não existe má sorte, existem más escolhas. Lições para o Futuro Sociedade do Amanhã Lições para o Futuro www.celso-foelkel.com.br O amanhã é uma questão de escolha: faça o seu Não existe má sorte, existem más escolhas Olhando cenários alternativos, nosso futuro pode

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Os estudos sobre genética de populações humanas têm sido realizados

Os estudos sobre genética de populações humanas têm sido realizados LIVROS & REDES Raça e nacionalidade na biomedicina mexicana Race and nationality in Mexican biomedicine Vanderlei Sebastião de Souza Professor do Departamento de História/Universidade Estadual do Centro-Oeste.

Leia mais

Anemia Falciforme: Passado e Presente. O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre alguns aspectos históricos da

Anemia Falciforme: Passado e Presente. O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre alguns aspectos históricos da Anemia Falciforme: Passado e Presente Luciana Macedo (Mestranda do PPHCS/COC/Fiocruz) Marcos Chor Maio (Pesquisador e Professor do PPHCS/COC/Fiocruz) O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre

Leia mais

GENÉTICA VII APLICAÇÕES DO CONHECIMENTO GENÉTICO

GENÉTICA VII APLICAÇÕES DO CONHECIMENTO GENÉTICO GENÉTICA VII APLICAÇÕES DO CONHECIMENTO GENÉTICO Prof. Jose Amaral/2012/2013 Metabolismo de controle O metabolismo é controlado pelos ácidos nucléicos, compostos que coordenam uma série de reações em que

Leia mais

03. Em fevereiro deste ano, um grupo de pesquisadores divulgou ao mundo a ovelha Dolly, obtido por meio da técnica de clonagem.

03. Em fevereiro deste ano, um grupo de pesquisadores divulgou ao mundo a ovelha Dolly, obtido por meio da técnica de clonagem. 01. Clones são seres vivos obtidos pelo desenvolvimento de células retiradas de indivíduos já existentes. A clonagem é um processo que vem sendo desenvolvido rapidamente com vários organismos e, em humanos,

Leia mais

GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO E CONTROLE DE INSUMOS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS

GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO E CONTROLE DE INSUMOS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO E CONTROLE DE INSUMOS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS Marcelo Vogler Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Farmacêutico Industrial GGIMP Competências Principais - Conceder

Leia mais

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA

A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA A DESCOBERTA DA CÉLULA VIVA O mundo microscópico A quase 400 anos... No início, o instrumento era considerado um brinquedo, que possibilitava a observação de pequenos objetos. Zacharias Jansen e um microscópio

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

A Ciência, o Poder e e os os Riscos

A Ciência, o Poder e e os os Riscos A Ciência, o Poder e e os os Riscos Diana Sofia Nº 12 11ºC - 2006/07 Prof. Idália Carrasqueiras Sabemos muita coisa (Vídeo com informação científica) Chegámos muito longe (Vídeo com os momentos da chegada

Leia mais

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750

John Locke (1632-1704) Colégio Anglo de Sete Lagoas - Professor: Ronaldo - (31) 2106-1750 John Locke (1632-1704) Biografia Estudou na Westminster School; Na Universidade de Oxford obteve o diploma de médico; Entre 1675 e 1679 esteve na França onde estudou Descartes (1596-1650); Na Holanda escreveu

Leia mais

8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas

8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas 8 DE MARÇO Uma história de lutas e conquistas A proposta de criar uma data internacional para celebrar as lutas e as conquistas das mulheres foi apresentada por Clara Zetkin, em 1910, na 2ª Conferência

Leia mais

Epigenética e Memória Celular

Epigenética e Memória Celular Epigenética e Memória Celular Por Marcelo Fantappié Fonte www.revistacarbono.com A epigenética é definida como modificações do genoma que são herdadas pelas próximas gerações, mas que não alteram a sequência

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna).

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna). Ancestralidade Materna A atual população dos países latino-americanos foi gerada por um complexo processo de mistura genética entre ameríndios, europeus e africanos. As porcentagens relativas destas três

Leia mais

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA Hereditariedade Definição: É a transferência de informações sobre as características próprias de um ser vivo para outro, de geração para geração, por meio dos gametas ou por transferência direta deácidos

Leia mais