MANUAL TÉCNICO - BRUCELINA AMOSTRA RB51

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL TÉCNICO - BRUCELINA AMOSTRA RB51"

Transcrição

1 MANUAL TÉCNICO - BRUCELINA AMOSTRA RB51 Brucelose Bovina A brucelose bovina e bubalina é uma doença infecto-contagiosa crônica e granulomatosa, causada pela bactéria Brucella abortus e compromete o sistema reprodutivo, provocando abortamentos, metrites, retenção de placenta, retorno ao cio e osteoartrites (CAVALCANTE, 2000; PAULIN & FERREIRA NETO, 2003). Figura 1 Foto microscópica da B. abortus Figura 2 Abortamento provocado pela infecção experimental de B. abortus em fêmea bovina não vacinada 1

2 Transmissão A principal fonte de infecção da brucelose é a vaca prenhe infectada. A bactéria Brucella abortus se concentra em grande quantidade no útero gravídico, sendo eliminada junto com as secreções uterinas e membranas fetais durante o parto ou abortamento, contaminando pastagens, silagens e água. O trato digestivo é a principal porta de entrada da bactéria no organismo através da ingestão de alimentos contaminados. Outra forma da bactéria infectar um animal susceptível é pela penetração da bactéria via mucosas nasal e conjuntiva no ato de cheirar o feto ou o períneo de outra fêmea recémparida infectada (CAVALCANTE, 2000; BRASIL, 2006). A transmissão sexual pela monta natural não parece ser importante para as espécies bovina e bubalina. A brucelose pode ser transmitida ao humano e é considerada uma das zoonoses mais disseminadas pelo mundo. As principais formas de transmissão ao homem são: o contato direto com animais brucélicos e a ingestão de leite cru ou derivados, sem prévio tratamento térmico (BOSCHIROLI et al., 2001; ROTH et al., 2003). Perdas econômicas A enfermidade acarreta grandes prejuízos econômicos à pecuária, principalmente pela diminuição na eficiência reprodutiva, descarte de animais, queda da produção de leite e carne, além da desvalorização dos animais e seus subprodutos (TEIXEIRA et al., 1998; CAMPOS et al., 2003; CAVALCANTE, 2000). De uma maneira geral, a brucelose causa perdas de 25% da produção de leite e carne e de 15% na produção de bezerros (BRASIL, 2006). Em dados práticos, um rebanho de 100 matrizes que possui 15 vacas infectadas, pode resultar em perdas anuais de pelo menos 15 bezerros (CAVALCANTE, 2000). Em 1971 o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) estimou um prejuízo de US$ 32 milhões/ano em decorrência apenas do 2

3 abortamento e queda da produção leiteira (POESTER al., 2002). Dados recentes da Argentina revelam que os prejuízos causados pela brucelose chegam a US$ 60 milhões/ano (SAMARTINO, 2002). Por meio de simulações matemáticas, observou-se que rebanhos leiteiros com baixa prevalência de brucelose, variando de 0,06% a 3%, teriam prejuízos de 5 a 14% por ano, computando perdas de produtividade, gastos com medicamentos e assistência veterinária, abortamentos, mortalidade e descarte/reposição de animais (LUCAS, 2006). Dados Epidemiológicos A brucelose bovina e bubalina está amplamente disseminada em diversos países do mundo, como nos países da América Latina, África, Oriente Médio e parte da Europa. Os dados epidemiológicos são escassos e controversos, porém nos países da América Central estima-se que a prevalência seja de 4 a 8% (MORENO, 2002), na Venezuela, de 0,8 a 10,5% (VARGAS), no Paraguai, entre 3 e 4% (BAUMGARTEN, 2002) e na Argentina, entre 10 e 13% de animais e de 4 a 5% de propriedades positivos (SAMARTINO, 2002). Situação nacional A brucelose também está presente em todos os estados do Brasil, porém, o último levantamento epidemiológico da doença foi realizado em Na época, a prevalência foi de 4% na Região Sul, de 7,5% na Região Sudeste, de 6,8% na Região Centro-Oeste, de 2,5% na Região Nordeste e de 4,1% na Região Norte. Posteriormente, os dados de notificações oficiais de 1988 a 1998 indicaram que a prevalência se manteve entre 4% e 5% (BRASIL, 2006). Encontra-se em fase final um estudo epidemiológico da brucelose bovina, com metodologia padronizada e amostragens de rebanhos de todo o território nacional coordenado pelo MAPA. 3

4 Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal PNCEBT O PNCEBT foi instituído pelo MAPA em 2001 com os objetivos de reduzir os casos das doenças no rebanho e nos seres humanos e valorizar os produtos da pecuária nacional. A estratégia do programa é embasada na vacinação de fêmeas entre 3 e 8 meses de idade e na certificação de propriedades livres. A vacinação contra a brucelose bovina e bubalina com a cepa B19 tornou-se obrigatória em todo o território nacional, enquanto que a certificação das propriedades é uma ação voluntária (BRASIL, 2006). A vacinação em massa de todas as fêmeas, além de reduz as perdas econômicas ao pecuarista, presta enorme serviço à saúde pública, pois diminui drasticamente o número de casos de brucelose humana (ROTH et al., 2003). Diagnóstico De acordo com PNCEBT, o diagnóstico da brucelose bovina é realizado rotineiramente por meio de exames sorológicos, como o Teste do Antígeno Acidificado Tamponado (AAT), utilizado na triagem, devendo ser realizado por médicos veterinários credenciados e habilitados pelo MAPA. O Teste de 2- Mercaptoetanol é a prova confirmatória em caso de resultado positivo no primeiro teste e deve ser realizado por laboratórios credenciados ou oficiais (BRASIL, 2006). O Teste de Fixação de Complemento (FC) ou outro que o substitua, pode ser realizado em casos inconclusivos ao teste do 2-Mercaptoetanol. Já o Teste do Anel em Leite (TAL) pode ser utilizado para monitoramento das propriedades certificadas (BRASIL, 2006). Vale ressaltar a importância de se fazer o diagnóstico diferencial com outras doenças abortivas que ocorrem nos bovinos, como por exemplo, a leptospirose, rinotraqueíte infecciosa (IBR), a diarréia viral bovina (BVD), dentre outras. 4

5 Amostra RB51 A Brucelina amostra RB51 é composta pela cepa viva atenuada de Brucella abortus denominada RB51. Essa cepa é um mutante natural, muito segura para uso em fêmeas bovinas e bubalinas. A grande vantagem desta cepa é a ausência da cadeia O do lipopolissacarídeo (LPS), componente da parede da bactéria (OLSEN et al., 1999, POESTER et al., 2000; SAMARTINO et al., 2003). Esse antígeno não tem importância para a eficácia da vacina, porém é responsável pela indução de anticorpos que são detectados nos testes de triagem para o diagnóstico da brucelose. A ausência da cadeia O na amostra RB51 é o grande diferencial frente às vacinas com a cepa B19, pois não induz anticorpos detectáveis nas provas de diagnóstico, evitando os chamados falso-positivos que podem ser ocasionados pela vacinação com a cepa B19, além de permitir a diferenciação entre animais vacinados e infectados, uma vez que as cepas de campo possuem a cadeia O em sua composição. A eficácia da vacina com a amostra RB51 é semelhante à da cepa B19 na ordem de 70% (SAMARTINO et al., 2003) sendo capaz de induzir resposta imunológica do tipo celular e humoral (anticorpos) contra a doença. Por isso, vários países já adotaram a vacinação com a amostra RB51, dentre eles estão os Estados Unidos, Chile, Venezuela, Paraguai, México, Uruguai, Colômbia entre outros. Por fim, vale ressaltar que, além da vacinação, é importante o monitoramento sorológico periódico dos animais. Além disso, a quarentena de animais adquiridos para exames confirmatórios da negatividade sorológica é essencial para a segurança sanitária do rebanho, assim como o acompanhamento do médico veterinário. 5

6 O uso da vacina amostra RB51 no PNCEBT As indicações do uso das vacinas com a amostra RB51 seguem as normas estabelecidas pelo MAPA, publicadas na Instrução Normativa SDA Nº 33, de 24 de Agosto de Recomenda-se o uso da vacina com amostra RB51 nos seguintes casos: a) Bezerras com idade superior a 8 (oito) meses e que não foram vacinadas com a amostra B19 entre 3 e 8 meses de idade; b) Fêmeas adultas, não reagentes aos testes diagnósticos, em estabelecimentos de criação com focos de brucelose. O uso de vacinas com a amostra RB51 é proibido em bovinos machos, fêmeas até oito meses de idade ou gestantes. OBS: A vacinação deverá ser efetuada sob a responsabilidade técnica de médico veterinário cadastrado no serviço de defesa oficial da Unidade Federativa. 6

7 A Brucelina amostra RB51 é uma vacina liofilizada, produzida com a amostra RB51 que evita resultados falso-positivos e possibilita a diferenciação entre animais vacinados e infectados. Isto ocorre porque os anticorpos produzidos em decorrência da vacinação não são detectáveis nas provas sorológicas recomendadas pelo PNCEBT (Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal). Sua eficácia foi comprovada em testes com infecção experimental com altas doses de cepa virulenta de vacas prenhes, e os resultados mostraram que a Brucelina amostra RB51 obteve eficácia similar ao da B19 e à relatada na literatura. Com essas características, a Brucelina amostra RB51 torna-se ferramenta importante no controle e erradicação da brucelose bovina e bubalina., sendo a mais nova alternativa ao pecuarista para auxiliar nos casos de não comprovação da vacinação com B19 na idade de 3 a 8 meses das fêmeas adquiridas e para reduzir o número de vacas/búfalas adultas susceptíveis, quando não reagentes à sorologia, em fazendas com focos de brucelose. E o mais importante, não interfere nas provas sorológicas. INDICAÇÃO Profilaxia da Brucelose bovina e Bubalina. DOSE A dose recomendada da Brucelina amostra RB51 é de 2 ml por via subcutânea. 7

8 MODO DE USAR Imediatamente antes do uso (observando-se os cuidados de antissepsia), diluir o conteúdo da vacina seca somente com o diluente que acompanha o produto. Agitar bem o frasco, para se obter uma perfeita homogeneização, estando assim o produto pronto para uso. ESQUEMA DE VACINAÇÃO Fêmeas com idade superior a 8 (oito) meses e que não foram vacinadas com a amostra B19 entre 3 e 8 meses de idade. Fêmeas adultas, não reagentes aos testes de diagnósticos, em estabelecimentos de criação com focos de brucelose. PRECAUÇÕES 1 Fêmeas prenhes não devem ser vacinadas; 2 - Não vacinar machos; 3 - Não vacinar fêmeas 12 semanas antes do abate; 4 Conservar entre 2 e 8 C; 5 Uma vez diluída, utilize a vacina completamente. Eventuais sobras devem ser descartadas; 6 - Os frascos e sobras de vacina devem ser queimados ou enterrados profundamente; 7 - O vacinador ou qualquer pessoa que manusear a vacina deve lavar e desinfetar as mãos após o trabalho de vacinação. Deve-se utilizar equipamento de proteção individual durante a manipulação do produto; 8 - Em caso de exposição acidental de humanos procurar um Médico; 9 - A amostra RB51 é resistente à rifampicina. Venda sob receituário veterinário e aplicação sob supervisão do Médico Veterinário. 8

9 Mantenha este ou qualquer outro medicamento fora do alcance de crianças e animais domésticos. APRESENTAÇÕES A vacina Brucelina amostra RB 51 será comercializada em frascos de rolhas perfuráveis contendo 20 ml (10 doses) ou 30 ml (15 doses) acompanhados de diluentes. Para dar destaque e, ao mesmo tempo, evitar enganos e eventuais objeções no ponto de vendas, além do destaque dado na logomarca à amostra RB 51 (destacada em vermelho), optamos por acondicionar os frascos do diluente e da amostra liofilizada da Brucelina amostra RB51 em embalagens com cores diferenciadas das utilizadas na Brucelina B19. Veja o esquema de cores abaixo: 9

10 Referências Bibliográficas BAUMGARTEN, D. Brucellosis: a short review of the disease situation in Paraguay. Veterinary Microbiology, v.90, n.1-4, p. 63-9, BOSCHIROLI, M. L.; FOULOGNE, V.; O CALLAGHAN, D. Brucellosis: a worldwide zoonosis. Current Opinion in Microbiology, v.4, p.58-64, BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Manual Técnico: Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal PNCEBT, Brasília: MAPA/DAS/DAS, p. BRASIL, Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal, PNCEBT. Disponível em: chema=portal. Acesso em 18 Mar CAMPOS, A. C. P.; FRENEAU, G. E.; ACYPRESTE, C. S. et al. Brucelose bovina: prevalência de anticorpos anti-brucella abortus em reprodutores bovinos na microregião de Goiânia. Ciência Animal Brasileira, v.4, n.2, p.125-9, CAVALCANTE, F. A. Brucelose, diagnóstico e controle. Embrapra Acre: Instruções Técnicas, n.26, p.1-3, LUCAS, A. Simulação de impacto econômico da Brucelose bovina em rebanhos produtores de leite das regiões centro oeste, sudeste e sul do Brasil f. Tese (Doutorado em Epidemiologia Experimental e Aplicada às Zoonoses) Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, São Paulo, MORENO, E. Brucellosis in Central America. Veterinary Microbiology,v.90, n.1-4, p.31-8, OLSEN, S. C.; CHEVILLE, N. F.; BRICKER, B. et al. Informe técnico sobre la vacunación del ganado con la cepa RB51 de Brucella abortus Disponível em: dades_reproduccion/18-informe_vacunacion_brucela_cepa_rb51.htm. Acesso em 01 Abr. 08. PAULIN, M. P.; FERREIRA NETO, J. S. O combate à brucelose bovina. Situação brasileira. Ed. Funep, Jaboticabal, p. POESTER, F. P.; GONÇALVES, V. S. P.; LAGE, A. P. Brucellosis in Brazil. Veterinary Microbiology, v.90, n.1-4, p ,

11 POESTER, F. P.; RAMOS, E. T.; GOMES, M. J. P. et al. The serological response of adult cattle after vaccination with Brucella abortus strain 19 and RB51. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, v. 37, n.1, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 03 Abr ROTH, F.; ZINSSTAG, J.; ORKHON, D. et al. Human health benefits from livestock vaccination for brucellosis: case study. Bulletin of the World Health Organisation, v.81, n.12, p , SAMARTINO, L. E.; SALUSTIO, E.; GREGORET, R. Evalution de la vacuna RB51 de Brucella abortus en hembras bovinas preñadas. Jornada de Actualización sobre Brucelosis Bovina, Rocha, SAMARTINO, L.E. Brucellosis in Argentina. Veterinary Microbiology, v.90, n.1-4, p , TEIXEIRA, J. C. L.; ÁVILA, M. O.; MARTINS, J. D. et al. Brucelose: zoonose controlada? Higiene Alimentar, v. 12, n.54, p.23-5, VARGAS, F.J.O. Brucellosis in Venezuela. Veterinary Microbiology, v.90, n.1-4, p.39-44,

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

Boletim eletrônico. Brucelose. Ano 2-Nº2 20 de Dezembro de 2011. IDAF/DDSIA/SEAR INTRODUÇÃO

Boletim eletrônico. Brucelose. Ano 2-Nº2 20 de Dezembro de 2011. IDAF/DDSIA/SEAR INTRODUÇÃO Boletim eletrônico Epidemiológico Brucelose Ano 2-Nº2 20 de Dezembro de 2011. IDAF/DDSIA/SEAR EDITORIAL O boletim epidemiológico eletrônico é uma iniciativa do Departamento de Defesa Sanitária e Inspeção

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

Uso da Vacina RB-51 no Controle da Brucelose

Uso da Vacina RB-51 no Controle da Brucelose Uso da Vacina RB-51 no Controle da Brucelose Prof. Andrey Pereira Lage Laboratório de Bacteriologia Aplicada Núcleo de Pesquisa em Sáude Animal Departamento de Medicina Veterinária Preventiva Escola de

Leia mais

DPA GUIA TÉCNICO PNCEBT. Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose. Eficiência e qualidade na produção leiteira

DPA GUIA TÉCNICO PNCEBT. Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose. Eficiência e qualidade na produção leiteira DPA PNCEBT Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose Ano 1 Número 1 Janeiro/Fevereiro 2014 GUIA TÉCNICO Eficiência e qualidade na produção leiteira Nesta Edição Importância

Leia mais

BRUCELOSE BOVINA. Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela

BRUCELOSE BOVINA. Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela BRUCELOSE BOVINA Martin Schmachtenberg E.M. Emater Estrela Temas Abordados Definição Etiologia Epidemiologia Importância econômica Transmissão Patogenia Sinais clínicos Diagnóstico Controle Brucelose Bovina

Leia mais

ANEXO V. Município: Estado: Nº Certificado: Médico veterinário: Habilitação: Data da tuberculinização:

ANEXO V. Município: Estado: Nº Certificado: Médico veterinário: Habilitação: Data da tuberculinização: ANEXO V FICHA CONTROLE DE ANIMAIS TUBERCULINIZADOS Proprietário: Propriedade: Município: Estado: Nº Certificado: Médico veterinário: CRMV: Habilitação: Data da tuberculinização: 124 Número do animal Tuberculina

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Normas e Procedimentos do PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT)

Perguntas e Respostas sobre Normas e Procedimentos do PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Perguntas e Respostas sobre Normas e Procedimentos do PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) Colaboradores:

Leia mais

MINAS GERAIS LIVRE DE BRUCELOSE E TUBERCULOSE

MINAS GERAIS LIVRE DE BRUCELOSE E TUBERCULOSE Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal - PNCEBT MENU: Todos os produtos certificados pelo MAPA MINAS GERAIS LIVRE DE BRUCELOSE E TUBERCULOSE Central de Relacionamento

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

Comunicado Técnico 15

Comunicado Técnico 15 Comunicado Técnico 15 ISSN 2177-854X Agosto. 2011 Uberaba - MG Cuidados sanitários para a estação de monta Responsáveis: Dra. Raquel Abdallah da Rocha Oliveira E-mail: rrabdallah@hotmail.com Pós-doutora

Leia mais

Brucella spp. Aborto, Infertilidade, Crias Fracas, Artrites

Brucella spp. Aborto, Infertilidade, Crias Fracas, Artrites BRUCELOSE DEFINIÇÃO Doença infecto-contagiosa causada por bactérias do Gênero Brucella. Nos animais, provocam abortos geralmente no terço final da gestação, nascimento de crias fracas, descargas uterinas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA BRUCELOSE BOVINA NA SAÚDE PÚBLICA

A IMPORTÂNCIA DA BRUCELOSE BOVINA NA SAÚDE PÚBLICA A IMPORTÂNCIA DA BRUCELOSE BOVINA NA SAÚDE PÚBLICA PACHECO,Alessandro Mendes FREITAS, Elaine Bernardino BÉRGAMO, Mayara MARIANO, Renata Sitta Discentes do curso de Medicina Veterinária da FAMED Garça.

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

AÇÃO DA DEFESA AGROPECUARIA ANIMAL EM FOCO DE BRUCELOSE BOVINA OCORRIDO EM PROPRIEDADE RURAL CERTIFICADA COMO LIVRE NO RIO GRANDE DO NORTE.

AÇÃO DA DEFESA AGROPECUARIA ANIMAL EM FOCO DE BRUCELOSE BOVINA OCORRIDO EM PROPRIEDADE RURAL CERTIFICADA COMO LIVRE NO RIO GRANDE DO NORTE. AÇÃO DA DEFESA AGROPECUARIA ANIMAL EM FOCO DE BRUCELOSE BOVINA OCORRIDO EM PROPRIEDADE RURAL CERTIFICADA COMO LIVRE NO RIO GRANDE DO NORTE. Amanda Guedes de França 1 ; Débora Oliveira Daher 2 ; Fabiana

Leia mais

Brucelose. Brucella sp. curtos

Brucelose. Brucella sp. curtos Brucelose Brucella sp. Bacilos Gram curtos negativos, Brucelose Sete espécies (mais 3 novas) B. pinnipedialis e B. ceti: baleias e focas B. microti Hospedeiro preferencial - reservatório Placenta, fluídos

Leia mais

ASSUNTO: Comercialização e utilização de vacina contra a brucelose.

ASSUNTO: Comercialização e utilização de vacina contra a brucelose. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA Nº 21 / 01 Serviço Público Federal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL ASSUNTO: Comercialização

Leia mais

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL

DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL Serviço Público Federal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA Nº 06/03 ASSUNTO: Reconhecimento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Defesa Animal Coordenação de Vigilância e Programas Sanitários Programa Nacional de Controle e Erradicação

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE BOVINOS SORO REAGENTES À BRUCELOSE NO ESTADO DO PARÁ

ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE BOVINOS SORO REAGENTES À BRUCELOSE NO ESTADO DO PARÁ ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE BOVINOS SORO REAGENTES À BRUCELOSE NO ESTADO DO PARÁ [Retrospective study of the occurrence of brucellosis in cattle from Para state, Brazil] Antonio Humberto Hamad

Leia mais

CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE BOVINA

CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE BOVINA CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE BOVINA MARQUES, Manoel Eduardo de Oliveira JUNIOR, João Francisco Maia Acadêmicos da Associação Cultural e Educacional de Garça FAMED PICCININ, Adriana Docente da Associação

Leia mais

I - estar inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária da(s) Unidade(s) Federativa(s) de atuação;

I - estar inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária da(s) Unidade(s) Federativa(s) de atuação; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 7 DE JUNHO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

O Presidente da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON, no uso de suas atribuições legais:

O Presidente da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON, no uso de suas atribuições legais: GABINETE DA PRESIDÊNCIA PORTARIA Nº 65/GAB/IDARON Porto Velho, 19 de Fevereiro de 2010. Torna obrigatória a vacinação contra brucelose das fêmeas bovinas e bubalinas com idade entre 3 e 8 meses com vacina

Leia mais

ANÁLISE DOS AVANÇOS NA ERRADICAÇÃO DA FEBRE AFTOSA NO ÂMBITO DO PLANO HEMISFÉRICO SARAIVA, V.¹* & MEDEIROS, L.¹

ANÁLISE DOS AVANÇOS NA ERRADICAÇÃO DA FEBRE AFTOSA NO ÂMBITO DO PLANO HEMISFÉRICO SARAIVA, V.¹* & MEDEIROS, L.¹ ANÁLISE DOS AVANÇOS NA ERRADICAÇÃO DA FEBRE AFTOSA NO ÂMBITO DO PLANO HEMISFÉRICO SARAIVA, V.¹* & MEDEIROS, L.¹ Palavras chaves: Febre Aftosa, Plano Hemisférico, erradicação. 1. Introdução A Febre Aftosa

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT)

PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL (PNCEBT) 1 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE

Leia mais

18/11/2013. Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose PNCEBT. Programa Nacional de Sanidade Avícola PNSA

18/11/2013. Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose PNCEBT. Programa Nacional de Sanidade Avícola PNSA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose PNCEBT Programa Nacional de Sanidade Avícola PNSA Brucelose bovina/bubalina- B. abortus Fernanda Dornelas F. Silva Laboratório de

Leia mais

PORTARIA/IAGRO/MS Nº 623, DE 15 DE OUTUBRO DE 2003.

PORTARIA/IAGRO/MS Nº 623, DE 15 DE OUTUBRO DE 2003. Secretaria de Estado da Produção e do Turismo - SEPROTUR PORTARIA/IAGRO/MS Nº 623, DE 15 DE OUTUBRO DE 2003. Dispõe sobre a distribuição de antígenos e Alérgenos no Estado de Mato Grosso do Sul, e dá outras

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008.

PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÀRIA E DESENVOLVIMENTO RURAL AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MARANHÃO PORTARIA Nº 038/2008-AGED/MA DE 03 DE MARÇO DE 2008. O DIRETOR

Leia mais

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Norma Estadual - Mato Grosso Publicado no DOE em 14 nov 2014 Institui o regulamento técnico do plano de vigilância para a Erradicação da Tuberculose bovina

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA N o 30, DE 07 DE JUNHO DE 2006.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA N o 30, DE 07 DE JUNHO DE 2006. INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA N o 30, DE 07 DE JUNHO DE 2006. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 42, do Anexo

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico)

Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Rastreabilidade bovina: do campo ao prato - uma ferramenta a serviço da segurança alimentar Taulni Francisco Santos da Rosa (Chico) Coordenador Agricultural Services SGS do Brasil Ltda. O que é Rastreabilidade?

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE. Karine Káthia Bandeira BRUCELOSE BOVINA.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE. Karine Káthia Bandeira BRUCELOSE BOVINA. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE Karine Káthia Bandeira BRUCELOSE BOVINA Cascavel- PR 2011 KARINE KÁTHIA BANDEIRA BRUCELOSE BOVINA Monografia apresentada como requisito

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO CONTROLE DE TUBERCULOSE E BRUCELOSE NO MUNICÍPIO DE ANDRADINA

CONTRIBUIÇÃO AO CONTROLE DE TUBERCULOSE E BRUCELOSE NO MUNICÍPIO DE ANDRADINA CIÊNCIAS AGRÁRIAS 38 TRABALHO ORIGINAL CONTRIBUIÇÃO AO CONTROLE DE TUBERCULOSE E BRUCELOSE NO MUNICÍPIO DE ANDRADINA CONTRIBUTION TO THE TUBERCULOSIS AND BRUCELOSIS CONTROL IN THE CITY OF ANDRADINA Josué

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

João Drumond FEICORTE JUN /13

João Drumond FEICORTE JUN /13 João Drumond FEICORTE JUN /13 Doença infecto-contagiosa provocada por bactérias do gênero Brucella, Descoberta por Sir David Bruce em 1884 na Ilha de Malta. Zoonose de distribuição universal, No Brasil,

Leia mais

Organização Mundial de Saúde OMS Organização Pan americana de Saúde OPAS Centro Pan americano de Febre Aftosa PANAFTOSA

Organização Mundial de Saúde OMS Organização Pan americana de Saúde OPAS Centro Pan americano de Febre Aftosa PANAFTOSA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Secretaria de Defesa Agropecuária SDA Departamento de Saúde Animal DSA Organização Mundial de Saúde OMS Organização Pan americana de Saúde OPAS

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Indicadores de desempenho para um laboratório de ensaios de microbiologia veterinária

Indicadores de desempenho para um laboratório de ensaios de microbiologia veterinária Indicadores de desempenho para um laboratório de ensaios de microbiologia veterinária Este artigo visa definir e aplicar um grupo de indicadores em um laboratório de ensaios microbiológicos veterinários

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1.

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1. HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1 Tortuga A HIGIENE NO PROCESSO DE PRODUÇÃO ANIMAL Genética Alimentação Produção

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 5 DE ABRIL DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/aftosa.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/aftosa.htm Página 1 de 5 Pecuária Febre Aftosa Nome Febre Aftosa Produto Informação Tecnológica Data Novembro - 2000 Preço - Linha Pecuária Resenha Informações sobre a doença Fernando Cruz Laender Med Vet Autor(es)

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE SUÍDEA PNSS As atividades do Programa Nacional de Sanidade Suídea (PNSS) têm como objetivo a coordenação, normatização e o suporte das ações de defesa sanitária animal referentes

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias

1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias 1º Seminário de Pecuária Integrada: Rumo às Boas Práticas Agropecuárias Dr. Luciano Bastos Lopes Pesquisador Embrapa Agrossilvipastoril Epidemiologia e Doenças Infecciosas Controle Sanitário em Bovinos

Leia mais

ABORTO POR CLAMIDIAS (ABORTO ENZOÓTICO DE OVELHAS, ABORTO EPIZOÓTICO DE BOVINOS)

ABORTO POR CLAMIDIAS (ABORTO ENZOÓTICO DE OVELHAS, ABORTO EPIZOÓTICO DE BOVINOS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE M EDICINA V ETERINÁRIA E Z OOTECNIA DE G ARÇA/FAMED A NO III, NÚMERO, 06, JANEIRO DE 2006.

Leia mais

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina

Vanguard HTLP 5/CV-L Vacina contra Cinomose, Adenovírus Tipo 2, Coronavírus, Parainfluenza, Parvovirose e Leptospirose Canina Uso Veterinário Usar exclusivamente em cães Indicações: É indicado para vacinação de cães de 6 semanas de idade ou mais velhos como prevenção da cinomose canina, da hepatite infecciosa canina (causada

Leia mais

Projetos em função do PNCEBT

Projetos em função do PNCEBT Projetos em função do PNCEBT Situação epidemiológica da TB e BR no Brasil Vigilância para TB e BR José Soares Ferreira Neto FMVZ-USP 2009 Estudo da situação epidemiológica da brucelose nas UF brasileiras

Leia mais

MANEIRA PRÁTICA DE REALIZAR CONTROLE REPRODUTIVO EM GADO LEITEIRO EM PROPRIEDADES COM ECONOMIA FAMILIAR

MANEIRA PRÁTICA DE REALIZAR CONTROLE REPRODUTIVO EM GADO LEITEIRO EM PROPRIEDADES COM ECONOMIA FAMILIAR 1 BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA MANEIRA PRÁTICA DE REALIZAR CONTROLE REPRODUTIVO EM GADO LEITEIRO EM PROPRIEDADES COM ECONOMIA FAMILIAR Boletim Técnico

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE ERRADICAÇÃO: CÁLCULO E USO DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE ERRADICAÇÃO: CÁLCULO E USO DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE ERRADICAÇÃO: CÁLCULO E USO DE INDICADORES EPIDEMIOLÓGICOS Manuel Martins 1 ; Virgílio Almeida 2 ; Isabel Neto 2 ; Telmo Nunes 2 1 Escola Superior Agrária de Castelo Branco; 2

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina Brasília-DF, 06/08/2014 Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Estrutura

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999.

Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Instrução Normativa nº 12, de 23 de junho de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA - SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO

Leia mais

"Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor

Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor "Se quer paz, prepara-se para guerra Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário rio Departamento de Saúde Animal, Diretor 8.514.876 km 2 202.828.531 habitantes 27 Unidades da Federação

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE LEITEIRO

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE LEITEIRO CONTROLE 1 de 5 MANUAL DE PREENCHIMENTO DO RELATÓRIO DE CAMPO DO CONTROLE CONTROLE 2 de 5 1. Objetivo Este manual tem como objetivo a padronização do preenchimento do relatório de campo (R.1) do serviço

Leia mais

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil?

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil? 1. O que é influenza aviária? A influenza aviária (IA) também conhecido como gripe aviária é uma doença altamente contagiosa, transmitida pelo vírus da influenza tipo A, que ocorre principalmente em aves

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

Manual de Legislação. manual técnico

Manual de Legislação. manual técnico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Manual de Legislação PROGRAMAS NACIONAIS DE SAÚDE ANIMAL DO BRASIL manual técnico Missão

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

ALINE DE OLIVEIRA FIGUEIREDO DIAGNÓSTICO SOROLÓGICO DA BRUCELOSE BOVINA

ALINE DE OLIVEIRA FIGUEIREDO DIAGNÓSTICO SOROLÓGICO DA BRUCELOSE BOVINA ALINE DE OLIVEIRA FIGUEIREDO DIAGNÓSTICO SOROLÓGICO DA BRUCELOSE BOVINA CAMPO GRANDE - MS 2008 ALINE DE OLIVEIRA FIGUEIREDO DIAGNÓSTICO SOROLÓGICO DA BRUCELOSE BOVINA Trabalho apresentado para o cumprimento

Leia mais

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento

Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Comparação do ganho de peso e desempenho de bezerras alimentadas com leite de descarte e leite normal durante a fase de aleitamento Vinicius Emanoel Carvalho 1, Thiago Paim Silva 1, Marco Antônio Faria

Leia mais

DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO. Marta Ferreira da Silva Rego

DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO. Marta Ferreira da Silva Rego DESAFIOS NO DIAGNOSTICO LABORATORIAL DO SARAMPO NA FASE DE ELIMINAÇÃO Marta Ferreira da Silva Rego Diagnostico Laboratorial Fase de Eliminação Diagnostico Clinico menos confiável. Com baixa prevalência

Leia mais

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Sanidade Suídea Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 1º Curso de Epidemiologia Aplicada Rio de Janeiro, 16 a 27 de março de 2008. BASE LEGAL ATO ADMINISTRATIVO DE 05

Leia mais

SUZANA SIKUSAWA. Prevalência e caracterização epidemiológica da brucelose bovina no Estado de Santa Catarina

SUZANA SIKUSAWA. Prevalência e caracterização epidemiológica da brucelose bovina no Estado de Santa Catarina SUZANA SIKUSAWA Prevalência e caracterização epidemiológica da brucelose bovina no Estado de Santa Catarina São Paulo 2004 SUZANA SIKUSAWA Prevalência e caracterização epidemiológica da brucelose bovina

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS QUE ACOMETEM A REPRODUÇÃO DAS FÊMEAS - REVISÃO DE LITERATURA

DOENÇAS INFECCIOSAS QUE ACOMETEM A REPRODUÇÃO DAS FÊMEAS - REVISÃO DE LITERATURA DOENÇAS INFECCIOSAS QUE ACOMETEM A REPRODUÇÃO DAS FÊMEAS - REVISÃO DE LITERATURA ANGELO, Gabriel CICOTI, Cesar Augusto Ramos cesarcicoti@hotmail.com Discente da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça,

Leia mais

Fatores de risco e soroprevalência da brucelose em assentamento rural no município de Aragominas - TO, Brasil

Fatores de risco e soroprevalência da brucelose em assentamento rural no município de Aragominas - TO, Brasil 81 Fatores de risco e soroprevalência da brucelose em assentamento rural no município de Aragominas - TO, Brasil Risk factors and soroprevalence of brucelosis in rural area in the district of Aragominas,

Leia mais

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal

O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal O Serviço Veterinário Oficial e sua importância na Saúde Animal Médica Veterinária Rita Dulac Domingues Tópicos da Apresentação 1. Serviço Veterinário Oficial (SVO) 2. Panorama no RS e no BR do SVO 3.

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA

MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS JATAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E BIOLÓGICAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA MEDICINA VETERINÁRIA PREVENTIVA Cinthya Alves Parreira

Leia mais

Artigo Número 26 RASTREABILIDADE NA PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: COMO GERENCIAR MELHOR A PRODUÇÃO. Introdução

Artigo Número 26 RASTREABILIDADE NA PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: COMO GERENCIAR MELHOR A PRODUÇÃO. Introdução Artigo Número 26 RASTREABILIDADE NA PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: COMO GERENCIAR MELHOR A PRODUÇÃO Introdução Dr.Evandro de Oliveira Rocha 1 Consultor Nutritime Segundo a norma ISO 8402, citada por Naas

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

As Américas podem ser o primeiro continente

As Américas podem ser o primeiro continente As Américas podem ser o primeiro continente no mundo, livre de aftosa sem vacinação Por: Sebastião Costa Guedes - Vice-Presidente do Conselho Nacional da Pecuária de Corte - CNPC. Presidente do Grupo Interamericano

Leia mais

Classical swine fever: current situation

Classical swine fever: current situation Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Laboratório Nacional Agropecuário LANAGRO/MG Classical swine fever: current situation Peste Suína Clássica no Brasil: informações atuais Tânia R.

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

CAPÍTULO IV DAS EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA

CAPÍTULO IV DAS EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA CAPÍTULO IV DAS EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA Art. 18º - Durante o evento o Serviço de Defesa Sanitária e Assistência Veterinária ficará a cargo da Comissão Sanitária Animal, a ser designada

Leia mais

Colegiado dos Cursos de pós-graduação

Colegiado dos Cursos de pós-graduação UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE VETERINÁRIA Colegiado dos Cursos de pós-graduação ESTUDO MULTIDIMENSIONAL DA BRUCELOSE EM MINAS GERAIS E ADEQUAÇÃO DE UM MODELO BASEADO EM INDIVÍDUOS PARA

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP

UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP UTILIZAÇÃO DOS RESULTADOS DE ANÁLISE DE LEITE: O SISTEMA DE INFORMAÇÃO DA CLÍNICA DO LEITE-ESALQ/USP Laerte Dagher Cassoli 1, Paulo F. Machado 2 Clínica do Leite ESALQ /USP Piracicaba, SP 1 Eng. Agrônomo,

Leia mais

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS No Brasil uma das principais causas da mortalidade em ruminantes acontece devido a ingestão de plantas tóxicas. Define-se planta tóxica como qualquer vegetal que quando ingerido

Leia mais

REGULAMENTO ANIMAL. 19 A 23 de Novembro de 2012. www.feileite.com.br

REGULAMENTO ANIMAL. 19 A 23 de Novembro de 2012. www.feileite.com.br REGULAMENTO ANIMAL 19 A 23 de Novembro de 2012. www.feileite.com.br CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A FEILEITE 2012 Feira Internacional da Cadeia Produtiva do Leite será realizada sob o

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais