Fórum de Debates Geração de Valor Ferramentas de Avaliação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórum de Debates Geração de Valor Ferramentas de Avaliação"

Transcrição

1 Fórum de Debates Geração de Valor Ferramentas de Avaliação 29 de julho de 2014 Copyright 2014 Stern Stewart Ltda. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida ou transmitida de forma alguma ou através de quaisquer meios, eletrônicos ou mecânicos, incluindo fotocópias, gravação, ou qualquer sistema de armazenagem e busca de informação, sem permissão por escrito da Stern Stewart & Co. EVA é uma marca registrada da Stern Stewart & Co. nos Estados Unidos, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Dinamarca, França, Alemanha, Itália, México, Noruega, África do Sul, Turquia e Reino Unido.

2 Stern Stewart & Co. 29/07/2014 2

3 Histórico Fundada em 1982 por Joel M. Stern e G. Bennett Stewart III Origem: Corporate Finance Missão: Criar valor para nossos clientes Criadora dos conceitos EVA (Economic Value Added) e WAI (Wealth Added Index) LONDRES MUNIQUE NOVA YORK MILÃO MUMBAI SHANGHAI BANGKOK TOKYO SINGAPURA MELBOURNE SÃO PAULO JOHANNESBURGO 29/07/2014 3

4 Nossos Serviços Gestão de Valor EVA Value Based Strategy Value Scorecard (Value Drivers) Desenho e Avaliação de Business Plans Processo Orçamentário Gestão de Intangíveis Educação Gerencial (programas customizados) Assessoria em Corporate Finance Fusões e Aquisições, Vendas e Cisões Estratégia Financeira Estrutura de Capital Política de Dividendos ValueGap Analysis Planos de Remuneração Políticas de Remuneração Plano de Bônus Plano de Ações e Opções de Ações 29/07/2014 4

5 Clientes Stern Stewart possuem desempenho superior Carteira composta pelos clientes Stern Stewart no Brasil apresenta retorno bastante superior ao Mercado. CLIENTES STERN STEWART VS. IBOVESPA Clientes Stern Stewart geraram em média 17% ao ano de retorno em excesso ao Ibovespa 29/07/2014 5

6 Credenciais da Stern Stewart Clientes Selecionados Brasil Empresas Nacionais 29/07/2014 6

7 Credenciais da Stern Stewart Clientes Selecionados Brasil Empresas Multinacionais América Latina México Colômbia Argentina Outros 29/07/2014 7

8 Nosso Framework de Atuação Aspiração» Exemplo: Triplicar o valor da companhia até 2018 Estratégia Definição das estratégias por UN para:» Crescimento Rentável» Eficiência» Desinvestimento EVA Implementação Alinhamento das iniciativas estratégicas das UNs com a Criação de Valor Programa de Mensuração de Performance Sistemas de Planejamento Financeiro e Orçamento Estratégia Financeira Corporativa Planos de Remuneração Treinamento 29/07/2014 8

9 Sistema de Gestão EVA 29/07/2014 9

10 Economic Value Added (EVA ) EVA = NOPAT menos um encargo pelo uso do capital Receita - Despesas Oper. e Impostos Resultado operacional após impostos Custo pelo uso dos ativos da empresa Exemplo Ilustrativo: Receita Despesas Operacionais % 180 = NOPAT 420 NOPAT - Encargo de Capital = 120 EVA Capital Custo de Capital x 15% - Encargo de Capital 300 = EVA 120 A medida EVA é uma estimativa do Lucro Econômico após subtrair o custo de oportunidade do capital empregado no negócio 29/07/

11 O EVA é mais que uma métrica um sistema de gestão O objetivo do EVA é fazer com que os administradores pensem, ajam e sejam remunerados como se fossem acionistas. 1. Medir a performance com base no resultado econômico de criação de valor e de riqueza para o acionista. 2. Redesenhar os sistemas de gestão de forma a permitir que os processos de planejamento estratégico, alocação de recursos e gestão de resultados tenham foco na criação de Valor. Ver a Criação de Valor Gerenciar a Criação de Valor 3. Motivar os gestores a criar valor ao relacionar o sistema de remuneração à criação de valor. 4. Fortalecer a Cultura de Criação de Valor através de treinamento e comunicação, tornando os gestores mais conscientes do processo de criação de valor. Entender a Criação de Valor Incentivar a Criação de Valor 29/07/

12 ... e também uma ferramenta de Governança Interna Governança Externa Transparência Prestação de Contas Equidade Acionistas Conselho de Administração EVA! Executivos e Colaboradores Governança Interna Alinhamento de interesses entre gestão e acionistas Disciplina no uso do capital 29/07/

13 Sistema de Gestão EVA Medindo o EVA 29/07/

14 Net Operating Profit After Tax NOPAT DESPESAS OPERACIONAIS E DEPRECIAÇÃO RECEITA LÍQUIDA IMPOSTOS OPERACIONAIS NOPAT 29/07/

15 Capital... Onde o conseguimos, e como o utilizamos Capital de Giro Bancos Imobilizado + Outros Acionistas Como o Utilizamos Onde o Conseguimos 29/07/

16 A Razão dos Ajustes EVA Base Contábil Ajustes Para chegar à realidade econômica Base EVA OBJETIVOS Separar atividades financeiras das operacionais; Separar atividades operacionais das não-operacionais; Minimizar a possibilidade de criar colchões de resultado ; CRITÉRIOS Materialidade; Comportamento; Disponibilidade de informações; Simplicidade. Esclarecer o desempenho econômico. Exemplos: leasings operacionais, ágio em investimento ou aquisições, despesas com P&D e/ou Marketing, depreciação econômica etc. 29/07/

17 O Capital tem custo Como as empresas se financiam tanto com Capital Próprio como com empréstimos, o Custo de Capital é determinado como a média ponderada dos retornos exigidos por acionistas e bancos. CUSTO DA DÍVIDA CUSTO DO CAPITAL PRÓPRIO 29/07/

18 O acionista é o último a receber EMPRESA CLIENTES EMPREGADOS FORNECEDORES BANCOS GOVERNO ACIONISTAS 29/07/

19 O EVA no Processo de Alocação de Capital 29/07/

20 Alocação de Capital Medidas Tradicionais e EVA Margem Retorno 15% 23% 13% 20% Atual Após Investimento Atual Após Investimento Retorno do Projeto 17% 12% Investimento Agrega Valor Retorno Custo de Capital 29/07/

21 Alocação de Capital Medidas Tradicionais e EVA Medidas Tradicionais podem levar a erros Caso 1 Negócio Atual + Novo Investimento = Resultados Após Investimento Receita Lucro Operacional Margem Operacional % Capital (Ativos líquidos) ROCE Custo de Capital % Encargo de capital $ $1.530 $230 15% $ % 12% $120 $1.540 $170 11% $ % 12% $120 $3.070 $400 13% $ % 12% $240 EVA $110 $50 $160 29/07/

22 Alocação de Capital Medidas Tradicionais e EVA Margem Retorno Lucro 5% 6% 7% 8% $ 120 $ 70 Atual Após Investimento Atual Após Investimento Atual Após Investimento Retorno do Projeto 12% 10% Investimento Destrói Valor Retorno Custo de Capital 29/07/

23 Alocação de Capital Medidas Tradicionais e EVA Medidas Tradicionais podem levar a erros Caso 2 Negócio Atual + Novo Investimento = Resultados Após Investimento Receita Lucro Operacional Margem Operacional % Capital (Ativos líquidos) ROCE $1.400 $70 5,0% $ % $650 $50 7,7% $500 10% $2.050 $120 5,9% $ % Custo de Capital % 12% 12% 12% Encargo de Capital $ $120 $60 $180 EVA ($50) ($10) ($60) 29/07/

24 Alocação de Capital Exemplo do ROIC (1) ROIC (%) WACC (%) Criação de Valor (2) UN A Destruição de Valor (2) Retorno após projeto novo UN B Investimentos/Unidades de Negócios Caso os gestores tenham como foco aumentar o ROIC da unidade:» Unidade de Negócio A: Investimentos que geram valor não serão efetuados, uma vez que resultam na redução do ROIC.» Unidade de Negócio B: O capital será alocado em projetos que não geram valor, visando aumentar o ROIC da unidade. (1) ROIC = NOPAT/ capital investido (2) EVA = NOPAT (capital investido x custo de capital) 29/07/

25 Sistema de Gestão EVA Gerenciando o EVA 29/07/

26 Caminhos Estratégicos para Geração de Valor Mapa de Valor Spread EVA (1) Crescimento Lucrativo Aumento da eficiência Gestão de Ativos Capital Investido» Definição dos caminhos possíveis de geração de valor» Diferenciação dos candidatos às possíveis estratégias: crescimento, aumento da eficiência operacional e melhoria da gestão de ativos» Base para o controle estratégico da geração de valor. (1) Spread EVA: ROIC - WACC = Unidade Operacional EVA = NOPAT - (Capital Investido x WACC) = (ROIC - WACC) x Capital Investido (2) NOPAT: Lucro operacional após impostos 29/07/

27 Exemplo Drivers de EVA Receitas Empr. 1 Volume Cresc. % NOPAT NOPBT Empr Preço Cresc. % Impostos Custos Empr. 1 Volume Cresc. % EVA Empr Custo Médio Cresc. % Encargo de Capital Despesas Salários Serv. Terc.... Colaboradores Salário Médio Cresc. % Cresc. % Recebíveis Prazo médio de recebimento WACC Capital Fornecedores e sal. a pagar Em dias de receita Ativo Perman. #1 Em extensão Ativo Perman. #2 Em unidades 29/07/

28 Exemplos Ferramentas de Suporte à Decisão Ferramentas customizadas para tomada de decisões operacionais com foco em maximizar o EVA. Desconto vs Prazo Comprar vs Arrendar Preço de Equilíbrio Negociação de Compras Reformar vs Substituir Abertura de Lojas Entradas Alternativa A Preço Lote Prazo Parcelas (...) Alternativa B Preço Lote Prazo Parcelas (...) Análise Custos Impostos Capital de Giro WACC Valor Presente Alternativa que maximiza o EVA 29/07/

29 Ferramentas Orçamentárias Entradas de Dados Análises e Informações Empresa 1 Projeções Operacionais Volumes Preços Custos Investimentos etc. Contribuição de cada empresa para criação de valor Resultado Consolidado Empresa 2 Empresa 3 Orçamento Resultado por Linha de Negócio Empresa 4 Comparativo entre empresas Empresa 5 Fluxo de dividendos inter-company Planejamento Financeiro Projeções Financeiras Dívida Aportes Dividendos Posição de Caixa etc. Captação de dívidas 29/07/

30 Gestão de Portfólio Questões Chave Como alocar capital entre as Unidades de Negócio? Lucro? Margem? Crescimento? Necessidade de Capital? Retorno? Qual Unidade de Negócio cria valor para os acionistas? Crescimento de Receita Margem EBITDA? Geração de Caixa? Como abordar o dilema: crescimento versus retorno decrescente? Qual negócio mostra uma tendência saudável e qual requer maior atenção? 29/07/

31 Sistema de Gestão EVA Estabelecimento de Metas, Expectativas Futuras e Remuneração Variável 29/07/

32 Entendendo as expectativas de crescimento futuro MVA Future Growth Value (FGV ) FGV FGV ΔEVA... EVA /C* Ano1 Ano10 t Valor da Empresa Capital Capital Current Operations Value (COV ) As metas de ΔEVA são função das expectativas dos acionistas da empresa 29/07/

33 Desmembramento das metas de EVA É importante desmembrar a meta consolidada via um contrato explícito com os líderes das unidades de negócio, de maneira a obter a melhoria de EVA esperada ao longo do tempo. Centro Corporativo UN 1 UN 2 UN 3 UN n Valor da Operação Atual das UNs Crescimento-alvo das UNs Melhorias Esperadas de EVA 29/07/

34 Trade-Offs no Desenho do Plano de Remuneração Motivação Alto Risco Alto Custo Alinhamento Custo Prática de Remuneração Competitiva Risco de Retenção Motivação: criação de incentivos financeiros suficientes para motivar os executivos a assumir riscos e tomar decisões difíceis. Risco de Retenção: prover níveis de remuneração total suficientes para recrutar e reter executivos talentosos ao longo de todo o ciclo de negócios da empresa. Custo: limitar os custos da remuneração a fim de maximizar o retorno do acionista. 29/07/

35 Estrutura do Plano POLÍTICAS DE REMUNERAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO PARÂMETROS DE INCENTIVOS QUEM E QUANTO COMO Participantes Target por job grade Consolidado versus unidade de negócio Financeiro versus individual Medida de desempenho Meta Função de pagamento REGRAS ADMINISTRATIVAS O que acontece se... 29/07/

36 Planos Tradicionais possuem várias desvantagens Plano de Incentivos Tradicional Características Bônus Bônus Target» Baseado em orçamentos negociados» Definição de metas com baixa objetividade» Tetos e Pisos» Baseada em medidas de lucro» Sem relação explícita com criação de valor» Não relacionado à criação de valor sustentável Orçamento Desempenho 29/07/

37 Plano de Incentivos Atrelado à Criação de Valor Tripé do Plano de Bônus baseado em Valor A meta do plano é função das expectativas dos investidores O plano remunera melhorias sustentáveis A remuneração deve ser proporcional a melhora de performance cumulativa 29/07/

38 O Plano de Bônus EVA resolve estes problemas Plano de Bônus EVA Características Bônus Bônus Target» Estritamente relacionado à criação de valor» Metas objetivas, baseadas em uma meta de valorização da ação» Sem pisos ou tetos, mas com um parâmetro de controle (banco de bônus)» Sistema auto-financiável» Metas plurianuais para focar criação sustentável de valor Meta de ΔEVA EVA 29/07/

39 O funcionamento do Banco de Bônus Bônus Bônus depositado no banco Bônus Target Dedução de depósitos no banco Intervalo Melhoria Esperada no EVA EVA 29/07/

40 Definição do Banco de Bônus Bônus EVA Calculado Banco de Bônus Colaboradores transformam-se em coproprietários, pois somente parte do bônus é distribuído imediatamente, enquanto a parte restante permanece sob risco Para que bônus elevados sejam pagos, a criação de valor deve ser sustentável e verificada contra um plano de metas plurianual Pagamento Imediato Pagamento Futuro Incentiva a perspectiva de longo prazo para o planejamento e tomada de decisões Suaviza o pagamento de bônus 29/07/

41 Estratégia de Remuneração voltada à Criação de Valor Uma estratégia de remuneração para a criação de valor trata de incentivos de curto, médio e longo prazos COLABORADORES CO-PROPRIETÁRIOS EVA STOCK OPTIONS PLAN BANCO DE BÔNUS EVA EVA CASH-BONUS SALÁRIO FIXO REMUNERAÇÃO BASE BÔNUS DE CURTO PRAZO BÔNUS DE MÉDIO PRAZO BÔNUS DE LONGO PRAZO 29/07/

42 Plano de Bônus EVA e ILP são complementares Ciclo do negócio pode influenciar a ênfase em cada instrumento. CURTO E MÉDIO PRAZOS Remunera a criação de valor através do Desempenho Operacional. LONGO PRAZO Remunera a criação de valor através do Desempenho da ação da empresa. Captura resultados já comprovados das ações tomadas pelos executivos. Exemplos: Redução de custos Negociação com fornecedores Gerenciamento de estoques Captura expectativas de resultados futuros. Exemplos: M&A / Venda de Ativos Expansões Novos negócios Reestruturações BÔNUS BASEADO EM EVA PLANOS DE INCENTIVOS DE LONGO PRAZO 29/07/

43 Plano de Bônus EVA e ILP são complementares VALOR DE MERCADO DA EMPRESA INOVAÇÃO EXPECTATIVA DE AUMENTO DO RESULTADO FONTES Aumento de Valor devido ao aumento de expectativas (novos projetos, mercados, ampliações etc.) não é capturado imediatamente no EVA ; RESULTADO ATUAL REALIZAÇÃO CICLO Plano de Bônus EVA captura a transformação das expectativas em resultados palpáveis Um plano baseado no valor das ações incorpora as variações destas expectativas. 29/07/

44 Sistema de Gestão EVA Criando uma Cultura de Criação de Valor 29/07/

45 Ferramentas de Treinamento Treinamento Presencial EVA Básico, Avançado Análise de Investimentos Custo de Capital EVA Experts Jogo de Empresas (Casos Dinâmicos) Mapa de Aprendizado Maneira lúdica de promover um fácil entendimento do sistema de gestão Alcança um grande número de colaboradores Cria grande impacto e mobilização 29/07/

46 29/07/

47 Casos Anexo 29/07/

48 EVA no Grupo Ultra Implementação do EVA Ultrapar O Ultra iniciou a implementação do EVA em 2000, visando atingir um maior alinhamento de interesses entre os executivos e os acionistas. Foco na Geração de Valor Drill Down Motivações e Declarações O foco em resultados sustentáveis de longo prazo é amparado no uso da metodologia de Valor Econômico Adicionado (EVA ). Mensagem da Administração Ultrapar 2003 O EVA é apurado mensalmente para todas as unidades de negócio e cada unidade possui uma meta anual de EVA baseada na expectativa de crescimento futuro. Ações e Impacto do EVA Disciplina Financeira a aplicação da ferramenta EVA na análise de investimentos sinalizou para a companhia que a compra de ativos petroquímicos não era vantajosa. Eficiência no uso do capital Com o desenvolvimento e a introdução do EVA, em 1998, passamos a ter um maior foco no sentido de superar uma taxa de retorno requerida pelo capital empregado na companhia. Análise criteriosa dos negócios o EVA traz à tona discussões difíceis que provavelmente não seriam suscitadas por outros meios. Remuneração EVA Remuneração O EVA tem tido um papel muito importante no alinhamento entre o desempenho das unidades e o pagamento de bônus. Desde 2002, a remuneração variável dos executivos está atrelada ao resultado de EVA das unidades de negócio. Ultrapar, RA /07/

49 EVA no Grupo Andrade Gutierrez Grupo Andrade Gutierrez (AG) Motivação para o EVA A AG iniciou a implantação do EVA em 1998, visando atingir um maior alinhamento de interesses de seus executivos e seus acionistas. Accountability Hábitos antigos foram repensados. Hoje ninguém segura máquina ou pede alguma que não precise, porque sabe que o custo do capital vem junto. EVA é o foco Motivações e Declarações Mensagem da Administração em 2001:... Gestão com foco nos resultados, com o aproveitamento do uso de capital e a criação de valor para o acionista. O parâmetro de desempenho é o EVA. Ações e Impacto do EVA Venda de ativos não rentáveis A empresa vendeu imóveis e outros ativos que não cobriam o encargo de capital associado. Eficiência no uso de capital O EVA reduziu o uso de Capital de 80% para 20% das vendas ao longo de sete anos. Houve maior foco na gestão dos recebíveis de contratos públicos. Racionalização de máquinas e equipamentos de obras: a companhia passou a possuir unicamente equipamentos essenciais e estratégicos. Remuneração Presente na Remuneração há mais de 10 anos Desde 2001, o EVA é componente do Plano de Remuneração da Oi e da CCR e AG. Coerência entre Pagamento de Bônus e Geração de valor Forte aderência da performance da companhia à remuneração dos executivos. O EVA refletiu adequadamente o resultado (tanto positivo, quanto negativo) da Oi ao longo dos anos. E teve papel importante no alinhamento entre pagamento de bônus e geração de valor ao acionista. 29/07/

50 EVA na Ambev Ambev Ações e Impacto do EVA Distribuição de Dividendos Motivações e Declarações EVA aplicado a todo o Grupo Nosso foco é aumentar o valor do negócio. Para isso, identificamos uma variável de controle chave, que é o Economic Value Added (EVA), o qual nos permite medir o sucesso do Grupo como um todo (RA 2011). João Castro Neves (CEO), em 2010 Um diferencial da companhia foi a adoção do EVA como um dos principais indicadores a serem acompanhados...cinco pilares estratégicos: crescimento de receita, construção de marcas fortes, excelência em distribuição, gestão de custos eficiente e disciplina financeira. O EVA instigou no Management da Ambev a Distribuição do Caixa subutilizado via dividendos. Capital de Giro Negativo Forte disciplina financeira possibilitou a obtenção de capital de giro negativo:... decisão de estender o prazo de pagamento dos fornecedores da companhia mostra como a teoria financeira na área de compras pode reduzir custos e melhorar a saúde financeira da cadeia de abastecimento. Abril de 2010 na CFO Magazine Remuneração EVA no plano de remuneração Treinamento de 300 top executives Remuneração elaborada com base no EVA Consolidado e também por Unidades de Negócio. Comunicação com Carta do Presidente em 1997:...A utilização do EVA na remuneração variável na Ambev...é um instrumento fundamental de alinhamento de interesses de acionistas e pessoas que tocam o seu sai a dia... (Dynamo N. 40)... Para realmente adicionarmos valor, além de aumentar o nosso conhecido lucro da atividade, temos que reduzir o capital empregado... nossa remuneração (variável) estará a partir de agora atrelada ao EVA, ao que nós realmente adicionarmos de valor para acionistas)." 29/07/

51 EVA na BR Distribuidora BR Distribuidora Ações e Impacto do EVA Mudança na medição de Performance Motivações e Declarações EVA aplicado ao setor público Implementação realizada em Destaque ao se considerar uma empresa de administração indireta do governo federal. EVA por Unidade de Negócios Medição do EVA desce dois níveis abaixo do consolidado: por Unidade de Negócio, e por mercado de atuação. Há uma forte cultura de gestão dos resultados EVA contribuindo de maneira decisiva para o fortalecimento da gestão de ativos. Procedimento de Cálculo Processo de apuração mensal do EVA altamente automatizado, permitindo integração ao modelo de gestão de resultados. Desta forma, as metas de EVA são continuamente cobradas das unidades. Planejamento Estratégico...a BR busca resultados em termos de Crescimento (vendas, participação de mercado, resultados), de Rentabilidade (ROCE, EVA, margens, valor) e Responsabilidade Social e Ambiental... Anteriormente a performance das unidades era acompanhada pela demonstração de resultado contábil e não havia responsabilização (accountability) dos gestores pelo montante de capital aplicado nos projetos. Após o EVA, houve alocação do capital às respectivas unidades, com foco na redução do capital de giro (redução do saldo de contas a receber e estoques). CEOs passaram a cobrar as unidades pela melhoria do EVA...os números incluem ainda a expectativa de fechar o Valor Econômico Agregado (EVA) com um incremento de 30% em relação ao ano passado... (2007, José Eduardo Dutra, CEO) Transformação do Processo Orçamentário Processo orçamentário era fundamentado no resultado do ano anterior e passou a ser calcado em drivers de valor. EVA no processo decisório Exemplo: sale leaseback - a BR provocou alterações na proposta de uma operação até que se mostrasse que o EVA seria superior ao da manutenção do ativo. Uso do EVA na análise de instrumentos financeiros com intuito de racionalização do capital aplicado. 29/07/

52 EVA na Coca-Cola Coca-Cola Ações e Impacto do EVA Motivações e Declarações Duas etapas de uso do EVA A Coca Cola adotou o EVA no início dos anos 80, e foi o case de sucesso que propagou o conceito de VBM. Forte crescimento do EVA e do preço da ação por mais de uma década. "Ao longo dos últimos 13 anos, a empresa aumentou o seu lucro econômico a 26% por ano... No mesmo período, o preço das ações da Companhia tem crescido a 25% por ano. Relatório Anual de 1994 Alteração do direcionamento estratégico da companhia, com a busca incessante da criação de valor para os acionistas. Expansão e revisão do portfólio de produtos e reforço do valor de marca. Por meio da gestão baseada em EVA, percebemos que os negócios de Chá, Café Solúvel e Vinhos não geravam retorno superior ao WACC, mesmo que os operássemos de forma eficiente, e por isso decidimos vendê-los Roberto Goizueta, 1996 EVA na Remuneração Remuneração... os incentivos de bônus de longo prazo para alguns colaboradores da Companhia são determinados, em parte, por comparação contra níveis-meta de Lucro Econômico (...) feita para alinhar o foco da administração sobre os principais drivers do negócio. Relatório Anual de 1994 Com a súbita saída de Roberto Goizueta em função de seu estado de saúde, seus sucessores removeram a remuneração atrelada a EVA e o foco na criação de valor. Os resultados foram pífios e o mercado reagiu negativamente a este fato. Anos depois, a gestão baseada em valor foi restabelecida e permanece até os dias de hoje.... Desde 2007, o crescimento do lucro econômico* foi escolhido como o medida de desempenho para os bônus anuais, porque é uma importante medida de força da Companhia a longo prazo e é historicamente correlacionado com preço das ações ao longo do tempo. Proxy Statement, /07/

53 EVA na FEMSA FEMSA Ações e Impacto do EVA Início Como a FEMSA era uma empresa ligada à Coca-Cola, e nela percebeu o sucesso da implementação de EVA, houve um esforço para implementar EVA entre 1998 a O EVA foi inserido na remuneração em Novas expansões baseadas em EVA Com o framework do EVA finalizado, a FEMSA embarcou em uma estratégia de rápida expansão por meio de investimentos orgânicos e aquisições nos seus mercados. Saída do negócio de Cerveja Maior empresa de bebidas não alcoólicas da América Latina, produzindo, e vendendo produtos da Coca- Cola e marcas próprias Motivações e Declarações O EVA ajudou a FEMSA a analisar que a unidade de negócio que deu início a suas operações, a cervejaria, não gerava valor para a empresa. Em jan/2010, anunciou o acordo de trocar 100% de sua operação de cerveja por 20% no Grupo Heineken, resultando em um aumento de 14% na sua ação. O EVA criou metas objetivas e eliminou negociações que consumiam tempo entre níveis diferentes de gestores. Ajudou a garantir que a expansão rápida na base do capital e aumentos substanciais em investimentos fossem acompanhados por retornos iguais ou superiores ao custo do capital (Oxxo, por exemplo). O EVA apoiou as decisões de aquisições consistentes com a análise de valor. Incentivos de Remuneração baseada em EVA Remuneração Equilíbrio entre EVA e outras métricas, incorporando objetivos estratégicos nas diferentes unidades Integração de incentivos bem sucedida entre a empresa e diversas divisões autônomas Garantia de que a Remuneração esteja de mãos dadas com o desempenho Estabilidade e foco através de inúmeras operações internacionais 29/07/

54 EVA na Volkswagen Grupo Volkswagen EVA aplicado a todo o Grupo Nosso foco é aumentar o valor do negócio. Para isso, identificamos uma variável de controle chave, que é o Economic Value Added (EVA), o qual nos permite medir o sucesso do Grupo como um todo (RA 2011). EVA por Negócio, Produto e Projeto O EVA é utilizado para medir o sucesso de cada linha de negócio da Divisão Automotiva, bem como de produtos individuais e projetos, de forma a balancear o lucro obtido contra o capital empregado nas atividades. Inovação Motivações e Declarações O EVA não limitou a criação de novas tecnologias (TSI, DSG) nem de produtos ambientalmente corretos (Bluemotion). A VW é a segunda maior montadora de automóveis do mundo, presente em 94 países. Antes do EVA Anteriormente, a VW observava metas de Receita, EBITDA e Margem de Lucro. Segundo eles: Essas três variáveis financeiras, entretanto, não garantiam que o capital empregado na companhia estava gerando um retorno econômico proporcionalmente razoável. Depois do EVA Ações e Impacto do EVA Com o desenvolvimento e a introdução do EVA, em 1998, passamos a ter um maior foco no sentido de superar uma taxa de retorno requerida pelo capital empregado na companhia. Remuneração EVA Remuneração Desde 2004, uma parcela do bônus está atrelada ao EVA e/ou drivers EVA O EVA permitiu um rebalanceamento do esquema de remuneração. Houve um melhor alinhamento entre comissões por serviços de alta margem (reparos e manutenção) e por vendas de veículos (menor margem). Simultaneamente, o EVA permitiu aperfeiçoar a avaliação de risco (pressão por resultados de curto prazo) e ponderá-la contra com o efetivo sucesso financeiro das vendas. 29/07/

55 EVA na Siemens Implementação do EVA Siemens Siemens é um conglomerado alemão diversificado. Atua em Energia, Medicina, Indústria, TI e Serviços Financeiros. Motivações e Declarações Em 1998, a Siemens implementou o sistema de gestão baseado em EVA, como parte das iniciativas de reinvenção da companhia e de aumento da competitividade. Nós passamos de uma companhia que gera empregos para uma companhia que gera valor para os acionistas. Gerhard Schulmeyer Ex-CEO da Siemens Nixdorf Ações e Impacto do EVA Para determinar se um investimento em particular é passível de gerar valor para a Siemens, nós utilizamos o valor presente líquido do EVA... - RA 2010 Reorganização ou venda das divisões com desempenho inferior, visando liberar caixa para expansão em áreas com retornos mais atrativos (Ex: Divisão de Semicondutores). Aprovação das aquisições que aumentem o EVA da companhia num período máximo de três anos após a integração. Plano de Remuneração Remuneração A remuneração variável é atrelada ao desempenho da companhia em relação a metas de EVA (...) definidas pelo Conselho de Administração no início de cada ano. Relatório Anual/2008 und Die durch top + zusammengeführten Programme erhalten durch Win eine einheitliche Ausrichtung: die kontinuierliche Wertsteigerung von Siemens A agenda de geração de valor conecta os caminhos e as medidas de criação de valor com a comunicação com o mercado de capitais para reforçar as expectativas. Value Agenda (2000) Siemens O sistema de gestão baseado em EVA é uma ferramenta chave no processo de reinvenção da companhia: estratégia, cultura e operações. Criação de valor sustentável envolve geração de valor via aumento da eficiência do uso do capital. Joe Kaeser Siemens AG CFO, /07/

56 EVA na Hertz Hertz Ações e Impacto do EVA Transformação do Negócio EVA é parte do processo de transformação do negócio, que passa por uma cultura operacional de excelência até a aceleração do fluxo de caixa. Motivações e Declarações A racionalização do capital aplicado é um dos pilares do programa de aceleração no fluxo de caixa e um driver de retorno fundamental do negócio. EVA A implementação foi concluída em 2010 e o objetivo desde o início foi a elaboração de uma medida simples, porém que acoplasse os elementos específicos do negócio de aluguel de carros...o fortalecimento da gestão da frota de veículos é uma importante alavanca de retorno, pois reduz os custos de venda, melhora os preços praticados e mantém o estoque de carros alugados por um período maior... (2013, Apresentação para os Investidores) Novo Foco a Hertz progrediu em seu compromisso de prover o melhor serviço ao menor custo possível. Continuaremos em 2011 focados em melhorar a satisfação dos nossos clientes, colaboradores e disciplinados na administração dos ativos (2010, Relatório Anual da Companhia) Plano de Remuneração Remuneração...nós aumentamos o peso do EVA como métrica de performance para o plano de incentivos de 2011 porque acreditamos que a métrica está diretamente relacionada com um alto retorno aos acionistas, refletindo nossa habilidade de gerar retornos acima do custo de capital... (2012, Proxy Statement da SEC 29/07/

57 Contato STERN STEWART & CO. Rua Helena, 260, conjunto 31, 3º andar CEP Vila Olímpia São Paulo SP Brasil T: +55 (11) F: +55 (11) Nome: Pedro Tavares 29/07/

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

CFO Estrategista Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3

3 Indicadores de Resultados da gestão comercial. Série Indicadores Essenciais Volume 3 3 Indicadores de Resultados da gestão comercial Série Indicadores Essenciais Volume 3 Gestão Comercial de Alta Performance Clique abaixo e saiba como podemos colaborar com o desenvolvimento de sua equipe.

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL. Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br ANÁLISE DAS FERRAMENTAS DE CONTROLE GERENCIAL PARA MELHORIA DA PERFORMANCE EMPRESARIAL Prof. Elias Garcia egarcia@unioeste.br Prof. Elias Garcia Bacharel em Ciências Contábeis 1988 Especialização em Contabilidade

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios

Módulo 2. Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Módulo 2 Origem do BSC, desdobramento do BSC, estrutura e processo de criação do BSC, gestão estratégica e exercícios Origem do BSC Cenário Competitivos CONCORRENTE A CONCORRENTE C VISÃO DE FUTURO ESTRATÉGIA

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

UM GLOSSÁRIO PARA O DIA A DIA DO EXECUTIVO

UM GLOSSÁRIO PARA O DIA A DIA DO EXECUTIVO UM GLOSSÁRIO PARA O DIA A DIA DO EXECUTIVO! MAIS DE 15 CONCEITOS PARA VOCÊ CONFERIR! INVISTA 10 MINUTOS PARA LAPIDAR E CORRIGIR CONCEITOS E PRÁTICAS DO SEU COTIDIANO Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos.

O Lucro Líquido do 1T12 foi de R$2,5 MM, superior em R$10,7 MM ao prejuízo do 1T11, de R$8,2 MM negativos. São Paulo, 13 de maio de 2013 - A Unidas S.A. ( Companhia ou Unidas ) anuncia os seus resultados do primeiro trimestre de 2012 (). As informações financeiras são apresentadas em milhões de Reais, exceto

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial

Finance Training - Treinamento Gerencial e Consultoria Empresarial Página 1 de 5. 05/09/2011 ORÇAMENTO BASE ZERO uma ferramenta gerencial para redução de custos e otimização de resultados, distribuição de dividendos e nível de retorno dos investimentos Prof. Ricardo Ferro

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira

Administração Financeira e Orçamentária I. Introdução à Administração Financeira Administração Financeira e Orçamentária I Introdução à Administração Financeira Conteúdo O Campo das Finanças A Função Financeira na Empresa As Funções do Administrador Financeiro O Objetivo da Empresa

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

segundo o processo de tomada de decisões:

segundo o processo de tomada de decisões: Curso de Especialização em Administração Judiciária Tópicos de Administração Financeira Turma II Prof: Carlos Vidal 1 - A FUNÇÃO FINANCEIRA DA EMPRESA segundo o processo de tomada de decisões: a) decisões

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013.

CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. CFO Panorama Global dos Negócios Cenário Favorável no Brasil em 2013. ------------------------------------------- DUKE UNIVERSITY NEWS e FGV Notícias Duke University Office of News & Communications http://www.dukenews.duke.edu

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

Fevereiro de 2013. Aquisição da Wise Up

Fevereiro de 2013. Aquisição da Wise Up Fevereiro de 2013 Aquisição da Wise Up Agenda SEÇÃO 1 Sumário da Transação SEÇÃO 2 Visão Geral da Wise Up 2 Seção 1: Sumário da Transação Sumário da Transação A Transação Aquisição de 100% do Grupo Ometz

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

FEMSA gerencia mais de 80 mil tickets mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager

FEMSA gerencia mais de 80 mil tickets mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager CUSTOMER SUCCESS STORY FEMSA gerencia mais de 80 mil tickets mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager PERFIL DO CLIENTE Indústria: Bebidas Companhia: FEMSA Funcionários: +177 mil (global)

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 3T09

Teleconferência de Resultados do 3T09 Teleconferência de Resultados do 3T09 2 Destaques do trimestre O forte resultado do 3T09 demonstrou nossa confortável posição competitiva na indústria de proteínas e confirmou os resultados esperados de

Leia mais

RESULTADO DO 1º TRIMESTRE DE 2013

RESULTADO DO 1º TRIMESTRE DE 2013 RESULTADO DO 1º TRIMESTRE DE 2013 DASA divulga receita bruta de R$ 640,4 milhões e geração de caixa operacional de R$ 43,3 milhões no 1T13 Romeu Cortes Domingues Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 534, DE 29 DE JANEIRO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 02 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio

FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças. Prof. Moab Aurélio FTAD - Formação técnica em Administração de Empresas Módulo de Contabilidade e Finanças Prof. Moab Aurélio Competências a serem Trabalhadas Planejamento Orçamentário Contabilidade Gestão financeira ACI

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 Resultados 1T15 www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float,

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

Press Release. Voith promove constantes mudanças 2014-12-10

Press Release. Voith promove constantes mudanças 2014-12-10 Press Release Voith promove constantes mudanças 2014-12-10 Reversão da tendência em pedidos recebidos se estabiliza: volume de pedidos aumenta em 7% no ano fiscal de 2013/14 Vendas consolidadas e lucro

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-34 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional A Empresa Atuamos como Gestores da Mudança Organizacional, introduzindo urgência e foco nas empresasde nossosclientes, lidandoprioritariamentecom a áreafinanceira, mas entendendo

Leia mais

Avaliação de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Avaliação de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ARGENTINA BRASIL CHILE COLÔMBIA MÉXICO PERÚ URUGUAI. Caminhos para o Sucesso na Gestão de RH na América Latina

ARGENTINA BRASIL CHILE COLÔMBIA MÉXICO PERÚ URUGUAI. Caminhos para o Sucesso na Gestão de RH na América Latina ARGENTINA BRASIL CHILE COLÔMBIA MÉXICO PERÚ URUGUAI 5 Caminhos para o Sucesso na Gestão de RH na América Latina 1 INTRODUÇÃO A gestão de Recursos Humanos é extremamente complexa, uma vez que combina várias

Leia mais

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager

FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager CUSTOMER SUCCESS STORY Julho 2013 FEMSA Gerencia mais de 80 mil Tickets Mensais de TI, Finanças e RH com CA Service Desk Manager PERFIL DO CLIENTE Indústria: Bebidas Companhia: FEMSA Funcionários: +177

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios

Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria e Negócios Supply Chain Management & Logística: Lucro, Retorno e Valor para o Acionista Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras Logicon Centro de Pesquisa em Logística Integrada à Controladoria

Leia mais

Excelência operacional

Excelência operacional Excelência operacional o pilar para obter um crescimento lucrativo na Colômbia POR: DAVID MONROY E ROBERTO PALACIOS, SINTEC Siga-nos: @Perspectiva Sintec @Sintec_ @PerspectivaSintec Introdução Toda empresa

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Contabilidade financeira e orçamentária I

Contabilidade financeira e orçamentária I Contabilidade financeira e orçamentária I Curso de Ciências Contábeis - 6º Período Professora: Edenise Aparecida dos Anjos INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Finanças Corporativas: incorporaram em seu

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Gestão Financeira Empresarial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão Financeira Empresarial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI

EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI EMPRESA COM CONHECIMENTO EM TI Referência Conhecimento em TI : O que executivos precisam saber para conduzirem com sucesso TI em suas empresas. Peter Weill & Jeanne W. Ross Tradução M.Books, 2010. 2 O

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Teleconferência. Resultados do 2 o Trimestre de 2007

Teleconferência. Resultados do 2 o Trimestre de 2007 Teleconferência Resultados do 2 o Trimestre de 2007 Aviso Legal Este documento contém declarações futuras, que podem ser identificadas por palavras como espera, pretende, planeja, acredita, procura, estima

Leia mais

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA Revista Conjuntura Econômica 01/2000 Oscar Malvessi* COMPETIVIDADE, A VELOCIDADE COM QUE ESTÁ OCORRENDO A TRANSFORMAÇÃO dos negócios, a globalização dos mercados

Leia mais