A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA CONSOLIDAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA CONSOLIDAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1"

Transcrição

1 A FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA CONSOLIDAÇÃO DO PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL 1 Cristiane Carla Konno 2 Resumo: O presente trabalho é parte do debate acirrado no Grupo de Pesquisa: Fundamentos do Serviço Social, Trabalho e Questão Social, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, curso de Serviço Social. Desta forma, objetiva compreender o significado social da profissão e sua estreita relação com as particularidades da questão social. Para tanto, faz-se uma abordagem do desenvolvimento sócio-histórico da profissão, enfatizando o Movimento de Reconceituação tendo na vertente da intenção de ruptura a direção social orientada pelo legado marxiano, como via de rompimento com o conservadorismo. As discussões desenvolvidas neste processo, constituíram a base inicial da construção do Projeto Ético Político Profissional, pela categoria, no seu movimento histórico. A proposta primária do Projeto Ético Político Profissional é constituída pelo Código de Ética de 1986, posteriormente reformulado em 1993, pela Reformulação da Lei que Regulamenta a profissão, tendo sua complementação com as Diretrizes Curriculares para o Curso de Serviço Social, aprovadas pela categoria em As Diretrizes Curriculares apresentam a sistematização dos debates desenvolvidos pela categoria profissional, tendo como conteúdos: formação e trabalho profissional. Tais conteúdos, vinculados à realidade social, conformam os núcleos que embasam as novas diretrizes curriculares em processo de 1 O trabalho apresentado é parte da produção do Grupo de Pesquisa: Fundamentos do Serviço Social, Trabalho e Questão Social, do curso de serviço Social da UNIOESTE Campus de Toledo, sob coordenação do Prof. dr. Alfredo Batista 2 Assistente Social, docente do curso de Serviço Social da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. End: Rua Aimberé, nº 904, apto 15, Perdizes, São Paulo SP. CEP Fone

2 implantação e implementação dos projetos políticos pedagógicos das unidades de ensino, consolidando a apreensão crítica dos processos sociais na perspectiva da totalidade Palavras - chave: serviço social, questão social, intenção de ruptura e projeto éticopolítico profissional, As reflexões a seguir pretendem contribuir para a importância da formação profissional na defesa e consolidação do Projeto Ético-Político Profissional do Serviço Social. Para tanto, se faz necessário iniciar a discussão pela emergência e natureza da profissão, sua construção histórica, ou seja, o seu significado social e a culminação no projeto profissional do Serviço Social sustentador de valores e princípios que orientam a intervenção profissional. A apreensão do significado social da profissão do Serviço Social na sociedade capitalista põe a necessidade de compreender o conjunto de condições e relações sociais na qual foi colocada sua necessidade e possibilidade como tal. O Serviço Social emerge no cenário da sociedade capitalista brasileiro no contexto histórico social da década de 1930, num momento particular da sociedade capitalista, ou seja, as conexões genéticas do Serviço Social profissional [...] entretece com [...] as peculiaridades no âmbito da sociedade burguesa fundada na organização monopólica (NETTO, p.14, 1992). Segundo MARX citado por NETTO: o capitalismo monopolista recoloca, em patamar mais alto, o sistema totalizante de contradições que confere à ordem burguesa os

3 seus traços basilares de exploração, alienação e transitoriedade histórica (1992, p.15). Assim, é no capitalismo sob os moldes do monopólio, que é gerada a contradição basilar do sistema capitalista. Contradição oriunda e constituinte deste sistema explorador da força de trabalho, no qual ocorre a apropriação pelos burgueses detentores dos meios de produção, da riqueza socialmente produzida pelo conjunto da classe trabalhadora. A expressão desse sistema contraditório, é denominada de questão social 3, a qual no contexto monopolista tem suas manifestações e expressões apresentadas de forma complexa e intensa. IAMAMOTO(2003), afirma que no Brasil, esse cenário é marcado pelo desenvolvimento capitalista industrial e pela expansão urbana, caracterizado pela emergência no cenário político e social de novas classes sociais: a classe trabalhadora assalariada ou proletariado e da classe burguesa, detentora dos meios de produção; e a mudança na composição dos grupos, ou representantes da classe que detêm ou compartilham o poder do Estado. Neste contexto, caracterizado por mudanças na forma de produção e reprodução social capitalista é [...] que se gestam as condições sócio-históricas para que, na divisão social (e técnica) do trabalho, constitua-se um espaço em que se possam mover práticas profissionais como a do assistente social. (NETTO, p. 69, 1992) 4. O Estado no contexto da década de 1930 é pressionado a intervir na realidade das manifestações da questão social, pois seu aparato policial repressivo não propiciava 3 A questão social não é senão as expressões do processo de formação e desenvolvimento da classe operária e de seu ingresso no cenário político da sociedade, exigindo seu reconhecimento como classe por parte do empresariado e do Estado (IAMAMOTO, p. 77, 2000) 4 NETTO nega á retórica de que a profissão do Serviço Social é resultado de um processo evolutivo da ajuda, ou de racionalização da filantropia, ou ainda organização da caridade

4 mais as condições para garantir que o capital materializasse seu objetivo de acumulação. Assim, o Estado passa a ter que redimensionar suas funções na sociedade no âmbito político e econômico, devendo garantir a propriedade privada, os direitos individuais e regular as condições para a perpetuação do capital. Nesse sentido, o Serviço Social emerge no cenário brasileiro como uma iniciativa de representantes da classe burguesa-dominante, ligados ao poder da Igreja Católica ou do Estado, com o objetivo de garantir a manutenção do sistema capitalista. A profissionalização do Serviço Social, legalmente inserida em órgãos públicos ocorre em 1935, sendo no final da década legalizado o ensino da profissão. A orientação para o exercício profissional no início da profissão era o referencial do Serviço Social europeu, com fundamentos na razão formal abstrata (doutrina neo tomista- positivista). A partir de 1940, o referencial que passa orientar o exercício profissional é o de caso, grupo e comunidade, de origem do Serviço Social dos Estados Unidos. Segundo NETTO (1992), o caminho para a profissionalização é construído pelos próprios assistentes sociais, num processo histórico, no qual estes vão se inserindo em atividades interventivas e vão reordenando seus espaços de intervenção. Não se trata de um deslocamento simples: as agências em que se deslocam as protoformas do Serviço Social pensam-nas e realizamnas como conjunto de ações não só derivadas menos de necessidade ou demandas sociais do que de impulsões ética-morais, mas especialmente como atividades exteriores à lógica do mercado (e daí também o privilegio do trabalho gracioso e voluntário, 'comunitário'); apenas quando saltam para fora dessas agências, ou quando elas passam a subordinar-se a uma orientação diversa, e que os agentes podem empreender o caminho da profissionalização ainda que, repita-se, nestas passagens, conservem o referencial produzido naquelas agências (NETTO, p.58, 1992).

5 Esse movimento é desenvolvido diante do fato de que a criação do Serviço Social no período do capitalismo monopolista, está relacionado à necessidade da criação de novas formas de controle, que ultrapassassem o caráter repressivo aptas a intervir nas manifestações da questão social. Assim, a criação do Serviço Social, é orientada pelos interesses burgueses-capitalistas, que passam a ser questionados pela categoria em seu processo histórico. A orientação teórico-metodológica que sustenta a emergência e profissionalização do Serviço Social é denominada na categoria como Serviço Social tradicional, considera que a profissão representa um [...] reforço dos mecanismos do poder econômico, político e ideológico, no sentido de subordinar a população trabalhadora às diretrizes das classes dominantes em contraposição à sua organização livre e independente.(iamamoto e Carvalho, p. 96,1982). Segundo Martinelli (1997), esse referencial de cunho tradicional conservador da profissão passa a ser questionado pela categoria dos profissionais do Serviço Social. Esse movimento ocorre pelo fato de que, este não representava um projeto construído pelos profissionais, mas representava uma identidade atribuída à profissão pela burguesia, por sua gênese e institucionalização, caracterizado pelo referencial ideológico da Igreja Católica, instrumentalizado pelo projeto conservador burguês. Contudo, os profissionais de Serviço Social iniciam um processo de revisão do seu exercício profissional ao interagir, na realidade e dentro da própria categoria com outros projetos sócio-políticos. O Serviço Social, a partir do processo de profissionalização e de sua intervenção na realidade entra em confronto e convive com ideologias distintas da capitalista.

6 A partir de 1960, são constituídas condições que possibilitaram a redefinição dos procedimentos profissionais, primeiramente no governo de J.K., sob a concepção de desenvolvimento e depois sob a concepção de desenvolvimento humanista do governo Jânio Quadros, que valoriza o profissional Assistente Social. Neste contexto, é colocada a necessidade de qualificação dos profissionais, diante da demanda apresentada à profissão internamente, e pelo mercado de trabalho. Assim, o Serviço Social - caracterizado então por práticas sob orientação de instrumentos e técnicas tradicionais - inicia na década de 1960, um movimento interno na categoria que constrói os fundamentos, para o que vem a ser na década de 1970 o Movimento de Reconceituação do Serviço Social, ou seja, o movimento de intenção de ruptura com o viés tradicional e conservador, que será alavancado por um amplo debate da categoria, polarizado por disputa de diferentes projetos profissionais. O debate interno da profissão, que mantinha o traço conservador, era polarizado por duas correntes. A primeira defendia a manutenção da origem conservadora adaptada com mudanças embasadas no modelo norte-americano psicanalista-tecnicista (Caso, Grupo e Comunidade). A segunda propunha mudanças, questionando sutilmente as estruturas sociais, tendo sua base ligada a setor progressista da Igreja Católica. Estas duas correntes mantinham o traço conservador do Serviço Social e disputavam a direção do exercício profissional e do processo formativo. A demanda do governo, na década de 1960, em relação aos profissionais assistentes sociais, exigia uma ação no sentido de controle da população de forma a adequála e submetê-la a ordem do governo ditatorial numa conjuntura de repressão, aumento da concentração de renda, de desemprego, inflação e de diminuição do poder de compra dos salários. Muitos profissionais se negavam a desenvolver essa prática propondo um debate

7 critico, que abrangeu a categoria na América Latina, denominado de Movimento de Reconceituação do Serviço Social 5. O Movimento de Reconceituação 6 do Serviço Social objetivou construir a critica a profissão, aos seus pressupostos ideológicos, teóricos e metodológicos e à determinadas práticas profissionais. A partir da crítica buscava-se uma referência distinta da qual orientava a profissão até então, desde sua emergência, de cunho conservador, objetivando orientar e redimensionar o exercício profissional do Serviço Social. A partir do Movimento de Reconceituação, segundo Netto (1992), é desenvolvida uma disputa entre projetos políticos que divergem no interior da profissão. Tal disputa é polarizada por três vertentes teórico-metodológicas denominadas: Modernizadora 7, Reatualização do Conservadorismo 8 e Intenção de Ruptura. 5 No período do Movimento de Reconceituação o Centro Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio Internacional de Serviços Sociais CBCISS, organizou uma série de cinco encontros, denominados seminários de teorização que aconteceram respectivamente em Araxá-MG (março de 1967), Teresópolis-RJ (janeiro de 1970), Sumaré-SP (novembro de 1978), Alto da Boa Vista-RJ (novembro de 1984) e Rio de Janeiro-RJ (junho de 1989). 6 Nessa conjuntura é que é preciso situar o movimento de reconceituação, não como um projeto isolado e vanguardista, mas como um projeto vivo e contraditório de mudanças no interior do Serviço Social latino-americano. A ruptura com o Serviço Social tradicional se inscreve na dinâmica de rompimento das amarras imperialistas, de luta pela libertação nacional e de transformações da estrutura capitalista excludente, concentradora, exploradora. Esse movimento reflete as contradições e confrontos das lutas sociais onde embatem tendências de conciliação e de reforma com outras de transformação da ordem vigente no bojo do processo revolucionário e ainda com outras que visam apenas modernizar e minimizar a dominação. (FALEIROS, 1987, p.51) 7 Trata-se de uma vertente que recupera os componentes mais estratificados da herança histórica e conservadora da profissão, nos domínios da (auto)representação e da prática, e os repõe sobre uma base teórico-metodológica que se reclama nova, repudiando, simultaneamente, os padrões mais nitidamente vinculados à tradição positivista e às referências conectadas ao pensamento crítico-dialético, de raiz marxiana. Essencial e estruturalmente, esta perspectiva faz-se legatária das características que conferiam à profissão o traço microscópico da sua intervenção e a subordinam a uma visão de mundo que deriva do pensamento católico tradicional; mas o faz com um verniz de modernidade ausente no anterior tradicionalismo profissional, à base das mais explícitas reservas aos limites dos referenciais de extração positivista. (NETTO, 1992, p.157) 8

8 Neste contexto, o Movimento de Intenção de Ruptura possibilitou uma nova abordagem à profissão, uma apreensão construída pela categoria não mais atribuída como nos primórdios da profissionalização. Assim, o significado social da profissão é aprendido na complexidade das relações sociais que esta categoria estabelece na realidade, sendo necessária a sua compreensão na totalidade das relações sociais em várias dimensões do exercício profissional, na sua relação com o usuário e na relação com o seu empregador. Iamamoto (1997), afirma que o significado social da profissão deve ser compreendido a partir do caráter contraditório da prática profissional nas relações sociais 9, na reprodução destas relações, na reprodução da própria sociedade capitalista, na sua totalidade, inclusive das suas contradições e antagonismos. Segundo Iamamoto (1997) e Martinelli (1997), o Serviço Social constitui uma instituição que emerge e se desenvolve no interior da sociedade capitalista. Constituída e desenvolvida na dinâmica das relações sociais estabelecidas nesta. Sendo uma particularidade da mesma, por isso não está fora desta dinâmica societária, uma vez que é realizada e materializada nesta e conseqüentemente influi e participa na reprodução e materialização histórica desta ordem societária, de acordo com as características das relações sociais desenvolvidas nesta sociedade, apresentadas em contextos sócio- histórico determinados. Conforme a autora, o exercício profissional do assistente social, tem caráter interventivo, pois é demandado e contratado como profissional pelo capital, com o objetivo de intervir nas manifestações da questão social sofridas pela classe trabalhadora. Neste contexto, destaca-se a importância do Projeto Ético Político Profissional, o qual tem o 9 A reprodução das relações sociais não se reduz, pois, a reprodução da força viva de trabalho e dos meios materiais de produção. Não se trata, apenas da reprodução material no sentido amplo: produção das forças produtivas e das relações de produção na sua globalidade, envolvendo, também a reprodução espiritual, isto é: das formas de consciência social, jurídicas, artística, religiosas. Mas é também a reprodução das lutas sociais, das relações de poder e dos antagonismos de classes. (IAMAMOTO,p.99,1997)

9 objetivo de orientar o exercício profissional, a partir de princípios embasados na liberdade e na democracia e que prima por uma ação profissional comprometida com a classe trabalhadora e não pela defesa e manutenção da burguesia. O contexto que fortaleceu e impulsionou a vertente de Intenção de Ruptura a se tornar hegemônica na categoria e assumir a direção da profissão, relaciona-se às condições sócio-históricas da ditadura militar, as quais passam a ser questionadas e criticadas a partir de 1978, por meio de manifestações da população que, organizada em movimentos sociais, protesta contra a repressão e demais características do regime. O Serviço Social não fica à parte deste processo. A partir da necessidade de construção da identidade profissional, os profissionais buscam outro arcabouço teórico que compreenda a sociedade burguesa e suas contradições, lócus de sua intervenção profissional. Neste momento, são iniciados os primeiros contatos com a teoria social de Marx, fundamentada no materialismo histórico. Porém, críticas às aproximações da base teórica marxista, colocam-na como problemática e limitada, demonstrando a ausência de reflexões sobre os originais de Marx e de seus seguidores ou de análise a partir de obras interpretativas de autores, sem recorrência às fontes das produções teóricas. O Movimento de Reconceituação do Serviço social constitui, no movimento histórico da profissão, o processo que buscou romper com o Serviço Social tradicional, desenvolvendo entre a categoria um amplo debate crítico sobre da profissão. Embasados no currículo aprovado em 1982, os avanços teóricos e políticos presentes no cotidiano da profissão, expressos no Movimento de Reconceituação do Serviço Social,admite a importância da pesquisa científica e evidencia um compromisso de classe, materializando a preocupação com a formação profissional, no tocante ao trabalho profissional, propondo o rompimento com a ideologia dominante e a vinculação do exercício profissional aos interesses dos usuários.

10 a ruptura com a herança conservadora expressa-se como uma procura, uma luta por alcançar novas bases de legitimidade da ação profissional do Assistente Social, que, reconhecendo as contradições sociais presentes nas condições do exercício profissional, busca-se colocar-se, objetivamente a serviço dos interesses dos usuários, Istoé, dos setores dominados da sociedade (IAMAMOTO, 2000, p.37). As discussões desenvolvidas neste processo constituíram a base inicial da construção do Projeto Ético Político Profissional, pela categoria, no seu movimento histórico. A proposta primária do Projeto Ético Político Profissional é constituída pelo Código de Ética de 1986, posteriormente reformulado em 1993, pela Reformulação da Lei que Regulamenta a profissão, tendo sua complementação com as Diretrizes Curriculares para o Curso de Serviço Social, aprovadas pela categoria em Com o movimento de Reconceituação desenvolvido pela categoria, inicia-se o movimento de intenção de ruptura, ou seja, o processo que busca romper com o conservadorismo na profissão. No âmbito da formação profissional, o debate desenvolvido pela categoria neste contexto de discussão da profissão, coloca a necessidade de se discutir e avaliar o projeto de formação que orientava a formação dos profissionais. Assim, são colocadas as bases para o debate do projeto de Formação Profissional 10, processo que culmina com a aprovação do Novo currículo Mínimo para os Cursos de Serviço Social em Nossa reflexão será norteada por Iamamoto, que afirma:

11 Pensar a formação profissional no presente é, ao mesmo tempo, fazer um balanço do debate recente do Serviço Social, indicando temas a serem desenvolvidas, pesquisas a serem estimuladas para decifrar as novas demandas que se apresentam ao Serviço Social (IAMAMOTO, p.169, 2003). Temos a partir de uma reflexão critica, o projeto de formação profissional de Serviço Social construído e implantado pela categoria na década de 1980, que buscava a ultrapassagem da visão endógena da profissão e da vida universitária, buscando historicizar o debate com uma visão critica, identificando as particularidades do Serviço Social. É importante salientar que o debate que vinha sendo desenvolvido pela categoria não foi estagnado com a aprovação do currículo de O mesmo foi mantido na década seguinte diante da percepção de que o Currículo de 1982 e o Código de Ética de mantinham o traço conservador. Assim, a categoria mantém o debate com o objetivo de romper com o conservadorismo, de acordo com GUERRA(2004) Por meio da intenção de ruptura, o serviço social brasileiro consolida a sua maturidade intelectual (Cf. Netto, 1996 e Iamamoto, 1992), alcança o reconhecimento e validação acadêmica como área de produção de conhecimento, determina o seu estatuto profissional e o seu significado social, define a sua relação com as demais disciplinas da área das ciências sociais e humanas, e, sobretudo, constrói e defende objetivos legitimados por um projeto de sociedade na defesa da liberdade, da democracia, dos direitos sociais e das políticas sociais públicas. 11 O traço conservador identificado nos Códigos de Ética da profissão de 1947, 1965 e 1975, normatizava a profissão com a característica de uma cartilha que buscava controlar a conduta do profissional. O Código de Ética de 1986 é aprovado trazendo em si o debate posto pelo Movimento de Reconceituação do Serviço Social, apresentando elementos que rompem com valores tradicionais, orientando a postura profissional construída a partir do currículo de Na dimensão política destaca o compromisso com a classe trabalhadora, e a necessidade de olhar o real em sua totalidade. Este código representa um avanço, porém expressa limites quando coloca o compromisso com uma classe e concomitante, o preconceito ao profissional que não seguisse esta determinação.

12 A fundamentação teórica que orientou o currículo de 1982, é a teoria social de Marx, (com limites diante da apreensão equivocada da mesma), assim buscou-se articular teoria, história e metodologia substituindo as disciplinas do Serviço Social de caso, grupo e comunidade. Apresentou a compreensão de que a realidade é dinâmica, e que devia ser compreendida a partir do movimento da história, porém era contraditório, pois na disposição das disciplinas em teoria, história e metodologia, reproduziu a compreensão da distinção entre teoria e prática. O que se verifica no currículo de 1982 é a inexistência de uma lógica histórica no processo de formação profissional pela disposição das disciplinas de forma particularizadas de Teoria e Metodologia e História do Serviço Social, somada a dicotomia entre teoria e prática disposta nas ementas das disciplinas. Atualmente o Projeto Ético Político Profissional, que busca romper com o conservadorismo, tem caráter hegemônico na profissão, se apresentando numa contínua construção no interior da categoria profissional, num processo de fortalecimento e ampliação da sua apreensão pelos profissionais. Porém, apesar de ser hegemônico e buscar romper com o conservadorismo, apresenta ao mesmo tempo, por parte da categoria profissional, diversas manifestações conservadoras. Contudo, foi esse movimento que deu sustentação para se pensar uma formação profissional comprometida coma luta dos trabalhadores, consolidada na aprovação das Diretrizes Curriculares de O movimento que a categoria profissional do Serviço Social vem desenvolvendo com maior ênfase a partir da década de 1980, no âmbito da formação profissional busca articular a Formação Profissional e a demanda posta a profissão pelo mercado de trabalho, não de forma linear às exigências do mercado. A direção desta articulação, objetiva apreender as demandas postas à profissão no contexto nacional, tanto demandas de ordens estatais, empresariais, como demandas postas pelos movimentos sociais com novas

13 configurações ou como conseqüências das respostas formalmente desenvolvidas através das políticas sociais às manifestações da questão social. A reformulação do currículo de 1982, que culminou no currículo de 1996, representou um momento decisivo para pensar a formação profissional comprometida com um novo projeto ético-político, manifestando a ruptura com o conservadorismo. O movimento de reformulação busca construir uma proposta de formação profissional que forme profissionais aptos a responderem às demandas contemporâneas, que se constituem como conseqüência das mudanças desenvolvidas no modo de produção capitalista, que alteraram radicalmente a esfera da produção e do Estado tendo como conseqüência o agravamento das manifestações da questão social. Segundo Iamamoto ( 2003, p.172) uma Reforma Curricular atenta às transformações nos padrões de acumulação capitalista produção e gestão da força de trabalho nas estratégias de dominação e no universo da cultura. As mudanças desenvolvidas nos padrões de produção e acumulação capitalista, representam uma resposta à crise que o processo de acumulação capitalista passa a sofrer a partir da década de 1970, quando tinha sua base estrutural no modelo fordista/ keynesiano padrão da produção rígida. Segundo IAMAMOTO (2003) estas mudanças visualizadas no mundo do trabalho, não são alheias ao Serviço Social, as mesmas também ocorrem na relação de trabalho do Assistente Social e ao mesmo tempo com o usuário dos serviços sociais. Assim, é fundamental que a formação profissional possibilite aos assistentes sociais compreender criticamente as tendências do atual estágio da expansão capitalista e suas repercussões na alteração das funções tradicionalmente atribuídas à profissão e no tipo de capacitação requerida pela modernização da produção e pelas novas formas de gestão da força de trabalho; que dê conta dos processos que estão

14 produzindo alterações nas condições de vida e de trabalho da população que é alvo dos serviços profissionais, assim como das novas demandas dos empregadores na esfera empresarial (IAMAMOTO, p.180, 2003). Sob as manifestações da questão social, com a processo de flexibilização do sistema capitalista, vêm sendo complexificada em suas múltiplas expressões e determinações, o Serviço Social tem a sua demanda profissional aumentada, diversificada. Neste sentido, é colocada a necessidade de construção de um projeto de formação profissional apto a formar profissionais capazes de aprender este contexto e de responder as demandas apresentadas a profissão. Os caminhos percorridos historicamente, através de debate desenvolvidos pela categoria e que fundamentaram a construção do Projeto Profissional atual, materializado nas diretrizes curriculares aprovadas pela categoria em 1996 tem como ponto de partida a construção do Currículo Mínimo 12 do Serviço Social de 1982, este aprovado na Assembléia Nacional da ABESS 13 em Natal RN. As Diretrizes Curriculares representam a sistematização dos debates desenvolvidos nas décadas de 1960 e 1970, pela categoria profissional, polarizados pela disputa de projetos políticos profissionais, da qual conquistou a hegemonia a Vertente de Intenção de Ruptura que orientou a fundamentação teórico-metodológica desta proposta. A reforma do currículo de 1982 se adentrou nas discussões na década de 90, tendo um marco m 1993 com a revisão do Código de ética Profissional, defendendo os princípios de liberdade, equidade e pluralismo atrelados à democracia, considerados pelo 12 O currículo mínimo foi aprovado sob o Parecer 412/82 pelo Conselho Federal de Educação com prazo de dois anos para ser implementado nas escolas de Serviço Social. 13 Na ocasião denominada de ABESS Associação Brasileira de Ensino em Serviço Social. Atualmente, denominada de ABEPSS Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social, desde dezembro de 1998 quando houve a fusão da ABESS com o então CEDEPSS Centro de Documentação e Pesquisa em Serviço Social.

15 Conselho Federal de Serviço Social, como princípios imprescindíveis à construção de uma nova ordem societária (CFESS,1993). O debate crítico do Currículo Mínimo de 1982 e construção das Diretrizes Curriculares aprovadas em 1996 foi um processo desenvolvido coletivamente pela categoria em âmbito nacional realizados em 200 oficinas locais em unidades de ensino filiadas a ABESS, 25 oficinas regionais e duas nacionais, sob a coordenação da ABESS, no período de 1993 a 1996, com a participação do Conselho Federal de Serviço Social, Conselhos Regionais de Serviço Social e Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social. A proposta das Diretrizes Curriculares para os cursos de Serviço Social 14 apresenta como eixo central a questão social compreendendo que A perspectiva é, então, aprofundar a compreensão da questão social como elemento que dá concretude à profissão, ou seja, que é sua base de fundação histórico-social na realidade, e que nesta qualidade, portanto deve constituir o eixo ordenador do currículo. (ABESS,1997,p.20-21), ou seja, a formação profissional tem como objetivo capacitar e orientar os profissionais para intervir nas expressões da questão social. Outra questão, que é materializada através das diretrizes é a consolidação da hegemonia da vertente de intenção de ruptura, que representa a fundamentação da orientação do projeto ético político profissional. Tendo como pressuposto a vinculação entre a profissão e a questão social, apreendida no interior do processo de reprodução da relação entre o capital e o trabalho e o entendimento da prática profissional como trabalho (NETTO, 1999, p.111). Tais conteúdos formação e trabalho profissional - vinculados à realidade social constituíram os núcleos que embasam as novas diretrizes curriculares em processo de implantação e implementação dos projetos políticos pedagógicos das unidades de ensino, consolidando a apreensão crítica dos processos sociais na perspectiva da totalidade. 14 Cadernos ABESS, nº7,1997.

16 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABPESS/CEDEPSS- Proposta básica para o projeto de formação profissional. In: Revista Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, ano XVII, n. 50,1996. ABPESS. Proposta básica para o projeto de formação profissional. Novos subsídios para o debate. In: Cadernos ABESS. São Paulo :Cortez, n.7, ANTUNES, Ricardo. Adeus ao Trabalho?: ensaio sobre a metamorfose e a centralidade do mundo do trabalho. 4 ed. São Paulo, Cortez/Unicamp, BARROCO, Maria Lúcia, Ética e Serviço Social: Fundamentos Ontológicos. 2 ed., São Paulo, Cortez, CERQUEIRA FILHO, Gisálio. A questão social no Brasil crítica do discurso político. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, Coleção Retratos do Brasil, v. 162, 1982.

17 CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL (CEFSS). Código de Ética Profissional do Assistente Social e Lei n /93-Regulamentação da Profissão de Serviço Social. Brasília, ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Tradução de Rosa Camargo Artigas e Reginaldo Forti. São Paulo, Global, FALEIROS, Vicente de Paula. Confrontos teóricos do movimento de reconceituação do Serviço Social na América Latina. In: Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo: Cortez Ano VII, nº 24 p , Agosto/1987. GUERRA, Yolanda. Ensino da Prática Profissional no Serviço Social: subsídios para uma reflexão. In Revista Temporalis. V.1, n.2 (jul/dez.2000). ABEPSS, Valci, IAMAMOTO, Marilda Vilela. O Serviço social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 5. Ed. São Paulo, Cortez, A questão social no capitalismo. In: Revista temporalis / Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço social Ano 2, n.3 (jan/jul.2001). Brasília, ABEPSS, Grafline, Renovação e conservadorismo no Serviço Social. 5. ed. São Paulo, Cortez, O Serviço Social na Contemporaneidade: dimensões históricas, teóricas e éticopolíticas. Coleção Debate nº 6. Fortaleza, Expressão gráfica e Editora, dez O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 7 ed. São Paulo, Cortez, LEI Nº 8662/93 Regulamenta a Profissão de Assistente Social.

18 MARTINELLI, Maria Lúcia. SERVIÇO SOCIAL identidade e alienação. São Paulo, Cotez, MARX, Karl. O capital: Crítica da Economia política. Tradução: Reginaldo Sant Ana, livro primeiro, 3 ed., Rio de Janeiro, Civilização Brasileira S.A., MARX, Karl e ENGELS, Friedrich. O Manifesto do partido Comunista. 2 ed. Rio de janeiro, Livraria Editora Cátedra, NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social. São Paulo, Cortez, Capitalismo monopolista e Serviço Social. 2 ed., São Paulo, Cortez, NETTO, José Paulo, FALCÃO, Maria C. B. C..Cotidiano: Conhecimento e crítica. São Paulo, Editora Cortez, A construção do projeto ético-político do Serviço Social frente à crise contemporânea. In: Programa de Capacitação Política em Serviço Social e Política Social: módulo 1: Crise contemporânea, questão social e Serviço social Brasília: CEAD, p , 1999., Cinco Notas A Propósito da Questão Social. In: Revista Temporalis. Brasília: Grafiline, Ano II, nº 3, PASTORINI, Alejandra. A categoria questão social em debate. (Coleção Questões da Nossa Época; v. 109), São Paulo, Cortez, 2004.

19 SILVA, Maria Ozanira Silva. O Serviço Social e o popular: resgate teórico-metodológico do projeto profissional de ruptura. São Paulo:Cortez,1995 VAZQUES, Adolfo.S.. Filosofia da Praxis. Rio de Janeiro:Paz e Terra, 1968.

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI

OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI OS FUNDAMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL NO SÉCULO XXI Ariana Célis Leite Lívia Hernandes de Carvalho Lívia Moura Marinho Thiago Agenor dos Santos de Lima RESUMO: O presente artigo tem como

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1

Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social 1 Serviço Social e Projeto Ético-político: desafios à categoria profissional 1 Mileni Alves Secon 2 1- Introdução: O Serviço Social e contradição

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas

A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL: DA GÊNESE A ATUALIDADE Sibeli Ribas A emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores. Karl Marx e Friederich Engels Resumo O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO: UMA ANÁLISE DE SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Jocelma Tossin Martins (UNICENTRO), Rosângela Bujokas de Siqueira (Orientadora), e-mail: janja.bujokas@uol.com.br

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1

TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1 TEXTOS PARA REFLEXÃO N 1 REFLEXÕES SOBRE O ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL E O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Jussara Ayres Bourguignon Ponta Grossa, setembro de 2007 DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES - EDITAL Nº. 078/2013

NORMAS COMPLEMENTARES - EDITAL Nº. 078/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE APOIO AO DOCENTE NORMAS COMPLEMENTARES - EDITAL Nº. 078/2013 NORMAS ESPECÍFICAS

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Serviço Social; Questão Social; Movimento de Reconceituação.

PALAVRAS-CHAVE: Serviço Social; Questão Social; Movimento de Reconceituação. Da Institucionalização do Serviço Social na América Latina à Inserção da Questão Social na Agenda Pública: reflexões sobre o Movimento de Reconceituação Bruno Alvarenga Ribeiro 1 Aline Mendonça Silva 2

Leia mais

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o

DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR. A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o 1 DIMENSÃO EDUCATIVA DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Iris de Lima Souza 1 A investigação sobre a dimensão educativa que também caracteriza o fazer profissional do Assistente Social, é parte de

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000

ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 ADMINISTRAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: PERIÓDICOS NACIONAIS 1982-2000 Marta Luz Sisson de Castro PUCRS O Banco de Dados Produção do conhecimento na área de Administração da Educação: Periódicos Nacionais 1982-2000

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2

SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 SERVIÇO SOCIAL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA: DIREÇÃO SOCIAL. Rafael TEIXEIRA DO NASCIMENTO. 1 Valderes MARIA ROMERA 2 RESUMO: O capitalismo financeiro está fortemente projetado na sociedade contemporânea,

Leia mais

IV SEMANA DE SERVIÇO SOCIAL CONSERVADORES NÃO PASSARÃO, NÓS PASSARINHOS! 1 CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

IV SEMANA DE SERVIÇO SOCIAL CONSERVADORES NÃO PASSARÃO, NÓS PASSARINHOS! 1 CURSO DE SERVIÇO SOCIAL IV SEMANA DE SERVIÇO SOCIAL CONSERVADORES NÃO PASSARÃO, NÓS PASSARINHOS! 1 CURSO DE SERVIÇO SOCIAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAMPUS DE RIO DAS OSTRAS CHAMADA PÚBLICA MINICURSOS E OFICINAS 1. Apresentação

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL EM TOLEDO(PR) - UMA RESPOSTA CRÍTICA ÀS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Amália Madureira Paschoal 1 Em defesa da Universidade gratuita, autônoma e de qualidade, em todos

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

O ESTÁGIO E AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

O ESTÁGIO E AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL O ESTÁGIO E AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Maria da Conceição Vasconcelos Gonçalves i Milena Macena do Espírito Santo ii Fernanda Basílio Guimarães iii EIXO TEMÁTICO: 13 Ensino

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes R E S O L U Ç Ã O Nº 118/2012 CI / CCH CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 14/08/2012. João Carlos Zanin, Secretário Aprova Alterações no Projeto

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 SERVIÇO SOCIAL

Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 SERVIÇO SOCIAL assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1 Confira atentamente se

Leia mais

Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária

Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária Serviço Social e Marxismo: perspectivas de uma nova ordem societária Daniel Silva Basílio 1 Lesliane Caputi 2 Eixo temático: 10. Educação Resumo: O presente texto traz para reflexões a interlocução histórica

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS

CONCURSO DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE/2010 FORMULÁRIO DE RESPOSTA AOS RECURSOS QUESTÃO: 22 Ver bibliografia do concurso: IAMAMOTO, Marilda. & CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil. Esboço de uma interpretação históricometodológica. 14ªed. São Paulo, Cortez,

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social INSS

Serviço Social na Previdência Social INSS Gerência Executiva do INSS em Cuiabá Seção de Saúde do Trabalhador SERVIÇO SOCIAL Serviço Social na Previdência Social INSS Maio/2015 1 Introdução O Serviço Social do INSS é um serviço previdenciário,

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

PROCESSO Nº 330/15 PROTOCOLO Nº 13.449.897-8 PARECER CEE/CES Nº 43/15 APROVADO EM 20/05/15

PROCESSO Nº 330/15 PROTOCOLO Nº 13.449.897-8 PARECER CEE/CES Nº 43/15 APROVADO EM 20/05/15 PROTOCOLO Nº 13.449.897-8 PARECER CEE/CES Nº 43/15 APROVADO EM 20/05/15 CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INTERESSADA: UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE MUNICÍPIO: CASCAVEL ASSUNTO: Pedido

Leia mais

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920)

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015. I. Contexto histórico

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

SERVIÇO SOCIAL. Campus Regional de Ivaiporã. 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos SERVIÇO SOCIAL Campus Regional de Ivaiporã 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Serviço Social PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

A Importância ético-política do fortalecimento das Associações Organizativas da Categoria Profissional em cenários contemporâneos

A Importância ético-política do fortalecimento das Associações Organizativas da Categoria Profissional em cenários contemporâneos A Importância ético-política do fortalecimento das Associações Organizativas da Categoria Profissional em cenários contemporâneos Jussara Maria Rosa Mendes abepss@abepss.org.br 1 Regina Célia Tamaso Mioto

Leia mais

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe

Desafíos para la formación profesional en América Latina y Caribe Fórum de supervisores e formação profissional: relato de uma experiência político-acadêmica e pedagógica na Faculdade de Mauá - SP 1 Maria Liduína de Oliveira e Silva 2 liduoliveira@ig.com.br Rodrigo José

Leia mais

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Mileni Alves Secon 1 Resumo: O Serviço Social tem seu surgimento marcado pela consolidação do sistema capitalista, no momento de sua manifestação como monopólios marcado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo * Maurílio Castro de Matos ** Introdução O presente trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019. Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019. Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019 Capítulo 5 Organização Didático Pedagógica Florianópolis Dezembro 2014 CAPÍTULO 5...5.1 ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO PEDAGÓGICA...5.1 5.1 INOVAÇÕES NOS PROCESSOS

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Apresentação. Capítulo 3 Gramsci e o Serviço Social

Apresentação. Capítulo 3 Gramsci e o Serviço Social Apresentação Capítulo 3 Gramsci e o Serviço Social 3.1 Tempo e História 1960 Obras de Gramsci traduzidas e publicadas no Brasil Serviço Social já consolidado como profissão liberal de natureza técnico

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES - EDITAL Nº 015/2014

NORMAS COMPLEMENTARES - EDITAL Nº 015/2014 NORMAS COMPLEMENTARES - EDITAL Nº 015/2014 NORMAS ESPECÍFICAS PARA O CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PREENCHIMENTO DE VAGA(S) DE PROFESSORE DA CARREIRA DE MAGISTÉRIO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH

GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH GRUPO DE PESQUISA EM TRABALHO, EDUCAÇÃO E HISTÓRIA - GETEH MELO, Alessandro de (Orientador/UNICENTRO) BATISTA, Viviane Silveira (UNICENTRO) SIGNORI, Zenira Maria Malacarne (UNICENTRO) Trabalhos realizados

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais