Habermas: a dignidade humana e a eugenia liberal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Habermas: a dignidade humana e a eugenia liberal"

Transcrição

1 Habermas: a dignidade humana e a eugenia liberal Aluno: Diego Inácio F. Vasconcellos Faculdade de Filosofia CCHSA Orientador: Newton Aquiles Von Zuben Ética e Epistemologia CCHSA Resumo. Esta pesquisa de iniciação científica pretende examinar como o filósofo Jurgüen Habermas emprega o conceito de dignidade humana no seu livro O futuro da natureza humana: a caminho de uma eugenia liberal?, à luz das biociências e da antropotécnica, assim como examinar o conceito de eugenia que o autor explora. O âmbito de nossa investigação é o campo da bioética que, por sua vez, pertence ao ramo da filosofia prática, moral ou ética. Como exporemos brevemente, a bioética é um esforço coletivo de consideração ética e moral acerca, principalmente, dos procedimentos empreendidos pelas ciências médicas ou biociências e suas implicações na área da saúde, no direito, sob o ponto de vista sociológico e político. Alguns assuntos relacionados ao tema que aqui vamos abordar são: tecnologia genética, diagnóstico pré-natal, eugenismo, clonagem terapêutica, procriação assistida, doação de óvulos e espermatozoides, pesquisas com células tronco. Considerei principalmente o conceito de dignidade humana perante os temas da inseminação artificial, da polêmica utilização de DGPI 1 e do aborto, assuntos estes os quais abordaremos no decurso do artigo. A discussão sobre esses assuntos é controversa e desafia nossa capacidade de diálogo enquanto seres morais, justamente no momento em que aumentam as possibilidades tecnológicas nas aéreas da saúde humana, principalmente na terapêutica de doenças. Cumpre examinar se o discurso ético acompanha a pujança das intervenções técnicas que o ser humano vem tornando-se capaz de impingir a si mesmo, como espécie que se faz a si mesma. 1 DGPI O diagnóstico genético de pré-implantação torna possível submeter o embrião que se encontra num estágio de oito células a um exame de precaução. [...] Caso se confirme alguma doença, o embrião analisado na proveta não é reimplantado na mãe; desse modo, ela é poupada de uma interrupção da gravidez, que, ao contrário, seria efetuada após diagnóstico pré-natal [1] Palavra-chave: bioética; dignidade humana; eugenia. Área do conhecimento: Grande área: Filosofia Subárea: bioética. INTRODUÇÃO Neste este esforço de pesquisa buscou-se compreender o conceito de dignidade humana à luz das novas tecnologias biológicas, particularmente, das ciências biomédicas. O ser humano compreende-se entre os mamíferos superiores como Homo sapiens sapiens. Animal racional, simbólico, capaz de autocompreensão, e de espectar a si mesmo e também um animal político que se relaciona aos outros dentro da sociedade moral. Desenvolve a si mesmo através da cultura, e não mais no contato imediato com a natureza e suas agruras. Transita o homem no logos, embora nele a techné também encontre atualização. Em resumo, o ser humano é, por diversos aspectos, ser, multifacultativo e polivalente. É no ser humano que as diferentes disciplinas convergem, é ele, que em si, as atualiza. Capaz tanto do logos quanto da techné, permanece um mistério inesgotável, explorado cada vez mais pelos diversos ramos do conhecimento que se desdobram desde homem para além do homem. Mas o que pretendemos quando evocamos a dignidade humana do outro? A que se refere essa dignidade? Como entender a dignidade humana em face das novas possibilidades biotecnológicas? DIGNIDADE HUMANA Desde o sentido vernáculo, a palavra dignidade corresponde a uma qualidade moral que infunde respeito; consciência do próprio valor; honra. 2 Desde a perspectiva filosófica, o princípio dignidade humana é entendido como a segunda fórmula do imperativo categórico kantiano que prescreve: Age 2 HOUAISS, A; VILLAR, M. S. Grande dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

2 de tal forma que trates a humanidade, tanto na tua pessoa como na pessoa de qualquer outro sempre também como um fim e nunca unicamente como um meio. 3 Certamente o princípio da dignidade humana, como Kant assim o pretende, estabelece que todo homem, alias, todo ser racional, como um fim em si mesmo, possui um valor não relativo (como um preço, por exemplo), mas um valor intrínseco, e isto é a dignidade. Embora possamos compreender claramente o que pretende Kant, sob o nome de dignidade humana, algumas abominações culturais foram perpetradas, como na subvaloração e dizimação étnicas. Haja vista às guerras de colonização e os processos de limpeza étnicos, acusações que recai sob não poucos países e nações. Sensíveis a isso, os lexicógrafos do Dicionário de filosofia Nicola Abbagnano, no verbete Dignidade, reconhecem a validade do conceito, que mesmo sujeito a relativizações valorativas ideológicas, parece ter provado ao longo do tempo sua pertinência como valor ou aspiração comum universal : Na incerteza das valorações morais do mundo contemporâneo, que aumentou com as duas grandes guerras mundiais, pode-se dizer que a exigência da dignidade do ser humano venceu uma prova, revelando-se como pedra de toque para a aceitação dos ideais ou das formas de vida instauradas ou propostas; isso porque as ideologias, os partidos e os regimes que, implícita ou explicitamente, se o puseram a essa tese mostraram-se desastrosos para si e para os outros. 4 Outro sentido que o termo dignidade encontra na história da filosofia provém da linhagem de Boécio e corresponde à axioma, num sentido de princípio, como os escolástico assim houveram de traduzir. Giambattista Vico empregará a palavra dignidade com esse mesmo sentido, e com ela edificará sua Scienza Nuova: Propomos agora aqui os seguintes axiomas ou dignidades filosóficas e filológicas, algumas poucas perguntas racionais e discretas, com outras tantas definições esclarecidas; estas, assim como o sangue pelo corpo animado, devem fluir por dentro desta ciência e animá-la em tudo o que ela razoa sobre a natureza comum das nações. 5 O sentido que lhe atribui Giovanni Pico della Mirandola em seu Homini Dignitate é por sinal maravilhoso, deveras filosófico, poético, e exorta ao ser humano que recobre sua excelsa condição do homem-titã pelos méritos e esforços de ascese e de aplicação à dialética. 6 Rogar esta prerrogativa soaria hoje demasiado exagerado e de pouca utilidade, se levarmos em comparação com o sentido que invoca Habermas para o termo dignidade humana. Justamente, dirá Habermas, é preciso argumentar desde uma perspectiva pósmetafísica, mais adequada ao contexto de póssecularização que impõe ao Estado o laicismo. Habermas entende dignidade da seguinte forma. A dignidade humana é um valor intrínseco, situado no centro de uma Ética da espécie humana, conjuntamente igualdade de condição de participação ou simetria, naturalmente inclinado à universalidade. (É de se pensar se os animais poderiam ser incluídos, mas não compete, propriamente, a essa pesquisa). O que Habermas assinala é a característica da intangibilidade da dignidade, que se atribui a outro ser humano como nós. A admissibilidade do uso de embriões para fim exclusivo de pesquisa e do DGPI, move-se, segundo Habermas, no mesmo canal de discussão que o aborto. Estes temas põem em questão a abrangência, o alcance e a pertinência (ou não) no conceito de dignidade humana comm fator de esclarecimento do discurso moral. A dignidade não é um bem que se possa possuir ou deixar de possuir. Assim como a vida humana não se encontra disponível como bem atesta o conceito de intangibilidade que à vida é conferido, não por ser vida, tão somente, mas por ser a vida da espécie humana. É verdade que o valor intrínseco do ser humano é posto em cheque toda vez que a sombra da guerra toma conta de um pais, de uma nação ou de um povo. Nada nos garante a inviolabilidade de nossa dignidade humana, já 3 ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. trad. 1ª ed. Alfredo Bosi 5ª ed. São Paulo: Martins Fontes, Idem. 5 Idem. 6 PICO DELA MIRANDOLA, G. Discurso sobre a dignidade do homem. Lisboa: Edições 70, 2006.

3 reconhecida na forma dos direitos humanos, na Declaração Universal dos Direitos Humanos, senão, em último caso, nós mesmos e a justiça. Isso faz parecer um tanto quanto ilusório tal merecimento, que eleva o ser humano a uma condição distinta dos outros animais. Tais direitos se justificam, principalmente, pela debilidade estrutural da existência orgânica que passa por períodos notavelmente críticos de dependência dos demais membros da comunidade moral, como a infância, a doença e a velhice. ANTROPOTÉCNICA. A atropotécnica consiste na atualização do aspecto técnico e operativo que recaí sobre a natureza humana do ponto de vista instrumental. Exemplos de antropotécnica são o transplante de órgãos, transfusão de sangue e pele, procriação assistida entre outros. Anuncia-se que, futuramente, a terapia genética figurará entre as possibilidades que disporemos para o tratamento de certas doenças. A profilaxia de determinadas doenças, por exemplo, já pode se pautar pelos conhecimentos genéticos já obtidos. Avançamos ainda no sentido de mapear o DNA humano. A técnica que se volta para a construção de um novo tipo de ser humano parece ferir a rede de significações simbólicas que constituímos ao longo do tempo, inspirando desconfiança daqueles que não são entendidos no assunto. As dimensões simbólica e técnica diferem uma da outra; uma, corresponde a natureza falante e valorativa do ser humano, antropológica; outra evidencia o aspecto técnico e operacional para o qual caminhamos. Não obstante a diferença, a conjunção de ambas as dimensões se realiza no próprio ser humano, desde os fatos biológicos, morais e tecnológicos. Como veremos, Habermas propõe considerar as inovações hodiernas a partir de um ponto de vista futuro, como se olhássemos retrospectivamente para as práticas hoje tidas como restritas ou proibidas. O professor Newton Aquiles Von Zuben defende em seu livro Tecnociências: a saga de Prometeu que o plano da técnica não é assinalável. O ser humano é um ser que habita o logos, um animal de razão. 7 É um ser linguajante. O traço específico do homem, sua diferença, a diferença antropológica, é a capacidade de dizer e valorar a vida, condição esta necessária para sua própria realização. É difícil estimar a repercussão de uma intervenção genética num terceiro, em vista da inexpressibilidade do fato de se influenciar a outro, não através do legado cultural que se transmite de uma geração a outra, mas na própria constituição biológica e orgânica dessa outra pessoa. CONTEXTOS Procuraremos mostrar, além do mais, que Habermas não compartilha do mesmo contexto cultural que o nosso latino americano. Habermas confirma ter recebido contribuições e mesmo objeções tanto de seus colegas da América como da Europa. Como o autor mesmo fala, foi na América (do norte) e na Europa que hauriu as críticas construtivas e as respondeu no posfácio do seu livro. Digo dessa maneira pois algumas dessas práticas se efetivaram confirmaram na Europa e nos EUA, como o aborto, que por esses lados de cá são recusadas pela maioria da população, não obstante a inclinação do um governo ou outro que estejam tomado iniciativas pró-aborto, através do financiamento de ONG s feministas e abortistas, seguindo as diretrizes da própria ONU e do projeto globalista. Outro ponto que não podemos nos esquecer, preconizado por Habermas é o seguinte: Nas sociedades pluralistas essas interpretações de si mesmo e do mundo, enquadradas no campo da metafísica ou da religião, estão, por boas razões, subordinadas aos fundamentos morais do Estado constitucional, ideologicamente neutro, e obrigadas à coexistência pacífica 8. Um estado ideologicamente neutro é realmente um conceito fantástico quando buscamos transportar as palavras do filósofo alemão para nosso contexto no Brasil. 7 ZUBEN, N. A. V. Bioética e tecnociências: a saga de Prometeu e a esperança paradoxal. Bauru, SP: Edusc, p. 8 HABERMAS, 2010, p. 57

4 A secularização, por exemplo, contexto em que se encontra o filósofo, e as principais discussões jurídicas atuais (secular x confessional) é outra circunstância com a qual devemos nos familiarizar quando lemos o texto de Habermas, pois se dá desde uma Europa secularizada. Habermas, inclusive, proporá a continuação do trabalho de tradução cooperativa do conteúdo religioso das grandes religiões, que já está em andamento. Secular é o caráter mundano das instituições públicas. EVENTOS INEXPERADOS O mito acerca da criação de seres humanos tornouse realidade e viabilizou-se através de pesquisas em reprodução assistida desde os anos 70. Em 2010, o Dr. Robert Edward recebeu o prêmio Nobel de medicina, considerado o pai do primeiro bebê de proveta, estudo este que viabilizou o nascimento de cerca de quatro milhões de pessoas. Sua área de pesquisa é a procriática 9. As pesquisas nessa área trouxeram inicialmente inúmeras objeções daqueles que julgavam desde a perspectiva teológica da criação de pessoas, tarefa que diz respeito somente a Deus. Com o tempo, as sociedades se habituaram e incorporaram as novas possibilidades técnicas. Em 2009, por outro lado, 31 de Maio, o Dr. George Tiller, médico pró-aborto é assassinado durante o culto dominical, na igreja Luterana de Wichita, no estado do Kansas. Sua esposa cantava no coro no momento dos disparos. O médico, que era um dos poucos a realizar o aborto (que é permitido naquele estado) após a 21ª semana de gestação, já havia tido a clínica bombardeada em um episodio, assim como teve os em ambos os braços feridos por um manifestante, em outra ocasião 10. Estes dois eventos são, a nosso ver, paradigmáticos. Se questionarmos acerca dos 9 KOLAKA, G. Robert G. Edwards Dies at 87; Changed Rules of Conception With First Test Tube Baby. Disponível em: <http://www.nytimes.com/2013/04/11/us/robert-g- edwards-nobel-winner-for-in-vitro-fertilization-dies-at- 87.html?pagewanted=all&_r=0>. Acesso: 25/05/ Disponível em: <http://news.bbc.co.uk/2/hi/americas/ stm>. Acesso em: 12/04/2013. valores que defendemos racionalmente, a vida, sem dúvida, figura como condição primordial sem a qual nem mesmo a opinião pode ser emitida. Consideremos: Por que o indivíduo que viabiliza o nascimento de quatro milhões de pessoas recebe o Prêmio Nobel e é prestigiado pela sociedade médica e científica, enquanto aquele que viabiliza o aborto de centenas de milhares de pessoas não recebe, senão, um tiro no rosto? São casos diametralmente opostos embora ambos remetam a questão acerca da dignidade humana. O caso do aborto tornou-se, equivocadamente, uma questão ideológica, uma vez que não considera como ser humano aquele que está por vir ou em andamento. O comprometimento de agendas políticas e ideológicas, facções médicas mercenárias, e um imenso lobby internacional, fazem da discussão sobre o aborto um verdadeiro misleading. De algum modo Habermas procura em sua argumentação distinguir as diversas discussões que julga estarem se dando num mesmo canal: inseminação artificial, aborto e DGPI. Mas como então argumenta Habermas acerca da vida e dignidade humana? Defenderá ele que a vida humana pré-pessoal, apesar de não contar com um fundamento metafísico ao qual possamos recorrer em favor de si, desde o seu conhecimento é esperado figura especialmente entre as demais pessoas que efetivamente participam da comunidade moral. Há de fato impedimentos que nos impedem de avançar no sentido de aniquilar a esse ser, independente do seu caráter de não pessoa jurídica, como alguns pretender considerar. A isso chamará Habermas de indisponibilidade que caracteriza a vida humana em sua dignidade própria, com fim em si mesma e não meio de outros obterem seus fins. Portanto Habermas pretende que se amplie o conceito de dignidade humana para o conceito de dignidade da espécie humana, incluindo então, na discussão acerca da dignidade do homem, a noção de espécie. A evidência da vida, então, novamente traria à tona a questão do status moral daquele que está por vir, mas desde perspectiva da vida (independente de terminações ontologizantes, embora de modo restritivo à espécie humana, impedindo sua manipulação indiscriminada). A ARGUMENTAÇÃO DE HABERMAS

5 A estratégia argumentativa de Habermas parte de uma distinção entre a teoria kantiana da justiça e a ética de ser si mesmo de Kierkegaard. Defende ele a ideia de que o pensamento pós-metafísico deve impor a si próprio uma moderação quando se trata de tomar posições definitivas em relação a questões substanciais sobre a vida boa ou não fracassada. 11 AUTOCOMPREENSÃO DA ESPÉCIE Acontece que aquilo que fazemos com aqueles que não nasceram ainda, ou com aqueles que não dispõem de forças para pertencer à comunidade moral, retribuindo as benesses que a sociedade pode prover, interfere em como nós nos compreendemos com seres humanos. Não obstante, Habermas irá tratar da possibilidade de uma eugenia, quando as tecnologias forem suficientemente satisfatórias para tratarmos geneticamente alguma doença sem que haja a destruição do embrião. Habermas insere sua argumentação no contexto da bioética, fundamentado por aquilo que chama Moderação Justificada, segundo a qual a argumentação civil com respostas pós-metafísicas para a questão moral sobre a vida correta, deve impor a si mesmo uma moderação. Habermas entende que deve haver um equilíbrio entre a regulamentação normativa e a subjetividade, que ofereçam respostas construtivas as dependências e carências decorrentes das imperfeições estruturais do organismo biológico e dos períodos de fragilidade como velhice, doença e infância. Nestes termos Habermas constituirá sua Ética do discurso. Portando cumpre considerarmos o que se entende por natureza humana. NATUREZA HUMANA O filósofo em questão parte do princípio de que a nossa autocompreensão enquanto espécie humana depende de como nós procedemos em relação àqueles que se encontram frágeis em relação aos demais membros da sociedade, embora não dependa das definições ontológica e teológica que possamos atribuir a nós mesmos. Nesse sentido, caminhamos para uma rejeição completa da 11 HABERMAS, 2010, p. 2. ideologia da destruição, segundo a qual os fracos devem perecer, deixando aos fortes a tarefa construir o porvir. O DGPI, diagnóstico genético de pré-implantação ao qual Habermas se refere não é outra coisa senão a possibilidade de examinar o material biológico (DNA) da célula inseminada, esperma e óvulo, antes de efetuar-se a implantação no corpo da mulher. Para tanto o exame diria se há ou não algum problema genético ou imperfeição. Isso evitaria problemas na gestação com bebês defeituosos. Congelar-se-iam, então, aqueles que respondessem negativamente ao exame e implantar-se-iam somente aqueles que correspondessem afirmativamente ao teste. Habermas reconhece como temerosas tal iniciativa, uma vez que possa corresponder a determinação axiológica dos pais que assim procedem, e não mais ao acaso. O que não impediria que, futuramente, avançadas as técnicas de terapia genética, as alterações necessárias fossem feitas, sem que o bebê-célula fosse desprezado. A NOÇÃO DE DIGNIDADE E A EUGENIA. A eugenia liberal que Habermas questionará, e para qual supostamente estaríamos caminhando, apresenta as seguintes dificuldades, desde a utilização do DGPI até a escolha das características, pelos pais, da pessoa futura. Acontece que, mesmo os pais que assumem um posicionamento Pró-Choice, ou seja, a favor da prática do aborto, e que optam por uma gravidez assistida, sentem-se constrangidos diante da possibilidade de ceder às pesquisas, com exclusividade, aqueles óvulos fecundados que não seriam utilizados. Da parte dos Pro-Life, a discussão é simplesmente detestável e imoral. A rejeição ao DGPI parece ser de ambas as partes, não obstante a divergência quanto à pratica do aborto. Habermas, além disso, aponta para a linha fronteiriça que separaria a eugenia terapêutica da eugenia sem mais. Essa linha corresponde à relação que se estabelece entre médico e paciente. Habermas questiona-se que se aquele que passa por intervenção genética em seu material biológico possa vir ratificar ou não, posteriormente, as modificações efetuadas pelos próprios pais-

6 designers. Mas bastaria isso para viabilizar a utilização de tais procedimentos? De outra forma, com a disponibilidade dos óvulos fecundados com fins exclusivos para pesquisas, ou desde sua rejeição pelo DGPI, não haveria pessoa futura que pudesse assinar embaixo a favor das mudanças que lhe promoveriam os pais. A terapêutica ou lógica da cura, como aponta Habermas, parece ser a linha fronteiriça que impediria uma eugenia com fins exclusivos de diretrizes axiológicas à revelia daqueles que estão por vir. Habermas questionará se aquele que recebe modificação no seu aparato biológico (com finalidades terapêuticas) seria alguém distinto dos demais, pois seria ele dissimétrico em relação à sua origem, por ser fabricado além de ser gerado. Ademais, acerca disso, se tal dissimetria seria ou não compreendida em nossa sociedade, se sim, de que forma? Além disso, como se comportaria moralmente na sociedade aquele que difere, assim, originalmente dos demais? Seria este (ou esta) o pós-humano, o transumano? Hoje, precisamos nos perguntar se as gerações futuras vão se conformar com o fato de não mais se conceberem como autores únicos de suas vidas e também de não serem mais responsabilizadas como tal. Será que essas gerações se contentarão com uma relação interpessoal, que não se adapta mais às condições igualitárias da moral e do direito?. 12 CONCLUSÕES PARCIAIS Reconhecemos, ao cabo de nossa pesquisa, que o filósofo alemão assume uma posição não eufórica e de desabono às práticas do DGPI e aos argumentos envolvidos, ao mesmo tempo em que se posiciona como bem afirma, desde uma distância em que não mais estariam em questão certas práticas hoje questionadas, mas já admitidas ou dadas, deixando-nos apenas a sugestão de suas posições e não sua explicitação. Afinal, reconhece o filósofo, a autocompreensão que fazemos de nós mesmos, como seres humanos, passa pela consideração que temos pela vida humana desde suas origens na concepção. Os argumentos eugenistas em favor de uma 12 HABERMAS, 2010, p. 93. intervenção num terceiro organismo humano, ainda que desejada pelos pais, torna a relação entre médicos e pacientes outra coisa que a de costume pautada pela lógica da cura. Os limites da cura, ao qual permanecemos atrelados fundamentalmente, ter-se-iam, então, ruído. Todavia, a discussão sobre o tratamento que se deve conferir à pesquisa genética girou em torno da questão do status moral da vida humana prépessoal, sem resultados. Dirá Habermas que: Por essa razão adoto a perspectiva de um presente vindouro, a partir do qual um dia possivelmente lançaremos um olhar retrospectivo às práticas, hoje contestadas, considerando-as como precursoras de uma eugenia liberal regulada pela oferta e procura. 13 Não obstante a entusiástica expectativa, em seguida, o autor admite que tanto as pesquisas com embriões assim como a aplicação do DGPI provocam um acirramento dos ânimos porque é o exemplo de um perigo vinculado à metáfora da criação de humanos. 14 Teme-se que o descontrole na corrente de ações entre as gerações transpasse verticalmente as redes de interação contemporâneas, sem que ninguém se responsabilize. A isso se contrapõem os objetivos terapêuticos, pelos quais todas as intervenções da genética deveriam se pautar, e que impõem limites a quaisquer interferências pelo fato de um terapeuta ter o dever de considerar a segunda pessoa e precisar contar com o seu consentimento. REFERÊNCIAS BILBIOGRÁFICAS [1] HABERMAS, J. O futuro da natureza humana: a caminho de uma eugenia liberal? 2.a ed. Trad. Karina Jannini. São Paulo: Martins Fontes, p. 24. [2] ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. tradução da 1ª ed. Alfredo Bosi 5ª ed. São Paulo: Martins Fontes, p. [3] PICO DELA MIRANDOLA, G. Discurso sobre a dignidade do homem. Lisboa: Edições 70, [4] ZUBEN, N. A. V. Bioética e tecnociências: a saga de Prometeu e a esperança paradoxal. Bauru, SP: Edusc, p. 13 Idem. p. 14 Idem. p.

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

DIGNIDADE DA PESSOA E EUGENIA LIBERAL

DIGNIDADE DA PESSOA E EUGENIA LIBERAL DIGNIDADE DA PESSOA E EUGENIA LIBERAL Débora Aymoré INTRODUÇÃO O presente artigo é fruto da constatação de que nem sempre o desenvolvimento de uma técnica, seja médica ou genética, traz apenas benefícios.

Leia mais

PARECER SOBRE A INVESTIGAÇÃO EM CÉLULAS ESTAMINAIS

PARECER SOBRE A INVESTIGAÇÃO EM CÉLULAS ESTAMINAIS 47/CNECV/05 PARECER Nº 47 DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE A INVESTIGAÇÃO EM CÉLULAS ESTAMINAIS (Novembro de 2005) O presente parecer do Conselho Nacional de Ética para

Leia mais

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense

BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense BIOÉTICA E MANIPULAÇÃO DE EMBRIÕES Prof. Ms. Lia Cristina Campos Pierson Professora de Medicina Forense A personalidade só começa quando o sujeito tem consciência de si, não como de um eu simplesmente

Leia mais

O justo como proposta de superação aos desafios do pluralismo nas sociedades contemporâneas

O justo como proposta de superação aos desafios do pluralismo nas sociedades contemporâneas O justo como proposta de superação aos desafios do pluralismo nas sociedades contemporâneas The concept of Just as proposed overcoming the challenges of pluralism in contemporary societies Marco Aurélio

Leia mais

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS M.ª Clarissa Bottega* Os conhecimentos científicos parecem perturbar nossa auto-compreensão tanto quanto mais próximos estiverem de nos atingir. 1 BIOÉTICA

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013)

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) Expediente Consulta Nº 018.621/2012 Assunto: Fertilização in vitro com material biológico de doador falecido. Relatora: Consª Maria Lúcia

Leia mais

A identidade genética do Ser humano. Bioconstituição: bioética E direito.

A identidade genética do Ser humano. Bioconstituição: bioética E direito. A identidade genética do Ser humano. Bioconstituição: bioética E direito. José Alfredo de Oliveira Baracho O conceito moderno da Ciência do Direito Constitucional tem provocado diversas reflexões que procuram

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATOR: RUI NUNES 1 PREÂMBULO Poucas questões têm despertado tanta controvérsia como a natureza e a atribuição

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 Jefferson Alves Batista 2 Resumo: Este artigo busca analisar a partir da obra do Antropólogo Luiz Gonzaga de Mello o conceito antropológico de Cultura.

Leia mais

A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR HUMANO E A RESPONSABILIDADE PELO FUTURO

A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR HUMANO E A RESPONSABILIDADE PELO FUTURO A NATUREZA MODIFICADA DO AGIR HUMANO E A RESPONSABILIDADE PELO FUTURO Anderson Graboski de Almeida Faculdade de Filosofia Centro de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas anderson.ga@puccampinas.edu.br Renato

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais

A liberdade religiosa. dos direitos individuais aos direitos sociais D E P O I M E N T O S A liberdade religiosa dos direitos individuais aos direitos sociais Com a viragem do século, e sobretudo com o desenvolvimento das investigações das ciências sociais sobre o fenómeno

Leia mais

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Prisma Jurídico ISSN: 1677-4760 prismajuridico@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Cesarino Pessôa, Leonel; Fernandes, Pádua Reseña de "Sofrimento de indeterminação: uma reatualização da Filosofia

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 9.7.2003 COM (2003) 390 final 2003/0151 (CNS) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO que altera a Decisão 2002/834/CE que adopta o programa específico de investigação,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética da UnB por solicitação da Sociedade Brasileira de Bioética SBB Tradução: Mauro Machado

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

A origem da vida ou quando o ser biológico é considerado pessoa. Affonso Renato Meira*

A origem da vida ou quando o ser biológico é considerado pessoa. Affonso Renato Meira* A origem da vida ou quando o ser biológico é considerado pessoa Affonso Renato Meira* Assunto de fundamental importância para quem tem a preocupação com a reprodução humana é estabelecer quando que, o

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.055, DE 2004 (Apensados Projetos de Lei nº 4.555, de 2004, e nº 7.216, de 2006) Cria o Programa Nacional de Coleta, Armazenamento,

Leia mais

A educação em geral e a educação para a cidadania, em especial, devem se tornar uma questão de Estado. Xesús Jares. Entrevista Escuela. Número 3.

A educação em geral e a educação para a cidadania, em especial, devem se tornar uma questão de Estado. Xesús Jares. Entrevista Escuela. Número 3. Entrevista Escuela Número 3.734 1 de fevereiro de 2007 Xesús Rodrigues Jares, coordenador de Educadores para a Paz, há poucos meses lançou seu livro Pedagogia da Convivência, obra concebida a partir de

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS TEXTO DA DUBDH DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE BIOÉTICA E DIREITOS HUMANOS Tradução e revisão final sob a responsabilidade da Cátedra UNESCO de Bioética

Leia mais

Os actuais membros do CNPMA tomaram posse no dia 22 de Maio de 2007 e logo nesse dia tiveram a sua primeira reunião. E vão concluir o seu mandato no

Os actuais membros do CNPMA tomaram posse no dia 22 de Maio de 2007 e logo nesse dia tiveram a sua primeira reunião. E vão concluir o seu mandato no Os actuais membros do CNPMA tomaram posse no dia 22 de Maio de 2007 e logo nesse dia tiveram a sua primeira reunião. E vão concluir o seu mandato no dia 14 de Maio de 2012 mas continuarão em funções até

Leia mais

NOVO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA E AS BIOTECNOLOGIAS GENÉTICAS E DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA

NOVO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA E AS BIOTECNOLOGIAS GENÉTICAS E DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA NOVO CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA E AS BIOTECNOLOGIAS GENÉTICAS E DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA Autor: Eduardo Luiz Santos Cabette, Delegado de Polícia, Mestre em Direito Social, Pós graduado com especialização em

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil

Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Brasil Psicologia Clínica ISSN: 0103-5665 psirevista@puc-rio.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Brasil Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela resolução 217 A (III)

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

Inseminação e Fecundação Artificial

Inseminação e Fecundação Artificial Inseminação e Fecundação Artificial Introdução Para podermos compreender a análise feita pela Igreja a respeito da inseminação e fecundação artificial e a respeito da manipulação genética, faz- se necessário

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito PLANO DE ENSINO - ANO 2011/2 1 - IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Biodireito TERMO: 8º semestre CARGA HORARIA: 30 horas PROFESSOR: Clarissa Bottega, Daniela Samaniego e José Diego Costa. 2 - PERFIL

Leia mais

ANÚNCIOS PROFISSIONAIS É OBRIGATÓRIO INCLUIR O NÚMERO DO CRM EM ANÚNCIOS

ANÚNCIOS PROFISSIONAIS É OBRIGATÓRIO INCLUIR O NÚMERO DO CRM EM ANÚNCIOS Destaques do Novo Código de Ética Médica 14/04/2010 ABANDONO DE PACIENTE O MÉDICO NÃO PODE ABANDONAR O PACIENTE É vedado ao médico abandonar paciente sob seus cuidados. ( Cap. 5, art. 36) 1º Ocorrendo

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Comissão Européia Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Versão preliminar

Leia mais

BIOÉTICA SAMEC - SOCIEDADE AMAZONENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA CIESA - CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS

BIOÉTICA SAMEC - SOCIEDADE AMAZONENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA CIESA - CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS SAMEC - SOCIEDADE AMAZONENSE DE EDUCAÇÃO E CULTURA CIESA - CENTRO INTEGRADO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BIOÉTICA FILOSOFIA Manaus/AM, Junho de 21 SAMEC - SOCIEDADE

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES

PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda PROJECTO DE LEI N.º 126/X ESTABELECE OS PRINCÍPIOS DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA EM CÉLULAS ESTAMINAIS E A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES Exposição de motivos O isolamento de

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo À medida que a mente compreende as coisas como necessárias, ela tem um maior poder sobre os seus afetos, ou seja, deles padece menos. Benedictus de Spinoza in Ética Por uma Ética da Arquitetura e do Urbanismo

Leia mais

Resenha. Engenharia Genética: busca da mercadoria perfeita? José Neivaldo de Souza

Resenha. Engenharia Genética: busca da mercadoria perfeita? José Neivaldo de Souza Resenha SANDEL, Michael J. Contra a perfeição: ética na era da engenharia genética. Tradução de Ana Carolina Mesquita. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2013. 160p. José Neivaldo de Souza Engenharia

Leia mais

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO?

HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? HOJE EM DIA O ABORTO JÁ É LEGAL? COMO É A LEI DO ABORTO? Em 1984 legalizou-se o aborto em Portugal, mas os prazos dessa lei já foram alargados. Desde 1997 tornou-se legal abortar por razões de saúde da

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Considerações sobre a ética do discurso

Considerações sobre a ética do discurso Considerações sobre a ética do discurso Jaqueline Stefani 1 Palavras-chave: ética, consenso, filosofia, discurso Key words: ethics, consensus, philosophy, discourse Introdução O modelo proposto por Apel

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

Faculdade de Medicina de Lisboa

Faculdade de Medicina de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa Ética e Deontologia Médica Professor Doutor Miguel Oliveira da Silva Discentes: Filipa Eiró; Miguel Reis e Silva; Rafaela Campanha 29 de Abril de 2010 Índice Questões éticas

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Jürgen HABERMAS - Questões de Vestibulares

Jürgen HABERMAS - Questões de Vestibulares Jürgen HABERMAS - Questões de Vestibulares 1. (Uel 2013) Leia o texto a seguir. A utilização da Internet ampliou e fragmentou, simultaneamente, os nexos de comunicação. Isto impacta no modo como o diálogo

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética!

Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mudanças Climáticas: Um (Grande) Desafio Para A Ética! Mariana Marques * A comunidade científica concorda, por consenso esmagador, que as mudanças climáticas são reais. Os gases do efeito estufa aumentaram

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Consentimento informado na pesquisa em genética

Consentimento informado na pesquisa em genética Consentimento informado na pesquisa em genética Consentimento e autonomia na pesquisa em genética Sergio Rego Ensp/Fiocruz Discussão no âmbito da oposição entre indivíduo e coletivo? Indivíduo e sociedade?

Leia mais

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática

Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática Uma Propedêutica para uma Discussão sobre Pesquisa em História e Filosofia da Matemática John A. Fossa As presentes linhas pretendem ser uma espécie de propedêutica para a discussão do grupo temático sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

CÉLULAS-TRONCO - UM ENFOQUE SOBRE PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E VALORES HUMANOS

CÉLULAS-TRONCO - UM ENFOQUE SOBRE PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E VALORES HUMANOS CÉLULAS-TRONCO - UM ENFOQUE SOBRE PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS E VALORES HUMANOS Elaborado em 04.2008 Vitor Vilela Guglinski Graduado em Direito pela Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais Vianna Júnior.

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA

NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA Interpretações do Brasil Walter B. Gaspar 2010-2! NINA RODRIGUES E OLIVEIRA VIANNA Interpretações do Brasil Walter B. Gaspar 2010-2 Nina Rodrigues O intuito central de

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli

Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli Acesso à anticoncepção de emergência: direito das mulheres e dever do Estado Beatriz Galli A anticoncepção, ou contracepção de emergência é um método contraceptivo que pode evitar a gravidez após a relação

Leia mais

O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO

O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO 1 O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO FABENE, L. R. Resumo: O tema apresentado está em voga, e tem presença constante nos meios midiáticos. Isto porque a palavra célula-tronco traz esperança de

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO. Consa. Claudia Navarro C D Lemos. Junho/ 2011 O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA E A RESOLUÇAO 1.957/2010 Consa. Claudia Navarro C D Lemos Junho/ 2011 Código de Ética Médica (1965) Art. 53: A inseminação artificial heteróloga não é permitida. A homóloga

Leia mais

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com O que foi a Revolução Cultural na China? Caio Lóssio Botelho * É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com uma superfície de mais de 9.500.000 km², com a população superior a 1.180.000.000 habitantes.

Leia mais

Direitos e Deveres do Pesquisado

Direitos e Deveres do Pesquisado Comitê de Ética em Pesquisa CEP- Faciplac Registrado na SIPAR- Ministério da Saúde sob o nº 147057/2007 Direitos e Deveres do Pesquisado Direitos do Pesquisado I- Em caso de danos ao pesquisado por ato

Leia mais

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz

Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz Poderemos viver juntos? Éticas e filosofias da convivência ambiental Manuel Muñoz 1. Ecoética: do paradigma antropocêntrico ao paradigma biocêntrico. A pergunta que inicia o presente texto também faz parte

Leia mais

Encontro de Formação: Promoção e Defesa da Vida Estratégia: Como implantar uma Comissão de Promoção e Defesa da Vida

Encontro de Formação: Promoção e Defesa da Vida Estratégia: Como implantar uma Comissão de Promoção e Defesa da Vida Encontro de Formação: Promoção e Defesa da Vida Estratégia: Como implantar uma Comissão de Promoção e Defesa da Vida Regional Sul II Pastoral Familiar- Setor Família e Vida COMISSÕES PAROQUIAIS EM DEFESA

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade

Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade Version 13 11 2007 Carta da Responsabilidades Humanas Novos desafios: novas dimensões da responsabilidade A inegável evolução das relações internacionais pode ser atribuída principalmente ao reconhecimento

Leia mais

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br

A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 2014 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Factor9.com.br 1 A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Pergunta: A EMPRESA PODE EXIGIR CID NO ATESTADO? Por Eduardo Varela Consultor da Factor9.com.br Março

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

CONFLITOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PRESTADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM

CONFLITOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PRESTADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM 1 CONFLITOS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PRESTADOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM Maisa Batochi Marani 1 Cassiano Ricardo Rumin INTRODUÇÃO A enfermagem começou a ser inserida na sociedade brasileira a partir do período

Leia mais

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição

Áreas, sub-áreas e especialidades dos estudos da cognição 01. GRANDE ÁREA: CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E NATURAIS 2. Área - Probabilidade Probabilidade Aplicada (aspectos 3. Área - Estatística Fundamentos da Estatística (aspectos Modelagem Estatística Teoria da Amostragem

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

Dos fundamentos e das aporias do direito à vida

Dos fundamentos e das aporias do direito à vida Dos fundamentos e das aporias do direito à vida Grupo de pesquisa: Direito à vida e direito à morte: a legislação, a doutrina e a jurisprudência Linha de pesquisa: Fundamentos Constitucionais do Direito

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 53/CNECV/07

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 53/CNECV/07 53/CNECV/07 PARECER DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE OS PROJECTOS DE LEI Nº 126/X (Estabelece os Princípios da Investigação Científica em Células Estaminais e a Utilização

Leia mais

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke Adyr Garcia Ferreira Netto 1 Resumo No estado de natureza, situação em que segundo a doutrina contratualista o homem ainda não instituiu o governo civil, John Locke entende que os indivíduos são iguais,

Leia mais

A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa

A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa A Homofobia em conflito com a liberdade de expressão e religiosa Brunna KLITZKE CARDOSO DOS SANTOS 1 Cláudio JOSÉ PALMA SANCHEZ 2 RESUMO: Este trabalho visou essencialmente, exemplificar a homofobia em

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio

REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio Universidade de Brasília IX Semana de Extensão 30 de setembro de 2009. REFLEXÕES SOBRE OS DESAFIOS DA UNIVERSIDADE DO MUNDO GLOBALIZADO E DE UMA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Ubiratan D Ambrosio ubi@usp.br

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais