Slow Attending 1 : A Arte de Formar Intimidade Stanley Keleman Outubro de 2010 (Tradução de Slow Attending: The Art of Forming Intimacy)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Slow Attending 1 : A Arte de Formar Intimidade Stanley Keleman Outubro de 2010 (Tradução de Slow Attending: The Art of Forming Intimacy)"

Transcrição

1 1 Slow Attending 1 : A Arte de Formar Intimidade Stanley Keleman Outubro de 2010 (Tradução de Slow Attending: The Art of Forming Intimacy) Neste artigo, apresento o argumento de que o organismo humano é atraído para o futuro sendo, portanto, um sistema antecipatório, e que o ato de attending é uma atividade motora, tanto voluntária como involuntária. A atividade motora gera sensações e constitui a base da atitude de estar ciente. Realizado em um estilo cadenciado lento e deliberado, o esforço muscular voluntário não só gera sensações, mas também amplia o campo de conexões sinápticas. O esforço voluntário antecipa respostas sensoriais e motoras. Necessidades, desejos, emoções e atos cognitivos são atos motores que têm uma intenção específica e uma antecipação por conexão, pois fazem parte de um sistema onde são recebidos e respondidos. O esforço cortical muscular voluntário dá sustentação a esta conexão antecipatória e também influencia a sua intenção. A intensidade e a duração são essenciais para diferenciar um ato e sua intenção. Na minha abordagem Formativa, a resposta rápida e a lenta estão em interação. Argumento que a rede de células da glia, especialmente os astrócitos, interage com o sistema neuronal e estabelece também uma função regulatória, pois tanto regula o metabolismo como conduz a informação. Enquanto o sistema neuronal é um sistema de resposta rápida de intenções antecipadas focais e memória instantânea, o sistema glial é uma organização de resposta mais lenta que apoia o esforço muscular voluntário e regula o padrão excitatório neuronal através de suas camadas de mielina, ajudando a criar uma memória de longo prazo. Esses dois padrões, o rápido e o lento, desenvolvem o córtex e os nossos padrões herdados e sociais de comportamento e experiência. O estilo deliberado mensurado e lento é um aspecto importante do Processo Formativo porque ele não só altera as respostas neuronais e dá suporte ao esforço voluntário, mas também gera um campo mais abrangente de conexões, diferenciação e memórias de longo termo. Atos motores lentos influenciam o comportamento herdado e reorganizam aspectos deste comportamento para formar uma entidade pessoal motora autoformadora e autorreguladora, que se torna a nossa identidade e constitui a base de um conhecimento formativo somático que gera satisfação e uma vida mais gentil. 1 Attending: Atitude de atenção ou postura cognitiva e emocional de estar voltado para algo, de atender a alguém ou atentar para alguma coisa.

2 2 Palavras chaves Formativo, Attending, Antecipatório, Cons(Ciência), atos motores, esforço voluntário, atos lentos, redes de células gliais. O Esforço Muscular Voluntário Lento da Atitude de Attending Gera a Percepção da Experiência de Sentir-se Vivo A PRONTIDÃO DO CORPO PARA AGIR, OU A INIBIÇÃO DE UMA ORGANIZAÇÃO PARA AGIR, É UMA ORGANIZAÇÃO NEUROMUSCULAR QUE ENVIA UM FEEDBACK SOBRE SUA PRONTIDÃO DE AGIR. ESTE FEEDBACK É A CIÊNCIA DA VIVACIDADE DO ATO DE ATTENDING. ISSO É VERDADE COM RELAÇÃO A UM ATO QUE É IMPEDIDO DE SER CONCLUÍDO OU ESPERA SER CONCLUÍDO. ESSE ESTADO DE PRONTIDÃO PARA AGIR GERA EXCITAÇÃO, SENSAÇÕES TÁTEIS CINÉSTÉSICAS E A PERCEPÇÃO CORTICAL DA INTENÇÃO NO CAMPO DE EXPERIÊNCIA DO ORGANISMO. NESTE ARTIGO, DISCUTO COMO O ESTADO DE PRONTIDÃO DE ATTENDING É UM ATO MOTOR QUE GERA DIFERENTES GRAUS DE EXCITAÇÃO. SE O ATO MOTOR NÃO FOR CONCLUÍDO, SE FOR MANTIDO NA SUA ORGANIZAÇÃO INIBITÓRIA, AS SENSAÇÕES DE SUA INTENÇÃO SÃO PERPETUADAS COMO UM ESTADO DE CONS/CIÊNCIA ORGANÍSMICA. EM OUTRAS PALAVRAS, A CONS/CIÊNCIA RESULTA DA INIBIÇÃO OU SUSPENSÃO DE UMA AÇÃO QUE ESTÁ SENDO FORMADA OU ESTÁ PRONTA PARA SER REALIZADA. O PROCESSO PULSÁTIL INVOLUNTÁRIO HERDADO E INATO DE EXPANSÃO E RECOLHIMENTO É UMA ATIVIDADE MOTORA PRIMÁRIA QUE GERA E SUSTENTA A BUSCA OU EVITAÇÃO EXCITATÓRIAS DO PRAZER OU PERIGO ANTECIPADOS. O ESFORÇO MUSCULAR VOLUNTÁRIO INFLUENCIA ESTE PADRÃO MUSCULAR DE ANTECIPAÇÃO E A PERCEPÇÃO CONCOMITANTE DE MUITA OU POUCA ATIVIDADE EXCITATÓRIA. O ESFORÇO CORTICAL E MOTOR E UMA SEQUÊNCIA ANATÔMICA CONTÍNUA DE ESTRUTURAS MÓTEIS-POROSAS E RÍGIDAS-DENSAS E SEUS PADRÕES EXCITATÓRIOS. A DINÂMICA DO ESFORÇO MUSCULAR VOLUNTÁRIO REFORÇA A INTENÇÃO DE UM COMPORTAMENTO AO INFLUENCIAR SUA ORGANIZAÇÃO ANATÔMICA, A QUAL SE TORNA A BASE DO ESTILO PESSOAL DO INDIVÍDUO DE PERCEBER-SE CORPORALMENTE PRESENTE NO MUNDO. ESSA DINÂMICA É A BASE DA INTIMIDADE PESSOAL E INTERPESSOAL, INFLUENCIAVEL PELO ESFORÇO MUSCULAR VOLUNTÁRIO. ESTE ARTIGO ABORDA O PROCESSO DE ESTILO CADENCIADO DO ESFORÇO MUSCULAR VOLUNTÁRIO QUE TRANSFORMA EM EXPERIÊNCIA A EXCITAÇÃO ENTRE O CORPO E SEU CÓRTEX E O MUNDO AO REDOR E FORNECE UM MEIO DE INFLUENCIAR ESSAS ESTRUTURAS.

3 3 O esforço muscular voluntário inicia uma organização de preparação para agir que gera uma excitação gradual: de uma percepção mínima a um interesse maior, até um intenso estado de alerta. Atentar para é um esforço cortical e muscular que faz surgir a ciência da atitude de atentar para. A intensificação do comportamento motor aumenta a percepção, ou o estado de atenção, experimentado como um estado de prontidão ou de alarme. Quando se prepara para alcançar algo, o organismo gera uma excitação, uma percepção de seu esforço e intenção. O esforço de attending é um padrão motor que estimula a atividade cortical ao aumentar a excitação. Pense em dois axônios como excitação concentrada estendendo-se e tentando alcançar um ao outro para formar uma conexão. O padrão do organismo de busca de contato é um esforço focal sustentado para atingir o que é esperado. Um bebê busca um mamilo que ele espera encontrar, o qual também desperta para ser recebido esperando uma conexão; mãe e bebê pertencem a um sistema de conexões esperadas. O padrão motor de busca de contato demanda uma constante participação muscular e uma excitação, que é um ato estendido de antecipação por conexão. Buscar uma conexão altera a anatomia e a experiência excitatória de fazer uma conexão. É assim que a atividade motora organísmica de uma conexão esperada e uma excitação formam uma gestalt. Nesta expansão para se conectar existe também a antecipação de ser recebido, como dois adultos mutualmente atraídos que simultaneamente buscam um ao outro e recebem a excitação um do outro. O processo pulsátil do corpo de expansão e recolhimento (recebimento ativo) é a organização de formar uma conexão. Assim como o corpo busca seu córtex esperando ser recebido, o córtex busca o corpo esperando ser recebido. Este é um processo pulsátil; ambos expandem na direção do outro e recebem a busca do outro, criando conexões motoras com memórias e associações sensoriais. A conexão boca-mamilo é uma analogia de como a excitação do corpo se expande antecipando a conexão a receptores excitatórios no córtex e como o músculo antecipa a mensagem de expansão do córtex. Os esforços corticais e musculares voluntários exercem um papel ao alterar a anatomia da conexão e sua intenção. Este processo organiza o ato de attending e cria as qualidades da atenção, a cons/ciência da vivacidade. O ato de estar atento ou ciente está enraizado nas respostas excitatórias e esforços motores corticais musculares voluntários e involuntários do organismo. A alteração do padrão muscular da anatomia de uma rigidez muscular mínima para uma espasticidade

4 4 cada vez mais intensa gera um feedback de percepção que pode ser categorizado como uma calma confortável em um caso ou um estado de alarme em outro. Este comportamento pode ser tanto involuntário como voluntário. A percepção se desenvolve a partir de respostas elétricas rápidas e intensas dos músculos liso e estriado e dos esforços motores expansivos menores e mais lentos do corpo. A organização mais lenta do gerenciamento motor distinto forma conexões abrangentes que ajudam a organizar interações sociais, sustentam objetivos evolucionários e metabólicos de longo prazo e estabilizam novas memórias. Em nossa sociedade atual somos incentivados a ter respostas musculares e neurais rápidas, tipo elétricas. Este padrão incentivado está estreitamente associado ao sofrimento. A atitude neural muscular deliberada mais lenta de attending está enraizada nas organizações musculares da observação, investigação ou curiosidade e é acompanhada por um padrão pulsátil lento de várias intensidades de attending e de atenção que dá suporte a momentos somáticos de autointimidade entre o córtex e seu corpo e entre o organismo e outros corpos. O uso do esforço muscular voluntário para influenciar a postura motora de attending dá duração ao desenvolvimento da organização muscular diferenciada, que é acompanhada por camadas de excitação e uma percepção relacionada. Organizar de forma voluntária o comportamento muscular específico da atitude de attending, tal como inspecionar, manter à vista, ou se concentrar em um som, influencia como o organismo altera ou diferencia a intenção de seu comportamento e vivência, desenvolvendo, portanto, novas possibilidades de estar mais ou menos íntimo de si mesmo ou de outros. O esforço muscular voluntário é importante para desenvolver padrões motores pessoais e sociais de attending e as experiências resultantes do padrão pulsátil de se relacionar com múltiplas camadas. O autogerenciamento voluntário forma algo diferente do que já existe. O esforço cortical muscular voluntário modifica a intensidade muscular aprendida ou involuntária da atitude reflexa de attending e reorganiza a intenção deste reflexo ao criar novas conexões excitatórias e uma cons/ciência da vivacidade que as acompanham. O esforço cortical muscular voluntário personaliza, portanto, um padrão e uma memória do ato de estar ciente. Na medida em que o organismo aplica o esforço muscular voluntário para alterar seu comportamento cortical muscular e sua intenção original e as consequências resultantes, o organismo também desenvolve uma percepção formativa.

5 5 O padrão formativo do organismo é uma experiência cortical muscular constante e particular de desenvolver formas neurais musculares e sentimentos diferenciados, que mudam as experiências de estarmos corporalmente no mundo. O esforço muscular voluntário dá origem a sensações, imagens e pensamentos daquilo que está se formando e de como este formar é influenciado. Os esforços da atitude cortical muscular voluntária de attending influenciam o tronco cerebral e o sistema límbico emocional, assim como o sistema neural glial. A neuróglia ajuda a regular as correntes excitatórias elétricas do sistema neuronal ao envolver os axônios neurais para formar bainhas de mielina no sistema nervoso central. Este sistema glial ajuda a tornar o esforço voluntário mais eficiente. Com micromovimentos corticais musculares voluntários lentos, o organismo intensifica sua experiência tátil e cinestésica e organiza uma pulsação eletroquímica de excitação mais profunda e abrangente, que juntamente com suas radiações concomitantes influenciam o comportamento e suas emoções e pensamentos. A prática voluntária de uma reorganização mais lenta dos padrões reflexos da prontidão para agir desenvolve um padrão cortical muscular singular do formar de uma presença corporal pessoal e uma ciência de ser no mundo. A forma muscular de estarmos atentos influencia como vivenciamos um estilo específico de estarmos no mundo. Quando reconhecemos nossa organização somática, e a experimentamos de forma cinestésica e cortical, experimentamos a porosidade, a rigidez ou a densidade de como abordamos ou respondemos quando somos abordados, com uma timidez porosa, ou uma receptividade maleável porosa, com uma empatia ou cautela rígida, ou com uma investigação assertiva. O uso do esforço muscular voluntário desperta o córtex e a nós mesmos do âmbito de certeza do tronco cerebral. O esforço voluntário também organiza um conhecimento pessoal, uma ciência da organização da intenção do organismo alterada comportamentalmente e de suas possibilidades. O esforço cortical muscular voluntário desenvolve a sensibilidade motora relativa a quando e como moderar o modo do organismo acessar ou evitar receber o que está presente. O trabalho formativo diferencia e reorganiza a estrutura anatômica, suas intenções comportamentais cognitivas e emocionais, e também altera sua percepção. Neste diálogo formativo do esforço cortical muscular voluntário, o organismo desenvolve uma vivacidade interior pessoal durante toda a vida.

6 6 O esforço muscular voluntário conecta o organismo a seus atos musculares do passado, do presente e os possíveis atos do futuro, tais como a cautela, a reserva ou o otimismo que ampliam a variedade de atos possíveis. Na medida em que o comportamento cortical muscular voluntário desenvolve um padrão cortical muscular pessoal de attending e suas diferentes fases de vivacidade e atenção de se estar corporalmente engajado em como se está formando e experienciando suas expressões, também se desenvolve uma orientação formativa de estar no mundo. Conforme os adultos desenvolvem habilidades autoformadoras somáticas voluntárias, eles afetam as mudanças cognitivas, emocionais, motoras e anatômicas imediatas e de longo prazo, que resultam em um auto-empoderamento enriquecido de estar no mundo corporalmente e ter uma rica biblioteca de memórias e experiências motoras, emocionais e cognitivas. Chamo esta biblioteca de self pessoal, mas outros a chamam de subjetividade. O Córtex Formativo é um Córtex Mais Lento Os seres humanos começam a moldar o seu corpo e cérebro no início da vida ao diferenciar e reorganizar padrões fixos de ação. Este processo continua durante toda a vida. A plasticidade do córtex é projetada para gerenciar situações imprevisíveis e até mesmo criar comportamentos. Para fazer isso, o córtex tem que reconhecer a atual situação comportamental de seu organismo e ser capaz de reorganizar e ajudar a fornar memórias motoras no presente. Este processo voluntário inicia planos motores para situações futuras antecipadas. Um córtex assim não é geneticamente determinado; ele evoluiu com o tempo para responder às situações ambientais individuais singulares do próprio corpo em transformação para formar em seu self uma forma anatômica pessoal da atitude de atender e de atenção.

7 7 O Cérebro Lento Coexistindo com o cérebro neuronal existe uma rede mais antiga que não se comunica entre si ou com ou neurônios por meio de sinapses, mas através de células gliais. Estes diferentes tipos de células gliais influenciam sinapses no cérebro e no corpo, assim como nos neurônios e axônios, ao modular ritmos, amplitudes, frequências excitatórias e sequências temporais de excitação. As células gliais fazem parte de um sistema de comunicação que realiza importantes funções no gerenciamento de neurotransmissores, reconstituiçao de neurônios e na mielinizaçao para dar suporte ao esforço muscular voluntário, assim como no monitoramento de padrões de excitação neuronal ao responder à informação da célula nervosa para influenciar a intenção do padrão de comando, deste modo influenciando, remodelando e desenvolvendo sinapses. Este processo de formação de mielina promove o esforço muscular voluntário, dá suporte ao crescimento da comunicação no córtex, ao aprendizado e à formação de memórias. As células gliais mais lentas que envolvem a mielina não só dão suporte ao esforço voluntário, mas a mielina também regula a transmissão de excitações neurais. As células gliais se comunicam através de um processo químico mais lento, este processamento mais lento ajuda a organizar um campo mais abrangente de conexões sinápticas que dão suporte ao crescimento muscular cortical e suas memórias, o que leva ao desenvolvimento de uma pessoalidade anatômica pessoal, uma entidade voluntária autorreguladora. Na organização do organismo de um comportamento e de seu attending, o cérebro neural elétrico e seu cérebro não-elétrico, associado às células gliais e suas substâncias químicas neurotransmissoras que regulam padrões de descarga neuronais, impedem a perda excitatória para facilitar uma maior eficiência do esforço voluntário e de suas intenções. O esforço cortical e muscular voluntário cadenciado deliberado lento faz uso de atos musculares macro e micro para mobilizar respostas não-lineares. Atos musculares voluntários cadenciados lentos influenciam as frequências excitatórias neuronais, dando suporte deste modo aos diferenciados atos motores do córtex e suas sinapses remodeladas. As células gliais exercem influência através de seus sinais químicos de organização mais lenta, porém mais direta, que ajudam a estabilizar novas conexões e memórias. Ao envolverem os axônios neuronais, as células gliais formam a mielina que ajuda a garantir conexões neurais mais eficientes. Isso oferece uma pista de por que o attending muscular voluntário lento é importante para criar zonas íntimas e maleáveis de

8 8 aprendizado e para formar uma dimensão somática íntima e uma percepção formativa cortical. A prática muscular voluntária aumenta a formação de mielina glial, tornando mais efetiva a transmissão elétrica de longa distância do neurônio. Ela também regula a velocidade de impulso e disponibiliza a ATP para a produção de proteína para o crescimento do axônio durante os estágios de desenvolvimento, que vão das organizações móteis intensas às porosas mais lentas, às experiências e organizações mais firmes, rígidas e densas. O esforço cortical muscular voluntário cadenciado deliberado e lento ajuda a regulação voluntária neural das funções autônomas. Um exemplo disso seria a influência cortical ao desmontar comportamentos de alarme e perigo que enviam sinais acelerados de emergência para o coração e a estimulação do nervo frênico para o aumento de excursões diafragmáticas. A influência cortical muscular voluntária sobre os padrões motores de alarme desacelera o coração levando-o a um ritmo mais calmo, uma organização semi porosa-rígida elástica mais lenta, na qual podemos experimentar a natureza pulsátil de padrões de cooperação social, e não apenas o estado de alarme. Esta interação formativa desenvolve o gerenciamento voluntário muscular cortical de formas reflexas, para organizar um attending humano singular e uma ciencia de como ser corporalmente diferente de apenas uma unica forma herdada de ser em muitas situações.

9 9 A Prática de Aprofundar O gerenciamento somático voluntário é um processo de organização contínuo dentro do oceano do organismo. O esforço cortical muscular voluntário invoca uma resposta das profundezas do oceano anatômico à qual o córtex dá voz. A percepção formativa é a crista da onda da excitação resultante dos atos motores do organismo. Feito de modo cadenciado, o esforço cortical muscular voluntário desenvolve a (cons)ciência cortical de uma estrutura maleável. Quando em contato com os espessos líquidos semi móteis porosos do organismo, os esforços voluntários formam uma borda e um tempo de resposta diferente da velocidade elétrica e rápida da excitação neural focalizada. Nesse lugar, a conexão dentro das camadas profundas do organismo produz a experiência do tempo lento de ação. Este processo de esforço voluntário vai desenvolvendo um tempo elástico no organismo e uma percepção da atemporalidade maleável do seu processo formador. A prática aprofundada traz à tona as múltiplas camadas de tempo no organismo, seu tempo de divisão, de gastrulação, de diferenciação, de montar e desmontar um comportamento, seu tempo glacial, seu tempo neural, seu tempo hormonal, o tempo da espécie e o tempo pessoal. Esta é a interioridade somática que forma um self pessoal dentro do corpo herdado. A estrutura corporal primal é um antigo mar pulsátil vivo com diferentes correntes de excitabilidade compatíveis com a geração e a sustentação da existência somática. Esta complexa matriz viva intercelular é uma memória estrutural anatômica de padrões comportamentais contínuos passiveis de repetiçao. Este é um comportamento autoorganizador inato que incorpora a própria história de respostas aprendidas e memorizadas. Este mesmo processo entra em ação através do esforço muscular voluntário conforme aprendemos a usá-lo para diferenciar os comportamentos reflexos herdados e suas emoções e expressões. O desenvolvimento desta (cons)ciencia formativa também ocorre a partir da memória de atos motores passados e do esforço para gerenciar e diferenciar a formação de novos atos motores bem como de um novo enquadre temporal para o organismo conhecer a si mesmo. O córtex pode influenciar a emergência de padrões de alarme responsivos e rápidos, acalmando o coração e o padrão de alarme para que seja produzida uma resposta mais

10 10 lenta, uma calma aquietadora, um padrão de cooperação social mais inclusivo e mais lento em vez do padrão herdado de lutar ou fugir. Ao mobilizar o estado lento, que é anatomicamente diferente da forma e do comportamento de alarme com sua percepção ansiosa, o esforço muscular voluntário forma uma memória da forma mais lenta e de como o organismo pode influenciar o estado de alarme, formando assim um novo estilo de agir e uma nova memória de estar no mundo. Este é o desenvolvimento de um novo estilo de comportamento, um autoformar-se voluntário fundamentado na realidade anatômica cortical. A célula glial lê a atividade dos nervos excitatórios do axônio linear neuronal que demandam mudanças corporais imediatas e respondem a suas correntes como se fossem seu alimento, regulando suas frequências e amplitudes. O uso do esforço cortical muscular voluntário estimula as células gliais que organizam bainhas de isolamento em torno dos axônios, fazendo um gerenciamento voluntário da transmissão excitatória que ajuda a desenvolver a evolução voluntária durante a vida de um indivíduo. Este processo organísmico ajuda o córtex do organismo a formar um comprometimento de longo prazo para desenvolver novas estruturas comportamentais. A soma total de células gliais forma um sistema ou cérebro glial com uma velocidade de processamento mais lenta, pois opera em uma estrutura de tempo de segundos ou minutos em vez de milissegundos, o que ajuda as mensagens corticais mais recentes a transcenderem os reflexos de milissegundo herdados do organismo e dão suporte ao comportamento voluntário. O uso do VME pelo organismo em um estilo lento cadenciado para organizar uma rigidez na parede do corpo pode, portanto, diferenciar a estrutura rígida em uma estrutura semi-porosa-rígida, formando uma zona de maleabilidade anatômica dentro da sua parede corporal. Este desenvolvimento voluntário de uma barreira elástica forma uma superfície e um interior distintos. O uso de esforços musculares microvoluntários lentos desenvolve uma variedade de camadas anatômicas distintas dentro do corpo. Isso forma uma zona de intimidade com um estilo lento e gradual de criar conexões e conhecimento cortical, e é a base da relação formativa do organismo consigo mesmo. A zona de intimidade é uma organização pessoal, um âmbito subjetivo de existência somática no qual a atividade motora e a experiência cinestésica são o alimento das satisfações pessoais. A prática aprofundada consiste de um esforçar-se cortical muscular voluntário em tempo lento que expande, amplia e aprofunda um campo excitatório anatômico para construir um complexo campo intercelular de interações e conexões que desenvolvem as

11 11 experiências motoras-emocionais e suas percepções corticais. O esforço muscular voluntário deliberado lento ajuda a criar outra organização somática dentro do organismo, uma organização pessoal distinta que é uma dimensão de múltiplas camadas, uma organização estrutural singular, um estilo somático pessoal de existir. A intenção da Prática do Corpar é desenvolver o esforço cortical muscular voluntário que introduz uma habilidade voluntária para influenciar a vida diária, e ter uma relação pessoal com os processos de evolução. A Prática de Aprofundar: A Zona de Formação e Aprendizado A prática aprofundada se desenvolve em um estilo cadenciado e lento. Ela começa com um ato voluntário que congela um momento na trajetória de uma expressão antes de sua conclusão. Esta é a primeira fase da construção de um modelo muscular, uma forma distinta que pode ser desenvolvida. O uso do esforço muscular voluntário para montar e desmontar este padrão distinto de expressão começa a definir o tempo lento pessoal. Este passo a passo lento da montagem ou desmontagem, e a espera por respostas organísmicas, recruta padrões originalmente iniciados por sinais excitatórios mais rápidos do esforço muscular voluntário. Um inchar visceral químico mais lento começa a se estender em direção a seu receptor antecipado que está conectado ao córtex. O esforço muscular voluntário deliberado lento se torna, portanto, um esforço e uma conexão corticais. Esta é a organização e a vivência do tempo pessoal. Ao tocar o próprio corpo, o esforço muscular voluntário chega no seu interior, um alcance e uma antecipação por ser recebido e respondido. Esta zona de aprendizado e formação é a dinâmica da autointimidade e da concomitante experiência de conhecimento. O arcabouço químico da rede glial, com as pulsações densas mais lentas de um oceano anatômico profundo, dá suporte à duração e à repetitividade voluntária do esforçar-se cortical muscular lento e suas respostas táteis e cinestésicas. O esforço cortical muscular voluntário do organismo organiza um disparo neural excitatório anatômico e é acompanhado por um mapa vivo do esforço voluntário. Um estilo lento do esforço motor voluntário mapeia um novo campo de sentido e excitação pulsátil, criados pelo campo celular glial pulsátil com suas complexas associações corticais e significados comportamentais. Lentificar uma resposta por meio do esforço voluntário deliberado e do processo glial mais lento não é uma interrupção de atividades como em casos de apatia e coma. O

12 12 esforço visceral e muscular voluntário deliberado lento gera um metabolismo em fogo brando, não um metabolismo deprimido, a bradicardia de um corredor com uma amplitude de batimento cardíaco mais profundo e mais lento, não a hibernação da depressão. A desaceleração voluntária no sistema neural estimula a estrutura glial (mais antiga) de contato e transmissão físico química diretas. Os processos profundos mais lentos são onde se formam poderosas reconstituições de conexões e memórias motoras profundas favorecendo um campo pulsátil mais rico, profundo e abrangente de conexões interiores, um âmbito atemporal de relações e um tempo duradouro que complementam a dinâmica neural cortical do tempo reflexo elétrico. Ao fazer os exercícios somáticos de modo lento, nós mudamos a intensidade dos picos excitatórios do organismo e seus cavados de densidade excitatória condensada. Um ato motor voluntário deliberado lento aumenta os picos elétricos excitatórios neuronais da massa de tecido pulsátil, transformando-a em uma ondulação de excitação mais difusa, da seiva mercurial para um pulso peristáltico alongado elástico mais denso com picos arredondados, cuja dinâmica pulsátil em extensão é uma experiência primária de percepção da existência indo de morna para mais fria. O campo pulsátil mais lento aprofundado e expandido, organizado e sustentado pelo campo glial de conexões complexas dentro do oceano organísmico de biogênesis e baseado no próprio corpo e seu córtex, tem uma dinâmica similar a do nosso planeta, com movimentos mercuriais leves e lentos gerados pela massa e pela gravidade. A dinâmica da glia é uma realidade experiencial, paralela e alterna da nossa percepção somática da nossa realidade cortical contemporânea e profunda que nos informa sobre as várias camadas do mundo no qual estamos e de onde viemos. A estrutura antiga e profunda do soma é a matriz glial para o segundo adulto pessoal cortical e sua percepção cortical que ajuda a formar um futuro, em vez de apenas repetir o passado. A organização da zona de aprendizagem através do esforço cortical muscular voluntário lento é similar a aprender a patinar no gelo; cada passo é um risco rígidoporoso instável que precisa de attending e de atenção cortical muscular voluntária que estabilizam a esfera de habilidade comportamental. A zona de aprendizagem é uma zona maleável na qual os esforços micromusculares voluntários, com atos intencionais lentos, cozinham em fogo brando o attending e a atenção e trazem associações gliais e neurais do passado para o presente, formando novos mapas. Este esforço muscular organiza uma

13 13 profundidade de plasticidade que torna possível um contínuo formar, experienciado como uma percepção multicamadada deste formar. A zona de aprendizagem é um comportamento anatômico maleável; ela demanda uma participação voluntária constante que conecta as experiências motoras em uma sequência contínua de durações e intensidades mínimas-médias-máximas, o que enriquece a experiência e gera uma percepção complexa da nossa existência. Comprometer-se em fazer esse exercício da prática do corpar do esforço muscular voluntário em um processo lento tira os nossos esforços do âmbito da experiência reflexa e os leva para a arena da formação voluntária das expressões, valores e significados pessoais de longo prazo. Reconhecer quando e como você entra na zona profunda, dandolhe duração e reconhecer quando você sai dela são todos importantes para formar uma zona íntima cortical de uma existência corporal pulsátil de múltiplas camadas, e uma (cons)ciência das dinâmicas formativas que são os detalhes práticos da nossa vida. Atos Voluntários para Formar Intimidade No primeiro estágio da embriogênese existem duas camadas de tecido, o ectoderma e o endoderma. Após inúmeras divisões celulares e a transformação de uma bola sólida em uma esfera oca, ocorre um processo de migração, chamado gastrulação. A camada externa ectomórfica começa a migrar para dentro da esfera formando uma terceira camada, o mesoderma. O desenvolvimento da mesoderme é o tecido conjuntivo que é o movimento, a função de suporte. Esta camada mesomórfica se origina da ectoderme mostrando que os tecidos conjuntivo e neural são uma camada única de tecido antes que a diferenciação celular ocorra. O mesomórfico e o neuronal estão ligados; isto é, os tecidos neural e muscular funcionam como um sistema integrado para a regulação da motilidade. O que é significativo é que a migração da ectoderme para dentro também começa a dar interioridade à camada neural externa. Com o desenvolvimento, através da evolução, do esforço muscular voluntário, é introduzido um padrão de ação mais lento, mais deliberado, um regulador da velocidade reflexa. Os esforços voluntários são mais lentos do que os atos reflexos, dando ao organismo padrões de resposta definidos relativos à velocidade, amplitude e intensidade de movimento e expressão que organizam o desenvolvimento cortical e muscular e seus concomitantes padrões de percepção cortical somática.

14 14 O processo internalizado que continua durante a vida se fundamenta na capacidade neuronal, por meio de células da crista neural, de se espalhar por todo corpo para realizar uma organização interno-externa direta. As células gliais fazem parte desta dinâmica de duas velocidades. As células gliais exercem tanto uma função neural como atuam também como tecido conjuntivo. Elas ajudam a gerenciar e regular a frequência, amplitude, intensidade e velocidade de excitação do axônio que possibilita o esforço muscular voluntário e o estabelecimento da memória excitatória neural e motora. A atividade cortical e muscular voluntária leva a uma vida mais diferenciada de expressões e relacionamentos conforme amadurecemos. Este estilo pessoal de respostas diferenciadas possibilita um estilo pessoal de uma vida mais gentil em todos os estágios de nossa existência, incluindo a velhice. Um estilo lento se baseia na experiência de gradações de intensidade e duração de nossos esforços motores que organizam uma percepção do tempo de como o organismo monta e desmonta a tensão muscular, e do tempo de pausa referente à espera pela resposta, visceral e cognitiva, ao esforço muscular. É do gerenciamento da resposta habitual de reagir rapidamentte que o tempo lento emerge e forma uma percepção. A organização lenta forma a pessoa através da experiência direta do tempo glial e do tempo cerebral elétrico. Um estilo lento de esforçar-se traz à tona a dimensão pulsátil inata do processo formativo do soma, seu tempo pessoal e pré-pessoal. Os momentos em que vivemos no tempo lento criam uma dimensão inclusiva de intimidade com a gastrulação das experiências pessoal e coletiva de formas somáticas que aparecem e desaparecem do campo da existência pessoal. Esta é a arena onde formamos a compreensão e o sentido pessoais na nossa vida, e onde processamos o tempo rápido cortical e o tempo lento glial de uma realidade pessoal formada de fora para dentro e de dentro para fora. É a voz da nossa sempre presente voz anatômica profunda. 1 Defina a situação estrutural: usar o esforço muscular voluntário para definir a quantidade de densidade, rigidez ou porosidade presentes e suas gradações excitatória e pulsátil, e associações emocionais. 2 Use o esforço voluntário para aumentar ou diminuir a amplitude do esforço muscular usando o esforço mínimo, médio e máximo e uma maior ou menor excitação cortical muscular, duração e intensidade.

15 15 3 Por meio do uso do esforço voluntário defina suas experiências motoras de uma zona excitatória de conforto-risco-perigo e suas respostas a ela. 4 Experimente como o esforço muscular estimula e influencia a excitação cinestésica, tátil e a experiência de respostas emocionais ou imagens mentais e como ele ajuda o organismo a enriquecer nossas vidas subjetivas e relações com os outros resultando em uma vida mais gentil. 5 Aprender por meio do esforço muscular voluntário lento como ele forma uma ligação a partir do tronco cerebral até o córtex e do córtex até o tronco cerebral, do mundo interno para o externo, que aplicada no dia a dia enriquece nossas vidas e a qualidade do viver. 6 O esforço voluntário gera zonas de intimidade e a habilidade de gerenciar e formar experiências pessoais musculares, emocionais, excitatórias e sentidos pessoais. Stanley Keleman é o diretor do Center for Energetic Studies, em Berkeley, na Califórnia, onde ensina uma abordagem formativa ao desenvolvimento humano. Ele mantem uma prática clínica em um consultório particular e também ensina, pesquisa e desenvolve seu método original para influenciar o comportamento herdado. Em 2007, recebeu um Ph.D honorário na Saybrook Graduate School por sua contribuição para o campo da Psicologia Humanista. Ele é diretor de Ensino e Pesquisa no Centro de Psicologia Formativa do Brasil, no Rio de Janeiro, diretor de Pesquisa em Psicologia Formativa no Centro da Forma e Desenvolvimento em Zurique, na Suíça e em Solingen, na Alemanha e professor visitante na Escola Spectrum de Psicologia Humanista em Londres, na Inglaterra. É autor de livros pioneiros como Anatomia Emocional, Corporificando a Experiência, O Corpo Diz Sua Mente, Padrões de Distress, Viver o seu Morrer, Mito e Corpo e vários livros clínicos. Web site: Tradução: Barbara Duarte Revisão: Leila Cohn Leila Cohn e diretora do Centro de Psicologia Formativa do Brasil, no Rio de Janeiro, onde coordena o Programa de Educação Profissional em Psicologia Formativa, e membro do Formative Psychology International Professional Group, com Stanley Keleman. Website:

CORPORIFICANDO O IMPALPÁVEL: O TRABALHO SOMÁTICO COM SONHOS

CORPORIFICANDO O IMPALPÁVEL: O TRABALHO SOMÁTICO COM SONHOS CORPORIFICANDO O IMPALPÁVEL: O TRABALHO SOMÁTICO COM SONHOS Leila Cohn 2014 Resumo Este artigo apresenta o trabalho com os sonhos na abordagem da Psicologia Formativa de Stanley Keleman. Para Keleman sonhos

Leia mais

CORPORIFICANDO O IMPALPÁVEL: O TRABALHO SOMÁTICO COM SONHOS

CORPORIFICANDO O IMPALPÁVEL: O TRABALHO SOMÁTICO COM SONHOS CORPORIFICANDO O IMPALPÁVEL: O TRABALHO SOMÁTICO COM SONHOS Leila Cohn 2014 RESUMO Este artigo apresenta o trabalho com os sonhos na abordagem da Psicologia Formativa de Stanley Keleman. Para Keleman sonhos

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

Sistema nervoso I- Introdução à Neuroanatomia

Sistema nervoso I- Introdução à Neuroanatomia ANATOMIA 2012.1 Sistema nervoso I- Introdução à Neuroanatomia Prof. Musse Jereissati, M.D. Aviso: O material disponível no site NÃO substitui o livro e o Atlas. Recomendamos a leitura da bibliografia indicada!

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

Sistema Nervoso Organização Geral

Sistema Nervoso Organização Geral Sistema Nervoso Organização Geral O encéfalo é o centro da razão e da inteligência: cognição, percepção, atenção, memória e emoção, Também é responsável pelo controle da postura e movimentos, Permite o

Leia mais

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso

Elementos Estruturais e Funcionais do Sistema Nervoso CÉREBRO Cérebro O ser humano define-se por uma multiplicidade de caraterísticas que o distinguem dos outros animais. O seu organismo é constituído por um conjunto de orgãos e sistemas que se relacionam

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES Deteta informação sensorial Processa e responde à informação sensorial (integração) Mantém a homeostasia Centro das atividades mentais Controla os movimentos do corpo através dos

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso

SISTEMA NERVOSO. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Sistema Nervoso SISTEMA NERVOSO Nos organismos menos complexos as funções de comunicação entre as várias

Leia mais

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico

Sistema nervoso Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso Funções: Coordena o funcionamento dos outros sistemas. Controla os movimentos (voluntários e involuntários). É responsável pela recepção de estímulos externos e pela resposta

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências

Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências Prof. Laila Bekai 7ª série - Ciências SISTEMA NERVOSO Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Encéfalo Medula espinhal SNP autônomo SNP somático Parassimpático Simpático Nervos motores

Leia mais

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE

OS GÂNGLIOS DA BASE FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE OS GÂNGLIOS DA BASE Neurofisiologia Prof. Hélder Mauad FUNÇÕES DOS GÂNGLIOS DA BASE Ajudam a planejar e a controlar padrões complexos do movimento muscular, controlando a intensidade relativa dos movimentos

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4.

Fisiologia do Sistema Nervoso. 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Fisiologia do Sistema Nervoso 1. Sistema Nervoso Sensorial 2. Sistema Nervoso Motor 3. Sistema Nervoso Autônomo 4. Ritmos Biológicos Sistema Nervoso Motor a) Organização Hierárquica do Movimento Movimentos

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias

Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias Monografía Curso de Capacitación Docente en Neurociencias Alumno: Luciano dos Santos Alves www.asociacioneducar.com Mail: informacion@asociacioneducar.com Facebook: www.facebook.com/neurocienciasasociacioneducar

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE. Maio de 2010 Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Emoção: a outra inteligência Muitos estudiosos discutem a relação entre pensamento e emoções. Algumas definições segundo o artigo de Grewal e

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

O sistema nervoso esta dividido em duas partes:

O sistema nervoso esta dividido em duas partes: 1 FISIOLOGIA HUMANA I Neuromuscular Prof. MsC. Fernando Policarpo 2 Conteúdo: Estrutura do Sistema Nervoso Central (SNC) e Periférico (SNP). Elementos do Tecido Nervoso. Mecanismos de Controle Muscular.

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC

Projeto Medicina. Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Projeto Medicina Dr. Onésimo Duarte Ribeiro Júnior Professor Assistente da Disciplina de Anestesiologia da Faculdade de Medicina do ABC Neurociência DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO Sistema Nervoso Central Sistema

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL

SISTEMA NERVOSO A FUNÇÃO GERAL SISTEMA NERVOSO O Sistema Nervoso se divide em a) Sistema Nervoso Central e b) Sistema Nervoso Periférico. No sistema nervoso central existem dois tipos de células: a) os neurônios e b) as células da glia

Leia mais

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / /

Resumo de fisiologia. Sistema Nervoso. Nome: Curso: Data: / / Resumo de fisiologia Sistema Nervoso Nome: Curso: Data: / / 1 - Organização dos tecidos biológicos CÉLULA TECIDO ORGÃO SISTEMA - SER 2 - Estrutura Do Sistema Nervoso Características a. Apresenta-se com

Leia mais

A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR

A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR FACULDADE DA SERRA GAÚCHA PÓS-GRADUAÇÃO PSICOTERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL PSICOTERAPIAS COGNITIVAS E NEUROCIÊNCIAS PROF. MS. DANIELLE IRIGOYEN DA COSTA A NEUROPSICOLOGIA E O MEDO DA DOR CASSIANA MARTINS

Leia mais

FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA

FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA FORMANDO UMA EXISTÊNCIA ADULTA: A MULHER TRONCO, A MULHER POLVO, A MULHER ÁGUA Educyra Vaney RESUMO O trabalho com sonhos é uma importante ferramenta para a clínica formativa. Este texto é um relato pessoal

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças

Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças Funcionamento e coordenação nervosa Regulação nervosa e hormonal Sistema nervoso Sistema hormonal Natureza das mensagens nervosas e hormonais Desequilíbrios e doenças No Sistema Nervoso as mensagens são

Leia mais

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC)

Sistema Nervoso. Divisão Anatômica e Funcional 10/08/2010. Sistema Nervoso. Divisão. Funções gerais. Sistema nervoso central (SNC) Sistema Nervoso Divisão Anatômica e Funcional Sistema Nervoso Divisão Sistema nervoso central (SNC) Sistema nervoso periférico (SNP) Partes Encéfalo Medula espinhal Nervos Gânglios Funções gerais Processamento

Leia mais

Coordenação do Organismo

Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Coordenação do Organismo Sistema Nervoso Sistema responsável pela transmissão de estímulos de uma zona do corpo para outra. Sistema Hormonal Sistema responsável pela síntese de substâncias

Leia mais

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de

As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de 1 As informações provenientes do meio são chamadas de estímulos sensoriais. Os receptores sensoriais transmitem os estímulos ao encéfalo através de impulso nervoso. 2 As informações acerca do ambiente,

Leia mais

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista

Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista Um pouco mais sobre desenvolvimento social e os Transtornos do Espectro Autista www.infanciaeadole scencia.com.br O desenvolvimento social ocorre ao longo de todas as etapas do ciclo vital. Entretanto,

Leia mais

O Que é Coaching? ESTADO DESEJADO ESTADO ATUAL

O Que é Coaching? ESTADO DESEJADO ESTADO ATUAL FATOR FELICIDADE O Que é Coaching? É o processo que identifica o Estado Atual, para posteriormente identificar os objetivos onde a pessoa quer efetivamente chegar. Conhecendo os fatores impeditivos e facilitadores,

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS

FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS 28 de novembro de 2013 ABORDAGEM FORMAÇÃO DE NOVAS LIDERANÇAS Contexto! Mundo! Organizações Ser Humano! Quem é? Liderança! Que liderança precisamos?! Como desenvolvê-la? CONTEXTO:

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Unidade 4 Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo! corresponde

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo

Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Introdução ao Sistema Nervoso - O Encéfalo Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional V juliana.pinheiro@kroton.com.br O sistema nervoso é um sistema complexo de comunicação e controle no corpo animal.

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

BIO E EXTENSIVO AULA 30

BIO E EXTENSIVO AULA 30 BIO E EXTENSIVO AULA 30 30.01 - Uma célula nervosa (neurônio) é constituída basicamente por: corpo celular, onde se encontram as organelas e o núcleo; dendritos, que são ramificações que recebem o estímulo

Leia mais

P R O P O S TA C O M E R C I A L

P R O P O S TA C O M E R C I A L P R O P O S TA C O M E R C I A L Joinville, 03 de setembro de 2014. Proposta para: treinamento líder coach Prezado, Temos o prazer de enviar a proposta do Treinamento Líder Coach, para sua análise e apreciação.

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

Fisiologia do Sistema Nervoso

Fisiologia do Sistema Nervoso FORMAÇÃO DO TUBO NEURAL Fisiologia do Sistema Nervoso Curso: Biologia Profa. EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN 1 SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Diversidade celular SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO NERVOS SOMÁTICO

Leia mais

ATENÇÃO Conceitos iniciais As funções principais da Atenção

ATENÇÃO Conceitos iniciais As funções principais da Atenção ATENÇÃO Conceitos iniciais Muito tem sido discutido e escrito acerca dos elementos necessários para um desenvolvimento harmonioso das potencialidades de consciência do ser humano. No entanto, muitos materiais

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 8

7.012 Conjunto de Problemas 8 7.012 Conjunto de Problemas 8 Questão 1 a) A figura abaixo é um esquema generalizado de um neurônio. Identifique suas partes. 1 Dendritos, 2 corpo da célula e 3 axônio. b) Qual é a função de um axônio?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

Sistema neuro-hormonal. EPL Hélder Giroto Paiva

Sistema neuro-hormonal. EPL Hélder Giroto Paiva Sistema neuro-hormonal EPL Hélder Giroto Paiva O que é o sistema neuro-hormonal? + Sistema nervoso Sistema hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo

Leia mais

PNL? o que é. Dossie. Veronica Ahrens Diretora de T&D, Trainer e Coach da SBPNL Inspirar pessoas a criarem um mundo melhor. veronica@pnl.com.

PNL? o que é. Dossie. Veronica Ahrens Diretora de T&D, Trainer e Coach da SBPNL Inspirar pessoas a criarem um mundo melhor. veronica@pnl.com. 1 Dossie Veronica Ahrens Diretora de T&D, Trainer e Coach da SBPNL Inspirar pessoas a criarem um mundo melhor. veronica@pnl.com.br o que é PNL? Nos últimos anos, a PNL (Programação Neurolinguística) vem

Leia mais

Grupo de estudos Anthony Robbins

Grupo de estudos Anthony Robbins Grupo de estudos Anthony Robbins Coaching e PNL caps 5-26/11/2013 Queria saber qualquer coisa e tudo sobre como podemos aumentar a qualidade de nossas vidas, e tentei aplicar a mim mesmo, além de partilhar

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 13) Acerca do conceito de corporeidade descrito na Proposta Curricular de Santa Catarina, assinale a alternativa correta. A Corporeidade é presença no esporte, via corpo, que age e que, ao expressar-se,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO

Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO Neuropsicologia da aprendizagem PAULO NASCIMENTO NEUROPSICOLOGO NEUROTERAPEUTA PSICÓLOGO Conceito de Neuropsicologia É o campo de conhecimento interessado em estudar as relações existente entre o sistema

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES)

REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) REALIZAÇÃO DE TRABALHOS INTERDISCIPLINARES GRUPOS DE LEITURA SUPERVISIONADA (GRULES) 1 APRESENTAÇÃO Este manual é um documento informativo visando orientar a comunidade acadêmica quanto ao processo de

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares:

SISTEMA NERVOSO. Condução do impulso nervoso 11/06/2012. Tipos celulares: SISTEMA NERVOSO Percepção e interpretação de estímulos internos e externos; Tipos celulares: - Neurônios condução de impulsos nervosos - Células da Glia manutenção dos neurônios Elaboração de respostas

Leia mais

O CÉREBRO DA CRIANÇA

O CÉREBRO DA CRIANÇA O CÉREBRO DA CRIANÇA Documentário da série A vida secreta do cérebro SINOPSE Uma professora de psicologia discute e apresenta uma proposta de atividade sobre o documentário Com a sílaba do som o cérebro

Leia mais

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos

Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Como desenvolver a resiliência no ambiente de Recursos Humanos Edna Bedani Edna Bedani Mestre em Administração, Pós Graduada em Administração, com especialização em Gestão Estratégica de RH, graduada em

Leia mais

Coaching como metodologia de desenvolvimento de lideranças

Coaching como metodologia de desenvolvimento de lideranças Coaching como metodologia de desenvolvimento de lideranças Lilian Langer Cleiane Weinmann 1 LILIAN LANGER lilian@vielmolanger.com.br Executive Coach e Consultora Organizacional. Especialização em Administração

Leia mais

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE

PERCEBEMOS O MUNDO PARA AGIR SOBRE ELE Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Ciências Fisiológicas FISIOLOGIA PSICOLOGIA NEROFISIOLOGIA Introdução ao sistema sensorial Receptores sensoriais Prof. Leonardo dos Santos PERCEBEMOS

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA

O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA 7º Seminário de Pesquisa em Artes da Faculdade de Artes do Paraná Anais Eletrônicos O SISTEMA NERVOSO NA RELAÇÃO PERCEPÇÃO-AÇÃO NO CORPO QUE DANÇA Carolina Madsen Beltrame 137 Faculdade De Artes Do Paraná

Leia mais

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você.

Permita-se ir além e descubra uma nova possibilidade, um conjunto de ideias e inovação, construído por você. Somos uma empresa inovadora, que através de uma metodologia vencedora proporciona a nossos clientes um ambiente favorável ao desenvolvimento de capacidades, para que seus profissionais alcancem o melhor

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 RESUMO Os hábitos e costumes humanos tem alterado intensamente os ecossistemas

Leia mais

ANATOMIA EMOCIONAL: O CORPO COMO UM PROCESSO SUBJETIVO. Leila Cohn 2014

ANATOMIA EMOCIONAL: O CORPO COMO UM PROCESSO SUBJETIVO. Leila Cohn 2014 1 ANATOMIA EMOCIONAL: O CORPO COMO UM PROCESSO SUBJETIVO Leila Cohn 2014 Resumo Este artigo apresenta a Psicologia Formativa de Stanley Keleman dentro do paradigma contemporâneo da Vida enquanto um sistema

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos

Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos Apontamentos iniciais sobre os Tipos de Movimentos RICARDO MARTINS PORTO LUSSAC ricardolussac@yahoo.com.br (Brasil) Mestrando do Programa de Mestrado em Ciência da Motricidade Humana - Universidade Castelo

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino

Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino Fundamentação Fisiológica da Matriz de Treino A História Durante anos entendia-se a preparação física numa base de quantidade e depois qualidade. Conseguimos perceber isso através da análise da pirâmide

Leia mais

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015

ANATOMIA HUMANA II. Roteiro SISTEMA NERVOSO. Enfermagem. Sistema Nervoso. Prof. Me. Fabio Milioni 17/09/2015 ANATOMIA HUMANA II Enfermagem Sistema Nervoso Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro SISTEMA NERVOSO Conceito Função Divisão Sistema Nervoso Central Tecido Nervoso Cerebelo Diencéfalo Telencéfalo Meninges Líquor

Leia mais

Roda da Vida Preciosa Coaching NA ABORDAGEM transpessoal

Roda da Vida Preciosa Coaching NA ABORDAGEM transpessoal Roda da Vida Preciosa Coaching NA ABORDAGEM transpessoal O Coaching é um caminho direcionado ao florescimento de cada pessoa que o procura (coachee) com um desejo inadiável de se superar, resolver alguma

Leia mais

Para: Psicologia B. Escolas João de Araújo Correia. Objeto da Avaliação. Caraterização da Prova. Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Para: Psicologia B. Escolas João de Araújo Correia. Objeto da Avaliação. Caraterização da Prova. Informação - Prova de Equivalência à Frequência Psicologia B Prova 340 2015 Tipo de Prova Escrita Secundário Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Despacho Normativo n.º 6-A/2015, de 5 de março Para: Reprografias Portal do Agrupamento Diretores de

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico

Organização da Aula. Cultura e Clima Organizacionais. Aula 3. Mudança: um Mal Necessário. Contextualização. O Capital Humano é Crítico Cultura e Clima Organizacionais Aula 3 Profa. Me. Carla Patricia Souza Organização da Aula Cultura e mudança Impactos da mudança Resistência à mudança Mudança: um Mal Necessário Contextualização O ambiente

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais