Brasília, Fevereiro de 2001.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasília, Fevereiro de 2001."

Transcrição

1 Universidade de Brasília Faculdade de Direito I Curso de Extensão em Direito Sanitário Direito à Saúde, Regulação Setorial e a Presença do Oficial de Farmácia nas Drogarias de Acordo com a Constituição Federal de 1988 e a Lei N.º 5.991/73. Leônidas dos Santos Melo Coelho Menção: Coordenador: Assinatura Brasília, Fevereiro de 2001.

2 INTRODUÇÃO: Esta presente monografia trata da parte final do I Curso de Extensão em Direito Sanitário promovido pela Faculdade de Direito da Universidade de Brasília. Este curso foi realizado entre os dias 16(dezesseis) de outubro e 27(vinte e sete) de novembro de 2001(dois mil e um), com aulas todas às terças e quartas das 14 h às 18 h, tendo carga horária de 45(quarenta e cinco) horas. Tratou-se basicamente das novas questões criadas com a evolução da legislação sanitária brasileira, culminando com o surgimento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária(ANVISA) no ano de 1999(mil novecentos e noventa e nove). Para a realização deste trabalho foi utilizada,por indicação do coordenador do curso(professor Márcio Iorio Aranha), jurisprudência de um tribunal superior, no caso o Superior Tribunal de Justiça(STJ), já que as decisões deste tipo de tribunal tem um caráter mais permanente, sendo dificilmente modificadas por uma instância superior. Com base nesta jurisprudência foi feita um análise dos argumentos, de legislação, da base constitucional da decisão, entre outras coisas. A doutrina aqui utilizada foi retirada da bibliografia sugerida no programa do curso, além, é claro, da utilizada na decisão do tribunal. Foi também de importância primordial a doutrina retirada do direito constitucional brasileiro, já que a constituição federal de 1988 é a base para toda a legislação sanitária, além, logicamente, das questões relacionadas ao direito à saúde. Outra matéria de grande importância foi a evolução histórica da importância das questões relacionadas ao direito sanitário. No que se relaciona à legislação, a parte melhor explorada foi a utilizada no acórdão analisado, já que é completamente inviável uma análise da legislação sanitária completa, devido a sua vastidão e completa desorganização(não é agrupada em um código ou em uma consolidação, mas sim num conjunto de leis, medidas provisórias, portarias, etc). A legislação de saúde é esparsa, não está consolidada, e pode ser encontrada nos três níveis de governo. Frente ao tema específico que será aqui analisado, ou seja, da presença obrigatória de farmacêutico em drogarias e farmácias, fez-se primeiro uma seleção da jurisprudência no que toca a este assunto, já que há uma vastidão de acórdãos neste sentido. Depois verificou-se a legislação assim como a uniformidade destas decisões. Com as leis e acórdãos em mãos fez-se necessário fazer referências históricas sobre o assunto, devido a grande mudança que sofreu não só a área de Direito Sanitário como de toda a regulação setorial nos últimos anos. Além disso, foi também necessário discutir as mudanças econômicas e sociais ocorridas desde o advento das preocupações com o Direito Sanitário, que acabou por gerar maiores produções legislativas, mudanças constitucionais, entre várias outras modificações importantes para o mundo do Direito. Para obter tais dados foi feita uma pesquisa da evolução constitucional do tema desde as primeiras constituições do país, assim como sobre a regulação setorial hoje em destaque no Brasil e com relação a

3 própria legislação sanitária, muito complicada de ser pesquisada por ser esparsa(como já citado anteriormente). Todo esse esforço de análise de legislação, doutrina e jurisprudência tem como propósito fundamental verificar a mudança de tratamento dos nossos tribunais nas questões relacionadas ao direito à saúde, principalmente no que se refere ao direito sanitário e todas as mudanças ocorridas com o surgimento da ANVISA.

4 DOUTRINA: 1) A evolução constitucional da questão da saúde : A constituição política imperial, outorgada a 25 de março de 1824, por Dom Pedro I, garantia apenas e tão-somente, em seu artigo 31, os socorros públicos. A lei de 12 de agosto de 1834 deu às Assembléias Legislativas Provinciais competência para legislar sobre tais casas de socorros públicos. A primeira constituição republicana, promulgada a 24 de fevereiro de 1891, não tratou da questão da saúde na seção II do título IV, sobre a declaração de direitos dos cidadãos brasileiros. Da mesma maneira comportaram-se as emendas aprovadas pelas duas câmaras do Congresso Nacional entre os anos de 1925 e 19. As cartas magnas que vieram nos anos de 1934, 1937, 1946 e 1967 tratavam mais da saúde como um gesto de caridade, de ajuda aos mais necessitados, e sobre a competência para legislar sobre lei nos três níveis de governo. Como revelou o Procurador-geral da ANVISA, Hélio Pereira Dias, em palestra proferida em 13 de Julho de 2001, na Superintendência de Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais : Tais cartas constitucionais limitaram-se a assinalar a competência originária da União para legislar a respeito de questões que envolviam saúde, reservando aos Estados-membros a competência legislativa ou complementar sobre o mesmo assunto, atendidas às peculiaridades locais, a fim de suprir eventuais lacunas ou deficiências da legislação federal, sem dispensar as exigências desta. Noutro sentido, tais constituições apenas situaram o direito às prestações de serviços de saúde no âmbito da legislação previdenciária e do trabalho, tendo como seus exclusivos destinatários os trabalhadores filiados aos sistemas próprios de previdência. Essa técnica legislativa, mais liberal, a partir da carta de 1946, se voltava para a assistência sanitária, hospitalar e médicapreventiva ao trabalhador e à gestante, e aos desvalidos. Como normas gerais, nas mesmas constituições, apenas se atribuíam a União a incumbência de adotar medidas legislativas e administrativas tendentes a restringir a mortalidade e morbidade infantis(art. 138, letra f da carta de 1937) e de estabelecimento e execução de Planos Nacionais de Saúde(Art. 8º, XIV, da Carta de 1967). A constituição de 1969 trata da questão de competência privativa da União para estabelecer e executar planos nacionais de saúde (art. 8º, XIV), bem

5 como legislar sobre normas gerais de proteção e defesa da saúde (Art. 8º, VII,c), sendo facultado aos Estados legislar, em caráter supletivo, nesta última matéria(art. 8º, Parágrafo único). Os estados federados poderiam tratar dos assuntos da competência da União quando a legislação federal for ausente, ou, caso exista, a norma estadual não deve entrar em conflito com a federal. É apenas na Constituição Federal de 1988 que a saúde ganha status de um direito social(ou de igualdade), ou seja, a saúde seria um direito fundamental de segunda geração, como é denominado por Paulo Bonavides. Tais direitos são inseridos quando da criação do Estado social, principalmente no pós-guerra, sendo direito de concretização(liberdades concretas, positivação social da liberdade). O mesmo jurista o qualifica da seguinte maneira : São os direitos sociais, culturais e econômicos bem como os direitos coletivos ou de coletividades, introduzidos no constitucionalismo das distintas formas de Estado social, depois que germinaram por obra da ideologia e da reflexão antiliberal deste século. Nasceram abraçados ao princípio da igualdade, do qual não se podem separar, pois faze-lo equivaleria a desmembra-los da razão de ser que os ampara e estimula 1 Paulo Bonavides continua dissertando sobre o tema afirmando que tais direitos inicialmente tinham baixa normatividade, já que tais direitos, em virtude de sua própria natureza, exigem do Estado determinadas prestações materiais nem sempre resgatáveis por exigüidade, carência ou até mesmo limitação essencial de meios e recursos. Tal situação mudou quando foi formulado o princípio da aplicabilidade imediata dos direitos fundamentais. Sobre isso Paulo Bonavides afirma : De tal sorte que os direitos fundamentais da segunda geração tendem a tornar-se tão justiciáveis quanto os da primeira; pelo menos esta é a regra que já não poderá ser descumprida ou ter sua eficácia recusada com aquela facilidade de argumentação arrimada no caráter programático da norma. Com efeito, até então em quase todos os sistemas jurídicos, prevalecia a noção de que apenas os direitos da liberdade eram de aplicabilidade imediata, ao passo que os direitos sociais tinham aplicabilidade mediata, por via do legislador. 2 Grande importância na mudança de concepção do direito à saúde se deve a influência da Organização Mundial de Saúde(OMS). No preâmbulo de sua Constituição é afirmado que é um dos direitos de todo o homem gozar do grau máximo de saúde e que os governos têm a responsabilidade pela saúde dos seus povos, a qual só poderá ser cumprida através da adoção de medidas sanitárias e sociais adequadas. A Resolução WHA 23.41, foi mais longe ao 1 BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. Vol. I, 11ª Edição. São Paulo : Malheiros Editores, pp BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. Vol. I, 11ª Edição. São Paulo : Malheiros Editores, pp

6 declarar, sem restrições, que o direito à saúde é um direito fundamental do homem. Já a resolução WHA afirmou que a obtenção pelos povos do melhor estado de saúde é o objetivo da Organização Mundial da Saúde, e a mais importante condição para isso é o desenvolvimento de um eficiente sistema de saúde nos países. Por fim, a Resolução WHA 30.44, deu grande importância à existência de uma adequada legislação sanitária adaptada às necessidades nacionais. Todas essas mudanças, juntamente com a necessidade de judicialização dos direitos sociais, fez com que o direito à saúde ficasse intimamente ligado ao direito de saúde, ou seja, conjunto de normas jurídicas que estabelecem os direitos e as obrigações em matéria de saúde, para o Estado, os indivíduos e a coletividade, regulando de forma ordenada as relações entre eles, na prática ou abstenção de atos, no interesse da coletividade. Essas normas ganham ainda mais importância quando notamos que elas têm prevalência sobre as normas de direito privado, quando em confronto, já que estas são de ordem pública. Voltando à questão dos direitos sociais na Constituição Federal de 1988, temos no art. 196 que a saúde é direito de todos e dever do Estado. Tal dever seria garantido mediante políticas econômicas e sociais, objetivando a redução do risco de doenças e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços públicos para a sua promoção, proteção e recuperação. De acordo com Wagner Balera surgiu, assim, um direito subjetivo público que não pode ser negado a nenhuma pessoa sob pretexto algum 3. Ingo Sarlet afirma ainda que consagrado no artigo 6º de nossa constituição, é nos arts. 196 e seguintes, que o direito à saúde encontrou sua maior concretização ao nível normativo-constitucional 4. Continuando a análise dos artigos seguintes, temos que a carta magna designa ao legislador ordinário a tarefa de criar os serviços de saúde(art. 197), de criar e fixar as diretrizes do Sistema Único de Saúde(art. 198), permite a participação(em nível complementar) de particulares na prestação de assistência à saúde(art. 199), assim como cria as atribuições do Sistema Único de Saúde(art. 200). José Afonso da silva 5 afirma que por essas ações e esses serviços serem de relevância pública, eles ficariam inteiramente sujeitos à regulamentação, à fiscalização e ao controle do poder público. Na visão do Supremo tribunal Federal(STF), os dispositivos constitucionais relativos à saúde são normas de eficácia limitada, na sua dimensão prestacional, não configurando direito subjetivo judicializável 6. Aqui seria importante lembrar os ensinamentos de Bobbio :...não se trata de saber quais e quantos são esses direitos, qual é a sua natureza e seu fundamento, se são direitos naturais ou históricos, absolutos ou relativos, mas, sim, qual é o modo mais seguro para garanti-los, para impedir que, apesar das solenes declarações, eles sejam continuamente violados. 7 3 BALERA, Wagner. O Direito Constitucional à Saúde. RPS, n. 134/92. 4 SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. 5 SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 16 ed. Malheiros, p. 805 e segs. 6 TESSLER, Marga Inge Barth. R. Trib. Reg. Fed. 4ª Região. Porto Alegre, a 12, n 40, p , BOBBIO, Norberto. A Era dos direitos. Campus, 1996.

7 A Constituição Federal de 1988 também trata do direito à saúde em seu artigo 6º, onde é caracterizada como direito social. O que fortalece a idéia de saúde como direito fundamental é que ela está intimamente ligada ao direito à vida(artigo 5º), além, logicamente, de integrar o conceito de dignidade humana, que é um dos princípios fundantes da República(art. 1º, III, Constituição Federal de 1988). Isso ocorre porque a dignidade humana é elevada com o valor saúde. O parágrafo 1º do artigo 5º da CF/1988 diz ser de aplicação imediata as normas definidoras dos direitos e garantias individuais, além do art. 60, 4º, IV, da CF/1988, proibir emenda tendente a abolir os direitos e garantias individuais. Canotilho 8 chega a afirmar que estes são direitos subjetivos, mesmo sem a criação das condições materiais para sua concretização. Outras inserções constitucionais da saúde podem ser encontradas em muitos outros pontos : 1º) No valor do salário mínimo(artigo 7º, IV) que o constituinte imaginou como suficiente para, também, atender às necessidades vitais relativas à saúde. 2º) Em seu artigo 7º, XXIII, há a redução dos agravos à saúde por ocasião do trabalho, bem como assegurou que o exercício de atividades laborativas em locais insalutíferos fossem remunerados com um adicional. 9 3º) Por causa da proteção à saúde, foram proibidos o trabalho de menores em período noturno, atividades perigosas e insalubres por se entender que os menores mais sentiriam os prejuízos à saúde decorrentes de atividades e situações de risco(artigo 7º, XXXIII, Constituição Federal de 1988). 10 Na Constituição Federal de 1988 são traçados as linhas fundamentais do direito à saúde,e, por ser direito de todos e dever do Estado, se submete fortemente a modalidades interventivas estatais, tais como a fiscalização e a regulação(modalidade esta última que ganha cada vez mais força no Brasil). A carta magna não chega a uma definição mais precisa sobre em que consistiria o direito à saúde, cabendo essa definição à lei ordinária e regras inferiores. Ou seja, o atendimento, as prestações, os serviços oferecidos e exigíveis são apenas os previstos pela legislação e regulamentação, observadas as técnicas e práticas médicas disponíveis no Brasil. Efetivamente, o direito subjetivo à saúde, no seu aspecto prestacional, deve ser o compatível com a realidade econômica do país. 11 Com base em tudo isso verifica-se que o direito á saúde não pode ser verificado, como aqui já foi exposto, como um direito subjetivo individual, já que ele depende, para concretização, de intermediação legislativa. Gilmar Ferreira 8 CANOTILHO, José J. Gomes. A Constituição Dirigente e Vinculação do Legislador. Coimbra, TESSLER, Marga Inge Barth. R. Trib. Reg. Fed. 4ª Região. Porto Alegre, a 12, n 40, p , TESSLER, Marga Inge Barth. R. Trib. Reg. Fed. 4ª Região. Porto Alegre, a 12, n 40, p , TESSLER, Marga Inge Barth. R. Trib. Reg. Fed. 4ª Região. Porto Alegre, a 12, n 40, p , 2001.

8 Mendes, afirma que no referente aos direitos prestacionais, dentre outras várias condicionantes, há a reserva do financeiramente possível. 12 No que se refere às competências de cada ente federativo, temos que a União é a principal mantenedora, gestora, reguladora e controladora do sistema e não pode omitir-se em seus deveres mesmo quando transferir os recursos. A união é responsável pelo Ministério da Saúde e por suas agências federais até o fim, até colocar o produto ou serviço nas mãos ou na pessoa do destinatário final. É aqui que entra a questão das agências reguladoras, e, nesse caso, da ANVISA. Trata-se de regulação com o objetivo de controle e prevenção. Porém, a questão da saúde envolve vários outros deveres do Estado. São eles : O dever de notificar e a segurança coletiva, a ordem pública sanitária; o dever de esclarecer; o dever de instrumentar subsídios técnicos em defesa da saúde pública; o dever da propaganda ética e estética; dever de legislar(acompanhando o progresso científico); o dever de evitar o risco sanitário(a União pode e deve intervir quando se verificar o perigo ou risco sanitário); o dever de coibir práticas abusivas: oferta de medicamentos pelas farmácias, propagandas abusivas; o dever de exigir a presença de farmacêuticos; o dever de investigar as terapias alternativas; o dever de investigar as terapias estéticas; o dever de incentivar a produção de medicamentos genéricos; o dever de prestar informações estatísticas e cadastrais; a faculdade de prescrever: a prescrição médica; o dever de auditar: auditoria no SUS e nos gastos públicos, dever da União; sindicabilidade dos gastos com saúde. É devido a essa enormidade de deveres por parte do Estado que notamos a grande importância que tomam em nossos dias as recém-criadas agência reguladoras. Elas tratarão de um leque gigantesco de assuntos de importância primordial para toda a sociedade. 2) Base Legal das Agências Reguladoras e a Questão da Regulação Setorial no Brasil : A idéia de regulação setorial no Brasil ganhou força com o movimento de modernização do Estado que passou a acontecer em meados da década de 90. Isso ocorreu por causa do movimento global de globalização e de mudança do Estado social para o Estado neo-liberal.partiu-se de um modelo de estatização de toda a sociedade para outro modelo de publicização dos organismos que antes eram estatais. Numa exposição feita sobre o tema no Senado, o Ministro Bresser Pereira afirmou o seguinte: A proposta de reforma do aparelho do Estado considera a existência de quatro setores dentro do Estado, (1) o núcleo estratégico do Estado, (2) as 12 MENDES, Gilmar Ferreira Mendes. Hermenêutica Constitucional. Brasília : Jurídica, 2000, p.205.

9 atividades exclusivas do Estado, (3) os serviços não-exclusivos ou competitivos e (4) a produção de bens e serviços para o mercado. Sobre o contrato de gestão ele disse: Através do contrato de gestão, o núcleo estratégico definirá os objetivos das entidades executoras do Estado e os respectivos indicadores de desempenho e garantirá a essas entidades os meios humanos, materiais e financeiros para sua consecução. As entidades executoras serão, respectivamente, as agências autônomas, no setor das atividades exclusivas de Estado, e as organizações sociais, no setor dos serviços não-exclusivos de Estado. As atividades exclusivas de Estado deverão ser, em princípio, organizadas através do sistema de agências autônomas. Uma agência autônoma deverá ter um dirigente nomeado pelo respectivo ministro, com o qual será negociado o contrato de gestão. Uma vez estabelecidos os objetivos e os indicadores de desempenho, não apenas qualitativos, o dirigente terá ampla liberdade para gerir o orçamento global recebido. Poderá administrar seus funcionários com autonomia no que diz respeito a admissão, demissão e pagamento e poderá realizar compras, apenas obedecendo aos princípios gerais de licitação. A ANVISA surge nesse novo contexto como uma agência executiva. Esse tipo de agência pode, por exemplo, licenciar, fiscalizar e arbitrar controvérsias entre os usuários e os concessionários ou até mesmo entre os entes privatizados e os usuários. Essas agências são autarquias especiais, já que têm mais autonomia, maior flexibilidade para contratar quer seus funcionários, quer com terceiros, etc. Tal tipo de autarquia tem independência administrativa, estabilidade de seus dirigentes e autonomia financeira(art. 3º, par. Único da MP 1791/98, que criou a ANVISA). Todo esse processo passou a ser conhecido como descentralização institucional autárquica e demanda personalidade jurídica de direito público, com a flexibilidade negocial, que é proporcionada por uma ampliada autonomia administrativa e financeira e pela simplificação das burocracias típicas da administração direta. As autarquias especiais, de acordo com Diogo de Figueiredo Moreira Neto 13, tem uma relativa independência no tocante a quatro importantes aspectos : 1º) Independência política dos gestores, investidos de mandatos e com estabilidade nos cargos durante um termo fixo; 2º) Independência técnica decisional, predominando as motivações apolíticas para seus atos; 3º) Independência normativa, necessária para o exercício de competência reguladora dos setores de atividades de interesse público a seu cargo; e 4º) Independência gerencial, orçamentária e financeira ampliada através de contratos de gestão celebrados com o respectivo órgão supervisor da administração direta. 13 NETO MOREIRA, Diogo de Figueiredo. Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro, 215:71-83, jan./mar

10 As entidades reguladoras receberam a competência normativa sobre o setor que administram. Essa competência é o passo fundamental para uma atuação célere e flexível para a solução, em abstrato e em concreto, de questões em que o primordial fosse a escolha técnica, escapando de fatores comuns na política como as disputas partidárias e ideológicas, assim como evita questões de escolhas administrativas discricionárias, que prevalecem na ação dos órgãos burocráticos da administração direta. Esse novo sistema de autarquias especiais funcionam pela técnica de delegações legislativas, o que evita que decisões técnicas ficassem cristalizadas numa lei que poderia ficar obsoleta rapidamente. Porém, devido a premissa lockeana da indelegabilidade de funções entre os poderes, temos que o exercício da delegação não pode criar normas equivalentes à que produz o poder delegante. É por esse princípio, que decorre do princípio da reserva legal, que chegamos a conclusão de que a delegação legislativa só pode produzir norma subordinada, ou seja, sem força de lei. A técnica de delegação usada nas agências reguladoras é a de deslegalização, que significa a retirada, pelo legislador, de certas matérias do domínio da lei passando-as ao domínio do regulamento. A lei de deslegalização não necessita, assim, sequer penetrar na matéria de que trata, bastando-lhe abrir a possibilidade a outras fontes normativas, estatais ou não, de regula-la por atos próprios que, por óbvio, não serão de responsabilidade do poder legislativo, ainda que sobre eles possa continuar a ser exercido um controle político sobre eventuais exorbitâncias. 14 Isso é a chamada discricionariedade técnica(poder discricionário, ou seja, de conteúdo técnico), em que um órgão especializado vai tratar de questões técnicas. A medida provisória 1791/98 dá à ANVISA os poderes assim descritos: 1º) Um poder normativo geral(art. 7º caput, c/c art. 2º, III); 2º) Poderes normativos específicos(art. 7º, inciso III); 3º) Poderes normativos específicos(art. 7º, inciso IV); 4º) Poderes normativos gerais(art. 8º caput). A deslegalização encontra dois tipos de limitações: 1º) As limitações de ordem externa : a norma deve estar de acordo e ser harmônica com o direito supraordinado ou equiordinado. 2º) As limitações de ordem interna : são as que submetem uma norma derivada, como as produzidas por delegação, aos parâmetros formais e materiais definidos na norma delegante. É devido a isso que as normas baixadas pelas agências reguladoras(e entre elas a ANVISA) estão definidas integralmente na margem de escolha técnico-científica que a legislação delegante abriu à exclusiva discrição dos respectivos agentes técnicos. 14 NETO MOREIRA, Diogo de Figueiredo. Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro, 215:71-83, jan./mar

11 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA AFIM : Aqui estão as principais leis e regulamentos que tratam da vigilância sanitária: Decreto-Lei n.º 986, de 21 de outubro de 1969 Institui normas básicas sobre alimentos. Lei n.º 5.991, de 17 de dezembro de 1973 Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras providências. Decreto n.º , de 10 de junho de 1974 Regulamenta a Lei n.º 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos. Lei n.º 6.360, de 23 de setembro de 1976 Dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam sujeitos os medicamentos, as drogas, os insumos farmacêuticos e correlatos, cosméticos, saneantes e outros produtos, e dá outras providências. Lei n.º 6.368, de 21 de outubro de Dispõe sobre medidas de prevenção e repressão ao tráfico ilícito e uso indevido de substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física ou psíquica, e dá outras providências. Decreto n.º , de 21 de dezembro de Regulamenta a Lei n.º 6.368, de 21 de outubro de 1976, que dispõe sobre medidas de prevenção e repressão do tráfico ilícito e uso indevido de substâncias entorpecentes ou que determinem dependência física e psíquica. Decreto n.º , de 5 de janeiro de 1977 Regulamenta a Lei n.º 6.360, de 23 de setembro de 1976, que submete a sistema de vigilância sanitária os medicamentos, insumos farmacêuticos, drogas, correlatos, cosméticos, produtos de higiene, saneantes e outros. Lei n.º 6.437, de 20 de agosto de 1977 Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências. Lei n.º 8.078, de 11 de setembro de 1990 Dispõe sobre a Proteção do Consumidor e dá outras providências. Lei n.º 8.080, de 19 de setembro de 1990 Dispõe sobre o Sistema Único de Saúde e revoga as Leis n.ºs 2.312/54 e 6.229/75.

12 Lei n.º 9.782, de de janeiro de 1999 Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá outras providências. Lei n.º 9.787, de 10 de fevereiro de 1999 Altera a Lei n.º 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Decreto n.º 3.029, de 16 de abril de 1999 Aprova o Regulamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá outras providências. Contrato de Gestão que entre si celebram o Ministério da Saúde MS e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVS. Resolução de Diretoria Colegiada RDC-ANVS n.º 464, de 17 de setembro de 1999 dispõe sobre a padronização dos atos normativos e ordinários e correspondências expedidas no âmbito da Agência Nacional de Vigilância sanitária, autoridades que os expedem, suas finalidades e requisitos formais e dá outras providências. Decreto n.º 3.675, de 28 de novembro de Dispõe sobre medidas especiais relacionadas com o registro de medicamentos genéricos, de que trata o artigo 4º da Lei n.º 9.787, de 10 de fevereiro de Resolução RE n.º 2, de 28 de novembro de 2000 Dispõe sobre padronização de modelos para os atos de competência legal no exercício de atividades de fiscalização no âmbito da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Lei n.º , de 21 de março de 2001 Regulamenta o 4º do art. 199 da Constituição Federal, relativo à coleta, processamento, estocagem, distribuição e aplicação do sangue, seus componentes e derivados, estabelece o ordenamento institucional indispensável à execução adequada dessas atividades, e dá outras providências Lei n.º , de 27 de março de 2001.Define normas de regulação para o setor de medicamentos, institui a Fórmula Paramétrica de Reajuste de Preços de Medicamentos FPR, cria a Câmara de Medicamentos e dá outras providências. É importante salientar que toda essa evolução, até chegarmos a ANVISA, ocorreu devido a uma grande mudança de concepção das funções do Estado no que se refere à saúde, e, conseqüentemente, à vigilância sanitária. Além disso, as mudanças tecnológicas, os termos técnicos e as necessidades cada vez maiores de profissionais ainda mais especializados, geraram também tais modificações(isso é até uma das razões para se adotar o regime de agências reguladoras, já que as leis não poderiam acompanhar com a rapidez necessária todas as mudanças sobre o assunto). Por fim,também é importante a existência de regras cada vez mais exigentes com relação aos cuidados sanitários, o que é resultado principalmente das regras internacionais de comércio(evitar barreiras comerciais) e da própria

13 pressão da sociedade por uma melhor qualidade de vida, que pressionam o Estado, por meio de sua agência, a agir com a firmeza necessária em cada caso particular. Por fim, seria importante revelar que as leis sanitárias de maior importância para a análise, que se segue, do acórdão do Superior Tribunal de Justiça são as seguintes: Decreto /31(mantido em seu artigo 2º pela Lei 5.991, indicando as atividades que não são privativas de farmacêutico e a que traz as obrigações do farmacêutico), Lei 5.991/73, MP /99(presença de farmacêuticos na distribuidora de remédios) e súmula 120 do STJ.

14 ANÁLISE DE JURISPRUDÊNCIA : 1) Elementos Técnicos: - Data de Julgamento: 05(Cinco) de fevereiro de Origem do Processo: São Paulo. - Relator: Ministro Demócrito Reinaldo. - Recorrente: Yoshitaka Ishi. - Recorrida: Fazenda do Estado de São Paulo. - Advogados: Olavo José Vanzelli e outros; Paris Piedade Júnior e outros. 2) Descrição Sucinta do Caso: O caso trata-se de um recurso especial interposto pelo oficial de farmácia Yoshitaka Ishi, por causa de decisão da 7ª câmara civil do Tribunal de Justiça de São Paulo, que negou a ele o direito de ser responsável por drogaria de sua propriedade, mesmo ele sendo oficial de farmácia. Em primeira instância o recurso tinha sido favorável ao oficial de farmácia. O apelo ao STJ foi inadmitido na origem, mas, por meio de agravo de instrumento, foi-lhe dado provimento, determinando a sua autuação como recurso especial. O recorrente deseja que seja mantida a sentença da primeira instância, na qual restou a ele reconhecido o direito de assumir a responsabilidade técnica de drogaria de sua propriedade. Seus argumentos para isso foram que a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo negou vigência aos artigos 4º, X e XI, e 58 da lei nº 5.991/73, que manteve o decreto /31 em parte, bem como divergiu de julgado do próprio STJ(súmula 120). 3)Decisão do Tribunal: O STJ, por meio do ministro Demócrito Reinaldo, permitiu que o mero oficial de farmácia, desde que devidamente inscrito no Conselho Regional respectivo, pode exercer as atividades típicas de Drogarias, para as quais não há necessidade de grau universitário.

15 De acordo com o relator, como nas drogarias não há o manuseio de drogas para o fim de manipulação de fórmulas medicamentosas, mas, apenas, a exposição e venda ao público de medicamentos prontos e embalados, não seria necessária a responsabilidade direta do próprio farmacêutico. 4) Análise da Decisão: O grande problema oposto ao STJ foi a diferença entre o Oficial de farmácia e o Farmacêutico, e a relação dessa diferença com a lei 5.991/73, que exigia a presença de um técnico responsável nas farmácias e drogarias. Esse técnico teria que ser um farmacêutico ou poderia ser apenas um oficial de farmácia? A lei 5.991/73 dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos. A partir desta lei(art. 15), as farmácias e drogarias passaram a ter, obrigatoriamente, a assistência de técnico responsável, inscrito no Conselho Regional de Farmácia, na forma da lei. Existem diferenças fundamentais entre drogarias e farmácias, o que vai influir na decisão. Nas primeiras não há manipulação de fórmulas, mas apenas exposição e venda ao público de medicamentos prontos e perfeitamente embalados, produzidos por terceiros(indústria farmacêutica, nas quais já existem farmacêuticos responsáveis pelos produtos ali fabricados), não havendo necessidade de que seja o próprio farmacêutico o responsável direto, mas apenas mero oficial de farmácia, desde que devidamente inscrito no conselho regional competente 15. Já nas últimas, será permitido o manuseio de drogas in natura para fins de manipulação de fórmulas a serem vendidas posteriormente ao público, caso em que é necessário por ela responda o próprio farmacêutico,único profissional habilitado à manipulação de fórmulas 16. A lei 5.991/73(que obrigou a assistência de um técnico responsável inscrito no conselho Regional de Farmácia), ao revogar o decreto nº /31, manteve o art. 2º deste último, seus incisos e até o parágrafo único, o que acabou por manter a parte que traz as obrigações do farmacêutico, e também as que indicam as atividades que não são privativas do farmacêutico. Nessas atribuições incluem-se as mesmas que pretende o recorrente exercer em sua drogaria como oficial técnico e responsável. Isso ocorre porque nas drogarias há apenas a comercialização de produtos, sem qualquer manipulação, o que não gera a necessidade de farmacêutico, mas apenas do prático ou oficial de farmácia, desde que inscrito no conselho Regional. Além disso, a restrição de qualquer tipo de direitos só tem eficácia quando expressamente definida em lei, o que não acontece nesse caso com relação à possibilidade do oficial de farmácia poder dar assistência como técnico responsável nas drogarias. Ou seja, não há qualquer restrição legal à participação do oficial de farmácia nas drogarias como responsável técnico, o que impede a 15 Trecho da página 4 do acórdão aqui analisado. 16 Trecho da página 4 do acórdão aqui analisado.

16 admissão da idéia de que eles não poderiam ser auxiliares técnicos, mesmo nas atividades não exclusivas para farmacêuticos. É por isso que a decisão do STJ foi correta e levou em conta fatos que a decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo não levou, como, por exemplo, a revogação parcial do decreto /31, assim como a não utilização da idéia de que a restrição de direitos só tem eficácia quando expressamente definida em lei. Outro ponto que seria importante discutir, mesmo não estando diretamente relacionada a esta decisão, é a questão que envolve a medida provisória , que, em seu art. 10º dispõe: às distribuidoras de medicamentos aplica-se o disposto no art. 15 da lei n.º 5.991/73. Tal medida provisória obriga a presença de farmacêuticos nas distribuidoras de remédios, porém gerou enormes problemas jurídicos, pois a MP alterou apenas o regulamento e não a lei 5.991/73. Como o regulamento nunca pode extrapolar a lei(a lei está acima do regulamento; é uma das limitações da deslegalização, como já foi exposto no último parágrafo da parte doutrinária), o que acabou por acontecer neste caso(a lei determina presença de responsável técnico apenas em drogarias e farmácias), houve várias decisões contrárias a MP nos tribunais.

17 CONCLUSÃO: Antes de tudo, gostaria de afirmar que acredito na correção da decisão do STJ, além, é claro, desta decisão não ser única, mas sim parte de uma tese amplamente desenvolvida nesta egrégia corte nacional, assim como inclusive em tribunais de primeira instância(é o posicionamento predominante nos tribunais brasileiros). Isso pôde ser comprovado pela análise de outros acórdãos do próprio STJ, como, por exemplo, nos RESP e RESP Por isso gostaria de ressaltar, mais uma vez, que a análise aqui realizada foi feita com base na jurisprudência e doutrina predominantes. Seria importante demonstrar a importância que estudos sobre as áreas de regulação setorial ganhem no Brasil atualmente, e principalmente de acordos como o que a ANVISA e a UnB realizaram com o objetivo de colocar no mercado profissionais que tenham a capacidade de dirimir questões recentes e sem nenhuma grande base de estudo. Ainda há grandes incertezas sobre o futuro desta área, porém é certo que a cada dia o estudo de agências como a ANEEL, ANVISA, ANATEL,etc, ganhem importância primordial, sendo indispensável a um profissional de ponta esse tipo de conhecimento. Também é importante notar que esses estudos são enormemente dependentes de outras áreas do Direito e de outras áreas do conhecimento. Neste trabalho foi pretendido, basicamente, mostrar a relação da legislação sanitária com o direito constitucional, porém há inúmeros pontos de contato com outras matérias, inclusive com a história e com a política, já que o surgimento das agências reguladoras se deu com a mudança nas concepções de Estado e uma pretensa modernização de sua estrutura, assim como numa tentativa de publicização de algumas áreas antes estatais, trazendo melhor qualidade de vida para a sociedade(a constituição de 1988 trouxe várias obrigações para o Estado e seus direitos vão ser melhor defendidos pelas agências). Outro fato importante é a ligação do direito sanitário com questões de relações internacionais e direito econômico(respectivamente, comércio internacional de animais e produtos de origem animal e o sistema brasileiro de defesa antitruste). A importância de tais assuntos em nosso mundo fica cada vez maior, e para ter um completo entendimento destas questões, é necessário ter um mínimo de entendimento do direito sanitário e de como está baseada a agência reguladora de tais situações. Finalizando, gostaria de encorajar cada vez mais o contato entre as agências reguladoras e as universidades para empreender pesquisas sobre essa fascinante e inexplorada área da regulação setorial com a finalidade de formação de profissionais capazes de lidar com questões que, em breve, estarão cada vez mais presentes em todos os campos da sociedade.

18 BIBLIOGRAFIA: 1) BALERA, Wagner. O Direito Constitucional à Saúde. RPS, n. 134/92. 2) BOBBIO, Norberto. A Era dos direitos. Campus, ) BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. Vol. I, 11ª Edição. São Paulo : Malheiros Editores, pp ) NETO MOREIRA, Diogo de Figueiredo. Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro, 215:71-83, jan./mar ) SARLET, Ingo Wolfgang. A Eficácia dos Direitos Fundamentais. 6) SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 16 ed. Malheiros, p. 805 e segs. 7) TESSLER, Marga Inge Barth. Revista Tribunal Regional Federal - 4ª Região. Porto Alegre, a 12, n 40, p , 2001.

19 ANEXOS: 1) Acórdão do STJ analisado;

20 ANEXOS : 2) Lei n 5.991/73

21 ANEXOS: 3) MP n /99

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga

Poderes Administrativos. Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos Professora: Paloma Braga Poderes Administrativos - Conceito São os meios ou instrumentos através dos quais a Administração Pública exerce a atividade administrativa na gestão dos

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário

Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário 201 Trabalho de Conclusão do Curso de Direito Sanitário Débora Maria Barbosa Sarmento 1 Apesar de o homem desde a Antiguidade reconhecer a importância da saúde, o Estado Moderno, na consagração das declarações

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA

PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA PROJETO DE LEI DA CUT PARA A REGULAMENTAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NAS EMPRESAS PRIVADAS E DE ECONOMIA MISTA O texto que se segue foi elaborado pela CUT, por meio do GT Terceirização, coordenado pela Secretaria

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução CFC n.º 1.445/13 O Conselho Federal de Contabilidade é uma autarquia especial de caráter corporativo, criado pelo Decreto-Lei n.º 9295/46, que tem por

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 398, de 2012, do Senador Pedro Taques, que

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.143, DE 2011 Proíbe a comercialização de produtos ópticos na condição que menciona. Autor: Deputado ARNALDO FARIA DE SÁ

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e;

Considerando que as Faculdades Integradas Sévigné estão em plena reforma acadêmica que será implementada a partir de 2009 e; RESOLUÇÃO CSA 02/2009 REFERENDA A PORTARIA DG 02/2008 QUE APROVOU A INSERÇÃO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NÃO OBRIGATÓRIOS NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DOS CURSOS OFERTADOS PELAS FACULDADES INTEGRADAS SÉVIGNÉ.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ESTADO DOS DIREITOS HUMANOS AUTORIDADE CENTRAL ADMINISTRATIVA FEDERAL II REUNIÃO DO CONSELHO DAS AUTORIDADES CENTRAIS BRASILEIRAS RESOLUÇÃO N.º 02/ 2000 Dispõe sobre a Aprovação do Regimento Interno e dá outras providências O Presidente do Conselho das Autoridades Centrais

Leia mais

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO INTERVENÇÃO DO ESTADO NO DOMÍNIO ECONÔMICO O ESTADO VEIO TENDO, NO DECORRER DO SÉCULO XX, ACENTUADO PAPEL NO RELACIONAMENTO ENTRE DOMÍNIO JURÍDICO E O ECONÔMICO. HOJE, TAL RELAÇÃO JÁ SOFRERA PROFUNDAS

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO

Art. 1º Fica aprovado, na forma do Anexo, o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos - CONARQ. JOSÉ EDUARDO CARDOZO ANEXO PORTARIA Nº 2.588, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional de Arquivos O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições previstas nos incisos I e II do parágrafo

Leia mais

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação:

Com a citada modificação, o artigo 544, do CPC, passa a vigorar com a seguinte redação: O NOVO AGRAVO CONTRA DESPACHO DENEGATÓRIO DE RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL 2011-06-15 Alexandre Poletti A Lei nº 12.322/2010, que alterou os artigos 544 e 545 do CPC, acabou com o tão conhecido e utilizado

Leia mais

A LEI 9.656/98 E O CDC

A LEI 9.656/98 E O CDC A LEI 9.656/98 E O CDC Daniela Maria Paludo 1 A Lei 9656/98 foi elaborada a partir de inúmeras discussões entre entidades de defesa do consumidor, representantes dos planos de seguro saúde, corporações

Leia mais

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4

Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Turma TCMRJ Técnico de Controle Externo 123 Módulo 1 4 Banca: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO/RJ Edital SMA Nº 84/2010 (data da publicação: 27/09/2010) Carga horária (aulas presenciais): 126 horas

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010 QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2010 01 A respeito da validade dos atos administrativos, assinale a alternativa correta. a) A Administração Pública do Estado do Rio de Janeiro pode convalidar

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso III do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo efetivo cujas atividades

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.350, DE 5 DE OUTUBRO DE 2006. Regulamenta o 5 o do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Conteúdo de sala de aula.

Conteúdo de sala de aula. Assunto. Administração Pública I. Categoria. Conteúdo de sala de aula. III - ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Mesmo sabendo que a expressão Administração Pública tem vários sentidos e formas de estudo, nesse momento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE:

CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: CONTRATUALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: INSTRUMENTO DE CONTROLE E AVALIAÇÃO DOS CONTRATOS DE GESTÃO XXVI Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 06/03/2012 Secretaria de Saúde

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso II do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial a servidores públicos que exerçam atividade de risco. O CONGRESSO

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 COMISSÃO ESPECIAL DESTINADA A PROFERIR PARECER À PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 391-A, DE 2014 Fixa parâmetros para a remuneração da Carreira de

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior

Administração Pública. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior Administração Pública Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 A seguir veremos: Novas Modalidades de Administração no Brasil; Organização da Administração Pública; Desafios da Administração Pública.

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 046 CONSUPER/2014 Regulamento para participação em atividades esporádicas para professores submetidos ao Regime de Dedicação Exclusiva. O Presidente do do IFC, Professor Francisco José Montório

Leia mais

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34)

Responsável (CPF): Nelson Monteiro da Rocha (549.133.147-34) Tribunal de Contas da União Data DOU: 19/07/2004 Colegiado: Segunda Câmara Número da Ata: 25/2004 Texto do Documento: RELAÇÃO Nº 58/2004 - Segunda Câmara - TCU Gabinete do Ministro Benjamin Zymler Relação

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 533, de 2013, do Senador Sérgio Souza, que estabelece a obrigatoriedade de as farmácias

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

www.concursovirual.com.br

www.concursovirual.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO TEMA: CONHECIMENTOS GERAIS CORREIOS/2015 CONHECIMENTOS GERAIS ESTADO UNITÁRIO - PODER CENTRAL (França) ESTADO COMPOSTO ESTADO UNITÁRIO (Formação histórica) ESTADO REGIONAL MENOS

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado Controle de Ponto do Trabalhador terceirizado 13/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações

Leia mais

Vigência da Lei n. 13.021 de 08/8/2014 Alterações Significativas em Farmácias Hospitalares?

Vigência da Lei n. 13.021 de 08/8/2014 Alterações Significativas em Farmácias Hospitalares? Vigência da Lei n. 13.021 de 08/8/2014 Alterações Significativas em Farmácias Hospitalares? Phillipe Fabrício de Mello Assessor Jurídico da FEHOSPAR, Membro do Conselho Jurídico da Confederação Nacional

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1 REGULALMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPÍTULO I DA FINALIDADE Artigo 1º O Núcleo de Prática Jurídica é órgão destinado a coordenar, executar

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS INDICAÇÃO Nº de 2007 (Da Senhora Andreia Zito) Sugere o encaminhamento ao Congresso Nacional de Projeto de Lei que disponha sobre a jornada de trabalho dos servidores público federais ocupantes de cargos

Leia mais

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E PARECERES PARECER n.º 007/2013 Aprovado na 523ª Reunião Ordinária de Plenário de 26 de agosto de 2013. 1. Do Fato Assunto: Dispensação de medicamentos pelo Técnico de Enfermagem.

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas

Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas Simulado de Direito Administrativo Professor Estevam Freitas 01. ( FUNIVESA/SEPLAG/AFC 2009) Assinale a alternativa correta acerca da organização administrativa brasileira. ( A ) Toda a sociedade em que

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA

PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI SOBRE O PISO SALARIAL NACIONAL DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR PÚBLICA Regulamenta o inciso VIII do artigo 206 da Constituição Federal, para instituir o piso salarial profissional

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL EDILSON PEREIRA NOBRE JÚNIOR AC Nº 540866/PE (0010598-17.2010.4.05.8300) APTE : UNIMED GUARARAPES - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADV/PROC : BRUNO BEZERRA DE SOUZA e outros APDO : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL ASSIST MP : ANS - AGÊNCIA

Leia mais

Estatutos da Aliança Francesa

Estatutos da Aliança Francesa Estatutos da Aliança francesa Estatutos da Aliança Francesa Preâmbulo A Aliança francesa é um movimento internacional criado em 1883, apolítico e não confessional, que se deu por missão ensinar a língua

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito tributário

Maratona Fiscal ISS Direito tributário Maratona Fiscal ISS Direito tributário 1. São tributos de competência municipal: (A) imposto sobre a transmissão causa mortis de bens imóveis, imposto sobre a prestação de serviço de comunicação e imposto

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a:

Qualificação técnica. A documentação relativa à qualificação técnica limita-se a: Observe, quando da contratação de empresas para realização de obras e/ou prestação de serviços, o disposto na Lei 8.212/91, que determina a exigência da Certidão Negativa de Débito da empresa na contratação

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal)

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) Dá nova redação ao artigo 15 da Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA

POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA POLÍTICA DE INVESTIMENTO SOCIAL NA ÁREA DA INFÂNCIA NOVOS PARÂMETROS DO CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CONANDA) Carlos Nicodemos DOUTRINA DA INDIFERENÇA Até 1899: Ausência

Leia mais

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10

FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 FENASAN XXI Feira Nacional de Saneamento e Meio Ambiente XXI Encontro Técnico AESABESP 11.08.10 Gustavo Justino de Oliveira Pós Doutor em Direito Administrativo Universidade de Coimbra Professor de Direito

Leia mais

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito

2.6.2. Entidades fundacionais as fundações públicas 2.6.2.1. Conceito Esses consórcios, a fim de poder assumir obrigações e exercer seus direitos perante terceiros, precisam de personalidade jurídica, assim, a citada lei dispôs que eles serão pessoas jurídicas de direito

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 6.821, DE 2002 (DO SENADO FEDERAL) Altera o art. 7º da Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS L 115/12 Jornal Oficial da União Europeia 27.4.2012 II (Atos não legislativos) REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 363/2012 DA COMISSÃO de 23 de fevereiro de 2012 respeitante às normas processuais

Leia mais

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras

Agências Executivas. A referida qualificação se dará mediante decreto do Poder Executivo. Agências Reguladoras Agências Executivas A Lei nº 9.649/98 autorizou o Poder Executivo a qualificar, como agência executiva aquela autarquia ou fundação pública que celebre contrato de gestão com o Poder Público. A referida

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 279, DE 2013.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 279, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 279, DE 2013. Dispõe sobre a instituição de ouvidoria pelas sociedades seguradoras, entidades abertas de previdência complementar

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

A Cláusula de Carência em. Fundamento para Limitação de Cobertura dos Casos de Emergência

A Cláusula de Carência em. Fundamento para Limitação de Cobertura dos Casos de Emergência 110 A Cláusula de Carência em Fundamento para Limitação de Cobertura dos Casos de Emergência Renata Palheiro Mendes de Almeida 1 I INTRODUÇÃO - - da Carta Magna. Enfatizando a envergadura desse direito

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde

SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Universidade de Cuiabá - UNIC Núcleo de Disciplinas Integradas Disciplina: Formação Integral em Saúde SUS: princípios doutrinários e Lei Orgânica da Saúde Profª Andressa Menegaz SUS - Conceito Ações e

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE 255-2044 - CEP 01045-903 FAX Nº 231-1518

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE 255-2044 - CEP 01045-903 FAX Nº 231-1518 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE 255-2044 - CEP 01045-903 FAX Nº 231-1518 Deliberação CEE nº 09/95 Dispõe sobre delegação de Competências aos Conselhos Municipais e Regionais

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI)

Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Conselho Nacional de Ética em Pesquisa nas Ciências Humanas (CECiHu / MCTI) Processo de sua criação no âmbito do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, com vistas ao estabelecimento de um Código

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS

PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS RELATÓRIO PARECER ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS Considerando a multiplicação de solicitações encaminhadas à Comissão de Fiscalização COFI do CRESS 17ª Região a respeito de acumulação de cargos públicos,

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes

OAB 2ª Fase Direito Constitucional Meta 4 Cristiano Lopes OAB ª Fase Direito Constitucional Meta Cristiano Lopes 0 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. META LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CF, arts. ; Doutrina: Poder legislativo

Leia mais

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário.

PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Poderes Administrativos: - Poder Hierárquico continuação. - Poder de Polícia. - Poder Vinculado. - Poder Discricionário. 1)Poderes Administrativos: Poder hierárquico continuação:

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR

N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR N o 8683/2014-AsJConst/SAJ/PGR Relator: Ministro Marco Aurélio Requerente: Procurador-Geral da República Interessados: Governador do Estado de Sergipe Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL

MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL MÓDULO II PISO SALARIAL PROFISSIONAL NACIONAL LEGISLAÇÃO BÁSICA LEI Nº 11.738, DE 16/07/2008 1 Profissionais têm direito ao piso piso. O art. 1º e o 2º do art. 2º definem quais profissionais têm direito

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais