PASSO A PASSO PARA UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI EFICIENTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PASSO A PASSO PARA UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI EFICIENTE"

Transcrição

1 PASSO A PASSO PARA UM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TI EFICIENTE

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 METAS E OBJETIVOS 5 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 10 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO 15 MONITORAMENTO 22 CONCLUSÃO 24 SOBRE A POLO IT 26

3 INTRODUÇÃO

4 INTRODUÇÃO A Tecnologia da Informação tem um peso cada vez maior dentro das empresas e organizações. Praticamente tudo, do operacional mais básico à tomada de decisões mais elaborada, depende, em algum grau, do funcionamento adequado do setor de TI. Nesse cenário, é inegável a grande importância que um planejamento estratégico eficiente tem para alcançar os resultados e objetivos. Neste e-book, ensinaremos os passos para montar um plano de ação para o departamento de TI. Você verá desde as metodologias usadas para definir metas até as práticas apropriadas para monitoramento, passando por métricas que merecem ser observadas antes, durante e depois e a definição de orçamento, um tópico delicado para grande parte das companhias. Está pronto? Vamos lá! - 4 -

5 METAS E OBJETIVOS

6 METAS E OBJETIVOS O primeiro passo para fazer um planejamento estratégico de TI de forma eficiente é saber de onde sua empresa está partindo e onde ela quer chegar. Para isso, é preciso saber analisar a situação atual para guiar a tomada de decisões, bem como definir objetivos, que serão alcançados por meio do cumprimento de metas. Falaremos um pouco mais sobre esses processos a seguir. Acompanhe! - 6 -

7 METAS E OBJETIVOS COMO ANALISAR A SITUAÇÃO? A METODOLOGIA SWOT É praticamente impossível que sua empresa ou negócio não tenha uma estrutura de TI, por menor que ela seja. Da mesma forma, é bastante provável que essa estrutura apresente problemas ou deficiências, alguns menores, outros maiores. Saber identificá-los é parte essencial do planejamento das próximas ações em tecnologia da informação. Para isso, uma boa sugestão é usar a metodologia de análise SWOT. SWOT, caso você não saiba, é a sigla para Strenghts, Weaknesses, Oportunities and Threats traduzindo:, forças, fraquezas, oportunidades e ameaças. A seguir, faremos um passo a passo de como realizar essa análise

8 METAS E OBJETIVOS ANALISE CENÁRIOS INTERNOS E EXTERNOS A metodologia define que você deve analisar os cenários internos, que dizem respeito à empresa em si, e externos, que podem ser tanto do microambiente (relativos a clientes, fornecedores e concorrentes, por exemplo) quanto do macroambiente (política, economia, legislação, entre outros). A análise do ambiente interno divide as situações encontradas em pontos fortes e pontos fracos. Já a análise do ambiente externo procura identificar possibilidades de oportunidades e ameaças. RELACIONE FATORES INTERNOS E EXTERNOS O próximo passo é cruzar os fatores internos com os fatores externos, visando potencializar os pontos fortes e minimizar os pontos fracos. Quando for possível, os pontos fortes podem ser usados para tirar o máximo proveito das oportunidades e mitigar os danos das ameaças. Já os pontos fracos devem ser corrigidos para não atrapalhar as oportunidades e não abrir perigosas brechas para as ameaças. Para uma análise SWOT ser bem aproveitada, ela deve ser objetiva e realista não adianta querer se enganar ou mascarar os problemas, pois isso apenas levará a uma tomada de decisões ruim. Também é necessário priorizar os itens de cada uma das letras para identificar o que é mais urgente e mais importante. Feito esse quadro geral da situação do departamento de TI diante dos fatores externos, é hora de definir objetivos e metas. Você conhece a diferença entre os dois? Sabe como estabelecer cada um deles? Continue lendo esse é nosso próximo tópico! - 8 -

9 METAS E OBJETIVOS COMO DEFINIR METAS E OBJETIVOS? A METODOLOGIA SMART As tomadas de decisão previstas no planejamento estratégico de TI devem ter objetivos a serem alcançados e metas a serem cumpridas. É importante saber a diferença: objetivo é a descrição de onde se quer chegar ou o que se quer alcançar; meta, por outro lado, é um ponto quantitativo que deve ser atingido para se cumprir um objetivo. Agora que você já conhece o SWOT, é hora de ser apresentado a outra sigla: o SMART. SMART é uma metodologia de definição de metas. As letras significam Specific, Measurable, Attainable, Relevant e Time-bound traduzindo: específica, mensurável, atingível, relevante e com prazo definido. São essas as condições que uma boa meta deve ter. Agora que você já sabe os critérios que uma meta deve cumprir, falaremos um pouco mais sobre alguns indicadores que podem mostrar a real situação de seu departamento de TI e como ele pode melhorar. Continue lendo! - 9 -

10 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

11 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Anteriormente, você aprendeu como analisar a situação de sua empresa e como definir metas e objetivos. Falaremos, agora, um pouco sobre diferentes indicadores que podem ser usados para avaliar a situação atual do departamento de TI e traçar metas para alcançar objetivos. MÉTRICAS DE DESENVOLVIMENTO Métricas de desenvolvimento de software ajudam a perceber como vai o cumprimento de prazos e a entrega de produtos do setor. Elas relatam informações sobre bugs e atrasos. Exemplos: atrasos de versões; bugs por versão; tempo para correção de bug

12 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MÉTRICAS DE QUALIDADE Métricas de qualidade dizem respeito aos erros encontrados naquilo que foi produzido ou publicado. Exemplos: bugs por versão de teste; bugs por versão publicada; horas de teste versus horas de desenvolvimento

13 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MÉTRICAS DE SERVIÇOS O trabalho do service desk também gera algumas métricas, que servem para avaliar a atual situação e traçar possíveis melhorias. É preciso lembrar, porém, que a ociosidade é necessária para um bom atendimento em situações de muitas chamadas. Exemplos: chamados criados versus chamados resolvidos; tempo de primeira resposta; percentual de cumprimento de SLA; tempo de ociosidade por funcionário; tempo de atendimentos por funcionário; nível de satisfação do cliente

14 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MÉTRICAS DE INFRAESTRUTURA Em empresas em que o setor de TI não tem muitas atribuições de desenvolvimento, mas, mesmo assim, é fundamental para a operação da companhia, é preciso estar atento às métricas de infraestrutura. Exemplos: disponibilidade de infraestrutura; capacidade de serviço; número de falhas por serviço. Agora você já é capaz de escolher as metas adequadas para o objetivo do seu planejamento estratégico de TI. No entanto, é preciso ter em mente que qualquer projeto custa dinheiro e, por isso, demanda muito cuidado. Veremos a seguir como definir corretamente um orçamento. Continue lendo!

15 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO

16 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO A discussão e o planejamento de orçamento são tópicos frequentemente negligenciados durante o planejamento de TI. Na maioria das vezes, os gestores de TI trabalham isolados do resto da empresa. Eles recebem um orçamento fixo e têm que se adaptar para não estourar os custos dos projetos. O ideal é que isso não ocorra. O setor de TI deve trabalhar junto à companhia para definir quais são seus objetivos e como eles se alinham à estratégia da organização. Para que isso ocorra, é importante ter em mente alguns critérios para a avaliação de investimento. Eles servem para muitas áreas e também se aplicam à Tecnologia da Informação. Acompanhe!

17 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ADEQUAÇÃO Os critérios de avaliação de um investimento podem ser divididos em quatro áreas de concentração. Veremos um pouco mais sobre cada uma dessas áreas a seguir. VALOR Dois critérios de avaliação dizem respeito ao valor do investimento para a empresa. O valor de negócio trata dos possíveis benefícios para a empresa em termos mais amplos. As métricas usadas nesse caso são próprias dessa área, como qualidade de produto, satisfação do cliente e time to market (tempo que leva do desenvolvimento de um produto até sua disponibilização para o mercado). Já o valor financeiro diz respeito aos possíveis benefícios monetários que podem ser obtidos a partir daquele investimento. A métrica principal aqui é o ROI (return on investment). Outros dois critérios para a avaliação de um investimento podem ser feitos levando em conta o quanto ele é (ou não) adequado para a empresa. A adequação estratégica reflete sobre o quanto o projeto está inserido nos objetivos de curto e longo prazo da organização. Já a adequação técnica analisa se o projeto é compatível com a arquitetura e a estrutura existentes, como sistemas operacionais, hardware e mão de obra. RISCO O risco é classificado usando também dois critérios. Há o risco de implementação, que trata das possibilidades de o projeto em si sair mais caro que o previsto ou não ser entregue no prazo, e o risco operacional, que calcula as chances de o investimento não atingir os benefícios prometidos

18 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO OUTROS CRITÉRIOS Há, ainda, outros critérios que precisam ser avaliados pelos gestores de TI em conjunto com a direção da empresa, como a alocação de ativos desejada pela organização, o calendário de implementação e a necessidade e a disponibilidade de fluxo de caixa. O ideal é que o orçamento de TI seja flexível e, mais que isso, tido como parte da política de investimentos da companhia como um todo. Afinal de contas, a Tecnologia da Informação é uma parte estratégica importantíssima para se obter sucesso nos dias de hoje. Agora que já vimos os critérios para avaliar um investimento, listaremos algumas etapas importantes da definição de orçamento em si. Acompanhe!

19 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO ESTRATÉGIA DE DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO Definir o orçamento de TI é um processo que guarda alguma semelhança com a organização de finanças pessoais. Assim como uma pessoa, a empresa precisa descobrir em que gastos pode economizar, quais são seus objetivos de curto e longo prazo e para onde seus investimentos devem ser direcionados. Por isso, essa parte do planejamento deve estar bastante alinhada com o resto da empresa. É preciso entender como os projetos de tecnologia afetam o fluxo de caixa e quais as possíveis consequências desse investimento no capital e no orçamento da organização. Por isso, falaremos um pouco sobre quais são os componentes do orçamento de TI e quais os impactos financeiros que esse setor pode causar na empresa

20 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO COMPONENTES DO ORÇAMENTO DE TI O orçamento de TI pode ser dividido em três componentes: operação, crescimento e transformação. Operação: itens essenciais para manter a empresa funcionando, como trocas de servidor, atualizações de software e custos de pessoal para manter e administrar a infraestrutura de TI. É o componente mais básico e fixo do orçamento e dificilmente pode ser alterado, a não ser por uma revisão dos processos e melhora da eficiência. É preciso, também, estar atento ao quanto sua empresa é dependente de inovação em TI. Quanto mais forte for essa relação, maior será a necessidade de mais recursos para crescimento e transformação. Crescimento: itens que ajudam a empresa a desenvolver novas capacidades ou melhorar as existentes, como novos softwares para aumentar a eficiência operacional, compra de um firewall para proteção adicional ou o desenvolvimento de um novo site para a empresa. Precisa estar alinhado com a estratégia da empresa e possui certa flexibilidade de tempo. Transformação: itens relativos a atividades de pesquisa e desenvolvimento, como a busca e a criação de novos produtos, serviços e soluções para aumentar a eficiência e a produtividade. Demanda gastos periódicos e é essencial para a saúde de longo prazo do negócio

21 DEFINIÇÃO DE ORÇAMENTO IMPACTOS FINANCEIROS O orçamento também deve prever quais serão os impactos financeiros do planejamento de TI na organização como um todo. É preciso estar atento aos indicadores de performance financeiros, bem como aos demonstrativos financeiros e ao fluxo de caixa. Pequenas e médias empresas devem ter atenção especial a esses itens, já que projetos de tecnologia costumam demandar muito dinheiro. Por isso, também é importante criar ciclos plurianuais para a formação de reservas que cubram esses gastos. A avaliação não deve se restringir aos impactos financeiros. Ao colocar o planejamento em prática, é preciso estar atento e acompanhar os processos. Falaremos mais sobre isso a seguir

22 MONITORAMENTO

23 MONITORAMENTO O trabalho para alcançar a eficiência em um planejamento estratégico de TI não se encerra ao identificar os problemas e definir objetivos e orçamento. Durante a execução, é necessário fazer relatórios de acompanhamento e checar se os recursos estão sendo empregados em seus devidos lugares. O gestor deve observar e manter comunicação com a equipe para se certificar que o cronograma está sendo cumprido e que os colaboradores estão engajados nas atividades pedidas. Além disso, é imprescindível estar atento ao surgimento de novas demandas, como aportes financeiros adicionais. Depois de concluído o projeto, é hora de retomar as metas listadas e realizar novas medições para avaliar em que grau o objetivo foi atingido. Também é importante estar atento aos indicadores de negócios que se relacionam com a iniciativa de TI, como custos efetivos, cumprimento dos prazos e qualidade do serviço. O monitoramento é imprescindível não apenas para garantir o cumprimento do projeto, mas também para a prestação de contas para a alta direção da empresa, incumbência que geralmente recai sobre o gestor de TI responsável pelo planejamento

24 CONCLUSÃO

25 CONCLUSÃO Com esse e-book, você aprendeu a analisar a situação da TI usando a metodologia SWOT e a definir metas e objetivos usando o SMART, conheceu métricas adequadas para avaliar o cenário e a efetividade do projeto, descobriu pontos sensíveis para elaborar um orçamento e viu como deve ser feito o monitoramento da execução do projeto. Esperamos que esse material tenha sido útil para você e para sua empresa!

26 SOBRE A POLO IT A Polo it é uma empresa que fornece soluções de monitoramento e administração de ambientes críticos da Tecnologia da Informação, com serviços de alta qualidade, segurança e confiabilidade nesta área. Fundada em 2005 e com atuação nacional, somos especializados em administração contínua de banco de dados, alta disponibilidade e segurança da informação, e atualmente já administramos mais de 400 bancos de dados. Isso é possível graças a nossa solução DBA CENTER, o mais completo modelo de administração de bancos de dados 24x7 do país, que garante o maior nível de disponibilidade e integridade dos dados em seu ambiente.

Guia Prático do Planejamento Estratégico

Guia Prático do Planejamento Estratégico Guia Prático do Planejamento Estratégico Introdução A todo o momento surgem ideias para melhorar nossas vidas. A maior parte destas ideias morre, porque não são sistematizadas. Numa empresa também é assim,

Leia mais

GUIA SOBRE MÉTRICAS EM TI

GUIA SOBRE MÉTRICAS EM TI GUIA SOBRE MÉTRICAS EM TI Introdução...3 O que são métricas em TI?...5 Quais são as principais métricas em TI?...8 Como construir métricas específicas?...14 Como alcançar destaque com as métricas de TI?...21

Leia mais

O que é planejamento estratégico?

O que é planejamento estratégico? O que é planejamento estratégico? Um dos fatores de sucesso das empresas é possuir um bom planejamento. Mas o que é planejamento? Nós planejamos diariamente, planejamos nossas atividades, nossas finanças,

Leia mais

Porque fazer o gerenciamento de riscos em um projeto é importante?

Porque fazer o gerenciamento de riscos em um projeto é importante? Como fazer o gerenciamento em projetos com uma matriz Este conteúdo faz parte da série: Gerenciamento de Projetos Ver 6 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: Porque fazer o gerenciamento em um

Leia mais

SLA Aplicado ao Negócio

SLA Aplicado ao Negócio SLA Aplicado ao Negócio Melhores Práticas para Gestão de Serviços Rildo Santos @rildosan rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com SLA V 51 Rildo F Santos (@rildosan)

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Palestra Virtual Como Fazer um Planejamento Estratégico. Maicon Putti Consultor Empresarial CRA/PR 19270

Palestra Virtual Como Fazer um Planejamento Estratégico. Maicon Putti Consultor Empresarial CRA/PR 19270 Palestra Virtual Como Fazer um Planejamento Estratégico Maicon Putti Consultor Empresarial CRA/PR 19270 Definição Planejamento Estratégico Podemos definir planejamento estratégico como o método pelo qual

Leia mais

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim O fluxo de caixa é um dos demonstrativos mais importantes do dia a dia de trabalho de qualquer gestor financeiro. Além de fornecer informações essenciais

Leia mais

White Paper. Usando dados de qualidade para obter vantagem competitiva

White Paper. Usando dados de qualidade para obter vantagem competitiva Usando dados de qualidade para obter vantagem competitiva Sumário Introdução... 1 Vantagem competitiva e a dependência sobre os dados... 1 Geração e crescimento de receita... 1 Eficiência operacional...

Leia mais

Indicadores de Desempenho

Indicadores de Desempenho Indicadores de Desempenho 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho. OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2

Sumário. 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz Objetivos Abrangência Diretrizes...2 Rede D Or São Luiz Sumário 1. Política de Sustentabilidade da Rede D Or São Luiz...2 1.1. Objetivos...2 1.2. Abrangência...2 1.3. Diretrizes...2 Diretriz Econômica...2 Diretriz Social...3 Diretriz Ambiental...4

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CONQUISTANDO RESULTADOS SUMÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CONQUISTANDO RESULTADOS O que é?...3 Mas qual é o problema?...4 Subjetividade...5 Rotina...6 Comprometimento...7 7 Passos

Leia mais

Plano Diretor de Informática. Prof. Marcos Argachoy

Plano Diretor de Informática. Prof. Marcos Argachoy Plano Diretor de Informática Prof. Marcos Argachoy Perguntas a serem respondidas: Onde estamos? Para onde vamos? Quando vamos? Como vamos? O que é: Plano estratégico para a área de TI. Curto, Médio e Longo

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com INTRODUÇÃO Durante muito tempo a Tecnologia da Informação foi tratada apenas como um pequeno

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O que é e para que serve? Para quem serve? Quem deve participar? Onde vem sendo utilizado? ETAPAS DO PLANEJAMENTO Avaliação da

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC MEDIÇÃO DE DESEMPENHO VIA BSC Quais indicadores podem ser utilizados para avaliar um sistema operacional? Alguns Exemplos de Indicadores Qualidade; Eficiência Operacional; Grau de Inovação; Superávit;

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2012 2013 APRESENTAÇÃO O Planejamento Estratégico tem como objetivo descrever a situação desejada de uma organização e indicar os caminhos para

Leia mais

CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação ERP. Tópicos Especiais em Sistemas de Informação

CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação ERP.  Tópicos Especiais em Sistemas de Informação CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação ERP Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Gestão de Talentos Tupy RH -Projetos e Processos

Gestão de Talentos Tupy RH -Projetos e Processos Gestão de Talentos Tupy RH -Projetos e Processos Joinville, Fevereiro de 2013 Responsáveis: Equipe Gestão de Talentos 0 Guia para criação de metas Este Guia Rápido tem por objetivo ajudá-lo no alinhamento

Leia mais

Saiba Quais São Os Principais Indicadores Chave De Performance De Sua Equipe Externa De Manutenção

Saiba Quais São Os Principais Indicadores Chave De Performance De Sua Equipe Externa De Manutenção Saiba Quais São Os Principais Indicadores Chave De Performance De Sua Equipe Externa De Manutenção Para te ajudar a entender melhor o nosso texto nós vamos começar te explicando o que são os indicadores

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

A Biglevel foi criada em 10 de Abril de 2006, completando este ano 11 anos de atividade.

A Biglevel foi criada em 10 de Abril de 2006, completando este ano 11 anos de atividade. Quem Somos? A Biglevel foi criada em 10 de Abril de 2006, completando este ano 11 anos de atividade. O projeto Biglevel nasceu da vontade conjunta de 3 pessoas em querer criar o seu próprio espaço como

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Balanced Scorecard Introdução Podemos comparar o Planejamento Estratégico como um bussola que orienta e direciona a empresa a chegar ao seu destino (objetivo de longo prazo). AN V 3.0 [60] Rildo F Santos

Leia mais

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios

10 Ferramentas de Gestão em Excel Essenciais para Negócios Uma empresa que está começando, ou até algumas mais maduras, sempre possuem dúvidas sobre quais ferramentas de gestão implementar para garantir eficiência no controle e execução de processos. Algumas tentam

Leia mais

Desdobramento de Metas

Desdobramento de Metas Desdobramento de Metas Objetivos Estratégicos e Metas Objetivos Estratégicos e Metas Objetivos Estratégicos Objetivos indicam a direção estratégica da organização. O objetivo orienta e esclarece, estimula,

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA

GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA GUIA SOBRE CONTROLADORIA ESTRATÉGICA SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 AFINAL, O QUE É UMA CONTROLADORIA ESTRATÉGICA? 6 COMO ELA FUNCIONA NA PRÁTICA? 10 O QUE FAZ UM CONTROLLER? 14 COMO FAZER UMA CONTROLARIA DA MELHOR

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Modular Noções de Administração Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Modular Noções de Administração Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Modular Noções de Administração Questões Giovanna Carranza 11. A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada como

Leia mais

RADAR DE COMPETÊNCIAS PARA O SUCESSO Olá! Obrigado por ter participado do evento e espero muito que tenha gostado!

RADAR DE COMPETÊNCIAS PARA O SUCESSO Olá! Obrigado por ter participado do evento e espero muito que tenha gostado! RADAR DE COMPETÊNCIAS PARA O SUCESSO Olá! Obrigado por ter participado do evento e espero muito que tenha gostado! Você está levando de brinde uma ferramenta muito importante de auto avaliação, que servirá

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Integração de Sistemas de Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: IFE - Brasília Objeto:

Leia mais

Quanto custa gerir desempenho (e não o gerir)?

Quanto custa gerir desempenho (e não o gerir)? Quanto custa gerir desempenho (e não o gerir)? Introdução Fazer a gestão de desempenho é uma tarefa que envolve diversas ações e etapas, cujos resultados poderão ser amplamente utilizados para que a organização

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

- Gestão Estratégica - Discussão

- Gestão Estratégica - Discussão Programa de Consolidação em Aprendizagem - Gestão Estratégica - Discussão GESTÃO ESTRATÉGICA 1. BSC clássico X BSC no setor público Adequação (ou não) das perspectivas atuais contempladas no Mapa Estratégico

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS NÍVEL DE SERVIÇO E ESTRATÉGIA LOGÍSTICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Avaliar diferentes perspectivas de medição de nível de serviço Entender a importância do

Leia mais

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA Gestão de Processos Tópico 4 Ferramentas de Qualidade: PDCA Sumário 1. O que é o Ciclo PDCA... 3 2. Importância do Ciclo PDCA... 3 3. Etapas do Ciclo PDCA... 3 3.1 Planejar (PLAN)... 3 3.1.1 Qual é o problema/processo

Leia mais

INTRODUÇÃO. Vamos lá? Então mãos à obra.

INTRODUÇÃO. Vamos lá? Então mãos à obra. INTRODUÇÃO Ter uma comunicação interna eficaz auxilia no desenvolvimento de uma cultura colaborativa e ajuda a alinhar os membros de uma organização às estratégias da empresa. Segundo estudo da Tower Watson,

Leia mais

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto

PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto PROINTER Projeto Integrador aula 7 Prof. Me. Érico Pagotto Gerenciamento de Riscos em Projetos Conceitos, ferramentas e técnicas para gerenciamento de ricos em projetos Utilização dos métodos propostos

Leia mais

E se sua Operação... que usam as áreas que foram limpas? Treinasse melhor sua equipe? Diminuísse o tempo em refazer as tarefas?

E se sua Operação... que usam as áreas que foram limpas? Treinasse melhor sua equipe? Diminuísse o tempo em refazer as tarefas? E se sua Operação... Diminuísse o tempo em refazer as tarefas? Aumentasse a satisfação dos clientes e das pessoas que usam as áreas que foram limpas? Treinasse melhor sua equipe? Tivesse mais controle

Leia mais

SLA Aplicado ao Negócio

SLA Aplicado ao Negócio SLA Aplicado ao Negócio Melhores Práticas para Gestão de Serviços Rildo Versão Santos 51 Rildo @rildosan Santos @rildosan rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com

Leia mais

Indicadores de desempenho para centrais de negócios

Indicadores de desempenho para centrais de negócios Indicadores de desempenho para centrais de negócios Por Jonatan Silas da Costa E-book Gratuito Conheça as empresas que fazem parte do seu grupo Todas as organizações devem não apenas limitar-se a recolher

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CLIMA ORGANIZACIONAL PARA O SUCESSO DA EMPRESA

A IMPORTÂNCIA DO CLIMA ORGANIZACIONAL PARA O SUCESSO DA EMPRESA A IMPORTÂNCIA DO CLIMA ORGANIZACIONAL PARA O SUCESSO DA EMPRESA O sucesso de uma empresa e um bom clima organizacional estão intimamente ligados. Quando os funcionários sentem felicidade nas tarefas e

Leia mais

Apresentação QoS ATM Arquitetura Elementos Funcionais Conclusão

Apresentação QoS ATM Arquitetura Elementos Funcionais Conclusão Qualidade Redes de Alta de Serviço Velocidade (QoS) Redes de Alta Velocidade Qualidade de Serviço (QoS) Qualidade de Serviço (QoS) Gerenciamento do nível de serviço: Negociar, definir, medir, administrar

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Gestão de Negócios (8)

Gestão de Negócios (8) Gestão de Negócios (8) Modelo: BALANCED SCORECARD Prof. Dr. Hernan E. Contreras Alday A grande idéia O Balanced Scorecard (painel balanceado de controle) usa, essencialmente, a medição integral de desempenho

Leia mais

Gestão do Desempenho. Gestão Estratégica de RH. Reter e engajar. Capacitar. Atrair 26/10/2016. Gestão do Desempenho. Recrutamento & Seleção

Gestão do Desempenho. Gestão Estratégica de RH. Reter e engajar. Capacitar. Atrair 26/10/2016. Gestão do Desempenho. Recrutamento & Seleção Gestão do Desempenho Ref.: Livro-texto, Cap. 8 Gestão Estratégica de RH Atrair Capacitar Reter e engajar Gestão do Desempenho Recrutamento & Seleção Treinamento & Desenvolvimento Recompensa 2 1 Avaliação

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

POLÍTICA DA CENTRAL DE SERVIÇO DE TI. Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DA CENTRAL DE SERVIÇO DE TI. Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DA CENTRAL DE SERVIÇO DE TI Versão 1.0 GERÊNCIA CORPORATIVA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. ABRANGÊNCIA DA CENTRAL DE SERVIÇO... 3 4. FERRAMENTA UTILIZADA

Leia mais

COMO APLICAR UM MODELO DE GESTÃO PARA ATINGIR METAS EMPRESARIAIS 07/12/2016

COMO APLICAR UM MODELO DE GESTÃO PARA ATINGIR METAS EMPRESARIAIS 07/12/2016 COMO APLICAR UM MODELO DE GESTÃO PARA ATINGIR METAS EMPRESARIAIS 07/12/2016 Prof. JOEL SOUZA E SILVA Curitiba, 29 de novembro de 2016 O QUE É GESTÃO = Atingir Metas MERCADO NEGÓCIO PRODUTO METAS Pessoas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas

Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança e Auditoria de Sistemas ABNT NBR ISO/IEC 27002 0. Introdução 1 Roteiro Definição Justificativa Fontes de Requisitos Análise/Avaliação de Riscos Seleção de Controles Ponto de Partida Fatores Críticos

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

E se sua Operação... Treinasse melhor sua equipe? Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos hóspedes?

E se sua Operação... Treinasse melhor sua equipe? Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos hóspedes? E se sua Operação... Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos hóspedes? Treinasse melhor sua equipe? Tivesse mais controle sobre a qualidade dos serviços? Estivesse mais padronizada? Conheça

Leia mais

Gestão da Produção. Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Empresas Classe Mundial

Gestão da Produção. Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico. Prof. Dr. Marco Antonio Pereira Empresas Classe Mundial Gestão da Produção Análise SWOT Balanced Scorecard Mapa Estratégico Prof. Dr. Marco Antonio Pereira marcopereira@usp.br Empresas Classe Mundial ESTRATÉGIA PRODUTIVIDADE QUALIDADE Balanced ScoreCard Lean

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: CONCEITOS E PRINCÍPIOS. Plano Diretor de Tecnologia da Informação Governança em TI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: CONCEITOS E PRINCÍPIOS. Plano Diretor de Tecnologia da Informação Governança em TI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: CONCEITOS E PRINCÍPIOS Plano Diretor de Tecnologia da Informação Governança em TI BRASIL MODERNO Plano Diretor é importante porque é o planejamento dos recursos para viabilização

Leia mais

Como realizar um Business Case de RFID. O Estudo de Caso da RFID no contexto do Retorno do Investimento (ROI)

Como realizar um Business Case de RFID. O Estudo de Caso da RFID no contexto do Retorno do Investimento (ROI) Como realizar um Business Case de RFID O Estudo de Caso da RFID no contexto do Retorno do Investimento (ROI) Ciclo Aberto X Ciclo Fechado Soluções para Ciclos Abertos Aplicações abrangem várias organizações

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Como alinhar TI ao Negócio com Indicadores de Desempenho

Como alinhar TI ao Negócio com Indicadores de Desempenho Como alinhar TI ao Negócio com Indicadores de Desempenho Walfrido Brito Diretor da BI Gestão & TI 2017 Nosso Objetivo! Entender como uma Arquitetura de Indicadores de Desempenho bem estruturado e alinhado

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Capital

Estrutura de Gerenciamento de Capital Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. DEFINIÇÃO DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL A Resolução nº 3.988/11 do Conselho Monetário Nacional, definiu o gerenciamento de capital como o processo contínuo de: I

Leia mais

02/12/2014. Aula 10. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B.

02/12/2014. Aula 10. Gestão do Desempenho. Prof. Lucia B. Oliveira. Prof. Lucia B. Oliveira. Agenda. Seminário. Prof. Lucia B. Aula 10 Gestão do Desempenho Agenda 1 Seminário 2 Gestão do Desempenho 1 Seminário 4 Getting 360-Degree Feedback Right Maury A. Peiperl Harvard Business Review, 2001. Gestão do Desempenho 2 Gestão Estratégica

Leia mais

Resultados Análises, identificação de oportunidades e ações assertivas

Resultados Análises, identificação de oportunidades e ações assertivas Resultados Análises, identificação de oportunidades e ações assertivas Best Practices & Improvement A Consultoria A BPI Consultoria nasceu da necessidade de implementação de soluções customizadas para

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Analista de 3.0 Análise Corporativa: Analise Corporativa Esta a área de conhecimento descreve as atividades de análise de negócio necessárias para identificar uma necessidade do negócio, problema ou oportunidade.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE <UF> CREA-<UF>

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE <UF> CREA-<UF> SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESTADO DE CREA- Apresentamos plano de trabalho, conforme disposto no Capítulo II, item 2, do Manual de Convênios

Leia mais

Agile Strategic Planning - Técnica para o Desenvolvimento e Execução de um Planejamento Estratégico modelo de referência

Agile Strategic Planning - Técnica para o Desenvolvimento e Execução de um Planejamento Estratégico modelo de referência Agile Strategic Planning - Técnica para o Desenvolvimento e Execução de um Planejamento Estratégico modelo de referência José Augusto Fabri fabri@utfpr.edu.br Laboratório de Inovação - LABINOV Universidade

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

MANUAL DE COMPLIANCE ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. Brasil Portugal - Angola

MANUAL DE COMPLIANCE ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. Brasil Portugal - Angola MANUAL DE COMPLIANCE DA ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. JUNHO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AMPLITUDE... 3 3. COMPLIANCE... 3 4. ESTRUTURA DE COMPLIANCE DA GESTORA... 5 5. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

ANÁLISE DO AMBIENTE: METODOLOGIA DE FORMULAÇÃO

ANÁLISE DO AMBIENTE: METODOLOGIA DE FORMULAÇÃO ANÁLISE DO AMBIENTE: METODOLOGIA DE FORMULAÇÃO Nesta ambiente em que mudanças ocorrem com altíssima velocidade, perceber tendências, visualizando as mudanças antes que elas ocorram, passa a ter um valor

Leia mais

O Que São Indicadores de RH? Os Melhores Indicadores para Medir a Eficiência da sua Equipe

O Que São Indicadores de RH? Os Melhores Indicadores para Medir a Eficiência da sua Equipe O que são: Os melhores indicadores para medir a eficiência da sua equipe, normalmente estão ligados à área de recursos humanos (RH) e englobam itens como número de treinamentos, eventos, admissões/demissões,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Genersys. Gestão de Riscos em Ativos - GRA. Gestão de Ativos. Operação e Manutenção. Camaçari, 13/05/2016. Slide 1.

Genersys. Gestão de Riscos em Ativos - GRA. Gestão de Ativos. Operação e Manutenção. Camaçari, 13/05/2016. Slide 1. Genersys Gestão de Ativos Operação e Manutenção Gestão de Riscos em Ativos - GRA Camaçari, 13/05/2016 Full power ahead Slide 1 Agenda 01 02 03 04 05 Introdução Ciclo de Gestão de Risco Ferramenta de Suporte

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA.

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA. APRESENTAÇÃO CORPORATIVA www.totalnuvem.com.br EMPRESA A TOTALNUVEM, é uma empresa brasileira, com a união de profissionais que trouxeram a experiência acumulada tanto em arquitetura quanto em desenho

Leia mais

10 PASSOS PARA CRIAR UM PLANO DE MARKETING DIGITAL

10 PASSOS PARA CRIAR UM PLANO DE MARKETING DIGITAL 10 PASSOS PARA CRIAR UM PLANO DE MARKETING DIGITAL Sumário 2 - Introdução 3 - Para quem? 4 - Analisar os resultados anteriores ou o estado atual da empresa 5 - Analisar o estado atual do mercado 6 - Definir

Leia mais

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS Faculdade de Tecnologia SENAC GO Gestão de Pessoas Professor: Itair Pereira da Silva Grupo: Luís Miguel Nogueira de Resende, Valdivino de Carvalho, Rodrigo Neres Magalhães e Venicyus Venceslencio da Paz.

Leia mais

HOME OFFICE MANAGEMENT CONTATO. Telefone: (11) A MELHOR FORMA DE TRABALHAR

HOME OFFICE MANAGEMENT CONTATO. Telefone: (11) A MELHOR FORMA DE TRABALHAR HOME OFFICE MANAGEMENT A MELHOR FORMA DE TRABALHAR www.homeoffice.com.br CONTATO Telefone: (11) 4321-2204 E-mail: contato@homeoffice.com.br /homeofficemanagement /homeofficemanagement /homeofficemanagement

Leia mais

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva

Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Como montar uma equipe eficiente de Inteligência Competitiva Apresentação Para praticar Inteligência Competitiva (IC), uma organização deve contar com o apoio de profissionais que priorizam uma administração

Leia mais

E se sua Operação... Treinasse melhor sua equipe? Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos clientes e franqueados?

E se sua Operação... Treinasse melhor sua equipe? Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos clientes e franqueados? E se sua Operação... Fosse mais ágil e assertiva? Aumentasse a satisfação dos clientes e franqueados? Treinasse melhor sua equipe? Tivesse mais controle sobre a qualidade dos serviços? Estivesse mais padronizada?

Leia mais

Advocacia Lucrativa com o Planejamento Certo.

Advocacia Lucrativa com o Planejamento Certo. Advocacia Lucrativa com o Planejamento Certo www.iapajus.com.br Qual é o ponto em comum entre escritórios que geram resultados lucrativos? Advocacia = Negócio Forma como o escritório cria, entrega e captura

Leia mais

Por Carolina de Moura 1

Por Carolina de Moura 1 O desenvolvimento sistemático para a gestão de risco na empresa envolve um processo evolutivo. Nos últimos anos tenho testemunhado um forte interesse entre organizações, e as suas partes interessadas,

Leia mais

GUIA. Como maximizar a aprovação dos novos projetos de TI para a diretoria

GUIA. Como maximizar a aprovação dos novos projetos de TI para a diretoria GUIA Como maximizar a aprovação dos novos projetos de TI para a diretoria INTRODUÇÃO A área de tecnologia das organizações vem tendo um aumento de visibilidade significativa nos últimos anos. A TI tem

Leia mais

ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO I MODELO DE PLANO DE NEGÓCIOS 1. Resumo Executivo (Síntese das principais informações que constam em seu PN. É a principal seção do Plano de Negócios, pois através dele é que o leitor decidirá se

Leia mais

Crie Metas De Vendas Para Melhorar O Rendimento Das Equipes Externas

Crie Metas De Vendas Para Melhorar O Rendimento Das Equipes Externas Crie Metas De Vendas Para Melhorar O Rendimento Das Equipes Externas Que tal começar a fazer diferente já no começo do ano? Muitos empresários deixam para criar as metas de suas empresas em cima da hora

Leia mais

Por uma pesquisa de clima mais rica: saindo do padronizado em direção ao estratégico

Por uma pesquisa de clima mais rica: saindo do padronizado em direção ao estratégico Por uma pesquisa de clima mais rica: saindo do padronizado em direção ao estratégico Este artigo visa contribuir com os processos de gestão de clima organizacional das empresas. Procuramos apresentar melhorias

Leia mais

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016

Tipos de Indicadores. Conceito. O que medir... 25/08/2016 Tipos de Indicadores 1 Conceito Características mensuráveis de processos, produtos ou serviços, utilizadas pela organização para acompanhar, avaliar e melhorar o seu desempenho ; OS INDICADORES NECESSITAM

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos JUNHO DE 2016 Este documento, ou qualquer parte dele, não pode ser reproduzido, armazenado ou transmitido, em qualquer formato ou por quaisquer meios, sejam eletrônicos ou

Leia mais

Saiba Como Gerenciar De Forma Mais Completa A Sua Equipe Externa De Trade Marketing

Saiba Como Gerenciar De Forma Mais Completa A Sua Equipe Externa De Trade Marketing Saiba Como Gerenciar De Forma Mais Completa A Sua Equipe Externa De Trade Marketing Hoje falaremos de dois assuntos diferentes mas com foco em um único tipo colaborador, os de equipe externa de trade marketing.

Leia mais

CB.POL a. 1 / 7

CB.POL a. 1 / 7 CB.POL-.01 4 a. 1 / 7 1. CONTEÚDO DESTE DOCUMENTO Esta política estabelece diretrizes e responsabilidades para a implementação e manutenção do Sistema de Controles Internos integrado ao Gerenciamento de

Leia mais

GUIA: COMO MONTAR UM PLANO DE MARKETING PARA SUA ACADEMIA

GUIA: COMO MONTAR UM PLANO DE MARKETING PARA SUA ACADEMIA GUIA: COMO MONTAR UM PLANO DE MARKETING PARA SUA ACADEMIA Introdução...3 Por que minha academia precisa de um plano de Marketing?...6 Como ele deve ser feito?... 11 Conclusão...20 Sobre a RadioAcademia...22

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

Miraklon. Você conhece os CUSTOS INVISÍVEIS das atividades do seu NEGÓCIO? E seus CLIENTES? Imagine-se, agora, como um de seus clientes

Miraklon. Você conhece os CUSTOS INVISÍVEIS das atividades do seu NEGÓCIO? E seus CLIENTES? Imagine-se, agora, como um de seus clientes Miraklon Você conhece os CUSTOS INVISÍVEIS das atividades do seu NEGÓCIO? E seus CLIENTES? Imagine-se, agora, como um de seus clientes Quais são e onde estão, a cada instante, os custos invisíveis ou ocultos

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II [Qualidade] Adriano J. Holanda 7/8/2017 Qualidade Definição: Do latim qualitas, qualidade é um atributo ou propriedade. Em negócios, engenharia e manufatura, qualidade tem o significado

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre: 3 Regras essenciais sobre cotação de preços. Como fazer cotação de preços na sua gestão de compras

Nesse artigo falaremos sobre: 3 Regras essenciais sobre cotação de preços. Como fazer cotação de preços na sua gestão de compras Nesse artigo falaremos sobre: 3 Regras Essenciais de cotação de preços Que tipo de empresa deve fazer gestão de compras? Como fazer cotação de preços bem feita na sua gestão de compras Planilha pronta

Leia mais

Profa. Daniela Menezes

Profa. Daniela Menezes Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Profa. Daniela Menezes Quantificação de objetivos e desafios Quando uma empresa estabelece seus objetivos e desafios, necessariamente ela deverá passar por uma abordagem

Leia mais

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS

POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS Política de Continuidade de Ne POLÍTICA DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS 11/08/2017 INFORMAÇÃO PÚBLICA SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 CONCEITOS... 3 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Visão Geral dos O é fundamental para o gerenciamento de um ambiente de TI, uma vez que a eficácia é seriamente comprometida se uma organização não souber quais ativos de software ela possui, onde estão

Leia mais

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD. Roberto Valério

EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD. Roberto Valério EFICIÊNCIA OPORTUNIDADES NO EAD Roberto Valério Gestão da Eficiência Modelo de Gestão de Rede Etapas de Análise, Planejamento e Desenvolvimento da Rede de Polos 1 2 3 4 Análise e Identificação de Oportunidades:

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais