MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA. SecCTM CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO"

Transcrição

1 CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO BRASÍLIA

2 PREFÁCIO Por definição, a Carta de Serviços ao Cidadão é o documento no qual o órgão ou a entidade pública estabelece o compromisso de observar padrões de qualidade, eficiência e eficácia na execução de suas atividades, perante os seus públicos alvos e a sociedade em geral, especialmente aquelas de prestação direta de serviços públicos. (BRASIL, 2014) A princípio, os termos desta definição - cidadão, - sociedade - podem dar a entender que nossas organizações prestadoras de serviços não teriam clientes, mesmo entregando serviços a outras organizações públicas militares. Na realidade, as palavras não devem ser tomadas ao pé da letra, mas sim os conceitos, a partir da compreensão de que, como entidades públicas e organizações militares, a despeito de seus produtos serem, em muitos casos, intangíveis, como segurança e defesa, entregam, as mesmas, serviços que representam, todos, os resultados que a sociedade espera receber das Forças Armadas e, especificamente, da Marinha do Brasil, compondo um conjunto de ações com base em princípios de eficiência, eficácia, efetividade e economicidade (BRASIL, 2010). A nossa Instituição não é diferente, e nem a sua Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, quando na tarefa de conduzir o setor de CT&I da Marinha do Brasil. É a partir destes princípios conceituais que foi desenhada esta Carta de Serviços. Brasília, 20 de março de Sergio Roberto Fernandes dos Santos Almirante de Esquadra Secretário 1

3 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS CASNAV... Centro de Análises de Sistemas Navais CHM... Centro de Hidrografia da Marinha CM... Comandante da Marinha CTecCFN... Centro Tecnológico do Corpo de Fuzileiros Navais CT&I... Ciência, Tecnologia e Inovação CTMSP... Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo EMA... Estado-Maior da Armada GesPública... Programa Nacional da Gestão Pública e Desburocratização HNMD... Hospital Naval Marcílio Dias IEAPM... Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira IPB... Instituto de Pesquisas Biomédicas (HNMD) IPqM LFM... Instituto de Pesquisas da Marinha... Laboratório Farmacêutico da Marinha MB... Marinha do Brasil MPOG... Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão OFFSET... Acordos de Compensação OMPS... Organização Militar Prestadora de Serviços SCTM... Sistema de Ciência e Tecnologia da Marinha... Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha SEGES... Secretaria de Gestão (MPOG) 2

4 SUMÁRIO 1. BASE LEGAL A A SUA MISSÃO A SUA VISÃO OS SEUS VALORES A SUA ESTRUTURA AS ENTREGAS Da DAS ORGANIZAÇÕES MILITARES SUBORDINADAS INSTITUTO DE PESQUISAS DA MARINHA INSTITUTO DE ESTUDOS DO MAR ALMIRANTE PAULO MOREIRA CENTRO DE ANÁLISE DE SISTEMAS NAVAIS... 9 DADOS DE CONTATO... 9 HORÁRIO DE ATENDIMENTO EXTERNO... 9 REFERÊNCIAS

5 1. BASE LEGAL Esta Carta de Serviços está baseada principalmente no que prevê o Decreto Nº 6.932, de 11 de agosto de 2009, que dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão. No caso específico da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha, a responsabilização é medida indiretamente porque os serviços não são prestados diretamente ao cidadão, mas às Organizações Militares da Marinha, visando a um preparo da Força cada vez mais eficiente, eficaz e efetivo, nesta ordem, com o propósito de entregar à sociedade padrões cada vez mais elevados de segurança e defesa, a partir do aprimoramento da Ciência, Tecnologia e Inovação. Além do Decreto nº 6.932/2009, o Sistema de CT&I da Marinha funciona com outras bases legais que propiciam seu funcionamento a contento, quais sejam: a) Programa Nacional da Gestão Pública e Desburocratização (GesPública), instituído pelo Decreto nº 5.378, de 23 de fevereiro de 2005; b) Portaria nº 115/MB, de 31 de março de 2008; c) Comunicado da SEGES nº 05, de julho de 2010; d) Decreto nº 7.809, de 20 de setembro de 2012; e e) Portaria nº 82, de 07 de maio de 2013, do Estado-Maior da Armada. 2. A A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha (), com sede em Brasília, DF, é uma Organização Militar criada pela Portaria nº 115/MB, de 31 de março de 2008, exercendo hoje as funções de Órgão de Direção Setorial na estrutura da Marinha. Tem hoje sua base legal de funcionamento no Decreto nº 7.809, de 20 de setembro de 2012, regulamentado pela Portaria nº 82, de 7 de maio de 2013, do Estado-Maior da Armada (EMA). 4

6 3. A SUA MISSÃO missão, A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha () tem como 4. A SUA VISÃO atuar como órgão central executivo do Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha (SCTMB), exercendo o planejamento, a orientação, a coordenação e o controle das atividades científicas, tecnológicas e de inovação da Marinha. A considerou no seu Planejamento Estratégico Organizacional (PEO), a seguinte visão de futuro: 5. OS SEUS VALORES Contribuir para que a MB seja reconhecida, até 2019, pela excelência dos resultados alcançados no cumprimento da sua missão, no que se refere aos assuntos de CT&I. A considerou os seguintes valores no seu PEO: ( ) criatividade; desafio; discrição; eficiência; espírito de equipe; ética; integridade; lealdade; moral; proteção da vida; transparência; e valorização das pessoas. 6. A SUA ESTRUTURA A estrutura do Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha (SCTMB) é mista, contando com oito (8) Instituições Científicas e Tecnológicas (ICT) vinculadas tecnicamente à, a saber: Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP); Centro Tecnológico do Corpo de Fuzileiros Navais (CTecCFN); Laboratório Farmacêutico da Marinha (LFM); Centro de Hidrografia da Marinha (CHM); Hospital Naval Marcílio Dias (HNMD); Centro de Análise de Sistemas Navais (CASNAV); Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM); Instituto de Pesquisas da 5

7 Marinha (IPqM), e destas, as três últimas são ligadas à por subordinação funcional direta. É sobre as entregas destas três últimas e da própria que está montada esta Carta de Serviços. A Figura 1 apresenta a posição da no organograma da Marinha com suas Organizações Militares Prestadoras de Serviços. Figura 1 Organograma da estrutura da Marinha contendo a e suas organizações subordinadas funcionais. Fonte: Adaptado de https://www.marinha.mil.br/sites/default/files/pdf/orgmbout2014.pdf. Acesso em 13 de março de Nota: A parte sombreada representa a linha de subordinação direta da ao Comandante da Marinha. 7. AS ENTREGAS 7.1. Da Como titular do Sistema de CT&I da Marinha, a está estruturada para entregar, com efetividade, ao seu ambiente externo imediato os seguintes produtos: a) A administração das funções de Órgão de Direção Setorial (ODS) de forma eficiente, eficaz e efetiva; b) A atualização quanto à evolução científica e tecnológica e quanto aos trabalhos de pesquisa e desenvolvimento realizados em instituições privadas e governamentais, nos assuntos de interesse da Marinha; c) A condução da Política de Propriedade Intelectual no âmbito da MB; 6

8 d) A entrega, quando solicitado, de assessoria técnica do mais alto nível aos diversos órgãos da Marinha do Brasil (MB) para a condução de negociações dos Acordos de Compensação (AC) - OFFSET 1, no que toca à CT&I; e) A prontidão, em situação de mobilização, conflito, estado de defesa, estado de sítio, intervenção federal e em regimes especiais, para o desempenho das tarefas que lhe forem atribuídas pelas Normas e Diretrizes da Mobilização Marítima; f) A supervisão efetiva das atividades de Tecnologia Industrial Básica e de Desenvolvimento Industrial sobre a estrutura organizacional da Marinha do Brasil; g) O aporte de soluções científico-tecnológicas e de inovação por meio da pesquisa, básica ou aplicada, desenvolvimento, inovação e prestação de serviços técnicos especializados, para o desenvolvimento nacional a partir do seu preparo eficiente, eficaz e efetivo; h) O exercício da coordenação e supervisão das atividades relacionadas com o Plano Diretor referentes à Ciência, Tecnologia e Inovação no ambiente da Marinha; i) O exercício da direção e coordenação do SCTMB de forma eficiente, eficaz e efetiva; e j) O exercício do relacionamento com os órgãos governamentais, instituições públicas e privadas, as demais Forças Armadas Singulares e com os setores industrial, universitário e técnico-científico, no que toca as atividades de pesquisa científica e desenvolvimento tecnológico de sistemas, equipamentos, componentes, materiais e técnicas de interesse da Marinha. Estes são os resultados que cabem à entregar, diretamente à MB, e, indiretamente ao Estado e à sociedade. 1 São práticas comerciais legais na indústria de defesa. As denominações internacionais para estas práticas comerciais ligadas ao comércio no âmbito do setor de defesa são várias: compensações industriais, cooperação industrial, compensações e benefícios industriais. (AFFONSO, 2011) 7

9 ... somente com o desenvolvimento de uma relação responsiva mútua nas instituições públicas é que se pode obter êxito num programa de gestão de ética organizacional. Neste sentido, a gestão da ética nas instituições públicas deve fazer parte de uma estratégia de desenvolvimento sustentável da organização. (PEREIRA, [2009]) 7.2. DAS ORGANIZAÇÕES MILITARES SUBORDINADAS Na execução das tarefas estritamente relacionadas com o cumprimento de sua missão, a, conta com a operacionalidade de três Organizações Prestadoras de Serviços (OMPS), que entregam serviços de Ciência e Tecnologia a clientes internos (da Marinha) e externos, são elas: o Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM); o Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM); e o Centro de Análise de Sistemas Navais (CASNAV), em ordem cronológica de criação O Instituto de Pesquisas da Marinha Criado em 14 de julho de 1959 pelo Decreto nº o IPQM vem desenvolvendo tarefas e executando serviços para a entrega, a seus clientes, de produtos, em especial nas áreas de: Armas; Guerra Acústica; Guerra Eletrônica; Materiais; e Sistemas Digitais de interesse da Marinha O Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira Criado em abril de 1984, o Instituto Nacional de Estudos do Mar (INEM), hoje, Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM), vem desenvolvendo e executando serviços para entrega a seus clientes, principalmente, de produtos nas áreas de: Bioincrustação Marinha; Monitoramento Ambiental; e Medição de Ondas, de interesse da Marinha O Centro de Análises de Sistemas Navais O CASNAV foi criado em junho de 1975 com a finalidade de realizar a avaliação operacional, aperfeiçoar e otimizar o emprego das Fragatas Classe Niterói, sendo hoje 8

10 reconhecido como órgão da área de Ciência e Tecnologia da Administração Pública Federal Direta. Tendo obtido em 1997 a certificação ISSO: 9001, o CASNAV passa a realizar suas atividades como uma Organização Militar Prestadora de Serviços de Ciência e Tecnologia. O CASNAV vem desenvolvendo tarefas e executando serviços para a entrega, a seus clientes, de produtos, especialmente nas áreas de: Criptologia; Engenharia de Sistemas; Gestão da Informação; e Pesquisa Operacional. DADOS DE CONTATO: Em Brasília Endereço: Esplanada dos Ministérios, Bloco "N", 4 Andar , Brasília-DF Telefones Assessorias... Telefones Organização... (61) Plano Diretor... (61) Relações Institucionais... (61) Núcleo de Inovação Tecnológica... (61) Projetos Especiais... (61) Gestão Estratégica... (61) Gestão Contemporânea (Netuno)... (61) Chefia Geral de Serviços... (61) Horário de Atendimento Externo: de 2ª a 6ª feira, de 09h00min as 17h00min. No Rio de Janeiro: Endereço: Rua da Ponte, Edifício 23 do AMRJ, 2º Andar. Ilha das Cobras ; Rio de Janeiro; RJ. Telefone -Rio... (21) Fale Conosco pelo 9

11 REFERÊNCIAS AFFONSO, José Augusto Crepaldi. A política de offset da aeronáutica no âmbito da estratégia nacional de defesa Brasil. Ministério da Defesa. Assessoria de planejamento institucional. Concurso de artigos sobre o livro branco de defesa nacional. Disponível em<https://www.defesa.gov.br/projetosweb/livrobranco/ apresentacao_trabalhos.php>. Acesso em 18 de março de BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Gestão Pública. Carta de Serviços ao Cidadão. Guia Metodológico Disponível em <http://www.gespublica.gov.br/biblioteca/pasta /carta de Serviços ao Cidadão-guiametodologico.pdf>. Acesso em 13 de março de BRASIL. Tribunal de Contas da União. Manual de auditoria operacional / Tribunal de Contas da União ed. Brasília : TCU, Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo (Seprog), p. p 11 a 13. PEREIRA, Romilson Rodrigues. Ética nas Instituições Públicas. [2009], Disponível em <http://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/ pdf>. Acesso em 15 de março de

Tecnologia e Inovação em Produtos de Defesa na Marinha do Brasil

Tecnologia e Inovação em Produtos de Defesa na Marinha do Brasil Tecnologia e Inovação em Produtos de Defesa na Marinha do Brasil ROTEIRO Introdução Projetos Estratégicos da Marinha do Brasil A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SecCTM) e o Sistema de Ciência,

Leia mais

O CASNAV E O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DA MARINHA DO BRASIL

O CASNAV E O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DA MARINHA DO BRASIL O CASNAV E O PROCESSO DE EVOLUÇÃO DA MARINHA DO BRASIL Seminário das Organizações Reconhecidas PQGF Ciclo 2010 CF (T) Sérgio L. D. Delamare www.casnav.mar.mil.br Sumário Motivação para a palestra Inovações

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA

PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN 6º ENCONTRO NACIONAL DOS OBSERVATÓRIOS SOCIAIS PAINEL 1 EFICIÊNCIA DA GESTÃO MUNICIPAL PROGRAMA NACIONAL DE GESTÃO PÚBLICA

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DA MARINHA SecCTM Contra-Almirante Alfredo Martins Muradas Fórum RNP 2016: Ciência, Tecnologia e Inovação em Rede SUMÁRIO O Sistema de CT&I da MB (SCTMB) As

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx)

OBJETIVO. Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) 06 ABR 15 OBJETIVO Conhecer a Sistemática de Planejamento Estratégico do Exército (SIPLEx) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO (CEEEx) 3. A REDE DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999. Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e

VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VII - tenha a seleção e o relacionamento dos militares designados para a matrícula a cargo do DGP, ouvido o CIE; e VIII - tenha a orientação técnico-pedagógica do DECEx. Art. 3º Determinar que a presente

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999.

DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. DECRETO Nº 3.182, DE 23 DE SETEMBRO DE 1999. Regulamenta a Lei 9.786, de 8 de fevereiro de 1999, que dispõe sobre o ensino no Exército Brasileiro e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Processo nº 7.675-9/2013

Processo nº 7.675-9/2013 Processo nº 7.675-9/2013 Interessado TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Assunto Institui e regulamenta o Comitê Gestor Interno do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - Gespública

Leia mais

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICA 80-10 PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região

MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema de gestão de projetos do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 MANUAL DE GESTÃO DE PROJETOS: Guia de referência do sistema

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento

eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Novos padrões para a medição eletrônica: Parceria Inmetro com o desenvolvimento Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ditec Cgint - Incubadora Samuel Valle - Eng.º

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2014 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura.

Art. 1º - Criar o Estatuto dos Núcleos de Pesquisa Aplicada a Pesca e Aqüicultura. PORTARIA Nº DE DE NOVEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, nomeado pela Portaria nº 824, de 29 de agosto de 2005, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA MILITAR DE MG Rua Tomaz Gonzaga 686 Bairro de Lourdes CEP 30180 140 Belo Horizonte MG RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO N. 162/2015 Institui o Regimento Interno da Escola Judicial Militar do Estado

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento.

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento. A Genzyme do Brasil ( Genzyme ) torna pública a abertura do Edital 001/2015 para o Programa de Apoio aos Projetos de Associações de Pacientes ( PAPAP ) e define o processo seletivo para o ano de 2016,

Leia mais

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19).

Art. 1º Aprovar as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). PORTARIA Nº 483, DE 20 DE SETEMBRO DE 2001. Aprova as Instruções Gerais de Segurança da Informação para o Exército Brasileiro (IG 20-19). O COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso da competência que lhe é conferida

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes

Acordos e Protocolos sem Repasse - Vigentes Página 1 de 5 19/7/2015 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 20/7/2010 Desenvolver trabalhos e de ações de capacitação no âmbito científico, acadêmico e técnico de interesse comum às suas

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU/RO ATÉ 2023

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU/RO ATÉ 2023 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO CAU/RO ATÉ 2023 Etapa de Desdobramento da Estratégia do CAU para o CAU/RO Porto Velho, 4 de fevereiro de 2014 Missão: Visão: Promover a Arquitetura e para Todos Ser reconhecido

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 336/2014

RESOLUÇÃO N.º 336/2014 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 336/2014 EMENTA: Estabelece o currículo do Curso de Pós-graduação, nível Especialização, MBA em Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Núcleo Estadual GesPública RS

Núcleo Estadual GesPública RS Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Núcleo Estadual GesPública RS Contexto do GESPÚBLICA no MINISTÉRIO Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão G E S P Ú B L I C A Conselho

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades

CARTA DE SERVIÇOS COMO ELABORAR ORIENTAÇÕES IMPORTANTES CARTA DE SERVIÇOS. 1) Carta de Serviços. 2) Finalidades COMO ELABORAR CARTA DE SERVIÇOS ORIENTAÇÕES IMPORTANTES 1) Carta de Serviços É um documento elaborado por uma organização pública que visa informar aos cidadãos quais os serviços prestados por ela, como

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Relações Internacionais

Relações Internacionais Curso de Graduação Bacharelado em Relações Internacionais O curso de Relações Internacionais está enquadrado no campo da ciência Humana e social, onde estuda-se em profundidade as políticas Internacionais

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 81-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011. Aprova o Curso de Especialização em Administração Pública, modalidade regular, a ser ministrado no Campus de Irati, da UNICENTRO. O VICE-REITOR,

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: - Entidades beneficentes de assistência social (certificadas como entidades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAJUBÁ Av. Jerson Dias, 500 - Estiva CEP 37500-000 - Itajubá Minas Gerais Lei nº 2677 BENEDITO PEREIRA DOS SANTOS, Prefeito do Município de Itajubá, Estado de Minas Gerais, usando das atribuições que lhe são conferidas por Lei, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele

Leia mais

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14

SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL. FIEP - 21 Jul 14 SECRETARIA DE PRODUTOS DE DEFESA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA INDUSTRIAL FIEP - 21 Jul 14 Base Industrial de Defesa Aspectos Relevantes Base Industrial de Defesa 1. Introdução 2. Aspectos Relevantes

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO

A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO A GESTÃO PÚBLICA NO BRASIL E SEUS CONTROLES INTERNO E EXTERNO RESUMO O presente estudo é resultado de uma revisão bibliográfica e tem por objetivo apresentar a contextualização teórica e legislativa sobre

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Carta de Serviços ao Cidadão

Carta de Serviços ao Cidadão Carta de Serviços ao Cidadão Cuiabá, MT - 2006-1 - GESTÃO ESTRATÉGICA CORPO DELIBERATIVO Presidente José Carlos Novelli Vice-Presidente Valter Albano da Silva Corregedor-Geral Ary Leite de Campos Conselheiros

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU - BRASIL REGULAMENTO DO PROCESSO SELETIVO Nº 10.15 A FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU BRASIL (FPTI-BR) torna público que serão recebidas as inscrições para o Processo Seletivo nº 10.15 sob contratação em regime

Leia mais

Principal Projeto: Implementação do PEG-SEDEC

Principal Projeto: Implementação do PEG-SEDEC Principal Projeto: Implementação do PEG-SEDEC PROGRAMA EXCELÊNCIA GERENCIAL DA SEDEC ( PEG SEDEC ) 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS a. O PEG-SEDEC é a ferramenta de implementação da estratégia de melhoria da

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2013

Brasília, 9 de maio de 2013 Brasília, 9 de maio de 2013 Discurso do Diretor de Regulação do Sistema Financeiro, Luiz Awazu Pereira da Silva, na reunião ordinária do Conselho Consultivo de Crédito da Organização das Cooperativas Brasileiras.

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS

DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS DEPARTAMENTO NACIONAL DE AUDITORIA DO SUS - DENASUS 14 AUDHOSP Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Auditoria no SUS Adelina Maria Melo Feijão Águas

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO CF(EN) Marcus Vinicius de Noronha Chefe do Departamento de Planejamento e Controle Industrial

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS DIPLOMA CONFERIDO:

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROGRAMA NACIONAL DA GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA

CÓDIGO DE ÉTICA PROGRAMA NACIONAL DA GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA CÓDIGO DE ÉTICA PROGRAMA NACIONAL DA GESTÃO PÚBLICA E DESBUROCRATIZAÇÃO GESPÚBLICA 1. Preâmbulo O Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização - GESPÚBLICA, instituído pelo Decreto Nº 5.378,

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 Anexo à Resolução CGM 1.143 DE 08/07/2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SINTÉTICO 2013 2016 - REVISÃO 2014 INTRODUÇÃO Este trabalho é o produto de discussões finalizados em fevereiro de 2014, junto à Comissão

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA

POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA MINISTÉRIO DA DEFESA MD32-P-02 POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA ESTADO-MAIOR DE DEFESA POLÍTICA DE SENSORIAMENTO REMOTO DE DEFESA 1 a Edição 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA

Leia mais

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC

Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Serviço Público Federal Conselho Regional de Farmácia do Estado de Santa Catarina - CRF/SC Trav. Olindina Alves Pereira, 35 - Caixa Postal 472-88020-095 Fone/Fax (48) 222-4702 - Florianópolis - SC. url:

Leia mais

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS

Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS Novos Procedimentos de Vigilância Sanitária na Tabela do SUS N o 152 Abril/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e que não seja para

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais